quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

GUEST POST: MINHA CULPA POR SER NEGRO

Diego me enviou este texto, que publico com muito orgulho.

Meu nome é Diego Paulino, tenho 22 anos, sou negro, estudante de Imagem e Som (Cinema) na UFSCar - Universidade Federal de São Carlos. Há algum tempo acompanho seu blog na busca de tentar moldar mais a minha opinião sobre a situação político-social no Brasil (e no mundo). É bem legal ver o tamanho do alcance do blog e perceber que tem mais pessoas pensando como eu. 
Depois de ler uma reportagem sobre o "arrastão" em Vitória, resolvi escrever sobre racismo -- acho que pela primeira vez na vida.
Eu sempre fui o único negro do meu círculo social e, por muitas vezes, quando criança, questionei isso. 
Me questionei porque eu não era branco como meus amigos ou porque não tinha puxado à família do meu pai (meu lado paterno tem pele clara). Me questionei porque não podia fazer o topete do cara da tv que todo mundo estava fazendo, e também me questionei muito sobre a razão de ter sempre que raspar a cabeça para ficar bonito, já meu cabelo era "ruim". Mas né, eu era criança. Tinha vários amigos brancos e eles gostavam de mim pelo que eu era. Racismo no Brasil? Quié isso
Mal sabia eu que aquele pensamento já era discriminatório por si só.
A gente cresce e cá estou eu, refletindo sobre o tema. É cruel como existe todo um sistema de redirecionamento de culpa do opressor para o oprimido, e notei isso na época dos vestibulares. Eu repetia o discurso idiota de que era contra as cotas raciais e a "favor da cota pra pobre" porque me negava a ver que a maioria da população pobre é negra, porque eu não queria entrar numa universidade com uma "ajuda", uma "esmola" do governo que, com as cotas, afirmava que eu era incapaz de passar no vestibular por meus próprios "méritos". 
Eu queria provar, para eles e para mim, que eu, Diego, era tão capacitado quanto um menino branco que não precisa de cotas.
Entretanto, pensando hoje, meu maior medo era ser discriminado na universidade justamente por ter usado as tais cotas, e ser chamado de "preto burro", coisa que já tinham me chamado antes.
A culpa era minha. Há três ou quatro gerações parte da minha família era escrava -- e a culpa era minha. Trezentos anos de escravidão e a culpa era minha. Quando tentavam pagar o débito, com medidas desiguais para uma sociedade desigual, eu era compelido a acreditar numa igualdade que nunca existiu no Brasil. Era compelido a acreditar que favorecer a mim, por questões sócio-históricas, era culpa minha. 
Claro, eu deveria subir na vida por conta própria, porque a meritocracia é uma coisa que rege nossa sociedade e, bom, se eu não atingir meu objetivo, não "era mim pra mim", já que Deus (branco, loiro e de olhos azuis, que fez todos a sua imagem e semelhança e por algum motivo me deixou preto -- cor associada ao mal) tinha algo guardado pra mim no futuro: nem que fosse essa culpa que sentia sem saber porquê ou pensamentos infantis sobre a razão de não ter nascido no lado certo da tabela de cores.
Trocam o Lázaro Ramos e Camila Pitanga por Fernanda Lima e Rodrigo Hilbert e não é racismo, e ninguém tem a ver com isso, ainda mais gente branquinha que paga impostos e tem amigos, conhecidos, e pessoas negras que consideram muito; abordam a mim e mais dois amigos (negros, veja só como evoluí!) na porta da casa de um deles, com armas apontadas, e não, não é racismo. Era medida de segurança, estavam fazendo a ronda. 
Me acusam de roubo numa loja de doces em frente à minha escola quando eu tinha 9 anos, e não, não é racismo. Prendem, alegando um arrastão inexistente, um número absurdo de negros, pardos e brancos que se identificam com a cultura negra que "invadiram" um shopping (como alguém invade um shopping no horário comercial?) e não, não é racismo
Usam "macumbeiro" como ofensa, se referem ao "neguinho" da outra rua com desdém, te olham feio quando anda num lugar "predominantemente branco", não te atendem direito numa loja, te julgam como um ladrão em potencial apenas pelo tom da sua pele e, fazem piadas onde associam o negro à m*rda de cachorro, e adivinhem só? Não, não é racismo!
Deve ser tudo imaginação dessa minha cabeça preta, com cabelo ruim... Ou, como li nos comentários de um portal de notícias (nunca caiam nessa cilada): "É tudo culpa desses movimentos esquerdistas e racialistas que querem fazer o racismo ao contrário!"
Desculpe senhor autor dessa articulação primorosa, digna de ser impressa e posta numa moldura de marfim (ouro branco, não é?), mas pelo jeito trezentos anos de escravidão, exclusão e opressão não me ensinaram a pensar de forma direita.
Afinal, a culpa é toda minha.

93 comentários:

Anônimo disse...

Esperando os comentários sobre como falar de racismo é racismo em 3, 2, 1...

Anônimo disse...

O racismo no Brasil é um fato. E , claro, os descendentes dos opressores, dos que escravizaram os índios e depois os negros , querem manter a desigualdade e as diferenças como eram há mais de duzentos anos. Vejam a Universidade de Ponta Grossa, que se apressou a terminar com o sistema de cotas pouquíssimo tempo depois de adotá-lo. Parece que voltaram atrás após manifestações, mas isso não muda o fato de que houve uma atitude totalmente racista, como também foi o caso da Associação Comercial do Paraná, que conseguiu suspender o feriado do Dia da Consciência Negra. E vem o tal do Sr. Ali Kamel, da Rede Globo, dizer que no Brasil não há racismo... Em tempo: sou um dos privilegiados, branco, alto , e que, mesmo tendo estudado a vida inteira em escolas públicas, teve as oportunidades que certamente foram negadas a quem não énasceu assim.

Anônimo disse...

Este casal branco não tem nem a metade do talento artístico da Camila Pitanga e do Lázaro Ramos. Já não estava ânimo em relação a esta copa mesmo, agora menos ainda. Quanto a globeleza, a globo mais uma vez relacionando apenas para mulheres negras o papel de boazuda seminua de carnaval.

Anônimo disse...

Lindo texto! Tudo de bom pra você, estamos aí na luta <3

Marcia Baratto disse...

O post é ótimo. Espero que os racis., ops... 'críticos dos politicamente correto', já tenham desenvolvidos miolos para entende-lo.

Carolina Ferreira disse...

Diego, que coisa boa entrar aqui, como sempre entro, mas me deparar com um texto seu.
E espero, que não demore mais muitas gerações (como tem demorado tanto - quem sabe a nossa ainda, se formos otimistas) para vivermos mais a alteridade e menos as diferenças.

abobrino disse...

Sobre o caso do shopping vou fazer um esclarecimento pq tá rolando uma desinformação tremenda por aí. Vou colar aqui o cometário que fiz em outro lugar.

"Sério, parem com isso! Todo mundo na onda do "se prendeu negro é racismo, fora PM!"

Vocês estão acompanhando os comentários de quem estava lá? Ouviram a versão das pessoas? Minha prima estava chegando no shopping na hora da confusão, e ouviu o tiro. Sim, tiro, e não foi só um não. As pessoas na praça de alimentação deitaram no chão, teve tiroteio e várias afirmam ter visto um cara baleado. Infelizmente as imagens até agora só mostram o ocorrido a partir da abordagem policial, já que antes todo mundo estava muito ocupado fugindo.

As tais "vítimas da sociedade" marcaram um encontro pelo facebook nas proximidades do shopping, teve briga por lá e alguém chamou a polícia. Um grupo fugiu e entrou no lugar, mas a PM não tinha ido atrás deles. Aí a merda aconteceu: Começaram a implicar com as pessoas, assediaram as garotas que passavam, os seguranças foram chamados e a coisa saiu do controle, começaram a correr, aí que rolaram os roubos (uma mulher escreveu agora há pouco que teve bolsa e óculos roubados pelo grupo). Além das pessoas, tentaram furtar umas lojas puxando roupas das araras próximas às portas, aí as lojas fecharam e mesmo assim teve maloqueiro forçando para entrar. A PM veio, isolou os bandidos (quem faz isso é bandido, né?) e agora tá esse choro na web que foi racismo e tal. Na boa, viram as imagens? Grupo perfeitamente homogêneo - brancos, pardos e negros.

Mas é foda! Vitória é uma cidade pequena (ilha), a família Buaiz que controla o shopping tem a mídia aqui na mão, as lojas anunciam em TODOS os veículos de comunicação daqui, e é claro que faltando três semanas para o natal não vão permitir que uma notícia de arrastão e tiroteio se espalhe. Como sempre, quem paga o pato é a polícia."

Update: Minha irmã acabou de voltar de lá e bateu um papo com uma atendente. Ela confirmou que foi arrastão sim, que muitas pessoas foram roubadas e agredidas. Ela falou que o chefe dela reuniu os funcionários e proibiu todos de falarem do assunto. Tenho certeza que todos os funcionários do shopping ouviram a mesma coisa.

Anônimo disse...

Que texto lindo!
E vou te falar, sempre pensei 'negro nenhum carrega a culpa por ser negro, negro nenhum acredita que é inferior, e me entristece muito pensar que entre as mulheres, esse pensamento aconteça'.

Bom.. acho que dá perceber que sou mulher (feminista) e branca...

Mas sabia eu que esse sentimento também existe entre os negros também.

MUITO FELIZ por que você viu que a culpa não é sua, e que "neguinho" não é xingamento, e que você é tão bom quanto qualquer pessoa.

To rezando pra hora que as mulheres (TODAS) percebam a mesma coisa que você!

Abração
Lilith

Anônimo disse...

Racismo no Brasil existe. É impossível negar. Entretanto, ele NÃO É justificativa para as cotas.
Meritocracia também é papo-furado. A maioria dos negros são pobres, mas ser pobre não é sinônimo de ser negro. Acredito que todas as pessoas de bem querem uma sociedade igualitária, na qual ninguém ganhe um salário mínimo para limpar a privada alheia, ou melhor - na qual ninguém precise lavar a privada alheia para viver, porque isto é um desperdício do potencial contido na vida humana.
As cotas raciais são cruéis com todos aqueles que independente da cor também são vítimas da desigualdade social no Brasil.
Aliás, eu acompanho discussão sobre cotas, e em geral quem argumenta contra é rotulado de elitista, insensível, reacionário. Ninguém percebe que a elite está pouco se importando com cotas raciais. A elite sempre vai ter sua vaga garantida no curso mais concorrido da Fuvest, independente de haver cotas ou não.
Àqueles que mal conseguem manter alma e corpo juntos, mas que por ACASO não são negros, vão continuar se contentando com o ensino de segunda classe, que aliás hoje, é mais um componente discriminatório no mercado.

Giovana disse...

Belo texto e me identifiquei em todos os graus.

Anônimo disse...

Olha, eu concordo com tudo o que foi dito.
E digo mais: já que meu tatatataravô foi responsável pela escravidão e por conta disso eu, brasileiro branco descendente de de europeus, provavelmente terei uma dívida eterna e impagável com todos os índios e negros (que culpa tenho eu se meu tatatataravô era possivelmente um verme???), proponho que enchamos caravelas com brasileiros brancos e descendentes de europeus e os despachemos de volta para a Europa!
E os negros também terão de sair, em direção á África. Vieram para cá obrigados, mas mesmo assim usurparam as terras dos silvícolas! então terão de sair e voltar para a África.
E os pardos poderão escolher, Europa ou África, já que não são nem negros nem brancos totalmente!
Já que a moda agora é dizer que a terra pertence a quem primeiro nela chegou, vamos reconduzir as coisas ao patamar do ano de 1491, quando Colombo ainda não tinha posto os pés nas Américas!
Eu apóio! Quem mais?

N. disse...

Texto maravilhoso!!
Infelizmente tem pessoas na minha família muito racistas, bahhh
Dizem que fulano tem cara de pobre, ai outra pessoa complementa "ai, ele é meio escurinho". Eu fico com nojo, com raiva deste racismo, mas se falo qualquer coisa, sou a chata...então tá...

PS: eu gosto da sua familia mesmo assim, e tal, mas reconheço preconceitos.

Anônimo disse...

É bonito ser feminista e se aliar aos negros contra a discriminação né?
Mas nas férias, de cada 1.000 mulheres, todas bem fiministas, 995 quer ir para EUROPA ou EUA, talvez quatro para o Oriente e UMA, no máximo, quer ir pra África!
Isso tem nome, nem preciso dizer.

Aumilde Sincericida disse...

Eu estou pisando em ovos até dentro de casa sozinha com os cachorros e gatos.

Anônimo disse...

E quanto a negros que são contra a cotas, o que falar deles?

Anônimo disse...

durante toda a vida fui chamado de leite azedo,branquelo ridículo,fantasma,papel,diziam q se eu ficasse contra a luz sumiria,mas segundo vcs isso n é racismo.


" E , claro, os descendentes dos opressores, dos que escravizaram os índios e depois os negros , querem manter a desigualdade e as diferenças como eram há mais de duzentos anos"

ah é,eu tenho culpa pelo que os brancos de antigamente fizeram,belo raciocínio...


Quanto a globeleza, a globo mais uma vez relacionando apenas para mulheres negras o papel de boazuda seminua de carnaval

as mulheres que participam disso parecem bem felizes de serem avaliadas como pedaço de carne,ah mas é claro,que a culpa n é delas...

Larissa Petra disse...

Eu também já tive esse pensamento limitado sobre cotas raciais quando eu era mais nova, afinal eu era uma criança, logo eu repetia o discurso de certos adultos a minha volta, foi quando o meu pai, que apesar de sermos muito próximos trabalhava muitas horas e pouco tinha tempo para falar sobre isso comigo, percebeu que eu estava me limitando e tratou de me mostrar a verdade sobre isso.
Mas o mais engraçado é que mesmo pessoas com um pensamento voltado para a esquerda as vezes tendem a relutar sobre isso, mas a resposta é meio óbvia se pensarmos bem, a meritocracia nos traz uma vaidade muito grande, é chato a gente olhar nossa cara no espelho e ver que o nosso "mérito" não é assim tão nosso, que ele vem na verdade de nossos privilégios, pq é fácil para mim branca de classe média, passar em qualquer concurso e ninguém questionar meus méritos, agora imagina o negrx, pobrx, o mérito dele sempre será colocado a prova, é chato ver as pessoas se negando a ver que a parcela pobre do Brasil é negrx, é só olhar uma escola particular de classe média alta, faz uma proporção negrx e brancx, a escola é toda brancx, aí tem meia dúzia de negros lá, aí vem o coxinha e diz, ah não é racismo tem até um estudante negro lá, pq racismo não existe, vivemos na maior democracia racial do mundo...

Larissa Petra disse...

Cara, e sobre o "racismo cordial" que existe no Brasil, cara dá até raiva, com exceção da minha parte da família (eu, meus pais e meu irmão) o restante da minha família é muito reaça, assim meus tios e minha avó, dizem não somos racista...mas sempre soltam um: "a fulana é negra, mas que pessoa boa", aliás negra não "escura", "mulata", "de cor", elas nunca usam a palavra negra com medo de ofender, e pior quando eu digo que elas são racistas sim, elas se ofendem, pq elas realmente não se acham racistas, pois elas foram criadas acreditando que isso não é racismo, que racismo é apenas ódio contra o negro, mas não é, quando um vizinho negro nosso se formou em engenharia, nossa...que fulano ficou metido, e mimimimi, pq aparentemente ele não soube seu lugar na cozinha...meu tio chegava a dizer que não admitiria que meus primos se casassem com uma mulher negra, que é contra a "mistura", mas ele não é racista magina eu que sou, enfim não existe racismo aqui afinal ! #SQN

Rosa disse...

Mas se colocasse cota pra pessoas pobres em vez de raciais, estaria também ajudando os negros que em sua grande maioria é pobre.

Eu ainda não tenho uma opinião formada sobre esse assunto, as vezes eu concordo com alguns argumentos de quem é contra as cotas raciais outras vezes eu concordo com os que são a favor.. enfim, eu estou bem confusa quanto a isso.

A cota racial foi criada apenas pra "reparar" a época em que havia escravidão??

Se alguém quiser tentar me ajudar a entender, vou estar lendo os comentários.! :)

Anônimo disse...

Essa foi demais!!

Quando os fatos são um pouquinho diferentes da teoria, mudamos um pouquinho os fatos!

Que dizer que os invasores do shopping eram negros ou "brancos identificados com o movimento negro"????!!!!!

tá brincando....

Léty Hyuuga disse...

Que texto maravilhoso! Parabéns ao Diego por tê-lo escrito, e parabéns à Lola, por abrir espaço e nos presentear com um post tão lindo. :)

Anônimo disse...

Olá Lola!

Tem um blog muito popular na internet onde o mascu se faz de vítima, mas na verdade é um disseminador de ódio contra mulheres e homens casados. Tem como um reaça desse responder legalmente pelo que escreve? Quais os canais que o Estado oferece para que façamos denúncias?

Anônimo disse...

Mas gente,entendo e concordo com o discurso do racismo feito aqui, com exceção das cotas( por favor me expliquem). Sou pobre e branca e tive dificuldades com o ensino no país como qualquer pessoa de baixa renda pobre ou não. Seria muito mais justo uma cota para pessoas de baixa renda, o que incluiria todos os negros de baixa renda também.

Anônimo disse...

Simplesmente SENSACIONAL! ótimo texto, cara!!

Helen Pinho disse...

tem que publicar com muito orgulho mesmo. que ótimo texto!

sim vamos falar de racismo, falar muito, falar falar ... que esconder ele debaixo do tapete - como fazemos a séculos - deixa-o enorme e eterno.

Anônimo disse...

Mas, afinal, a Camila Pitanga e o Lázaro Ramos foram TROCADOS, ou eles nem tinham sido convidados? A própria Camila Pitanga disse que nem havia sido convidada. Acho até que poderia ser discutido sobre escolherem a Camila Pitanga e o Lázaro Ramos, que são ótimos atores e representariam muito bem nosso país, mas inventar coisas pra criar polêmicas, pra bradar RACISMO! RACISMO!, aí acho que pega mal, deslegitima o movimento.

Lucas disse...

Está na hora de acabar com todo esse racismo e todo esse coitadismo. Como disse Morgan Freeman, o racismo só acabará quando as pessoas pararem de falar nele. Está na hora de parar de falar em benefícios para "coitadinhos", pois é só com cabeça erguida que é possível encarar os problemas da vida. Os judeus sempre foram extremamente discriminados, perseguidos e mortos, durante toda a história (inclusive pelo nazismo), mas nunca recorreram a políticas coitadistas, e sim com trabalho e boa vontade conseguiram construir um país desenvolvido (Israel), e são ganhadores de 20% dos prêmios Nobel, embora representem apenas 0,5% da população.

Aninha disse...

Pois é, querido, a culpa é sua. Afinal, quem mandou nascer preto?

Eu realmente acredito que as cotas no Brasil vão acabar um dia. Num lindo dia onde meus colegas de trabalho negros ocupem também cargos semelhantes aos meus e não apenas os da faxina.

Janaina disse...

Totalmente off topic, mas queria saber opinião dxs leitores do blog sobre esse video, q teria sido um "confronto" entre feministas e religiosos na Argentina : http://www.youtube.com/watch?v=FVzxFZTNDoc&feature=em-upload_owner

Anônimo disse...

Racismo existe, é fato. Mas com relação ao caso do Shopping Vitória, não se aplica pois houve realmente um arrastão. A polícia foi chamada para conter o caos que havia se instalado no local. Sou capixaba, e aqui todos sabem da verdade dos fatos, embora tenha se tentado abafar por conta das vendas de Natal, como alguém já comentou. Fica o esclarecimento ao autor do guest post.

Roxy Carmichael disse...

anônimo das 14h45 só esqueceu de um detalhe:
existem mulheres negras
existem mulheres negras e feministas
existe o feminismo negro
existem pessoas que lutam pra descolonizar o feminismo
colonizado pelas pautas das mulheres brancas
justamente o unico feminismo que entra no radar de pessoas racistas como você.

não é mágico?

Anônimo disse...

Gostaria que as feministas comentassem também sobre os negros que são contra as cotas, sim porque tem negros contra as cotas raciais. O que falaram tem sentido sim, não vejo muitas feministas indo para Cuba por exemplo, vejo indo mais para os EUA e Europa.

Ster disse...

Meu comentário sobre as cotas é de que existem vários outros programas sociais voltados para classe baixa e este é UM programa social voltado para os negros. UM! Não entendo o porquê da revolta....
Pessoas brancas continuam com mais oportunidades que negros, independente da classe social. Isso já foi pesquisado e é fato.

Roxy Carmichael disse...

sobre coitadismo lucas, sugestão de leitura:
O judeu Norman Finkelstein denuncia uma cultura do holocausto, ou seja o holocausto como arma ideológica para oprimir palestinos.

não é mágico?

ps. a cota de citações do morgan freeman já expirou faz tempo.

Roxy Carmichael disse...

janaina
a verdade é dura
a igreja do chico apoiou a ditadura
e seus voos da morte, em que pessoas foram atiradas de aviões em pleno rio, em que mulheres foram estupradas, em que crianças filhas dos militantes da esquerda foram jogadas no mercado da adoção ilegal.

Anônimo disse...

Acho absurdo que hoje em dia pessoas negras sejam ofendidas e não tenham o direito de protestar.Só um negro sabe o que é racismo.Afirmar que nesse país fétido não há racismo,é como afirmar que aqui também não exista prostituição,fome,trabalho escravo,discriminação.As pessoas se fazem de cegas e ignorantes por que assim as convém.

luiz disse...

divida historica é uma piada,o autor desse texto foi escravizado para querer reparação de alguma coisa?
lutar contra a discriminação tudo bem ,mas a tal reparação é sem noção demais e coitadismo puro.
quem de fato foi escravizado merecia reparação e quem escravizou merecia a punição,só que todos morreram.

querer exigir pagamentos sem ter sofrido nada é ridículo,só pq eu sou branco tenho que me sentir mal pq antepassados meus fizeram merda?


aqui um video de uma mulher negra dizendo como o assistencialismo barato pode piorar a situação de uma pessoa ao invés de ajudar http://www.youtube.com/watch?v=NTx0B3PIW-E

Roxy Carmichael disse...

pra finalizar um beijo na boca do diego e uma banana pra tchurma do sou branco pobre e não sou amparado pelas ações afirmativas.
vamos lá pela milhonésima vez:
"O sistema de cotas foi criado para dar acesso a negros, índios, deficientes, estudantes de escola pública em universidades, concursos e mercado de trabalho. A política de cotas nas universidades é o melhor exemplo desse sistema no Brasil. As medidas de cotas raciais e sociais implantadas pelo governo ajudam no acesso de certos grupos na concorrência com o resto da população. É um caminho visto por alguns como a redução da exclusão e visto por outros como uma segunda forma que discriminação."
fonte: http://sistema-de-cotas.info/

Roxy Carmichael disse...

rosa
antes de mais nada, valorizo a disposição pro debate
mas por favor "apenas" me parece uma expressão que não deve ser utilizada na mesma frase que "escravidão". o brasil viveu mais tempo sob o regime escravocrata que sob regime livre. foi o ultimo país a abolir, atrocidades foram cometidas contras os milhões de negros que vieram pra cá à força. os senhores de engenho foram indenizados pelo fim da escravidão. esse debate não diz respeito aos nossos ancestrais escravocratas. diz respeito a todos nós, é NOSSA responsabilidade enquanto sociedade. os negros foram inteiramente responsáveis pelas conquistas alcançadas para garantir inclusão e cidadania da população preta. a sociedade é tão racista que ensina que foram coadjuvantes da própria historia, que os protagonistas da luta pelos direitos dos negros foram os brancos. as cotas são uma reivindicação histórica e uma conquista do movimento negro. busca-se a imediata inclusão do negros nas universidades e agora também no serviço público para que alcancemos uma democracia verdadeiramente representativa. um dos resultados esperados pelo sistema de cotas é não só incluir negros em espaços onde foram historicamente excluidos, mas que essa inclusão gere melhores condições de vida, além de auto-estima para a população negra, uma convivência real entre as raças (e não a convivência segregada dos espaços públicos das grandes cidades) e que essa convivência consiga minar o preconceito gradativamente.

Anônimo disse...

Ao Luiz

Engraçado. Negros de agora nada sofreram. Então me explica cadê o SOBRENOME africano da minha filha?

Eu sei o nome da aldeia no fim de mundo da Romênia onde minha avó nasceu. Ela veio miserável e analfabeta pro Brasil, mas o documento tá lá, o nome tá lá.

Só pra gente começar a conversar...

Anônimo disse...

É culpa dela tambem:
http://g1.globo.com/mundo/noticia/2013/12/mulher-e-espancada-por-gangue-em-onibus-de-londres-assista.html

Anônimo disse...

Um negro rico tem as mesmas chances de um branco pobre? Isso empata?

Leandro disse...

É um absurdo as pessoas defenderem o racismo que é esse sistema de cotas. Até quando as pessoas vão querer ser diferenciadas pela cor da pele? As cotas são claramente uma medida do PT para jogar as pessoas umas contra as outras, e desuni-las para enfraquecê-las. Também são uma medida "mágica" para acabar com a desigualdade social sem melhorar a educação, e uma falsa maneira de "proteger" os "coitadinhos" (negros).

Sara Marinho disse...

.
Quanto as cotas raciais, primeiramente, em quase todo lugar são destinadas a negros provindos de escolas públicas, o que significa que negros de classe média, que em geral estudam em escolas particulares, não terão acesso a elas, concorrerão pelo sistema universal com os brancos e amarelos. Também acho que não faz sentido lugares como a UNB (na verdade tenho certeza que era assim até 3 anos atrás, com a reformulação federal das cotas talvez esse quadro tenha se alterado) que ofertam cotas raciais para estudantes negros independentemente de onde cursaram o ensino médio.
Em segundo lugar, considero que a grande questão das cotas não é a correção de uma desigualdade histórica, é um argumento interessante, mas limitado, minha irmã, de mesmo pai e mãe, passaria numa entrevista de cotas, eu não, eu sou branca dos olhos claros, a despeito da negritude de minha mãe, avó, e bisavós pelo lado dessa avó, a desigualdade histórica está no meu passado tanto quanto no da minha irmã. Mas eu considero justo que eu não poderia entrar por cotas raciais numa universidade, diferentemente da minha irmã (na verdade, nos duas cursamos ensino médio em escolas privadas, não teríamos acesso a cotas onde moramos de qualquer maneira), porque a diferença de tonalidade entre nós gerou que recebêssemos tratamentos sociais diversos, as pessoas me trataram sempre com mais solicitude devido a minha cara de made in europa, minha inteligência não era, mesmo que veladamente, questionada em sala de aula devido a cor da minha pele (talvez o tenha sido em relação a meu gênero, ou a minhas origens por quem sabia do meu ensino básico na rede pública quando ingressei na rede privada), tenho impressão que sempre foi o contrário, na rede pública, onde havia uma variedade grande de cor de pele, acredito que havia uma tendencia velada a crer mais na inteligencia dos branquinhos (na rede privada mal tinha gente que não era branquinha para ter sua inteligência posta em cheque).
Em suma, brancos tem portas abertas que a negros se fecham, não necessariamente alguém diz para esse negro o motivo dessa porta fechada, e para o branco o dessa porta aberta, daí, dizem que é questão de mérito ou da subjetividade de quem escolhe. Um vestibular não vê cor, mas a vida que o precedeu sempre viu, e isso tende a prejudicar inclusive a auto-estima de negros e consequentemente seu aprendizado.
Minha irmã poderia ter cotas pela cor da pele e eu não porque a cor da nossa pele nos deu histórias diferentes.

Fabiana Zardo disse...

Abobrino, só tem um detalhe: polícia agiu de forma a humilhar os suspeitos.

Não tinha nada que sair pelo meio do shopping, tinha que ter ido pelas escadas de incêndio. Se você tá falando que teve tiroteio, pior ainda! Se aquilo fugisse do controle, muita gente poderia morrer!

A pergunta é: fariam a mesma coisa se fossem jovens brancos de classe média? Não. Por quê? Porque é branquinho e tem que ser tratado com direitos humanos contra humanos direitos.

Anônimo disse...

Vi num vídeo que uma das estratégias esquerdistas é travar lutas de grupos (brancos x negros, heteros x homos, jovens x idosos, etc..) Isso incentiva a maior participação legislativa pelo Governo... Na verdade se o Governo fosse sincero investiria para melhor o ensino publico, pois a quantidade de impostos que todos pagam daria para ter educação de excelente qualidade. E o que faz o MEC?? Apenas faz a DESEDUCAÇÃO, ou seja, esquerdando os mais jovens.. Apesar disso, ainda sou a favor de cotas para alunos de escola publica para universidades, e sou contra cotas raciais..

Anônimo disse...

O sistema de cotas e um tiro no pé do jovem negro estudioso, o mercado de trabalho vai logo reduzi-lo a "o cotista' e não a alguém que chegou onde chegou por merito próprio, vai ter muito jovem negro talentoso sendo preterido em vagas de emprego por outros menos capacitados por isto.
mas isto o partidão não te conta ne ?! afinal ele só quer o seu votinho facil com estas medidas populistas eleitoreiras de cotas.

Depois de formados,e serem estigmatizados por terem sido cotistas, vão criar o que?

Para o jovem negro formado engenharia, vão criar cotas para negros em construtoras ? vão criar cotas em uma Odebrecht da vida?

Para o Jovem negro formado em medicina, vão criar cotas para médicos negros ?
Para o jovem negro formado em direito vão criar cotas para negros na OAB ?

Para jovens negros formados em pedagogia, vão criar cotas para professores negros ?

Para jovens negros formados em propaganda e markenting, vão cria cotas para negros em empresas de publicidade?

Anônimo disse...

Tipo assim, eu sou oriental, meus antepassados vieram para cá enganados pelo governo brasileiros, para substituir mão de obras escrava, comeram o pão que o diabo amassou, não vão criar cotas para orientais em universidades e orgãos publicos não ?

luiz disse...

nossa !perder um sobrenome é tão grave quanto que ser escravizado? kkk essa foi foda.
e eu n disse que n sofrem nada pq racismo existe,mas a divida histórica pede reparação pela escravidão,coisa que os negros de agora n sofrem,simples.
então é isso mesmo,querem pagamento pelo que n sofreram.

tb perdi alguns sobrenomes e n to choramingando por isso,tb sou descendente de africanos,italianos e portugueses.

Thaís disse...

Vamos tentar desenhar a situação do negro no Brasil, porque parece que está difícil de entender. A maioria das pessoas que são contra cotas defende a "meritocracia", ou seja conquistar algo com esforço próprio. Ok isso seria lindo, ninguém se oporia, a isso se as situações fosse igual para todos.
Sou professora em uma universidade estadual de manhã (no curso de pedagogia) e professora de alfabetização de jovens e adultos a noite em uma escola também mantido pelo estado.
Na minha sala da faculdade, tenho apenas 1 aluna negra. Já na minha sala de alfabetização tenho 3 alunas brancas, o restante dos 57 alunos são negros ou pardos.
Ou seja, as minhas alunas de manhã? são mais competente, que meus alunxs do noturno? Eu vejo as duas turmas esforçadas, porém não da para dizer que o pessoal do noturno teve as mesmas oportunidades. Não se trata de coitadismo, a educação tem por obrigação quebrar paradigmas, e essa quebra só acontece quando você enxerga a realidade. E a igualdade (princípio) só acontece quando desiguala os desiguais para que tornem iguais.

Anônimo disse...

Eu e meus parentes somos descendentes de negros e mesmo assim somos médicos, engenheiros, advogados, muitos de nós temos situações privilegiadas, sem nunca, jamais, termos nos valido do uso de cotas, será que devemos nos sentir superiores por isso?
O que me preocupa, é que chegamos aqui batalhando com os brancos e apesar do preconceito, não gostaria de me ver comparado a outro negro que não tenha passado pelo mesmo processo que eu, e tenha seu caminho facilitado pelas cotas.
Profissionalmente temo que meu diploma seja desvalorizado em função disso.

Anônimo disse...

Sobre as cotas : eu sei , todos nós sabemos que para uma entrevista de emprego, ou qualquer outra coisa existem coisas subjetivas. Vou avaliar a competência da pessoa, mas vou avaliar também se gosto o não dela, entre outros. Por isso entendo que cotas sejam necessárias na televisão, nas empresas publicas e privadas, em cargos de direção. Nesses casos sou a favor de cotas para deficientes, negors, mulheres… toda seleção onde valores subjetivos entram em jogo deveriam ter cotas para grupos orpimidos.
Agora, numa prova escrita, que o corretor não ve a cara, nem a cor, nem sexo da pessoa, porque os negros precisam de cotas ?
Eh isso que não entendo. Se a entrada se desse por entrevista, eu entenderia, e apoiaria. Agora, numa prova de marcar xizinho? não entendo memso.

Sei que é preciso um equilibrio de brancos e negros na universidaden e claro que sou a favor… mas os negros não estão la porque ? Porque não tiveram acesso a uma boa educação, ou pelo simples fato de serem negros ? Tenho certeza que é pelo fato de terem tudo uma má educação (assim como eu !), e se é por essa razão, o fato de poderem entrar por cotas deveria ser cotas « para quem teve uma má educação » , não cotas para negros, ja que ser negro não te da menos chances de estar na unversidade, mas claro, te da mais probabiliadde de ser pobre.

Antes que me acusem de reaça, coias que não sou, so quero mesmpo entender...
Obrigada
Lilith

donadio disse...

"os senhores de engenho foram indenizados pelo fim da escravidão."

Há e houve muitas injustiças e coisas erradas no mundo, mas esta é uma que nunca aconteceu. A abolição da escravidão foi sem indenização.

... o que os senhores de engenho conseguiram fazer foi vender seus escravos para os cafeicultores de São Paulo (e Rio de Janeiro, e Minas Gerais), mas indenização não houve.

Fernanda disse...

Roxy Carmichael,

Graças a Deus que você apareceu por aqui, eu ja estava começando a ficar desesperada.

Alias, alguns comentarios aqui (e o pior é que são varios!) são realmente desesperadores.

Reconhecimento de privilégio, gente. Peloamordedeus. Isso é questão de humanidade. É um minimo. Lê e relê o texto do Diego, quantas vezes forem necessarias. Não é possivel que vocês realmente acreditem que negros e brancos estão no mesmo patamar, que têm as mesmas oportunidades, bastando apenas "lutar para isso". É sério, gente. Olha pra nossa sociedade, olha pro nosso povo. É muita, mas MUITA divida que temos sim com a população negra.

O momento de vestibular, aquelas 4 horas de prova, são marcadas pela historia de vida que a pessoa trouxe consigo, como é o caso das irmãs de cor de pele diferentes citadas aqui nos comentarios. Não tem como negligenciar isso. É a mesma coisa de apostar corrida entre um rapaz de classe média, bem alimentado e nutrido, praticante de esporte durante toda a sua vida, com um rapaz pobre da favela, que comia o que tinha, cujo esporte era correr de policia. Onde esta a igualdade nisso????

Releiam os comentarios da Roxy Carmichael, que é uma das pessoas mais esclarecidas por aqui.

Junior disse...

Quem já se interessou em ler a lei e os decretos que regulamentam as cotas, ao menos nas UFs da vida levanta a mão!

Muita gente vem dizer: "tem que ser cota social, eu sou branco e pobre bla, bla bla..."
Ou ainda: "Poxa, os negros ricos estão se aproveitando, mimimi"

Bom, segundo o decreto 7824 a pegada é a seguinte:

Art. 2º - As instituições federais vinculadas ao Ministério da Educação que ofertam vagas de educação superior reservarão, em cada concurso seletivo para ingresso nos cursos de graduação, por curso e turno, no mínimo cinquenta por cento de suas vagas para estudantes que tenham cursado integralmente o ensino médio em escolas públicas, inclusive em cursos de educação profissional técnica, observadas as seguintes condições:
I - no mínimo cinquenta por cento das vagas de que trata o caput serão reservadas a estudantes com renda familiar bruta igual ou inferior a um inteiro e cinco décimos salário-mínimo per capita; e
II - proporção de vagas no mínimo igual à de pretos, pardos e indígenas na população da unidade da Federação do local de oferta de vagas da instituição, segundo o último Censo Demográfico divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, que será reservada, por curso e turno, aos autodeclarados pretos, pardos e indígenas.


Então acho que podemos ficar tranquilos quanto aos negros ricos e medíocres que se aproveitam do sistema de cotas e quanto aos brancos pobres esquecidos pelo sistema.

Anônimo disse...

Não entendi, quem escolheu foi a FIFA, entidade Internacional do futebol, e os racistas são os brasileiros? Afinal, neste caso específico, a culpa é do Brasil ou da FIFA?

Anônimo disse...

"cujo esporte era correr de policia"

Extremamente de mau gosto e preconceituoso este comentário,quer dizer que por ser pobre, e consequentemente bandido? logico que não, a esquerda quer vender o crime como algo revolucionário, como guerra de classes, o que e um absurdo, a maioria de nossos jovens pobres enfrenta trabalhos com dignidade, joga-los no mesmo balaio que traficantes,sequestradores assaltantes, isto sim e pré conceito.
Você acha que policias vem de que classe social? da burguesia?
Quanto ao caso do Shopping, a policia agiu certo,chegou numa situação de caos, com vandalismo e baderna, e tratou de preservar a ordem publica, e não, ninguém aparece com o carimbo de baderneiro na testa, portanto o policia não sabe quem e quem na situação, ou seja todos são suspeitos ( não acusados)
Eu gostaria de dar uma farda por um dia para um militante destes, e mandar ele lidar com um arrastão em uma praia por exemplo, só para ver como ele se sairia.

Maria Valéria disse...

Bem, eu era contra as cotas e abri minha cabeça,

Estudei num colégio particular de Rio Claro/ SP, fundado por migrantes alemães, alias a cidade de Rio Claro teve colonização alemã e muitos dos meus amigos de lá são descendentes,
Nesse colégio, havia UM aluno negro ( filho de medico,rico e portanto exceção ), e outro que podia se passar por branco ou mulato ( dependendo do ponto de vista dos outros), mas numa classe de 90 alunos,somente esses dois, o restante brancos.
Tinha vários alunos bolsistas , mas curiosamente nenhum era negro, todos brancos.( por que será?)
Quase todo ano alguém desse colégio entrava em faculdade publica em medicina ou em algum curso mais concorrido; pergunte onde estudavam os negros de Rio Claro e as oportunidades que tinham ...

Pensando nisso e em outras coisas mais, hoje sou a favor de cotas...eu nao teria perdido a " minha vaga " pois meus pais teriam pago uma faculdade particular,se eu nao tivesse entrado na pública....( demorei anos para entender isso, mas enfim,...)
;))

Anônimo disse...

um rapaz pobre da favela...cujo esporte era correr de policia.

***************

Apesar das suas boas intenções na comparação achei esta parte um pouco preconceituosa.

*

OBS: Este blog deveria ter uma estrutura de forum e de opção de resposta direta para comentário, ficaria mais organizado.

Verô! disse...

Um dos depoimentos mais contundentes que já li sobre racismo. Me deixou com um nó na garganta. Obrigada por compartilhar isso conosco, rapaz!

Anônimo disse...

Pois é Fernanda, claro que brancos e negros não tem a memsa oportunidade, e seria utopico (ou má fé, mesmo) pensar isso.
E para pegar seu exemplo : seria totalmente injusto colocar um atleta bem alimentado, com tenis adaptados, bem repousado para correr contra um cara com fome, com sede, descalço.. sim seria injusto. Agora o que seria certo ? fazer esses atletas menos preparados terem uma vantagem na corrida, ou dar aos negros uma vantagem na corrida ?
Você entende o meu ponto?Ai você vai falar ‘a maioria dos atletas desperados são negros’. Ta certo. Não digo que não seja verdade. Mas mesmo que a mioria seja negra, porque não deixar a vantagem somente para os ‘atletas despereparados’,independente da cor ?

Paula disse...

eu quero saber pq o movimento negro nao se organiza para criar escolas, cursinhos, grupos de estudos, aconselhamento vocacional?

la nos EUA, na epoca que a segregacao era institucionalizada, os negros fizeram isso: criaram escolas e universidades para negros...

alem disso, todo mundo pode crescer na vida mesmo sem universidade...

acho que o movimento tem que sim se organizar por escolas melhores para criancas e cursinho para os jovens, e nao ficar pedindo para furar a fila...

afinal, governo PT nao eh tao de esquerda e bondoso com os pobres?

questao dos policiais: o trabalho deles eh manter a ordem e prender bandido... e convenhamos: a maior parte dos bandidos violentos sao negros... eu sei que eh por uma questao social e historica, mas o resultado foi esse mesmo.. entao eles sao sim mais visados..
e sim, a impunidade que ocorre com os crimes cometidos por gente de classe media e alta eh VERGONHOSA!! O Thor Batista deveria estar no xadrez, assim como aquelas pestes de Brasilia que queimaram o indio...

Anônimo disse...

Pois é Fernanda, claro que brancos e negros não tem a memsa oportunidade, e seria utopico (ou má fé, mesmo) pensar isso.
E para pegar seu exemplo : seria totalmente injusto colocar um atleta bem alimentado, com tenis adaptados, bem repousado para correr contra um cara com fome, com sede, descalço.. sim seria injusto. Agora o que seria certo ? fazer esses atletas menos preparados terem uma vantagem na corrida, ou dar aos negros uma vantagem na corrida ?
Você entende o meu ponto?Ai você vai falar ‘a maioria dos atletas desperados são negros’. Ta certo. Não digo que não seja verdade. Mas mesmo que a mioria seja negra, porque não deixar a vantagem somente para os ‘atletas despereparados’,independente da cor ?

Anônimo disse...

Por que será que é sempre assim no Brasil, os melhores colégios tem que ser os particulares, as melhores universidades tem que ser as públicas. As pessoas acham normal as universidades públicas serem as melhores, ótimo, também acho. Agora acham normal que só as escolas particulares sejam as melhores e são indiferentes a negligência do ensino público fundamental e médio.

Mari disse...

Eu também era contra as cotas até ler um pouco sobre o assunto. Hoje sou a favor de cotas em todos os lugares, inclusive na televisão e na publicidade. É preciso mudar o imaginário popular e corrigir injustiças histórias.

Sobre o tal arrastão, fiquei sabendo agora. Na minha cidade se tornou comum esse tipo de eventos em shoppings. Uma grupo grande marca um evento pelo Facebook cujo objetivo é causar confusão no lugar. Eu mesma já presenciei um. O problema é se a Policia apareceu depois e prendeu apenas os negros... Como issi não seria racismo?

Anônimo disse...

Eu não sei onde esses leitores da Lola vivem, mas deve ser um mundo muito lindo para os brancos e muito horrivel com as mulheres. Porque todas são super oprimidas, mas não são culpadas pelo machismo, já que cresceram em uma socidade patriarcal.
E deve ser muito bom ser branco então nessa sociedade porque ta tudo mundo aqui falando « se não tivesse entrado na federal meu pai tinha pago vaga pra mim na faculade privada… » ou « minha irmã preta e eu branca tivemos vidas tão super diferentes que acarretou que eu para mim era mais facil entrar na faculade que para minha irma negra »… olha queria muito saber o que tanto aconteceu com sua irmã negra ao ponto de você saber mais Português e Matematica que ela, só pelo fato de ser branca

Roxy Carmichael disse...

é verdade donadio, embora isso tenha acontecido em outros países e aqui no brasil, muitas tivessem sido as tentativas. mas o fato é que tem gente tentando corrigir isso com projeto de lei que defende indenização aos descendentes dos proprietários de escravos.

fernanda
assustador e deprimente é tudo o que tenho pra dizer sobre caixas de comentários onde o assunto do racismo é tratado.

Roxy Carmichael disse...

olha a boa notícia: http://g1.globo.com/tecnologia/tem-um-aplicativo/noticia/2013/12/justica-proibe-no-brasil-app-tubby-para-homens-avaliarem-mulheres.html

Sara Marinho disse...


Ao indivíduo oriental ai, o seus antepassados podem ter sido enganados e comido o pão que o diabo amassou, mas não foram escravizados, não estão comendo o pão que o diabo amassou há mais de 300 anos.
Ser injustiçado, gente de todas as etnias foi, mas racismo é reservado em regra a negros e indígenas (no Brasil).
Seu povo não teve sua identidade destruída, passaram por maus bocados, mas é uma comparação estúpida... Seu povo sofreu exploração trabalhista, foram enganados e forçados a más condições de trabalho.
Meus antepassados negros foram caçados como animais, enclausurados em navios negreiros, onde milhares de indivíduos morreram sem descendentes devido as péssimas condições, então depois escravizados, em um país que desconheciam, com pessoas de mesma cor de pele e provindas do mesmo continente, mas que nem falavam o mesmo idioma que o deles, foram alijados de sua cultura e estuprados de todas as formas. Meus antepassados negros não existiram, não existe registro dos pais da minha bisavó e avós do meu bisavô, porque eles não eram gente, eram coisa, e coisa não tem registro, coisa existe em número,igual cabeça de gado, não tem individualidade.

caio disse...

concordo com o anom de 11:44,onde está todos os privilégios brancos?
parece que a maioria aqui tem boas condições financeiras,ai é muito fácil falar que foi privilegiado.
só que isso se deve ao fato de ter grana n de ser branco.

sou branco ,então onde está a vida maravilhosa que todos os brancos levam?
meus pais eram pobres,tive que estudar em escola pública,que era uma porcaria,tinha mais greve do que aula.
começei a trabalhar cedo para ajudar em casa,faculdade é uma coisa bem distante da minha realidade.
moro em favela,estou esperando até hj a vida maravilhosa que vcs levam só por serem brancos...

Joana disse...

Como funciona o pensamento por aí:
Quando magicamente os negros não tem acesso ao ensino superior, concursos, cargos de chefia, mídia e afins, então esta tudo certo, tudo no lugar, afinal aqui não somos racistas.
Mas basta uma tentativa de se estabelecer uma ínfima diminuição deste abismo de desigualdade, os que não se acham privilegiados começam enxurradas de " eu não olho cor, só pessoas', "isso é racismo ao contrário", "reparação histórica não tem cabimento, isso já passou".
Já passou mas o bisneto de escravo ainda quase não tem acesso a ensino superior, as pessoas que não olham cor não querem que sua filha namore um negro e as pessoas que invocam o racismo ao contrário não veem problema nenhum de nossa propaganda refletir uma irrealidade nórdica.
Aqui é assim. Imagina na copa.

Anônimo disse...

Feministas que defendem o tempo todo superioridade de espécie não são muito piores dos que os colegas machistas e racistas.

Roxy Carmichael disse...

estou falando com caio ou com a mãe de santo que recebeu o espírito do caio? pergunto pra saber se o caio tá vivo, porque se ele estiver, bem, isso é um privilégio branco, já que o jovem negro tem 130% a mais de chance de morrer que um jovem branco

aliás, se você não perdesse seu tempo com essa sua cegueira seletiva, e se informasse de fato, saberia não só esse dado sobre mortes, mas também que brancos recebem até 30% a mais que pretos pra desempenhar a mesma função no mercado de trabalho. e não tô falando de funções que exigem nivel superior não, viu?

Roxy Carmichael disse...

mas que ideia brilhante paula!!!
vamos copiar os estados unidos do vergonhoso período da segregação!
e não claro, os estados unidos que aboliu a segregação e institui politica de cotas!
negros em escolas de negros, brancos em escola de brancos, acabei de ter uma brilhante ideia!
por que não dividimos também o assento dos onibus? os da frente pros brancos, os de trás pros negros? que tal dividir também os bebedouros: colocamos um pros brancos e outros pras pessoas de cor? ops, isso já rolava nos states uns anos atrás? e por que raios aboliram essa política tão vanguardista?

Sara Marinho disse...

Gente, será que não dá para entender mesmo porque existe cota racial? Existe cota racial porque existe racismo pô! O racismo é uma forma de opressão que afeta a pessoa desde que ela vive nessa sociedade racista, é claro que isso tem potencial para prejudicar e muito o aprendizado de quem sofre o racismo, causa baixa auto-estima, uma criança que fica ouvindo que é uma preta burra com frequência, vai achar que é o que? Que não tem a mesma capacidade dos outros ué. Tem os extraordinários, sempre tem, mas a gente não pode pautar a regra por aqueles que estão muito acima da média.

Roxy Carmichael disse...

quem precisa de mascutroll
com essa enxurrada de viuvinhas da escravidão, do apartheid sul-africano da segregação nos estados unidos, dessa classe média tristonha que quer defender seu direito inalienável de não olhar pra cara dos pretos funkeiros no shopping, como disse uma sábia amiga, onde o cidadão-consumidor forja a sua dignidade ao comprar bugigangas que não servem pra absolutamente nada????

Roxy Carmichael disse...

paulinha, eu espero que vc não só dê conselho aos outros movimentos, mas que receba com a mesma delicadeza, conselhos dos misóginos sobre como o feminismo deve agir pra alcançar seus objetivos, começando por: não sair de casa se não quiser ser estuprada.

parar de dar que nem chuchu na serra pra não vir pedir na maior cara de pau pros contribuintes pagarem a sua pílula.

que tal parar de parir como desculpa esfarrapada pra não trabalhar e ficar de perna pro ar com essa palhaçada de licença maternidade?

ou seja, querem os mesmos salários, mas querem trabalhar menos?

Anônimo disse...

"estou falando com caio ou com a mãe de santo que recebeu o espírito do caio?"
_


Que comentário mais preconceituoso e racista, usar a expressão 'mãe de santo' dessa forma pejorativa. Já não bastava dizer que 'esporte de negro e morador de favela era correr de polícia', agora vem com essa querendo ridicularizar o candomblé, umbanda e outras religiões com influência africana. Que vergonha, que horror!

Anônimo disse...

Só porque não concordou com um comentário precisava também agredir os orientais e tudo isso para lutar contra o racismo. Que tristeza!

Anônimo disse...

Eu sou mulher e negra e agradeço por haver tantas feminstas brancas, de classe média-lata das grandes cidades querendo combater o racismo. Mas não precisa se alterar tanto assim com as pessoas, não precisamos combater preconceitos de forma agressiva. Não usem todas as pessoas negras para reforçar um comportamento agressivo vindo exclusivamente de vcs em nome da revolução anti-racismo. Não tenho nada contra homens, ricos, brancos, orientais e quando algum deles diz algo que vcs revolucionárias acham incoerente critiquem sem utilizar raça, classe social e outros. Não é assim dessa forma agressiva que se faz uma revolução justa. Eu percebo que vcs mesmo sendo feministas e revolucionárias são um pouco precoceituosas por não conhecerem a realidade das pessoas que moram nas favelas. Façam algum trabalho social nas favelas, conheçam as favelas, as pessoas que moram nas favelas e não fiquem limitadasapenas ao que vcs viram nos veículos de comunicação. Não abracem uma luta e uma causa de pessoas que vcs não convivem. Procurem conhecer essas pessoas, saiam um pouco dos blogs e vão conhecer a realidade. Vi comentários que apesar de terem boas intenções foram preconceituosos e racistas. Continuem com esta luta, mas vão conhecer primeiro a realidade das pessoas pobres, das pessoas que vivem nas favelas.

Raquel disse...

Parabéns, faço das suas palavras as minhas no alto dos meus 24 anos sendo preta, de classe média (coisa rara), cercada de amigos brancos, que alisa(va)os cabelos, que tirava ótimas notas, mas nunca era chamada para a mini ONU do colégio e que aprendeu a não gostar de samba ou capoeira por um bom tempo, por exemplo, pq não era adequado se eu quisesse ser alguém... Mas ainda bem que a gente cresce, aprende, muda e aparece :)

Anônimo disse...

Diego, seu lindo! Beijos negros para você!!!

Carol Montagner disse...

Claro. Se te negassem, por exemplo, um emprego, por causa da cor da sua pele. Mesmo que, assim como você, também tenha sido pobre, estudado em escola pública, começado a trabalhar cedo e tudo mais, há uma série de evidências que não podemos negar. Nosso colega negro conhece dificuldades que nem imaginamos. Mesmo tendo saído da mesma condição econômica, ainda fomos privilegiadas em relação a ele. Reflita sobre isso!

Anônimo disse...

Sabe o que parece? Que os brancos aqui dese blog sofrem mais pelos negors que os proprios negros. Não estou dizendo que negro não sofre, claro sofre, e que existe preconceito e tudo.. mas onde estão os negros falando que é esse calvário todo ser negro?

Tem um ou outro mandando os brancos conhecerem melhor a situação antes de falar ( e tem toda razão!)

Fica parecendo que um monte de branco fica pagando de bonzinho, querendo ser o "branco que tem empatia e que salva os coitadinhos dos negros".

Um recado para vocês, brancos: ser negro não e motivo de pena. Parem de falar que negro "corre da policia como esporte" e que SEMPRE vai estar em desvantagem. Porque olha só: para mim um negro e um branco que tem a mesma educação, os dois vão estar em pé de igualdade para fazer uma prova. E parem de dizer que não é verdade, porque aí vocês vão estar ressaltando que negro é inferior, que mesmo em condições iguais, a gente não consegue passar na prova que o branco consegue.

Detesto esse jeito piedoso e prepotente como vocês se colocam.

donadio disse...

"o fato é que tem gente tentando corrigir isso com projeto de lei que defende indenização aos descendentes dos proprietários de escravos."

É o caso de divulgarmos o nome do(s) parlamentares que propôs/propuseram isso, para que nunca mais sejam eleitos.

Você sabe quem são, e qual o número do PL, para a gente fazer campanha contra?

Anônimo disse...

Roxy Charmichael, um beijo pra você pelo comentário :)
Além do mimimi do branco pobre, que costuma vir muito, ainda tem o esquecimento conveniente que há cotas sociais também, além das raciais. Então galera, chega desse argumentozinho furado de "e o branco pobre?". Se tá com raiva do mundo tentar ficar mais igualitário, faz assim, tira as calça e pisa em cima.

Anônimo disse...

Mais uma vez, pra quem todo (a) coquete se faz de bobo (a), ou talvez, e eu espero de coração que seja, mal informado que é menos pior: TEM COTAS SOCIAIS GALERA, pra quem vem com mimimi do branco pobre. Isso é memória seletiva ou o quê?
Cansada, de gente branca pobre ou rica, que não sabe rever seus privilégios.

M.

Mariana disse...

Lindo texto! Parabéns! Concordo totalmente com você!

sofia disse...

Para quem disse que os que utilizam o "discurso do branco pobre" têm memória seletiva porque esquecem as cotas sociais:

Já existem cotas sociais, sim. Mas as cotas raciais estão dentro das cotas sociais, de forma que há uma diferenciação entre brancos pobres e negros pobres. A consequência é que as notas de corte para negros pobres geralmente são menores do que para brancos pobres. Por exemplo, na UFRJ, o curso de ciências biológicas apresenta nota de corte de 676,9 para cotas raciais de até 1,5 SM. Já para cotas sociais de até 1,5 SM, a nota de corte é de 703,15 (http://blogdoenem.com.br/notas-de-corte-ufrj-sisu-2013/). Bem, é uma diferença significativa... Parece que não é, mas muitas pessoas ficam mais um ano no cursinho para aumentar em alguns míseros pontinhos a pontuação e passar no curso que querem.
Então, sem entrar na discussão de ser contra ou a favor das cotas raciais, o "discurso do branco pobre" não é algo gratuito, tirado do nada. Existem cotas sociais, óbvio, ninguém aqui tem amnésia ou algo do gênero. O que está em discussão é se é válido diferenciar, na hora do vestibular, brancos pobres e negros pobres. A questão é se o preconceito sofrido por este segundo grupo afeta o seu desempenho no vestibular. E o debate é também sobre se as cotas sociais, implementadas há tão pouco tempo, já não vão promover num futuro próximo a inclusão dos negros nas faculdades.
Só estou esclarecendo estes pontos, que parecem ter sido esquecidos. Os defensores e os detratores das cotas raciais sabem que existem cotas sociais. A questão não é essa. Vamos debater sem deturpar os discursos.

maria albina d´afrika disse...

Anônimo disse...

Sabe o que parece? Que os brancos aqui dese blog sofrem mais pelos negors que os proprios negros. Não estou dizendo que negro não sofre, claro sofre, e que existe preconceito e tudo.. mas onde estão os negros falando que é esse calvário todo ser negro?

Tem um ou outro mandando os brancos conhecerem melhor a situação antes de falar ( e tem toda razão!)

Fica parecendo que um monte de branco fica pagando de bonzinho, querendo ser o "branco que tem empatia e que salva os coitadinhos dos negros".

Um recado para vocês, brancos: ser negro não e motivo de pena. Parem de falar que negro "corre da policia como esporte" e que SEMPRE vai estar em desvantagem. Porque olha só: para mim um negro e um branco que tem a mesma educação, os dois vão estar em pé de igualdade para fazer uma prova. E parem de dizer que não é verdade, porque aí vocês vão estar ressaltando que negro é inferior, que mesmo em condições iguais, a gente não consegue passar na prova que o branco consegue.

Detesto esse jeito piedoso e prepotente como vocês se colocam.

Esse foi o melhor comentário pra mim

Jama Libya disse...

1 Conspiração judaica tupiniquim contra os negros afrobrasileiros
A GLOBO ditadura Vanda lista da comunicação, leviana ardilosa e racista inimiga do povo brasileiro. No Brasil os judeus monopolizam a TV discriminam e humilham as mulheres negras?A MeGaLOBO RACISMO? A violência do preconceito racial no Brasil personagem(Uma negra boçal degradada pedinte com imagem horrenda destorcida é a Adelaide http://globotv.zorra-total/v/adelaide-e-briti-pedem-dinheiro-no-metro/, do Programa Zorra Total, TV Globo do ator Rodrigo Sant’Anna? Ele para a Globo e aos judeus é engraçado, mas é desgraça para nós negros afros indígenas descendentes, se nossas crianças não tivessem sendo chamadas de Adelaidinha ou filha, neta e sobrinha da ADELAIDE no pior dos sentidos, é BULLIYING infeliz e cruel criado nos laboratórios racistas do PROJAC (abrev. de Projeto Jacarepaguá da Central Globo de Produção) da Rede Globo é dominado por judeus diretores,produtores e apresentadores ( OBS. alem destes judeus e judias citados existem centenas de outros e mais de 200 atores, atrizes, comediantes, artistas e apresentadores judeus e judias e milhares de empregados e colaboradores da " Rede Globo Judaica Midiática Brasileira" )como Arnaldo Jabor,Carlos Sanderberg ,Luciano Huck, Jairo Bouer,Luis Erlanger,Marcos Losekann,Marcius Melhem e Leandro Hassum,Vladimir Brichta,Tiago Leifert,Pedro Bassan, Pedro Bial,William Waack,William Bonner & Fátima Bernardes,Ernesto Paglial & Sandra Annenberg, Pedro Doria & Leila Sterenberg, Mateus Solano& Paula Braun,Mônica Waldvogel,Renata Malkes,Sandra Passarinho,Amora Mautner, Lillian W. Fibe,Esther Jablonski,Glenda Kozlowski, Leila Neubarth,Beatriz Thielmann,Gilberto Braga,Wolf Maya, Mauro Halfeld ,Mário Cohen,Ricardo Waddington,Max Gehringer ,Maurício Kubrusly,Mauro Molchansky,Maurício Sirotsky,Marcelo Rosenbaum,Michel Bercovitch,Fábio Steinberg,Carlos de Lannoy,Roberto Kovalick,Guilherme Weber, Régis Rösing,Caio Blinder,Daniel Filho,Gilberto Braga, Gilberto Leifert, Gilberto Dimenstein ,Walcyr Carrasco,Carlos H. Schroder e o poderoso Ali Kamel diretor chefe responsável e autor do livro Best seller o manual segregador (A Bíblia do racismo,que irônico tem por titulo NÃO SOMOS RACISTA baseado e num monte de inverdades e teses racistas contra os negros afrodescendentes brasileiros) E por Maurício Sherman Nisenbaum (que Grande Otelo, Jamelão , Luis Carlos da Vila e Geraldo Filme chamavam o de racista porque este e o Judeu sionista racista Adolfo Block dono Manchete discriminavam os negros)responsável dirige o humorístico Zorra Total Foi dono da criação de programas e dos programas infantis apresentados por Xuxa(Luciano Szafir)e Angélica(Luciano Hulk) ambas tendo seus filhos com judeus,apresentadoras descobertas e lançadas por ele no seu pré-conceitos de padrão de beleza e qualidade da Manchete TV dominada por judeus sionistas,este BULLIYING NEGLIGENTE PERVERSO da Globo

Jama Libya disse...

2 Conspiração judaica tupiniquim contra os negros afrobrasileiros
ABULLIYING NEGLIGENTE PERVERSO da Globo. Humilhante absurdo e desumano que nem ADOLF HITLER fez aos judeus mas os judeu sionistas da TV GLOBO faz para a população negra afro-descendente brasileira isto ocorre em todo lugar do Brasil para nós não tem graça, esta desgraça de Humor racista criminoso, que humilha crianças é desumano para qualquer sexo, cor, raça, religião, nacionalidade etc. o pior de tudo esta degradação racista constrangedora cruel é patrocinada e apoiada por o Sr Ali KAMEL fascista sionista (marido da judia Patrícia Kogut jornalista do GLOBO que liderou dezenas de judeus artistas intelectuais e empresários dos 113 nomes(Manifesto Contra as contra raciais) defendida pela radical advogada Procuradora judia Roberta Kaufmann do DEM e PSDB e o Senador Demóstenes Torres que foi cassado por corrupção)TV Globo esta mesma que fez anuncio constante do programa (27ª C.E. arrecada mais de R$ 10,milhões reais de CENTARROS para esmola da farsa e iludir enganando escondendo a divida ao BNDES de mais de 3 bilhões dólares dinheiro publico do Brasil ) que tem com o título ‘A Esperança é o que nos Move’, show do “Criança Esperança”de 2012 celebrará a formação da identidade brasileira a partir da mistura de diferentes etnias) e comete o Genocídio racista imoral contra a maior parte do povo brasileiro é lamentável que os judeus se divirtam com humor e debochem do verdadeiro holocausto afro-indigena brasileiro o Judeu Sergio Groisman em seu Programa Altas Horas e assim no Programa Encontro com a judia Fátima Bernardes riem e se divertem.(A atriz judia Samantha Schmütz em papel de criança um estereótipo desleal e cruel se amedronta diante aquela mulher extremamente feia) para nós negros afros brasileiros a Rede GLOBO promove incentiva preconceitos raciais que humilha e choca o povo brasileiro.Organização Negra Nacional Quilombo ONNQ 20/11/1970 – REQBRA Revolução Quilombolivariana do Brasil - quilombonnq@bol.com.br

jonas pierobon disse...

Sempre atual e necessário este texto !