quarta-feira, 10 de julho de 2013

LIMITAR-SE É SAIR PERDENDO

Dustin Hoffman, um dos maiores atores de sua geração, e sua epifania

Vocês que são jovens conhecem Tootsie (veja o trailer, sem legendas)? É uma comédia muito divertida de 1982 em que o Dustin Hoffman faz um ator com má reputação por ser reclamão. Ninguém mais quer trabalhar com ele. Até que, ajudando uma amiga e atriz (a impagável Teri Garr) a ensaiar pra uma vaga numa novela, ele se traveste de mulher e consegue o emprego. Mas faz da personagem dele na novela uma administradora feminista, o que não estava previsto no roteiro, cheio de personagens femininas bobonas. 
Dorothy Michaels (o nome da atriz que Dustin incorpora) se transforma numa sensação em todo o país. É tudo muito engraçado também porque, ao mesmo tempo que o personagem homem de Dustin se apaixona pela sua co-estrela na novela, Jessica Lange, o pai de Jessica se apaixona por Dorothy.
Tootsie foi um enorme sucesso na época. Foi indicado a dez Oscars e rendeu uma estatueta de coadjuvante pra Jessica Lange. E a bela música-tema "It Might Be You" embalou os anos 80. 
Aliás, o início da década de 80, pré-backlash (reação conservadora aos movimentos sociais), teve vários filmes feministas, como Vitor e Vitória, Como Eliminar seu Chefe, Silkwood, e Yentl, entre outros. Tootsie sem dúvida é feminista, não só porque mostra um homem que vira uma pessoa melhor ao ter que viver como mulher, mas por trazer várias discussões sobre gênero.  O nome "Tootsie", inclusive, é algo como "docinho", uma alusão a como homens poderosos tratam mulheres que eles julgam tão pouco importantes que nem se dignam a decorar o nome.
Recomendo fortemente que você veja (ou reveja) Tootsie. E se tudo isso não te convenceu, a comédia ainda tem um jovem Bill Murray como colega de apartamento do Dustin.
Mas não era sobre isso que eu queria falar. 
É que ontem uma leitora indicou um vídeo (pode também ser visto no YouTube) de não sei quando em que o Dustin Hoffman fala de Tootsie
A entrevista não tem legendas (opa, alguém já pôs legendas!), então deixe-me te situar. Primeiro Dustin fala de como quis fazer o filme pra responder à pergunta "Se vc tivesse nascido mulher, como vc seria diferente?". 
Durante os dois anos em que o projeto caminhava, Dustin foi até o estúdio pedir testes de maquiagem, pra que ele descobrisse se realmente passaria por mulher -- se não passasse, não faria o filme (a maior parte dos críticos não acha que Dustin é bem sucedido: ele sempre parece o Dustin Hoffman tentando se passar por mulher). Mas ele jura que andou pelas ruas de Nova York vestido de Dorothy Michaels e ninguém suspeitou que fosse um homem em drag.
Só que, segundo ele, depois dessa primeira conquista, ele queria ser mais atraente como mulher. E os maquiadores disseram sinto muito, só vai até aí, você não vai ficar mais bonita que isso. Ele conta que nesse momento teve uma epifania, começou a chorar, foi pra casa e contou pra esposa que tinha que fazer o filme. Por quê? 
Diz ele: "Eu acho que sou uma mulher interessante quando me olho na tela, mas eu sei que se eu encontrasse comigo numa festa, eu nunca falaria com ela, porque ela não se enquadra fisicamente nos padrões que somos levados a pensar que as mulheres devem ter para que nós a convidemos para sair. Há muitas mulheres interessantes que não tive a experiência de conhecer nessa vida porque sofri lavagem cerebral. Isso nunca foi uma comédia pra mim". 
Bonito, né? Penso que ele se comove por vários motivos: por vaidade, já que não conseguiu virar uma mulher bonita, por sentir empatia pelo que passam as mulheres fora do padrão de beleza (ou seja, 90% da população feminina?), e por ter sido condicionado a só achar atraentes mulheres fisicamente atraentes, e assim ter perdido oportunidades de conhecer um monte de mulheres interessantes. 
Imagino que isso vale pra mulher que também deixa de querer conhecer uma mulher por ela não ser bonita. Outro dia um rapaz contou que fizeram uma pesquisa num campus de uma universidade pública no Estado de SP. Lá os apartamentos para estudantes são separados. Perguntaram pros rapazes qual o tipo de colega com o qual eles não gostariam de dividir o quarto, e a resposta mais ampla foi: com um gay (homofobia não existe, imagina). E as meninas, o que elas responderam? Que não queriam dividir o quarto com uma gorda. Acredite se quiser. Isso, claro, não é só preconceito como também discriminação. 
Isso de mulheres héteros deixarem de querer conhecer um carinha só por ele não ser bonito pode acontecer? Pode, mas é bem diferente. Primeiro que mulheres ainda são avaliadas quase que exclusivamente pela sua aparência física (o importante, mesmo que ela seja a presidenta, é que seja linda e jovem sempre), enquanto homens tornam-se ou não atraentes por muitos outros motivos -- e não estou pensando no velho clichê machista de "ter carro", e sim em qualidades como ser divertido, ser competente, ser inteligente etc. 
Depois que o padrão de beleza pra homens ainda está longe de ser bem delimitado. Só os caras muito, muito atrasados intelectualmente (oi, mascus!) acham que mulher gosta apenas de homem musculoso (eu particularmente conheço muito mais meninas que acham o corpo do Schwarzegger feio que bonito).
O outro motivo é que a maior parte das meninas acredita em amizade entre homens e mulheres, enquanto os meninos... Bom, foram eles que inventaram o termo friendzone
O que quero dizer é que mulheres costumam considerar outros tipos de relacionamento, não só o sexual. Não quero generalizar; tenho certeza que muitos homens também permitem se envolver com mulheres para relacionamentos não-sexuais, e acho que quando Dustin Hoffman fala em perder oportunidades de conhecer mulheres interessantes, ele não está falando só em termos sexuais. 
O fato é que limitar opções é sair perdendo. E vivemos num mundo que, desde o começo, pela insistência mercadológica de estabelecer padrões, nos ensina a limitar. Então eis meus vinte centavos: eu sugiro sempre o que deve parecer óbvio para qualquer pessoa minimamente sensata -- treine seu olhar pra uma beleza mais abrangente. E perceba que a atração visual não é a única forma de atração, pois temos outros sentidos além da visão (por exemplo, Lisa, a segunda -- e atual, desde 1980 -- mulher de Dustin, tem uma empresa de beleza que lida com fragrâncias). 
Abrir a cabeça é sempre uma boa pedida. E é melhor ter sua epifania quando jovem que aos 40, caso do Dustin.

Em vez de procurar a pessoa bonita na foto, por que não achar todas bonitas?

60 comentários:

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Belo post, Lola. Dustin Hoffman é mesmo uma figura admirável.
Eu até acredito que as coisas estejam mudando, pra melhor em se tratando de algumas pessoas e pra pior se tratando de outras.
Me parece que vários adultos e jovens adultos, por maturidade, ou o que seja, levam em consideração várias coisas além da aparência física e do "ter". mas me parece que essa nova geração de adolescentes que está aí está sendo sim muito estimulada, principalmente pela mídia, a olhar só para o superficial, tanto garotos quanto garotas. E não acho que garotos passarem a ser também muito cobrados em sua aparência vá melhorar as coisas e o que me parece é que a tendência está sendo essa.
Tomara que dessa vez vc não tenha que aguentar muitos comentários mascus como sempre acontece quando vc põe posts desse tipo, rs... Bonzinhos, destacados, interesseiras, cafas, marias chuteiras, enfim... Esse papo de quem não sai dos clichês e dos extremos já deu...

Anônimo disse...

Ue eu mulher tampouco falaria com ele que é homem dragão

LOVE MAKES A FAMILY disse...

Lola, há um filme que o Dustin fez que sempre me emociona ( já assisti umas 20 vezes ao longo dos meus quase 40 anos). É um dos primeiros filmes hollywoodiano feministas, acho: Kramer vs. Kramer (1979) Ele contracena com a minha atriz predileta, Meryl Streep. O interessante do filme é como o homem consegue ser um pai participativo. Mostra que todo homem pode criar/educar um filho. É lindo demais este filme!! Recomendo.

E

Anônima da saia disse...

Gostei muito do post. E é totalmente verdade, quando não estamos limitados a gostar só de um tipo físico ou de uma pessoa com x características abrimos o nosso leque de possibilidades de conhecer pessoas interessantíssimas e maravilhosas.

Eu sempre gostei de homens altos e gordos. Estou namorando um tipo totalmente o oposto. E nunca fui mais feliz.
Abraços.

Anônimo disse...

Sensacional o texto, Lola!
Desde pequena minha mãe me chamava de 'defensora dos fracos e oprimidos', justamente pq a maioria das minhas amizades passava longe do padrão da sociedade. Ainda sou assim, no entato, acredito que hoje parte da minha visão esteja um pouco deturpada, provavelmente por conta de tudo que é imposto e jogado em cima de nós como certo. Luto a cada dia pra limpar meus olhos e parar de ver somente o físico de alguem, estou fazendo um bom trabalho, mas sempre sobra aquele restinho que chega a quase ser incontrolável. Mas estou na luta!

Izabel disse...

Sem falsa modéstia Lola rs
Eu me emociono d+ com o quanto evolui e o quanto isso tem me ajudado
Essa coisa do olhar mais abrangente, de parar de rotular as pessoas entre feias e bonitas, isso melhora o nosso mundo.
E vc tem sim uma grande responsabilidade sobre isso, embora eu sempre tenha sido uma pessoa questionou o que é afinal beleza e o tal do gosto pessoal.

Anônimo disse...

Só vou comentar em anônimo Lolinha, pq vou falar de algo que presenciei no trabalho hoje, mas preferia não ter ouvido. Alguém aqui, que trabalha com edição de vídeos, terá que incluir uma tradução libras no vídeo institucional de uma repartição pública da área da saúde, eis que o comentário do sujeito [o cara da mesa ao lado] é o seguinte: "só espero que não me mandem uma mulher feia, porque já é surda, se for feia vou usar só as mãos dela no vídeo". Inacreditável! E detalhe[s]: o sujeito se considera politizado, não preconceituoso e ~super~ cabeça aberta! Quase vomitei quando ouvi, pq sinceramente, tem dia que é difícil até demais.

Sobre o post, sensacional mais uma vez né Lola! E Tootsie é um filme incrível, que bom que apareceu aqui, assim lembro de assistir de novo!

Anônimo disse...

Verdade, Lola!!!

Teve uma época que eu me achava superior aos coleguinhas de escola, pq era bonita, lia muito, viajava etc.
Aí um dia tive a oportunidade de conversar com um repetente, meio bronco, e vi o tanto que ele sabia de coisas da terra, cuidar de fazendo, coisas que eu não sabia pra onde ia.
Foi aí que comecei a abrir meus olhos e reconhecer outros saberes, outras belezas e reconhecer que eu não era mais especial ou bonita que ninguém, cada um tem sua própria beleza e sabedoria (quer dizer, em geral, né?! tem gente q vc espreme, se esforça e não consegue ver nada, tipo os mascus! rs).

Unknown disse...

Oi Lola!
Adoro seu blog, leio sempre!
Ótimo texto, esses dias mesmo essa questão me incomodou demais, escrevi um post pra Feminista Cansada sobre a aparência feminina x capacidade.
Deixo-o aqui para mais uma reflexão:

http://www.feministacansada.com/post/54551559098

- Até quando julgaremos a capacidade de uma mulher por sua aparência?

Ontem estava lendo a revista Rolling Stone, quando me deparei com um artigo absurdo.
Era uma matéria sobre a possibilidade da Hillary Clinton concorrer a presidência dos EUA em 2016. Até aí nada demais, não fosse pela estratégia que o partido opositor, o Republicano, vai usar, que é basicamente lembrar que a atual secretária de estado deles é velha. (Hillary terá 70 anos em 2016).

Como achei a matéria maluca demais para ser verdade, fui procurar outras fontes, e pra meu desgosto pude comprovar que não só essa será a tônica do discurso Republicano, mas que a Sra. Clinton também já foi chamada por eles de enrugada e desleixada por usar terninhos.

Enquanto isso no Chile, a ex presidenta Michelle Bachlet anunciou que concorrerá a presidência daquele país novamente. Qual não foi minha surpresa quando alguns amigos meus chilenos, opositores a seu governo, começam a postar insultos a ela, a chamando de gorda.
Sim, gorda era a coisa mais pejorativa que conseguiram dizer sobre ela.

Há poucas semanas, durante os protestos aqui no Brasil, o impropério máximo achado contra a Presidenta Dilma era “sapatão".

Deixemos de lado as questões de insinuação orientação sexual que podem estar (e estão) presentes nesses insultos, a verdade é que o ataque a essas três mulheres se dá pela maneira como elas são fisicamente, seja ela pelo quesito idade, peso ou vestimentas.

A pergunta que me faço é: Quando um político homem cis foi julgado e desqualificado por sua aparência? Nunca ouvimos em tom de crítica à capacidade, que o Plínio de Arruda Sampaio é velho pra ser presidente, que o Roberto Jefferson era incompetente por ser gordo, ou que o Kassab era um péssimo prefeito porque parecia ser gay (aliás, a única insinuação sobre isso, feita em campanha pela então candidata Marta Suplicy provou-se ser um tiro no pé).

Esses três fatos acima, ocorridos em menos de um mês me deixaram preocupada, estupefata e alarmada.
Se três figuras públicas de destaque internacional sofrem ataques claramente machistas dessa maneira, na tentativa de desqualificá-las, o que podemos esperar nós, mulheres comuns e anônimas em nosso dia a dia como profissionais?

Elaine Pinto disse...

Compartilhei esse vídeo essa semana, não me canso de assistir. Já adorava o Dustin Hoffman e amo "Tootsie" - tenho o DVD e já vi inúmeras vezes. Depois desse vídeo, passei a amá-los ainda mais.

Elaine Pinto disse...

Ah, toda essa questão me fez lembrar um documentário que vi recentemente, "Miss Representation". Muito bom!

Thomas disse...

Eu também sugiro sempre o que deve parecer óbvio para qualquer pessoa minimamente sensata - se relacione com quem você quiser e sinta-se atraído por quem você quiser sem se sentir culpado por isso.

@vbfri disse...

@Unknown
Pois é. Aí vem uma pessoa e diz que não sabe o que mais as feministas querem. A gente vota, tem cargos públicos, a presidente é mulher etc. O QUE MAIS A GENTE QUER?
(dica para os mascus: RESPEITO).

Anônimo disse...

Oi Lola
Eu tenho uma dúvida looping (do tipo quem veio primeiro, o ovo ou a galinha?), que é a seguinte:
Xs adolecentes e jovens adultxs de hoje tem esse culto à beleza, marcas grifadas e aos corpos (afinal não é atoa que blogs de moda, maquiagem, e fitness estão bombando cada vez mais), pq a mídia está valorizando esse tipo de coisa; ou está em evidência justamente pq os jovens estão cada vez mais idolatrando esses "gurus da beleza" tornando-se uma geração de máquinas do consumismo e presa à ditadura da beleza?
Gostaria que alguém falasse sobre isso, teorias? opiniões?

Anônimo disse...

Eu adorei o filme,mas não era fã do Dustin mas depois desse depoimento fiquei fã ,adorei a sua inteligência e sensibilidade

Souza disse...

Quanta hipocrisia,pq então vcs mulheres se entopem de maquiagem para parecer melhor se a aparencia n deve importar,to cansado de ver mulher na rua parecendo palhaças de circo e ainda posam de gostosas pq estão com a cara rebocada.
Propagando enganosa ja sai com uma mina q parecia bonita no outro dia a beleza dela foi junto com a agua quano lavou a cara.

Marina Cruz disse...

@vbfri, sim! Tem toda razão!
Não adianta ter "cargos" se continuamos desumanizadas.

Ps: tinha feito o comentário com login do Google e ficou unknown. Não tinha visto.

Bruna S. disse...

Lola...isso que vc falou de meninas não quererem dividir quarto com gordas...nossa, como tal pensamento é comum!!! Não sou gorda, mas vejo MUUUITAS mulheres terem nojo de gordas. Será que não percebem que isso está indo contra elas próprias??

Você falou em clichê machista de " homem tem que ter carro". Sim, é bem machista concordo! Mas infelizmente tal pensamento tb é bem difundido entre algumas pessoas que conheço. Uma vez conheci uma guria que falou que a partir daquele momento, não namorava homem que não tivesse carro!

Olha, as vezes eu me pergunto ATÉ QUANDO algumas mulheres vão continuar com essas ideias??Será que não veem que vai contra elas mesmas?

Soou feminista ( com orgulho!) mas as vezes me dá um desânimo...seu blog é um dos poucos locais ( na Internet) em que não sinto tão sozinha.

Um beijo e continue com seu belo trabalho!

Blanca disse...

Ótimo post como sempre, Lola.

O que vc disse é o que eu sempre quis dizer para diversos amigos meus: ABRE O LEQUE. assim mesmo, em capslock. Abre o leque de opções, meu amor! Não adianta reclamar feito um neném, não vai aparecer uma pessoa igualzinha a vc e, além disso, com um fisíco igualzinho aos da TV! As pessoas querem que seus parceiros sejam lindos (com toda a carga midiática que esse termo carrega) e, além disso, que tenham os mesmos gostos que ela. Beleza que se vc ama ler, dificilmente se dará bem com alguém que só leu os livros obrigatórios da escola. Mas deve haver um mínimo de aceitação.

Todo mundo tem que parar de cobrar dos outros (agora falo apenas da parte física) porque assim também paramos de nos cobrar. Quando se acha uma gordinha horrorosa, a gente começa a ver gorduras horrorosas em nós tbm. E isso é muito ruim! Quando um homem diz: "mulher pra mim tem que ser peitudo, bunduda e ter zero barriga", muito provavelmente ele vai querer ser lindo dentro desses padrões midiáticos também.

Achar alguém feio não tira pedaço, mas dizer "gordinh@s são horríveis" é demais. Não tenho paciência alguma, quando alguém vem me falar uma coisa dessas já digo "e vc é lindão tbm, né?". Nem sendo lindo nos padrões da TV pode-se julgar outros tanto assim. Ninguém pode.

Que saudades IMENSAS de comentar por aqui, Lola! Um beijão! Blanca


(publica esse!)

Flavio Moreira disse...

Lola, eu ia mandar esse pequeno relato por e-mail, porque tem a ver com cinema também (mais a ver com educação em salas de cinema), mas acho que cabe aqui também.
Quinta-feira passada fui ao cinema de um shopping bacana aqui de São Paulo, de gente "fina", como se dixia antigamente.
Ingresso comprado com antecedência, lugar marcado, "coisa de primeiro mundo" (modo ironia 'on').
Sento-me no meu lugar, senta-se um rapaz uma poltrona à direita, deixando uma vaga entre nós que, deduzi, seria para a namorada. Era.
Ela sentou-se e, quando o filme já tinha começado, ela e o namorado resolveram continuar conversando; pedi, por favor, para fazer silêncio e a aberração social me solta: "moço, nós estamos em um cinema e a gente pode falar baixo!" - OI? Cinema + falar durante a projeção = aceitável? OK, o mundo mudou e eu fiquei para trás. Falei que ela era "educada" (só que não) e ela me disse que eu é quem era mal-educado. Mas a pérola, mesmo, foi ela virar para o namorado, e dizer "só podia ser gordo!".
Eu realmente queria muito ver o filme e o namorado conseguiu controlar a verborragia da moça, mas fiquei com muita vontade de dizer para ela que, além de mal-educada, ela era preconceituosa! Mas eu estava com o modo "barraqueiro" desligado porque tinha séculos que eu não ia ao cinema e não ia perder metade da projeção batendo boca com alguém que não tinha o menor "senso de noção" sobre como se comportar em um cinema. E que não ia saber discutir, mesmo. Por sorte o namorado a fez ficar quieta.
Mas tudo isso para dizer que a gordofobia, entre outras formas de preconceito, pululam por aí.
É triste viver em uma sociedade cujos membros se julgam pelo que são fisicamente.
Bjs

Anônima da saia disse...

Hoje li um artigo na Veja online do Brad Pitt falando como ele superou os obstáculos para continuar o seu casamento com a Angelina. O que me deixou PASMA foi o argumento dele: ele falou para si mesmo "ei Brad, vc está com a mulher mais linda do mundo, a mais desejada, a que todo mundo gostaria de te-la e é vc, Brad quem pode dormir com ela, entao faça alguma coisa para fazê-la feliz" ai eu fiquei pensando peraí pára tudo! Entao se ela fosse considerada feia, se ela realmente fosse feia (eu nao a acho bonita sinceramente falando) bom, mas entao se ela fosse feia entao o BRAD Pitt poderia relaxar e deixa-lá se afundar na depressão que ela sofre?
Achei o argumento do Brad Pitt ridiculo e os comentarios dos leitores era "que lindo" "quero um homem assim"

Se eu fosse a Angelina e o meu namorado o Brad gostaria que o argumento dele fosse "ei Brad, vc esta com uma mulher maravilhosa que te ama e vc a ama, passaram muitas coisas juntos, ê a sua melhor amiga. Lute por ela..." E nao porque é a "mais bela mulher do mundo" (nao pra mim. Nem o Brad Pitt)

Abracos

Bruna S. disse...

Lola (OFF TOPIC)

Gostaria de saber sua opinião sobre pornografia. Pergunto porque em muitos espaços feministas online que frequento me sinto bem sozinha nesta questão, visto que grande parte das integrantes adora pornografia. Eu não consigo gostar, acho degradante. Enfim, se quiser dar sua opinião, agradeço.

Maiê F. Rezende disse...

Ótimo post. Dói ser vítima de gordofobia, mas no fim das contas deve doer mais ser ignorante. Gente preconceituosa tem a mente limitada e seu mundo será sempre pequeno, formatado e com poucas possibilidades.

Dai disse...

Post maravilhoso. Passando só para dizer. Beijos,

Leandro disse...

"Perguntaram pros rapazes qual o tipo de colega com o qual eles não gostariam de dividir o quarto, e a resposta mais ampla foi: com um gay (homofobia não existe, imagina). E as meninas, o que elas responderam? Que não queriam dividir o quarto com uma gorda. Acredite se quiser. Isso, claro, não é só preconceito como também discriminação.".

- No meu quarto ninguém manda. Querem obrigar os outros, colocando uma faca no pescoço ou mediante leis estatais, a aceitar a dividir o quarto com quem você quiser? Depois quando se diz que os comunistas, ao querer abolir a propriedade privada, querem tomar até o nossa casa, você negam, dizem que não. Mas querem mandar até no nosso quarto. Agora, querem determinar até com quem dividir o meu quarto? Isso já é invasão de domicílio. É crime sabia?

Gabriela disse...

Anônima da saia

O pior disso foi a pérola A mulher é o reflexo do homem.


Assim,mais machista impossível.

Anônimo disse...

A Lola não aceita comentários de mascus no blog dela? DISCRIMINADORA! Vou agora mesmo mesmo me juntar os mascus e fazer lobby para aprovarem uma lei contra a "mascufobia".

Anônimo disse...

Oi Lola,

Ótimo post mesmo. Eu mesma me policio sempre para não julgar pela aparência, afinal infelizmente julgar pela aparência é a regra, a gente cresce bombardeado por essa cultura.

Coisa mais triste é ver alguém que não se aceita e fica sofrendo por isso. Claro que todo mundo quer se sentir bonito, e para se sentir melhor devemos exatamente abrir nossos olhos e enxergar todos os tipos de beleza e se sentir bem.

Bjos,

Su

Anônimo disse...

anonima da saia.
Gente que infeliz este comentário do Brad Pitt hein...Não achava que ele fosse o 'intelectual' da vez (sempre o achei mega bobo, sempre interpreta o mesmo papel), mas pensei que fosse melhorzinho..pois é, nem sempre a postura 'descolada' por fora é sinônimo de "livre de preconceito" por dentro..e o cmentário
"ei Brad, vc está com a mulher mais linda do mundo, a mais desejada, a que todo mundo gostaria de te-la"

é ridículo, além dela ser bela, o importante é ela "ser reconhecida" como bela pelos outros....que triste.

minha conclusão é de que, no campo da subjetividade, a beleza hoje em dia, é uma das amarras mais difíceis de ser quebradas. Até o mais intelectual, o mais militante, o mais tudo de bom é enormemente condicionado por isso...
Dustin Hoffman pode ser exceção, mas a pergunta é, ele conseguiu aplicar isso no cotidiano?
quem consegue?

@vbfri disse...

Leandro (Leleeeeeco!) não sabe o que é república/dormitório/residência universitária...
Moço, que idade você tem? 13?
Afffff!!!!

Anônima da saia disse...

Gabriela: verdade! Tinha me esquecido desse finalzinho.
Chocante.

Anônimo disse...

@Anônima da saia
E qnd vc não é a Angelina e seu marido não é o Brad e vc ouve coisa parecida???
Só mt amor... Mas q é triste é.

Dona disse...

fora de topico


http://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2013/07/10/bancadas-religiosas-vao-pedir-a-dilma-veto-de-lei-que-permite-aborto.htm

abre brecha pra uma descriminalização do aborto.

Bárbara disse...

Só pude lembrar de você ao ver essa reportagem, Lola:
http://www.telegraph.co.uk/technology/social-media/10145623/Online-trolls-post-abuse-out-of-boredom-research-finds..html

Ane disse...

adorei o video, assisti ontem e lindo seu post Lola ;)

-b. disse...

prêmio para leitura enviasada da semana:

"Leandro disse...
"Perguntaram pros rapazes qual o tipo de colega com o qual eles não gostariam de dividir o quarto, e a resposta mais ampla foi: com um gay (homofobia não existe, imagina). E as meninas, o que elas responderam? Que não queriam dividir o quarto com uma gorda. Acredite se quiser. Isso, claro, não é só preconceito como também discriminação.".

- No meu quarto ninguém manda. Querem obrigar os outros, colocando uma faca no pescoço ou mediante leis estatais, a aceitar a dividir o quarto com quem você quiser? Depois quando se diz que os comunistas, ao querer abolir a propriedade privada, querem tomar até o nossa casa, você negam, dizem que não. Mas querem mandar até no nosso quarto. Agora, querem determinar até com quem dividir o meu quarto? Isso já é invasão de domicílio. É crime sabia?

10 de julho de 2013 19:25


Mas oi? Não leu essa parte que vinha antes:

"Outro dia um rapaz contou que fizeram uma pesquisa num campus de uma universidade pública no Estado de SP. Lá os apartamentos para estudantes são separados."

Não é o seu quarto, é o alojamento da faculdade, um órgão público, quer dizer, do POVO, quer dizer de TODOS!

Barbie Furtado disse...

Gostei tanto desse post, que vou comentar sem ser anônima. Minha condição de anônima no blog é por um motivo muito simples, que a Lola entende: MUITA gente que eu conheço lê o blog, já que a Lola é professora lá da faculdade. É diferente pra maioria de vocês, que comentam aqui, que não tem todos seu amigos e colegas de faculdade lendo, né? Então, sempre que eu comento, tenho a consciência tou me expondo bastante.

De qualquer forma, quero comentar nesse post aqui, porque me afeta pessoalmente.

Uma vez falei pra Lola, no curso de extensão, que nunca tinha sofrido preconceito, bullying, sei lá o que, por causa do meu peso. De fato, nunca chegaram pra mim, e falaram nada. Nunca fizeram brincadeiras, nem nada. Até porque sempre fui muito comunicativa, sempre tive muitos amigos, sempre fui muito capaz de me defender. Então, de boa.

Mas essa história de as pessoas não chegarem, não chegam. Eu não sou feia, sabe? Sou normal. Estou bem acima do peso, mas tenho o rosto bonito, sou normal. Mas, assim. Eu tenho duas amigas muito bonitas, uma delas é LINDA mesmo. E elas são super baladeiras, de ficar indo pras festas todo final de semana. E elas sempre me chamam.

Como eu falo pra elas que eu não vou porque ninguém olha pra mim? Assim, eu já não gosto de sair, já não faz meu estilo, mas quando você sai com suas amigas lindas e magras, e os caras ficam literalmente de costas pra você cercando sua amiga, faz você se sentir merda, né? Mas, claro, não falo isso pra elas. Elas já sabem que eu não gosto de sair (esse é um dos motivos).

Normal, eu sou acostumada com isso. Não é como se não olhassem pra mim, mas geralmente as pessoas precisam me conhecer primeiro. Mas, sei lá, você sente.

Enfim,é isso. (E não, essas minhas amigas não são da faculdade e não vou ler e isso, por isso postei).

Luiz F. disse...

Falando sobre mulher que gosta de homens com carros, ontem eu reencontrei uma amiga que estudou comigo no ensino fundamental. Eu estudei com ela durante só uns 2 anos, não conhecia tanto ela. E olha a situação, ela tá namorando um cara que veio do Japão recentemente. Ele não tem um português 100%, mas era médico lá. Durante a conversa, eles me contaram que iam casar, e ela, do nada, disse: "eu quero engravidar logo, quero que o meu filho seja rico, não um pé rapado". Na hora achei que era só uma brincadeira, até que começou um papo estranho, ela disse "eu tô casando com ele só por dinheiro", e o japa só rindo. Eu achei que ele não tinha entendido, e disse: "você entendeu o que ela disse?", e os dois riram ainda mais. Até que eu perguntei pra ele: "ela tá se casando com você só por interesse e você não vê problema nisso?", ai ele disse: "cada pessoa tem algo pra oferecer, eu tenho dinheiro e ela um corpo maravilhoso". Sério, na hora eu não acreditei, parecia novela. Mas agora, pensando bem, os dois tem o relacionamento mais sincero que eu já vi. Se esse casamento vai dar certo eu não sei, mas achei aquilo um exemplo de sinceridade.

MonaLisa disse...

Leandro

Mulher é diferente de homem, mulheres dão conversa mesmo para quem não interessa. Homem é que e estúpido, descarta quem não interessa para els qdo deveria ao menos ser educads com todas as damas, se os homens conversassem mais com mulheres, mesmo sem interesse, muita mágoa seria evitada. É nojento ver um homem que terminou o namoro parar de falar e ignorar completamente com uma pessoa que fez parte da vida dele. Nós mulheres sabemos que uma simples conversa não tem nada haver com interesse. Sabemos conversar desinteressadamente por educação, sensibilidade e consideração, atitude essa que torna os homens recalcados com vontade de nos agredir. Pode uma coisa dessa??? Pq os homens não aprendem com a gente? Não iremos nos tornar estúpidas feito os homens, não vamos tratar mal um cara nem ignorar e parar de falar só pq ele está afim da gente. Mas parece que é assim que vcs querem!! Querem q a gente cuspa na cara do sujeito para ele entender q a gente não está afim. Para os homens tem que ser: Não sou legal e não estou dando mole.

Bela Campoi disse...

Uau, muito legal: super cara esse!
Nada como sentir na pele...rss...
Adorei o post, Lola!

Vitória disse...

Lola, ultimamente tenho pensado muito na formação das masculinidade e tenho confirmado coisas que já vinha observando há muito tempo. Essa dificuldade de homens lidarem com mulheres com quem não terão um relacionamento sexual ou afetivo (no caso dos homens heteros) é preocupante. E isso vai desde o cara que é só um colega de trabalho até o amigo do seu marido.

Boa parte não concebe e não sabe se relacionar com mulheres de forma não sexual. Aí temos desde os garotos que ficam putos pq a menina só quer amizade, até o cara que humilha a colega de trabalho (não vou comer mesmo, então para que ser gentil?). E isso aliado à nossa realidade cultural individualista só fica mais latente ainda.

É um assunto cheio de detalhes e que ainda dá muito pano pra manga.

lola aronovich disse...

Leandro quando dá piti tem comentário raivoso deletado... Continua chamando feminista de histérica que vc vai longe, Leleco. Acho que nosso pet libertarian não lê os posts. Senão saberia que estamos falando de quartos em alojamentos de universidades públicas, sabe, tipo CRUSP? Não é SEU quarto, Leleco. É seu por enquanto, mas tem que dividir, e discriminar uma pessoa não deveria ser uma opção. Eu tô me lixando o que vc faz no SEU quarto, desde que seu quarto não seja num apartamento que uma universidade pública está cedendo a vc. Aliás, certeza que vc é contra universidade pública ceder alojamento. É até contra universidade pública...


Ai, ai, Luiz, tenho pena de vc e de seus amiguinhos mascus. Vc não conhece muitos relacionamentos se acha que uma mulher que se casa por dinheiro com um homem que se casa pela aparência dela é o relacionamento mais sincero que vc já viu.

lola aronovich disse...

Pois é, Vitória, isso é preocupante mesmo, mas tem muito cara que faz isso? Não são apenas os mascus e mais meia dúzia de outros misóginos? Porque os rapazes que eu conheço (por exemplo, meus alunos na faculdade) definitivamente não são assim...


Barbie, parabéns pela coragem em comentar. É, não deve ser nada fácil. Cada vez mais me convenço que era mais fácil ser jovem ou adolescente ou menina nos anos 80. Parece que as pessoas hoje são bem rápidas em descartar mulheres gordas. Acho que nunca foi tão assim antes.

Luiz F. disse...

Lola, acho que você me interpretou errado. Eu disse que achei o relacionamento deles o mais sincero que eu já vi, sim, mas não foi só por esse motivo, é mais profundo que isso. Pense, os dois são tão sinceros e diretos que eles devem conversar sobre tudo, não devem mentir um pro outro. É um relacionamento muito aberto.
Talvez você tenha razão sobre eu não conhecer muitos relacionamentos, eu, por exemplo, tive pais que mentiam muito um pro outro, inclusive pra mim. Se minha concepção de relacionamento sincero é diferente da sua, temos opiniões diferentes, simples! ;)

Ah, e uma pequena dúvida... 'mascus' não é o termo que você usa pra descrever os membros daquele fórum da real? Eu não participo de lá, e nem conheço ninguém de lá. Mas se foi apenas um termo genérico e ofensivo, eu entendo!

Gabriela Barbosa disse...

"Tootsie" marcou a minha infância! Foi meu pai quem me mostrou esse filme,pela primeira vez! Todas as vezes que passa no canal a cabo e eu estou de bobeira,assisto-o!

Também sou muito fã de Dustin Hoffman! Ah! Por falar em "Yentl",estou escrevendo um texto para o meu blog sobre este filme e o da "Papisa Joana"! Logo te mando o link!

Gabi disse...

Confesso que me emocionei muito vendo esse vídeo, porque vou vítima dos padrões até hoje.

Gabi disse...

Luiz F.
Esses dias eu tava vendo um documentário justamente sobre isso. No Japão maior parte das mulheres só quer saber de caras instáveis economicamente, e os homens, o padrão ocidental. Na china é ainda pior, porque as novas gerações de meninas, não querem casar, e quando querem é só com ricos.Por conta disso, vão estudar e procurar maridos nos grandes centros, enquanto no interior é virado em homens solteiros, com sub empregos (porque não tiveram estudo) e reféns crescente alcoolismo no país, por conta dos motivos que citei.

Gabi disse...

Nossa! Me senti lendo a minha própria história, lendo o coment da Barbie. Já perdi a conta de quantas vezes isso me aconteceu na vida. A última vez faz menos de um mês!Minha amiga me virou minha cadeira de costa pra beija o cara e eu me fiz de louca pra variar. Nem tentei me "apresentar" pois não tenho nem coragem de chegar num cara, sabendo que ele acha tua amiga mais interessante e bonita que tu.

Anônima da saia disse...

Um comentário que me irrita muito e vivo corrigindo quando escuto é (situação: uma mulher que se deu mal por ex)

"E ela era uma moça tao linda!"

Eu imediatamente digo "se fosse feia seria diferente? E que que ela era linda?"

Imediatamente a pessoa fica sem graça e diz "nao, nada a ver mas além do mais ela era tao linda.... (Pior quando completa) e jovem...."



Anônima da saia disse...

Barbie,

Quando eu era adolescente e na faculdade (10 -15 anos atras) eu passei exatamente pelo mesmo que vc.
Eu sim sofri bullying na minha pre adolescência. (Era gorda)Na adolescência e na faculdade nao, mas acontecia o que acontece com vc, se saia a noite nenhum cara vinha conversar comigo.
Para "piorar" a situação, eu tinha também uma amiga magríssima, linda e de cabelos negros lisos, compridos. Todos absolutamente TODOS os caras chegavam nela, e se chegavam em mim era para perguntar SOBRE ELA.
Mas acredite que esse tipo de pessoas que so te procuram pela aparência sao elas as descartáveis. Olha, hoje em dia eu tenho 35 anos e desde fa uns anos tanto acho que pela idade como pelos ambientes que freqüento as pessoas sao diferentes. E hoje em dia eu acabo atraindo os homens (inteligentes) pela minha conversa, minha bagagem. Claro que fiquei anos em stand by preferia estar sozinha que com a gentalhada (que é a maioria das pessoas) hoje em dia posso dizer que sou muito feliz, tenho uma profissão que adoro e ao meu redor so deixo que se aproximem pessoas que me fazem bem.

E sabe o que aconteceu com essa minha amiga? Ela foi amante de um cafajeste casado durante anos, nao sai dessa, esta arrasada. Beleza nao é sinônimo de sucesso nem felicidade.
Talvez porque eu fosse "normal" demais eu me dediquei aos estudos, sempre fui muito ambiciosa, porque tinha que ser boa em alguma coisa, sabe?

Abracos

Anônimo disse...

Lola, o Feminismo sem Demagogia (página do Facebook) tá surrupiando seus posts e publicando na página sem dar crédito.

http://www.facebook.com/FeminismoSemDemagogia/posts/478326102262339

Junior disse...

Lola, relacionado a este assunto, no mundo do Tenis tá bombando o tema. Por que? Marion Bartoli, uma tenista francesa acabou de vencer o torneio de Wimbledon, mais tradicional do esporte. A questão é que Bartoli é muito fora do padrão tenista linda capa de revista de Sharapova ou Ivanovic. Ela é baixinha, morena, não longilínea, não tem pernas longas, etc. Mas é uma guerreira, luta por todos os pontos e foi recompensada pelo seu esforço vencendo seu maior título (até agora). Porém essa vitória dela ascendeu a discussão desse padrão de beleza. Com muitos comentários descabidos na imprensa esportiva (onde mais), como "a vitória dela foi ruim pro tenis, pois Bartoli não vai vender bem nos EUA, não é bonita" ou "ela é uma lutadora, pois desde jovem seu pai e técnico deve ter falado pra ela: você não é bonita, nunca vai ser alta e magra como as modelos, tem que dar duro para conseguir algo na vida", e outras besteiras mil.

Vitória disse...

Lola, acho melhor mandar um e-mail para explicar a vc o que tenho visto. Não me sinto segura comentando aqui.

Maria Fernanda Lamim disse...

Olha, sobre isso de homens e padrao debeleza eu tenho uma opiniao. Sei que defato a maioriae meio "condicionada" como o Dustin diz. Mas ha um outro fator ai tb, que eu chamo de "publico akvo". Existem perfis de homens que nao valorizam tanto o cliche "loira-magra-do-cabelo-liso". Homens nerds e frequentadores de lugares mais alternativos sao um exemplo. Falo por experiencia propria: sou bem gorducha, ruiva ede cachos, e sou "invisivel" em boates tradicionais. Mas sempre fui notadaem eventos nerds, festas alterativas e bares de rock. ;)

Anônima da saia disse...

Infelizmente Júnior as que nao sao bonitas tem que dar o dobro de duro na vida pra conseguir as coisas.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Esse texto me fez pensar em uma coisa.
Tenho frequentado uma casa de show em uma noite de forró e tenho percebido que lá todo mundo dança, todo mundo chama todo mundo pra dançar: gordxs, magrxs, velhxs, novxs, homem, mulher.
Claro que rola paquera, mas como praticamente todo mundo que frequenta gosta muito de dançar, o objetivo principal acaba mesmo sendo dançar e todo mundo dança com todo mundo.
Acaba sendo uma ótima maneira de pessoas se conhecerem e interagirem, fazer amizades ou até começar um relacionamento. Pessoas que talvez em outros ambientes, por causa da questão do físico, de diferenças sociais e culturais, provavelmente nem teriam a chance de se conhecer.

Anônimo disse...

anon 14:45
Só vi que publicaram o mesmo vídeo. Isso é surrupiar post?

Anônimo disse...

Sério isso, Junior? Putz. Bom, então esse é o exemplo perfeito pra esse post.

Maria Valéria disse...

Queria me solidarizar com a Barbie,

Eu sofri muito como vc sofreu,

Nao por ser gordinha ( sempre fui magra) , mas por ter óculos fundo de garrafa, cabelo creso e armado e ser muito magra na época ( depois com o tempo ganhei quadril e fiquei cheiinha...opsss gostosa! Rsrsr)
Mas acontecia exatamente a mesma coisa : minhas melhores amigas eram LINDAS, mas mais paqueradas , as mais cobiçadas do colégio.
E eu sofrendo bullying por ser feia,
Nao por ser gorda, mas por ser FEIA, o que ja tem uma conotacao pior pra mim( a gorda pode emagrecer, a feia so pode fazer platica ..kkkk). E minhas amigas gordinhas tinha de todo o tipo: a que se achava feia e a que dava um banho de charme e sensualidade em muitas magras,Mas, n importa, de todas essas na minha cabeça a mais feia era eu,
E apesar do bullying eu tinha muitos amigos,claro que os meus amigos de verdade nao participavam das agressões e ate se sentiam incomodados
So que NENHUM queria namorar ou ficar comigo, nem meus amigos.menos mal que eu tbem nao era a fim de nenhum deles, mas quando saímos pra festas eu me sentia super mal, porque so vinham paquerar as minhas amigas e nao eu!!!
Eu tenho o eu relato de superação do bullying no meu blog, Barbie, se vc quiser ler passo o link,
Mas como as coisas pode, ser cruéis, ne!! Mesmo sem uma agressão direta vc se sentia a ultima das criaturas porque so vinham paquerar suas amigas, e nao vc!!
Hoje me acho e me acham bonita, mas pra mim a lição que ficou " ser bonita nao e um atributo físico e sim um estado de espirito"
Beijos

Romulo Pereira disse...

Ok, não é esse o tema do post, mas queria falar sobre o padrão de beleza masculino.

Concordo que o padrão é muito mais elástico para os homens, mas não quer dizer nem de longe q seja menos doloroso ou injusto. Se a maioria das mulheres acham o corpo do schwarzenegger da época de halterofilista feio também é muito provável q o João Gordo também seja visto da mesma forma (ou pior). O problema é que caras como o Schwarzenegger são uma porcentagem ínfima da população enquanto gordos não.

A tal pesquisa que diz q a maioria das estudantes não gostariam de dividir um apartamento com uma gorda é um ótimo indicativo de que a gordofobia não afeta só mulheres. Uma extrapolação bastante razoável desse resultado é de q alguém q não quer dividir um alojamento de faculdade com alguém por causa do seu peso dificilmene iria querer se relacionar com alguém acima do peso.

Sempre q eu vejo alguém falar sobre gordofobia é em relação às mulheres. Certamente é pior para as mulheres, mas ainda assim é uma realidade para os homens também. Não quero soar como um mascu imbecil que acha q o homem branco, jovem, heterossexual e de classe média é quem sofre todas as dores do mundo, mas homens sofrem gordofobia também e isso parece ser absolutamente esquecido.

Eu já passei por todos os clichês de gordo buscando aceitação que vcs podem imaginar e quando vejo alguém menosprezar a questão dos padrões de beleza para homens isso me machuca bastante. Sou um homem branco, jovem, heterossexual e de classe média que está absolutamente consciente dos seus privilégios e acho que minha questão é uma questão absolutamente feminista.