segunda-feira, 22 de outubro de 2012

OS REPUBLICANOS E O DIREITO DO ESTUPRADOR CRIAR SEU FILHO

É tentador, quando se debate a legalização do aborto com um pró-vida-até-o-parto-depois-vire-se, perguntar se não há contradição em permitir a interrupção da gravidez decorrente de um estupro. Afinal, aborta-se um feto, assim como em todos os outros casos de aborto.
Se aborto é assassinato, como dizem, se o feto já é uma criança formada e autônoma, como insistem, então como aceitar que o aborto seja permitido em casos de estupro? Se o pai é um estuprador, a “criança” vale menos? Ou estamos dando a uma mulher que está sofrendo um monte o direito de decidir o que quer fazer com uma gravidez que só concerne a ela? Então, se ela tem o direito de abortar neste caso, por que não teria nos outros?
E claro que num debate sobre aborto legal em caso de estupro sempre vai se ouvir “a criança é inocente” (sugerindo que a mulher, a vítima, não é -– soa familiar?). Assim como num debate sobre aborto legal em caso de risco pra gestante alguém vai dizer que tudo bem se a mãe morrer, porque Deus sabe o que é melhor, porque Ele quis assim. Não tem jeito: no fim, quando se fala em criminalização do aborto, sempre se cai num debate religioso.
Também acho interessante perguntar o que os pró-vida-do-feto-acima-da-vida-da-mulher pensam sobre permitir aborto quando há risco de vida para a gestante. Porque eles têm que fazer malabarismos para esconder a maior ideologia por trás de ser anti-aborto: que a vida de um ser em formação é mais importante, mais valiosa, mais completa, que a de uma mulher.
Pois é, é tentador discutir isso. Mas é altamente arriscado. Arriscado porque, diante da falta da argumentação em explicar porque num caso pode-se abortar, e em todos os outros, não, os pró-vida-mas-só-até-o-nascimento vão acabar dizendo: é mesmo, vamos proibir aborto nesses casos também.
Duvida que os anti-aborto estão doidinhos para proibir aborto em todas as circunstâncias? É só ver o que vem acontecendo num país onde o aborto é legalizado há décadas, caso dos EUA.
A eleição presidencial ocorrerá daqui a alguns dias, já na primeira semana de novembro, e republicanos e democratas estão empatados nas pesquisas. Obama certamente realizou um governo decepcionante, mas devolver o poder aos republicanos parece simplesmente insano. Principalmente se você for mulher. Cada vez mais à direita, grande parte dos líderes republicanos andou dando declarações desastrosas ultimamente –- declarações que fazem a “pasta cheia de mulheres” que o candidato Mitt Romney deixou escapulir no último debate soar como uma besteirinha à toa. 
Só pra lembrar algumas derrapadas recentes: o radialista Rush Limbaugh chamou de vagabunda uma estudante de Direito que pediu que planos de saúde incluam a distribuição de pílulas anticoncepcionais (sabe, esses comprimidinhos que podem evitar gravidez e, assim, a necessidade do aborto?).  O deputado Stephen Freind declarou que as chances de uma mulher engravidar de um estupro são de “uma em milhões e milhões e milhões”, já que “a experiência traumática do estupro faz que a mulher secrete uma certa secreção que mata o esperma”. O ex-governador Mike Huckabee afirmou que "estupros têm gerado pessoas extraordinárias". O candidato a senador Todd Akin disparou que em casos de “estupro legítimo o corpo feminino tem maneiras de parar com todo o processo”. E por aí vai.
Quando governador de Massachusetts, Romney era pró-escolha (até porque ser contra, num estado mais progressista, não iria lhe ajudar em nada). Mas agora, para conseguir angariar os votos mais reacionários, Romney se alinhou com a ala ultraconservadora do Partido Republicano. Escolheu Paul Ryan (um católico que se declara anti-aborto em todos os casos) para vice. E se comprometeu a se opor ao aborto sem exceção, o que inclui casos de estupro e risco de vida pra gestante. Dá pra imaginar o tamanho do retrocesso?
Acho que não dá, porque a gente vive no Brasil, país que tem uma das mais atrasadas legislações sobre aborto. Só este ano a gente liberou gestantes de abortarem fetos anencéfalos. A gente não sabe o que é ter a possibilidade de realizar um aborto sem poder ir presa ou sem morrer em decorrência de procedimentos clandestinos malfeitos. Mas imagine viver num país que permite isso há décadas, e de repente todos esses direitos serão tirados de você. Imagine ser estuprada, engravidar (o cálculo é que entre 25 mil e 32 mil americanas engravidam por estupro todo ano), e ser forçada a ter o filho porque um Estado que não tem nada de laico manda no seu corpo.
Mas calma que fica pior! Em 31 dos cinquenta estados americanos, uma mulher que tem um filho em decorrência de estupro não consegue amparo legal para impedir que o estuprador tenha direitos de pai. Se o estuprador quiser -– e, segundo a advogada Shauna Prewitt, ela mesma mãe de uma criança gerada por estupro, isso não é nada incomum -– ele pode exigir os mesmos direitos de custódia e visitação de qualquer pai comum.
Imagine, então, que você engravidou do seu estuprador, e optou (porque a legalização do aborto proporciona escolhas, não obrigações) por ter a criança, mesmo que a sociedade ache a sua decisão questionável (afinal, mãe de filho de estupro deve odiar seu filho, senão é bem capaz de não ter sido “estupro legítimo”). Imagine o seu estuprador, aquele sujeito que você nunca mais quer ver, porque quer tentar esquecer o que aconteceu para poder tocar a vida, entre na justiça com pedido de visita, ou mesmo de guarda compartilhada, do seu filho. Imagine que toda sexta-feira seu estuprador estará a sua porta para pegar a criança para passar o fim de semana com ele. Imagine você ter que entregar sua criança a um estuprador.
O Estado que decreta que você, por ser mulher, não tem direito sobre o seu corpo é o mesmo Estado que assegura que seu estuprador não só terá a oportunidade de passar os genes dele adiante, como também de criar a criança. Estupro acaba sendo um ótimo negócio. Pelo menos para uma das partes envolvidas. 
Parece o cenário de um pesadelo? Nada, é só o futuro com fundamentalistas religiosos no poder.

298 comentários:

1 – 200 de 298   Recentes›   Mais recentes»
Barbie Furtado disse...

Se eu fosse americana, essa hora eu estava em pânico, sério mesmo, desse Romney ganhar. Ia ter medo de um homem desse liderando meu país. A gente luta tanto pelos nossos direitos aqui, pela legalidade e descriminalização do aborto...

Me dá uma raiva tão grande só de pensar. Não é nem só das ideias retrasadas, mas da cara de pau com que eles promovem um estado teocrático!

Anônimo disse...

os eua republicanos são tão ruins para a vida das mulheres qto o islã.

Lord Anderson disse...

Lola, eu não sei se vc viu esse caso, mas tb faz parte dos absurdos americanos.

Republicano é contra o aborto, mas defende pena de morte para "crianças rebeldes" nos EUA


http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticias/24765/republicano+defende+pena+de+morte+para+criancas+rebeldes+nos+eua.shtml


ou seja, toda a ideia de proteção ao feto cai por terra e no final fica só o odio as mulheres mesmo.

Andressa disse...

Sou completamente pró-choice, sou a favor da descriminalização e legalização do aborto.

Também acho que se a mulher foi estuprada e quer prosseguir a gravidez e ter o filho, ela tem todo direito de fazê-lo com segurança. Acho que nesses casos deveria ser feita uma lei que não permitisse que os estupradores (me recuso a chamá-los de pais) não possam ter direito algum sobre as crianças geradas desse estupro. NENHUM. ZERO.

E olha, Lola, o backlash tá forte mesmo. Li o Miss Representation que você sugeriu, e tudo que foi conquistado até os anos 70, parece que dos anos 80 pra cá tem sofrido esse contramovimento de retrocesso. Não acredito que um país que já tenha regularizado o aborto pense em criminalizá-lo novamente. Se alguém decidisse atualmente que a escravatura é interesse para os interesses de controle da população e que ela deveria ser legalizada novamente, alguém iria concordar? não. Mas o controle dos direitos conquistados pelas mulheres é permanentemente posto em xeque. olha...

Pili disse...

Já podemos botar um país a mais naquela gravura ali em cima, Lola. O Uruguai ;)

Eu queria muito ver esses esforços anti-atendimento público de saúde usados num assunto bastante relacionado...
tipo a equiparação legal de estupro à tortura.
Crimes de guerra são um problemão. e frequentes.


Anônimo disse...

Misturar de propósito pró-vida com pró-vida-em-todos-os-casos-menos-estupro é um dos maiores atestados de desonestidade da corja esquerdista.

Elas reclamam de quem mistura feminismo com a tal valerie solanas, e fazem a mesma coisa

Anônimo disse...

Lord Anderson, explique aí precog como é que um feto é considerado uma criança rebelde

Pedra do Sertão disse...

Para além dessas questões, Lola, o mundo parece mesmo que está retrocedendo...e quem sofre mais?

Anônimo disse...

Lola,
Sou contra aborto, mas eu entendo que se o único motivo que impede dele ser legalizado no país são argumentos religiosos, então dele deve ser discriminalizado. Mas por outro lado sou totalmente a favor da mulher escolher em casos de estupro, afinal é um trauma profundo e há de se ter sensibilidade em relação a esta questão. Mas sinceramente a forma como vc aborda parece que não vê a criança como a maior inocente de todas ( ela é) porque é alguém que ainda não tem poder de escolha, não pode decidir sobre e fica a mercê de uma mãe que não a quer e uma pai que tá pouco se lixando.

teve um caso na Argentina em que uma mulher foi estuprada e matou seu estuprador, dai quando a criança nasceu ela matou a criança.Quem foi a maior vítima? Para mim foi o bebê que tinha acabado de nascer e não sabia de nada. Indefeso, sem forças e proteção. Mas há de convir que se aquela mulher tivesse recebido a atenção adequada, talvez esta tragédia não tivesse acontecido. No final sobrou para a criança arcar com a raiva de todos. Porque na faca daquela mãe tinha o estupro do pais, o ódio dela e a negligência para com o sofrimento de sua mãe.

Deise

André disse...

Não creio que a misoginia motive os conservadores contrários ao aborto. de modo geral, para eles, é uma questão de autonomia e responsabilidade, senão eles seriam contrários apenas ao aborto de fetos masculinos. Nesse caso, faria sentido ser contra o aborto e ser a favor da pena de morte.

Sara disse...

Lola isso é um post ou enredo de filme de terror classe "z". ????

Anônimo disse...

ela não matou o estuprador. o estuprador, até hoje, não foi preso e todo mundo sabe quem ele é e onde mora. ela não conseguiu o direito ao aborto e matou a criança - e pode ficar o resto da vida na cadeia por isso.

Mirella disse...

Anônimo das 15:45

a diferença é que o pró-vida-em-todos-os-casos-incluindo-estupro-e-risco-de-vida-para-a-mãe-até-o-nascimento é candidato à vice-presidência dos EUA, um dos maiores, mais influentes e poderosos países do mundo. Quem é Solanas, mesmo?

Aliás, vem cá, você já leu o que ela escreveu? Porque eu não.

Leandro disse...

"o radialista Rush Limbaugh chamou de vagabunda uma estudante de Direito que pediu que planos de saúde incluam a distribuição de pílulas anticoncepcionais (sabe, esses comprimidinhos que podem evitar gravidez e, assim, a necessidade do aborto?)."
- Nao vou dizer que ela é vagabunda, mas querer que os taxpayers paguem até anticoncepcionais pra ela? Se ela quer anticoncepcional, que vá comprar nas farmácias e drogarias nos EUA. Ou vá num plano que pague anticoncepcional. Ela é vadia no sentido de imprestável e ociosa, no sentido de querer tudo na mão. Feministas querem que os taxpayers paguem tudo para patrocinar a "independência" feminina: anticoncepcionais, creches, aborto, ja ví até feministas aquelas ligadas aos partidos de esquerda radicais como o PSTU) defenderem a criação de "lavanderias estatais". É como eu sempre digo, é muito fácil ser feminista querendo que nós, os taxpayers, paguemos a conta pela coduta sexual irresponsável das mulheres. E qualquer proposta que vá no sentido de atenuar um pouco esta situação (por exemplo, criminalizar o aborto, ou boicotar e discriminar mulheres promiscuas), parece que o mundo vai acabar.

Pili disse...

Deise,
os legistas tentam descobrir o momento da morte de um "recém nascido" mergulhando os pulmões em líquido e observando a formação de bolhas.

Se for comprovado que o bebê nasceu morto, não há que se acusar nem a mãe de infanticídio, nem ninguém pela morte dele.
Se houver ar no pulmão é porque o bebê chegou a respirar após nascer com vida. E aí será investigada a causa da morte e quem a provocou.

Aliás, gente, vamos falar rapidinho sobre essa diferença? Digo, legalmente.

Abortar é interromper a gestação, ou seja, o bebê não chegou a nascer ( não há personalidade jurídica. o que se defende é a expectativa à vida).
Infanticídio é causar a morte após o nascimento com vida do bebê.
E nem uma coisa nem outra são assassinato.

Eu sigo acreditando que exigiar, premiar ou provocar aborto contra a autorização de quem gesta tem que ser crime.
E tem que ser muito melhor investigado além de punido.
Independente de ter ou não violência, dano, dolo, etc.

Moema L disse...

Se eu fosse americana também estaria apavorada...

é incrível como o estado faz de tudo para você ficar com a criança e depois que ela nasce foda-se você e ela. (desculpa o palavrão mas é bem isso)

Eu fico indignada como um país tão desenvolvido pode retroceder a tal ponto é inacreditável.

É ainda mais inacreditável ver as pesquisas mostrando um empate (praticamente), como pode ter gente pensando em votar em um infeliz filho de chocadeira como mitt romney e seu comparsa que veio em uma maquina do tempo direto do paleolítico.
Não compreendo.

Estado laico mandou lembranças para eles e para seus eleitores.

Hoje mesmo no face eu vi um quadrinho mostrando um feto super triste por que a mãe ia aborta-lo, não preciso dizer que os comentários eram todos dizendo como a mãe era um monstro e blá blá blá quase vomitei no teclado. muitos falando justamente que em caso de estupro a criança não tem culpa, como se a mãe tivesse. é brincadeira né?

Outra coisa que é incrível quando uma mulher aborta ninguém fala do pai da criança. Ninguém sabe se essa mulher foi obrigada a fazer ou se ela se viu obrigada, pois estava sozinha e decidiu o que era melhor para si.O pai nunca leva culpa nenhuma no cartório a monstra, bruxa e sei lá mais o que é sempre a mulher.

e depois disso ainda quer mandar no meu copo? no meu direito de escolha? Haaa da licença.O corpo é meu eu é que escolho.

Alguém aqui já ouviu falar em um homem que ficou junto com a mulher durante o aborto e depois disso eles seguiram com o relacionamento assumindo ambos a escolha? Eu nunca ouvi falar( deve haver este ser raro mas eu não sei onde se encontra) . geralmente ela esta sozinha, muitas vezes eles pediram que elas fizessem o aborto e depois nada de prosseguir com o relacionamento afinal de contas imagine que horror ficar com uma mulher que abortou uma "criança"...

ou seja a culpa é sempre nossa, nos somos horríveis e blá blá blá por isso é que a escolha TEM mais é que ser nossa, SÓ nossa. porque no fim das contas quem arca com as consequências seja elas quais forem somos nós. só nós.

Andressa disse...

Leandro:

Qual o problema das mulheres exigirem anticoncepcionais gratuitos? O planejamento familiar é uma questão importante que deve ser atentamente discutida e contemplada nas políticas públicas do Governo.
Os seus argumentos têm origem no slutshaming: você diz que os taxpayers vão pagar pela conduta sexual irresponsável das mulheres. O que você chama de conduta sexual irresponsável envolve duas pessoas aí nessa equação, no caso um homem e uma mulher.
Você também acha que camisinhas não deveriam ser distribuídas nos postos de saúde porque os taxpayers não devem ser responsabilizados pela conduta sexual irresponsável dos homens? Eles que comprem sua camisinha, oras! (Considerando a mentalidade atrasada de mulheres responsáveis pela pílula e homens responsáveis pela camisinha).
Fora que esse teu argumento aí cai no “Insulina pelo SUS??? Os diabéticos que comprem sua própria insulina, oras! A taxa irregular de açúcar no sangue é deles!!”.

Andressa disse...

E, a maior vítima em uma situação de estupro é sempre a mulher, nunca o aglomerado de células chamado feto que um dia poderá vir a ser uma criança.

A INOCENTE é a mulher. Um monte de células não pode nem ter características atribuídas a ele, gente. É um tipo de vida, mas com certeza não é uma pessoa.

Anônimo disse...

perdão, Romina não vai passar a vida toda na prisão. ela cumpriu sua pena e saiu. o estuprador foi absolvido. na província de Romina, ocorrem 70% mais estupros que no resto da argentina.

Marcelly disse...

que bom que vc eh contra distribuição de camisinha para os homens tbm neh lLeandro??
afinal..pq devemos arcar com a vida sexual desregrada dos homens neh??

controle populacional, assim como prevenção de doenças, é um direito e é do interesse de todos meu bem...

Maiara disse...

Oi Leandro,
quando uma mulher engravida, ela não engravida sozinha ok? se ela fez sexo sem proteção, é pq o parceiro dela também não estava protegido (camisinha). Estou enfatizando isso, pq me pareceu que você quis insimuar que uma mulher que engravida sem planejamento(e que não tomava a pilula) é promiscua. é isso mesmo? e o cara que sai comendo tudo que se move SEM CAMISINHA é o que?

Moema L disse...


não sei se dou risada ou se vomito no pc. duvida cruel!

"Feministas querem que os taxpayers paguem tudo para patrocinar a "independência" feminina: anticoncepcionais, creches, aborto"

no brasil por exemplo os anticoncepcionais são de graça, dados pelo sus e qual é o problema nisso? são contra o aborto mas de graça ninguém quer dar o remédio? mulheres de "família" também tomam anticoncepcionais.

Creches? péra aí, os homens, pais, vão ficar em casa tomando conta da criança enquanto a mãe trabalha? Não né. acho que isso é de interesse de ambos.não só da mulher.

aborto o governo tem mais é que oferecer na rede pública. afinal de contas aborto para quem tem dinheiro já ta liberado desde que o mundo é mundo. Agora quem é pobre morre. Isso é um problema de saúde publica.

votei no PSTU esse ano. hihihi


@ Mirella

eles gostam mais da Solanas do que qualquer outra pessoa. A verdade é que eu só fiquei sabendo da existência dela através deles.A única coisa que eu sei é que ela esta viva, porque de resto nunca li nada a respeito .

Carla disse...

Leandro, pra sua informação no Brasil nós temos anticoncepcionais gratuitos (não precisamos de convencer planos de saúde). Ahhh socorro! Corrão (sic) pras colinas. Os taxpayers, tadinhos, tão arcando com a irresponsabilidade sexual das mulheres.
Olha, eu poderia discorrer um monte aqui sobre o machismo da sua afirmação, até porque evitar um filho não depende da responsabilidade (ou irresponsabilidade) exclusiva da mulher. Tanto é que as camisinhas tb são gratuitas.
Mas vou focar então só no financeiro. Vamos lá, considerando uma mulher que vá fazer tudo por conta do governo: uma caixa de anticoncepcional, que se usa 1 por mês, no Brasil, custa em torno de R$ 17,00 (isso comprando no varejo, o governo paga bem menos, com certeza). No final de 1 ano, uma mulher usaria cerca de R$ 204,00 em anticoncepcionais. Já uma gravidez vai custar: consulta pré-natal (6, no mínimo), parto, exames necessários durante pré-natal, suplemento adicional de Ferro. Após o parto ela entra de licença maternidade(sim, o salário da licença é pago pela previdência). Depois disso vai necessitar de creches, escolas, hospitais, segurança, etc... Ou seja: é muito mais caro pro governo pagar pelo não planejamento familiar. Se juntarmos a isso tudo a possibilidade de um aborto clandestino e o risco de morte ou complicações da mãe, abandono, crianças subnutridas e em situação de rua, o que é mais vantajoso para um governo? Mas os conservadores, os coitadinhos dos taxpayers só conseguem ver sob a seguinte ótica: "estamos pagando para aquela vadia gozar adoidado sem risco nenhum. Às nossas custas! Se ela quer dar, pelo menos pague o próprio anticoncepcional!"

@vbfri disse...

Leandro, seu bocó, feminista não é taxpayer, não??
Fala isso pro Leão, então, que "leva" mais de QUARENTA MIL REAIS por ANO do meu SALÁRIO.
Além disso pago médico (alguns o plano de saúde não cobre), plano de saúde, curso, aluguel, condomínio, água, luz, telefone, gás, supermercado, gasolina, prestação... E em cada coisa que pago, um montão de imposto está inserido.
Enquanto isso, quanto é que você paga, vivendo às custas da "mamãe"??
MasCU idiota...

lola aronovich disse...

Moema, Valerie Solanas não está viva! Ou melhor, até está, mas só na memória dos mascus. Ela morreu em 1988. E sua única obra, o Scum Manifesto, é de 1968. Ou seja, quase tão velho quanto eu. Ela é tão importante pro feminismo que eu só ouvi falar nela quando vi o filme I SHOT ANDY WARHOL. Ela atirou no super famoso artista pop Andy Warhol, que imagino que os mascus nunca ouviram falar, ou se ouviram falar não o defendem, até porque ele era gay. E também porque morreu em 1987 (felizmente, não dos tiros da Solanas).
Eu escrevi um pouquinho sobre a Solanas -- ou melhor, sobre como ela não é nem nunca foi representativa no feminismo.

Mirella disse...

"mimimi taxpayers"


TODO O F*CKING MUNDO PAGA IMPOSTOS. A moça que quer anticoncepcionais paga, o pobre que compra uma água paga. Apesar da saúde pública nos EUA ser algo um pouco além do completo caos, um programa de saúde pública é necessário. Você saberia disso se estudasse.

Btw, felizmente, Leleco, pago meus impostos e você pode usufruir deles fazendo exame de próstata no SUS patrocinado por mim, se quiser.

Dona do Sexo -Bonobo rules,Jaçanã forever disse...

Nao quero nem pisar nessa terra.O negocio tá tenso,quase metade da população contra as mulheres.Nem louca piso ai.

Moema L disse...

Puxa Lola para você ver como eu sou Fã dela. Até achei que a mulher tava Viva hahahahahahaha

Pois é na memória deles ela realmente esta vivíssima, tão viva que até eu acreditei hahahaha


to rindo muito...

Que ela não representa o feminismo eu imaginei. Até porque os mascus falam tanto dela que eu supus que não era uma pessoa nada admirável só não imaginei que a mulher tivesse tão viva quanto uma múmia.

Pra você ver como eu realmente fui sincera quando disse que não sabia nada dela. Nunca nem pesquisei.

que gafe hahahahaha

acho que já tinha lido esse seu post só que não lembrava.

lola aronovich disse...

Leleco, sempre divertindo a galera... E por que não usar o termo em português, que é contribuinte? Pois é, por incrível que pareça, feministas e mulheres em geral também são contribuintes. Eu pago 27,5% de impostos em cima de tudo que ganho, agora que estou na categoria mais alta. Sabe qual é a categoria mais alta? É quem ganha mais de 49 mil reais por ano. Faça os cálculos: um assalariado que recebe R$ 3,770 mensais (incluindo 13%) vai pagar o mesmo porcentual em impostos que o Eike Batista.
O pior sobre vcs conservadores é que dinheiro pra guerras e defesa da pátria nunca falta. Mas dinheiro pra saúde e educação univeral, quem liga? Prioridades, certo? Cada um tem as suas. As suas são as piores possíveis.

PS: É engraçado também que vcs mascus, todos de direita, são contra o Estado em quase todos os casos, mas choram que o Estado não cuida de vcs como deveria. Exame de próstrata, por exemplo. Muitos homens não fazem. Pergunte a seus coleguinhas mascus se eles fariam. NUNCA! Mas eles culpam o Estado (e, óbvio, as feministas) por indivíduos terem preconceito contra o exame de próstrata. E, óbvio, vcs, como suposto movimento em defesa dos homens, não movem uma palha pra que esse preconceito acabe. Pelo contrário...
E TODOS os mascus querem fazer concurso público. Pra uma categoria que odeia o Estado, e odeia servir ao público, essa é uma entre as 1,343 contradições de vcs mascus.

Marcelo disse...

Aborto de estupro é igual a qualquer aborto.

A diferença é que a mulher nao criminalizada.

Só desenhando pra esse povo entender.

Mirella disse...

Gente, tive um insight genial agora: uma camiseta para o movimento!

Uma regata branca estampada "Solana Vive em Nossos Corações"


Combinar super com a pochete!

Marcelo disse...

A Lola tem uns questionamentos estranhos...
Pra ela um pro-vida nao pode fazer o bem. Pra ela o pro-vida é do mau.

Por exemplo. se um pro-vida diz uma coisa boa, tipo, 'a criança é inocente'.

A lola escuta uma maldade do tipo 'a criança é inocente e a mulher é a culpada'.

Que isso gente???

Leandro disse...

Lola, contribuinte é uma corrupção linguística criada pelo Estado. Quem contribui com algo, o faz voluntariamente. Por exemplo, se vocês feministas se associarem, e somarem suas granas e criar uma instituição para cuidar de filhos de mães solteiras e mulheres independentes, vocês e os doadores desta instituição estao contribuindo voluntariamente. Não é o que ocorre com os impostos. O que ocorre com o impostos é um assalto. Com a creches estatais, eu tenho que sustentar filho de gente que nem conheço e ninguém pergunta se eu aceito isso ou não. Eu uso o termo americano TAXPAYER porque lá é correto: TAXPAYER significa pagador de imposto. Eu acharia mais correto, o termo "cidadão assaltado". Mas contribuinte é uma expressão muito hipócrita. É uma corrupção de palavras.

Sobre a questão da gravidez, sim, é verdade, se não ocorrece a fecundação, não haveria filho. Mas então, por que a mulher nao deve consultar o pai na questão do aborto? E se o pai não concorda com o aborto? Como fica o direito paterno? Afinal, como vocês disseram, o filho é dos dois. Se ela não quer o filho, o pai pode querer, né? Percebem a contradição nos argumentos de vocês?

Moema L disse...


Meninas vocês não entenderam.O que o Leleco quis dizer é que nós não trabalhamos logo não pagamos impostos. Lembra? TODAS nós somos casadas com homens multimilionários irmãos do Eike batista que nos sustentam...Nós somos sustentadas...
Só que não lelequinho. Erro feio.

Eu me divirto com os mascus.

Hó... Meu Deus tudo isso é revolta por que a mamãe não compro o toddynho.

Moema L disse...

@ Mirela

"Gente, tive um insight genial agora: uma camiseta para o movimento!

Uma regata branca estampada "Solana Vive em Nossos Corações"


Combinar super com a pochete!"


Agora eu morro de tanto rir...

lola aronovich disse...

Puxa, é mesmo, Marcelo! Se a gente tá falando de uma situação em que há um estuprador, uma vítima que engravidou e o feto, e alguém diz "O bebê é inocente" ou "o bebê não tem culpa de nada", não se infere, de maneira alguma, que a vítima não seja inocente, ou que ela tenha culpa. De fato, isso só aconteceria numa sociedade em que vítimas de estupro fossem constantemente culpadas pelo estupro que sofreram. E claro que isso não acontece no nosso mundo. Obrigada pela correção, Marcelo! O que eu estava pensando?

Leandro disse...

Só mais uma coisa: sou libertário-conservador. Então não sou a favor de dinheiro pra guerras. Sou totalmente contra estas guerras. Ron Paul disse que ganhasse retiraria as tropas de todos os paises. E acabaria com a chamada "guerra às drogas". Sobre "mascus", saiba que os masculinistas americanos são contra o serviço militar obrigatório. Paul Elam é contra as guerras.
Também não sou a favor de prestar concurso público. A menos que seja pra ser professor, para promover o "contra-gramscismo" e mostra a verdadeira história pros alunos.

Mihaelo disse...

Só há um país no mundo onde ninguém paga impostos:Mônaco! Isto por que lá o governo utiliza os lucros do cassino para financiar a minimáquina pública do país-bairro que de fato aquele principado é.Todos os monegascos são bairristas,sem dúvida!!!! Nos demais países todas as escolas e universidades públicas, camisinhas, etc são pagas em dinheiro vivo. O fato de que as notas de dinheiro que os habitantes de cada país pagam ao seus governos faça um passeio até os cofres da capital de cada país não faz com que este dinheiro deixe de ser dinheiro.
O problema da eleição nos Estados Unidos é que lá não existe voto direto.Os ianques não votam pra presidente. Eles votam para um partido em cada estado e o partido mais votado tem direito a fazer todos os delegados do estado.É por isto que lá apenas os partidos Democrata e Republicano elegem deputados,senadores, governadores e presidentes. O Bush teve menos votados que o Al Gore em 2000, mas como o partido Republicano venceu na Flórida que é um grande estado com maior numero de delegados, ele acabou se elegendo. É por isto que o empate entre os dois candidatos não significa muita coisa.Pode repetir-se o que ocorreu em 2000.

Andressa disse...

Não há contradição nenhuma, Leandro. A diferença é que é a mulher que tem de servir de incubadora para o feto, e não o homem.
Quando você puder fazer esse serviço, decida sobre a sua própria gravidez. Até lá...

Lilian Soares do Nascimento disse...

é só o futuro com fundamentalistas religiosos no poder.[2]

Um país de importância tão grande como os EUA não pode deixar que uma coisa dessa aconteça. O que eles têm na cabeça? Não é porque eles querem que eles podem voltar ao passado. As mulheres já conseguiram o seu lugar no espaço público. São consumidoras, contribuintes, profissionais qualificadas... ou seja: SÃO IMPRESCINDÍVEIS para o desenvolvimento do Estado.

O que eles desejam? Cair mais rápido?

Cris disse...

O pior é que a discussão sobre oferta gratuita de anticoncepcionais ignora completamente as mulheres que dependem deles por questões hormonais. o exemplo mais simples e mais comum é o de quem tem ovários policísticos. e isso, para os mascus ignorantes que não sabem, independe da vida sexual da mulher atingida.

eu, por exemplo, comecei a tomar anticoncepcional três anos antes de deixar de ser virgem. e aí? se eu fosse pobre, se dependesse de comprar remédios pelo SUS? tinha q ficar com os ovários cheios de cistos mesmo, com meus hormônios desregulados, com mais testosterona no sangue que muito "búfalo viril" por ae e foda-se?

aaaahh, tome tento. em vez de tirar direitos alheios, vai lá tentar garantir uns pra você. quem sabe, garantir o direito a uma educação de qualidade, pra evitar que mais gente fique afogada em tanta ignorância ¬¬

Cris disse...

e perae. "libertário-conservador"? ok, daqui a pouco você também será fogo molhado.

Leandro disse...

Entããão, Carlinha! Se a mulher quer anticoncepcional, vá comprar na farmácia, como você mesmo disse, não custa mais do que R$ 17,00.

Leandro disse...

Então, Andressa, você admite que é a mulher quem carrega a maior parte da responsabilidade? Então, a responsabilidade pela gravidez está esmagadoramente com a mulher, não é? Sendo assim, "slut-shaming" faz sentido, né? Afinal, a mulher que é promíscua irresponsável. Se ela optasse por ser mais regatada e mais responsável, não sendo promíscua, ela não engravidaria. Não concorda?
Ademais, como eu disse, se quer pílula, que vá comprar na farmácia. Querer que os taxpayers paguem...

Anônimo disse...

Sou contra o aborto, mas, TOTALMENTE a favor a liberdade de escolha.
É fácil julgar quando não se está na pele de uma mulher que tá: sozinha, desamparada e desesperada.
O curioso é que não vejo ninguém culpando o homem que também não se previniu para não engravidar uma ou várias mulheres.
Os mesmos babacas misóginos e acéfalos que tacam pedras em uma mulher que abortou ou que cria seu(a) filho(a) com dificuldade, ficam alegando: "porque não previniu? porque foi prosmíscua, mimimimachista, etc", no entanto estes imbecis ficam cultuando caras tipo o MR Catra que NÃO cuida de todos os filhos que teve com as mulheres que se envolveu.
A mentalidade tacanha é a seguinte: Mulher abortou, vadia. Mulher cria seu filho com dificuldades financeiras, vadia.
Homem que pagou aborto, garanhão. Homem que engravidou várias mulheres, garanhão.
Depois dizem que o machismo NÃO destrói a vida das pessoas sejam mulheres ou homens, faça-me o favor!

Quanto a questão do criminoso ter direito de visitar a criança que é filho ou filha da mulher que não decidiu abortar, eu digo isso é um ESTUPRO cometido pelo próprio Estado!
Vamos lá, a mulher é violentada, passa pelo PIOR CRIME que um ser humano(não apenas mulher afinal homens em situações mais raras podem ser vítimas deste crime) pode passar, engravida, decide não abortar e criar a criança e aí...o Estado vem e dá direitos de "PAI" ao estuprador?! Isto é uma absurdo, uma violência cometido pelo Estado contra esta mulher!
Esta decisão de fazer com que o criminoso possa visitar a criança é uma atitude danosa que pode prejudicar a saúde mental e até física da mulher.
Ser obrigada a olhar pra cara do homem(ou melhor, LIXO) que a estuprou é abjeto e repulsivo!
Além do mais o que a criança depois de alguns anos pode falar como "papai e mamãe se conheceram"? Se a mãe fala a verdade, a criança vai se sentir inferior às outras que vieram de relações sadias. Se a mãe mente, a estabilidade emocional dela, vai pro espaço porque ela não conseguirá fingir que "ama" o "pai" desta criança.
A mulher pode decidir abortar ou não um(a) filho(a) gerado de estupro, mas, NUNCA o Estado pode dar o direito para o criminoso visitar a criança e prejudicar a saúde mental da mãe!
O direito que o estuprador tem é de FICAR PRESO e pagando por sua covardia!
Se eu engravidasse de um cara que me estuprou, decidisse ficar com a criança e ele tivesse direito de "visitar" meu filho, na boa, podem me chamar de radical, eu ia presa porque ia dar um tiro na cara do safado!

Mirella disse...

"Se ela optasse por ser mais regatada..."


Senti nesse ato falho que Leleco aprovou minha idéia, hein!

#vitória

Pili disse...

Leandro,
você, nem eu nem ninguém aqui é auto-suficiente (alôôô Buda).
A gente vive num país e paga impostos, que retornam pra gente sob diversas formas.
Lide com isso.
Só pra chegar ao ponto de estar vivo aí agora você recebeu muita atenção e muito retorno do país.
Esse retorno deveria ser maior e melhor.
E deveria contemplar pessoas de todos os gêneros.

Gabeee disse...

Pois é, Leandro.
Eu pago imposto pra pagar estrada pra gente que nem conheço passar, pra pagar filho de gente que nem conheço ir pra escola e universidade estudar, pra pagar policia pra proteger gente que eu nem conheço, pra pagar remédio e hospital pra doente que eu nem conheço se tratar, pra bombeiro apagar incêndio que eu nem causei... Um verdadeiro absurdo!

Dani Vaz disse...

Lola, um amigo que como eu mora nos EUA quer espalhar a tradução desse post pro Inglês entre os votantes daqui, podemos traduzir?

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Bela argumentação, Lola.
Também sempre estranhei essa de em certos casos ser permitido o aborto e em outros não. Ah, nesses casos você pode escolher o que faz e nesses casos, não pode. Como assim, Bial?
Mas também sempre tive essa consciência que se a gente insiste nesse assunto, tá mais fácil é proibirem em todos os casos mesmo e pronto.

Cristiane Wartha disse...

E somente mulheres que tem mais de um parceiro engravidam sem intenção. Casadas tem uma "certa secreção" que mata o feto indesejado também, com toda a certeza.

Anônimo disse...

Que cara doente. Então podemos ter escolas públicas, saúde pública, ter acesso a centenas de remédios através de farmácias do sus, mas anticoncepcional tem que ser pago, creche tem que ser paga, só porque tem alguma coisa a ver com controle reprodutivo e independência financeira de mulher que tem filhos. Mulheres também pagam impostos, mas quanto mais dificultar pras mulheres melhor. Que fiquem socadas dentro de casa com vários filhos, sem poderem trabalhar e dependendo do dinheiro do maridão pra comprar anticoncepcional, se ele quiser dar.
É o cúmulo da misoginia.

Anônimo disse...

PARA Leandro

Véi na boa, vc é um OTÁRIO e não sabe NADA de mulher!
A mulher carrega a maior parte da responsabilidade por causa do MACHISMO que existe em nossa sociedade latina.
A mulher fica grávida, mas, a GRAVIDEZ é responsabilidade de mulher e também de homem.
O tal "slut-shaming" seu IGNORANTE é pra mostrar o quanto o machismo não acrescenta NADA e só serve pra tiranizar a vida das mulheres!
Vc alega que "a mulher que é promíscua irresponsável" mas, um homem que transa com trocentas mulheres também NÃO é promíscuo?!
Pra vc que é homem(pelo menos no sentido biológico da palavra,hehe) é fácil culpar as mulheres por TUDO!
O que é "regatada"? Antes de julgar os outros, ou melhor julgar as mulheres, procure ESTUDAR pra deixar de ser o BURRO que é.
Quer dizer, mulheres casadas ou comum namorado, NÃO podem engravidar sem querer? Nossa, vc é ridículo, e não conhece as mulheres! kkkk
CLARO que uma mulher com apenas um homem pode engravidar sem querer.
Vamos lá, vc é contra a distribuição de pílulas, mas, não se manifestou contra as camisinhas.
Se a pílula serve pra contribuir com uma SUPOSTA promiscuidade feminina, a camisinha também serviria para uma pretensa promiscuidade masculina não concorda?
Quer dizer, pra vc os taxpayers não podem arcar com os custos da pílula mas podem arcar com os custos da camisinha. ALém de burro, misógino vc ainda é um hipócrita.
Tipos como vc se acham "homem" pra vomitar moralismo, enquanto enganam, seduzem e engravidam mulheres a torto e a direito tirando seus rabos da reta!
Antes de julgar as mulheres, toma vergonha na cara e aprenda a ser homem!


Sawl

Andressa disse...

Leandro:
Os dois têm os mesmos deveres em termos de prevenir a gravidez e arcar com as consequências delas depois. Em teoria, claro, porque na prática sabemos que as coisas não são bem assim. Pelo seu discurso, podemos ver a presença dessa mentalidade de que a maior responsabilidade pela concepção é da mulher, mas né? Quando dois não fazem, um não engravida. E, na questão das consequências, a maior responsabilidade normalmente fica com as mulheres, porque os homens sempre podem sair fora sem serem considerados monstros, já a mulher...

A responsabilidade pela prevenção e pela criação da criança em teoria deveria ser dos dois. Mas a decisão sobre levar adianta ou não uma gravidez - fardo exclusivamente feminino - é da mulher.

E assim. Esse papo de promiscuidade feminina tá velho. Larga isso. Fazer sexo não engravida, o que engravida é não se proteger devidamente. Várias pessoas aqui já exporam com muita clareza o benefício de um governo envolvido com planejamento familiar, e que distribui métodos contraceptivos.

Lobo Mau disse...

Também acho tentador perguntar se as pró-aborto-pró-mulher-feministas-matriarquistas também não acham que tod@as as bebês abortad@s também não são mulheres que tiveram a sua liberdade de escolha sobre os próprios corpos cerceada, não é?

Também acho tentador perguntar por que as pró-aborto-pró-mulher-feministas-matriarquistas defendem sociedades protetoras da vida de animais mas não defendem a vida de fetos seres humanos.

Essas perguntas elas não conseguem responder.

Luciana disse...

Me causa angustia tais informações. É tão difícil as pessoas entenderem que a mulher tem que ter o direito de escolha, se quer ou não prosseguir com a gravidez. Escolha, só isso! Gravidez não é punição!

Um terror total essa lei que dá o direito ao estuprador sobre a criança (visitar, compartilhar guarda) O_o Que isso?! Quem inventou e votou neste absurdo só pode ter comido merda.

pró-vida-até-o-parto-depois-vire-se, por favor, menos blá-blá-blá e ajudem crianças nos orfanatos.

Marcelo disse...

Laurinha. vamos liberar o aborto em todos os casos, só pras estupradas nao serem penalizadas? Acho melhor despenalizar os abortos em caso de estupro.

afinal, aborto, tanto de uma quanto de outra é tudo a mesma coisa. portanto o aborto continua proibido.

a gente tem a coerencia pra decidir nao penalizar uma mulher estupradas. pra que fazer a burrice de liberar pras que podem ser penalizadas?

Anônimo disse...

Não tente mudar o mundo; você não vai conseguir. Mude o SEU mundo. Este sim, pode ser mudado. Pra melhor, muito melhor.

Leandro disse...

Não há devolução de impostos. Devolução de impostos seria o governo me devolver todo o dinheiro que me extorquiu. Não é isso que ocorre. O que o governo faz é extorquir o dinheiro de uns para dar para outros. Barrabás fazia isso. E aí, tava certo?
É muito fácil ser feminista querendo que os taxpayers assumam a responsabilidade dos outros. É como eu falei no comentário acima: se associem e montem uma instituição. Assim, dexarei vocês em paz enquanto vocês viverem.
Sobre as estradas. Por que pagar impostos se as estradas privadas são muito melhores? Prefiro pagar pedágio, pelo menos eu transito em uma estrada boa.

Gabriel disse...

Achei o foda o contra argumento da "criança inocente". Então a mulher não é inocente na situação? Ela deve ter provocado, né? No mínimo já é culpada apenas por ser mulher.

Lucas disse...

Eu não faria um aborto, não tenho tanta liberdade mental assim. Mas não faria porque eu não quero. Se você acha que essa é a melhor decisão pra você, creio que tem todo o direito de seguir em frente, com condições que assegurem a sua saúde.

Não vou criar seu bebê, é um problema "embora eu não ache" seu, você deve solucioná-lo da melhor forma possível. E eu apoio a sua decisão.

É a minha conclusão toda vez que penso no aborto.

Anônimo disse...

PARA Lobo Mau
Caro Lobo, de "mau" vc não tem nada,kkk, vc tá mais pra "lobo bobo".
Eu te pergunto se os pró-vida-pró-homem-pró-machismo-pró-patriarcalismo não acham conveniente vomitar moralismo em cima das mulheres, mas, não olharem pra sues próprios rabos e se questionarem se é correto largar á própria sorte o(s) filho(s) que fizeram nestas mulheres?
Também acho tentador perguntar por que os pró-vida-pró-homem-pró-machismo-pró-patriarcalismo defendem sociedades protetoras da vida, mas, quando aparecem ataques de pedofilia em que meninas são vítimas ficam sempre do lado do agressor; quando vêem crianças pedindo esmola ou comida só faltam agredir esta criança; se são tão "machos e ao mesmo tempo corretos" porque largam as mulheres grávidas dos filhos que estão esperando deles?
Essas perguntas vocês mascus não conseguem responder, mas, vomitar moralismo e machismo, ô isso vcs sabem bem!


Sawl

Gabriel disse...

Esse texto me lembrou uma questão que gostaria de dividir com vocês.

Um colunista da Folha (não é o Pondé, por favor) levantou um tempo atrás a seguinte pergunta: Se uma mulher tem o direito de decidir pela continuidade ou não de uma gravidez, ou seja, ela pode decidir ou não pela maternidade, um homem poderia se recusar a se assumir pai, ele poderia recusar a paternidade?

Minha dúvida é mais uma questão de princípios, uma coisa abstrata. Não queria entrar na questão legal (direitos de personalidade ou pensão alimentícia) ou na questão social (que muitos homens já fazem isso, abandonam mulher e filho ou se recusam a participar de forma efetiva na criação).

Se uma mulher pode escolher ser mãe ou não dentro de um quadro real e provável (já grávida), um homem poderia fazer a mesma escolha no mesmo ponto?

Abraços!

Anônimo disse...

os taxpayers do lindo mundo da imaginação onde controle de natalidade não importa do leandrinho são todos homens eunucos

Rafael disse...

Imagina também a vida de uma criança visitando o pai todo fim de semana. Descobrir um dia que nasceu de um estupro. Acho que os pró-vida também não pensam no dano psicológico que isso causaria nas coitadinhas das criancinhas que eles tanto amam e defendem até nascerem.

Anônimo disse...

Lucas, e se você ou qualquer um de nós se dispusesse a criar uma criança fruto de estupro, então a estuprada teria o dever de levar a gravidez a termo?

Lobo Mau disse...

Sawl, o cara que mais luta contra a pedofilia no Brasil é o senador Magno Malta que é ultra-diritista-conservador-reacionário e etc.

E não é só machista que abandona filho não, o Lula também abandonou e tentou forçar a mulher para que ela abortasse. Lembre-se do caso Luriam.
Ou seja, um homem ser pró-aborto não significa que ele quer dar a mulher o direito de abortar, significa que ele também vai querer ter o direito de abortar o filho que ele fez. Sendo que se a mulher abortar é ela que comprovadamente sofre as piores consequências psicológicas depois.
A questão do aborto não é uma guerra homens versus mulheres como muitos tentam forçar, é uma guerra vida versus poder.

Dani Andrade disse...

Nossa esse Leandro não cansa de tomar na cara, não??
Fala aí das camisinhas, querido!
Porque temos que pagar pela promiscuidade masculina? Me explica, faz favor!

Ana disse...

Eu não sei vocês, mas mesmo não sendo americana eu estou em pânico com a campanha do Romney. Não me lembro de outra ocasião em que eu tenha torcido tão ferrenhamente por um candidato como torço agora para o presidente Barack Obama.

@Lobo Mau

"Também acho tentador perguntar se as pró-aborto-pró-mulher-feministas-matriarquistas também não acham que tod@as as bebês abortad@s também não são mulheres que tiveram a sua liberdade de escolha sobre os próprios corpos cerceada, não é?"

Quando se parte do conceito de que o feto não é uma criança e sim uma expectativa de vida que pode ou não se concretizar - não, não são 'mulheres com a liberdade cerceada'. Porque nesse ponto de vista o feto não é pessoa/criança/mulher/homem a começo de conversa.

"Também acho tentador perguntar por que as pró-aborto-pró-mulher-feministas-matriarquistas defendem sociedades protetoras da vida de animais mas não defendem a vida de fetos seres humanos."

... I can't even.

Dá licença gente, essa eu passo. É bobagem demais pra mim.

@Mirella
"Gente, tive um insight genial agora: uma camiseta para o movimento!

Uma regata branca estampada "Solana Vive em Nossos Corações"

Combinar super com a pochete!"

Mirella, as tuas piadas estão salvando os meus dias. Fato.

Mas eu agora fiquei pensando na Solanas vestida de Saori... e os caras na volta fazendo cosplay de Cavaleiros do Zodíaco.

I just ruined my own childhood.

@Andressa
"Pelo seu discurso, podemos ver a presença dessa mentalidade de que a maior responsabilidade pela concepção é da mulher"

Pelo discurso dele podemos ver a presença de grandes problemas, amiga.

Força pra vocês que ficam dialogando com o Leleco, porque olha... Fica cada vez pior.

É a mulher que carrega o feto, logo, a responsabilidade maior é dela (?).
Logo, se ela engravida a culpa é dela... Ela devia saber, ué, que se engravidasse ia ser complicado. Não se preveniu porque não quis, foi promíscua, agora aguenta. E slut shaming faz todo o sentido!

*Close no pai da criança saindo de fininho pelos fundos enquanto isso. Rápido cara, antes que alguém se lembre que você também devia ter se protegido!*

Tenha santa paciência, viu. Tem que rir pra não chorar.

@Moema L.
"Hó... Meu Deus tudo isso é revolta por que a mamãe não compro o toddynho."

Vai ver tá na hora de mudar pra uma coisa mais efetiva... Um activia, quem sabe?

... Tá, parei.

@Pili
"Leandro,
você, nem eu nem ninguém aqui é auto-suficiente (alôôô Buda).
A gente vive num país e paga impostos, que retornam pra gente sob diversas formas.
Lide com isso.
Só pra chegar ao ponto de estar vivo aí agora você recebeu muita atenção e muito retorno do país.
Esse retorno deveria ser maior e melhor.
E deveria contemplar pessoas de todos os gêneros."[2]

É, alôôô Buda!

Gabriel disse...

Toda criança tem uma fase que se refere a tudo usando pronome possessivo na primeira pessoa do singular, mesmo em situações coletivas: "minha escola", minha praia", "meu shopping", "meu playground". É mais ou menos assim - como crianças - que eu vejo as pessoas que dizem: é com o MEU dinheiro que fazem essas creches, é com MEU dinheiro que pagam seu salário, é com MEU dinheiro que sustentam essa universidade.

Quer discutir a carga tributária? Vamos ai! Quer melhorar a aplicação de impostos? Somos dois! Ou quer apenas se comportar como se fosse o dono da bola e não quer que outros pessoas possam jogar?

Anônimo disse...

PARA Leandro

Véi na boa, vc é burro, maluco, o que vc é?

Como postei antes, vc é um baita hipócrita. Reclama que as feministas querem que os taxpayers vão arcar com os custos da pílula, mas, vc NÃO foi homem pra me responder!
PORQUE os taxpayers devem arcar com a camisinha que seria então um estímulo a promiscuidade masculina(seria em parte, já que muitos homens usam camisinha com namoradas e esposas)?
Isso vc não vê problema, né? Fica vomitanto seu machismo moralista mas, não tem coragem nem cérebro pra rebater os argumentos contra suas opiniões ridículas.
Véi, deixa as mulheres viverem em paz, se vc não gosta de mulher, problema teu, mas, nos deixe em paz.


Sawl

Anônimo disse...

"Mulheres que fazem aborto o fazem porque elas valorizam a vida e porque elas levam muito a sério as inúmeras responsabilidades ​​que vêm não apenas com o nascimento, mas com a nutrição e criação de um ser humano." Charlotte Taft

Anônimo disse...

Eu sinceramente não entendo como alguém que é contra o aborto, pode se dizer a favor da vida. Num planeta com mais de 7 bilhões de pessoas, a maioria delas vivendo em condições precárias e sem direitos básicos, nós NÃO precisamos de mais crianças indesejadas! E convenhamos, nascer e viver nesse planeta já não é algo maravilhoso há muito tempo, mas de qualquer maneira a vida segue... quem sabe num futuro não tão próximo as coisas sejam melhores. Quem é contra o aborto é a na verdade a favor da desvalorização da vida!

Lobo Mau disse...

Eu sinto muito medo dessas pessoas que dizem que um feto não é uma vida humana. Lembro-me de Hitler, é a vontade de tomar o poder que faz passa por cima de qualquer vida humana. Os fins justificam os meios, é assim que essas pessoas pensam.
Se a mulher abortar não vai precisar cuidar de um filho indesejável, como se um filho em alguma época da vida pudesse ser um estorvo. É o pensamento mais facista que eu conheço. E o que mais me assusta e indgna é ver esse sentimento vindo de mulheres.

Anônimo disse...

Sorry, Leleco, mas os taxpayers (morro 18 vezes de rir) não vão ser obrigados a bancar "as mulé" trepando sem medo porque o que a menina pediu foi que os PLANOS DE SAUDE (sabe, aquele treco que tem que se pagar todo mês, usando ou não) façam por elas o que ja é feito pelos homens, uma vez que lá os "hômi" tem o VIAGRA coberto. Trocando em miúdos, os taxypayers (19 vezes) estão bancando somente a putaria dos velhinhos. As meninas também querem, pombas. bjs

lola aronovich disse...

Vcs mascuzões de extrema direita (perdão pela redundância) pensam bastante em Hitler, não é mesmo, Lobinho? Oops, desculpe, me confundi. Esqueci que pelo livro sagrado que vcs reaças reescreveram Hitler e o nazismo foram de esquerda. Contra fatos não há argumentos!

Anônimo disse...

Não, lobinho, o que te indigna é que vc não pode mais nos dizer o que fazer.

Jordania Lopes disse...

Preocupante...

Anônimo disse...

"Lobo Mau", seu machistinha de merda, nem vem com esse discursinho hipócrita e falso moralista. Se os homens engravidassem o aborto seria considerado sagrado. Seria um dos sacramentos mais antigos, mais respeitados e inquestionáveis. Do tipo "é assim que as coisas são, sempre foram assim e sempre serão, é a vontade de Deus!" Mas o seu discurso serve bastante pra mostrar quanto medo machistas têm das mulheres obtendo poder. "Enquanto as mãos balançam o berço elas não balançarão o barco" não é?

Vitória disse...

Lola, isso não te a ver com o post, mas gostaria de deixar aqui esse link para um texto extremamente bem escrito sobre um assunto muito polêmico: a prostituição.

http://revistaepoca.globo.com/Sociedade/eliane-brum/noticia/2012/10/ministra-e-prostituta.html

Lobo Mau disse...

Todo mundo me xinga mas ninguém rebate os argumentos que usei contra o aborto, claramente estão desviando o foco. A esquerda utiliza de falsidade intelectual descaradamente, não adianta discutir com eles porque eles sempre vão partir para apelação para não admitirem que estão errados.

Lobo Mau disse...

E eu repito, metade dos fetos mortos eram mulheres que não tiveram poder de decisão sobre seu próprio corpo. Só isso já é suficiente para a discussão acabar aqui.

Leandro disse...

Ninguém aqui quer que mulheres usem burca. Tampouco ninguém aqui quer impor o regato a ninguém. Também ninguém aqui está defendendo a proibição da pílula. Mas tudo é questão de RESPONSABILIDADE. Os indívíduos agem, são livres para agir, e são RESPONSÁVEIS pelos seus atos. Então parem de vitimismo e culpar o tal "machismo"(?) por tudo o que é de ruim na vida de vocês, e aprendam a ASSUMIR A RESPONSABILIDADE PELOS SEUS ATOS. Vocês são independentes e autônomas. Ou é impressão minha, ou vocês, feministas, "independentes", não conseguem praticar a própria "liberdade sexual" de vocês sem o dinheiro dos taxpayers? Será que até isso os taxpayers tem de prover? Até pra fazer sexo vocês precisam da grana dos taxpayers? Pois é essa a impressão que fica ao quererem que os taxpayers paguem anticoncepecional para vocês. Se querem ser independentes, entao ajam como mulheres independentes, parem de querer que os taxpayers paguem tudo. Comprem pílula nas farmácias, nos sexshops (creio que os sexshops também vendem pílula). Assumam as responsabilidade de vocês. Aprendam a andar com as próprias pernas, paŕem de agir como crianças mimadas pelo papai.

lola aronovich disse...

Deixe de ser estúpido, Leandro. Aposto como eu pago muito mais imposto que vc. Tenho certeza absoluta que feministas pagam muito mais impostos que mascus, já que temos uma escolaridade infinitamente superior (existe algum mascu com mestrado? Não conheço. Nem Nessahan terminou o dele) e, por isso, ganhamos mais. Nós pagamos os exames de próstrata que vcs se recusam a fazer.

Anônimo disse...

Gabriel

Na nossa realidade o problema é o seguinte: não pode abortar, não existe um sistema legal/humanizado para doação, não pode se esterilizar porque fazem o inferno pra convencer mulheres e homens que um dia eles vão querer filhos.

O bebê nascendo, é cidadão com direitos garantidos, sendo pai e mãe os responsáveis legais. Não só mãe. Então, HOJE, não, não pode se negar a ser pai depois que o filho nasceu.
Quer dizer, poooooodji. Pode pagar a parte dele para a sobrevivência da criança e sumir no mundo, o que dá na mesma de recusar a paternidade. Mas enfim.

Talvez, TALVEZ, se o aborto fosse uma realidade e mesmo com o cara se recusando a assumir a criança a mulher quisesse levar a gravidez adiante, talvez pudesse existir um termo pro sujeito assinar e ficar livre de qualquer dever e DIREITO também para, em alguns anos, não vir com papinho mole de querer ver a criança.
Nada que já não aconteça na realidade anyway. Quantas crianças por aí sabem que o pai não quis saber delas.

Anônimo disse...

Lola como muita gente vem aqui, acho que tu podia falar dos índios guaranis e kaiowás de Mato Grosso do Sul, que estão morrendo e ao mesmo tempo sendo expulsos das suas terras.

yulia2 disse...

off topic....

incrível como essa mtv é canalha e vagabunda!!! lembram da petição pra tirar a bosta da tostosterona do ar??
bem os caras da petição me mandar e mail e a resposta mtv BOSTA foi a seguinte..

_________________

Acabamos de ter notícias da MTV sobre a parceria deles com o Testosterona – aquele blog que recomenda que os homens “apaguem as mulheres com um tijolo” quando quiserem sexo. Bom, a resposta formal da MTV é que, no Brasil, estupro é sim motivo de piada.

Na semana passada, a Vice Presidente de Responsabilidade Social da MTV entrou em contato com a All Out pra dizer que o Testosterona é uma “abordagem humorística do machismo moderno, adequadamente embasada na cultura brasileira” e que eles não veem problema em continuar essa absurda parceria.

____________

galera por favor, vamos continuar assinando a petição peço pra Lola também divulgar isso mais uma vez...


http://www.allout.org/pt/actions/mtv?akid=901.1313186.xVQRKY&amp=&amp=&amp=&rd=1&t=4&utm_campaign=mtv&utm_content=portuguese&utm_medium=email&utm_source=actionkit

yulia2 disse...

hahahah
essa mascuzada lixo que é contra cuidar de porra alheia... deveria ser o primeiro a favor do aborto não?

Anônimo disse...

Lobo Mau disse...
E eu repito, metade dos fetos mortos eram mulheres que não tiveram poder de decisão sobre seu próprio corpo. Só isso já é suficiente para a discussão acabar aqui.

22 de outubro de 2012 23:18

Você é muito ridículo, Lobo. Só rindo muito de uma palhaçada dessa... porque isso não pode ser sério!

Fetos são mulheres? E eu pensando que mulheres eram seres humanos adultos do sexo feminino. Que cabeça a minha. Talvez eu esteja esperando muito de bebês-chorões reacionários cujo desenvolvimento mental esqueceu de acompanhar o desenvolvimento físico com o passar dos anos. Ou o desenvolvimento de vocês machistóides estaciona antes, tipo no estágio fetal?

Dani Andrade disse...

Leandro, pare você de ser hipócrita!
Porque o Estado não pode pagar a pílula das mulheres que pagam impostos e tem que pagar a camisinha dos homens?
Assuma seu ódio mortal à liberdade das mulheres. Olha só você tá aí perdendo o seu tempo discutindo com um monte de feministas achando que elas devem pagar as próprias pílulas... não tem nada melhor pra fazer não? Acha mesmo que vai nos fazer mudar de ideia? Você com seu discursinho acha que vai mudar alguma coisa? Que agora, só porque você não quer não vamos mais ter esse direito? acorda! vai viver a vida e para de incomodar!

Anônimo disse...

Gente, se cada mulher souber o que quer da vida, e decidir NÃO ser estuprada, NÃO ter uma gravidez indesejada, NÃO ter que fazer um aborto, NÃO fazer sexo com desconhecidos, NÃO se encher de filhos, NÃO ter filho nenhum, NÃO andar de carro sem cinto de segurança, NÃO falar ao celular dirigindo, NÃO ser assaltada, podem apostar que NÃO vai acontecer.

Leandro disse...

Mas quem disse que eu sou a favor que o Estado banque camisinha pro homem? Eu compro camisinha, minha cara.
E eu já falei: só vou parar de incomodar vocês no dia em que vocês pararem de agir como meninas mimadas que querem que os outros paguem tudo pra vocês, e agir como pessoas adultas, responsáveis pelos seus atos.

Leandro disse...

E não tenho ódio à liberdade das mulheres. Pelo contrário, pode fazer o que quiser, desde que sejam RESPONSÁVEIS pelos seus atos.

Anônimo disse...

Ah não, Lolinha.. Por que permite os comentários desses trolls?

Anônimo disse...

Leleco, miguxo, amor, coisinha fofa, peraí que eu vou desenhar pra você: o Estado não é uma lojinha onde vc escolhe o que quer levar. E porteira fechada, amor. Todos nós, cidadãos, temos direitos e deveres. Pagar imposto é um dever. Eu,por exemplo, com dois filhos pequenos, em escola particular e com plano de saúde, pago uma grana (27,5%) de imposto de renda por ano. E eu não acho ruim, porque mesmo a pessoa mais miseravel, quando compra uma balinha, está pagando imposto. Então, proporcionalmente à renda, ela paga mais imposto que eu. Sabe o que é uma merda? Gente riquíssima se valendo de brechas em uma legislação fiscal feita para gente riquíssima se valer de brechas e pagar menos imposto. Agora eu vou te contar uma coisa que vai te deixar mal, mas seja forte, tá? O Estado brasileiro já distribui de graça alguns anticoncepcionais, além de camisinha (pausa pra você se recuperar).

Agora, vamos ao argumento dos contribuintes (desculpe, mas como fãzona do Suassuna, me recuso a usar anglicismos desnecessários): seu argumento é falacioso porque parte de uma premissa falsa, de que o contribuinte estadunidense irá pagar pelo anticoncepcional dessas "mulheres irresponsáveis". O que a estudante de direito solicitou foi que, a exemplo do Viagra, que é coberto pelos planos de saúde (veja bem, planos de saúde) o anticoncepcional também poderia ser. O contribuinte não pagaria nada, já que quem paga o plano de saúde é o associado.

E sim, queremos agir como pessoas adultas e responsáveis, e isso pressupõe liberdade de escolha, e não essa visão paternalista de que as mulheres não sabemos o que é melhor para nós. E sabe, você não incomoda, porque você é apenas o sintoma, e não a doença. Sintomas são ótimos, porque avisam que há algo de muito errado acontecendo com o corpo.


Aline

Samuel disse...

Gabriel, acho que a questão é diferente. O aborto se trata do interrompimento de um futuro ser, não da negação da maternidade. Existem várias mulheres que ao invés de abortarem, optam por apenas não serem mães da criança, e dão as crianças para adoção. Isso é feito com consentimento das duas partes geralmente.

Letícia Rodrigues disse...

Gabriel,
O homem, que não engravida, pode escolher entre evitar engravidar uma mulher (camisinha, vasectomia), ou correr o risco de ter um filho não planejado

A mulher, que é quem engravida, pode escolher entre evitar a gravidez, interromper a gravidez, ou ter um filho não planejado.

Uma vez que a criança nasce, ela é responsabilidade dos dois.

Optar por interromper uma gravidez é completamente diferente de abandonar uma criança ao Deus dará. Não dá para equiparar uma situação a outra.

E veja bem que, em uma situação em que o homem não precisasse assumir os filhos, ele simplesmente estaria isento de qualquer responsabilidade. Não precisaria usar camisinha, pq se a mulher engravidar não é ele que vai ter que passar pela experiência do aborto, e se ela decidir ter o filho ele não precisaria nem pagar a pensão - pq é só isso que os homens são obrigados a fazer hoje em dia.



Leandro disse...

Só um erro de digitação: onde escrevo "regato", é recato. Ninguem quer impor recato, apenas assumam a responsabilidade pelos seus atos.

L. disse...

"Raciocínio" do Leandro in a nutshell: só mulher economicamente ativa pode ser sexualmente ativa. As pobres, as estudantes, as donas de casa e as desempregadas, essas inúteis irresponsáveis, têm que fazer voto de castidade (tomando chifre do parceiro, se necessário) ou arrumar mais filho e agravar a situação que as levou a arrumar filho em primeiro lugar, caindo em um ciclo inescapável.

Claro que, ao longo do tempo, haverá um acúmulo em larga escala de mulheres entulhadas em casa (a utopia!), homens pagando pensão (ahá!) e hordas e mais hordas de filhos indesejados que custarão aos ~taxpayers~ muito mais do que os anticoncepcionais. Mas eu suponho que nem mesmo o dinheiro público seja tão importante quanto a repressão da sexualidade feminina.

Talvez, apenas talvez, nós vivamos em um país cuja distribuição de renda é desigual demais para que só sejam consideradas responsáveis o suficiente aquelas que tenham R$30 sobrando no final do mês para comprar a pílula. Talvez usufruir da sexualidade não-procriativa seja um direito legítimo, ao menos tanto quanto outros tratamentos proporcionados pelos planos de saúde e pelo SUS, como com o Viagra. Talvez o homem também devesse ser responsável pela contracepção. Talvez o acesso de todos a métodos anticoncepcionais eficazes seja do interesse não apenas de mulheres, mas de homens e da sociedade como um todo. Apenas talvez.

L. disse...

E, aliás, seria daoríssima se essa noção neoliberal de responsabilidade fosse aplicada a todo o resto, né? Vamos acabar com o SUS de uma vez, porque né, quem não tem dinheiro para consulta particular é irresponsável e tem que aprender a lição e se tornar responsável (leia-se: arrumar dinheiro, o quão responsável você é é uma função do quanto você ganha, ser é ter e talz) ou parar de ficar doente ou morrer de uma vez, né. Seleção natural é isso aí, né.

isa disse...

gente sério mesmo que esse Leandro não consegue assimilar que ELE TAMBÉM USUFRUI dos impostos que NÓS pagamos? desculpa mas eu não quero MEU DINHEIRO sendo usado por ele não.
onde peço meu reembolso?
pq assim se ele estudou em escola pública alguma vez na vida, se usou os serviços de algum hospital público, ou se simplesmente andou pelas ruas asfaltadas da minha cidade, ele se aproveitou dos MEUS impostos PAGOS. e eu não to a fim de ver ele usando não. comofas?

TODO MUNDO PAGA IMPOSTO, BONITINHO. e do mesmo jeito, TODO MUNDO USUFRUI desses impostos pagos, de uma maneira ou de outra.
a criança mimada aqui é VOCÊ fazendo biquinho e batendo pézinho ''esse dinheiro é meu mimimimi''

Rodiafe disse...

ola lola gostei muito do seu blog e do seu jeito de escrever . 1 lugar eu não so mulher logo tenho opnião diferente.
Se o homem estuprador foi mandado pra cadeia , e a mulher não tomou a piola do dia sequinte ou da semana (sei-la).
E quis criar o filho. É obvio que quem quis engravidar foi ela logo aceitou o estrupo como um sexo normal e o cara não deveria ir pra cadeia . infelizmente ele foi , apesar de ter muitos casos de estrupo que acontesa por ai, e niquem sabe , ou não sabe pq a mulher se sente enverhonhada , ou ela gosta de ser estrupada , não concorda ? claro que tem que concordar!!! vc não é a unica entre 7 bilhoes de abitantes no mundo .loco é probabilisticamente impossivel de não ter pessoas que não gostão de ser extrupada.
Logo foi preso , é considerado um legitimo estrupador , mesmo assim a mulher com tantos recursos teve o filho. Ai eu pergunto a vc mulher quem está certo ? em possuir o filho , o pai que quis transar ou a mulher que não quis dá e ainda pos o coitado na cadeia.
Lenbrando que la no US o caso só é aprovado pelu jure ( que compem de cidadões comuns , assim como mulher e homem ) ,não como aqui uma coisa ridicula ademocratica que quem toma a decisão é o juis que nosso proprio presidente pos e não o cidadão. Pense nisso.

Anônimo disse...

Lobo Mau disse...
E eu repito, metade dos fetos mortos eram mulheres que não tiveram poder de decisão sobre seu próprio corpo. Só isso já é suficiente para a discussão acabar aqui.
....

De todos os argumentos sem pé nem cabeça, acho que esse ganha. Parabéns, Lobinho!

O cara acha mesmo que a gente é a favor da interrupção da gravidez pra poder abortar homem. Empacou na idéia que feminismo e machismo é guerra dos sexos, patati patatá. Vamos gastar o teclado todo explicando e ele ainda vai vir com essa, porque sua incapacidade intelectual o impede de pensar mais que isso. Só isso já é suficiente para a discussão acabar aqui...

Leandro disse...
Ninguém aqui quer que mulheres usem burca. Tampouco ninguém aqui quer impor o regato a ninguém. Também ninguém aqui está defendendo a proibição da pílula. Mas tudo é questão de RESPONSABILIDADE. Os indívíduos agem, são livres para agir, e são RESPONSÁVEIS pelos seus atos. Então parem de vitimismo e culpar o tal "machismo"(?) por tudo o que é de ruim na vida de vocês, e aprendam a ASSUMIR A RESPONSABILIDADE PELOS SEUS ATOS. Vocês são independentes e autônomas. Ou é impressão minha, ou vocês, feministas, "independentes", não conseguem praticar a própria "liberdade sexual" de vocês sem o dinheiro dos taxpayers? Será que até isso os taxpayers tem de prover? Até pra fazer sexo vocês precisam da grana dos taxpayers? Pois é essa a impressão que fica ao quererem que os taxpayers paguem anticoncepecional para vocês. Se querem ser independentes, entao ajam como mulheres independentes, parem de querer que os taxpayers paguem tudo. Comprem pílula nas farmácias, nos sexshops (creio que os sexshops também vendem pílula). Assumam as responsabilidade de vocês. Aprendam a andar com as próprias pernas, paŕem de agir como crianças mimadas pelo papai.
....

Leandro, você aprendeu a escrever taxpayer, por que não consegue escrever recato com c?

Até agora, tive uma impressão diferente da tua. Minha impressão é que as feministas que se manifestaram aqui pagam não apenas impostos, como também os anticoncepcionais que usam. Até agora as feministas estão defendendo anticoncepcionais para homens e mulheres, feministas ou não, que não tenham condições de arcar com os custos. Assim funcionam as coisas numa sociedade, quem tem mais, dá suporte pra quem tem menos. Impostos são pagos justamente pra manter essa sociedade funcionando.

Luci

Lucas Pinheiro Silva disse...

escrevi isso em meu tumblr, mas como ele é meio parado, acho que vale a pena colocar aqui.

Acho que dividir a questão do aborto em "pró-vida" e "pró-escolha" é reduzir tudo a uma falsa dicotomia tremenda e equivocada. A decisão não é entre a a vida do feto e o direito de interromper a gravidez; a decisão é entre a vida do feto e a vida da mulher.

Mesmo quando não há perigo médico uma gravidez indesejada põe a vida da mulher em risco. A mulher não é apenas uma progenitora, ela é um ser social, psicológico, econômico; um ser humano. Se qualquer um desses aspectos é afetado, a vida dela esta em risco. Obrigá-la a carregar um feto contra a sua vontade é por em risco a vida dela e do feto.

Os republicanos não são "pró-vida". Eles são pró-vida do feto.
Quem pensa que a mulher deve ter controle sobre seu próprio corpo não é "pró-escolha". É pró-vida da mulher.

Logo, eu pró-vida. Sim, isso mesmo. Defenderei a vida da mulher, não importa a circunstância.

Anônimo disse...

'Deixe de ser estúpido, Leandro. Aposto como eu pago muito mais imposto que vc. '

Paga não, o imposto que o funça 'paga' é uma ficção contábil
Não sei se vocês vão ser capazes de entender mas lá vai...
Não existe nenhuma diferença real entre o ladrão que toma dez de quem trabalha e dá cinco pro funça,
e
o ladrão que toma dez, dá dez pro funça e toma cinco de volta DO funça.
Essa segunda opção é o que o governo DIZ que faz, pro funça poder falar que paga imposto.Na prática não muda nada.O imposto que o funça diz que paga é um troço fictício, contabilizado dessa segunda história que o governo inventa.

Anônimo disse...

'PORQUE os taxpayers devem arcar com a camisinha que seria então um estímulo a promiscuidade masculina'

E quem foi que disse que devem?
Nenhum libertário defende isso.

Anônimo disse...

' alguém diz "O bebê é inocente" ou "o bebê não tem culpa de nada", não se infere, de maneira alguma, que a vítima não seja inocente, ou que ela tenha culpa.'

Esse pessoal é de uma falta de lógica impressionante.Sim, a mulher é inocente, e daí? O bebê vai ter que ser punido por isso?

Fernanda Mychelle disse...

Mais uma bizarrice do ser humano.

- Pílula contraceptiva = vagabunda;
- Capsulas de lombriga e solitária p emagrecer = bom p sistema imulogólico.

Quem sabe esse último, eles liberam p planos de saúde!

http://www.healthyweightforum.org/eng/diets/tapeworm-diet/

André disse...

Gabriel,
Desencana de esperar uma resposta coerente para sua pergunta. É muito mais fácil responder às maluquices do Leandro ou do Lobo Mau.

Anônimo disse...

Lola

Por favor não reduza a humanidade inteira ao bando de escrotos, bossais e acéfalos que vc conhece e que acham que toda mulher é a culpada pelo estupro que sofreu. Porque nem todo mundo são estes doentes com os quais vc se depara todo dia. Não é porque meia de duzia ou os seus "inimigos" que vc encontra acham uma barbaridade dessa que todo mundo vai achar a não ser, claro, que seja esquerda e libertário. Afinal de contas, só quem pensa que a mulher é vitima são pessoas que seguem a sua cartilha esquerdista? Talvez seja porque vc os odeia tanto que eles não param de te perturbar

Acho que se num Estado ( dito ) laico o único motivo que impeça o aborto ser legalizado seja os valores religiosos então ele deve ser liberado, assim como penso que a mulher deve ter o direito de escolher em caso de estupro visto o trauma e a violência que sofreu.

E acho sim que é a criança que é inocente nesta história especialmente quando ela fruto de um pai estuprador. A mulher é inocente sim, mas é a criança produto destas mazelas e de uma mãe que a despreza que vai sofrer muito mais. Tem pessoas que superam estupros, outras não, mas uma vida sem pai, sem mãe ao léu já é muito difícil de superar.

Acredito que o melhor argumento para se defender a legalização do aborto seja a autonomia, a individualidade e autossuficiência da mulher sobre seu corpo e este discursos vitimista da mulher inocente vítima, coitada e pobrezinha. Porque, caso ( assim como vc) paute a minha opinião sobre as pessoas baseada apenas na minha rodinha de amigos e inimigos, eu posso muito bem achar que uma mulher que aborta tá longe de ser é vítima ( exceto em casos de estupro e outros casos), uma vez que todas ( todas mesmo) que conheço e abortaram só não foi porque estavam desamparada, mas tinham aquelas que abortavam por vingança, porque o marido iria descobrir que o menino era filho do amante negão dela ou porque o amante ricaço dela ( e casado) não queria. Portanto se me orientar pela minha realidade elas só não eram inocentes. Também não me venha com este discurso de amparar a " mulher pobre" porque nós sabemos que em caso de legalização quem vai ter um tratamento de qualidade são mulheres das classes mais favorecidas que podem pagar atendimento em uma clinica particular, porque a pobre vai ficar é no SUS, portanto, minha,cara vai ficar mais ou menos a mesma coisa. Já que será a mulher de classe média que vai pode fazer seu aborto numa boa.

Acho tudo isso forçação de barra das feministas para legalizar aborto que na falta de um argumento mais consistente apelam para o lado social e vitimista da mulher. Acho que a questão é moral e não está concentrada na relação mãe-pai-mulher, mas sim na autonomia da mulher sobre seu corpo.

Mirella disse...

"Também acho tentador perguntar se as pró-aborto-pró-mulher-feministas-matriarquistas também não acham que tod@as as bebês abortad@s também não são mulheres que tiveram a sua liberdade de escolha sobre os próprios corpos cerceada, não é?"

Chapeuzinho Vermelho, entre uma possibilidade de vida e uma vida já existente, fico sempre com a segunda opção.

Pili disse...

Então, leandro, vc esta aí com o objetivo unico de incomodar e atrapalhar a comunicaçao alheia?
Obrigada por exemplificar o que é um troll.

Agora volta pra sua ilha de robson crusué, vai.
Onde você nao vê tv nem radio, faz o tratamento da sua propria agua potavel, usa seus proprios marcos temporais pra saber que dias e que horas sao.

Porque, né, a hora legal brasileira é determinada pelo observatorio nacional, e deus te livre de receber serviços e subsídios pagos pelo imposto de outra pessoa.
Em que mais que vc se garante? Compensaçao bancaria? Limpeza urbana?
Deixa eu adivinhar, vc nao recebeu vacina quando era pequeno???
Pode ser perigoso. Doenças que poderiam ser dizimadas podem voltar se meia duzia de crianças nao forem vacinadas.

Anônimo disse...

'Pelo contrário, pode fazer o que quiser, desde que sejam RESPONSÁVEIS pelos seus atos.'

Leandro, não é bem assim.Um mundo livre sería bom ATÉ pros irresponsáveis, contanto que ninguém force ninguém a nada.

Moema L disse...



"...decidir NÃO ser estuprada..." ?
"...NÃO ser assaltada..." ?

como assim? alguém decide ser estuprada? assaltado?

Nossa mas tem gente que força em?
Espero que seja ironia e eu é que não tenha entendido, porque se for real ou a pessoa tomou chá de cogumelo antes de escrever ou não é normal mesmo.

Não pode ser tão difícil de entender que quando uma mulher é estuprada isso não se enquadra em ser RESPONSÁVEL pelos seus atos...até porque é mais que claro que a culpa não é dela...


@Ana

Nem tinha parado para pensar que tudo isso podia ser prisão de ventre hahahaha A revolta toda é porque estão enfezados hahahaha agora eu é que parei.

Moema L disse...


@yulia2
hahahah
essa mascuzada lixo que é contra cuidar de porra alheia... deveria ser o primeiro a favor do aborto não?


Eu também não entendo, era para eles serem os primeiros a favor do aborto por que como o próprio misógino mor das pochetes falou/escreveu ele queria ter muitos filhos e deixar pelo mundo para o estado e mãe cuidar. não seria mais fácil descriminalizar o aborto assim a pobre infeliz que transar com um erro da natureza como esse pode decidir não passar esse genes estragado a diante.

Bom deve ser justamente essa a raiva deles, saber que a mãe pode ter escolha, e se fosse permitido todas as infelizes que engravidassem deles tirariam.deve ser complexo por saber que mulher alguma em sã consciência escolheria levar uma gravides como essa a diante.

Marcelo disse...

Os mascus nao entendem que o feto nao é um ser humano. o feto nao é um ser. por isso a mae tem o direito de retirar.

Anônimo disse...

E se fosse paquistanesa estaria morrendo de medo de ser morta pelos drones do Obama.

Moema L disse...

"...E eu repito, metade dos fetos mortos eram mulheres que não tiveram poder de decisão sobre seu próprio corpo. Só isso já é suficiente para a discussão acabar aqui...."

Ta de sacanagem né?

Feto é feto ponto. não tem o que discutir sobre isso.Mulher é um ser humano que NASCEU que tem direitos e deveres legais. não é difícil de entender isso é?

Eu acho muito engraçado como mascus tem mania de terminar discussões com argumentos ainda mais absurdos que os usados na discussão toda.

Anônimo disse...

"Fetos são mulheres? E eu pensando que mulheres eram seres humanos adultos do sexo feminino"
-
se for seguir este raciocinio, bebês e crianças também são seres humanos não totalmente formados, são pequenos, frageis, e tem racionalidade limitada, se comparadas com um adulto, e ai ? são menos seres humanos por isso ? não merecem respeito enquanto se desenvolvem ?

Anônimo disse...

A lei de aborto o brasil já e adequada, em casos de estupro, e risco de vida para a mãe,o que os "pró morte" não entendem, e que nos somos contra a BANALIZAÇÃO DO ABORTO,de perder a humanidade em nosa sociedade, e classificar vidas como uteis e inuteis, uma valendo mais que aq outra!
ate´que para quem se define como feminista de esquerda, fica estranho afirmar que o motivo principal de ser a favor do aborto, e o motivo financeiro, o motivo de carreiristas, "não terei este filho, vou prejudicar minha carreira" que raio de pensamento de esquerda e este ?

Acho que devemos educar nossos meninos e meninas, para evitar, e não remediar, mas fica difícil discutir isto com que acha que promiscuidade inconsequente e libertaria !

Anônimo disse...

A maior raiva das feministas, e o motivo principal delas serem a favor do aborto, e o fato de mulheres engravidarem, e o homem não, feministas não lutam contra o machismo, lutam contra a própria natureza humana !

Anônimo disse...

Eu sei que a essa altura não vale mais a pena comentar... mas em todo caso:

-O que eu vejo de diferença na legalização do aborto fruto de estupro, é o que a mulher não teve culpa, não teve opção. Enquanto numa gravidez normal, todo mundo já sabe se prevenir...

-Nem o catolicismo nem o espiritismo (que são os que eu conheço a fundo) são contra o aborto em caso de risco grave a vida da mulher.

Dani Andrade disse...

Leandrinho, mesmo que vc não as compre (assim como eu tbm não uso o anticoncepcional do estado) elas continuam lá sendo distribuidas, sabia? E vc em nenhum momento declarou-se contra isso, mas contra a distribuição dos anticoncepcionais para as mulhers sim, isso mostra o deu ódio à liberdade feminina. Ponto.

Eu sou casada desde 2005, vai fazer 7 anos, sempre tomei antticoncepcionais, porém quis parar por causa dos efeitos colaterais, etc... conversei com meu marido e ele não quis usar camisinha, então pedi a ele pra que na hora h ele tirasse, porque nós não estávamos planejando engravidar naquele momento, ele concordou, porém na hora, não deu certo e eu engravidei, e agora? Fui eu a irresponsável? Mulheres casadas, com namorado fixo, também engravidam, sabia? Não é só a mulher que não tem parceiro fixo que engravida.
Você pode continuar se debatendo e esperniando que não vai mudar nada! Sai muito mais barato pro estado pagar a pílula e a camisinha do que pagar os custos de uma gravidez, exames, consultas, complemento vitamínico, etc. Se liga! Filho não se faz sozinho, então se a mulher é irresposável o homem também é, sacou??? Ou quer que eu desenhe?

Uma feministas contra o aborto mas contra o machismo também disse...

leandro

Nós também não temos ódio à liberdade dos homens, porém, quando o homem usa a sua liberdade para estuprar uma mulher, espancar, etc.. por exemplo, ele está invadindo a liberdade da mulher de dizer NÃO.

Sacou?

Ou quer que desenhemos?

Anônimo disse...

Oi, Leandro, que legal que vc é "taxpayer" (e que, pelo jeito a língua portuguesa não possui um termo a ser utilizado), eu também trabalho, e eu também sou, assim como toda a minha família, homens e mulheres.
E veja só, meu caro, eu compro meu anticoncepcional todo mês com o dinheiro que sobra depois que paguei meus impostos.
Só que tem gente que não ganha o quanto eu ganho e não é "taxpayer", mulheres E HOMENS, veja só, homens também nem sempre têm renda para pagar taxas!
E essa gente, quando não usa camisinha ou anticoncepcional (isso quando sabe usá-los), reproduz, e bastante, colocando cada vez mais crianças no mundo que serão sustentadas pelos "taxpayers".
Então eu prefiro um milhão de vezes pagar pelos contraceptivos alheios, para que as pessoas com menos condição financeira que eu tenham a opção de planejar quantos filhos vão ter que podem sustentar, evitando assim abortos e mais crianças abandonadas ou pobres, que desencadeiam todo um problema social que estamos cansados de ver na TV (violência, criminalidade, falta de escolas, falta de leitos em hospitais públicos, etc).
Então, meu caro Leandro, como "taxpayer", você deveria com gosto dar seu dinheiro para que pessoas menos instruídas comprem anticoncepcional ou camisinha, já que, diferentemente de você, muitas pessoas fazem sexo (e normalmente sem a inetnção de gerar filhos). Você deveria é se incomodar com ser um "taxpayer" e ter o seu dinheiro desviado para as cuecas dos corruptos, mas não, você prefere ser contra o planejamento familiar. E certamente contra o aborto. Ou se for a favor, ignora que é mais barato pra um "taxpayer" pagar uma caixa de anticoncepcional do que uma cirurgia de aborto.
Nós, feministas mimadas, temos instrução, temos dinheiro, e fazemos sexo, essa coisa que vocês mascus desconhecem, e temos dinheiro para pagar por anticoncepcionais e camisinhas, mas nós preferimos lutar para que as pessoas que não têm essas oportunidades, HOMENS e mulheres, possam também.
Mas claro que você deve ser de extrema direita e pensar que pobre não pode trepar, muito menos com o seu dinheiro pagando a camisinha, e que eles deveriam ser exterminados, mas veja só, eles estão aí, em grande número, e não vão ser exterminados se não dermos a eles duas coisinhas básicas: educação (que gerará oportunidades) e a oportunidade de planejar seus filhos.
Então ao invés de lutar contra as causas alheias, lute por alguma causa qualquer, nem que seja o combate à corrupção, porque pode crer que você, como "taxpayer", tem muito maior participação no pagamento de iates, casas, carros importados e surubas de políticos (quando, veja só, você certamente não tem dinheiro para pagar nada disso) e empresários corruptos do que no pagamento de contraceptivos para pobres, já que o dinheiro das suas "taxes" para nos primeiros e dificilmente chega aos últimos.
Você não se importa que seu dinheiro seja usado de forma ilícita por corruptos e corruptores e tá aqui reclamando de umas caixinhas de anticoncepcional? Francamente!

E Lola, vou fazer coro com outros comentários, e pedir isso a você mais uma vez: não permita os comentários dos trolls! Eles SEMPRE desviam o foco dos posts e das respostas, eu mesma prefiro ignorar solenemente mas não resisti. Esse seu espaço não é pra essa gente! Deixa os mascutrolls fora daqui, já que eles só vêm encher o saco depois que as mãos estão muito calejadas de tocar uma br*nha vendo fotos de mulheres, esse ser que eles nunca viram nu ao vivo!

Dri alves disse...

Tenho muitos questionamentos em relação ao tema aborto, mas só passei para dizer que , se eu fosse estuprada e o estuprador tivesse o direito de ver a criança, eu faria igual ao que disseram ai em cima, eu vou pra cadeia, mato o degraçado mas não entrego um filh@ meu a estuprador.Que tipo de gente pensa em criar uma lei assim? Não deveriam estar no governo decidindo coisas, deveriam estar fazendo tratamento psiquiátrico.

Carla disse...

Gabriel disse...
Esse texto me lembrou uma questão que gostaria de dividir com vocês.

Um colunista da Folha (não é o Pondé, por favor) levantou um tempo atrás a seguinte pergunta: Se uma mulher tem o direito de decidir pela continuidade ou não de uma gravidez, ou seja, ela pode decidir ou não pela maternidade, um homem poderia se recusar a se assumir pai, ele poderia recusar a paternidade?

Minha dúvida é mais uma questão de princípios, uma coisa abstrata. Não queria entrar na questão legal (direitos de personalidade ou pensão alimentícia) ou na questão social (que muitos homens já fazem isso, abandonam mulher e filho ou se recusam a participar de forma efetiva na criação).

Se uma mulher pode escolher ser mãe ou não dentro de um quadro real e provável (já grávida), um homem poderia fazer a mesma escolha no mesmo ponto?

Abraços!


Gabriel, é o seguinte: eu não sei como discutir esse ponto sem entrar na questão legal ou social, então como vc quer que abordemos a questão?

Infelizmente o homem não engravida, então ele não pode escolher entre abortar ou não, isso é um fato! Querer obrigar a mulher a carregar o feto ou retirá-lo é violência (não no nosso país, infelizmente obrigar é permitido AINDA), pra isso que existe a defesa ao direito de escolha. O direito de ESCOLHA não é só por uma questão de criação dos filhos ou impacto financeiro: é também por todo o processo de gravidez que afeta pra sempre o corpo da mulher. Não são só as barriguinhas e estrias, tem alteração hormonal depois da gravidez (eu tive, amigas tb), além do psicológico. Então não, homem não pode decidir pela continuidade ou não da gravidez, a partir do momento em que ela ocorra (não estou dizendo que ele não deva dar sua opinião ou que a mulher não possa levar em consideração os desejos do parceiro, mas a decisão final deve ser SÓ DELA pois ela é que carrega a criança).

Então vamos pensar pelo lado de "recusar a paternidade" como vc mesmo disse? O pai pode "desistir" de ser pai? Pela nossa legislação (e pela lógica) pode! Ele é obrigado a prover auxílio financeiro (vc pode ver isso como um taxpayer uhiuhihaha) mas não a participar da vida da criança, não a ser pai. E vamos lembrar que a obrigação financeira ou é voluntária ( o homem é correto e pensa o filho é meu vou pagar pensão) ou é exigida pela mulher (já que a criança não aciona a justiça sozinha). Portanto, esse tipo de acordo de "desistir" do filho é comum. E, se a gente pensar em uma sociedade em que impera o direito de escolha, ao escolher dar continuidade na gravidez por vontade própria, esse tipo de acordo acabaria ficando mais comum ainda.

Ps: Temos que lembrar sempre do aspecto legal, porque o direito à pensão alimentícia é da criança e ele pode ser revisto a qualquer momento até à maioridade do dependente. Da mesma forma que o direito ao reconhecimento da paternidade, então qualquer que seja a decisão dos pais durante a gravidez, após o nascimento, o filho se torna um indivíduo com direitos próprios, sem importar com qualquer acordo prévio.

Então resumindo: o homem pode recusar a paternidade? Sim, o que ele não pode é obrigar a mulher a ter/não ter o filho ou recusar prover auxílio financeiro caso ela opte por ter a criança e exija esse auxílio.

A partir daí dá pra entender o porquê o aborto é proibido nessa nossa sociedade patriarcal, não? Porque na questão reprodutiva a força é da mulher, é preciso uma lei que criminalize o direito da mulher sobre o próprio corpo para dar ao homem um poder que não é dele.

Já estou pressentindo mascus atirando pedras em 3... 2... 1...

Victória disse...

Lola,

Por falar em estupro, olha essa notícia:

http://www.redebrasilatual.com.br/temas/internacional/2012/10/uma-em-cada-tres-oficiais-foi-estuprada-nas-forcas-armadas-dos-eua

Estou chocada.

Carla disse...

Retrucar mascu troll, só pra me divertir por hoje. Midexa?? =D

Lobo Mau disse...
Também acho tentador perguntar se as pró-aborto-pró-mulher-feministas-matriarquistas também não acham que tod@as as bebês abortad@s também não são mulheres que tiveram a sua liberdade de escolha sobre os próprios corpos cerceada, não é?


Não, porque não são mulheres/homens são EMBRIÕES. Há uma linha ~tênue de diferença aí que se chama nascimento.

Também acho tentador perguntar por que as pró-aborto-pró-mulher-feministas-matriarquistas defendem sociedades protetoras da vida de animais mas não defendem a vida de fetos seres humanos.

Essas perguntas elas não conseguem responder.


Essas pessoas, até onde vai meu conhecimento dos direitos dos animais, defendem o direito dos animas que já nasceram e não do feto deles. De novo rola aquele negócio da linha ~tênue que se chama nascimento.

Ao Leandro, é o seguinte, eu pago as minhas próprias pílulas e meu próprio plano de saúde, e todas as coisas que vc falou que paga e mais um pouco. Eu tbm pago 27,5% de imposto (como a maioria das feministazinhas que querem ser sustentadas por homens milionários e pelo estado) e gostaria que meus 27,5%, além dos outros tantos impostos que eu pago fossem revertidos de maneira justa para os outros e outras que não tem a mesma condição que eu. Seja pela camisinha (siiim! vamos pagar a camisinha dos homens, sou a favor) ou pela pílula, pela escola, creche, hospital, etc. E eu, sonho com o dia que todo mundo possa pagar 27,5% e, se um dia isso acontecer, provavelmente estaremos evoluídos a ponto de todos se beneficiarem da utilização dos serviços públicos.

ps: considerando que, no Brasil, só o ar não tem imposto, todo mundo é taxpayer então essa lógica de que umas poucas pessoas, que seriam os taxpayers, pagam enquanto um monte de outras pessoas, no caso não taxpayers, usufrui é furada!

ps2: só pra vc cortar os pulsos, aqui onde eu trabalho, anticoncepcional é gratuito e distribuído pra quem quiser pela médica daqui (que tbm é GRÁTIS). E, não, não trabalho na área da saúde, sim na área da educação.

Elaine Telles disse...

Gostaria de entender onde que tem gente pagando conta das mulheres? O anticoncepcional é distribuido na rede pública a bastante tempo, como meio de controle de natalidade e também como remédio às mulheres que tem problemas hormonais, de ovários, e não têm dinheiro para arcar com isso. Isso se chama SUS, lugar onde toda a população brasileira é atendida e medicada. Acidentes, doenças... para todos! Não é só mulheres que estão usufruindo. É toda a população. E aí, tem problema? E as mulheres são muito responsáveis por seus atos. Gente normal sabe? Gente que tem filho, casa, trabalho, familia, cujo marido/namorado/pai do filho não tem ódio às mulheres, que sabe que a vida é muito mais que raivinha de ter levado toco de alguma inteiresseira e agora quer se vingar do mundo. Homens também levam o filho à creche porque a criança não tem com quem ficar enquanto os responsáveis trabalham. Gente que tem atitudes adultas e não fica com planinhos pra se vingar de todas as mulheres porque uma disse não. Gente que tem idade adulta e assim se comporta. Não esses sujeitos, igual a você, com 20, 30, 40 anos nas costas e que ficam agindo como adolescentes mimadinhos que esperneiam e ficam inventando coisas nessas cabeças ociosas, e acabam acreditando nelas.
*Dica: o SUS faz cirurgia de mudança de sexo gratuitamente, afinal, quem odeia mulher merece viver feliz com um homem ao seu lado :-)

Bruxinha disse...

Essa mistura de política e religião ainda não vi prestar, olha!!
Cá aqui na minha terra tá difícil saber se é palanque ou púlpito.
Mesmo que esses tais pastores apoiem uma mulher- como é o caso- prefiro votar no outro lado, que vem sendo atacado justamente por haver defendido, em pronunciamentos quando era Senador, o direito ao aborto de anencéfalos e o reconhecimento de direitos patrimoniais e sucessórios em uniões homoafetivas.

Anônimo disse...

Eu conheço pessoas que nasceram prematuras, de 6/7 meses,sobreviveram,se desenvolveram, e hoje tem uma vida saudavel !

Lord Anderson disse...

"É obvio que quem quis engravidar foi ela logo aceitou o estrupo como um sexo normal e o cara não deveria ir pra cadeia"


Mas que merda é essa que vc ta falando????


quer dizer que se a mulher que sofreu uma violencia tão seria dessas e engravidou e não abortou por inumeras razões (religiosas, pessoais, legais, etc) é pq ela QUIZ o estupro???

que raio de idioticie é essa necessidade de defender o estuprador?

quer dizer enquanto tem gente que acha que mulher tem que ter filho de qualquer jeito ,tem outros querendo que ela tire o filho ou não vai considerar um estupro "legitimo"?

respeitar a vontade e autonomia dela vc não consegue né?

e é facil minimizar um crime que vc dificilmente vai sofrer, mas que mulheres encaram o risco todos os dias.

Falta de empatia total.

Moema L disse...


@Rodiafe

Quer dizer que se uma mulher decide prosseguir com a gravidez ocasionada pelo estupro então não houve estupro?

Como isso? e a parte que ela foi forçada a transar com o cara? Essa parte não conta? E o direito dela escolher entre interromper a gravidez ou não?

Eu realmente não entendo essa gente

se resolvemos tirar o "bebê" por livre escolha independente do motivo, não pode.somos monstros. querem mandar em nossos corpos

Se resolvemos tirar o "bebê" fruto do estupro dizem que somos desumanas pois o "bebê" é inocente e não tem culpa. novamente querem mandar em nossos corpos

se resolvemos não tirar o "bebê" fruto do estupro. ai é safadeza e não houve estupro a mulher quis engravidar logo quis transar também.Alem de julgar novamente querem mandar em nosso corpos.

Decidam meus amores... ou melhor DEIXEM QUE NÓS DECIDIMOS.SÃO OS NOSSOS CORPOS.

23 de outubro de 2012 07:34

O "bebê" não esta sendo punido por que não é um bebê ainda. não nasceu. é um feto. ta difícil de entender viu.

@Pili

"Agora volta pra sua ilha de robson crusué, vai."

Eu queria muito que todos eles fossem pra lá.

23 de outubro de 2012 09:46

Bebês e crianças já NASCERAM.não há como ser mais ser humano ou menos ser humano, independente do tamanho ou dá idade eles tem direitos legais. Estou indignada em como é difícil para algumas pessoas entenderem isso.

Chega já deu. não aguento mais, quem tiver paciência continua por que eu não consigo continuar é idiotice de mais. Se os homens engravidassem com certeza teriam este direito desde sempre. alegariam que dar ou não a vida é um direito concedido a eles, que eles é quem decidem e blá blá blá e porque Deus quis assim e blá blá blá mas como o corpo é nosso então eles querem mandar. tenha dó.

fui.

André disse...

Carla,
Eu penso que um pai que abandona um filho (financeiramente ou afetivamente) é um canalha.
Mas para mim, que sou a favor do aborto até 12 semanas, para haver igualdade de direitos é preciso que os pais possam optar por desistir da paternidade (afetiva e financeira) até as mesmas 12 semanas. Depois desse prazo, quando a mãe também não tem mais escolha, a paternidade deveria ser obrigatória, inclusive a afetiva.

Carla disse...

Elaine, amei!! "Dica: o SUS faz cirurgia de mudança de sexo gratuitamente, afinal, quem odeia mulher merece viver feliz com um homem ao seu lado :-)"

Rodiafe, quer dizer que se a mulher decidir manter a gravidez é porque ela aceitou o sexo como consensual? Tipo assim, se não fosse consensual não engravidava porque solta uma coisa lá que inativa o esperma? (Eu sei que vc não disse isso, mas o argumento é tão lógico quanto). Então, pra melhorar, nesse caso o cara não deveria ir para a cadeia, mas infelizmente foi para a cadeia(tadinho, dele, afinal depois ela provou que o sexo foi consensual escolhendo não abortar).
Aí vc vem com a pérola de que tem muitos casos de estrupo (sic) que acontecem por aí que não ficamos sabendo ou porque a mulher fica envergonhada ou porque GOSTA DE SER ESTRUPADA(SIC)?? "(...) loco é probabilisticamente impossivel de não ter pessoas que não gostão de ser extrupada." Ahh tá, nesse parágrafo parei!

Não dá pra continuar seja pelos assassinatos à língua portuguesa, seja pelos absurdos proferidos. Por favor, alguém me explica porque eu insisto em querer argumentar?

**Ai Lola, não aceita esses coments não, pq dá enjôo (e nem estou grávida, hehe)**

Marina disse...

Para Gabriel:
http://blogueirasfeministas.com/2012/07/homem-e-o-aborto/

Dri alves disse...

Pessoas como o Rodiafe me fazem ser a favor do aborto, pelo menos desejar que a mãe dele tivesse feito isso.
Tem que se esforçar muito para ler aquilo e não perder a fé na humanidade.
NENHUMA mulher gosta/quer ser estuprada. Em 7 bilhões de pessoa vc não vai encontrar nenhuma, mas infelizmente pessoas como você a gente ainda encontra(olha como sou gentil e educada: até chamei vc de pessoa)

professora helena disse...

leandro, nós vivemos num país chamado republica federativa do brasil (também conhecido como brasil), que está localizado na américa do sul, que foi colonizado pelos portugueses, teve uma fase monarquica, uma republicana e uma ditatorial, um país que é caracterizado por sua extensão de dimensões continentais, que é bonito por natureza, mas infelizmente, também se caracteriza por sua concentração de renda e consequente desigualdade social. espero que a sua pergunta sobre estarmos vivendo na noruega esteja respondida. quanto a sua outra pergunta, os contraceptivos não são brinquedinhos sexuais que estão associados à promiscuidade feminina e são encontrados em sex shops, entre o vibrador em forma de dinossauro e as algemas de pelúcia. no caso dos hormonais, já já explico melhor, eles são medicamentos que possuem efeitos colaterais e devem ser comprados preferencialmente após consultar um médico (já já explico o que é um médico). também podem ser adquiridos em postos de sistema único de saúde, conhecido como SUS, mas como disse anteriormente, o brasil é um país de dimensões continentais caracterizado pela concentração de renda e pela desigualdade social, portanto, ainda que a tenhamos a carga tributária mais alta do mundo( ah sim, esqueci de dizer, os contraceptivos fornecidos pelo SUS não são um presente do estado, e sim pagos pelos contribuintes que é formado pela população economicamente ativa, homens e mulheres), nem sempre vemos o nosso dinheiro sendo revertido em saúde, educação, segurança pública e outras coisas que garantem o mínimo de dignidade aos cidadãos. lembra da aula sobre cidadania?
só mais uma pergunta: você já fez sexo heterossexual?pergunto isso porque a relação homossexual seja ela entre homens ou entre mulheres não tem como consequência uma gravidez não desejada , portanto a questão aqui não se aplica. uma sugestão: antes de começar a sua vida sexual, informe-se onde são vendidos contraceptivos, sejam eles, barreira (conhecido popularmente como camisinha), sejam eles hormonais. calma! você está me perguntando se você tomando anticoncepcional vai evitar uma gravidez. a resposta é não! esse tipo de contraceptivo deve ser ministrado em mulheres e é encontrado em farmácias. é importante que a sua parceira, seja ela namorada ou esposa regatada (sic) vá a um ginecologista (que se encontra num lugar chamado hospital ou clínica, que pode ser público, ou particular, esse profissional fez algo chamado curso superior de medicina e obteve um diploma para poder exercer a profissão de médico com especialidade em ginecologia) e que esse profissional possa indicar o anticoncepcional que melhor se adapte ao corpo dela. sim, os corpos são diferentes e os medicamentos são distintos. depois disso ela deve tomar a pílula durante 21 ou 28 dias. mas você está me perguntando, e eu?faço o que pra prevenir? você pode usar o preservativo chamado camisinha que deve ser colocado no seu pênis ereto e se deve evitar a entrada de ar. a camisinha, essa sim, pode ser encontrada em postos de saúde, motéis, sex shops, casas de swing, supermercados, bancas de revistas etc. os dois métodos são infalíveis?não! a camisinha se mal colocada pode estourar, se você retirar seu pênis não ereto de uma vagina, a camisinha ficara frouxa e poderá ficar dentro do corpo da mulher. da mesma forma, os anticoncepcionais devem ser tomados no mesmo horário e não se deve esquecer de tomá-los nem um dia. se vc quiser algo mais seguro, fale com a sua parceira sobre combinar esses métodos, barreira e hormonal. e boa sorte!
na proxima aula falaremos sobre um recente estudo feito por pesquisadores da universidade de brasília sobre o perfil das mulheres que abortam no brasil, em que a maior parte das mulheres que recorre esse procedimento no brasil é casada. pode ir pro recreio agora brincar com o cirilo e a maria joaquina

Mirella disse...

Gabriel,


Quantas famílias você conhece que são chefiadas exclusivamente por mulheres? E em quantas delas o "homem" da relação simplesmente se evadiu?
Sério que você acha válido o questionamento de existir um direito de não-reconhecimento parental, que será utilizado à larga por uma parcela da população que já faz isto há décadas? Você realmente não percebe a quantidade de crianças "sem pai" que irão nascer? Porque, apesar da legislação atual, isto já acontece aos montes.

A responsabilidade de se prevenir da concepção é de ambos. Ambos possuem métodos eficazes - de barreira ou hormonal. Porém, é óbvio que a partir do momento pós-concepção a balança se desequilibra, porém não isenta nenhum dos lados. A continuação da concepção passa a depender somente de um lado, de um corpo. Logo, a continuação não precisa de dois avais - porém não isenta de responsabilidade. A gravidez vai gerar uma criança, que sem a participação de ambos não existiria. Neste caso de o pai não querer, acho a divisão bem justa: a mulher vai ser responsável por criar um ser humano e o homem de enviar um cheque - porque, vamos admitir: raros são os pais que se separam da mãe e continuam a fazer parte da vida dos filhos para além de um cheque.


Aventar esta possibilidade absurda é fechar os olhos para o que já acontece. Por isto, não acredito que seja uma alternativa válida.

professora helena disse...

(depois do recreio)
leandrinho professora silvia me contou que vc tá pronunciando taxpayers muito bem! parabéns! que tal usar a mesma dedicação que vc tem nas aulas de inglês para as aulas de português, história, educação sexual, sociologia, economia e biologia?

Raíssa disse...

Sai igreja da minha vida que não te pertence!

Lili disse...

Não consigo me conformar com o fato de um blog, de um ser pensante para outros seres pensantes, ser tão assediado por gente tola. Gente tola, sim, ainda mais tola que ignorante. Tolo, porque num mundo ideal, ele seria um homem bom, bonito, gostoso, e só as mulheres lindas e maravilhosas (e não promíscuas, claro) cairiam sempre aos seus pés... mas como a realidade é dura, são na real uns coitados, desprezados, tem ódio da mulher atual, só porque ela pode escolher seus parceiros sexuais, e é claro, eles nunca são os escolhidos... Até hoje nunca vi um mascu que fizesse sucesso entre as mulheres. Se fizesse sucesso, obviamente não seria mascu.

Alguém precisa dizer urgentemente a essas infelizes criaturas que sua bandeira não denota somente ignorância, mas o quanto são desprezíveis e desprezados.

Eu sinto vergonha alheia quando essas pessoas resolvem "defender" sua bandeira... Fica tão nítido o medo!!! MEO DEOS de onde sai tanto medo? Esse medo que tenta se disfarçar de repulsa, de "superioridade"...

Mascus, por favor: façam uma forcinha para tentar ser gente "normal", nem que seja para não demonstrar o quanto são coitados.

Lili Marie disse...

Não consigo me conformar com o fato de um blog, de um ser pensante para outros seres pensantes, ser tão assediado por gente tola. Gente tola, sim, ainda mais tola que ignorante. Tolo, porque num mundo ideal, ele seria um homem bom, bonito, gostoso, e só as mulheres lindas e maravilhosas (e não promíscuas, claro) cairiam sempre aos seus pés... mas como a realidade é dura, são na real uns coitados, desprezados, tem ódio da mulher atual, só porque ela pode escolher seus parceiros sexuais, e é claro, eles nunca são os escolhidos... Até hoje nunca vi um mascu que fizesse sucesso entre as mulheres. Se fizesse sucesso, obviamente não seria mascu.

Alguém precisa dizer urgentemente a essas infelizes criaturas que sua bandeira não denota somente ignorância, mas o quanto são desprezíveis e desprezados.

Eu sinto vergonha alheia quando essas pessoas resolvem "defender" sua bandeira... Fica tão nítido o medo!!! MEO DEOS de onde sai tanto medo? Esse medo que tenta se disfarçar de repulsa, de "superioridade"...

Mascus, por favor: façam uma forcinha para tentar ser gente "normal", nem que seja para não demonstrar o quanto são coitados.

Anônimo disse...

Lola, sério, eu até pensei em argumentar com o Rodiafe, mas o cara "estuprou" a lógica...
Mascus, sempre confirmando o dito: "de onde menos se espera é que não sai nada mesmo".


Aline

Karen disse...

Lola, me descobri feminista a poucos meses, minha irmã falou que eu sempre tive pensamentos feministas (eu não acho, mas quem sabe já tava tudo dentro de mim e faltava vir a tona?)
Também me posicionei a favor da discriminização do aborto a pouco tempo, depois de ler e entender algumas coisas. Não sou politizada, tenho me interessado, mas ainda não tenho uma ideologia certa sobre politica. Tenho 24 anos, sou formada e não pretendo casar ou ter filhos, não acho que o mundo tá legal o suficiente pra colocar mais gente nele. Toda vez que eu leio comentários de mascus/machistas me dá uma dor no estomago, física mesmo, não consigo entender como uma pessoa pode ser tão ignorante, com um ódio tão imenso por mulheres (eles saíram de uma!!), querendo diminuir, culpar a gente... sério, fico indignada, sem saber nem o que fazer... Obrigada pelos posts, estou aprendendo um montão..

Anônimo disse...

Parece que o discurso conservador está a serviço de algum movimento mais complexo que está acontecendo no mundo todo. Não faz mais sentido hoje controlar a reprodução (os homens), se mulheres ganham espaço e autonomia, lésbicas e gays ganham direitos e inseminação artificial e mesmo a clonagem (mais futuramente) podem ser realidades. Isso não vai retroceder, é impossível. Cabe analisar melhor esse movimento contemporâneo, o que as pessoas que aderem a esses discursos sentem que ganharam com isso? Ragusa

Anônimo disse...

""...decidir NÃO ser estuprada..." ?
"...NÃO ser assaltada..." ?

como assim? alguém decide ser estuprada? assaltado?


D.Moema L., aqui vamos nós.

O que eu disse é que a partir do momento em que se decide não passar por algo, conscientemente, dificilmente acontece. Isso vale para atos e fatos, positivos e negativos. Aquilo que não decidimos conscientemente, fica em aberto. E se houver uma decisão INCONSCIENTE, ficará parecendo que foi o acaso quando acontecer ou não.

Eu nunca fui aos EUA. Não tive ocasião? Tive sim. Mas nunca QUIS. Minha melhor amiga está lá, vive me chamando; tenho parentes lá, mais de um, tenho mil afinidades com a arte folclórica americana, sou até membro de uma Igreja lá. Sem contar os inúmeros artigos que me interessam comprar. Mas minha decisão prevalece.
E foi uma decisão tomada há muito tempo, durante uma viagem à Argentina.



Anônimo disse...

No mundo da imaginação do Leandro, além das mulheres não pagarem impostos, pobres não fazem sexo, são todos inférteis e não precisam de anticoncepcional.

Anônimo disse...

"Se uma mulher pode escolher ser mãe ou não dentro de um quadro real e provável (já grávida), um homem poderia fazer a mesma escolha no mesmo ponto?"


Você está falando como se não fosse o homem quem muitas e muitas vezes obrigasse a mulher a abortar, né?
Veja o caso Elisa Samúdio, meu caro, e saiba que esse caso se repete trocentas vezes todos os dias, com pequenas modificações no pano de fundo.

Brincher disse...

Acho que devíamos pegar esse comentário da "professora helena" e fazer uma nova versão de "Ilha das Flores", só que com isso. Ia ficar ótimo.

Mirella disse...

Anônimo das 15:57


Comparando estupro com uma viagem.

é igualzinho, mesmo.

Tá de parabéns!


Todo mundo que já sofreu uma violência: VOCÊS TODS QUISERAM, TÁ? Olha o exemplo ÓBVIO: o cara não quis viajar, então é a mesma coisa com quem sofre com violência.


Mas gente. Para haver tanta distorção, eu acredito firmemente que esses mascus não falam português e utilizam um tradutor tabajara. Só isto explica.

Mihaelo disse...

Victoria:

Percebi pela leitura do texto que lá nos EUA o estupro não é crime, é apenas uma contravenção penal, visto que os estupradores das Forças Armadas quando julgados, só são punidos com multa ou rebaixamento de patente. Portanto é o equivalente a uma infração de trânsito aqui no Brasil, basta apenas pagar uma multa.Então fica fácil de entender o conservadorismo dos ianques.O país não é tão diferente da monarquia absolutista árabe que eles apoiam.Os índices de estupro são muitíssimo maiores do que aqui e assim se compreende a aberração de o estuprador ter direitos de paternidade. Para um país em que o método de escolha do presidente é igual ao de Cuba que tanto criticam e onde até 1945 o presidente tinha direito a reeleições permanentes por quantos mandatos quisesse não é de se admirar tamanhos retrocessos, que na verdade nem são retrocessos, visto que o país sempre foi assim.Eles sequer tem licença-gestante e são o único país desenvolvido a não ter.

Moema L disse...

23 de outubro de 2012 15:57

anonimo entendo o seu ponto de vista quanto a viajem mas isso não se encaixa no contexto que você colocou antes.

Como escolher não ser assaltada ou estuprada ?
não sou eu quem decido.

Você quis dizer que posso escolher inconscientemente o que vai acontecer comigo ?

se for isso eu respeito sua opinião mas descordo, não é possível. se fosse muita coisa na vida de muita gente, aposto que até mesmo na sua, teria sido evitada você não acha?
um acidente, uma doença, sei lá tudo de ruim que alguém pode passar.

no caso do estupro é o mesmo que culpar a vitima. é o mesmo que dizer que ela desejou uma desgraça como essa e de uma forma mística isso aconteceu. E o estuprador? como fica na estória? então tecnicamente ele não tem culpa pois ela desejou e ele cumpriu o desejo dela!

sinceramente não faz sentido nenhum pra mim.

como disse respeito a sua crença mas não entendo e nem concordo.

obs: eu não ia comentar mas achei que seu comentário foi educado. de qualquer forma foi o que já escrevi respeito mas não entendo.

não acredito ser possível determinar esse tipo de coisa, não esta ao nosso alcance.

Letícia Rodrigues disse...

"Mas para mim, que sou a favor do aborto até 12 semanas, para haver igualdade de direitos é preciso que os pais possam optar por desistir da paternidade (afetiva e financeira) até as mesmas 12 semanas."

Nessas circunstâncias, a mulher já grávida ficaria entre a alternativa - nada fácil - de fazer um aborto, e a alternativa - nada fácil - de criar uma criança sozinha. Enquanto o homem que já engravidou a mulher poderia simplesmente assinar um documento cair fora. Realmente ficaria tudo muito justo!

Moema L disse...

@ mirella

eu respondi para ele pensando que ele escreveu isso por realmente acreditar em "poderes" da mente ou do subconsciente, agora estou em dúvida.

de novo eu e minha santa ingenuidade.

juro que respondi achando que ele realmente acredita em poderes místicos.

Agora não sei.
to me sentindo meio idiota.

t. disse...

Pelo visto, misturar o tema do estupro com o tema do aborto dá nisso: uma caixa lotada de comentários. Uns excelentes (e estes aqui permacecer), outros com os quais discordo, mas bem fundamentados em sua crença (também estão aqui ainda) e outros de uma boçalidade sem limites (que, em geral, não resistem muito tempo por aqui).

Esse tipo de debate (e a presença destacada de pautas religiosas tanto nas eleições norteamericanas quanto nas duas últimas eleições aqui no Brasil) me sinalizam a importância de se discutir e defender a laicidade do estado. Acho que uma pessoa religiosa tem todo o direito de ser contra o aborto em quaisquer circunstâncias, de pregar que o aborto é uma afronta às leis de um deus, de conclamar os fieis de sua igreja a não realizá-lo. Mas impedir esse direito a quem não partilha das mesma crenças é um atentado contra o caráter laico do estado. Se não vejamos:

O estado brasileiro é laico (pelo menos em teoria). Esse estado permite a realização de aborto em caso de estupro e não permite nos demais casos. Isso evidencia uma questão legal: feto, no Brasil, não tem personalidade jurídica. Não é um indivíduo, não é um cidadão. Não tem o direito constitucional à vida, que é garantida aos cidadãos brasileiros. Se fosse diferente, permitir o aborto em caso de estupro equivaleria a permitir o assassinado dos filhos de um estuprador, em caso de estupro. E, numa situação hipotética, uma mulher não poderia matar seus filhos com um ex-marido que eventualmente a tivesse estuprado. Mas pode realizar o aborto. Inclusive, as penas previstas são distintas, pois aborto não é assassinato. Isso porque o feto não é um indivíduo, para fins legais. É uma expectativa, uma possibilidade.

Mesmo com essa distinção, a mulher que queira abortar fora dos casos previstos em lei não pode. Nunca é demais lembrar que só em recente decisão o STF reconheceu o direito de aborto em caso de fetos anacéfalos. E que isso não foi decidido pelo Poder Legislativo, mas pelo Judiciário. Também o judiciário que decidiu pelo reconhecimento da união civil homossexual. Ou seja, ele tem estado à frente do legislativo, em alguns casos, suprimindo uma inércia legislativa e garantindo direitos.

E o legislativo me parece cada vez mais reativo a essas iniciativas. Basta ver a força que tem a bancada evangélica. E não tenho dúvidas que isso deverá cada vez mais restringir as lacunas por onde o judiciário tem entrado para garantir direitos.

Feita essa digressão, é evidente que os princípios que norteiam a negação de certos direitos (aborto, casamento -- e não união civil -- entre pessoas do mesmo sexo, entre outros) são princípios religiosos. Embora laico, princípios religiosos não permitem o aborto. E nesse ponto me parece que seria preferível que o estado garantisse os direitos. E aqueles que creem que o exercício de certos direitos é pecado, que não o exerçam, e que preguem para que seus fieis também se abstenham de exercê-lo.

Mas não é assim que funciona... nem no Brasil, nem na maior parte das nações "laicas" do mundo.

t.

Maya Falks disse...

Professora Helena, uma pergunta, existe reversão pra lobotomia?
Porque ao que me parece, Leandro passou por esse procedimento, daí não sei, se não tiver como reverter, acho difícil que ele entenda sua aula. O que é uma pena, porque foi realmente excelente.

t. disse...

E em relação ao argumento falacioso de que a liberação do aborto restringiria o direito dos homens, vale lembrar:

1- nós, homens, não engravidamos, logo, não temos que encarar as consequências físicas e psicológicas de uma gravidez indesejada;

2- nós, homens, não temos nosso direito reprodutivo negado pelo aborto, pois se quisermos ter um filho, basta que nos relacionemos com uma mulher que também queira. Já as mulherer têm negado o direito ao próprio corpo, quando são impedidas de optar por continuar ou não uma gravidez;

3- nós, homens, nunca pensamos que também teríamos, se não quisermos ter filhos, de adotar métodos contraceptivos. Isso é sempre delegado à mulher.

Bom, por hoje é só.
t.

Anônimo disse...

Carla, com relação ao nobre comentarista ignorante da folha, a questão é meramente legal e muito simples: a paternidade não é um direito da mãe da criança, é um direito da criança. Assim como, se o pai ficar com a criança, também pode-se exigir pensão da mãe, porque a maternidade é direito da criança. A mãe, quando entra na justiça pedindo pensão, entra como representante legal da criança, e não como requerente. A pensão sempre vai ser pedida PELA CRIANÇA, representada pelo representante legal (no caso, a mãe) e pelo advogado.
É que mascu tem essa mania de achar que pensão é pra "vadia" da mãe, mas a pensão é da criança. E, em todos os casos, se mascus querem questionar o direito da criança à paternidade, então que passem a defender o aborto e o direito das mulheres de não dar continuidade à gravidez de um filho de um babaca destes!

Sofia V

Anônimo disse...

Aquece o meu coração machucado pelas doses diárias de machismo ver vcs respondendo a esses comentários.
Como vcs conseguem ter paciência?

Sofia

Mirella disse...

Moema,

Olha, alguém que diz que uma vítima de estupro podia ter evitado deve acreditar em coisas muito mais sombrias que poderes psíquicos.

Hamanndah disse...

"Anônimo disse...

Gente, se cada mulher souber o que quer da vida, e decidir NÃO ser estuprada,"

Pera aí

Por acaso, a mulher "decide" se quer ser estuprada ou não?

Quer dizer que uma mulher "pode perfeitamente" decidir que um homem, mais forte do que ela, com musculos mais desenvolvidos do que ela, que, com alguma facilidade, pode matá-la, não possa estrupá-la?

É isso, a mulher só é estrupada porque quer?

VOCÊ SÓ PODE SER UM IDIOTA PARA VIR AQUI DIZER QUE 'MULHER PODE DECIDIR NÃO SOFRER ESTUPRO"

VAI SER IDIOTA ASSIM NO RAIO QUE O PARTA , NEM NA HUNGRIA E NEM EM LUGAR NENHUM DO GLOBO, NEM NA AFRICA DO SUL, O PAÍS DE MAIOR INDICE DE ESTUPROS

IMBECIL QUE ACHA QUE "MULHER PODE IMPEDIR DE SER AGREDIDA POR UMA PESSOA BEM MAIS FORTE FISICAMENTE QUE ELA"

Sempre achei que uma pessoa mais forte que a outra não pode usar a sua força para machucar, estuprar ,nem subjugar ninguém

No meu dicionário isso é covardia, nao uma atitude de homem, de homem de verdade, o homem que nós amamos, que é carinhoso e gentil e não usa sua força física superior para nos agredir...ao contrário dos idiotas dos mascus que dizem

"Mulher pode decidir não ser estuprada"

Anônimo disse...


"anonimo entendo o seu ponto de vista quanto a viajem mas isso não se encaixa no contexto que você colocou antes."


Moema L, se encaixa sim, sabe por quê? Porque quando decidi não ir aos EUA nem pra estudar nem pra trabalhar nem pra passear, eu decidi não passar por uma série de percalços, seja por razões humanas ou não, inclua-se ataques terroristas, furacões, terremotos, massacres, perda de documentos, acidente de avião, etc etc etc.

"no caso do estupro é o mesmo que culpar a vítima. é o mesmo que dizer que ela desejou uma desgraça como essa e de uma forma mística isso aconteceu. E o estuprador? como fica na estória? então tecnicamente ele não tem culpa pois ela desejou e ele cumpriu o desejo dela"

Enquanto a questão do estupro se restringir a quem é o culpado e quem é o inocente, ficaremos empacadas e impotentes para pegar as rédeas da nossa vida.

A culpa do estuprador é uma culpa legal, ética, moral. A lei o condena a prisão sim, e os sofrimentos advindos dela.
Mas sabe de uma coisa? Se a mulher TAMBÉM responde pelo ato do estupro em forma de sofrimentos muito piores do que o estuprador sofre em tese, incluindo os ferimentos, o nojo, a vergonha, o aborto, a rejeição, etc, concluímos que deve haver mais de um culpado nesta história, porque o verdadeiro inocente NÃO PAGA, NÃO SOFRE, NÃO É PUNIDO, por definição.

E se você me disser que uma mulher estuprada violentamente não está sendo punida, de alguma forma, pare e pense.


Anônimo disse...

D.Mirella, nunca disse que a vítima de estupro podia tê-lo evitado, e sim que podia ter DECIDIDO não ser estuprada. Você eu seus comentários rasos.

Há uma boa maneira de se evitar estupros. NÃO BEBER ATÉ CAIR EM PÚBLICO, pra início de conversa.

Santa Maria disse...

A questão 'aborto' não tem como ser desvinculada da religião, no fim é uma questão de crença. Você acredita que o feto é também um ser, imbuído de alma que, mesmo não sendo desenvolvido fisicamente, já possui essa essência divina que não pode ser retirada, como não pode ser tirada de ninguém, nem de uma mulher com direito civis que já tirou sua carteira de identidade e paga impostos, por exemplo. Nenhum é mais valioso nem menos valioso, eles são iguais. Certo. Ou você acredita que o feto é um feto e pronto, um pedaço de carne que está aí se desenvolvendo por fatos biológicos e um dia, por fatos culturais e biológicos, terá uma vida decente ou não, se desenvolverá ou não, pagará impostos ou não, entrará para o trafico, virará médico, enfim, infinitas possibilidades, mas por enquanto, é apenas um pedaço de carne um tanto disforme, tão valioso quanto uma formiga, um pernilongo, que você mata e acabou-se o barulho. (sendo que o pernilongo não tem tantas potencialidades quanto o feto, mas o potencial não tem importância ainda)
Então, no que você acredita? O que sua crença te diz? Bem, eu acredito na liberdade do indivíduo. Na liberdade da mulher com o seu corpo e liberdade de crença. A Lola, não tenho certeza, mas é muito fácil acreditar que se trata de uma ateia. Como eu queria ser ateia! Não acreditar em nada além da carne, que somos só barro e depois virá o nada, como ficaria calma minha cabeça cometendo qualquer tipo de delito (crime e castigo, dostoievski). Mas não é o meu caso, então que eu sou a favor da legalização do aborto, porque acho muito triste saber quantas mulheres sofrem ou morrem fazendo aborto ilegalmente, é muito triste.
-- Momento depoimento -- porque eu não sou um fake qualquer, sou um fake com história: com 19 anos eu engravidei, eu estava apaixonada e nem passou pela minha cabeça o aborto, mesmo meu pai dizendo que ia atrapalhar muito a minha vida, como se dissesse: se quiser abortar, estamos aqui. Hj, 9 anos depois, não tem um dia que eu não agradeça a Deus pela filha inteligente e saudável que ele me deu. Hoje, se eu engravidasse, talvez eu nunca me perdoasse, mas talvez eu fosse egoísta o suficiente para ficar mais preocupada com minha vida, com meu corre corre, meu crescimento, minha carreira, do que engravidar agora. Mas (incrível!) não engravidei mais. Parece que parei de acreditar na sorte e agora faço o possível para usar os meios contraceptivos adequados.
Mas, sinceramente, quando falam sobre o caso do estupro, não sei o que dizer. É terrivel! A mulher tem o direito de escolher o que fazer numa situação dessas. Deus saberá perdoar. Ele é o perdão.

André disse...

t.
As mulheres enfrentam consequências físicas (principalmente) e psicológicas muito maiores de uma gravidez indesejada, mas para um homem responsável uma gravidez indesejada também é dureza. E alguns de nós, homens, pensamos sim que temos, se não quisermos ter filhos, de adotar métodos contraceptivos. Já ouviu falar em camisinha? Muitos de nós usamos.

Anônimo disse...

se for isso eu respeito sua opinião mas descordo, não é possível. se fosse muita coisa na vida de muita gente, aposto que até mesmo na sua, teria sido evitada você não acha?
um acidente, uma doença, sei lá tudo de ruim que alguém pode passar

Já evitei doença sim, e reverti um quadro crônico de muitos anos, pelo menos. Acidentes, nunca me envolvi em um. Nunca sofri abuso infantil, nem estupro nem fiz aborto. Sorte minha? Ué, sorte existe, mas decisão não? Não temos capacidade de decidir? Será por isso que ganhamos na loteria mas não podemos decidir não ser estupradas? ahã

@vbfri disse...

Olha, sou a favor de uma vaquinha para pagar uma viagem (só de ida) para TODOS os mascus se unirem ao senhor wallita em uma ilha deserta. Lá eles podem fundar uma sociedade perfeita, só com homens másculos, sem mulheres nem crianças.
Problem solved.

Mirella disse...

"estuprada violentamente" meu santo Eru. Trazei Morgoth do vazio para buscar este balrog perdido.
estupro É VIOLÊNCIA. Não deixa de ser estupro se a mulher não é espancada. Plmdds, você é um monstro. Igualzinho os republicanos do"estupro legítimo". Essa humanidade tá perdida.

God, I have a bug to report.

professora helena disse...

leandro
na aula de hoje falaremos sobre o casamento e sobre o conceito de promiscuidade. o casamento para os católicos é um sacramento, assim como o batizado. para a igreja, o casamento é a união entre o homem e a mulher regatada (sic) com a finalidade de reprodução, que seria a perpetuação de nossa linda e justa espécie. não só é importante que a mulher seja regatada (sic), mas é condição primeira para que se possa realizar o casamento. segundo essa perspectiva, deus manda um de seus assessores, o padre, que celebra o sagrado matrimônio em seu nome e portanto, os homens não podem dissolver. as mulheres então, nem se fala!
-porra professora helena! não fode! eu já ouvi falar que vivemos num estado laico, corta esse papo aranha aí de o que deus uniu, o homem nao pode separar!meus pais são divorciados porra, vai se fuder!
-claro, mariazinha, você tem razão, é por isso que vamos explicar o que é o casamento para o estado. o casamento é um contrato que um homem e uma mulher assinam (e suas respectivas testemunhas) e que garante uma série de deveres e de direitos aos pombinhos (essa forma também pode ser usada para se referir aos cônjuges em determinadas publicações voltadas para o público feminino). tradicionalmente, o casamento implica coabitação, ou seja, marido e mulher devem viver na mesma casa e dormir na mesma cama (ainda que o marido ronque e a mulher tenha que fazer uso de ansiolíticos para que o vínculo matrimonial seja mantido). tradicionalmente, o casamento implica um pacto de exclusividade, no qual o homem não pode introduzir seu pênis na vagina de outra mulher que não a sua esposa regatada (sic) (ainda que também tradicionalmente, a quebra de pacto de exclusividade por parte dos homens não seja algo grave) e a esposa regatada (sic) por sua vez, pode ser assassinada pelo marido que estaria defendendo a sua honra, caso, um pênis alheio fosse introduzido em sua propriedade, digo mulher regatada (sic). mas isso saiu de moda nos anos 70. não os assassinatos, mas a defesa em nome da honra nos tribunais do país.
como você pode observar, tradicionalmente, o conceito de mulher casada se difere do conceito de promiscuidade, que na definição da wikipedia: denota um comportamento sexual humano, de sexo casual entre pessoas conhecidas ou não conhecidas entre si, principalmente entre pessoas não casadas. portanto, imagino que você, bom menino que é, se confundiu ao escrever na prova, "Afinal, a mulher que é promíscua irresponsável. Se ela optasse por ser mais regatada e mais responsável, não sendo promíscua, ela não engravidaria" já que mulheres casadas também engravidam.(e segundo um dos estudos mais sérios publicados no país sobre o perfil das mulheres que recorrem o aborto, o numero desse procedimento é maior entre as mulheres casadas, veremos isso numa proxima aula) não tive outra opção a não ser te dar a nota -20. a qualificação negativa ainda não existe no sistema educacional do nosso país, é uma quebra de paradigmas, mas eu, sem saber o que fazer com a sua prova, enviei ela pro MEC e eles sugeriram que eu criasse uma nova forma de avaliação, já que seria insultante para os alunos que recebem nota 0, possuírem a mesma qualificação que você. nas palavras dos analistas do MEC:
"QUE PORRA ESCROTA, ESSE MOLEQUE SÓ NASCENDO DE NOVO!"
espero que tenha ficado claro a questão da sua nota negativa, agora pode ir brincar no recreio com maria joaquina e cirilo

Anônimo disse...


"IMBECIL QUE ACHA QUE "MULHER PODE IMPEDIR DE SER AGREDIDA POR UMA PESSOA BEM MAIS FORTE FISICAMENTE QUE ELA"

Vou responder só a este impropério.

Não falei que a mulher pode ser impedida de ser agredida, até pode, se ela tiver preparo. Vá a uma academia de defesa pessoal e veja por si mesmo. Qualquer uma de nós pode decidir saber se defender de um ataque físico, não pode? Por que não decidimos?

O que estou tentando dizer é que PODEMOS DECIDIR NOSSA VIDA, assim como decidimos estudar isso ou aquilo, morar aqui ou lá, casar com este ou aquele. Ser atacada por alguém mais forte do que nós não foge do nosso poder de decisão bem como não foge do poder de decisão do atacante. Se fosse assim, todos seríamos atacados diariamente por pessoas mais forte do que nós. Isso é uma grande besteira. Você é homem? é forte? quantas mulheres já atacou? E os estupradores estupram todo mundo? Pois deviam se fosse tudo tão linear assim. Ser mais forte não significa NADA. Com uma arma na mão eu sou mais forte do que o desarmado. E daí? vou sair matando todo mundo? Mesmo desarmada, tenho mais fortaleza do que um brutamontes. É disso que estou falando.

Anônimo disse...

"3- nós, homens, nunca pensamos que também teríamos, se não quisermos ter filhos, de adotar métodos contraceptivos. Isso é sempre delegado à mulher."

hoje em dia vocês já podem decidir não ter filhos, seja pela abstinência, pelo uso consciente da camisinha ou pela vasectomia. Muitíssimos homens estão se vasectomizando. Acorda!!

Leio Lola Leio disse...

Lola! NUNCA tinha pensado na questão do aborto por essa perspectiva.
Eu já ajudei uma amiga a fazer aborto. Tínhamos 18 anos e tínhamos acabado de passar no vestibular, ela inclusive passou na USP, Unicamp e outras. Ela tinha transado um único feriado (talvez mesmo uma única vez) com um cara que tinha acabado de conhecer. Engravidou. O sujeito tinha mais de 30 anos, queria ter o filho. Mas, ela não queria, por várias razões, uma delas muito particular: fazia parte de uma família desestruturada e ficou com medo de repetir o mesmo "padrão" familiar. Sem contar que o cara, depois que soube da gravidez, contou aos amigos e saiu para beber e comemorar, passou quase duas semanas sem dar as caras. Atitude bastante contraditória para quem deseja ser pai (nem sequer escutou o ponto de vista da minha amiga sobre sua escolha de abortar).
Eu fui a última amiga a quem ela contou que estava grávida e só me contou porque os outros haviam se recusado a ajudá-la. Eu não cogitei não ajudá-la. Ela tomou um remédio, abortou, mas uma semana depois teve que ser internada no hospital com uma tremenda infecção, quase perdeu o útero. Ficou dias internada na sessão de maternidade do hospital, sendo hostilizada por médicos, enfermeiras e pacientes que com ela dividiam o espaço.
O cara reapareceu para dizer que ela tinha sido uma vagabunda por abortar um filho dele. Algumas pessoas o apoiaram.
Quando a mãe dela soube do que havia acontecido, disse que ela poderia ter mantido a gravidez e ido morar em Campinas, fazer UNICAMP e, de certa forma, fugir dos conhecidos...
Ainda fazendo um depoimento pessoal, conto um outro caso. Trabalhei com uma moça que me disse ser "fruto" de um estupro. Sua mãe foi estuprada por um ex, engravidou e minha colega de trabalho nasceu. ela não conheceu o pai, ele morreu de AIDS anos depois, mas nem ela e a mãe têm AIDS. Só que a mãe contou a ela que tinha tentado abortá-la, mas não conseguiu. Eu não soube lidar muito com essa colega de trabalho, acho que não tive sensibilidade suficiente na época, tive alguns problemas de relacionamento com ela e sei lá, penso mesmo que ela tinha "traços psicológicos" e físicos também (era portadora de necessidades especiais) que gritavam a quem quisesse ver que havia ali um trauma, por assim dizer. Mas, ela era genial, formada em cinema e apaixonada pelo objeto de estudo, enfim.
Acho que reuni as duas histórias pra tentar mostrar mais de um aspecto de situações que envolvem aborto.
Sou pessoalmente a favor da descriminalização e seu texto acabada de acrescentar mais argumentos ao que penso.
E nada de religião, a discussão sobre isso deveria ser pautada, no mínimo, pela laicidade.

Anônimo disse...

Mirella, querida, alguns estupros são bem mais violentos que outros, viu? tanto fisica quanto psicologicamente falando. Não vem dar uma de politicamente correta não, que não nasci ontem. Sou mulher igualzinha a todo mundo e pra mim, TODO ato sexual é uma violência.





Anônimo disse...

Estou lendo os comentários aqui e me perguntando se já ouviram falar em prevenção. Tudo nesse mundo pode ser prevenido, não precisa extrapolar para o misticismo não.

Carolina Lucas Paiva disse...

É logicamente impossível uma mulher decidir ser estuprada. Se ela decide, é porque consente. Havendo consentimento, não é estupro.
Não existe estupro consentido. Só rindo mesmo de certas pérolas...

Sara disse...

professora Helena q aula kkkkkk
Ainda bem q sou uma mulher muito "regatada" e aprendi tudinho .....

Anônimo disse...

Eu era a favo do aborto, sob qualquer circunstância, pois para mim, a decisão caberia a mulher, era uma liberdade dela com o próprio corpo, ate o dia que eu vi a cena de um aborto, o hospital onde trabalhei, a garota tinha iniciado o método abortivo com uma parteira, mas deu errado, e ela acabou sendo levada e largada na porta do hospital, os medico não tiveram outra opção, a não ser dar continuidade ao aborto, para salvar a vida da garota ( e ja faltavam vários pedaços do feto) fiquei horrorizado com aquilo,e acho que o aborto deve ser descriminalizado para impedir que coisas assim ocorram !

Mas também fico horrorizado quando vejo gente querendo relativizar, se referindo ao feto, e embrião humano como se fosse uma coisa sem importancia, acho que devemos sempre procurar a prevenção, e educar par evitar, e não banalizar, acho que a juventude atual está confundindo liberdade com libertinagem, e tanto homens e mulheres devem ter responsabilidade, e não sair tranando a torto e a direito sem prevenção, como se isto não tivesse consequências, o sexo hoje em dia esta supervalorizado na nossa cultura, um pouca de abstinência, e fidelidade, não fazem mu a ninguém, pelo contrario !

Anônimo disse...

Carolina, não está longe da verdade.
Por aí você vê que o buraco é mais embaixo. Mas o consentimento não obsta todo o sofrimento. Aliás, o sofrimento é o objetivo, tenha ou não ganhos psicológicos posteriores.

Volto a repetir, a decisão consciente é de NÃO ser estuprada. O ataque já é garantido de uma forma ou de outra, prescinde de decisão consciente. O não ataque e a reivindicação da inocência verdadeira é que tem que ser decidida.


Abçs.

Maya Falks disse...

"Há uma boa maneira de se evitar estupros. NÃO BEBER ATÉ CAIR EM PÚBLICO, pra início de conversa. "

Eu li isso? Sério?

Então quer dizer que uma pessoa alcoolizada perde o direito sobre sua integridade física e tá tudo bem? Que legal, avisem os estupradores para ficarem de olho nas boates, estuprar PESSOAS alcoolizadas não é errado (isso inclui homens, tá, homens tem orifícios penetráveis também. Legal, né?)

E outra, caro imbecil do comentário estúpro, a gigante maioria das vítimas de estupro não são casos de meninas bêbadas vítimas de fdp's que se aproveitaram disso. E agora, aguardo mais instruções para NÃO SER ESTUPRADA. Imbecil.

Pili disse...

Querida anonima da " Decisao de ser estuprada"

As pessoas estao reagindo com ira porque você ofende qualquer pessoa que já tenha passado por acidentes, violencias, injustiças.
Você pode até acreditar (como é comum em outras culturas) que nao existem acidentes, que tudo na nossa vida é reflexo de nossas decisoes.
Voce pode até acreditar que nunca ter sido estuprada é um merito seu, das suas decisoes.

Mas meu bem... O mundo tá cheio de mulheres que de fato decidirm nao ser uma vitima, que se recusam, e adivinha só. Nem por isso elas deixaram de sofrer tal violencia.
Alias, cada uma das mulheres atingidas por esse crime, todas, 100%, tomaram a tal decisao contraria ao estupro que vc está falando, e mesmo assim esse trator atropelou a vida delas.

Eu tambem decidi nao ser uma vitima na escola, ffui uma adolescente incrivelmente forte, agil, discreta. E mesmo assim eu fui empurrada escada abaixo, pelas costas, na traiçao. Duas cirurgias e anos de fisioterapia depois eu continuo com sequelas do acidente/crime que limitou meu corpo, mas que eu não deixo que me defina.Eu continuo me recusando a ser uma vitima. Mas Isso aconteceu porque eu decidi mal?? Porque eu insisti em ir pra escola, insisti no meu direito à educaçao.

Você pode até acreditar nisso. Mas dizer tal coisa ofende.
E sinceramente, dizer tal coisa cria uma impressao muito negativa a seu respeito.
Eu acredito que as pessoas tem o direito de falar algo, e mudar depois. Aprender, crescer, transformar.
Mas Alguém que queira te dar uma prova prática de qual cruel é o que vc está dizendo pode simplesmente se ausentar da obrigaçao de te socorrer se um dia vc precisar.
Você imagina tal coisa? Um policial dizendo que sua decisao de pegar justamento o onibus que viria a ser assaltada foi ruim?
Que a sua decisao de contrair justamente a virose que nao tem cura foi ruim?

E mais, se vc tá nessa onda aí de que tudo que vc é hoje foi mérito e decisao sua, na boa, se enxerga!!!! (muito parecda com o leandro lá de cima)
A gente recebeu muito investimento do universo pra estar aqui hoje.
E a gente tambem tá à mercê de muitas fatalidades, casualidades, e de muita crueldade dos outros.

O objetivo desse blog é fazer as pessoas refletirem sobre essa crueldade.

Vir aqui e falar sobre a "decisao de ser estuprada" é uma injuria sem tamanho.

Lili Marie disse...

Professora Helena, você é ótima!

Nada a acrescentar as suas excelentes aulas.

Elaine Telles disse...

"a vítima de estupro podia podia ter DECIDIDO não ser estuprada. NÃO BEBER ATÉ CAIR EM PÚBLICO, pra início de conversa. " Autor: http://goo.gl/Ikb0p
Sujeitinho, se voce estupra pessoas bebadas na rua deveria pagar, seu criminoso mediocre e baixo. Doente!

Anônimo disse...

E sobre a Heloisa Helena lola, não vai falar nada não ?
http://www.pragmatismopolitico.com.br/2012/09/heloisa-helena-abandona-psol-desabafa-me-obrigaram-defender-aborto.html

Mirella disse...

Moça, todo ato sexual é uma violência?

Mas que?


Falou em politicamente correto me lembra o Pondé e dá licença q vou vomitar.

Aprendam, galera! Vamos colocar agora os estupros numa escala de violência e de importância. Não apagou, não reclama! Nem foi tão ruim assim.

Ai meus sais.

André disse...

Sofia V,
O autor do questionamento foi um articulista da Folha, João Pereira Coutinho. A questão não é nada simples, caso o aborto fosse legal até 12 semanas, não existiria interesse do feto de até 12 semanas, ele nem mesmo poderia ser representado.

Mirella disse...

Pera, é uma MULHER que falou esses absurdos sobre viagem equivalente a estupro?

Sabeo que você merece?
Ficar falando sozinha.

Anônimo disse...

"Sujeitinho, se voce estupra pessoas bebadas na rua deveria pagar, seu criminoso mediocre e baixo. Doente!"


Sujeitinha, quem paga mais? quem estupra ou quem é estuprada? Quem deve mais? quem estupra ou quem é estuprada? shhhhh

@vbfri disse...

"Há uma boa maneira de se evitar estupros. NÃO BEBER ATÉ CAIR EM PÚBLICO, pra início de conversa. "
---
Caraca!!! Isso nem merece resposta, mas vamos lá...
Maridos estupram esposas (que estão sóbrias). Pais estupram filhas. De 9 anos (que nunca beberam).
Mulheres, na maioria das vezes, são estupradas ANTES dos 18 anos e dentro de casa (ou da casa de uma pessoa conhecida).
Fui molestada duas vezes. Na primeira eu tinha 10 anos e estava na escola. Na segunda estava dando carona para o pai de uma das minhas melhores amigas, pessoa acima de qualquer suspeita.
Então, masCU de meia tigela, vai aprender sobre estupro antes de falar merda.
Obrigada.

Anônimo disse...

Mas Isso aconteceu porque eu decidi mal?? Porque eu insisti em ir pra escola, insisti no meu direito à educaçao.

Não use essa falácia, moça. Seu direito à educação nada tem a ver com seu acidente/crime. Conta essa história direito. Todos aqui foram à escola e tivemos nossos maus pedaços.
Uma vez fui cercada num clube, eu tinha falado algo inconveniente, mas não tiveram coragem de me agredir.

É como eu disse, o ataque é garantido. Nós atacamos também, sem problemas. Quem não se dá conta de que atacamos e muito, inclusive a nós mesmos, não entendeu nada.


"O mundo tá cheio de mulheres que de fato decidirm nao ser uma vitima, que se recusam, e adivinha só. Nem por isso elas deixaram de sofrer tal violencia."

Bom, temos uma dedução lógica aí. Se decidiram não ser vítimas, então também decidiram não culpabilizar o vitimizador, certo? Sem vitimizador não há vítima, concorda?
Aí sim, você está no caminho certo. Mas não haver vítima mas haver o culpado, o vitimizador, minha cara, impossível.

Santa Maria disse...

Lola, como sua leitora assídua, gostaria de saber por que voce não publicou meu comentário, não achei que tenha escrito algo ofensivo. Obrigada.

@vbfri disse...

"Paga não, o imposto que o funça 'paga' é uma ficção contábil
Não sei se vocês vão ser capazes de entender mas lá vai...
Não existe nenhuma diferença real entre o ladrão que toma dez de quem trabalha e dá cinco pro funça,
e
o ladrão que toma dez, dá dez pro funça e toma cinco de volta DO funça.
Essa segunda opção é o que o governo DIZ que faz, pro funça poder falar que paga imposto.Na prática não muda nada.O imposto que o funça diz que paga é um troço fictício, contabilizado dessa segunda história que o governo inventa."
----
Tirando a história que a mulher pode escolher não ser estuprada, essa foi uma das maiores idiotices que li nos últimos dias.
Sério.

Anônimo disse...

vbfri, eu disse PRA INÍCIO DE CONVERSA, e não pra fim de conversa.

tchau

@vbfri disse...

Ah, em tempo...

Leleco, não quero que meus impostos paguem os homens irresponsáveis que batem os carros e são salvos com cirurgias caras em hospitais públicos. Depois ainda vêm pra MINHA cidade fazer reabilitação no Sarah.
E aí?? O que é que eu faço?

Aliás, será que devemos fazer com eles o que se faz com mulher que tenta abortar e vai parar no SUS com infecção? Será que os médicos devem fazer a cirurgia nesses indivíduos SEM ANESTESIA? Como fazem curetagem em mulheres que tentaram o aborto??

Detalhe: mulheres tentam aborto em situações de desespero. Homens batem o carro e morrem (ou quase) em euforia, brincando... Pra mim, a irresponsabilidade deles é BEM MAIOR.



Anônimo disse...

Na segunda estava dando carona para o pai de uma das minhas melhores amigas, pessoa acima de qualquer suspeita.

@ vbfri

Todo homem é um estuprador em potencial, esqueceu?

lola aronovich disse...

Ñ sei qual foi seu comentário, Santa Maria. Vc comentou como anônima? Ñ encontrei nenhuma Santa Maria entre os comentários deletados.

Anônimo disse...

Muito bom s/comentario das 22:17, vbfri. Parabéns!

t. disse...

André (comentário de 23 de outubro de 2012 19:10) e anônimo (comentário de 23 de outubro de 2012 19:31),
esse esclarecimento de vocês sobre os métodos contraceptivos que nós homens podemos usar é muito valioso. Não para mim, pessoalmente, que já os conhecia. Mas para aqueles que tanto temem ser vítimas do que chamam de "golpe da barriga". Aliás, olhando por esse lado, golpe da barriga nem existe, não é? O homem que escolheu transar sem lançar mão de qualquer um desses métodos QUERIA ser pai. com certeza.

E, para o André: Concordo contigo, uma gravidez indesejada também é dureza para o homem. Por isso, não há problema de os homens também serem favoráveis ao aborto. Envolver-se num diálogo sobre as consequências de se levar a gravidez adiante é sempre salutar a ambos, num casal. Embora, por uma questão que, de tanta obviedade, nem precisa ser explicada a palavra final sobre o próprio corpo deve ser da mulher. SEMPRE.

t.

Aline disse...

Estava pensando aqui:
Se eu ficar grávida e não quiser o filho, mas o pai da criança quiser, como o aborto é proibido, eu vou carregar essa coisinha dentro de mim por 9 meses, mas como eu não quero ter a criança mesmo vou continuar fumando e bebendo(não faço nenhuma das duas coisas) e não vou aos pré-natais, não vou fazer ultrasom, nem nada disso, por que não quero essa coisinha.
Ai quando nascer, o pai que pague uma cesária e uma cirurgia plástica para que meu corpo volte a ser como era antes.
Assim que o bebê nascer, eu saio do hospital e deixo o bebê lá pro pai ir buscar, não vou nem querer vê-lo, vou pra um lugar descansar e me recuperar, e depois de alguns dias volto a trabalhar. Pago uma pensãozinha pra criança uma vez por mês e não vou fazer questão nenhuma de vê-la. Não quero nem saber se o pai foi buscá-la na maternidade ou não...Não quero a guarda nem nada.

Eu poderia ser criminalizada por abandonar a criança para o pai ir buscar na maternidade? Eu poderia voltar a trabalhar imediatamente?

Eu posso trocar a licença com o pai da criança? 5 dias pra mim, 5 meses pra ele?

Ele que vai acordar a noite, amamentar a criança, com NAN é claro...

Enfim...
O que a direita acha disso? Como mulher eu posso fazer o mesmo que o homem faz?


Quanto a defesa pessoal que alguém falou ai: Provavelmente você não sabe como é a dinâmica de um estupro. E crianças que são estupradas? E as mulheres que bebem e os "amigos" abusam? E a pressão psicológica de ficantes, rolos, etc? E nos casos de acontecer com um conhecido? E se for pega de surpresa? E se mesmo fazendo defesa pessoal for dominada? E o medo que acomete a pessoa? Enfim...

«Mais antigas ‹Antigas   1 – 200 de 298   Recentes› Mais recentes»