sábado, 21 de julho de 2012

GUEST POST: DIVERSIDADE DE PENSAMENTOS NO ATEÍSMO

Robson é ateu e defensor dos direitos animais, como ele já tratou em ótimos guest posts aqui no blog e, claro, no seu próprio blog, o Consciência. Desta vez, ele faz uma ligação importante (e pouco explorada) entre ateísmo e direitos dos animais. Mas, antes, ele explica como há inúmeras correntes de pensamento entre ateus.

Encontrar pontos de convergência entre os Direitos Animais (DA) e o ateísmo é um desafio. Porque, se se considerar o ateísmo puramente como a descrença em deuses, não há nada que ligue essa mera descrença ao ideal da libertação animal. E há uma enorme diversidade de pensamentos, ideologias e convicções entre os ateus, não havendo nenhum “mandamento ateísta” que exija ou recomende o respeito aos animais não humanos.
Porém, há uma vertente ateísta, em franco crescimento hoje em dia, que, não implicando apenas o não crer em divindades, converge todo um ideário que, no final das contas, acaba tendo sim uma ligação relevante com os DA. Essa corrente é que será abordada em dois posts.
O ateísmo, desde sempre, é marcado por uma enorme diversidade de pensamentos, de ideologias, de hábitos, de identidades culturais, até mesmo de crenças espirituais. No que tange ao pensamento, há ateus otimistas, há os pessimistas, há os realistas, há os que alternam seu astral com frequência. Há aqueles que acreditam fielmente no amor, há os que não acreditam mais, há os céticos que só acreditarão no amor de namorad@ quando começarem a senti-lo... Há os que adoram dinheiro e bens materiais, há os que preferem a simplicidade, há os que só querem dinheiro com moderação...
Nas ideologias, há ateus de esquerda, de direita, de centro, de extrema-esquerda etc. Há ateus socialistas, liberais, conservadores ao molde americano, libertários de direita, libertários de esquerda, anarquistas, anarcocapitalistas, simpatizantes de regimes autoritários, e assim por diante. Tem os ateus pró-laicismo, tem aqueles que sonham em ver o Brasil se tornar um Estado confessional ateísta, tem os que são em cima do muro. Tem os que querem que a liberdade religiosa continue como está, tem os que querem a religião ser proibida por lei, tem os que desejam muito que a religião seja regulamentada por lei – ainda que isso demande uma nova assembleia constituinte no caso do Brasil...
Na Filosofia, há ateu de tudo quanto é tipo: materialista-marxiano, idealista-hegeliano, kantista, platonista, epicurista, maniqueísta, niilista, cientificista, metafísico, positivista, existencialista... Há aqueles também que acham a Filosofia uma perda de tempo.
Também mesmo em termos de espiritualidade, há uma enorme diversidade de crenças entre ateus. Há aqueles bem materialistas, que não acreditam em nada que não seja detectável pelo método científico, não creem em nada sobrenatural ou transcendente. Há também, por outro lado, os ateus que creem no sobrenatural –- por exemplo, em espíritos, em reencarnação espiritual de humanos a humanos, em hierarquia de evolução espiritual, em fantasmas, nas chamadas “ciências alternativas” etc.
Há aqueles que creem que morreu, acabou; há os que acreditam em reencarnação, uns de uma forma, outros de outra. Há os que se inspiram em religiões como o budismo e o taoísmo para delinear sua filosofia de vida, e há os que se baseiam puramente em valores irreligiosos. E assim por diante.
E, dentre os ateus, vem se destacando uma divisão cada vez mais conhecida hoje em dia: os chamados neoateus, que defendem que as religiões sejam erradicadas das sociedades modernas por tudo que suas vertentes fundamentalistas e cleros fizeram ao longo da História humana. Defendem que isso seja feito não com violência, leis draconianas ou outros atos impositivos, mas com pesados investimentos em educação laica; em divulgação do pensamento ateísta, da Ciência e da Razão; na multiplicação de debates – que muitos neoateus infelizmente tratam como batalhas argumentativas perde-ganha ao invés de como processos dialéticos de aprendizagem mútua -– entre ateus e religiosos; no incentivo à cultura secular; entre outras providências.
E outra diferença muito notável entre os ateus é a própria divisão sua entre ateus veg(etari)anos que zelam pelos Direitos Animais e ateus onívoros/carnistas que fazem pouco caso do tema, além de existirem vegetarianos que não ligam muito para os DA e onívoros interessados na questão. Há inclusive aqueles ateus que divulgam o veg(etari)anismo e os DA e também aqueles que, fazendo a contraparte conservadora, defendem a continuidade do livre consumo de alimentos de origem animal e tentam argumentar por que o veg(etari)anismo pelo animais não faria sentido.
O ateísmo ideológico
Além dos neoateus, a outra grande categoria ateísta que chama a atenção, dessa vez com menos reações discordantes e mais aceitação entre o universo ateísta, é uma que combina e unifica diversas correntes de pensamento: o ateísmo em si, o humanismo secular, o ceticismo científico, a filia à Ciência e à Razão e a defesa do Estado Laico -– chamada neste texto de ateísmo ideológico. A combinação é tão forte que alguns teóricos (Åsa Heuser e Camilo Gomes Jr são dois exemplos de ateus que defendem que o ateísmo transcende a simples não crença em deuses e inclui o humanismo secular e o ceticismo científico) hoje dão, pautados nela, uma definição ao ateísmo bem mais ampla do que a de simples ausência de crença em divindades.
De fato conseguem criar algo próximo a uma definição paralela de ateísmo, ou pelo menos uma categoria muito forte, que consiste:
a) na descrença em deuses, envolvida em ricas razões e contextos;
b) no humanismo secular, pautado em causas como a defesa dos Direitos Humanos, das liberdades individuais e da cultura de paz -– alguns o estendem ao antimilitarismo;
c) no respeito devotado à Ciência e à Razão como fundamentos do intelecto humano;
d) no ceticismo científico, oposto a crenças mitológicas, superstições e pseudociências;
e) na defesa do Estado Laico, garantidor da liberdade de crer e não crer no que quiser em termos de religião e não ser molestado pelas religiões por isso e dos direitos de minorias direta ou indiretamente prejudicadas por lobbies religiosos.
E de fato, pelo que se pode aferir quali-quantitativamente nas aglomerações de redes sociais e fóruns de internet, essa é a parcela de ateus que mais vem crescendo entre todas as ideologicamente diversas categorias ateístas. Em números e em notoriedade intelectual. Vem crescendo bastante o número de blogs e associações que, tendo muitos membros ateus, prezam pelo humanismo secular, pela divulgação da Ciência e do pensamento racionalista e pela militância pró-laicidade.
É essa categoria que tem mais a ver com os ideais abolicionistas, ainda que os Direitos Animais não sejam parte integrante dessa nova “definição estendida” de ateísmo. Para apontar as conexões entre essa categoria de ateísmo e o DA, continuo no post do sábado que vem.

43 comentários:

Paula disse...

first?

a ligação entre ateísmo e DA é fácil:
-religiosos acreditam que o homem (como diz o Bill Maher, um sujeito com pênis) foi criado à imagem e semelhança de Deus. Logo, é superior aos animais.
-ateus acreditam na evolução, ou seja, que os serem humanos evoluíram de outros animais. E não vêm problemas no nosso parentesco com chimpanzés, gorilas e bonobos.

Mas tem muito religioso que defende os animais tambem, por outros motivos. O índice de judeus vegetarianos é alto, pois comparam o tratamento dos animais de corte com o holocausto. O Budismo, apesar de ser uma religião sem Deus, é pelos DA. Até mesmo os cristãos adventistas, que apesar de falarem muita m***, são vegetarianos.

Carolina disse...

Me lembro quando criança de precisar responder questões na escola do tipo: 'qual sua religião'. Corri para minha mãe para saber. Desde então, sempre que a pergunta aparecia, a resposta era: Católica. Acho que lá pelos 13 ou 14 anos que percebi a tremenda lorota que eu contava. Nem meus pais eram católicos. Quer dizer, até eram, só no título. Desde então li algumas coisas sobre budismo, aprendi com amigos sobre espiritismo, tenho familiares evangélicos, protestantes, umbandistas e tal... mas nunca me enquadrei. Comecei a me declarar ateia, mas só comecei a questionar de verdade todo um sistema de moral e valores impostos depois de ler o Anti Cristo, do Nietzche, isso já com 20 e poucos. No facebook faço parte de um tipo de comunidade chamada ATEIA, que reúne ateus e agnósticos na rede social. Essa semana ainda, apareceu um post de um católico dizendo entre outros blábláblás (não vou julgar a intenção dele publicando na página) que respeitava o movimento e acreditava na liberdade de expressão acima de tudo. A maioria caiu de pau na criatura. Chamaram o cara de tudo quanto foi coisa. Como um movimento que, para mim, significa, acima de tudo, TOLERÂNCIA pode reagir dessa forma? Eu prego em primeiro lugar um estado laico, em segundo, e consequentemente, a liberdade de crença. Não posso fingir que não me decepcionei. Nunca aceitei que igreja nenhuma me dissesse o que fazer ou como me comportar na vida, não vão ser os ateus que vão dizer. A minha consciência vale mais que qualquer movimento!

Rafael Cardoso disse...

Eu, particularmente, de acordo com a minha definição de ateísmo (a simples não crença em deuses/deusas), não acho que ser ateu implique em ser vegano. Porém, acho que faz muito sentido, já que a maioria dos deuses/deusas criados pelo imaginário humano são extremamente especistas. E mais ainda se considerarmos a definição de ateísmo ideológico, que geralmente inclui o respeito aos grupos humanos. Pois não faria muito sentido defender só a espécie humana, uma vez que nós não somos os únicos capazes de experimentar dor e sofrimento (sem falar que não precisamos consumir produtos animais para viver, e muito bem por sinal). Isso soaria como uma espécie de antropocentrismo, exatamente como a maioria das religiões.

Lays, mãe e tudo o mais. disse...

Um dos grandes erros em relação ao ateísmo é julgar que há um pensamento único nele, da mesma forma que não há uma forma única de expressar religiosidade. Como sempre, generalizações são erradas justamente por partir do princípio do pensamento único, da homogeneidade de pessoas que compartilham uma característica em comum.

A.H.B. disse...

Eu sou radicalmente atéia. Porém, uma das coisas que me incomoda sobre o "neo ateísmo" defendido por Dawkins, Hitchens (que era uma pessoa horrível, conservador e misógino), entre outros, é que eles se preocupam em fazer uma enorme defesa do biologismo, de psicologia evolucionária, entre outras pseudo-ciências que não passam de darwinismo social (teorias racistas do final do século XIX que tentavam aplicar as teorias de Darwin à sociedade).
Lamentavelmente em muitos grupos de ateus esse tipo de pensamento acaba sendo dominante em relação aos outros, então eles praticamente não aceitam opiniões de esquerda ou feminismo em ambientes de discussão, chegando a ridicularizar mulheres que "ousam" tentar argumentar contra eles.
Inclusive é muito comum que ateus mantenham opiniões que mulheres são irracionais, mais emocionais e menos inteligentes que os homens, porque geralmente muitos deles convivem com mães ou esposas religiosas.
Um grave problema é que o ateísmo moderno está sendo usado por homens, brancos e heterssexuais para afirmarem que são mais oprimidos que qualquer outro grupo. Foi por isso, inclusive, que me afastei de grupos em que eu era moderadora.
Sim, há preconceito contra ateus, mas felizmente a opinião religiosa de alguém raramente fica exposta tanto quanto a cor de pele ou o gênero.

Carlos disse...

"deus" não existe, fiquem tranquilos(as).

Anônimo disse...

Se misturarmos ateus e crentes, dermos uma boa chacoalhada no recinto, haverá uma mistura homogênea na essência da natureza humana: as emoçoes. Tanto ateus qto crentes se acham os corretos na sua crença/descrença. Vejam no que dá os países islâmicos sob a crença nas ordens de Allah e vejam no que deu os países comunistas sob a descrença das ordens de Jeovah. A voz do povo é a voz de Deus e a prova está em que nem Cuba conseguiu erradicar em seu povo a crença em Deus.

Deus existe? O que é Deus?
Seja lá qual for sua resposta, isso muda o mundo em NADA. Portanto, ame os animais sem botar seu semelhante em segundo plano. Ame seu semelhante sem deixar de amar os animais. Pare de comparar ateus e crentes pq na essência o comportamento de um e de outro nada tem a ver com crer/descrer em Deus. O comportamento humano tem a ver com o código moral em que a pessoa é criada e crê... ou descrê? Deus está fora; Deus está dentro.

De um lado, gente com necessidade de alardear que é ateu... de outro lado gente com necessidade de alardear que vive por Jesus... Empate na necessidade de fazer-se notar. A deus... Adeus. Hade(u)s
Benzadeus!

Augusto disse...

Eu não sou vegetariano e não serei pelos motivos apontados. Carne tem um gosto bom para mim. Para que deixar de comê-la?

OBS: Sou contra o abatimento de animais para comsumo.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Acho um post como esse necessário principalmente pra pessoas que tem uma visão estereotipada de quem é ateu. Se fulano é ateu logo é de esquerda, logo é contrário a existência de religiões, enfim.
Me lembrou um post que vi no Blogueiras Feministas uma vez, sobre as diferenças entre as feministas, sobre não ser um bloco homogêneo que tem sempre as mesmas ideologias, valores e até os mesmos gostos.
Mas na minha ignorância confesso que fiquei um pouco espantada de saber que existem ateus que creem em reencarnação.
Pessoalmente me considero agnóstica e o que me incomoda muito é a intolerância com quem não pensa como a maioria.
Respeito é via de mão dupla, apesar de discordar, respeito quem tenha suas crenças religiosas, desde que essa pessoa respeite minha descrença.
É muito ruim conviver com discursos religiosos de que se tal coisa ruim aconteceu com você é porque você não crê em um deus, que pessoas que não tem religião são pessoas ruins. É muita hipocrisia.

Augusto disse...

Humanismo secular não quer um debate sobre a existência ou não de deus, e sim que todas as religiões tenham espaço, que não haja descriminação uma com as outras. Anônimo de cima, seu julgamento com ateus é muito errado, pois generaliza de uma forma completamente equivocada.

Sara disse...

Acho que minha espiritualidade ou falta dela lembra um pouco a "metamorfose ambulante" que cantava Raul Seixas, nasci em uma familia de maioria espirita, e bem que minha mãe se esforçou para seguirmos essas doutrinas, mas eu era bem avessa, pq na minha juventude eu era marxista leninista roxa, e não queria nada com religião nenhuma, mas minha mãe para se livrar dos Testemunhas de Jeová comprava muita literatura desse grupo, apenas com intuito de que eles fossem embora logo rrsss, essa literatura toda ficava jogada pela casa e como eu adorava ler qualquer coisa, não me fazia de rogava e lia tudo que aparecia.
Eu que nunca desejei me casar e queria mesmo é lutar pela "causa", acabei casando com um ateu, materialista de ultra direita, não me pergunte porque, pois a resposta é longa demais.
Como bom machista esse cara me afastou da familia de amigos do meu trabalho, até que me vi sozinha com uma filha, e as únicas pessoas que batiam na minha porta eram justamente os Testemunhas de Jeova rrrss, acho q mais por carencia e solidão me aproximei dessa gente, e por um bom tempo achei que seria bom pertencer a um grupo assim, mas o fato é que havia muitas coisas nos ensinamentos que eles davam que me causavam muito incomodo juntamente com a oposição ferrenha do meu marido ateu, que achava que era o fim da picada que justo eu fosse uma crente, abandonei essa religião tambem.
Pra mim esse tempo valeu muito a pena pois consegui ler a biblia varias vezes, e hj percebo os absurdos que ela prega, o machismo que esta impregnado em todas as paginas dela tb.
Mas tb sei que ha muitas coisas que foram escritas ali que são bem dificeis de se explicar caso deus não exista mesmo.
Uma coisa intrigante na biblia é que ela afirma que as religiões serão todas extintas do mundo, ela diz que nações se juntarão talvez uma espécie de ONU que determinarão a proibição de todas as religiões no mundo, e logo em seguida vira o fim.
Dos tipos de ateus que o autor do post descreveu acho que me enquadraria justamente nesse

"os chamados neoateus, que defendem que as religiões sejam erradicadas das sociedades modernas por tudo que suas vertentes fundamentalistas e cleros fizeram ao longo da História humana."

Bom se isso um dia acontecer, sei la se a biblia não esta certa e então vira o FIM.

Anônimo disse...

Sou vegetariana e atéia. Primeiro me tornei atéia e o vegetarianismo foi consequência disso.

nina disse...

Adorei o post. Mencionou sucinta e perfeitamente as várias correntes atuais.
Não me considero crente ou ateia, já tive momentos de crença e descrença e estou seguindo a vida com isso, rs. Sou vegana, desejo um mundo onde as pessoas pelo menos considerem os direitos dos outros animais.
E acho que se sua fé (ou não fé) te torna uma pessoa melhor, ótimo. Mas a gente deve se esforçar pra ser melhor - mais tolerante, mais preocupado em tornar o mundo um lugar melhor pra se viver - independente disso.
Mas, particularmente, tenho considerado mais 'fácil' (entendam as aspas, por favor) que não haja argumentos contra os direitos animais entre os não crentes. Explico: muitos crentes justificam-se dizendo que os animais não tem alma, ou que Deus os fez pra nos servir e todas essa bobagens. Esses pseudo argumentos não vão surgir em discussões com ateus.
* Lembrando sempre que, como bem disse o autor do post, há ateus e ateus. Não estou generalizando.

Fabiola disse...

Interessante, realmente é bom sempre falar o óbvio né, tanto no ateísmo, quanto no veganismo, feminismo, etc etc , há uma composição de pessoas com pensamentos diferentes.

Acho que ateísmo não precisa estar atrelado ao veganismo, aliás nem o Humanismo precisa. Mas fico triste ao ver Vegan@s que são machistas. Os vegan@s sim tem de ser feministas, pela simples ideia que lutamos pela libertação humana, juntamente com a libertação animal, e queremos uma sociedade sem exploração de qualquer forma.

Claudia disse...

Nao quero generalizar, mas todos os veganos/vegetarianos que eu conheco (que fique bem claro) sao insuportaveis. Gosto de animais, sou contra crueldade, mas nao acredito que o nao consumo de carne nos levara a lugar algum, nem fara de nos pessoas melhores. Como todos os religiosos, ateus e vegetarianos defendem suas crencas com tanto fervor que assusta a quem nao as compartilha. Nao existe tolerancia entre nenhum grupo. Eu nao tenho paciencia para escutar discurso de ninguem que seja tao preso a seus conceitos que nao aceita a opcao do outro.

Anônimo disse...

Antes do feminismo já existia o vegetarianismo e ---Sur.pre.Za--- praticado por crentes em alguma/s divindade/s. Donde vem essa mistura de ateísmo e feminismo e vegetarianismo e suas variantes?!!!
Vaquejada

Jéssica disse...

Entre as várias ideologias do ateísmo, tem uma que eu esperava que fosse citada no post: machismo. A quantidade de homens ateus e extremamente machistas que já conheci é enorme, me passa a impressão de que eles passam a se considerar especiais e ligar menos ainda para outras minorias...

Não entendo isso, um dos fatores que mais me influenciou para desacreditar nas religiões foi justamente o machismo delas!

Jéssica disse...

"Como todos os religiosos, ateus e vegetarianos defendem suas crencas com tanto fervor que assusta a quem nao as compartilha."

Por favor, essa generalização é EXTREMAMENTE ofensiva, primeiramente porque religiosos são maioria e as religiões já causaram diversos males graves ao mundo. Ateus e vegetarianos, além de sofrerem preconceito, não causaram mal a ninguém com suas convicções!

E, sinceramente, é difícil ser "aberto as opiniões alheias" quando na maioria das vezes essa opinião é baseada em senso-comum e já foi ouvida dezenas de vezes, com as mesmas reações as respostas dadas. É semelhante a ouvir um machista querendo te fazer engolir que o feminismo é "feminazismo".

J.M. disse...

Vegetarianos defendem a defesa de animais que servem como alimento? Ou qualquer animal? Ou contra o sofrimento de animais?

Anônimo disse...

I'm a feminist, why won't you obey me ?

soa similar ?

J.M. disse...

Defendem a defesa foi terrível. Mals aê.

Anônimo disse...

O jejum é visto como uma grande prática de disciplina e da doutrina, tanto espiritual como moral.

Anônimo disse...

homem ateu é machista.
mulher ateia é feminista.
gente atoa é o quê?

Carla disse...

Sinceramente estou cansada dessa briga de ateus e religiosos.Já vi várias vezes os ateus reclamando de preconceito e desrespeito para com eles, porém eles nunca vêm o oposto; eu, como seguidora de uma religião, já sofri muito preconceito e desrespeito de ateus, que só por saberem das minhas crenças já me tacharam de ignorante, fanática "responsável por todo mal do mundo".Respeito é bom e deve vir dos dois lados, do mesmo modo que ateus não querem ouvir discursos sobre como suas ações são pecados e ele precisa de salvação divina, pessoas com religião não querem ouvir discurso sobre como suas crenças são erradas e só causam mal a toda a sociedade.Não estou dizendo que não existe preconceito com ateus, só estou dizendo que também há preconceito vindo deles.

E eu entendi o texto, e entendo que haja uma enorme diversidade de pensamento entre os ateus, mas vocês têm que entender que também há isso entre os religiosos, assim como há religiões que pregam respeito a toda forma de vida.Na minha opinião, a questão de direitos dos animais não está ligada às crenças religiosas, nem acho que isso tenha grande interferência no caso, digo isso como uma vegetariana ativista dos direitos dos animai e cristã..

Anônimo disse...

Sou agnóstica e vegetariana.
Não entendo a AVERSÃO que as pessoas tem ao vegetarianismo. Vejo uma quantidade enorme de "alfacistas" fazendo piadinhas de "minha comida caga na sua", esses politicamente incorretos, e se queixando que os vegs são insuportáveis. Na verdade, não conheço nenhum veg que saia por aí pregando suas ideologias. A situação é semelhante a dos 'mascus', que se dizem vítimas de algo que não existe, e contra-atacam.
Me declaro agnóstica pq não me acho na posição de afirmar ou negar a existência de Deus. Não acredito ser criada a "imagem e semelhança" dele, talvez minhas concepçoes sejam mais abstratas... talvez eu seja mais ateia que agnóstica, mas não queira me identificar com um grupo radical como o de ateus, que se faz de vítima como os "alfacistas", mas na verdade discrimina bem mais, com essa justificativa idiota de autodefesa.
Fui taxada inúmeras vezes de indecisa por ateus e religiosos. Acredito em um estado laico e liberdade de crença, como a Carolina postou anteriormente.
(e, pessoalmente, nunca vi preconceito contra ateus. talvez haja em uma família religiosa, mas há um número cada vez maior de ateus na sociedade, então...?)

Anônimo disse...

como se não bastasse toda a guerra de nervos entre os sexos agora temos a guerra de nervos entre vegetarianos e carnívoros e o pessoal dá trela, o que piora a situação. e fazem da página de comentários do blog da Lola um palco de atirar pedradas reciprocamente.

mariana disse...

gente, me corrijam caso eu estiver errada, mas até onde sei, não há nada de errado em ser AGNOSTICISTA E ATEU. Sim, ao mesmo tempo.

Ser ateu significa que você não crê em deus. ponto.

Ser agnóstico é admitir que a humanidade nunca poderá chegar a uma conclusão definitiva sobre se deus existe ou não. Ateus e crentes podemo ser agnósticos.

Eu, atéia (não creio em deus), admiti que, mesmo eu não crendo, nunca podemos chegar a uma verdade matemática sobre isso (se deus existe ou não). Um crente pode pensar da mesma forma: apesar de crer e ter fé, admite que é fé, não certeza matemática que sustenta sua crença. Que não há como, e nunca haverá, determinar cientificamente a existencia do seu deus.

ENTENDERAM? Então parem de se classificar como "agnósticos" porque "tem dúvidas". Agnosticismo não tem nada a ver com isso, ok?

Anônimo disse...

Eu considero impossível deixar de comer carne ou derivados de leite e ovos. Como bom gordinho, adoro um hamburguer, torresmo e linguiça frita.

Anônimo disse...

Não tem como negar que existe preconceito contra ateus.
No nosso país, qualquer candidato político bem colocado não pode dizer que é ateu ou agnóstico porque imediatamente perde a eleição, de tanto que existe esse discurso que ateus são pessoas ruins e blábláblá.
Pra cada ateu que inventa de ser chato que quer converter o outro através do cansaço e do desrespeito, tem pelo menos uns cem católicos e evangélicos querendo converter os outros através do cansaço e do desrespeito.
Tem muito religioso que quer ser respeitado, mas acha normal desrespeitar ateus.

Elvis disse...

Gostei do post. Realmente a diversidade de pensamentos no ateísmo é muito grande, e o que mais eu vejo é os ateus serem rotulados como uma coisa só e pronto, como alguns comentários fizeram aqui, "ateu é machista", "ateu é intolerante" ou dizer que a maioria dos ateus isso e aquilo, como se dizer maioria não fosse generalização.

Eu, particularmente, me considero um ateu agnóstico, pois ser ateu é não acreditar em deus/deuses (não acredito) e agnóstico, se pegarmos a origem da palavra, é não ter conhecimento, e eu não tenho conhecimento da existência ou inexistência de deuses, porque é algo que não posso provar (e até onde eu sei ninguém pode). Aí que está a diferença de acreditar (ou não) e saber (ou não). Saber de verdade, ninguém sabe.

Em relação aos DA, acho essa ligação meio difícil, não me parece que tenha muita relação com religião. Se bem que algumas religiões veem a natureza inteira como algo que deus fez para o desfrute do homem, e aí sim pode ser algo que desfavoreça os DA.

Anônimo disse...

Anônimo disse... 15:40
"Não tem como negar que existe preconceito contra ateus." ---Existe preconceito contra tudo. Lembra-se do patinho que o chamvam de Feio? Qdo ele surgiu lindo e deslumbrante pq era um cisne, passaram a chamá-lo de Gay.

"No nosso país, qualquer candidato político bem colocado não pode dizer que é ateu ou agnóstico porque imediatamente perde a eleição, de tanto que existe esse discurso que ateus são pessoas ruins e blábláblá." --- Em que país algum homem público foi eleito para cargo político ao afirmar ser ateu? Diga-me um único país e país comunista nao vale pq comunista nao é eleito, é imposto ao povo.

"Pra cada ateu que inventa de ser chato que quer converter o outro através do cansaço e do desrespeito, tem pelo menos uns cem católicos e evangélicos querendo converter os outros através do cansaço e do desrespeito." ---Pra vc ver que o ser humano é tudo igual. Muda apenas a forma como espalha ou impoe seu blablablah.

"Tem muito religioso que quer ser respeitado, mas acha normal desrespeitar ateus." ---E ateus desrespeitando religiosos. Assim, é tudo farinha do mesmo saco, apenas mudando o artigo de que é feito o saco... algodao cru, algodao alvejado, estopa... Dá tudo no mesmo. Melhor aproveitarmos a prática do jejum islâmico do Ramadan pq jejum ajuda na humildade e disso todos precisam em maior ou em menor dose.
ah Teu

Anônimo disse...

Engana-se quem pensa que ser homofóbico, moralista, hipócrita, sexista, é coisas somente de fanáticos religiosos.

Há pouco tempo, infelizmente, fui parar em um site ateísta que reúne todas as características acima.
http://feeds.feedburner.com/SociedadeConservadoresAteus

Anônimo disse...

"No nosso país, qualquer candidato político bem colocado não pode dizer que é ateu ou agnóstico porque imediatamente perde a eleição, de tanto que existe esse discurso que ateus são pessoas ruins e blábláblá." --- Em que país algum homem público foi eleito para cargo político ao afirmar ser ateu? Diga-me um único país e país comunista nao vale pq comunista nao é eleito, é imposto ao povo.

Interpretação de texto é fundamental. Dei um exemplo de como ateus são discriminados no Brasil, não podem revelar sua forma de pensar sob pena de serem prejudicados. Aí a pessoa responde
com: comunismo, blábláblá, whiskas sachê.
Eu hein.

Anônimo disse...

"Em que país algum homem público foi eleito para cargo político ao afirmar ser ateu? Diga-me um único país e país comunista nao vale pq comunista nao é eleito, é imposto ao povo."

Isso apenas prova o quanto existe um forte preconceito contra ateus causado em grande parte por um discurso medieval e intolerante.

Flavio Moreira disse...

Vários comentários interessantes e resposta instigantes. Mas o bom resumo veio nesse comentário:
""Tem muito religioso que quer ser respeitado, mas acha normal desrespeitar ateus." ---E ateus desrespeitando religiosos. Assim, é tudo farinha do mesmo saco, apenas mudando o artigo de que é feito o saco... algodao cru, algodao alvejado, estopa... Dá tudo no mesmo. Melhor aproveitarmos a prática do jejum islâmico do Ramadan pq jejum ajuda na humildade e disso todos precisam em maior ou em menor dose."
Além de me fazer rir bastante, acho que define bem a questão fundamental das relações humanas: respeito. No meio de tanta 'grita' entre ateus, agnósticos e religiosos, vamos nos esquecendo desse elemento básico para o convívio humano. Sem respeito, não conseguimos seguir em frente. Da mesma forma, não há como avançar um diálogo, se um dos lados (qualquer um deles) mantém-se numa posição cristalizada, fechada, que não admite questionamentos. Todas as vezes em que me disponho a ouvir alguém, tenho a chance de aprender mais sobre mim e sobre o outro. Quando fecho questão, radicalizo minhas posições e minhas crenças, crio uma barreira intransponível entre o outro e eu.
Tenho amigos ateus, agnósticos, crentes, católicos, espíritas (de todas as linhas), budistas etc. Com cada um aprendo um pouco, de cada um ganho uma visão diferente e rica do mundo e assim vou, de certa forma, transformando a minha própria.
Ter religião ou não ter, como gostar de amarelo ou vermelho, coca-cola ou café, é questão pessoal. Minha fé não pode embotar minha compreensão e minha tentativa de compreensão do mundo e dos outros.
Sou espírita, chamado kardecista. É perfeito? Não, tem várias falhas. Mas eu posso fazer essa crítica, pesar o que dentro dessa doutrina tem valor para mim e manter-me nela. Eu defendo o estado laico. Religião e estado são coisas diferentes e não podem se misturar nunca, sob o risco de aumento avassalador de injustiças sociais por conta de favoritismos e preconceitos religiosos.
Mas, como perguntaram em outro comentário, que candidato, no mundo, se declararia ateu ou agnóstico em uma disputa eleitoral?
Lembro-me do filme Contato, baseado no livro de mesmo nome de Carls Sagan, um cientista ateu e excelente divulgador da Ciência (para quem viveu na década de 80 a série Cosmos foi um marco). Em dado momento quando os candidatos a usarem a máquina que os levará através dos confins do universo, a pergunta que decide a ida ou não da personagem de Jodie Foster é exatamente essa: "Você acredita em Deus?" Assistam, o filme vale a pena e as questões que ele levanta, também.
Quanto à defesa dos animais, acho uma questão importante, mas ainda vejo o vegetarianismo ou o veganismo como algo feito para poucos - existe uma massa gigantesca de pessoas no mundo que passam fome. Não têm nem o básico. No dia em que o vegetarianismno apresentar uma solução economicamente viável, abrangente, acessível a toda população, aí, sim, poderemos ter uma começo de mudança. Hoje ainda é uma prática acessível a poucos, esclarecidos e, de certa forma, com confortável poder aquisitivo para comprar vegetais orgânicos - ou a luta contra o envenenamento diário a que somos submetidos pelo uso indiscriminado de agrotóxicos não entra nessa pauta?

Anônimo disse...

Esses vegetarianos dao mesmo nos nervos querendo salvar os animais da maneira como o fazem. Por que nao tratam de salvar as crianças de rua? Por que nao tratam de educar uma nova geraçao ensinando-a a ser vegetariana e daí em 20 ou 30 anos teremos milhares de vegetarinos cuidando devidmente da lavoua. Mas, qual o quê os vegetarianos sao com esses que lutam pelo meio-ambiente e vc vai na casa dessa gente e essa mesma gente é consumista pra valer!!! todos os trecos eletro-eletrônicos possíveis eles compram ou usam. Isso é contra o meio-ambiente. Olha, cada grupo quer levar a fama de salvar salvar salvar... Jesus, Gandhi, Martin Luther King Jr., Che Guevara, manda mais!

OK. Émile Zola era vegetariano. Bernard Shaw tb. Tolstoi nao era. Nem Victor Hugo. Nem Hemingway. Shakespeare era vegetariano? Duvido.

Anônimo disse...

Anônimo disse... 20:24

Isso apenas prova o quanto existe um forte preconceito contra ateus causado em grande parte por um discurso medieval e intolerante.

---Sim, mas o comentário que iniciou a conversa foi pq a pessoa se referiu ao Brasil, como que somente no Brasil existe o preconceito que nao permite eleger um presidente ateu. Pois bem, o Brasil tem uma presidente ateia... E Collor cria. Sarney tb.

Bruna B. disse...

Post interessantíssimo.
Sou atéia desde que nasci e vegetariana desde os 12 anos. Parei de comer carne depois de ver uma vaca ser abatida.


Uma matéria bem interessante sobre animais e consciência:

"Neurocientista explica por que pesquisadores se uniram para assinar manifesto que admite a existência da consciência em todos os mamíferos, aves e outras criaturas, como o polvo, e como essa descoberta pode impactar a sociedade."
http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/nao-e-mais-possivel-dizer-que-nao-sabiamos-diz-philip-low

Teofilo Tostes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carla disse...

O Anônimo de 22 de julho de 2012 20:16 postou um link para a Sociedade Conservadores Ateus, que eu vou te falar: ilustra exatamente esse post. Eu, ateia, não conhecia essas vertentes. Muito menos essa última. Eu, heim...

Mas, relatando o que eu vejo nas redes sociais é que os ateus podem se tornar exatamente aquilo que eu mais odeio nas religiões: O FANATISMO. Lamentarei se sairmos de um estado cristão para um estado ateu. Eu ainda defendo um estado LAICO!

Anônimo disse...

é só comigo que os links nao funcionam? (página não encontrada)¬¬

Anônimo disse...

ps... sou eu o arthur o mesmo que postou assima! mas sou ateu feminista e não achei nenhum sistema politico que me agrada!

Anônimo disse...

Arthur, 01:49
Anarquismo é o nome do sistema político daqueles que não se agradam com nenhum sistema político :(