quinta-feira, 15 de março de 2012

GUEST POST: BICHO? AJUDE AS CRIANÇAS COM FOME, ORA!

A Fiori é defensora dos animais e se chateia toda vez que sua atividade é criticada. O título deste guest post é algo que a gente ouve todos os dias, só variando o assunto: por que falar de [insira aqui o assunto que você não considera importante]? Por que não falar das criancinhas na África ou da corrupção no congresso? Isso vindo de gente que quase sempre não luta nem por um nem pelo outro...

Prezada pessoa que faz comentários especistas do tipo "tanta gente gastando com bicho tendo um monte de crianças na rua", quero lhe informar que ajudar um animal necessitado não impede ninguém de ajudar uma criança necessitada. Muito pelo contrário, as pessoas que doam seu tempo, energia e dinheiro para ajudar, não o fazem baseadas em espécie, raça, gênero etc, mas sim ajudam todos que cruzam seu caminho. Essas pessoas, que também ajudam animais, sofrem muito preconceito pela ignorância repetida incansavelmente pelas pessoas que não fazem nada por ninguém. Em contrapartida, a questão poderia ser: "tanta gente fazendo filho tendo um monte de criança nas ruas e nos abrigos precisando de adoção", e "tanta gente cruzando e vendendo cachorro de raça tendo um monte de animais abandonados nas ruas e nos abrigos precisando de adoção", mas essas são questões que a sociedade se recusa a entrar, pois é muito mais fácil dizer que a minoria que ajuda animais não deveria fazer o que faz, e que deveria fazer alguma outra coisa, do que admitir: "eu deveria estar fazendo alguma coisa também".
Enquanto 98% não assumem sua responsabilidade, e 2% assumem as próprias responsabilidades e as dos outros 98%, que são o bem estar de seus dependentes, pois crianças, idosos, pessoas com necessidades especiais e animais domesticados não invadem a casa de ninguém, eles são de responsabilidade desses seres humanos adultos. Quem abandona seu animal de estimação também abandona os pais idosos em abrigos, e quem é capaz de negar ajuda a um cão morrendo na rua, também é capaz de negar ajuda a uma criança. Eu, que já recolhi e encontrei lar para mais de 50 animais, também já recolhi da rua e levei para dentro da minha casa três pessoas desconhecidas, enquanto centenas de pessoas apenas assistiam essas pessoas morrendo. Essas pessoas foram: uma transexual que foi degolada durante a madrugada em São Paulo, um garoto viciado em crack que foi abandonado pela família, e um homem alcoólatra que precisava de um voto de confiança para poder voltar a trabalhar. Nos três casos acolhi as pessoas no mesmo dia que as conheci, e confiei nelas assim como confio que o cachorro abandonado que eu recolho nunca vai me morder. Mas o ser humano é muito diferente dos cães, e não é porque minhas tentativas de ajudar seres humanos em situações tão extremas não foram 100% bem sucedidas que irei me negar a ajudar um ser humano novamente. É por saber da dificuldade que é ajudar um ser humano, e da "facilidade" (em comparação) que é ajudar um animal, que esse discurso hipócrita que você faz me incomoda tanto, pois sei que quem é capaz de assistir um cão morrendo sozinho na rua sem fazer nada, é incapaz de ajudar criança alguma. Se muito, temos os que fazem da "filantropia" uma profissão, e podemos ver toda a mecânica disso no filme Quanto Vale ou é Por Quilo.
Uma coisa que sempre me perguntei, mesmo antes de ajudar qualquer um, foi o porquê de tanta gente se incomodar por alguém estar gastando seu dinheiro para ajudar X enquanto Y também esta precisando, e ninguém se incomodar por todos estarem gastando dinheiro indo a jogos de futebol, baladas, comprando bolsas e trocando de carro, enquanto X e Y estão precisando. Eu, como protetora de animais e de seres humanos em situação de risco, não vou a jogos de futebol e baladas, só compro vestimentas e acessórios usados e cuido muito bem do meu fusquinha, que me possibilita levar pessoas e animais a qualquer hora para hospitais, pois é apenas com esse tipo de sacrifício de vida pessoal que os 2% conseguem dinheiro para assumir as responsabilidades negligenciadas dos outros 98%, e o mínimo que esta porcentagem exorbitante poderia fazer é respeitar o nosso trabalho.
Um rapaz chamado Francisco José Papi escreveu um texto em 2005 que sanou muito bem essa minha dúvida. Reproduzo o texto na esperança que você o leia, e assim não repita mais esse tipo de ignorância.

“Por que não vão defender as crianças com fome?”
Questão interessante. Vamos ver se essa eu consigo responder de modo didático.
1) Quem faz esta pergunta admite que existem dois tipos de pessoas no mundo:
As Pessoas Que Ajudam e as Pessoas Que Não Ajudam.
Além disso, admite também que faz parte das Pessoas Que Não Ajudam, afinal, do contrário, diria “Por que não me ajudam a defender as crianças com fome?”, ou “Venham defender comigo as crianças com fome!”, ou “Não, obrigada, vou defender as crianças com fome”.
Então a pessoa se coloca claramente através de sua escolha de palavras como uma Pessoa Que Não Ajuda.
É curioso que a Pessoa Que Não Ajuda não faz nenhum esforço para ajudar, mas, sim, para tentar dirigir as ações das Pessoas Que Ajudam. É bastante interessante. Eu estaria interferindo se eu fosse até sua casa organizar sua vida financeira sob a alegação de que eu sei muito mais sobre administração familiar, mas a pessoa se sente no direito de interferir nas ações que uma pessoa resolve tomar para aliviar os problemas que ela encontra ao seu redor.
É uma Pessoa Que Não Ajuda, mas ainda assim quer decidir quem merece ajuda das Pessoas Que Ajudam. O nome disso é prepotência.
2) Pessoas Que Ajudam não vão ajudar as “crianças com fome”. Nem tampouco os “velhos”, os “doentes” ou os “despossuídos”. E sabe por quê?
Porque “crianças com fome” ou “velhos” ou qualquer outro desses é abstrato demais. Não têm face, não são ninguém. São figuras de retóricas de quem gosta de comentar sobre o estado do mundo atual enquanto beberica seu uisquezinho no conforto de sua casa.
Pessoas Que Ajudam agem em cima do que existe, do que elas podem ver, do que lhes chama atenção naquele momento. Elas não ajudam “os velhos”, elas ajudam “com 50 reais por mês os velhos do asilo X”.
Elas não ajudam “as crianças com fome”, elas ajudam “as crianças do orfanato Y com a conta do supermercado”.
Elas não ajudam “os doentes”, elas ajudam o “Instituto da Doença Z com uma tarde por semana contando histórias aos pacientes”.
Pessoas Que Ajudam não ficam esperando esses seres vagos e difusos como as “crianças com fome” baterem na porta da sua casa e perguntar se elas podem lhe ajudar.
Pessoas Que Ajudam cobram das autoridades punição contra quem maltrata uma cadela.
Pessoas Que Ajudam dão auxílio a um pai ou uma mãe que perdeu o emprego e não tem como sustentar seus filhos por um tempo.
Pessoas Que Ajudam dão aulas de graça para crianças de um bairro pobre.
Pessoas Que Ajudam levantam fundos para que alguém com uma doença rara possa ir se tratar no exterior.
Pessoas Que Ajudam não fogem da raia quando veem qualquer coisa em que elas possam ser úteis. Quem se preocupa com algo tão difuso e sem cara como as “crianças com fome” são as Pessoas Que Não Ajudam.
3) Pessoas Que Ajudam são incrivelmente multitarefa, ao contrário da preocupação que as Pessoas Que Não Ajudam manifestam a seu respeito. (Preocupação até justificada porque, afinal, quem nunca faz nada realmente deve achar que é muito difícil fazer alguma coisa, quanto mais várias).
O fato de uma Pessoa Que Ajuda se preocupar com a punição de quem burlou a lei e torturou um animal não significa que ela forçosamente comeu o cérebro de criancinhas no café da manhã. Não existe uma disputa de facções entre Pessoas Que Ajudam, tipo “humanos versus animais".
Geralmente as Pessoas Que Ajudam, até por estarem em menor número, ajudam várias causas ao mesmo tempo. Elas vão onde precisam estar, portanto muitas das Pessoas Que Ajudam que acham importante fazer valer a lei no caso de maus tratos a um animal são pessoas que ao mesmo tempo doam sangue, fazem trabalho voluntário, levantam fundos, são gentis com os menos privilegiados e batalham por condições melhores de vida para aqueles que não conseguem fazê-lo sozinhos.
Então, como dizia meu avô, “muito ajuda quem não atrapalha”. Porque a gente já tem muito trabalho ajudando animais e pessoas que precisam (algumas até poderiam ser chamadas tecnicamente de “crianças com fome”, se assim preferirem as Pessoas Que Não Ajudam).

192 comentários:

Jac disse...

Semprei considerei a atitude dessas pessoas reclamonas algo como "se você não pode resolver todos os problemas do mundo de uma vez, não faça nada."

Dani Cavalheiro disse...

Lola, posso usar esse guest post com meus alunos? Estamos discutindo essa questão de ajudar, conscientizar, e surgiu essa questão da ajuda aos animais, seria bem útil.
Obrigada! =)

Eliana Calado disse...

Adorei o post! Vou divulgar!

Letícia disse...

Lola,

Excelente guest post. As pessoas têm essa mania horrível mesmo de querer escolher quais as NOSSAS lutas, enquanto não fazem nada além de trabalhar-sair-comer-dormir.

Sofri esse tipo de crítica também quando comecei o blog. Lutar por uma sexualidade livre parecia absurdo aos olhos de várias pessoas. Pois bem: hoje eu luto por isso, por uma sociedade igualitária, pelo feminismo. Ativismo de sofá, eu sei.

Mas também faço a parte de mídia social de uma ONG que nada tem a ver com esses temas. Sem ganhar um real. E, enquanto escrevo isso, tem uma cachorrinha aqui ao meu lado roendo um osso. Ela foi recolhida da rua por protetores e está aqui em casa como lar temporário. É o segundo cachorro que eu abrigo este ano. Posso fazer pouco, porque a grana tá difícil. No entanto, me orgulho de estar incluída no grupo das Pessoas Que Ajudam. Com o que posso. O que, nos dias de hoje, eu sei que é muito.

Beijo!

Lucas disse...

Acho que é um dos melhores textos que já li aqui.

Um soco no estômago de muita gente aqui, inclusive no meu, que não reclamo de quem ajuda, mas não faço o suficiente.

Macumba Vegan disse...

Genial! Muito bom o texto

Anônimo disse...

Texto perfeito. Mas não gostei dessa comparação: "tanta gente fazendo filho tendo um monte de criança nas ruas e nos abrigos precisando de adoção". Maternidade, paternidade e adoção são temas muito complexos e na prática, adoção é pra quem pode, quem não tem condição de dar amor como daria a um filho biológico é melhor nem pensar em adoção mesmo.

Bruno S disse...

Eu vejo como uma das formas mais escrotas de desmerecer qualquer tipo de engajamento é dizer que pessoa deveria estar cuidando de outra coisa mais importante. E geralmente a coisa mais importante está sempre num nível genérico quase abstrato como disse a atuora no item 2.

Sem falar na questão de que não há um ranking universal de problemas a serem enfrentados. Assim como o tipo de engajamento e assunto tem muito a ver com a afinidade de cada um.

E sinto o mesmo soco que o Lucas.

Majô disse...

essa lógica distorcida de "pq ajudar X se Y também precisa?" vejo se repetir à exaustão também contra aqueles que defendem uma causa social.

exemplo: as pessoas q apoiam a causa dos bikers em SP sempre são obrigadas a escutar: "por que vc se incomoda com a vida dos ciclistas? SP precisa primeiro é de transporte público". caramba, precisa dos dois!!!! o mundinho louco de SP não vai parar se os órgãos públicos, sociedade civil e empresas resolverem abraçar essa causa e não vai deixar de discutir transporte público que, sim, é essencial para a mesma cidade.

essas conversas às vezes dão até urticária.

sex pistol disse...

Muito legal o post e tem-se que lutar pela defesa dos animais.
Contudo, acredito que o super apego atual das pessoas com os animais, deve-se ao fato da deterioração das relações interpessoais.A falta de tolêrancia para com o jeito de ser e de pensar do outro, os ressentimentos e preconceitos que temos com o diferente.A verdade é que mesmo muitas pessoas com boas intenções estão longe de serem libertárias.

Lyzze disse...

Lola, sei que não tem nada a ver com este assunto, mas olha que bacana o que postaram no 9gag.
http://d24w6bsrhbeh9d.cloudfront.net/photo/3349262_460s.jpg
Não é vírus, fique tranquila, haha.
Parabéns pelo blog.

Anônimo disse...

Essas pessoas têm que começar a ajudar, ou pelo menos distinguir quem direcionar.
Outro dia meu namorado me contou que um estudo científico mostrou que mulheres com mamilos escuros traem mais. Tipo, na boa. O dinheiro e tempo gastos nesse estudo científico podiam ter direcionado esses esforços em coisas mais relevantes, mas né. Eles querem é saber, pela cor dos mamilos da mulher, se ela vai cornear o namorado/marido ou não.
Mas deixem as pessoas que cuidam dos animais em paz, eles realmente fazem a difierença.

Leandro Bierhals disse...

Alguém saberia me dizer qual a porcentagem das pessoas que defendem a causa animal? Digamos 5%??? Onde estão os outros 95% que não ajudam ninguém? Eu acretido que uma resposta para esse questionamento seria: Eu ajudo os animais pois sei que tu está cuidando e ajudando crianças de rua, recolhendo-as ou alimentando-as, assim como eu faço com os animais.

sex pistol disse...

http://dinamicadebruto.interbarney.com/

Sensacional blog de quadrinhos do Bruno Maron, leia "gambiarra psicológica", ilustra bem o meu comentário anterior.

Carol M disse...

SP, não acho que hoje em dia as pessoas tenham superapego aos animais.

Alguns amam profundamente os animais com quem convivem, outros os veem apenas como coisas e por isso há tanto abandono e exploração de status através de pedigree.

Tb não acho que aqueles que amam muito seus animais tenham relações humanas ruins, muito pelo contrário. Costumam ser pessoas afetuosas e muito apegadas àqueles que consideram seus amigos de verdade.

Isso td que vc falou acho que se aplica muito mais as Pessoas Que Não Ajudam

Carol NLG disse...

Um bom post. Eu só tenho, me desculpem, uma crítica. Não gosto justamente da postura de: se você está com algum dinheiro sobrando, não está ajudando o bastante.

No Brasil eu vi isso pouco - vi agora, nesse post, com a história da pessoa comprar um carro novo ou sair ao invés de ajudar mais. Aqui na África já ouvi algumas vezes. Em um orfanato que decidi ajudar quando cheguei, por exemplo. Levei vários equivalentes a cestas básicas nas minhas primeiras semanas. A resposta? Obrigado. Mas estamos vendo que você tem um bom carro. O correto seria vender e nos ajudar com o dinheiro.

Poxa, eu já fui ajudar, voluntariamente, e a pessoa ainda queria me ditar como usar meu dinheiro? Ah, não. Brochei. Continuo ajudando, porque é o único orfanato da cidade, mas nem vou mais lá pessoalmente, e detesto isso.

Priscila disse...

Me senti contente ao ler que tem gente que entende o trabalho de quem ajuda.
Eu gasto uma quantia x por mês para ajudar animais abandonados, e adoro fazer isso. E sim ajudo com bem menos instituições de crianças.

Mas se todo mundo separasse um valor x para cada coisa, para o outro, para os animais, o resto não estaria sobrecarregado.

Me orgulho de fazer parte desses 2 % mesmo que me custe a indiferença e o nariz torcida das pessoas que não tem o desprendimento para fazê-lo.

Me senti vingada com o texto

Rafael disse...

lola, adoro seus posts, mas por favor, muda esse layout, a cor de fundo e o texto colocado em uma coluna que ocupa menos de 1/3 da tela atrapalham bastante.

Anônimo disse...

Maternidade, paternidade e adoção são temas muito complexos e na prática, adoção é pra quem pode, quem não tem condição de dar amor como daria a um filho biológico é melhor nem pensar em adoção mesmo.

R.

Como disse a Tetê Ribeiro essa quarta no Saia Justa: você conhece adotados e pais adotivos, mas quedê os que dão seus filhos para adoção? alguém conhece?

Tita disse...

Irretocável!!!

Lord Anderson disse...

Post, excelente.

A verdade que quem fala das "crianças famintas" ou que fica inumerando problemas "mais urgentes" como forma de desqualificar a luta alheia, geralmente só quer ser do contra e ficar em paz com o seu comodismo.

Anônimo disse...

De quem é a responsabilidade real sobre criança faminta (que não sob n/guarda) e animal abandonado?

Alessandra Andrade disse...

Eu sempre ouvi uma frase que é engraçada: "uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa".

Uma coisa são meus animais de estimação, minha vida e o que eu faço com a minha vida.

OUtra coisa são o que as outras pessoas fazem com a vida delas, os filhos que as outras pessoas fazem.

Eu prefiro um bicho do que uma criança. Eu sou como a Lola, não quero, não tive e não vou ter filhos. E quem os faz, que cuidem deles. Não sou eu a mãe, avó dessas crianças. Coitadinho, jogado na rua, e então, vou pegá-los e carregar para dentro de minha casa. E quem fez essas crianças farão outras e outras e outras.

Negativo.

Cuido eu dos meus animais de estimação que me dão muito carinho e amor, a quem eu dou muito amor e carinho. Eu compro ração importada, gasto muito com banho e tosa, mas não dou um único centavo para essas pessoas desgarradas pelas ruas.

O problema de ajudar uma pessoa na rua é que hoje aparece uma e você dá alguma coisa. Amanhão vai aparecer duas, se você der alguma coisa, depois virão quatro, cinco, cem, mil atrás de ganhar alguma coisa.

De graça, até injeção na testa, diz o antigo ditado. Você ajuda essas pessoas que não se ajudam para que elas te atrapalhem. Eu sou vegana por amor a todos os terráqueos, de todas as espécies, mas não sou otária para alimentar a mão que mata.

Eu não tenho vergonha e nunca tive de sustentar a minha posição. Sou contra caridade, sou contra ajudar crianças de rua, sou contra esses programas de governo que apenas dá coisas sem estimular a pessoa a ser alguma coisa, a produzir alguma coisa.

Anônimo disse...

Eu não critico quem ajuda os animais, mas eu me espanto e muito com as pessoas que se compadece dos animais mas não se compadece do ser humano. Quando aquele vídeo horrível da cadelinha maltratada parou na internet, o meu FB ficou lotado com DEZENAS de mensagens de repúdio e indignação ao fato. Quando ocorreu o caso de Queimadas (seis mulheres que foram estupradas como presente de aniversário!) eu e mais DUAS pessoas nos manifestamos. Querem que eu ache isso normal e me cale porque, ó, pelo menos as pessoas se indignam por alguma coisa e, afinal de contas, elas têm o direito de escolher suas causas? Desculpa, mas não. Isso daí me parece alienação: nos dizem que o que acontece às pessoas é culpa delas (os animais são inocentes, eles sim precisam ser protegidos) e é muito conveniente, porque daí deixamos de lutar por direitos básicos como o da inviolabilidade do corpo (afinal de contas, se você foi estuprado a culpa foi sua). Lutem pelo animais, mas se percebam. Façam a si mesmo a pergunta: me dói MAIS ver um animal sofrendo que um ser humano?

Anônimo disse...

pessoas que se compadecem - my bad.

Anônimo disse...

http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2012/03/15/suicidio-de-jovem-forcada-a-casar-com-seu-estuprador-causa-protestos.htm

Olha o Marrocos mostrando que se preocupa com as mulheres...

Eu queria que desse lado de cá as meninas, em vez de pensarem, 'nossa, moro num país ótimo!', percebessem - 'isso também acontece aqui'. Pra quem acha que não, google em "Machismo mata".

Lord Anderson disse...

Anonimo 14:05

Muita gente se manifestou contra a brutalidade ocorrida em queimados, aqui no blog da Lola inclusive.

Não vi ninguem dizer que era menos cruel ou menos importante do que a violencia contra o cachorro.

Como o proprio post diz, não é preciso escolher entre um e outro.

Erika Sarti disse...

Todos os defensores dos direitos animais defendem a castração dos bichinhos como um ato humanitário.

Por que não também defender a castração humana como um pré requisito para os projetos sociais? Por exemplo, para se beneficiar do Bolsa Família ou do Minha Casa Minha Vida o casal deveria ser castrado. Vasectomia no homem, ligadura na mulher. Simples, sem consequências.

Nas escolas públicas deveria haver uma aula especial sobre as doenças genéticas e o potencial de repassar aos descendentes. Fibrose, fibrodisplasia, síndromes diversas, anemias hereditárias, displasia, fenilcetonúria, ataxia, atresia, miopatia, são tantas doenças hereditárias.

Nessas aulas as crianças teriam a oportundidade de fazer um exame de DNA para verificar o risco de ter filhos problemáticos e se o risco for elevado, teria o DIREITO de ser castrado.

Alguém vai falar que eu sou eugenista? Hein...? Então me responda. Que culpa tem a criança que nascerá defeituosa que você estudou sociologia e nào biologia? Você acha bacana nascer com defeito? Doente o resto da vida porque alguém é contra a eugenia e a favor da disgenia.

Pensa nisso queridas.

Temos que deixar de lado essa porcaria de ética médica criada por vendedores de remédios e essa ética religiosa criada por bispos e padres enrustidos sexuais. Como vendedores de remédios podem dizer o que é bom para nós, como esses enrustidos podem dizer o que é bom para a família se sequer tem uma?

Eu disse...

Passei por uma situação horrível de ter que me desfazer do meu cachorro e não achar ninguém prá ficar com ele. No fim, uma senhora que foi salva por um cachorro me indicou uma chácara perto de casa, onde deixei-o, afinal, mas ele não resistiu. Prá nunca mais.

De vez em quando esta senhora me pede um saco de ração pros outros cachorros que ela cuida e eu dou. Mas é só.

Graças a deus, minha rua está livre de cachorros abandonados. Antigamente era uma boa matilha sustentada por alguns vizinhos.
Em compensação, tem gato toda vida. Mas eles não incomodam e estão sob controle.

Eu disse...

Os animais têm mais prerrogativas do que os humanos. Inclusive o sacrificio prá evitar o sofrimento.

Não precisa de pré-requisito. Temos uma lei de planejamento familiar que não é cumprida.
(esterilização depois dos 25 e/ou com 2 filhos vivos, tudo DENTRO DA LEI).

Amor & Miados disse...

sou professora e ajudo animais de rua. Além da problematica discutida de "pq não ajudar crianças de rua" também fui vitima de comentários do tipo "vá arrumar um homem pra vc, em vez de ficar se preocupando com esses bichos" e, "deve ter muito dinheiro sobrando mesmo".

parece que a opção de ajudar animais ocorre de nossa impossibilidade de usar tempo e recursos em causas mais importantes aos olhos dos outros.

outra coisa muito corriqueira é que os mesmos que te criticam pq vc ajuda bichos abandonados são as primeiras pessoas que irão te cobrar uma posição quanto ao animal que está em frente a casa dessas pessoas, passando fome, doente. elas sentem pena, não podem ajudar, mas você que "trabalha com isso", que já sustenta dezenas com o dinheiro do proprio bolso, ah, sim, você pode! e quando nos recusamos, diante de nossas limitações, mais criticas aparecem.

nunca cedi a chantagem emocionais de ninguem. dizer que vai colocar a mãe prenhe na rua ou os filhotinhos dentro de uma caixa apenas atesta a sua falta de humanidade e carater. e eu não passo a mão na cabeça de gente assim.

castração de animais é uma das ações mais importantes para reverter o número de bichos abandonados e é onde concentro minhas ações. tenho um projeto aqui em São Luís/MA, chamado Felinos Urbanos, onde capturo, esterilizo e devolvo gatos ferais ( selvagens ) a seus locais de origem e também ajudo pessoas carentes a castrarem seus animais.

protetores de animais não são melhores, mais ricos ou com mais tempo disponivel do que qualquer outra pessoa, apenas nos importamos. meu gato nasceu nas ruas, foi apedrejado, que tipo de pessoa eu seria se a dor que ele sentiu não me revoltasse?

além disso, nós que nos preocupamos com estes animais de rua, estamos diretamente evitando inumeros casos de zoonoses para você, que nos critica.

aprendi que não adianta fazermos o nosso melhor, sempre existirá alguem para falar mal, mas pessoas que só criticam geralmente não fazem nada para melhor a situação dos bichos, crianças ou idosos abandonados.

o que o meu gato passou me incomodou e eu escolhi não permanecer de braços cruzados.

Erika Sarti disse...

Eu

Então explica para a Lola porque ela é obrigada a ter dois filhos para conquistar o direito de fazer uma laqueadura. Só isso. Explica ai.

Explica também para quem tem doença genética porque ela tem que ter dois filhos com defeito genético para consquitar o direito de fazer uma laqueadura / vasectomia.

Brilhante essa lei. Acho que foi editada por algum padre enrustido junto com um médico vendedor de remédio.

Relicário disse...

Amei o post...lindo demais

Alessandra Andrade...

Essa sua lógica sobre crianças pobres, pra mim não faz o menor sentido...

Não se importar com a fome delas, ou as possibilidades nagadas a esses seres é de uma insensibilidade absurda.


Teu descaso também condena...

Vc alimenta a mão que mata sim quando não faz nada, quando afirma com tanta naturalidade que não é sua responsabilidade.

Pois bem, essa é a atitude que a "mão que mata" espera de vc, que vc se cale, pois "status quo" é culpa de todos, inclusive sua.

E pra terminar, muito do preconceito contra gente que diz amar os animais acontece em virtude de posições como a sua.

Angélica

Juli disse...

Post lindo. Só digo isso

Eu disse...

Então explica para a Lola porque ela é obrigada a ter dois filhos para conquistar o direito de fazer uma laqueadura. Só isso. Explica ai.*

Não é. Ela e o marido já têm idade suficiente prá serem esterilizados sem filhos mesmo. A lei é clara: 25 anos OU 2 filhos vivos.

Explica também para quem tem doença genética porque ela tem que ter dois filhos com defeito genético para consquitar o direito de fazer uma laqueadura / vasectomia.*

Não tem explicação. Mas os defeitos genéticos não incidem sobre toda a prole, a não ser que ambos sejam recessivos para a doença, o que é raro.

Brilhante essa lei. Acho que foi editada por algum padre enrustido junto com um médico vendedor de remédio.*

Longe de ser brilhante, mesmo assim, não é cumprida. Uma mulher simples que eu conheço, esposa de porteiro de edifício, no segundo casamento, já com dois filhos (um de relacionamento anterior) engravidou com o intuito de ser esterilizada na hora do parto, mas o SUS já disse que não vai ligar as trompas dela e nem fazer cesárea.

Bruno S disse...

Eu diria que colocar no mesmo saco o direito À esterlização e o incentivo para que os mais pobres sejam esterilizados é de uma canalhice ímpar.

Alessandra Andrade disse...

Angélica Relicário

“O grau de civilização de uma sociedade pode ser medido pela forma como trata seus animais” (Mahatma Gandhi)

“Chegará o dia em que os homens conhecerão o íntimo dos animais e, neste dia, um crime contra um animal será considerado um crime contra a humanidade”. (Leonardo da Vinci)

Pensa assim comigo. Uma cadela tem 10 cachorrinhos, 5 são fêmeas. Essas terão 50 filhotinhos. 25 são fêmeas. Essas terão 250 filhotinhos, 125 são fêmeas. Essas terão 1.250 filhotinhos.

Parece fácil. Aplique essa regra aos seres humanos. Se você ajuda um morador de rua, ele avisa os outros que ali tem ajuda. Onde antes havia um morador de rua, haverá 10 moradores no dia seguinte.

O imigrante recebe ajuda da prefeitura, ele telefona para a família dele e diz que está tudo bem porque a prefeitura deu de tudo para ele. E a família conta para a cidade toda. Na semana seguinte tem um ônibus com 40 pessoas vindo para a sua cidade.

Nos séculos passados, acho que até lá por 1300, talvez 1600, as guerras tinha uma única função. Reduzir o excesso de pessoas quando havia crises na produção de alimentos.

Machado de Assis disse a frase genial que poucas pessoas entendem: Ao vencedor as batatas.

É isso. Se eu for apoiar alguma projeto, será projetos educacionais para que as pessoas permaneçam onde nasceram e se virem por lá. Que aprendem a controlar os instintos para não fazer filhos que não poderá criar.

Dar comida, jamais. Prefiro pagar os seguranças armados do meu condomínio.

Eu disse...

Parece fácil. Aplique essa regra aos seres humanos. Se você ajuda um morador de rua, ele avisa os outros que ali tem ajuda. Onde antes havia um morador de rua, haverá 10 moradores no dia seguinte.*

E ainda por cima, o morador de rua NÃO é morador de rua...mesma coisa essas instituições de caridade que vivem telefonando prá pedir ajuda. NÃO CAIAM NESSA. Querem ajudar alguém? ajudem quem os servem, seus empregados, no máximo gente que você conhece. Dê tudo o que lhe sobra prá essas pessoas. Ajude diretamente, não deem dinheiro prá instituições.

Dri Caldeira disse...

Eu presto socorro, ajudo, protejo aos animais pq simplesmente eles são muito mais valorosos do que vários seres humanos que conheço. Poucas são as pessoas relevantes do meu conhecimento que merecem deferência, apreço e preocupação por minha parte. As pessoas q me criticam por pensar assim são de um absoluto desperdício de humanidade suas existências. Sob um estofo de inteligentes, engajadas, politizadas, não passam de ególotras, egôcentricos, asquerosos e inúteis, pq criticam a quem ajuda QUALQUER COISA, mas não levantam a bunda da cadeira para fazer nada para si nem para os outros. São os famosos ativistas do curtir do facebook, ser engajado pra eles é isso, curtir qq coisa q apareça no facebook. VTNC!!Ah, e sou seguidamente chamada de "mal comida" e "desocupada", que se eu tivesse filhos, não teria tempo para isso. Não tive filhos pq não quis, não sou perfeita e acho injusto fazer um ser-humano crescer à minha imagem e semelhança. E não tenho paciência com crianças, me queimem na fogueira por isso. Me deem 300 cachorros pra tomar conta, mas me deixem 15 min com um bb de 2 meses e enlouqueço.

Anônimo disse...

Segue o número e o artigo da lei, assim fica mais fácil entender.


LEI Nº 9.263, DE 12 DE JANEIRO DE 1996

Art. 10. Somente é permitida a esterilização voluntária nas seguintes situações: (Artigo vetado e mantido pelo Congresso Nacional - Mensagem nº 928, de 19.8.1997)

I - em homens e mulheres com capacidade civil plena e maiores de vinte e cinco anos de idade ou, pelo menos, com dois filhos vivos, desde que observado o prazo mínimo de sessenta dias entre a manifestação da vontade e o ato cirúrgico, período no qual será propiciado à pessoa interessada acesso a serviço de regulação da fecundidade, incluindo aconselhamento por equipe multidisciplinar, visando desencorajar a esterilização precoce;

II - risco à vida ou à saúde da mulher ou do futuro concepto, testemunhado em relatório escrito e assinado por dois médicos.

§ 1º É condição para que se realize a esterilização o registro de expressa manifestação da vontade em documento escrito e firmado, após a informação a respeito dos riscos da cirurgia, possíveis efeitos colaterais, dificuldades de sua reversão e opções de contracepção reversíveis existentes.

§ 2º É vedada a esterilização cirúrgica em mulher durante os períodos de parto ou aborto, exceto nos casos de comprovada necessidade, por cesarianas sucessivas anteriores.

§ 3º Não será considerada a manifestação de vontade, na forma do § 1º, expressa durante ocorrência de alterações na capacidade de discernimento por influência de álcool, drogas, estados emocionais alterados ou incapacidade mental temporária ou permanente.

§ 4º A esterilização cirúrgica como método contraceptivo somente será executada através da laqueadura tubária, vasectomia ou de outro método cientificamente aceito, sendo vedada através da histerectomia e ooforectomia.

§ 5º Na vigência de sociedade conjugal, a esterilização depende do consentimento expresso de ambos os cônjuges.

§ 6º A esterilização cirúrgica em pessoas absolutamente incapazes somente poderá ocorrer mediante autorização judicial, regulamentada na forma da Lei.

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9263.htm

Dri Caldeira disse...

Só que nem o fato de eu não gostar de crianças, me faz sair por aí maltratando, matando, ignorando todas elas. E nem critico quem ajuda.

Eu disse...

Outra canalhice, Bruno, é termos uma lei anti-aborto e tolerarmos as indexadas abortando bonito enquanto as pobres assistimos se esvaindo.
Hipócrita.

Daní Montper disse...

Já ouvi isso de tudo que é jeito e sempre de gente que não ajuda nada mesmo.

Erika Sarti disse...

Ok, entendi.

Lei 9.263 existe e está em vigor. Quer dizer que essa classe médica vendedora de remédios não aceita fazer os procedimentos porque está faltando um processo judicial na cabeça desses desinformados.

Eu vi em um post anterior, não lembro qual, um monte de comentários de mulheres e homens que foram rejeitados pelos vendedores de remédios, que pediram a esterilização e o pedido foi recusado.

Isso quer dizer que foi um ato ilegal, então nesse caso tem que meter advogado nesses vendedores de remédios para eles aprenderem a respeitar as leis.

E tem que divulgar essa lei, porque eu mesmo nunca ouvi falar disso ai. E olha que eu sou do tipo antenada no movimento e estou sempre me atualizando.

lola aronovich disse...

Erika, vc está falando sério, é troll, ou é simplesmente muito desinformada? Exigir castração de seres humanos é eugenia. Nisso não há comparação entre animais e seres humanos. As associações de defesa dos animais defendem castração porque, sem ela, cães e gatos de rua cresceriam numa velocidade alarmante, e não há ninguém pra cuidar deles, fora os defensores de animais. No caso de humanos, cada um deve ter o direito de decidir se quer ou não ter filhos. E seu discurso de ódio contra pobres está defasado em algumas décadas. A média de filhos por casal no Brasil hoje é de 2,3. Vc ainda tem a ideia de que pobre tem dez filhos. Mesmo se fosse verdade, a sua sugestão de castração seria um absurdo. Mas o pior é que não é verdade. Atualize-se, reveja seus conceitos, aprenda. Seus “ideais” de eugenia já foram reprovados 60 anos atrás.


Alessandra, por favor, não comece um comentário dizendo “Eu sou como a Lola”, e em seguida despejando uma série de preconceitos. Defensores de animais quase sempre são HUMANISTAS. Ou seja, eles não apenas amam animais, mas humanos também. E exigem que direitos humanos sejam igualmente respeitados. Vc tem o direito de não dar esmola na rua e de preferir animais a humanos, mas não pense que esfregando isso na cara das pessoas vc será admirada. Seu comentário está recheado de classismo.


Eu, pra competir com a barbaridade dos comentários acima, vc vai ter que rebolar pra chamar a atenção.

Rafael disse...

Anonimo, a imprensa adora divulgar resultados de pesquisas "ridículas" em tom de chacota. É preciso lembrar que quando de conduz qualquer pesquisa comportamental, pode-se obter qualquer resultado. Podemos estar pesquisando sobre relações entre o cara ser careca e ter, sei la, cancer de pele, e descobrir apos o cruzamento estatístico que quem é careca tem mais unha encravada, por exemplo.
Procure sempre respeitar a ciência. Se não fosse por ela, ainda moraríamos em cavernas e nem saberíamos que mulheres de mamilo escuro traem mais.

Anônimo disse...

"Por que não também defender a castração humana como um pré requisito para os projetos sociais? Por exemplo, para se beneficiar do Bolsa Família ou do Minha Casa Minha Vida o casal deveria ser castrado. Vasectomia no homem, ligadura na mulher. Simples, sem consequências."

Isso é sério gente? Não consigo acreditar que li uma coisa dessas no blog da Lola. Sabe aqueles momentos que você não sabe se ri ou chora! Então para ter direito à moradia digna eu tenho que garantir ao Estado (ou seria à elite) que não vou colocar mais pobres no mundo? Claro, pq daí quando eles crescerem vão precisar de outro Minha Casa Minha Vida, não é? Não. O caminho é igualdade de oportunidades e não tirar o direito de uma pessoa construir uma família ou ter quantos filhos ela quiser. Ou alguém via dizer que a culpa da absurda concentração de renda nesse país é dos pobres que tem muitos filhos? Fala sério!

Dri Caldeira disse...

Uma coisa é certa e generalizada: quem critica protetor de animal não faz nada, mas NADA mesmo pelos outros. Não digo essa bobagem de dar esmola, de preconceito imbecil, digo o de se insurgir contra violência praticada contra mulher, de protestar junto aos órgãos competentes quando existe uma propaganda que denigra determinado grupo social. O inútil programa CQC. Alguém se sente ofendido com as piadas imbecis deles? Não, mas duvido que não conheçam quem se sinta ofendido por isso. Vc reclama? Vc diz q é desnecessário e criminoso? Não, vc se cala e dá risada qdo. seu conhecido ofendido não está por perto.

Anônimo disse...

Rafael

Então mulheres de mamilos escuros traem mais.....!!!!! aaafff........ será que é por isso que os mascus preferem as que tem u C* cor de rosa?

Anônimo disse...

Concentração de rendas tem uma explicação.

O rico tem no máximo dois filhos. Ao longo da vida o rico se esforça para duplicar o seu patrimônio e deixa para cada filho uma herança proporcional aquela que ele recebeu.

Eu aprendi isso com minha família e na minha faculdade. Um cálculo simples.

Você tem dos 30 aos 60 anos para sua atividade produtiva. Até os 30 é para o aprendizado e experiência, depois do 60 não é conveniente fazer planos.

30 anos, 100% do patrimônio. 100/30=3,3% portanto de uma forma grosseira seria necessário ganhar o equivalente a 6% do patrimônio líquido para sustentar a família e dobrar o patrimônio. Veja que 6% é exatamente a taxa da poupança, que é considerado uma taxa de crescimento ideal.

Só que o rico tem acesso a conhecimento, pois são dois filhos nas melhores escolas, e a taxa de crescimento patrimonial fica em média entre 10 a 15% ao ano, o que permite uma vida com superfluos e mesmo assim dobra o patrimônio.

Por outro lado o pobre não tem essa preocupação. Seja aquele que tem 3 filhos ou que tenha 6 filhos, raramente tem menos de 3, geralmente é de 4 a 5. Eles tem a única preocupação da dar "formação" aos filhos, ou seja, entende que tem que estudar para conquistar um bom emprego. Não passa pela cabeça a questão patrimonial.

Simples assim.
;-)

Anônimo disse...

Para alguém que saiba ler, pergunto de novo:

Você se compadece MAIS quando vê um animal na rua largado do que quando vê uma criança?

Lembre-se bem das suas reações nos dois casos...

Se a resposta for 'sim', acho bom parar e rever seus conceitos.

Dri Caldeira, da mesma forma que não gosta das generalizações em relação a você, não generalize. E não subestime as redes sociais, que hoje chamam mais atenção que passeata na Paulista.

Anônimo disse...

"Simples assim" ???

Pelo visto o que você aprendeu bem em casa e nessas melhores escolas aí, foi como defender muito bem seus privilégios e justificar as desigualdades. Tirou 10. Parabéns.
E ainda tem gente que vêm falar de hipocrisia.

Anônimo disse...

Concentração de renda

O número correto é 3,3% ao ano, poupança de 6% ao ano. Ou seja rendimento ANUAL de pelo menos 6% do valor do patrimônio.

O equivalente do pobre seria o seguinte. Ele recebeu de herança uma casa e um carro. E tem 3 filhos. Isso quer dizer que aos 60 anos de idade ele deveria ter 3 casas e 3 carros para deixar de herança aos filhos. Meio tosco e grosseiro, mas é mais ou menos isso.

Anônimo disse...

Desde quando pobre recebe casa e carro de herança? Você vive no Brasil ou dentro do seu carro com ar condicionado e vidro fumê? Estamos do cara que dirige o seu carro, que limpa a sua casa, que trabalha e recebe bem menos do que seria o mínimo aceitável.

Erika Sarti disse...

Lola

Eu entendo que você possa achar um pouco estranho a minha forma de expor as coisas, mas eu sempre fui assim, bem direta e sem rodeios filosóficos. Eu gosto de escrever pouco para explicar forte.

No mundo é possível fazer duas coisas, não existe um caminho do meio. Eugenia ou disgenia. Ou você defende a eugenia, ou você defende a disgenia.

Quem se ausenta e não dá opinião e deixa "a coisa correr" (let it go) está defendendo a disgenia.

É uma questão de escolha, eu fiz a minha escolha filosófica, sou eugenista e defendo abertamente. Gostaria de não ser chamada de troll por ser tão direta em minhas opiniões. Prefiro saber por qual argumento eu deveria aceitar a disgenia.

Daní Montper disse...

Quando fiz 25 anos, fui em alguns ginecologistas para tentar fazer laqueadura, mas nenhum quis, e não vale isso de que tá na lei e obrigar médico a fazer não, porque eles são obrigados a atender em caso de risco de vida, não podem ser omissos se virem alguém morrendo, não tem nada dizendo que são obrigados a esse tipo de procedimento.
Um ginecologista tinha me dito na época que isso era assunto de cirurgião e não de ginecologista, ou seja, que era mais por não terem treinamento do que porque não quererem que não faziam - ele mesmo disse que não queria se arriscar numa cirurgia que não era para salvar vidas, pois não é um procedimento tão simples como acham - ou simples como vasectomia.
Aliás, toda cirurgia tem risco, né? Desisti por isso.

André disse...

Lola,

Acho que você se confundiu. 2,3 filhos por mulher é a média necessária para que a população não diminua. A taxa atual brasileira gira em torno de 1,9.

Quanto ao assunto principal, tem muita gente que usa esses comentários defensivos para justificar sua falta de engajamento em qualquer causa. Mas é um comentário totalmente válido quando se trata de exigir do governo ou de terceiros que faça ou dê dinheiro para que se faça caridade. Nesse caso, se o dinheiro é público, os humanos primeiro.

Rafael disse...

"Prefiro pagar os seguranças armados do meu condomínio"

Como é que você se olha no espelho sem sentir asco?

Anônimo disse...

Eu,

"Hipocrisia por quê? O mesmo direito que o indexado tem de planejar sua vida o pobre tb tem. Mas quem está lhe tirando o direito? O anônimo, você, eu?"

Quem falou que o pobre não tem direito de fazer vasectomia ou laqueadura. Direito é uma coisa, ser obrigado à isso para ter outro direito (de moradia por exemplo) é outra coisa. Todos sabemos da sua dificuldade de interpretação, mas não exagera.

Dri Caldeira disse...

Covardona que me respondeu - vc estar escondida é uma prova de que minha generalização é correta e existe. Saia das trevas, ser do mau, venha discutir comigo na luz q te respondo, do contrário, continue na escuridão que é teu lugar. Vc é uma BURRA, anota aí, pq vc tá fazendo justamente ao contrário do que o post pede: RESPEITO. Defenda vc o que defender, não é errado lutar por aquilo que achamos correto, errado é não fazer nada, como vc está fazendo nesse exato momento, para o mundo real, e viver na internet, ESCONDIDA, SE ACOVARDANDO PARA O MUNDO, só criticando e se fazendo passar por inteligente.

Anônimo disse...

Tá bom Eu, mas leia melhor os comentários antes de responde-los então. A discussão com pessoa que adepta da eugenia não é sobre direito é sobre coação mesmo.

Anônimo disse...

Outros dados da População brasileira

- Crescimento demográfico: 1,17% ao ano (2000 a 2010) **
- Expectativa de vida: 73,5 anos **
- Taxa de natalidade (por mil habitantes): 20,40 *
- Taxa de mortalidade (por mil habitantes): 6,31 *
- Taxa de fecundidade total: 1,86 **

http://www.suapesquisa.com/geografia/populacao_brasileira.htm


Etnias no Brasil

Pardos: 43,1,6%
Brancos: 47,7%
Negros: 7,6%
Indígenas: 0,4%
Amarelos: 1,1%

Fonte: Censo IBGE 2010

http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL771248-5598,00-AUMENTA+A+PROPORCAO+DE+CASAIS+SEM+FILHOS.html

Dri Caldeira disse...

Respeito tudo e todos, mas alguém pode calar a Moema, pelamor de Deus??!!??

Anônimo disse...

E se eu ler melhor o que vai mudar? Eu já entendi que você está discutindo o direito de pessoas pobres fazerem vasectomia ou laqueadura e da dificuldade da prática desse direito. Se eu ler melhor vai mudar o fato de que isso não tem nada a ver com obrigar um pobre a fazer esses procedimentos?
Vai mudar a confusão que você fez nesse comentário:

" Pelo visto o que você aprendeu bem em casa e nessas melhores escolas aí, foi como defender muito bem seus privilégios e justificar as desigualdades. Tirou 10. Parabéns.
E ainda tem gente que vêm falar de hipocrisia.*

Hipocrisia por quê? O mesmo direito que o indexado tem de planejar sua vida o pobre tb tem. Mas quem está lhe tirando o direito? O anônimo, você, eu? "

Anônimo disse...

Socorro Lola.

Anônimo disse...

Daní Montper

Se a sua ginecologista disse que você deveria ter procurado um cirurgião então o erro foi seu de não ter procurado um cirurgião.

Visitando um médico cirurgião ele(a) diria todos os riscos e benefícios da laqueadura, pelo que sei a laqueadura é feito sem corte de pele, os micro instrumentos são inseridos pela vagina e se faz os micro cortes de dentro para fora, sem sangramento.

Eu sei que o avô de um namorado fez uma cirurgia de próstata que eles enfiaram um braço robótico por um micro furo e fizeram a cirurgia, quando acabou o avô dele levantou da cama e foi embora, sem nenhum ponto ou corte na barriga.

Niemi Hyyrynen disse...

Eu

Faz uma laqueadura na sua lingua, pq ta foda viu.

Vc vomita tanto preconceito que não tá escrito no Gibi.

Anônimo disse...

Laqueadura é feito por videolaparoscopia. Dois cortes de 2 cm na pele. Por um é inserido a câmera e iluminação, pelo outro os instrumentos cirurgicos.

Vídeo:
https://www.youtube.com/watch?v=i0zYzcEDOYI

https://www.youtube.com/watch?v=hAXL1sjSby0

A decisão de realizar a cirurgia deve ser tomada com ponderação e cautela, visto que a mulher está sujeita a danos psicológicos e muitas chegam a se arrepender de tê-la feito. Segundo alguns dados, cerca de 60% das pacientes que querem fazer reversão é porque mudaram de parceiro, os outros motivos principais são a perda dos filhos ou mudança nas condições financeiras.

A laqueadura é reversível em aproximadamente 80% dos casos, atingindo quase 100% quando feita por anéis.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Laqueadura

Anônimo disse...

Eu disse: "Casam ou amigam e querem filho do companheiro."

Acho que na verdade você queria dizer que querem ter um filho para prender o campanheiro. Uma vez uma amiga parou de tomar anticoncepcional quando arrumou um novo companheiro e depois de 3 meses estava desesperada porque não engravidava e veio me pedir conselhos. DETALHE: o companheiro dela não sabia, ele achava que estava seguro.

Anônimo disse...

É isso que dá discutir com gente doida.

Bruno S disse...

Eu me divirto com o pessoal que chega aqui cagando regras e querendo dar lição nos demais, mas fica escondido comentando como anônimo.

Anônimo disse...

2,3 filhos por casal? Quem acredita nisso? Sou professora primária numa escola municipal aqui em Itabuna BA e a média de filhos na minha área de trabalho é de 5 por mãe.
Se procurar mais um pouquinho,em outras cidades interioranas no meu estado verá que mais o bairro é de baixa renda e mais aumenta o número de filhos, e estou falando de 8 a 10 por mãe.
Adoro o seu blog Lola, já discuti vários dos seus posts com meus alunos mas acho que você vive num mundo irreal onde pobre e mulher são bonzinhos e oprimidos e ricos e brancos são malvados.
Que conste, eu sou mulata e ativista contra o racismo.
Cristina

André disse...

Eu,
A classe alta é muito pequena para interferir na taxa média. E, a menos que a classe média esteja fazendo filhos negativos (não confundir com emo), a classe baixa não está vivendo na Idade Média. Infelizmente, porque não vai ter ninguém pra trocar nossas fraldas no futuro.

Daní Montper disse...

Médico não é obrigado a fazer o procedimento e ginecologista não é cirurgião e eu não busquei um cirurgião para dar continuidade porque eu desisti do assunto, então não sei se cirurgiões se recusariam - mais alguma coisa a elucidar?

André disse...

Cristina,
Esses são casos pontuais. Mesmo assim, quanto pior o meio em que vivem essas crianças mais investimento a sociedade (na forma do governo municipal, estadual e federal) deveria fazer nelas.

Anônimo disse...

Professora Cristina

A taxa de fecundidade é diferente de acordo com a região do Brasil.

Na região Norte e Nordeste a taxa de fecundidade é muito alta, enquanto a Sul, Sudeste e Centro-Oeste está próximo da média nacional.

Como tem muito mais gente nas regiões Sul e Sudeste, mais de 60% da população do país, a média nacional é baixa.

Para ver detalhes por estado, acesso o site do IBGE:

http://www.ibge.gov.br/ibgeteen/pesquisas/fecundidade.html

Anônimo disse...

Bruno S pode ser seu nome (e início de sobrenome ou de segundo nome) ou codinome...

Não há dúvida de uma coisa: todo mundo que posta como anônimo (ou com codinome) aqui é alguém que tem seus motivos para não se identificar.

É simples: se a Lola não quiser anônimos no blog, é só ela não permitir comentários dos tais. Pronto.

Vera disse...

Eu admiro quem ajuda animais ou pratica ativamente qualquer outra atividade como esta. No entanto, o que tem me incomodado ultimamente é o quanto os animais tem sido valorizados mais que os seres humanos por muitas pessoas. ~Certamente eu acho que os animais merecem respeito, cuidados e ajuda. No entanto, o que eu tenho visto são muitas pessoas que se doam para animais, cuidam, participam de ações voltadas para animais, no entanto, não tem o mínimo respeito por outro ser humano. Como a autora do texto bem posto: é mais fácil lidar com os animais. Muitos animais não pedem nada em troca, sempre estão lá, disposto a te dar carinho. NO entanto, o relacionamento entre seres humanos é muito mais complexo: precisa haver troca. E, neste mundo cada vez mais individualista, pessoas que não estão dispostas a trocar certamente se dão melhores com animais.

Luciana disse...

Fiori, você é um exemplo maravilhoso de ser humano. Meus aplausos pelo lindo trabalho.

Me dá muita raiva quando alguém que não luta por nada, critica outro que faz muito por qualquer ser vivo. Esses indivíduos que só sabem reclamar, não valem nem o que o gato enterra na areia.

Adorei o texto do Francisco José Papi! Muito verdadeiro e um “tapa na cara” dos comodistas.

Dani Cavalheiro disse...

Acho que muita gente não percebeu que a questão não é quem está certo (e se tem alguém certo) ou errado.
Acho que a questão aqui é: quer ajudar animais? Ótimo. Quer ajudar gente? Ótimo. Quer fazer os dois? Melhor ainda.
Mas se vc não quer fazer nem um, nem o outro, não se meta na ajuda alheia.

Anônimo disse...

O ser humano é o câncer do planeta, a única espécie que se acha acima da natureza.Mas em breve a ordem natural das coisas vai bota-lo de volta no seu lugar.

sex pistol disse...

Vera,
Excelente comment.No meu ponto de vista, acho que você foi no cerne da questão. Não somente o individualismo, mais a aversão ao ser humano.Abraço

André disse...

http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/projecao_da_populacao/2008/piramide/piramide.shtm

Victor disse...

É mto fácil dar abrigo a bichinhos fofos como cães e gatos. Nunca vi nenhum defensor dos animais levar para casa uma ratazana moribunda. Todos nós somos especistas mas há aqueles que não admitem.

Anônimo disse...

General, deixe de ser sem noção
Eu não sou esquerdista e só não ajudo mais os animais, que n tem culpa de nada, pq não posso.

Anônimo disse...

@Eu
' Basta legalizar a posse de armas pro cidadão honesto.

Renato, nada disso. Faroeste foi lá nos EUA e que continue por lá. Cidadão honesto paga imposto prá ter segurança.'

Na Suíça todo mundo anda armado e não é nenhum faroeste.
E a segurança do governo é um serviço porco e mal feito, como tudo que o governo faz.

Dani Cavalheiro disse...

General da Real

A única resposta que posso te dar é essa aqui:

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA ad infinitum
Só rindo mesmo, viu...

André disse...

Eu,
A menos que a classe média fosse muito maior que a classe baixa (o que não é verdade) e tivesse uma taxa de fecundidade muito menor que a média (o que também não é verdade) os números da classe média seriam muito diferentes. A menos que você considere 3 muito diferente de 2.
Mas o que importa nesse tipo de fenômeno é a dinâmica, veja o link que eu coloquei acima. Se alguma coisa deve nos preocupar não é a quantidade de filhos que os pobres estão tendo.

Joana disse...

Erika, discutindo Eugenia só pela questão biológica, dá pra ver que é uma grande burrice. Espécie (de qualquer coisa, planta inclusive) só consegue ficar no mundo se tiver muitos indivíduos de carga genética bem variada. Algumas doenças acabam trazendo vantagem pra população, porque impedem infecções por patógenos mais perigosos que a doença em si. As mudanças na natureza são imprevisíveis, e portanto não dá pra ter um "objetivo eugênico" com garantia de sucesso. O melhor pra espécie humana é variedade e intercruzamento. Cachorros de raça são bem mais suscetíveis a doenças que vira latas. Não tem desculpa biológica nenhuma pra eugenia.

Anônimo disse...

'tivesse uma taxa de fecundidade muito menor que a média (o que também não é verdade) os números da classe média seriam muito diferentes'

traduzindo, seis é igual a meia dúzia

Dani Cavalheiro disse...

General da Real, eu não vou brincar com seu nome como você brincou com o meu porque, olha só que coisa legal, você não tem um!

Baixou o Capitão Óbvio em você, foi? Mas nem todo mundo tem CEP, os moradores de rua não tem, não é mesmo, querido?
Mas já que isso foi uma tentativa de ameaça, vamos lá: eu te desafio a descobrir o meu CEP. Se você pedir com jeitinho te dou até uma vantagem e te digo o estado onde moro, viu?
Beijos!

Anônimo disse...

Ó, parem de briga aí que eu to mandando.

Dani Cavalheiro disse...

General da Real

Novamente, a única resposta que posso te dar é essa aqui:

HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHA ad infinitum
Sobre minha vida sexual, te desafio novamente: descubra algo e poste aqui. Mas com provas, tá, fofo? Daí vamos ver se existe algo realmente podre relacionado a sexo, ou se os podres são os machistas, mascus e toda a gangue.

Se não tiver nada concreto pra falar, me esquece. Cansei de brincar com você! =)
Beijos, querido!
Se

Anônimo disse...

E qual o problema de gostar mais de animais?Eu me compadeço sim,mais com animais do que com gente.Animais são puros,não são que nem vários seres humanos doentes por ai.Se eles tão na rua,é pq alguém os abandonou.E outra,animal NUNCA morde a mão de quem o ajuda.São seres gratos,vide o video do leão que reencontra o casal gay que os criou.Vc nunca veria um ser humano ter uma atitude daquelas.Eu gosto mais de animais do que pessoas,e se isso é um crime,sinto muito

Eu disse...

Joana, esses comentários foram postados no Daily Mail no ano passado. Se quiser, eu traduzo. Olha como é interessante essa malformação (má-formação?)
o lábio leporino. Me diz, se puder, prá que serve essa anomalia, em termos de sobrevivência da espécie, por favor.

Bjs


What's this 'vanity abortion' nonsense regarding cleft lip/palate? There seems to be a common thought here that a cleft is simply a slightly deformed lip which can be easily corrected through surgery. There are different levels of severity, just as there are with other things mentioned here such as Downs. A cleft can result in a malformation of ears, eyes, nose, facial structure, teeth & can severely hinder speech, breathing & eating & has strong links with ear diseases which cause total hearing loss. Psychosocial issues are so common with people with a cleft, that a large amount of time & money has been poured into its research & management. A cleft can be present because a foetus has an overlying cromosone disorder which has other symptoms such as joint pain, eyesight problems, high risk of aneurisms, kidney problems, intestinal problems & genital malformation amonst others. Stop judging those who abort due to a cleft! In fact, dont judge women at all, its none of your business!

- mimimi, uk, 4/7/2011 14:20
Click to rate Rating 738


I have a friend who was born with a cleft palate. The first 6 years of their life was pretty much confined to a hospital bed, having surgery after surgery. This pretty much continued to a greater or lesser degree into his teens. He did not have normal schooling as he missed so much, was relentlessly bullied and suffered pain and anguish from an early age. He has had hours of therapy to overcome sever insecurity and self-esteem issues, not to mention anger. He has attempted suicide on numerous occasions. Right to choose, people.

- Deb, Bournemouth, UK, 4/7/2011 14:03

Read more: http:

Read more: http://www.dailymail.co.uk/health/article-2011092/Aborted-cleft-palate-Thousands-pregnancies-aborted-abnormalities-including-500-Downs.html#ixzz1pDcoQntN

Dri Caldeira disse...

Anônima Beócia - não gosto de criança pq a maioria quando crescre fica igual a vc, não fica igual a Lola. E não tô comprando briga, eu brigo por quem não pode brigar. E quer saber, tô dando muita atenção pra uma covarde. Os trolls eu até entendo, mas uma mulher covarde e boçal não. Vai lá pra face, curtir aquelas fotos idiotas de uma paisagem bonita, com um casal bonito e uma legenda assim AMAR É NUNCA TER QUE PEDIR PERDÃO. Ora faça-me o favor, seja mulher, garota, pq mimimi é para os pobres de espírito. E onde vc quis conversar? Vc é bobinha, menininha, né? Por isso não gostei de vc, vc é criança.

Anônimo disse...

@Eu
Vou fazer uns cinco ou seis e mandar a conta pra tu, ok?
Reclame não, é a democracia.

Anônimo disse...

Nooooossa... Agora sim, esse Cap. superou todos os outros bonobos masculinistas...

"De forma alguma isso foi uma tentativa de ameaça, prove sua esquerdista de merda."

hahahahahahahahahahahahahahahaahahahahahahahahahahahahahah É, a moça vai se preocupar MUITO em provar pra você.

Sério, isso pra mim é dano cerebral.

Anônimo disse...

Muito bom. Já trabalhei em ONG de animais e ONG de LGBTs. Penso exatamente como está escrito no post. Essa ignorância faz parte do controle social para que o sistema não mude. E o consumismo, como citado no texto, é o carro chefe dessa falta de pensamento crítico, ausência de preocupação com as questões políticas e sociais. Não existe cidadania no Brasil, uma herança linda de uma ditadura e governos que não priorizam a educação. Mas a ECONOMIA precisa ir bem, mesmo que seja p/ 1% da população ser beneficiada. Muito bem. Ragusa

Vera disse...

Não é crime nenhum gostar mais de animais do que de pessoas. É "apenas" uma atitude desumana, não solidária com os semelhantes, individualista e hipócrita, já que geralmente as pessoas que dizem preferir os animais não abrem mão dos benefícios que os seres humanos produzem (como a internet, por exemplo).
Sem contar que boa parte de nossas qualidades humanas (como ética, compaixão, solidariedade, etc) e de tabu morais (como o incesto) também são criações humanas, já que os animais não tem nada disso.
O que a gente precisa ser é mais humano e menos animal e não o contrário (O mundo já está cheio de "animais").
Assim, ressaltar os animais significa diminuir as qualidades HUMANAS, que é o que mais falta hoje em dia.
Bjs!

lola aronovich disse...

Nossa! Alguns comentários aqui deram nojo. Deletei vários. E é de chorar que algumas pessoas, para sustentar seus pré-conceitos, inventem que estatísticas são mentirosas. Todo estudioso sabe, e o Censo confirma, que a média de filhos dos brasileiros só tem caído, e que hoje em dia é baixa. Tanto que em mais alguns anos não seremos mais a quinta maior população do mundo (e isso não é necessariamente bom, até porque estamos envelhecendo como nação). Mas só porque o pessoal ouviu desde criancinha que pobres têm 10 filhos, continua acreditando no que sempre ouviu. Ignorância pura. E não me interessa se vc conhece um casal que tenha dez filhos. Já ouviu falar em MÉDIA? ESTATÍSTICA? Esses detalhes mais importantes que a sua reles experiência?


EU (Moema), desculpe, te subestimei. Mesmo que as atrocidades que vc diz não sejam piores que as da Alessandra/Erika (que devem ser mascus sanctos com disfarçados, porque a ideologia é a mesma), vc tenta vencer pelo cansaço, deixando dezenas de comentários. Deletei quase todos. Faça o favor de desistir de comentar neste blog. De agora em diante, todos os seus comentários serão deletados SEM LER. Como eu faço com vários outros trolls.

Joana disse...

EU, acho que você deve ter fingido que não entendeu o que eu disse.
Eu disse algumas doenças. Quer exemplo? Anemia falciforme protege da malária.
Isso não quer dizer que eu seja a favor de deixar ninguém doente! Nem de pesquisar sobre cura de doenças!
Eu só disse que variedade genética numa população é que é garantia de sobrevivência.

Dri Caldeira disse...

Moema (EU), Alessandra, Erika e a Anônima com quem perdi meu tempo: vcs são a prova viva que não perco meu tempo socorrendo animais. E, as pessoas que pregam a eugenia (como as 3 acima) são as mesmas que mandaram o Lula se tratar pelo Suds, as que acham que bem feito morrer soterrado no morro, quem mandou morar lá, pediu pra morrer ou que mulher que usa roupa curta e provocante, pede pra ser estuprada. Me economizem, pq tô custando caro.

lola aronovich disse...

Tenho uma revelação a fazer: este ótimo guest post da Fiori me foi enviado por ela em outubro, por email. Mas, como tem uma fila grande de guest posts esperando por publicação, demorou pacas. O post da Fiori era uma resposta ao Marcelo Tas que, em outubro, disse isso que todo defensor de animais já ouviu (“por que não cuidar das crianças?”). Como o tempo já tinha passado, e como muito mais gente além do Tas diz essa besteira, decidi adaptar o guest post para torná-lo mais abrangente, sem citar o Tas (fiz isso ontem à noite). Aí hoje uma leitora me avisa que, no último programa do CQC, na segunda, eles fizeram uma piada com comer churrasquinho de gato preto. Pelo jeito as reclamações dos defensores de animais foram muitas, o que levou Tas a twitar: “Gostar de bicho é fácil. Difícil é ter tolerância, generosidade e, sobretudo, bom-humor para conviver com seres humanos”. Quer dizer, independente da semana e do mês que eu escolher pra publicar o guest post, o CQC estará falando as besteiras de sempre.

Isadora M. disse...

A R R A S O U !!!

´Gente, que escândalo esse texto!!!

lucidez, precisão e sabedoria que só uma pessoa que faz acontecer poderia ter!!!

Dri Caldeira disse...

Uma coisa q estou perguntando insistentemente ao Tas é já que o CQC é um programa feito por cidadãos honrados, conscientes de seus deveres e que agem com correição e humanidade, pq não tem um negro na equipe?

Joana disse...

EU, a universidade de Harvard tem um site bem legal, com informações sobre ciência acessíveis até pra quem não é cientista.
http://sickle.bwh.harvard.edu/malaria_sickle.html
A doença, como mencionei, é apenas pra dizer que quando muda um ambiente, uma característica que parecia desvantajosa, vira vantajosa.
E num contexto mais amplo, isso é uma das muitas razões por que eugenia não faz o menor sentido.
Eu dei um exemplo de uma doença humana, porque acho que é mais fácil pras pessoas se identificarem.
Mas casos assim se repetem em diversas esferas.

Dri Caldeira disse...

Moema - vc é idiota assim mesmo ou faz de propósito? Se todos ofendem vc, só vc tá certa e nós todos estamos errados? Ô meu pai, e tem tanta gente melhorzinha do q essa coisa morrendo no mundo...

Cris disse...

Um dos melhores post que já vi. Eu, sinceramente, nem presto mais atenção nestas pessoas que só apontam o dedo. Se, por acaso, até fazem alguma coisa, tudo muito bom, tudo muito bem, mas querer governar a vida dos outros, escolher as nossas lutas é não ter vida própria. Nos deixem em paz e vão se ocupar do que acham direito e justo. E isso vale para tudo: vão se ocupar da sua sexualidade em vez da minha, vão se preocupar com a sua família em vez da minha, vão gerenciar o seu trabalho em vez do meu e assim por diante...

Dri Caldeira disse...

Não sei se vcs ficaram sabendo, mas o Rio Grande do Norte e outros estados do NE vão exportar 300 mil jegues para a China, para servirem de comida e experimento para a indústria cosmética. Isso é o fim do mundo. Nem vou discutir as implicações morais e éticas que acarretam ao governo Dilma, pq vou levar muito tempo. Peço que assinem o abaixo-assinado online q fiz, para evitarmos essa carnificina desnecessária: http://www.peticaopublica.com.br/PeticaoVer.aspx?pi=P2012N21806

Cora disse...

nossa, cada comentário q deu até medo!

nem ia dizer nada, mas acho q vale uma ressalva. Mamíferos sociais demonstram compaixão, lealdade, solidariedade e empatia, especialmente primatas e mais especialmente ainda, os grandes primatas não humanos (chimpanzés e bonobos, as espécies mais aparentadas conosco). Da mesma forma tb demonstram egoísmo, perversidade, dissimulação e agressividade. Herdamos de nossos ancestrais biológicos sentimentos “bons” e “ruins”. Nossa tendência é creditar à nossa natureza animal apenas os sentimentos “ruins” e creditar à cultura humana o desenvolvimento de tds os sentimentos “bons”. Nada mais falso e arrogante. Tanto o egoísmo qto a solidariedade fazem parte de nossa herança animal.

Anônimo disse...

ótimo texto. cara, se cada um fizer o que consegue fazer, vai ter gente ajudando tanto as criancinhas, os vovôs, os doentes, os cachorrinhos, etc etc etc. se cada um dividir e fizer o que puder, não vai faltar ajuda. mas, não, nego senta a bunda na internet e critica quem faz alguma coisa. qualquer que seja.

nunca pude realmente fazer muito. mas já ajudei um menino carente a ganhar uma bolsa de estudos e depois ele chegou a aparecer na tv por ter sido jovem embaixador da onu (orgulho, ele nunca soube que fui eu), já ajudei um menino cego a estudar alemão pq ele não tinha material em braile, já ajudei em coisas pequenas na rua (gente passando mal, etc), já dei aulas pra gente que precisava estudar pra alguma coisa. e é assim. a gente dá o que tá podendo dar na hora. se todo mundo fizesse o que pode...

Vera disse...

"“Gostar de bicho é fácil. Difícil é ter tolerância, generosidade e, sobretudo, bom-humor para conviver com seres humanos”.

Nossa! Pela primeiríssima vez eu concordo com alguma coisa que o Tas falou.

É isso aí, gostar de bicho é fácil. Mas, mesmo assim, nem todos os bichos, não é? Como alguém aí postou: nunca vi ninguém se compadecendo por uma ratazana.Se compadecer por outro ser humano, se doar a um filho, amar o CONVIVER (com as dores e as delícias de cada um) na atual sociedade que a gente vida, onde impera o individualismo, não poderia ser diferente.
Eu adoro animais (sempre tive cachorros), mas amo ainda mais o ser humano.

Pati Galak disse...

Ótimo post! Passei a tarde refletindo sobre o assunto.

Nunca tivemos animais de estimação em casa,morávamos num apartamento e minha mãe nunca permitiu. A frase que sempre ouvi dela foi: "Se não for pra cuidar direito melhor nem ter bicho". Pensando um pouco agora consigo perceber que para minha mãe ter uma animal era um custo que não podíamos ter. Para ela era um luxo e não estava ao nosso alcance. Meu contato com animais domésticos na infância se resumiu ao vizinho e uma amiga da família onde passei uma parte das minhas férias.

Já meu marido é o oposto. Minha sogra tem três cachorros e três gatos. Ele adora cães, minha cunhada se diz apaixonada por animais.

Há um tempo atrás me peguei numa discussão ferrenha com o meu marido quando ele disse ser a favor das rinhas de galo. Eu confesso que achei um absurdo e protestei veemente contra a prática e não entendia como ele "um amante dos animais" poderia concordar com isso.

Gostar de animais (crianças,idosos e etc) não faz de ninguém um humanista. Por isso ouço histórias do tipo: "estava muito sozinho, comprei um cachorro", "comprei ela pq tenho um amigo com um cachorro da mesma raça, vou ganhar um bom dinheiro", "vira-lata eu não quero não". Não parece muito diferente da reportagem que eu li sobre os problemas da adoção no país: "Pais procuram meninas, brancas de até 1 ano de idade".

Humanistas, como a lola bem frisou, defendem os direitos e mais que isso entendem o papel de cuidar e zelar por aquilo que é nossa responsabilidade (seja o ser humano, nosso planeta ou nossos animais).

Não sou uma "amante dos animais", na verdade de alguns eu tenho nojo e outros medo,mas entendo que não posso fechar os olhos e fingir que não tenho nada a ver com isso. Não sou uma militante da área,não acho que essa luta é inferior ou menor.

O problema maior é o egoísmo disfarçado em ações.

Patrícia Araújo.

LisAnaHD disse...

Mais uma excelete abordagem, LoLa. Minhas duas cunhadas (americnas) cada qual tem dois cachorros grandes e quando viajam os levam juntos, mesmo viagem de avisão se vão ficar muito tempo ausentes de casa. Uma delas é veterinária e a outra da área de informática. Uma é casada há mais de 15 anos e optou por não ter filhos. A outra é solteira, tb sem filhos. Seus lindos cães são suas crianças. filhos.

Eu não tenho animais porque nunca aprendi a lidar com eles na infância e nem na adolescências... meus pais não queriam animais em casa e sofri muito pelas maldades que presenciei e de que fui vítima pelos meus pais... e hoje sei que quem faz maldade a animais faz até mais com gente, geralmene com pessoas indefesas. Meu marido cresceu com cachorro em casa, mas ele não é apegado a animal e nunca quis ter animal em casa. PORÉM, qdo nosso vizinho resolveu ter um cachorrinho, o cachorrinho vinha pro nosso quintal (não temos cerca separando nossas propriedades a não ser uma fileira de árvores) e fazia coco no nosso quintal... meu marido nunca reclamou e me dizia que era porque o cachorrinho ainda era infantil e isso é assim mesmo... limpava a merda do cãozinho e tudo bem.

Sobre as crianças da África que passam fome, a realidade de lá nunca vai mudar por mais dinheiro que outras partes do mundo enviem para erradicar a fome naquela parte do mundo. Bilhões e bilhões foram enviados, sendo que algumas arrecadações ficaram famosas, como qdo de uma com a participação de Michael Jackson e anos depois com Bono... e eu poderia ir além com outros exemplos ou ezemplios em italiano... rs...

LoLa, na minha casa não matamos insetos a torto e a direito não... qdo aranhas (inofensivas) estão tecendo suas teias, a gente deixa até a aranha terminar seu trabalho, botar seus ovinhos, e ir embora... isso pode ser teia de aranha em qq cômodo da casa... geralmente na sala e no porão... acho que esse carinho pelas teias de aranha é influência de Charlotte's Web (A Teia da Charlotte), famoso livro infantil entre crianças e adultos americanos.

Guest Post excelente! besos

LisAnaHD disse...

Émile Zola, escritor americano do século 19, fundador do Naturalismo (estilo literário a seguir ao Realismo), era ateu, era vegetariano, acreditava que nunca haverá paz entre o homens enqto eles não respeitarem os animais.

Bernard Shaw, escritor inglês do século 19, machista, era vegetariano... dizia que não comia defunto.

obs. - Alguém pode me responder, por gentileza, como se escreve?
pós realismo?
pós-realismo?
posrealismo?
posrrealismo?
já não sei as regras do nosso idioma... talvez tenha me esquecido algumas e não aprendido putras, as novas (último Acordo Ortográfico ou como quer que seja o nome que se dá ao assunto).

Anônimo disse...

Nossa, agora depois de dar uma olhadela nos comentários que percebi que o dia está campeão. Quanta estupidez junta. Tem até "ativista" do movimento negro dizendo que a Lola vive no mundo da fantasia onde brancos ricos são maus e pobres negros são ruins. Francamente. Ragusa

Anônimo disse...

Ah e no "irreal" mulher é oprimida tb. Muito bom, parabéns. Ragusa

Anônimo disse...

Corrigindo, pobres e negros oprimidos e não ruins. Fiquei até atordoada com tanta imbecilidade. Ragusa

Sara disse...

O que não me falta é gente tentando me fazer sentir culpada, quando me chamam pra participar de suas ações beneficentes e eu não vou.
Já me falaram que vou para o inferno, para o Umbral pro hades e sei La eu mais o que.
Não sou uma pessoa caridosa, não me vejo participando desse tipo de ação, mas também não meto o meu bedelho em quem adora fazer isso, nunca vou criticar seja La o que for que a pessoa se sinta bem em fazer, mas pelamordaentidadequelhesejacara não encham meu saco pedindo minha cooperação.
Eu até ajudo algumas entidades, mas pra ser bem sincera é só com o objetivo de ter uma desculpa para dar para todas as outras que vem me pedir apoio ou dinheiro.
Não sei se acontece para todo mundo, mas é bem raro passar um dia, e alguém não me ligar pedindo doações, chega uma hora da no saco, sem contar os amigos, família, que sempre estão envolvidos com alguma causa humanitária e te acha um paria porque vc não ta nem ai.
Com relação aos animais eu gosto muito deles, principalmente dos pássaros, mas acho que se uma pessoa se decide a cuidar de um, deve ter pelo menos muita dedicação, e também procurar dar a ele o mínimo de conforto que a espécie precisa.
Não vou falar aqui tudo o q já fiz pelos meus periquitos, pois corro o risco de ser apedrejada, pois deveria ter gastado com as criançinhas pobres. (eu já sei disso)
Mas adoro meus passarinhos e os crio soltos (para que não falem que sou cruel com eles).
E com relação ao assunto de controle de natalidade, mesmo sabendo que é um tema polemico sou plenamente a favor.

Dri Caldeira disse...

LisaAnaHD - graças à Deus, Émile Zola é francês.

LisAnaHD disse...

pq seu agradecimento por E. Zola ser francês? vc teve a intenção de enviar algum recado nas entrelinhas? é que não entendi seu ponto de vista...

Anônimo disse...

Lola, você censurou meu comentário? Sério? Talvez porque ele mostre que não dá pra julgar todos os pensamentos de uma pessoa e nem seu caráter e nem sua vida por UM comentário?

Anônima Beócia

ps: há de convir, tirando um 'tola' (quase elogio se comparado aos demais vitupérios do site) nada havia de censurável nele.

Josiane Caetano disse...

"A verdade que quem fala das "crianças famintas" ou que fica inumerando problemas "mais urgentes" como forma de desqualificar a luta alheia, geralmente só quer ser do contra e ficar em paz com o seu comodismo. " Acho que este comentário do Lord Anderson já traduziu toda a mensagem do texto.Deste excelente texto, aliás!
Há uma coisa que não consigo entender de forma alguma em blogs quando se trata de comentários: a presença dos anônimos. Se a pessoa já usa o anonimato, já dá pra desconfiar que o comentário que se seguirá não será nada "amigável".
Não vejo problema na discordância, mas não consigo entender a necessidade da grosseria e ridicularização de tudo.Pra quê isto? Por que não usar a própria " cara" para expor suas ideias? de forma civilizada, no mínimo?
Mistério...

Anônimo disse...

Gente, desculpa, mas o difícil pra mim engolir é engolir como algumas pessoas falaram antes, as pessoas que se preocupam mais com os animais que com crianças. Particularmente, não gosto de animais -- podem dizer que sou isso, aquilo ou aquilo outro -- não acho que eles devem ser abandonados, maltratados ou torturados. Mas quando eu vejo uma mobilização popular tão grande por um caso de um animal maltratado (como o cachorro que a mulher matou), e coisas tão piores acontecem com crianças, e ninguém faz nada, me da ÓDIO, ÓDIO mesmo. Desculpa, mas se as crianças crescem pra serem ladras, assassinas isso ou aquilo, é porque em algum lugar da infância elas não foram protegidas, cuidadas, amadas.

Pra mim, criança SEMPRE vai ser mais importante que animal, e, acredite ou não, eu faço alguma coisa em relação a isso.

LisAnaHD disse...

Carol NLG disse... 15 de março de 2012 12:52

Carol, as pessoas de mente curta querem igualar a sociedade por baixo e por quê? Porque são pessoas que vivem na pequenez da própria mente.

Algo similar é a ingratidão da qual muitas vezes somos alvos após termos ajudado a alguém. Essa pessoa que recebeu nossa ajuda passa a se sentir ou já se sente por si mesma inferior a nós por precisar de ajuda e sermos nós quem a ajudamos. Passado o sufoco em que a pessoa vivia, ela trata de cuspir no prato em que comeu.

Cinthia Souza disse...

Oi Lola, mt interessante seu post e queria pedir sua opinião sobre esse caso: após a aula a professora de Ioga da minha mãe trouxe uma lista para suas alunas assinarem contra o mal tratos para com os animais, e em especial o caso de que nas periferias da nossa cidade as pessoas fazem uso de cavalos e burros para tirar seu sustento e ela, a professora alegou que os animais eram mal tratados.

Não sei se há situação semelhante na sua cidade, mas as pessoas daqui que fazem uso desses tipos de animais são pobres, manter o animal com a aparência de um cavalo de corrida sai caro, o animal tem, guardando as devidas proporções, suas necessidades atendidas na mesma proporção da família que baseia seu sustento com o uso do animal.

E quando uma das alunas se recusou a assinar a professora fez um mini-escândalo, intimidando todas a assinarem também.

Poxa, eu acho que ela (a professora) esqueceu de olhar para o ser humano que estava ali também, sofrendo tanto quanto seu animal. Não era visível o suficiente que aquela família estava presa aquele estado? Estavam angariando assinaturas para que os animais fossem tomados da posse de quem os estava "mal tratando". Porém o problema é muito mais global!

Ou talvez eu esteja errada e não passe de mais uma das pessoas das que não ajuda, como seu post descreve... O que me deixa super triste a partir do momento que ele generaliza que quem usa uma frase dessas seja uma pessoa insensível ao sofrimento alheio.

'Tô terminando meu curso e durante praticamente 100% dele faço parte de uma ONG voltada para direitos humanos e paz, fazemos projetos contínuos de prevenção contra a violência com crianças, projetos que trabalham a auto estima e saúde de idosos, saúde da mulher, discutimos com estudantes do mundo todo o nosso papel e como podemos ajudar, e quando eu me viro para uma pessoa e digo isso a ela é porque é muito difícil e doloroso me convencer que não há humanidade e compaixão por parte dela para com um semelhante nosso, mas por um animal ela é capaz de se mover.

Mas lendo seu post sinceramente acho que devo me calar, cada um se doa para quem quiser e se não quiser, é escolha da própria pessoa.

Michelle Rocha disse...

Eu adoro ajudar os animais e NAO FAÇO questao de ajudar pessoas e criancinhas de rua.
Engula quem quiser. Caguei pra quem nao gostou!!
Boto meu nome, assino embaixo se quiser mando até o CPF.
Diferente dos que vem aqui criticar animais.
Tudo anonimo!!!

MICHELLE ROCHA DA SILVA
@mitcha

LisAnaHD disse...

Rafael disse... 15 de março de 2012 13:11

". . . adoro seus posts, mas por favor, muda esse layout, a cor de fundo e o texto colocado em uma coluna que ocupa menos de 1/3 da tela atrapalham bastante."

cCncordo 100% com vc, Rafael, e raramente leio um post na sua íntegra... e ... qdo o faço, o faço às s prestações, pelo motivo que vc aponta... mas como já houve quem comentasse o mesmo e a LoLa não mudou o lay-out e eu gosto do blog e gosto da LoLa, marco presença diária... é, seria legal se ela fizesse a mudança sugerida... sei lá, ela mesma poderia pedir a opinião do eleitorado... mas, o blog é dela, né?

LisAnaHD disse...

Anônimo disse... 15 de março de 2012 14:10
http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/bbc/2012/03/15/suicidio-de-jovem-forcada-a-casar-com-seu-estuprador-causa-protestos.htm
Olha o Marrocos mostrando que se preocupa com as mulheres... Eu queria que desse lado de cá as meninas, em vez de pensarem, 'nossa, moro num país ótimo!', percebessem - 'isso também acontece aqui'. Pra quem acha que não, google em "Machismo mata".

=======
Minha cunhada, de pai italiano e mãe frnacesa, foi nascida e cirada em Paris e lá viveu até os filhos estarem crescidos qdo se mudou pra Marrocos há sei lá qtos anos e lá ela tem uma galeria de arte e está satisfeita com a vida. Considerando que ela tem tb cidadania italiana e brasileira (ou se não pode ter as três cancelou a italiana), minha cunhada fala vários idiomas, viajou por várias partes do mundo e escolheu o Marrocos para estabelecer sua galeria de arte.. poderia ter escolhido o Brasil, país que conhece muito bem e tem excelentes relacionamentos.

LisAnaHD disse...

Que aprendem a controlar os instintos para não fazer filhos que não poderá criar. às 14:38

=======

Estudar e desenvolver-se intelectualmente são maneiras da pessoa aprender a controlar o instinto... seu comentário é além de radical, é extremamente radical e se sua ideia fosse posta em prática seria uma lástima para a sociedade sob tal jugo.

lola aronovich disse...

Rafael, LisAnaHD, pois é, outras pessoas já sugeriram mudar o layout. Mas não sei, gosto do meu blog como ele é. Estou super acostumada com ele. E também, precisaria encontrar um outro layout. Vou pedir pro maridão analisar isso, porque ando totalmente sem tempo.


Cinthia, acho que a professora da sua mãe agiu mal ao brigar com uma aluna que não quis assinar o manifesto. Temos que respeitar quem discorda da gente. Mesmo que seja alguém que não queira assinar um manifesto contra maus tratos... Agora, é diferente não querer assinar um manifesto de cometer maus tratos contra animais. Nesse segundo caso não se trata de “respeitar quem discorda”. Aí é denúncia mesmo.

lola aronovich disse...

Anônimo, entendo sua colocação sobre estranhar que maus tratos a animais causem repercussão maior que maus tratos a pessoas. Aquele caso da mulher espancando até à morte um yorkshire – bom, eu me recusei a ver o vídeo, não tuitei, não escrevi uma linha no blog, porque vou dizer o quê? O óbvio? Que aquilo é chocante, que é barbárie, que a mulher deve ser punida? Mas também não é exatamente verdade que animais recebem mais atenção que crianças. Se fosse verdade, não teríamos tantos animais domésticos abandonados nas ruas. Os defensores de animais não teriam tantas histórias de horror de tortura contra animais pra contar. Outro dia saiu uma pesquisa que o tempo médio de vida de um cachorro domiciliado no Brasil é de 3 anos. TRÊS ANOS! E isso de um cão que tem casa. Imagine só os cães de rua. Isso é número de país que liga pros animais?


Desculpe, (outro) anônimo, mas anônimo não tem muito direito de reclamar se seu comentário é deletado, não. Use um nome pra assinar, não é tão difícil. E sim, vc chamou uma leitora de tola. Pode ser pouco, mas é totalmente desnecessário. Não aceito mais insultos contra leitor@s nem contra a mim. Acho que é plenamente possível discordar sem ofender. Insultos, só contra trolls – e mesmo assim com moderação, porque sugiro que trolls sejam ignorados.

Vera disse...

Anônimo disse:

"Gente, desculpa, mas o difícil pra mim engolir é engolir como algumas pessoas falaram antes, as pessoas que se preocupam mais com os animais que com crianças. Particularmente, não gosto de animais -- podem dizer que sou isso, aquilo ou aquilo outro -- não acho que eles devem ser abandonados, maltratados ou torturados. Mas quando eu vejo uma mobilização popular tão grande por um caso de um animal maltratado (como o cachorro que a mulher matou), e coisas tão piores acontecem com crianças, e ninguém faz nada, me da ÓDIO, ÓDIO mesmo. Desculpa, mas se as crianças crescem pra serem ladras, assassinas isso ou aquilo, é porque em algum lugar da infância elas não foram protegidas, cuidadas, amadas. "

Pois é! Eu fiquei absolutamente chocada com o vídeo do cachooro maltratado. (Nem consegui vê-lo inteiro. Um absurdo aquilo!)
Mas, na mesma época, postei a foto de uma criança espancada e apenas duas pessoas se manifestaram.

O que a gente vê é isso mesmo: pessoas cagando pra isso (Como a Michelle Rocha assumiu).

Mas os "defensores dos animais" são tão legais, tão solidários, tão humanos, né?

Acho que vou ter que concordar com eles: o bicho homem é um tremendo de um F.D.P.

vanessa vasconcelos disse...

lola, é a primeira vez que comento,adoro seu blogue ,vc é um ser humano maravilhoso,e assim como vc não tenho a mínima vontade de ser mãe, e sempre sou vista como um et por isso,algumas pessoas são horríveis,por isso adoro os animais,e quem diz que os animais são inferiores as pessoas, só me fazem ficar mais irritada com a humanidade,que está uma desgraça. abraços..........

Glória P. disse...

Vera, desculpe, mas você fala como se houvesse apenas dois tipos de pessoas no mundo, e cai no mesmo discurso do post das pessoas que acham que, para ajudar uma espécie, a outra é excluída. Eu acho um fenômeno muito interessante a revolta das pessoas diante de um video EXPLÍCITO de um cachorro sendo espancado até morrer. Isto quer dizer que, numa democracia que está amadurecendo, há espaço para se pensar em novos temas, sem excluir os problemas antigos, mas com maturidade para pensar em coisas como o direito dos animais, por exemplo. Isto é sofisticação da consciência crítica. Um tema crítico não exclui a existência e urgência do outro, mas num mundo plural como o nosso, com o acesso à informação que temos, há gente que se interessa por A ou por B, ou por todas as letras. Que bom que evoluímos como nação e hoje podemos fazer uma manifestação bonita como a que ocorreu em janeiro, pela punição mais severa aos criminosos que maltratam animais. Isto exclui outros tipos de luta? Não vejo porque e nem como.
E outra coisa: as imagens em si chocam muita gente. Vejo muitas notícias de espancamentos de cachorro que ninguém comenta. Por outro lado, eu nunca vi o vídeo de uma criança sendo espancada daquela forma até morrer. A Justiça brasileira não permite, a TV censura, lembra? Por que é chocante demais espancar uma criança - mas espancar um cachorro é OK? Aparentemente, um espancador de cachorros sequer fica preso. Você acha que as pessoas que se chocaram com as imagens do cachorro ficariam indiferentes às imagens de uma criança? Eu acho que não.

Alex disse...

Este post me lembrou um e-mail que mandei para meus amigos quando terminei de ler "Gatos Sortudos", das criadoras da ONG Adote um Gatinho (publicado em duas partes. Esta é a parte 1. Enviei o e-mail no dia 03.01.12):

Hoje finalizei Gatos Sortudos, de Juliana Bussab e Susan Yamamoto, fundadoras da ONG paulista Adote Um Gatinho (AUG).

A ONG já resgatou e doou mais de 4 mil bichanos, além de ter promovido a castração de um grande número de animais em São Paulo, entre gatos e cachorros, embora o maior número tenha sido de gatos, obviamente (especialidade da casa).

O livro me fez ficar mais humilde. Eu achava que era uma das pessoas que mais gostam de gatos no planeta Terra. Apesar de eles serem os animais que mais profundamente tocam meu coração, meu sentimento por eles até hoje não me mobilizou a fazer pelos felinos o que fazem as fundadoras da AUG.

Cheguei à conclusão de que não sou superlativo em nada. Há sempre alguém que gosta mais de tudo aquilo de que eu mais gosto.

Eu pensava que amo livros. Mas, quando li O Bibliófilo Aprendiz, de Rubens Borba de Moraes, vi que não gosto tando assim deles.

Ele conhecia tudo sobre livros, principalmente na metalinguagem (ele conhecia a história dos livros não sei se como ninguém, mas certamente como poucos).

Não sou um bibliófilo. Também não sou um gateiro. Minha ação, ou a exiguidade dela, não me permite me colocar no mesmo patamar de uma Juliana Bussab, de uma Susan Yamamoto, e de um Rubens Borba de Moraes, que formou uma das maiores brasilianas do país, a qual deixou em testamento à USP (se não me engana a memória).

Gostei de Gatos Sortudos. Acho muito bonito o trabalho da Adote Um Gatinho.

Na capa do livro, que mandei anexa, está o Ozzy. Ozzy nasceu num condomínio de São Paulo onde morava sua mãe.

Como a gata não era castrada, tinha ninhada atrás de ninhada, e as crianças usavam os filhotinhos como se fossem brinquedos (brincadeiras mortíferas para muitos dos gatos bebês, evidentemente).

Ozzy foi resgatado da lata do lixo, depois de muito busca (a mãe dele foi resgatada também). As crianças brincaram com ele e, como estivesse imóvel, julgaram-no morto e o jogaram fora como se fosse lixo.

Não estava morto, porém. Ficou molinho e imóvel por causa de uma lesão na coluna e no sistema nervoso. Os filhotes de gatos são muito frágeis. O cerebelo de Ozzy acabou sofrendo sérias lesões nas mãos das crianças do condomínio em que ele nasceu.

Ele recebeu esse nome por causa de suas dificuldades de locomoção, como se estivesse alcoolizado ou drogado, e por seu jeito louquinho.

Graças à dedicação de uma das fundadoras da AUG ele sobreviveu e hoje é um gato de família (mora na casa dela). Cresceu e vive muito bem, mesmo não sendo um gato normal (termo de muito difícil delineação...).

A renda das vendas de Gatos Sortudos será revertida em favor da AUG.

Que tal comprar um exemplar, mesmo que você não goste de gatos? Gatos Sortudos não é só apenas para quem gosta de gatos, mas também para todos aqueles que acreditam que o amor pode motivar pessoas a trabalhar pela melhoria do mundo, atuando em causas de interesse coletivo.

Alex disse...

Parte 2:

Sim, há muitas crianças, adultos e velhos precisando de ajuda. Mas há também muitos animais sofrendo em São Paulo e em todos os lugares e recantos do Brasil, inclusive os pequenos felinos.

A Adote Um Gatinho é fruto do amor que suas fundadoras e colaboradoras sentem pelos gatos.

O importante é amar o suficiente para se motivar à ação. Parabéns a quem ama a humanidade o suficiente para trabalhar em favor de pessoas necessitadas.

Mas parabéns, também, a quem ama os animais a ponto de trabalhar em favor deles.

Parabéns a todos que trabalham em favor da edificação do bem na Terra, não importa fazendo o quê e em qual lugar.

O importante é a ação, pois somente a ação edifica e modifica o mundo, principalmente quando motivada pelo amor.

A AUG é uma da sementeiras do bem aqui na Terra.

Vamos fazer o pouquinho que está ao nosso alcance, comprando um exemplar de Gatos Sortudos?

É bem melhor do que reclamar do caos e das atrocidades que acontecem no mundo, sem fazer absolutamente nada para melhorar a realidade, que é reflexo do que nós somos, fazemos ou deixamos de fazer.

Para finalizar, vou lembrar a estória que as autoras contam no final de Gatos Sortudos.

Numa tarde, um escritor andava por uma praia e viu um jovem levando estrelas do mar de volta às águas, para que elas não perecessem ressequidas sob o Sol.

Achando sem sentido o que o rapaz estava fazendo, devido à grande quantidade de estrelas de mar sobre as areias, e à imensa extensão do literal, por onde elas se espalhavam, o escritor perguntou-lhe por que ele continuava naquela ação, já que seria impossível a ele, sozinho, salvar todas aquelas estrelas.

O jovem então respondeu: "Posso não salvar todas, mas, para esta aqui que estou salvando, eu fiz toda a diferença".

O escritor voltou pra sua casa pensativo. No dia seguinte, juntou-se ao rapaz no resgate de estrelas.

Gatos Sortudos pode ser comprado em várias livrarias, inclusive na Saraiva:

http://www.livrariasaraiva.com.br/produto/3701493/gatos-sortudos-historias-emocionantes-de-bichanos-resgatados/

Abraço em todos.

A.

Ps: repassem este e-mail. Talvez isso seja o mínimo ao seu alcance, a sua boa ação do dia.

LisAnaHD disse...

Li vários comentários bons que vão de informativos a educativos, mas acabam se perdendo em meio ao bate-boca característico de umas comadres.

Erika, o posicionamento da LoLa foi claro: ela não te chamou de troll... ela perguntou: "você é troll? você fala sério?" etc. e isso acontece. Qdo me foi perguntado aqui se sou troll e, pior ainda, fui apontada categoricamente por algumas sem noção como sendo troll, apenas respondi que não sou troll e mantive minha postura.

(não me lmebro da LoLa se referir a mim como troll, mas me lembro claramente de algumas pesssoinhas o fazerem)

LoLa, e nada de vc receber a VF AINDA? será que tá hora da gente reclamar? a assinatura foi feita ainda antes do final de dez/2011. besitos.

LisAnaHD disse...

dei um vistaço e li que há um livro "Gato Sortudos" e estou interessadíssima em adquirir... onde está à venda e qto custa?

colaborem na resposta, moro nos EUA e precisarei de alguém daí pra comprar o livro, assim toda informação ao pé da letra vai me ajudar e tb ajudar a quem vou presentear com o livro (uma menina de 10 anos que estou apadrinhando no Brasil). grata.

LisAnaHD disse...

mais ainda...
se puderem, escrevam aqui na página de comentários deste post alguns títulos e nome do autor (qdo o assunto se tratar de animais) cujos livros posso presentar para crianças.

Dani Cavalheiro disse...

Lolíssima, você não me respondeu se posso ou não posso usar seu texto, então vou assumir que vc deixou, ok?
Beijos

Anônimo disse...

onde a gente tira atestado de troll?

Vera disse...

Glória,
Eu acho muito legal ter pessoas que lutem por animais e concordo totalmente que lutar por um não deve, necessariamente, excluir a luta pelo outro. E que cada um luta pelo que quiser.
DE forma alguma eu desmereço quem tenha uma atitude positiva com animais ou seres humanos.
No entanto, o que eu tenho visto é uma supervalorização dos animais em detrimento com uma desumanização das pessoas.
Ou seja, muitas pessoas (não todas) atuam em defesa dos animais, no entanto, não tem qualquer olhar mais amoroso com outro ser humano.

Vou dar 3 exemplos de pessoas próximas que tem atuação participativa em defesa de direitos dos animais.

Uma delas explorou o que pode a empregada (com 3 filhos pequenos), mandou embora e não pagou nenhum direito. Mas não pode ver um cachorrinho abandonado na rua, que o pega pra criar.

A outra, também hiper defensora dos animais, nunca deu a mínima para os filhos, sendo que um deles, viciado em drogas, pediu ajuda a ela para se tratar, mas ela prefere gastar todo o seu dinheiro ajudando os animais.

A outra, que também não consegue ver um gatinhoca na rua e já pega pra criar, xinga a vizinha de tudo que é nome, por que a vizinha "implica" com uma das gatas. Ocorre que a tal vizinha é mãe solteira, trabalha o dia inteiro e chega em casa super cansada e encontra a garagem toda cagada.

Certa vez eu vi um programa (acho que era o Globo Repórter) em que uma mulher se comoveu com um cavalo. No entanto, esse cavalo era o sustento de um coitado de um homem, que mal tinha o que se vestir e o que comer.

Muitas pessoas não dão a mínima para crianças, idosos, pessoas na rua,no meio do lixo, pedindo esmola. Mas não podem ver um animalzinho abandonado.

O que me incomoda não é a valorização dos animais. O que me incomoda é a desvalorização do ser humano. E esse é um fenômeno crescente.

Bjs!

LisAnaHD disse...

desculpa lá, minha gente...
a info que pedi o Alex já havia postado, valeu !!!

Gatos Sortudos
Juliana Bussab e Susan Yamamoto
ONG paulista Adote Um Gatinho (AUG).

(O Bibliófilo Aprendiz
Rubens Borba de Moraes)

vou printar o comentário do Alex e ler mais tarde, longe do computador (printar é anglicismo para imprimir...)

Anônimo disse...

Eu tenho nojo de quem vende animais, os colocam p cruzar e vendem seus filhotes.
NOJO!

Eu também tenho NOJO de quem tem uma porrada de filhos e despreza os próprios, não os educa e os transforma em sociopatas!

Essas criaturas destroem o mundo em que vivemos. Essas criaturas deveriam ser ESTÉREIS, assim como suas mentes e corações áridos.

Jacy disse...

Como diz meu irmão que é Vegan: Porque cuidamos de uns e comemos outros? Não encontrei a resposta ainda...

lola aronovich disse...

Dani Cavalheiro, desculpe não te responder. Sim, pode usar o meu texto!


LisAnaHD, nada da Vanity Fair ainda. Mas é assim mesmo, demora. Depois que chega o primeiro número, as outras vem tranquilo. Obrigada pela assinatura e pela preocupação!


Anônimo, atestado de troll pra anônimo é meio difícil. Não tem nem graça. Ninguém sabe quem vc é, não é "identificável".

Fabiola disse...

Para os que comentaram sobre carroças cavalos:
Nem tanto no céu , nem tanto na terra. Carroceiro não é todo essa coitadismo não.
Primeiro que eles forçam o animal a trabalhar 12 horas (e pode ser mais até), sem água, no sol e sem alimentação adequada, colocam fêmeas prenhas para puxar carroça, quase sempre carregam materiais muito acima do peso que o animal consegue.
Não colocam ferraduras adequadas, muitas vezes usando pneus/borrachas que causam lesões e deformidades nas patas dos animais.
Furam um dos olhos do cavalo para que ele não assuste com o constante passar dos carros nas vias.

E quando o animal está definhando, o abandonam pois não querem pagar/ou não tem condição de pagar um veterinário para o animal. Mas tem dinheiro para comprar um novo cavalo e recomeçar toda a tortura.

existem carroceiros bons, mas é minoria. Mesmo assim é uma prática que deveria acabar, e a Colômbia já mostrou ser possível: http://www.anda.jor.br/13/05/2010/mais-uma-cidade-da-colombia-troca-carrocas-por-veiculos-mecanicos

Roberto P. disse...

oEu penso assim: gato, cachorro, galinha, vaca, cabra, carneiro, isso tudo é comida. Se tem muito cachorro vagando pelas ruas qual o problema em fazer comida com eles? Se tem muito gato qual o problema em fazer comida com eles?

Tanta gente passando fome e tanta comida vagando pelas ruas.

Nós pagamos para pessoas organizarem verdadeiros genocídios de vacas, bois, galinhas, porcos só para facilitar a nossa vida, de comprar os cadáveres já devidamente processados.

Por que não poderíamos pagar para uma equipe recolher os animais nas ruas das cidades, engordá-los e converte-los em comida para os necessitados?

Saskia disse...

Sou vegetariana e sou super à favor dos respeitos dos animais, mas surgiu uma espécie de militantes virtuais chatíssimos que parecem entender que animais são só cachorros e gatos. Não estendem suas supostas convicções políticas ao que comem, ao que vestem, ou a testes com animais na indústria farmacêutica e de cosméticos, a iminência de extinção de animais ou tantas outras violações... Parece coisa de gente que não consegue se sensibilizar com a dor do outro e só enxerga a dor dos animais domesticados... Sei que o foco não foi exatamente esse, mas achei que devia fazer essa pontuação.

Anônimo disse...

Anônimo, atestado de troll pra anônimo é meio difícil. Não tem nem graça. Ninguém sabe quem vc é, não é "identificável".

não identificável significa não molestável? P

LisAnaHD disse...

Saskia, concordo 100% com você e sua explicação está tão clara e óbvia que nem tenho mais a acrescentar... apenas concordar e pronto.

Em tempo... nem é preciso ser vegetariana para compreender a importância de proteger aos animais. São Francisco de Assis, santo da Igreja Católica, deixou um maravihoso exemplo de como devemos tratar aos animais.

LisAnaHD disse...

Roberto P.
Você pode comer a carne dos animais que você quiser e as leis de seu país permitirem, apenas considere que ao sacrificá-los o faça com misericórdia, sem judiá-los.

LisAnaHD disse...

Fabíola, esses carroceiros aos quais voc%e se refere, eles transitam na zona urbana? Se sim, então é preciso verificar as leis municipais ou leis afins, denunciar tais corroceiros à prefeitura esperando-se que se faça cumprir a lei.

LisAnaHD disse...

OFF Topic, mas sem badernar os comentários.

sábado, 10 de março de 2012
americana não pode usar o inglês
http://marcioschusterschitz.blogspot.com/

ironia... o prefeito e os vereadores não sabem que foram os americanos que começaram a cidade, ao final da Guerra Civil Americana? e após prosperarem essa região do Brasil, retornaram aos EUA pq a Igreja Católica, abençoada pelo Governo Brasileiro, fazia a vida dos americanos (protestants) um inferno... nem os deixavam enterrar seus mortos no cemitério da cidade.

lola aronovich disse...

Anônimo, se não identificável significa não molestável? Claro que não. É possível molestar trolls anônimos. Mas por que troll (que vem justamente pra molestar) se incomodaria em ser molestado? Não tem graça ser troll anônimo porque vc não tem identidade. Qualquer anônimo pode ser troll. Não dá pra distinguir um troll anônimo de outro.


Sobre comer cachorro e gato, acho, Roberto, que vc deixou esse comentário só pra gerar raiva. Vou publicar um post na terça sobre este assunto. Uma leitora me fez perguntas referentes a consumo de cães e eu respondi.

Anônimo disse...

-----XXX------

Esse vídeo

http://www.youtube.com/watch?v=8bH-doHSY_o

Faz uma ligação muito interessante entre os sentimentos que movimentam os extremistas de ódio com os nossos sentimentos de indiferença em relação a todos os outros animais do planeta.

O vídeo tem 1 hora e 10 minutos, mas eu convido todas a assistir pelo menos os 15 primeiros minutos. Nesses primeiros minutos o palestrante faz o discurso sobre a questão da ética, moral, racismo, sexismo e a relação de tudo isso com a alimentação.

Vale a pena.

O vídeo já tem mais de 110 mil visualizações, nessa versão que é legendada. A versão sem legenda já tem mais de 625 mil visualizações e tem dezenas de vídeos em resposta a palestra.

-----XXX------

Anônimo disse...

Vai me desculpar, o texto é muito bom, a autora excelente criatura, mas não me sinto nem um pouco RESPONSÁVEL pelas mazelas do Universo. Vou ajudar se, quando e como eu quiser, as causas do meu interesse e também não admito nenhum tipo de patrulha ideológica de ninguém, até se decidir não ajudar nada, nunca, por questões de foro íntimo.

Anônimo disse...

Quando e se espécies do reino animal pararem de comer outras espécies eu paro também.

Anônimo disse...

3:35, kkkkkkkk @ excelente criatura

Anônimo disse...

Tem um cara, o Pirulla que respondeu esse vídeo com grande estilo, ele prova que a violência é parte da humanidade, que a violência é algo que faz parte da natureza e de todas as espécies. Que a crueldade é algo que está na essência da natureza. O Pirulla é especialista em Biologia Evolutiva e está sempre comprando briga com os criacionistas.

http://www.youtube.com/watch?v=4wboI-ewLrY

Ele bate pesado e mostra que esse cara bonzinho é pior que os criacionistas kkkkkkk ;-) se vale a pena assistir esse Gary dizendo que o ser humano é bonzinho e caridoso, então tem que assistir também o Pirulla dizendo que somos todos perversos pela genética evolutiva.

Se visualização for medida de qualidade, esse tem apenas 24 mil.

LisAnaHD disse...

Anônimo disse... 16 de março de 2012 03:40
Quando e se espécies do reino animal pararem de comer outras espécies eu paro também.

=======
seu raciocínio carece de revisão, pois mais parece a famosinha "resposta na ponta da língua" popularizada pelo sarcasmo dos diálogos pobres das novelas da Globo e praticado aqui, vez ou outra, por essa meninada da mal crescida.

clareando seu raciocínio, considere que os animais não se matam entre si por crueldade e sim SOMENTE qdo sentem fome e não sentem fome o tempo todo.

o homem? o homem mata pelo prazer eme matar e qdo se trata de matar a fome, para alimentar 100 oferece carne equivalente a alimentar 1.000 pois maior a produção, maior o lucro por vezes desmedido e por aí vão mais outros absurdos.

LisAnaHD disse...

se me parece que aquí casi nadie se entiende y a los que a mí me entienden les oferezco...

Festival de Punto Cubano Tijarafe 2008
http://www.youtube.com/watch?v=Fqpnpu7FLyg&feature=related

Anônimo disse...

'Eu adoro ajudar os animais e NAO FAÇO questao de ajudar pessoas e criancinhas de rua.'

Eu também.Quem achar ruim, foda-se.

Brenda disse...

Esse post foi um dos mais maravilhosos que já li! Parabéns aos que escreveram!

Relicário disse...

Gente pára tudo...

me expliquem uma coisa, como alguém que lê o blog da Lola pode vir aqui e dizer, insinuar que a pensa como ela, pois odeia crianças (ainda não entendi como alguém sinceramente não gosta de crianças, isso com certeza é patológico), e que além disso, deseja que em nosso país as pessoas sejam esterelizadas em massa???

Por favor, eu prefiro crer que isso não seja possível nos dias de hoje.

O pior é ouvir e ler dessas pessoas que isso é pautado em experiências pessoais, gente!!!! A frustração de cada um de nós não torna um fato em uma estatística, pois se vc não teve uma bela infância, ou não ouviu histórias bem sucedidas de pessoas que ajudaram seres semelhantes (humanos), isso não pode ser utilizado como parâmetro generalizado.

Entender que seja mais fácil criar um cão do que uma criança, todos entendemos, porque é óbvio, um cão não tem as complexidades de um ser humano...agora ódio de pobres, de crianças pobres????

Lola é tão estapafurdio isso, as comparações detestáveis que o post cita estão presentes na forma inversa nesses comentários, é realmente odioso, pra mim, que amo crianças e animais.

Confesso que sendo mãe é realmente preocupante que seres humanos desse tipo existam, entre "estes" e o meu cachorro eu também fico com o Toby.

Saskia disse...

Sobre comer carne, entendo que esse não é um requisito para tentar a militância ambiental/ecológica de ninguém. Contudo é estranho que algumas pessoas configuram a algumas espécies um tipo de proteção e a outras não. Não sei até que ponto os animais sofrem e se essa é ou não uma condição humana, mas não deve ser nenhum pouco legal ser separado da mãe ao nascer, não poder mamar (no caso dos mamíferos), ter uma alimentação sem ferro (no caso dos novilhos), viver em um ambiente com luz artificial all the time (galinhas), etc, ter sua vida toda construída em torno de um aparato freak freak freak que visa o extermínio. Parece-me bem bizarro supor comer cães e gatos e admito que é pelo fato de infelizmente voltarmos nosso apreço mais aos animais domésticos e eu, que sou uma inveterada adoradora de coelhos, acho uma bizarrice sem fim comer a carne dessas fofurinhas. Contudo, num âmbito macro, por quê proteger alguns animais e amar outros?

Sara disse...

Me desculpe Relicario, mas gostar de crianças não é uma coisa inata nas mulheres, como se espera, ha algumas que não tem facilidade no trato e muito menos simpatia por crianças, eu sou uma delas, nunca vou me oferecer para cuidar de uma, nem gosto de ser visitada por elas, e não me considero mosntruosa por isso.
Isso não significa que faria mal a qualquer uma delas, muito pelo contrário, o que estiver em meu poder de beneficiar alguma, o farei.
A única causa que abraço é o feminismo, porque acredito piamente que atraves desse movimento, toda a sociedade será beneficiada, incluindo as crianças e os idosos, bem como as questões raciais, ja que nas bases do feminismo a igualdade de direitos é o valor mais perseguido.
Uma das pautas do feminismo é o aborto, ao qual sou favoravel, e que se fosse regulamentado, certamente interferiria na qualidade de vida de muitas crianças.
Tambem sou a favor do controle de natalidade pelo estado, porque penso que não ha justiça em deixar na conciência de cada um o numero de filhos que desejem ter, visto que é notório o numero enorme de crianças abandonadas ou expostas a violencias de toda sorte em nossa sociedade.

Hugo Araújo disse...

Anônimo disse... 16 de março de 2012 03:40
Quando e se espécies do reino animal pararem de comer outras espécies eu paro também.

=======
Não só isso LisAna, mas esse argumento desonesto também deixa de considerar que o ser humano é racional e tem diante de si a ética que o põe a escolher entre torturar/matar um animal ou não. Ou seja, hoje em dia, o ser humano tortura/mata por simples opção, e não por istinto. É fácil assumir "também sou animal, por isso como outros animais", mas difícil assumir "não devo depreciar o ser humano comparando-o a animais".

Relicário disse...

Olha Sara ainda assim considero patológico, vc pode não gostar de uma criança mal educada, de um comportamento de uma criança, mas gereralizar e dizer que não gosta de crianças é bem questionável.

Criança é um ser bem complexo, como eu e vc, e que vc não defini em uma linha, vc pode não gostar de uma, mas não todas, isso é impossível, é como dizer que odeio todos os seres humanos, não amo ninguém...pra mim é patológico sim...


Angélica

Anônimo disse...

Adorei o post, Lola. Sou protetora de animais pois aprendi a importância de todos os seres desde pequena. Qualquer pessoa que tenha um mínimo de cultura e humanidade saberá que os animais não estão nesse mundo para nos servir e muito menos somos a melhor espécie desse planeta. Como diz uma música do Kansas, somos só poeira no vento... Quem pergunta algo tão absurdo como "Pq vc não cuida de crianças?" é SEMPRE (sim, estou generalizando) pessoas que não lutam nem por animais MUITOS MENOS POR PESSOAS. Lembro de um evento pró-animais que houve em minha cidade e um cidadão passou dizendo essa exata frase. O 'orador' respondeu na lata, que uma coisa não era interligada a outra. E que além do mais, ele ajudava. Outra coisa, ajudar uma pessoa ou animal não tem 'hora' nem 'lugar' marcado, ajudar nossos irmãos de espécie (ou não) se pode fazer no dia-a-dia, quando se sai de casa, qnd se passa por alguém, no ônibus, etc. Outra coisa: NÃO IMPORTA o que você ajuda. AJUDE DA MELHOR FORMA. QUEM AJUDA DE _VERDADE_, NÃO QUESTIONA A AJUDA DO OUTRO.
Jade

Anônimo disse...

Pois é, Lola. Seu blog, suas regras, justo. Mas era aquele comentário talvez o necessário para que algumas pessoas entendessem como, pensando que são evoluídas, na real ainda precisam aprender e muito. E você poderia tê-lo editado... Enfim. Seu blog, suas regras. Justo.

Anônima Beócia

ps: você vai comentar sobre o suicídio da menina obrigada a se casar com estuprador no Marrocos?

Nelio Brum disse...

O texto diz tudo, com clareza e pertinência. Nota 10.

Carol M disse...

Relicário, quando alguém diz que não gosta de crianças, está dizendo que não sabe lidar com uma e não está interessado em descobrir como se faz isso.

Tratar com crianças não é como tratar com adultos, e elas podem ser irritantes mesmo sem ser mal educadas. Tem gente (tipo eu e Sara) que não gostam e pronto.

E sinceramente é um saco ter q dizer as coisas socialmente aceitas sobre o rebento alheio qd sua vontade é dizer "dane-se" pros comentários de coisas "fofas" que eles fazem.

Repositório disse...

Esse assunto é polêmico, levanta muitas opiniões e nunca se chega a lugar nenhum. Só digo uma coisa: eu ajudo quem eu quiser, no meu caso os felinos, porque além de amá-los imensamente, eu estarei fazendo algo por eles, o que influirá no todo. E aquele panaca que me pergunta "por que não as crianças com fome?"... vá prourar o que fazer da sua vida ao invés de criticar quem está fazendo alguma coisa.

Laura disse...

passei um bom tempo aqui lendo os comentários, vários deles tão bizarros que nem vale apena comentar.

A única coisa que tenho a dizer, especiamente para a Vera, é que eu amo sim os animais. trato minhas duas gatnhas como minhas filhas. As duas foram adotadas, assim como as da minha mãe, eu as tirei da rua e dei um lar. Contribuo todo mês, da forma que posso, com protetores e ONGS que ajudam animais. Pessoas que fazem um trabalho magnifíco e que eu admiro. Admito, ainda acho que faço pouco e deveria fazer mais. Isso não quer dizer que eu seja uma pessa anti social como você disse. Sou casada, tenho muitos amigos, amo minha família e não tenho problema nenhum em me relacionar com os humanos. Ainda não tenho filhos, mas pretendo tê-los e lhe ensinar o amor e o respeito aos animais, bem como aos outros seres humanos. Apenas creio com todas as minhas forças que os animais são tão importantes quanto os seres humanos. E ajudar seres humanos não é melhor do que ajudar os animais. É a mesma coisa. É ajuda a quem precisa e isso é o que importa. Cada um que escolha sua causa (ou suaS causaS) já que uma não impede a outra. Os animais são a minha causa, o que não significa que eu viro as costas quando uma criança me pede um prato de comida na rua. Não vamos generalizar! Nada que é so preto ou so p branco pode ser certo. Existe, para tudo na vida, um meio termo, um equilíbrio. Não sejamos tão radicais e, acima de tudo, vamos respeitar o proximo e suas escolhas.

LisAnaHD disse...

"E aquele panaca que me pergunta "por que não as crianças com fome?"... vá prourar o que fazer da sua vida ao invés de criticar quem está fazendo alguma coisa."

=======

provavelmente quem faz tal pergunta não teria uma resposta honorável se vc lhe perguntasse qtas crianças carentes estão sob os cuidados dele... pra qtas crianças carentes ele fornece comida e roupa e um teto... a nenhuma criança? sim, a nenhuma.

Daniella disse...

Eu acho RIDÍCULO generalizar e dizer que mulheres que não têm paciência com crianças têm algum problema. É a mesma coisa que dizer que TODAS as mulheres querem ser mães, que já nascem com o instinto materno, etc.
Isso não quer dizer,OBVIAMENTE, que eu serei como aquela MONSTRA da ex-juíza que maltratava a filha adotiva. Isso não quer dizer que eu não ajude crianças carentes, além de ajudar animais, pois eu ajudo, sim, uma instituição que abriga crianças que sofreram violência doméstica; ajudo animais, e ajudo também um lar de idosos. Isso também não quer dizer que eu não possa mudar de ideia e ter filhos quando me sentir preparada.
Acho muito mais válido assumir que não tem preparo financeiro e/ou psicológico para cuidar de uma vida (seja uma criança ou um animal) do que ter um filho e ignorá-lo, maltratá-lo ou abandoná-lo.
Quanto ao tema principal do texto, PARABÉNS. Quem muito fala sobre quem ajuda animais geralmente não ajuda NINGUÉM.

LisAnaHD disse...

eu tenho uma paciência trememnda com crianças... me deixem horas a fio com 15 crianças de 5 anos e sou feliz... mais do que paciência, tenho talento... nem por isso eu pensava em ser mãe, que ser mãe é a realização da mulher, pelo menos não ser mãe de dar à luz... acho a LoLa uma mãezona de tanta gente !!!

Anônimo disse...

Olá Lola. Como vai você? Espero que muito bem? Já ha algum tempo sou leitor do seu blog por intermédio da minha amada esposa que me apresentou o seu maravilhoso trabalho.
Finalmente estou comentando porque esse post me tocou profundamente em vários sentidos. Confesso, com bastante vergonha, que já condenei no passado alguns anúncios de ajuda de animais, mas este post me ajudou a ver a minha ignorância e também perceber que sou uma das pessoas que ajudam. É incrível a facilidade que temos para ajudar. Quantas pessoas ao nosso lado. Quantas instituições que nos pedem tão pouco (como a LDV com 10 reais por mês para crianças). Obrigado.
Ricardo Araújo, Rio de Janeiro

Roberta Amorim disse...

Oi Lola,

Adorei seu guest post... Quem muito fala, pouco faz. As pessoas que realmente querem ajudar, não precisam de aplausos. Fazem e pronto. Só por amor.
Um grande abraço!!!!

Anônimo disse...

Que texto lindo! Obrigada. Eu também me meto em varias causas e tenho que ouvir o famoso " vai se procupar com causa mais importante, menina". Moro na França, e fiz parte do abaixo assinado para fazer cair o uso do "senhora"ou "senhorita" aqui na França, pois é muito descrinativo e homens não tem que justificar se são ou não casados até pra comprar pão na esquina. Resultado, sou um montro, pois me procupo com "senhora" e "senhorita", enquanto tem criancinha morrendo na Africa. PArabéns, de novo, pelo texto.

Links

Unknown disse...

Fiquei em uma situação curiosa com esse post, pois vejo um problema que pode ser extraído da crítia das pessoas "do mal", mesmo que não elas não estejam bem intencionadas e, no fim, tenham criticado apenas pra não se sentirem diminuídas frente às pessoas que tentam ajudar.

O texto que pretendo postar (tradução de outro site) não é uma crítica direta às pessoas que ajudam ou, pelo menos, não uma crítica negativa.

Apesar de, não ter gostado do texto da automa, mais por uma questão de argumentação, preferí não tecer comentários mais específicos, já que, no fim, creil não pensar assim tão diferente.

Preferí esperar um tempinho a mais e ir traduzindo nas horas vagas esse texto que aponta o que vejo de problemático:

https://docs.google.com/document/d/1e1Z4aAWF9yZxgvFTEJGGetMITKN_I4ZNF7s8tmlkpC4

Agradeço, inclusive, por qualquer correção na tradução.

Unknown disse...

Coloquei o link incompleto.

O correto é esse:
https://docs.google.com/document/d/1e1Z4aAWF9yZxgvFTEJGGetMITKN_I4ZNF7s8tmlkpC4/edit

Anônimo disse...

Você acha mesmo que todos que ajudam os animais são como você? No way! A maioria é hipócrita MESMO, infelizmente.

Anônimo disse...

Boa tarde Sra/Srta Lola A.:

Meu nome é Rodrigo e escrevo da capital gaúcha.
Bastante tocante seu texto!
E é isso mesmo...
Aliás - encontrei seu blog pela linda imagem de UMA PATA JUNTO À UMA MÃO HUMANA; pois procurava alguma imagem relacionada à AJUDA para comentar em meu blog. Pois estou passando um problema familiar bastante ruim_e fé/esperança nessas horas ajudam e como.
Pelo tema abordado... Nunca vi tantos comentários!
E textos assim ajudam no combate à essas coisas tão desumanas.
O que já ajudei de entidades que cuidam dos NOSSOS MELHORES AMIGOS (a boa recompensa é a BOA SENSAÇÃO DE GRATIDÃO).
Agora vamos as coisas boas: vi que resides no CE (capital), tenho origens aí no Estado também; como por todo o país - vai ver até tenhamos algum parentesco.
Seria isso. E que vivamos num mundo melhor.

Tudo de bom,
Rodrigo Rosa

http://rodrigo-arte.blogspot.com/

Anônimo disse...

Sobre o que ela disse,existem pessoas que criticam defensores de animais usando os problemas humanos pra fazer chantagem emocional,mas esses mesmos chantagistas não abrem mão dos seus luxos e caprichos pessoais como carrões,viagens,roupas caras...Enquanto a cuidadora de cachorros anda de fusquinha.
É isso que eu sempre digo! Quem critica os defensores de animais, usando problemas humanos,não é alguém realmente preocupado com o ser humano ,mas apenas alguém que não gosta de animais.E nem de seres humanos,pois se gostasse do seu semelhante não o usaria pra fazer chantagem.
O que as pessoas que odeiam os defensores de animais tem feito na vida para ajudar seres humanos.Deixaram de comprar aquele carrão pra ajudar os necessitados?Deixaram de fazer aquela viagem,comprar aquela bolsa cara pra ajudar os necessitados?
Queria saber por que somente quando aparece alguém cuidando de animais é que aparecem,também,os "defensores do ser humano". Ninguém se lembra das crianças famintas da África quando está gastando tempo e dinheiro com seus caprichos pessoais,não é?

Anônimo disse...

Bem, vou escrever exatamente como eu penso. Se meu pensamento é certo ou errado o problema é meu. Falo, assino em baixo e n tenho problema nenhum c isso.
Ajudo animais, adoto, Castro, alimento, levo no veterinário. Gasto quase todo o meu salário c isso! Devido aos gastos excessivos trabalho em 2 lugares. Me sacrifico pelos animais, sofro, choro e chego ficar doente por não poder fazer mais. Amo, tenho compaixão, desde criança sou assim! E não gosto e não ajudo criancinhas, pq n quero!!!! O dinheiro é meu, gasto no que é importante p mim. N ligo de ver crianças nas ruas, e sinceramente n sou obrigada criar filho dos outros. Fico c mais raiva, qd paro em algum lugar e compro um salgado e água p dar p algum cão faminto e de repente para uma mãe c 6 filhos pedindo ajuda... VSF para d procriar criatura!
Não movo uma palha! Quero se dane esse povo inutil q só faz filho.
Isso é oq eu penso!
Ajudo animais, tenho 4 cães e 6 gatos todos resgatados de favelas, magros, doentes, tristes, alguns quase mortos! Mas não dou 1 figo podre p as criancinhas e suas famílias carentes!
NÃO TENHO Q M JUSTIFICAR, USO O MEU DINHEIRO, DO MEU TRABALHO, TIRO D MIM P AJUDAR OS ANIMAIS. Quem tem do d criancinhas é só fazer mesmo q eu faço em relação aos animais...
ODEIO QD OS INDIGNADOS M DIZEM OQ FAZER C O MMMMMEEEEUUUU DINHEIRO!

Anônimo disse...

Exatamente!!! É mais fácil gerenciar o dinheiro dos outros!

Anônimo disse...

Pq então não exportar milhares de favelados e criancinhas piolhentas q logo se tornarão bandidos p servir d alimento na China?
VC É ESCRITO!

Anônimo disse...

CONCORDO C TD Q VC ESCREVEU! FAÇO MINHA AS SUAS PALAVRAS!