sexta-feira, 22 de julho de 2011

GUEST POST: VAMOS SUBSTITUIR HOMEM POR HUMANO OU PESSOA

Nos dois posts anteriores (leia a primeira e segunda parte), Robson Fernando de Souza, do blog Consciência, explicou as origens do termo homem ser usado para representar todos os seres humanos, e apontou os problemas em usar este termo excludente. Nesta terceira e última parte do guest post, Robson sugere soluções para suprimir este vício da linguagem. Afinal, um mundo igualitário não pode acontecer sem uma linguagem igualitária.

A Wikipedia anglófona diz que o verbete homem -– assim como seus cognatos das línguas romances, derivadas do latim -- tem atualmente um “significado genérico residual”. Quem dera fosse assim mesmo. Hoje mesmo mulheres mais que convictas de seus direitos e de sua dignidade insistem nesse que se tornou, segundo muitas delas próprias, um vício de linguagem.
Esquecem, ou desconhecem, que o histórico socioetimológico dessa palavra interdita seu uso genérico. O termo outrora denominador da humanidade acabou corrompido pelos homens do passado, que o usaram como a coroa de um império androcrático absolutista. Ali a supremacia masculina fazia-os ser confundidos com a humanidade inteira, mesmo sendo demograficamente apenas metade dela, e sujeitava as mulheres a uma submissão que não só se comparava à escravidão, mas também as rebaixava a seres sub-humanos, ou pseudo-humanos. Em outras palavras, o vocábulo homem, enquanto termo dotado de dois significados concorrentes e, por que não, conflitantes, serviu como um emblema da exclusão feminina, de tal forma que as alheou do alcance de diversas declarações de direitos.
Portanto, e considerando também os diversos exemplos de frases “absurdas” ("o homem faz aborto") do post anterior, a afirmação de que “homem também significa ser humano de qualquer gênero” é contraditória e falseável, ou no mínimo muito questionável. O termo em seu uso “genérico”, se não exclui, inclui apenas muito parcialmente as mulheres, enquanto abarca com folga os machos -– tanto que eles mesmos se chamam homens.
Daí fica a recomendação enfática: abandonemos o uso da palavra homem como sinônimo de ser humano ou humanidade. Deixemo-na para nos referirmos apenas às pessoas do sexo masculino. Há opções hoje disponíveis para nos referirmos aos seres humanos indistintos de sexo e à espécie humana -– além da opção de inserirmos “…e mulheres” ou “mulheres e…” ao lado de homens.
Exemplos (não é recomendável que se “traduza” a palavra homem/homens de citações alheias em trabalhos científicos –- pode-se, porém, pôr um “[sic]” ao lado. Elas foram postas aqui apenas como uma amostra de como podemos tornar alguns discursos mais igualitários):
- “A exploração do homem pelo homem” = “A exploração do ser humano pelo ser humano”
- “A relação homens-animais” = “A relação humanos-animais” ou “A relação seres humanos-animais”
- “A alma é a essência do homem.” = “A alma é a essência do ser humano.”
- “Paz na terra aos homens de boa vontade” = “Paz na terra aos seres humanos de boa vontade” ou “Paz na terra aos homens e mulheres de boa vontade” ou “Paz na terra às mulheres e homens de boa vontade” ou “Paz na terra às pessoas de boa vontade”
- “Homens de fé” = “Homens e mulheres de fé” ou “Mulheres e homens de fé” ou “Seres humanos de fé” ou “Pessoas de fé”
- “A evolução do homem” = “A evolução da humanidade” ou “A evolução do ser humano” ou “A nossa evolução”
- “De nada valem as ideias sem homens que possam pô-las em prática.” = “De nada valem as ideias sem pessoas que possam pô-las em prática.”
- “As duas coisas infinitas: o Universo e a tolice dos homens.” = “As duas coisas infinitas: o Universo e a tolice das pessoas.” ou “As duas coisas infinitas: o Universo e a tolice dos seres humanos.”
- “A sociedade é a união dos homens, e não os próprios homens.” = “A sociedade é a união dos seres humanos, e não os próprios seres humanos.” ou “A sociedade é a união das pessoas, e não as próprias pessoas.”
- “O homem é um animal racional.” = “O ser humano é um animal racional.”
- “Um homem sem memória é um homem sem passado.” = “Uma pessoa sem memória é uma pessoa sem passado.” ou “Um ser humano sem memória é um ser humano sem passado.”
- “Intermédio entre Deus e os homens” = “Intermédio entre Deus e os seres humanos”
- “Lei dos homens” = “Lei dos humanos” ou “Lei dos seres humanos”
- “Enquanto os homens massacrarem os animais, eles se matarão uns aos outros.” = “Enquanto os seres humanos massacrarem os animais, eles se matarão uns aos outros.”
- "O coração de um homem e o fundo do mar são insondáveis.” = "O coração de uma pessoa e o fundo do mar são insondáveis.”
A diferença pode ser impressionante, e nos mostra que mesmo muitos discursos pró-igualdade e antidominação podem vir carregados de fortes resquícios daquilo próprio que visam combater -– a desigualdade e a exclusão. Mesmo uma única palavra faz grande diferença na nossa ideia acerca do mundo que queremos construir. E esse mundo desejado certamente não é um onde os homens continuem tendo a supremacia social em detrimento das mulheres, seja ela prática ou apenas simbólica. Ao homem não cabe mais o privilégio de ser o centro da humanidade.

17 comentários:

Bruno S disse...

- “As duas coisas infinitas: o Universo e a tolice dos homens.”

Acho que essa pode deixar assim. Fica melhor restringindo aos homens mesmo.

Bruna disse...

Sempre alertei as pessoas sobre o machismo implícito no uso do termo "Homem" para caracterizar a humanidade.

Consegui tirar esse vício de algumas pessoas, mas muitas outras continuam acreditando que "não tem nada a ver", que "não tem nada de machismo nisso", ou que até percebem que tem a ver, mas não se dão o trabalho de tentar mudar.

Bruna disse...

Eu sinto até um calafrio na espinha quando ouço alguém dizendo "Homem".

O mesmo calafrio sinto quando ouço "pra MIM fazer". Arrrgh!

dolcinha disse...

Lolaxima Fofaronovich!'

jah faz muito tempo q uso ser humano e pessoas - tanto em portugues qto em inlges - pra falar, escrever.

Interessante que tenho um dicionario ingles Oxford Advanced (nao eh ingles-portugues vice-versa, eh dicionario de ingles com explicacao dos verbetes). A edicao nem eh tao atual (2004) e lah existe uma explicacao toda detalhada a respeito dos cuidados a serem evitados para nao usar a linguagem de modo sexista, bem como descrito no post, na questao de ser humano ao inves de home e por ae vai!

beijukkka bemvinda :D

Jux

Milena disse...

Acontece comigo o mesmo que acontece com a Bruna... Eu fico exausta quando eu explico algo com todo o cuidado ao escolher os argumentos, e no final a pessoa diz "ih, eu ACHO que não tem nada a ver". Dá vontade de falar "se você ACHA então eu não quero saber! Pra mim não dá pra debater com uma pessoa que tem opiniões baseadas em achismo". Não digo isso porque é muita grosseria né, haha :/ Mas engulo um seco...

Muito bom esse blog do Robson, valeu a indicação!

dolcinha disse...

@Milena!
AMEI a resposta e, em sendo eu-mimself uma pessoa respondona, vou adotar!!!

"se você ACHA então eu não quero saber! Pra mim não dá pra debater com uma pessoa que tem opiniões baseadas em achismo"

pq tem gente q PRECISA ouvir umas respostas assim pra ver se acorda pra vida!

beijukkkka

Bruna disse...

Milena,

pois é...dá vontade de falar mesmo. Na verdade a gente às vezes tem que dar uma de louco mesmo.

Você tem todo o trabalho de explicar em miudinhos tudo o que você formulou naturalmente na sua cabeça, e a outra pessoa não consegue entender (nem aceitar) mesmo com tudo mastigadinho nos mínimos detalhes, sem precisar ter feito esforço nenhum pra chegar àquele questionamento. Irritante, no mínimo!

Niemi Hyyrynen disse...

Nossa, adorei o Post do Robson! Ficou muito bom mesmo! Parabéns!

Mas eu pensei numa coisa meio boba:

E se adotássemos "humanidade" e "pessoas" "seres-humanos" antes de adotar a prática do "homens e mulheres"?

Será que as pessoas não passariam a entender "humanidade" como sinônimo de "homem" por força do costume?

Não sei, acho que é um pensamento meio mal formado, uso humanidade ao se referir a nós seres humanos como um todo, mas confesso que de vez enquando me escapa um "homem" mas logo me corrijo.

:)

denise disse...

Certissima Lola, vamos começar a mudar isso tambem, afinal faz parte, alias ja estou fazendo isso a algum tempo.

Milena disse...

Então Bruna, não que eu espere que as pessoas concordem em mim com tudo, mas elas podiam se dar ao trabalho de pelo menos pensar no que eu disse, ou se vai fazer oposição, que pelo menos seja com ideias bem construídas né. As pessoas têm uma relutância em admitir que mudaram de ideia que é de dar vergonha...

Åsa Heuser - Uma atéia de bom humor disse...

Existem línguas que tem uma terceira palavra, neutra, para se referir aos dois gêneros juntos. Em sueco temos 'man'(homem), 'kvinna'(mulher) e 'människa' (ser humano, pessoa). Em alemão é assim também. Em finlandês não existe 'ele/ela', só UM pronome para os dois gêneros.
São exemplos que mostram que esse tipo de coisa é possível, é só acharmos a palavra adequada.

Letícia disse...

Lola,

Para algumas pessoas, meu blog é só um lugar onde relato minhas aventuras sexuais. No início, eu também achei que fosse só isso.

Só que com a interação das pessoas e com as minhas experiências eu me tornei uma mulher diferente - e, espero, melhor.

Sempre fui defensora dos direitos das mulheres, mas só porque via muitos absurdos acontecendo por aí.

Agora, todavia, sou uma mulher que procura se informar do motivo pelo qual esses mesmos absurdos acontecem (e seu blog é uma fonte inesgotável de sabedoria nesse sentido), quais os gatilhos que levam a mulher a se submeter a certas coisas.

Sofri uma espécie de abuso de um carinha (relatado no blog) e o post gerou comentários que me fizeram chorar. Tanta mulher passou por coisas muito piores do que eu, simplesmente porque são mulheres.

Falando de sexo, eu me tornei uma mulher muito, muito mais mulher. Não só mais feminina, mas sim uma estudiosa do assunto, para ter conhecimento e bagagem para lutar, afinal, por uma humanidade mais igualitária e feliz.

Parabéns pelo blog.

Um beijo!

Barbara disse...

Esse guest post não gerou muitos comentários, mas mesmo assim foi de uma riqueza imensa, me acrescentou muito.

Flasht disse...

sujeitava as mulheres a uma submissão que não só se comparava à escravidão, mas também as rebaixava a seres sub-humanos, ou pseudo-humanos

>>Balela. as poesias e romances e mulher ser musa anjo e deusa é o que? feminino de cavalheirismo é o que?
Mulheres são as unicas oprimidas que tem (e sempre teve) mais benefícios que seus opressores é ou não é?

Bruno S
- “As duas coisas infinitas: o Universo e a tolice dos homens.”

Acho que essa pode deixar assim. Fica melhor restringindo aos homens mesmo.
>>pois é a começar por tu

E mas a linguagem procura sempre simplificar e até mesmo a palavra pessoas tem mais letras que homens

E vamo parar de mimimi que mulher é mesmo anjo e/ ou demônio e gostam disso, na prática não querem igualdade real nem a pau
Na hora de cobrar direito elas são as fodonas na hora de pagar deveres elas são as frageis, pobres coitadas
vão ficar nesse dois pesos e duas medidas?

A minha sugestão ao feminismo é: primeiro dispensem os privilégios
aí sim recebam/cobrem os direitos

Mas quem disse que querem isso não é mesmo?querem é cada vez mais privilégios e liberdades sem responsabilidades e quanto que querem fazer dos homens burros de cargas e paga patos

Portanto feminismo aprendam com o ditado: primeiro a obrigação depois o lazer

Flasht disse...

E mais palavras são só palavras o que conta é a intenção

Esse post não é uma contradição com a marcha das vadias? que quer apropriar o uso da palavra vadia, tornar isso uma espécie de orgulho?

Outra coisa fútil e furado do feminismo pq tomar a palavra vadia não vai impedir os infinitos sinonimos para puta
E mesmo que conseguissem transmutar vadia
esta palavra entraria em extinção e usariam-se mais outra que realmente remetesse a puta

Pq não lutam pelo alistamento obrigatório para mulheres? aposentadoria no mesmo tempo?etc etc
só querem os direitos
e protestam quando se tenta igualdade nestas coisas é ou não é de mandar se fuder?
MAs infelizmente tem muito homem besta que cai na lábia

Gaia disse...

Estava esperando o último post para comentar.
Texto muito bom, assim como os outros do Robson.
Sempre que posso dou uma passada no blog dele.

Bruna F. disse...

E quando se fala eles se referindo a homens e mulheres ao mesmo tempo? Seria demais implicar com isso? Como faz?