sexta-feira, 22 de abril de 2011

ÍNDIOS DE VERDADE NO CINEMA

Vi um documentário muito bonito esses dias: Reel Injun, que faz trocadilho entre as palavras reel (bobina de filme) e real. Já Injun é como Indian é pronunciado por cowboys não muito espertos. Ou seja, Índio de Filme. O doc explica como o índio foi retratado por Hollywood, desde o começo do cinema até hoje. Fiquei com a impressão que eles receberam um tratamento um tiquinho mais digno que negros, gays, mulheres e muçulmanos. Tem aquilo que qualquer pessoa de bom senso já desconfiava ― que John Wayne e a ideologia por trás dele prestaram um enorme desserviço aos Native Americans. Mas há uma discussão boa sobre Dança com Lobos (filme que eu particularmente adoro). Certo, o protagonista é um homem branco. Mas os índios saem bem na fita. E o épico que deu o Oscar a Kevin Costner ressuscitou um gênero que foi praticamente extinto nos anos 80. Hoje, afirma o doc, esse nicho do cinema passa por uma Renascença Índia, com várias produções feitas por índios de verdade, e não mais por caras-pálidas falando por eles. Dê uma olhada no trailer (sem legendas) e me conte: você tem alguma impressão dos Native Americans (melhor nem falar dos nossos índios) que não seja uma visão passada pela sétima arte? Porque eu não tenho. E aí me lembro do comecinho de South Park, o filme, em que os meninos vão ao cinema ver uma produção canadense que repete aquela musiquinha que nunca mais vai sair da sua cabeça. E, no caminho, eles cantam: "Vamos ao cinema aprender tudo o que sabemos / porque os filmes vão competar a nossa vida". Eu me sinto assim.

5 comentários:

Koppe disse...

Faz algum tempo que isso vem acontecendo também nas histórias em quadrinhos. As HQs americanas têm alguns exemplos de histórias e personagens (Lobo Vermelho, Tropa Alfa) que tratam os índios de forma mais respeitosa do que acontecia antigamente, quando eles eram retratados como selvagens a serem exterminados. Mas o exemplo mais surpreendente é mesmo uma HQ italiana, chamada Mágico Vento. Apesar de começar com aquele velho clichê do "branco-que-vai-viver-entre-os-índios", as histórias são muito bem escritas, os personagens bem desenvolvidos e as tramas variam de ação a romance histórico, passando por terror, aventura e ficção científica. Muitos fatos históricos são usados como base para histórias, mas sempre mostrando o ponto de vista dos índios. Os roteiros às vezes se aprofundam em questões até hoje incômodas aos americanos, como os tratados que viravam papel velho cada vez que se descobria ouro em alguma terra indígena, ou as autoridades que eram coniventes com massacres e genocídios. Apesar de alguns pontos criticáveis, como a falta de personagens femininas (e nesse ponto a HQ ainda fica na frente do título mais famoso da editora, Tex), é uma das melhores HQs sendo publicadas atualmente.

samya disse...

Eu venho do Mato Grosso do Sul e indio para mim esta longe de ser o pele vermelha descrito nos filmes americanos. Alias acho que se você quiser é muito facil criar uma imagem dos indios locais sem ser necessariamente passada pelo cinema. Pode começar por exemplo vendo as noticias que estão chegando do xingu onde Monte Belo fara ravagens, ou então abrir o jornal e procurar Cacique Doralice, tupinamba de Ilhéus,presa por uma justiça incompetente a mando de latifundiarios. Ou quem sabe caiowas guaranis do Mato Grosso do Sul, completamente esquecidos por esse governo e que tem o maior indice de desnutrição infantil no pais. Viu? E so querer que você pode ter uma imagem de como são tratados os indios do brasil na vida real, so que para isso tera que criticar, o que para muitos, seria impossivel.

Jiquilin disse...

Além disso, Samya o estereótipo do índio é o índio norte americanos: índios altos e fortes...
A maioria dos nossos índios são baixinhos...

Adwilhans disse...

Sou descendente de indígenas brasileiros (bugres, no dizer de minha família) e as pessoas ainda se surpreendem por eu não ter ascendência japonesa - poucos sabem que boa parte dos índios brasileiros têm olhos puxados também.
Na linha do tom respeitoso com os índios norte-americanos, recomendo a letra da música "Run to the hills", da excelente banda de heavy metal Iron Maiden - para quem não curte metal, dá pra ficar só na letra, disponível aqui: http://www.sing365.com/music/lyric.nsf/run-to-the-hills-lyrics-iron-maiden/31a306afb43d4c22482568d10026e2b2

Lord Anderson disse...

Outro problema é que tentam criar uma imagem unica para os povos indigenas tanto lá quanto aqui, se esquecendo que havia uma variedade enorme de tribos espalhadas por territorios vastos, cada uma com sua propria cultura, costumes etc.

No final acabam juntando tudo num balaio só.