segunda-feira, 18 de maio de 2009

MAIS OBSERVAÇÕES SOBRE “O COBRADOR”

Lázaro Ramos e Peter Fonda no filme O Cobrador. Aqui eu falo sobre o conto, mas ilustro com algumas fotos do filme. Leia a primeira parte antes.

Eu adoro o estilo econômico do Rubem Fonseca. Obviamente, eu não consigo escrever assim, por isso nem tento. Mas o estilo é também um tanto humorístico. Por exemplo, quando o protagonista de “O Cobrador” mata um contrabandista de armas que lhe vende uma pistola com silenciador, a narração conta: Puf. Acho que ele morreu logo no primeiro tiro. Dei mais dois tiros só pra ouvir, puf, puf (168). O onomatopéico puf puf tira a necessidade de maiores descrições, e deixa o relato um pouco menos violento.
O sujeito que se auto-intitula O Cobrador, apesar de ser um serial killer, vive num quarto alugado de Dona Clotilde, uma senhora doente, maternal, de quem ele cuida e até lhe dá injeções. Adoro essa narração:
Dona Clotilde não tem nada, podia levantar e ir comprar coisas no supermercado. A doença dela está na cabeça. E depois de três anos deitada, só se levanta para fazer pipi e cocô, ela não deve mesmo ter forças.
Qualquer dia dou-lhe um tiro na nuca. (176)
Nesse trecho há muitas incoerências. O Cobrador usa bastante palavrão, e de repente o vemos adotar termos infantis como pipi e cocô. E note o carinho que ele tem por Dona Clotilde. O tiro na nuca seria mais misericordioso que violento. Mesmo assim, há uma ruptura. A gente não espera que ele diga isso logo após mostrar um tiquinho de compaixão. Hoje em dia há montes de imitadores de Rubem Fonseca que fazem isso - escrevem uma passagem e, no parágrafo seguinte, de apenas uma linha, chocam o leitor ao mudar de tom.
O resto do conto tá mais pra pura revolta do narrador/protagonista:
Leio os jornais para saber o que eles [os ricos] estão comendo, bebendo e fazendo. Quero viver muito para ter tempo de matar todos eles. (171)
Sobre um baile de grãfinos que ele lê no jornal: vêm fazendeiros da Argentina, herdeiros da Alemanha, artistas americanos, executivos japoneses, o parasitismo internacional (179). Interessante. Trinta anos atrás alguém chamava de parasitas os ricos. Hoje a direita, com aquele discurso de “quem sustenta a sociedade são os ricos, que produzem”, chama de parasita quem vive do governo (no que eu, que recebo bolsa pra estudar - só até o mês que vem - me incluiria).
Apesar do estilo seco, o narrador consegue dar algumas ótimas descrições. Essa daqui, por exemplo, sobre o casal que ele mata na praia: Os jornais abriram muito espaço para a morte do casal que eu justicei na Barra. A moça era filha de um desses p*tos que enriquecem em Sergipe ou Piauí, roubando os paus-de-araras, e depois vêm para o Rio, e os filhos de cabeça chata já não têm mais sotaque, pintam o cabelo de louro e dizem que são descendentes de holandeses (175). É, eu conheço algumas pessoas assim. Mas perceba a palavra intrusa aí, justicei. Ele mata a sangue frio um jovem casal rico e se considera um justiceiro. A palavra não está em discussão porque ele é dono da única voz. Ninguém o contradiz. Mas por que aceitamos sua descrição do estupro como verdade absoluta (a vítima goza, segundo ele), e aqui arqueamos as sobrancelhas de incredulidade graças a essa palavra, justicei?
Ao procurar maiores informações sobre o conto, encontrei um curta de 9 minutos que não é muito bom. Pra ser franca, não é nada bom. Até porque não tem nada a ver com o conto. O curta o transforma numa história de amor à la Bonnie & Clyde. E, sei lá, o ator não se enquadra na (pouca) descrição física do protagonista do conto: um sujeito talvez mulato ou negro, certamente franzino e com poucos dentes - diferente do bonitão (Cristiano Burlan) do curta. Lembro de ter visto uma peça de teatro bem boa em 1991 em SP, com o Tuca Andrada no papel de Cobrador. Aí fiquei sabendo que em 2007 o conto virou um longa do diretor mexicano Paul Leduc, com o grande Lázaro Ramos no papel principal e Peter Fonda como o milionário que tem o hobby de atropelar pessoas à noite (que vem de “Passeio Noturno”; o filme adapta mais de um conto). Neste post (e no anterior) uso algumas das poucas fotos que encontrei do filme. Aparentemente ele não foi bem recebido pela crítica. Concorreu em Gramado, e depois não se ouviu mais falar nele. Espero que chegue às locadoras, pelo menos.
Outra coisa que encontrei na internet, e muito, foi vestibulando buscando resumo de “O Cobrador”. Pô, pedir resumo de um conto de menos de vinte páginas?! Não é mais fácil lê-lo, não?

22 comentários:

asnalfa disse...

Lola.. vc não é parasita... vc está recebendo dinheiro pra nao precisar trabalahr enquanto estuda e produz algo de útil pra sociedade que é a sua tese. Isso é compreensivel e legal, afinal educação é obrigação do Estado. Mas aquela pobretada que faz 10 filhos so pra receber o tal do "bolsa"... pelo amor de god!!! sem comentarios ne... aborto e controle de natalidade deveriam ser coisas obrigatorias nessa sociedade. Mas o grande numero de filhos é incentivado pelo governo pra aumentar votos!
Sobre os vestibulandos procurarem o resumo do conto... acontece que ninguem mais quer ler livros.... se os pais nao leem pra que os filhos vao ler! Alias tem uma otima cronica sua que fala sobre isso, que a imprensa brasileira ja nasceu quase morta... uma crianca comparada com a imprensa dos outros paises.

lola aronovich disse...

Ai meu god digo eu, Asnalfa! Quem determina que o que produzo é “algo de útil pra sociedade”? Tem muita gente que considera uma tese de doutorado em literatura algo completamente inútil. Aliás, tem quem considere literatura inútil. Por isso esses conceitos de “utilidade” são tão perigosos. Fico muito chateada contigo, Asn. Vc é incrivelmente preconceituoso e elitista e não parece estar nem um pouco interessado em aprender. Vc repete as asneiras que ouviu de outras pessoas preconceituosas (inclusive seus pais, imagino) de que “a pobretada faz dez filhos”. O índice de natalidade no Brasil é de 2,3 filhos por pessoa, sabia? E considerando que uma boa parcela da população seja pobre, se ela continuasse fazendo dez filhos, a taxa seria muitíssimo mais alta, não acha? Portanto, não tem governo nenhum incentivando que se faça filhos. E, se vc se informasse, saberia que nas últimas décadas houve um sistema de esterilização em massa (o que qualquer pessoa com o mínimo de humanidade considera errado). O seu pensamento é fascista porque diz que só classe média tem o direito de ter filhos. Vc quer exterminar os pobres, é isso? Que tal exterminar a pobreza?
Pelo jeito, na segunda parte do seu comentário, vc critica a falta de leitura de pais e filhos. Mas se vc lesse bastante, certamente escreveria melhor. E teria uma cabeça um tiquinho mais aberta.

asnalfa disse...

Impossivel Lola... eu elitista e preconceituoso? Acontece que o índice de natalidade do Brasil está errado. Não entrevistaram os pobres do Rio e Sao Paulo pq os traficantes nao deixam. E tb la no nordeste, as ninhadinhas ja morrem de fome... no curriculo do casal ja tem 5 filhos mortos e 3 vivos. É a vida Lola!!! Me diz.. qual o curso mais inutil que existe numa universidade entao??

asnalfa disse...

Alias Lola.. todo paí desenvolvido e alguns subdesenvolvidos tem planos de controle de natalidade.... que é pra diminuir gastos com segurança, educação, saude... essas coisas. Nao estou falando de exterminar pobres. Isso tb vale pra classe media... poxa Lola.. você vive procurando pêlo em casca de ovo nos meus textos... É importante sim o controle de natalidade.. tem um monte de mulher vagabunda menor de idade que faz filho e dá pra mae criar e o pai (outro vagabundo tambem) some. E aí a mae juvenil larga a escola piorando os indices de educação. Pq o Brasil está nos piores indices de aprendizado junto ao lado de países africanos??? Só bolsa familia nao resolve. Esta bolsa so resolve pra comprar um macarrao mais chic, uma farinha de melhor qualidade... pobre nao junta dinheiro... é muito dificil...

asnalfa disse...

Achei uma propaganda do governo Mula incentivando a pobretada a ter filhos. Olha essa imagem:

http://www.zarattinipt.com.br/imagens/Minha-casa-minha-vida.jpg

Masegui disse...

Não sei se eu já disse isso aqui...

asnalfa é um idiota...

e burro, muito burro!

Lúcia Soares disse...

Esclareçam-me. É O ou A asnalfa? Não li tudo dele(a), então tô na dúvida. Mas não acho chato ele (a) escrever aqui, não! Ele (a) faz um jogo de "advogado do diabo", mas não é de todo mau (má).
Diga aí, Lola, quem é o asnalfa?

Giovanni Gouveia disse...

Quem diria que Peter Fonda, que vivia rodando os isteites numa moto, ia virar milionário... ;)hehehehe

Asnalfa, procure se informar melhor, há um teto para a bolsa família.
Ah, em boa parte dos países de primeiro mundo tem havido incentivo à fecundidade, porque a população está envelhecendo...

asnalfa disse...

Belíssima forma de argumentar Masegui!!!
O que vc faria/diria se me encontrasse cara a cara com vc na vida real?

asnalfa disse...

Sou homem mas sou homossexual..... pode perguntar diretamente pra mim menina!! bjos!

Thiago Beleza disse...

A opnião do asnalfa é típico de asnalfabetos que só conseguem repetir conceitos... não tem visão crrítica de nada... lêem colunistas da folha, colunistas da veja, época e os meios comuns e repetem...se sentem tão espertos e tão superiores e só sabem reproduzir....

Lola, este ser aparece de vez em qdo no meu blog pra disseminar o mesmo discursinho hipócrita e vazio...

comecei a ignorar....até pq não da pra argumentar...há algum tipo de bloqueio....

asnalfa disse...

Tenho visão crítica sim!!
Quer dizer q se eu sou contra um governo do Lula entao sou elitista, um ser desprovido de visão crítica??
Por isso odeio a esquerdalhada... essas pessoas ja tem o discurso pronto, na ponta da lingua. So sabem criticar, mas mudar...

Thiago Beleza disse...

asnalfa, visão crítica exige reflexão. Análise de fatos (e não de opniões)...

Vc é um idiota pq só repete o que lê na Veja. è um playboy desocupado que passa o dia lendo baboseiras na internet, e vem aqui fazer o intelectual.

Vc diz que achou uma propaganda incentivando as pessoas a fazerem filhos? è um programa, pra tentar melhorar a vida da grande maioria da população. Vc não tem idéia da maioria dos problemas da vida pq nasceu em berço de ouro. ja te disse isso uma vez, foi com o apoio de gente da sua laia que os militares tomaram o poder em 64 (a "pobretada" não participou da marcha com deus pela familia)...

Por isso eu cotinuo dizendo, vc é um idiota, incapaz de argumentar contra todos os ataques as suas asneiras.Tudo qeu consegue fazer é se debater, dando piti...

Lola, eu ainda acho que vc esta criando mais um troll....Esse tipo de gente não muda, não adianta. Principalmente pq uma mudança estrutural exigiria o fim da maioria dos privilégios dos quais eles desfrutam. eles podem ser idiotas, mas não são loucos...

asnalfa disse...

Gente da minha laia??
Eu nasci em 1985.... os outros fizeram o "bolo fecal" e eu levo a culpa? Por favor... sou contra a ditadura mas nao vem chamar a vitima de algoz nao....

L. M. de Souza disse...

tá virando um fórum isso aqui. eu não sou ninguém pra dizer o que é mais importante, uma tese sobre as propriedades elásticas do plástico ou sobre o simbolismo na modernidade. só acho que o fato de eu ter bolsa pra estudar não é inútil, não estou disperdiçando dinheiro público, porque estou estudando, e se pelo menos não revolucionar a minha área, espero que os outros linguistas possam aprender alguma coisa sobre o portugues do brasil com a minha tese. concordo com o thiago, a asnalfa é preconceituosa, não sabe do que tá falando. tem pobre malandro? tem e muito, mas também tem muita gente que simplesmente não deu sorte na vida, que acredita que "deus quis" e não faz nada pra mudar seu destino. o bolsa família nunca fui a "cura", é apenas um tratamento de um sintoma, a cura passa pela educação, e investimentos em qualificação de jovens (nem todo mundo vai e quer ir pra faculdade), obras de infra-estrutura, já que com o governo gastando, isso gera emprego, e claro, mudar essa cultura de que pobre não precisa estudar porque é burro.

L. M. de Souza disse...

ah, antes dar o dinheiro pros pobres comer um pouco melhor, ou tomar uma pinga do que dar mais cabide pra político sustentar os parentes e amigos.

Masegui disse...

Não queria perder meu tempo com você, mas esta pergunta eu não resisto...

"O que vc faria/diria se me encontrasse cara a cara com vc na vida real?"

Das duas uma: ia morrer de pena ou cair na gargalhada!

asnalfa disse...

Pq Masegui? Explique-me. Sou tao infeliz assim???? O q fiz de errado com vc ?? Vc sequer tentaria ser meu amigo nao? E se fossemos colegas de trabalho ou estudo?

lola aronovich disse...

Por que é impossível vc, Asnalfa, ser preconceituoso e elitista, se tudo que vc diz é preconceituoso e elitista? Só porque vc é gay assumido isso te dá uma armadura anti-preconceito? Por vc fazer parte de uma minoria, vc não pode ser preconceituoso com outras minorias? Eu até acho que DEVERIA ser assim. Que gays, mulheres, negros etc, por sofrerem na pele o preconceito, não deveriam ser preconceituosos com outras minorias. Mas infelizmente não funciona dessa forma. Muitas vezes as minorias tem preconceito contra a própria minoria a que pertencem. (bom, na realidade, eu acho que ninguém deveria ser preconceituoso, ponto).
Eu fico com um pouco de vergonha, Asn, de vc comentar tanto por aqui. Porque eu sinto que vc é um caso perdido. Vc tem orgulho da sua ignorância e não quer aprender nada. A vergonha que sinto é de alguém novo aparecer por aqui, ler os comentários, ver o monte de besteira que vc fala, e pensar: “Putz, que comentaristas estúpidos que ela tem!”. Sabe, achando que vc é meu comentarista típico. Não é. A enorme maioria do pessoal que comenta aqui é inteligente e bem informada, e tem coisas relevantes pra contribuir. Não é o seu caso. Ninguém por aqui te acha inteligente, Asn. Pelo contrário. Aqueles com muito boa vontade te acham pitoresco e, talvez, divertido. Mas a maior parte não entende o que tá fazendo aqui. Na penúltima sexta, encontrei algumas amigas da UFSC e elas me deixaram preocupada. Disseram que tinham parado de comentar aqui por sua causa. Porque era muita asneira pra aguentar.
Eu vivo te mandando pra outros blogs não por sacanagem minha com os outros blogs, mas pra ver se, lendo gente boa que tem UMA coisa em comum contigo (são gays), vc comece a se humanizar. Quem sabe, lendo gente que combate a homofobia de uma forma sensata (não pregando a morte de todos os religiosos e heterossexuais, como vc faz), vc aprenda alguma coisa. E aí, tendo uma maior sensibilidade pra isso, pra sua (nossa) luta, vc descubra que é contraditório pedir respeito e liberdade para apenas UM grupo de pessoas. Que deve-se pedir isso para todo mundo. Que, assim como é totalmente errado e condenável um fascista chamar um gay de, sei lá, viado escroto, também o é um fascista chamar pobre de vagabundo (e ainda por cima mulher pobre de vagabunda, que tem toda uma outra conotação). Não é por vc ser de direita que é burro, Asn. Vc é burro porque não tem a menor ideia do que fala. Não reflete e nem procura aprender. Aproveite o seu vasto tempo livre pra ler e se informar. Porque, desse jeito, com a sua bagagem cultural, vai ser difícil pra vc encontrar emprego, apesar de ter um diploma universitário. E aí quem vc vai culpar? O Lula? A esquerdalhada? As cotas?

asnalfa disse...

Serio Lola.. suas amigas ficaram com vergonha de comentar aqui por minha causa? Ok.. pode preparar a campanhe e soltar os rojoes que nunca mais comento aqui.. porém continuarei lendo seus posts...
adeus!!!

lola aronovich disse...

Ah, Asn, não fala assim que eu fico magoada. Pelo jeito eu tenho um instinto maternal! Eu não quero o teu mal. Quero que vc evolua e se torne uma pessoa melhor. Não é isso que todos nós queremos? Vc não precisa se converter pra esquerda, mas se informar, ler mais, querer aprender, refletir - tudo isso te faria um bem danado. Pode comentar aqui, mas sugiro que vc adote o seu nome verdadeiro, Alfredo, e faça justiça a ele. E que não comente apenas por comentar, mas pra acrescentar alguma coisa, depois de um mínimo de reflexão. E quanto a rojões e champanhe... duas coisas que eu abomino. Rojões mais do que tudo.

Cris disse...

Asnalfinha, não suma.
Gosto de alguns dos seus comentários. Não quando vc dá pitis ou xinga, mas vc tem direito de ter sua opinião.
Uma dúvida. Tenho a impressão de que vc é um gatinho (não vai me xingar, hein...não sei se vc se ofende se alguma mulher te acha bonito...se sim, então vc é preconceituoso mesmo). E é bem novo, de 84? Quando eu tinha sua idade era bem radical em algumas coisas. Não que ainda não seja.
Mas saber argumentar sem ofender depende mesmo de muita leitura e reflexão.
Vc discute e xinga toda hora.
SEja mais fino, baby.

Lola, ehehe...não deixa ele ir embora, não.
Veja só, "ele podia tá tá roubando, tá matando", mas tá aqui, lendo e refletindo.
beijos