quarta-feira, 29 de abril de 2009

AS OBRAS DA NOSSA INFÂNCIA

Sugestão da minha mãe, vulga Mamacita, que tornou-se uma comentarista de mão cheia aqui no blog e depois sumiu: quais foram os livros e/ou filmes que marcaram a sua infância e/ou adolescência? Eu já falei sobre isso ao mencionar Forever, um livro da minha adolescência, e dois dos filmes que aterrorizaram minha infância. Como você pode ver, não se trata de nenhum clássico da literatura ou do cinema. Fico chocada até hoje que quando vi “o filme com uma mulher chamada Charlotte e o piano que tocava sozinho” eu não tinha a menor idéia de que a protagonista era a Bette Davis! Tudo bem que aos oito anos a Bette era tão desconhecida minha quanto o Shakespeare (hoje íntimo meu, o velho Shake), mas pouco depois, quando passei a ser fã número um dela, como não uni os dois pontinhos? Então, agora é com vocês. Minha mãe pediu, e eu quero saber de tudo - escrevam o nome de livros e filmes que foram importantes pra vocês quando vocês ainda eram um projeto de gente. E, se possível, expliquem por que essa obra foi tão marcante. E já aviso que vou morrer de inveja de quem nasceu anteontem e teve infância na década de 90 e cita como livro marcante... Harry Potter! Ou tudo pode piorar: Crepúsculo.

66 comentários:

Anônimo disse...

Um dos livros mais fantásticos pra mim foi "Viagem ao Centro da Terra" de Julio Verne. Aos 11 anos imaginar a possibilidade de um mundo no interior do planeta, fez uma diferença na minha cabeça.No primário teve um lindinho, todo muito bem ilustrado era "Bitu, o carneirinho sujo". Abraço. Fatima/Laguna.

asnalfa disse...

Um livro cujo nome nao me lembro mas os desenhos eram de pintinhos... tb nem sequer lembro da historia...
Mas os filmes mais marcantes da minha infância foram os que passavam na sessao da tarde, quando isso era antes da censura, por causa daquela novela "Laços de familia."
Eu me lembro de O Reanimator, Entrevista com o Vampiro, Conta Comigo(so agora que descobri que era baseado num livro do Stephen King), Elvira a rainha das trevas entre outras. Lembro que até ja passou Amadeus, 2001 e Barry Lyndon, acho q eu tinha apenas uns 10 anos... So fui entender essas obras maravilhosas quando me tornei adulto...
uauhaua

André C. Trafca disse...

Livro que marcou minha infância porque foi um dos (se não O) primeiro que eu li foi O Menino Maluquinho do Ziraldo. E todos do Marcos Rey na Coleção Vagalume. Teve também "A droga da obediência" do Pedro Bandeira. Mas que marcou mesmo minha infância e adolescência e me jogou mesmo na leitura foi: (prepare-se Lola) Harry Potter! Essa série eu li inteira, de trás pra frente, umas três vezes... Vou poder contar pros netos que fui da geração Harry Potter.

Cristine Martin disse...

Ih, quanta coisa...

Um dos livros marcantes da minha infância foi o Little Women (Mulherzinhas), da Louisa May Alcott, li e reli muitas vezes. Um pouco mais tarde me encantei com o Morro dos Ventos Uivantes.

Como a Fátima, também li o Viagem ao Centro da Terra (e adorava ouvir também a 'ópera-rock' do Rick Wakeman), 20 mil léguas submarinas, além de outros livros de outros autores, como o Conde de Monte Cristo, David Copperfield, Tom Sawyer... já explico: eu tinha uma coleção de 'Clássicos Juvenis", que aliás está comigo até hoje, com muita coisa boa!

Uma livro que marcou pelo lado negativo foi um tal de "Meninas Exemplares" da Condessa de Ségur, argh, não suportava o tal livrinho, muita missa encomendada pro meu gosto...

Quanto a filme, sem dúvida o Horizonte Perdido (o musical da década de 70), eu adorava!

Conte os seus também, Lola!

Beijos!

Nessita! disse...

Livros que marcaram a minha infância foram "Marcelo Marmelo Martelo", da Ruth Rocha; "Quem Perde Ganha", da Ana Maria Machado e "O Pequeno Príncipe", do Exupery, que li pela primeira vez com uns 9 anos.

Tina Lopes disse...

As Aventuras de Tom Sawyer e Huckleberry Finn, ambos de Mark Twain. As Mil e Uma Noites, que era uns mil livros de um tio. E, tenho que dar a máo a palmatória, Pollyanna.

Mari Biddle disse...

Metade dos anos 80, sessão da tarde e os livros do Monteiro Lobato. Reinações de Narizinho foi o primeiro de que eu me lembro com carinho. Eu meio que lia tudo que via na frente e cheguei a ler um livro do meu pai sobre o Bernardo Sayão (pioneiro de Brasilia) escrito pela filha Léa Sayão. Mas teve também o Ziraldo e seu menino maluquinho. Eu era ainda "infantil" quando li um dos volumes de A Bicicleta Azul e não entendi muita coisa...A Pata da Gazela do José de Alecar idem. Explicando os dois livros citados acima: eu tive acesso a ele porque simplesmente a mãe é professora e eles faziam parte da biblioteca dela e ninguém ligava muito para o que eu andava lendo.

A Fantástica Fabrica de Chocolate também marcou...isso se resumia a cinema para mim.

Sheryda Lopes disse...

Filmes das gêmeas Olsen (rs); Jovens Bruxas (eu ia de batom preto e tudo para a escola); filmes um pouco mais novos da Disney, como Pocahontas e Mulan; vários do/sobre Charles Chaplin, dois sobre o Elvis, um ficção e outro biografia e A Lagoa Azul, é claro!... Tem muitos! Eu comia e bebia Sessão da Tarde e Cinema em Casa.

Quanto a livros, li muitos da Agatha Cristie, li o Corcunda de Notre Dame do Victor Hugo e fiquei besta como a história verdadeira era cruel. A mesma coisa com Robin Hood. Lia muito na minha infância e adolescente, e lia qualquer coisa a que tivesse alcance, mas esse gosto começou com revistas em quadrinhos, depois revistas adolescentes e livros de romance desses de banca de revista. Só depois é que li Jorge Amado, José de Alencar e outras leituras mais substanciosas que encontrava na biblioteca da escola.

Srta.T disse...

Xi, quando criança li todos os dos Sítio do Pica-pau Amarelo, adorava. Na adolescência os mais marcantes foram "Memórias Póstumas de Brás Cubas" do Machado, "A Peste" do Alberto Camus, "A Revolução dos Bichos" do George Orwell e "O Retrato de Dorian Gray", do Oscar Wilde. Teve também um feminista chamado "Adeus, Bela Adormecida", mas a autora usava um pseudônimo, Madonna Alguma-coisa.

Filmes: quando criança, eu era DOENTE por causa do "Aristogatas". Ganhei o DVD ano passado, versão de luxo, quase morri. Quando adolescente adorei "Blade Runner", "Duro de Matar" e "Curtindo a Vida Adoidado". Com certeza esqueci de alguns, mas é isso.

Gustavo C. disse...

Legal, muito legal esse post.. algumas lembranças são de quando eu era bem pequenininho, outras não faz tanto tempo (lá no anos 90, tinha 13, 14 anos), vejamos..

Livros:
Na mira do vampiro - o primeiro que li da Coleção Vagalume, me deu medo.
Um velho velhaco e seu neto bundão - livro hilário que era de uma tia minha, pedi emprestado tantas vezes que ela acabou me dando de presente.

Filmes:
Ninguém segura esse bebê – o primeiro que vi no cinema.
Casper (do Gasparzinho, com a Christina Ricci) – perdi a conta de quantas vezes fiz minha mãe alugar esse filme.
Edward mãos-de-tesoura – foi aí que começou meu fascínio pela direção de arte do Tim Burton, além de ter amado o filme e o personagem na atuação do Johnny Depp.
Os Fantasmas se Divertem - outro do Tim Burton, hilário, que eu não canso de ver.
A morte lhe cai bem – uma das comédias mais engraçadas que já vi na vida, foi aí que comecei a gostar da Meryl Streep.
Querida Enconlhi as crianças - um que eu adorava ver na Sessão da Tarde.

Gustavo C. disse...

hmm... minha lista de filmes é bem maior, na época eu não era o leitor viciado que sou hoje.

Flávio Amaral disse...

Infância, infância mesmo, o filme que me impressionou marca a primeira vez que fui ao cinema: "Branca de Neve e os sete anões" :-) Bom, eu tinha seis anos e a cena da garota fugindo na floresta me aterrorizou durante muito tempo.

Só na adolescência passei a ir ao cinema com mais assiduidade. Uma lembrança inesquecível foi ver "Cria Cuervos", de Carlos Saura. Aliás, sem essa coisa do DVD em casa e tals, a turma um pouco mais comportada no cinema - bagunça o lanterninha punha pra fora - a magia do escurinho imperava.

Livros da mais tenra infância? TODOS de Monteiro Lobato. Dentre eles, o que mais gostei foi "A chave do tamanho". Mas aos nove anos li um de que gostei muito: "Macunaíma". Pra você ver, Mário de Andrade, além das metáforas e citações, foi para mim uma história divertida de uma personagem impagável. Ai, que preguiça...

Sarah Azavezza disse...

Eu nasci em 90 e, apesar da modinha insuportável e enojante, a saga de Crepúsculo (litetatura) é muito boa, Lola. Você não leu, certo?

Livro que marcou minha infância, lá por 98/99 foi 'O Hóspede Suspeito'. É o livro que mais lembro até hoje, foi incrível como devorei o livro. Ele te fazia interagir numas coisas lá de mistério e tal, muito bom! Pelo menos pra minha 'eu' de 9 anos. O Pequeno Príncipe também é perfeito. Mas esse eu já li mais grandinha.

Filme? Hmm, Pequena Sereia! O filme que mais via e mais gostava. Cinderela também (incluindo as novas versões; vejo todas até hoje!). Sabe que mais? Aqueles filmes da sessão da tarde, todos com seus respectivos irmãos gêmeos separados e florestas mágicas, adorava! Aaah, aquele tbm, do Porquinho, da fazenda.. aquele mesmo! E também filmes-animação; até hoje, são os meus mais queridos *-* Ainda no cinema em casa, aqueles de bruxas tbm eu adorava, como disse a Sherida :}

Kaká disse...

Na infância e pré-adolescência foram os livros da Judy Blume, que você já comentou num outro post, e Animal Farm do George Orwell. Lembro também de Charlotte's Web, e Charlie and The Chocolate Factory, dois livros que adorei. Nacional foram as histórias do Monteiro Lobato e a série vagalume.

Os livros do Harry Potter eu já li adulta e achei super divertido. :)

Carol S. disse...

Ziraldo, primeira paixão. Colori O Menino Maluquinho, depois Uma Professora muito Maluquinha e em seguida Vovó Delícia (talvez meio malicioso demais pros meus dez anos);
Então Meu Pé de Laranja Lima, de José Mauro de Vasconcelos;
Um livro com aquarelas lindas que me encantou muito chamado Um Céu Azul para Clementina(http://www.jacotei.com.br/mod.php?module=jacotei.comparacao&prodid=96031&catid=215&mostra=true);
Também passei pelo Pedro Bandeira, mas não gostava das séries de aventura dele, só das melodramáticas;
Depois teve Harry Potter aos onze anos (só que superei essa fase já nos 14, 15);
E então Lolita, de Nabokov, aos treze;

E só me lembro de tudo isso porque foi ontem, tenho só vinte aniños...

lola aronovich disse...

Ha ha, que gracinhas, vcs falando de Menino Maluquinho! Eu sou da época de outro Ziraldo: FLICTS! Vi na Wikipedia que é de 1969... Olha o resumo, uma aula de tolerância: "Flicts é uma cor de que ninguém gosta, ninguém lê, da qual ninguém se lembra. Até que, fugindo dos seres humanos, ela vai até a Lua, e descobre que a cor da Lua é Flicts!". Deve ser muito bom edudar uma criança com esse livro.
Depois, muito mais tarde, um livro marcante foi O Cortiço, do Aluisio Azevedo. Era interessante ter na grade curricular um livro tão cheio de sexo! Pra mim, pareceu uma novela picante.
Eu me lembro tb de um filme que me fez chorar muito, A Menina e o Porquinho. Versão de 1973!
E lembro vagamente de um dos primeiros filmes que vi. Acho que precisei ser retirada do cinema por ter feito um escândalo. Tive um ataque de choro. Não sei o que era, alguma coisa com uma lontra.
E gente, não tenho nada contra Crepúsculo (não li o livro, gostei muito do filme). Só acho incrível que haja gente tão jovem que o livro da infância seja Crepúsculo! (e Harry Potter).
E não acredito em vcs sobre Sessão da Tarde passar filmes de qualidade. Simplesmente não acredito!

Cris disse...

Todos do Sítio do Pica-Pau Amarelo, inesquecíveis.
Alguns da série Vagalume, que eu não lembro o nome, pq são vários.
"A Bolsa Amarela", "O Pequeno Príncipe".
Gibis da Disney e da Mônica.
beijão

Cris disse...

E "O Menino Maluquinho".
Adorável.

L. Archilla disse...

geeente, eu acho q nunca vou lembrar de TODOS os filmes q marcaram minha infância, pq são muitos! então comecemos pelos livros.

o primeiro livro q eu li foi um q contava a estória de um cachorrinho q era feio mas no fim ganhou um concurso de alguma coisa. não lembro o nome. tb tinha o Marcelo, Marmelo, Martelo, o clássico da literatura infantil... acho q de infância, mesmo, foram esses. um pouco depois, acho q com uns 8 anos, li A Marca de uma Lágrima, de Pedro Bandeira, e me encantei. é o cúmulo do meloso, mas praquela época, né... tava bom! hahahah

ai, e os filmes... bom, eu era viciada em A Pequena Sereia. toda vez q ia na locadora alugava. nessa mesma época, vi um filme chamado A Menina e o Esquilo q me deprimiu, pq eu esperava uma coisa Disney e o cara da locadora me empurrou um desenho da Segunda Guerra! outro q me marcou demais foi Aladdin (da Disney), o primeiro q vi no cinema. todos os desenhos da Disney dessa época, na verdade... difícil quem tenha sido criança nos anos 90 e não goste deles. ah, eu adorava musicais! tipo Dirty Dancing, Flash Dance, e etc. (por isso comecei a fazer balé). tb adorava os da Liza Minelli, e ainda mais o da história da Nadia Comenecci. por último (ufa!), fiquei impressinada com A Lista de Schindler. no auge dos meus 7 anos, não havia filme mais impressionante e triste que aquele. (bons tempos em q eu não conhecia Lars Von Trier!)

Gustavo C. disse...

L. Archilla,

Esse livro do cachorrinho, seria "As aventuras de Buscapé"?? Muito infância tbm..

Lembrei de outro filme que vi muito na sessão da tarde: Abracadabra. Muito engraçadas as três bruxas..

Juliana Bittencourt disse...

Os livros do Marcos Rey da coleção Vaga Lume marcaram a minha pré adolescência porque era por eles que eu continuava voltando à biblioteca da escola. Agora livro de infância, acho que os meus preferidos eram O Menino Maluquinho e, antes disso, o Tuc Tuc, da Paula Saldanha.
Quanto aos filmes, eu era louca por Aladdin, três Solteirões e um Bebê, Mary Poppins, De Volta Para o Futuro e Dirty Dancing. Ainda revejo qualquer um desses se estiver passando (às vezes vejo em dvd também, haha, menos o Aladdin, que tenho em fita VHS, haha)

Giovanni Gouveia disse...

O primeiro filme a gente nunca esquece: "A Moreninha", em mil novecentos e mamãe ainda era mó gata, mesmo passando o tempo quase todo correndo no cinema, ainda lembro do meu batismo na arte dos Lumiére. King Kong (77, eu tinha 9) foi um filme bem disputado (um dos primeiros que fui sem companhia de meus pais); em 82 (já com 14) assisti The wall, e Hair (hoje já conto ter assitido essa ópera hippie umas 50 vezes, todas contribuindo com a rehidratação da terra com meus olhos..)
Livros: Monteiro Lobato, sem dúvidas, foi o autor mais lido de minha infância (acho que li todos os infantis...),
li a série "Para gostar de ler" (na época com Drummond, Paulo mendes Campos, Fernando Sabino e Rubem Braga), lembro até de alguns diálogos: "Malcriado!, Foi você mesmo quem me criou...", e depois a série vagalume... Também li alguns livros de Ganymedes JOsé e JOão Carlos Marinho

Li alguns clássicos infantis universais, Verne (tive uma confusão na minha cabeça, quando lia que "tinha camisa listrada de flamengo", pensava no time, não na nacionalidade)e Twain (aprendi a fazer aquele cachimbo com espiga de milho, e pus em prática), com certeza, e Exuperry (fiquei orgulhoso, depois, ao saber que a primeira vez que o fulano viu um baobá, assim reza a lenda, foi aqui no Recife...)
Na adolescência minha literatura era Richard Bach, Karl Marx, Trotsky, Machado de Assis...
NO teatro, "O Baile do Menino Deus" foi meu Debut...


P.S. Lola, também gostei de "O Cortiço", mas alguns amigos utilizavam-no como os adolescentes de hoje usam a Playboy... :D

P.S. 2. Li Menino Maluquinho já grandinho (já tinha passado dos 20, mesmo assim adorei), e, semana passada, comprei-o pro meu pequeno Danton...

asnalfa disse...

Lola... antigamente passava...ja passou até 2001: uma odisseia no espaco, ja passou Psicose, e Barry Lyndon...
achoq foi nos anos 1996 ou 97...

Tinha / Josimary disse...

Eu nasci em 1968, então passei a infância asssistindo todos os classicos que passavam na sessão da tarde,como esquecer de Papai pernilongo, Dançando na chuva, Os deuses também amam, sem falar em todos os filmes da lassie, em Tarde demais para esquecer, Bonequinha de luxo,Espartacus, Cleopatra,Sete homens e um destino, Sete noivas para sete irmãos. Os mais modernos Como Kramer versus Kramer, Tootsie. HÁ Foram tantos filmes bons, que hoje quando assisto um lançamento chego a pensar que este tempo nunca mais voltara, tanta droga que invade o mercado, filmes cheios de cliches, com diálogos pobres, Enfim filmes que não lhe dão nenhuma vontade de pensar,e as vezes o unico sentimento que lhe dá e de alivio quando acaba, e arrrependimento de ter perdido seu tempo.
E os livros li alguns maravilhos, daqueles que quando termina sinto até um sentimento de solidão de perda. Foi isso que senti quando li pela primeira vez o livro Servidão Humana de Somerset Maugham, podem falar o que quiserem dele, que era um escritor tido como de segunda linha de sua geração mas eu adorei quando adolescente e de pois de adulta também, Foi asssim também com Sparkenbroke de Charles Morgan.
E Guerra e Paz lindo,histórico, longo, mas maravilhoso.

asnalfa disse...

Ah.. e lembro de ja ter passado No Sábado a tarde na Globo: O poderoso chefao. acho q tinha uns 10 anos. Tb um dia coloquei no sbt a tarde e tava passando "Um estranho no ninho"... mas isso tem uns 15 anos...

Giovanni Gouveia disse...

P.S. 3. Lola, a memória musical de infância renderia um belo post também, não?

(Já Cantando: "nós gatos já nascemos po-o-bres, porém, já nascemos li-i-vres, senhor senhora senhorio, felino não reconhecerás...)

Mônica disse...

Hahaha, Flicts também foi um marco na minha infância! Nossa, livros foram muitos: tudo do Monteiro Lobato, Mulherzinhas, O Jardim Secreto, Minha Vida de Menina, Tom Sawyer, as peças da Maria Clara Machado...

No cinema teve, principalmente, muito Disney. E um filme que me diverte até hoje do mesmo jeito, 'A Corrida do Século', com o Jack Lemmon, Tony Curtis e Natalie Wood.

Abr.
Mônica
Crônicas Urbanas

Ana Paula disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Paula disse...

De infância foi O menino do Espelho de Fernando Sabino. Foi leitura obrigatória da aula de Português mas eu amei tanto o livro que reli milhares de vezes. Ficava me imaginando no lugar do menino sempre.

De adolescência foi As Brumas de Avalon. Devorei os 4 livros!!! Queria tb estar no lugar da Morgana, saber fazer todas aquelas magias. Outro que amei qto tinah meus 15 anos mas hj tenho até vergonha de falar foi Brida do Paulo Coelho. Eu não suporto Paulo Coelho hj em dia. Li 11 minutos e achei literatura equivalente aqueles "livros" de papel jornal de banca de revista tipo Sabrina, Julia , etc... O que me encantava em Brida era tb a parte da magia, de saber identificar a alma gemea. Acho que sempre quis ser bruxa :P

Filme foi E.T. Acho que foi meu primeiro filme no cinema (não lembro se Bambi veio antes ou depois de E.T.), mas lembro mais de E.T. por ter medo daquela cena que aparecem os pés dos policiais correndo pela mata pra achar o E.T. logo nocomeço (já comentei isso aqui antes). Outros que me marcaram muito foram Curtindo a Vida Adoidado e Goonies. Assiti Goonies 1245 vezes e queria fazer parte daquela turma. Até disco da Cindy Lauper eu ganhei e ficava dublando ela o dia todo. E me apaixonei pelo Matthew Broderick em Curtindo. Queria ser a namorada nele no filme!

Michelle disse...

putz, uma coleção q li qndo criança e q sempre lembro é da bruxa onilda, q tinha um desenho da corujinha em todas as páginas ímpares q de vc folhease rápido, dava aquele efeito de animação. já sobre livros mais "maduros", me marcou muito ler david copperfield, pois foi o primeiro "s/figuras" q consegui ler e me interessar pela história.
filme da minha infância q marcou foi rei leão, da adolescência, o jardim secreto.

Samantha disse...

Aprendi a ler aos quatro anos e desde então comecei a ler tudo que aparecia em minha frente. Lembro de ler muitos gibis da turma da mônica e os "duck tales" do tio patinhas e companhia.

Infância
Lembro que li um livro chamado "Os gatos de Angaetama" e fiquei com medo dos gatos, comecei a enxergá-los como criaturas sobrenaturais
Li alguns livros de Monteiro Lobato, lembro pouco, mas conheço todos os personagens. Tinha um, acho que se chamava Reinações de narizinho e eu me identificava muito com a personagem.

Depois lembro de um livrinho sobre uma lagartixa que virou jacaré. Depois lembro de um livro sobre a historia das cores... olha, da minha infância, pra dizer a verdade, lembro mais de ler gibis.

Quanto aos filmes, lembro muito bem de ter assistido Labirinto, aquele do David Bowie. Eu adorei, hoje assisto e vem aquela nostalgia. Lembro tambem dos inumeros "em busca do vale encantado", que era um desenho de dinossauros. E obviamente, ET, o extra-terrestre e Contatos Imediatos.

Aí veio minha paixão por alienígenas e dinossauros. Lembro também de assistir Star Trek (série antiga) com meu pai. Até hoje sou trekker.

Adolescência
Me marcaram os livros da coleção vagalume. Li todos. Comecei a ler Edgar Alan Poe e Sir Arthur Conan Doyle. Li dois livros, aos 12 anos, chamados Guerreiros do Tempo e Essa tal primeira vez. O Guerreiros do tempo falava de uma jovem q contraiu HIV do namorado e tinha q conviver com isso. E essa tal primeira vez... bom....rs.

Lembro dos filmes do Rei Leao, o retorno da fraquia Star Wars (que eu ja era fã na infancia) e dos seriados do Star Trek: New generation, Voyager e Deep Space Nine.

Comecei a gostar de novos quadrinhos: Spawn e Homem Aranha e comecei a ler novos livros para o vestibular. Dai conheci MAchado de Assis e adorei.

Masegui disse...

Minha infância foi recheada de Monteiro Lobato, histórias em quadrinhos e Bang-bang italiano.
Adolescência/juventude: Trabalho, escola, trabalho, escola. Quando possível lia/via tudo e qualquer coisa. Nada especial. Infância pobre no interior é temperada de outras coisas...

Algo que marcou? talvez uma frase do livro Horizonte Perdido (James Hilton) que diz mais ou menos assim: Tudo neste mundo é permitido, desde que moderadamente!

Anônimo disse...

Um livro que me marcou bastante foi "O caso da borboleta Atíria", da Coleção Vaga-Lume, pq foi o primeiro livro com mais páginas e menos figuras que eu li, com uns 9 anos, acho. A partir dele, eu virei frequentadora assídua da biblioteca da escola, reencontrando uma das bibliotecárias no ensino médio, em outra instituição. E, esse ano, tive uma grata surpresa: um dos bibliotecários da escola em que eu tomei gosto pela leitura (era uma excelente escola que, infelizmente, faliu) está trabalhando na escola em que minha filha estuda. Ela tá toda empolgada com rodas de leitura, ciranda de livros, e pede pra eu pegá-la na biblioteca quando vou buscá-la ("e se quiser demorar, não tem problema" - a escola funciona também à noite).

Giovanni Gouveia disse...

Falando em "O Caso da Borboleta Atiria", lembrei que a primeira vez que soube da existência do louva-a-deus foi nesse livro, pouco tempo depois vi um pessoalmente, e pensava que ele fosse cortês como a personagem do livro, levei uma ferroada...

L. Archilla disse...

puxa, lembrei de outro livro agora... era um q um fazendeiro plantava um rabanete q ficava tão grande, mas tão grande, q ele tinha q chamar a família inteira pra ajudar a puxar da terra. literatura sobrenatural! ahahahhaha

e dos filmes, lembrei de uma época q passava Hércules na sessão da tarde... mas não era esse atual, primo da Xena ahahah... era um antigão, muito bom. tinha o filme dos 12 trabalhos e outras aventuras tb.

Gustavo, não lembro o nome do livro, e nem da capa (procurei no google e não reconheci). acho q só saberia se era esse folheando, mesmo...

Bárbara Dayrell disse...

adorei o post!
bom, tenho uma infancia regada de livros, gracas à minha mae, que sempre lia para mim e para a minha irma antes de dormirmos. Entre os preferidos estava a colecao do sitio do pica-pau amarelo (despensa explicacoes), a colecao da Laura Ingalls (sobre uma familia americana durante a conquista do oeste - fizeram ate serie de tv, que vi esses dias na tv dinamarquesa), Tom Sawer, Huck Finn, Robinson Crusoe, e classicos como estes. Quase todos li sozinha anos mais tarde, e hoje sempre estou lendo um (ou mais) livros!
Quanto aos filmes, nao lembro muito bem dos que eu gostava (nao via mta tv, so alguns desenhos - Peter Pan de longe o preferido), lembro só que morria de medo de Alice no Pais das Maravilhas, mas disso ja falei aki!
bjinhos

Bárbara Dayrell disse...

esqueci de comentar que quando minha mae tinha que trabalhar e nao tinha com quem deixar a gente, nos largava na biblioteca publica a tarde toda!!! Acho que em menos de um ano ja tinhamos esgotado todos os livros disponiveis!

Daniel M. S. disse...

Bem, na infância não tive filmes que me marcaram, e lia tanto que não seria capaz de listar o que mais me marcou... Mas do começo da adolescência até agora (15 anos ainda o/) o que me marcou foi:
Livros:
- O senhor dos anéis (li 7 vezes, a história me encantou tanto na primeira vez que eu colocava despertador pra ir dormir, porque tinha que acordar cedo no outro dia, só que acabava desligando o despertador "só pra terminar o capítulo" e quando via tinham passado mais 2 horas)
- A revolução dos bichos (tive que ler pra escola, primeiro e único livro que li pra escola e gostei, os outros são tão bobos...)
- 1984 (outro do Orwell, achei fantástico)
- Admirável Mundo Novo (li depois do 1984, marcante também)
- O morro dos ventos uivantes

Harry Potter até li e gostei, mas pra marcante falta muito... Tanto que nem li todos... Ainda tenho o projeto de ler eles em alemão, assim tenho mais ânimo pra ler todos, já que to treinando a língua também...
Esqueci um monte de livros, certeza... Sou campeão nisso, esquecer os livros até que alguém fala neles, aí lembro...

Filmes (mais difícil ainda de lembrar os nomes...):
- Hotel Ruanda e um outro sobre Ruanda também...
- Esqueci o nome... É um que conta sobre os testes de novos medicamentos que são feitos na África...
- Não sei o nome... É um filme feito por uma mulher que trabalhava no departamento de propaganda nazista, antes da guerra. Na verdade é pouco mais que uma filmagem de alguns discursos de hitler, mas é marcante demais... Embora tenha sido feito como propaganda, eu não sou nazista viu? (antes que me acusem) Ele marca porque dá para perceber como hitler foi capaz de influenciar as massas, com seus discursos empolgados e um sentimento nacionalista extremamente forte... Dá para comparar algumas coisas com o momento atual também, e perceber que apesar de menos, alguns sentimentos (como por exemplo uma torcida de futebol fanática, com a idéia de que todos são parte do time e o outro time é o grande inimigo) continuam presentes na sociedade.


Tinha mais um filme que eu ia colocar, esqueci agora o/ E com certeza tem bem mais coisa nas duas listas, só não consigo lembrar agora...

Vitor Ferreira disse...

Lola, eu nunca fui de ler. Talvez tenham me marcado O Menino Maluquinho e Monteiro Lobato. Eu era mais de ler gibi da Mônica. Amava! Meu pai assinava e era uma briga entre eu e o meu irmão pra ver quem lia primeiro.

Mas já ver filmes, sempre!

Os filmes da minha infância:

- meu primeiro amor (chorei baldes)
- baile de formatura (algum da sequencia. morri de medo na infãncia e não tenho mais nem vestígio dele)
- querida, encolhi as crianças.
- desenhos da disney (a pequena sereia, a bela e a fera, pocahontas, o rei leão, aladdin, cinderela, branca de neve, etc.)
- elvira, a rainha das trevas (amo, amo, amo!!!)
- o grande amor de nossas vidas (em inglês, parent trap, com a Hayley Mills)
- o pestinha 2 (eu vi no cinema! ahahaha)
- esqueceram de mim
- olha quem está falando
- batman (1 e 2)
- o planeta dos macacos (o final do filme me chocou)

Deve haver outros que não me lembro agora, mas foram principalmente esses.

Somnia Carvalho disse...

Lola,

eu preciso confessar que meu livro marcante de infancia nao e nada que me deixe assim cheia de orgulho, mas como faz parte acaba sendo tao especial que falo ate com certo carinho...

Ninguem da minha familia era letrado. Meu pai tinha a terceira serie e minha mae nao sabia escrever nem ler (aprendeu no mobral com quase 40), mas eles eram MUUUITO catolicos (o que tambem nao sao mais) e os unicos dois livros que eu tinha na estante meu pai havia comprado em Aparecida do Norte, numa de nossas excursoes: "Karol Józef Wojtyła", biografia do moco polones que acabava de ser nomeado papa naquela epoca. O segundo tinha vindo de presente com esse e se tratava da vida da Maria Madalena. Esse ai eu li umas trocentas vezes porque a mulher me parecia tooom interessante.

Depois desses vieram os Julias, Bianca da vida, simmm! nao precisa me por no seu caderinho negro.. eu emprestei de uma prima podre, tambem nao letrada, mas que tinha todos.... dai, finalmente, as professoras da escola vieram com a colecao vaga lume e eu devorei todos, comecando pelas aventuras de xisto e spharion...

eu melhorei meu niver bem, mas eu devo confessar que pra um crianca sedenta por leitura aqueles la ate que salvaram a patria! ao menos eu criei o gostinho pela coisa... beijocas to atrasada com as leituras todas do blog...

Somnia Carvalho disse...

ah! e pra falar de filme tombem?

horroroso, mas marcanta porque "caguei de medo": "O monstro", passou na sessao de fala e eu era pequena pra ver, mas vi escondido e morri de meda...

Somnia Carvalho disse...

putz grila Lola, minha prima era POBRE e nao "podre" coitada, como saiu no meu comentario!!! podres eram os livros! ha hä

Somnia Carvalho disse...

caramba! e nao era "sessao de fala"! era SESSAO DE GALA!!!

hoje to pessima

Chris disse...

Lola, acho que um dos livros cuja memória está mais forte é "Tistu: O menino do dedo verde". Lindo, lindo, lindo. A série do Sítio do Pica Pau Amarelo também é forte, "Reinações de Narizinho" é inesquecível. Como sempre gostei de animais, também lí Black Beauty (sobre o cavalo negro, ha ha ha) e O Nabo Gigante. ;)
Os filmes não são muitos... Tirando os óbvios de bichinhos (Digby e Beleza Negra), lembro de assistir os do Elvis na Sessão da Tarde, mas não sabia quem era Elvis e também umas animações tipo Thunderbirds. Minha segunda infância foi mais ao ar livre do que indoors, thanks God, mas tenho lembraças fortes destes acima.
Se eu puser o "célebro" para funcionar, vou lembrar de mais, mas acho que os mais fortes são esses aí!
Beijos

babsiix disse...

L Archilla, eu lembro desse livro do rabanete! rss.. tb li na minha infancia

O q me marcou mt e ate costumo dizer q me "moldou" foi a agatha christie. O auge foi qdo eu tinha 12 anos, chegava a ler 2 livros inteiros por dia. Com ela aprendi o vocabulario q uso ate hj, interesse em psicologia..

ah, ja ia esqcendo. Christiane F! poise, eu achei esse livro em casa por acaso, e comecei a ler, com 10 anos. Sei q meus pais descobriram (eu lia escondida) e tiraram a força. Lembro de eu chorando e protestando por isso, heheh.

Eu tb adorava os filmes das irmãs Olsen.

Prity disse...

O livros que mais amei na infância, foram:
-Histórias biblicas ilustradas.
(As ilustrações eram lindas e as histórias como Sansão e Dalila, Ruthe e Boaz, Ester e o Rei, eram tao legais como as histórias de conto de fadas.
E na Adolescência
-Todos da Agatha Cristhie e do Sidney Sheldon.

lola aronovich disse...

Ah, esse thread tá muito legal... Queria ter tempo de responder todos vcs!


Pô, Gio, pelo jeito dá pra escrever um tratado chamado “Como a Literatura me Enganou”! Imagino a sua reação ao descobrir que flamengo não era só o Mengão! E isso de “descobrir” o sexo na literatura... Dá um post muito interessante. Vamos ver se algum dia eu tenho tempo.

lola aronovich disse...

Daniel, acho que um desses filmes que vc menciona é o Jardineiro Fiel! MUITO CHATO que um filme de 2005 (ontem!) seja seu filme de infância, menino! Há há, mas vc tinha 11 anos, eu entendo...


Vitor, O Pestinha 2?! Não precisa explicar mais nada! Agora sei como sua infância foi traumática e vc cresceu pra odiar o Clint Eastwood!

lola aronovich disse...

Somnia, não se preocupa com os errinhos. Eu nem notei que vc tinha escrito “podre”. Nem os outros! Meus dias de revisora acabaram. Muito interessante sua história. Deve ser uma droga ter apenas dois livros em casa. Ah, eu li bastante Julia e Bianca tb. Nem sei com quem eu pegava. Certamente eu não comprava e meus pais não compravam pra mim. Mas vinham parar na minha mão, e eu lia tudo. Eu sabia que estava lendo sub-sub-sub literatura, mas gostava.



Chris, eu lembro bem de Tistu! Era muito bonitinho. Agora, o Nabo Gigante? Tem certeza que não está confundindo os canais? Ô livro com nome pouco infantil...

Luma disse...

Quando penso em livros que marcaram minha infãncia os primeiros que eu lembro são A Droga da Obediência e O Gênio do Crime.

Tem um da Stella Carr que eu li na escola, mas não lembro o nome. Era bem legal também.

DRI disse...

Oi, Lola....
(Ah, adoro teu nome!!)

Bem...leio teu blog ha meses, mas so agora vou comentar!!!

Os filmes que marcaram minha infancia foram Dirty Dancing e Meu Primeiro Amor....ADORO!!!

Quanto aos livros....gostava muito de Papai Pernilongo ...e quando passei a entender melhor de literatura, me encantei por Dom Casmurro...que e meu livro preferido ate hoje!!!

P.S.!!!Desculpa a falta de acento...mas meu teclado esta louco hj!!

Beeeijos p todos!!!

Dai disse...

Nossa, que delícia de post. Quero comentar! Minha primeira e segunda infância - dos 5 aos 12 - foi bem povoada de livros e gibis. Mõnica e Cebolinha me alfabetizaram. Também adorava X-Men e o grupo de heróis análogo da editora DC, os novos Titãs. Os livros, bem, quando bem criança lembro de um do Jorge Amado chamado "O gato malhado e a andorinha Sinhá",uma pequena tragédia. Sempre ganhava livros de presente. Li Tistu, Polyanna (os dois volumes) e O Pequeno Príncipe na mesma época, mas o niilismo do último foi que me pegou de jeito, eu era uma criança existencialista. Também lembro de um livro apaixonante de Pedro Bandeira - a Marca de uma lágrima, indicado na escola, uma história meio Cyrano de Bergerac e da história triste de Capitães de Areia.
Assim como não dá para esquecer aqueles odiosos contos de fadas com meninas tão sofridas e maltratadas, como Pele de Asno, Branca de Neve e a Pequena Sereia. No início da adolescência me apaixonei por Heathcliff, do Morro dos Ventos Uivantes, acho que ele estabeleceu um certo padrão masculino que tive dificuldade de romper.
Filmes: sessão da tarde. Lógico. Todos os dias. Muita Doris Day e Rock Hudson na veia. Ah, tinha o festival Jerry Lewis, que passava aos sábados - adorava. Do Elvis não gostava, achava chato. Adorava musicais também. Eu lembro de ter ficado completamente embasbacada quando assisti à Noviça Rebelde, o filme mais alegrinho da história. "E o vento levou..." me fazia ficar acordada madrugada adentro, pois a globo o exibiu em três capítulos. Também lembro bem de Kramer versus Kramer, Totsie e Manhattan, quando conseguia ver TV até mais tarde. Eu gostava muito do Woody Allen nessa época. E de ter chorado até o coração doer ao assistir A cor púrpura - eu tinha uns 9 anos, acho. Nossa, tanta coisa. Muito gostoso poder lembrar. Beijos, Lolinha.

olhodopombo disse...

o meu autor predileto na infancia foi o Monteiro Lobato e a ele sou grata a ate hoje pelo gosto da leitura, pois foi com ele que aprendi a buscar o infinito nos livros...
quanto aos filmes, gostava de todos do Oscarito...

Débora disse...

Também sou da turma do Monteiro Lobato, minha mãe comprou uma coleção de livros do M.Lobato de capa dura amarela e manteve no plástico. Ela estava esperando eu ficar maiorzinha para ler e não estragar os livros. Li tudo escondido, abria o plástico com todo o cuidado, lia e depois guardava. Eram momentos mágicos.
Filme, foi O Labirinto com o David Bowie, minha primeira vez no cinema. Lembro até hoje.

L. M. de Souza disse...

eu ia citar qualquer coisa do júlio verne, mas daí lembrei de um volume de contos de piratas e corsários na américa latina, que nunca mais achei, e que me impressionou muito quando eu tinha 13 anos. como a gente não tinha videocassete, minha infância passei vendo sessão da tarde e cinema em casa. os clássicos: goonies e curtindo a vida adoidado.

Mila disse...

Bom, eu tinha dois livros marcantes na minha pré-adolescência - quando eu era criança, minha leitura marcante era a bíblia ou os contos de fada (o que explica muita coisa, mas enfim) - eram "O sequestro da Princesa Clau de A." e "O senhor dos pesadelos" (ou era mais ou menos isso). Além dos livros de pedro bandeira ("A Marca de uma Lágrima" e a coleção de Os Karas)!

Eu adorava essas histórias - só depois de adulta que fui notar a malícia de "O sequestro da princesa Clau de A."

E gostava delas porque me faziam viajar longe...

{Aliás, até hoje eu pego livros para me divertir meeeesmo! "Vou fazer algo que me faça rir, viajar mesmo" -> pego um livro besta de literatura para ler! Adoro!}

Vitor Ferreira disse...

Ai Lola, o pestinha é inofensivo, mas o conservadorismo imundo e alienante do Clint eh uma arma, um veneno. Me dá repulsa.

Tâmara disse...

lola! Flicts foi um super livro pra mim... Eu tinha em casa e adorava!
Depois que eu cresci um pouquinho, li várias vezes o menino do Deod Verde... lindo, lindo...
E quanto a filmes, o meu grande filme de infância foi Rei leão. O primeiro que vi no cinema, depois ganhei uma fita (elas ainda vendiam no supermercado na época) e assitia sempre que dava

Malu disse...

Os livros que mais marcaram minha infância:

A obra completa do Sítio do pipa-pau amarelo. Acho que foi o meu primeiro contato de verdade com um livro. Antes só lia gibi. Me fez ver que gibi não é a única forma agradável de leitura.

A coleção Vagalume que só tinha livro bom e me fez querer ler mais dos autores que faziam parte da coleção. Foi importante porque me fez começar a ler crônicas.

E tem ainda o apanhador no campo de centeio. Li pela primeira vez com 10, 11 anos e me marcou porque me senti retratada ali. Eu era bem parecida com o Caulfien e até hoje acho isso. Foi importante pois me vez ver que não sou a única.

E Pedro Bandeira com a turma dos Karas? A droga da obediência, a droga do amor... E ainda tinha a marca de uma lágrima.

E tinha a coleção 23 horas acho, nem lembro mais.

Nossa Lola, esse são alguns exemplos, eu lia em média 7 livros por semana. Saudades daqueles tempos.....

Malu disse...

Quanto a filmes....
Eu via Sessão da tarde mas como não tinha legenda eu alugava. Enchia o saco dos meus pais para me levarem á locadora e lá eu pegava filmes legendados. Mas ainda era na época do VHS e não tinha desenhos legendados por isso nenhum desses da Disney marcou minha época. Eu só via filme de ação, drama e terror. Imagina uma menina de 8 anos vendo terror! Mas só havia essa opção mesmo. Por isso não tenho saudade dessa época, chegaram os DVDs para democratizar mas infelizmente os nacionais ainda não são todos que contém a opção legenda em português.

Daniel M. S. disse...

"Daniel, acho que um desses filmes que vc menciona é o Jardineiro Fiel! MUITO CHATO que um filme de 2005 (ontem!) seja seu filme de infância, menino! Há há, mas vc tinha 11 anos, eu entendo..."

Esse mesmo :)

Como tu mesmo disse, o filme é novo, mas eu também sou :P 2005 pra mim não é ontem... (embora eu achasse que fazia mais tempo que tinha visto o filme)


Outro livro que me marcou, mas aí quando bem menor, acho que um dos primeiros livros mesmo (dos com escrita em pelo menos metade das páginas, ocupando a página toda, não aqueles com 2 ou 3 linhas por página) que li, foi uma versão da bíblia para crianças... Eu adorava as histórias...

Diana disse...

Uma vez, escrevi um texto sobre isso, para um "concurso". Enfim...

"(...)Poderia dizer que foi Sonho de uma noite de verão, de Shakespeare, já que é a primeira opção que vem à mente quando penso nisso. Poderia também dizer que foi A Fada que tinha ideias, já que eu sempre tive a esperança de tornar-me uma fada. Também poderia falar de O Pequeno Príncipe, ou de Frankenstein. Mas acho que estaria sendo injusta. Todos esses livros se perderam em algum momento: ou emprestei pra alguém que nunca mais me devolveu, ou acabei doando. Tive de comprá-los novamente depois.

Enfim, acho que o que realmente mais me marcou foi o Manual da Mônica, de Maurício de Souza, edição de 1985. É o único que ainda resiste bravamente, mesmo rabiscado pelas mãos de uma criança de 3 anos, mesmo remendado e com as folhas se soltando. Foi nele que aprendi a ler, aos 4 anos de idade. Foi ele que defendi tão calorosamente nas inúmeras vezes que a minha mãe quis se desfazer das “quinquilharias”. Foi com ele que aprendi a fazer bolo de chocolate (a receita, por sinal, é excelente!). É dele a memória de leitura mais antiga que tenho: um texto sobre índios apache. E, além de tudo isso, ele é a única lembrança viva do meu tio Chico, que faleceu tão logo eu completei 4 anos. Que nunca chegou a me ver tropeçando nas palavras do texto dos índios. Que nunca comeu do bolo de chocolate. Que somente viu os rabiscos e as “obras de arte abstrata” nas páginas do manual.(...)"

rebeca disse...

ahhh harry potter me marcou sim =~~ aushahus, ao longo que os livros eram lançados eu sempre tinha a mesma idade que os protagonistas , isso fez com que eu criasse uma identificação com eles

mas acho que um dos livros mais marcantes p mim até hj, que leio e releio 190308992833 de vezes é don quixote, sou simplesmente apaixonada pelo fofo do sancho pança; tem tb "o corpo" de stephen king que acho simplesmente perfeita a msg de amizade que ele passa daquele jeito bemm a la kinguiana

Analy disse...

Os filmes q marcaram a minha infancia eram os q tinha alguma relacao com mitologia grega, principalmente as animacoes do Ray Harryhausen. Sao eles: As Sete Caras do Dr Lao, Furia de Titas, Jasao e os Argonautas. Tb dele, adorei o filme do Simbad, q era beem anterior aos meus dias de menina, mas igualmente interessante!

Curtia tb alguns musicais, como Xanadú (!), A Novica Rebelde e Nos Tempos da Brilhantina.

Livros, confesso q só fui realmente gostar deles na adolescencia. Na infancia, o q eu gostava mesmo era dos gibis da Turma da Monica, devorava-os - de resto, nao tinha tempo pra ler, queria era correr na rua com a molecada! rsrsrs.

Mas pra nao dizer q nao curti absolutamente nenhuma literatura qdo crianca, gostava daquele livro com as tres histórias da Ruth Rocha, "Marcelo Marmelo Martelo", "Teresinha e Gabriela" e "O Dono da Bola". Tb gostei do Menino Maluquinho, mas já era maiorzinha qdo o li, pré adolescente.

Analy disse...

Correcao: TODAS as animacoes do Simbad feitas pelo Ray Harryhausen me interessavam - aqueles bichos de massinha eram maravilhosos! Até hoje eu gosto de assistir esse tipo de animacao, a séria da Aardman Animations "Creature Comforts" é a minha favorita. :)

Anônimo disse...

Li historia das cruzadas de j. F. Michaud, nao sou mto fã de ficção e achava glorioso lutar por um ideal que alguém toma para si