quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

ANDAR COM FÉ EU VOU

O maridão ralhou comigo quando avisei que iriam chegar algumas publicações religiosas pra mim. “Ahh! Por que eu não posso comprar livros de xadrez baratinhos, e você pode assinar essas coisas?!”, disse ele, revoltado. Expliquei que eu leio tudo, até bula de remédio, que essas publicações são grátis, e que eu não pretendo levá-las pra Joinville, quando a gente voltar em agosto. Inclusive, tem uma ou outra igreja que manda a assinatura pro Brasil, então vou continuar com ela. Não é que estou planejando uma conversão ou um exorcismo da minha pobre alma perdida. É que tenho que me manter informada sobre o que a direita cristã americana anda pregando. Tá certo que o discurso deles não muda muito, mas nem por isso as matérias deixam de ser divertidas. Por exemplo, numa das revistas eles se revoltam com um projeto de lei que proíbe discriminação no trabalho contra transsexuais. Pra direita-cristã, não discriminar equivale a aceitar um estilo de vida hediondo. Querem que o preconceito corra solto mesmo! O mais engraçado é que eles tentam manter um tom objetivo no artigo, até não aguentarem mais e meterem um “pervertido” pra descrever um homem que muda de sexo.
Na foto, você vê algumas das publicações que já chegaram aqui. Encomendei um ou outro livro sobre sexo porque as religiões (acho que praticamente todas) lidam muito mal com o assunto. Mas a direita cristã diz que não há absolutamente nada de errado em fazer sexo – desde que seja dentro do casamento, para fins reprodutivos, e apenas entre um homem e uma mulher. Igualzinho ao que o Vaticano prega há séculos! Porém, algumas dessas igrejas evangélicas odeiam o Papa (qualquer um). Pra cumprir a profecia que está na Bíblia, segundo essas igrejas que crêem que o apocalipse tá virando a esquina, o Vaticano tem que querer retomar a força que tinha na Idade Média, o que trará desestabilidade mundial e uma terceira grande guerra, dessa vez em Jerusalém. Depois vêm o Julgamento Final e a paz eterna. O chato é que não possam fixar uma data exata. Todas as vezes que fizeram isso e o tão esperado apocalipse não veio, elas perderam fiéis.
Uma vez, em Joinville, uma adventista do Sétimo Dia bateu a minha porta pra me converter, porque o fim do mundo estaria próximo e eu podia ser salva. Perguntei se havia um prazo de carência pra cumprir, ou se eu poderia me converter um dia antes do fim. Ela ficou confusa mas eventualmente respondeu que tudo bem, não há carência, desde que a conversão seja sincera. Pedi pra que ela voltasse na véspera.

4 comentários:

Andrea Cristina disse...

"Perguntei se havia um prazo de carência pra cumprir, ou se eu poderia me converter um dia antes do fim."

Essa foi a melhor de todas até agora!!! uahuahuaha
Até seus posts religiosos são ótimos!!!

Parabéns Lola!!!

PS - posso andar desaparecida por alguns dias pq vou viajar, mas escreva lola, escreva, pois quando voltar eu quero ler muitooooo! Abs!

Vitor Ferreira disse...

Os discursos religiosos são qualquer coisa. É realmente incrível como as pessoas podem ser limitadas em relação às diferenças alheias. Quando tiver mais matérias interessantes, coloque por aqui, por favor.
Abraço!

Igor Garcia disse...

Oi LoLa!!!!

Realmente seus posts estão espetacularmente ácidos!! É melhor vc realmente escrever do lado de fora do Brasil, parece que ares diferentes aumenta suas inspirações (não que os ares estadunidenses tenha um aroma melhor do que aqui)!

Quer aumentar seu prazo de carência? Vire vegetariana! Uma reportagem típica do SBT mostrou uma cidadezinha nos confins primórdios dos EUA, onde existem aquelas cidades tipicas dos livros de Clive Barker ou Stephen King, onde seus 60.000 habitantes são TODOS Adventistas e a idade MÉDIA daquela cidade é de 65 anos! Imagine: cidadãos com longevidade de 90, 100 anos, se exercitando, fazendo sexo pra procriar, sem alimentação animal, sem vicios, sem drogas, sem bebidas, sem chocolate!

Tipicamente o inferno!

"Live fast, die young, take a good corpse!"

Bjs n'alma e boa semana!

lola aronovich disse...

Pois é, Igor. Já pensou morar numa cidadezinha em que todo mundo frequenta a mesma igreja, e se vc nao comparecer, ninguém mais fala contigo? Vira o maior outcast?! Cruz credo! Eu tava pensando nisso ontem. Suponho que a Hillary Clinton não seja muito religiosa. Mas ela não tem a opção de não ir a alguma missa. Se fizesse isso, não poderia nem concorrer à presidência, porque o pessoal assumiria que ela é atéia, e ser atéia num país cheio de fanáticos religiosos como os EUA não é bom pra carreira... to put it mildly!