sexta-feira, 30 de agosto de 2019

ALERTA ÀS MÃES E PAIS DE ADOLESCENTES

Outro dia uma escritora americana, Joanna Schroeder, escreveu uma thread no Twitter que viralizou (passou dos 180 mil likes). Como o que ela disse é muito relevante, e como eu vivo dizendo algo parecido (pais, vocês precisam saber o que seus filhos fazem na internet, porque imagina que tragédia se eles se tornam terroristas), pedi ao querido Vinícius Simões para traduzi-la.

A thread de uma mãe sobre garotos
brancos e propaganda da extrema
direita é leitura obrigatória para pais
Você tem filhos adolescentes brancos? Preste atenção.
Tenho observado o comportamento online dos meus filhos e percebi que as redes sociais e os vloggers estão ativamente lançando as bases em adolescentes brancos para transformá-los em supremacistas e membros da alt-right [“direita alternativa”, uma nova leva de conservadores de extrema direita identificados com a supremacia branca que ganhou fôlego na segunda década deste século].
Eis como:
É um sistema que acredito ser propositalmente criado para desiludir garotos brancos para longe de pontos de vista progressistas/liberais [liberal aqui deve ser entendido como costuma ser empregado na política norte-americana, isto é, algo próximo do “esquerdista” usado no Brasil].
Primeiro, os garotos são inundados por memes com piadas sutilmente racistas, sexistas, homofóbicas e antissemitas. Sendo garotos, eles não veem as nuances e os repetem/compartilham.
Depois eles são chamados à atenção por essas piadas/ frases/ memes por pais, professores e crianças (principalmente meninas) na escola e online. Os garotos então sentem vergonha e constrangimento –- e a vergonha é a força que, acredito, leva as pessoas às suas piores decisões.
Exemplo de meme antissemita
O segundo passo são os garotos consumindo mídia com temáticas do tipo "as pessoas estão muito sensíveis" e “você não pode dizer mais nada!”. Para esses meninos, isso soará legítimo -- eles estão tendo problemas por “nada”. Essa narrativa permite que os garotos abandonem a vergonha -– substituindo-a por raiva.
E de quem eles sentem raiva? Mulheres, feministas, liberais, minorias étnicas, gays, etc etc. Os chamados "floquinhos de neve especiais". E não há ninguém lá para desmontar a falácia do “floquinhos”.
Esses garotos estão sendo configurados -– eles são colocados como bolas de beisebol em um pino e atirados direto para fora do parque. E NINGUÉM parece notar isso acontecendo -– exceto, ao que parece, mães de garotas adolescentes que veem o assédio bizarro que suas filhas sofrem. 
Me chame de floquinho de neve
especial mais uma vez
E, claro, mães como eu, que vigiam as redes sociais dos filhos.
Esses meninos são frequentemente de famílias progressistas ou moderadas -– mas seu comportamento online e hábitos de visualização são muitas vezes ignorados.
Aqui está um alerta vermelho prévio: se o seu filho reclamar de como as pessoas andam sensíveis para se ofenderem com uma piada, ele já está sendo exposto e a caminho. Intervenha! Olhe seu Instagram Explore junto com ele. Explique o que está sob esses memes. Explique por que “se sensibilizar” não é uma piada, o que um gatilho de estresse pós-traumático realmente é. 
Evoque empatia sem envergonhá-lo. Lembre a ele que você sabe que ele é uma boa pessoa, mas explique como a propaganda funciona. A propaganda faz com que pontos de vista extremos soem normais devido a pequenas quantidades de exposição ao longo do tempo -– tudo com o propósito  de converter pessoas a pontos de vista mais extremistas. Diga ao seu filho que ele não precisa ser enganado por ninguém.
Steve Bannon, responsável pelo
crescimento da direita online
Adolescentes possuem um impulso inato em direção à independência, e, uma vez que este sistema é exposto, é provável que eles passem a questionar as intenções dos memes e vloggers. Diga que você está sempre presente, não julgando, mas olhando para o conteúdo e tentando identificar a mentira -– sem julgamento.
Então não julgue!
Você pode também assistir a shows políticos cômicos com ele, como Trevor Noah, John Oliver e Hasan Minhaj. Fale sobre o que torna suas piadas engraçadas -– quem é o alvo das piadas? Eles fazem piada com o opressor ou com o oprimido? Nossos garotos querem se identificar com caras engraçados. 
Um jovem ativista da extrema direita
faz o sinal de "ok", símbolo de
supremacia branca (eu, Lola, só
 descobri agora)
Dê-lhes John Mulaney, Hannibal Burress, Hasan Minhaj, Neal Brennan, Dave Chappelle... e depois converse com seus filhos sobre essa parada engraçada. Explique. (Também apresente a eles comediantes mulheres, obviamente, mas isso não vem ao caso aqui). Mostre a eles que comédia progressista não é sobre ser “politicamente correta” ou segura. Frequentemente é sobre expor sistemas opressivos -– que é a coisa mais distante de “segura” ou delicada possível.
Desmonte essa besteira de "floquinho de neve especial" e “vitimismo” de uma vez por todas. Pergunte ao seu filho: quem é mais “vitimista”: a pessoa que se ofende com racismo/ sexismo e quer ativamente ajudar a acabar com o preconceito? Ou a pessoa que se sente ofendida por quem diz “Boas Festas” em vez de “Feliz Natal”?
Acima de tudo, precisamos nos manter engajados e desafiar nossos filhos sem constrangê-los. Tenho sorte, meus filhos são inteligentes e têm um pai inteligente, crítico e progressista, que não tem medo de apontar a besteira quando vê. Mas vi TANTOS garotos brancos sendo vítimas desse sistema. Então cuidado.
Obrigado ao comentarista que compartilhou essa thread sobre jornalistas que fizeram o trabalho real sobre este assunto. @Max_Fisher, você é um herói por isso.
IFunny se tornou um pólo
do nacionalismo branco
E alguém sugeriu essa entrevista relevante com um ex-supremacista branco sobre como ele se radicalizou (e conseguiu sair).
Outra grande fonte que li em algum momento e tinha me esquecido. Essa é uma história de pais verdadeira. Eu não sei quem eles são, no entanto. Um trecho: “Aos 13 anos, de repente sem amigos, ele não poderia entender como estava sendo manipulado ou como a tecnologia tornava mais fácil para a alt-right online encontrá-lo”.
Mais uma fonte!

18 comentários:

Anônimo disse...

São floquinhos de neve sim! Vcs incentivam as minorias a se comportarem assim. É o tal do polititicamente correto que ninguém aguenta mais! Hj em dia tem que ficar pisando em ovos pra não "ofender" x, y ou z ou o car@lho a quatro pq são "oprimidos". Na verdade, hj os verdadeiros oprimidos são o tradicional, hetero, caucasiano de classe média cristão. Esse é o culpado por tudo e sempre será o último a ser chamado na fila, no vestibular e na vida. É o que sustenta a corja toda e é preterido em tudo. Tem que ceder sua vaga para os floquinhos de neve...

Alan Alriga disse...

"Um jovem ativista da extrema direita
faz o sinal de "ok", símbolo de
supremacia branca (eu, Lola, só
descobri agora)"
Também não sabia dessa, mas fiquei com a dúvida, é o sinal do OK normal ou duplo que nem na foto que é o símbolo dos supremacistas de merda?

Anônimo disse...

Lol, ainda caem no meme do sinal de ok!

Anônimo disse...

São bem mais comuns do que se imagina. Um exército em formação.

Anônimo disse...

Meh, para mim parece só mais uma mãe que tem uns filhos que são completa merda, e tem que arranjar outros para culpar por isso. A internet não deixa ninguém racista, no máximo reforça crenças já existentes.

Leo disse...

Essa alt-right é bem chatinha mesmo.

Anônimo disse...

Floquinho de neve é você. Vitrinista é você que não consegue viver a vida se “exercer o direito” de pisar nos outros. Vai viver uma vida de amargura culpando os outros pelos próprios fracassos.

Cinthya disse...

Não quer assumir que é incompetente, fascistoide?

Leonardo Ribeiro (Lawlyet) disse...

Oi, Lola, tudo bem? Provavelmente não vai se lembrar de mim... sou um dos antigos "mascus" que chegou a discutir com você, uns 7 anos atrás. Eu usava o pseudônimo de Lawlyet_W na época... Tinha um forum e site (que também era rede social) chamado Mundo Realista naquela época, e costumávamos usar o termo "Real" para nos definir... não vim aqui para discutir política, feminismo, nem nada do tipo.. na verdade, há alguns anos ando evitando essas discussões, e os meios "conservadores" anda me irritando (e, de certa forma, me enojando). Vim aqui, na verdade, porque estava desenvolvendo um site para um cliente. Como houve dúvida do cliente devido à resolução que ele usava no computador dele, fazendo a aparência do site ficar distorcida, depois de arrumar e conversar com ele sobre as resoluções usadas hoje em dia, e as que se usava poucos anos atrás, e como as coisas mudaram tão rápido, decidi visitar alguns que costumava frequentar antigamente, desde os sites sobre Linux e Software Livre, até alguns blogs e sites sobre real, masculinismo, feminismo, conservadorismo etc., para ver como o design aparecia hoje em dia (a maior parte continua com o mesmo design de antigamente). Aqui, o layout com o texto do seu blog ficou em um espaço muito pequeno, ocupando 1/6 da tela, sendo que estou usando no meu computador uma resolução de 1920x1080... Talvez seria interessante mudar o tema do blog... Não conheço quase nada sobre blogspot, mas creio que devam ter temas prontos para mudar com poucos cliques.

Espero que não leve a mal meu comentário. talvez nem faça tanta diferença o layout de um site hoje em dia, já que a maioria das pessoas nem usa mais computador, apenas celular. Abraços e uma ótima semana

Anônimo disse...

Adolescentes em formacao se deixam influenciar sim ja percebi

Anônimo disse...

a) OI Lola sou sua admiradora amo o seu trabalho.

b) Sabe o que eu percebo estes movimentos fascistas tem influenciado os jovens brancos de classe media porque pregam que estes estes jovens tem direitos aos seus privilegios e que as pessoas de outras classes sociais que estao invadindo o espaco deles.

Anônimo disse...

Sinceramente o brasileiro medio e um merda nao tem nocao de pensamento coletivo e racista homofobico e machista e ainda por cima burro porque acredita que o patrao e bonzinho que o rico no Brasil e vitima do Estado malvado.

b) E para piorar e falso cristao gosta de fazer caridade apenas para passar a imagem de superioridade porque e contra qualquer movimento de inclusao social. Fora os safados que mantem amantes.

c) Ainda por cima o brasileiro medio e preguicoso nao quer cuidar da propria casa quer empregadas domesticas mesmo sem pode pagar e no fundo adoraria ter uma escrava alguem que trabalhasse em troca de comida.

Anônimo disse...

08:50, chamando os outros de burros, mas incapaz de acentuar as palavras corretamente.

Anônimo disse...

E completando o brasileiro medio e invejoso nao passa no Enem chama o estudante da federal de maconheiro mas ele nao teve capacidade de entrar em uma federal. Nao passa no concurso e passa odiar funcionario publico.

b) E agora os idiotas que vendem comida na rua fabricam bolos para se virar diante da crise se intitulam empresarios para alimentar o ego e nao admitirem que sao pobres

Anônimo disse...

Várias matérias a respeito do assunto deste post têm saído no Deutsche Welle, El País, BBC.

Anônimo disse...

https://theintercept.com/2019/08/28/ranking-youtube-extrema-direita/

Anônimo disse...

fóruns mascus são uma espécie de máquina do tempo, vc entra por curiosidade e vê gente defendendo papeis de gênero, racismo "científico" dizendo que o Brasil é um país pobre por causa da alta taxa de miscigenação, trabalho infantil, subserviência feminina, volta da monarquia, separatismo, que rodeios e caçadas são esportes viris e outras sandices de 200 anos atrás.

Anônimo disse...

Adolescentes em formação ou qualquer outra pessoa que esteja com a auto-estima e resiliência vulneráveis.