sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

MC CAROL FALA SOBRE MÚSICA ACUSADA DE FAZER APOLOGIA AO ESTUPRO

Reproduzo aqui, com um pouquinho de atraso, o texto poderoso que a MC Carol publicou no seu Facebook sobre uma música "polêmica" (o refrão diz: "Só surubinha de leve com essas filhas da p*ta / taca a bebida, depois taca a pica / e abandona na rua").

Alguns homens e até algumas mulheres estão tentando explicar a música "Surubinha de leve", dizendo que ela apenas retrata uma realidade onde as mulheres vão pro baile caçar macho pra bancar bebida, e a surubinha acontece por conta disso.
Vamos lá, vou escrever aqui uma coisa que nunca falei em entrevistas, que me dói muito ao lembrar e que faz parte de uma realidade que a gente ainda vive.
Primeira tentativa de estupro que vivi: meu bisavô tinha um bar, e eu vivia grudada no meu Vô, e um homem de uns 60/ 65 anos fez amizade com meu avô e falou "Um dia você deixa a Carolina ir brincar com as minhas netas?" Meu avô respondeu: "Você tem netas, tá bom, se ela quiser, ok". Um mês depois esse homem chegou la no bar e perguntou se podia me levar. ERA UMA ARMADILHA. Ele me trancou na casa dele, tirou minha roupa à força e enquanto eu chorava, pedindo pra ele me deixar ir, ele beijava meu pescoço, dizendo que ia me dar uma bicicleta rosa. Eu só tinha 8 anos. Graças a Deus a mulher dele chegou na hora, gritando desesperada, mas ela não fez nada depois, e eu também não fiz nada, meu avô mataria ele com as próprias mãos e eu decidi por não falar. Meu avô achou estranho eu ter voltado mais cedo, mas eu não contei. Uns meses depois bateram no homem e expulsaram ele da comunidade pelo mesmo motivo.
Segunda tentativa de estupro que vivi: me chamaram pra ir no baile pra cantar a música que eu tinha escrito. Foi a primeira vez que fui ao baile, eu tinha uns 16 anos. Eu cantei, foi legal, e na hora de ir embora encontrei com um amigo que eu já conhecia há um tempo e pedi carona. Esse menino estava com outro amigo, motos separadas, e ele pediu pra eu aguardar um pouco, e a gente ficou conversando. O amigo do meu amigo pediu pra eu chamar a minha amiga pra ele oferecer também uma carona, porque estava interessado nela, e minha amiga não quis. Na hora de montar na moto, esse cara ficou insistindo muito pra eu ir na moto dele, o meu amigo falando que eu ia na moto dele e mesmo assim ele insistindo e jogando a moto pra eu sentar, dizendo que tava tranquilo, que ele morava em comunidade tal (próxima a minha) e que ele não era maluco de fazer nada. 
É... mas ele era! Não desconfiei da insistência e montei. A gente foi indo juntos e do nada ele começou a fingir que estava tendo problema na moto, começou a ir muito devagar e do nada começou a entrar em várias ruas, e eu já nem sabia onde eu estava, mas eu chorava, eu pedia pelo amor de Deus pra ele me deixar descer. Ele só falava que eu ia ter que dar pra ele, que eu ia dar de qualquer jeito. Depois de muito tempo rodando comigo, por fim ele falou que ia me levar pra casa dele e pegou uma reta pra subir a comunidade. Eu pensei em me jogar mas ele estava muito rápido, era 5 da manhã, não tinha ninguém na rua, e no último segundo eu orei, orei em voz alta, supliquei a Deus que me tirasse daquela situação, e Deus mandou eu olhar para trás. Uma viatura surgiu do nada e ele me soltou. Enquanto eu andava em direção a minha comunidade, meu amigo voltava da minha comunidade, ele estava desesperado, com os olhos cheios de lágrimas me pedindo desculpas. Ele era minha única testemunha, mas três dias depois ele dormiu na moto e quebrou o pescoço. 
Vocês pensam que a história acabou? Não acabou não! Esse cara pesquisou minha vida toda, ele me cercou subindo da escola, ameaçou me matar na frente dos meus amigos da escola, disse que eu não tinha mais provas e que ele atiraria em mim quando eu estivesse jogando bola, falou que sabia onde eu morava, meus horários etc. Eu falei que não falaria nada pra ninguém, e ele ficou um ano me perseguindo pra ter certeza que eu não iria denunciar. Eu passei um ano da minha vida sendo perseguida e ameaçada. No meu aniversário de 18 anos do nada ele subiu, entrou dizendo que era meu convidado, nossa... eu entrei em pânico, tiraram ele da festa sem saber o que ele tinha feito, e ele esqueceu que eu existo.
Terceira, que não sei se foi uma tentativa de estupro: eu cheguei no baile de carnaval com meu vinho já aberto, e pedi para um cara conhecido pra vigiar enquanto eu ia mijar. Foi coisa de cinco minutos. Minha vista começou a ficar escura, comecei a sentir meu corpo frio e um nó na garganta, só deu tempo de eu sentar numa cadeira. Fui retirada do baile desacordada, fui levava para o hospital e fiquei no soro. Não conseguia entender de jeito nenhum como aconteceu aquilo comigo, eu sempre bebi uma garrafa de vinho sozinha, nunca vomitei, nunca fiquei com ressaca. Eu não lembrava de nada, passou uns dias e eu tive alguns flashes, e lembrei de um rosto, peguei uma moto fui até a comunidade desse rosto e ameacei ele, e ele só falava: "Foi comigo que você deixou seu vinho? Foi comigo? Você tem que lembrar a pessoa com quem você deixou."
E eu falei: "Mano, eu não lembro, se tu não falar, vou falar que foi você, eu quase morri." E ele finalmente falou, disse que o cara colocou umas três balinhas no meu vinho. Eu só bebia vinho e o cara fez isso comigo e quase me matou.
Eu tinha mais de 18 anos, eu já cantava, já era conhecida e fizeram isso comigo, se acharam no direito de fazer isso comigo. Após o acontecido eu escrevi "A vingança". No caso da minha música, o cara ficou insistindo para ela beber, sem conhecer ela e ela suspeitou da maldade dele. Escrevi dessa forma para as meninas e mulheres entenderem que 100% dos homens que oferecem coisas querem alguma coisa em troca! Pode ser bebida ou dinheiro ou até uma carona, eles sempre querem alguma coisa.
A gente sabe que isso existe e que isso acontece, mas vocês MCs homens têm que parar imediatamente de reproduzir isso. Dá pra gente brincar, dançar, se divertir, ganhar dinheiro, sem falar que vai dar bebida, comer e jogar na rua, ok?

85 comentários:

Anônimo disse...

Realmente! Concordo com a autora. A música eh um absurdo, ruim, horrorosa.

Mas proibir sua reprodução? Não.
A gente vê que alguém realmente defende a liberdade de expressão quando aceita que algo que vc não concorda possa continuar sendo dito.

Alicia

Anônimo disse...

Foi esta que disse que não dava para ser feminista e casada com homem ao mesmo tempo.

Anônimo disse...

Tem que proibir sim! do mesmo jeito que música racista deve ser proibida. As mulheres já são ridicularizadas demais, aceitar isso é muita falta de caráter.

Anônimo disse...

Sou contra a censura. Então deixasse reproduzir a música e ele que sofresse as consequências, mais democrático que isso impossível. Como existiu uma reprovação popular, isso não passaria incólume. Mas censura não, jamais, chega disso aí, até quando "pessoas de bem" vão determinar o que devemos ouvir, consumir e pensar sobre? Já deu.

Larissa disse...

Isso é o funk q vcs tanto defendem. A maioria das músicas trata mulher como lixo e tem feminista q defende essa bosta.
N dá para entender isso.

Ana disse...

Funkeira criticando funk... comédia. Falam como se só essa música desrespeitasse mulheres, o resto é uma maravilha.
N passamos de um pedaço de carne pra sermos fodidas. É assim q o funk nos trata. Sem falar dos possíveis pedofilos ou no mínimo abusadores de menores de idade, com as músicas sobre "novinhas".
Músicas empoderadas de novinhas sentando em picas...

Sinceramente, impossível entender feministas defendendo esse lixo. É muita incoerência reclamarem dessa música.

Anônimo disse...

Novidade, não sei pq alguém se surpreende com isso. Essa indústria nunca foi progressista e é protegida pleas organizações globo, só usam a esquerda para causar.

Anônimo disse...

"Escrevi dessa forma para as meninas e mulheres entenderem que 100% dos homens que oferecem coisas querem alguma coisa em troca! Pode ser bebida ou dinheiro ou até uma carona, eles sempre querem alguma coisa."

As travestis que o digam, nenhum favor é de graça e o que se quer é sempre a mesma coisa.

Anônimo disse...

Com 16 anos, já vai a baile funk sozinha com as "amigas".

Com 18 anos, já bebe uma garrafa de vinho sozinha "de boa".

Minha pergunta: essas pessoas têm pai e mãe?

Paulo disse...

Sou homem e confesso, uma vez vi uma colega de trabalho na chuva e ofereci carona pra ela, mas queria uma coisa... Queria que ela não se molhasse.

Anônimo disse...

Proibir essa música não é censura, uma vez que ela faz apologia ao crime de estupro de vulnerável. Parem de ser burros e de passar vergonha.
Censura é proibir algo devido ao seu conteúdo (i)moral, político, etc. Ninguém liga pra quem faz suruba, o problema é a pessoa que participar disso não poder consentir. Proibir uma bosta de "música" dessa é um favor, mas mais que isso leiam o artigo. 287 do CP e parem de cagar desinformação.
Queria ver se fosse uma música esculhambando pessoas com deficiência, seu bando de lixo hipócrita. Vão se ferrar todos que acham que é censura. Idiotas.

João disse...

Não tô entendendo. Ela sofre tudo que relatou e diz que a música que compôs é um alerta? Devo estar precisando de interpretação de texto...

Anônimo disse...

O Silvio, marido da Lola, é homem também. Certeza que ele sempre tem uma intenção nefasta oculta quando faz um favor a alguma mulher? Desconfio de estatísticas que dizem que 100% das pessoas fazem alguma coisa.

donadio disse...

"Funkeira criticando funk... comédia."

Ué, por quê? Como se roqueiro não criticasse roqueiro, sambista não criticasse sambista... funk é, no geral, uma porcaria, mas não é um partido político nem uma seita religiosa, não tem comitê central pra regular o que cada um vai dizer. A "música" em questão é uma apologia ao estupro, das mais escancaradas e chocantes aliás, qual o problema se as pessoas, inclusive uma funkeira, se revoltam ao ouvir a coisa?

donadio disse...

"Isso é o funk q vcs tanto defendem"

Vocês, quem, cara-pálida?

donadio disse...

"Minha pergunta: essas pessoas têm pai e mãe?"

Ter pai e mãe custa caro, não é acessível grande parte dos brasileiros.

Anônimo disse...

Eu sou homem e nesse caso acredito que não caiba a discussão sobre censura e liberdade de expressão.

Nenhum direito é absoluto, e isso vale também para a liberdade de expressão.

Esse caso envolve claramente apologia ao crime de estupro, e portanto, não pode ser tratado como uma simples expressão de opinião ou narrativa de um fato comum na sociedade. É uma exaltação ao estupro, que pode influenciar adolescentes e jovens a cometer o ato como se fosse algo natural.

Anônimo disse...

Parece que a associação do ''funk'' carioca (que sempre foi protegido pela rede globo) com a militância feminista brasileira anda capengando.

Anônimo disse...

Vejamos algumas músicas dessa grande poeta:


"Eu me amarro num novinho
Diz pra mim a sua idade
Porque essa noite
Eu vou tirar sua virgindade

(...)
Novinho de 15 anos
Eu vou tirar sua virgindade
Vou tirar
Senta no sofá e fica a vontade
Porque a Carol Bandida vai tirar sua virgindade"




"Larguei minha família, a escola, você sabe
Parei com a maconha, tô tô usando crack
Tô usando crack

(...)
A maconha te engorda use crack que é mais light
Tô usando crack
(...)

Vou perder os meus amigo, se prostituir faz parte
Tô usando crack"

"Sentar na pica dele foi delicioso
Enquanto tu chorava a gente gozava gostoso
Prazer eu sou Carol Bandida, amante do seu marido
Seu aniversário ele passou comigo
Quando eu passar, fica bem calada
Eu pego seu marido rindo da tua cara
Rindo da tua cara"



"Aponta, aponta, aponta (hey, hey, hey)
Aponta, aponta, aponta
Pra aquele parceiro que come viado (hey, hey, hey)

(...)

Fiquei um tempo te escoltando
Tu é lindo, sem defeitos
Até foi quando de repente
Eu descobri o seu segredo

Hoje, hoje me pararam
Revelaram seu passado
Todo baile que tu vai
Tu come viado"




"Explanou no microfone
Que queria transar
Ela bebeu demais
Ela falou sem pensar
Minha amiga não é disso
Ela é mina de família
Se embalou no ritmo
Ritmo da putaria

Liga pra Samu
Liga pra Samu
Ela quis transar com três
Deu hemorragia no cu"



"Eu não gosto de cerveja
Eu não gosto de maconha
Tu tá pensando que vai me deixar doidona?
Tu foi no banheiro
Deixou o copo na mesa
Sem tu perceber eu sabotei sua cerveja
Tu foi no banheiro
Deixou o copo na mesa
Sem tu perceber eu sabotei


Queria me levar de ralo, me deixando mal
Tudo planejado pra fazer bacanal
Eu sou Carol Bandida, sou sagaz, sou tranquilona
Não aceito mancada, se liga na tua responsa
Agora, você se fodeu, sou mais esperta que você
Você tá doidão, seus amigo vão te comer
Vão te comer, vão te comer
Sou mais esperta que você
Seus amigo vão te comer"



"Novinho interesseiro
Vou te deixar forte
Pra fumar maconha segurando meu malote"


"Quebro ela, quebro ela
Eu já peguei o marido dela
Quebro ela, quebro ela
Eu já peguei o marido dela

Se você roncar pra mim
Eu te passo na favela"


"Prazer, Carol bandida
Represento as mulheres, 100% feminista"


Desculpa minha querida mas você não representa PORRA NENHUMA e não tem MORAL NENHUMA pra dar sermãozinho em alguém.

donadio disse...

"Não tô entendendo. Ela sofre tudo que relatou e diz que a música que compôs é um alerta?"

É, você não está entendendo.

Ela está criticando uma "música" composta por um MC Diguinho, que faz apologia ao estupro. Qual a dificuldade? Você acha que a "música" é dela? Não é, é do MC Diguinho. Você acha que ela está dizendo que a "música" do Diguinho é um alerta? Não está, está dizendo que é apologia do estupro.

Anônimo disse...

Nas classes humildes, existem muitos pais e mães que protegem e orientam seus filhos donadio, deixa de ser preconceituoso cara. Responsabilidade e amor não precisam custar caro e não tem preço. Essa tua truculência e arrogância já encheram.

Anônimo disse...

Um ritmo que glamouriza a pobreza, disfarçava o machismo com o falso feminismo das mulheres-frutas/popozudas, que colocava o consumismo, alcoolismo, vingança e baixaria acima da cidadania e fazia um estranho ufanismo das favelas, como se fosse o máximo morar em construções precárias, não pode ser considerado progressista. Será preciso ver crescer o fenômeno do "pobre de direita" para as esquerdas se mexerem e perceberem o cavalo de troia que é o "funk" carioca?

O ''funk'' carioca só serviu para fortalecer o discurso de algumas categorias da direita (que se apropriaria do discurso "pela cultura de qualidade") e garantir aos fanqueiros uma boa grana da Lei Rouanet. As organizações globo e outras mídias influentes apoiam o ''funk'' carioca, até o psdb/dem/pmdb apoiam nos bastidores, mas deixaram as esquerdas fazerem o serviço sujo, se expondo ao ridículo.

Anônimo disse...

"Desconfio de estatísticas que dizem que 100% das pessoas fazem alguma coisa."

Estatísticas demonstram que 100% das pessoas que bebem água morrerão em algum momento.

Anônimo disse...

Eu sou a favor de censurar a música do campeão aí desde que as dela sejam censuradas também, pelos mesmos motivos (apologia ao crime). Não somos todos iguais perante a lei? Então tem que valer pra ela também e não só pra quem a gente pessoalmente não gosta.

Anônimo disse...

Isso é o funk q vcs tanto defendem. A maioria das músicas trata mulher como lixo e tem feminista q defende essa bosta.
N dá para entender isso.




#notallfeministas

Sérgio Carneiro disse...

MC Carol e a sua patrulha.

Apologia ao estupro? Estupro é uma agressão sexual sem o consentimento, seja por meio de força física, ou por coerção, ou por abuso de autoridade ou contra uma pessoa incapaz de oferecer um consentimento válido (tal como quem está inconsciente) ou com alguém com alguma incapacidade, ou uma deficiência mental e ainda abaixo da idade de consentimento. Em nenhuma parte da letra da música não fala em forçar as "minas", ou coagir as "malandras"...

E por falar na letra da música o trecho: (o refrão diz: "Só surubinha de leve com essas filhas da p*ta / taca a bebida, depois taca a pica / e abandona na rua") não faz parte da letra.

Anônimo disse...

"Mas proibir sua reprodução?"

ng tá ~proibindo a reprodução~ desse lixo, alicinha

quem tá proibindo???? a musica ta aí, pra quem quiser ouvir, vai lá, pode ouvir a vontade, otária

18:12 - não houve "censura" alguma, animal, meu comentário pra alicia (no país das maravilhas) serve pra vc tb.

"e ele que sofresse as consequências"/"isso não passaria incólume" - apedeuta, não precisa pôr os verbos no condicional, pq isso é o q JÁ ESTÁ ACONTECENDO

no mais, reproduzo outros comentários pra quem não entendeu (ou finge não entender):

'Proibir essa música não é censura, uma vez que ela faz apologia ao crime de estupro de vulnerável. Parem de ser burros e de passar vergonha.
Censura é proibir algo devido ao seu conteúdo (i)moral, político, etc. Ninguém liga pra quem faz suruba, o problema é a pessoa que participar disso não poder consentir. Proibir uma bosta de "música" dessa é um favor, mas mais que isso leiam o artigo. 287 do CP e parem de cagar desinformação.
Queria ver se fosse uma música esculhambando pessoas com deficiência, seu bando de lixo hipócrita. Vão se ferrar todos que acham que é censura. Idiotas.'

'nesse caso não cabe a discussão sobre censura e liberdade de expressão.

Nenhum direito é absoluto, e isso vale também para a liberdade de expressão.

Esse caso envolve claramente apologia ao crime de estupro, e portanto, não pode ser tratado como uma simples expressão de opinião ou narrativa de um fato comum na sociedade. É uma exaltação ao estupro, que pode influenciar adolescentes e jovens a cometer o ato como se fosse algo natural.'

Anônimo disse...

A esquerda nem sempre é ''paz&amor'' que muitos pensam. Tem muita gente autoritária, truculenta, arrogante e preconceituosa, principalmente quando se trata de preconceitos de classe social. Muitos esquerdistas tem uma visão negativamente estereotipada das pessoas pobres e ainda acham que estão ''defendendo'' o povo pobre com suas visões caricatas e superficiais. Tem muita gente da esquerda que diz que defende bandido (desde que seja) pobre, porque acha que se alguém é pobre, está condenado a ser bandido.

Anônimo disse...

"Apologia ao estupro?" - exatamente babaca

q parte do "Só surubinha de leve com essas filhas da p*ta/taca a bebida, depois taca a pica/e abandona na rua" (SIC) vc não entendeu? e sim, esse trecho está na música, babaca, vc acha q engana quem? vá defender apólogos do estupro pra lá, seu merda

Anônimo disse...

Esse povo é muito hipócrita, qdo se tenta boicotar a arte do homem pelado no MASP não pode porque é censura, mas qdo eles não gostam da obra, aí já não é arte, é lixo (ou seja, só é arte o que eles querem), tem que censurar, se possível prender o artista.

Anônimo disse...

Usar drogas tbm eh crime mas o STF já liberou a marcha da maconha e não classificou isso como apologia.

Não eh o que a música tá fazendo, mas taxar que não se pode falar de algo pq eh crime eh impedir mudanças legislativas.

Se a música tá aí p qm quer ouvir ótimo. Se o spotfy quiser tirar a música do App ótimo. Eh uma empresa privada que faz o que agrada ao público.

Só estou indo além no debate e dizendo que proibir eh ridículo. Não defendo a música e nem o que ela diz. Mas a arte na minha opinião não precisa receitar os limites do código penal. Cantar, pintar, interpretar um crime não eh o mesmo que cometer o crime.

Alicia

Anônimo disse...

Exato anon 03:33. Eu vi uma clara apologia ao estupro. Afinal, embebedar depois tacar o pau e jogar a mulher na rua o que é se não estupro? Deve ser proibida da mesma forma que se proibe letras racistas. Qual é o motivo da tolerância com essa música maldita? É só porque o cantor é negro e porque o funk é arte da periferia? Quer dizer que se for feita por um negro ou por um pobre a apologia ao estupro tá liberada? Sinceramente não estou entendendo esse feminismo. Não entendo o feminismo que passa pano pra machista! As feministas condenaram unanimemente o Danilo Gentili e o Alexandre Brocha por apologia ao estupro com razão. Porque não condenam com unanimidade esse bostinha? Eu realmente não estou gostando dos rumo que esse 'feminismo' está tomando.

Anônimo disse...

O pior argumento eh chamar as pessoas de imbecis a ponto de se deixarem influenciar por musica, jogo de vide game, novela.

Seres humanos são capazes. Não chegamos até aqui a toa e eu não quero ninguém decidindo por mim o que posso ou não escutar.

Alicia

Anônimo disse...

Sérgio Carneiro, seu monte de merda imunda! Vai defender apologia ao estupro nos quintos dos internos, seu lixo do caralho.

Anônimo disse...

Não fui eu quem fiz o comentário com os xingamentos, mas discordo totalmente de você Alicia. Não se compara a liberdade de fazer marcha pela legalização da maconha com fazer uma música com apologia ao estupro. Toda liberdade precisa ter limites. Pessoas reivindicando a descriminalização da maconha estão pedindo liberdade para consumir uma droga onde os prejudicados serão eles mesmos. A proibição dessa música só pode ser comparada com a proibição de uma música racista. Ela é apologia ao estupro sim! E como tal deve ser proibida é isso não é censura. Censura seria proibir as cenas de estupro em game of thrones pois ali se mostrava a realidade do estupro em uma sociedade brutal. Não havia a intenção de fazer parecer aos telespectadores que é algo normal ou bonito. Já essa música faz parecer como algo normal, aceitável estuprar umas mulher nos dias de hoje, no momento de agora em um baile funk. Sou pela proibição sim. Acho ridículo que se cante sobre mulheres como se elas fosse pedaços de carne que se 'come' e jogasse na rua bêbada. Toda liberdade precisa ter limites.

Anônimo disse...

Não é uma questão de alguem dizer o que você deve ou não escutar Alicia, mas sim de as mulheres dizerem o que toleram ou não que se diga sobre elas ou que normalizem algo brutal que se faça com elas.

Anônimo disse...

Você tem cérebro, colega? No MASP não houve estupro, apologia ao estupro ou pedofilia. Na música houve apologia ao estupro, burro! Ninguém tá pedindo a censura porque a música é um lixo e sim porque tem apologia ao estupro. Aliás achar que o funk é um lixo todo mundo pode. Ninguém tá pedindo a criminalização do funk inteiro, jumento do caralho!

Anônimo disse...

Funk "carioca", é puro lixo, estrume, não tem nada de bom.

Anônimo disse...

Poxa "colega", não dá pra argumentar sem xingar? Por isso não gosto de comentar aqui no blog da Lola, é só falar alguma coisa que vocês não concordam que o comentarista já vira um "mascu" burro, mal caráter, sem vida social etc. Ora, a questão é que pra você meninas pequenas pegando em homem pelado não tem nada de errado, pra outras pessoas tem sim, isso que eu nem entrei no mérito da exposição xom cenas de zoofilia como coisas normais "da roça". Então, assim como não concordo com essas formas de arte, e querer fechar uma exposição é diferente de fechar um museu, eu também não gosto dessa música, e de funk nenhum. Por isso, apontei a hipocrisia da reação dessas "feministas" que um dia dizem que a arte é feita pra incomodar, não deve ser bonitinha e tal, e quando se incomodam com uma arte (com razão), se esquecem disso.

Sérgio Carneiro disse...

"Surubinha de leve
Com essas mina maluca
Taca a bebida
Depois taca e fica
Mas não abandona na rua"
Esse é o refrão original da musica.

Não se de onde o texto tirou isso:
"Só surubinha de leve
Com essas filhas da p*ta
Taca a bebida, depois taca a pica
E abandona na rua".

Apologia a estupro? Só tendo dissonância cognitiva...

Anônimo disse...

Sérgio Carneiro

É muito simples, gênio. Depois da reação à música escrota dele, o cara mudou a letra .

N adiantou muito porque continua uma bosta.

titia disse...

10:32 pois é, só pra você ver como o machismo é enraizado, mesmo quem se juntou ao feminismo precisa combater e destruir preconceitos internalizados dia após dia. Aliás, parabéns por reconhecer o estupro masculino, é algo que ainda passa batido pra muita gente, já passou batido inclusive pra mim uma vez. Que bom que você não aprova estupro cometido por mulheres contra homens... a maioria dos que chegam aqui só querem falar de homens vitimados por estupro quando é pra calar as mulheres que e depois vão correndo chamar os homens vitimados por mulheres de viados.

Ezco Musaos disse...

"Não se de onde o texto tirou isso:
"Só surubinha de leve
Com essas filhas da p*ta
Taca a bebida, depois taca a pica
E abandona na rua"."

---> Da versão original da "obra". Alguém aqui parece não saber usar a ferramenta de buscas do Youtube (o só é má-fé mesmo). Fizeram uma "versão light" depois e é essa que certos defensores de apologia ao estupro estão usando aqui em suas características defesas do indefensável.

Hamanndah disse...

Ah então estuprar uma mulher alcoolizada mas não a abandonar na rua está ok pra vc ?

Anônimo disse...

A exposição em nenhum momento quis mostrar que a zoofilia era normal. Muito menos fez apologia a zoofilia. Zoofilia é uma das manifestações da sexualidade ainda que doentia e bizarra, por isso estava lá na exposição. Mas mostrar uma representação de zoofilia não é apologia a zoofilia. Já a música é apologia ao estupro pois está CLARAMENTE INCENTIVANDO a tacar a bebida, tacar o pau e depois tacar na rua.

Quanto a menina que foi colocada pela mãe para tocar um homem nu eu não disse que era a favor disso. Muito menos é uma opinião unânime da esquerda ser a favor disso. Pelo contrário muita gente na esquerda criticou o fato. No entanto, qualquer pessoa que houvesse lido a opinião de um juiz ou um psicólogo SÉRIO saberia que NÃO houve pedofilia ali como a direita burra e histérica acredita que houve. Aliás burrice é um problema sério nesse país. A burrice tá crescendo vertiginosamente.

Anônimo disse...

Eu não acreditei quando vi gente que considerava feminista defendendo a música ou o cara. Mas ainda há gente com discernimento.

Cão do Mato disse...

Quem é "Mc Carol"?

donadio disse...

"mostrar uma representação de zoofilia não é apologia a zoofilia"

E, além disso, zoofilia não é crime.

donadio disse...

"Essa tua truculência e arrogância já encheram."

Não aguenta, bebe leite.

Anônimo disse...

Esqueceram que o estupro só é caracterizado pelo ação da força, ou dominação? Pela letra da musica parece mais ser um ato consensual.

Isto parece mais apologia a liberação sexual. O autor da "obra" aproveita-se da ideia do sexo sem compromisso ou sem laços afetivos para chamar a "minas" (as filhas da p*tas)para uma transa furtiva (surubinha de leve), tomar uns drinks para quebrar os freios morais (taca bebida), o sexo em si (depois taca a pica) e no final o "tchau" (e abandona na rua).

Em nenhum momento ele sugere em forçar nada, portanto a figura do estupro esta afastada: É tudo consensual.

É só um MC convocando os colegas para trazerem as "malandras" para curtirem um festa 0800 e com muito sexo sem compromisso. O MC esta seguindo o livro Eros e a Civilização de Marcuse.

Anônimo disse...

a maioria dos que chegam aqui só querem falar de homens vitimados por estupro quando é pra calar as mulheres que e depois vão correndo chamar os homens vitimados por mulheres de viados.

27 de janeiro de 2018 19:32




se não pode novinha não pode novinho também, é menor de idade e é errado do mesmo jeito mas sempre vai ter um milhão pra dizer que na verdade a mina fez um favor pro garoto, se a garota faz sexo com um cara gostando, sendo menor, o mundo cai mas o contrário parece que geral tá de boa e não é bem assim que devia ser

Anônimo disse...

Donadio,

Além de ser crime, a Zoofilia pode acarretar em detenção (cadeia):

http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/DIREITO-E-JUSTICA/489354-COMISSAO-APROVA-PENA-DE-DETENCAO-PARA-QUEM-PRATICA-ZOOFILIA.html

Anônimo disse...

Que ela tivesse sido estuprada 20 vezes, a letra dela continua não sendo algo legal e se fosse um homem cantando pra uma mulher ser estuprada já tinham linchado. Um erro não justifica e nunca vai justificar o outro.

Anônimo disse...

Nao, colega. Dar bebida e depois tacar na rua deixa bem claro que a mulher em quem se tacou o pau tomou bebida demais para consentir com qualquer coisa. Sexo não consentido é estupro.

Anônimo disse...

O debate eh válido e eu até poderia concordar. Mas a linha eh mto tênue. Estupro na série eh ok pelos motivos x e y. Estupro na música não pelos motivos z e w.
Percebe que eh algo mto subjetivo?
E por isso, na duvida, eu tendo sempre a me posicionar favorável a liberdade de expressão.

Alicia

Anônimo disse...

"Além de ser crime, a Zoofilia pode acarretar em detenção (cadeia):

http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/DIREITO-E-JUSTICA/489354-COMISSAO-APROVA-PENA-DE-DETENCAO-PARA-QUEM-PRATICA-ZOOFILIA.html

28 de janeiro de 2018 17:29"


Negativo, quanto ao PROJETO desse link aí.

Leia a matéria

Status do PROJETO:

http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=474875

Situação: Aguardando Parecer do Relator na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) em 06/12/2017

Outro dia uma jornalista aqui deu dessas também. Aprovado em comissão não é lei, em análise na câmara não é lei, na mesa do Temer pra assinar não é lei. É tudo projeto. Depois que promulga, depois que publica, aí sim tá valendo mas até lá, não.

Anônimo disse...

E muitas vezes essa validade nem é imediata, a lei avisa a partir de quando a norma passa a valer.

Proposta legislativa NÃO é lei, é só proposta, depende de todo o trâmite e dá pra acompanhar tudinho pela internet nos próprios sites das Casas.

Anônimo disse...

É realmente estranho uma pessoa que tem várias músicas com apologia ao estupro criticar um cara do mesmo ramo de atividade que fez música idem, é muita falta de memória né não?

Anônimo disse...

Se a Lola ganhasse um real pra todo comentário da linha "mas nem todo homem..." tava milionária.

donadio disse...

"Além de ser crime, a Zoofilia pode acarretar em detenção (cadeia):

http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/DIREITO-E-JUSTICA/489354-COMISSAO-APROVA-PENA-DE-DETENCAO-PARA-QUEM-PRATICA-ZOOFILIA.html
"

Se você prestar atenção, vai ver que o artigo diz:

"A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados aprovou, na quarta-feira (27), proposta que prevê pena de detenção, de um a três anos, e multa a quem comete ato de zoofilia ou bestialidade (prática de atos libidinosos contra animais)."

Portanto, na data do artigo, ainda não tinha ido a plenário, nem sequer passado pela Comissão de Constituição e Justiça. Para a gente saber o que aconteceu depois, é preciso entender o que é, ou era, essa proposta:

A medida está prevista no substitutivo do relator, deputado Weverton Rocha (PDT-MA), ao Projeto de Lei 7199/10, do deputado Sarney Filho (PV-MA)

Então, a "proposta", ou seja, mais claramente falando, o "jabuti" do deputado Weverton Rocha, depende, no fundamental, do projeto de lei 7.199/2010, que altera a Lei 9.605/1998. Esse projeto de lei, contudo, ainda não foi aprovado pela Câmara dos Deputados. É importante notar que o jabuti do nobre deputado Weverton Rocha foi aparentemente suprimido pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Nessa última comissão, o PL 7.199 foi aprovado, mas com a adoção do voto em separado do deputado Nilson Tatto. Não consegui achar o teor desse voto em separado, mas, a partir da aprovação na CCJ, o projeto continua a tramitar sem o inciso adicionado pelo deputado Weverton Rocha. No momento, ele está de volta à CCJ, onde foi designado, em 6 de dezembro de 2017, um novo relator, o deputado Jerônimo Goergen.

Portanto, a proposta de que trata o artigo que você lincou ainda não é lei. E, portanto, a zoofilia ainda não é crime.

Anônimo disse...

Tá, essa lei não foi aprovada ainda, entretanto praticar zoofilia é considerado mau trato, com jurisprudência pacífica.

E segundo o art. 32 da Lei Federal 9.605:

"32. Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos: ... “A pena é aumentada de um sexto a um terço, se ocorre morte do animal.”

Anônimo disse...

Não estou conseguindo achar onde esta a tal liberdade sexual...

Anônimo disse...

defensores da zoofilia, tá tendo

Anônimo disse...

Realmente, zoofilia ainda não é um tipo penal.

A lei de crimes ambientais, porém, em seu artigo 32, tem o seguinte texto:

Art. 32. Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos:

Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.

§ 1º Incorre nas mesmas penas quem realiza experiência dolorosa ou cruel em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos.

§ 2º A pena é aumentada de um sexto a um terço, se ocorre morte do animal.

Trata-se, pois, de um tipo penal em aberto. Diversas condutas se subsumem ao crime acima.

Chutar um cachorro ou introduzir o pênis no anus de um jegue podem ser consideradas condutas de maus tratos e, portanto, passíveis de punição.

Lembrando, é claro, que a zoofilia e realmente sentir atração sexual por animais, mas não necessariamente colocá-la em prática (assim como a pedofilia). A partir do momento em que tais desejos se tornam condutas, são sim puníveis.

Ou seja: não precisa ter um tipo penal de zoofilia (assim como não tem um tipo penal para pedofilia) para que a conduta de estuprar um animal seja punível como crime.

Alícia

Viviane disse...

Eu só queria saber onde que dizer que uma conduta não é crime equivale a defender moralmente essa conduta.
Como faz falta uma interpretação de texto...

Anónimo disse...

Só 3 meses a 1 ano? Meu deus vai cagar

Anónimo disse...

Acho letras de funk totalmente depravadas e moralmente não acho bacana ela existir mas a parte animal e instintiva gosta da malicia e safadeza....bom na musica fala que a tal garota tava inconsciente?Então galera besta,vcs deduziram então pau no cu de todas vcs vigilantes bjos pra quem vai apagar a msg ;D

Anônimo disse...

"fala que a tal garota tava inconsciente?" - sim, e com todas as letras, seu analfabeto funcional

defensor de estuprador, morra, apenas isso, morra, seu merda, enfia um cano sua uretra e morra

Victor Salerno disse...

Lola você já deu uma olhada nas letras das músicas da "Mc Carol"? Incluindo aquela em que ela afirma que vai tirar a virgindade de um menino de 15 anos? Brincadeira usar essa mulher como parâmetro pra qualquer coisa. Estupro de meninos também é estupro! Apaga o post enquanto há tempo, porque agora realmente você deu mancada.

Anônimo disse...

Eu me coloco a favor da liberdade de expressão que é o que está acontecendo em game of thrones e na marcha pela legalização da maconha, mas pela música não. Porque sou contra a 'liberdade' de fazer apologia ao estupro. Aliás, isso nem se trata de liberdade.

Anônimo disse...

3 paus no seu cu, idiota! Se ela tivesse consciente não seria jogada na rua. Sairia com suas próprias pernas. Estrupicio imundo sem cérebro.

Anônimo disse...

Quem manda subir pra favela? Montar nas motos alheias? Tudo consequência do meio que a cerca

Viviane disse...

Três dias e mais de 70 comentários depois, vem a sumidade sugerir que o post seja apagado?
Essa vergonha você vai passar no débito ou no crédito, colega?

Anônimo disse...

21:56 animal, 3 paus só se for no buraco da sua uretra

além de palerma é semianalfabeto? q parte do "taca a bebida" (com o motivo evidente de embebedar a vítima pra desacordá-la) vc não entendeu? sua imundícia, vá se lascar, defensor de estuprador

titia disse...

Mas pelo amor de... escutem, antas: sim, a música da MC Carol dizendo que vai tirar a virgindade de um menino de 15 anos É nojenta. Estupro de meninos é estupro. Então, que tal vocês deixarem de perturbar a gente aqui e irem lá reclamar com a própria MC Carol, hein? Que tal vocês uma vez na vida limparem as próprias bundas e IREM PESSOALMENTE ESLCARECER A FUNKEIRA QUE ESTUPRAR MENINOS DE 15 ANOS É ERRADO, CARALHO? Nem defender o próprio gênero vocês conseguem sozinhos, porra? Até isso as mulheres tem que fazer pra vocês, bando de burro cruzado com inútil?

*Respira fundo* Sabe o que é pior? Me pergunto quantos desses nobres defensores de menores violentados que estão chorando aqui pra defender uma música com apologia explícita ao estupro vão pra matérias que denunciam professoras por estuprar os alunos e comentam "Moleque sortudo!", "Quem dera eu tivesse uma professora assim". Ou vão ao site do Unbreakable Project e a cada homem que aparece com uma frase da estupradora dizem "Viado!". Porque na hora de vir encher o saco de feminista é todo mundo um santo defensor das pobres criancinhas indefesas... mas na hora que sai na rua a vizinha de 9 anos escuta todo tipo de barbaridade.

Anônimo disse...

Eu acho que o semi-analfabeto é você. Leia todos os comentários que você vai entender melhor.

Anônimo disse...

Quem defendeu foi o 14:13. Pois ele tem instintos imundos e depravados.

Anônimo disse...

16:16 - não, o analfabeto funcional é vc mesmo

Priscilla disse...

Essa de carona é horrível! Um amigo meu, advogado, me pediu pra dar carona para um amigo dele, também advogado, quando saíamos de um bar. O cara morava bem perto da minha casa e eu não vi problemas. Assim que entramos no carro ele começou a fazer perguntas um tanto íntimas (eu mal conversei com ele durante a noite, e apenas dei carona porque meu amigo pediu). Cortei a conversa delicadamente e ele ficou quieto. De repente, enquanto eu dirigia numa via rápida, ele puxou minha roupa com violência, abrindo os botões da minha camisa! Eu fiquei emputecida e nervosa e não via onde parar o carro! Um imbecil! Falei pra ele não tocar mais em mim, com firmeza mas sem grosseria. Por quê? Porque tive medo! Medo do imbecil! E ele continuou falando coisa idiota, falando que precisava de sexo, falando que se eu eu estava levando ele de carona era porque eu queria, perguntando da minha vida, queria saber a quanto tempo eu estava sozinha, com quantos eu tinha dormido aquele ano e um monte de asneira do tipo. Chegando na casa dele parei no meio da rua e ele não queria descer do carro. Ficava falando pra eu parar mais pro lado porque era perigoso alguém bater porque era uma rua de bastante velocidade e eu havia parado no meio da rua. Continuei no meio da rua, aí eu já estava sendo grosseira pedindo pra ele descer, até o cara se dar por vencido e sair do carro. Fui pra casa irritada, nervosa, amedrontada e... com nojo de mim mesma. Uma m*rd*. O cara foi o idiota e eu me senti mal comigo mesma.
Enfim, em casa mandei uma mensagem pro amigo que pediu que eu desse carona pro idiota, e uma mensagem para amiga que estava ficando com aquele amigo. Sabem a reação deles? Me disseram "relaxa!", que eu tinha que relevar porque o cara tava bêbado, que "não dava nada" porque o cara tinha mulher e filhos, que eu não precisava ficar tão irritada, que essas coisas acontecem. E minha amiga ainda disse: "você só está assim irritada porque nunca passou por isso antes, mas isso acontece. Já aconteceu comigo algumas vezes, eu entendo. É normal. Acontece. Você não tem porque se irritar."
Ahhhhh vão à m*rd*!
Se sentir invadida, ameaçada e humilhada foi "exagero" meu? Pois eu vou lutar pra que não aconteça nunca mais. Nem comigo nem com nenhuma de nós. E jamais vou desmerecer a revolta de alguém dizendo "isso acontece!"

titia disse...

Vou morrer sem entender de onde os machos tiram essa ideia imbecil de que qualquer coisa que uma mulher faça, até um simples oi acompanhado de um sorriso educado, é sinal de que elas querem transar... ah, não, espera, eu sei de onde eles tiram isso: filmes pornôs (ficção) e do próprio rabo. Mascuzada, que tal acordarem pra vida real?

Anônimo disse...

Nao. O Analfabeto funcional, definitivamente é você. Não consegue entender um texto e nem expressar seus pensamentos de forma coerente. Além disso ainda é histérico e burro.

Anônimo disse...

E eles precisam proteger o dobro do normal, porque o funk,drogas e tráfico é uma merda.

Anônimo disse...

Seria bom se todo tipo de funk fosse proibido e banido.

Anônimo disse...

Existe uma grande diferença entre liberdade de expressão e apologia a crime.

Tão difícil assim entender?

Anônimo disse...

As músicas da artista tiram 100% a moral dela de criticar qualquer colega que fale de sexo não consensual e a pessoa se diz representante de feminismo? Sem contar o aspecto transfóbico de muitas das suas obras.