domingo, 3 de abril de 2016

LIBERTEM ANA LIZ

Ana Kellen Moura, mais conhecida como Ana Liz, é decoradora, dançarina, mulher negra e mãe. Ela foi acusada de mandar um bombeiro matar seu marido, o belga Benoit Gastom, em abril do ano passado. Desde maio, está presa. 
Ano passado, antes de ser presa, quando Ana Liz foi levada a depor, já havia a presunção de sua culpa. Ela já tinha sido pré-julgada como culpada por ser uma relação entre uma negra de origem humilde e um homem estrangeiro. Depois de 30 horas sem acesso à água, sem sono o comida, Ana Liz assinou um termo de confissão. O processo de investigação e sua confissão foram totalmente arbitrários, e hoje um comitê busca que Ana Liz seja tratada de forma digna.
Ela afirma que não tem qualquer envolvimento com o caso. Até agora, a polícia e o Ministério Público não conseguiram provas contra ela exceto o termo de confissão, que ela própria já desqualificou. Ela tem todos os elementos para responder ao processo em liberdade, mas reiteradamente tem seus pedidos de habeaus corpus e revogação da preventiva negados.
Venho fazer parte da campanha #LibertemAnaLiz. Podemos encontrar mais informações na página do Facebook criada pelo comitê. Este texto da professora da UFRJ Giovana Xavier também é muito bom. Publico a seguir a nota do comitê sobre o caso.

Benoit Gastom e filho
Ana Kellen Moura, brasileira de 32 anos e mãe de um menino de 4, tornou-se viúva em abril de 2015. Seu marido foi assassinado nas dependências de um dos hostels administrados pelo casal, em Santa Tereza, RJ.
Em maio, com base em investigação que levou menos de vinte dias, Ana Liz, como é conhecida nas redes sociais, foi acusada de ter planejado o crime. 
Privada de sua liberdade, esta mãe foi forçadamente afastada do convívio com seu filho, a quem dedicava cuidados absolutos, incluindo a amamentação prolongada. A brasileira, que se apresentou espontaneamente à polícia para colaborar com a investigação, é ré primária e cumpre todos os requisitos para aguardar julgamento em liberdade; no entanto, permanece presa em Bangu 8, no Pavilhão Joaquim Ferreira, desde maio de 2015.
No dia 22/03/2016, a filha de Marilda Moura sofreu outra violação de direitos. Mesmo sem ter sido julgada e o mátrio poder ser um direito constitucional, a guarda do seu filho foi transferida à avó paterna, que é belga. 
Tal decisão é conflitante com tratados internacionais como o de Bangkok. De acordo com este tratado, do qual o Brasil é signatário, em situação de cárcere, é direito das mães decidirem quem fica com seu filho ou filha.
Ademais, segundo o Estatuto da Família (Lei no. 13.257, de 2016), o juiz pode substituir a prisão preventiva pela domiciliar, se a mulher tiver filhx de até 12 anos incompletos. 
Infelizmente, Ana Liz não está só. Das 36.000 mulheres em situação de cárcere, 68% são negras. Tais dados revelam a força do machismo e do racismo presentes na sociedade brasileira, que através da opinião pública e do sistema judiciário condena mulheres negras com base em estereótipos de gênero, raça e classe. 
Este Comitê tem por objetivo apoiar Ana Liz e sua família através da publicação de informações sobre o caso e da promoção e divulgação de atividades referentes ao mesmo. Do ponto de vista jurídico, o caso desdobra-se em dois processos. O primeiro corre na vara criminal e refere-se à acusação de homicídio triplamente qualificado sob Ana Kellen Moura. 
Já o segundo tramita na vara de família e diz respeito à disputa de guarda do filho de Ana entre as famílias materna e paterna. Ambos estão sendo juridicamente acompanhados, contudo cabe ressaltar que em 22/03/16 a Justiça determinou que a família da decoradora entregasse o menino à avó paterna, tornando a situação ainda mais delicada.
Roda de conversa sobre o caso Ana Liz na terça, no RJ

110 comentários:

Anônimo disse...

Se existisse uma Annalise Keating no mundo real ela estaria salva, com certeza

#LibertemAnaLiz

Cão do Mato disse...

Mulher, pobre, negra e esposa de um gringo branquelo? Mas é óbvio que ela é inocente! Não precisa nem investigar...

Anônimo disse...

Essa é boa a mulher mata o marido pra ficar com os bens e agora diz que é inocente e que só tá presa porque a sociedade é racista. E se ao invés de um gringo isso tivesse acontecido com seu irmão, com seu pai que estava tentando reconstruir a vida com uma nova mulher? Ou se fosse o contrário ela fosse branca e tivesse matado o marido negro? Ou se fosse um homem que tivesse matado a esposa por dinheiro?

Enfim, são essas coisas, essa vontade de ver machismo em tudo, defendendo pessoas indefensáveis baseado apenas na ideologia que afastam muitas mulheres do feminismo fazendo esse movimento só existir no mundo virtual não fazendo nada pelas mulheres no dia a dia.

Anônimo disse...

E claro que as feministas irão apoia-la, afinal ela e uma heroina para elas, deu cabo de um "macho branco opressor utilitário.'

O post so esqueceu que ela tinha um relacionamento com o Bombeiro(Varias testemunhas confirmaram para DELEGADA do caso) que matou o Belga e que ele confessou o crime afirmou ter sido a mando de sua amante.

Além da mulher, também está preso o bombeiro Sandro Fernando Rei, de 39. Detido sábado, ele confessou ter matado o belga, que era dono de um albergue em Santa Teresa, no último dia 5 de abril. Segundo a delegada Patrícia Aguiar, da Divisão de Homicídios (DH), Ana encomendou a morte do marido e hospedou o bombeiro no local, uma semana antes do assassinato.

— O crime foi premeditado. Ana facilitou a entrada do bombeiro que ficou hospedado no local. Ela mandou matar o marido para ficar com os aluguéis do albergue, que por mês, rendem em torno de R$ 20 mil. Em troca, prometeu dar ao bombeiro mil reais e um terreno que a vítima tinha na Bahia — disse a delegada.
_
O post também se esqueceu de citar que a assassina era conhecida militante virtual do feminismo negro, portanto estão somente defendendo uma das suas.
O que quero ver agora e ela explicar um dia para o filho que mandou matar o pai dele por ganancia e dinheiro , um homem que lhes deu de tudo.

Anônimo disse...

Uê? Não são as feministas que dizem que o acusado e que tem que provar que e inocente, em casos de estupro por exemplo?

Anônimo disse...

Ana Liz é inocente

Anônimo disse...

Mais uma entre tantos inocentes indo pra cadeia

Anônimo disse...

Puxa... sou feminista até a o ultimo fio de cabelo, mas não entendi esse texto. Não dà pra saber se ela é inocente, dà pra saber apenas que ela não deveria estar retida na cadeia por ser ré primaria. Mas lendo mais sobre o caso - que ela era amante do bombeiro coisa e tal- parece que ela é menos inocente.

Sei la, defender as mulheres sim... defender cegamente só porque é mulher, não.

Links

Anônimo disse...

Assim como acusá-la cegamente sem prova alguma se quer, só pq ela é mulher, assim não dá

O princípio de q alguém é inocente até q se prove o contrário ainda é válido

Anônimo disse...

"O princípio de q alguém é inocente até q se prove o contrário ainda é válido"

Para acusados de estupro também feministas?

Anônimo disse...

'O princípio de q alguém é inocente até q se prove o contrário ainda é válido'


correto, Ana Liz é inocente

Anônimo disse...

Existem provas técnicas e testemunhais feministas, param com isto.

Anônimo disse...

pra casos assim, basta ela ter um bom advogado, se tá enrolada assim até agora, ainda mais se é inocente mesmo, é pq tá ruim de advogado

Anônimo disse...

Se não foi condenada é pq não há provas concretas, e se não há provas concretas e nem foi condenada é pq é inocente

Anônimo disse...

Não foi condenada porque o julgamento nem foi marcado ainda, mas há denúncia do ministério público embasada em provas técnicas fornecidas pela investigação da delegada de polícia. Geralmente quando o min. Público pede prisão preventiva nestes casos é por motivo ou de destruição de provas ou por constrangimento/ameaça a testemunhas.
Mais uma vez, parem com isto tá feio.

Anônimo disse...

é inocente até q se prove o contrário, sem provas, sem condenação

Anônimo disse...

isso sem duvidas é culpa do péssimo advogado q ela deve ter, se fosse rica já tinha se livrado disso logo

Anônimo disse...

"Se não foi condenada é pq não há provas concretas, e se não há provas concretas e nem foi condenada é pq é inocente"

O julgamento ocorre em momento apropriado; não é simples fato de "ter provas concretas" que determina que o Juiz deva proferir a sentença.

Anônimo disse...

se não há provas concretas então só o q resta é um bom advogado, se tá tão fudida assim hj é pq está com um péssimo, aconselho-a a contratar Annalise Keating, da série How to Get Away with Murder

Anônimo disse...

Se a intenção da autora era de defender a réu das falsas acusações devia no mínimo se manifestar aqui, ou convidar alguns do q estão do lado da injustiçada para virem dar a sua versão dos fatos

vejo q falhou miseravelmente na tentativa

Cão do Mato disse...

O fato de não ter provas não significa que não matou... Igualzinho a casos de estupro...

Cão do Mato disse...

Olha, eu sou totalmente a favor de que se garantam os direitos das minorias. Mas essa história de sair bradando por aí que um criminoso está sendo injustamente acusado só porque é mulher/negrx/homossexual ainda vai acabar dando um efeito rebote lascado...

Anônimo disse...

ANÔNIMO DA DÚVIDA SOBRE ACUSAÇÃO

Quais foram as acusações e evidências contra ela:?

Anônimo disse...

Post muito infeliz, cabe a justiça julgar o caso não a movimento algum condenar ou culpar ninguém.

titia disse...

18:11 se alguém confessa um crime quando está sob tortura (privação de água, comida e sono são métodos de tortura, caso seu cérebro de azeitona não tenha captado essa parte) essa confissão não é válida. Pessoas sob tortura confessam o que não fizeram só pra que a tortura pare. Sob tortura prolongada você confessaria que matou sua mãe, seu pai e vendeu sua irmã prum cafetão árabe mesmo se nunca tivesse feito nada disso e amasse sua família. Uma vez que a confissão de Ana Liz foi obtida através de tortura, há uma chance altíssima de que ela só tenha confessado pra que parassem com a tortura - e, portanto não há prova NENHUMA de que ela tenha matado o marido. Entendeu?

Eu mencionei que ela confessou sob tortura, e que por isso essa confissão não é válida como prova?

Anônimo disse...

a) Eu tenho medo de julgamentos precipitados pois eu lembro do caso da escola Base os donos foram acusados de abuso sexual suas foram devastadas e eles eram inocentes

Júlio disse...

Engraçado q no caso da Kesha vocês bradaram q o cara devia ter sido preso mesmo sem prova alguma, agora nesse caso é absurdo pq? Dois pesos e duas medidas como sempre.

Anônimo disse...

Da onde diabos tiraram que ela confessou sob tortura? Eu vi o caso em varias midis e o que consta foi que ela confessou somente depois que o bombeiro confessou e deu a letra dela na cena toda, ela não era nem investigada antes disto.
Essa gente precisa urgentemente sair dos anos 60.

Anônimo disse...

Tem razão confrade, a Bélgica e uma especie de "França mais gay" cheia de moloides escravocetas.
Não a toda os muslins vão cortar as cabeças deles.

Anônimo disse...

Complicado. Não existem provas, mas o homem que matou o belga já tem passado criminoso, e era amante da acusada. Não dá pra presumir a inocência dela desse jeito. A não ser que eles nunca tenham sido amantes? Mas o que não pode é violar os direitos dela. E pra quem citou o Dr. Luke, posso estar errada, mas ninguém defendeu que ele deveria ser preso e torturado até confessar. Eu pelo menos, não.

Dan

Anônimo disse...

Em que mundo a mulher manda matar o pai da criança e ainda consegue ficar com a guarda? Fala sério, obvio que o menino tem q ficar com a família paterna e não ser criado por uma assassina doente que vai passar anos na cadeia

Anônimo disse...

Anon das 20:52, gay não é ofensa, portanto não use como tal. E mais, todo país tem suas maçãs podres e maçãs boas.

Anônimo disse...

Saca essa:
"Ano passado, antes de ser presa, quando Ana Liz foi levada a depor, já havia a presunção de sua culpa. Ela já tinha sido pré-julgada como culpada por ser uma relação entre uma negra de origem humilde e um homem estrangeiro".

Joga-se uma afirmação genérica não comprovada no ar (de que o juíz é racista, olhem só) e fica por isso mesmo.

Melhor:
"Até agora, a polícia e o Ministério Público não conseguiram provas contra ela exceto o termo de confissão, que ela própria já desqualificou"

Quer dizer, quando confessou não acreditem, mas quando desqualificou, acreditem.

É necessário se trazer provas da coação, caso contrário a confissão é válida. É necessário que seja assim, pois a confissão em si é considerada prova, ou no mínimo começo de prova.

Quando a ter os elementos pra responder em liberdade, aí só consultando o processo. Adivinhações não valem.

O resto é balela vitimista. Negros e mulheres não cometem crimes, é tudo conspiração machista e racista.

BLH

Anônimo disse...

Pessoas negras sempre são vistas como as erradas da história, são vistas como feias, ladras, selvagens e coisas do tipo. A sociedade racista sempre espera que um negro faça aquilo que ela espera dele para justificar seu ódio, para ter a certeza que o negro não presta mesmo.
E quando isso vai pro machismo, a coisa piora, pois espera-se e acredita-se que no Brasil pelo menos, todas as mulheres principalmente pobres e negras são interesseiras que só querem saber de roubar grana do pobre gringo branco europeu. E que todas são umas safadas piranhas.
Não é atoa que essa mulher tenha injustamente sido acusada com tortura sem direito a defesa, pois é o que a sociedade espera de alguém como ela embora ela não tenha feito nada, embora que cor de pele e situação financeira não defina caráter de ninguém.
É mole culpar a negra, a mulher, a pobre, a que tinha um relacionamento com um gringo.
E o Brasil, país machista-racista com síndrome de vira-lata, sempre fica do lado do mais forte e nunca do mais fraco.

Anônimo disse...

Fi...foi o bombeiro que matou e delatou ela como mandante.
Parem de viajar com suas teorias conspiratórias de "revolução de raça, resgate de divida histórica e blah blah blah"
Ela era mulher do gringo, casou com ele por livre e espontânea vontade, ele não pegou ela em nenhum navio negreiro como vocês sonha em seus delírios revolucionários, e alis nem vocês acreditam que ela e inocente depois da confissão e da delação do assassino tendo ela como mandante, mas nos seus delírios revolucionários vocês sonha com ela "fazendo justiça histórica contra o "homem branco opressor colonizador escravagista".
Houve uma investigação policia conduzida por uma delegada seria, houve uma denuncia do Min. Publico estadual e houve uma decisão judicial embasada em lei.
Saiam do Sec. 18,acordem de seus delírios utópicos e curem-se de sua síndrome de Petar Pan

Anônimo disse...

Vamos supor que esta teoria doida de "ela foi torturada para assumir" seja verdade:
Que motivos teria a delegada para isto? Ela ja tinha um Réu confesso do caso de homicídio do caso, porque ela faria isto com a tal Ana que ela nunca viu na vida?

Anônimo disse...

E porque ela mataria o marido? Ela ja estava muito feliz, ele cuidava muito bem dela, tinha filho, não tinha motivo nenhum pra assassinar o cara.

Anônimo disse...

Segundo a delegada o crime foi para ficar com os bens e com a renda da pensão que eles tinham para ela e o amante.
já passou pala cabeça de vocês que ela só casou e fez filho com este gringo trouxa para poder tira o pé da lama, mas digamos que o gringo fosse "franquinho de pegada" e o bombeiro dava nela um trato legal.
Toda investigação de crime se baseia em três pilares, "motivação,meio, oportunidade"

Anônimo disse...

O bombeiro matou pq estava de olho no hostel que tava com mt grana guardada. O belga foi morto pq foi assaltado.

Anônimo disse...

ana liz consegue se livrar fácil das acusações se tiver um bom advogado, já q não há sequer uma prova concreta, só depende de um bom advogado mesmo, e pelo visto hj ela não tem nenhum

se existisse de vdd, aconselharia chamar a Annalise Keating, e olha q engraçado, Ana Liz, o nome da réu, rima com Annalise, o da advogada de defesa, rsrs

Anônimo disse...

de quem é sem bola ou não os mascus entendem muito bem, já q nem pinto esses trastes tem, cortaram tudo em nome da honra masculina contra as mulheres, kkkk só rindo mesmo desses babacas

Anônimo disse...

tenho dó dos mascus, q não são apenas sem bolas, como são sem pênis tb, no geral, odeiam tanto as mulheres q precisaram recusar seus preciosos órgãos genitais, bom, melhor assim, pq ng no mundo precisa desses poços de fimose

ah esquecu, além do cu q é costurado, coitado, nem peidar os otários dos mascus conseguem direito

Anônimo disse...

"Pessoas negras sempre são vistas como as erradas da história, são vistas como feias, ladras, selvagens e coisas do tipo. A sociedade racista sempre espera que um negro faça aquilo que ela espera dele para justificar seu ódio, para ter a certeza que o negro não presta mesmo.
E quando isso vai pro machismo, a coisa piora, pois espera-se e acredita-se que no Brasil pelo menos, todas as mulheres principalmente pobres e negras são interesseiras que só querem saber de roubar grana do pobre gringo branco europeu. E que todas são umas safadas piranhas.
Não é atoa que essa mulher tenha injustamente sido acusada com tortura sem direito a defesa, pois é o que a sociedade espera de alguém como ela embora ela não tenha feito nada, embora que cor de pele e situação financeira não defina caráter de ninguém.
É mole culpar a negra, a mulher, a pobre, a que tinha um relacionamento com um gringo.
E o Brasil, país machista-racista com síndrome de vira-lata, sempre fica do lado do mais forte e nunca do mais fraco."

Definiu perfeitamente a questão

Anônimo disse...

Inocente até q se prove o contrário

Anônimo disse...

mascu das 20:52, kkkkkk q moral vc tem pra chamar alguém de sem bola, se vc nem pinto tem seu ebola humano, e é bom q seja assim mesmo, menos um poço de fimose no mundo, igual a todos os outros mascus despirocados, e os q ainda tem pica, eu só lamento, pq só infestam o mundo com zika vírus e câncro mole, mas fica tranquilo, q sua queixa pela falta de bolas vai ser atendida assim q vc der de cara com uma cadeia, q é seu lugar seu esgoto aberto, lá um monte de "muslins" vai te encher de bolas, do jeito q vc exige, sem problema algum

esses masus são uma piada infinita kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

mais de 10 mil crianças refugiadas desapareceram na Europa, essa crise imigratória foi planejada pra causar caos, e os mais prejudicados acreditem, são os refugiados, os europeus são capazes de se defenderem muito bem, as mais de 10 mil crianças refugiadas desaparecidas (q com certeza foram para no tráfico e prostituição) não

Anônimo disse...

é a conspiração judaico-maçônica dos sábios de sião
é o terrorismo árabe colonizador
é a invasão feminazi misândrica
são os globalistas capitalistas
o golpe comunista vigente

meu deus, os mascus, homens honrados, estão perdidos, o q será deles?

Anônimo disse...

Judeus, maçons, globalistas capitalistas, comunistas do foro de são paulo, árabes, feminazis

é muita gente contra os mascus, kkkkkkkkk

olarvo do caralho e bolçotário não são pário pra gente meninas, é por isso q os mascus são tão antissociais e cagões, compreendo perfeitamente

Anônimo disse...

Viiixi tiraram a coleira da feminazi doidona, e pelo visto cortaram a medicação também rsrsrs, cuidado vizinhaça, esconda seus gatinho de estimação rsrsrs

Anônimo disse...

No caso da piraínha de brasília que fingiu ter sido estrupada no ano novo pq ficou com vergonha de adimitir pro pai que liberou a bussa até pro seguranca da festa, as feministas julgaram o cara culpado antes de qualquer investigacao. Depois saiu que a vagaba tava mentindo e as feministas ficaram caladinhas.

Agora q a mulher confessou o crime, o amante dela confirmou além dele ja estar envolvido em varios assassinatos e sequestros, as femilixos vem querer dizer que ela é inocente só pq é negra e mãe.

Anônimo disse...

Esses Belgas são um bando de froxos mesmo, bando de cuzão sem bolas. Já colocaram a Europa toda em risco pela sua frouxidão por deixar um monte de terrorista morar no país deles.

Agora esse retardado confia numa brasileira pobre e ainda coloca o nome dela na herança de todos seus bens, kkkkkkkkk. Sinceramente esse otário mereceu

Anônimo disse...

23:22

os mascus já são uns ferrados por natureza

Anônimo disse...

toda pessoa é inocente até q se prove o contrário

Anônimo disse...

"olarvo do caralho e bolçotário não são pário pra gente meninas, é por isso q os mascus são tão antissociais e cagões, compreendo perfeitamente"

mas quem é q não aterroriza e pisa nos cocôs ambulantes dos mascus?

Anônimo disse...

"mascus, mascus, vejo mascus por todos os lados, mascu em todo canto,mascus debaixo da cama,mascus no ponto de ônibus,UM MASCU ME PERGUNTOU A HORA CARAÍ, aquele pombo deve ser um mascu, esses mascus querem meus peithus"

Feminista Esquizofrênica De Luxemburgo :P

Anônimo disse...

"mas quem é q não aterroriza e pisa nos cocôs ambulantes dos mascus?"

quem não os aterroriza eu não sei, só sei q eles não aterrorizam ng, e qualquer um é inimigo deles, eu racho de rir com isso

judeu, árabe, comunistas, capitalistas, mulheres, eles não tem saída, kkkkkkkk

Anônimo disse...

Sem julgamento, sem condenação

inocência até q se prove o contrário

Denise disse...

Longe de mim querer me filiar aos comentários de machistas, mas esse caso me pareceu meio nebuloso. Concordo que a prisão preventiva deveria ser exceção e que só é regra para os mais pobres. Concordo também que existe a presunção de inocência que rotineiramente é ignorada, principalmente quando o réu é pobre. Agora, nesse caso específico fica difícil opinar sobre os motivos da prisão preventiva sem ter acesso ao processo. No post é dito que não há prova alguma contra ela além da confissão forçada. Mas nos comentários se levantou o testemunho do assassino apontando-a como mandante do crime. Claro que isso por si só não equivale a condenação criminal, mas poderia ser o que embasou a prisão preventiva pelo risco de adulteração de provas ou intimidação de testemunhas.

Quanto a questão da guarda do filho, eu não sou entendida em direito de família, mas o direito da mãe de escolher com quem o filho vai ficar não seria prejudicado no caso de suposto crime praticado pela mãe contra o pai da criança? Fora que em casos de guarda se observa também o interesse do menor, quem tem melhores condições de cuidá-lo. Fica difícil julgar se os avós paternos seriam mais aptos que os maternos sem conhecer detalhes do caso. Se a avó paterna que ganhou a guarda for autorizada a sair com a criança do Brasil eu até concordo que seria um absurdo, mas o simples fato dela ganhar a guarda não me parece nada tão arbitrário dependendo das circunstancias do caso.

Independente dessas questões, é um absurdo um crime demorar tanto pra ser julgado no Brasil e o instituto da prisão preventiva, que deveria ser de exceção e por curto tempo, seja usado como forma de pré-condenação. Pra mim deveria ter um prazo máximo, tipo 30 dias de prisão preventiva, se a polícia e o MP não conseguirem formar o caso nesse tempo, a prisão deveria ser relaxada obrigatoriamente. Nesse ponto meu total apoio a Ana Liz, e que a justiça brasileira seja mais rápida e eficaz.

Anônimo disse...

Gente, eu não entendo muito de leis e de como os trâmites funcionam em casos assim. Se tiver algum advogado que pudesse opinar aqui seria esclarecedor.

First things first: esse é um crime GRAVE!! E deve ser investigado e os culpados condenados de acordo com a gravidade do seus crimes e ponto final.

Reitero tudo o que a Denise escreveu. E às vezes me choca um pouco a posição de algumas feministas e grupos alinhados com ideais da esquerda em casos assim. Não seria uma solução mais inteligentes começar a tratar brancos/ricos/cristãos/héteros/cis/whatever com o mesmo rigor da lei do que fazer cara de paisagem quando negro/pobre/mulher/homo/trans/whatever comete um crime grave? Esse negócio de que "já que poucos crimes são solucionados então não vamos solucionar mais nenhum" é absurdo e só aumenta a sensação de impunidade.

Eu gostaria de saber mais sobre os motivos que o habeas corpus está sendo negado. Existe um motivo legal pra isso? Se não, é sim uma arbitrariedade - e bem grotesca por sinal...
Quanto a questão da guarda da criança é o mesmo caso.

Sei lá, eu achei tudo mal explicado...
Se ela está sendo injustiçada por ser mulher e negra, isso é GRAVÍSSIMO e ela precisa de muito apoio. Se está correndo tudo dentro da lei e sem arbitrariedades, sinto muito... mas é assim que tem que ser. Independente de quem é o/a acusado(a)


Jane Doe

Anônimo disse...

Até que enfim concordo com a Jane Doe. O texto simplemsente fala: é injusto. Mas não explica porquê é injusto. E daí a gente vai atras de mais informação e descobre que ela era a amante do assassino.

Me ajuda a te ajudar. Me explique porquê ela parece tão inocente. Falar que é poque é mulher pobre e preta não prova nada.

Deusulivre parecer mascu, só queria entender mesmo.

Anônimo disse...

Feliz com o marido? Que parte do "ela ser amante do bombeiro" você não entendeu?

titia disse...

23:55 arranja um argumento. Dizer que "é claro que essa piranha que deu pra todo mundo menos pra mim tá inventando, é vadia e vadia não é estuprada, só se arrepende de ter dado" nem merece uma resposta e eu tô a fim de sapatear em mascu hoje.

Bruna Abreu disse...

Levá-la como suspeita para, então, prendê-la com base em estereótipos não é, obviamente, plausível. Infelizmente, não é apenas o sistema judiciário que alimenta situações preconceituosas tais como essa. A réu se apresentou para dar depoimento e participar das investigações, mas foi acusada pelo crime. Pelo conteúdo apresentado no texto, não há elementos que comprovem sua inocência. Ainda assim, esta cidadã, como qualquer outra, negra ou não, deveria ter seus direitos atendidos e caso estudado.

Anônimo disse...

Tem a confissão dela e do bombeiro, o que mais vocês querem?
Ela tinha motivo e era louca. Agora vão defender assassina só pq era negra e pobre?
Ela se achou no direito de matar o marido por ser feminista e achar que estava fazendo justiça a sociedade patriarcal

titia disse...

Mascu delirante das 08:25 chamar de louca não é argumento.

Ana disse...

Será que houve tortura mesmo? Essa alegação ocorre em 90% das confissões. E ela é uma mulher esclarecida. Tem que ter elementos de prova da tortura. Normalmente as confissões são gravadas (áudio s video), justamente para evitar tais alegações. E os delegados de policia (no caso, ao que parece, delegada) não são bandidos, via DS regra.

Anônimo disse...

Anônimo mascu das 08:25, a única louça que estou vendo aqui é vc seu acéfalo alucinado kk.

Anônimo disse...

Anônimo das 23:55, sua mãe deve ter desgosto de ter parido um LIXO no lugar de um ser humano.

A garota de Brasília, eu não sabia que ela tava mentindo, até pq uma MINORIA de mulheres mentem sobre violência sexual.

Sobre a mulher citada no post, ela confessou, mas muitas confissões sejam de homens e mulheres são feitas sob pressão, cansaço e até tortura)seja física ou mental).
Sabe a máxima? Todos são inocentes ate que se prove o contrário?
Quantos filhinhos de papai brancos não saem de boas mesmo tendo confessado homicídio?
Se ela for culpada o(a) juiz(a) e i júri vai decidir isso, mas não há nada além de uma confissão forçada. Mas todos esses fatores você não enxerga devido à sua misoginia.

Vocês masculinixos são tão inúteis, cheios de ódio, que basta ser mulher(e ainda mais negra já que além de misóginos são racistas) pra já tacharem a mulher de culpada, mas se é um estuprador ou pedófilo assumidos, vocês vão até serem amigos do cara.
São tão inúteis que nem sabem limpar o próprio cu, precisam das mamães pra fazer isso.
Vocês masculinazis nazistas são tipo câncer.

Anônimo disse...

Vixi abriram espaço pros masculinazis viadinhos virem cagar aqui kkk.

Anônimo disse...

masulinazi porque o texto fala simplesmente: ela é inocente e pronto e acabou e temos que acreditar? Porque dizemos que preciasmos de mais informaçao para dar um parecer somos mascus.
Me poupem... esse tipo de feminista que nem sabe o que tá defendendo é o fim do mundo.

Anônimo disse...

Realmente é muito complicado defender o indefensável.
Sou toda sororidade, e sei de todas as injustiças da "justiça brasileira", mas dizer que não tem provas é uma mentira deslavada.
E sobre a guarda da criança a família da Ana Liz já falou em juízo que não tem condições de cuidar do menino. Que só aceitou ficar com ele em um primeiro momento pq achou que ela não fosse ficar tanto tempo presa. Então deixe que os outros avós cuidem dele.
Como mãe, se fosse presa por uma injustiça, não deixaria meu filho passar necessidade por um capricho meu.
É isso.

Rafael Cherem disse...

Estranho esse caso, duas confissões, ela tem defesa jurídica, bem estranho.

Anônimo disse...

Lola, você viu o caso da pediatra que decidiu não dar mais atendimento ao filho de uma petista? Tem alguma opinião sobre isso?

Luiz disse...

Os fatos contra a acusada parecem me bastante consistentes. Ela era amante do bombeiro (que é branco) e este tem uma ficha criminal extensa. Ele confessou que o crime foi premeditado e executado a mando da tal de Ana Liz. A investigação toda foi conduzida por uma delegada (Na opinião das defensoras da acusada, deve ser machista a delegada) que pediu a prisão do bombeiro e depois da tal de Ana Liz. Vamos a algumas indagações. Um bombeiro conhece a lei. Por qual razão ele assumiria um crime de pistolagem que é mais grave que um roubo seguido de morte ou um latrocínio? Ao assumir o crime de pistolagem ele piora muito a situação dele na esfera jurídica. Por que alguém que conhece a lei faria isso? E um bombeiro conhece a lei. Por que ele escolheria contar a pior história para ele no tribunal se esta fosse a versão mentirosa?

Jordana disse...

A questão aqui não é se Ana Liz é culpada ou inocente. Se matou ou não o marido. O ponto é que ela, enquanto cidadã brasileira, teve e continua tendo seus direitos violados. Direito dela a responder o processo em liberdade, de prisão domiciliar por causa da idade do filho, de ter tido um interrogatório justo. Ninguém quer passar a mão da cabeça dela só por ela ser mulher, ou negra. Queremos que ela seja tratada conforme manda a lei. E tenha sua dignidade, no mínimo, respeitada.

Anônimo disse...

Se fosse rica e tivesse um bom advogado já teria se livrado de todas as acusações faz tempo

Anônimo disse...

Elise Matsunaga, Suzie Richtoffen, e outras tantas brancas e loiras tiveram a sororidade feminista?

Anônimo disse...

Mandou matar o marido e quer responder e liberdade e manter a guarda dos filhos? Faça-me o favor. Quando foi o caso da Richtoffen, ela também ficou presa o processo inteiro. Perdeu a herança e tudo mais. É fato que o sistema penitenciário está lotado de jovens negros, mas isso é consequência dos problemas sociais de nosso país, que marginaliza essa população e não de suposto preconceito dos policiais, juízes, promotores, que só estão lá para fazer cumprir a lei. Voltando ao caso, o sistema judicial dá INÚMEROS remédios para evitar ilegalidades. Advogado é ruim? Vá até a Defensoria Pública, que no RJ é tão organizada quanto o MP. Juiz não soltou? Tenta no TJ. Não deu certo, tenta no STJ/STF. Se magistrados em todas as instâncias concordam com a manutenção da cautelar conforme o 312 do CPP, será q a prisão não se justifica mesmo?

Anônimo disse...

Então manda soltar Ana Carolina(aquela que jogou a enteada pela janela)pq quando foi presa tinha um filho pequeno.Desde quando filho pequeno é requisito para responder em liberdade?

Anônimo disse...

Isso mesmo, devo lembrar as defendoras da Ana Liz que elas podem impetrar um habeas Corpus em favor da presa

Mila disse...

Triste saber que o devido processo não está sendo respeitado. Me lembrei do caso da estudante de farmácia que foi acusada e presa de assassinar uma turista estrangeira. Isso colabora o fato de que mulher negra, mesmo escolarizada e com boas condições financeiras não está livre de equipes de polícia que têm preguiça de investigar ou um Judiciário que atropela a bel prazer os direitos de um cidadão pq supõem sua culpa.

Anônimo disse...

Não conheço o caso o suficiente pra opinar, mas como dito aí em cima, qualquer pessoa pode impetrar um habeas corpus em favor de terceiros. Sugiro que quem se considere apta que faça um em favor de Ana Liz

Anônimo disse...

sem provas concretas, essa ana liz podia muito bem ter se livrado da culpa, se não ocorreu é pq não tem um bom advogado, não posso fazer nada

Anônimo disse...

contratem a Annalise Keating, ela resolve isso em dois pulos

UMBELINA disse...

Acredito que como cidadã Ana Liz merece um julgamento digno, que cobre dela seus deveres e que sobretudo respeite todos os seus direitos. Sendo culpada ou não ela é um ser humano e é mãe, nada justifica ser torturada e maltratada.

Denise disse...

Eu achei o processo no site do TJRJ, mas não achei vários habeas corpus como é dito no post não. Tem apenas um habeas corpus protocolado e que aguarda julgamento pelo Tribunal de Justiça. Pelo que entendi das decisões que constam do processo, os atrasos no andamento do mesmo são decorrentes da defesa do bombeiro que fez uma confusão no processo e ainda formulou pedido de reconhecimento de insanidade mental. Juridicamente falando me parece que as decisões que mantiveram a prisão preventiva estão corretas e embasadas, mas moralmente eu acho um absurdo a Ana Liz ficar presa preventivamente por quase 1 ano por culpa da defesa do outro réu.

Detalhe: a Ana Liz parece ter constituído novo advogado recentemente e por esse motivo os novos advogados pediram o adiamento da audiência que estava marcada para semana que vem, o que foi indeferido.

A quem se interessar, segue a decisão do juiz que decretou a prisão preventiva:

“1 - Recebo a denúncia, uma vez que o Relatório de local de homicídio de fls. 24/30, complementado pelo Laudo de Exame de Corpo Delito de Necropsia de fls. 44 e 178/180, bem como pelas declarações colhidas em sede policial, fornecem a necessária justa causa para a deflagração da presente ação penal. 2 - Cite-se e notifique-se pessoalmente o réu, para responder a acusação, por escrito, nos termos do artigo 406, caput, do Código de Processo Penal. Decorrido o prazo legal sem qualquer manifestação da defesa (certifique-se), voltem imediatamente conclusos. 3 - Requisitem-se as certidões perseguidas. Oficie-se. Expeça-se MBA, caso necessário. Certifique-se. 4 - O Ministério Público, ao oferecer denúncia, requereu a prisão preventiva (fls. 208). Ao oferecer a denúncia, o Ministério Público opinou pela prisão preventiva, por ser a custódia cautelar ´necessária para que a ordem pública não seja posta em risco.´ Para a decretação da prisão preventiva, devem estar presentes os pressupostos e requisitos previstos nos artigos 312 e 313 do Código de Processo Penal. O fumus comissi delicti reside na existência de indícios de materialidade e autoria, demonstrados pelo auto de auto de exame cadavérico, pelo exame em local de encontro de cadáver, bem como pelas declarações colhidas em sede policial, de modo que os mesmos indícios de autoria e materialidade que fundamentam o recebimento da denúncia sustentam a necessidade da prisão. O periculum libertatis decorre da necessidade da custódia cautelar do denunciado para a garantia da ordem pública, para a aplicação da lei penal e por conveniência da instrução criminal. A reprovabilidade do crime é ressaltada pela forma como o mesmo foi cometido, visto que não houve possibilidade de defesa por parte da vítima. O laudo de necropsia fornecido às fls. 44 comprova que o disparo foi direcionado para a cabeça da vítima, enquanto estava deitado. Não obstante a crueldade do fato, é de se ressaltar que o crime foi cometido por motivo fútil, uma vez que a denunciada, ANNA, agiu sob impulso de ciúmes quando requisitou SANDRO e um colega deste para matarem a vítima, pessoa com quem mantinha relacionamento há seis anos. Na doutrina de Guilherme de Souza Nucci, a garantia da ordem pública ´demanda quesitos básicos como gravidade concreta do crime, repercussão social, maneira destacada de execução, condições pessoais negativas do autor e envolvimento com quadrilha, bando ou organização criminosa.´ (Prisão e Liberdade - as reformas processuais penais introduzidas pela Lei 12.403 de 04/05/2011 págs. 63/64). (Grifo nosso). Soma-se a isso a importância de se preservar a conveniência da instrução criminal, com proteção da integridade física da testemunhas, eis que algumas destas são vizinhas da denunciada. Cabe ressaltar que os Tribunais tem reconhecido a validade da prisão cautelar para assegurar a instrução criminal, se há necessidade de oitiva de testemunhas. Não é outro o entendimento deste E. Tribunal de Justiça: (…)

Denise disse...

Da mesma forma, ao denunciado SANDRO FERNADES REI assiste a mesma sorte, eis que este forneceu a arma de fogo que matou a vítima (fls. 24/30), a qual não teve qualquer possibilidade de defesa, circunstâncias que denotam a gravidade de como o crime foi praticado e revela a periculosidade do réu e que, igualmente, justifica sua prisão para a garantia da ordem pública. Ademais, verifica-se, nos diálogos interceptados no apenso sigiloso, que SANDRO tentou revender aparelhos eletrônicos que pertenciam à vítima. Consta da Representação de Mandado de Busca e Apreensão (fls. 32/33) que o denunciado repassou a uma loja de informática um Iphone, dois Laptops e um notebook. Outrossim, deve ser salientada a importância de se preservar a conveniência da instrução criminal, com proteção da integridade física das testemunhas, levando-se em conta que o denunciado é 2º Sargento da CRMERJ, fator que demanda maior atenção, visto que, por ser militar, o denunciado poderia fazer uso de alguns meios para encontrar e ameaçar vítimas ou mesmo prejudicar o regular andamento processual. Ademais, nada há nos autos que comprove a existência de amarras no distrito da culpa (comprovação de ocupação laborativa lícita e de residência certa), eis que SANDRO encontra-se evadido, de modo que a liberdade do demandado também estaria a representar, neste momento preliminar, inconvenientes para a instrução criminal, colocando em risco a aplicação da Lei Penal. Por fim, verifica-se que o requisito previsto no artigo 313, inciso I, do Código de Processo Penal encontra-se preenchido. Diante do exposto, DECRETO A PRISÃO PREVENTIVA dos denunciados, SANDRO FERNANDES REI e ANA KELLEN MOURA, nos termos do inciso II do artigo 310 do Código de Processo Penal. Expeça-se mandado de prisão (apenas para registrar, junto às unidades de custódia, a modificação do título prisional, em conformidade com as alterações promovidas com o advento da Lei nº 12.403/11). Fixo prazo de validade dos mandados de prisão em 20 anos (prazo prescricional previsto para o injusto de homicídio qualificado consumado, considerada a pena máxima em abstrato). Promova-se o imediato registro do mandado de prisão junto aos bancos de dados do CNJ, nos exatos termos do art. 289-A do Código de Processo Penal, providenciando-se, ainda, a comunicação a que se refere o art. 5º, §2º, da Resolução CNJ nº 137/11, posto que se trata de acusado já acautelado. Providencie a Serventia as diligências necessárias. Certifique-se.” (processo no. 0161227-69.2015.8.19.0001)

Anônimo disse...

PQP serio mesmo que uma pessoa traí e manda matar outra e o que vocês estão preocupadas e com o juridiquês? Os dois são réus confessos.

Anônimo disse...

ana liz vai ser inocentada, não há prova nenhuma se quer contra ela

Anônimo disse...

"Elise Matsunaga, Suzie Richtoffen, e outras tantas brancas e loiras tiveram a sororidade feminista?"

Leia novamente o comentário da Jordana. Elas tiveram direito de ampla defesa assegurados. Aparentemente, Ana Liz não.

B. disse...

Sou 100% Jane Doe. Em vez de tentar mudar a justiça e fazer com que mauricinhos também paguem por seus crimes, aí querem inocentar gente só pq é "negro" "mulher" "Coitado". Se fosse um cara branco que tivesse na suspeita de ter matado a mulher, iam estar com todo esse papo de "inocente até que prove o contrário"? Aposto que não. Dois pesos e duas medidas, sempre, quando a presunção de inocência devia valer para todos. (e se for culpado, julgado e condenado, claro)

Anônimo disse...

inocente até q se prova o contrário, e "teje" dito

a regra é clara

Anônimo disse...

"ana liz vai ser inocentada, não há prova nenhuma se quer contra ela"

mas isso é claro

Silas Fibla disse...

Realmente, vivemos num sistema político-social que infelizmente injustiças contra os considerados menos favorecidos são frequentes. O mundo capitalista já provou que não se sustenta mais, crises em cima de crises, sem perspectiva de melhoras tornou-se nosso cotidiano. Se alguns que possuem algo, poucos bens, emprego, ou situação financeira ruim e diz que está sofrendo com a crise, quanto mais os que são nitidamente excluídos da sociedade (excluindo os que se dizem "vítimas da sociedade"). Trabalho no centro de SP, vejo crianças e jovens pelos cantos com suas garrafas de "lança perfume" e sacos de cola, é uma vida miserável e sem futuro.
Tenho uma amiga, mulher negra de 32 anos, viúva a quase um ano de meu amigo, mãe de 6 filhos, a mais nova de 8 meses, que ganha R$900,00 por mês. Trabalha em casa de família a pouco mais de 4 anos, e no último ano pede para sair, porque não aguenta mais as ofensas e humilhações da "patroa", que inclusive nos últimos meses instalou 11 câmeras na casa para vigiá-la. É frequente ela ser humilhada, como me disse algumas vezes, quase todos os dias ela ouve..."Quem vai aceitar te contratar a não ser eu? Você tem 6 filhos, ninguém é louco de contratar uma mãe de 6 filhos? Se quiser ir embora tem que pedir as contas!". Fora as humilhações racistas que ela sofre durante o dia..."Silas, não posso sentar na mesa da cozinha, nem beber água em copo da casa, outro dia a filha dela me deu um pão para comer, eu estava cansada, parei por 5 minutos e comi aquele pão, pois ela viu nas câmeras quando chegou e veio tirar satisfação comigo, porque eu estava comendo em vez de trabalhar? de onde era aquele pão? e que iria descontar do meu salário". É revoltante ouvir isso, uma mãe que precisa trabalhar para sustentar 6 crianças, ter um salário de R$900, sofrer abusos morais, racistas, e ter descontos injustos no fim do mês. Eu a ajudo no que posso e consigo, mas, existem marcas que são quase impossíveis de apagar.
O caso da Ana é ainda mais grave, quem deveria nos proteger e estar do lado da verdade, é quem a esta punindo. Toda ação jurídica possível para reverter esta ação deve ser feita sim, talvez conseguindo uma maneira de júri popular, expor nas mídias, telejornais, Gugu, algo que exponha a população que nem sempre a lei é cumprida como se deve.

Anônimo disse...

Nossa, to chocada com esse caso.... impossivel acreditar que ela não tem ligação nenhuma com o crime, sendo ela amante do assassino a tanto tempo (o filho é do belga mesmo? pela idade da criança ela já era amante do assassino), hospedou o cara no estabelecimento dos dois, facilitou a entrada no cara no quarto para dar o tiro na cabeça da vitima.... putz.... e ainda "pediu ao filho do casal para dar um beijo e um abraço no pai".... é crueldade demais! E mesmo em uma hipotese remota (quase impossivel) do cara ter feito tudo sozinho e ela realmente não ter nada a ver com o crime, que tipo de pessoa hospeda o amante no mesmo local em que vive com o marido???? Não sei o que me deixa mais chateada: a frieza de um crime desse (mandar matar o pai do proprio filho) ou ter gente tentando defender uma criatura dessa.

Anônimo disse...

14:20,

as pessoas estão querendo que ela tenha direito a uma investigação e julgamento justos. Apenas.

Anônimo disse...

Muitos dos que comentaram aqui parecem ter certeza absoluta de que ela é culpada, sendo que nem julgada ela foi ainda. Presunção de culpa?
E mesmo sem julgamento, a justiça já deu a guarda criança, que só fala português e nunca teve contato com a família do pai, para a avó paterna, uma senhora de idade que vive na Bélgica.
Medo da justiça de vocês.

Karen Fiuza disse...

Devemos defender julgamento justo, para quem quer que seja.

Karen Fiuza disse...

Então leia o processo antes de falar o que não sabe. Porque o comitê que defende Ana Liz fez o tema de casa direitinho.

Anônimo disse...

15:51 tb tô chocada com o número de advogados, juízes, peritos e investigadores aqui. Faltou apenas proferir a sentença. Curioso é que muitos aqui criticam as feministas quando é caso de estupro "pq o número de denúncias falsas, vcs estão julgando o cara, mimimi". Parece que o mundo não aprendeu mesmo com a Escola Base.

Anônimo disse...

Há sim cara, o mundo socialista e que é um sucesso. Veja a potência econômica e social que é hoje a URSS, e a China comunista que se nega a aderir ao capitalismo mundial também tem Cuba modelo de socialismo que nunca vai se render a aproximação yanke, a Venezuela então é padrão mundial de qualidade de vid.....opa não pera...

Anônimo disse...

Em qual caso de estupro que o estuprador confessou o crime?

Ou melhor se algum homem tivesse sido torturado a ponto de confessar um estupro alguma feminista ficaria do lado dele tb?

Anônimo disse...

a regra básica é clara

inocência até q se prove o contrário

sem provas concretas, sem culpa, sem culpa, sem condenação

Anônimo disse...

Nesse caso é inocente mesmo depois de confessar...

Anônimo disse...

confissão forçada não conta, até pq ela alterou, mais uma vez:

a regra básica é clara

inocência até q se prove o contrário

sem provas concretas, sem culpa, sem culpa, sem condenação

flaviaoa disse...

Intimamente, não acredito que Ana Liz tenha feito isso. Porém o que se pede, se suplica à justiça é que respeitem o trâmite legal. Ela deveria estar em casa com seu filho. Messa hora devemos oensar na criança que perdeu seu pai e o tiraram de sua mãe. Se ela matou, saberemos no julgamento. Não nos cabe julgá-la como inocente ou culpada. Simples assim! #LibertemAnaLiz

flaviaoa disse...

Questionamento: se a confissão dela é válida (para alguns), pq não foi a julgamento logo? Obviamente há algo estranho.

Anônimo disse...

Por via das dúvidas, melhor deixá-la presa, para a segurança das pessoas.

Anônimo disse...

"Questionamento: se a confissão dela é válida (para alguns), pq não foi a julgamento logo? Obviamente há algo estranho."

exato, e sem provas concretas, ana liz consegue se livrar do caso, basta um bom advogado

Anônimo disse...

Acompanho alguns crimes de repercussão, para avaliar o efeito da crônica policial, que na minha opinião, muitas vezes, serve para ocultar os verdadeiros autores e interessados em determinados crimes, condenando inicialmente a partir da opinião publica, em que as provas são especulativas sem o respaldo técnico, mantendo acusados em alguns casos até 5 anos em prisão preventiva, quando chega a audiência de julgamento são inocentados por falta de provas ou provas falhas. Na maioria, pra não considerar 100% isso acontece com pobre, negros.....Sem desconsiderar a possibilidade da Ana Liz ter participado deste homicídio, não identifiquei até agora qualquer investigação sobre o belga Benoit, quem garante que ele não estivesse envolvido em alguma transação nebulosa e ou não tivessem pessoas interessadas na sua morte..... a "istória" "Mulher encomenda a morte do marido" com o perfil de Ana Liz, cai muito bem, e por si só, parece que esclarece tudo. Minha torcida é que a justiça seja feita com justiça.