sábado, 15 de agosto de 2015

O VALE A PENA VER DE NOVO DA BOMBRIL (VALE?)

Tatiana, engenheira agrônoma em Porto Alegre, me enviou este email:

"Tu viu a nova propaganda da Bombril?
Sinceramente não gostei dela em diversos aspectos. Achei fraca, põe a mulher como tendo que lidar com 1001 tarefas sozinha, como sempre sobrecarregada (mãe, filha, esposa, trabalhadora, dona de casa) e ainda assim tem que ser diva (seja lá o que for isso), como as personagens (que têm diversas empregadas em suas mansões, nem devem saber o lugar do Bombril). 
Diva? Esquecem que essa mulher sofre pressão extra da sociedade pra ser ótima em tudo que faz, se culpando ou sendo culpada por outros por estar trabalhando fora, ao invés de estar se dedicando 100%  à família e afazeres domésticos; fazem então jornada tripla como muitas pesquisas mostram. 
Achei sim que avacalha o homem e realmente isso não me agrada (não desejo pro outro o que não quero que façam comigo, não é?), mas POR FAVOR! Conar investigar isso? Temos 24873535 propagandas machistas (estatística minha) contra uma avacalhando homens, e o Conar vai investigar essa? Justo essa?! 
Não gostei da resposta da Bombril: “foi estrategicamente desenvolvida para valorizar o protagonismo feminino” (oooi?) e que o vídeo “usa uma linguagem bem-humorada para ressaltar o valor da mulher na sociedade brasileira e não tem a intenção de ofender os homens ao fazer uma brincadeira com a palavra diva”. 
De machista bem humorado o mundo tá cheio, e usar piadinha pra diminuir o outro é coisa que machista/ racista/ homofóbico sabe fazer como ninguém. Vamos agora nos igualar? Eu não concordo. Propagandas como essas fazem eu ter que ouvir depois que o feminismo é o machismo às avessas, e isso me cansa. Coisa que eu sei bem que não é, até porque, por tudo que já comentei ali em cima, não vejo nada de feminismo nessa propaganda, muito menos algo que destaque o protagonismo da mulher! Protagonista agora é pra ser escrava? 
Abraçar o mundo com as pernas porque os homens continuam sendo 'divagar', como a propaganda sugere? Não, muito obrigada, passo a vez. Muito conveniente ser devagar. Vejo muita mulher fazendo tudo dentro de casa porque o marido não sabe fazer... que cômodo e confortável, não? Que tal aprender a limpar a própria sujeira? A desculpa fica completa quando dizem que a mulher que é muito exigente e perfeccionista com a limpeza, e não tem paciência pra ensinar o homem a fazer tal tarefa, preferindo ela mesma fazer, já que a mãe dele nunca ensinou. É a cereja do bolo. 
E tu? O que acha?"

Minha resposta: Acho exatamente o mesmo que você, Tatiana. E também de outras pessoas que escreveram sobre o comercial, como a Natalia. Não tem nada de feminista em depreciar os homens. E muito menos em dizer que só mulher pode fazer tarefas domésticas, já que homens parecem não prestar pra isso. A divisão sexual do trabalho é um problema sério. Mulheres já são metade da força produtiva do país. Falta convencer os homens a fazerem sua parte no cuidado da casa e dos filhos.
Não gosto do comercial, mas nem por isso consigo entender que uma dúzia de homens sintam-se ofendidos com a frase "toda mulher é diva e todo homem é diva-gar". Se mulheres fossem chamadas apenas de lerdinhas em anúncios e comerciais...
Mas êta gente sem memória, hein? Quatro anos e meio atrás, a Bombril lançou uma série de comerciais com Marisa Orth, Monica Iozzi, e Dani Calabresa, numa campanha que custou 40 milhões de reais. Os comerciais diziam coisas como "Porque homem é bom, mas é tosco. Por isso pra deixar a sua casa brilhando, as mulheres precisam mesmo é de Bombril". Parece familiar?
Na época, escrevi num post: "Pô, a gente quer um parceiro que divida as tarefas domésticas, mas não que provoque uma hecatombe nuclear ao pegar numa vassoura. O homem perdedor acaba sendo poupado. Ele dá menos trabalho deitado no sofá tomando cerveja enquanto a gente limpa o lar do que derrubando tudo que encontra pela frente. 
"E é justamente essa imagem que a campanha da Bombril acaba privilegiando. No fundo, a campanha defende que deixemos nossos homens incapazes de lado, e que nos viremos com Bombril, que esse sim tem mil e uma utilidades, ao contrário daquele traste babão largado na poltrona". 
Acreditem: teve gente que denunciou a campanha ao Conar, que "absolveu" a Bombril. 
Em 2013, a Bombril juntou Iozzi e Calabresa com Carlos Moreno (o garoto-propaganda da marca durante décadas) para outra campanha, em que era dito "Tudo que os homens fazem, as mulheres também fazem. Só que um pouquinho melhor". Mais uma vez, cerca de 40 pessoas, a maior parte homens, disse que a Bombril pregava "ódio aos homens". Mais uma vez, o Conar foi acionado e o comercial continuou no ar. 
Portanto, nada disso é novidade. Nem a campanha, nem as denúncias de discriminação dos homens, nem a resposta da Bombril, nem o julgamento do Conar. E, obviamente, nem a acusação de que somos nós feministas que fazemos esses comerciais -- apesar de todas essas campanhas serem assinadas por equipes só de homens. Óbvio que devem ser homens feministas! Afinal, se tem uma coisa que o mundo da propaganda é, é feminista!

67 comentários:

Anônimo disse...

O meu marido é um perdedor que ajuda mais deitado no sofá do que limpando alguma coisa. Não sei porque se ofender com a verdade. Achei a propaganda mais machista que misândrica. Nos coloca novamente, como as únicas naturalmente aptas pra limpeza.

Anônimo disse...

Concordo plenamente com o guest post e os comentários da Lola, inclusive até comentei aqui em casa, qdo vi a propaganda pela primeira vez, que o intuito é usar o elogio para manipular mulheres a se sentirem bem e "divas" ao assumirem todas as tarefas domésticas sem a participação dos homens.

Obviamente, que não se trata de um elogio verdadeiro, mas sim de uma forma de manter a situação atual e deixar a mulher se sentindo valorizada por isso, quando, na verdade, assumir as tarefas domésticas sozinha só serve mesmo aos interesses de homens machistas que se sentem bem em ver a companheira trabalhar sozinha, enquanto eles são apenas servidos dentro de casa.

Anônimo disse...

Uma propaganda que diz mostrar o protagonismo das mulheres, mas continua presa aos mesmos estereótipos. Também não gostei nada, nem desta e nem das outras propagandas.

Lara disse...

Exatamente Lola, esse tipo de campanha só serve para ludibriar as mulheres, vocês são Divas, enquanto a verdade é que são escravas do Lar que não recebem nenhum tipo de ajuda dos companheiros e não peça nada para eles, pois só atrapalham. Mulher de verdade faz tudo só...

Não acho nada útil esse tipo de campanha, poderiam fazer mostrando uma harmonia o casal fazendo as tarefas juntos ou até mesmo a família toda como já é realidade em muitos lares, exaltar as Divas como nessa propaganda prestam um desserviço a comunidade.

Anônimo disse...

Tem coisa mais insultante que essa glorificação da tripla jornada de trabalho???
Isso pra mim é ser feita de otária!!! E ainda acham que é elogio ;(

Sério... vão pro raio que os parta!!!

Jane Doe

Jonas Klein disse...

Olá Lola

Esse assunto para mim e bem delicado, pois eu trabalho com marketing logo isso e comigo.

Eu se tivesse que dar uma nota para estas propagandas da Bombril, eu daria nota zero, eu sempre aprendi estudando publicidade que a propaganda deve se focar nas funcionalidades e características positivas de que esta sendo divulgado, logo este tipo de publicidade de mal gosto da Bombril, na minha visão não agrega nada de positivo para a empresa.


Por fim penso que quem faz, estas propagandas da Bombril não estudo nada sobre como fazer publicidade de modo eficiente, pois não me passa pela cabeça que uma pessoa que entenda de publicidade, iria criar umas propagandas toscas assim.

Anônimo disse...

Mulher não quer trabalhar na rua e não quer trabalhar em casa. Nada de novo no front.

lola aronovich disse...

E vc, anon das 15:27? Quer trabalhar aqui em casa? Trabalhar de graça, digo. Que é o que milhões de mulheres fazem quando o assunto é serviço doméstico.

Anônimo disse...

Se essa propaganda te incomodou porque faz os outros falarem "feminismo é machismo as avessas", então coitada. Esse tipo de atitude é o que as radfems mais fazem, tu vai continuar se incomodando com isso até essas pragas sumirem. Ali pode de tudo: misandria (que não existe), ódio aos homens (também não existe gente), ódio a trans (imagina, não é ódio, só chamam de piroco e outros xingamentos), depois o povo pega a fala delas e sai compartilhando dizendo que isso é feminismo. Grande desserviço que essas radfems prestam ao movimento.

Anônimo disse...

"Vou até tirar print da Lola fazendo apologia ao trabalho escravo" ~Mascu paranoico

Anônimo disse...

Elas também sustentam seu babaca.

Anônimo disse...

sempre o homem é feito de palhaço e otário, paga tudo e ainda sai como errado. vcs mulheres estão de parabens. nós q somos os demônios, certo?

lola aronovich disse...

Cara, em que mundo vc vive em que o homem paga tudo? (melhor nem falar no "ainda sai como errado"). Porque seu mundinho não corresponde ao mundo real, em que a grande maioria das mulheres trabalha fora e divide, ou paga completamente, as contas da casa.
Adapte-se. O mundo que vc descreve já não existe mais.

Anônimo disse...

se você não estivesse querendo dar uma de irônico sabichão e estivesse quietinho no seu canto, caladinho, sim você estaria certo :)

Anônimo disse...

"As mulheres fazem tudo o que os homens fazem... so que um pouquinho melhor".

Pelo menos era slogan passado (nao sei, nao vejo mais tv). Quero ver elas trabalharem na construçao melhor e fazerem melhor do que os homens. FIM

Lola, sou o 'mascu' (nao de fato, mas por maioria de votos) que digitou o comentario na sua postagem anterior (que tu reproduziu).

Como serei neonazista se tambem sou mestiço? As mestiças bonitas preferem os brancos (independente da aparencia deles). Somente as feias (de todas as raças) fazem questao por mim, sendo que sou bonito (descobri isso pela forma que as pessoas me tratam e quando comecei a frequentar lugares ricos).

Julia disse...

Isso é apenas uma releitura daquele título de "Rainha do lar".
A mulher como a soberana do reino doméstico. A diva que faz o serviço doméstico não-pago todos os dias e ainda dá conta de todas as outras coisas sem reclamar.
Que eu saiba rainha mesmo não faz nada. Serviço doméstico nenhum. Fica sentada no trono dando ordens e esperando tudo ser servido na mão.

Anônimo disse...

É... de fato, são as mulheres que se jogam no chão e esperneiam igual a pirralho mimado quando precisa levantar o traseiro da cadeira pra trabalhar. Também são as mulheres que choram as pitangas por que ninguém faz o mingau delas ou entrega o todinho na mão.

As mulheres ganham menos??
Tem mais dificuldade de arrumar emprego, apesar de melhor qualificadas??
São demitidas na primeira oportunidade??

Por que será, né??

Deve ser complô dessas feminazi desocupada que só querem sugar os coitadinho duzomi!!!


Jane Doe

lola aronovich disse...

Anon das 15:59,
"Segundo dados do Ministério do Trabalho, de 2007 a 2010, o número de mulheres no setor da construção civil teve uma alta de 74%." Mulheres já são quase 15% dos pedreiros no Brasil.
De acordo com um presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção, "as mulheres estão disputando vagas no setor com uma vantagem, elas são mais caprichosas; profissionalmente são iguais ou melhores que os homens”. Um empresário "afirma que a mão de obra feminina dá mais eficácia nas execuções dos projetos". Aqui, do Jornal O Povo.
Superintendente da Sudeco: “As mulheres são mais caprichosas e não faltam na segunda-feira, como acontece em alguns casos. Além disso, transformam o ambiente de trabalho em um espaço mais ameno. Isso fica muito claro na construção civil”.
Essas foram apenas as primeiras buscas no Google. Vamulá, vc consegue.
E sobre ser neonazista e mestiço, isso acontece, e muito, com pessoas com baixa autoestima. É jeito de se odiarem. E vc continua com as besteiras de sempre. Não tem salvação não: vc é tapado demais.

Zrs disse...

Ainda sobre o tópico anterior...A carta de uma mãe que relata o sofrimento da filha que se matou duas semanas atrás, ela sofria de depressão profunda, motivo: estupro ocorrido na infância.

Ana Rosa Augusto
"A história de Anne Louise.
... uma filha linda, carinhosa, doce, inteligente, criativa, mas que não conseguiu resistir à depressão. Foi uma grande guerreira. Não pensem que foi fraca. Pelo contrário. Mesmo com seu corpinho mignon e com sua doçura, ela teve muita garra para lutar até onde conseguiu.
Depressão é uma doença muito séria. Inclusive, nós, que convivíamos com a Anne, sempre levamos o assunto a sério, apesar de alguns acharem que é frescura. Hoje, comparo a depressão a um câncer - a pessoa não escolhe ter um câncer ou não. Ninguém escolhe ser depressivo e sofrer por isso.
O paciente que desenvolve câncer batalha, faz os tratamentos indicados. Ele pode ter os melhores médicos do mundo. Todavia, estamos falando de uma enfermidade devastadora que, assim como a depressão, nem sempre concede ao seu portador vitória. Muitos não vencem a batalha contra o câncer. Muitos não vencem a batalha contra a depressão.
Notamos os primeiros sinais há quatro anos, quando a Anne estava preparando o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) da faculdade de Fashion Design. A princípio, achamos que era estresse, até mesmo pela pressão da formatura, tanta correria.... e a Aninha tão perfeccionista. Só que, depois, vieram os desmaios, dores no peito, falta de ar. Começamos, então, a procurar ajuda de neurologista, cardiologista. Poderia ser algum distúrbio na tireóide? Tudo negativo, exame após exame.
Os sintomas foram se agravando. Porém, ainda poderiam ser resultantes da pressão dos trabalhos finais de formatura. De qualquer forma, a levei num médico amigo, que acabou receitando tranquilizantes. Aguardamos.
Com o término da faculdade de Moda, esperamos as festas de fim de ano e, bem nesta época, o quadro se agravou. Bom, pode ser psicológico, síndrome do pânico, talvez? Recorremos a um renomado psiquiatra. O médico também achou que poderia ser passageiro. Contudo, demos início a um tratamento com remédios mais fortes. Anne, aquela altura, já não dormia.
E, assim, foi. Sem contar que nem sempre ela se adaptava aos medicamentos e começou a necessitar de um apoio maior, multidisciplinar. Decidimos, então, agregar terapia ao acompanhamento. Anne passou por vários profissionais competentes.
Quem faz análise sabe sobre o que vou dizer agora: para que este tipo de tratamento psicológico tenha bons resultados, é necessário que o paciente se identifique com o terapeuta, para poder se abrir..... até isso acontecer, um bom tempo se passou. Por fim, encontramos uma psicóloga com a qual a Anne se identificou e quem a tratou nos dois últimos anos. Uma pessoa linda, que Deus colocou em nossos caminhos - carinhosa, com jeitinho de mãe (passava confiança), mas, como não era a mãe, ficava mais fácil para a Aninha compartilhar sua vida.
Num trabalho em conjunto, psicóloga e psiquiatra diagnosticaram depressão profunda e todos os agravantes psiquiátricos e psicológicos que essa doença terrível envolve. Trocas de medicamentos era uma constante. Nos últimos tempos, Anne estava tomando os mais modernos, importados.
Para completar o tratamento, fazia terapia com naturóloga, além de frequentar aulas de canto, que tanto amava, cursos de cerâmica... Em junho, concluiu um curso de Estamparia, na renomada Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), em São Paulo. Sua mente sempre foi ocupada com atividades produtivas e que lhe davam prazer!
Entre outros altos e baixos, as crises, no entanto, pioravam e, consequentemente, as doses de remédios aumentavam. Nos esforçávamos em ter uma vida normal e alegre. E, também num esforço de sua parte, Anne tentava passar que estava bem.
Ela teve um namorado maravilhoso, Kevan Fonseca - um anjo em nossas vidas, que muito nos ajudou. Nesta batalha, também contei com o auxílio de minha mãe, de meus irmãos e com amigos que presenciaram algumas crises e passaram a nos ajudar e, principalmente, a nos entender. ...continua..

Zrs disse...

continuação:

Nos últimos dois anos, Anne já não podia ficar sozinha, nem para tomar banho.
Intuição de mãe... anos atrás, passei a desconfiar que havia uma causa que teria desencadeado a depressão. Comecei a orar ao Senhor Jesus, para que ela conseguisse se abrir com sua terapeuta, coisa que aconteceu uma semana depois. Porém, suas crises pioraram ainda mais por reviver o trauma. Tomamos mais cuidado em vigiar. Eu mesma passava, muitas vezes, o dia todo do lado de sua cama...
A pedido da própria Anne, a psicóloga, um dia, me chamou para contar o que ocorreu. Difícil. Aninha tinha vergonha pelo epsódio. Achava que eu não a perdoaria. Achava que era culpada - todos pensamentos naturais de vítimas de abuso.
O abuso ocorreu quando ela tinha 10 anos, dentro da escola particular onde ela estudava. Na época, Anne tinha passado para o ginásio. Era adiantada nos estudos e, com isso, seu intervalo passou a ser junto com o de alunos mais velhos, que já esbarravam na adolescência.
Então, um menino de 16 anos passou a abusar sexualmente da Anne, nas dependências do colégio. Isso durou cerca de seis meses. Segundo a Anne contou para a psicóloga, o garoto ameaçava matar seus pais (neste caso, eu e meu marido), caso ela contasse alguma coisa para alguém... um tormento, um terror!
Nunca vi essa menina chorar e, quando a via chateada e a questionava, ela respondia que não era nada. Nessa mesma época, Anne começou a mudar seu modo de vestir. Andava só de preto, roupas largas, pareciam até masculinas. Achamos que era uma fase típica da pré-adolescência.
Outra coisa que nos chocou muito foi o fato de ficarmos sabendo, por terceiros, que ela estaria usando drogas e, pasme, na escola. Mesmo com suspeita, tomamos a providência de mudar a Anne de escola, mesmo com o risco de perder o ano letivo. Depois, confirmamos, infelizmente, a suspeita.
Na escola, continuou indo bem e, como não saia de casa, prosseguia sendo uma filha carinhosa e doce. Não percebemos... Realmente, só fomos notar quase dez anos depois, quando começaram os episódios de desmaios e taquicardia, ansiedade e medo.
Nas últimas semanas de vida, Anne estava dormindo comigo. Aliás, não dormia sem medicação e, se dormia, tinha pesadelos com seu trauma. Na verdade, ela já não queria dormir...
Quando eu saia para trabalhar, ou a levava junto, ou a deixava com minha mãe, com minha irmã... Procurávamos disfarçar esse "cuidado" com alguma desculpa, para que ela não percebesse que precisava ser vigiada. Inventávamos histórias para ela estar aqui e acolá, sob a tutela de fulano ou cicrano. Mas, nas últimas semanas, Anne piorou drasticamente e deixava transparecer que tinha medo de tudo.
Só nós, que estávamos ao seu lado, sabemos o tormento e o tamanho da dor dessa menina. Os remédios ajudavam a entorpecer, a adormecer. A terapia pode até auxiliar a pessoa a se abrir, a colocar para fora o seu segredo, a sua dor, organizar suas ideias. No entanto, não existe nada que pode apagar lembranças de momentos horríveis. E, vale lembrar, cada um sabe o seu limite, sabe onde mais dói.

Zrs disse...

final..

Difícil dizer se está sendo mais difícil sentir a dor da partida da minha filha, ou assistir o seu sofrimento diário. Foram anos, vale lembrar, de uma batalha repleta de aflição, consternação, desgosto.
Nossa princesinha Ana Luisa, ou Anne Louise, ou simplesmente Aninha, apenas encontrou uma forma de colocar fim aos seus tormentos. Exatamente na hora de sua partida, senti um bálsamo de paz me invadir e, naquele instante, não entendia como aquilo poderia estar ocorrendo. Hoje, sei a paz que você encontrou.
Filha amada, nossa guerreirinha... quanto sofrimento, quanta dor você aguentou tão criança, sozinha, calada... Hoje, entendo o porque daquele jejum tão rígido que você fez dos 11 aos 17 anos.
Hoje, entendo porque não quis fazer uma extensão universitária no exterior e alegou que, só faria se eu fosse com você. Era medo do mundo. Era a fragilidade imposta pela experiência nefasta que teve dentro da escola para a qual confiávamos a sua guarda e educação.
E, assim como você tinha tatuado no braço “This too shall pass” (isto também passará), vou crer que nossa dor pela sua ausência também vai passar.
Sempre vou te amar. Na nossa fé, te entregamos nos braços do Pai. Durma em paz. Nos encontramos na Glória.
E, a você que causou todo esse tormento na vida da nossa princesa, só nos resta orar pela misericórdia divina. Contudo, cada um tem um travesseiro para deitar e uma consciência para administrar...
Anne, beijos da sua "mamãe mais linda", como você mesma me dizia; do seu papai amado e de todos que cruzaram o seu caminho e conseguiram lhe proporcionar alegria. Sonhos não terminam, apenas adormecem".

S. disse...

Isso é para nos enganar mesmo, somos incríveis por sermos escravizadas??!! Vi uma vez num programa da Rede TV, acho que era a da Luciana Gimenez. Tinha um quadro para ajudar as mulheres a ficarem bonitas( só tem quadro assim para gente, homens podem ser o bagulho quer for) e o estilista teve a cara de pau de reclamar do jeito que ela arrumava a casa, não estava arrumada o suficiente para o macho de ouro, ela tinha é que tá com shortinho e salto alto para seduzir o babaca! PQP!!
Não pode nem estar a vontade para cumprir a rotina de escravidão, tem que estar igual uma modelo para agradar os olhos dos homens.
Nojento demais. Ainda tem uns babacas reclamando de se aposentarem mais tarde, sendo que mulher trabalha mil vezes mais.

camila santos disse...

"Conflitos femininos" odia.ig.com.br/diversao/2015-08-15/novos-aplicativos-de-celular-ajudam-nos-conflitos-femininos.html

Anônimo disse...

Ta lola, pra destruir qualquer argumento teu... na epoca que tu escolheu teu 'maridao', tu nao escolheria de jeito nenhum homem negro. Tu me chama de neozista sendo que quero uma mulher igual a mim, falo isso nao apenas 'para manter' os biotipos de pessoas, mas uma questao de justiça.

Veja exemplo que ocorreu no bbb esse ano, a talita (mestiça) rejeitou o luan (negro) e deu em cima do rafael (branco dos olhos claros), ela acabou conseguindo seu objetivo (provavelmente o rafael nao sabe como as coisas funcionam). Depois de alguns dias, chegou uma branca bonita e escolheu um homem util (alto forte e com pinta de brigao).

Depois dessa ediçao, que confirmei minha teoria que as bonitas sem dinheiro preferem os homens uteis, e as feias, as gordas e as ricas querem os bonitos.

*Pra quem critica o bbb, isso ocorre porque essas pessoas sabem que jamais seriam chamadas para tal programa, ou mesmo que fossem chamadas jamais ganhariam.

lola aronovich disse...

Esse seu argumento citando BBB é pra destruir qualquer argumento meu, ô mascu fracassado (desculpe a redundância)? Como vc sabe que na época em que escolhi meu maridão eu não escolheria homem negro? Vc sabe se eu fiquei com homens negros? Ou gordos? Vc sabe da minha história e do meu gosto melhor do que eu, é isso? E é simplesmente patético como vc generaliza tudo. Vc não vê mulheres pedreiras nas construções que passa, logo, obviamente todas as estatísticas mostrando que pedreiras já são 15% (e montes de depoimentos de quem trabalha com isso afirmando que elas são melhores que os homens, principalmente na parte de acabamento) dos trabalhadores em construção civil são mentirosas, porque o que vale é seu conhecimento empírico. Se eu casei com um cara que não é gordo e mestiço, isso é prova de que todas as mulheres ... ahn, não sei completar a frase, porque até agora ninguém entendeu o seu raciocínio furado.
Agora chispa daqui, loser. Tem fórum e blog mascu por aí pra vc comentar. Eles estão às moscas, e sei que é chato papear com outros lunáticos como vc, mas faz um esforço, vai.

Anônimo disse...


Hoje em dia,saber lavar ,passar,cozinhar etc,é questão de sobrevivência,no meu caso,meu marido cozinha melhor do que eu,e sempre dividimos as tarefas,sem neuras.
Eu já morei sozinha,ele já morou sozinho então saber fazer tarefas domésticas é obrigação de qualquer pessoa independente do gênero.

Ass:Taty

Anônimo disse...

Manda um abraço pro 'winner' do seu marido!

Anônimo disse...

Sim taty, nesse ponto eu concordo com você. Cozinhar,bordar,lavar entre outros são atividades necessárias para a vida em geral, que por mim, todas as pessoas deveriam aprender. O problema é quando você é forçada a fazer para outra pessoa que não possui nenhum interesse em tentar aprender para no futuro fazer sozinho ou te ajudar em outros pontos. Nesse caso, você acaba sendo usada e acaba perdendo seu tempo para fazer o trabalho de outro que nem te respeita, afetando negativamento a sua vida.

Anônimo disse...

Macu chatinho, por favor, dê o fora logo. Ninguém aqui vai te botar no colo e te dar mingau ou secar as suas lágrimas derramadas porque sua vizinha não te dá bola, a moça bonita do seu trabalho te ignora, a saradona da academia da esquina nem te enxerga e a panicat sequer sabe da sua existência, e não se interessa em saber. Na verdade, mascu, nenhuma mulher sabe da sua existência e nenhuma faz questão de saber. Eu mesma preferia nunca ter sabido que você existia; infelizmente alguns mascus sabem escrever e vem aqui anunciar sua existência como se quiséssemos saber que ele existe. Não, não queremos. Volte pra sua confraria de loseres e vamos esquecer que você existe.

Flavio Moreira disse...

Fazendo um pouco a conexão entre tarefas domésticas e educação de meninos que, se não me engano, foi comentário de alguma postagem anterior, e falando estritamente do ponto de vista pessoal - ou seja, diferente dos comentários monomaníacos de mascus, não há qqr intenção de generalizar - acho que é possível educar homens para o trabalho doméstico.

Em casa minha mãe trabalhava fora, minha avó tomava conta da casa e eu estudava de manhã. Não fui criado com meu pai. Todos os dias minha mãe deixava tarefas para eu fazer - varrer a casa, por exemplo. Eu, como criança, não gostava, claro, mas tinha que fazer. Sábado era dia de faxina geral e eu sempre era "convocado" - era um dos dias que eu mais detestava (rs). Mas passava cera no chão - eu queria era passar a enceradeira, mas não me deixavam; tirava pó (detestava, mas minha mãe não me deixava varrer a casa - eu era, digamos, meio estabanado com vassouras e rodos) e fazia outros serviços. Depois do almoço eu queria lavar a louça, mas minha mãe me fazia secar e guardar, que era o que eu não gostava. Nossa, agora percebi que eu não gostava de várias coisas, mas já gostava de outras. Enfim, eu fui ensinado a cuidar da casa. Com minha avó peguei o gosto pela cozinha - gosto de cozinhar, mas meu ponto forte, dizem, são biscoitos e bolos.

Quando eu saí de casa definitivamente (aos 22 anos; aos 18 eu fiquei um ano em outra cidade fazendo curso), todas essas lições foram extremamente úteis. E eu não deixei de fazê-las (tirando encerar a casa, porque modernidade, né). Acho importante que qqr criança saiba cuidar minimamente de si e da casa, para que se tornem adultos capazes de agir com independência. A necessidade de trabalhar fora para sustentar a casa e uma percepção aguçada de que seria útil para mim eu aprender a me virar contribuíram para que eu não me tornasse um "parasita" que não faz nada em casa.

Mas esse sou eu e sou grato à minha mãe por isso. Os relatos de mulheres que têm irmãos que são tratados como reis ou cuja masculinidade é tão frágil que se eles lavarem o próprio prato serão considerados "menos homem" (?!?) por isso me assustam, porque eu realmente achei que tivéssemos chegado no século 21, mas parece que ainda estamos nos primórdios da década de 50 do século passado, o que é uma pena...

Anônimo disse...

Sou homem e não gostei dessa propaganda! Pessoalmente não fui atingido de forma nenhuma, desde menino lavo louças da casa, faxino, faço comida e toda tarefa que aparecer! Poucas vezes recebi reclamação de minha esposa! Sinto até mesmo vergonha alheia quando vejo mulheres reclamando de seus maridos que não fazem nada ou quando vejo um montão de homens bebendo nos botecos sem fazer nada em casa e alguns ainda dizem que "a rua é do homem". Mas o Conar poderia usar essa queixas para intimar a Bombril a produzir comerciais mais educativos mostrando que é obrigação dos homens dividir as tarefas da casa.

Anônimo disse...

Esses mascus são insuportáveis, sem falar que os mascus vivem desprezando mulheres pela aparência física. Depois ficam choramingando na maior cara de pau e cinismo de que ninguém quer eles porque são feios. Ninguém quer vcs porque são um bando de mala-sem-alça mesmo e ainda narcisistas. Ah vá!

Anônimo disse...

Que recalque todo é esses dos mascus em relação ao marido da Lola? Eu hein!

lola aronovich disse...

Eles são obcecados pelo meu marido! Repare na "evolução" dos mascus: durante anos ficaram falando que meu marido não existia, que era invenção minha, que era photoshop, porque não é possível uma feminista (logo, uma mulher que odeia homens) e gorda (logo, uma mulher que faz os homens fugirem) ter um marido. Por algum motivo, passaram a reconhecer que talvez exista de verdade um carinha fofinho e lindo chamado Silvio que é casado comigo. Então começaram a ameaçá-lo de morte (e estupro) também. E faz um tempão que querem "destruir sua reputação", fazendo sites e imagens na internet inventando que ele é pedófilo e estuprador. Esses mascus, MRAs, "defensores dos direitos dos homens", odeiam o Silvio unicamente por ser meu marido!
Neste mundo misógino em que vivemos, não é perigoso apenas ser feminista. É perigoso também ser marido de feminista!

Anônimo disse...

Lola, para de viver nesse mundinho de faz de conta, por que responde e ao mesmo tempo apaga meus comentarios?

Torço pra que seu marido ganhe na mega-sena (da virada de preferencia) pra que nunca mais ele tenha que viver na tua funçao por tu ganhar mais do que ele.

Eu nunca disse que teu marido era fake, ate porque ja tinha visto fotos de voces anos atras.

Anônimo disse...

O que significa "viver na tua função"?
Esses mascus vivem menosprezando mulheres pela aparência física/idade. Vomitam racismo principalmente contra mulheres negras. Usam termos pejorativos como "vileiras" para depreciar mulheres de baixa renda. Entre outros discursos de ódio. Depois esses mesmos sujeitos prepotentes, arrogantes, pretensiosos e preconceituosos não admitem ser rejeitados por ninguém em hipótese alguma.

Anônimo disse...

Uma vez eu vi um mascu negro reclamar que as poucas mulheres negras bonitas que existiam só queriam saber de ficar com homens brancos enquanto para ele tadinho que malhava tanto e cuidava do shape e desenvolvimento pessoal só sobravam as negras feias ou as brancas velhas e feias. Pior que esse boçal achava que estava abafando com esse discurso cheio de futilidade e preconceitos e ainda achou que iria ganhar confete por isso. Que babaca.

Ana,psicologa. disse...

Isto nao é uma critica negativa a ninguem,apenas uma reflexao

A Lola so enxerga um padrao bem engessado para os mascus.
As demais acompanham.
E nao ver q algumas vezes q as pessoas q querem sair de lá sao algo PARECIDO tipo sindrome de asperger.
Ao mesmo tempo vc tem q compreender q ofende as feministas e os demais com esse discurso.

Kittsu disse...

Essa propaganda só pode ter sido inspirada na bandeira "let's offend everyone at once". Ou por uma equipe de marketing incrivelmente retardada, já que convenhamos: Bombril já é reconhecida demais pra precisar viralizar em cima de picuínhas tão abestadas. Já vi tanta propaganda inteligente, criativa e que realmente chamava a atenção pela genialidade que às vezes eu acho que passaram um "raio trepanador" nas diretorias de marketing de todas as empresas, pra termos essa quantidade enorme de imbecilidades sendo produzidas.

Anônimo disse...

Pra quem tinha duvida sobre o que era 'hoxafu'... hexa (seis) + octa (oito) + tribufu.

'hxa' do hexa, 'o' do octa e 'fu' do tribufu.

Anônimo disse...

Eles sabem que ofendem mas não se importam. Eles odeiam todo mundo, porque em primeiro lugar eles odeiam a si mesmos.

Anônimo disse...

É o pós-modernismo deixando todo mundo cada vez mais descerebrado, Kittsu. Na propaganda isso só é ainda mais evidente que nos outros setores/lugares.

Anônimo disse...

Eu sei que os homens sofrem, eu li Hamlet e o Scum Manifesto. Queridos homens, não se preocupem, todo esse seu sofrimento não vai mais durar por tanto tempo, a eutanásia já está sendo providenciada. Mas se a sua dor for tão insuportável que você não é capaz de aguentar esperar, tadinho, o suicídio sempre é uma opção disponível :)

Anônimo disse...

anom das 01:41: O que tu andou cheirando? divide aí que quero viajar na batatinha também

Anônimo disse...

Ainda nesse filme cara?
Poxa que tédio

Anônimo disse...

Isso que dá permitir que as crianças usem o computador ou dar smartphones.
Temos que aturar essa molecada por aqui...

Anônimo disse...

pelo q entedi vc quer casar com a Lola,é isso?!

tu ta muito confuso.Quando existe amor nao ha barreiras.

Anônimo disse...

Eu admiro as Lésbicas, são mulheres autônomas e independentes, têm autonomia no pensar e no agir e quebram um imenso tabu da sociedade.

Anônimo disse...

Anon 01:53, os homens estão em uma queda progressiva em direção à extinção, em todos os níveis. Pesquise por si msm.

Ana,psicologa. disse...

Desculpa a intromissão,rapaz que enviou o comentario sobre Lola e o marido

Pelo que noto voce parece ser uma pessoa boa e quer o bem de todos,mas quer formar sua propria opiniao justa,nao para si,mas para os outros.
Voce nao deve seguir as opinioes dos outros.Deixe eles.Viva seu momento.

Bem,o feminismo é algo importante na sociedade,isso é uma ideologia q está ensinando os outros a respeitarem a outra parte da humanidade.Nao dar pra ser tudo q todas as teoricas feministas e blogueiras recomendam.

É,eu gostaria de saber como isso desencadeou em voce.Foi a partir de um trabalho,do amor por alguem,dos seus pais,amigos...?

Bem,de qualquer forma que tal iniciar algo do tipo q ponha pra fora todas suas angustias?
Eu recomendaria um curso de teatro e/ou ate mesmo psicanalise.
Um profissional que seja serio e ao mesmo tempo atualizado,que voce se identifique.

Nao pense no futuro nem no passado.
Viva seu momento,viva seu presente.

Daniele Lemonje disse...

12,1% dos domicílios brasileiros são ocupados por uma única pessoa. Mais de 9 milhões de pessoas, sendo que 54% são homens, ou seja, quase 5 milhões de homens que cuidam de suas próprias casas com as 1001 utilidades do Bom Bril.

Eu achei essa propaganda misândrica. Não adiciona nada em nosso debate e cria uma imagem depreciada no imaginário popular da relação homem / mulher.

Anônimo disse...

Do que estão falando? Não tô entendendo nada, vocês desviam muito do assunto do post e muito rápido. Parece até que a maioria aqui é de gêmeos.

Anônimo disse...

Esse fake "Daniele" é ridículo, mascu patético. Misândrica é uma metralhadora bem carregada enfiada no cu de masculinista safado. Esse lixo de propaganda é só machista e muito idiota. Mesmo.

Anônimo disse...

No perfil da Danielle tem uma suástica! !!
Olha o nível. ...

Anônimo disse...

Homossexualidade é uma orientação sexual e não uma ideologia, muito menos de ódio a determinado sexo. Essas radfems mais uma vez usando as mulheres lésbicas para falar besteiras.

Anônimo disse...

Daniele,misandria nao existe.Nunca existiu sobre os demais.Num sistema em q vivemos isso é apenas propaganda de mal gosto contra homens.
As rad das rad sao um projeto q ninguem leva ou levara a serio.

Anônimo disse...

Se eu fosse da concorrência, fazia uma propaganda pras mulheres dizendo que o meu produto é tão eficaz e fácil de usar que os homens não teriam mais desculpas pra não dividir as tarefas.
Mariana

Anônimo disse...

A Daniele é um fake caricato de um mascu. Idolatra Bolstonaro, fala mal das cotas raciais, tem preconceitos contra pessoas que usam tatuagem, adora postar fotos de mulheres peitudas, sonha com a volta da ditadura militar e muito mais o que não presta. Poxa Dani, o mascu que te criou nem disfarça não é?

Anônimo disse...

As rads sao meio bobinhas se elas acham que querem dominar o mundo com sua ideologia mascu as avessas.

Anônimo disse...

Foi uma propaganda infeliz que diz mais uma vez que homem nunca vai ajudar as mulheres nas tarefas domésticas, pois de acordo com a propaganda é isso que as mulheres sabem fazer de melhor e o homem resta sentar na poltrona e esperar a "empregada" pedir para ele levantar o pé para passar a vassoura. É uma propaganda que ao mesmo tempo que deixa o homem parecendo um idiota, o beneficia também por ficar livre das responsabilidades de cuidar da própria casa em que mora.

Anônimo disse...

Homem é bicho tão burro que alem de nao querer fazer as tarefas de casa ainda cria essas propagandas machistas nada a ver, vcs esperavam o que dos zomi. Nao são divagar nao são divagabundos, divagals isso sim.

Anônimo disse...

Quando falam que homem nao presta eles reclamam, ate as mulheres machistas falam. Os homens tão pensando que tão com essa bola toda nao, todo mundo sabe que vcs são lixos. Os gays são melhorzinhos mas os que cis que se afirmam heteros saos podres.

Anônimo disse...

Homem inventou machismo pq sabia que eles eram inferiores, pa alguém que se sente superior precisaria criar uma sociedade pra afirmar que ele é superior? Qum é superior nao precisa disso e humilde pq ninguém é melhor que ngm. Mas se mt homem concorda com o machismo e odeia feminismo é pq eles sabem que no fundo se não tivesse o machismo ele seria como as mulheres ou as mulheres fariam mal coisas que eles. Então eles concordam direta ou indiretamente que são inferiores.

Fê Cardoso disse...

Lola mandando o mascu chispar daqui. AMO!

Mari disse...

Mas eles são um bando de macho chorão, hein. A gente vive uma vida sendo inferiorizada e sexualizada e eles não aguentam um comercial...

Carol Pirlo disse...

Se os homens estão chorando com esse comercial, imagina quando forem tratados como somos na publicidade de cerveja, de carro... O debate parece ganhar forma quando são eles os atingidos.

Lili disse...

Nossa, Lola! Como vc tem paciência... Eu adoro seus textos, mas quando começo a ver os comentários, fico com tanta raiva que tenho de parar de ler. Os comentários mais ridículos e machistas são sempre escritos com erros de português, gírias, abreviações que não existem... Se fosse eu, já teria deletado todos esses comentários ou desistido de ter o blog. Ainda bem que você continua escrevendo e nos presenteando com seus textos perfeitos!! Obrigada!!