quinta-feira, 13 de agosto de 2015

GUEST POST: PRECISAMOS FALAR DE PEDOFILIA

Este é um guest post polêmico, eu sei. Polêmico porque toda vez que se fala de pedofilia alguém vem acusar quem falou de humanizar pedófilos, de não querer punir criminosos. 
E não é nada disso. Discutir um problema é tentar encontrar soluções para ele. No caso de pedófilos, é mais sensato tratá-los antes que cometam um abuso sexual contra menores do que puni-los depois do crime. Ninguém está dizendo que eles não devem ser punidos (é óbvio que devem!). Apenas que podem ser tratados antes de cometerem um crime (atenção: procurou pornografia infantil, mesmo sem produzi-la, já é crime. Porque está incentivando a violência sexual contra crianças e adolescentes).  
Gostei muito que Erika Cabral, psicóloga e mestre em Psicologia pela UFPE, tenha escrito este guest post bastante esclarecedor para o blog. E teve a coragem de assinar.

A revista Superinteressante publicou, na edição de julho/2015, uma matéria sobre estupro. Um trecho da reportagem foi compartilhado pela própria revista em sua página do Facebook. A repercussão da matéria foi tão grande que levou muitas mulheres a relatarem as situações de abuso sexual que haviam sofrido. Diante disso, a equipe da Superinteressante compilou todos os relatos, recebidos nos comentários ou através de mensagens inbox, e publicou o conteúdo em seu site oficial
Ao ler os depoimentos, fui surpreendida com uma realidade que, apesar de ter conhecimento, ainda não havia feito reflexões mais profundas a respeito: o estupro de crianças. 
Uma grande parte dos abusos sofridos por essas mulheres ocorreu quando elas ainda eram crianças ou adolescentes. Isso significa que existe uma quantidade enorme de pessoas (a maioria homens) que comete crimes sexuais contra crianças e adolescentes (meninas e meninos). 
Paralelo a isso, a página do Humaniza Redes no Facebook publicou, em 9/7, um post sobre pedofilia que causou muita indignação nas redes sociais. Aparentemente a postagem tinha o objetivo de esclarecer a população quanto ao tema. No entanto, entendo que o assunto não foi desenvolvido de forma clara, o texto foi escrito na forma de pequenas frases, o que resultou na compreensão errada do conteúdo pelos internautas. As pessoas em geral entenderam que o Governo Federal estaria relativizando a questão ao sugerir que a pedofilia não seria crime e que nem todos que cometem crimes sexuais contra crianças são pedófilos.  
Alguns dos comentários raivosos contra
o Humaniza
Então, algo importante se mostra necessário: precisamos falar sobre pedofilia.
Fiquei refletindo bastante e pensei que eu poderia fazer uma explicação sobre o tema, sem a pretensão de esgotar o assunto, ou de ser a dona da verdade. Mas na minha posição de psicóloga, eu poderia dar alguma contribuição para a sociedade ao tratar do assunto de uma forma simples e clara, sem uso de termos científicos.
Antes de tudo gostaria de deixar claro que pensar em pedofilia me gera desconforto. É um tema difícil, tanto para quem escreve como para quem lê, e poderá despertar sentimentos nas mais diversas intensidades. Emoções como raiva, tristeza, revolta, sentimento de impunidade, que podem comprometer a imparcialidade para encarar e compreender o assunto corretamente. Sabemos que pedofilia é um problema e precisa ser enfrentado. Como abordar o tema de uma forma que facilite a compreensão? Afinal, o que é pedofilia?
Para o senso comum, o termo pedofilia possui um significado bem diferente de como ele é definido pela ciência. As pessoas consideram essa palavra como sinônimo da expressão "crimes sexuais contra crianças e adolescentes". Portanto, mediante o entendimento do senso comum, a explicação do Humaniza Redes realmente parece estar relativizando o problema. 
Para explicar o conceito de pedofilia, conforme a Psicologia e Psiquiatria, farei uma analogia com o termo psicopatia. Vale enfatizar que a pedofilia e a psicopatia não são sinônimos e possuem significados completamente diferentes. A psicopatia é uma doença mental. A pessoa psicopata apresenta traços de personalidade específicos: um psicopata é alguém que tem prejudicada a capacidade de ter empatia; tem consciência de seus atos, porem não sente remorso quando comete erros.
À primeira vista, essas pessoas causam boa impressão e são tidas pela sociedade como “normais”. Porém, elas são identificadas como pessoas extremamente egocêntricas, desonestas, indignas de confiança, e que não sentem culpa. Nem todas as pessoas psicopatas são criminosas. Uma parcela delas são apenas indivíduos que sentem prazer em fazer intrigas e semear a discórdia entre as pessoas dos seus círculos sociais. 
Portanto, é necessário deixar claro que nem todo psicopata é violento, assim como nem toda pessoa violenta é psicopata. Nem todo psicopata é assassino, assim como nem todo assassino é psicopata. 
Para ilustrar, vamos focar no exemplo dos assassinos. Uma pessoa pode matar outra em um momento de descontrole emocional, e depois ficar sinceramente arrependida, sentindo-se culpada. Essa pessoa não é psicopata.
Por outro lado, uma pessoa diagnosticada como psicopata, mas que nunca cometeu um homicídio, não pode ser presa. Psicopatia por si só não é crime. Indo ainda mais longe, se um psicopata pensar em matar, tiver vontade de matar, mesmo que ele se imagine matando alguém, ele não pode ser considerado um assassino. Ninguém pode ser condenado e preso "apenas" por ter vontade de matar. Ele é um psicopata, mas não é um assassino.
Perceba que não estou relativizando o crime de homicídio, nem relativizando a psicopatia. Qualquer um que matar alguém, sendo psicopata ou não, comete um crime e deve ser investigado, julgado e condenado às penas da lei (salvo exceções como legitima defesa e outras hipóteses do Código Penal Brasileiro). 
A situação é semelhante no caso da pedofilia. Pedofilia é uma doença mental descrita nos manuais de psiquiatria e no Código Internacional de Doenças (CID-10). Pedofilia é caracterizada por intensas fantasias e desejos sexuais envolvendo crianças e adolescentes (pré-púberes ou no início da puberdade, quando ainda existem características corporais infantis). Pedofilia é considerada uma perversão sexual. No entanto, apenas no momento em que o pedófilo coloca em prática suas fantasias com crianças é que ele passa a cometer crimes sexuais, ou seja, esse indivíduo é um pedófilo e se torna um criminoso sexual.
Logo, seguindo o raciocínio desenvolvido, conclui-se que, se nem todo psicopata é assassino, nem todo pedófilo é criminoso sexual. A pedofilia, assim como a psicopatia, é uma doença, mas para que o portador dessa doença cometa um crime é preciso que ele pratique os atos descritos na Lei Penal. 
Pensar, fantasiar sexualmente com crianças é algo extremamente asqueroso sim! Mas, apesar de considerar isso algo horrível, não é possível chamar esta pessoa de criminosa sexual, pois pensar e fantasiar, desejar, não são crimes. Uma pessoa adulta que se masturba pensando em crianças e adolescentes não está cometendo um crime. Isso é perversão, mas não é crime.
Outro ponto importante a ser analisado é que nem toda pessoa que comete crimes sexuais contra crianças é pedófila. Explico com um caso hipotético: 
Técio é um homem adulto que não tem fantasias, pensamentos libidinosos, nem desejos de praticar atos sexuais com crianças, nem adolescentes. Contudo, visando ganhos financeiros, ele faz pornografia infantil ou coloca crianças em situações de prostituição. Este homem, apesar de ter cometido crimes sexual contra crianças e adolescentes, não é um pedófilo. 
Mesmo quando Técio abusa sexualmente de um menor de idade, não por desejo em fazer sexo com uma criança, mas porque teve uma oportunidade de praticar atos sexuais e o faria também com uma pessoa adulta, Técio não é um pedófilo. Mesmo tendo praticado o crime de estupro de vulnerável, nesse exemplo não estamos falando de um pedófilo. 
Ou seja, de acordo com o DSM-IV (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders) para caracterizar pedofilia a pessoa tem que ter intensas fantasias e desejos sexuais por crianças por pelo menos seis meses, colocando esses desejos em prática ou não. Para maior aprofundamento sugiro esse texto
Observe que não estou relativizando a pedofilia, nem os crimes sexuais contra crianças. Estou apenas esclarecendo. Toda pessoa que cometer crimes sexuais contra crianças e adolescentes deve ser investigada, julgada e condenada às penas da Lei, independente de ser pedófilo ou não.
Mas por que é importante fazer essa distinção?
Porque existem muitos pedófilos por aí que ainda não cometeram crimes contra crianças, mas podem vir a cometer algum dia. Se não esclarecermos a população e não oferecermos tratamento para essas pessoas, estamos colocando nossas crianças em risco. Se não queremos que mais e mais crianças sofram violências sexuais, precisamos falar sobre o assunto de forma séria e responsável, sem linchamentos. É fundamental que as pessoas que percebam possuir esses tipos de fantasias sexuais tenham acesso à informação correta e saibam que podem procurar profissionais da Psiquiatria e da Psicologia para tratar dessa patologia. O tratamento aos potenciais infratores é a melhor proteção para evitar todos os tipos de violência sexual contra menores.
Um exemplo de um caso real que contribui para se compreender a real necessidade de se oferecer tratamento para pessoas com essa doença ocorreu nos Estados Unidos. Um adolescente de 16 anos percebeu ter atração sexual por crianças e decidiu buscar ajuda para nunca colocar em prática suas fantasias, pois não queria machucar crianças. Atualmente, aos 20 anos, colabora como voluntário em grupos de pesquisas científicas que estudam essa patologia e contribui com outros jovens como ele, para que também nunca cometam crimes sexuais. 
O tratamento adequado para esses casos envolve psicoterapia e acompanhamento psiquiátrico. Medicamentos como antidepressivos e ansiolíticos também podem ser prescritos de acordo com cada caso. A castração química -- administração de hormônios para reduzir a libido masculina -- é outra opção de intervenção, que precisa de avaliação médica para indicação correta. No entanto, é um recurso que ainda não encontra consenso entre os psiquiatras quanto à sua eficácia.
É importante que fique claro que os pedófilos de uma maneira geral APARENTAM ser pessoas normais; elas estão circulando por aí. Muitos são casados, têm filhos, ocupam as mais diversas profissões (advogados, engenheiros, professores, padres, pastores etc). Muitos se sentem culpados pelos sentimentos que têm. 
A chance de essas pessoas virem a cometer crimes contra crianças é muito alta. Não podemos fechar os olhos para essa realidade. Não podemos esperar que esses crimes aconteçam para começarmos a fazer alguma coisa. É possível agir de forma preventiva, não apenas punitiva, após o crime ser feito. Para isso essas pessoas precisam saber que podem procurar médicos e psicólogos para tratar esse problema tão grave, que tanto mal faz à toda a sociedade.

102 comentários:

Anônimo disse...

A pedofilia e mais um dos efeitos colaterais da doença chamada masculinidade, assim como machismo, homofobia, estupro violência etc.
Nagar este fato e não querer encarar o problema como ele é não ajuda a combate-lo, ta mais que evidente que a testosterona hipersexualiza homens, alguns conseguem se controlar, mas a maioria fica a espreita aguardando o melhor momento e oportunidade para cometer abusos, já e hora de discutirmos uma um medicação para conter este mau na sua origem, como bem diz o post e melhor previnir que remediar, metade da população humana, crianças inclusive dependem de um debate franco neste sentido para ter suas seguranças garantidas.

Anônimo disse...

Eu li is relatos da superinteressante, NOJO, cada vez mais nojo de homens, não da para ve-los maus como humanos normais depois de ter contato com estas histórias de horror.

Anônimo disse...

Eu sabia que ia ter as radmisândricas falando merda né, mas lembrem-se que direto sai casos na mídia de professoras que fazem sexo com seus aluninhos menores de idade, e ai ramisândricas? a culpa ainda sim é deles? São muitos casos pra vocês simplesmente dizerem "HUR DUR são exceções".

Anônimo disse...

Eu li os relatos da super e me senti meio mal com isso não pelos relatos em si, mas pq eu realmente não senti a mínima empatia com nenhum dos relatos, eu jamais faria as coisas que esses caras fizeram e pra mim não é não e acabou eu nem insisto nem nada, mas realmente me sinto mal por não sentir empatia eu acho que deveria ir a um psiquiatra, eu empatizo com algumas outras coisas mas no geral essas paradas não me chocam e eu realmente não me sinto bem com isso...

MaybePsycho

Anônimo disse...

Radlixo de 11:20
Você é burra ou só se faz? Mulheres também possuem testosterona só que em níveis menores, e você é tão retardada que não pensa no contexto todo, por exemplo, existem milhares de mulheres que fazem TRP (terapia de reposição hormonal ou conhecido no popular como "Tomar bomba") e ainda sim não se tornam violentas, estupradoras e todo seu chororô, e ai? É a testo mesmo? deixe de ser tapada, vc trolla mt mal 2/10...

Anônimo disse...

Artigo excelente, e uma coisa q eu acho tão engraçada é q as igrejas pregam "cura" e "reorientação sexual" de homossexuais (sempre esquecem dos bis, rs) às náuseas. O q não falta é exemplo de "ex-gay" aqui e acolá. Mas eu não nunca vi pastor evangélico/católico nenhum pregar a cura para pedofilia e outras parafilias nojentas, jamais, nunca ouvi testemunhos de ex-pedófilos (de fato) em igrejas e nem campanhas massivas contra isso (na mesma intensidade que eles agem para com os LGBT's), pra mim a igreja cristã é a principal acobertadora (e realizadora???) desse tipo perversão.

Eles não "curam" e nem "reorientam" gay, lésbica, bi, hétero coisa nenhuma, é que pra eles é bem mais fácil enganar e mandar alguém ir lá fingir que deixou de gostar de p*nto/b*ceta do que direcionar toda a "fé", energia e campanhas contrárias que eles possuem para resolver problemas desse tipo que vire e mexe eclodem no meio deles mesmos.

Pro cristianismo é importante ter uma galerinha de "ex-gays", é o grande foco do mercado evangélico (e isso vem de anos). Uma turma de ex-pedófilos pra ficarem expostos nas vitrines dos milagres não é tão comovente assim, até pq eles não são capazes de mudar a atração sexual de ninguém, nem de pedófilos e muito menos de gays, lésbicas e bissexuais. Preferem fingir, expor só o que dá e o q é mais convincente na vitrine gospel dos milagres e acobertar crimes bárbaros como esses.

Anônimo disse...

Piste 1 caso de mulher pedofila que eu posto 50 de homens escrotos como vc macho idiota, percebam como eles não sentem empatia alguma por algo tão grave, não, preferem ficar sentados em cima de seus privilégios opressores escrotos.
A testosterona nos níveis femininos são inofensivas idiota, eu não disse para banir a testosterona do organismo, mas sim po-la em níveis aceitáveis, mas vocez são tão apegados a suas aparências e atitudes grotescas, que não cogitam a hipótese de tratar está doença chamada masculinidade/machismo, quando tiver uma pneumonia não Tome antibióticos também não, afinal e anti natural tomar antibióticos.

Anônimo disse...

Olha não que não seja nojento também, mas devido a penetraçao um homem abusando de uma menina e muito mais traumático que uma mulher tendo relação com um menino. Nota-se pelos relatos, enquanto mulheres contam como história se horror os abusos que sofreram enquanto crianças, os homens se gabam de terem "pegado" mulheres mais velhas quando meninos.

Jonas Klein disse...

Olá Lola

Este artigo foi excelente, muito esclarecedor e útil, agora tem uma coisa que me preocupa muito que o fato de aqui no Brasil ainda não ate onde eu sei, mas no exterior, tem um movimento defendendo a naturalização (vamos dizer assim) da pedofilia que dizem que esta ganhando forma rápido, e se as coisas continuarem como estão, eu tenho duvida se daqui mais uns 50 anos a pedofilia não vai se tornar algo socialmente aceito.


Anônimo disse...

11:49

Doença só na sua cabecinha oca, ainda sim você não me falou sobre os casos de mulheres que tomam testo pra ficarem bombadas, cadê que elas saem por ai fazendo merda heim? Me mostra onde é que a OMS disse que a testo masculina é doença, ou você só sabe repetir o que suas fontes de radmisandrismo inventam? Você sim que é doente, vá se tratar.

Anônimo disse...

Não duvido não, os apologistas do "mundo moderno " (secularista) vão começar a afirmar que infância e construção social, que toda forma de amor vale a pena, que quem e contra e preconceituoso reacionário e blah blah blah"

camila santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Muito bom o texto Lola!
Sempre que eu tento explicar isso pra alguém, a galera acha que estou defendendo pedófilo.
Já ocorreu um episódio desse no Law&Order - SVU, onde um rapaz também foi procurar ajuda pq ele sentiu que estava tendo atração pelo irmãozinho de 3 anos. E no episódio falava que o governo não poderia dar ajuda gratuita a ele, pois apenas os criminosos que receberiam isso. Ou seja, para se tratar gratuitamente ele deveria primeiro cometer um crime. Bem polêmico.
No filme "Ninfomaníaca" tem uma cena onde a personagem principal diz que ele ficou com pena de um pedófilo, pois assim como ela, ele também sofre de uma parafilia, porém, a parafilia dele nunca poderá ser colocada em prática. E ela relata isso, o quanto sofrível deve ser pra alguém ter esses pensamentos e ter que ocultá-los da sociedade.
Deveria haver mais conscientização na população justamente pros pedófilos se sentirem seguros para procurar ajuda ANTES de cometerem os crimes. Pq depois do crime cometido, a vida de uma criança ficará marcada pra sempre. :/

Anônimo disse...

(Eu sei que o mundo caminha pra uma lenta aceitação de tudo que é mau. Uma das maneiras é exatamente essa condescendência. Sentir pena de quem pratica um ato como esse é o cúmulo. Algumas coisas não merecem compreensão, só repressão... mas só um aparte....)


Prevenção? PelaamordeDeus, as parafilias são produto de vontade, não de desequilíbrio mental incontrolável. As pessoas fazem porque querem.

A pessoa "sofre" com os pensamentos/atos? Não. Ela sofre DEPOIS dos pensamentos/atos. Arrependimento apenas é o que existe. E arrependimento sempre é tarde.

É a reedição da história da carochinha "O homem é bom, a sociedade o corrompe".

À pessoa que procura melhorar DE VERDADE, talvez só haja um caminho, que é o percorrido por si própria. O que pode um psicólogo fazer? Falar com ele? Deixá-lo falar? Não sei.

Talvez eu esteja errado (espero que esteja), mas não vejo "tratamento" externo a tais coisas. Há cantos nossos inacessíveis a qualquer um e que só nós podemos limpar.

BLH

Raven Deschain disse...

Execelente post. Muito esclarecedor mesmo.

Nunca entendi muito bem a diferença entre o pedófilo e criminoso sexual e ficou bem claro agora.

Compartilhado.

Anônimo disse...

Aos homens que estão reclamando do primeiro comment (mesmo q eu considere exagerado), não dá pra negar q a esmagadora maioria de crimes sexuais (e os contra crianças) são cometidos por homens. E aí? Qual é a explicação dos homens pra isso? Pq sempre são vocês os autores desse tipo de crime?

E para outra(o) comentarista que deu a entender que o estupro de uma mulher contra uma criança (ou até mesmo contra um homem adulto) pode ser menos sórdido que de um homem à uma criança, não é assim não, os efeitos são tão devastadores quanto, é q o machismo obriga os meninos/homens a enxergarem toda relação sexual (heterossexual) como "dádiva", como "prêmio", aí precisam negar o quanto a experiência foi ruim, pq caso contrário não são vistos como "machos", isso só me faz pensar o quanto o machismo é ridículo, puta q pariu.

E pra quem também está preocupado caso a pedofilia se torne "socialmente aceita", olha, de uma certa forma ela já é, e o primeiro exemplo é esse: ninguém se incomoda e nem se revolta quando uma mulher é a abusadora e a vítima é um menino, muito pelo contrário, ignoram e até enaltecem o ato, como exposto pela outra(o) comentarista. E faz parte de certas culturas do mundo e do Brasil o casamento de meninas de 12 anos com homens bem mais velhos. Este é o tipo de pedofilia que as pessoas ou ignoram ou batem palmas, os homens fazem coro principalmente pro primeiro caso (cuzões), isto é, a pedofilia já é socialmente aceita

Anônimo disse...

Texto bem escrito e esclarecedor. Valeu. Há algum tempo, a série PSI, no GNT, fez um episódio exatamente sobre o assunto do texto: um paciente que tinha fantasias com crianças (casado e pai) e frequentava a análise justamente para nunca colocar em prática as suas fantasias. Abraços.

Vicky_ disse...

Sentir pena disso. Pqp
Sequer creio que a pedofilia é algo com a qual "se nasce"(não faz sentido).
Força pros caras que são pedófilos, mas nunca abusaram de uma menina/menino nem consumiram pornografia. Pro resto, muita vergonha na cara pode ajudar em algo.
Ah, e parem de dizer que pedófilia(vai aparecer alguém) é apenas criancinhas de colo, okay? Apagem os comentários do abusadores.

Pergunta: Transtorno de Personalidade é doença mental?

Sófia disse...

Sempre soube que a pedofilia trata-se de uma doença, mas nunca li algo tão elucidativo sobre o tema. Muito bom. Obrigada!

Anônimo disse...

Eu tenho certeza q caso a pedofilia passe a ser "socialmente aceita" (se já não é), ela terá aval do machismo, pq o machismo defende e estimula que mulheres adultas abusem de garotos, e q eles (os garotos) não reclamem, e as pessoas (homens principalmente) batem palma pra esse tipo de atitude. É o q acontece na prática, não há como negar

Vicky_ disse...

Ah, e antes que que os comentários comecem a pipocar:
Eu sou do Norte do País, uma capital, já visitei e passei vários períodos em uns fins de mundo que vocês não imaginam(comunidades ribeirinhas, casas totalmente isoladas). E nunca vi casarem uma menina de 12 anos.

Meus avós se casaram depois dos 18 anos, eram de comunidade ou ribeirinhos e disseram que só acham que se casa "velho/velha" após os 30 anos. E a maioria do pessoal de lá me respondeu a mesma coisa.
12/13 anos é criança para eles. Pode namorar as vezes, mas não o vêem como alguém pra casar na maioria.


E comentei porque odeio que falem que só há tráfico de meninas por aqui.

Jonas Klein disse...

Anon 13:11


Embora eu pense que qualquer relação sexual com uma pessoa que ainda não tem 14 deva ser tratado como estupro de vulnerável assunto encerado, não podemos fechar os olhos para realidade, e partindo do ponto de vista que estupro e sexo sem consentimento, assim tratar toda relação sexual aonde tem alguém que ainda não completo 14 anos como estupro, pois existe sim meninos e meninas que ainda não tem 14 anos e já tem libido, e fazem sexo pensar duas vezes se tiverem oportunidade.


Por isso vamos com calma ai uma coisa e sexo não consentido, e outra e sexo consentido, sendo assim tratar cada caso como um caso a parte.

Anônimo disse...

Vicky, transtorno de personalidade é, muitas vezes, doença mental.

O psicopata, eu sei, NASCE psicopata. Ainda não há remédios e nem tratamentos. A pedofilia pode ocorrer em pessoas psicopatas, mas nem todos os pedófilos são psicopatas. Nem todos os psicopatas são pedófilos.

Existem vários tipos de transtornos de personalidade e todos eles são enquadrados como doenças mentais. A maior parte de nós apresenta algumas características de algum tipo, em alguma fase da vida, mas isso não configura a doença. O que configura a doença é o tempo em que os sintomas ocorrem (no mínimo seis meses consecutivos).

Por exemplo: Eu recebi recentemente diagnosticada com TAG - Transtorno de Ansiedade Generalizada. Eu sempre fui MUITO ansiosa, mesmo estando de férias na praia. A minha mente, naturalmente agitada, em casos de stress, praticamente "pifa". Quando eu era adolescente, tive uma crise tão forte que 11 aftas apareceram na minha boca de uma vez. Eu sempre fui assim. Tive períodos melhores e períodos piores, mas sempre, sempre, sempre fui muito ansiosa.

Só que o TAG não é o meu maior problema. Na verdade, ele vem com outro problema psiquiátrico: depressão. Esse é o meu diagnóstico preponderante. É o principal. A partir dele, pudemos (eu, médico, psicóloga) traçar um plano de tratamento e seguir um curso. Sempre levando, também, o TAG em conta.

Qual é a diferença entre uma pessoa que TEM depressão (o transtorno psiquiátrico) e a pessoa que ESTÁ com depressão (após a perda de um ente querido, por exemplo)? O tempo. É a diferença entre o ser e estar.

Eu tenho depressão. Nem sempre eu ESTOU deprimida. A pessoa que ESTÁ com depressão não necessiariamente TEM a depressão. Aquilo é algo momentâneo. Quando a pessoa TEM depressão (a doença psiquiátrica), o mundo em sua volta pode estar perfeito. Todas as pessoas saudáveis, o emprego dos sonhos, um casamento excelente. Ainda assim a pessoa pode entrar numa crise de depressão e afundar. O pior é isso. Ela se sente super mal por se sentir tão mal.

Remédios e terapia controlam. Mas é como a pessoa alcóolatra. Nem todas as pessoas que bebem são alcóolatras. E nem todos os alcóolatras bebem (galera do AA).

Só que quem é alcóolatra SEMPRE vai ser alcóolatra. É um problema psicológico/psiquiátrico também.

O pedófilo pode nunca atacar uma criança ou consumir pornografia. Mas ele sempre será pedófilo. É uma doença? Sim.

Ocorre que nem todos os pacientes psiquiátricos são violentos ou cometem crimes. Eu, por exemplo, com TAG e Depressão Maior, nunca fiz absolutamente nada de criminoso.

Sou perigosa para a sociedade? Não. Um pedófilo que nunca agiu pelo instinto e controlou seus impulsos, é perigoso para a sociedade? Não. Até mesmo o psicopata social (o que chamamos de sociopata) pode nunca cometer um crime. Mas ele continua sendo psicopata. Ele não é necessariamente perigoso para a sociedade. Normalmente, apenas é "perigoso" para a família e amigos próximos (eles costumam pedir dinheiro emprestado e não pagar, manipular e mentir para as pessoas fazerem o que ele quer, etc).

Anônimo disse...

(continuando o comentário de 13:37)

É bastante complicado para a gente julgar: "tal pessoa é pedófila!"
Não necessariamente. Pode ter sido uma pessoa que teve os meios e oportunidades para abusar de alguém.
Sendo ou não pedófilo, deve responder pelos seus atos. Sendo ou não paciente psiquiátrico, tem que responder também.
Importante ressaltar uma coisa: a inimputabilidade de uma pessoa com alguma patologia mental só ocorre quando a pessoa não consegue distinguir a verdade. Por exemplo: um paciente esquizofrênico matou a mãe num momento de surto, verdadeiramente achando que a mãe era um monstro de sete cabeças que estava lhe ameaçando de morte com uma espada. Aí o monstro de sete cabeças usou a mãe dela como escudo na última hora.

Tem como penalizar uma pessoa assim? Não. Tem como manter essa pessoa sem tratamento à solta na sociedade? Também não. Essa pessoa precisa de tratamento por tempo indeterminado até que não seja um perigo à ela própria e nem à sociedade.

No fim das contas, só quem tem capacidade para diagnosticar se a pessoa tem algum distúrbio mental é o psiquiatra. Não cabe a nós.

Outra coisa: o VERDADEIRO perigo está nos pacientes psiquiátricos que NÃO ESTÃO sendo tratados.

São esses que jogam o avião com 150 pessoas contra a montanha, que joga o carro do precipício com os filhos dentro, etc.

O alcóolatra em tratamento não faz besteira. Nem o depressivo. Nem o esquizofrênico. Nem o pedófilo.

O único transtorno que NÃO TEM TRATAMENTO é o sociopata/psicopata.

Esse não tem cura, nem tratamento, nem controle, nem nada.

Vide Maníaco do Parque. Por que ele está preso até hoje? Porque ele é um paciente psiquiátrico que não tem cura e, portanto, está afastado da sociedade até que uma cura seja encontrada.

Anônimo disse...

Texto muito bom e claro.
E concordo que reconhecer o problema e tratar essa gente é crucial. Prevenir que eles cometam abuso é muito mais eficiente do que joga-los na cadeia depois de terem destroçado a vida de alguém.

Quanto a pedofilia se tornar aceitável, olha... concordo com quem já disse aí - em muitos casos ela já é sim aceita. Quem nunca escutou "mas do jeito que essas menininhas são hoje em dia" ao comentar casos de abuso contra crianças. Além disso, quantas famílias não silenciam as vítimas (quando não as punem) e acobertam o crime para não sujar o nome da família??

Esse é um tema bem complexo, com muitas variáveis e com certeza, não é linchando o pedófilo de um lado, e relativizando o crime do outro que o problema vai se resolver.

Jane Doe

Ana Carolina Serrao disse...

Desvio de foco da sua parte. O amor que vale a pena é de indivíduos adultos , capazes e com consentimento.

Anônimo disse...

Capítulo: naturalização da pedofilia.
Esse é um problema bastante grave, pois o corpo pré-púbere está sendo colocado como padrão de beleza. Mulheres magras, com poucas curvas, poucos seios e sem pelos. Isso é algo que tem me chocado profundamente. O "padrão de beleza", agora é representado por corpos andróginos. Isso vai ter consequências no futuro, certamente.

B. disse...

"Não duvido não, os apologistas do "mundo moderno " (secularista) vão começar a afirmar que infância e construção social, que toda forma de amor vale a pena, que quem e contra e preconceituoso reacionário e blah blah blah""

Eu já vi um grupo de esquerda/libertário no Face dizer algo do incesto.

Lara disse...

Lembro de uma aula de Psicologia Jurídica que tive no período de graduação que o professor falava exatamente isso e ainda enfatizava o preconceito que existe entre os profissionais de psicologia, que se negam a atender pacientes que são pedófilos, mas ainda não cometeram o crime, diferente do que ocorre com o psicopata, que muitos atendem sem preconceitos.

Isso dificulta o tratamento e acaba empurrando a pessoa para mais perto do seu transtorno. É uma coisa que deve ser discutida seriamente, pq se essas pessoas receberem tratamento adequado,provavelmente grande parcela delas poderá nunca cometer o crime.

anon A. (radfem) disse...

Já acompanhei essa discussão de pedófilos x criminosos sexuais... Na primeira vez que li sobre essa diferença também achei esclarecedor, mas agora essa discussão me deixa bastante receosa. É bem comum nos EUA que esse papo evolua para "nasci assim!", "não posso controlar meus pensamentos!", frequentemente fazendo um paralelo com o discurso dos homossexuais, que utilizaram a idéia do "born this way" para serem mais aceitos pela sociedade. Homossexuais já sofreram bastante comparações com pedófilos e sofreram sanções pesadas por isso, então é bem claro que pedófilos apropriando o discurso de homossexuais é um problema.

E frequentemente esse papo é mais usado para naturalizar a pedofilia ou para fazer as pessoas terem pena (o que acaba diminuindo a gravidade desses crimes), do que para realmente prevenir crimes contra crianças e adolescentes. Além de que, é comum pedófilos entenderem que não devem abusar de crianças fisicamente, mas não consumir pornografia infantil? Isso é outra história.

Sobre pedófilos mulheres x homens: Cerca de 96% são homens (Sexual Assault of Young Children as Reported to Law Enforcement, 7/00, NCJ 182990, U.S. Department of Justice). É uma estatística dos EUA, mas não vejo porque seria muito diferente no Brasil. E não estou achando a outra estatística, mas tem uma que mostra por idade da vítima, e a esmagadora maioria das mulheres que cometeram esse crime o fizeram com vítimas acima de 12 anos. Quem abusa especificamente crianças é ainda mais comum que sejam homens.

Sobre o comentário da testosterona: Sinceramente acho uma perda de tempo apontar argumentos nessa direção. Existem sociedades matriarcais em que estupro nem mesmo existe, mesmo naturalmente havendo cerca de 50% de homens nessas sociedades. Além de que você está sem querer lançando balas perdidas na direção das mulheres que tem bem mais testosterona que a média, devido a problemas hormonais. Existem mulheres que naturalmente tem barba devido a testosterona, e não estou falando de pessoas trans. O problema real é a socialização. Não tenho estastisticas para esse chute, mas sinceramente acredito que a maioria dos casos de pedofilia tem haver com controle e dominação de alguem indefeso e vulneravel do que 'atração sexual'.

Eva disse...

Texto muito coerente e esclaredor.
Mas fiquei com a sensação de que o que nos resta fazer em relação a isso é sentar e esperar que os pedófilos que ainda não cometeram crimes se manifestem pedindo ajuda, enquanto cuidamos de nossas crianças para evitar que elas sejam vítimas de abuso. Há uma solução e ao mesmo tempo não há, porque dependemos da coragem e boa vontade de pessoas que claramente têm problemas.

Algo que me preocupa muito em relação a esse assunto é a naturalização da pedofilia, o que, por incrível que pareça, acontece muito. Vivo em uma capital do Nordeste e no meu bairro há um caso de uma menina de 14 anos que vive desde os 12 com um homem e atualmente está grávida. Detalhe: o caso já foi parar na justiça (há todo um contexto de envolvimento com drogas) e, pasmem, uma das soluções propostas pelo juiz foi que o tal homem se casasse com ela (o que só não aconteceu porque a pessoa responsável pela menina não aceitou).

Será que esse homem não deveria estar na cadeia? Por que a sociedade aceita esse abuso tão facilmente? ...

Outra situação que me espantou foi um menino de 12 anos namorando uma mulher adulta com total aceitação dos pais, incluindo permissão para dormirem em casa juntos. Comentei com uma pessoa que isso seria pedofilia, que os pais não deviam deixar, e o que a pessoa disse? "Ah, hoje em dia é assim mesmo."

Imagina daqui a alguns anos.

Anônimo disse...

Ora, Jonas, no caso de pessoas com 13, 14 que tem muito tesão eles transam com alguém da idade deles ou no máximo alguns poucos anos mais velho. Um adulto se aproveitar pra transar com uma criança ou adolescente, aí sim é um grande problema, porque mesmo que adolescente a sexualidade é diferente da adulta.

Ai, ai, é sempre a mesma desculpa... anon das 12:14 qualquer forma de amor vale entre ADULTOS PLENAMENTE CAPAZES DE CONSENTIR. Uma criança, um animal, não podem consentir fazer sexo com um adulto, por isso é crime-aliás sexo entre dois adultos sem consentimento também é crime. Essa é a palavra chave que os reaças histéricos se recusam a ouvir: consentimento. Gays e lésbicas podem se casar porque são adultos plenamente capazes de consentir com o sexo. Crianças não podem consentir, por isso pedofilia é crime. Parem de tirar desculpas estúpidas do rabo pra fazer dramalhão.

B. muita gente não sabe, mas incesto entre adultos que consentiram não é crime na lei brasileira. É moralmente condenável e errado socialmente, mas crime na lei não é. Tanto que você nunca viu nenhum caso de incesto consentido entre adultos nas páginas policiais, só casos de incesto com menores porque sexo com menores é crime. Imagino que seja disso que o grupo no face estava falando, uma vez que não é ilegal podem estar querendo transformar o incesto numa prática socialmente aceitável. Nesse mundo tem de tudo.

Como já disseram tem muita pedofilia por aí socialmente aceita sim. Li no Cracked o relato de um garoto de 14 anos obrigado a perder a virgindade com uma prostituta e era de partir o coração o quanto o coitado estava magoado e mal pela violência, mas ao mesmo tempo se sentia na obrigação de gostar. E no blog da Superinteressante ne tentei contar os posts de meninas que contaram e ouviram que a culpa era delas, porque usavam regata, short, pq ficavam sozinhas com o tio na sala, pq brincava com o primo, pq o abusador era irmão ou pai delas - e mesmo assim disseram que de algum jeito foram elas que provocaram. Uma das moças que depôs até levou uma surra da mãe quando contou que o avô a molestou! E ainda tem os mascus e os lixos que leem uma reportagem e seus ela usava short e falava com os homens na rua, com 13 não é mais inocente, etc. Daí quando as mulheres desesperadas se recusam a confiar suas filhas aos homens, somos misândricas odiadoras de homens que merecem morrer. Vão se lascar.

Anônimo disse...

Eu não sei se pedofilia é doença mas acho que parece coisa de quem não viveu a infância.
Sei que a pessoa pode se relacionar com pessoas mais velhas ou mais novas, mas acho que os homens gostam mais pra manipular as mulheres, principalmente no sexo.

Anônimo disse...

Pedofilia está de mãos dadas com machismo, sempre querem mulher jovem ,submissa, inesperiente sexual.
Qualquer semelhança não é mera coincidência.

Anônimo disse...

já viram a propaganda machista da garoto? meninos olhando por debaixo da saias de mulheres mais velhas, olhando pra mulheres mais velhas e tudo isso é visto como coisa de menino, isso não pode ser tratado como normal, detalhe essa propaganda é bem velha.

Anônimo disse...

15:15

Quer uma solução? Não volte mais aqui, você vai estar fazendo um favorzão pra você mesma e pra todos aqui :D

Pri Leone

Deb disse...

Eu acho que o texto é esclarecedor pra quem conseguiu, como a própria autora disse, se desligar dos sentimentos que o assunto trazia. Muitos do comentarista reclamam da empatia com os abusadores, mas eu fiz outra leitura. Todo criminoso sexual DEVE SER PUNIDO por seu atos sempre, porém punição implica que o abuso já ocorreu, significa que alguém teve que passar por uma das experiências mais traumáticas que se pode ter na vida para que o abusador fosse considerado uma ameaça. Esclarecer o que é pedofilia e buscar maneiras de identificar possíveis pedófilos prevenindo suas ações é uma possibilidade de combater violência sexual antes que haja alguma vitima. A prevenção que autora sugere mostra, pelo menos pra mim, uma grande preocupação em evitar vitimas e não simpatizar com os criminosos.

Mila disse...

Falou tudo, Deb.

Eu já tinha lido uma vez que pedofilia não significa necessariamente abusar de crianças.
Sou leiga no assunto, mas me questiono até que ponto é doença e até que ponto o abuso de crianças é uma imposição cultural.
Digo isso pq, uma vez, durante uma viagem para uma cidadezinha no interior do Norte, os homens da região diziam em como as meninas de 11, 12 anos já eram mulheres. Ou as meninas que mal começam a ter seios, já são assediadas nas ruas. Algo me faz acreditar que esses não são todos pedófilos, mas sim exteriorizam um comportamento.

Anônimo disse...

Serio, porque a maioria dos estupradores, pedofilos e criminosos são homens? Já fizeram inumeras pesquisas sobre os hormônios masculinos e descobriram que existe sim uma ligação com a violência. Porque algumas mulheres insistem em negar a natureza deles? Porque ninguém consegue observar o óbvio? Por mim, deveria ser proibido homens trabalharem em creches, escolas infantis e serem pediatras. É um risco imenso e se caso eu for mãe um dia, não quero que minha filha fique em perigo.

Anônimo disse...

Feminismo não é igualdade com homens, Camila, é libertação e empoderamento das mulheres, somente.

Anônimo disse...



Feminismo, para mim, nunca significou a igualdade entre homens e mulheres. Significou e significa a igualdade entre Nós – tornar-se semelhante àquelas mulheres que foram para mulheres, as que viveram pela liberdade das outras, aquelas que morreram por isso; aquelas que lutaram por mulheres e sobreviveram através da força feminina; aquelas que amaram mulheres e que perceberam que, sem a consciência e a convicção de que mulheres são primárias nas vidas umas das outras, nenhuma perspectiva nos é possível. O feminismo heterorrelacional, como o humanismo heterorrelacional, obscurece a necessidade da amizade feminina como um pilar para o feminismo, bem como uma consequência dele.

– Janice Raymond, A Passion for Friends – Toward a philosophy of female affection. Tradução: Carmen de Carvalho.

camila santos disse...

Se feminismo não é igualdade então muita gente ta sendo enganada! Porque a muito tempo eu ouço falar que feminismo é igualdade isso da boca de feministas 16:00

B. disse...

Sinceramente, concordo com a Yara, que as vezes comenta aqui no blog: a gente tem que ser muito boazinha com todos, mas retribuição que é bom, nada.

Tenho que ser boazinhas com várias minorias, mas veja se essas minorias se importam com a gente?

Anônimo disse...

Minhas palmas para você camila santos, resumiu exatamente toda a minha opinião.

Anônimo disse...

Digo apenas isso: smh/facepalm

Deb disse...

"me questiono até que ponto é doença e até que ponto o abuso de crianças é uma imposição cultural." Eu tb me questiono Mila, mesmo pq comentários como os que vc citou já ouvi de muita gente esclarecida, que deveria ter discernimento sobre esse tipo de comportamento.
Por isso essa discussão é extramente importante, pq seja doença ou imposição cultural temos trabalhar para acharmos soluções que EVITEM os abusos. Prender um criminoso, condena-lo sempre traz um senso de justiça e um certo alívio, mas e as vitimas? São elas que vão ter que viver com isso o resto da vida. Então um combate preventivo desse tipo de violência, impedindo novas vitimas seria o melhor, independentemente de ser um distúrbio psiquiátrico ou um imposição cultural danosa.

Anônimo disse...

Camila, feminismo é igualdade entre mulheres, não tem nada a ver com homem. Feminismo não diz respeito a homens, entendeu agora?

Mila disse...

Antes que falem: ouvi isso enquanto estava indo para Belo Monte, fazer uma apuração sobre prostituição infantil e pedofilia (uma mãe me relatou que sua filha de 11 anos estava namorando com um dos trabalhadores).
Em todo lugar do Brasil, a menina que tem 11, 12 anos já começa a ser assediada na rua. Às vezes a pobre nem entende direito o que rola.

camila santos disse...

Eu entendi 16:12 só quero dizer que não é isso
que a maioria das feministas dizem. Elas sempre
dizem que querem igualdade entre homens e
mulheres e muitas até defendem uns babacas por
ai não sabem separar homens de respeito
de homens que não tem respeito por ninguém.

Jonas Klein disse...

Anon 15:58

"Já fizeram inumeras pesquisas sobre os hormônios masculinos e descobriram que existe sim uma ligação com a violência."

Olha eu acho que estes estudos ai que ligam hormônios masculinos com violência são meio fajutos, eu penso que a testosterona tem sido usada como desculpa para bandidos justificarem os seus atos de selvageria, pois ai fica fácil dizer há "e eu abusei dela, bati, não me controlei etc. por causa da testosterona" e uma forma de escapar da sua responsabilidade pessoal.

O que os pedofilos tem total falta de senso de limites, ou seja, a pessoa ate pode sentir vontade de fazer tal coisa, mas não vai fazer porque sabe que e errado, e isso se deve uma formação educacional deficiente ou distorcida ou a pessoa tem algum problema psicológico que a faz não saber se controlar.

camila santos disse...

Concordo jonas isso não tem nada a ver com hormônios masculinos se fosse verdade todo homem seria delinquente tem vários outros motivos que levam os homens a serem mais delinquentes o primeiro homens são mais fortes, sim mulheres são mais fracas e cometem crimes mas não tem comparação com número de homens que fazem o mesmo e outra o homem em sua própria natureza é mais agressivo que a mulher uns usam a agressividade/força para o bem e outros para o mal.

Mila disse...

Deb,
Aí entra em cena a desmistificação da figura do pedófilo. Lembro em outro post uma comentarista disse que há homens que não se aceitam estupradores pq não são o "bandido na esquina que ataca desconhecidas na rua". E esquecem que a maioria dos estupros ocorre nas mãos de conehcidos: pais, padrastos, tios, namorados.
Aí o sujeito ao mesmo tempo que acha absurdo ver no jornal a criança que é abusada, assedia adolescentes e pré-adolescentes na rua ou estimula essa erotização da "novinha". Mas aí o pedófilo é só o cara velho e mal que estupra criancinhas de colo.

Anônimo disse...

Também conhecido como pedofilia, o abuso sexual infanto-juvenil é um dos mais graves problemas sociais da humanidade. Isso porque esses abusos não se tratam de casos isolados e sim de um estilo de vida cultuado pela maioria dos homens, mesmo aqueles que dizem que nunca se envolveriam com menininhas. A sociedade prefere fingir que não vê que padrão de beleza feminino tem a ver com fetiche pela pré-puberdade (motivo pelo qual mulheres são obrigadas a se depilar) e com a fragilidade (por isso o culto à magreza, molas propulsoras da anemia e da bulimia, transtornos alimentares dos quais comprovadamente pedófilos se aproveitam para fazer vítimas), além de ser eurocentrista (e, por isso, eugenista). A sociedade prefere achar normal que homens tenham fetiche por mulheres vestidas com roupas que remetem à escola. Prefere fazer de conta que pornografia infantil não é um dos nichos do mercado que mais geram lucro. E a pornografia infantil só gera lucro porque existe uma demanda forte e esta forte demanda por si só já comprova que o fetiche pela inocência cujo pano de fundo é presunção da virgindade é mais comum do que se imagina: o homem que divide a cama com você, a vida com você e os cuidados da sua filha com você pode ter esse tipo de fetiche e você nem sabe. A sociedade prefere achar tudo isso normal, mas a Associação Americana de Psiquiatria curiosamente considera esse fetiche por crianças uma anormalidade apesar de ter inserido em seu quinto manual de transtornos mentais “por erro” que pedofilia é orientação sexual. De dar nó em qualquer cabeça, não é mesmo? Eu sei, deu em mim. O tema “pedofilia” é tão matrix quanto parto e as crianças só estarão protegidas quando todas nós sairmos dessa matrix. O responsável por tal “erro” se chama Richard Green. Ele é psiquiatra, teórico da sexualidade, estuda também identidade de gênero em crianças e é um membro da Nambla, Associação Norte-Americana de Homens que Amam Meninos. Uma associação abertamente pedófilia cujo objetivo é acabar com a idade de consentimento para legalizar as relações sexuais entre adultos e crianças do sexo masculino.

https://milfwtf.wordpress.com/2015/07/25/10-verdades-sobre-a-cultura-do-estupro-que-voce-precisa-saber/

camila santos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

"Ora, Jonas, no caso de pessoas com 13, 14 que tem muito tesão eles transam com alguém da idade deles ou no máximo alguns poucos anos mais velho"
_
Não entendo esta dita diferença, qual a diferença de uma garota de 14/15/16 anos transar com um carinha de 17/25/30 ? Não e tudo sexo consentido?
Ou seria preconceito com homens mais velhos?
Eu tenho 16 e meu namorado tem 32 qual o problema?

Taty disse...

Que eu saiba de acordo com várias feministas o feminismo é um movimento político que PROMOVE a IGUALDADE entre os gêneroa,além de questionar o papel da mulher na sociedade.

Anônimo disse...

.. anon das 12:14 qualquer forma de amor vale entre ADULTOS PLENAMENTE CAPAZES DE CONSENTIR"

_
Incesto ta valendo? Não me venham com questões religiosas pelamor, feminista contra incesto concentido tem que ter argumento alem disto.

camila santos disse...

Não tem problema nenhum se confirmado que aquela menina tem preparos mentais pra namorar um homem mais velho pra que não aja abuso do homem sobre a menina 17:36

Anônimo disse...

Preconceito contro homens mais velhos? Puxa, desculpa mas pelo que eu saiba os homens é que não querem se relacionar com mulheres mais velhas e pegar as novinhas bobinhas e mais fáceis de manipular. Se toca menina, ele só quer sexo com você, não fica em busca de amor em relacionamento não porque é quase inexistente.

Anônimo disse...

17:46 de bobinha não tenho nada, já tinha transando bastante com outros carinhas antes do meu atual namorado mais velho,a diferença de experiência e enorme, e apaixonante, e quem geralmente insiste no sexo sou eu, quem experimenta homens mais velhos nunca mais querem saber de moleques.

camila santos disse...

Isso é problema seu 17:49 você não pode associar suas experiências a todas as meninas, que falta de respeito hein! ta cheio de meninas sofrendo abusos.

Anônimo disse...

Não estou comparando nem diminuindo os abusos de outras meninas, e que disseram que meninas mais novas sexualmente ativas só devem se relacionar com garotos da mesma idade, eu não gosto de garotos, gosto de homens mais velhos, e não vejo nada de errado nisto, e nem que meu namorado e pedofilo por ter mais de 30 anos e transar comigo.

Anônimo disse...

Deixando de lado o tema do post que é pedofilia, existe algum estudo, além de uma suposição teórica, que comprove que meninas (+16) que se relacionam com homens mais velhos sofrem mais abuso nos relacionamentos? Fala-se muito sobre isso, mas nunca ouvi falar em embasamento empírico pra essa questão.

Anônimo disse...

Ai vai muito do gosto pessoal mesmo, eu detesto homem velho, me da nojo homem da mais de 30 anos.
Mas o asunto aqui não e este, mas sim abuso e pedofilos nojentos, não relacionamentos com pessoas mais velhas ou mais novas.
Dri

Anônimo disse...

Anônimo 18:02 se existem estudos eu não sei, mas existem relatos pessoais que sempre indicam que por machismo homens abusadores mais velhos e experientes preferem as 'novinhas" poe estas serem mai inexperientes e suscetíveis a manipulação
E eu sei la, talvez seja algo que eu deva desconstruir, eu tenho ´preconceito sim com homens mais velhos, acredito que todo homem seja e reproduza machismo em maior ou menor grau, mas nos mais novinhos eu sinto que isto e mais "diluído de alguma forma" como se a pouca idade e inexperiência fosse a chance de que eles ainda podem mudar(Ou talvez seja minha mente me enganando por acha-los fofos), os mais velhas acho que já são mais calejados e menos suscetíveis as mudanças e desconstruções necessárias.
Pode parecer preconceituoso, mas e o velho ditado "cachorro velho não aprende truque novo"

Anônimo disse...

Deb e Mila e todo mundo que falou sobre isso

Realmente, o que vemos é uma sociedade inteira doente, psicopata e pedófila.
Já li até no Não sou exposição que existe o conceito de doença social.
Não tem como não pensar nisso.
Há um glorificação da psicopatia, da falta de empatia em toda sociedade e que nós todos aceitamos em algum nível.
Os bem sucedidos e ricos são : oh, que glória!!!! que maravilha!!!!
A maioria das pessoas extremamente ricas conseguem isto ou por serem herdeiros, o que não os torna ruins em hipótese alguma, ou porque mesmo com todo talento, inteligência e meio social a favor deles, passaram a perna, burlaram a lei, sacanearam alguém. Vide Steve Jobs, Bill Gates, Marck Zuckerberg. Nenhum deles tiveram suas biografias censuradas no quesito: enganei amigos, roubei ideias, fui um filho da puta e continuo sendo. A microsoft e a apple continuam com processos até hoje. As práticas injustas e desgraçadas de todas as grandes empresas são estratégia!
Todo mundo adora eles!!!! são exemplos sociais!!
Ora, se você acha que se existe um fator como riqueza que permite que as pessoas possam fazer o que quiser, fica difícil falar mal dos outros.
Antes que falem que sou comunista, o problema é o ser humano, não é o capitalismo, nem o comunismo. Apesar de eu ser comunista mesmo.
A mesma coisa é o machismo. Porque os estupradores sempre falam, ai, ai, sou um homem bom de família, estrupadores são os outros... Porque há uma construção social de que macho tem que pegar, comer, sem se importar com os sentimentos dos outros.
mulher ou criança que não quer ter relação sexual com eles faz é cu doce. pqp!
Outra construção danosa: que homem tem direito a tudo. Em especial o heterossexual e branco. Quando isto não acontece, por azar, incompetência, vão todos se sentir ansiosos, deprimidos,e acabam atacando quem??? os mais vulneráveis, crianças, mulheres em situação de risco. Afinal, quem liga? a Criança inventa, a migrante ou imigrante não aparece em estatísticas. e por aí, o show de horrores vai.
Será que se a sociedade fosse diferente, existiriam tantos pedófilos e psicopatas?
Creio que não. Creio que o número de casos se reduziram muito, demais.
Mas, criamos toda a situação e depois que já estrupraram a criança, adolescente, a mulher, querem matar o indivíduo.
Eles tem que ser responsabilizados obviamente. Porém, serão criados mais 30 no lugar daquele que foi assassinado.
Porque o problema somos todos nós. Cabe a cada um de nós pensarmos nas soluções e falarmos: os outros tem direito também! não só eu.
Mas, as rad (não todas)são contra as trans e as trans (não todas) são contra as rad, fica difícil né? A gente não consegue ter empatia e o mínimo de compreensão para ouvir o outro lado e tentar resolver os problemas que são complexos sim, antes que me acusem de ser rasa e de ter que ir estudar.
Entendo perfeitamente o entendimento da radfem que fala que autorizar trans a usarem banheiros femininos colocam as outras mulheres em risco.Concordo com isso.
Entendo perfeitamente quando as trans falam que não podem usar o banheiro masculino, pois também correm riscos.Concordo com elas também.
Mas como solucionar? As duas estão certas.Se se unissem e tentassem chegar a uma solução seria um exemplo a ser seguido.
Vivemos nessa sociedade merda, porém não a outra que possamos viver. Bem que eu gostaria de morar em outro planeta. Então, tentemos resolver os problemas desta aqui.
Carolina H

Anônimo disse...

Que zorra e essa ai ? Quem esta pessoa esta ofendendo?

Anônimo disse...

Não sabe ler? Ofensa é no mínimo o que essa "pessoa" faz com outras pessoas. Isso é só uma pequena retribuição, só o começo do que ela merece!

Odara disse...

Ué, eu entendi que é um discurso a favor da tolerância e sem ofender ninguém. ...

Camila D disse...

É péssimo da mesma forma, seja a vítima menino ou menina. São crianças, não nascem com essa ideia, são ensinados a achar que o abuso proveniente de uma mulher é motivo de orgulho pra eles.
Li comentários que expõem o trauma de meninos vítimas de abuso por mulheres num blog que trata do assunto, só não lembro o nome.

Odara disse...

Mas depois vi que estava com moderação. ..acho que se referiram a algum outro comentário que foi apagado. Foi mal, esquece.

Anônimo disse...

Anon das 17:36 a sexualidade e a experiência de vida de alguém com 13, 14, 15 anos em geral é muito diferente da de alguém com 20, 25, 30 anos. Alguém com 30 anos que quer tse relacionar com alguém de 15 geralmente quer manipular, encher a cabeça da menina pra que ela fique presa a ele, não questione, fique em um relacionamento abusivo além de não querer que a (pífia) performance dele seja comparada, imagina se a mulher descobre que ele é ruim de cama e exige que o coitado faça o que dá rpazer a ela? E se ela der um pé na bunda dele e o pobrezinho não tiver mais a mulher troféu? E quem garante que o adulto não coagiu a adolescente a transar? O que mais tem é maramanjo barbudo se aproveitando da autoridade que tem sobre a criança/adolescente pra obrigá-la a fazer o que não quer. Tem um guest post sobre isso aqui.

Valéria Fernandes disse...

Gostaria de parabenizar a autora do texto e a Lola por publicá-lo. Foi uma leitura interessante e muito instrutiva. Estou repassando para que outros/as possam ler, também.

Anônimo disse...

Anon das 17:44 essas pessoas modernas (que você chamou de secularistas, ranço religioso brabo aí) não estão querendo defender pedofilia, estupro, zoofilia e incesto. A questão é combater o preconceito contra os gays, que em geral são adultos plenamente capazes de dar consentimento, que consentem e querem se relacionar e se casar e viver em paz. Eu já conheço esse alarmismo estúpido de vocês, que acham que dar direitos aos gays (adultos capazes que consentem) significa liberar pedofilia e todo tipo de prática sexual bizarra. E birra de reaça não merece resposta séria, mas tá aí sua resposta. Satisfeito?

A questão sobre o incesto consentido entre dois adultos não ser crime na lei foi apenas um comentário pra B., um provável motivo pra esse grupo existir. Mas é de pedofilia que o post trata, não sei se você ao menos LEU o post, mas ele é completamente CONTRA pedofilia e explica como é preciso tratar as pessoas que se identificam como pedófilos ANTES que façam vítimas. E de combater a pedofilia institucionalizada e aceita pela sociedade, não de defender a leglização dela.

Você ao menos leu o post, cara? Tá interessado no assunto ou só veio despejar alarmismo reaça mesmo?

Esses caras que vem polemizar nos comentários sem nem ao menos ler o post são os mais chatinhos...

Anônimo disse...

O feminismo que fala sobre igualdade é o Feminismo Liberal. O que é definido como libertação e empoderamento é o Feminismo Radical.

Anônimo disse...

"Eu tenho 16 e meu namorado tem 32 qual o problema?"

O problema é o seu namorado mesmo.

Anônimo disse...

Não tem problema vc gostar de homens mais velhos, o problema é você estar na adolescência e homens mais velhos corresponderem a isso.

Anônimo disse...


muitos aqui tao confundido precocidade sexual com consentimento sexual


eu tinha tudo pra ser mais uma criança q é apontada pelos adultos "ela é a culpada" por causa da precocidade sexual q nao sei s foi induzida pelo externo ou seria naturalmente assim se morasse no mato.Ja vi um caso por aqui mesmo q a mulher contou q foi uma criança e mesmo morando em local isolado e sem energia eletrica teve precocidade sexual.

A precocidade sexual nao é igual a consentimento sexual.É tao dificil compreender?




Anônimo disse...

Crianças com precocidade sexual devem se descobrir sozinhas ou uma com as outras.

Mas como isso pela socieade,os pais, é considerado algo sujo nao ha dialogo mas repreendimento quando ver crianças se agarrando...

M disse...

Eu era uma que qnd ouvia falar q pedofilos precisavam de tratamento, achava um absurdo. O texto é muito esclarecedor e o melhor que já li sobre o assunto.Vou passar o link para frente...

lola disse...

Pra quem tá deixando um monte de ofensas e palavrões e chamando aquilo de "crítica"... Vc está perdendo seu tempo. Seu comentário continuará sendo deletado.
Por coincidência, li hoje um texto em inglês que mostra que ficar vomitando ódio na internet faz muito mal à saúde de quem vomita o ódio. Lê aí, quem sabe vc aprende alguma coisa.

Dudinha disse...

Isso de namorar com o professor, que complicado, muitos professores obrigam mesmo, estrupo e tal mas no caso dos meninos não sei não, quero dizer, é só não dar papo, muita aluna sai com o professor e se arrepende MAS MUITA É CONTRA A VONTADE SIM! Percebi isso no segundo ano do ensino médio, as alunas adoravam dar mole para alguns professores (de educação física principalmente) passavam o numero e tudo mais, eles erraram tbm mas elas tbm, e outros professores ja passavam do limite mesmo, essa é a única parte boa de ser feia, assim como eu, nenhum professor me assediava, exceto meu namorado SIM namorei um professor e nao indico, sinto que minha mãe devia ter quebrado minha cara, pior experiência .

Thaís disse...

Penso que os estupros contra criança, são mais praticados pela fragilidade da vitima, do que por pedofilia em si. Estupro é ligado a opressão, veja os casos de guerras. A primeira coisa que soldados fazem é estuprar mulheres, crianças e alguns casos até homens. A verdade, que qualquer pessoa em vulnerabilidade social, física, psicologica corre risco de estupro. Por isso, antes de tratar todos que comentem esses crimes como doentes, é preciso reforçar que isso acima de tudo é cultural

Anônimo disse...

Uma coisa também, Toda vitima de estupro merece empatia, seja qualquer for a circunstancia. Lembro quando eu era pequena, um menino de nossa rua nos contou que era abusado por meninos maiores. Encorajamos ele a contar para seus pais. O pai recebeu a noticia dando um murro na cara do garoto "não admitia, filho bicha" ,segundo ele. Resumindo, ninguem teve empatia com o garoto, nem os pais. Mais tarde esses mesmos meninos que fizeram isso com ele, esturparam uma garota de 3 anos. Ai foi hora de botar cartaz na rua, fa\zer passeata, pedir linchamento publico, entre outras coisas. A persividade humana, faz com que todos os mais frageis sejam vitima desta sociedade. Não existe vitimas seletivas, apenas vitimas.

Iaiá disse...

Excelente texto! É sempre gratificante ver uma voz se erguendo no meio da gritaria e explicando as coisas com tanta calma e discernimento. Parabéns!

Nunca tinha pensado sobre a diferença entre pedófilos e criminosos sexuais. Mas, certa vez, vi um filme que me fez empatizar um pouco com o pedófilo. Acho que era Pecados Íntimos. Também não quero relativizar crimes sexuais, mas acho que é possível fazer esse exercício de empatia e se colocar no lugar de uma pessoa com essa doença. Se entre as opções de machucar uma criança e se matar existisse a opção do tratamento?

Quanto à questão cultural, acho que influencia, sim! Lembro de um texto em que a Lola falava algo como que nem todos os psicopatas são misóginos, nem todos misóginos são psicopatas. Mas o casamento dos dois resulta em homens que saem atirando em mulheres. (Desculpe, Lola, se não tiver sido bem isso). Acredito que a pedofilia seja uma doença, mas aliada à nossa sociedade machista, que protege os criminosos às custas das nossas meninas, se torna ainda mais terrível.

Vicky_ disse...

Acho tão estranho esse negócio de professor se engraçado com as alunas, por que aqui, nunca vi. Então fico assustada com alguns relatos da internet. Nem conhece menina alguma que quisesse ficar com professor.

Até os professores mais jovens (que sairamahá poucos anos da universidade) não se engraçavam, isso quando já não eram casados.
Isso não é ilegal, relação "aluno-professor"? (Legislação não é minha praia)

Mila, agradeço, eu tinha dúvida quanto a isso, tive depressão infantil, durou pouco mais de um ano, e transtornos é um tema que tenha sempre interesse.

Carol Pirlo disse...

Para mim, os nojentos que mexem com as meninas na rua não são pedófilos (doentes) são safados mesmo. Se isso não fosse fruto do corpo da mulher como público, meninos também seriam assediados com mais frequência

Anônimo disse...

Gostei muito do texto, já havia pensado sobre isso antes. Uma vez li o relato de um rapaz na época do Orkut, em uma comunidade de depressão. Ele era jovem, mas adulto, e tinha uma atração horrível por criança. Ele preferia morrer do que abusar de qualquer uma, mas estava muito angustiado e com medo de si mesmo. Foi doloroso ler aquilo, deve ser como ter um Hyde dentro de si.
O pior foi o nojo que eu senti, junto com muita pena e empatia. Queria não ter sentido o nojo, mas não pude evitar. Sou completamente a favor da informação como forma de prevenir e quem sabe, libertar pessoas boas de uma doença tão perversa.

Dan

Raven Deschain disse...

Pois é Vicky. Eu sempre estranho tb. Teve um ano, não lembro qual, em que tivemos um professor lindo. Muito lindo. Parecia aqueles caras das capas de livrinhos "Sabrina" sabe? Mas ao mesmo tempo em que víamos ele como autoridade e portanto tratávamos com respeito, ele nos via como pirralhas do Ensino Médio, nos tratando com distância.

Acredito que existam professores abusivos (claro que sim), mas nunca vi.

Raven Deschain disse...

Sobre essa moça namorando esse cara mais velho...

Sei lá...

Isso me lembra a doida cretina da minha cunhada. Ela começou a namorar o cara com 15, ele já tinha 32. Hoje ela tem 19 e eles ainda tão juntos.

Claro que consigo ver o que uma guria nessa idade vê num cara mais velho. Obviamente. Os meninos de 15 anos em sua maioria são uns zé roela.

Mas o que um cara dessa idade vê numa guria que nem pentelho tem direito eu nunca vou conseguir assimilar.

Vicky_ disse...

Não considero todos esses relaciomentos mulher-homem mais velho como ruins, mas a maioria é, sem dúvida. Tanto que uma mulher jovem se relacionar com uma mais velha não me causa espanto, pois sabemos que geralmente há compreensão entre elas. Mas quando é um cara eu já fico uns três passos atrás observando. (Questão de bom senso, sabe)

E não entendo essa trama contra os garotos da mesma idade, pô, eu conheço uns garotos mais novos que eu que conversam/argumentam igual velhinhos (no bom sentido, é claro XD).

Jovens, leiam os relatos de tias da internet, elas estão na casa dos 40 e estão abertas a se relacionar com caras de 20~30 sem problemas. Elas mesmas admitem que é porque eles são mais abertos ao diálogo nos relacionamentos e é mais fácil diminuir o machismo.

Só se relacionem com caras mais velhos quando tiverem certeza que são minimente decentes, se ele já for esquentadinho com tudo já sabem que pra ele aumentar a ficha criminal é um passo, CORRAM de caras assim. (Na boa, mandem eles se fuderem se eles insistirem)

Anônimo disse...

Duplipensar (aceitar simultaneamente como corretas duas crenças contraditórias, conflitantes, mutuamente exclusivas) é um vício insuportável dos liberais. Ainda se acham justos e sofisticados por sua dissonância cognitiva, por sua hipocrisia, por sua "neutralidade".

"Tome partido. Neutralidade ajuda o opressor, nunca a vítima. Silêncio encoraja o torturador, nunca o torturado"
- Elie Wiesel

Anônimo disse...

https://m.facebook.com/autonomiafeminista/posts/799726823434941:0

http://www.revistacapitolina.com.br/relacionamentos-com-caras-mais-velhos-e-o-que-ha-de-errado-com-eles/

Julianatsume disse...

Texto prático, preciso, desconfortável mas esclarecedor. Pedofilia e abuso de crianças e adolescentes são temas espinhosos, enojam, mas acho que uma visão didática do assunto é importante. Saber como pedófilos e abusadores pensam ou agem é uma parte do trabalho que vai direcionar como a sociedade deve se posicionar para proteger as vítimas. Lembrando que compreender não é a mesma que aceitar ou perdoar.
Prolixando: uma coisa não exclui a outra, a punição do abusador e o acolhimento da vítima devem ser executadas da mesma forma que medidas que busquem evitar novas vítimas são necessárias.

Sobre a velha questão homem mais velho e menina adolescente> nem toda relação vai ser abusiva, mas sempre será desigual. Uma menina em formação com um cara já adulto, sério, é muita desonestidade dizer que será a mesma coisa.
Esse suposto apoio à autonomia sexual das meninas me incomoda a medida que o tempo passa e as idades vão se distanciando e a aceitação aumentando. Menina de 16 com cara de 30 é super aceitável. De 14 com 30 já divide bastante as opiniões, depois vamos pular para 13, 12,11? Pq a idade de consentimento de meninas e o interesse de homens por elas está sempre caindo? Pq em uma sociedade machista como a nossa, que fiscaliza a sexualidade da mulher, culpabiliza vítimas e cria homens para serem predadores, aceitamos fácil esse discurso de 'consentimento de quem não tem experiência?' E homem com menina nova é normal, mulher com menino novo é hã... fetichista, contrangedor?
Fico com certo receio ao ver que muitas feministas e machistas concordam com uma coisa: 'menina adolescente já saber o que quer'
Da minha parte, acho inapropriado, porém há casos e mais casos. Calma meninas, não estou dizendo que seus namorados universitários mereçam ir pra cadeia. Mas existe o reforço de um padrão nocivo que cria oportunidades de abuso e de impunidade. O problema não está no desejo das meninas, mas na incapacidade de homens mais velhos dizerem 'não'

Raven Deschain disse...

Eu concordo Juliana. Sempre digo aqui em casa, quando meu marido vem de papinho mole, que não interessa o discernimento de uma menina de 12 anos, quem ter que ter discernimento é vc que tem 30.

Anônimo disse...

Após uma feminista acadêmica, conhecida da mídia e fundadora do PartidA, Marcia Tiburi, declarar em entrevista ao programa Metrópolis da TV Cultura (09/02/2014) que Woody Allen é “tão feio e tão sem graça que só atacando uma mulher...”, ou que aos 13 anos a gente “já tá a fim, né, de um sexo”, ao se referir ao estupro de Roman Polanski a uma adolescente – que, segundo ela, é “perdoável” porque o Caetano Veloso fez o mesmo e ainda tem um “péssimo gosto” -, como uma vítima de violência sexual se sentiria? Na mesma entrevista, Tiburi diz que o “patriarcado” quer que as vítimas dos crimes sexuais levantem a bandeira da “mulher desgraçada” e se contentem com o lugar da eterna injustiçada. Ela só esqueceu de mencionar que, para a vítima se empoderar, é necessário iniciar um processo de recuperação da autoestima e da confiança – em si mesma e nas pessoas. Falar sobre a violência que sofreu não é ocupar o lugar da eterna vítima do mundo, mas sim um estágio no processo de recuperação. Para que uma ferida possa ser cicatrizada é preciso identifica-la, e sem a palavra não tem como isso acontecer nos casos de abuso. Mas sem um lugar seguro e acolhedor, quem vai se sentir à vontade para se abrir? Mais do que pagar de “mulher desgraçada”, o patriarcado quer que as vítimas silenciem, se sintam culpadas pela violência que sofreram, que sigam suas vidas sem apontar os agressores, para que eles também sigam com as suas impunimente. Às pessoas estupradas resta o silêncio, o choro engolido, a insegurança, a autoestima dilacerada. Aos agressores a vida normal e produtiva, a honra masculina intacta e boas noites de sono.

(...)

Aos 13 anos as pessoas já “estão querendo um sexo”? Talvez. Ninguém aqui é tão moralista ao ponto de fingir que adolescentes não possuem vida sexual. Contudo, sexo que envolve adultos e menores de 14 anos é estupro de vulnerável e não há que se falar em consentimento, pouco importa se a pessoa já tem vida sexual ativa ou não. Não sei como eram as leis na Califórnia na década de 1970, mas certamente dopar uma menina de 13 anos para estuprá-la não é nada correto, nem aceitável, muito menos perdoável – porque foi isso que Polanski fez. E o crime ter ocorrido nos anos 1970 não minimiza a sua gravidade. Se for partir desse princípio eu, como historiadora, vou afirmar que era ok colonizadores portugueses estuprarem índias e negras no século XVI. Não, não era ok. Nenhuma forma de violência pode ser justificada em contextos históricos, e a sua justificação está a serviço, apenas, de sua naturalização e banalização.

Ninguém aqui está cassando a carteirinha de feminista de Tiburi. Aliás, é uma pena que a discussão seja resumida a isso. Feminista também erra, fala coisas infelizes ou mesmo preconceituosas. Ninguém está imune a isso, nem mesmo a filósofa. O que se faz ao receber as críticas é o que importa. Tem quem opte pela desconstrução e tem quem ignore todos os discursos problemáticos e peça mais sororidade, afinal, o patriarcado quer a “desunião entre as mulheres”. Colega, não tem como haver união quando alguém sente medo de ter sua história minimizada pela própria companheira de luta.

Também termino esse artigo pedindo mais sororidade: a todas as vítimas de estupro que, independente da idade, não estavam querendo.

http://www.imprensafeminista.com/#!AOS-13-ANOS-J%C3%81-EST%C3%81-QUERENDO-PFFF-D%C3%81-UM-TEMPO/c1nni/55c00b140cf2dce5af67d425

Carla Capineri disse...

Eu assisti uma vez um documentário do canal parlamentar francês sobre uma reflexão sobre as leis relacionadas à pedofilia. Tratava de discutir as iniciativas para evitar que pedófilos passassem ao ato. Confesso que fiquei bem chocada no momento, porque sendo mãe tinha muita dificuldade em entender (e ter empatia) com os depoimentos dos homens que lutavam contra as pulsões e sozinhos, porque a pressão social é um empecilho para que esses homens procurem ajuda. No final, debatia se não era melhor prevenir através de associações, tratamento e grupos de ajuda do que gastar muito dinheiro com a punição. No final, alguns dos homens tinham cedido à pressão da pornografia infantil (que ao meu ver tem uma dimensão muito grande na discussão da pedofilia, inclusive com os recentes acontecimentos no Paquistão).
Outro aspecto que não tem a ver com o documentário, mas que li em livros sobre o desenvolvimento sexual infantil, é o da importância de educar as crianças para reconhecerem o direito de decisão sobre o próprio corpo. Se uma criança desde cedo é ensinada pelos pais que o corpo dela pertence somente a ela e que ela tem o direito de escolher quem deve tocá-lo, parece-me uma maneira de educar a criança a reagir diante de situações de violência. Obviamente que não em todos os casos, mas a criança segura de si tem mais ferramentas contra a violência desse tipo (nem que seja pelo menos pedir ajuda aos pais). Passa por uma educação de liberdade e de emancipação. Tentei aplicar isso com minha filha e tenho percebido que aos 4 anos ela já começa decidir sobre o próprio corpo. Por exemplo, na hora do banho ela diz que é ela quem lava suas partes íntimas sozinha, acho importante essa soberania sobre o próprio corpo, e acho que é uma aprendizagem.

O link do documentário para que entende o francês: http://www.tv-replay.fr/18-09-11/docs-ad-hoc-lcp-an-8495881.html

Anônimo disse...

Raven Deschain vc é a Dinny Carabina Bueno????

Ana Paula disse...

Na minha opinião, deveria ser crime adulto ter relações sexuais com menores de 18.

Na lei civil, só podem casar menores entre 16 e 17 anos com autorização dos pais. E abaixo dessa idade, só se ocorrer gravidez. Nem que os pais autorizem pode haver casamento de menor de 16 anos, salvo a gravidez da noiva.

Porque menores de idade NÃO TEM DISCERNIMENTO PRA CONSENTIR RELAÇÃO SEXUAL. PONTO!
O adulto que segure a onda ué! Coloque o pinto no moedor de carne. =P

A maioria das vitimas são MENINAS. Estupram garotas, com a desculpinha de amadurecimento precoce das meninas.

Mas pra lei penal brasileira, desde 2003, pode comer menininha maior de 14 anos que não é mais crime.

É de uma coerência não?

No Reino Unido, onde eu moro, adulto que transa com menor de 16 anos vai pra cadeia! É estupro presumido.

Quando a diferença de idade é mínima e o namoro começa com 2 menores não vejo como problema. O problema é o cara com 18, 25, 40 anos transando com meninas inexperientes na vida.

Uma adolescente, se transa, NÃO é carta branca pra um ADULTO transar com ela. Isso é abuso! Tô nem ai pra quem não concorda!

A justiça é machista. E cansei de ver juiz aliviando pra muito homem feito que estupra moças jovens. Porque aim ela transa desde os 13 anos mimimi.

Por muito pouco mesmo não retiraram o estupro presumido de menores de 14. Queriam baixar pra 12 anos!

Só não aconteceu o pior porque nossos congressistas viram a legalização da pedofolia se aproximando.

Vicky_ disse...

Casamento aos 16 anos? Fosse por mim, no mínimo 18 anos, você faz ideia que há vários desgraçados PAGANDO (como objeto) para casar com meninas pobres dessa idade? E se alguém vier, vai dizer que tá na lei, que ela agora é posse dele blah blah.

Casamento é instituição patriarcal, mas se ainda sim tem mulher querendo casar no civil/religioso, que pelo menos faça isso a partir dos 20 anos, casar tão jovem serve pra merda nenhuma. Tem que ser 18 anos na lei.

Quanto gravidez precoce, pra mim, é discriminação do aborto, salvaria a vida de várias jovens. Estou CANSADA de histórias de meninas de 14 anos que engravidaram de garotos de 14 anos, ambos são igualmente imaturos, a família não procura clínica, sabe que nenhum tem preparo pra cuidar, mas libera o garoto por que "moleque serve pra nada" e aprisiona a menina a ter que cuidar da criança. HORROR!
Casamento entre dois adolescentes vale de nada.

Vicky_ disse...

"Desejo quase irresistível" o caralho!!!
É uma orientação como outras, elEs sentem atração por um sexo específico ou por ambos, geralmente só meninas. Não sentem atração por qualquer criança, mas por apenas parte delas.
A questão é que se você se sente atraído por criancinhas de 8 anos, fica (muito) mais fácil de manipular que uma pessoa adulta que não quer nada com você.

Sorry, mas "desejo quase irresistível" é bordão de estuprador se justificando.

Anônimo disse...

Sério... Tem opinião aqui q da vontade de se matar...