domingo, 15 de setembro de 2013

A FELICIDADE E A TRAGÉDIA DE DOIS LEITORES ESPECIAIS

Luto pelas árvores. E por Samuel Eggers

Eu ia escrever aqui um post pedindo pra você comprar meu livro (só com propaganda mesmo!), mas mudei de ideia.
Sexta, por coincidência, fiquei sabendo dos acontecimentos mais recentes de duas pessoas que já iluminaram este bloguinho escrevendo guest posts. 
Uma dessas pessoas, a autora de uma das histórias de horror mais chocantes que já publiquei aqui, me enviou um email super carinhoso que me comoveu:

"Eu e meu noivo temos trabalhado juntos e é incrível como nos divertimos e aprendemos quando surgem as alegrias e conquistas e, do mesmo modo, como nos consolamos e estimulamos quando os obstáculos de se abrir uma empresa aparecem. Aos pouquinhos estamos crescendo e nos estabelecendo e as coisas vão se tornando mais palpáveis, mais reais, entende? A lojinha virtual ficou pronta e em doze dias aberta já vendeu onze produtos e a fanpage no Facebook a cada dia tem mais curtidas. [...]
E é difícil mensurar o QUANTO você foi FUNDAMENTAL pra que isso tudo se tornasse realidade, sabe? É difícil porque foi a partir do seu blog, do reconhecimento do feminismo e da situação absurda (ainda que comum) que eu estava vivendo que tive força para tomar as rédeas da minha vida e agir. As minhas ações não foram as mais pensadas e calculadas, tinha muita dor e confusão envolvidas, mas no fim das contas tudo deu certo e agora sou livre pra VIVER de VERDADE, que é o que eu nunca tive chance antes.
Você de certa forma também mudou a vida do meu noivo. Primeiro através da minha transformação e do meu crescimento, no qual você e ele tiveram direta participação, e depois porque ele mesmo é profundamente enraizado nas ideias feministas, de direitos humanos, e tem muitas agruras no peito, que foi desvendando com a ajuda também do seu blog. Seu espaço é fruto de intensos debates nossos e sempre saímos mais enriquecidos e mais fortes, em nós mesmos e na relação."

Eu fico radiante ao ler essas coisas, de saber que influenciei a vida de alguém um pouquinho, de que uma leitora agora está muito bem, recuperada, que conseguiu se reconstruir. E agora ela quer me dar um presente. Quer que eu escolha um produto da bela loja que ela e o noivo inauguraram. E tá difícil, viu? É tudo lindo.

Essa alegria, esse "final feliz", foi anteontem de manhã. Mas no mesmo dia recebi uma notícia aterrorizante, que me abalou profundamente. 
À noite, alguém deixou um comentário avisando que Samuel Eggers havia morrido. Fui conferir, e era verdade. Samuel era um psicólogo (ou estudante de Psicologia) de 24 anos que, no final de maio, me enviou um belo post, em que narrava sua participação no protesto Ocupa Árvores, em Porto Alegre, que foi um acampamento para tentar impedir a derrubada de 115 árvores para a duplicação de uma via (uma das obras da Copa 2014). 
Naquele final de maio, uma força de 200 policiais fortemente armados, a mando do prefeito José Fortunati (PDT), acabou com o acampamento de 43 dias dos manifestantes. 27 pessoas, entre elas Samuel, foram algemadas, levadas à delegacia, e indiciadas. É interessante registrar que, enquanto os manifestantes mostravam o rosto, muitos dos policiais escondiam sua identidade. 
O título do post, que o próprio Samuel deu, se chamava "Minha certidão de nascimento como ser humano" (na realidade, era "como homem"; eu que troquei pra "ser humano"). Porque ele considerou que aquele protesto, aquele medo que dá ser levado a uma delegacia, foi seu batismo de fogo. Escreveu ele: "Se queriam me assustar com ameaças, e fazer com que eu me recolhesse para dentro do meu mundo, fracassaram, pois hoje descobri que não quero viver numa 'democracia' em que eu tenha que me calar e seguir as ordens dos meus superiores".
Antes dos protestos de junho que tomaram o Brasil, aqueles do "gigante acordou", Samuel escreveu: "Jurei que farei tudo que estiver ao meu alcance para transformar o mundo onde eu quero que meus filhos cresçam. Guardarei um lugar aqui pra ti, no dia em que perceberes o mesmo, e seguirei lutando enquanto você não acorda".
Olha a cara de "desacato" de Samuel, um pacifista, quando foi indiciado na delegacia (em 0:22 neste vídeo).

Este rapaz sereno, calmo, destemido, foi executado na madrugada de quinta pra sexta, à meia noite e dez. Ele estava em Caxias do Sul para um congresso. Seus pais são de lá; ele morava na capital. Havia levado duas amigas de pé pra casa delas e estava voltando pra casa dos pais, quando um carro com quatro integrantes o acertou com um tiro no rosto. A RBS sugere que talvez Samuel tenha reagido a um assalto.
Reação a assalto, RBS? Sério? Quatro caras num carro, sem que nada fosse roubado, sendo que Samuel já havia sido ameaçado antes, e que um dos homens gritou "Esse cara tem que morrer"?
Estou chocada. Essas coisas nos fazem lembrar da nossa própria vulnerabilidade, de que de repente todas aquelas ameaças que eu recebo semanalmente podem se concretizar. 
Finalizo com uma parte do guest post escrito por Samuel, esse jovem iluminado: "Eu não milito em causa própria, por glórias, atenção, dinheiro ou cargos. Eu luto porque quero viver em um mundo onde ninguém –- nem vocês, nem os moradores de rua, nem os soldados da Brigada –- precise passar por privação. Esta luta também é sua e estamos do mesmo lado. Só que você ainda não percebeu, porque não entende que a liberdade de um é a liberdade de todos". 
Façamos das palavras de Samuel as nossas. 
O que sobrou da árvore que Samuel ousou tentar salvar. Mas as raízes ficam, Samuel.

UPDATE 23/10. A polícia civil concluiu o inquérito que investigava a morte de Samuel, indiciando três jovens por latrocínio. Muita gente duvida desta conclusão e bate na tecla do crime político

25 comentários:

Sara Marinho disse...

Que horror o que aconteceu com o Samuel...Não sei se foi fruto de sua militância, mas o mero medo de ter sido, dá vontade de esconder em um buraco e ficar lá quetinha. Mas é preciso lembrar que porque muitos se calam em segurança, muitos outros morrem, como Samuel, e principalmente aqueles de pele mais escura, que vivem na periferia, cuja voz em geral não alcança a grande mídia, e a realidade não encosta na classe média.

Sara Marinho disse...

Que horror a morte precoce do Samuel...O medo do motivo da execução ter sido sua militância dá vontade de esconder num buraco e ficar lá, quetinha. Mas é preciso lembrar que no silêncio em segurança de muitos, mora a morte violenta de tantos outros, como Samuel, mas principalmente daqueles de pele mais escura, moradores de periferia, cuja voz não alcança a grande mídia, e a realidade não encosta na classe média. O nosso silêncio diante de injustiças é a morada da continuação das mesmas.

Patty Kirsche disse...

Que triste isso... Quer dizer que alguém se incomodou muito com o protesto dele, né? O lance é investigar quem se irritou tanto.

Becx disse...

Que coisa triste. A reacção da RBS, contudo, não é surpresa. Não vamos esquecer que o blogueiro que denunciou o caso de estupro envolvendo o filho do director da RBS um dia, apareceu morto....."suicídio"como foi concluído

Lu disse...

[comentário sobre outro assunto]

Lola, fui procurar seu blog no Google e me aparece isso na primeira página da pesquisa: "Ao Ministério Público e à Polícia Civil sobre o blogue Escreva Lola Escreva"

http://paraisoconcreto.blogspot.com.br/2013/07/ao-ministerio-publico-e-policia-civil.html

Vc viu isso?? Que viagem! hahaha

Anônimo disse...

Policiais não precisam mostrar o rosto em operações, devem ter o nome no fardamento. Isso ocorreu na ação e na foto postada. Favor corrigir.

Bela Campoi disse...

Que triste... mas que bom que há também casos felizes: seu blog é muito importante, Lola!

Caroles disse...

Lola, o pai do Samuel foi meu terapeuta e me ajudou muito. Lembro dele falando do filho e me dói. Quando ouvi essa notícia fiquei muito abalada. Que dor alguém que viveu lutando contra a violência morrer na violência. Sei lá se era ele mesmo que queriam matar ou se foi engano (em Caxias essas "execuções" estão se tornando comuns), mas de qualquer maneira é horrível. Não lembrava que esse guest post era dele. Mais uma prova da pessoa linda que ele era.

Anônimo disse...

Digito e apago as palavras que tentam expressar a dor que senti ao saber da morte desse rapaz, um desconhecido em minha vida. Chorei por minha morte, de meus amigos e de todos aqueles que um dia tiveram ou correram o risco de ter a pele perfurada a bala por quem tenta, liquidando pessoas, destruir ideais.

L disse...

Lola querida! Nunca comentei aqui no teu blog, apesar de acompanhar tudo o que escreves. Desta vez, porém, preciso desabafar. Sou estudante de Psicologia da UFRGS e conheci o Samuel no começo do ano passado, no meu primeiro dia de faculdade. Ele já estava quase terminando o curso, mas fez questão de ir conversar conosco, nos dar as boas vindas, distribuir abraços. Lola, o Samuel era a pessoa mais querida do Instituto de Psicologia, conhecia todo mundo e era sempre alegre, sempre acolhedor. Na manhã de sexta-feira, ao ler sobre a morte dele, simplesmente não acreditei. Não podia ser. Não era justo, não era possível que uma tragédia dessas acontecesse com alguém tão especial quanto o Samuel. Até agora estou em choque e não consigo compreender uma barbaridade dessas. Perdemos um feminista, um defensor dos direitos humanos, um pacifista, um colega psicólogo, uma pessoa maravilhosa que fez a diferença e lutou por um mundo melhor. Deixo aqui algumas palavras sábias desse menino tão querido: "Não somos incapazes, nem somos indefesos, e que descubramos isto é o maior pesadelo de quase todos os nossos governantes e autoridades: policiais, delegados, vereadores, deputados, senadores, prefeitos, governadores e presidentes. Eles farão de tudo para que continuemos dormindo, sonhando que precisamos de suas mãos fortes para nos proteger dos maus elementos de nossa cultura, do mundo e da nossa própria inconsequência. Mas todo carnaval tem seu fim, todo sono acaba e toda era termina. Neste momento, nos encontramos em um ponto crucial de nossa história - um período de sombras intensas, de medo e de terror, onde todos os fantasmas nos dizem que é inútil, e que o melhor é nos render. Porém, é justamente antes do sol nascer que a escuridão é mais profunda e os vultos mais assustadores. Cada vez mais, um por um, os seres humanos despertam, e percebem que ninguém deve ser mais importante do que os outros, e que é um dever compartilhado por todos nós cuidar de nossa casa, este globo gigantesco que chamamos de Terra". Vai em paz, Samuel, e obrigada por tudo.

Hamanndah disse...

Isso, Lu. Lola ja sabe, ja contei a ela. Aqueles tres(os donos do blog - se nao sao um so e dois fakes femininos) parece(m) que "viajam" legal, como se vivessem outra realidade. Para voce ter uma idéia, eles culpam a mulher por praticamente tudo que existe de ruim no mundo, como se a unica coisa que prestasse que a mulher fez na história da humanidade fosse sexo e parir homens. Sem estas duas coisas, a mulher seria imprestavel, e apenad uma repridutora e uma vagina. Ele(s) nao diz(em) isso abertamente para não mostrar abertamente sua misoginia, pois é(são ) muito esperto(s) para isso, porém usa(m)as palavras escritas de tal forma que faz com que pareça que a mulher é o ser mais maligno que ja passou por este mundo - exceto as duas "moças"(??). Eu me cansei de discutir com ele(s) em seus três/quatro blogs. Exemplo: eu faço 4 comentarios e eles aprovam um ou dois e usam pequenos trechos dos meus comentarios para tentarem mudar a ideia central do mesmo. Enfim, ele(s) é(são ) o conjunto de blogs misoginos mais manipuladores de toda a internet de todo o lixo de blog mascu que conheço. Hamanndah

Liana hc disse...

Que triste essa notícia sobre o Samuel. Espero que esse crime seja investigado e resolvido o mais rápido possível.

E para a leitora que tá tocando o negócio novo (adorei os produtos), desejo muito sucesso e felicidades nesse caminho. A sensação de estar seguindo em frente, cuidando da própria vida, de ter pessoas bacanas ao redor é muito boa.

Irina Nigg disse...

Quanta injustiça!!!, mas o tipo de gente q cometeu essa injustiça vai ter que ter muita disposição, pois somos vários "Samueis" e assim como ele lutou por seus ideais, tb lutamos pelos nossos.
A truculência pode ser muito grande mas nossa disposição tb é, assim como ele não tenho mais me calado diante de injustiças e nem pretendo calar, ainda que tb me sinta ameaçada.
Espero que vc tb continue forte Lola, pois não sei o q pode ser pior, se calar diante das injustiças ou sofrer ameaças.
Parabéns a sua leitora vitoriosa e seu noivo, muita sorte e sucesso pra eles.

Anônimo disse...

Que notícia péssima.
Eu concordo com a L. o momento é crucial. Estamos exatamente naquele ponto em que a mudança ainda não aconteceu, mas está quase lá. Hoje tem muito mais gente preocupada com certas questões do que antes. É por isso que incomodamos tanto.



Lu disse...

Obrigada, Hamanndah :)

bruna disse...

Estou chocada. O Samuel parecia uma pessoa realmente iluminada, e com certeza ele deixou muito amor por aqui. O nosso mundo é cheio de injustiças mesmo, mas não podemos deixar que a morte dele seja em vão. Vamos continuar espalhando suas mensagens e lutando por uma Terra melhor, não vamos nos esconder, nem dormir, nós precisamos incomodar muito ainda!
Nós mais de um, e não cabemos somente em um, somos todos. A repressão econômica e política não pode nos parar. Samuel ainda estará vivo enquanto nós ainda estivermos acordados, assim como todos aqueles que se foram de forma injusta permanecerão vivos coletivamente.
Um abraço à família e aos amigos!

Elaine Pinto disse...

Estou chocada com o que aconteceu ao Samuel. Lembro do guest post porque me mudei recentemente para POA e peguei a polêmica das árvores bem no meio, então o post dele foi bem esclarecedor (em mais de um sentido, aliás). Quanto à RBS, não tem o que dizer. Se alguém no núcleo RJ-SP reclama da manipulação da Globo, não sabe da missa a metade... A RBS é infinitamente pior.

Anônimo disse...

Puxa, Becx, eu não sabia que o blogueiro tinha sido morto. Fui confirmar as notícias e infelizmente é fato. Estou ficando apavorada.

Gabriele disse...

Que situação bem triste, um jovem ser morto de forma tão brutal... Conheci brevemente o Samuel em um encontro de estudantes de psico há uns seis anos atrás. Nem cheguei a conversar muito com ele, mas nunca me esqueci, durante o encontro eu estava triste por uns dramas pessoais e chorei bastante durante a viagem, no último dia ele veio do nada e me deu um abraço bem forte e longo que nunca esqueci, que me acalmou bastante, nem cheguei a conversar muito com ele, mas por algum motivo nunca me esqueci daquele abraço tão reconfortante que ele me deu. Ali vi que era uma pessoa muito gentil. Acho que nunca mais vi ele desde então, até tinha nos meus contatos de internet, mas não sei pq sempre lembrei disso. Ao ouvir a notícia do que aconteceu, senti muita tristeza, mão conhecia bem mas senti um grande peso... Uma pessoa que lutava por um mundo melhor, perder a vida por isso, de forma violenta, brutal... :(

Tati! disse...

O Samuca vai continuar sendo o que era: uma chama no coração da gente, que nos incitava a lutar contra injustiças e a querer um mundo mais justo. Essa chama nunca se apagará. #samucapresente

Pequenas histórias cotidianas disse...

Lola, fui eu que deixei a notícia acho. Te peço desculpas pela falta de jeito.. assim meio de supetão. Mas, um amigo de Porto Alegre colocou o link do texto dele para seu blog e eu achei que vc precisava que saber. Escrevi ainda meio em choque, pois eu conheci Samuel e vários dos meus amigos próximos eram muito chegados a ele. Trabalhamos no mesmo projeto, embora em épocas diferentes. Mesmo que eu não o conhecesse tanto, eu ainda estou tentando me recuperar dessa notícia, pela brutalidade da morte e pelo cara iluminado que o Samuel era. Na minha TL do FB aparecem várias e várias notícias, postagens, fotos dele.. e eu morro um pouco sabendo que o mundo perdeu um cara como ele. Meu nome é Andreína, sou nordestina, mas morei em Porto Alegre quase sete anos. Conheci o Samuel no Instituo de Psicologia. :)

Aline Alberto. disse...

Lolinha, chorei. Chorei porque meu irmão foi preso com o Samuel nesse dia e não sei direito o que sentir. Podia ser meu irmão, entende? Triste, triste. Mais triste é saber que a gente se habitua a viver com medo.

Aline Alberto. disse...

Triste, Lolinha. Impossível não chorar lendo isso. Meu irmão também foi preso nesse dia... Saber que tudo isso aconteceu com o Samuel é pensar que podia ser com meu irmão. Triste, triste. Mas triste é também pensar que a gente se habitua a viver com a violência, com o medo, como se essas fossem cosias normais.

Garota Psykóze disse...

Hoje seria o aniversário de 25 anos do Samuel, uma das minhas pessoas preferidas da vida. Eu estava lendo algumas coisas postadas na página dele do face e achei este link. A saudade é grande! Samuel vive! s2

Garota Psykóze disse...

Hoje, Samuel estaria completando 25 anos. A saudade é grande... Ele era uma das minhas pessoas preferidas da vida. Samuel vive!