segunda-feira, 8 de julho de 2013

COMO FAZER UM ABORTO LEGAL

Semana passada saiu uma boa notícia no jornal: o Senado aprovou um projeto que assegura atendimento e tratamento em todos os hospitais do SUS para vítimas de estupro (falta a Dilma sancionar). 
Que ótimo, né? Só que um montão de gente respondeu incrédula ao meu tweet: ué, e já não é assim? 
Não, não é. Assim como nos EUA (com a diferença que lá o aborto é legalizado há quarenta anos), só porque o aborto é permitido por lei, não quer dizer que a mulher conseguirá realizá-lo. 
Então vamos só lembrar quem pode realizar um aborto legal aqui no Brasil. Por legal (só pra esclarecer aos energúmenos) eu não quero dizer bacana ou divertido, porque não existe mulher na face da Terra que acha cool fazer um aborto. Legal é porque está na lei. Apesar de vivermos num dos países com legislação mais restritiva do planeta em relação à interrupção da gravidez (apenas por sermos o país mais católico do mundo, o que não combina com Estado Laico), ele ainda é permitido em alguns poucos casos. 
Digo ainda porque, se o nefasto Estatuto do Nascituro for aprovado, aí caixão: o aborto será proibido em todos os casos, ou dependerá da decisão do juiz caso a caso. 
Mas, por enquanto, é assim (usei principalmente o texto de um folheto idealizado pela CFemea e outras instituições feministas):

Toda mulher pode realizar o aborto legal, seguro e gratuito se quiser realizá-lo. O artigo 128 do Código Penal Brasileiro autoriza o aborto -- sem nenhuma punição -- quando:
- a gravidez põe em risco a vida da mulher. A gestante pode então realizar o aborto em qualquer hospital ou maternidade. 
- a gravidez for resultado de estupro. Atenção: a mulher não precisa ir à delegacia fazer o boletim de ocorrência nem pedir autorização judicial. Ela deve ir direto ao hospital ou maternidade que atende à mulher vítima de violência. Sua palavra deve ser considerada suficiente. Tudo que a mulher precisa levar é um termo de consentimento escrito, declarando expressamente que quer interromper a gestação, autorizando a equipe de saúde a realizar o aborto. Entretanto, o aborto só pode ser realizado até a 20a semana de gestação.
(No caso de meninas com menos de 14 anos, o Código Penal determina que, mesmo se a criança ou adolescente consentiu, pode ter havido violência. Se a menina engravidar, portanto, ela tem direito ao aborto. Ela deve pedir ajuda aos pais, se possível, para que a levem ao hospital. Se não for possível, ela deve procurar diretamente o hospital).
- a gravidez é de um feto com anencefalia (sem cérebro). A mulher deve ir direto ao hospital. Com o laudo assinado por dois médicxs, o aborto do feto anencéfalo pode ser realizado a qualquer tempo da gestação. Não é preciso recorrer ao poder judiciário para obter autorização.
- a gravidez for de um feto com grave malformação. Neste caso não basta a mulher se dirigir a um hospital. Se ela tiver o parecer médico, pode pedir uma autorização do juiz para realizar o aborto. 

Certo? Vamos divulgar esses poucos casos em que o aborto é legal no Brasil, porque boa parte das mulheres desconhece esses direitos. E há enorme desinformação por parte dos profissionais de saúde também. Afinal, você costuma ver muitas matérias sobre como e quando realizar um aborto legal?
Por exemplo, pegue um grande site do governo federal. Procure no, sei lá, Portal Brasil por aborto. Ish, nada, né? Ok, talvez esteja nesta página específica sobre Saúde da Mulher. Ops, não. Entre as categorias, nenhuma que lembre aborto.
Bom, vai saber? Talvez na parte da violência contra a mulher, o governo diga que uma vítima de estupro pode abortar, e explique onde? Nada. É como se aborto legal não existisse no Brasil. E, na busca do site, digitar a palavra aborto vai te levar a escassas e velhas notícias.
Não foi à toa que, menos de um mês atrás, a ministra Eleonora Menicucci, da Secretaria de Políticas para as Mulheres, declarou que os "serviços de aborto legal estão absolutamente jogados às traças". O Brasil, esse país continental, possui apenas 65 instituições públicas que realizam o aborto legalizado. Esta tabela mostra sua distribuição desigual pelos Estados:
E este mapa, que eu tirei do ótimo dossiê de 2005 feito pelo Católicas pelo Direito de Decidir, dá uma ideia da dificuldade que é pras mulheres realizarem um aborto legal (imagine quem mora em Roraima, por exemplo):
Vi a notícia de que, em abril do ano passado, o Ministério da Saúde havia prometido ampliar, até dezembro de 2012, o número de hospitais que realizam aborto legal, de 65 para 95. 
Mas depois nunca mais se falou no assunto e, como esta excelente reportagem do Diário de Pernambuco é recente e continua falando de 65 hospitais, é porque a promessa ainda não se concretizou (perceba meu otimismo no ainda). 
E tente encontrar quais são esses hospitais. Eu passei horas procurando e não encontrei nenhuma lista (me avise se encontrar). Em São Paulo, eis os endereços. Esses são os cinco hospitais que realizam o aborto em Recife. Em Belo Horizonte tem este. Em Salvador, tem só um, o Iperba.
Não sei se o escamoteamento de informações sobre hospitais que fazem aborto legal é mais um sinal de que o governo é refém dos fundamentalistas cristãos, ou se é uma estratégia para não estigmatizar lugares e médicxs que realizam o procedimento. Entendo que a ala no hospital em que se faz o aborto não deve ser divulgada -- ninguém merece ter fanáticos "pró-vida" atrapalhando mulheres que já chegam lá em situação de vulnerabilidade --, mas sem os endereços, como as mulheres vão saber pra onde ir? E aí eu fico pensando: se até aborto legal é tratado como clandestino, imagine quão clandestino é um aborto clandestino, e como ele abandona a mulher a sua própria sorte.
Mais algumas informações:
É a mulher quem decide se quer continuar com a gravidez ou interrompê-la, nos casos previstos por lei. Ela não pode ser coagida por seu companheiro, por médicxs, pela família, por religiosos, ou por qualquer outra pessoa a interromper ou manter a gestação. 
Nenhum profissional de saúde deve agir com julgamentos, constrangimentos, discriminação ou qualquer outro tipo de violência. A mulher deve denunciar se houver maus tratos, omissão ou negligência. O médicx não pode citar objeção da consciência. O médicx em si pode ter questões pessoais contra o aborto, e por isso não realizá-lo, mas o hospital não tem esse direito. Logo, se um médico não quer fazer um aborto legal, o hospital deve apontar um médico que o faça.
Um profissional de saúde não pode denunciar uma mulher que tenha realizado um aborto. Isso vai contra seu código de ética profissional. A Constituição Federal estabelece que o sigilo profissional é inviolável. 
Se a mulher sofrer um processo de incriminação por ter praticado um aborto, ela tem o direito de ter acompanhamento de um advogadx ou defensor público.
A mulher que for presa por abortar tem o direito de permanecer em silêncio e pode se recusar a responder qualquer pergunta, para não produzir provas contra ela mesma. Ela também tem o direito de se comunicar com um advogadx e com a família imediatamente. 

Atenção: Se uma mulher estiver passando por um aborto, seja espontâneo ou provocado, deve ficar atenta a alguns sinais e procurar o serviço de saúde mais próximo:
- dor intensa no pé da barriga;
- muito sangramento, a ponto de esgotar um absorvente em menos de uma hora;
- secreção com mau cheiro;
- febre, calafrio, e/ou muito cansaço;
- desmaio, tonturas, perda de consciência. 

Ligue grátis: 180. SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência): 192.
Mais material pra você ler: 20 anos de pesquisas sobre aborto no Brasil. E o excepcional guia da Anis (Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero), com 139 perguntas e respostas sobre aborto legal. 
Não é só pela descriminalização do aborto ou contra o Estatuto do Nascituro que precisamos lutar. É também para que o Estado cumpra o que manda a lei e ofereça a possibilidade de aborto para quem quiser.

113 comentários:

Elaine Pinto disse...

Só voltando a questão levantada no início do post, porque não sei se compreendi bem: então o projeto de lei que espera a sanção da Dilma faz com que toda a rede do SUS esteja habilitada a praticar o aborto legal em caso de estupro, é isso?

Lara Rodrigues disse...

Vou divulgar por aí! Realmente há muita desinformação sobre o assunto. Eu não tinha a menor idéia de como se pode fazer um aborto legal no Brasil.

Aqui no Chile, país bem conservador, não é permitido NENHUM tipo de aborto. E isso é mais uma herança maldita do governo militar, pois até 1989 o aborto terapêutico estava previsto na lei.

O tema só entrou em discussão agora, com as próximas eleições presidenciais se aproximando. É claro que a direita é contra a qualquer modificação na lei. E a centro-esquerda se diz à favor de uma legislação similar a do Brasil, mas eles tiveram 20 anos de governo pós-ditadura, e não fizeram nada à respeito.

Hoje mesmo li duas notícias sobre horríveis casos de estupro aqui em Santiago. Um deles foi numa menina de 11 anos, que engravidou. E a lei não a deixa abortar. Dá muita, muita raiva!

Pelo menos o Brasil ainda permite aborto em alguns casos. Temos que lutar contra esse absurdo estatuto do nascituro!!!

Anônimo disse...

Eu não sei qual a dificuldade de entender que o aborto DEVE ser opção da mulher que carrega o feto, até os 3 meses de gestação o feto não tem SNC (Sistema Nervoso Central) definido, portanto não é capaz de sentir dor ou coisa alguma, nesta fase somos tão seres vivos quanto uma esponja do mar. Me incomoda essa mania de querer meter o bedelho no útero alheio. Fora que a mulher que "consegue" realizar o aborto dentro da lei, é hostilizada desde a delegacia onde faz o exame de corpo de delito (sim se ela foi estuprada temos que passar por isso, pois na teoria diz que não é necessário, mas na prática são outros 500), até o local onde vai ser realizado o aborto (hospital/posto de saúde).
Não sei se você viu Lola, esses dias atrás (não me lembro exatamente quando), mas vi na novela da Globo das 21hs, a cena mais desnecessária do mundo, onde aparecia o Antonio Fagundes com seu personagem de médico, falando com uma paciente (pobre) que descobriu que estava grávida e não queria ter aquele filho, pois já tinha 4 filhos e não teria como sustentá-lo, e vem o personagem do "Fagundão" naquela retórica escrota (de que não tá ardendo no meu mesmo, os pobres que se virem, não virou o zoinho?): "Ah todo filho é uma benção", "como vc vai abortar um presente que Deus está te dando" e coisas do tipo...
Me revoltei tanto que tive de mudar o canal pra me acalmar, senão era capaz de tacar meu controle e meus sapatos na cara do Fagundes e quebrando minha Tv que não custou nada barato!

Valéria Fernandes disse...

Ótimo post, Lola! informativo e necessário.

Anônimo disse...

Abortistas farão a festa,é só dizer q foi violentada q pode abortar,já q só a palavra basta,sem prova nenhuma.

Kah disse...

Isso tudo é revoltante. Mas sabe o que é mais revoltante? Saber que quem tem dinheiro não precisa passar por nada disso, e ainda é atendido pelos melhores profissionais de saúde. Porque tem o abordo clandestino de fundo de quintal, mas também tem o aborto clandestino do hospital de luxo que custa o preço de um carro.

O aborto é ilegal para a parcela que mais precisa de acesso a ele, e simplesmente mais uma mercadoria para quem pode pagar.

lola aronovich disse...

Pois é, né, mascu anônimo... "Fazer a festa" é realmente a primeira coisa que passa na cabeça da mulher ao estar grávida sem o desejar.
E onde já se viu a palavra da mulher bastar pra alguma coisa?! Logo MULHER, argh, esse bicho traiçoeiro, mentiroso!
E ainda por cima ela vai inventar que foi estuprada, porque a gente sabe que estupro nem existe mesmo!
Sem falar que é super fácil realizar um aborto legal! É só ir a um dos 65 hospitais que a gente nem sabe quais são!
A vida das "abortistas" (quem são abortistas? Mulher que abortou uma vez? Mulher que apoia a legalização do aborto? Homem que pede pra companheira abortar?) está feita mesmo!

Paula disse...

Antonio fagundes estava certo,a personagem já tinha 4 filhos,se n queria mais pq n tomou vergonha na cara e se preveniu?
Com certeza vão vir com ladainha de q camisinha falhou 5 x

Thais disse...

Li no C&P:

O Código Penal atual, em seu artigo 128, não pune o aborto feito em caso de gravidez resultante de estupro, ou nas situações em que a mãe corre risco de vida (o Supremo Tribunal Federal acrescentou, a esses dois casos, o de anencefalia). O Estatuto do Nascituro não altera o texto do Código Penal, ou seja, mantém o status atual do aborto realizado em caso de estupro.

Matar um feto por ser fruto de estupro equivale a matar a mulher por ter sido estuprada. A mulher, na maioria das vezes, não tem culpa. O feto não tem culpa alguma na totalidade das vezes.

Gostaria de lembrar à deputada e às feministas, que pregar/incitar o aborto é crime:

“(...)configura como crime “fazer publicamente apologia do aborto ou de quem o praticou, ou incitar publicamente sua prática”, crime punido com detenção de seis meses a um ano e multa. “Referir-se ao nascituro com palavras ou expressões manifestadamente depreciativas” também resultará em detenção, dessa vez de um a seis meses e multa.
http://www.criticasepensamentos.com/2013/07/estatuto-do-nascituro-bolsa-estupro.html

Anônimo disse...

Com certeza existem muitas (senão a maioria) da mulheres que não sabem dos seus direitos. Mas eu imagino também que há aquelas que sabem mas não procuram pelo serviço por vergonha, por medo da humilhação ou até mesmo de ser ferida por algum """""profissionxl""""" da saúde. Se a violência contra as parturientes já é comum e encarada como normal, eu imagino o que essas pobres criaturas não devem ser submetidas quando precisam de um aborto.

Quando eu penso na questão do aborto no Brasil, dá vontade de sentar e chorar.

Nina disse...

Acabei de divulgar no twitter o link desse post, Lola. E nem parece tão difícil assim abortar legalmente, já que basta ir a um hospital nas circunstâncias ditas pela lei.
Sobre o estado laico, lembro de uma criança de treze anos que engravidou do pai aqui em Salvador. Ela e a mãe foram EXCOMUNGADAS da Igreja Católica porque queriam abortar. E o pai, o principal agressor, sai ileso, não é?
Abraços.

Anônimo disse...

Dá licença que eu vou ali dar sem camisinha pro primeiro desconhecido que aparecer na minha frente, que eu estou em período fértil e acho que fazer um aborto deve ser uma experiência memorável pela qual toda mulher sonha em ter (e que os homens morrem de inveja por não poderem fazer).

Será que é mais ou menos isso que essas ostras pensam?

Anônimo disse...

O aborto deve ser legalizado, mas somente até décima segunda semana de gravidez. Após isso, é homicidio pra mim.

Sara disse...

anon 12.42hs penso a mesma coisa...Mas agradeço as informações passadas nesse post, eu já não corro risco de uma gestação indesejada, mas essas informações com certeza podem salvar muitas vidas de mulheres que de outra forma morreriam ao tentar o aborto em locais inadequados.
E no mais espero q muitas mulheres continuem se mobilizando para reivindicar que esse estatuto do nascituro seja abolido (e pra mim gostaria q seus autores fossem presos e jogassem a chave da cadeia fora).

Valéria Fernandes disse...

Educar, informar sobre a legislação existente não é APOLOGIA AO ABORTO. uma das coisas que os defensores do Estaturo do Nascituro desejam é que nos calemos sobre os direitos que já possuímos, é impedir que exista informação, é colocar-n@S tod@s em situação de acovardamento.

Anônimo disse...

Não tonteia, gato! Vai lavar uma louça! Tem nada pra fazer em casa, não? Vai pro tanque lavar tuas cuequinhas, vai...

Anônimo disse...

O que eles querem é que nos ferremos de todas as maneiras possíveis. Tá cheio de gente que acha que mulher não deve abortar nem se for estuprada. Quando o aborto de fetos anencéfalos foi liberado esse pessoal também era contra. São uns animais.

Patty Kirsche disse...

Puxa, muito bom saber! Temos que trazer a questão do aborto para o debate. É importante que todas nós conheçamos nossos direitos. Fiquei muito preocupada ao saber que o site women on web não tem conseguido ajudar as brasileiras. Existe uma intensa onda conservadora misógina tentando manter as vergonhosas 250 mortes anuais de mulheres vítimas de abortos inseguros.

Anônimo disse...

Não sei se consigo diferenciar o discurso "uso 15 métodos contraceptivos combinados e não engravido, então gravidez indesejada é coisa de quem não ser cuida o suficiente" do discurso "deu e engravidou? Bem feito! Saiu a noite e foi estuprada? Bem feito! Fez aborto e morreu? Bem feito!".
Explico pq tenho essa dificuldade: enquanto eu não quis engravidar, tomei ACO, mas esqueci várias vezes, e várias vezes parei de tomar pois estava sozinha e não pretendia fazer sexo.. Se acontecesse uma relação nessas ocasiões eu mereceria ser punida com uma gravidez? Fazer sexo uma vez (não discuto quantas vezes fulana transou sem proteção antes de engravidar, o número de relações necessárias para que ocorra uma gravidez todo mundo sabe) deve me fazer pagar com uma responsabilidade pra vida toda? Não entendo essa lógica. Mas parece ser a mesma das outras situações...
Sábado a noite, um segurança que trabalha com meu marido deixou o carro na rua. é um carro velhinho, mas é o que ele consegue ter. O carro foi roubado, não tinha antifurto nem alarme. E tava na rua. Se eu for seguir a lógica dessas pessoas que "se cuidam", ele mereceu, né? Sabia o risco, oras! É isso mesmo, gente?
Minha filha de dois anos é a razão do meu viver, foi muito desejada, mas eu não sabia nada do que seria ter um filho. Temos um gasto mensal de uns 900 reais com ela, entre assistência médica, fraldas, medicações contínuas, roupas, alimentação e a natação, que no caso dela não é luxo, é uma necessidade. Parei de trabalhar, pois o turno integral em uma escolhinha custa quase o que eu ganhava trabalhando! E não falaremos em creche comunitária, ou municipal, ok? Só eu sei o quanto é difícil uma vaga...
Deu pra entender o que é um filho? E tem muito mais, mas chega, né? Só pra constar, que a maior parte das pensoes alimentícias são estipuladas em valores próximos a 300 reais..
O CASTIGO POR "DAR" AINDA SE JUSTIFICA PRA VOCÊS?

Anônimo disse...

Paula das 12:10, desculpa mas esse discursinho de TV globo para classe média/ alta não cola.
Sou enfermeira de posto de saúde e sei bem o que ocorre, esse discurso machista: Ah mas não usou camisinha, e não tomou pílula pq não quis tem que se ferrar mesmo, pra mim isso é ridículo.
1º Pq existem pessoas bem miseráveis, do tipo que não sabe se vai ter comida hoje no prato pra ela e pros filhos; 2º esse negócio de falarem pra pegar camisinha e pilula anticoncepcional no posto é lúdico, muitas vezes não há remedio pra baixar a febre das crianças que chegam lá, imagine camisinha e pílula... 3º Já vi muito, e não 1 ou 2x camisinhas, pilulas anticoncepcionais e pilula do dia seguinte vencidas sendo entregues à população;
4º Grande parte desta população que tem "trocentos filhos" é analfabeta (eu não disse semi-alfabetizada, nem analfabeto funcional, eu disse claramente analfabeta) onde não tem instrução alguma, que pegam remedios (no caso das pilulas) e não sabem como tomar, ai vc me pergunta: Ah, mas vai dizer que não tem ninguém pra ensinar a tomar?
Lá vou enumerar novamente, 1º tem mulher dando a luz no chao do posto de saúde, pq geralmente estão superlotados e sem estrutura nenhuma, vc acha que vai ter alguem pra parar e explicar passo a passo a prevenção? 2º Como eu disse são pessoas analfabetas, nao tem escolaridade alguma, muitas vezes não entendem como tomar a medicação ou acabam esquecendo (fora a medicação vencida e em pessimas condiçoes que eu citei acima) 3º E os vizinhos destas pessoas tem o mesmo grau de analfabetismo que ela, então de quem é a culpa mesmo?
Muito facil falar quando você é alfabetizada, possui uma faculdade, ou no mínimo o ensino médio, e ganha razoavelmente pra se manter, que a culpa é dos pobres que fazem filho pra ter bolsa família, sendo que sequer viu como vivem, ou melhor em que condições sobrevivem estas pessoas.
Há gente desonesta em todas as profissões e classes sociais, então não venha jogar a culpa em pessoas pobres, e quanto a Rede Globo, é muito facil falar pra não abortar a criança por causa de mimimi religioso, mas quero ver mostrar os postos de saúde da periferia (principalmente do interior do Brasil), e os programas e medicamentos inexistentes para controle de natalidade, mas crucificar a mulher por querer abortar pq ela não conseguirá sustentar o filho, ahhhh isso ela faz muito bem!
Menos hipocrisia por favor!

Luisa disse...

Proponho às pessoas investidas em aprovar esse troço pavoroso que é esse Estatuto do Nacituro de investir seu tempo e dinheiro em coisas que realmente diminuiriam os índices de aborto no Brasil e deixariam todo mundo feliz e de quebra, ainda criariam um mundo melhor:

- Apoio financeiro e psicológico à futuras mães solteiras

- Leis e sistemas de adoção pra transformar toda gravidez indesejada no filme Juno

- Lutar contra o racismo, para que o item acima não sirva apenas para os bebês brancos

- Lutar contra a cultura de estupro, pra diminuir o número de gravidez indesejadas causadas pela violação do corpo de uma mulher por um homem que acredita que ela lhe 'deve' alguma coisa

- Apoiar e lutar por creches públicas e gratuitas, de boa qualidade e em todos os lugares necessários - todos os bairros, todas as escolas públicas, todas as faculdades públicas. Assim a mulher que tiver uma gravidez indesejada não vai precisar abrir mão de sua educação ou do seu ganha-pão para cuidar da criança.

- Educar seu filho a usar sempre camisinha. Sempre.

- Ajudar a desmistificar e dicotomia cruel santa-puta a que todas as mulheres são submetidas, para que não haja vergonha em uma possível gravidez, para que ninguém seja expulsa de casa ou 'fique falada' por ser uma vadia.

- Ajude a diminuir as dificuldades enfrentadas pelas mulheres, especialmente as mães solteiras. Um bebê não é um milagre que todos devem querer a qualquer custo? Venere a figura da mulher grávida. Dê emprego pra uma mãe solteira. Lute contra a violência do parto. Resumindo, traduzindo a meia boca um ditado popular da língua inglesa, 'coloque seu dinheiro onde está a sua boca' ou lute por aquilo que vc defende, mas de forma que funcione e não apenas dificulte a vida dos outros.

Enquanto nada disso acontece, vou ali divulgar esse post da Lola...

Lígia disse...

Thaís, segundo você, na maioria das vezes a mulher não tem culpa de ter sido estuprada.

Me ficou uma dúvida, você pode me explicar? Quando ela tem culpa?

Mariana. disse...

Felizmente eu já sabia de boa parte das informações disponibilizadas. O post é realmente ótimo e vou divulgá-lo. Utilidade pública!

A única coisa que ignorava é que existem um rol taxativo de hospitais públicos autorizados a realizar aborto legal. Jurava que qualquer hospital público estivesse obrigado a realizar o procedimento...

Bom, espero que isso mude, pois é realmente absurdo e serve apenas para restringir o exercício de um direito já garantido.

Aline disse...

Post de utilidade pública. Vou divulgar onde conseguir. Um beijo, Lola, e muito obrigada.

P. disse...

Ô, Thaís cabecinha de molusco,

não é crime porque essa legislação que vc citou aí (o estatuto do nascituro) ainda não é lei,e espero de todo o coração que nunca seja.

e, como alguém já perguntou, quando é que a mulher tem culpa de ser estuprada, minha filha? QUANDO?

acho que vc nem mulher é.

Aline disse...

Achei esse link:
http://www.defensoria.sp.gov.br/dpesp/Default.aspx?idPagina=3501

Que fala onde fazer aborto legal no estado de São Paulo.

paula disse...

ué onde foi que eu disse q sou rica,classe média? tb sou pobre e isso n é desculpa para ser irresponsável,vejo muita gente q tem condições de se precaver mas n faz e a desculpa q dão é pq sem camisinha é mais gostoso...

pq n tem marcha para acabar com a burocracia na hora de adotar,alguma campanha para o povo finalmente entender que tem q se prevenir sempre,marcha para mulher poder se operar para n ter filho a hora q quiser e n só depois de 25 anos ou se já tiver filho?ninguém faz,pq abortar é mais fácil.
é a mentalidade desse país, tapar o buraco com a peneira ao invés de resolver o problema.

Maria Valéria disse...

Lola

Fiquei um pouco confusa, pois pensei que essa obrigação de o SUS atender a vitima de estupro ja existisse faz tempo.Em São Paulo havia esses serviços, em Campinas tambem tem ( nao sei se em todos os hospitais)
E a orientação ,em posto de saúde, se recebesse um casos desses era de encaminhar pro hospital pra tomar coquetel anti HiV, pílula do dia seguinte ) essa poderia ser dada n próprio posto de saúde, inclusive) entao nao entendi, uma coisa que ja era nossa obrigação fazer virou LEI?
Ou todos os hospitais nao ofereciam o serviço e agora a lei manda que todos ofereçam? Juro, estou confusa...

Eu entendo perfeitamente que o medico possa se recusar a fazer um aborto ( mesmo o legal) por questões de consciência, sim, ele tem esse direito,
O que nao entendo e o medico ter essas restrições e ir trabalhar no sistema publico.Porque no publico, o paciente nao tem opção de escolher como no particular.e se o que ta ali e justo o que nao faz aborto, e a paciente precisa?? Vai ser obrigada a carregar um bebe na barriga , fruto de estupro?? Mas dai entra uma polemica que muitos médicos discordam e ate brigam comigo por isso: que pode fazer o procedimento que quiser, trabalhar onde quiser.eu discordo, se vc tem restrições e coisas que vc nao concorda em fazer, nao trabalhe no publico e sim no privado,porque ai seu paciente tem opção de escolher um outro se quiser, no publico nao,..
Mas , ok, se ainda assim o medico pode trabalhar no publico e ter restrições a procedimentos( e nao me refiro so a aborto legal, mas a pílula anticoncepcional e outras coisas que dão polemica porque tem medico que e contra e nao faz, nao prescreve), dai, sinto muito ,o serviço tem OBRIGAÇÃO de providenciar outro medico que faz .porque o paciente nao tem nada a ver com isso,
Em muitos serviços,por uma questão de coleguismo,de amizade, um colega faz pros pacientes de outro aquilo que o primeiro se recusa,ok, mas e se nao ha outro medico disponível pra fazer essa permuta??
Assisti um documentário " uma vida Severina" , que a coitada da mulher tem uma gestação de anecefalo,demora meses pra conseguir a autorização judicial pro aborto,e quando consegue, o medico que ta de plantão no hospital e contra o aborto e nao faz.depois de muita pendenga, acham um medico que aceita fazer o aborto mas dai outro juiz ja cassou a liminar....nossa, chorei muito quando vi esse filme, de ver a coitada da mulher comprando uma ÚNICA roupa pra vestir o bebe que ia nascer morto( porque ela nao ia enterrar o bebe de qualquer jeito), de ver a omissão do estado de nao providenciar outro medico que fizesse o aborto pra mulher náquele dia, porque o único que estava de plantão era contra e nao fazia,
Obs: esse filme, baseado em fatos reais, fiquei mal, arrepiada de como as pessoas são insensíveis e acham que nao e nada carregar um filho nove meses na barriga sabendo que ele vai nascer morto....
Enfim, esse assunto da muita polemica entre os próprios médicos e da muito pano pra manga,
Eu sou mais chata nesse ponto, acho que se vc escolheu trabalhar em serviço publico, que concorde em fazer tudo, mas ainda assim, o estado podia pelo menos ter a capacidade de providenciar outro que faz no seu lugar, afinal pacientes dos SUS nao podem se dar o luxo de escolher por quem estão atendidas,
Beijos

@dddrocha disse...

Ótimo post, Lola.
Agora tenho uma referência de informações.

Lara Rodrigues disse...

Esse vídeo do site do Drauzio Varella fala mais sobre o assunto:
http://drauziovarella.com.br/audios-videos/medicos-e-a-questao-do-aborto/

Aline disse...

Não acredito que li alguém dizer que "abortar é mais fácil".
Provavelmente a pessoa que disse isso não tem a minima ideia de como é um aborto...

É muito mais fácil prevenir, é infinitamente mais fácil.
Com relação a lutas por laqueadura, facilidade em adoções, elas existem...

Mas não é essa a questão!

Fernando Borges disse...

Lola, eu escrevi um post enumerando alguns dos principais argumentos utilizados contra o aborto (não concordo com nenhum deles) e no final do texto eu deixei alguns dados que julguei bastante interessantes, sobre a opinião dos médicos sobre o assunto e expondo vários dados que consegui em artigos e pesquisas (todos devidamente citados), como por exemplo: "8,8% dos médicos ginecologistas obstetras entrevistados [na pesquisa] sentem raiva da mulher quando atendem um caso de aborto", "26% acreditavam ser necessário o consentimento do marido para que o aborto pudesse ser feito", entre outros.

Se importa se eu deixar o link do post aqui?

http://www.reflexaogeral.blogspot.com.br/2012/12/aborto-argumentos-contra.html

Claudia disse...

Paula,
mesmo que se faça mil campanhas de educação sexual, mesmo que a laqueadura seja liberada em qualquer circunstância, mesmo que anticoncepcionais e camisinhas fossem distribuídos fartamente nos postos de saúde desse Brasil, mesmo assim seria um direito da mulher realizar um aborto se fosse da sua vontade. Com certeza com todos essas medidas o número de abortos diminuiria, mas continuaria ser (deveria ser, pelo menos) direito de toda mulher escolher interromper a sua gravidez ou não. Isso é sobre autonomia e direitos reprodutivos. Por que é tão difícil de entender?

Bruna Souza disse...

Falta de empatia é oq n falta pra esses alienados de plantao. Tenham mais consciencia gente!
eu tenho mt revolta pelos dogmas escravocatas da igreja cat., pq minha mae abprtou aos 17 e vivia louca pra ter um filhp pra ver "se Deus me perdoa". Eu n aceeditei nisso... serio. É a gota d'água.

Maria Valéria disse...

E nao precisa mesmo de BO para comprovar estupro nao, basta a palavra da mulher,claro que ela vai passar por uma avaliação multidisciplinar, com psicólogo, inclusive,
E para quem achou que tem gente que vai ' fazer a festa' e mentir que foi estuprada pra conseguir o aborto legal?
Bom, quando a mulher solicita o aborto legal, ela assina um termo omde diz estar ciente de que se tiver mentido sobre o estupro, quem vai responder pelo aborto ( e por falsidade ideológica) vai ser ela, e nao o medico que fez o aborto,
Dai, se mais pra frente aparecer um fulano dizendo " sou o pai e vocês assassinaram meu filho" , basta o medico mostrar pra ele a declaração que ela assinou , dizendo ter sido estuprada, dizendo estar ciente das penas previstas para falsidade ideologica, e que o medico nao tem nada a ver com isso,
Dai os dois que se entendam( a mulher e o ' pai')
Ainda assim, acho n mínimo esquisito imaginar que alguém ira mentir pra ' fazer a festa' , pois como varias disseram ai em cima, fazer aborto nao deve ser gostoso....
Pode ate ser que tenha alguém que minta? Olha nao consigo imaginar que alguém invente um estupro pra conseguir abortar ..a pessoa vai passar por avaliação multiprofissional, por psicólogo, pra mentir assim e enganar todo mundo sem cair em contradição s se for muito boa atriz,,,.olha, Lola,duvido!!

Anônimo disse...

Tem gente que acha que filho é castigo, é "tem que se ferrar mesmo" e ainda disse que são pró-vida...

Anônimo disse...

nossa...ter camisinha sem ser cedido pelo governo é impossível mesmo,tem umas q custam 2 reais!! só rico pode comprar!

Anônimo disse...

3 coisas:

1. Abortamento no Brasil é crime SEMPRE. Mesmo em caso de estupro e risco de vida à gestante. A lei não fala "não é crime" e sim "não se pune". Alguém pode dizer que na prática é como dizer que não é crime, mas isso simplesmente não é verdade e provo: em MUITOS lugares do Brasil, especialmente aqueles que não dispõem de centros especializados em atendimento às vítimas de violência sexual, lugares esses muito numerosos, ainda se exige ALVARÁ para a realização da prática. Alvará esse que costuma ser concedido tardiamente, diga-se.

Alvará, em dizeres absurdamente básicos, é a autorização que o juiz dá pra você fazer uma coisa q a rigor, não poderia.

2. Caso alguém tenha provocado um aborto usando citotec dissolvido debaixo da língua ou na bochecha, por exemplo, a pessoa pode tranquilamente procurar o serviço de saúde. Vou repetir: pode procurar TRANQUILAMENTE o serviço de saúde. Acontece que ninguém é obrigado a produzir prova contra si mesmo e o comprimido dissolvido na bochecha ou debaixo da língua não vai deixar nenhum vestígio na região endovaginal, que é onde os médicos vão mexer. Jamais confesse que provocou aborto, diga sempre que foi espontâneo. E a pessoa não é obrigada a ceder material para NENHUM tipo de exame. Chame a polícia caso seja negado atendimento, não tem nada a se temer. Omissão de socorro é bem pior.

3. Na remota hipótese de uma mulher chegar a ir ao tribunal do juri responder pelo crime contra a vida de aborto provocado em si mesma ou consentido, saibam que para haver aborto, é necessário que o feto esteja vivo em primeiro lugar. Parece óbvio? Então presta atenção:

Se o feto estiver MORTO, não é aborto provocado, logo, não é crime.

Agora, como que se prova que o feto estava vivo no momento da realização do aborto? Existe um exame bem primitivo pra isso: a existência ou não de ar nos pulmões.

Então me digam com que vai ser provado que um feto estava vivo anteriormente se ele nunca respirou?

Agora imagine essa situação em um feto de 2-3 meses, que é quando a maioria dos abortos acontecem.

Isso sem contar que o feto, a essa altura, já foi pro esgoto faz tempo.

O Direito Penal só trabalha com certeza e não dúvida. Em havendo dúvida, imperiosa é a absolvição.

Portanto, JAMAIS ACEITEM qualquer forma de "acordo" para evitar o tribunal do juri. O Estado que prove que aquele feto estava vivo e que você praticou o aborto.

Como se vê, o maior problema do aborto-crime não é o que acontece quando vira processo judicial, mas sim o antes. A omissão de socorro, o citotec falso, os estelionatários, as ervas, o arame quente. Daí ser tão necessária a sua legalização.

Abraços a todos.

patricia. disse...

Muito bom o post,Lola!Obrigada:))

Acho deplorável a autonomia que a igreja tem a respeito de assuntos que não lhe diz respeito.O estado é laico, quem é contra abortar porque a religião não permite,é simples,não faz aborto.

É inacreditável também o descaso com que as mulheres são tratadas quando decidem abortar.Não posso comprovar a veracidade,mas já escutei da boca de um médico que quando vai fazer a coletagem em caso de aborto intencional,não aplica anestesia.

E Thais, ninguém aqui está fazendo apologia ao aborto, apenas discutindo uma questão de saúde pública e que deveria ser um direito nosso.
Acredite, nenhuma de nós sai por aí incentivando mulheres a abortar e prometendo um chocolate depois do procedimento.

E quanto a abortar ser o equivalente a matar a mulher que foi estuprada, com a culpabilização da vítima acontecendo aí a torto e a direita, não ta muito difícil de acontecer.
E por Zeus(sorry,Lola,roubei rs),em que situação a mulher é a culpada pelo estupro?Te alui, criatura!

Maria Valéria disse...

Tem vários países desenvolvidos omde o aborto e legalizado( na Europa a maioria e assim) , e mesmo assim as mulheres lá engravidam sem querer e abortam quando nao desejam a gravidez,
Isso escuto de amigas minhas que vivem na Europa.( Holanda, por exemplo)

Entao nao procede o argumento de que no Brasil as mulheres engravidam por falta de informação, por ser pais de terceiro mundo, etc.
Lá na Europa , em países desenvolvidos isso tambem acontece, pode ser que seja em menor grau que no Brasil, mas acontece.( nao sei dizer os números exatos e estatísticas )
Nao se engravida somente por descuido, por falta de informação ou porque o Brasil e subdesenvolvido,se fosse assim as mulheres européias nao engravidariam sem querer, e lá o aborto nao seria legalizado,alias, nao seria necessário, porque todas seriam " cuidadosas"
O buraco e mais embaixo..
;)
Beijos

Marilia disse...

Ótimo post, de utilidade pública. Precisamos começar a divulgar mais esse tipo de informação.
Não é justo que nos podem os parcos direitos ao aborto que ainda existem.

Fora isso, me toquei com esse site: http://somostodasclandestinas.wordpress.com/

ele agrupa relatos de mulheres que fizeram abortos clandestinos, tanto em clínicas equipadas como em condições precárias.
Me marcou um dos relatos em que a enfermeira tentou ajudar a moça, mudando o prontuário e dizendo pra ela jamais admitir pro médico que tinha causado o aborto, pois ele a deixaria sangrar até morrer ali mesmo.

Pra mim, chegou num ponto que ser contra o aborto dos outros só pode ser questão de falta de conhecimento ou pura má fé, mesmo.

M. disse...


Sou estudante de Direito e estagiei na Defensoria Pública e tive a oportunidade de ter contato com alguns casos de aborto legal. Eram casos em que a malformação, que inviabilizava a vida extrauterina (as que eu me lembro mais especificamente era a ausência de líquido amniótico e a encefalocele, mas talvez alguém da medicina possa explicar melhor. Esse tipo de malformação só era diagnosticável a partir de um estágio mais avançado da gestação.

Nesses casos, é necessária a concessão de um alvará por um juiz para a realização do procedimento. O problema é que tem juízes de primeiro grau que simplesmente se recusam a dar essa autorização, e aí é preciso entrar com um Mandado de Segurança, para que o Tribunal de Justiça (segunda instância) aprecie a decisão. Como o judiciário é lento, não era incomum que não desse tempo pra realizar o procedimento. Tivemos muitos casos em que a decisão de segunda instância autorizando a realização do aborto do saísse quando a mulher já tinha parido e o feto já tinha (conforme os médicos já tinham alertado) morrido poucas horas depois dos casos.

Por isso, acho importante que as mulheres que se encontrarem nessas difíceis situações saibam como fazer valer seus direitos da forma mais célere possível. Eu recomendo que quem precisar do aborto legal e encontrar qualquer entrave à sua realização recorra imediatamente à defensoria pública.

No link abaixo tem os telefones e endereços das unidades da defensoria pública em todo o Brasil

http://www.anadep.org.br/wtk/pagina/defensorias_nacionais

Anônimo disse...

Paula, eu acho que está faltando interpretação! Leia atentamente onde eu disse: que é um discurso da Globo classe média/alta (não disse q vc era, mas sim o DISCURSO, entendeu?)
E eu em momento nenhum disse que só pobre faz aborto, eu disse dos casos em que EU trabalho todos os dias com pessoas miseráveis, que mal tem um pão pra colocar na boca de seus filhos! Isso serve pro super inteligente que disse q camisinha custa R$2,00 e que todo mundo pode comprar, desculpa aê mas se estas pessoas miseráveis das quais eu falei tivessem R$2,00 ela com certeza gastariam em comida, coisa que a pessoa que disse isso não tem a mínima idéia do que eu estou falando, não é?
Quanto à adoção, tem bastante burocracia sim, mas se não tivesse, seria igual no Haiti ou em lugares pobres do Leste Europeu onde crianças são vendidas por "orfanatos" para serem escravas sexuais, mulas de drogas ou para a retirada de orgãos, esse seu mundinho colorido onde tudo é facilmente resolvido não existe!
Segundo, a mulher tem o direito de ter os filhos dela quiser e quando quiser, não é você que vai ter o direito sobre o corpo dela; afinal ninguém chegou em vc dizendo que só quando vc tiver determinada idade, ou posição social (digo em quantidade de dinheiro) vc poderia ter um filho.
Terceiro, para fazer laqueadura e vasectomia é um procedimento cirurgico mais complicado que o aborto (não estou dizendo que realizar o aborto não seja complexo, e sim que estas cirurgias que citei demandam maior complexidade e que a rede pública mal têm centro cirúrgico para operar casos urgentes o que dirá uma laqueadura/vasectomia?).
As vezes, parece que as pessoas acham que os que dependem da rede pública de saúde (digo os mais pobrem) devam ser tratados igual gado, "vc vai lá e castra pra não me dar mais problema", "é só não transar que vc não tem filho", "ah esse povo exige demais", "a mulher teve o filho no chão do hospital? Bem feito, quem mandou ter filho se não tinha dinheiro pra criar", "ah abortou e morreu? Bem feito quem mandou ser uma vagabunda? Na hora de virar o zóinho tava bom né?", parece que só rico tem o direito de querer ter filhos ou não!
Cada vez mais vejo nossa espécie menos humana!
Letizia - enfermeira

@vbfri disse...

Eu passo mal cada vez que sai um post sobre aborto. Primeiro porque foi o tema do meu trabalho de conclusão de curso, segundo porque os argumentos contra são sempre os mesmos. A mesma ladainha que "é uma vida" e que "bla, bla, bla, a mulher vai usar isso como método contraceptivo, bla, bla, bla, whiskas sachê".
Primeiro que ninguém acha legal fazer aborto. Não é assim, uma limpeza de pele. Não é bacana. NÃO É FÁCIL.
Segundo que "mimimi era só se prevenir", é um argumento falho, já que existe aborto na Suíça, no Japão, nos EUA. E lá eles têm 450 mil vezes mais condições de prevenção do que a gente.
Ah, tem o argumento (sempre tem o argumento) de que se legalizar, vai virar a festa da paçoca. Tipo, TODO MUNDO vai querer abortar...Porque é super desejo de TODO MUNDO passar por isso.
Aborto vai virar uma OBRIGAÇÃO. Vamos colocar TODAS as mulheres grávidas para abortar.
Ah, gente... pensa um pouco. Por favorzinho.
Quando fiz meu trabalho (em 2002, 2003), os dados eram claros. EUA, com população de 220M teve em 2001 (acho que foi esse o ano que usei como referência) 800 mil abortos. O Brasil, com população em torno de 180M teve UM MILHÃO E SEISCENTOS MIL, ou seja, O DOBRO.
Aí "bem feito" se a mulher morre, né? Culpa dela, né?
E me diz o que fazer com os filhos que ela deixa para trás. Muitas vezes sem um pai.
Ahhh, coloca pra adoção? Você adotaria uma criança de 10 anos? De 15?
Ah, "mimimi, mas ela fez porque quis".
Cara, sério? Num país em que os médicos NÃO EXPLICAM como usar pílula?
Já ouvi de mulher que engravidou porque achava que pílula era tipo remédio pra dor de cabeça. Você só precisa tomar quando vai transar. Aí dá um pro marido.
Aí a minha ex faxineira, com dois filhos (que ela PLANEJOU) quis fazer a laqueadura. Ela é uma pessoa super consciente de tudo e tinha uns 20 e poucos anos. Os médicos não quiseram.
O marido, claro, que não queria que tocassem na "masculinidade" dele.
Aí ela tem que ficar tomando pílula, que é cara (as com menos efeitos colaterais custam em torno de 40 reais), sendo que poderia ter resolvido tudo isso na hora do parto do filho mais novo.
Cansa explicar o óbvio, mas vamos lá.
Pensa na bruxa que engravidou sem querer e foi num açougueiro abortar. Aí ela morre (o aborto é uma das maiores causas de morte materna). E ela já tinha 5 filhos e o marido a largou e sumiu no mundo nesta gestação.
Ela estava sozinha, desamparada e DESESPERADA.
E morreu.
As crianças tem entre 4 e 12 anos (inadotáveis).
O pai, se e quando encontrado, não quer saber.
O que vamos fazer? A igreja cuida? Você cuida?
Afinal essas crianças, VIVAS, não tem culpa do "crime" da mãe. Ou tem?
Elas "MERECEM" pagar pelo que a mãe fez?
O feto, eu sei, vocês acham que é um ANJO INOCENTE. Bem, essas crianças também. Todas elas são anjos inocentes.
Aí vamos, então, separar os irmãos, jogar um na casa de cada familiar, que talvez odeiem essas crianças, muitas vezes abusando fisica e sexualmente delas.
Legal, né?
Não vou nem entrar no mérito de que as escolas públicas são uma vergonha, a saúde também e creche pública é um sonho.
E para quem acha que adoção é tudo de lindo e super perfeito e fácil pra caramba, digo logo: NÃO É.
É burocrático. É demorado. E uma criança, ainda que voluntariamente entregue para adoção, muitas vezes não é adotada.
Tem mais gente querendo adotar do que criança disponível para adoção. E essas duas filas não se encontram, sabem por quê? Porque os futuros papais querem crianças pequenas (até 3 anos no MÁXIMO), brancas e do sexo feminino e SAUDÁVEL. nãoNum país de maioria parda, ainda mais nas camadas mais pobres, não é exatamente o bebê johnson que vai para adoção.
Será que entro no mérito de mulheres que sofreram abortos ESPONTÂNEOS e foram desesperadas para o hospital público e, lá chegando, foram HUMILHADAS por médicxs e enfermeirxs que achavam que, por elas serem pobres, tinham tomado abortivo? E fizeram CURETAGEM SEM ANESTESIA?
Tapar o sol com a peneira é achar que, porque é proibido, o aborto não vai acontecer...

Anônimo disse...

Não quer ter filho não faça sexo.
Fez sexo e ficou grávida? Assuma o filho.

lola aronovich disse...

Anon das 11:07, seu comentário já seria muito idiota se estivéssemos falando de aborto não-previsto por lei. Vc realmente quer me convencer com o seu “Não quer ter filho não faça sexo” que as pessoas só fazem sexo pra efeito de reprodução? Quem mais acredita nisso, além de vc e do papa?
Imagino que vc só repita essa frase sem sentido em qualquer post na internet com a palavra “aborto”. Mas olha só, este post fala de realizar aborto em caso de estupro. Parece que nesse caso a mulher não teve muita escolha de “não faça sexo”. Agora vamos falar no outro caso em que o aborto é autorizado: quando a gravidez representa risco de vida pra mulher. Aí também é questão de “assumir o filho”? Mesmo que ele muito provavelmente não nascerá? E a mulher pode morrer? E tem o caso de feto anencéfalo, em que o bebê, por não ter cérebro, nasce morto, ou sobrevive poucas horas após o parto. Como “assumir o filho”? Sério, troll, pense uns dois segundos antes de escrever besteira.

Sara disse...

@vbfri perfeito seu comentário, é indesculpável sob qualquer aspecto que ainda tenha tanta gente que não mede nenhuma consequência antes de botar o dedo acusador encima de uma mulher que usa esse último recurso do aborto para não tornar sua vida ainda mais miserável pra ela e para seus filhos.

@vbfri disse...

Sara, cansa! Juro... Porque enquanto a galera tá discutindo se um amontoado de células é uma vida, tem um montão de gente sofrendo de verdade, morrendo de verdade, com crianças ficando órfãs de verdade.
EU como pessoa, por convicção religiosa MINHA, sou CONTRA o aborto. Só que eu não posso impor a MINHA convicção PESSOAL sobre uma pessoa que está num momento assim.
Agora, se EU fosse estuprada, a primeira providência MINHA seria comprar a pílula do dia seguinte |(antes que venham me falar que é abortiva, NÃO É. É contraceptiva. Leiam a bula). Antes de BO, antes de falar com a minha ginecologista, antes de qualquer coisa dessas. Se eu engravidasse mesmo assim, não sei o que eu faria.
Então, quem sou eu para dar pitaco? E se estivesse grávida de um anencéfalo? E se estivesse correndo risco de vida? E se, e se, e se? Sei lá.
Convicção religiosa também é assim... Na teoria é muito bonitinho. Na prática, é sempre outra história.
No fim das contas, é muito confortável ser contra o aborto quando não se analisa a situação concreta.
O que a galera "pró-vida-do-feto-a-mãe-que-morra" parece não entender é que citotec não é aspirina. Aborto medicamentoso não é menstruação. Não é fácil. Não é indolor. Não é "tomou doril, a dor sumiu".
NENHUMA PESSOA em sã consciência QUER abortar. Aborto (seja provocado por medicamento, seja espontâneo, seja legal, seja ilegal) não é como ir à manicure. Não é como se depilar. Você não acorda um dia e pensa "nooossa, não quero mais estar grávida, vou abortar." O sofrimento de quem passa por um aborto é inenarrável. A decisão de abortar é, provavelmente, uma das mais difíceis que uma mulher pode tomar.
Já ouço o "mimimimimi e o direito do pai?"
Foi mal aí, galerinha machista... Mas esse é O ÚNICO caso que, na boa, f*d*-se o direito do "pai". O dia que der pra implantar um embrião no corpo do homem (tipo em Júnior), a gente conversa. Ou quando desenvolverem um útero artificial.
Analisem 100 mulheres que fizeram aborto. Conversem com elas. Escutem e tentem não julgar. Vejam o que estava passando na cabeça delas quando elas tomaram essa decisão. Aprendam. Garanto que a esmagadora maioria vai falar que foi uma decisão sofrida. QUALQUER que seja a situação.
As mulheres que abortam não são monstros desumanos. Elas não usam aborto como método contraceptivo. Elas não querem "se vingar" dos homens.
Parem de tratar, por favor, aborto como algo fácil para a mulher porque NÃO É. Parem de tratar tomar citotec como tomar aspirina. Não é.
Coloquem as coisas em seus devidos lugares.
A legalização do aborto (caso um dia ocorra) só vai trazer UMA coisa: a redução na mortalidade materna.
O número de abortos, inclusive, tende a DIMINUIR. Vejam os países onde o aborto é legalizado.
O aborto legal ou ilegal existe. Em países onde é proibido abortar, as pessoas abortam.
Tapar o sol com a peneira é negar a existência de MILHÕES de mulheres que abortam TODOS os anos.
"Mimimi", não é só prevenir. Não é só "não fazer sexo". Não é só "ser responsável".
E pra quem aí falou de abstinência: que bom que isso funciona pra você. Pratique isso. Os seres humanos saudáveis, abstinência não é bem uma opção.
Aliás, alguns estados dos EUA adotaram essa "brilhante ideia" de divulgar a abstinência nas escolas públicas. Aumentou o índice de gravidez precoce JUSTAMENTE nesses estados.
Taí a definição de tapar o sol com a peneira.

@vbfri disse...

Letizia, só vi seu comentário agora. Perfeito. Bom ter uma visão de alguém da área da saúde. Pobre é tratado como gado.
Aliás, acredito que pra muita gente uma das grandes soluções seria 'esconder' os pobres.
Acho que tem uma tirinha da Mafalda falando sobre isso. Quem tem?

Anônimo disse...

@vbrfri E não é verdade? Todo mundo trata pobre como bicho que deva ser castrado (à facão de preferência, pra que gastar centro cirúrgico e anestesia com pobre?), que não têm que ter autonomia de quando e quantos filhos devam ter, e se morrer... é só mais um!
Adorei seu texto, é a mais pura verdade; na prática só ir diretamente no hospital/posto de saúde tomar os coqueteis e pilula do dia seguinte, às vezes o médico nao quer nem saber, ele só ministra a medicação mediante ao B.O. e o laudo do exame de Corpo de Delito.
E outra as pessoas não sabem as barbaridades que vemos todos os dias, crianças que são estupradas por pais, irmãos, avôs, tios... que engravidam, pois são coagidas pelo agressor à não contar nada à ninguém, ficam grávidas e o entrave judicial para as mesmas abortarem acaba por fazê-las parir o filho do agressor (pai,avô,irmão...), e te garanto com toda a certeza que vai criar essa(s) criança(s) (filho provindo do estupro e a criança que pariu outra) não são os pró-vida, nem a igreja, nem o estado que não fez nada pra impedir, nem o agressor...
Letizia

Anônimo disse...

Letizia,
é desumano. O aborto é feito de forma digna apenas em clínicas clandestinas caríssimas. Ou seja, só rico é tratado como gente.
Em tempo: acho que todos deveriam conhecer o trabalho da Débora Diniz antes de criticar o aborto. Sou fã.
@vbfri (celular não loga, argh)

Anônimo disse...

"As pessoas só fazem sexo pra efeito de reprodução?"
- E por que vc acha q existe o sexo? Qual é a função biológica do sexo? Como vc acha q vc nasceu?

Anônimo disse...

anon 18:05 nós estamos tentando discutir um assunto sério aqui, kct.
Sai fora!

Anônimo disse...

Ainda sou obrigada a ouvir que existe aborto seguro... ABORTO SEGURO NÃO EXISTE! LEIAM OS RELATÓRIOS DA ONU SOBRE OS PAÍSES QUE LEGALIZARAM O ABORTO! A mortalidade das mulheres caiu muito pouco e os prejuízos à saúde das mulheres foram grandes. Além disso, o nosso direito termina quando começa o direito do outro. A criança tem que ter o direito de viver, ao menos que ponha em risco a vida da mãe. Fico muito triste quando vejo mulheres, que são as guardiãs da vida, defenderem esse ato tão desumano e covarde.

Anônimo disse...

Concordo com a Paula.

A.A disse...

Eu fui estuprada.
Dois meses depois abortei espontaneamente, foi horrível. Fiquei com muita dor.
Um dos Médicos(de um hospital particular) ficou insinuando que tinha sido de propósito. Eu tinha 18 anos recém feitos(a menos de uma semana).
Dói, muito. Eu nunca mais quero fazer um aborto. Nunca mais fiquei grávida(outra coisa que não quero).
Quero adotar uma criança, já maiorzinha, sem exigências, quando eu tiver condições.
Um aborto é ruim, péssimo.
EU fiquei com medo de morrer, fiquei me sentindo culpada por ter desejado abortar, afinal, na minha cabeça, o filho de um monstro só seria ruim pra mim.
Essa culpa católica, terrível.
Nunca penso nisso. Nunca penso na idade que teria hoje, nem no rostinho.
Foi a melhor coisa que aconteceu.
Eu preferia não ter ficado grávida, odiei passar por um aborto, não quero passar por isso nunca mais, mas se acontecer, eu quero sim ter direito de escolher...

Camila disse...

Engraçado essa lógica de que mulher só foi feita pra ser mãe/reproduzir. Voltem pra 5ª série e aprendam sobre biologia. O clítoris, na mulher, só está alí para propiciar prazer.

Maria Valéria disse...

Concordo com todos os argumentos da @ vbfri

E juro que nao sabia que o atendimento medico pra vitima de violência sexual estava tao desumano,...


Fico triste em saber que tenho colegas assim...:/

Aqui em Campinas tem o CAISM que faz esse tipo de atendimento, mas nao sei se em atendimento lá e bom ou nao,

E Camila, esse comentário sobre o clitoris foi perfeito....!!! Rsrsrsr mas tem marmanjo que acha que so o ' brinquedinho' deles foi feito pro prazer ( deles, evidentemente, nao o nosso)
:

Anônimo disse...

Anon 18:05
Já que vc está "biologicamente" falando, pq então temos pontos sensiveis que nos levam ao orgasmo/prazer se a finalidade do sexo/genitálias somente estão aí pra reprodução? Ao fazer sexo com a seu/sua parceirx se vc gozar já está fazendo errado!

Anon 20:15
Engraçado vcs só lembram (convenientemente) que a mulher é a grande detentora da vida quando a mesma quer ter direitos sobre o seu próprio útero. Mas qdo são estupradas, espancadas, humilhadas (com cantadas na rua/ palavras de baixo calão/ mostrando suas genitálias) aí ninguém faz questão de lembrar disso né? Engraçado como a pimenta nos olhos dos outros sempre soa refrescante...
Vc quer um bom dado da ONU? Veja esse: http://www.un.org/esa/population/publications/2011abortion/2011wallchart.pdf
Caso vc nao saiba interpretar tabelas, eu te digo, aqui mostra quanto maior a permissão de aborto (com causas que vão desde risco de vida para a mãe até dificuldades financeiras), menor é a taxa de morte materna. Ou seja, não é proibindo o aborto que vc vai conseguir as taxas, vc só aumenta o número de mortes, ao invés de 1 vc perde 2 vidas, se vida e tão importante pra vcs o saldo só está sendo negativo cada vez mais.
Outra informação que vc pode retirar desta tabela é que quanto mais permissivo o pais é quanto ao aborto, menor são as taxas de mulheres que abortam (Vide America Latina com altas taxas [+30%] de aborto e pouco permissivo - somente casos de riscos de vida da mãe/ estupro /má formação fetal - e na Europa onde o aborto e permitido em qualquer situaçao é a taxa mais baixa do planeta [6%], portanto aqui derrubo todos os seus (e dos pró-vida) argumentos! Sem mais!
Letizia

Fabio B disse...

Letizia

Aconselho a ler esta matéria
http://www.sciencedaily.com/releases/2012/05/120510141909.htm

Ou o próprio artigo de pesquisa do Dr. Elard Koch. Como você sabe bem interpretar tabelas e gráficos lá tem bastante para seu divertimento.

Resumidamente, o que é dito no artigo, é que o aumento do nível de educação, além de melhores acessos a serviços de saúde materna diminuem as taxas de mortalidade materna.

E que a redução da mortalidade, não está ligado ao status legal do aborto.


Dr. Elard Koch foi feliz em seu artigo e muito importante para a comunidade médica.

É interessante verificar as provas de que a proibição do aborto não aumenta a mortalidade materna. Mas até aconteceu ao contrário. A mortalidade materna no Chile diminuiu após o aborto tornou-se ilegal.

Fabio B disse...

Lola diz Digo ainda porque, se o nefasto Estatuto do Nascituro for aprovado, aí caixão: o aborto será proibido em todos os casos, ou dependerá da decisão do juiz caso a caso.



Errado Lola
Art. 13. O nascituro concebido em decorrência de estupro terá assegurado os seguintes direitos, ressalvados o disposto no Art. 128 do Código Penal Brasileiro:


O Estaturo do Nascituro não muda em nada a lei antiga.

Engraçado que insistem nisso.

@vbfri disse...

@ Anon 20:15
"Ainda sou obrigada a ouvir que existe aborto seguro... ABORTO SEGURO NÃO EXISTE! LEIAM OS RELATÓRIOS DA ONU SOBRE OS PAÍSES QUE LEGALIZARAM O ABORTO! "
---
Nenhuma cirurgia é 100% segura. Mas VAMOS COMBINAR uma coisa?
Uma coisa é abortar num hospital/clínica, com todo o aparato. OUTRA COISA é abortar num quarto fétido, escuro, com um CABIDE.
Então, vamos dizer que, legalizando o aborto, fica MAIS seguro. MENOS mulheres vão morrer.
Quanto aos relatórios da ONU, peloamordetodasasdeidades, LEIA VOCÊ. Eu li. A Maria Valéria leu. A Letizia leu.
Você, aparentemente, não leu.
A propósito, parto normal MATA. Cesárea MATA. Mas são riscos beeeeeem menores do que um aborto realizado usando cabide. Ou cytotec.
Ainda essa... Pessoa vem dizer que "não existe aborto seguro" como se abortar num açougueiro oferecesse O MESMO risco de abortar num hospital. Com UTI. E médicos.

@vbfri disse...

Relendo os meus comentários anteriores, acho (ACHO) que só dá pra ficar mais claro se eu desenhar.
--
Se o Brasil fosse laico de verdade, o aborto seria permitido até a 12a semana de gestação, mais ou menos.
Vou explicar CIENTIFICAMENTE.
Maria Valéria, me corrija se eu estiver errada.
Seguinte: O contrário de vida é o que? Morte, certo? Se algo está morto é porque cessou a vida, correto?
Qual é o conceito de morte Médico-Legal? A morte cerebral. Correto?
Vejam a Lei 9.434/97.
É na morte cerebral que cessou a vida e é permitida a doação de órgãos.
Se a vida ACABA quando o cérebro PARA de funcionar, olha que lógica bacana: a vida COMEÇA quando o cérebro COMEÇA a funcionar.
E quando isso ocorre?
Aproximadamente na 12a semana de gestação.
Antes disso, é um amontoado de células. Não é um bebê. Não é uma criança. Não é um ser humano.
Se VOCÊ acredita que um feto com menos de 12 semanas tem uma alma, tem vida, tem sentimentos, sensações, etc, VOCÊ NÃO TEM EMBASAMENTO CIENTÍFICO. O que você tem é FÉ. É CRENÇA.
Se VOCÊ acredita que ESSA vida é sagrada, NÃO ABORTE. Ponto.
Agora, POR FAVOR, tire a SUA crença, a SUA fé, do útero das outras.
Se você acha que porque o CORAÇÃO está batendo, há vida, então NÃO DOE ÓRGÃOS. Os órgãos só podem ser doados (em sua grande maioria) enquanto O CORAÇÃO BATE. A morte é CEREBRAL. Se VOCÊ acha que enquanto o coração estiver batendo, Deus poderá intervir com um milagre, beleza. SEJA CONTRA a doação de órgãos (e, caso precise, NÃO FAÇA).
Agora, a CIÊNCIA e a LEI já estabeleceram que a MORTE = MORTE CEREBRAL.
Só não tiveram a coragem de dizer que a VIDA = ATIVIDADE CEREBRAL.
É tão difícil assim?

@vbfri disse...

Da página da World Health Organization - OMS (http://www.who.int/reproductivehealth/topics/unsafe_abortion/en/):
An estimated 21.6 million unsafe abortions took place worldwide in 2008, almost all in developing countries. These unsafe abortions are carried out by untrained persons under poor hygiene conditions. Deaths due to unsafe abortion remain close to 13% of all maternal deaths
-
Minha tradução:
Estima-se que 21.6 milhões de abortos inseguros forão realizados em 2008. Quase todos em países em desenvolvimento. Esses abortos foram feitos por pessoas sem treinamento em condições precárias. As mortes causadas por aborto inseguro fica próximo de 13% das mortes maternas.
--
Isso está na PRIMEIRA página. Aí tem um link para a dimensão do problema.
Sei não... Mas a OMS tá engajada em acabar com o aborto ilegal. Chama isso de caso de saúde pública.
---

@vbfri disse...

*FORAM realizados.
*"As mortes causadas por aborto insegro representam aproximadamente 13%..."
Foi mal aí.

@vbfri disse...

Fabio,

Umn dos problemas de se proibir o aborto é que os médicos acabam não atestando o óbito materno como causado pelo aborto. Colocam outra coisa, como "falência múltipla de órgãos", ou "hemorragia".

Num artigo de um site CATÓLICO, um dos parágrafos sobre esse "estudo" que você citou diz o seguinte:

"The Guttmacher Institute contended that the abortion numbers drawn from Chile's vital registration system were more unreliable after the procedure was banned. It said that abortion as a cause of death is often misreported or under-reported in countries where the procedure is illegal. It said data sources such as surveys of women and surveys of health professionals are needed to measure the consequences of “unsafe abortion.”"

http://www.catholicnewsagency.com/news/researchers-say-guttmacher-institute-misrepresents-abortion-in-chile/

Não estou com tempo (nem paciência) para ficar googlando, mas pelos meus estudos sobre o tema, esse artigo que você trouxe é uma pesquisa beeeeem tendenciosa.

E é ÓBVIO que a educação vai reduzir a mortalidade materna. Mais educação = mais dinheiro = mais acesso a métodos contraceptivos = mais condições (inclusive) de se pagar R$ 5000,00-R$ 10000,00 numa clínica top de aborto.

Elas existem no Brasil e eu aposto que elas existem no Chile também.

Mulher classe média não toma cytotec. Ela vai numa clínica. Sai em 3 horas pelo que li.

Em tempo, tem uma entrevista com a toda-poderosa Debora Diniz no Coletivo Feminista. A entrevista não diz muita coisa, mas tem UM dado que achei bastante interessante...

De todas as pessoas presas por tráfico de cytotec, vocês sabem QUANTAS eram MULHERES?

ZERO.

Todos homens.

Curioso, né?

Não posso provar (porque, né?), mas a maior parte dos casos de aborto que conheço provocados por cytotec, o HOMEM (vulgo, "pai do bebê") comprou e DEU para a mulher.

Será que os homens querem TANTO assim ser pais?

@vbfri disse...

Lola - coloquei este comentário em outro post sem querer... Exclua de lá, por favor e desculpa... Estou floodando aqui, mas achei a informação que eu queria:

http://www.mulheres.org.br/revistarhm/revista_rhm3/artigos-79-chile.php

"Apesar de os médicos chilenos deverem por lei notificar os abortos ilegais às autoridades, menos de 1% das mulheres hospitalizadas com complicações causadas por abortos são notificadas."

Você proibir o aborto não quer dizer que ele não aconteça. Quer dizer que as pessoas vão encontrar outras formas de fazer (e de esconder).

Anônimo disse...

Pois é Fabio B vc me ironizou quanto à tabelas e gráficos e acabou sem fundamento, tendo base em que apresentei tabelas dos vários estudos da ONU em TODOS os continentes, por um longo período de tempo (1998-2010), e vc quer nos convencer do contrario com APENAS 1 trabalho feito em APENAS 1 país (Chile) que possui um regime retrógrado quanto às leis, principalmente quando se trata da saúde da mulher??
Desculpe, mas a mim não me convence com esse material de pouco conteúdo, talvez se você trabalhar com as mazelas todos os dias faça abrir um pouco sua cabeça para o mundo.
Letizia

Fabio B disse...

Letizia

Não te passei o link
Como é que vc iria avaliar as tabelas e gráficos não é?

http://www.plosone.org/article/info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.pone.0036613

E a data do tempo de pesquisa é de 1957 até 2007.

No Brasil, mesmo sendo um pais "retrogrado" em questão do aborto a taxa de mortalidade também caiu.
Como mostra a matéria seguinte:
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2010/04/100413_mortalidadematernaml.shtml


Já nos EUA aumentou bastante a taxa nos últimos 20 anos mesmo com o aborto sendo liberado desde a década de 70.

Ou seja são N fatores envolvidos.




Fabio B disse...


A função primordial de um médico é de curar ou salvar uma vida.
Se um dia tivéssemos uma medicina avançada onde uma droga pudesse regenerar um cérebro não tão danificado faríamos, pois como disse esta é a função de um médico.

Se este tratamento durasse um mês, dois meses ou mais, não seria nenhum problema pois quem
quer ver alguém morrer se pode salvá-lo.


Com um feto é diferente pois não precisamos de uma droga MILAGROSA. Sim, o cérebro do bebê saudável irá crescer e viver depois de um mês, dois meses ou mais.
O cérebro de um adulto que teve morte cerebral não tem mais cura, pois se tivesse alguma cura seria aplicada.

Consegue entender a diferença entre salvar uma vida e interromper outra?

O cérebro começa a se desenvolver logo nas primeiras semanas da gestação e já na sexta semana de gestação é possível ver algumas atividades de ondas cerebrais ou sinapses. E um pouco antes da oitava semana já temos três neurônios que é a base de um sistema nervoso e para o pensamento racional.
Na décima semana o feto já está respondendo a estímulos.

De certa forma é muita pretensão falar onde a vida começa. Quem teria a verdade definitiva?
O que a biologia diz? Ela diz que a vida humana começa no zigoto onde ele leva dois conjuntos de cromossomos como todo ser humano sendo 23 da mulher e 23 do homem, exatamente como todo ser humano.
In the embryonic development of humans and other animals, the zygote stage is brief and is followed by cleavage, when the single cell becomes subdivided into smaller cells.
http://global.britannica.com/EBchecked/topic/658686/zygote
Desenvolvimento de humanos, segundo a biologia começa no zigoto partindo para a clivagem.

Fabio B disse...


Sobre a pretensão de falar onde a vida começa veja onde vc se encaixa:

1. Visão genética
A vida humana começa na fertilização, quando espermatozóde e óvulo se encontram e combinam seus genes para formar um indivíduo com um conjunto genético único. Assim é criado um novo indivíduo, um ser humano com direitos iguais aos de qualquer outro. É também a opinião oficial da Igreja Católica.
2. Visão embriológica
A vida começa na 3ª semana de gravidez, quando é estabelecida a individualidade humana. Isso porque até 12 dias após a fecundação o embrião ainda é capaz de se dividir e dar origem a duas ou mais pessoas. É essa idéia que justifica o uso da pílula do dia seguinte e contraceptivos administrados nas duas primeiras semanas de gravidez.
3. Visão neurológica
O mesmo princípio da morte vale para a vida. Ou seja, se a vida termina quando cessa a atividade elétrica no cérebro, ela começa quando o feto apresenta atividade cerebral igual à de uma pessoa. O problema é que essa data não é consensual . Alguns cientistas dizem haver esses sinais cerebrais já na 8ª semana. Outros, na 20ª .
4. Visão ecológica
A capacidade de sobreviver fora do útero é que faz do feto um ser independente e determina o início da vida. Médicos consideram que um bebê prematuro só se mantém vivo se tiver pulmões prontos, o que acontece entre a 20ª e a 24ª semana de gravidez. Foi o critério adotado pela Suprema Corte dos EUA na decisão que autorizou o direito do aborto.
5. Visão metabólica
Afirma que a discussão sobre o começo da vida humana é irrelevante, uma vez que não existe um momento único no qual a vida tem início. Para essa corrente, espermatozóides e óvulos são tão vivos quanto qualquer pessoa. Além disso, o desenvolvimento de uma criança é um processo contínuo e não deve ter um marco inaugural.


Esta perigosa visão metabólica é que fez a cientista Francesca Minerva a defender mortes de recém nascidos
da mesma forma que vc defende o aborto.
http://www.dailytelegraph.com.au/killing-newborns-ethicallly-permissible-says-australian-philosopher-francesca-minerva/story-e6freuy9-1226287046257

Ela faz todas aqui que de fedem o aborto até no máximo 12 semanas parecerem conservadoras religiosas.

Bem, menos Wendy Davis que defende com todas as forças o aborto acima de 20 semanas mas ainda assim foi chamada de heroína por muitos por aqui.
Imagine o cérebro do bebê de mais de 20 semanas, alguns nascem até prematuros com isto e sobrevivem.


Aproveito e deixo aqui também uma lei Lei nº10.406, de 10 de janeiro de 2002.
Art. 2o A personalidade civil da pessoa começa do nascimento com vida; mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro.

Fabio B disse...

@vbfri

Sei que deve ter lido correndo mas este site católico que postou está na verdade mostrando uma discussão entre o Dr. Elard Koch
e o Instituto Guttmacher sobre os dados coletados, dando mais razão inclusive ao Dr. Elard Koch. Ou pelo menos mostrando os dois argumentos.
Bons católicos não costumam fugir de um bom combate.


Já o Instituto Guttmacher teve (acho que ainda tem) uma ligação muito forte com o Planned Parenthood que é
uma associação abortiva americana. Basicamente eles vivem do LUCRO que o aborto dá. E com isso são uma
das maiores empresas dos EUA.

E são eles, juntos de outros órgãos (que também visam o lucro com o aborto) promovem o aborto na América latina
inclusive dando dinheiro para associações pró-aborto do Brasil inclusive. E não é pouco dinheiro.
E meio como um investimento futuro.


Neste mesmo link que você me passou tem também estes parágrafos:

On May 18, Koch and his colleagues examined the discrepancies between these methdolodies in estimates of illegal abortion in several Latin American countries.

“Not surprisingly, we found that the methodology developed by scientists from the Guttmacher Institute appears to grossly overestimate the number of possible induced abortions in developing countries,” Koch said.

The Guttcmacher Insittute claimed that 400,400 abortions took place in Colombia in 2008, though Koch and his colleagues' methodology estimated only 21,978 procedures took place that year.

Koch has said that the abortion estimates from the Guttmacher Institute are “beyond what is emperically possible.”

No Brasil sempre tentaram jogar números altíssimos também para clamar pelo povo várias e várias vezes.
Como o texto:

Em 1990, o Jornal do Brasil dizia que a ONU havia estimado que o Brasil era recordista mundial de abortos, com uma taxa anual de 3 milhões.
A saudosa Dra. Zilda Arns assustada com o número foi consultar a Organização Pan-Americana de Saúde
(OPAS, repartição regional da OMS) e recebeu por fax a seguinte resposta em 11/03/1993: “Lamentavelmente, não é a primeira vez que, levianamente, se toma o nome da Organização Mundial de Saúde e/ou da Organização Pan-Americana de Saúde para dar informações que não emanam dessas instituições”

Fabio B disse...

@vbfri

Pesquisas mostram que homens e mulheres brasileiras tem um mesma opinião sobre o aborto. Com uma pequena e ligeira que homens ainda são mais favoráveis ao aborto que mulheres até desmistificando o que muitos blogs feministas afirmam que os homens são contra o aborto e as mulheres a favor.

http://www.ibope.com.br/pt-br/conhecimento/relatoriospesquisas/Lists/RelatoriosPesquisaEleitoral/OPP111%20-%20NOVA%20SB%203a.pdf

Sobre o tráfico de cytotec não é de espantar. Culturalmente homens se envolvem em mais crimes que mulheres. É só comparar presídios femininos e masculinos.

Sobre o homem comprar o cytotec é só uma outra questão que o aborto acaba não sendo uma conquista feminina de fato, pois ainda hoje no mundo todo muitos homens obrigam as mulheres a abortarem sendo pais maridos ou namorados.

Até mesmo culturalmente, onde a mulher pode querer ter o filho mas ter que optar por uma suposta promoção no trabalho nos próximos meses ou anos.

Seja por por falta de dinheiro, carreira e machismo o aborto, definitivamente não resolve o problema cultural e reprodutivo, apenas tenta camuflar.









Maria Valéria disse...

Bem, pra mim, ta muito claro, amiga: so se tem vida de fato quando se tem cérebro
Nao e por acaso que se autoriza a doação de órgãos mediante o diagnostico de morte cerebral ( que deve ser feito por no minimo dois médicos, alias)
Entao. Nao tem nem o que falar de um embrião de 12 semanas que nao tem atividade cerebral.
Se fosse assim a gente nao podia nem comer ovo, que seria um assassinato, me poupe, ne,.!! Rsrsrsr
Mas tem gente, que mesmo sabendo disso, ou que achando que o produto de uma fecundação ,mesmo sem cérebro e vida ,acha que e gostoso fazer aborto,
Tipo assim, como se fosse arrancar um pelo encravado ou arrancar um dente.
Me poupe, ne, @ vbfri!!

Porque mesmo sabendo que aquilo nao a vida, acabar com aquilo nao e gostoso pra ninguém,

Tipo assim "" oooo delicia de feriadao, hoje vou abortar "

Serio mesmo que tem gente e pensa assim??

Que nao deixa seqüelas emocionais ???

Isso se contar as ladainhas sobre punir a sexualidade da mulher,( transou e engravidou, bem feito, agora agüente)

Essas outras ladainhas nem vou comentar, amiga,,.rsrsr
Bjao!!!

Anônimo disse...

Fabio, vou dizer uma coisa: Parabéns.
Você, até hoje, é uma das poucas pessoas a apresentar numa discussão sobre aborto argumentos válidos para se posicionar contra.
Ainda assim, não concordo com você e consigo ver falhas em argumentos seus.
Mas você sabe levar o assunto de forma inteligente e dar margem à discussão.
Minha visão de vida, como acho que deixei claro, é metabólica. Ponto. Se me convencerem que é 8a semana, serei favorável ao aborto até a 8a semana.
A maior parte das pesquisas (que eu me lembre) apontam 12a.
E parabéns por admitir que homens TAMBÉM são responsáveis pelo aborto. Obrigada.
Entendo seus argumentos para ser contrário ao aborto.
Bem, está tarde, estou cansada e sugiro que você leia artigos da OMS, caso não tenha lido, na página que tem o link em algum lugar (como WHO - World Health Org) sobre aborto ilegal como questão de saúde pública.
E me diga o que fazer com um problema: qual é a solução para os milhões de abortos que ocorrem todos os anos, ilegalmente, e que ocasionam a morte de milhões de mulheres? Muitas com filhos que ficam órfãos e abandonados à própria sorte.
Faz o que? Proibir o aborto não adianta. Educar a população vai levar anos.
O que fazer com as milhares de crianças inadotáveis?
Infelizmente, muitas pesquisas sobre aborto (talvez todas) são incompletas. Muitas são tendenciosas. Algumas usam de absoluta má-fé. Mesmo.
Aproveito para sugerir o filme Uma Vida Severina (ou algo assim) do Instituto Anis.
E convido-o a conhecer o trabalho da antropóloga Débora Diniz.
Outra pergunta: é justo o aborto ser seguro e acessível justamente a quem tem mais condições de prevenir? A quem tem mais educação?
Sei lá... Acho injusto...
Boa noite.
@vbfri (celular)

Maria Valéria disse...

@vbrfi

Eu assisti " uma vida Severina" o título e esse mesmo...


Chorei, chorei muito e nao conseguiria ver de novo porque o impacto emocional foi muito forte....


Mas nao sei se recomendar esse filme a pessoas radicais resolveria...quem acha que a gente e um monstro, vai assistir ao filme e vai continuar achando a mesma coisa...eu ja desisti de ir por esse caminho...

Mas , ok, todas as tentativas são validas, ne?;)

Abraços !!!

Entre Pássaros e Flores disse...

Lola querida tenho algo pra você lá no Blog, juntamente com uma pergunta: E se fosse você?

http://entrepassaroseflores.blogspot.com.br/2013/07/por-que-sou-contra-o-aborto.html

Anônimo disse...

Depois q a lei no texas passou, olha q legal o q um cara da fox news tuitou, postando um link de site com cabides para as ''liberais''

http://publicshaming.tumblr.com/post/55364483447/fox-news-contributor-gleefully-tweets-to-texas-women

E se chamam de pró-vida!


Cora disse...


"Seja por por falta de dinheiro, carreira e machismo o aborto, definitivamente não resolve o problema cultural e reprodutivo, apenas tenta camuflar."

De fato, não resolve.

E mantê-lo criminalizado só adiciona um complicador a mais nessa sua lista.

Um imenso complicador com o qual a mulher tem que lidar num momento muito difícil, de dúvidas e incertezas, e sem ter a quem recorrer para aconselhamento, apoio, informações, nada, já que nem sequer falar sobre o aborto é possível.

Manter o aborto criminalizado não resolve nenhuma das questões que afetam as mulheres que se veem diante de uma gravidez indesejada pelo motivo que for.

Manter o aborto criminalizado só joga a mulher aos tubarões. A única prejudicada com isso, continua sendo aquela que foi e pelo jeito sempre será o saco de pancada da sociedade: a mulher.

Defender o direito ao aborto é reconhecer a humanidade da mulher.

Defender o direito ao aborto NÃO é a mesma coisa de defender o aborto. É apenas tirá-lo da sombra. Abortos sempre ocorreram e sempre ocorrerão. E aqui no brasil, pelo jeito, sem que se considere qualquer possibilidade de solidariedade com a mulher que precisa abortar.

A sociedade está optando por manter-se mergulhada na hipocrisia.

Cora disse...


Anon 07:29

e isso porque o cara é mega-cristão e pró-vida.

hipocrisia é mato!!

Dani disse...

Homem não faz aborto, eles simplesmente abandonam mães e bebês e ninguém diz que eles cometem um crime. Isso pode, claro. Mas para a mulher não, afinal, ela teve a má sorte de ter que carregar o feto e não ter como 'fugir' dele. Muito esclarecedor esse texto. Vamos fazer valer nossos direitos antes que o assassino e absurdo estatuto do nascituro seja aprovado. Daí, adeus direitos das mulheres. Vamos ser como vasos de plantas... Não sou a favor do aborto irresponsável, mas uma lei como essa é cruel e retrógrada e acho que valores religiosos não devem entrar no campo do Estado.

Eve_ke disse...

Me desculpem se parecer falta de sensibilidade, ou muito ingênua e simplista.
E a pílula do dia seguinte?
Assim, sou a favor da legalização do aborto, de qualquer forma. Fruto do estupro ou não, o tema tem que ser debatido e a mulher tem que ter liberdade, e apoio para tomar sua decisão.
Mas, não seria adequado que toda vítima de estupro fosse encorajada, incentivada a fazer BO e nesse momento tivesse acesso a pílula do dia seguinte?

Anônimo disse...

A forma mais comum de gravidez decorrente de estupro é de meninas e mulheres abusadas reiteradamente por agressor conhecido (quando a vítima vive com o agressor ou a qual o agressor tem acesso facilitado). As vítimas mais comuns de gravidez decorrente de estupro são meninas (10, 11, 12 anos) e adolescentes.

A vítima atacada por desconhecido, de forma geral, denuncia logo após o ataque e tem acesso ao coquetel contra DSTs/AIDS e pílula do dia seguinte.

Eve_ke disse...

hum! Entendi. Muito mais triste e complexo do que imaginava... adeus mundo cor-de-rosa.

Dani disse...

A pílula do dia seguinte é mais eficaz se usada até 12h após o ocorrido. Lembrando que profilaxia não se remete apenas a doenças, como vem defendendo uns evangélicos por aí, mas deriva do grego prophýlaxis (precaução). No caso, se a mulher tem que ir até a delegacia e bla bla pode ser que demore. Sem contar as baboseiras que ela tem que ouvir de policiais machistas e mal preparados. É melhor que ela vá primeiro a um hospital/ posto de saúde, receba tratamento adequado e cuide da sua saúde física, psíquica, para depois abrir um processo contra o estuprador. O que já é feito em muitos países com ideias mais evoluídas do que as que se apresentam hoje no cenário do Brasil, mais próximas da idade média. É de se considerar também que não é só a mulher que tem que tomar medidas para contracepção, o homem também. O problema é que colocam sempre nas costas dela:'se vire pra não engravidar'. Afinal, 'já que é desconfortável usar camisinha, deixe que ela se entupa de hormônios'...

Anônimo disse...

Se cada um que fosse contra o aborto adotasse uma criança, o mundo seria lindo né? Depois que nasce, o Estado dá as costas. E a igreja também, por que não adotam crianças? Se é contra o aborto e fica pregando isso, devia pagar as contas das fieis que desistiram do aborto por 'motivos religiosos'. Fralda, escola, médico, isso é caro. Na teoria, o mundo é lindo. Só que não.

Dani disse...

Olhem que legal o avanço do nosso vizinho Uruguai. Eles permitem o aborto legal há seis meses e os resultados indicam que não houve morte materna por essa causa desde então. Sem contar que o governo vem realizando políticas de planejamento familiar e educação sexual: http://www.sul21.com.br/jornal/2013/07/em-seis-meses-de-legalizacao-uruguai-nao-registra-mortes-de-mulheres-que-abortaram/

Jerry disse...

Nossa politica é teocrata.
Um verdadeiro fantoche nas mãos de religiosos.
É uma vergonha nos chamarmos de democracia uma sociedade que estrangula qualquer tentativa de criarmos justiça para todos.

Ranielle disse...

só uma duvida realmente pra confirmar o aborto é só realizados só pelo o SUS ou em qualquer Hospital clinico?

Anônimo disse...

Gostaria de esclarecer alguns métodos o aborto ele só é realizado pelo SUS ou pode ser pelos hospitais clínicos?

Fernando Rosacruz disse...

Olá, comprei uns comprimidos e a menstruação da minha mulher desceu, se alguem precisar vendo pelo preço que comprei, meu email: fernandorosacruzt@gmail.com ... encontrei pra vender nesse site aqui http://cytotecnaweb.blogspot.com.br/ que tambem me ajudou muito para ter mais informações...abraço

Anônimo disse...

Vc só fala isso pq nunca deve ter passado pelo desespero de uma camisinha estourar,vc tomar a pilula Dia D na certeza q irá funcionar...mas semanas depois vc descobre q falhou sim e agora vc desempregada Mãe solteira de um filho cujo pai faleceu a um ano está totalmente sozinha e sem condiçoes as vezes nem de comprar o pao de manha para o filho q ja cria sozinha como cuidará de outro?? É DESESPERADOR

Anônimo disse...

E eu posso afirmar isso pq é exatamente a situaçao que eu to vivendo...se vou tirar ou nao nem sei ainda E ANTES Q ALGUEM VENHA COM OPINIÕES CONTRA VEM AQ VIVER O Q TO VIVENDO P DEPOIS OPINAR...É MTO FÁCIL ALGUMAS MULHERES FALAR ABRIU AS PERNAS TEM Q ASSIMIR...COMO SE FOSSEM TODAS VIRGENS E PURAS...SIM NENHUM METODO É 100% seguro HJ EU INFELIZMENTE SOU A PROVA DISSO!!!

Anônimo disse...

Eu sofri abuso sexual,mas tive vergonha de contar pra qualquer pessoa.Eu namoro,e chego a fingir que menstruei pra ele nao desconfiar.Não posso contar com ninguem.E a barriga esta começando a aparecer.Por favor,o que eu faço?como provar no hospital q fui estuprada sem ter q fazer um boletim de ocorrencia?me ajudeee ppr favooor!!!

Anônimo disse...

Lola, informações sobre aborto legal em Belo Horizonte http://www.fhemig.mg.gov.br/servicos/atendimento-medico-de-urgencia-a-mulheres-vitimas-de-violencia-sexual

Anônimo disse...

Está passando por uma gravidez indesejada, podemos te ajudar.

www.gravidezindesejada.com

Anônimo disse...

Amei tdo q vc disse.

Anônimo disse...

Meninas,
Li o post e achei muito bacana. Eu não sabia como funcionava essa questão de aborto aqui no Brasil.. eu tinha em mente que era proibido e ponto final.
Acontece que eu to precisando muito da ajuda de vocês. Tenho 22 anos e corro o risco de estar grávida. . . A minha menstruação sempre foi irregular, apesar de tomar anticoncepcional diariamente ( sem esquecer nenhum dia ) e sempre senti muita cólica. Até ai tudo bem. . só que eu cismei que estou grávida porque tenho muita vontade de ir ao banheiro e tenho muitos sangramentos. Ano passado eu estava com os mesmos sintomas e a médica mandou de imediato fazer o exame de sangue. Eu fiz e adivinha só?? deu negativo. Esse ano eu fiz o da farmácia e deu negativo. Semana que vem irei realizar o de sangue e estou super nervosa. Porque meu útero realmente deve ter problema. O caso é que se eu estiver grávida com certeza não terei como criar esta criança. Fico o dia inteiro na faculdade, minha vida tá começando agora. E o pior de tudo é que eu me preveni.

O que vocês acham garotas?
Qual a minha chance de consegui um aborto legal, caso eu esteja grávida?

Anônimo disse...

ME AJUDEM DESCOBRI HJ QUE ESTOU GRAVIDA.. E NAO POSSO TER PQ ?? SOU RECENTE OPERADA DA REDUÇÃO DE ESTOMAGO E POR CONTA DISSO CORRO RISCO E O BEBE TBM... EU CONSIGO FAZER UM ABORTO NUM HOSPITAL SEM SE PRESA SEM SER JULGADA?
:(

Luiz Ricardo da Silva disse...

É muito fácil vc falar de aborto depois q vc nasceu! ( Mas se for em casos de riscos a saúde da mulher e de estupro eu meio q concordo, pq a mulher pode muito bem ter o filho e deixa na adoção pq tem tanta gente porai q qr ter um filho e não pode!

Anônimo disse...

Poxa vida...
Eu sempre me cuidei...
Mas o metodo falhou... ate ai tudo bem...
Descobri a gravidez fiquei surpresa mas feliz...
Mas o pior nao eh isso. Eh descobrir que seu filho tem graves malformacoes, ja fiz td quanto eh exame e o feto nao desonvolve. Os medicos falam que se nao vier a obito no meu utero vira logo depois depois de nascer...
To vivendo um drama. Me disseram que o bebe eh inviavel e eu tenho que espero lo morrer ou posso interromper a gravidez...
Nao sei o que fazer, nao consigo dormir, nem comer, so perco peso... perco liquido e tenho que ficar esperando o bebe morrer pq os medicos nao podem fazer nada...
E eu to mt mal... pressao esta alta, to correndo risco de pre eclampsia... como levar uma gestacao dessa ate o final?
A imagem do bebe deformado nao sai da minha cabeca...
Deus me perdoe, mas deve ser um karma na minha vida...
Ja estou vinculada com o feto. Porem tenho medo de me vincular ainda mais... ai ai ai ai!!!
SOCORRO!!!

Dani Almeida disse...

Fácil demais alguem vim aqui criticar a decisão de uma mulher q decide abortar,criticar e julgar é um dom q todos nós sabemos fazer e muito bem,mas ninguem quer saber o pq desta decisão,julgam como um crime,uma violencia,assassinato,por favor gente,aos que criticam,isso um dia pode acontecer com uma de voces,seja estuprada e engravide pra ver se a opinião não muda na hora,ter um filho de uma pessoa que não ama,ou q represente riscos,o aborto tem q ser realizado sim,vamos aprender a escutar melhor a dor do próximo antes de julgar.

Tati ane disse...

Onde posso conseguir atendimento seguro e sem preconceito ?
Quero abortar e estou Gravida de 4 semanas! Não sei onde ir e quem procurar !?

Moro em SP capital.

Alguém pode me ajudar urgente?

Tati ane disse...

Onde posso conseguir atendimento seguro e sem preconceito ?
Quero abortar e estou Gravida de 4 semanas! Não sei onde ir e quem procurar !?

Moro em SP capital.

Alguém pode me ajudar ur

Unknown disse...

Tati, me procure, caso de interesse pela proposta. Posso tentar ajudá-la.

carolinamodesto@hotmail.com

Skene Osas disse...

Eu tenho vivido com esta doença mortal por mais de um ano, o meu marido, descobri que estávamos ambos HIV +. Tínhamos tentar de todas as maneiras de viver nossas vidas, apesar desta coisa em nosso corpo não até que me deparei com este poderoso herbalista que interpretou que ele tinha a cure.At primeiro, ficamos mais cético, mas meu marido insistiu em dar-lhe uma tentativa e pedimos para algumas de suas ervas e em poucas semanas depois de seguir o devido processo desta fitoterapeuta, fomos para um teste de como ele nos disse também fomos surpreendidos com a felicidade quando recebi o resultado na clínica. A taxa de vírus em nosso corpo caiu e em mais algumas semanas Estávamos totalmente cured.We também perguntou por que ele não veio para o mundo que ele tinha a cura e ele disse que fez em 2011, mas foi rejeitada pela equipe de pesquisa internacional. A coisa mais importante é para você ser curado Se você quer saber sobre o fitoterapeuta chamá-lo em +234 706 542 4920 ou e-mail: herbalcure4u@gmail.com. Deus te abençoe.

Carla atendimento disse...

Precisando de ajuda para solucuonar seu problema com uma gravidez não planejada:
carlaatendimento@bol.com.br

Anônimo disse...

Contatos de clínicas de aborto:
carlaatendimento28@bol.com.br

Anônimo disse...

Ola meu nome é Mayara e eu preciso de ajuda para fazer um trabalho escolar, se puderem me ajudar de alguma forma, mandando um video dando sua opnião sobre o assunto...Obs: Caso forem mandar o video terão que dizer de onde vocês são e por favor citem o meu nome, mandarem informaçôes sobre o aborto eu ficarei grata.Obrigado!

Barbara disse...

Misoprostol-Cytotec
Duvidas me escrevam
barbaracito@hotmail.com

Anônimo disse...

preciso de uma clinica em campinas-sp ou sao paulo, urgente jsrebelatto@gmail.com

doutoramento disse...

obrigado por esta publicação!!

coletivofeminista disse...

Eu também passei por uma das fases mais difíceis da minha vida, quando descobri uma gravidez não desejada. Cai em 4 golpes, com prejuízo de mais de R$3.000,00. Consegui ajuda sincera com este novo grupo de mulheres, me indicaram clinicas e medicamentos. Agora trabalhamos juntas e escrevo por que sei pelo que estão passando e tenho certeza que elas vão ajuda-las também.
Escrevam para atendimento.coletivofeminista@gmail.com
cytotec clinica aborto minas gerais são paulo rio de janeiro rio grande do sul santa catarina bahia ceara