segunda-feira, 1 de outubro de 2012

O FEMINISMO, VIVÍSSIMO, RUMO AO DESNECESSÁRIO

"Mamãe, também quero ajudar a acabar com essa porcaria do paradigma racista, homofóbico e patriarcal" 

“Até recentemente, a única vez que o feminismo era mencionado pela mídia era pra nos lembrar que ele ainda estava morto. Mas tem havido uma grande ressurreição. Ninguém pode negar que o feminismo está de volta”, diz Kat Banyard, 30 anos, fundadora do UK Feminista, que organiza cursos de verão para treinar feministas se iniciando na arte do protesto. O principal é conhecer seus direitos legais de protestar na rua. Mas o curso também ensina como tornar o corpo difícil de ser removido pela polícia. Já há 500 inscritas. Levanta a mão quem gostaria de um curso assim no Brasil?
Interessante também a explicação que Banyard dá para o crescimento do feminismo na Grã-Bretanha nos últimos anos: é por causa da crise econômica, que afeta mulheres mais do que homens. Por exemplo, a austeridade fiscal faz com que o governo corte serviços públicos, onde boa parte dos servidores (e também das beneficiárias, que dependem de creches para deixar seus filhos enquanto trabalham) é mulher.
Um dos exemplos que Banyard oferece para mostrar a força do feminismo atualmente na Grã-Bretanha é que livros feministas andam vendendo muito bem por lá. Um deles já chegou traduzido ao Brasil: Como Ser Mulher, de Catlin Moran. Eu recebi como cortesia da Companhia das Letras. Foi uma leitura rápida e gostosa, e pretendo escrever um pouquinho sobre o livro assim que der tempo (o que não tá fácil encontrar). Sei que devo muitas resenhas a vocês dos livros que leio e filmes que assisto... 
Fiquei muito feliz em saber que o feminismo está vivíssimo na Grã-Bretanha. Acho que aqui também. Toda semana alguém começa uma nova página feminista no Facebook, um novo tumblr. Marchas sem hierarquias, com organização horizontal, saem às ruas com jovens que descobriram seu feminismo faz pouco tempo. Eventos pra discutir gênero são realizados por movimentos estudantis nas universidades e até no ensino médio. Ainda faz muita falta a presença feminista na mídia tradicional, que detesta mudanças. Mas conseguimos ter voz neste momento em que a mídia perde sua dominância.
Esses dias uma leitora me enviou o texto que foi usado no vestibular de espanhol da UERJ. Era um artigo muito bom de Catalina Ruiz-Navarro, “Hacia un feminismo innecesario”. Primeiro ela tenta explicar por que o feminismo tem tantos detratores (por estar associado a estereótipos negativos. Por isso que eu não me canso de repetir: não aceito definições de feminismo vindo de gente que odeia o feminismo. Eu me assumo feminista, e não sou nem nunca fui mal amada, amargurada, peluda, ogra, odiadora de homens -– enfim, todos esses clichês que o patriarcado encarrega de grudar em ativistas que visam, bem, derrubar o patriarcado.
Diz Ruiz-Navarro (minha tradução capenga): “Talvez você me diga que a sua vida, o ambiente em que se locomove, não tem te discriminado no que se refere ao seu gênero, e que antes de se reconhecer como mulher, você se reconhece como indivíduo ou como pessoa, e que diante disso o feminismo não é necessário. Maravilha! Um movimento prova que é bem sucedido quando se mostra desnecessário, quando suas lutas não precisam mais ser lutadas”. Claro que ela diz que ainda estamos longe desse estágio, e que, na Colombia, o feminismo talvez só não seja mais necessário para elites minúsculas.
Mas gostei muito disso que ela falou. Torço para que a gente alcance a igualdade e o feminismo realmente se torne algo desnecessário! Meu sonho agora é me tornar obsoleta. Já pensou que luxo não precisar escrever mais sobre injustiças, crimes de ódio, feminicídios, desigualdade salarial, misoginia, machismo na mídia, direitos reprodutivos, representação política, aceitação do corpo, jornada tripla de trabalho, espaços públicos, etc? Se esse dia chegar, juro que me contentarei em escrever apenas sobre cinema e diálogos com o maridão. Incluirei umas fotos do Calvin pra mudar de assunto de vez em quando.
Será que até eu morrer, com sorte lá por 2050, o feminismo terá deixado de ser necessário? Quem dera! Acho difícil, porque são milênios de patriarcado, esse sistema desigual que só começou a ser questionado nos últimos cinquenta anos. E tanta coisa já mudou nesse curtíssimo período! Vamos seguir lutando até que não precisemos mais lutar. Ou estarei sonhando com uma utopia inalcançável?

63 comentários:

Joel Bueno disse...

Só 50 anos, Lola? E as sufragistas?

Hamanndah disse...

Sim, as sufragistas. Na verdade, o feminismo tem mais de 50 anos. Sempre haveram pessoas que lutaram pelos direitos iguais para homens e mulheres

Lucas disse...

"Meu sonho agora é me tornar obsoleta"
"Se esse dia chegar, juro que me contentarei em escrever apenas sobre cinema e diálogos com o maridão."

Nossa, achei lindo isso.

lola aronovich disse...

Sim, gente, lutas por alguns direitos têm muito mais que 50 anos. Mas podemos considerar que questionar massivamente o patriarcado, algo que não só as feministas, mas também o movimento LGBT e o ativismo negro vem fazendo, revolução de verdade, cultural wars e tudo, começou nos anos 60. A ruptura mesmo com o patriarcado é algo bem mais recente.

Bruno S disse...

Nesse dia da obsolescência, o feminismo estará nos livros de história.

E os mais novos acharão engraçadas as histórias sobre diferença salarial, sobre a cultura do estupro, sobre tripla jornada.

E colocarão dúvidas na veracidade quando contar que os opositadores comparavam feministas a nazistas com o termo "feminazi". Vão perguntar "que tipo de doido pensaria assim?".

Anônimo disse...

Nossa, Lola, eu sinto o mesmo que você. É muito chato sofrer tanto preconceito por lutar por uma sociedade mais igualitária. Quando falo que sou feminista, as pessoas quase jogam água-benta na minha cara: isso é coisa de gente radical, sem senso de humor e ultrapassada. Elas riem da minha cara e falam que sou revoltada, que as coisas são "assim mesmo" e que não dá pra mudar nada. Além disso, já ouvi muitos absurdos desse povo desinformado, que acha que feminismo é o oposto de machismo, que nós lutamos por privilégios na sociedade, que gostamos de ser mimadas por homens e que a mulher já conquistou tudo o que podia. Com tanto esteriótipo e preconceito, chega a ser frustrante conversar com leigos.

Bruno S disse...

opositadores não. Opositores.

Anônimo disse...

OFF TOPIC

Lola, seria legal ver você dando sua opinião sobre a recente 'política' de exibir apenas (ou majoritariamente) filmes dublados no cinema.

Malu.

Anônimo disse...

escreve sobre o livro, sim, lola! eu baixei o pdf piratex em inglês, mas to com preguiça de ler no computador

Anônimo disse...

to muito feliz de estar vivendo esse momento. só lamento não ser 5-10 anos mais nova e estar terminando o colegio/entrando na universidade.

Carol P disse...

Gente, o livro "Como ser mulher" é mto bom! Ganhei de presente do husband e tô amando! A leitura é rápida e divertida e a autora trata com bom-humor das "agruras" de ser mulher nesse mundo machista de meu deus! Vale boas risadas e reflexões! Combinação perfeita!

Dona do Sexo e sou Lolista rs disse...

quem dera,pelo menos no Brasil antes de eu morrer as coisas mudem

Amanda disse...

Vivo ouvindo que as coisas "nunca vão mudar" e que o mundo "é assim mesmo" e que eu "sonho com uma utopia inalcançável"... Talvez por isso eu não tenha esperanças reais de viver pra ver a mudança, mas eu acredito do fundo do coração que ela chega...
Um dia, com toda certeza, o patriarcado vai parecer tão absurdo ao mundo quanto queimar bruxas nos parece hoje. Pode demorar, mas a sociedade evolui. Aos poucos, aos trancos e barrancos, mas evolui.
E sempre que alguém me fala que feminismo é uma luta desnecessária, respondo com "quem dera". Quem sabe um dia, realmente.

Patrick disse...

Nesse capítulo de "resenhas prometidas pela Lola", ela vem nos torturando desde 9 de novembro de 2011, quando prometeu um post sobre A Pele que Habito. =)

Sara disse...

Eu sonho muito Lola que talves minhas bisnetas cheguem a ver um mundo sem desigualdades de genero.
Mas por enquanto não da nem pra vislumbrar esse futuro, até acredito q houve algum retrocesso, portanto não creio q vc tera algum descanso Lola, e sinto muito por isso, mas temos muito o q lutar ainda.

Mila disse...

Eu tenho notado isso, principalmente comigo que tenho saído da caverna. Mas na mídia, que é minha área de estudo, ainda temos muito o que melhorar. Ultimamente estudo o espaço do leitor na notícia (comentários) e francamente, há notícias que é melhor nem ler os comentários para a gente não ter medo da humanidade. Reconheço os avanços. Na minha geração, comparada à da minha mãe, por exemplo, já tem inúmeros direitos a mais. Mas só da situação não permanecer a mesma já é muito.

Beatriz disse...

O Como ser mulher é hilário mesmo. Comprei semana passada e li em um dia. Chorava de rir no ônibus. Já aviso que faz passar vergonha.

Dai disse...

Só um comentário sobre esse texto: <3!

Carlos disse...

China e rússia agradecem pelo feminismo nos eua e europa, se houver uma 3ª guerra mundial, quem acha que vence? Os chineses e russos que exigem seriedade e responsabilidade dos homens desde crianças ou os "assexuados" que são fruto do feminismo americano e europeu?

Dai disse...

Carlos, existe feminismo na Rússia (onde vc anda que não ouviu falar em Pussy Rrriot?) e na China também, aliás, ele está começando a ganhar bastante força lá. Embora nos estados democráticos seja, claro, bem mais tranquilo se assumir feminista, não dá para condicionar a existência ou não de feminismo a um regime de governo. Pois o machismo está em todas as civilizações. Há milênios, aliás. E se houver terceira guerra, o mais provável é que o machismo acabe de vez - junto com a humanidade.

Sara Marinho disse...

Para quem diz que o mundo nunca vai mudar, sempre disseram isso, e, de uma forma ou de outra, o mundo sempre mudou, isso não significa que necessariamente amanhã será um mundo com menos opressões, mas já houve quem dissesse que escravidão era natural, necessária, e que não adiantava lutar contra ela... Provavelmente não veremos um mundo com tantos avanços no nosso tempo, mas quem sabe nossos netos ou bisnetos...

Anônimo disse...

Mas o quem é e como age esse "patriarcado"?

Isso é vago, abstrato demais.

luaninha disse...

Pô, quem tem o link do livro aí pra download, compartilha com a galere.

Raziel von Sophia disse...

Acredito que mesmo que o Feminismo se torne obsoleto. Ainda haverá muito mais lutas no transfeminismo, que é um movimento jovem e pouco conhecido. Sua proposta é um pouco mais ousada: Ao invés de fazer-se apenas respeitar os gêneros, o transfeminismo busca lutar pela transcendência dos mesmo e contra os preconceitos e prejuizos sofridos pelas pessoas trans*.

Esse recente texto - de extrema didática e completude - é indicado à quem queira conhecer do que se trata.

http://transfeminismo.com/2012/10/01/introducao-ao-transfeminismo/


Lola, gostaria de seus comentários isso.

Unknown disse...

a maioria gosta de assistir com som original e sem legenda. Aqui isso só é possível com filmes brasileiros. Há uma multidão que está tendo acesso ao cinema agora. O mercado percebeu isso isso. Prefiro o cinema com legendas, mas sou minoria, assisto em casa se for preciso. O q importa é que o cinema dublado atende à maioria- mais acesso à arte

Alan Ponte disse...

Humm.. Não gostei muito disso:
"Mas o curso também ensina como tornar o corpo difícil de ser removido pela polícia." vira bagunça.
Lola você podia dar um jeito de migrar para uma ferramenta que permita responder aos comentáriios, fazer répplicas, tréplicas etc.

Mirela disse...

o feminismo SEMPRE será necessário para manter a sociedade no rumo correto da evolução.

André disse...

Lola, escreva sobre isso, por favor: http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/vida-e-estilo/donna/noticia/2012/10/eu-era-obrigada-a-ser-magra-como-um-palito-de-dente-diz-christina-aguilera-3902940.html

Carlos disse...

"Carlos, existe feminismo na Rússia (onde vc anda que não ouviu falar em Pussy Rrriot?) e na China também, aliás, ele está começando a ganhar bastante força lá. Embora nos estados democráticos seja, claro, bem mais tranquilo se assumir feminista, não dá para condicionar a existência ou não de feminismo a um regime de governo. Pois o machismo está em todas as civilizações. Há milênios, aliás. E se houver terceira guerra, o mais provável é que o machismo acabe de vez - junto com a humanidade."

Governos ocidentais dão voz às mulheres, como direito ao voto, benefícios em divórcios, pois as mulheres são consumistas.

Já os governos chinês e russo se preocupam mais no bem da nação e não ficam se preocupando com "movimentar dinheiro a todo custo", lá se formam homens de verdade e não esse bando de assexuados aqui do ocidente.

Anônimo disse...

As coisas mudam sim, o mundo muda... nao com a pressa como gostariamos, mas muda e muito. Qdo eu conversava com mulheres que viveram no tempo de antigamente, elas diziam que se reclamassem dos maridos para a mae, o que ouvia era, "Ruim com ele, pior sem ele." E hoje sabemos que (em casos assim) sem ele a mulher começa a ter autonomia.
LisAnaHD

Laurinha (Mulher modernex) disse...

As coisas mudaram muito em pouco tempo, é só comparar o que era tabu na juventude de nossas avós e mães, e que hoje não é mais. E que mude ainda mais...

Anônimo disse...

André 19:33 a tendência é pensar que a ditadura da magreza é coisa dos nossos dias, mas várias atrizes famosas de mais de 50 anos atrás sofreram com essa exigência e muitas se acreditavam um lixo por nao conseguirem manter a magreza que os estúdios exigiam e Judy Garland, mae de Liza Minelli, foi uma delas. É que naquele tempo a indústria cinematográfica tinha poder pra controlar a mídia, um poder que hoje nao tem. Marilyn Monroe tb penou um bocado com o peso. Claro que hoje essa situaçao alcança proporçao muito maior, pois essa ditadura da magreza já saiu do círculo fechado das atrizes e está por todo lado.
LisAna HD

Luiza disse...

Hehehe quero ver o Carlito falar isso na cara de um Seal e sair com todos os dentes hehehe. Oh wait, ele não faria isso, o negócio dele é bancar o fortão com mulher. Ah tá.

Anônimo disse...

Infelizmente, minhas esperanças não são das melhores... sinceramente não acredito que esse dia chegará...

Anônimo disse...

Lola, obrigada pelo texto. Maravihoso. Chorei de emoção depois de ter chorado de tristeza com uns comentários misóginos que vi numas páginas no facebook.

Gabriel disse...

Eu acho que a tendência é o feminismo ficar cada vez mais "mainstream", e por incrível que pareça muito pelo fato da reação cada vez maior dos ditos "masculinistas". Longe de ficar obsoleto o feminismo vai entrar de vez na roda.

Raziel von Sophia disse...

>> feminismo eterno

>> assumindo que o desiquilíbrio social será eterno.

>> Assumindo que o patriarcado será eterno

>> assumindo que a humanidade será eterna


affz

Calíope Corcovia disse...

o/
(mãozinha levantada querendo um curso desses no Brasil)

Raziel von Sophia disse...

Me ocorreu que o interessante do curso de "dificultar ser pego pela polícia", é que a uns anos vi na TV que a polícia já recebe um treinamento para pegar mais facil e eficientemente manifestantes.

Mundo estranho esse.

B. de Campos disse...

Ainda veremos esse dia!

Eu só gostaria de saber sobre como anda o feminismo nos EUA porque, sinceramente, eu enxergo os estadunidenses tão machistas ainda... Machismo em um nível cruel, pra dizer a verdade...

:/



Anônimo disse...

Por que nunca nenhuma feminista escreveu sobre o MC Catra, em como ele é repugnante e nojento com uma mulher?
há, ele e tem relacionamentos, e filhos com varias, e uma elas e deu uma entrevista dizendo que pra ela tudo bem, que ele não "deixando faltar nada, tudo bem "

Anônimo disse...

Feminismo bom é quando ele não tem mas importância do que as mulheres, quando ele se torna mas importante do que a mulher passa a ser uma opressão a a ela mesma determinando assim de forma direta ou indireta como ela deve pensar, agir, sentir se comportar... tolhendo assim a mulher de uma liberdade individual.

Em minha opinião a preocupação maior de ALGUMAS feministas é mais a causa feminista do que a própria mulher que acaba sendo usada para a causa feminista o que deveria ser o inverso ou seja o feminismo usado para o que é mais importante a MULHER e não o contrário como as vezes infelizmente percebo feministas tornando-se mais defensoras da causa feminista do que da própria mulher não demostrando uma preocupação sincera e verdadeira com a mulher onde a motivação dessas "feministas" é mas uma guerra dos sexos um desejo de poder e controle e não de igualdade, desejos de intrigas, rixas, alimentar autopiedade, amarguras, ressentimentos, vinganças, infantilismos...o que dificilmente admitem essas coisas prejudicando assim o feminismo e "cuspindo" assim no túmulo de muitas feministas do passado que viam as mulheres como o mais importante e razão do feminismo contribuindo assim para que muitas mulheres no presente (ao menos no ocidente) desfrutem de uma liberdade, autonomia e dignidade que muitas mulheres do passado não tinham.

O foco do feminismo deve ser a mulher e não ele mesmo do contrário ele ganhará mas importância do que a mulher e será uma opressão, escravidão alienação e repressão para a própria mulher se voltando contra ela mesma e não a favor dela. Esse tipo de opressão é mas difícil de identificar e rejeitar pois vem como algo que teoricamente é a favor da mulher ou seja o feminismo.
Não estou aqui dizendo que a mulher deve rejeitar o feminismo mas sim ter cuidados com intenções e motivaçoes erradas e com opressoes que vem em nome do feminismo determinando direta ou indiretamente como já escrevi acima como a mulher deve pensar, agir, sentir, comportar e se for diferente estará "traindo" o feminismo então a mulher acaba vivendo uma opressão um medo de não "trair" o feminismo, isso para mim não é liberdade.

O feminismo deve ser para as mulheres e não as mulheres para o feminismo; o feminismo deve ser para defender as mulheres e não as mulheres o feminismo a mulher que é a importante e não o feminismo o qual deve ser ultilizado para a mulher e não o contrário.

é só uma opinião
abraços pedro

Anônimo disse...

Eu comecei a me interessar por feminismo, assim, a sério (porque antes eu me declarava feminista, mas não tinha noção das proporções do movimento), há cerca de um ano e meio e tive certa dificuldade de encontrar o assunto, especialmente no meu dia a dia. Eu não conhecia nenhuma feminista e tive que procurar muito pra perceber que existia ainda alguma ação por parte das mulheres nesse sentido. Notei que aconteciam protestos e coisas do gênero que mal se via na mídia, comecei a perceber como as mulheres feministas são mal representadas e têm pouco espaço pra se expressar e o pouco que encontrei de textos e debates foi meia dúzia de blogs e afins. Infelizmente até encontrei um grupo de feministas que foram super grossas comigo e me passaram totalmente a percepção estereotipada que frequentemente vemos por aí, a de odiadoras de homens. (Inclusive umas duas ou três chegaram a afirmar que odeiam homem, sim).
Mas percebi que essa era a opinião de algumas mulheres, que não representavam o movimento feminista todo e continuei adiante.
Nessa época conheci seu blog, Lola, e muita coisa mudou no meu pensamento nesse último ano e meio. O Blog - mesmo quando me deparo com opiniões das quais discordo - têm sido um belo guia pra mim no feminismo e me mostrou que o feminismo, ao contrário da impressão que eu tinha, não é apenas um movimento do passado.

Ainda outro dia eu refletia sobre como as coisas me parecem ter evoluído no último ano. Ainda não conheço muitas pessoas próximas a mim que sejam feministas, mas ocasionalmente me deparo com postagens feministas no Facebook, com um manifesto silencioso através de um cartaz na rua aqui, com algum ator/atriz, apresentador/a ou outro famoso defendendo mulheres e feminismo publicamente.
Parece que está no ar.
Eu fico muito feliz de ver o movimento crescendo diante dos meus olhos, na minha timeline e até nos muros da minha cidade pequena e conservadora.
Que venham mais blogs como o seu, que venham mais protestos, que venham mais filmes e personagens empoderadores, que venham mais feministas.

Rose disse...

Obsoletemo-nos todos, portanto rsrs
Para os meninos que ainda não entenderam (ou simplesmente se recusam)tem um textinho aqui, na linguagem que talvez entendam (tem desenho, vídeos..até piada de estupro)

http://papodehomem.com.br/feminismo/

PS.: Ah Lola, to voltando ao normal bjs

Mirella disse...

"Já os governos chinês e russo se preocupam mais no bem da nação e não ficam se preocupando com "movimentar dinheiro a todo custo", lá se formam homens de verdade e não esse bando de assexuados aqui do ocidente."


AHAHAHAHHAAHAHAAH

não, pera

HAHAAHAHAHAHAHAHAHHAAH

ai gente. Mascu resolveu cabular TODAS as aulas de história?

Então vamulá. Estas duas potências que você citam são os dois maiores exemplos de COMUNISMO. HAHAAHAHAHAHAH.
Morri pra ver um mascu reacinha defendendo o comunismo. Gostaria de agradecer a minha mãe, aos meus professores, a Lola e aos colegas comentaristas. Sim, lindas e lindos, vivemos para testemunhar o dia em que um mascu aplaudiria nações comunistas. Mãe, to no print?


Calma, deixa eu respirar. Daí estes dois exemplos de democracia s2 possuem um modelo de desenvolvimento agressivo e nas mãos totais do Estado. O Estado controla tudo. Sabe, é um POUQUINHO diferente do liberalismo econômico. Tá, toma uns minutinhos aí para Googlar quem foi Adam Smith.
Ok, agora vai lá pesquisar sobre a compra de dólares pelo governo chinês. Sim, e sobre o yuan desvalorizado artificialmente. Aham. Agora vai pesquisar sobre a indústria chinesa. Pesquisou? Vai dar uma olhada no que são as "cidades-fantasma" lá. Ok? Pronto, agora veja qual a taxa anual de crescimento da China. Depois pesquisa sobre a renda per capita e o coeficiente de Gini. Ok, eu espero. Faça tudo num computador sem nenhuma peça fabricada na China. Ok?
Rússia? Googla Rússia+gás+Europa. beijo!

Ai meus sais. Santa Ignorância Mascu. Certeza que ele e o Lelequinho se formaram summa cum laude na Universidade Mascu do Delírio Histórico. Hobsbawm se revira no túmulo =(

Sara disse...

Recebi pelo FB e achei ótimo , FEMINISMO P HOMENS CURSO RÁPIDO ....muito bommmmm

http://papodehomem.com.br/feminismo/

Anônimo disse...

Lola, o que você pensa da relação entre feminismo e luta de classes? Parece que o post abstraiu completamente a luta de classes, como se o feminismo andasse por si só.

Hamanndah disse...

"Anônimo disse...

Por que nunca nenhuma feminista escreveu sobre o MC Catra, em como ele é repugnante e nojento com uma mulher?
há, ele e tem relacionamentos, e filhos com varias, e uma elas e deu uma entrevista dizendo que pra ela tudo bem, que ele não "deixando faltar nada, tudo bem "
"

Anônimo das 01:51

Eu sei quem você é , mas não vou dizer no blog de Lola para dar Ibope para o seu blog( Lola tem razão, desculpa , Lola, quando eu fiz um comentário com o lixo do link dele)

Você é doido por ela, hein?

Que paixão recolhida é essaa?

Sem esperança, ela adora e é adorada pelo maridão, sua chama gêmea

BUUUUUUUUUUU!!

lola aronovich disse...

Nem me espanto mais com o que os mascus escrevem, Hamanndah. Eles são tão lunáticos que acham que têm uma argumentação impecável. Um sujeito como o Leandro vem se humilhar em público aqui no blog, e os mascus acham que ele tá arrasando. Num post, eu dou exemplos de como os mascus estão cada vez mais misóginos, e pra "rebater" meus argumentos, um cara escreve "por que vc não fala de uma mulher que arrancou o pênis do namorado?". WTF? O que isso tem a ver com qualquer coisa?! Sério, isso é argumentação? Porque pra mim parece Estratégia Desesperada de Mudar de Assunto. Eu comento uma música misógina dos mascus, e o cara escreve "por que vc não fala do MC Catra?". É, de fato, uma argumentação brilhante. Como eles dizem: contra fatos não há argumentos.

Anônimo disse...

Eu só discordo desta máxima de vocês que feminista tem que ser esquerdista, tendo somente uma unica visão de mundo, não e porque uma mulher tem valores mais tradicionais na esfera politica, e em certos aspectos sociais e religiosos, que ela não pode ter o ideal de igualdade entre os gêneros,inclusive eu acredito que e graças ao capitalismo e o livre mercado, que hoje a maioria de nos está inserida no mercado de trabalho !

Anônimo disse...

O feminismo é uma menina mimada que não compreende os perigos do mundo e acha que já é adulta só porque já fez coisas que uma mulher na sua idade não faria. Então revoltada, briga com o pai que para ela é um monstro opressor só porque ele guia seus passos como um pai preocupado com uma filha, que afasta bad boys de perto dela, que sempre esta aconselhando o melhor, mas para ela isso é opressão e machismo. Nenhum homem tem mais nenhuma obrigação com qualquer mulher (tirando é claro assumir a paternidade de um filho legitimo, o que é plausível).

Ou seja ,DANEM-SE,, não contem com os homens mais para nada !

Anônimo disse...

Feminismo busca a “igualdade” de ambos sexos, mas foca apenas nos problemas e direitos das mulheres.

Raziel von Sophia disse...

B. de Campos

O Feminismo Americano está mais ou menos assim: "Nós, do escritório de advogados Margareth Mayer lutamos a 20 anos pelos direitos da liberdade à mulher. Garantimos divórcios com pensões de até 60% do salário do marido + casa + carro + guarda dos filhos. E nessa comemoração de luta pelo feminismo, se indicares duas amigas, ganhas 10% de desconto na entrada do processo.
Advogados Associados Margareth Mayer, a 20 anos emancipando a Mulher Americana"


=/

Anônimo disse...

Muito me intrigam as feminazis ??
elas não acreditam em DEUS, elas não acreditam na ciência evolutiva, elas não acreditam em psicologia comportamental, mas em que porra será que elas acreditam ?
tipo : eu vejo valeries solanas...
com que frequencia ?( pergunta o psiquiatra )
o tempo todo ....

lola aronovich disse...

Anônimo das 11:50, é que pra lutar pela igualdade (sem aspas) dos homens brancos e héteros, essas pobres vítimas do mundo moderno, já temos grupos masculinistas. Opa! Não temos? Não é pra defender os direitos dos homens que Men's Rights Activists nos EUA e seus correspondentes mascus no Brasil existem? Puxa, é mesmo, a gente entra em qualquer blog ou fórum mascu e só vê vocês falando mal de mulheres em geral e feministas em particular. Tá certo, vocês precisam MESMO das feministas pra lutarem pelos direitos de vocês, porque se dependerem dos grupos de direitos dos homens... Mas tenho uma boa notícia pra você: o feminismo luta pra derrubar barreiras de gênero. E essas barreiras não são péssimas apenas pras mulheres, mas pros homens também. 99% do que vocês lamentam são consequências do machismo, não do feminismo.


Anônimo das 11:53, divertido o seu "vejo Valerie Solanas o tempo todo". Mas na verdade quem vê Solanas o tempo todos são vcs mascus, não nós feministas. Quantas referências tem aqui no blog a Solanas? 7 em 2730 posts. E todas são referentes ao fato que vcs mascus só conhecem Solanas de feminista. Mais ninguém. Quer dizer, tem eu, a Voldemort do feminismo. Aquela que vcs não podem citar o nome.

Fica mais legal assim, ó:

Mascu: Eu vejo Nessahan Aflita...
Psquiatra: Com que frequência?
Mascu sussurrante: O tempo todo...



Vcs ainda estão neste post? Tem um post novo pra revoltar vcs!

Anônimo disse...

PARA Carlos

Vc falou que os governos ocidentais
"dão voz às mulheres, como direito ao voto, benefícios em divórcios" como se fosse NEGATIVO, alegando que as mulheres são consumistas(e os homens? Também não são? ALiás eles criaram o "consumismo" primeiro), enquanto os governos chinês e russo "se preocupam mais no bem da nação".
QUem disse "Sr Inteligência"(estou sendo sarcástica, olhe no dicionário o significado da palavra sarcasmo viu?) que dar direitos às mulheres, estes os quais os homens já te HÁ MUITO TEMPO não é se preocupar com a nação?!
Desde quando, como no caso da China, ser "homem de verdade" é impor um regime em que mães tenham que matar suas filhas por causa de uma cultura em que "só o filho homem é que trabalha e sustenta os pais, a filha mulher, não".
Além disso, leia(o que acredito que vc não faça) sobre os países MAIS MISERÁVEIS do Mundo(países da África, do Oriente Médio) e verá que todos eles tem uma cultura misógina onde mulher não tem direito a nada!
Curioso que para um misógino ACÉFALO(olhe no dicionário de novo) dar direitos iguais a TODOS(não só as mulheres) significa ser "assexuado". Véi na boa, pra achar que tratar homens e mulheres como cidadãos iguais não é certo, é ter muita dúvida quanta a própria sexualidade. Fato. kkk


Sawl

Raziel von Sophia disse...

"Voldemort do feminismo. Aquela que vcs não podem citar o nome"

putz! Olha que isso é bem verdade
"Aquela gorda que não falamos aqui"
"Aquele certo blog"

Tenho um coleguinha mascu que diz que o número de moderadores aumentou só para censurar tópicos que falem do seu blog ou de ti.


Ao que parece, eles tem medo de serem processados e expostos em nossa sociedade matriarcal malvada.

Anônimo disse...

PARA Anônimo das 11:02

O machismo é um menino mimado o qual a mãe sempre o colocou em um pedestal fazendo ele achar que é o dono da verdade em todas as situações.
Ele acha que já é adulto só porque aos 11 anos perdeu a virgindade com uma garota de programa encomendada pelo pai.
A mãe, ele enxerga como uma empregada(nada contra as empregadas) que não precisa ser paga porque já tem o privilégio de tê-lo como filho.
ELe cresce e conhece várias mulheres.
Umas o acham o tal, outras que são inteligentes, independentes e com AMOR PRÓPRIO o desprezam.
Ele se sente o "coitadinho"! Tão "bonzinho" ser desprezado, largado e algumas vezes, traído, só porque chama as namoradas de "vadias", porque diz que "mulher é "inferior", porque em uma discussão as manda "calarem a boca" e algumas vezes lhes dá um "tapa pra lhe respeitarem"?! QUanta "injustiça"!
Então revoltado, briga com todas porque elas não são como sua submissa e sofredora mãezinha que sofre calada as agressões e traições do marido e as humilhações do filho.
Para o machismo NENHUMA mulher é inteligente o suficiente para afastar os "bad boys" de sua vida. TODAS preferem eles!
Para o machismo as mulheres "não sabem se defenderem sozinhas" precisam do PAI ou do MARIDO opressor e machista para "Lhes proteger", quando na verdade elas é que devem se proteger deles!

Homens não tem obrigações com mulheres, nem o contrário. Cada um tem suas parcerias, sua cumplicidade.
A questão da paternidade é simples, salvo em casos de "inseminação artificial" buscada em bancos de sêmen, uma mulher NÃO faz um(a) filho(a) sozinha!

Ou seja, DANEM-SE vocês machistas, nós mulheres temos MUITOS DEFEITOS! Não contem conosco para mais nada! Sejam felizes juntos porque só um machista para fazer outro machista feliz! kkkkkkkk



Sawl

Anônimo disse...

Há sim claro, 'Valerie Solanas nunca representou nada no feminismo'
Antes ela era considerada um "revolucionaria" hoje ,depois que descobriram que ela tinha os parafusos soltos, ela e excluida ninguém conhece, ninguém viu né ?

Um dia, quando a lola surtar, e devorar o gato dela, ou se autoproclamar uma gafanhoto travesti, dançarino de tango ( afinal tudo e cosntrução social) você perguntara a uma feminista do futuro, quem e Lola ?
e ela responderá:
A Lola não representa nada no feminismo !


Carolina Lucas Paiva disse...

Anônimo 11:02

Quer dizer que somos todas mimadas por questionarmos uma sociedade perigosa para as mulheres?
Porque foi exatamente isso que você disse, que o pai protege as filhas dos perigos cotidianos e que, por isso, a filha não deveria se revoltar com esses perigos cotidianos.
Ou seja: o mundo é misógino, gurls, mas ta tudo ok se vocês tiverem um homem por perto. Vocês estarão sendo mimadas se quiserem que esse mundo misógino acabe.

Lógica, porque abandonastes esses aprendizes de mascus?

lola aronovich disse...

Podem anotar: JAMAIS COMEREI O CALVIN!
Mascu, além de Valerie Solanas nunca ter sido representativa no feminismo, um dos motivos pelos quais ninguém além dos anti-feministas falarem dela hoje é que ela já morreu faz muitas décadas. Sabe, hoje não se fala muito de uma feminista super importante e ainda viva, a Gloria Steinem. Quantas pessoas hoje já ouviram falar de Susan Brownmiller? Mesmo de Germaine Greer, que talvez a Caitlin Moran consiga trazer à tona, porque é a pessoa mais citada e admirada de todo o Como Ser Mulher? Todas elas foram -- SÃO -- um milhão de vezes mais importantes pro feminismo que a Solanas. O motivo pelo qual pouco se fala delas hoje é que elas pertencem à segunda onda do feminismo. Escreveram suas obras mais importantes nos anos 60 e 70. E hoje já estamos na terceira onda. Solanas não é nem nunca foi importante. Eu sou feminista desde que me conheço por gente, e cresci ouvindo falar (mesmo que não lendo diretamente) Steinem, Friedan, Beauvoir, Greer e várias outras. Sabe quando ouvi falar de Solanas pela primeira vez? Quando foi lançado o filme I Shot Andy Warhol. Ou seja, ela é mais conhecida por ter atirado em Warhol (já ouviu falar?) que por seu feminismo...

bruna lazarini disse...

Bora arregaçar as mangas, então...
Por menos injustiças e mais fotos do Calvin =]

Julia A. L. disse...

Sempre tive essa coisa de imaginar o que estará nos livros de história do futuro. Dificilmente os grandes nomes da história tinham consciência de que suas ações seriam perpetuadas por gerações à frente. E, ao contrário do que somos levados a acreditar, a história não é feita em grandes salões. Ela produzida a cada esquina, cada casa, cada mesa onde se reúnem pessoas. Individualmente, é difícil mudar a humanidade, mas em grupo é inevitável. E se o feminismo se levanta hoje como um movimento tão forte ao ponto de balançar conceitos básicos de uma sociedade injusta, não vejo como não estarmos fazendo história.