quinta-feira, 18 de outubro de 2012

ESTATÍSTICAS PRA VOCÊ GUARDAR E USAR

Reação das mulheres e meninas ao perceber como a mídia nos retrata

O documentário Miss Representation deveria ser visto por todos, principalmente por pessoas jovens. Ele explica muito bem como as mulheres ou não são representadas na mídia, ou são representadas de forma negativa, limitada ou claramente mentirosa. E que essa imagem que a mídia (e, óbvio, não só a mídia, mas este é o foco do filme) passa das mulheres não apenas influencia diretamente como as meninas se veem, como também é devastador para toda a sociedade. Já falei um pouco do doc aqui (e, como já escrevi montes de posts relacionados a nossa realidade, ponho alguns links nos lugares certos).
Neste post só queria reproduzir algumas das dezenas de estatísticas que Miss Representation coloca, para que que vocês possam usá-las em artigos. Claro, elas se referem à realidade americana, mas não são tão diferentes das nossas.
Qualquer uma dessas estatísticas já rende um bom debate. Por isso, recomendo fortemente que professoras e professores do ensino médio e superior passem o filme para a classe e dediquem algumas aulas para discussões sobre a representação da mulher na mídia. 

53% das meninas de 13 anos sentem-se infelizes com seus corpos.
Este número sobe para 78% quando as meninas chegam aos 17 anos.
65% das mulheres e meninas sofrem distúrbios alimentares.
17% das adolescentes se autoflagelam.
Índices de depressão entre mulheres e meninas dobraram entre 2000 e 2010.
Anunciantes americanos gastaram US$ 235,6 bilhões em 2009. [Quem ainda não viu o documentário brasileiro Criança, a Alma do Negócio tem que ver].
80% dos países no mundo têm PIB menor que isso.
Americanas gastam entre 12 mil e 15 mil dólares por ano em produtos e salões de beleza.
Número de cirurgias realizadas em jovens com menos de 19 anos mais do que triplicou entre 1997 e 2007.
Um facelift custa em média US$ 11.429. Isto é suficiente para pagar 5 anos de faculdade pública, 2 anos de universidade estadual, 1 ano na Universidade da Califórnia.
Ainda que mulheres sejam 51% da população dos EUA, elas são apenas 17% do Congresso. A eleição intermediária de 2010 foi a primeira vez que as mulheres perderam participação desde 1979. Seguindo este ritmo, as mulheres não alcançarão a igualdade por 500 anos.
Nos EUA, 34 mulheres já foram governadoras de estados... contra 2319 homens. E, óbvio, eles ainda não tiveram uma mulher presidente. Nem terão nas próximas eleições, em novembro.
EUA não dão exemplo de igualdade: 67 países no mundo tiveram presidente ou primeiro-ministro mulher. Mas não eles.
EUA são número 90 do mundo em termos de mulheres em legislaturas nacionais. (Cuba, China, Iraque e Afeganistão têm mais mulheres no governo que os EUA). [Brasil é número 141. Por isso, vote em candidatas de esquerda para prefeita e vereadora agora em outubro.]
Apenas 16% dos protagonistas em filmes americanos são do sexo feminino.
Entre 1937 e 2005, houve apenas 13 protagonistas do sexo feminino nos desenhos animados. Todas, exceto uma, estavam em busca de uma relação romântica.
Hipersexualidade de Hollywood: mais de 20% dos adolescentes fazem sexo antes dos 14 anos.
Nos EUA, mulheres na adolescência, nos seus 20 e 30 anos representam 39% da população. Mas são 71% das mulheres na TV.
Mulheres com 40 anos pra cima são 47% da população. Na TV, são 26%.
A mídia como propriedade dos homens: Mulheres possuem apenas 5,8% de todas as estações de TV dos EUA e 6% das estações de rádio.
Mulheres detêm 3% de posições de poder em telecomunicações, entretenimento, publicações e propaganda: “Isso quer dizer que tudo que você sabe de si, do seu mundo, vem de uma perspectiva masculina. Não quer dizer que seja errado, apenas que, numa democracia, em que falamos de igualdade e participação, metade da população não participa”, diz Carol Jenkins.
No cinema, mulheres representam 16% de todos os roteiristas, diretores, produtores, diretores de fotografia, e editores. E só 7% dos diretores e 10% dos roteiristas são mulheres.
As matérias jornalísticas sobre mulheres e meninas não chegam a 20%. “Você deve se perguntar: que papel eu tenho nessa cultura? Há um termo acadêmico pra isso: aniquilação simbólica”, diz Martha Lauzen, diretora executiva do Centro de Estudos da Mulher na TV e nos Filmes, da Universidade de San Diego.
Uma em cada quatro adolescentes sofre violência no seu namoro.
Uma em cada quatro mulheres sofre abuso do parceiro ao longo da vida.
Uma em cada seis mulheres é sobrevivente de estupro ou tentativa de estupro.
15% das sobreviventes de estupro têm menos de 12 anos.
Os estereótipos de gênero são péssimos também para os homens: 1 em cada 18 homens nos EUA está atrás das grades, ou sendo monitorado.
70%  das mulheres no mercado de trabalho são mães. Mas os EUA são a única nação industrializada sem licença familiar remunerada, creches públicas, políticas de horários flexíveis.
Num cenário tão devastador, como pensar que isso não afeta as meninas e mulheres na sociedade?
"A maneira mais comum que as pessoas abrem mão de seu poder é acreditando que não o têm" - da grande escritora Alice Walker.

79 comentários:

Dona do Sexo -Bonobo rules,Jaçanã forever disse...

EUA é pior do q Brasil nesse sentido.Ainda bem q temos um governo de esquerda e tudo indica q na maior cidade do país tb terá.Isso só aumenta minha esperança pra equidade.

Anônimo disse...

Tem razão, a vida das mulheres no Afeganistão e melhor que adas mulheres nos EUA...................to gargalhando aqui !

Gabriela disse...

E tem gente q ainda diz q nós mulheres alcançamos igualdade.

Esse vídeo aqui é muito bacana

http://www.youtube.com/watch?v=aC8Ls-5nRxM

Mauricio disse...

Eu vi o filme e achei realmente muito bom.
Chega a ser ridículo que os EUA sejam chamados de "a terra da liberdade" quando a maior parte dos seus habitantes é de alguma forma excluída de seus direitos, seja no âmbito político, econômico ou social.
Mas nós não estamos muito atrás, infelizmente.

Anônimo, a vida das mulheres do Afeganistão não é melhor do que nos EUA, simplesmente porque a vida no Afeganistão não é melhor para ninguém. O que chama a atenção é a disparidade da participação política das mulheres, que nos EUA chega a ser menor que no Afeganistão dos talebãs. Melhor reler o texto para não passar por idiota.

Anônimo disse...

Vamos falar da J.K.Rowling que está lançando seu primeiro título para gente grande, The Casual Vacancy e vendendo que nem água? Quem sabe ajudaria mais do que chorar em cima de estatísticas? Ela também sofreu violência doméstica por parte do portuga com quem se casou, tá?

Carlos disse...

"Ainda que mulheres sejam 51% da população dos EUA, elas são apenas 17% do Congresso."

As PRÓPRIAS mulheres se boicotam, se não fosse isso, a manuela ganharia para prefeitura de porto alegre, pois ela é a candidata "menos pior"...

*fortunati ganhou no 1º turno com 65% dos votos; abstenções "tiveam" mais votos que a manuela.*

**Votei nulo**

Anônimo disse...

Ainda não vi o filme, mas em breve pretendo conferir. triste é ver que tais dados não me surpreendem nem um pouco. Na verdade, a unica surpresa foram os outros dois comentários anônimos, tão idiotas que eu estou em duvida se é só uma pessoa frescando ou a imbecilidade e falta de coerência usual dos trolls.

Camila

Anônimo disse...

Vamos raciocinar juntos ( se possível)
Se nas EUA ,e também no brasil, a população feminina e maior que a masculina, ou seja, maioria dos votos, e podem se candidatar a vontade,eu tenho algumas questões, em contexto geral :

Por que as mulheres não se candidatam?

Por que as mulheres não se interessam por politica ?

porque as mulheres ficam em posições passividade, esperando que alguém faça algo por elas ?( estado paternalista)

Se mulheres são mais da metade na população, mais da metade do que somos como sociedade, e por culpa e força delas também !

Patty Kirsche disse...

Nossa, Lola! Adorei! Eu estou trabalhando com representação feminina na mídia, realmente é grotesco. O papel da mulher é sempre de objetinho decorativo. Homens estão em busca de qualquer coisa, mulheres estão em busca de um homem. O gênero feminino é o gênero secundário, né? Vou usar muito suas estatísticas.

Anônimo disse...

Feministas vou esclarecer um ponto, nós homens ( a maioria) não quer viver numa sociedade feminista, não vamos nos submeter ao feminismo sob nenhuma foma, mas sim ao humanismo.
todo o que vocês veem de pé, ou criado, e de maioria ,feitos masculinos, portanto, ponham as mãos na massa, construam A SUA SOCIEDADE, longe de nós, e vão viver nela, sem a companhia masculina, este e seu direito, o meu, e da maioria dos homens e mulheres tradicionais ( familias) e ficar bem longe de vocês !

Anônimo disse...

A midia e reflexo da sociedade, e não o contrario!

Anônimo disse...

O documentário é muito bom. Eu vi ano passado. Fantástico.
Idiotas que comentaram: culpar as mulheres sempre foi a estratégia da perpetuação da naturalização da desigualdade. É sempre mais fácil as pessoas considerarem as vítimas culpadas pela opressão que sofrem, causa menos angústia e impede a mobilização. Parem de ser covardes e pensem, façam um esforço e saiam do senso comum. Ragusa

Anônimo disse...

Nas faculdade de publicidade,a maioria dos alunos e mulher, eu trabalho em um edificio comercial, que tem um grande escritório de publicidade, e vejam so, a maioria e mulher também !

Anônimo disse...

Olá Lola, minha mais nova postagem espero que goste.

http://metendoumreau.blog.com/2012/10/18/metendo-r100-na-real/

Anônimo disse...

"Nos EUA, mulheres na adolescência, nos seus 20 e 30 anos representam 39% da população. Mas são 71% das mulheres na TV.
Mulheres com 40 anos pra cima são 47% da população. Na TV, são 26%."
- Putz! Eu queria ir pros EUA mas não vou mais. Só tem balzaca. Cruzes! Não é a toa que tem cada vez mais americanos enloquecendo... Realmente, não dá pra ser com mais de 30...

Letícia disse...

Pelamor Anônimos, é justamente isso que o texto critica e tenta nos mostrar. Não é questão de "coitadismo".


A participação política das mulheres é pequena porque desde pequenas as mulheres são condicionadas a desenvolverem outros interesses e se colocarem nessa posição de passividade.

As mulheres não "se boicotam"... Que visão mais simplista!

Anônimo disse...

Mas Anônimo o post nao é exatamente sobre isso? As mulheres não conquistam espaço por 2 motivos, porque não recebem espaço e porque muitas delas não buscam espaço, as mulheres enquanto grupo social estão acomodadas com o que tem, só não podemos falar por todas, porque as que buscam saem prejudicadas, o texto é pra mulheres engajadas, mas sem ofensa, infelizmente acredito que a maioria não seja

Anônimo disse...

A midia e machista? a midia somente reflete o que a sociedade alvo e, existe todo um estudo publicitário para vender a imagem que as pessoas querem comprar, ou seja, a midia reflete a sociedade, e não o contrario, e a midia "machista' descobriu que as mulheres querem se sentir desejáveis, poderosas, e os homens querem a alegria da primeira infancia, isto explica o padrão inacansavel de beleza que se vende para as mulheres na midia, e a infantilização que se faz com os homens !

Carolina Lucas Paiva disse...

A última frase do post, da Alice Walker, responde as perguntas do anônimo.
E, pela enésima vez, feminismo não se trata de guerra dos sexos, mas sim em igualdade política e social.
Existem homens e mulheres machistas. Nós somos contra o machismo, e não contra os homens. Quando o machismo deixar de fazer parte da cultura dominante, o feminismo não terá mais razão de existir, pois as mulheres não serão mais vistas como inferiores.

Sobre a mídia: ela é a mensagem e o mensageiro. Ela repassa os valores dominantes da sociedade e os reforça. Logo, não é difícil imaginar que a mídia tem um poder persuasivo grande.

Dias disse...

Lola querida, será que o sexismo é o principal fator para haver poucas mulheres na política? Talvez isso não possa ser um reflexo da falta de mulheres que buscaram esse caminho na geração que hoje tem por volta de seus 40 anos? Eu não estou querendo determinar nada, estou apenas me perguntando. Na última eleição, o Brasil teve duas candidatas mulheres e dois homens entre os quatro primeiro colocados, acabando com a eleição de uma mulher. Acho que o Brasil está num bom caminho para superar o sexismo na política. O machismo me parece muito mais presente nas pequenas questões cotidianas do que nas grandes questões políticas. Eu posso estar errado e ser mulher ser um fatos para muita gente não votar em uma candidata, mas eu acho que talvez seja o caso de serem muitas mulheres jovens, que ainda precisam mostrar ao eleitorado a que vieram e o que pretendem. Lembro que o eleitorado brasileiro tem uma tendência de ter medo do novo.
Aqui no Rio, a vereadora mais votada era uma mulher do PMDB (por mais que eu não goste dela). Não sei como as coisas funcionam em outros estados ou até no interior do Rio, mas na minha realidade isso parece ser uma questão que caminha fortemente para a superação.
PS: minha candidata a vereadora não conseguir ser eleita infelizmente
PS2: no dia que os EUA parecerem menos conservadores que o Brasil, tem alguma coisa MUITO errada acontecendo

Anônimo disse...

as mulheres vão decidir as urnas nos EUA: http://subvertidas.blogspot.com/2012/10/romney-e-seus-ficharios-cheios-de.html

Anônimo disse...

Não é de hoje que acho os EUA um dos piores países para se viver...

Anônimo disse...

E desde quando mulheres entre 20 e 30 anos estão na "adolescência"?

Anônimo disse...

O problema é a total falta de análise dos dados, ou diversas análises bastante erradas.

Ignora-se o fato também da sociedade americana ser a mais competitiva do mundo, porém a competição é pra ver quem é o mais popular.

Sobre insatisfação com o corpo, os números devem ser parecidos entre os homens, é a disputa social.

Mariane disse...

Mas nós não vamos mudar a mídia ou o mundo tão cedo, se não mudarmos primeiro nossa postura diante das coisas ao nosso redor. A mídia manipula quem se deixa manipular...

Quando deixaremos de culpar os outros pelo que nos acontece (governo, mídia, sociedade, etc) e iremos assumir a responsabilidade pelas nossas vidas?

Mihaelo disse...

Não assisti e nem terei como assistir o documentário pois infelizmente moro a 500km do Uruguai, onde tem internet de alta velocidade gratuita, bastando ter um minicomputador e estar próximo a qualquer escola pública. E a maioria dos alunos brasileiros também em hipótese alguma poderão assisti-lo pelo mesmo motivo, lamentavelmente.

Anônimo idiota das 13:32
A maioria dos alunos em quase todas as faculdades é mulher, mas isto não faz a menor diferença, visto que os donos das agências de publicidade e das empresas que contratam os serviços das agências são homens.Quem paga a orquestra, escolhe a música!
Me lembro de uma experiência de trabalho relatado por uma publicitária negra no FSM de 2003 de que ela trabalhava em uma agência de publicidade que recebeu um pedido de uma grande indústria que solicitara um comercial em que não podia haver atores/atrizes negros. Ela ficou revoltada, mas os proprietários disseram que não podiam contrariar o cliente, pois era um dos mais importantes($$$$$$) da agência e não podiam correr o risco de perdê-lo. Por causa disso ela pediu demissão do emprego.
Enquanto não tivermos uma civilização com a economia baseada em recursos, o planeta Terra continuará com essas desigualdades e violências e com os criminosos que praticam toda sorte de opressão!!!

Mila disse...

Isso pra quem pensa que os EUA é o país da igualdade e da liberdade... só que não.
Este semestre, se tudo der certo vou escrever meu artigo sobre a representação feminina nos mangás japoneses.

nina disse...

Tão tá, as mulheres são acomodadas, caros anônimos?

Quantas mulheres (de todas as idades) você conhece que sustentam sozinhas seus filhos? Quantas tem jornadas de trabalho duplas e triplas? Quantas são abandonadas pelos 'companheiros' quando ficam grávidas ou doentes?

Quantas são incentivadas a buscar melhorias na vida da mesma forma que os homens? Quantas são realmente tratadas com igualdade? Quantas sofrem abuso, violência, assédio, boicote?

A questão aqui não é fazer 'ah, somos umas coitadinhas'. Mas não somos acomodadas. Porque, falando por mim, eu acharia beeem difícil me engajar politicamente se tivesse um filho pra sustentar. Se tivesse que ter dois sub empregos pra cuidar da minha família. Seria difícil travar um luta sabendo que vão apontar o dedo pra mim e me chamar de vadia/gorda e sei lá mais o que por estar lutando por algo.
Humanismo o cara***, vcs querem que as mulheres continuem sendo taxadas de culpadas, pela violência que sofrem, pelas coisas que não conseguem conquistar porque estão ocupadas demais se defendendo, defendendo seus filhos sozinhas, tentando se adequar ao que se espera delas como mulheres (bonitas e magras), como mães (super mães), como pessoas. Quando uma mulher se candidata, o que se vê sobre ela? As propostas? Não, falamos se é bonita, feia, vadia. Apontamos o dedo pra elas, de novo!, porque ousaram se colocar noutro ambiente que não o da casa. A Dilma tem sido execrada pelas políticas?Jura? Então porque tanta piada sobre a feminilidade e a imagem dela?


Mas por que estou me estressando com mascus, né? Só estão comprovando a reprodução do modelo de sempre: a culpa é nossa. Somos Evas eternas.

Pili disse...

A mídia forma a sociedade. (errado!)
A sociedade forma a mídia. (errado)

A mídia e a sociedade intereferem um na outra mutuamente.

Mascu Reaça disse...

Mas mulher realmente tem menos interesse em política. Se a gente for observar foruns e grupos de discussão política, seja os de libertários, conservadores, socialistas... sempre predomina a presença masculina. As mulheres debatem mais sobre maquiagem e moda.
Mulheres são a maiorias nos cursos universitários, em média elas estudam mais que o homens, mas não se ve tantas mulheres engajadas politicamente ou empreendedoras nessas áreas que lidam com a midia.
Eu acho dificil cobrar dos homens que detem o poder que eles ajam de acordo com os interesses das mulheres se essas mesmas não fazem a sua parte.

Sara disse...

estatisticas péssimas, e pela desunião q parece é norma entre nós mulheres, fica dificil ver alguma luz no fim desse tunel.

Mirella disse...

"As mulheres debatem mais sobre maquiagem e moda."


Tipo nesse blog, né? Na verdade este post está perdido entre uma dica de "entre numa calça tamanho infantil sem comer mais que uma azeitona por mês" e um "você PRECISA deste rímel"
Tipo na universidade que cursei (Relações Internacionais, maioria de mulheres em todas as salas).
Mulher só fala sobre bobagem mesmo.

Fio do capeta, você não percebeu ONDE você acabou de postar isto?


peraí que foi tanta sabedoria e lógica que por um instante eu quase acreditei.

Mila disse...

Aqui no DF, já teremos uma mulher comandando o Batalhão de Choque

Roxy Carmichael disse...

eu acho que o mascu reaça tem um ponto, que eu gostaria de agregar o seguinte: de fato observo um menor numero (ao menos entre meus conhecidos) de mulheres interessadas em política. mas não se pode ignorar que existe toda uma estrutura socio-cultural que incentiva certas práticas e desincentiva outras. mulheres ainda são mais associadas ao espaço doméstico e homens associados ao espaço público. isso porque a dominação masculina estabeleceu que a biologia da mulher está mais associada à natureza que à cultura. ou seja, a mulher é quem fica grávida, quem amamenta e portanto, a cultura patriarcal tratou logo de impor que ela deva ser a única responsável pelos cuidados da criança, esta por sua vez está restrita ao espaço doméstico por motivos óbvios, o que leva também à restrição de quem cuida dos pimpolhos ao espaço doméstico. tem uma bibliografia extensa sobre isso. tô mencionando a dicotomia natureza cultura por ser anterior à mídia como conhecemos (propagandas, filmes, novelas da tv, tudo isso é bem recente). isso tem mudado num ritmo até acelerado se pensarmos como viviam as nossas avós cheias de filhos pra criar, as nossas mães com poucos filhos, e nossa geração com média de um filho por casal, ou ainda sem filhos, ou ainda nos novos papéis assumidos por mulheres e homens na criação dos filhos e na divisão do trabalho doméstico, impulsionado claro pela inserção das mulheres no mercado de trabalho.
no entanto, eu confesso que concordo com mascu reaça: os homens provavelmente não vão (e não devem) se ocupar de incentivar mulheres a ocuparem cargos políticos ou ainda incentivá-las a serem proprietárias dos meios de produção, sejam eles materiais ou simbólicos. quando digo não devem, significa que essa postura paternalista de nada ajuda às mulheres. mulheres precisam assumir a responsabilidades por serem autônomas, sujeitos que produzem significado e não só, são portadoras de significado. de forma que precisam educar seus filhos e filhas, devem lutar por seus direitos, devem denunciar abusos, enfim, devem aprender a se defender sozinhas e mais que isso, como diz o jack nicholson no ótimo os infiltrados: ninguém vai te dar respeito, vc tem que tomá-lo. importantíssimo esse doc, importantíssimo que se divulgue essas estatísticas, importantíssimo que professoras trabalhem isso nas escolas, importantíssimo esse blog.

Luiza disse...

" Anônimo disse...
E desde quando mulheres entre 20 e 30 anos estão na "adolescência"?"

Jesuuuuuuuuuuuuuuuuuuus, desce da cruz!

Depois dessa, parei com os comentários por hoje.

Carolina Lucas Paiva disse...

O documentário também mostra como a mulher é desrespeitada quando decide se envolver com política.
Nas eleições passadas, tanto Hillary Clinton quanto Sarah Palin foram chamadas, no mínimo, de vadias.
A presidente do congresso, Nancy Palosi, também era super avacalhada por sua aparência física e pelo fato de ser mulher.
Realmente, deve ser super legal para as mulheres americanas interessadas em políticas verem como serão tratadas, não é?
Antes que os trolls falem as bobagens de sempre: sim, políticos são super zoados pela mídia, por serem pessoas públicas, mas isso só acontece com homens quando eles fazem alguma coisa questionável. As mulheres políticas só precisam de uma coisa para serem avacalhadas pela mídia: serem mulheres.
E dizer isso não é vitimismo ou coitadismo, mas sim atestar um fato óbvio que afugenta muitas mulheres de se envolver na política de modo mais ativo.

Jéssica disse...

Lola, eu gostaria de pedir que você deletasse mais comentários de mascus, o que eles falam realmente não acrescenta nada para a discussão, e é desagradável ter que ficar pulando comentários preconceituosos... Acho que isso impede que discussões mais produtivas apareçam =/

Luana Arrais disse...

Acabei de assistir o doc e amei! É muito bom mesmo!

Luana Arrais disse...

Acabei de ver o doc e amei! É muito bom mesmo!

Roxy Carmichael disse...

mirella
sou sua fã desde que acompanhei os seus comentários no post sobre aborto. tô contigo e não abro! e você tem razão, esse é o blog feminista crítico com repeito à industria cosmética e à imposição do padrão de beleza. agora, eu quando estou por exemplo no aeroporto vejo na livraria/ revistaria mulheres aglomeradas em torno da sessão feminina (nova, marie clarie, capricho, gloss, contigo, quem, boa forma) enquanto mal frequenta a sessão atualidade composta pela péssima veja, ou época (que tb não é lá essas coisas, mas o melhor colunista político da atualidade escreve pra essa revista), carta capital, isto é, e afins. e certamente que os donos das editoras que publicam essas revistas são homens, mas não se pode ignorar que a maioria das reporteres e mesmo das editoras dessas revistas voltadas para o público feminino são mulheres. eu acho um ultraje o suplemento "ela" do jornal o globo. que se restringe a falar de celebridades, tendencias das ultimas semanas de moda e afins. vivo em outro país que felizmente tem um jornal com um suplemento dedicado às mulheres que discute questões como tráfico de mulheres, descriminalização do aborto, violência doméstica e etc. não conheço um jornal brasileiro que possua um suplemento nesse modelo. já trabalhei em jornais brasileiros em que a editora chefe do jornal era uma mulher, contava com várias reporteres e no entanto, o jornal tinha uma revista de domingo claramente voltada pro publico feminino que debatia essencialmente isso, moda.
eu tive muitas professoras que apoiavam determinadas alunas só por elas serem bonitas, enquanto eram extremamente arrogantes com outras por não se encaixaram no padrão de beleza. na minha família, algumas tias criticam mulheres que são mães solteiras, outras incentivam à leitura de "por que algumas mulheres são pra casar e outras não". conheço mulheres que competem entre si no que diz respeito à beleza e atração que exercem, competem se estão numa relação enquanto outras não estão, enxergam mulheres solteiras como inimigas que querem roubar seus namorados, essas coisas. insisto, tô falando do meio em que convivo e das pessoas que conheço. sei que hoje as mulheres são maioria nos cursos universitários e não se pode de forma alguma subestimar essa conquista ainda mais se pensarmos que até bem pouco atrás mulheres não podiam estudar. mas penso que outras áreas que são fundamentais para a emancipação feminina ainda estão engatinhando. com isso não quero dizer que as mulheres sejam culpadas de sustentar o sistema patriarcal. como sempre digo, mulheres não vivem em venus e caíram aqui na terra do nada. elas sofrem as mesmíssimas influencias e reproduzem as mesmas práticas hegemônicas. agora eu acredito muito na ação coletiva e na ação individual para operar e transformar o meio. é isso que estamos fazendo eu, vc, a lola, as comentárias, as convidadas que escrevem posts. eu acho importantíssimo posts sobre mulheres candidatas nessas eleições, importantíssimo estatísticas que confirmem pras mais céticas uma desigualdade que me parece bastante óbvia, ou seja chamar à mulherada à ação.

aiaiai disse...

gente, tostines é mais fresquinho porque vende mais ou vende mais porque é mais fresquinho? Pensem!

As mulheres são "acomodadas" "não se candidatam" etc, porque elas foram criadas pra isso. Desde pequenininha a gente ouve dos nossos pais, parentes, amigos e da MÍDIA, que temos que ser dóceis, preservadas, sensuais "na medida", procurar um marido e ter filhos.

Daí, a gente vai crescendo e vendo na TV milhares de anúncios com as mulheres fazendo o arroz pra agradar o marido e os filhos ou mulheres sendo "sensuais" p agradar bebedores de cerveja.

Qd a gente decide q quer mais do que isso, a gente esbarra em um monte de preconceitos e obstáculos. Minha médica é médica porque o pai dela proibiu ela de fazer engenharia (isso nos anos 1980!!!). Nas palavras dele, "mulher engenheira é lésbica, e lésbica deus me livre, né?"

Daí, as feministas (nós aqui q gostamos do bloguinho da lola por exemplo)dizemos que uma forma de mudar isso é alardear que a mídia precisa mudar. E a resposta de vocês: ah, a mídia é assim mesmo, vocês é que tem que lutar para conseguir maior representação.

CACETA! E o que é que a gente tá fazendo quando a Lola escreve esse texto???!!!

Vamos pensar um pouquinho antes de repetir a babaquice do "vocês não são representadas porque não vão a luta"? Por favor!!!

Anônimo disse...

Se querem dados bem analisados (sobre os EUA) leiam o livro abaixo. Mulheres, para os mesmos empregos, normalmente recebem salários maiores.

Por favor, tem muita coisa errada no mundo, mas as conclusão que aparecem aqui sem uma análise correta dos dados é muito triste!

http://human-stupidity.com/stupid-dogma/political-correctness-stupid-dogma/how-women-can-earn-more-then-men-25-life-choices-to-get-higher-pay

Anônimo disse...

Tive que rir do anônimo de 13:27. Isso pq o cidadão é um alienado que realmente pensa que as mulheres não tiveram grandes realizações na sociedade.
Ainda que excluídas em vários sentidos, meu caro, as mulheres deram a luz à ideias que o seu 'humanismo' (oi, você está no renascimento?), que é um movimento inexistente, nunca deu.
Procure, nem que seja um pouco, sobre astronomia, matemática, biologia, psiquiatria, história, etc. Quando você tiver conhecimento, cê vem aqui, tá legal? Só pra te poupar da vergonha mesmo. E EM FALAR NISSO, HOJE É DIA DA ADA LOVELACE! FOR POR ELA que hoje usamos computadores. Um beijo na alminha de todos :*

Anônimo disse...

"Fio do capeta, você não percebeu ONDE você acabou de postar isto?"

eis uma das razões que me fazer gostar desse blog, kkkkkkkkkkkkk!!!!!

Anônimo disse...

Gente, já trabalhei na área da comunicação... É de chorar ver a mentalidade das pessoas que produzem informação(?) em larga escala para a sociedade....
As redações e agências de publicidade são dominadas por um povo de classe média e alta, que vive numa redoma e acha que o resto do planeta é exceção extravagante à norma deles.
Acham que tudo fora dali é um exotismo que não merece estudo sério, no máximo etiquetinhas do Ibope.
E o pior é que acreditam mesmo que têm uma visão privilegiada da sociedade, MY GOOOOD!!!!!!

Carla disse...

Meu Deus, já faz um três dias que os mascus resolveram lotar o bog com seus comentários preconceituosos, grande parte demonstrando que não sabe interpretar texto, eu até pediria para a Lola censurar, mas aí eles virão com o mimimi de que são censurados pelas feministas.

Eu percebo que a coisa está perdida quando vejo Mascu Reaça como nome de quem comentou.

Por que eles vem aqui sem ter nada a acresentar?

Se vocês, mascus, não gostam do blog por que vem diariamente e ainda enchem de comentários?Estão querendo tirar um dos únicos espaços de feminista tem voz?

Já estou cansando disso, e de preferência nem respondam.

Lola, seu blog continua ótimo, com assuntos interessantíssimos para o cenário atual, a única coisa que estraga são todos esse mascus repetindo os clichês de sempre.

Anônimo disse...

O foda é esse bando de lixo querendo comentar aqui sem nem ter assistido o documentário, que é o tema do post e foi produzido de uma forma sensacional, não tem como não ser mobilizado pelo conteúdo. Vão pastar.
Ragusa

Carla disse...

Corrigindo erros do meu último comentário:

Estão querendo tirar um dos únicos espaços QUE feminista tem voz?

Já estou cansandA disso

Neide Barros disse...

queria um lugar pra baixar ou comprar com legendas pra trabalhar com minhas alunas. Alguém indica. Não sei se está disponível em dvd no brasil... Não encontrei nada na internet.
Dicas serão bem vindas. abs

Renata disse...

Lola, nem é sobre o assunto, mas eu chorei demais com essa notícia:

http://oglobo.globo.com/rio/donos-de-caes-se-revoltam-em-pet-shop-denunciado-por-agressoes-no-engenho-de-dentro-6442696

Chorei muito, muito mesmo.

Minha esperança na humanidade tá cada vez menor, não sei pra onde correr.

Moema L disse...

Eu ia comentar mas os mascus acabam com a minha paciência.É tanta ignorância que... ai meus sais...

Meu são chico, acalma esses animais selvagens por que esta de mais...

tchau e bença

Anônimo disse...

PARA Anônimo das 13:27

Quem disse que Feminismo não tem nada a ver com Humanismo? Você precisa estudar mais viu?
Desde quando uma sociedade MACHISTA tem a ver com Humanismo seu IGNORANTE!
Houve feitos masculinos durante a história do mundo sim, assim como houve muitos feitos femininos, a diferença é que invenções e ações de mulheres NUNCA foram reconhecidas devido à séculos de machismo.
As feministas são mulheres assim como qualquer mulher. A diferença é que graças ao Feminismo as mulheres podem: votar, estudar, trabalhar e denunciar agressões e violência sexual cometida por companheiros, parentes ou desconhecidos.
Nós feministas ADORAMOS HOMENS! Queremos uma sociedade NÃO feminina, mas, uma sociedade onde homens e mulheres tenham os mesmos direitos e deveres. Se informe melhor antes de jorrar bosta pelos dedos!
Nós feministas NÃO gostamos de pseudo-homens(como vc).
Não gostamos de moleques. Não gostamos de misóginos. Não gostamos de homens de mente pequena que trata mulher como objeto ou lixo!
O que é pra vc, " maioria dos homens e mulheres tradicionais ( familias)"?!
É aquela "vidinha" dos anos 50, onde sua vovó: apanhava, era traída, humilhada e tratada como LIXO pelo teu avô?
Engraçado que para um machista ignorante como vc, qualquer direito por menor que seja adquirido pelas mulheres representa AMEAÇA. Ô coitadinho, não vive mais em uma sociedade onde mulher NÃO pode: estudar, votar e trabalhar.
Onde mulher é obrigada a ficar: trancada em casa, apanhando do marido, tendo um filho atrás do outro, sendo violentada pelo companheiro quando ela não quer sexo, etc. E somando todo este sofrimento, sorrir como se tivesse "a melhor vida do mundo".
Homens e mulheres inteligentes tem que ficar longe de pessoas como vc: pessoas ignorantes, machistas, racistas, preconceituosas com tudo e todos.
Um tipo como vc, não faz falta neste mundo.
Se o mundo dependesse de babacas burros como vc, todos os países seriam iguais ao Oriente Médio, onde mulheres são estupradas e PRESAS no lugar de seus algozes; onde meninas pequenas são obrigadas a casar com homens bem mais velhos; onde meninas são mutiladas em nome de uma pseudo-moral, onde mulher vale menos que gado; onde mulher é apedrejada por qualquer deslize, etc.

Invés de vomitar suas teorias moralistas e preconceituosas, típicas de um homenzinho recalcado, mal amado e frustado como vc é, estude, se torne um ser humano melhor, TOMA VERGONHA NA TUA CARA e vê se aprenda a ser um cara inteligente, aprenda a ser um HOMEM DE VERDADE(isso você NÃO É).

Homens e mulheres de bem PRECISAM ficar longe de sujeitos doentes, PODRES, ridículos como vc!



Sawl

Anônimo disse...

Lola, falando da representação das mulheres na mídia, vc já viu a nova propaganda da Marisa que FELIZMENTE está causando MAIOR POLÊMICA?

Na propaganda uma moça magérrima, agradece a péssima alimentação que teve para pôr um biquini e ficar desfilando na frente de um bando de homens como se fosse não uma mulher, não um ser humano, mas um mero pedaço de carne a ser consumido.

A propaganda a meu ver e também de muitas pessoas é MACHISTA e incentiva a anorexia que é tão forte nas adolescentes.

Marisa uma loja dita "feminina" que põe um modelo machista de "ser mulher".
ps: o curioso é que não vejo propaganda mostrando homem sarado de sunga agradecendo a alimentação de baixas calorias pelo corpão que tem, isso é só com as mulheres, depois dizem que o Brasil não é um país machista, também falam que não é racista né? Fazer o que?
Resposta: Protestar!


Sawl

Thata disse...

Dá pra baixar do youtube com o programa "atube catcher" (este vc baixa no baixaki) - experiência própria. Só não fica em uma resolução boa para projetar, mas baixa td direitinho, e com legendas.

Anônimo disse...

Antes de comentar vale a pena ler os cometários. Pq, apesar de tudo que vc disse, as mulheres continuam tendo menos representação? Problema genético? Não querem fazer parte? São mais sensíveis e coitadinhas? Não, elas continuam senso oprimidas em diversos âmbitos da sociedade. E nao adianta vir com casos isolados. Sejam inteligentes, estamos falando de forma geral.

Anônimo disse...

Cara Lola,

sou nova por estas bandas. Seu blog é uma grata surpresa! Quem me dera ser tão eloqüente e tão bonita, por dentro e por fora, quanto você.

Peço desculpas pela pergunta não-relacionada ao tema do post, mas você poderia recomendar boas leituras de cunho feminista? Você possui uma lista de "best of" particulares? Já houve algum post desse tipo aqui no blog?

Um abraço,
M.





NEIDE MACHADÃO (irmã da Lola) disse...

Adorei o texto, super me indentifiquei
uei, a midia nos ilude e engana,nas capas das revistas, nas manchetes dos jornais, na televisão, na internet e em qualquer meio da mídia as mulheres são destaque, nos prometem que se usarmos o xanpu seda, os cremes de reboco de cara da natura, estaremos sempre novas, poderosas, e teremos os homens ao nossos dispor, omo semi deusas,teremos sempre um besta para fazer de puleiro,

mas o tempo passa, e o tempo e cruel gente, a midia cobra juventude e beleza das mulheres, e sucesso financeiro e profissional dos homens, e depois de trinta primaveras, fica dificil competir com que tem somente vinte e duas primaveras, ai bate aquela depressão, e vemos o quanto a midia se aproveitou de nossos egos !

meninas um conselho, sejam mais humildes, amorosas, e aprendam a fazer bolo ( isso e muito importante)

Mirella disse...

Roxy,

=)

Naquele post do aborto vc e a Cora botaram pra quebrar, sensacional mesmo. Foi um prazer contar com comentaristas tão assertivas, objetivas, críticas!

Quanto a este post
Não digo que mulheres não falem de moda ou de maquiagem ou de whatever. Nem quem fala sobre tais coisas é uma pessoa "pior", menos "engajada" ou que isto seja um fator depreciativo de qualquer espécie. A questão é que o "mulher não entra na política porque prefere moda" é um pseudoargumento estapafúrdio de ser usado aqui e isto me irritou demais rsrsrs. Com coisa que a Lola não dedicou diversos posts separados para falar de candidaturas de mulheres feministas, de esquerda, com propostas interessantes.

Infelizmente existe muito reforço nesse estereótipo da mulher que entende de moda e maquiagem (como também acontece com gays, por esta ser uma "característica feminina"). Só que achei muita incompetência cognitiva do sujeito vir até aqui falar isto, sabe?

Por exemplo, eu mesma tenho maquiagem e quando to sem ter o que fazer leio sobre moda. Mas é só quando já li o que me interessava nas colunas de futebol e fórmula 1, ou seja, eu deploro a dicotomia "coisa de homem/de mulher". Mulher não se interessa por política, mas eu cursei uma faculdade que era somente política, sabe? Minhas matérias favoritas ever eram Teoria Política, Estudos Estratégicos, Direito Internacional. Então quando vem um cognitivo-deficiente me dizer que "mulher isso e aquilo", ele que enfie sua estupidez em seus buracos mais obscuros.

Fora que esta semana o blog me deixou completamente enojada e sem esperança na humanidade (sem mencionar minha vida pessoal haha). Estou completamente sem paciência com gente cretina e já to chegando no hadouken rsrsrsrs.

Anônimo disse...

Chamem as Femen!

Sawl, os homens vivem dizendo que preferem as cheinhas. Quem gosta de magrinha são os estilistas de moda de passarela, viu? E as meninas querem ser magrinhas para serem modelos e ganharem MUITO dinheiro, e não para agradarem aos homens.


A anorexia é um distúrbio de imagem, tem mais a ver com uma competição consigo mesmas mais o desejo de permanecer criança do que com o machismo. Nunca vi machista exigir que suas mulheres/namoradas sejam magérrimas. O que eles exigem é que não se arrumem, não se pintem, não saiam de casa, não vistam decote, saia curta, etc.

E vamos combinar que existem muito mais obesas compulsivas do que anoréxicas. Não vai protestar também?

lola aronovich disse...

Essa Neide Machadão (irmã da Lola) é o mascutroll Fábio, fazendo qualquer coisa pra não ser deletado. Mas será. Só deixei pra vcs se divertirem com a estupidez dele. Ah, minha irmã se chama Consuelo e mora na Califórnia, obrigada. E é muito mais inteligente que 300 mascus juntos.

Anônimo disse...

Mas um dado estatístico mencionado na revista Pesquisa Fapesp p. 40: mulheres e crianças são as principais vítimas de furacões. Elas representam até 89% das mortes ligadas a esses fenômenos.

Roxy Carmichael disse...

Mirella
tá certíssima! como sempre!
eu quis compartilhar aqui esse meu pensamento porque de um lado me sinto tão orgulhosa sabe, das mulheres?Mas por outro lado me dá um desânimo...quando por exemplo estou nessa situação que te contei, lá na banca de revistas. me dá um desânimo quando vejo reporteres e editoras de jornais e revistas prestando um desserviço, não por abordarem beleza, semanas de moda, mas por resumirem um caderno do jornal a isso. acho que a lola já falou isso por aqui que um dia iria publicar um texto sobre mulheres reproduzindo o machismo. eu espero ansiosamente por esse texto pelo simples motivo de que penso que essa prática deve ser compreendida para que se possa agir com respeito a ela. é claro que a gente ja compreende. um sistema de dominação é tão ou mais efetivo quando consegue convencer os dominados de seu lugar inferior, para que nem sempre precise utilizar de coerção ou violência física, já que os dominados irão replicar a ideologia dominante. mas eu gostaria de entender melhor esse processo pra ver se se pode vislumbrar uma mudança. tenho certeza que é possível! eu tento fazer a minha parte, argumentando com homens e mulheres, numa boa, na gentileza, até porque mulheres e homens com os quais me relaciono são pessoas muitíssimo gentis, então é fácil. enfim, desejo um fim de semana melhor que a sua semana! beijão pra vc!

Luiza Montenegro Duarte disse...

Fiquei impressionada com o percentual de meninas insatisfeitas com o próprio corpo, especialmente no início da fase adulta, em que normalmente há o início da vida sexual. Seria interessante, porém, saber o percentual de meninos insatisfeitos. Não tenho dúvidas que será menor, que as meninas são massacradas diariamente com a exigência da beleza, mas o trabalho seria mais completo se permitisse a comparação.

josemilson disse...

Luisa Monteiro vc sim tem time do que é igualdade, escreveu em poucas linha o sentimento do que eu vejo das parcialidades de certas pesquisas

Sara disse...

Sawl onde eu assino ?????tudo de bom seu comentário...

Leio Lola Leio disse...

Muito obrigada pelas indicações!
Vi o documentário e estou lendo um livro que você indicou. Gostaria que você compartilhasse mais de suas leituras e filmes por aqui.

Um abraço, Lola.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Bom saber que a cada vez mais fazem documentários mostrando essa realidade.
Há pouco tempo vi no Facebook, não lembro se um documentário ou matéria de tv sobre a televisão italiana e a forma sempre objetificadora ou degradante de se representar mulheres.
Choveram comentários de como a tv italiana era absurda, como se fosse muito diferente da nossa. Me pareceu que o tratamento lá é sim um pouco pior, mas não tão diferente.

yulia2 disse...

po... essa quarta foto é o que eu estou pensando?

yulia2 disse...

Quando o machismo deixar de fazer parte da cultura dominante, o feminismo não terá mais razão de existir, pois as mulheres não serão mais vistas como inferiores
____________

exato!

yulia2 disse...

EUA é pior do q Brasil nesse sentido.Ainda bem q temos um governo de esquerda e tudo indica q na maior cidade do país tb terá.Isso só aumenta minha esperança pra equidade.
_____________

graças a deus, graças a deus...

só a esquerda mesmo pra salvar o país...

yulia2 disse...

Feministas vou esclarecer um ponto, nós homens ( a maioria) não quer viver numa sociedade feminista, não vamos nos submeter ao feminismo sob nenhuma foma, mas sim ao humanismo.
___________

leandro e suas baboseiras

lola aronovich disse...

Nossa, q horror! Acho que a foto passou batida, Yulia, por mim e por outrxs comentaristas. Ninguém reparou (bom, tava minúscula, tinha que clicar pra ampliá-la, e creio que poucos fizeram isso). Quando vi e selecionei a foto, pensei que fosse uma Barbie bem cabeluda. Só agora que vc perguntou vi que era uma boneca dentro de uma vagina, ou algo assim, nem deu pra entender direito. Bom, troquei a foto. Desculpem, menores de idade que acompanham este blog.

Leandro disse...

Dessa vez eu sou inocente, Yulia. Não fui eu que escreví aquele comentário.

lola aronovich disse...

Anônimo que me enviou a foto horrenda, veja o que eu escrevi pra Yulia (meu comentário às 21:40). Peço desculpas, não percebi que a foto era isso. Só vc e a Yulia que se manifestaram até enquanto, e 3 dias depois do post ter sido publicado. Então vamos torcer pra que mais ninguém tenha clicado na foto pra ampliá-la (porque pequena como foi publicada não dava pra ver) e reparado.

Cora disse...

nossa Lola, que foto era essa? “engraçado” isso ter acontecido. eu quase nunca olho muito pras ilustrações, a não ser que elas estejam diretamente relacionadas com o texto. a gente acaba que lê meio rápido, enquanto faz outras coisas, e nem presta muita atenção pralém das palavras. ficarei mais atenta.

Anônimo disse...

Ah, certo, então. Ainda bem que pouca gente reparou. xD

Eduardo Farias disse...

Lamentável que outro blog, que eu costumava curtir, esteja tomando outro rumo. O discurso anti-feminista parece ter tomado conta do Acerto de Contas, de Pernambuco:

http://acertodecontas.blog.br/atualidades/o-ridiculo-salta-aos-olhos/

lola aronovich disse...

Eu vi isso, Eduardo. Uma leitora me falou pelo twitter. A cada post que eu leio dele, ele está mais conservador. Não o conheço o suficiente pra saber se ele sempre foi assim, mas é impressionante. Daqui a pouco vai estar um reacinha como qualquer outro. Já vi acontecer várias vezes: o cara de esquerda que, com a idade, dá uma guinada à direita e se torna um reaça que não deve nada a reaças com mais tradição. Enfim. O chato é ver que ele é ignorante, no sentido de não querer aprender. A pergunta que ele fez nos comentários ("O que gordura tem a ver com machismo?") foi épica. Tem até livro feminista chamado FAT IS A FEMINIST ISSUE.
O pessoal aí de Recife deveria dar uns toques nele...

Tatinha disse...

Gente, só eu não estou conseguindo acessar o blog "metendoumreau"????