terça-feira, 10 de julho de 2012

UMA MULHER SEM SEU HOMEM

Imagino que este exemplo sobre a importância da pontuação deve ser antigo, mas eu só vi recentemente. Mesmo estudando numa escola americana, não me lembro deste exercício. E ele não funciona em português. Então vamulá, pontuem esta frase.
“A woman without her man is nothing” (“Uma mulher sem seu homem não é nada”).
Na verdade, o que não entendo é porque devemos pontuá-la, já que a frase em si não precisa de pontuação. Ela está gramaticamente correta como está, não? Claro, só gramaticamente! Uma mulher não precisa de um homem pra ser alguma coisa, ou um montão de coisa, o que quiser ser.
Mas, no exemplo usado, quando o professor ou professora pediu para que os alunos pontuassem a frase, todos os alunos homens escreveram: “A woman, without her man, is nothing” (“Uma mulher, sem seu homem, não é nada”).
E, segundo a lenda, todas as mulheres na classe escreveram: "A woman: without her, man is nothing” (que seria “Uma mulher: sem ela, o homem não é nada”).
Não sei de quando vem essa história, mas é bem guerrinha dos sexos, né? Porque eu jamais contaria a história como se todas as mulheres pontuariam de uma forma, e os homens, de outra.
E não teria esta forma de pontuação também? “A woman without, her man is nothing.” (“Uma mulher sem, seu homem não é nada”).
Talvez o pessoal goste de usar este exemplo porque é fácil de lembrar. Mas tanto mulheres quanto homens quanto trans* (entenda por que o asterisco é importante) podem ser muito sem precisar de ninguém. 
Estou pensando na frase porque vou pegar uma disciplina de Produção Textual e uma das coisas que preciso ensinar (e que os alunos realmente precisam) é pontuação. Já consigo imaginar as queixas mascus de que estou doutrinando os alunos... Música para os meus ouvidos.

52 comentários:

Huan Icaro Piran disse...

O pior é que tem muita gente que usa métodos didáticos sem fazer uma avaliação criteriosa deles. Dai temos umas aberrações mecânicas como esse, que reproduz incontinentemente os sexismos.
Já os mascus, me pergunto o porque diabos alguém deixa eles passarem nos psicotécnicos?

Anônimo disse...

Não se preocupe já sabemos que o feminismo subverte a lingua como forma de agressão faz tempo.
Por exemplo segundo voces feministas machismo é tudo de ruim que a sociedade tem a oferecer e segundo dicionarios antigos machismo : Qualidade, ação ou modos de macho( 'ser humano', 'valentão') ; macheza; .

Bruno S disse...

Eu sempre vi a habilidade de usar bem a pontuação como um dos grandes desafios para quem escreve.

Acho que essa brincadeira de pontuação também existe em português. Lembrei de um exemplo baseado num testamento.

"Foi encontrado o seguinte testamento: "Deixo os meus bens à minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do alfaiate nada aos pobres". Quem tinha direito ao espólio? Eram quatro os concorrentes. O sobrinho assim pontuou o texto: "deixo os meus bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho. Jamais será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres". A irmã pontuou assim: "deixo os bens à minha irmã. Não ao meu sobrinho. Jamais será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres." O alfaiate fez a sua versão. "Deixo os bens à minha irmã? Não! A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do alfaiate. Nada aos pobres". O procurador dos pobres pontuou assim: 'Deixo os meus bens à minha irmã? Não! Ao meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do alfaiate? Nada! Aos pobres!".

Adriana Riess Karnal disse...

Lola,
Indiquei teu blog pra uma aluna muito legal, queria que ela entrasse nas discussoes começando a partir daqui, já que ela estava iniciando. A aluna, infelizmente, parou de ir na aula. Nao vejo isto como negativo, o espaço pra aprender cada vez mais está off campus. BTW, essa frase "a woman without..." é nossa velha conhecida ;), e convenhamos, pontuaçao em inglês nao é tao simples.

KALI, desesperadamente humana. disse...

Tem uma versão em português assim:
"Se o homem soubesse o valor que tem a mulher andaria de quatro à sua procura." Onde está a única vírgula?

Se você for mulher, supostamente colocaria vírgula assim:
"Se o homem soubesse o valor que tem a mulher, andaria de quatro à sua procura."
Se você for homem:"Se o homem soubesse o valor que tem, a mulher andaria de quatro à sua procura."

Agora, andar de quatro a procura de algo não é muito eficiente para bípedes, né? A não ser que a coisa esteja no chão. Rsrsrsr.

Nyckynha disse...

Homens dependem muito mais das mulheres.Olhem só a partir de 3:53
http://www.youtube.com/watch?v=alpbAzE81sE

Teresa disse...

Falando em guerra dos sexos, a Globo vai fazer um remake da novela com esse nome, exibida há uns 30 anos. Imagino que quando essa novela for ao ar vai render assunto por aqui.

aiaiai disse...

É a velha questão de que feminismo é machismo ao contrário. Não é. Mas, de tanto q a sociedade repete isso, muita gente acaba acreditando.

Machismo é os homens acharem que mulher sem homem não é nada.

Feminismo é todo mundo saber que todas as pessoas podem ser tudo!


Ficou claro?

Paulo Candido disse...

Uma tradução mais audaciosa para "A woman without, her man is nothing" seria "Se a mulher se vai [sai, está fora], seu homem não é nada".

Lays, mãe e tudo o mais. disse...

Eu conheço uma poesia (não me lembro do autor), que trabalha as possibilidade de interpretação da frase "Uma andorinha só não faz verão.", de acordo com uso diferente da pontuação.

Prefiro à frases que possam remeter à sexismos...

Huan Icaro Piran disse...

Nyckynha, adorei o vídeo, achei deveras coerente o que o Júlio Raizer pontuou nele, inclusive a parte de artes marciais.

Mariana. disse...

uma vez, aqui na minha cidade, ia ter show do chico césar. aí a chamada para o show era:

"respeitem meus cabelos, brancos". Dupla interpretação, porque se for lida sem a vírgula, ele estaria pedindo respeito dos mais jovens. e com a vírgula, iria estar pedindo respeito por ser negro, ter cabelo afro e talz. isso me marcou, só tinha uns 11 anos.

Maria Liliane disse...

Lola, tem essa em português também. Pontue a frase: "Se o homem soubesse o valor que tem a mulher andaria de quatro à sua procura".
Em teoria, se vc é mulher, colocou a vírgula depois de "mulher". Se é homem, colocou a vírgula depois de "tem".

Lenise Motta disse...

Lola, a linguagem pode ser libertadora ou condicionante. Prefiro o modo como as mulheres pontuam esse frase, por ser libertadora dos conceitos dominantes.
Como sugestão "que pretensiosa sou", a frase abaixo, deve ser pontuada para que tenha sentido podem usar qualquer sinal ortográfico:
como como como como como
eu pontuei assim:
como como? como, como como.

Anônimo disse...

morro de agonia qdo não sabem usar as vírgulas em orações restritivas ou explicativas. sei de um caso do cespe numa prova pro tcu. muita gente achou que o cespe estava errado por ter alterado o gabarito. afinal, "não era prova de pportuguês". uma questão sobre pregão, usado pra bens comuns. sei que a coisa foi sobre se determinado bem lá seria pra caso de pregão ou não, já que o texto não tava bem redigido. e nessas até grana nossa vai pro ralo pq acham brechas... até no português!

Anônimo disse...

Trans não é uma categoria distinta de "homem" e "mulher", peloamordedeus.

Se está falando de pessoas trans* não-binárias, é mais fácil falar "homens, mulheres, e outros gêneros".

O termo trans (sem o asterisco) quase sempre implicita que se tratam de homens e mulheres. É bastante desrepeitoso falar de "homens, mulheres e trans".

Anônimo disse...

lenise, eu diria só "como como como", já que tá na ordem direta...

Anônimo disse...

anon das 14:57 - desculpe a ignorância, mas quero aprender. existe "trans *", assim, com asterisco? é isso? se coloco asterisco significa que eu considero tudo, sem isso de homem-mulher. certo?

sem ele, vc diz que "quase sempre" se trata de homens e mulheres. desculpe, não entendi. nesse caso, seriam só os que se identificam como homens ou mulheres? é isso?

aiaiai disse...

anonimo das 14:57,

explica melhor a questão do trans. Eu não entendo mesmo porque "homens, mulheres e trans" é desrespeitoso e "homens, mulheres e outros gêneros" não é.
E quero muito entender.

obrigada

Lívia Pinheiro disse...

Uma vez eu fui de São Paulo ao Paraná rindo de uma placa na estrada, creio que de uma igreja local, dizendo mais ou menos assim [a pontuação é sic]: "DROGAS. NÃO APROVEITE A SUA VIDA!

Bruno S disse...

Lívia,

meu pai sempre brincava com as placas que vinham escritas "Escola Devagar". Era um caso de escola que as pessoas devmoravam muito mais para se formar.

Também tem o "DEVAGAR QUEBRA MOLAS". O sujeito passou em lata velocidade e depois escreveu embaixo "RáPIDO TAMBÉM".

Carol Pinto disse...

Uma mulher sem seu homem. Não é nada. (no sentido de não ser nada demais... eu pontuaria assim)

Alice disse...

nesse artigo uma policial diz que não tem namorado, porque não tem tempo, mas que tudo bem, porque foi criada pra ir atrás dos sonhos, não pra depender de homem: http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2012/07/10/policial-torturada-por-traficantes-comanda-pacificacao-das-favelas-no-rio.htm#comentarios

várias pessoas, nos comentários, consideram sua fala arrogante. eu acho que o mundo vai ter mudado quando ninguém mais fizer perguntas sobre a vida pessoal/afetiva de uma mulher que tem um emprego tradicionalmente masculino.

Anônimo disse...

Trans* (com asterisco) indica todas as pessoas transgêneras, transexuais, travestis, genderqueer, terceiro gênero, crossdressers, etc, etc, etc.

Trans (sem asterisco) quase sempre se refere a pessoas transexuais, ou seja, pessoas que se identificam dentro do binário de gênero. Homens ou mulheres.

Eu falo "quase sempre" pois a linguagem é mutável e flexível e não quero excluir ninguém que não seja homem ou mulher mas que se identifique como trans mesmo assim.

Falar "homens, mulheres e trans" é ofensivo pois a grandíssima maioria das pessoas trans são homens e mulheres, oras. "Homens, mulheres e outros gênero" não especifica se esses homens e mulheres são cis ou trans, e não exclui gêneros além do homem/mulher.

É a mesma coisa que dizer "homens, mulheres, e brancos". Não faz sentido. Uma pessoa branca pode ser homem ou mulher; uma pessoa trans pode ser homem ou mulher.

Ana disse...

Gente, que coisa mais complicada essa história de trans* e trans... Nem sei o que é cis! Gostaria de entender, pois respeito a todos. Desculpem a ignorância, mas dizer apenas "homens e mulheres" é excluir alguém? Mesmo os trans não são homens e/ou mulheres?
Se alguém explicar e desenhar agradeço :)

Luna disse...

~ Em relação aos trans e trans* (explicando pelo pouco que sei, sendo cissexual)

Quando você fala de trans sem asterisco, você se refere à pessoas que nasceram classificadas como sendo de um gênero, porém identificam-se com outro gênero.

Por exemplo, Joãozinho nasceu sendo classificado como um homem, mas Joãozinho se identifica como uma mulher.

Por isso, é ofensivo você dizer 'homens, mulheres e trans' porque você acaba dizendo que trans possuem distinção à parte, como se uma pessoa só pudesse ser homem ou mulher caso "nasça" daquele jeito (aka: nascer com vagina/pênis, ser classificado, reconhecido, identificado pela sociedade como x gênero).

Já quando você coloca um asterisco na palavra (trans*) você está englobando todos que saem da divisão binária e cissexista. Essa imagem dá uma dimensão melhor: http://24.media.tumblr.com/tumblr_m5bprywpDG1qghfy5o1_1280.jpg

Eu acho que uma pessoa que seja trans* possa explicar melhor do que eu, mas creio que a grosso modo, seja isso =)

Por isso, seria gentil se Lola apenas acrescentasse um asterisco aos trans* para, de fato, englobar todos <3

Jeferson Brian disse...

Lola, tudo bom? Acho estranho quando você escreve coisas como "tanto mulheres quanto homens quanto trans podem ser muito sem precisar de ninguém". Estou apaixonado pelo teu blog. Como cheguei há pouco tempo, comecei a ler desde o começo e vim vindo para o fim. Você costuma escrever esse tipo de coisa. Então pergunto: não seria destrutivo e alienante não precisar de ninguém? Eu penso que reforçar os laços de comunidade e cooperação é o que devemos fazer. Viver por si só, alienado de todos os laços, me parece triste e até mesmo um tanto prepotente (não estou dizendo que você é triste e prepotente, por favor). Você poderia, caso ache relevante, escrever mais a respeito dessa ideia de "viver por si", "sem precisar de ninguém" e outras ideias que aparecem no blog como viver "contra a tradição" e a "sociedade"? Pois penso que há na tradição e na sociedade bastante elementos importantes, radicais, que precisam ser aproveitados para melhorar a vida de todos. Enfim. Se um dia você puder especificar esses pressupostos, eu gostaria muito de te ler a respeito desses assuntos. Caso pareça bobagem, me desculpe.

Luna disse...

(ah, sim, alguém perguntou o que era cis:

Cissexual: uma pessoa que foi classificada como de um gênero e se identifica com ele.

Sei lá, Maria nasceu com uma vagina, é vista como mulher pela sociedade e ninguém questiona que ela se identifique como mulher. Logo, é cissexual.

Ao contrário de trans que vivem tendo que validar suas identidades porque a sociedade insiste em associar a sua genitália à sua identidade.

lola aronovich disse...

Pois é, Hailey, HELP! Só escrever um trans sem asterisco já gerou um monte dúvidas! Precisamos de um tutorial urgente de transfeminismo aqui no blog. Guest post! Guest post! Por favor.


Jeferson, o que eu quis dizer foi mais referente a uma frase como “alguém não ser nada”. Vc não acha uma frase muito forte? Acho que ninguém precisa necessariamente de um relacionamento amoroso pra ser feliz. Sei lá, o exemplo é péssimo, imagino, mas monges, freiras, padres, até o amargurado do papa, não podem ser felizes? Eu acho que podem. E o monte de gente que vive só? Todas essas pessoas (e são muitas) são infelizes, mesmo aquelas que optaram por ficar sós? Eu pessoalmente sou suspeita pra falar, porque acho que teria grandes dificuldades pra ser feliz (ou pelo menos tão feliz) sem o maridão, que me acompanha há quase 22 anos. Mas existem milhões de mulheres (e homens) que são solteiras, ou divorciadas, ou viúvas, e que sentem-se muito bem estando sós. O que não quer dizer que estejam sós – elas têm amig@s, colegas, família, filh@s, bichos de estimação, fazem parte de uma comunidade... Dá pra apontar o dedo na cara delas e dizer “Vc não é feliz porque não tem um homem! Vc não é NADA por não ter um homem”? Quer dizer, dar, dá, e os mascus e outros escrotossauros fazem isso direto. Mas é uma atitude um tanto estúpida, não acha? E o pior é que essa é a visão da sociedade perante mulheres sem homens (isso inclui lésbicas). Ha, até pra mulheres com homens (meu caso) sobram insultos como mal-amada, tá precisando de um pica etc etc. Imagine pra mulheres sozinhas?

Anônimo disse...

nossa, mil questões na minha cabeça agora.

bom, agora tá mais do que claro o que é trans*. NUNCA tinha ouvido falar. mas, sempre que eu precisar falar, vou cuidar pra dizer "e todos os outros gêneros tbem". eu, como não entendo 100% disso tudo, prefiro tentar incluir. dizer "todos os outros gêneros" ou até só "todos os gêneros" acho que tá ok pra incluir. legal.

isso tudo é meio louco pra mim pq, desde criança, me vejo como bissexual (nem sempre com essa palavra. não gosto de me definir, mas, pra encurtar as coisas, digo bissexual), mas isso nunca precisou ser uma questão pra mim. sim, já falaram a vida inteira pra eu botar vestido, pra eu ser mais feminina (curiosamente, quem me conhece intimamente me diz que sou super feminina no sentido que essa palavra tem correntemente), ser menos intelectual. mas, qdo namoro mulheres, eu beijo na rua, faço o que eu faria como se fosse um namorado. talvez pq tem aquela coisa de que, com mulher, tudo bem, não é sexo mesmo... como é uma coisa que nasceu comigo, eu nunca parei pra me perguntar muito. eu sou assim.

sobre isso de pegar macho. gente, é uma meleca. já me falaram que, se eu continuasse me vestindo como eu me vestia, eu nunca teria namorado. tipo... vou mesmo me fantasiar de algo que não sou pra pegar macho e enganar alguém só pra não morrer sozinha? aí vou pra academia. pessoas esclarecidas (ou que deveriam ser) me falam que homem não gosta de mulher muito forte. nossa, isso me incomoda de um tanto. esse povo jura que eu pago o que eu pago por mês na academia pra pegar macho? não seria mais eficaz uma agência de namoro?

até meu ginecologista uma vez disse que homem não gosta de mulher com músculo, tem que ser macia. só informo que pele macia e músculo são coisas BEM diferentes. sabe, as pessoas não entendem que uma mulher faça coisas só pelo simples fato de fazerem bem pra ela e de ela gostar.

vcs já repararam que homens costumam ter seus hobbies e cultivá-los bem mais que mulheres? parece que a mulher nunca pode ter interesses próprios, tem que estar sempre à disposição pro seu homem.

aliás, isso de estar á disposição é o que mais me faz terminar relacionamentos. sim, desligo telefone, sim, faço o que quero fazer sem pedir permissão. credo.

Anônimo disse...

lola, no seu caso, vc tem sua vida própria. e é completa. seu marido não completa a pessoa lola. seu marido faz essa pessoa mais feliz porque vcs construíram uma coisa boa juntos. antes dele, vc não precisava de macho pra viver, pelo pouco que já entendi de vc. talvez ele tenha sido só o estopim pra uma coisa incrível.

e, pra mim, se não for incrível, nem quero. tá louco que vou querer homem pra me podar.

lola aronovich disse...

Anônima das 19:28, bom, eu sou uma forte crente no "antes só que mal acompanhada". Pra que ter alguém que vai te podar, que vai ter crise de ciúmes, que vai controlar suas amizades, que vai te ameaçar, que pode te bater ou te matar, enfim, que vai te fazer sofrer? Nessas condições, é mil vezes melhor ficar só. Do mesmo jeito, quem disse que as alternativas são apenas essas duas, ficar com uma pessoa ou ficar só? O poliamorismo vem crescendo e funciona pra muita gente.
O que acontece é que muitas mulheres depois de uma certa idade e, em geral, depois de um divórcio, optam por ficar sós. Sentem-se livres e independentes sozinhas. Em muitos casos, são mulheres que nunca viveram sozinhas antes. Viviam com os pais quando jovens, e casaram e foram viver com o marido. E morar só pode dar uma sensação de liberdade incrível. Não entendo por que associar viver só apenas com solidão e tristeza. Tem a parte da liberdade também.
Eu gosto da minha vidinha como ela é e teria dificuldade em me adaptar a uma nova realidade, caso o maridão batesse as botinhas antes de mim ou se separasse ou fugisse com outra(s). Mas NO WAY que eu me juntaria com outro(s) que não valem a pena só porque a sociedade vê com maus olhos quem está só.

Luna disse...

É triste isso de "não ser ninguém" porque não tem um homem ao lado, né?
Ridículo que isso exista até os dias de hoje.

Nem falo dos mascus, porque eles vivem numa realidade só deles (mulheres ganham menos porque sua carga horária é menor - OIIIII???- quero meus direitos, onde tem um emprego assim? hahaha).

Ai, me perdi. Enfim, acho muito ridículo quando algumas mulheres se acham melhores do que outras só por serem casadas. Se você for olhar de perto, o marido que elas têm nem é O MARIDO. Ele tá lá, existe.

Aqueles "trastes" que a gente vê por aí, se embebedando nos botecos e olhando pras "mulé" que passam e dizendo gracinhas, sabe? Pois é, vários deles são casados.

Me pergunto se vale a pena ter um traste do lado, só pra poder dizer que tem um homem... Pra mim, com certeza não. O velho ditado do "antes só" é verdadeiro.

Clara disse...

Lola, e se fosse assim: "A woman without her, man, is nothing!" :D

Blanca disse...

Acho essa explicação sobre trans* super escassa. Entendo nada disso, alguém podia realmente escrever sobre isso. Porque são MUITAS definições, muitos nomes, e não entendo nem metade deles.

Olha, e ao vivo, como faz? Diz "trans asterisco"? Eu acho isso de trans* estranho pra caramba. Acho que seria mais legal mudarem o sentido da palavra trans. Porque se a pessoa por ventura esequece o * já vem a maior guerra e tal. E ao vivo é difícil.

Blanca disse...

Clara: amei! HAHA Boa.

Anônimo disse...

"Pra que ter alguém que vai te podar, que vai ter crise de ciúmes, que vai controlar suas amizades, que vai te ameaçar, que pode te bater ou te matar, enfim, que vai te fazer sofrer?"

passei por tudo isso. acho que, de tudo isso, só não morri. e quase apanhei. eu sempre falo que vou morrer de tiro de homem pq eu peito mesmo.

ciúme é uma merda. sabe, é como se alguém estivesse te acusando de algo eternamente. e eu me vi em situação de não saber qual é a resposta certa pra evitar briga. demorei pra me separar desse último por causa das filhas, já que, qdo envolve criança, eu acho que a gente tem que pensar demais e tomar cuidado. mas não valeu a pena.

pra ser sincera, eu penso, sim, em tipos alternativos de relacionamentos. eu consegui alguns assim desde que desisti de namorar. só que é complicado. chega num ponto em que o machismo se mostra. é como se fosse confortável demais pra um cara ter uma mulher que não vai ficar no pé e vai querer ficar junto pra transar, sair, ir ao cinema... só que eu reparei que, qdo a coisa pede algo sério, como ser amigo pra coisas ruins, aí tudo isso não vale. eu tinha um relacionamento exatamente como eu qeuria com um cara. a gente trocava livros, conversava sobre os livros, escrevia e mostrava um pro outro, transava, etc. só que, qdo eu entrei na pior fase da depressão, ele não entendeu. minha mãe morrendo e ele querendo sexo. nem tinha clima. lembro que até fui pq eu nunca dei o braço a torcer, mas não consegui transar. aí me toquei de que eu achava que tava tendo uma coisa que não existia.

o que eu quero HOJE pra mim: um homem (ou uma pessoa. mas ando numa fase meio hétero, sei lá)que esteja comigo como amigo pra sempre. que seja meu porto seguro e que queira me ver evoluindo e feliz. que seja minha certeza de amor pra vida inteira. mesmo que ele tenha alguém, mesmo que eu tenha alguém. e que nossa relação seja transparente nos desejos. que haja conversa (e muitos livros. hahaha)e lealdade... alguém com quem eu vou chorar qdo meu pai morrer.

eu não entendo por que amizades duram décadas e "amor" não. eu queria uma amizade dessas como pano de fundo dos meus amores...

Anônimo disse...

blanca, eu falei ali em cima que, qdo eu falar, eu vou dizer "todos os gêneros". é curto e acho que inclui todo mundo.

Augusto disse...

Acho que a Lola colocou o trans* só para ser includente com este grupo. E eu gostei dela ter usado.

Sério, deve ser usado para incluir e este foi o objetivo do uso. Não estava apenas citando.

Um exemplo: Uma propaganda pode colocar: "Apoiamos o casamento e o casamento homossexual."

O 'casamento homossexual' não está ali para discriminar e sim para incluir, basta ver a diferença.

É necessário um pouco de interpretação de texto, tá galera?

Luna disse...

Gente, se quer englobar todo mundo (aka ser humano), basta dizer: "todas as pessoas", "todos os seres humanos", etc, etc, etc.

Há zilhões de palavras para designar gente. Porque vocês tem necessidade de especificar o gênero?

Se querem falar algo tipo 'senhores e senhoras', falem 'senhores, senhoras e aqueles que não ligam para isso'. Etc. Saiam um pouco da sua zona de conforto. Só botar a cabecinha pra funcionar que a gente percebe que há muitas maneiras de se referir à pessoas sem precisar excluir minorias.

Falar 'trans' ao vivo. Não sei porquê, mas na hora de eu ouvir pessoas falando, sempre associo o trans sem asterisco ao 'transexual' e o trans* ao 'trans' mesmo. Pra mim, isso soa bem simples.

Anônimo disse...

luna, como vc diz "trans*". vc diz "trans asterisco"?

sim, sonho com um dia em que nenhuma minoria tenha que ser mencionada pra que esteja claro que todos estão incluídos. só que, qdo a gente diz "todo mundo", 99.9% de quem tá lendo/ouvindo pensa em homens e mulheres héteros, cis e tals.

eu entendo que as minorias precisem dar nomes para que a gente possa usar um código (língua) que as façam efetivamente existir no discurso. para que possamos pensar nelas com sentidos embutidos nas palavras.

mesma coisa que direitos humanos. super acho que deveriam bastar. mas não bastam. daí, lei maria da penha, etc.

Thati disse...

Sou péssima de pontuação. Por mim só usaria vírgulas. =P

Blanca disse...

Mas em tudo quanto é texto todo mundo especifica gênero, Luna. É só ler os textos da Lola mesmo. Não acho que tenha nada de mt errado. Mas é comum. É costume, ué. A gente tem essa mania pq todo mundo especifica e aposto que vc mesma já especificou mt na sua vida. Mudanças não são de uma hora pra outra, pô.


A gente tem, como vc disse, que sair da nossa zona de conforto, quanto mais rápido melhor. Só que mudanças gerais não são assim, num boom. Quem me dera. A gente vai ter que tolerar certas coisas durante um tempo. Eu detesto, mesmo, quando uma pessoa feminista fala algo "errado" por não saber como é o certo e vem gente "VOCÊ ESCREVEU ERRADO, ACHO QUE VC NÃO DEVERIA ESTAR ESCREVENDO ASSIM. QUE DESSERVIÇO AO FEMINISMO." Calma, povo, calma. Isso é entregar carteirinha de feminista por aí. A gente tem que ser amiga entre a gente, ou pelo menos ter que se entender.

Então, pelo menos dentro do """grupo""" feminista, podia haver um pouquinho mais de tolerância e debates menos agressivos.

(Luna não foi agressiva de jeioto nenhum, longe disso. Luninha - amor ♥. Me empolguei pq vejo muita feminista, em páginas do fb ligadas ao feminismo, sair de grosseria por aí. Pô, cê não tá lidando comum mascu, e sim com uma ideologia sempre em construção. Tenha mais paciência)

Anônimo disse...

augusto, concordo. até porque eles são minoria no sentido mais literal da palavra, minoria numérica mesmo.

se a gente diz "casamento civil igualitário" (que é oq eles sugerem) eu penso num casamento em que um homem e uma mulher estão numa posição de igualdade. eu nunca pensaria em casamento gay, pq fui criada num mundo (que é ou se diz) 90% hetero. se é preciso dizer que eu sou a favor do casamento gay, é assim que eu vou dizer. isso não quer dizer que eu considere o casamento gay diferente do casamento hetero, é só uma forma de destacar.

mesma coisa com "direitos humanos" que tem sido muito usado pela militância gay. direitos humanos é isso também, mas não apenas isso. no twitter tá cheio de ativista de direitos humanos que só fala de homofobia. qual o problema de dizer "ativista lgbt"?

Anônimo disse...

http://revistamarieclaire.globo.com/Revista/Common/0,,EMI205728-17737,00-JUAREZ+A+CIDADE+QUE+ODEIA+AS+MULHERES.html

Esse artigo me deixou muito triste e gostaria de compartilha-lo para que mais pessoas saibam do que esta acontecendo.

Lays, mãe e tudo o mais. disse...

Mulher sozinha, feliz, independente e bem-resolvida se apresentando!!!! Uma das melhores coisas de ter terminado meu relacionamento foi perceber e entender que relacionamentos não podem e não devem ser aquilo que te defina.

Aprendi que sou muito mais do que isso, e se um dia eu voltar a ter um relacionamento, este será um aspecto a mais daquilo que eu sou, mas não o que me defina.

EneidaMelo disse...

"o que eu quero HOJE pra mim: um homem (ou uma pessoa. mas ando numa fase meio hétero, sei lá)que esteja comigo como amigo pra sempre. que seja meu porto seguro e que queira me ver evoluindo e feliz. que seja minha certeza de amor pra vida inteira. mesmo que ele tenha alguém, mesmo que eu tenha alguém. e que nossa relação seja transparente nos desejos. que haja conversa (e muitos livros. hahaha)e lealdade..."

Sonho de consumo isso, hein? E livros, muitos livros!

Renato Corrêa disse...

Homem sozinho é mal visto, pode ser um cafajeste, um loser, um doente mental, pode ser um mascu, etc.

Mulher sozinha é mal vista: pode ser uma vadia, pode ser uma solteirona, pode ser uma chata mal amada, etc.


Conheço uma grande empresa da área química, daqui do RS, ue só contrata muheres e homens casados. Segundo o que se diz por aí, o motivo deles fazerem isso é que homens solteiros são muito instáveis emocionalmente. E, para qualquer mascu de plantão que venha com o argumento do "teste do sofá", as gurias que lá trabalham são extremamente competentes e caprichosas com o trabalho, fui colega delas e presenciei suas boas notas e a dedicação ao trabalho.

Eu mesmo sou muito instável emocionalmente quando estou solteiro, não ia conseguir me formar se não fosse o apoio dado pela minha ex companheira, que atualmente estuda na UFSC.

Renato Corrêa disse...

Mesmo tendo teor sexista, as piadinhas rolam pros dois lados.

Se um grupo de homens está a fazer brincadeirinhas infantis, falando bobagem e se comportando como crianças, basta chegar uma mulher perto e eles mudam de postura, alteram as palavras, encolhem a barriga (lembram dos Simpsons?). Se um dos homens é alvo das piadinhas e chega a sua mulher, eles automaticamente trocam o apelido do cara pelo nome, e o tratam de modo mais respeitoso na frente da "patroa", principalmente se ela não tem intimidade com os amigos.

Hailey disse...

Eu não li todos os comentários, parei quando uma pessoa anônima disse que era desrespeitoso separar homem/mulher e trans*. Bem o problema é o seguinte: se eu digo "homens, mulheres e trans*" sugere que trans* não está incluid@ dentro das categorias homem/mulher, e isso é cissexista. Entendam que trans* PODE OU NÃO estar dentro dessas categorias, porque elas não são estáveis. Se o objetivo era separar politicamente as categorias para entendermos de quem estamos falando, poderia adicionar o cis na frente das categorias, porque isso desnaturaliza as categorias binárias. Minha sugestão seria "homens e mulheres (cis e trans*)". Não há necessidade de colocar "outros gêneros" porque o asterisco na palavra trans* já transforma em termo guarda-chuva que irá englobar esses "outros gêneros".
Hailey.

Anônimo disse...

...confesso que quando mais novo pensava que o homem e a mulher se casavam, formavam uma família ,tudo isso porque se gostavam, se amavam....mas infelizmente eu estava equivocado......são só agressões.....em contrapartida não costumo ver nem homens nem mulheres sozinhos....talvez seja um ou outro indivíduo que, por algum relacionamento frustrado pense em ficar sozinho(a)...mas no geral sempre vejo casais, estranho né?....porque sera´?????

Anônimo disse...

....quanto aos comentários sobre trans (que não entendo porque entrou na discussão) parece que as pessoas não entendem bem do que se trata, não é homossexualismo nem tampouco travestismo, transexualismo é outra coisa mais complexa, onde a maioria dos indivíduos são extremamente moralistas, muitas vezes sequer praticam sexo, muitos tem até repulsa, outros , apesar de se sentirem do sexo oposto, são "pseudohomossexuais , ou seja o indivíduo se sente mulher e quer transar com mulher (como se fosse uma lésbica)....então não entendi realmente o porque da citação desses casos que em si só já são extremamente complicados e nada tem a ver com o tema de que uma mulher pode viver sem um homem...........