terça-feira, 3 de julho de 2012

NÃO SUBESTIME A GALERA DA INTERNET

Posso tentar escrever este post sem quase nada de pesquisa? É que estou com pressa. Entre domingo e hoje escrevi 28 lindas dedicatórias pra quem comprou o meu livro (e você tá esperando o quê, hein?) e desse jeito vocês vão me perder. Escrever dedicatória tá parecendo mais divertido que escrever blog! E muito mais legal que escrever um artigo acadêmico que estou devendo desde maio.
É assim: neste final de semana, no Twitter, o bafafá (sempre rolam altas tretas e fofocas no Twitter, e sempre todo mundo ouve falar nelas uns dois dias antes de mim, em média. Eu sou oficialmente a última a saber, sempre!) foi que alguém descobriu a “identidade secreta” de uma blogueira que eu nunca nem tinha ouvido falar. Seu blog, Blogueira Shame (como eu sequer sabia que existia, não sei se fechou), era/é sobre moda, e parece que falava mal de outros blogs de moda. 
O problema de “falar mal” é que você emite julgamento, e inúmeras vezes esses julgamentos resvalam em preconceitos. Por exemplo: ontem mesmo passei os olhos nuns tweets de um cara atacando os desafetos de uma amiga. Pra defender a amiga, ele chamou as moças que a estavam atacando de feias, gordas e mães solteiras. Rapidamente choveram mensagens pra ele do tipo “O que você tem contra mães solteiras?”. E o cara: “Nada, são guerreiras maravilhosas”. 
Mas se o cara gosta tanto de mães solteiras, por que um minuto atrás ele tava xingando alguém que ele não gostava de mãe solteira? Não dá pra dizer “Eu acho mãe solteira uma droga quando eu falo da fulana, mas acho uma guerreira ao falar de vc, minha amazona” (quer dizer, o cara disse isso! Disse que chamou a fulana de mãe solteira pra insultá-la, e ulalá, ela se ofendeu! Nem era insulto, e ela se ofendeu!). O estrago já tá feito. Ao associar mães solteiras a outras palavras pejorativas como feia e gorda, danou-se. O cara passa atestado de babaca preconceituos (e as justificativas são quase um pedido de internação pra tratamento psiquiátrico).
Num blog de moda, então, é facílimo adotar uma postura elitista e, obviamente, gordofóbica. Então parece que a Blogueira Shame colecionava inimigas, pois já havia sido grossa com blogueiras negras, gordas e pobres. Repetindo: eu não acompanhei nada disso, só estou repetindo o que li. E não disfarço muito bem meu desdém por blogs de fofoca e moda terem muuuito mais leitoras que qualquer blog feminista. Como bem definiu a Rboges, “É mais fácil maquiar uma cicatriz do que enfrentar as razões que causam as feridas”. Certo, recebi vários tweets dizendo que não é pra fazer essa divisão, que moda pode ser útil, que não tem que escolher. Mas não é este o tema do post. A esta altura, imagino que vocês já desistiram de encontrar o tema do post.
O que me levou a esta reflexão, digamos assim, foi um tweet de uma moça que manifestou achar toda essa comoção um absurdo. Porque, de fato, qual a importância de descobrir a identidade real da autora de um blog fútil que falava mal de outros blogs fúteis? (E antes que alguém diga que meu blog é fútil, eu concordo! Com sorte, este bloguinho que vos fala tem um ou dois posts mais reflexivos por semana. Mas pelo menos eu não fico xingando sapato ou cabelo dos outros).
Aí me lembrei de uma curta entrevista do Kevin Smith que li não sei onde, mas foi recente. Já imagino vocês aí batendo os pézinhos impacientes e perguntando “Como que ela foi jogar o diretor de Pagando Bem, Que Mal Tem? nessa história?”. Pois é, aguentem firme. Kevin é um diretor jovem (42 anos) e bastante bem sucedido. Lembro do seu primeiro filme, O Balconista, que tem ótimos momentos. Depois lembro do Ben Affleck em Procurando Amy, preocupado com a sexualidade e reputação de sua namorada porque ela já tinha transado com dois caras ao mesmo tempo. Dogma, seu projeto mais ambicioso (nada a ver com o movimento dinamarquês), eu odiei. E agora percebo que não vi nada do Kevin da última década.
Kevin conta como se identificou com Cães de Aluguel, ou pelo menos, como foi uma revolução pra ele que um diálogo de um bando de caras tomando café da manhã falando sobre uma música da Madonna contasse como... bem, como diálogo de cinema. “Se isso conta como diálogo de filme, então eu posso escrever diálogo de filme, porque isso é tudo que faço com meus amigos”. E ele também diz que começou a fazer filmes pra atender uma demanda: a de filmes sobre caras gordos que gostavam de quadrinhos e não pegavam ninguém. Depois, diz ele, quando Judd Apatow passou a fazer o mesmo tipo de cinema, Kevin viu que estava sendo repetitivo.
O interessante nesse relato todo é que Kevin, famoso diretor de 16 filmes (qualquer diretor americano com alguns filmes mainstream é famoso, já que sua obra é exibida em todo o mundo), anunciou sua aposentadoria do cinema. Ele se cansou de fazer filmes e ter que implorar pra que o público comparecesse às sessões. E descobriu um nicho lucrativo: a internet.
Sim, agora Kevin faz podcasts. Todo dia, ou toda semana, ele grava algo espontaneamente, sem muito roteiro, e consegue milhões de espectadores que não lhe pagam nada (ele deve ter patrocinadores, anunciantes, gente assim de quem blogueiros comuns não recebem nem bom dia). E agora sim (até que enfim!) faço a conexão entre Kevin e a blogueira Shame e a perplexidade da leitora em “por que as pessoas se importam com isso?”. Kevin relata que falar todo dia na internet faz com que as pessoas sintam-se próximas, quase íntimas. E que isso cria um laço muito mais forte entre ele e seus espectadores do que aquele que ele tinha no cinema.
Então talvez seja isso. Tem um monte de gente na internet fazendo a mesma coisa: blogs, tumblrs, podcasts, o diabo. E criamos nossas celebridades na internet, que só são famosas na internet. Mas, por todo mundo estar na mesma, a gente se sente íntimo. Eu estou muito longe de ser uma celebridade, mas sou conhecida por um pequeno grupo de gente que não tem problemas em ler textos longos e provocativos (e por outro pequeno grupo de gente que detesta minhas opiniões). Por eu escrever todo dia, em primeira pessoa, num estilo pessoal, muitas vezes falando de mim e da minha vidinha, uma galera se sente próxima a mim. E acontece mesmo: eu me sinto bem íntima de um pessoal que comenta aqui com frequência. E é notável, porque em geral a gente nem se conhece pessoalmente, e ainda assim faz parte desta comunidade imaginária.
Acho que é diferente de gente mais famosa que vemos todo dia na TV, como apresentador de telejornal ou astro de novela. Porque essas pessoas são meio inacessíveis, e não falam diretamente com a gente. Não existe muita interação. E na internet não é assim.
Não sei bem o que estou querendo dizer. Só que se um diretor famoso descarta sua carreira no cinema pra fazer podcasts, alegando que dessa forma alcança uma proximidade maior com os espectadores -– bom, é sinal de que aí tem.

80 comentários:

José Tarcísio Costa disse...

Aparentemente o que causou todo o rebuliço da blogueira shame foi o fato de que quando descobriram sua real identidade "fuçaram" na net e acharam um fotolog que ela tinha. Aparentemente nesse fotolog ela tinha fotos se vestindo e se comportando exatamente da mesma maneira que ela tanto criticava sob a forma de "shame". O anonimato deixa as pessoas corajosas.

Eu nunca tinha ouvido falar dela nem do blog e continuo não me interessando, mas parece que a coisa adquiriu a proporção que adquiriu justamente pelo fato de ela fazer exatamente aquilo que tanto criticava.

mayhem disse...

Lolinha! Você vem mesmo pra Curitiba? Se sim, tem como avisar quando/onde/como/etc? obrigada obrigada!

Beatriz disse...

Cara, eu achava a shame uma preconceituosa escrota, mas gostava dela chamar a atenção pra qto esses blogs de moda conseguem ser babacas. Aí ela se revelou igualzinha o q criticava. Q ironia né? Vou tomar meu toddynho e desencanar dessas brigas online

Beatriz disse...

Eu acho os blogueiros mais badalados uns idiotas. Aquele Gravataí é escória. O Morroida, amiguinho delem tb. Nem vou comentar gente do testosterona.

Bruna B. disse...

Beatriz


Essa tal 'alta social' é uma podridão só, concordo contigo... dá pra juntar o @cardoso, o @gravataí, o @morroida, o @testosterona e a @acidgirl, jogar num balaio e vender por cinco centavos... Mais do que isso essa galera não vale.
O que fode, com o perdão da palavra, é essa escória ter tantos seguidores.

Beatriz disse...

Bruna B

Realmente, vc listou os mais escrotos. Gente, o cardoso... o cara é abertamente misógino! Tem um vídeo no youtube da @acidgirl falando de feminismo q vc vê q a menina é totalmente desarticulada, não consegue encadear duas frases com coerência... e essa galera vende uma imagem de "inteligente e crítica" seguida por um exército de descerebrados.

Ai, o nível intelectual da população tá muito baixo

Bruno S disse...

Eu sempre me sinto um alienado quando tem esses quiprocós entre pseudo celebridades da internet dos quais só descubro a existência no meio da confusão.

Eu devia ler menos os blogs de futebol.

Vejo que o contato direto que a internet permite, faz com que as pessoas interpretem como sendo íntimas da celebridade e em condições de fazer cobranças e questionamentos sobre seu trabalho.

Outro ponto é que não vejo como existir debate sadio via twiter. Não existe argumentação em cento e poucos caracterees. Só dá para fazer frase e efeito e xingamento. E nessas horas as pessoas mostram as piores facetas.


p.s. apesar de ter cometido "pgando bem que mal tem", gosto bem dos filmes do kevin smith.

Laís disse...

Eu sou fã da Shame justamente por ela mostrar a babaquice de alguns blogs de moda com toda aquela forçação de barra.

Não fiquei sabendo do "barraco", alguém que saiba poderia dar mais detalhes?

José Tarcísio Costa disse...

Eu fico muito feliz ao me dar conta de que não conheço nenhum desses que vocês citaram aqui. :)

José Tarcísio Costa disse...

@Lais
Aqui tem mais informações, aliás nesse site você encontra informações de qualquer "treta cibernética" incluindo a história da mãe solteira citada aí.

http://www.whatthetreta.com.br/post/26308362497/blogueirashamegate

Sara disse...

Lola nem posso dar muito palpite nesse post, pois não pertenço a estas gerações mais novas que parece q nascem sabendo tudo sobre a internet e as novas tecnologias, sou uma dinossaura que a duras penas aprendeu a teclar alguma coisa, uma analfabeta funcional digital rrrsss, nem sei tuitar.
Mas mesmo assim vou discordar de vc quando diz que esse blog é futil.
Ja leio e dou minhas opiniões (nem sempre aceitas, mas verdadeiras) ha um bom tempo, e vejo a quantidade de pessoas que se identificam, que aprendem, que veêm um outro lado, que são despertas pela simples leitura desse blog.
Mesmo os temas mais amenos que vc aborda que geralmente estão repletos de muito bom humor, fazem um bem danado pra muita gente, eu me incluo.
Concordo que esse tipo de comunicação traz sim uma proximidade maior com o publico.
Basta ver os exemplos aqui, tem muita gente q comenta com frequencia, e ess@s de certa forma até ja sabemos o que esperar del@s, tanto é verdade que no post passado a Niemi foi alvo dos trolls que copiaram seu perfil e começaram a escrever as enfadonhas ladainhas de sempre, em nome dela.
Logo uma das comentaristas a Carol NLG percebeu que não podia ser ela, assim como tod@s que comentam aqui perceberam tb.
Acho isso tudo fantastico, e que jamais ocorreu em nenhum tempo passado, essa é a verdadeira aldeia global, a Carol esta la na Mauritânia e a Niemi veio da Finlândia, vemos gente de toda a parte do Brasil e do mundo, te escutando e aprendendo com suas ideias Lola.

Beatriz disse...

José Tarcísio Costa

Nossa, fique. Não tá perdendo nada. Abandonei o twitter por conta desses gênios, pq não aguentava mais ocasionalmente ver minha timeline entupida de merda.

Beatriz disse...

Nofffaaaa a @tchulimtchulim envolvida! Nofa, como eu tô surpresa, só que não. (bota essa na lista dos escrotos tb)

José Tarcísio Costa disse...

@Beatriz

Pois eu já nem uso muito o twitter e sigo pouca gente (na maioria conhecidos). Não sou de ficar seguindo "celebridades" e etc.

Eu ficava sempre viajando nessas brigas de internet aí um amigo me mostrou esse site "what the treta", hehe que serve pra você se situar um pouco e só.

Bruno S disse...

Existe um site para explicar as confusões virtuais brasileiras (se bem que com o nome de treta, parece mais coisa de paulista)?

A internet cada vez me surpreende mais.

Beatriz disse...

José Tarcísio Costa

Esse site é muito útil! Hahahaha favoritei

Unknown disse...

Eu acompanho o blog da Shame pq vez ou outra ela faz denúncias ótimas. Ela desmascarou a Glossy Box que está sendo processada por estelionato, juntamente com o TCM (tudo coisa minha). Ambos os sites citados vendiam planos pra receber caixas com cosméticos todo mês, mas as caixas nunca chegavam ou pior, vinham amostras grátis ao invés de produtos.
Então pra ALGUMA coisa ela serve.
A parte de criticar roupa, cabelo, eu desconsidero...

Lorena disse...

Eu tinha escrito um comentário gigante, não salvei e o blogger não enviou... *sigh*

Primeiro, eu fiquei sabendo dessa história da Shame ontem, mas parece que tudo aconteceu no fim de semana, né?? Eu também nunca fico sabendo das coisas quando elas acontecem. Ultimamente tenho tido mto pouco tempo de acompanhar o twitter, e é tudo muito rápido, não dou conta. Mas, enfim, fiquei passada quando li que um cara a havia ""xingado"" de mãe-solteira... Fiquei achando que tinha acordado em 1950, porque, né?? E eu já ouvi falar que esse mesmo cara (não sei o nome) é de ficar xingando os outros no twitter mesmo, como forma de "zoação", aquela coisa bem adulta, bem madura, só que não.
Mas não o conheço, nem a maioria das pessoas que as meninas citaram, só algumas, e por meio de RTs dadas por alguém que eu siga. Conheço tanto da alta classe do twitter quanto conheço da alta classe da vida real... muito pouco/quase nada.

Agora sobre essa relação de proximidade que a internet nos proporciona, eu acho isso fantástico! Acho fantástico que qualquer pessoa possa ter um blog, expôr suas ideias, pensamentos, opiniões, que outras pessoas possam ler, se identificar e, de certa forma, criar uma relação de admiração com quem escreve. Não é isso que fazemos aqui no blog da Lola? :) Acho ótimo! Mas claro que tem consequências ruins, principalmente se vc abre um meio de contato na internet com o intuito de falar mal dos outros, de julgar, de "zoar"... e espera não ser retaliado! Se você se expõe, tem que lidar com as consequências dessa exposição, que podem ser muito boas ou muito ruins (ou as duas coisas).
Eu acho que, ainda assim, vale a pena. Desde que você tenha o mínimo senso e se responsabilize pelo que fala.

Rubens disse...

José Tárcio

Que site legal! :D vlw pela dica

Gente, é engraçado como essa geração meme consegue fazer dos Felipe Netos da Vida uma sub celebridade, eu acho que nesta época em que o "politicamente correto" contesta tudo que esses imbecis falam é que eles mais desejam uma voz que seja corajosa, essa galera ter um rosto conhecido com o qual se identificam, não importa a bobagem que eles falem!

Ju disse...

Vcs viram isso?
Um médico ginecologista dando entrevista no programa do Gentili.
Danilo Gentili entrevista Doutor Pellini
http://www.youtube.com/watch?v=dDd5Am9vIY8&feature=plcp

Entre as pérolas que ele falou:
05:00 "A mulher de cabelo bom faz sexo qualquer hora, a mulher de cabelo ruim tem que planejar."
05:17 " Nem todoas as mulheres gostam de sexo". Aí depois ele completa dizendo que algumas estão muito mais preocupadas se vão desfazer a maquiagem.
07:38 "A mulher deve passar por 3 homens, o pai, o namorado e o homem que vai mante-la pra sempre"
14:15 "O universo todo conspira para que algo que a mulher faça com o quadril e não com a cabeça é que faça o mundo mudar."
24:44 "Se a mulher disser "para" vc não para."

Tá bom? Sem mais por hoje.

Bruna B. disse...

24:44 "Se a mulher disser "para" vc não para."


:O Essa fala é do médico ou do Boçaltili?
Incitação ao estupro, é isso mesmo produção? Rafinha Bostas fazendo escola...

Beatriz disse...

Tem q ver isso aí do Gentili né? Pq é apologia ao crime...

Gêneros Textuais disse...

A """""""""""""""ALTA SOCIAL MEDIA""""""""""" é um dos grupelhos que pregam o clareamento da região genital. Além da belezura que foi considerar a tal Shame feia pq ela tinha a "mamica preta" - afinal, só rosa serve.

Internet é nada mais do que o grupinho que se acha fodão e humilha/exclui o resto elevado a mil. E limpar a barra perante a opinião pública com campanhas - não que sejam desmerecidas, mas propagar machismo para parecer "descolada" não é esquecível por conta de campanha de doação de sangue, sabe?

É triste. Porque tem uma série de pesquisas sobre interação na Internet, principalmente da relação fã-ídolo - as atualizações, a linguagem cotidiana cria uma falsa ideia de proximidade. E algo que poderia ser tão bacana (veja o Twitter da Molly Ringwald) acaba sendo escroto; provavelmente pq quem detém atenção seja escroto. Mas né? Vão me acusar de gorda mal-comida do mamico e c* preto por discordar. Pq esse é o nível da argumentação.

Sei lá, por mim há tempos resetava o mundo e começava tudo de novo. Quem sabe da próxima vez...

Li disse...

Pois é, Lola. Às vezes as coisas que publicamos na internet alcançam uma dimensão maior do que imaginamos. Quando voce publicou o guest post do meu incidente com os rapazes da Turquia, mais de uma pessoa que eu não sabia que conhecia o seu blog veio comentar sobre isso comigo. Ou seja, voce pode não ser uma celebridade, mas o seu blog é muito muito lido. (e muito querido também!)

Niemi Hyyrynen disse...

Quando Bill Gates, Steve Jobs, Linus Torvalds entre outros idealizaram (sonharam) a internet de hoje eles foram muito mas muito ingênuos, todos ali acharam que isso aqui seria uma grande Alexandria, mas não é.

Quem pode culpá-los? querer mais do ser humano...mas enfim ainda sim a internet nos transformou numa "aldeia global" de informações.

Não acho que as sub celebridades sejam o problema, nós temos o poder de produzir quantos "subs zeros brasileiros" a gente quiser, a geração meme realmente pode, somos a massa afinal.

O problema é um Bastos ou Gentilli reproduzirem preconceitos e as pessoas acharem normal ou pior: revolucionário, me espanta ver como temos tanto acesso ao passado e não aprendemos nada com os erros dos nossos avós.

Beatriz disse...

Gêneros Textuais disse...
A """""""""""""""ALTA SOCIAL MEDIA""""""""""" é um dos grupelhos que pregam o clareamento da região genital. Além da belezura que foi considerar a tal Shame feia pq ela tinha a "mamica preta" - afinal, só rosa serve.


Isso! E tem empresa de comunicação q dá emprego pra essa gente. Tá alto nível o negócio.

maisfazer disse...

Eu assumo: acompanhava a Shame e achava engraçado. Depois de um tempo perdeu a graça. Na minha opinião quem escreve um blog e enche de fotos pessoais está dando a cara para bater. Então não achava ela uma monstra, só alguém que encontrou um nicho bloguístico. O que me espanta é a falta de jogo de cintura dela ao ter sua identidade descoberta.

Bruno S disse...

E eu ainda queria entendero o que quer dizer "alta social media".

Lorena disse...

Bruno S.

é tipo a alta sociedade da "digital media". Agora, o que isso EFETIVAMENTE quer dizer, não sei. Quem é esse povo, por que são chamados assim, se é por número de seguidores no twitter, no facebook, no you tube... ou se eles mesmos se autodenominaram high society...

Lorena disse...

O bom é que o fake é tão fake que não tem como se passar por outra pessoa, não cola! Rs

Gêneros Textuais disse...

Bruno S: http://tv.pucsp.br/colab/2008/07/23/o-que-e-social-media/


É cria de publicitário - tinha que ser, né? Ô profissão desgraçada, viu? Que vergonha do meu diploma.

Chá das 9 disse...

Eu adorava o blog da Shame. Achava engraçadão mesmo, os gifs que ela botava depois de cada post. Não acho mt correto, mas enfim, era engraçado. Ela zoava gente com roupas bem "nadavê", ou pessoas que tiram fotos com fundos não mt usuais (num terreno baldio, no meio de uma rua, na quitanda, etc)

O negócio é que o povo foi longe demais. Até CPF da moça eles acharam! Ai, se preocupam muito com pouca coisa. Sério, vão viver, vão pesquisar coisas mais úteis.


Poxa, Lolinha, a gente sente muita saudade dos seus posts mais pessoais*. Aposto que td mundo sente, sim. Seus causos com o maridão, textos despreocupados. Eram muito engraçados!

*quando fui escrever, quase escrevi "posts mais sensuais". UI. HAHAHAHA

Chá das 9 disse...

/\ vish, esqueci de deslogar da conta do meu blog. Aqui é a Blanca.

Bruno S disse...

Gêneros e Lorena,

obrigado pela ajuda.

Será que a Lola é "alta social media" do feminismo?

Beatriz disse...

Bruno S

Sim, achLola e a Leticia atualmente são as que tem mais visibilidade, haha

Bruno S disse...

Blanca,

entrou com o login do blog para dar uma divulgada?

Isadora disse...

Eu comecei a acompanhar o blog da shame esses tempos, por acaso. Não que eu entrasse todo o dia, mas vez ou outra eu dava uma olhada. Estou completamente por fora desse barraco de terem descoberto a identidade dela e tal, fui saber agora pelo teu blog.
Na verdade eu nunca achei ela preconceituosa e olha que eu sempre fazia mais "vista grossa" quando ela postava looks de meninas gordinhas para criticar, mas ao menos eu nunca vi nada referente ao corpo delas e só a roupa mesmo. E ela fazia isso com todas, magras, gordas e nunca divulgava o rosto. Enfim...
O que gostei do blog dela é o que já falaram por aqui. Ela denunciou fraudes de vendas de cosméticos feitas por esses blogs ridículos de moda, onde o maior alvo eram adolescentes loucas por maquiagem e meio "ingenuas" de mais. Ela denunciava posts pagos feitas por essas blogueiras de moda, onde elas NÃO anunciavam que eram posts pagos por empresas e divulgavam com o famoso estilo de "dica de amiga". Ela mexeu com gente "grande" dessa rede de blogs de moda. Ela divulgou blogueiras que faziam apologia ao uso de pele de animais, enfim...

Blanca disse...

Bruno S:

o pior é que não. nem sabia que tava logada no email do blog. mas é uma boa estratégia (acho)...

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Assim como dizem que basta dar poder a uma pessoa pra conhecê-la realmente, acho que basta ver uma pessoa irada da vida, discutindo com alguém, pra conhecê-la melhor.
É como um sujeito que diz não ser racista, mas um belo dia se põe a discutir com uma pessoa negra e a primeira coisa é fazer referência à cor de pele dela como se fosse um insulto. Mesmo caso o desse que se pôs a xingar mães solteiras com a desculpa de defender uma amiga. Ora, se no fundo não tivesse preconceito com mães solteiras, não usaria como xingamento.
Preconceito bem besta aliás, principalmente vindo de quem quer se fazer de moderninho, antenado, mas só é assim na aparência.

Blanca disse...

EsAlguém citou o video de uma tal de acid girl. Gente, fui ver, pra que? Só senso-comum. Cruz credo. E a guria ainda paga de inteligente.

Respeito mais ignorante em assunto X que não tem opinião que ignorante que acha que tem.

Beatriz disse...

Blanca, pra mim a acid girl é uma mulher de sorte. Se o Felipe Neto não existisse, ela seria a pessoa mais burra do mundo. Felizmente, ele existe.

Anah disse...

Tinha um blog de moda há 3 anos atrás... e não tenho nenhuma vergonha... o blog foi mudando de perfil e hoje falo de tudo que me interessa (música, política, cinema, moda...)
Mas voltando, com esse blog de moda eu fiz muitas amigas, muuuitas mesmo... amigas em outros estados, amigas que viajaram comigo, amigas que frequentam a minha casa... pessoas que passaram do virtual para o real!
E o ambiente entre os blogs sempre foi muito pacífico, quase a terra dos ursinhos carinhosos... aí a blogueira SHAME chegou dizendo o que era certo e errado, quem era bonito quem era feio, quem podia fazer tal coisa quem não podia...
Formou uma corrente de ódio mesmo... e os comentários dela não se limitavam a roupa das pessoas, ela ofendia a cor da pele, o dinheiro, o lugar onde a pessoa morava... várias amigas minhas foram "pegas pela SHAME" e foi muito triste a proporção que tudo tomou... pois falavam coisas horriveis sobre elas... e os blogs começaram a sumir... algumas fecharam o blog, outras diminuiram a frequencia dos posts...
Enfim acho ótimo que descobriram quem é a shame... pq agora quero ver como ela vai agir sem a máscara do anonimato...


Anah

thepavania disse...

Oi Lola!
Eu entro no blog da Shame todo dia, e confesso que já ri muito lá. E como cheguei num ponto que não dou risada de qualquer coisa, sempre fiquei esperando o dia em que ela ia falar de alguém por ser pobre, negro ou etc. Mas no tempo em que eu acessei, ela nunca fez isso. Sempre teve muito mais ricas magrelas sendo mostradas pelo domínio porco da língua - que também é questionável, mas se você quer formar opinião escrevendo na internet tem que saber escrever pelo menos, eu acho - ou por usarem coisas tão absurdas que até eu que não entendo nada de moda não usaria. Já mulheres gordas lá, mas ela só fazia graça de quem, assim como as magrelas, fazia péssimas escolhas de sapato, roupas, etc. Ela fazia uma boa crítica ao mundo absurdo dos blogs de moda, pelo menos eu acho; fazia campanha contra uso de pele de animais e denunciava esquemas que se aproveitavam de meninas iludidas. Sempre foi pra mim um insight num mundo do qual eu não entendo. Entrei hoje e estava em manutenção, então vamos ver, né? Mas vou ressaltar aqui que eu costumo ter um radar fino pra essas coisas, e ela não criticava gente pelo tipo de corpo que tinha, mas sim pelas péssimas escolhas que faziam e ainda exibiam na internet. Por mais que isso tenha lá seu grau de escrotisse, não acho que seja preconceituoso.

Karla disse...

particularmente, não condeno quem gosta de moda e gosta de falar disso. Não faz parte dos meus interesses, mas cada um com seu cada um... O problema dessas pessoas que ficam muito famosas falando desse tipo de coisa é que a maioria é bem preconceituosa, elitista. Afinal, raramente você vê uma pessoa desse grupinho que não tenha bastante dinheiro e tempo sobrando para se dedicar a isso.

Essa confusão toda da blogueira shame é ridícula. Até o cpf da pessoa foi publicado. Mas o pior de tudo mesmo é esse babaca que "xingou" a moça de mãe solteira. Essa galera famosinha de internet é muito, mas muito babaca. E o pior é que eles têm milhares de seguidores que dizem amém pra tudo o que falam, para todos os ~xingamentos~ e preconceitos. É triste.

Luna disse...

Eu acompanho o blog de Shame com muitas ressalvas.

Por um lado, eu critico o blog falar da cutícula alheia, acho superdesnecessário. Por parte da blogueira, nem vejo mta coisa, mas acho que as pessoas que comentam utilizam o espaço do blog para extravasar todo o preconceito possível, como classismo, gordofobia, racismo, etc.

Já por outro lado, Shame acerta ao focar em "posts" que se passam por "dica de amiga" e são publieditoriais, casos de lojas que falsificam datas de validade, etc. Essas coisas em uma blogosfera de moda. Podem achar bem fútil e tal, mas acho importante que alguém se dê ao trabalho de observar como a blosfera da moda está cheia de gente superinflacionando produtos para vender (casos de produto original custar vinte dólares e a blogueira revender a cem: super comum), gente dizendo "ter adorado tal produto" e ter recebido três mil reais para isso, etc, etc, etc.

Então eu fico bem dividida. Em suma, não acho que Shame seja um monstro nem nada. Mas ela podia fazer do blog um espaço muito melhor do que ela tem.

Rose disse...

Acho que a maioria das tais ~social media~ só quer mesmo aparecer. criam "polêmicas" para ter seu nome/blog (ou a arroba) citada várias vezes e com isso ter mais seguidores/patrocinadores.

Aqui tem uma "treta" que ta rolando que é muito interessante e que vale apena refletir (eu acho).

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=d-XHPHRlWZk

J.M. disse...

Não entendo comoo tanta gente pode achar normal ou engraçado alguém ridicularizar outra pessoa pelas roupas que ela usa... Lutam por direito ao próprio corpo e dão pitaco no sapato que a outra usa? Gostar de moda é uma coisa, julgar quem não a segue(por n motivos...), ou o faz "errado", é outra.

Pollyana disse...

Lola,

Não comento muito aqui, porque não comento em lugar nenhum. Mas leio seu blog há pelo menos um ano, por indicação de uma amada amiga. ;)
Mas, não posso concordar com esse post de hoje. Ele me parece ir contra ao post de ontem (ou antes...) quando uma menina disse sofrer preconceitos por ser bonita. Acho que a idéia desse post e de outros que já li vai contra, dizendo que as que se importam com a roupa estão de um lado e as feministas, inteligentonas de outro. Sei que é seu gosto pessoal, mas nós repreendemos tanto quem chega aqui e fala que prefere loiras de olhos azuis por gosto pessoal né? Há tantos preconceitos velados em tantas frases...
Não quero aqui fazer parte de nenhuma patrulha, mas seu post me levou a pensar isso novamente. Essa é uma discussão interna antiga minha, pois sou formada em história, vermelhinha de coração. Feminista, de esquerda e principalmente, contestadora. Mas eu amo perfumes, amo flores, amo roupas coloridas, amo maquiagem, amo um montão de coisas de gente capitalista que quer tampar o sol com a peneira. E fico sempre no limbo.
Sinceramente, acho que você lançou um olhar bem preconceituoso sobre as blogueiras de moda. Acho que cada um tem que falar o tema que quiser, sem uma escala de futilidade.
Se tem uma coisa que eu aprendi nessa vida é que ninguém é só uma coisa na vida.

beijinhos!

thepavania disse...

Só queria registrar que o blogspot não tem like, mas eu queria curtir o comentário da Pollyana.

thepavania disse...

E queria lembrar também, que já que você não conhecia o blog, Lola, você provavelmente não sabe que a Shame tampava os rostos nas fotos e nunca dava link pro blog que estava sendo zuado. Tanto que eu que não conheço nada no assunto não faço idéia das pessoas ridicularizadas. Só lembrando.

lola aronovich disse...

Pollyana, entendo sua crítica, mas não concordo com ela. Acho que o post de hoje não tem nada a ver com o guest post de uma menina bonita que ouvia perguntas bestas como “Pra que estudar?”. O post de hoje é sobre como até um bloguinho pode criar uma sensação de proximidade com seu leitorado. Eu mal falo de blogs da moda, até porque não os conheço. Eu falo de um blog só. E, desculpe, lamento sim que blogs de moda e fofoca sejam muito mais populares que blogs feministas. Isso não quer dizer que eu ache que quem é bonita é burra, ou que quem liga pra moda é burra. Não estou falando de atitudes e gostos individuais, se bem que é a minha escolha pessoal não gostar de moda, perfume, jóias, etc. Já escrevi no blog diversas vezes que quem liga pra essas coisas não é menos feminista do que eu, que não ligo. Mas eu pessoalmente detesto toda essa indústria consumista e elitista, e, por tabela, não leio blogs sobre coisas que não me interessam (não leio blogs sobre andar de skate, pra citar outro exemplo). Não tenho nada contra quem faz esses blogs. Aliás, mal conheço essas pessoas e esse universo. E, claro, são universos que podem co-existir – é só ver quantas leitoras daqui do blog conheciam a Shame e outros blogs de moda. Em fevereiro estive na Campus Party e vi que eu e a Julia Petit e outras blogueiras de moda não somos antagonistas. Pelo contrário, temos opiniões parecidas sobre alguns assuntos. Mas eu acho difícil que a indústria da moda possa mudar o mundo. E acho que o feminismo, e outros ativismos, têm este poder. Por isso lamento que moda e fofoca ainda sejam os assuntos preferidos de tantas meninas e mulheres.

lola aronovich disse...

Sobre a Blogueira Shame, como eu disse, não a acompanhava, então não vou tomar partido. Tuitei dois comentários daqui, um contra, e um a favor dela. Aí a Flavia Durante me recomendou este post do ano passado, que achei muito bem escrito. É de uma blogueira chamada De Chanel na Laje (quem acompanha blogs de moda deve conhecer).

Pollyana disse...

Lola, entendo seu comentário, não foi isso que senti lendo seu texto... Mas como sempre se fala: somos responsáveis pelo o que escrevemos, não pelo que os outros entendem.
Concordo com você quanto a discrepância de visitas entre um blog feminista e um blog de moda, mas há todo um esquema de mídia que as fortalece, tem algumas garotas que chegam a colocar outdoores nas cidades.
Mas, tudo isso que falo, não é por ser uma mera leitora do seu blog. Vivi e presenciei cenas de preconceito com relação a minha maneira de vestir e portar dentro do curso de história. Muitas pessoas se perguntavam o que eu tava fazendo ali. Como se eu não pudesse (ou não tivesse interesse) estudar aqueles temas.
Acho que a moda, uma industria milionária, pode sim mudar muitas coisas. Eles fazem parte de um sistema capitalista muito podre, mas conseguem sim mudar algumas coisas. Conseguem colocar e tirar o foco em algumas coisas. Mas, isso não melhora em nada o fato de por exemplo, tentarem baratear o custo das mercadorias com trabalho escravo.
Enfim, tudo tem tantos lados que fico bem confusa, nem sei se esse texto tem sentido, é mais um desabafo.
Tem coisas que cansam a gente.

Pollyana disse...

Esqueci totalmente de falar: concordo plenamente que todos os movimentos sociais podem mudar o mundo 10 vezes mais que a industria da moda. Só queria pensar por um outro lado, que eles podem mudar.
Acho que sou influenciada pelo meu nome: gosto de pensar pelo outro lado, o positivo.
hehehe
;)

Tati Leutwiler disse...

Hey, Lola!

Não sei se você conhece ou já ouviu falar, mas existe esse blog chamado "Fashion is a Feminist Issue". http://freethoughtblogs.com/greta/2011/09/02/fashion-is-a-feminist-issue/

Um trecho de um dos posts dela resume de que se trata o blog:
“Fashion is one of the very few forms of expression in which women have more freedom than men. And I don’t think it’s an accident that it’s typically seen as shallow, trivial, and vain. It is the height of irony that women are valued for our looks, encouraged to make ourselves beautiful and ornamental… and are then derided as shallow and vain for doing so. And it’s a subtle but definite form of sexism to take one of the few forms of expression where women have more freedom, and treat it as a form of expression that’s inherently superficial and trivial. Like it or not, fashion and style are primarily a women’s art form. And I think it gets treated as trivial because women get treated as trivial.”

Barbie Furtado disse...

Digo logo: li muito da Shame por um tempo, justamente porque tenho horror aos blogs de moda: HORROR. Não só são um saco, superficiais, todos a mesma coisa, querendo fazer uma pseudo-moda que faz as meninas (mulheres?) se vestirem exatamente iguais em todo canto (pelo menos, aqui em Fortaleza, é assustador. Você passa na frente de um barzinho, e elas estão todas IGUAIS. De shortinho jeans, com um detalhezinho borrado ou rasgado, uma batinha meio frouxa, um salto agulha, e uma bolsa dourada). Creepy mesmo. É quase uma seita. Elas também são super preconceituosas com quem se veste diferente, indiretamente falam que se você não tiver na moda você não é boa o suficiente, ficam revoltadas quando as pessoas "pobres" "orkutizam" as coisas caras delas (tipo, quando maquiagem da MAC passa na novela), sem contar que nunca dão dicas para pessoas acima do peso, o que fazer com cabelos crespos, ou nada que seja "fora do padrão".

Deixei de ler a Shame que ela atacava tudo, a gramática da blogueira (Tipo: Como alguém quer divulgar Farm se escreve errado?) ou coisa assim, o cabelo, tudo.

Mas, vou nem mentir, gosto de acompanhar o drama. E, minhas amigas, que falam muito de blog de moda e me colocam pra dormir e muitos de nossos encontros estão debatendo calorosamente o assunto num grupinho no Facebook, eu tou só acompanhando.

No final, com essas blogueiras, é bem o sujo falando do mal lavado mesmo...

lola aronovich disse...

Interessante o "manifesto", Tati. Concordo com algumas coisas, como o fato de moda ser visto como fútil por ser pra mulher, e tudo que é pra mulher é visto desta forma. Mas não sei até que ponto são as mulheres que fazem a moda. Não sei os números: há mais estilistas mulheres que homens? Porque esse é um dos exemplos clássicos em que uma atividade "doméstica" é desvalorizada (por exemplo, costurar, cozinhar), mas quando ela vira profissão de homens, é valorizada (estilista, chef). A meu ver, a indústria da moda escraviza as mulheres muito mais do que liberta.

alice disse...

lola, voce viu o caso dessa senhora? http://jovemnerd.ig.com.br/jovem-nerd-news/extra-extra/o-pior-e-melhor-da-natureza-humana-o-caso-de-karen-klein/

acho que tem a ver com o post pq foi a internet que transformou esse episodio de violencia cotidiano em um "caso", na verdade.

alice disse...

eu não sigo blogs de moda, mas curto esse "fotolog" aqui, que valoriza a moda de rua: o que o povão usa http://colunistas.ig.com.br/oqueopovaousa/

gosto da moda se for inclusiva. se for feita pra distinguir "gente diferenciada" dos demais, eu repudio.

Ana Clara Graciosa Seibel disse...

Acho que blogs de moda podem ser interessantes se remarem contra a corrente. Gosto desse aqui:
http://advancedstyle.blogspot.com.br/
Com fotos de lindas senhoras de 70, 80, 90 e até algumas de 100 anos.
E desse aqui:
http://www.leblogdebigbeauty.com/
De uma moça bem mais gordinha que muitas amigas minhas complexadas com o próprio peso.

Sphynx disse...

Também acho uma pena ver pessoas que falam besteira elevadas a celebridades, ainda mais quando o são justamente pelas besteiras que falam. Mas até consigo entender a razão, mais ou menos.

Vi que em um comentário mais acima citaram o Felipe Neto, e acho que ele serve bem pra ilustrar o fenômeno. Pois então, eu sempre vi o Felipe Neto como um cara que fala coisas óbvias sobre assuntos geralmente irrelevantes, e quando vi gente achando ele um gênio, notei que era porque... bom, porque era gente que pensava coisas óbvias sobre assuntos geralmente irrelevantes, mas não conseguia expressar esses pensamentos, muito menos numa forma bem humorada como o Felipe Neto fazia, e encontraram nele um porta-voz. Em vez de encontrar palavras para explicar aos outros por que odeia o Crepúsculo ou o Fiuk (eu francamente não acho nada difícil encontrar palavras pra dizer por que detestar essas coisas, mas enfim~), bastava mandar os outros verem o vídeo do cara e dizer: taí o que eu penso sobre o assunto. Se fosse acusado de homofóbico ou coisa parecida por algum comentário ofensivo que fez, era caso de postar o vídeo do Felipe Neto esclarecendo "a diferença entre um gay e um viadinho", e por aí vai. Como o "post" é em vídeo, contempla o público que tem preguiça (ou não tem tempo mesmo) de ler e que não leria, por exemplo, um post longo sobre determinado assunto num blog, mas não vê problema em sentar por uns 10 minutos e escutar as teses felipescas sobre as "modinhas" e outros assuntos frequentes em redes sociais, etc.

E também tem aquilo que o Schopenhauer disse: "Quem escreve para os tolos encontra sempre um grande público".

Cora disse...

galera, do q q vcs estão falando??

tô boiando tanto q tô quase entrando em órbita da Terra!

"conheço" duas pessoas citadas:

a acid girl, coitada, acha q o dia internacional da mulher existe pra lembrar geral de mimar as mulheres o.O

precisa dizer mais?

consigo assistir no máximo 1,5 min. depois disso, vergonha alheia não permite.


felipe neto desisti de ver qq coisa pelo visual. não esperei o camarada nem abrir a boca. foi demais pra mim. isso é preconceito?

.maria. disse...

Lola, acho que você vai gostar muito dessa matéria da revista Ciência Hoje, em que um linguista faz um interessante artigo sobre a questão de gênero na língua portuguesa. O link é: http://cienciahoje.uol.com.br/colunas/palavreado/questao-de-genero

Abraço!

Mariana. disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkk não conhecia essa blogueira shame mas agora estou lendo o blog dela e rachando de rir! até agora não li nada racista/gordofóbico.

Lilly disse...

Vou ser sincera: eu lia a Shame, com frequencia, desde seu início. Da mesma forma que adoro vir aqui na Lola conhecer outros pontos de vista, e saber mais que que acontece no mundo e na realidade que pode não ser a minha.

Como pessoa, fiquei muito mais crítica em relação a tudo, principalmente quanto aos 'padrões da sociedade'.

Aí que, eu acredito, a Shame entra.
Ela chegou para discordar de toda a aura capitalista da elite blogueira. Pontuou bastante seus post em denúncias quanto aos valores, morais e financeiros, que insistem em pegar para nós, afim de estimular um consumismo desenfreado para itens supérfluos, na maioria das vezes.

Por outro lado, gongou demais o que ela considerava cafona, sejam roupas, unhas, poses e background de fotos, etc. Errou muito ao permitir que seus leitores e comentaristas pudessem esculachar e despejar todos os tipos de preconceito na caixa de comentários. De uns tempos para cá, ela ficou mais agressiva e menos seletiva nos comentários, que eram (?) aprovados previamente.
Quando eu digo 'ela', refiro-me ao coletivo, pois sabe-se (ou não) que era uma equipe que estava por trás deste blog.

Era difamatório? SIM. Bastante. Muitos alegam que vão entrar com processo contra ela, pois tiveram seu blog e seu trabalho prejudicados.
Entenda-se aqui: alguns desses prejudicados são as MULAS que recebem rios de dinheiro ou produtos para colocar na cabeça do coletivo que você tem que comprar e desejar o que não precisa. Muita gente caiu aí.

Outros tiveram suas vidas divulgadas, questões familiares e particulares. Aí a coisa muda de figura, a meu ver.

Me julguem: eu considero que quase todos os blog de moda brasileiros são cafonas e desnecessários. Os de beleza, também, PIORES ainda. Esses blogueir@s estão criando monstr@s com aparência padronizada e consertada/ajeitada/etc, sem cérebro, porque né, não precisa pensar em um mundo onde todo mundo se preocupa com a aparência. Esse culto e respeito esses nichos de veiculação, pra mim, é só mais uma forma de perpetuar esse comportamento capitalista e fútil.

Não consigo ter inveja desse povo rico, bem sucedido, maquiado e no salto, sério. Tenho inveja mesmo é de quem consegue ter mais produtividade com menos café.

Repito, é minha opinião. Discordem a vontade. Eu gosto de gente que pensa diferente, porque sei que vou aprender, e por que não, mudar, com eles.

A Shame só encontrou um nicho bloguístico, tenho que concordar. Se ela abriu os olhos de meia dúzia, me dou por satisfeita. Mas há outros blog melhores, né, Lola?
;)

Lane disse...

Para quem está postando desesperadamente por atenção, e não conseguindo, que tal transformar seu tempo livre em dinheiro? Parar de arrancar dinheiro da mamãe, ser útil uma vez na vida?http://www.balcaodeempregos.com.br/

Beatriz disse...

Então Lilly, eu tb lia a shame com frequência e minha opinião sobre ela e sobre os blogs de moda é a mesma q a sua.

E ei, gosto de moda! Sou uma típica hipster fashionista, haha. Mas gosto de q as pessoas vistam o q quiserem, com liberdade. Curto uns blogs com essa abordagem, mas a maioria é gringo, pq aqui no Brasil a panela dominou e virou uma merda. Tem ou outro q salva.

E as blogueiras são, na maioria, iguaizinhas a shame. Gongam, tiram sarro, chamam de cafona e td o mais. Só ver a reação delas qdo a menina foi "desmascarada" pra sentir q é o roto falando do rasgado.

Mihh disse...

HAAHAHAHAH o que significa auforia?

Mihh disse...

Quanto à blogueira Shame, o que vi foi que ela tinha um outro twitter/blog/rede social em que agia exatamente da maneira que gongava. Por exemplo, num tweet do ano passado, quando a coleção de peles da (Arezzo? não lembro) chegou e causou a maior revolta dos defensores de animais, ela twitou que usaria a coleção todinha, este tipo de coisa...

Nem conhecia a Shame, mas acessei o blog e em parte achei bem pertinentes algumas críticas, pois não é uma crítica ao gosto pessoal das "blogueiras look do dia", e sim à ostentação, muito "analfabetismo funcional" dos donos de iPhone... Muito esforço para se encaixar num padrão bobo.
Porém discordo a partir do momento que partia às ofensas pessoais e gratuitas, que pelo visto eram constantes nos comentários.
E ainda tem um blog que se dedica a explicar tretas hahahaahahah. Essa internet é surpreendente.

lorun disse...

kkkkkkkkkkk... esse fábio é sério ou tá de zuza.... eu nunca tinha lido a caixa de comentários do seu blog, embora eu leia ele há bastante tempo e já li todos os seus posts, e sabia da existência de gente assim, mas agora que eu realmente vi esses comentários não me aguentei... tive que reler e fiquei confusa entre rir muito ou chorar muito...
Fábio jura que vc tá sendo irônico e queria descontrair a conversa?!!!

agora quanto a blogueira Shame eu conheci o blog hj lendo seu texto Lola e bom é certo que esses blogs de moda são fúteis, não acrescentam nada a ninguém, e celebram um estilo de vida de uma grande minoria, só incentivam o consumo exagerado e nada consciente. Leio sobre moda, maquiagem, animes, política, acredito que há espaço pra tudo. Adoro seu blog e leio Julia Petit, apesar de não gostar tanto quanto o seu. A internet tem espaço pra tudo e pra todos, menos para o preconceito, que acredito não deve ter espaço pra ninguém, e isso é o melhor que ela trouxe. Críticas são importantes e devem ser feitas, mas moderação e respeito também cabe até mesmo numa crítica.
Agora a reação das blogueiras atacadas é a pior possível, fazem críticas nada construtivas e elitistas, como quase todo o mundo da moda.

disse...

A Shame está apenas colhendo o que plantou. Xingou, humilhou e assim como seus "alvos" tentou criar um manual do que pode, pra ou não pode, ditadas por advinhem quem? ELA PRÓPRIA!!!

Ela simplismente jogava qualquer uma na cova para as leoas(suas comentaristas, que inúmeras vezes usaram termos racistas, godofóbicos e elitistas). Quem não lembra das piadinhas dela com uma garota negra que postou uma foto tomando cidra, e que tinha uma filha chamda Hemilly Spears? Ela e suas "talifãs" quase tiveram orgasmos de tanto rir da pobre moça. Quer coisa mais elitista/racista do que isso?

Além de ser hipócrita e oportunista, como no caso das peles na qual ela levantou um dossiê das marcas/blogueiras que usam peles, bem legal, né? Seria se ela em twitter pessoal, não tivesse afirmado que usaria toda aquela coleção medonha da Arezzo.

Victor Cunha [BlackBeatle] disse...

Lola, querida, te mandei um email falando o que mais curto no seu blog, além de alguma perguntinhas, e você não respondeu! =/
Você leu, pelo menos? hehe

Cora disse...

Lola, tô apagando as bobagens, tá?

Cora disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cora disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
JCPedra disse...

Gente, preciso agradecer à Ana Clara, à Alice e ao José Tarcísio pelas indicações dos sites. Alice, estou morrendo de rir aqui com as comparações! José Tarcísio, eu também sempre fico de fora dessas confusões e quando quero saber, n dias depois, nunca consigo! Agora o site me deu uma ajudona, rs. E Ana Clara, fiquei simplesmente apaixonada pelo dois sites que você recomendou, ainda mais porque um deles é em francês, e eu vou conseguir ler (não sei nada de inglês... :-( ) Obrigada mesmo, gente!!

Anônimo disse...

Concordo!! Algumas coisas são úteis mesmo!! Ia comentar exatamente isso!!
Sem querer defender, apenas alertando... Mas vcs que estão falando mal de algumas pessoas (nunca ouvi falar de nenhuma delas, por sinal), chamando de escória, podridão, não estão tbm fazendo o mesmo julgamento que falaram ser um absurdo?

Barbie Furtado disse...

Tava assistindo essa entrevista com a Shame, um tal de Caio Braz sobre os blogs de moda, ontem, depois que ela foi "desmascarada", que eles falam dos blogs de mods, como eles vendem às mulheres um padrãos de beleza inalcançável, medidas inalcançáveis, como as meninas são todas iguais, as roupas são todas iguais... só vi começo... é bem grande... ó aqui...

http://www.youtube.com/watch?v=5XoPMvLmBgg&feature=youtu.be

(é, eu vejo essas coisas, e daí?)

Anônimo disse...

Lola, tudo bem?
Uma pergunta: gorda é palavra pejorativa?

Obrigada

masterpiece disse...

Hoje uma amiga me apresentou ao seu blog. Parabens.