sábado, 7 de julho de 2012

GUEST POST: ME MASTURBO DESDE CRIANÇA

Ana mora em Curitiba e tem um bloguinho que ela chama de abandonado, mas que agora, com a Marcha das Vadias de Curitiba marcada para o próximo sábado, dia 14/7, deve estar bombando. Seu guest post trata, entre outras coisas, de um assunto que não é lidado com a frequência que se deve: a masturbação feminina (afinal, se mulher não gosta de sexo, como dizem, por que iria se masturbar?). 
Além deste assunto tabu, há um outro presente no texto: crianças sentirem prazer sexual. Diga o que pensa, Ana!

Olá, Lola. Sempre te acompanho e sou muito grata ao seu blog e aos seus textos que me abriram as portas de ideias novas e acolhedoras. Esses dias me peguei pensando em experiências pessoais e lembrei de você. Sei que você já foi criticada, e talvez ainda seja, quando declara que é feminista desde criancinha e ateia desde a adolescência.
Não entendo por que a sociedade não aceita que as pessoas tenham as mesmas ideias e hábitos desde a infância, como se isso fosse uma mentira ou um argumento utilizado para promoção. Incomoda quando muita gente enxerga crianças e adolescentes como seres incapazes e inferiores, quando na maioria das vezes, eles são mais lúcidos e coerentes do que muito adulto por aí. 
Lembro da minha adolescência e de como era difícil ser levada a sério, ouvindo de todos os lados pessoas dizendo que não estávamos certos, que nossa rebeldia era por causa de hormônios (aliás, odeio muito esse comentário), que éramos irresponsáveis. É bem difícil ser adolescente, mas não por causa de hormônios ou rebeldia: muitos adultos não acreditam que devemos ser levados a sério e passam a considerar nosso discurso inválido. Isso já é pressão suficiente para se sentir incapaz de qualquer coisa e para ter a autoestima diminuída.
Enfim, na infância, nada é muito diferente e somos boicotados tanto quanto na adolescência. Lembro-me que eu, com mais ou menos cinco anos, tinha o costume de me masturbar. Hoje sei que muitas outras pessoas também tinham esse hábito. Me escondia pra fazer isso, porque meus pais sabiam o que significava e proibiam, diziam que era feio, que não era a coisa certa a se fazer e brigavam comigo. Ou seja, conhecer o próprio corpo e apropriar-se dele não era certo (mães e pais sempre se acham donos dos filhos e, principalmente, das filhas). Mas levo essa prática comigo desde a infância. Me masturbo desde criancinha, e daí? Isso é muito mais comum do que todos imaginam. Várias crianças procuram brincadeiras que estimulam a região genital como forma de sentir prazer de modo inconsciente (brincar de cavalinho, por exemplo). 
E que mal existe nisso? Ah sim, claro. Na nossa sociedade, a prática da masturbação é abominável para garotas e mulheres. Isso nos torna impuras, mal educadas, promíscuas, sujas. É complicado. Acho que é por isso que muita mulher sofre com sua vida sexual. Não conseguem sentir prazer sozinhas, que dirá com outra pessoa, com todos esses adjetivos ecoando pela cabeça e com toda essa proibição desde muito novas. É bem fácil saber: é só perguntar, em uma roda de  amig@s, quantas mulheres chegam ao orgasmo sozinhas ou com parceir@s ou quais delas têm coragem de assumir que se masturbam -- e até, talvez, quantas delas se masturbam realmente?
Hoje em dia, acho que estamos melhorando e progredindo, lentamente, mas estamos. Estamos desmistificando a prática da masturbação. Em tempos antigos, isso só era normal para garotos que se trancavam no banheiro e passavam horas descobrindo o próprio corpo. Às vezes isso até era motivo de orgulho para muitas mães e pais.
Torço para que todas as garotas, adolescentes e adultas descubram o próprio corpo, as maravilhas de sentir prazer sozinhas e, também, de sentir prazer acompanhadas. Torço pela apropriação de corpos, mentes e prazeres. Não há nada mais libertador do que ser dona do próprio corpo e poder utilizá-lo como e quando quiser.

117 comentários:

Jessica P disse...

Eu tambem me masturbo desde criança e meu celular sempre tem um filme porno pra quando eu sentir vontade de me masturbar...Tenho mais orgasmos sozinha do que em uma transa...

Tive um namorado(machista) que se incomodava com isso, não tanto pelo orgasmo, mas pela quantidade...Posso ter até 25 orgasmos em uma so masturbação(20 minutos)e ele se sentia inferior "Como pode uma mulher ter varios orgasmos e eu homem ter só um?"

Não tem nada melhor que sentir tesão no seu próprio corpo.

Fernando Borges disse...

Numa parte do livro "Depois daquela viagem", da Valéria Piassa Polizzi, ela faz um relato idêntico. Quando ainda bem novinha ela descobriu a masturbação e era repreendida pelos pais por isso. Diz que ficava confusa com a reação das pessoas, sendo que era apenas algo que lhe trazia satisfação e prazer.

Algumas pessoas têm dificuldade de aceitar a masturbação feminina como algo natural e acabam deixando uma geração inteira de mulheres complexada com o assunto.

Pamella Liz disse...

Também trago essa prática comigo desde adolescente, nunca tive vergonha,mas sempre fui acostumada a ser a esquidita por motivos outros...enfim, crianças sentem prazer sim eu concordo, e elas se descobrem sim, inclusive umas com as outras, mesmo que os adultos reprimam. Acho que desde que não haja um adulto envolvido, a descoberta é válida, mas ao mesmo tempo acho que tem se ter cuidado pra não sexualizar precossemente as crianças, isso queima etapas, e pode levar a desastres tipo gravidez na infância/adolescência, ou a complexos na vida adulta. Ainda falta muito pra entendermos as crianças, primeiro nós adultos temos que parar de esquecer que já fomos uma.

aiaiai disse...

clap, clap, clap. Eu não sei exatamente qd comecei a me masturbar, mas foi na infância. As primeiras lembranças que tenho mostram q eu já escondia, portanto, deve ter havido outras experiências que foram vistas por alguém e esse alguém disse q não podia. Disso eu não lembro.
É um assunto tabu para mim, de certa forma. Fiquei até na dúvida se deveria comentar com o meu apelido usual...Eu não falo sobre isso abertamente. Mas concordo com a Ana, autora do post: masturbação é é uma dessas coisas que a gente precisa lutar para tirar o rótulo de "assunto proibido" até porque, o ato em si, é libertador. Queria q um religioso me explicasse porque é considerado pecado por todas as religiões. O que pode haver de pecado em algo q vc faz sozinho, pro seu próprio prazer, não incomoda ou fere ninguém...enfim. Ao debate!

Dri Caldeira disse...

Hum, tô achando que o pessoal tá com vergonha de comentar, então, o assunto é polêmico mesmo. Olha, pra mim é complicado me masturbar, pq eu preciso me concentrar, ficar em silêncio e se tem uma coisa q eu não consigo fazer é ficar em silêncio. Me masturbar na frente do parceiro normal, acontece sempre, aliás, não entendo pq homem curte tanto ver mulher com outra mulher e se masturbando. São duas coisas q não consigo fazer: me masturbar e meditação, pois precisa concentração pra fazê-las. Prefiro participação especial de algum convidado pra gozar.

Anônimo disse...

Choquei! Pensava que eu fosse a única...
Eu me masturbo desde os 4 anos de idade, e perdi a conta do quanto eu fui repreendida, pela minha mãe, avó... Levei bronca, apanhei, fiquei de castigo. Não lembro se algum homem alguma vez me pegou "no ato". O resultado das tentativas de repressão? Fazia escondido, sempre alerta pra ninguém me flagrar. Com o tempo, fui conseguindo controlar a respiração (pra não sair ofegante), a quantidade de suor, a velocidade, a intensidade...
Nunca parei com o hábito, e nunca fiz segredo dele pra nenhum de meus namorados.
Hoje, mais de 20 anos de "prática", posso dizer que me satisfaço muito melhor do que qualquer homem conseguiu até hoje...

Ma Augustinho disse...

Uhuuulll!!! Cheguei ao inicio, estava lendo toooodoo o blog da Lola de tráz para frente e acabei!
hahahaha (risada maléfica) agora sei tudo sobre a Lola! Ai que absurdo!

Bom, Ana e Lola, de fato isso é muito comum mesmo, na minha infância sempre fazia coisas em cima de bichos de pelucia e bonecas e depois na adolescência me masturbava no banheiro, o problema é que não fazia direito, logo não sentia nada.
E depois mais velha aprendi o jeito certo com a minha namorada, hoje em dia mesmo namorando e tendo uma vida sexualmente ativa e boa continuo com o hábito, que acho muito bom e saudável!

Iara De Dupont disse...

Muito bom ter abordado esse tema! Tudo que envolve a mulher ainda carrega tabus medievais,e especialmente a masturbação é vista de uma maneira obscura,doente,como se fosse uma coisa proibida.
Me surpreende muito ver como as mulheres fogem desse tema, na realidade, todos,como se por fugir a realidade sumissem embaixo do tapete.
Acho otimo que se fale de masturbação feminina cada vez mais,que venha a tona, porque ainda é um longo caminho tirar essas correntes morais, religiosas que envolvem a mulher .As pessoas falam de aborto e masturbação como se estivessem no seculo XVII,é assustador ver como tudo ligado ao corpo e prazer da mulher causa tanto desconforto.
Perfeita a iniciativa de colocar o post, a garota foi muito feliz no seu texto, apenas discordo quando diz que muitas coisas vem mudando em relação a masturbação, acredito na parte cientifica, hoje está provado que não enlouquece ninguém ,mas no resto ainda acho que é um assunto tabu,que não se livrou das pedras milenares que o querem cobrir.

Anônimo disse...

, mas turbação e um ato saudavel, um ato de alto-conhecimento,pelo que eu entendi em alguns comentários, parece que os homens estão cada vez mais desnecessários, rsrsrs, tão maus hem homarada ?!!

lola aronovich disse...

Ontem mesmo eu tava vendo Mad Men e não sei em que episódio foi, acho que o 5 da 4a temporada, que a filha de 10 anos de Don e Betty é pega se mastubando. Quer dizer, não sabemos até que ponto ela estava “touching herself” (parece que era por cima da roupa), mas ela estava numa sala escura, só com a TV ligada, na casa de uma amiga, e a amiga sentada no chão, já dormindo. Mas a mãe da amiga vê a menina se tocando e é um grande escândalo, até porque a história logo vira que ela estava se masturbando em público na frente da amiga. E aí ela é levada a uma psiquiatra. Não só por isso, mas a masturbação é a gota d'água. Isso em 1965. Imagino que hoje não seria tão escandaloso, ou estou errada?

Juliana disse...

Todo mundo se revelando aí é evidência de que isso é SUPER normal. Também sou dessas que descobriram cedo o corpo e o prazer (e, desconfio, não somos exceção MESMO). E tenho recordação de ter feito isso em público (família toda reunida). Meus pais lidaram super bem, não reprimiram nem chamaram atenção ao fato. No máximo houve um convite pra que eu chegasse mais perto da mesa (eu estava no sofá). Depois de ter crescido e aprendido sobre privacidade, presenciei uma prima minha mais nova fazendo a mesma coisa. Estávamos vendo TV na sala e ela se empolgou horrores com o controle remoto entre as pernas. Fiquei na minha. O pai dela, quando viu, deu-lhe um tapa na perna e falou "eu já avisei pra você não fazer isso!". A única coisa que eu me questiono é isto: como ensinar pra criança que está se descobrindo que esse prazer é uma coisa privada, íntima, particular (porque, convenhamos, não é muito indicada a prática em almoços de família).

Anônimo disse...

É incrível como alguns homens ficam putos pq a gente goza mais se masturbando do que com eles, mas sentem preguiça,ou se sentem dimimuidos em se dedicar a fazer a gente gozar ( de verdade)...eu demoro pra gozar,a masturbação me ajudou muito na vida, pq antes de perder meu himem, eu era estimulada sem penetração pelo meu ex, e gozava horrores, depois da penetração travei, não gozava no sexo, aí comecei a me masturbar intensamente até achar modos de me satisfazer, e levei isso pro sexo a dois, e hoje consigo gozar, mas mesmo assim, comigo mesma gozo mais e mais rápido...nunca me apaixonei por mulher, mas acho que gosto de transar com mulher pq nos masturbamos e tocamos mais umas as outras...

Juliana disse...

Não sei se está errada, Lola, depende muito de família pra família. Acho que há quem faça bastante escândalo sim...

Carol disse...

Fernando Borges, lembrei do mesmo livro enquanto lia o post! A Valéria relatava que tinha a mania de apertar as pernas bem forte (ou algo assim) e que depois sentia uma sensação boa no corpo. Ela adorava fazer isso e todos a recriminavam. Li o livro quando tinha uns 12 anos e acho que foi a primeira vez na vida que vi as palavras "masturbação" e "saudável" associadas.

Ma Augustinho disse...

Acho que masturbação ainda é algo escandaloso!
Tenho uma amiga que transou a primeira vez com 12 anos e com um cara mais velho que ela (o que seria um grande absurdo pra muita gente e ela seria julgada uma puta de cara) e um dia ela pegou a filha do padastro dela, de 12 anos, se masturbando e achou um absurdo enorme e rolou muito fuzuê na casa delas por isso!
É um escândalo porque ninguém para pra pensar antes de julgar! Aliás, acho que pra tudo nessa vida ninguém pensa antes de julgar.
Não acho nenhum absurdo ela ter transando com 12 anos, afinal eu a conhecia na época e sei que de fato ela queria tanto quanto o cara, mas se não é absurdo (pra ela) transar aos 12 com um cara mais velho porque é se masturbar? Será porque não era ela que tava se masturbando?!

Lord Anderson disse...

Nossa sociedade complica tudo relacionado a sexualidade e estigmatiza tudo oq é voltado ao prazer feminino.

AInda mais masturbação onde a moça se diverte sozinha sem precisar de hum homem (o horror, rs).

Eu não lembro quando comecei a me masturbar. mas minha iniciação sexual foi bem cedo, mas cedo do que eu julgaria adequado hoje em dia.

Essa questão de sexualidade infantil é um tema que ainda não sei como me posicionar.

Com tanto estimulo a sexualização precoce das crianças, principalmente meninas nem sempre é facil encontrar o equilibrio entre não reprimir e orientar adequadamente.

Mas por isso mesmo um bom debate é necessario.

lola aronovich disse...

Desculpem interromper o papo gostoso de vcs sobre masturbação, mas lembram do Fábio/Tyler/sei lá quantas comentaristas ele clonou num só dia? Vcs lembram, porque ele estava atacadão até quinta, no horário de almoço, quando passei a adotar a moderação de comentários. Fábio é aquele mascutroll que primeiro veio com papinho de que tinha e amava a namorada, e eu meio que fui deixando o cara comentar aqui, apagando só a metade de seus comentários absurdos, até que ele começou a floodar a caixa com pedaços inteiros de Walita. Aí passei a deletar 100% dos seus comentários, e o cara não desistiu. Seu objetivo confesso era mesmo tumultuar.
Bom, olhem só o que encontro hoje no blog do mascu português que odeia feministas porque a mãe dele não lhe deu atenção: um comentário do mascutroll Fábio! O mascu português mais uma vez escreveu um artigo que ninguém vai ler pra me atacar. O legal é que em blogs e fóruns mascus muitas carinhas conhecidas nossas (que vem aqui trollar) aparecem entre os comentaristas.
Façam um esforço e leiam o coment.do Fábio, por favor: “eu fiz algumas experimentações por la ( conheça teu inimigo) e fiquei abismado com o que presenciei, diferente de blogs claramente e declaradamente misândricos, como o " eu odeio os homens, irmãs entre irmãs etc" que são facilmente repudiados e ridicularizdos por pregarem bobagens como o separatismo total de géneros, o blog da feminista Lola e mais perigoso, pois e manipulativo, dissimulado e mascarado, usa de mensagens subriminares para fazer lavagem cerebral e cooptar incaltos para a causa misândrica de sua autora, muitas mulheres que la comentam dizem não odiar homens, mas estão nas entrelinhas sendo levadas a acreditarem numa superioridade feminina natural e merecida, e quando veem já estão no caminho da misandria, numa clara lavagem cerebral,claro contando com todo tipo de parias sociais, ( comunistas, parazitas de pseudo ciências humanas, anarquistas apatridas, frequentadoras de swings etc.)
a feminista Lola e extremamente dissimulada, ela cria fakes, alguns de homens feministas para claramente atrair os esquerdistas e anarquistas para sua causa, ( o feminismo sabe que terá que ter aguem para por na linha de frente, e não serão elas) e de caricaturas do masculinismo, com clara intenção de ridicularizar o movimento pela reeducação emocional do homem, um destes fakes, muito util para os ideais feministas com caricatura, se apropiou de meu avatar usado la, e lhes deu justamente o que elas queriam, um bode expiatorio,pois a Lola sabe que pela caracteristica competitiva feminina, as feministas dificilmente seriam unidas, teriam unidade sem seus "fantasmas mascus sanctus, para servir de alvo"
realmente eu nadei com as tubarões, mas a experiencia foi valida, pois conhecendo melhor o oponente e seus truques manipulativos baratos segregacionistas vitiminstas, eu hoje tenho mais convicção nas ideias masculinistas.” [tudo sic]

Ma Augustinho disse...

Lola?! Como você pôde? Colocar mensagem subliminares, beeem escondidinhas, pra que passemos a odiar os homens e nos acharmos superiores.
Agora eu entendi tudo, quando vc diz que ama o maridão, que acha ele lindo de morrer...
Agora eu entendi o que realmente vc quer dizer!!!
Ai quanta merda!!!

lola aronovich disse...

Outro mascutroll, o Carlo, que deve ter uns 100 comentários no meu blog, disse que chegou a provar MATEMATICAMENTE que estou errada. Mon dieu, eles são ridículos demais. Por isso que eu digo que não vale a pena discutir com eles. Porque não importa o que vc fale, pra eles a gente sempre será o estereótipo que eles têm de toda mulher – irracional, histérica, burra, descontrolada, etc. E isso não é por sermos feministas, é apenas por ser mulher mesmo. De feminista eles só têm a dizer os clichês de sempre – que somos ogras peludas e lésbicas com inveja do pênis. Ah, e MISÂNDRICAS. Os caras não conseguem destacar UM SÓ exemplo de misandria aqui no meu blog, mas eles insistem que, obviamente, feminismo É misandria.
São mentirosos patológicos mesmo. O Fábio parece ser hors concours: fica trollando aqui com mil e um fakes, e ME ACUSA de criar os fakes. É impressionante, e não é a primeira vez que sou acusada de trollar meu próprio blog. Tem idiota que ainda acha (mesmo com dois sanctos presos) que eu fui a criadora do blog de ódio do Silvio Koerich, e eu mesma estava/estou fazendo as ameaças contra mim. E que eu sou todos os trolls que eu quero ver mortos. É meio doentio, não? O pior é que eu tenho o IP deles, ou seja, sei bem que o Fábio é o Tyler que clonou a Bruna, e que o Arnold é o Smooth Operator, Ange, e sei lá quantos outros ele criou pra dialogar com ele próprio. Como se, com esse bando de doidos varridos chamados mascus soltos por aí, alguém precisaria INVENTAR trolls pra manchar a imagem do masculinismo (o pior é que eles sabem a imagem que o masculinismo tem, tanto que dizem pra não falar com ninguém sobre isso).
Outra coisa interessante é o modus operanti deles. Lembro de um dos meus primeiros trolls, ainda em 2008 (ou 09?). O cara, antes de sumir (graças!), disse que tudo que ele tinha aprontado aqui não passara de uma “experimentação”. Que ele estava apenas estudando a mente feminina or whatever. É tudo uma experiência mesmo! Eles vêm aqui gastar o nosso tempo, nos ofender, tentando sabotar o blog, e foi "só uma experimentação"! Esses sujeitos são doentes mesmo. Seriam engraçados se não fossem trágicos.

Dri Caldeira disse...

Lola, para com esse assunto desse troll patético. Já fiz xixi na calça de tanto rir, caramba.

Niemi Hyyrynen disse...

Nossa gente, parabens para quem começou a se masturbar desde a infância, queria eu ter descoberto isso antes!


off-topic
Lola, agora o Fábio fica me mandando textos do Pondé! acredita? hahaha

:)

Dri Caldeira disse...

Troll é engraçado, perde tempo fazendo "experimento" e deixa de ser homem, vá entender...

lola aronovich disse...

Niemi, é, ele me mandou uma entrevista com o Pondé também. Ele deve achar que, graças a ele, a gente está descobrindo o Pondé hoje. E que só porque o sujeito preconceituoso tem espaço na grande mídia, ele está falando A Verdade, O Caminho e A Luz.


Dri, o que é "ser homem"?

Sara disse...

Tb acho q a masturbação é natural em todos nós, mas para as mulheres é um assunto tabu.
Nas lembranças que tenho eu devia ter uns três anos de idade quando junto com uma prima da mesma idade, comecei minhas incursões e descobertas da minha sexualidade.
A Aiaiai acha que alguém pode te-la repreendido quando criança, mas nem sempre é assim, eu como mãe de duas meninas passei alguns apuros com minhas filhotas.
Minha filha mais nova tinha uma amiga por volta dos seis anos de idade, essa garotinha era filha de um ex-padre e de uma ex-freira católicos, era uma garota adotada e seus pais já eram idosos, mas embora ela fosse muito amada por seus pais, a criação dela era bem dentro dos moldes da religião dos pais.
Um dia ao pegar o telefone e ligar para o banco, fui surpreendida com a voz da minha filha em uma conversa com essa amiguinha em uma extensão que havia no quarto dela, minha filha dizia para essa amiga o quanto era gostoso tocar na sua vagina e incentivava que a amiga se tocasse Tb, mas a amiga dizia que não estava conseguindo abrir o zíper da sua calça jeans e parecia estar aflita com isso, bom eu fiquei realmente sem saber como agir, não queria de forma alguma interromper essas descobertas, mas sabia que se os pais da menina vissem essa mesma cena, poderiam ficar chocados ou decepcionados com minha filha.
Botei o telefone no gancho e fui até o quarto da minha filha, ao me ver ela ficou muito constrangida e brava por eu estar ali.
Eu pedi q ela desligasse e tentei explicar a ela que não era errado se tocar e ter prazer, mas que ela devia fazer isso sozinha, que poderia falar sobre isso com sua amiga, mas não por telefone, pois os pais dela poderiam ouvir a conversa, e que nem todos pensavam como eu e poderiam não gostar.
Quando contei o fato pro meu marido, ele teve uma atitude completamente diferente da minha, disse que devia ter castigado a menina, e ficou muito contrariado.
Já a minha filha mais velha quando tinha uns dois anos de idade, adorava brincar de cosquinha com o pai, passavam um tempão rindo, e meu marido fazia cócegas na barriga dela, até que um dia ela pediu a ele que fizesse cócegas na sua vagina, na maior inocência do mundo.
Eu juro que NUNCA vi meu marido tão constrangido coitado, senti imensa dó dele nesse momento, ele parou imediatamente com a brincadeira, tenho certeza que ela não entendeu o porquê dele ter parado de brincar, talvez isso a tenha marcado de alguma maneira.

Dri Caldeira disse...

Não ser troll. E viver pacificamente, sem querer oprimir, agredir, bater, estuprar, abandonar, é ser companheiro.

Dri Caldeira disse...

Não quero um homem que viva por mim nem para, quero alguém que seja companheiro, que saiba partilhar, pq não sei quanto tempo vai durar meu interesse por ele. E esse interesse vai depender disso.

Drica Leal disse...

Adorei o post!

Quando criança não me masturbava, nem sabia o que era, mas gostava muito de "brincar de médico" com os meninos. Acho que por ir diretamente os ponto com garotos da minha idade que masturbação não fez parte da minha infância. Mas minha família é bem machista e repressiva com relação á isso, então na adolescência eu aprendi me masturbar escondidíssima, é claro, e é uma prática que mantenho até hoje, estando namorando ou não. Já tive altos grilos e complexos por causa disso, mas agora levo numa boa, embora não seja um tema que, infelizmente, possa ser levado com naturalidade pela maioria das pessoas, somente algumas amigas minhas não tem grilos com isso e conversam, brincam, mas a maioria não toca no assunto.

Algumas comentaristas citaram o fato de alguns homens meio que se sentirem ofendidos ou descartados por mulheres e meninas sentirem tanto prazer com a masturbação, mas acho que vem da ideia tão arraigada no universo masculino que homem gosta mais de sexo que mulher (muitos, tipo os mascus, acham inclusive que nós não gostamos de sexo de jeito nenhum), de que homem tem mais necessidade de sexo que a mulher, dentre outras babaquices que permeiam a mentalidade masculina sobre o assunto. Até mesmo algumas mulheres que não conhecem ou exploram o prazer que seus copros podem proporcionar acreditam também.

Me lembrei dos tempos do falecido orkut (alguém usa ainda? rs), quando numa comunidade as mulheres começaram a falar dos orgasmos que tem enquanto dormem e muitos homens disseram que acham que é impossível uma mulher ter orgasmo sonhando, disseram que estávamos mentindo, rs. Fiquei passada com as reações deles, porque eu já tive vários orgasmos dormindo, o ruim é que os espasmos acordam a gente, kkk. Mas sei lá, acho que eles idolatram tanto o pênis que é difícil aceitar que mulheres podem e tem muitos orgasmos sem ele. A ideia de que mulheres sentem tanto ou até mais prazer sexual que eles também pode ser frustrante para homens que acreditam piamente que homem gosta e tem mais necessidade de sexo que a mulher.

Só sei de uma coisa: se a sexualidade feminina não fosse tão ou mais intensa que a masculina não seriam necessários milênios de repressão e controle social sobre ela. Se é tão fortemente reprimida, é porque algo de ameaçador existe para a ordem vigente.

Anônimo disse...

Eu também comecei a me masturbar cedo, com 6 ou 7 anos. Talvez antes, até: tenho vagas lembranças de, aos 4 ou 5 anos, estar na sala e com a mão dentro da calcinha. Não sei bem o que estava fazendo, só sei que fui repreendida.

O detalhe é: nessa época eu era abusada sexualmente por meu irmão mais velho. Era horrível, é lógico, e imperdoável, mas de alguma forma isso também me estimulou a procurar prazer. É confuso. Talvez seja alguma forma de compensação. Não sei. Só sei que desde então eu me masturbo (tenho 26 anos).

Nunca conversei com ninguém a respeito, morro de vergonha de falar disso (não de me masturbar sendo uma mulher adulta, mas de ter me masturbado na infância, nesse contexto). Alguém tem alguma experiência semelhante?

Lays, mãe e tudo o mais. disse...

Acho que o caminho mais fácil para lidar com a masturbação infantil é dizer para a criança que o corpo é dela e que isso é algo muito íntimo, que não deve ser feito na frente das outras pessoas. Que existem coisas que não fazemos na frente das outras pessoas e que essa é uma delas.

Essa questão do "corpo é meu e por isso é particular" também abre a brecha para alertar a criança de que o toque do corpo é exclusivo dela e que se alguém pedir para tocá-la ou para que ela se toque na frente de alguma pessoa, é para contar para a mamãe.

Lays, mãe e tudo o mais. disse...

E Lola:

"subriminares"????

"incaltos"????

"parazitas"????

"apopriou"????

Eu sou o tipo da pessoa que, se a mensagem é boa, não atenta aos massacres da língua portuguesa, mas em casos como o dos mascus... esses erros são a cereja do bolo, mostram o quanto são ignorantes em todos os sentidos.

Sinceramente, pela sua paciência em aturar as peças, você teria direito ao Céu sem escalas (se houvesse um, claro).

Anônimo disse...

aparentemente, todo mundo se masturba desde criança. eu lembro claramente de não só me tocar, como chamar uma amiguinha para me tocar e vice-versa.

O que a Sara contou sobre a filha no telefone... eu tbm já fiz a mesma coisa, acho que eu falava para a minha amiga colocar algo molhado na vagina, não me lembro muito, mas lembro que acontecia.

Eu sempre fazia escondido, não porque meus pais tivessem visto algo (e se viram, não falaram nada), mas eu sempre fui uma criança meio reservada, de verdade.

Também lembro do chuveirinho lá de casa, hahahahaha Descobri tomando banho que lavar minha vagina com o chuveirinho era mais legal.

Beatriz disse...

Me masturbo desde a adolescência. Aqui em casa não é tabu, mas meus pais orientam que a gente se esconda, haha. Mas pra mim nunca foi tenso não.

Lola, tá vendo pq eu disse q tem q fechar a caixa de comentários? Eles são doidos, não adianta. Destaque q a "parazita" de ciências humanas aqui paga as próprias contas há alguns anos, coisa q eu duvido q esses mascus trolls desocupados façam.

Anônimo disse...

Tenho três grandes memórias em relação à masturbação na infância.

A primeira é dos 4 ou 5 anos, quando eu fazia ginástica olímpica. Eu me lembro de gostar de sentar sobre as traves como se fosse um cavalo, achava gostosa a pressão que eu sentia, mas não me lembro de ser repreendida nem de falar sobre isso com ninguém.

A segunda é meio traumática, e às vezes eu acho que devia procurar um analista, mas de certa forma me acho relativamente resolvida com isso. Quando eu tinha uns 6 anos, eu tinha um amigo no condomínio, da minha idade. E aos domingos, tinha um porteiro folguista com quem a gente sempre ia conversar, e ele me tocava. Engraçado que na época, embora ele me dissesse pra não contar nada pra minha mãe e isso me deixasse desconfiada, eu não achava ruim. Eu não tinha a noção de que ele era aliciador, pedófilo ou qualquer coisa. E ele nunca pediu nada em troca, a pira dele era só me tocar. É estranho isso, porque hoje eu penso "caracas fui abusada!" e me dá um embrulho no estômago, mas na época não me incomodava at all, bem pelo contrário. Só meu amigo sabia e ele nunca falava nada, só ficava olhando (e nem via nada, porque o cara não tinha como tirar minha roupa no balcão da portaria, era só a mão por dentro do jeito que ele conseguia...). É esquisito, porque hoje eu tento me entender naquela situação e não consigo. Nunca contei pra minha mãe e acho isso bom, porque ela teria sofrido muito. Só meu marido sabe. E vocês agora né hahahaha E um dia isso parou, não me lembro muito bem. Depois ele foi demitido por outros motivos.

Depois, com uns 8 eu tinha uma amiga uns 3 anos mais velha, e às vezes eu ia dormir na casa dela. E ela se masturbava embaixo da coberta e me incentivava a fazer a mesma coisa. E eu fazia, mas nunca gozava nem nada. Depois perdi o contato com ela e também o hábito autoexploratório, mas já naquela idade eu achava estranho masturbação em público. Ia na onda mas porque ela era mais velha, coisa de criança eu acho.

Depois disso e talvez por esses dois fatores, deixei de explorar a minha sexualidade. E é uma coisa louca, insana isso. Penso em quanto tempo eu perdi e como foi difícil retomar as rédeas do meu próprio corpo com 17 anos mais ou menos. Eu já transava mas não me masturbava (e ainda ficava me perguntando por que todas gozavam menos eu né!). As meninas dos colégios de padre (que não tem padre nenhuma, mas todo mundo tem iPhone e nike shox - ainda é descolado usar shox no Ensino Médio?) não falam sobre isso. A sorte foi ter uma pessoa incrível ao meu lado nessa retomada que nunca se economizou e sempre me incentivou e ajudou com toda a paciência do mundo. Hoje, mesmo casada, curto meus momentos sozinha tanto quanto os que tenho com ele.

E achei incrível o relato da Sara com a filha dela, quisera todas as mães fossem cuca fresca assim né :)

Olha só, agora estou na lista dos "beneficiados pelo blog da Lola"!

Dri Caldeira disse...

Lola, Lolinha, LOLÃO!! Tá tendo um sei lá o que com o filme novo da Miley Cyrus, a Hannah Montana, e tá nos TT's do Brasil! Quando eu cliquei na tag, qual foi um dos perfis com Lola na @ que aparece EM SEGUNDO LUGAR NO MUNDO: O SEU!!!!! MORRAM MASCUS TROLLS!! O ÓDIO DE VCS NÃO VAI CONSEGUIR ACABAR COM A LOLA JAMAIS!!

Gabriele Albuquerque Silva disse...

Me lembrei da experiência que tive dando uma aula de educação sexual para um grupo de meninos de sétima série. Na parte em que falava sobre masturbação, eles ficaram chocados ao saber que meninas tb se masturbam. Me pareceu que até mesmo toda a questão de prazer sexual feminino parecia bastante estranha pra eles, fiquei me perguntando tb sobre como talvez a questão do sexo seja sempre mostrada como algo "para o homem". A conversa com esse grupo em particular foi bacana, acredito que eles abriram um pouco mais sua compreensão sobre o assunto, mas fiquei realmente me questionando.

Paula disse...

Eu pelo menos sinto "tesão" umas 2 vezes por mês, é normal?

Anônimo disse...

Achei muito show o que a Gabriele fez na aula de ed. sexual! Parabéns! Queria eu ter tido professor@s assim!
No meu tempo de escola eu tive uma professora que dizia que o corpo das mulheres nao era feito para ter prazer no sexo, que só homem conseguia ter orgasmo. Acho que na época eu era muito nova pra entender o tamanho do desfavor que aquela senhora estava fazendo às meninas!

Eu também vim de uma família conservadora e eu praticamente nao tive adolecência pois minha mãe me trancafiva em casa por medo de eu "envorgonhar a família (=fazer sexo E GOSTAR)". Ela nao tem idéia da idade em que eu comecei a fazer sexo. Se ela soubessa na época teria me quebrado de pancada!
Porém comecei a me masturbar (no mais absoluto segredo) na adolecência. Nao conseguia ver o sexo como essa coisa imunda e degradante. Nao sei como eu nao fiquei traumatizada ou com amarras sexuais apesar da "doutrinação" familiar/social que sofri!
Até hoje uma das coisas que mais me deixa chocada é o medo que as pessoas tem da sexualidade feminina e dos homossexuais!
Sei que o mundo é cheio de homens que não ligam ou mesmo desaprovam o prazer de suas parceiras. mas tem muitos que de fato querem que elas sintam prazer, se esforçam para isso, mas nao conseguem pois ELAS MESMAS nao conhecem o próprio corpo, como e onde sentem prazer!!
A masturbação é, na minha humilde opinião, essecial para o desenvolvimento da sexualidade!

Ali disse...

Assim como a aiaiai, eu não tenho lembranças de me tocar na infância e me pergunto se não bloqueei alguma memória por ter sido repreendida. Lembro de esconder duas situações. Uma vez, com 5 ou 6 anos, eu estava lendo o livro "De onde viemos?", escondida do lado da cama. Fui flagrada pela minha mãe, que chamou meu pai pra ver. Eu pulei pro final do livro e mostrei: Ó, tô olhando como os bebês crescem na barriga!
Não levei nenhuma bronca, eles até acharam engraçado, mas eu fiquei super envergonhada, pq aquele livro tinha sido escondido de mim qnd eu ganhei, então eu sabia q estava fazendo "coisa errada".
Outra situação foi um pouco depois, eu tinha uma almofada comprida e dormia com as pernas e braços em volta dela. Não tinha nada de sexual nisso pra mim. Mas eu ouvi de canto de ouvido a minha mãe conversando com a mãe de uma amiguinha sobre as coisas q a gente fazia e ela contou sobre a almofada. Eu prontamente dei uma desculpa, disse q fazia q era meu cavalinho ou alguma coisa do tipo.

Só comecei a me masturbar na adolescência mesmo, pra me preparar p o sexo, me conhecendo.

Ali disse...

Andei procurando o livro pra emprestar pra uma amiga q tem uma filha de 7 anos e tá começando a fazer perguntas. Dai reli e me decepcionei. É completamente heteronormativo e falocêntrico. Foca o desejo todo no homem, ignora a existência do clitóris, da lubrificação da vagina, etc. Não sei dizer se ele não teve também contribuição pra minha sexualidade despertar tão tardia... Acabei não emprestando o livro ainda, to a fim de fazer umas anotações esclarecendo algumas coisas, pra no futuro usar esse livro com x(s) mxxx(s) filhx(s).

Taís Maciel disse...

"Não há nada mais libertador do que ser dona do próprio corpo e poder utilizá-lo como e quando quiser."

exatamente!!!

Ju disse...

Lola, inverter as coisas (dizer que vc quem cria fakes) é a tática mais comum entre eles. Arrisco dizer que está escrito no dna, se vcs me entendem.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Acho que existe muito preconceito em relação a esse assunto.
Muitos homens parecem ver a masturbação feminina não como algo que seja feita pra dar prazer pra mulher, mas como algo para excitá-los visualmente. Muitas mulheres parecem ver masturbação feminina como algo feio, anormal, na cabeça delas homem fazer isso tudo bem, estão só se aliviando, já a mulher só faria isso por ter um desejo sexual anormal ou então por estar insatisfeita com o parceiro.
É triste que em pleno século vinte e um muita gente ainda pareça pensar assim, eu só comecei quando já tinha uns vinte anos e foi só a partir daí que comecei a ter orgasmos, conhecer melhor meu corpo, as possibilidades, porque até então eu sentia muito desejo, mas quando a relação sexual começava eu só sentia dor ou desconforto, acho que por não conseguir me soltar de verdade.

Dri Caldeira disse...

Eu agora à tarde fiquei tentando me lembrar das vezes em q me masturbei. A mais marcante delas foi quando saí com um cara depois de ANOS de paixonite entre ambos... cada um casou com seu respectivo parceiro e ainda casados, fomos consumar o tesão que sentíamos um pelo outro desde a adolescência. Papo vai, papo vem, o cara parecia um tarado! Mas, na hora H, brochou... muito constrangido ele levantou deu aquele monte de desculpas, disse q tinha vivido uma expectativa gigantesca durante a semana, aguardando pelo encontro, que queria que tudo fosse perfeito, pq eu merecia... e eu fiquei olhando pra ele, séria. E ele se vestindo. Então ele me pergunta: não vai se vestir? Eu disse, não, vim aqui pra gozar e é o que vou fazer. Fiquei uns 20 min me masturbando na frente dele. Pois não é que ele se animou, tirou a roupa rapidamente e queria transar? Não deixei e fiz ele ficar ali olhando, até que eu gozasse. Mas eu demorei, viu? Poutz, minha vontade de rir era mais forte, mas heróicamente, fui até o final. Preciso dizer q depois disso ele NUNCA mais falou comigo? Bobagem dele, né?

Anônimo disse...

por que você usa termos tão baixo nível?Seu blog é palavras de baixo nível.



Aceite Jesus.Ele salva você.

Enrico Montenegro Costa Rafaelli disse...

Lola, eu acho que a questão da masturbação já foi superada.Sem querer ser explícito, mas já que adentramos na questão da sexualidade, há casos de mulheres que se masturbam na frente de seus namorados e maridos, enquanto fazem sexo oral neles.Inclusive é um mecanismo de exitação e aprendizado de seus parceiros, para que estes saibam tocar em sua vagina, aumentando e dando prazer a elas.

Anônimo disse...

Se eu me masturbava na infância, não me lembro. Até onde vão minhas lembranças a descoberta do prazer e meus primeiros orgasmos ocorreram no final da infância/começo da adolescência. Era curioso porque eu nem me tocava, apenas ficava quieta imaginando coisas excitantes, e isso bastava. Hoje em dia não consigo mais ter essa força imaginativa, kkkkkk. Depois passei a me tocar de fato.
Tive uma educação católica, e uma vez uma professora de catecismo disse que se masturbar era pecado. Cheguei em casa e perguntei para minha mãe se era mesmo pecado (eu devia ter uns 11 anos). Então ela me disse que não, que era uma forma de conhecer o próprio corpo. Foi a melhor resposta que eu poderia receber, e tirou qualquer sombra de culpa que eu pudesse ter até o momento

Anônimo disse...

Eu me lembro vagamente das primeiras vezes que eu comecei a me masturbar. Eu devia ter uns 12 ou 13 anos. Me lembro que, no dia seguinte a uma das primeiras vezes, eu tive um pouco de febre e, como eu tinha introduzido o dedo, fiquei achando que era uma reação do meu corpo. Fiquei com culpa, sabe? Mas isso não me impediu de me masturbar. Hoje eu tenho 17 anos, sou virgem... Já faz um tempo que não me masturbo, mas não tem a ver com culpa ou coisa do tipo. Eu meio que perdi o tesão, por tudo, inclusive sexo. Enfim.
Eu nunca fui pega me masturbando, mas meu pai já achou sites "suspeitos" no meu histórico, há uns 9 meses. Depois de uma conversa, prometi que não acessaria mais. O que é mentira, porque eu continuei acessando, só fiquei mais cuidadosa. Agora é que eu acesso menos, porque, como eu disse, minha libido diminuiu bastante de uns 3 meses pra cá, sem um motivo muito aparente.
Mas é verdade: a sexualidade ainda é um tabu muito grande. A feminina, ainda mais. Reprimir é inútil: não surte efeito e, quando surte, causa trauma. Mais fácil seria conversar com os filhos, esclarecer, tirar as dúvidas - mas parece que os pais pensam que isso é "incentivar".

Anônimo disse...

não, enrico, não foi superada. o fato de haver mulheres que se masturbam na frente do parceiro não quer dizer que todas as mulheres sejam bem resolvidas. eu tenho amigas que nunca se masturbaram e acham que a única forma de ter prazer é com o namorado.

Mylla Galvão disse...

Lola,
eu sou como vc! e masturbo tb. Desde criança. Não sei precisar bem a data em que comecei, mas sempre foi prazeiroso!
Minha família sempre abominou a ideia. Falavam que era feio e coisa e tal...
Tenho um irmão que é especial. Nunca teve contato com mulher. Mas ele se masturba muito... Ora é o nosso jeito de obter prazer...
Não acho isso uma coisa feia e a maioria dos adultos que condenam essa prática, foram ou são mal resolvidos no amor, ou seja, MAL-AMADOS!
Seu texto é muito bom!

bjos

Anônimo disse...

M. G.

Comecei a me masturbar muito cedo também, mais ou menos na mesmo época em que fazia experiências sexuais com mais dois amiguinhos (nós 3 com +- 5 anos). Sabíamos que era proibido, que era coisa de adulto porque encontramos um filme pornô na casa da outra menina e fomos assistir. Ficamos impressionados com o prazer que todos sentiam e resolvemos experimentar. Fizemos isso diversas vezes, sempre sabendo da necessidade de se esconder. Quase não falo sobre isso, nem com outras pessoas nem com as pessoas envolvidas, mas nós fazíamos porque era bom, aquilo não tinha nome, mesmo depois, quando continuei a prática sozinha, eu não sabia como chamar, só quando tinha 13 ou 14 anos é que conheci a palavra masturbação. Teve um período na adolescência em que sentia vergonha de me masturbar (justo quando as definições foram ficando claras, mas não parei a prática, só que sentia vergonha quando terminava), levei um tempo para superar essa fase. Hoje tenho 24 anos, sou casada, tenho uma vida sexual muito satisfatória e me masturbo sem problema nenhum, sozinha ou acompanhada. Mesmo assim, as lembranças da infância ainda criam sentimentos confusos...

Anônimo disse...

eu não lembro muito bem se me tocava na infância... lembro vagamente da minha mãe mandando tirar a mão dali pq era feio fazer isso na frente dos outros.

e ela ainda tentou me dar uma educação católica (fiz catequese, comunhão, um saco) e aí eu passei a achar que aquilo era pecado ¬¬

só fui voltar a me tocar, conscientemente e com o propósito de ter um orgasmo, aos 11 ou 12 anos, após ler sobre o assunto numa revista. era um artigo interessante, dava dicas como a técnica do chuveirinho e tal.

antes disso, eu lembro de sentir tesão, mas não sabia bem oq era. lembro de brincar com a barbie e o ken e fazer eles se pegarem peladões. lembro de esfregar o ken em mim tb. lembro de ver a capa das revistas pornô na banca e ficar excitada.

minha mãe nunca gostou que eu fosse estimulada por televisão, filmes inadequados pra minha idade ou algo do tipo. ela mudava de canal, respeitava a classificaçao etaria de filmes e tal. mais do que pelo moralismo, isso foi uma orientação da minha pediatra: eu comecei a ter pelos pubianos muito cedo, com uns 7 anos, e a medica disse que eu podia ficar "anã" se menstruasse muito cedo. segundo ela, a sexualizaçao das crianças pode levar à entrada na puberdade mais cedo e como as meninas param de crescer logo depois disso, ela disse q o melhor era adiar ao maximo. de fato só fui ficar menstruada com 12 anos e logo parei de crescer.

enfim, mesmo depois que eu comecei a me tocar, durante muitos anos eu ficava morrendo de culpa depois. fazia, lavava as mãos com nojo e evitava fazer de novo por um bom tempo. quando eu tinha vontade de me tocar em feriados religiosos, eu rezava pedindo perdão HAHAHAHAHAHA cheguei até a deixar de fazer algumas vezes, no natal ou na páscoa, esperando dar meia noite (já que no "dia seguinte" não teria problema... isso fazia sentido pra mim na época HAHAHA)

quando eu fui me descobrindo atéia eu parei de sentir culpa e comecei a me masturbar com mais regularidade. mesmo assim, sempre fazia escondida, super tensa, morrendo de medo de ser pega no flagra.

só comecei a me soltar mais com uns 16 anos, só nessa época que eu fiquei "viciada" em me tocar (algo pelo qual pessoas normais passam no começo da adolescência affff). aí eu queria fazer toda hora, varias vezes, escondida no banheiro do colegio e depois no da faculdade. só fui sossegar lá pros 19 anos, aí passou a ser uma coisa normal, saudável hehe

Anônimo disse...

Alguém falou de crianças erotizadas muito precocemente.

Acho que tem uma diferença entre crianças assistindo programas fora da sua faixa etária ou recebendo informação inadequada para idade da masturbação que vem de maneira espontânea.

Sara disse...

To adorando essa caixa de comentários, e percebendo que nossas experiências são muito comuns, eu como muitas aqui tb sentia uma forte dose de culpa quando era bem nova, engraçado que não consigo distinguir bem de onde vinha essa culpa, se foi algo aprendido ou inato.
Nunca gostei de me tocar e sempre tive preferencia por objetos, geralmente meus bonecos hj por favor não riam mas prefiro travesseiros rrrsss.
Tenho duvidas tb se a tal erotização precoce favorece que crianças se masturbem, no meu caso como ja disse tenho lembranças muito antigas , por volta dos meus tres anos de idade, e garanto que no lugar onde eu vivia essa época não havia nenhum meio de comunicação que passasse menssagens erotizantes, nem televisão havia naquele lugar, apenas radio, era interior do Tocantins, uma cidade minuscula.
Creio que é natural do ser humano, mas que infelizmente é um tema carregado de preconceitos dificeis de superar.

O Guri disse...

Isso está tão confuso na minha cabeça que eu não quero pensar no assunto agora. Não sou capaz de formular uma opinião a respeito nem de levá-la até o fim. Por isso eu prefiro ficar quieto e deixar o bonde passar dessa vez.

Bejo na bunda de todo mundo aqui ^^

yulia2 disse...

haha... quer dizer fabio, a nessahete
vinha aqui para nos analisar...HEHEHE
po e te xingou lola.... que cara mais ingrato!
vc deixava ele defecar as nessahisses aqui e ele te
trata assim mundo afora? heheheeh

ta na cara que ele inventou que tem namorada
para ter acesso livre e sem problemas aqui....

Fábio duas caras....

Anônimo disse...

Eu apoio. Viva a coça na perseguida! Viva a siririca! Viva o clitóris pra lá e pra cá! Viva a imaginação! E viva a punheta também. Uma das imagens mais bonitas do mundo é o rosto das mulheres quando se masturbam. (Jeferson Brian)

Ana Gabardo disse...

Incrível como as experiências de muitas de nós aqui é comum: a culpa, o medo, a repressão dos pais e familiares.
E mesmo hoje, anos e anos depois, muitas pessoas ainda enxergam isso como coisa suja.

Quem disse lá em cima que já superamos a questão da masturbação, só pode viver mesmo cercado de um grande privilégio: ser homem.

Beijo Lola! Obrigada por publicar o texto :)
Nos vemos em Curitiba, em agosto!

Joel Bueno disse...

A masturbação foi (é) tabu para ambos os gêneros.

Historicamente, a masturbação dos meninos foi mais combatida pelos higienistas. Dava tuberculose, cegueira, viciava, prejudicava o crescimento, etc.

A masturbação feminina era relativamente ignorada. Afinal, o sujeito do desejo era o homem.

Anônimo disse...

Sinceramente? Esse post é de muito mal gosto, parece incentivo à pedofilia. Não venha a Lola dizer que estou sendo machista, antes dissesse que se masturba desde adolescente, que faz isso todos os dias. Não me importo se uma mulher adulta e consciente enfia uma berinjela na vagina todo dia. Mas CRIANÇA, NÃO. Lola, desculpa, mas acho que vc às vezes é meio boba na hora de fazer postagens e não enxerga a dimensão das coisas que publica.

Anônimo disse...

que legal! eu também me masturbo desde criancinha. mas, ao contrário do convencional, minha mãe não só não achava ruim, como incentivava. lembro que ela me falava que "quando a gente ta deitada, antes de dormir, a gente pode encostar no próprio corpo e explorar". apesar de que, antes disso, eu já brincava, com uma inocência tremenda, pra mim era só uma sensação boa, completamente desligada de qualquer significado externo.

lembro-me também que tinha uma amiga com a qual compartia essas experiências. não tínhamos mais que 6 anos, e várias vezes nos masturbávamos ao mesmo tempo e compartilhávamos "dicas" em quanto fazíamos. algumas vezes tocávamos uma a outra, ou então brincávamos com o chuverinho na hora do banho. assim como disse antes, essas brincadeiras não tinham nenhum juízo de valor. só sabíamos que não devíamos contar pra ninguém pq sentíamos que, de alguma maneira, fazer qualquer coisa com as "vergonhas" deveria ser igualmente vergonhoso.

Anônimo disse...

anônimo das 22:23

pode me explicar onde está a pedofilia em uma criança tocar o PRÓPRIO corpo?

Sara disse...

Sinceramente anonimo das 22.23 muito mal gosto tem é vc, de ser tão retrogrado, repressor e machista tb.
Se vc ficou chocado de saber que nós mulheres somos seres sexuados, sinto muito pelo choque, MAS SOMOS SIM, e desde bem pequenas.

Bruxinha disse...

Pedofilia? Esse anônimo aí de cima variou! Está se falando de experiências de autoconhecimento, que podem ter começado na infância. Não se está falando de um adulto abusando de uma criança! Affff
Eu gostaria de maiores informações sobre como lidar com o assunto, já que tenho uma pequena que já demonstra curiosidade com o seu corpinho. E minha educação foi mt castradora em relação a sexo, só fui descobrir os bônus da prática sozinha ou acompanhada na maioridade.
Tb queria saber pq quase todas as religiões tacham de pecado a masturbação...como disseram antes, nào prejudica ng! P q prazer é visto como errado pra tanta gente,sobretudo os religiosos? Gente estranha!

Liana hc disse...

Amar é... usar o chuveirinho.

Masturbação, como é que uma coisa tão simples ainda causa tanto alvoroço? Só serve para ilustrar o quanto ainda temos que andar.

carolinapaiva disse...

Sempre me toquei também. Acho que começou na brincadeira de cavalinho.
No pré tinha uns cavalinhos de mola, e eu sentia uma sensação gostosa, um tremorzinho. Depois passei a me tocar em casa.
Não cheguei a ser flagrada pelos meus pais, pois sempre fiz escondida, não queria que me vissem tocando minha vulva.
Masturbação infantil em nada tem a ver com pedofilia, pois a criança não entende o ato de se masturbar como os adultos, o que sabem é que é gostoso se tocar e ponto.
Inclusive, é importante que os pais sempre alertem os filhos de que ninguém pode tocá-los assim.

Anônimo disse...

Pedofilia? E quem é o pedófilo? O braço do sofá? (Jeferson Brian)

Carol A. disse...

Anonimo 22.23, existem estudos que dizem que até mesmo fetos se tocam.

Anônimo disse...

Minha mãe sempre conta que eu, desde pequena, fazia isso. Sinceramente, não me lembro, mas segundo ela eu comecei lá pelos meus três anos.

De resto, eu já mais velha (6,7 anos) lembro, sim, de encostar. Sentir que era bom. O único aviso da minha mãe é que isso não era pra fazer em público. Que eu sozinha, em casa, ou na cama, antes de dormir, tudo bem.

Acho que é por isso que eu sempre fui tão tranquila com meu corpo.

Anônimo disse...

Fui eu quem disse que o post é incentivo à pedofilia e acho que o é porque sexualiza a criança, ainda por cima meninas. Lembremos que meninas são as maiores vítimas da pedofilia. Já vi na internet o relato de uma mulher que recebeu uma cantada na frente da mãe quando tinha NOVE anos. Isso é sério, pedófilos como o Silvio Koerich adorariam ver um post desses, pois daí para dizer que não há nada de errado em sexo com crianças pré-púberes é um pulo. Vocês estão vendo esse como uma coisa libertadora da sexualidade feminina, do patriarcado etc, eu só estou dizendo que estão caindo numa armadilha.

lola aronovich disse...

Anônimo, pessoas doentes como mascus sanctos aproveitam qualquer pretexto. Não dá pra escrever ou deixar de escrever alguma coisa pensando em crimionosos e misóginos. O guest post (que significa que não fui eu que o escrevi, lembrando a quem elogiou o “meu” texto – não é meu, é da Ana) fala de praticamente três assuntos: primeiro, de como a sociedade desconsidera a criança e suas experiências, segundo, como é bastante comum crianças se masturbarem, terceiro, como a masturbação continua sendo um tabu para as mulheres, e como não deveria ser assim. Nenhum desses temas passa perto da pedofilia. É comprovado que crianças se masturbam. Isso é saudável, é fisiológico. Também é comum que crianças brinquem com seus corpos com outras crianças. Muitas vezes elas nem têm ideia do que estão fazendo (o órgão genital é tão “indecente” pra elas quanto um braço, uma perna, uma boca). Em montes de momentos na infância, crianças copiam adultos, “treinam” pra ser como eles. O que não pode de jeito nenhum é um adulto tocar sexualmente numa criança. Ou mesmo uma criança tocar em outra sem que ela queira. Mas espero que vc veja a diferença entre uma criança tocar em si mesma ou em outra criança, e uma criança tocar sexualmente num adulto, ou ser tocada por ele.
Ademais, não sei o que vc pretende: negar que crianças se masturbam? Se vc vir sua filha ou filho se masturbando, vai puni-lo? Vc vai mesmo ensinar pra sua criança que masturbação (e, consequentemente, sexo) é algo sujo, pecaminoso, vergonhoso? Espero que não!
Uma dúvida é o que fazer se vc estiver nesssa situação de ver seu filh@ se masturbando. Reprimir é péssimo, já sabemos (espero que vc concorde). Mas ignorar a situação pode não ser bom, porque a criança pode achar que tudo bem se masturbar em público. Acho que a Lays apresentou a melhor sugestão, que é conversar com a criança e explicar que o corpo é dela, e que, por enquanto, só ela pode tocá-lo assim, mas não em público. Ou seja, trabalhar já com a autonomia do corpo, que é um conceito importantíssimo: se o corpo é seu, e só seu, isso quer dizer que vc, e só vc, pode fazer o que quiser com ele, e que ninguém mais pode te impor regras sobre o seu corpo. Que vc tem o controle, e qualquer coisa que ameace esse controle deve ser denunciada.

Anônimo disse...

Não me sentiria confortável falando de sexo dessa maneira para uma criança, mas também não reprimiria. Se meu/minha filho/a vier a se revelar homossexual, eu não teria problemas com isso, igualmente não estimularia uma filha a ser dependente -- psicológica ou financeiramente -- de homem algum. Mas não sou tão prafrentex como vc nesse aspecto. Acho errada a sexualização cada vez mais precoce das crianças e isso não deve ser estimulado, é meu direito pensar assim.

Quanto ao post, só acho que ele entrega, de mão beijada, para pedófilos, um argumento a favor de seu comportamento e ainda foca nas que mais se prejudicam com a pedofilia, as meninas. "Olha até uma feminista diz que menininhas sentem tesão". E o assunto não é tratado de maneira mais séria, vai logo dizendo "me masturbo desde criança". Por que não "sexualidade na infância", "como lidar com a sexualidade de seu/sua filho/a desde criança sem traumas"?...

lola aronovich disse...

Anônima, vc parece estar atirando em todas as direções sem chegar a lugar nenhum. O que tem homossexualidade a ver com o assunto? Se vc não se sente confortável para falar com seu filho/a sobre sexo e masturbação (não estou falando de falar “com uma criança”, estou falando de vc falar com seu filho), vc estará passando uma visão negativa sobre sexualidade. Sou a primeira a criticar a erotização precoce instigada pela mídia. Eu quero que meninas sejam crianças, não mulheres. Mas uma coisa é que o indústria vende, outra é o que as crianças fazem. Bebês, inclusive. Imagina só, vc é um bebê, tá descobrindo todo um universo que começa pelo seu corpo. Por que um bebê vai pensar que tocar no órgão genital é errado? O bebê vai se tocar em montes de partes do corpo, ué. Isso não é ensinado pela mídia. Faz parte da descoberta do próprio corpo. Não tem nada de errado nisso! Ninguém está incentivando um bebê a agir assim. O que os pais costumam fazer é reprimi-lo. Vc está deixando claro que é o que vc faria quando diz “Acho errada a sexualização precoce das crianças”. Vc achar errado ou certo não muda em nada o fato que crianças tem sexualidade! Vc está confundindo sexualidade com sexo. Tem diferença. Eu e ninguém aqui queremos que crianças façam sexo! Mas sabemos que crianças descobrem sua sexualidade, brincam com ela, expermimentam.
Sobre o post entregar alguma coisa, não se preocupe. Mascus nunca usaram o que escrevo para justificar alguma coisa. Nunca li “Até a Lola diz isso”. Menininhas e menininhos sentem tesão. Pelo próprio corpo! Sério que há tanta dificuldade em diferenciar masturbação de sexo entre criança e adulto? E o guest post não é escrito por pedagogo, médico, sexólogo, sei lá o quê. Não é um guia para pais tratarem a masturbação dos fihos. É um guest post escrito por uma moça jovem que não é mãe e que se lembra de ter começado a se masturbar já na infância. Não sei por que só um enfoque estaria correto.

Sara disse...

É inacreditavel o que ess@ anonim@
esta dizendo, acha que tratar como tabu, não falar a respeito, ou mesmo reprimir as descobertas de uma criança vai mudar sua natureza???
Infelizmente ha poucas chances de que a pedofilia deixe de existir no nosso mundo, mas não será tratando da forma como vc sugere q se trate, que esse mal será erradicado, muito pelo contrário tratar de forma tão hipócrita esse assunto só fara com que mais crianças tenham medo e vergonha de falar sobre isso com seus pais, e uma criança tratada dessa forma é muito mais suscetivel a sofrer esse tipo de violência.

Lucia Latorre disse...

estavamos assistindo tv. eu, meu neto de 6 anos e meu filho de 24 , pai da criança. na novela dois atores naquele chamego de descoberta da atração. eles estavam vestidos, não tinha nenhum contato fisico, mas sugeria sexo. eu, achamdo que o guri nem estivesse prestando atenção . de repente, ele vira pra nós dois e diz: "meu pinto tá ficando duro". meu filho me olhou m e ficou paralisado. eu levei um susto tão grande, que mordi uma espada de brinquedo que estava com ela na mão e quebrei a obturação novinha. mas resṕirei e falei pro guri: isso é normal. vai acontecer muitas vezes com vocẽ. só não precisa contar pras pessoas. ou seja valoriza mas não verbaliza. ele entendeu e acho que agora entende como normal que o pinto fique duro....mas depois fiquei pensando: e se fosse uma menina que tivesse dito: minha vagina tá ficando excitada? qual teria sido a minha reação??? porque menino pode né....

Mariana T. disse...

Adorei o post!
Fico feliz de saber que muitas pessoas foram felizes nas descobertas dos p'ropros corpos!

Infelizmente fui reprimida ainda muito nova (deveria ter uns 3 anos) pela minha mãe numa dessas minhas descobertas (com um Ken tb! ahhaha), e sinto que isso fez com que eu sempre achasse que estava fazendo algo muito errado, e me sentia culpada por me masturbar (durou até final da adolescencia). Esse tipo de pensamento me assombrou por muuuito tempo, e alguns danos que eu tive são irreparaveis: quase não me masturbo.

Anônimo disse...

Conhecei a me masturbar com 6 anos, de tão bom que era, na minha santa ingenuidade batman, resolvi contar para empregada e dizer para ela fazer o mesmo. A empregada foi contar para minha mãe, que veio me reprimir dizendo: se tocar ai os anjinhos vão te abandonar, vai rezar e pedir perdão. Bom, rezei tanto e pedi tanto perdão, até descobrir que não era pecado. Mas fazer o quê? Minha mãe foi castrada sexualmente, aliás quase todas as mulheres da época dela foram. Para ela mulher não tem prazer, não pode gostar de sexo, foi o que aprendeu. Ainda bem que não fez um estrago na minha cabeça, duvido se eu fosse um menino a reação seria a mesma. Adoro sexo e também gosto de pornografia, quando meu namorado ficou sabendo, me olhou de uma forma estranha, como se eu pudesse ser promíscua pelo fato de gostar de filme pornô. Hoje ele tem outro pensamento, mas é incrível como é difícil quebrar o conceito errado e ridículo, que mulher tem menos libido do que homem, e que uma mulher que foge desse conceito tem problemas e pode ser até uma ninfomaníaca(já me perguntaram isso).

Anônimo disse...

ai, que bom poder comentar de novo aqui!

gente, eu me masturbo desde bem antes de 6 anos. tenho memória de montar na gradinha da cama e sentir um prazer absurdo no contato com aquilo. eu devia ter 2 ou 3 anos. eu gostava de tocar a pele da minha vulva e não achava nada disso sujo. minha mãe era muito careta sexualmente falando e eu dou graças aos céus todos os dias por ela ter sido tão reprimida que nunca nem chegou a falar de sexo comigo. ou seja, não me podou.

e masturbação pra mim, qdo criança, não era aquilo ligado a uma sexualidade para o outro. era pra mim. era descobrir que eu tinha um jeito de sentir uma coisa boa comigo mesma. e muitas vezes acordei tendo gozado sem nem ligar isso a sexo. eu aprendi a gozar antes de entender que sexo existia.

e fiquei tão triste qdo comecei a ter pentelhos. hahaha. pq eu achava que eu nunca mais ia ver minha vulva e que ela ia ficar escondida. pq eu não entendia ainda de depilação. minha mãe não se depilava, mas pq ela não tinha contato com o próprio corpo, não era pra não sucumbir às preferências masculinas. era pra nem ver, nem encostar. e eu não queria aquilo pra mim. por isso que fico p da vida qdo algumas pessoas falam que se depilar é sofrer. pra mim, nunca foi. pra mim, sempre foi meu jeito de estar em contato com uma parte do meu corpo como qualquer outra. não é que eu odeie pelos e os ache sujos, mas eu quero ver meu corpo sem (quase) nada escondendo.

eu acho que isso foi muito importante pra eu crescer sem preconceitos muito gritantes (pq, dentro de uma cultura, acho que todos nós os temos). e, sério, ter problemas com sexo? se a gente tá aqui, muita gente trepou antes! eu acredito que tudo é movido por uma espécie de energia sexual. é uma pulsão, sei lá. não é nada erótico e ligado a filmes pornôs ou panicats peladas. porque sexo é vida. eu acho muito saudável a pessoa entender o que tá sentindo e direcionar essa coisa pra um fim que deseje.

por exemplo, hj em dia, lido muito bem qdo sinto tesão por um amigo, mas sei que é só um tesão. se ele é comprometido, aceito o tesão que sinto, mas não vou agir em cima disso. não reprimo o que sinto, mas tenho que respeitar os outros tbem nos desejos deles.

já li coisas falando do prazer de um bebê sugando leite da mama da mãe. e muita gente ficou de cara com isso. mas, gente, se o bebê é resultado de uma relação sexual? eu acho perfeitamente bonito e interessante que mamar seja uma espécie de prazer pra criança. e bebês chupam dedo tbem. isso tbem é uma forma de prazer.

eu acho que todo mundo se masturbou qdo criança de um jeito ou de outro. qdo os pais começam a se meter é que a coisa estraga. normalmente, é isso.

sou super a favor de pais conversarem com os filhos sobre sexo, mas, CLARO, ninguém vai falar de penetração pra uma criança de 4 anos. acho que existem fases, existem meios de dizer as coisas sem dar aulas de sexo. qdo eu tinha uns 7 anos, eu perguntei pro meu pai por que a passarinha botava ovo depois que o passarinho subia em cima dela. a gente tinha passarinhos e um ovo não "nasce" tão rápido assim. eu desconfio que eu já sabia de tudo e só perguntei pra confirmar. meu pai falou que eu só ia saber qdo eu crescesse. fiquei bem chateada, mas captei a mensagem.

só que aí eu já tinha uma pequena formação de personalidade pra entender que eu não era suja e que os passarinhos tbem não eram.

qdo perdi a virgindade (relativamente tarde - talvez pq eu não tivesse pressão nenhuma pra perder nada pq eu já sabia o que era orgasmo e não tinah pressa), nem foi nada especial. foi normal. e todo mundo dizia que tinha que ser especial, blah blah, que o cara tinha que me amar muito... ¬¬ no fundo, eu já sabia o caminho das pedras e tava tranquila.

Anônimo disse...

ah, e sobre esse comentário absurdo de falar que o post entrega argumentos a pedófilos, só digo uma coisa: crianças com sexualidade saudável e diálogo transparente em casa costumam ter autoestima melhor e conseguem detectar logo que algo que estão tentando fazer com elas não é bom e saudável.

a tática do avestruz, que é a de esconder a cabeça no buraco, é o maior perigo com crianças.

Bruna B. disse...

Post libertador. Até hoje eu me achava um ET por me masturbar desde criança. Comecei aos 8 anos, quem me ensinou foi uma vizinha que era 4 anos mais velha que eu, daquele dia em diante não parei mais.

Há algumas semanas publiquei uma fotografia no facebook, nela uma mulher segurava uma placa onde estava escrito: "Masturbe-se. É melhor gozar sozinha do que mal acompanhada.", a polêmica foi grande... hahahahhaha

darkgabi disse...

muito itneressante essa questao pq me faz lembrar de textos q eu li sobre sexualidade infantil.. de q ela nunca realmente cessa e se mostra mt mais cedo do q estamos convencionados a acreditar.

nao me lembro se me masturbava assim tao cedo, mas certamente me lembro de brincadeiras sexualizadas..

lembro q eu costumava brincar de "marido e mulher" com a filha da minha empregada, e tb algumas brincadeiras desse tipo com uma amiguinha do prédio. lembro tb de tomar banho pelada com outras criancas, filhos de amig@s da minha mae e de ter meninos no meio e da gente olhar, apontar e rir dos meninos de piru duro [mas nao me lembro de explorá-los, apenas de observá-los]. lembro tb de sempre colocar as barbies e os kens transado e de algumas outras coisas, mas masturbacao consciente mesmo, apenas na adolescência - e tinha uma época q era quase incontrolável hahaha.

legal esse post
=]

Ste disse...

Eu me masturbo desde muito nova também. Lá pelos 8 eu fazia sozinha, com bichos de pelúcia e travesseiro. Depois comecei a me descobrir com algumas amigas.
Engraçado que eu lembro exatamente o meu primeiro orgasmo, foi enquanto eu gemia ao telefone, naquelas salas de bate-papo. Um cara começou a falar coisas e mai coisas e eu tive um orgasmo. Fiquei muito assustada, apesar de ter achado bom. Eu passei mt dias me perguntando o que teria sido aquela loucuuuuura que eu senti.

Meu namorado é machista e não gosta de saber que eu me masturbo, mas nunca escondi. Nem sempre posso estar com ele, então eu faço sozinha. E, cá pra nós, às vezes é melhor.

Renato Corrêa disse...

Acho lindo ver uma mulher se masturbando. É mais que sexual, é lindo mesmo.

Tenho uma fantasia de ser apenas uma puguinha, um pontinho, um nada, enquanto observo uma mulher se tocando até atingir o clímax. Não precisa nem ser algo tão "autobiografia de uma pulga", basta que ela mesma se filme fazendo isso, sozinha, só ela e a vontade dela.

Não gosto de pornografia comum, detesto coisa forçada, com câmera, produção, etc.

Renato Corrêa disse...

Ah, para os mais incautos:

Usem o modo anônimo. No chrome, é só dar
Ctrl+Shift+N para abrir uma janela no anônimo.

Foi muito engraçado o dia em que fui usar o pc de uma amiga e vi, no histórico das últimas páginas, um monte de sites pornôs.

Tadinha dela, mesmo não sendo uma pessoa preprimida sexualmente, a poker face dela foi imperdível :P

Erres Errantes disse...

Me senti contemplada com esse guest post, pois me identifiquei muito com a autora. Eu também sempre me masturbei, desde as minhas lembraças mais remotas eu já fazia isso - e achava que era a única pessoa que fazia desde criança, estou feliz em saber que não sou.
Às vezes minha mãe me flagrava me masturbando, quando eu era pequena (com cinco, seis anos), e me dava banho, porque pensava que eu estava com coceira na vagina (?). Meus irmãos às vezes me flagravam também, e a reação deles era rir, me chacotear e dizer que aquilo que fazia mal. Eu ficava com vergonha ao ser flagrada, principalmente por meus irmãos, mas fazia de novo sempre que tinha vontade.
Até hoje eu me masturbo. Sem dúvida, esse é meu hábito mais antigo, e que eu não vejo por que abandonar.

Cora disse...

renato,

pq vc foi ao histórico dela?

e pq disse a ela q bisbilhotou e o q viu?

o pc não era dela?

eu ficaria muito chateada se um amigo fuçasse meu nb.

Renato Corrêa disse...

Oi Cora,

Quando se abre o chrome, aparecem as últimas páginas visitadas. E as páginas felizes estavam lá :)

Eu e a minha amiga temos uma amizade super bacana e muito aberta. Eu não ia deixar uma piada passar em branco, nem ia fazer poker face pra isso :P

Daí eu dei a dica pra ela do modo anônimo. Se fosse outra pessoa que tivesse visto, claro que ia ser um baita constrangimento.

Anônimo disse...

http://feministing.com/2009/05/06/why_feminists_should_be_concer/

Cuidado menin@s, estamos a um passo de sermos considerados portadores de parafilia... =//////

O link acima está em inglês...

Basicamente alguns psiquiatras querem reformular o conceito de Parafilia, que seria:

“any intense and persistent sexual interest other than sexual interest in genital stimulation or preparatory fondling with phenotypically normal, consenting adult human partners.”

"qualquer interesse intenso e persistente sexual que não seja o interesse sexual na estimulação genital ou carícias preparatória com fenotipicamente normais, consentindo adultos parceiros humanos."

Alguns problemas>
Se a pessoa quiser se masturbar por masturbar (sem intenção de fazer sexo depois...) como muitas meninas e mulheres que postaram aqui, poderia ser considerado parafilia
O que vem a ser fenotipicamente normais?
Etc.

Basicamente pornografia, sexo por telefone, masturbação, etc seriam consideradas Parafilias (se não estivessem vinculadas a uma intenção posterior de sexo)

Pelo que ele dá a entender crianças brincando com crianças (como algumas das meninas que postaram aqui fizeram...) aparentemente seria considerado Parafilia também...

Por favor, leiam até o final. É realmente muito preocupante


Algumas sugestões apresentadas pelo tal Blanchard para o DSM:
http://individual.utoronto.ca/ray_blanchard/index_files/SSTAR_2009_Talk_on_DSM.html
(Dentre as sugestões dele: uma pessoa de 19 anos fazer sexo consensual com uma de 14 seria pedofilia....
obs.: a idade de consentimento do Brasil é 14...
Antes pedofilia era sexo com pre-puberes ele pretende aumentar pra 14..

mtas pessoas descobrem sua sexualidade aos 14, as vezes antes... e não acho que se a pessoa manter algum tipo de relação com alguem de 19/20 (não há tanta diferença de idade assim), esta deva ser considerada "Doente"

- coisa que o texto postado nao aborda muito)

Também está nas sugestões dele:
Catalogar como parafilia atitudes de cross-dressing
(é basicamente este o foco do texto...)



Gugapotter

ps.: Lola, te mandei um tweet com o site tb, pra vc dar uma olhada...

Saulo disse...

Será que eu perdi alguma coisa? Você simplesmente não pode associar uma criança brincando com o próprio pênis ou vagina à masturbação. Crianças não têm orgasmo. É como se ela estivesse tocando a própria orelha ou tirando sujeira do nariz.

Não estou insinuando nada, mas isso está parecendo um texto escrito por um pedófilo. Alegar que crianças sentem prazer lá embaixo abrirá oportunidades para muitas justificativas estranhas por parte de pessoas muito estranhas.

Prestem atenção até onde o discurso de liberação sexual de vocês vai. Agora está sobrando até para as crianças.

Abraço

saulo disse...

acho que o problema aqui é a maneira como vocês colocam as coisas. se tocar e se masturbar são dois verbos muitas vezes usados indistintamente, mas na prática não são a mesma coisa. se tocando, se descobrindo, sendo curioso (a), tudo bem. Mas se masturbando!? Sei não hein

vocês não olharam o significado da palavra masturbação no dicionário?

Lord Anderson disse...

Saulo, onde exatamente ta abrindo espaço pra pedofilos?

o fato de uma criança sentir prazer vai justificar ela ser abusada?

Anônimo disse...

Ainda sobre meu comentário de ontem:

- "Gynandromorphophilia (attraction to trans women), Andromimetophilia (attraction to trans men), Abasiophilia (attraction to people who are physically disabled), Acrotomophilia (attraction to amputees), Gerontophilia (attraction to elderly people), Fat Fetishism (attraction to fat people), etc., and have forwarded them in the medical literature to denote the presumed “paraphilic” nature of such attractions. "

"Blanchard e outros pesquisadores afins sexo cunharam palavras como Gynandromorphophilia (atração por mulheres trans), Andromimetophilia (atração por homens trans), Abasiophilia (atração para as pessoas que são portadoras de deficiência física), Acrotomophilia (atração para amputados), Gerontophilia (atração idosos), a gordura fetichismo (atração por pessoas gordas), etc, e enviaram-los na literatura médica para designar a suposta natureza "parafílicos" de tais atrações. "


Ou seja, atração por gordinhos, por pessoas mais velhas, por gente com deficiência vai ser caso psiquiátrico, segundo o novo manual DSM...

E provavelmente é só a ponta do iceberg

Gugapotter

Saulo disse...

Anderson,

O fato de uma criança sentir prazer não justificaria ela ser abusada, simplesmente porque isso não é um fato. Crianças, independente do que a autora do tópico escreveu, não sentem prazer lá embaixo. Um criança tocando o próprio pênis ou a própria vagina é tão indiferente quanto tirar catota do próprio nariz. O prazer associado a isso pode ser a uma coceirinha, mas masturbação? Criança não tem libido.E mesmo que a criança sentisse prazer nesse órgão é óbvio que não justificaria nada. E estou dizendo isso porque sei exatamente onde você me entendeu errado.

Afirmar que crianças sentem prazer nas partes íntimas abrirá precedentes para muitas justificativas de pessoas que têm mente muito aberta. Liberais e pedófilos convictos (aqueles que acham que estão fazendo o certo) em comum dividem a ideia da quebra de tabus. Pedofilia hoje é crime, mas no futuro talvez venha a ser mais uma arma ideológica contra essa sociedade opressora de mente fechada. Liberais odeiam que digam para eles o que é certo e o que é errado, e odeiam regras impostas. De repente podem sim começar a achar que a criminalização da pedofilia seja uma forma de oprimir o prazer infantil.

Abraço

Renato Corrêa disse...

Gugapotter,

Qual o nome que se dá para a parafilia na qual uma pessoa hétero "saudável" (peso e altura médios e todos os membros no lugar) sente atração sexual por outra pessoa hétero saudável?

Anônimo disse...

Renato:
rs. rs.

Apesar de alguns psiquiatras quererem avançar absurdamente sobre a sexualidade, acho dificil eles criarem uma parafilia assim...
Vivemos numa sociedade cis-hetero-adulto-normativa e falocêntrica...

Assim, quem for cis, hetero, adulto e homem não tem muito porque se preocupar...

Já quanto aos demais... Infelizmente, não é impossível que haja retrocessos, =/


A psiquiatria parece estar substituindo o espaço da religião em matéria de biopolítica e de "vigiar e punir"...... =/

Enfim, precisamos estar atentos e evitar esses retrocessos no DSM...

Gugapotter

Renato Corrêa disse...

auahahaahahahahahuah

Essa do cis eu não conhecia. Importaram da química pra dar um nome para o contrário de trans, só pode.

No mais, tem uma coisinha que eu gostaria de salientar:
"Assim, quem for cis, hetero, adulto e homem não tem muito porque se preocupar... "

Tem o que se preocupar sim, pois se não tivesse, não teríamos masculinismo, né?
Mas enfim, a maior dificuldade de homens cis hetero adultos, categoria em que fui "categorizado", é que cobramos muito de nós mesmos. Temos o terror do desempenho sexual, do tamanho do pênis, da impotência, da ejaculação precoce, etc. Entendo que esta é uma categoria privilegiada socialmente, mas não é aparente para os demais que nós nos cobramos e, muitas vezes, somos cobrados pra manter uma posição, pra sermos os "fodões".

Aliás, qualquer grupo privilegiado se cobra muito, se aterroriza muito. Um olhar sensível e perspicaz consegue ver o medo por trás dos olhos de quem tenta oprimir. A homofobia é um bom exemplo disso.

Erres Errantes disse...

Saulo,
Eu me lembro que quando era pequena,eu me masturbava e sentia prazer. Claro que eu não sabia que aquilo que eu fazia tinha nome e era chamado de masturbação, mas eu manipulava minha genitalia conscientemente no intuito de ter prazer. Isso já com cinco, seis anos.

Afirmar que crianças sentem prazer nas partes íntimas não abre precedente para nenhum comportamento criminoso. Os pedófilos não precisam de precendentes para praticar seus crimes; na ânsia de se satisfazer, eles simplesmente fazem e podem usar qualquer argumento como desculpa.

Dri Alves disse...

Também comecei a me masturbar cedo, não lembro quando mas lembro que era bom, quando tinha mais ou menos 11 anos lembro de estar assistindo filme (comum) e me excitar, eu ia então pro quarto, achava que estava fazendo escondida, hoje sei que minha mãe sabia, só me dava liberdade, até por que nunca fiz num almoço de família rsrsrs. Minha mãe sempre lidou bem com isso, lembro quando me contou que não tinha casado virgem, Morri! Sempre fui romântica e achava que naquela epóca todas as moças "direitas" casavam virgens, eu tinha doze anos e aquilo de certa forma me libertou! Beijei pela primeira vez aos 15 anos (tarde , né?) mas perdi a virgindade tbem com essa idade, continuei me masturbando.
O fato da criança sentir prazer é um fato, e deve ser abertamente conversado, não raro em casos de abuso a criança sente prazer, e isso dificulta que o pedófilo seja denunciado e preso pois a criança passa acreditar que de alguma forma ela é culpada, que ela de alguma forma procurou aquilo, e isso é esmagador para a criança, ela tem vergonha de contar para os pais!
Quer dizer além de ser abusada por um monstro ela ainda se sente indigna! Dá pra imaginar o peso disso?
Se os pais são abertos ao tratar desse assunto, de aceitar isso, e ensinar que isso é saúdavel mas deve ser feito com privacidade e nunca com outra pessoa adulta, isso pode com certeza diminuir as chances dessa criança ser abusada, e se isso acontecer aumentar as chances de que a criança conte, denuncie aos pais na primeira oportunidade!
Pedófilos não precisam de desculpa para cometer esses crimes, só oportunidade e pais que não conversam com os filhos sobre sexo só facilitam isso!

Anônimo disse...

Nossa, fiquei pasmo como tem pessoa ignorante aqui...........

lola aronovich disse...

Querida B, vou publicar seu comentário sem o seu nome. Por mais que você use um pseudônimo, você deixa um link pra uma página que fala mais de você, inclusive onde você estuda. Cuidado com isso! Tem muita gente maluca na internet. Menores de idade como você não devem se expor!

“Me masturbo desde os 6 anos, hj tenho 11 anos, eu tenho nojo, me sinto suja ja quis me suicidar por causa disso mas...ja estou 3 meses sem fazer, mas é quase inevitável que um dia eu ñ faça de novo, eu choro depois que eu faço, e queria realmente me matar, mas ñ posso...eu tenho um tipo de trauma, pq desde pequena, desde que eu começei à ficar sozinha em casa, com 6 anos, eu via essas coisas nojentas e imundas...eu era inocente demais, tanto que, eu nem sabia oq era realmente aquilo que eu via e mto menos que se chamava "sexo" ( um nome que me dá arrepios e vontade vomitar ) eu tenho nojo, mto nojo msm, mas eu ñ sou uma que quero um dia me oferecer virar prostituta e talz...eu me sinto impura sim, por isso, tenho vontade de me matar, desde que meus pais botaram internet em casa, isso facilitou mais a facilidade de eu ver, por isso que eu estou tentando me afastar disso, desta "ameba maligna" eu nunca tive vontade de crescer por causa disso, ñ pelos desafios e riscos que a gente tem na adolescência, mas sim pq um dia...pra ter meus filhos..eu tenha que fazer essa sacanagem...eu tirei esse trauma maligno que só me fazia pensar besteiras e em bobagens desde que contei pra minha mãe toda a verdade, nem que ela me jogasse pra rua, me chamasse de galinha, prostituta e qualquer outra ofensa...mas eu ja estava acoada, cansada de tantas mentiras, depois de tudo que eu vi, eu sentia prazer na hora, depois queria me matar, como esse mundo tão cruel...pode passar aquele tipo de coisa na tv ou em qualquer lugar?? eu tive uma infância ótima apesar disto, eu era inocente, todos achavam, isso ñ mudou meu jeito de ser, eu era feliz apenas isto, eu apagava da minha mente todas essas maldades que eu via e hj, depois de ter contado tudo à minha mãe, ela compreendeu e msm ela pensando podres de mim por dentro ela só quer me ajudar...mesmo que seja normal se masturbar pra mim é um nojo, é uma maldade, é uma sacanagem, safadeza...eu perdi meu bv com 6 anos com um amigo, sem querer, eu ñ penso em nada mais "avançado" em fazer...-qq pra mim um namoro inocente ta bom...mas agora nesses tempos o pessoal acha que namorar é outra coisa..eu fico indignada por nascer numa época tão de gente hipócrita, machista, abusada, pedófila, estrupadora..........argh argh como eu tenho nojo disso!!!
se eu pudesse apagar tudo que eu passei durante anos eu apagaria...
Qualquer maldade que eu passei...eu msm tenho medo quando um homem/ um amigo garoto toca em mim...é tipo como se eu pensasse maldade sempre quando vejo um homem ou um garoto me olhando..fico morrendo de medo..por isso, estou indo ao psicológo agora e espero melhorar cada vez mais, esse mundo de abuso sexual, esses prazeres nojentos..aff to por fora..eu quero é curtir minha vida agora em diante como pré-adolescente com meus amigos, minha família e mas uma coisa saibam dessa frase "Tudo tem seu tempo.." okay? ;) poisé essa nojeira é coisa do passado, e quem vive de passado é museu neh mermo?? hahahahahahah ;-)”

B, sou eu, Lola. Fico feliz que você esteja indo a um psicólogo, e que sua mãe te apoiou. É bem provável que ela NÃO tenha nojo de você, e que isso seja coisa da sua cabeça. Não sei direito o que aconteceu contigo, mas você deve ter sofrido algum tipo de abuso sexual, para ter uma ideia tão negativa de sexo. Vc não tem que pensar em nada “mais avançado” pra fazer agora, que só tem 11 anos, mas talvez chegue um dia que você queira fazer sexo, e pra isso é preciso combater as ideias extremamente negativas que você tem sobre sexo. Nem masturbação nem sexo são coisas nojentas, embora o que alguém fez com você pode ter sido nojento. Mas esse trauma não pode definir toda a sua sexualidade. Espero que você fique bem.

Pedro disse...

Eu me masturbo desde criança, sempre estava ocupando o banheiro mais tempo que o normal, tinha irmãs mais velhas que sabia que se masturbavam também, nossos pais reprimiam, mas a gente "sabia" o que o outro estava fazendo na boa, o tempo foi passando e a bronca delas aumentava mais para mim, porque era menos organizado, volta e meia esquecia uma revista inspiradora no banheiro. Acho que nossa geração está com a cabeça mais aberta para isso e com filhos agora é tentar ensinar que pode se tocar sem receio, apenas orientando para que seja em local preservado observando seu limites e respeito ao próximo.

Anônimo disse...

Oi
adorei o tema
sempre tive q fazer tudo muito escondida com medo q meus pais descobrisem, ja apanhei levei bronca porque meus pais achao q e feio proibido. Hoje nao satisfacao pra ningem e agora asumo ME MASTURBO SIM E COSIGO TER PRAZER SOZINHA

Anônimo disse...

Juliana L.

Me masturbo também desde de criança, aprendi com uma amiga, com o famoso travesseiro. Depois foi evoluindo. Não acho que tenha nada demais, é super natural. É bom conhecermos nosso corpo.

Anônimo disse...

Olá, eu sou homem, e eu comesei criança tambem, mas com travesseiros, eu não conseguia ou não sabia fazer com a mão, devia ter entre 4 e 5 anos, eu colocava entres as pernas por baixo e eu por cima e esfregava, e podia sentir que eu gosava, eu era muito pequeno, não lembro de ninguem me flagrando quando criança, só depois quando ja tinha conciência das coisas, o engraçado e que eu podia gozar fácil com o travesseiro, mas depois de grande não consigo mais, só com a mão agora.

Jú disse...

pessoal..amei ler isso tudo! aprendi com 5 anos com o coelhinho da vizinha, montava nele e galopava, num vai e vem infinito; pena que a vizinha mudou-se, fato que deixou-me muito triste na época, mas logo dei um jeito; pratico até hoje, até resolvi procurar um blog , e isso foi hoje mesmo, para escrever sobre isso e achei este! maravilha! estou louca a praticar , tive vários hoje, e vou continuar...beijos estalados! adoro isso!

Dona do Sexo -Bonobo rules,Jaçanã forever disse...

todo dia,desde os 6,mais de uma vez por dia,abaixa a frequencia solitaria no dia quando namorado presente.

Raramente acontece de nao praticar.

Anônimo disse...

Minha questão não é o fato de ser menino ou menina. Não acho saudável uma criança se masturbar, seja ela de que sexo for! Pra tudo na vida há um tempo certo e a infância deve ser respeitada e não misturada a prazer sexual.

Anônimo disse...

Eu como homem desejaria que todas as mulheres desencucassem e se masturbassem, sem culpa. Mulher que se masturba se sai muito melhor com o parceiro, pq sabe muito bem o que quer e onde quer chegar. Eu incentivo a minha mulher a se masturbar SEMPRE!

Anônimo disse...

Eu me masturbo desde os 5 anos de idade... isso é normal. Nós somos seres sexuais. Afinal a sexualidade começa antes do nascimento: o homem ao gozar ejacula e um dos milhões de espermatozoides fecunda o óvulo. Mas parece que muita gente esquece disso, rsss tão simples, tão biológico, tão humano... Somos sexuados, maldade está nos tabus, religiões.. e pessoas leigas.

Gislene Gomes disse...

mas vocês já conseguiam ficar "meladas"? e gozavam?

andrea fonseca simoes dedeia disse...

Ha,isso e verdade.
Deija ele pra la se ele nao quiser ver voce se masturbando,isso e ploblema dele e nao seu,E....faz de conta que ele nao existe.e comtinua fazer isso,nao liga nao o que o seu namorado fala.
Ele nao sabe de nada ele e inocente.e ordinario.kkkkk....
Faz a sua masturbaçao,e nao liga pra ele nao.
Eu acho que ele masturba,e voce nao ve.
Ai depois ele fica falando de voce esquece jessica deixa pra la.nao sabe de nada.

Anônimo disse...

Olá tenho 11 anos comecei a me masturbar a partir de 9 ou 8 anos todas as vezes que me masturbava sentia prazer e um gostozinho primeiro comecei com o chuveirinho e dos descobrir de fazendo movimentos circulares na xoxota e agora faço os dois de madrugada ou até as vezes quando estou só em casa mas fico com muito medo de mamãe descobrir

Anônimo disse...

Estou com 60 anos e me masturbei dos
4 anos até os 49 anos. hoje levo uma vida casta por opção.
Mas me sentia muito mal por ser assim, pois pensava que eu fosse anormal. Sentia vergonha de mim mesma.Sempre ouvi dizer que isto é coisa do mal.
Tive alguns namorados que nem sequer sabiam me dar prazer.
Hoje vendo este blog fiquei até aliviada.
obrigada Lola!

Andrecavalcanti disse...

Sou homem e leio de vez em quando estes comentários, pois sou pai (separado) de uma menininha e quero estar preparado caso isto venha a acontecer, mesmo que, como educador, sei poderia lidar bem com isto, mas sempre é mais fácil quando não é nossa filha. Mas, tudo que foi escrito me fez lembrar minha ex-esposa. Ela sentia muito prazer quando eu a masturbava e eu adorava isto. Sempre tive paciência em espera-la ter prazer. Mas ela depois sempre me culpava achando que eu só sabia dar prazer a ela assim. E nós tínhamos também sexo normal, mas eu via que ela adorava aquele toque mas depois se culpava, ficava chateada. Confesso que adoro dar prazer a uma mulher assim, usando um bom toque e principalmente minha língua. Acho que assim a gente consegue senti-las melhor.

Anônimo disse...

Mas a masturbado infantil não é um tabu só quando se trata de meninas, conheço casos de meninos que apanhar dos pais pq foram pegados se masturbado.

Anônimo disse...

*apanharam
*pegos

Anônimo disse...

Começava a achar que o problema era meu! Na realidade lembro-me de me masturbar desde os 6 anos na escola primária. Agora não sou muiito mas velha até porque só tenho 14 mas mesmo assim achei que estava a precisar de respostas para saber se a minha maturbação 'permatura' era algo de errado. Agora sinto-me muito melhor por saber que é normal. De qualquer maneira nunca falei disto com ninguém porque achava que era incorreto. As minhas amigas da escola não me contam coisas sobre sexo porque acham que eu iria ficar traumatizada por ter sido sempre a melhor aluna da turma e super educada. Na realidade apetece-me dizer-lhes que me masturbo à 8 anos e elas é que iriam ficar traumatizadas. Mas não sou capaz porque acho que isso só tem haver comigo!

Anônimo disse...

Não consegui ler todos os depoimentos, mas dos que consegui, percebi que o meu caso não é tão feliz como os da maioria aqui :,(. Também pratico isso desde criancinha, ninguém nunca me disse que era errado, eu só associei quando vi pela primeira vez um filmo erótico, e minha mãe trocou de canal dizendo que isso não poderia ser visto, porque era nojento (eramos evangélicos). Senti minhas primeiras sensações quando subi numa goiabeira do quintal e me rocei sem querer no tronco, depois disso, fui descobrindo novas sensações. Toda vez que eu fazia chorava de remorso e me sentia como uma criminosa. Na adolescência comecei a namorar, mas nunca nem sonhava tendo relações com meus namorados, acho que isso atrapalhou essa área da minha vida. Nunca tive sorte em meus relacionamentos. Só perdi minha virgindade com 27 anos (não tinha o hímen rompido) e não foi com namorados, foi com um amigo. Hoje, tenho 29 anos e as relações que tive, em nenhuma senti prazer. Me sinto muito frustrada.