segunda-feira, 25 de junho de 2012

COMISSÃO CIENTÍFICA INCENTIVA MENINAS A NÃO SEREM CIENTISTAS

Qualquer menina vai querer ser cientista ao ver esta imagem

Muita gente pediu pra que eu comentasse o vídeo “Science: It's a Girl Thing!” (Ciência: É Coisa de Menina). O vídeo (veja aqui) foi feito pela comissão europeia para motivar garotas a se tornarem cientistas.
O vídeo original foi removido após um bocado de comentários negativos. Antes de ser retirado, a descrição dizia (minha tradução): “Ciência: é coisa de menina! Da cosmética à química, da moda à biologia, do ritmo à eletrônica, as meninas são capazes de serem bem sucedidas na ciência. Ponham os seus óculos de laboratório e vejam a ciência com um outro olhar!!!” Três pontos de exclamação. Eles não economizaram mesmo! E alguém me explica o clima retrô dos anos 80?
As intenções são maravilhosas, mas de boas intenções o inferno sabe como terminar a frase. É verdade que temos uma grande deficiência de mulheres (e, imagino, de negros) em profissões que, em inglês, são chamadas de STEM (science, technology, engineering, math). Calcula-se que, nos EUA, apenas 25% das vagas nessas áreas sejam ocupadas por mulheres. Existe toda uma mitologia que meninas não gostam, ou são ruins, nessas áreas. Esse mito é refutado pela própria ciência, que comprova que o desempenho de meninas e meninos em matemática e ciências é equivalente.
Mas crianças são inteligentes e antenadas, e percebem o que a sociedade espera delas. O incentivo que um menino recebe de seus pais e professor@s para gostar de matemática é diferente do incentivo que a menina vai receber. Aliás, é bem provável que a menina aprenda que essas áreas são masculinas, coisa de menino. É uma profecia que se realiza: se uma menina ouve que não é boa em matemática antes de fazer um teste, ela realmente se sairá pior. Pesquisador@s chamam isso de "ameaça dos estereótipos".
Por isso é tão danoso que um vídeo que queira motivar meninas a se interessar pela ciência use uma expressão como “coisa de meninas”. Um dos pontos que feministas e educador@s conscientes lutamos é pela derrubada de estereótipos. Não queremos que o mundo seja dividido em coisas pra meninas e coisas pra meninos, porque tal divisão limita ambos os gêneros.
E, claro, também é péssimo que “coisas pra meninas” sejam as de sempre, aquelas que a mídia nos vende tão bem: roupas, sapatos, desfiles de moda, esmalte, penteados, maquiagem... Esse já é justamente o universo de boa parte das meninas. E não faz com que elas queiram se tornar cientistas! Faz com que queiram se tornar misses e top models. Que é, por sinal, com o que parece o vídeo: uma convocação para virar modelo.
A recepção ao vídeo foi tão negativa que gerou algumas respostas. Aqui uma astrônoma, a Dr. Meghan Gray, explica seu desapontamento com a propaganda. Não tem nada a ver com ser contra moda e maquiagem. Tem a ver com perpetuar estereótipos sobre o que as mulheres gostam.
Uma resposta excelente (embora falte um pouquinho de timing cômico) ao vídeo foi esta, em que uma mulher fala de como a comissão europeia “se esqueceu” de citar mulheres cientistas importantes que fizeram e continuam fazendo descobertas científicas. 
Sua ironia é intercalada por dizeres cor de rosa como “A ciência é linda, tanto quanto sapatos e unicórnios!”. Ela termina: “Obrigada, comissão europeia, por lembrar a nós mulheres porque entramos na ciência em primeiro lugar, e por inspirar toda uma nova geração de meninas a fazer o mesmo -– ou seja, a usar roupas difíceis e perigosas num laboratório, ou a ser encarada por um homem com um microscópio”. Pois é, o que diachos o male gaze tá  fazendo até num comercial pra incentivar meninas a serem cientistas?
O que pode fazer com que meninas queiram ser cientistas é uma mudança na sociedade. Uma mudança na divisão por gêneros que o vídeo tenta perpetuar. É importante ter mulheres cientistas dando palestras em escolas e universidades. É importante que as escolas tenham feiras de ciências, e que a participação de alun@s seja encorajada, em vez de reprimida. É importante que sejam feitos filmes e séries e novelas com cientistas mulheres.
Mas, repito: o mais importante é acabar com estereótipos de gênero. O excelente documentário Miss Representation mostra como se preocupar demais com o visual faz meninas terem receio de falar em público e de assumirem posições de poder, porque sabem que serão sempre julgadas pelo sua aparência. 
Um estudo recente da Universidade de Michigan diz que, apesar dos campos de ciência, tecnologia, engenharia e matemática serem vistos como não-femininos, “femininizar” essas áreas faz diminuir o interesse de meninas na ciência: "Apesar das boas intenções, tentativas de glamurizar mulheres cientistas podem ser menos motivantes para meninas que mulheres cientistas mais 'cotidianas'", dizem as pesquisadoras. O estudo parece uma resposta ao vídeo, mas ele é anterior. Foi publicado em abril, e revela que "femininizar" a profissão é contraproducente para atrair meninas para a carreira científica.
Outro dia vi um estudo (que não vou encontrar agora; este é parecido, mas não é o mesmo) com meninas que tinham que provar roupa. Era assim: uma por uma, individualmente, um grupo de meninas ouvia que teria que provar um suéter. Enquanto esperava, essa menina resolvia exercícios de matemática. Em outro grupo, a menina ouvia que teria que provar um biquíni. Enquanto esperava, resolvia exercícios de matemática. Adivinha o grupo que se saiu melhor nos exercícios de matemática? As meninas que teriam que vestir um suéter. As que teriam que vestir um biquíni ficavam ansiosas e preocupadas demais com sua forma física, e isso interferia nas suas habilidades intelectuais.
O que isso prova? Não, não prova que meninas que ficam lindas num biquíni não têm condições de entender matemática. Ou que meninas "feias" tenham uma grande carreira pela frente na ciência. Nada disso. O estudo prova apenas que o modo que a sociedade faz com que as meninas pensem sobre seus corpos afeta a autoestima dessas meninas. E que uma autoestima baixa interfere em todas as áreas da vida. Opa, eu usei a palavra apenas? Pois é. É apenas isso que ser obcecada pela aparência faz. 

254 comentários:

«Mais antigas   ‹Antigas   201 – 254 de 254
Anônimo disse...

e pq cargas d'água eu naun conseguiria ter uma boa noite após um jantar a dois regado a um ótimo vinho tinto chileno e tiramissu de sobremesa? diz aí tyler durden, o que o faz pensar "se eu conseguir ter uma boa noite... never suppose for the sake of supposition...

Anônimo disse...

Hahahahah. Essa foi boa.
Eu sou operada de miopia ( 2002), interessante notar que os oftalmologistas, mesmo sendo altos míopes,( como era meu caso- 10 graus) nao procuram um colega oftalmo pra reduzir o grau deles.
Uma vez uma colega que fazia oftalmo me respondeu porque.
Ela disse que na cirurgia de miopia, mesmo a laser,a mais moderna, há um risco mínimo de ficar com seqüela e perder a visão de profundidade- que a necessária pro oftalmo poder operar com aqueles fios minúsculos que precisam de um microscópio só pra vc ver os fios( já vi cirurgia de catarata e sei que e assim)
Entao, os oftalmologistas operam todo mundo que tem grau alto, mas eles se tiveram dez, doze graus, deixam quieto e continuam assim...

Anônimo disse...

"The Family Man"
Elinor Lipman

Anônimo disse...

nope... o EGO é um veneno comum aos dois gêneros... vc perdeu essa aula? naun leu esse capítulo do livro ou da apostila?

Anônimo disse...

MV, meu marido tem miopia e se recusa aa tal cirurgia, apesar de vários amigos terem sido bem sucedidos, ele diz que naun se sabe daqui a mais de 10 anos... minha irman se submeteu aa cirurgia mas ainda usa óculos pq ela tinha miopia e acho que astigmatismo, apesar de naun muito algo, como o meu.

Anônimo disse...

MV, é comum dar zebra numa cirurgia de catarata? minha mae fez e depois naun conseguia ler como lia antes... ela ficou sem a visao nebulosa, mas algo deu errado que ficou difícil para ela conseguir ler o que lia até mesmo com a catarata!!!

Loja Moeggall disse...

Engraçado, nunca fui ao ginecologista para falar de sexualidade e sim de doenças ginecológicas, exame de papanicolau, pré-nupcial e gravidez.

Anônimo disse...

e pasme!!!! eu tenho catarata congênita !!! cresci sem saber disso até que com o avanço tecnológico meu oftalmo detectou e me explicou e eu fiquei meio cá meio lá e fui a outro oftalmo e ele me disse que se eu naun o alertasse talvez ele nem descobrisse naquela únic consulta e sim achou a marvada bem lá onde dizem se algum dia precisar operar é muitomuitomuito delicado pq naun nasci com ela assim lá onde seria fácil uma cirurgia... naun naun naun, a minha tá bem num ponto crítico do olhos....

Anônimo disse...

Queen of Sorts, nunca encontrei homens taum maravilhosos preu falar sobre sexualidade como meus ginecologistas. Aprendi muito com eles e falo seriamente. Afinal, os homens naun saun todos iguais debaixo dos lençois e eu variei um bocado de cama, sabe? até me casar, fui de muita cama e mesa... daí meus papos sobre sexualidade com meus ginecos.

Anônimo disse...

agora vou retornar ao livro que tá ali me atiçando... naun é sobre ciências... é literatura, ficçao... um relax enqto a madrugada começa. bonne nuit a tous

Jéssica disse...

Eu faço Ciência da Computação, e estou seguindo a carreira acadêmica.

Eu tive poucos empecilhos para seguir a área de exatas pela minha família, em especial porque desde bebê eu jamais gostei de brincar de boneca, então toda a fantasia de "princesinha cuticuti" foi quebrada bem cedo. Isso também fez com que meus pais e parentes tivessem que me dar presentes fora do padrão para meninas. (Embora ainda lembro que meus pais não queriam de jeito nenhum me dar um carrinho de controle remoto. Comigo já adulta eu perguntei sobre isso para a minha mãe e ela me disse, envergonhada, que era porque eles tinham medo de que eu virasse lésbica). Eu tive até mesmo um certo incentivo, já que tanto minha mãe quanto meu pai são ligados às exatas, embora a princípio eles não quisessem que eu fizesse Ciência da Computação, dizendo que era um curso muito difícil e que meu pai quase foi jubilado nele (e hoje sou uma das melhores alunas do curso, o que causa uma mistura de inveja e admiração no meu pai...).

(continua)

Jéssica disse...

O meu primeiro contato forte com o machismo foi na escola, no ensino médio. Havia três alunos que se destacavam: eu, um garoto e uma outra garota. Todo semestre era feito um simulado de vestibular, eu peguei o primeiro lugar em boa parte dos simulados, e a outra garota sempre pegava boas notas, pegando o primeiro lugar uma vez também.
Porém quando eu ou essa garota ganhava o primeiro lugar as notas era divulgadas no primeiro andar do prédio, junto com outros papéis, no andar do primário.
Então o garoto ganhou o primeiro lugar...
Desta vez as notas foram divulgadas em um suporte de madeira, exatamente no meio do corredor em que todos os alunos do EM são obrigados a passar para ir para sala. Como se isso não fosse o suficiente, antes de um dos dias de aulas o resultado deste simulado foi anunciado na frente de todo o colégio, o garoto foi chamado para ir lá na frente de todos, receber palmas e inclusive presentes do colégio.

Então eu ganhei o próximo simulado, e as notas foram divulgadas no mesmo lugar de sempre: entre papéis no corredor do primário.

Detalhe: O garoto pegou o primeiro lugar mais uma vez e o colégio agiu da mesma forma, mas em nenhuma das vezes em que eu ou a outra garota ganhamos isso foi prestigiado.

Para ficar mais lamentável: O colégio era dirigido por freiras, então esse tipo de atitude vinha de outras mulheres...

(continua)

Jéssica disse...

Por fim, sobre o curso de Ciência da Computação. Eu me saia bem no curso desde o início, um dos motivos é que eu não queria "dar motivos" para ouvir comentários machistas. Eu ainda ouvi comentários machistas, como "mulheres não são boas em exatas, então você é homem" em tom de piada, mas como eu e outra garota eramos as melhores do curso, esses comentários diminuiram com o tempo. Uma das coisas que eu ouvi que mais me deixou puta foi um (ex-)amigo dizer, quando comentavamos que o professor de Engenharia de Software desse semestre era melhor que a professora do semestre passado: "É, eu vi as bolas dele.", além de outros comentários machistas, como associar barba com inteligência ou fazer questão de destacar que eu e a outra garota éramos mulheres.

Também ouvi de um professor certa vez que mulheres são melhores na computação porque são mais cuidadosas, e então ele citou a Ada. De certa forma é um avanço, embora esse tipo de associação me irrite...

Ah, e o cúmulo do machismo que já vi: Era uma apresentação de uma mestranda, o assunto era complexo, na área de redes de computadores. Após quase uma hora de apresentação o chefe do laboratório que ela trabalhava se levantou para opinar sobre o trabalho. Ele não falou mais que 10 mins sobre o tema da mestranda e passou a discursar sobre como as mulheres são piores em várias áreas, insistindo no exemplo de que mulheres dirigem mal. E ficou mais de meia-hora falando machismos, isso com várias mulheres na sala, e a própria mestranda de pé ouvindo! (Eu tb trabalhava nesse laboratório, sai pouco tempo depois, não quero nem olhar para a cara desse professor).
É relevante notar que ele não citou o clichê "mulheres são ruins em exatas" (afinal a própria mestranda era um exemplo desmentindo isso), mas fez questão de citar todos os outros clichês que conseguiu lembrar para inferiorizar a capacidade das mulheres.

(Obs.: Embora tenha um ou outro exemplo machista, no geral tive pouquíssimos problemas com isso no meu curso ^^)

Bruna B. disse...

Carol NLG

"O sistema colégio militar é muito mais voltado a exatas que humanas. Durante meu ensino médio, o meu CM fez uma iniciativa meio pioneira de incluir alunAs num segundo ano especial, que preparava os meninos para concursos militares. Com isso, eu acabei tendo cálculo 1 e 2 ainda no EM. Quem é da área de exatas sabe como é cabuloso."


Agora imagine ter cálculo 3 e 4... hahahahah
Por falar em instituições militares, já quis muito entrar no ITA e cursar engenharia aeronáutica... até tinha boas chances de passar no vestibular mas não quis ir de mala e cuia para SP.

Li S. Nascimento disse...

Claro que existe a "natureza humana". Particularmente, acredito em pré-disposição genética somada a influência do meio para possibilitar, desencadear ou não os nossos dons e habilidades pessoais.

Mas, entenda: trata-se de habilidades individuais, de cada pessoa e não de gênero.

Ficaadica;)

Anônimo disse...

Lisanahh,
Nao sei mesmo dizer sobre cirurgia de catarata.
Só sei que toda cirurgia pode deixar seqüela e nenhuma e isenta de riscos,
Eu quando fiz a minha de miopia assinei um termo dizendo que eu estava ciente que podia sair com um problema de visão pior que o meu anterior!!! Mas esse tipo de termo e de praxe, e nao isenta o medico de responder processo caso ele cometa um ERRO na cirurgia,( estou falando de erro, e nao de seqüelas previsíveis, ok, o que e bem diferente)
Mas como confiava nele fiz, tinha 10 graus e fiquei com grau residual, uso óculos pra dirigir, ver filme, assistir aula, o que pra mim foi um alivio-:)

Queen

E bastante comum a paciente falar de sua sexualidade com seu ginecologista, seja homem ou mulher,eu as vezes escuto queixas sobre isso como clinica geral, e as minhas colegas de trabalho GO 'a escutam bem mais do que eu!!! Faz paetê da consulta, ( se a paciente quiser falar e se abrir, claro)

Bjs-:))

Allice disse...

Maria Valéria
Minha avó paterna ficou praticamente cega depois de uma cirurgia de catarata, mas isso faz uns 13/15 anos.
Já a minha avó materna fez e enxerga muitíssimo bem, como você (médica) disse, não há cirurgia sem riscos, mas eu confio muito nesses métodos que já tem certos anos de prática.

Lala disse...

Aproveitando que se falou em DIU... teve uma época, na minha cidade, em que estavam colocando nas mulheres, as vezes sem elas saberem e houve um surto de aparelho "com defeito" (enferrujado? não lembro), que, por fim, estava esterilizando muitas delas. Ainda era adolescente nessa época e fiquei horrorizada com a história, tanto que, pra mim, esse seria o último método que pensaria em usar...
Isso procede, Maria Valéria, há essa possibilidade?

Clarissa disse...

Pra mim, o melhor dos comentários é sempre quando um homem tenta dizer o que as mulheres pensam. Porque claro que ele, dentro dos seus infinitos conhecimentos e possibilidades, pode afirmar com toda certeza como pensa não só um ser humano, mas metade da população mundial.

Eu acho que ele podia fazer carreira...

Allice disse...

LALA

Acontece no interior do Brasil, só que ninguém "pega"
Um exemplo de escândalo internacional sobre esterilização sem consentimento, recentemente foi o caso do Uzbequistão:
http://www.expressodasilhas.sapo.cv/pt/noticias/go/uzbequistao--mulheres-esterilizadas-em-programa-secreto





Isso deve acontecer no país sim, propositalmente ou não rs

Anônimo disse...

Lala

Nunca ouvi falar de colocarem DIU em pacientes sem o consentimento,
Muito menos enferrujado!!!
Em que cidade isso ocorreu???
Se ocorreu, e crime e deve ser denunciado como tal.
O que sei, e que um DIU colocado sem as meninas condições de higiene/ assepsia pode sim fazer aparecer infecção pélvica, infertilidade.mas isso, tipo: se o medico nao lavar aos mãos antes, se nao fizer a limpeza com pvpi do colo do útero, se deixar cair o material no chão de depois enfia- lo na paciente!!!!! Isso seria um puta erro grosseiro, uma tremenda falta de cuidado e de higiene mínima.ou entao, colocar um DIU fora do prazo de validade...
Vi e participei de poucas colocações de DIU e em nenhuma dessas vi essas coisas acontecerem.
Mas como já disse, nao faço ginecologia, entao vai saber se algum GO ta fazendo isso por ai .....
Bj;))

Anônimo disse...

Clarissa, assino embaixo,

Adoro ver quando alguém pensa e fala por mim:ppppp

Lala disse...

Obrigada, MV!
bom... faz uns 10 anos essa história foi em São Luis-MA. (a informação que me chegou é que era, de certa forma, proposital...)

Anônimo disse...

Só se for algum GO maluco tentando esterilizar mulheres em massa entao....!!!
Sabe que já ouvi comentários,( vindos de homens, claro) em antigas comunidades do orkut, pra que evitar múltiplas gestações indesejadas em populações de baixa renda no Brasil, deveriam submeter essas mulheres a uma castracao em massa, semelhante as campanhas que se fazem com cães e gatos de rua?!!!!!
Tem gente que pensa assim... Só nao sei como explicar a eles a diferença entre fazer isso num animal domestico( cão, gato) e num ser humano.
E depois dizem que o ser humano e animal racional....rsrsrs
Vai ver , Lala, que esses GO 's de sao Luís pensam como o ' amigo" que postou essa asneira no orkut...

amor.gratidao disse...

A melhor forma de mostrar para as mulheres de que elas podem fazer Ciência, é mostrar que outras mulheres fizeram grandes contribuições para a Ciência (e são muitas). Simples assim. O incentivo eficiente e honesto é através do próprio exemplo.

Carlos disse...

Só uma coisa se tivessem feito aquele teste de matemática com meninos também ,fazendo dois grupos um que iria testar um suéter e outro que iria testar sungas na frente das meninas.Aposto que o resultado ia ser o mesmo que os que iam testar o suéter iam se dar melhor.Mas ai ninguém ia fazer um discurso de como o mundo é ruim com os homens de como as mulheres são más e exigem que os homens tenham corpo bonito.
Estudos de gênero geralmente tem o viés de provar que homens são maus.

Siena disse...

Olha tyler durden, vou te contar uma coisa. TODOS os meninos/garotos que começaram uma amizade comigo queriam algo além de só amizade. Mas não fico por ai falando que todo homem é assim.
E dos que eu dei alguma chance se demonstraram inseguros e confusos. O outro que eu tentei conversar e explicar que eu não tinha interesse me tratou como uma louca e não fala mais comigo.
Use o cérebro pra pensar e não pra escrever merd.

Ana disse...

@Carlos

Que o mundo é sexista e que as mulheres são muito cobradas por sua aparência, está no texto. Que essa pressão nos atrapalha, está no texto.

Que os 'homens são maus', você é que disse.

Interpretação de texto, WE MISS YOU!

Phaby disse...

Eu sou das exatas, terminei meu doutorado há 2 anos. A pessoa mais inteligente que conheço, mais capaz que já vi e que eu tenho como referência é uma colega de laboratório, também doutora.
O que percebo é que existem cada vez mais meninas nas exatas, pelo menos desde que eu entrei na Universidade, há 13 anos. Mas é um funil, enquanto a gente vê mais de 50% das meninas na graduação, conforme a gente vai avançando na carreira acadêmica como mestrado, doutorado e depois como pesquisador, as mulheres vão diminuindo.
Existem inúmeros fatores pra isso e a academia é machista sim, já ouvi casos de professores que não gostam de orientar mulheres porque elas podem engravidar!!!
Aqui eu coloco o link pro programa Fronteiras da Ciência, que o pessoal do Instituto de Física da UFRGS apresenta todas as segundas. Esse programa é especial sobre mulheres na ciência e uma das entrevistadas é uma das maiores pesquisadoras em Física do Brasil. Dêem uma ouvida, elas comentam bem sobre o que os pais esperavam delas e sobre esse afunilamento na carreira acadêmica quando se trata das mulheres. É muito bom: http://dstats.net/download/http://www6.ufrgs.br/frontdaciencia/arquivos/Fronteiras_da_Ciencia-E011-MulheresnaCiencia-16-08-2010.mp3
O link abre direto pra ouvir, mas no site vocês podem fazer download.

Bjo Lola!!!

Claudia disse...

Pareceu maiis uma propaganda de cosmeticos que campanha pró mulheres cientistas... Mas o que mais me desanima são os comentários embaixo... Cito: "mulheres vão pesquisar o que? novas formas de fazer sanduiches?" entre outros desse nivel...

Camila Fernandes disse...

Bem, o post já rendeu um bocado e eu não tenho tempo para ler todos os comentários, nem fazer uma análise do vídeo. Então vou só deixar uma opinião bem pessoal sobre o assunto, certo?

É tão frustrante quando você se dá conta de que não importa o quanto você leia, o quanto você estude ou quantos idiomas você conheça, a coisa mais impressionante sobre você sempre será o quão bonita você é. É tão absurdo, sabe?

Phaby disse...

Vídeo por vídeo pra incentivar a carreira nas exatas, eu prefiro esse aqui:
http://www.youtube.com/watch?v=VIA1IOmD_NY

Carlos disse...

Camila Fernandes disse...
Bem, o post já rendeu um bocado e eu não tenho tempo para ler todos os comentários, nem fazer uma análise do vídeo. Então vou só deixar uma opinião bem pessoal sobre o assunto, certo?

É tão frustrante quando você se dá conta de que não importa o quanto você leia, o quanto você estude ou quantos idiomas você conheça, a coisa mais impressionante sobre você sempre será o quão bonita você é. É tão absurdo, sabe?

Se esta se referindo a coisas que dependem de relacionamentos interpessoais SIM

Anônimo disse...

O incentivo eficiente e honesto é através do próprio exemplo. --11:33

>>>SEMPRE !!!

Loja Moeggall disse...

@ Camila

A dúvida que eu não tirei ainda é se a dedicação aos estudos ou à política entre as mulheres está distribuída entre as menos bonitas ou as muito bonitas não conseguem se dedicar por causa da grande expectativa que a beleza cria ou a constante solicitação externa ou ainda ao grau de ambição de cada uma.

Anônimo disse...

a indústria da pílula anticoncepcional fez uma campanha tão suja ontra o DIU há coisa de 30 anos que o DIU caiu no desconhecimento da mulher americana... agora está voltando ao uso e acho que até mudaram o nome nos EUA... tomei a pílula por sei lá uns 3 meses e foi o suficiente pra nunca mais querer saber da pílula mesmo que digam maravilhas dado o avanço científico... fico com o DIU, já indiquei até pra moças sexualmente ativas nos seus 20 anos, que nunca tiveram filhas... enqto usaram, funcionou... daí derm ouvido pro catolicismo e nem preciso lhes dizer das gravidezes indesejadas... enfim, naun deve ser por um caso ou dois ou três que devemos desconsiderar algo... há casos escabrosos sobre a cirurgia bariátrica e as várias pessoas que a ela se submeteram na minha família, estaun todas lá magras e feliz e fariam a cirurgia novamente... estou até pensando em gordar até 41 IMC e partir pruma bariátrica e fim de conversa contra a obesidade.

Carlos disse...

So uma palavra a moderadora
Fascista de esquerda

Lívia Pinheiro disse...

@Lorena

Sim, taxonomista, lepidopteróloga. E se vc acha que o Smithsonian é um sonho, precisa conhecer o British Museum, é de cair o queixo :)

amor.gratidao disse...

A melhor forma de mostrar para as mulheres de que elas podem fazer Ciência, é mostrar que outras mulheres fizeram grandes contribuições para a Ciência (e são muitas). Simples assim. O incentivo eficiente e honesto é através do próprio exemplo.

Anônimo disse...

bem, pra quem acha que mulher linda não tem papel na ciência e em outras carreiras populares entre os homens, nos EUA há mulheres lindas em todas as carreiras, TODAS!!! e me refiro a loiras naturais ou não de olhos azuis ou não já que o protótipo da lindeza americana é o padrão da loira de olhos azuis... se bem que há beldades latinas que fazem o mó sucesso em noticiários americanos tb. o mesmo vale para a mulher negra... é bem verdade que existe uma parcela que pertence à maioria, mas ainda assim vemos lindas mulheres em todas as profissões... parece-me que o preconceito e a discriminação se acentua mais pra baixo da linha do equador...

Loja Moeggall disse...

Lisana, pode dar exemplos?

Gêneros Textuais disse...

Gosto tanto de quem diz que mulher só se interessa por filosofia para fazer palavras cruzadas e não sabe ao certo conceitos platônicos (e não vale buscar no Yahoo respostas!)

Gosto não, amo.

Se for assim, Coquetel tá me devendo um cinturão de campeã.


(ok, não vou mais alimentar o troll)

Anônimo disse...

Queen Of Sorts disse...
Lisana, pode dar exemplos?
26 de junho de 2012 15:33

>>>bem, eu moro nos EUA há 20 anos e nem toda mulher linda e conhecida da mídia americana o é no exterior, no caso Brasil se vc está no Brasil... ou se mora nos EUA e não sabe do que estou falando é pq mora aqui há pouquíssimo tempo ou pq vive num casulo... algumas vezes vejo moças tão lindas e atrativas como caixa de supermercado que penso assim "se fosse no Brasil já estaria tirando a roupa numa novelitcha da Globo" e são estudantes universitárias em diversas áreas, por exemplo... o que o brasileiro crê que sejam os EUA não é realmente nossa realidae... Ok alguém poderá sarcasticamente dizer que é pior... seja como for, não é como pensam que é.

Megatherium disse...

Ser cientista é sobre paixão, não gênero. Esse tumblr, "This is what a scientist looks like" é um exemplo maravilhoso de como todo tipo de gente, homens e mulheres, pode fazer ciência.
"http://lookslikescience.tumblr.com"

Anônimo disse...

tyler durden disse... aas 22:42

>>> naun precisa ficar repetindo texto dorado que vc já postou ontem... essa decoreba sua prova que "vc se acha", mas "vc naun é"... e poro que eu naun conseguiria ter boa noite hoje tb? tenho boa cama,bom colchao, bons lençois, 3 ótimos travesseiros, durmo totalmente nua e sou bem servida... ah e naun retorne com a tal vaidade do ego feminino pq entao vou ter que repetir uma vez mais o que lhe retruquei há menos de 24 horas.

Anônimo disse...

texto dorado = texto decorado (22:55)

tyler durden, depois de ter comentário deletado pela dona do blog, vc ainda choramingar reclamando, levar uma resposta, vc naun desiste em tentar se aparecer... agora vou ali comer meu chocolate Ghirardelli.

Maíra disse...

Não conhecia o acrônimo STEM, mas não gostei. Faz as carreiras não-STEM parecerem menos fundamentais, menos importantes. Pode até não ser sexismo, mas que é um tremendo preconceito, isso é.

E, bom, é claro que estudo Física porque assim uso maquiagem, esmalte e salto alto e faço uma pose sexy de jaleco e óculos de proteção tentando fazer o macho alfa esquecer o próprio microscópio para me devorar com os olhos...

WTF! Tirando a parte do jaleco e dos óculos de proteção, que eu não sei como não são rosas no vídeo, isso acontece em tantas outras situações que não é nem original! E fui só eu ou mais alguém acha que aquele microscópio é um símbolo fálico?

José Tarcísio
Também quero sair do doutorado em física direto para graduação em lingüística!
E entre Física e Filosofia, optei pela primeira depois de conversar com graduandos de filosofia que se sentiam muito imaturos para a graduação que estavam fazendo... Além disso, o melhor professor que tive no curso de física é também filósofo.

Julia
Sei que é mais fácil ser físico que “físico fêmea”, porque sou bacharel pelo IFUSP, mas a convivência com mulheres de muitas outras áreas me mostrou que em várias delas temos mesmo que nos provar o dobro...

Lays e Shoujofan
Já passei tantas vezes pela situação “E para você, não vai levar nada?” que desisti de me espantar... Mas isso não fez com que eu me sentisse invisível, como a Shoujofan teme que aconteça, mas visível demais. Parece que o fato de ser mulher se sobrepõe a todos os outros, deixando características muito mais relevantes em segundo plano.

Orlando
Não fiz nada parecido com o que fizeram os amigxs que me acompanham desde a pré-adolescência, nossa identidade de grupo sempre foi baseada em outras afinidades.

Lola
Obrigada pelas duas opções de quem eu quero ser quando crescer mais.

Alice disse...

sabe uma coisa que eu acho horrível? que homens podem ser geniais, medianos ou medíocres em qualquer área, que ninguém nunca vai chegar e dizer: 'ah, isso é porque você é homem...'. imagina alguém discriminando o Alex Atala, o Roberto Freire, o Ronaldo Fraga, só pra deixar exemplos heterossexuais? - no máximo, esses caras ouviram 'isso é coisa de boiola'. isso porque homens têm o DIREITO, a prerrogativa, de serem o que quiserem (inclusive grandessíssimos merdas) sem que isso seja associado ao seu gênero...

Lorena disse...

Lívia,

eu sou hemipteróloga! :) Mas ultimamente tô trabalhando mto com Lepidoptera, e na verdade, tenho uma grande queda por Coleoptera... hahaha! Enfim, eu gosto de tudo (menos Diptera).

E eu ainda não conheço o Smithsonian pessoalmente, mto menos o British Museum, mas um dia eu hei de conhecer! :)

Lívia Pinheiro disse...

Ah, quem não tem quedinha por Coleoptera? ;)

Eu nem gosto de tudo não, na verdade não sou dessas pessoas que desde pequenas gostava de bicho e planta. Sempre achei que viraria historiadora ou linguista. Nem sei explicar como vim parar na biologia, mas na taxonomia eu sei - é a única parte da biologia que reúne leis (o ICZN) e história (evolutiva e dos nomes, das coleções, etc.) :)

Unknown disse...

A melhor maneira de mostrar às mulheres que elas também podem fazer Ciência, é mostrando que outras mulheres (e foram muitas!) fizeram e fazem grandes contribuições para a Ciência. Simples assim. O incentivo eficiente e honesto é através do exemplo.

Amanda Fadigas disse...

Excelente post Lola! Queria acrescentar também um outro ponto de vista. Mesmo dentro das ciência humanas e sociais aplicadas temos uma defasagem de gênero, apesar do grande número de mulheres. Me refiro a quando a mulher simplesmente decide seguir uma carreira acadêmica, chegar até o doutorado e porque não a um pós-doutorado. Continuar os estudos para se tornar uma profissional mais qualificada dentro do âmbito acadêmico também é um desafio diário para as mulheres.

Pandora disse...

Oi, Lola!

Faço engenharia química e foi unânime entre mim e minhas colegas a identificação com esse texto. Na engenharia é frequente dizer que só se tem uma ou duas mulheres que são apelidadas carinhosamente de seno e cosseno, porque somando as duas ao quadrado dá uma mulher normal (obviamente no que diz respeito a beleza). Ou seja, dentro da própria Universidade Federal, onde todos se esforçaram igualmente para ter acesso, ocorre esse tipo de piada. Não conheço ninguém que desistiu por isso, mesmo assim é tanto uma indicação de que mulher bonita não pode ser boa em matemática (porque engenharia é apenas e somente matemática) e de que, dentro da Universidade, as que decidem trilhar esse caminho ainda são vítimas de preconceito.
A resposta de tudo, como você disse, está na base. Se acabássemos com a definição de menino gosta de matemática e menina de português (que também serve de preconceito pra dizer que homem que faz letras é gay), teríamos mais meninas dentro dessa área da universidade e, com isso, menos preconceito e mais produção. Simples assim.

Unknown disse...

Esse vídeo realmente é repugnante. Pra quê fingir motivar as gurias a uma coisa e, na verdade, fazer o oposto?

«Mais antigas ‹Antigas   201 – 254 de 254   Recentes› Mais recentes»