quarta-feira, 14 de março de 2012

TRÊS MULHERES GENERAIS DAQUI A 15 ANOS. MASCUS CHIAM

Três mulheres estão entre os formandos do curso que é pré-requisito para a promoção a general no exército brasileiro. É uma turma de médicos, e essas três foram as primeiras da turma. A matéria, muito boa, é raríssima, porque não tem aqueles trechos obrigatórios de “Mas elas são femininas e vaidosas e olha só como são ótimas mães!”, tão frequentes em qualquer reportagem que fale de mulheres em ocupações predominantemente masculinas. Informa a matéria: “O curso não é obrigatório e a seleção, considerada muito difícil, afasta candidatos. Centenas de militares estavam aptos a concorrer às 20 vagas, mas só 42 se inscreveram, e sete passaram — três mulheres”. Daqui a 12 ou 15 anos, talvez elas possam ser as primeiras generais mulheres. Que legal! Ótimo, né?
Ahn, não. Sabe os mascus, aqueles dementes que dizem que, por não escrevermos dezenas de posts diários a favor do alistamento obrigatório para mulheres (e não contra o serviço militar obrigatório pros homens –- posso ser contra o alistamento, obrigatório ou voluntário, para todos os sexos? Posso ser contra o exército, uma das instituições mais patriarcais e hierárquicas que existem?), é porque queremos manter nossos privilégios nessa sociedade b*cetista? Então, espera-se que uma notícia dessas os faça sorrir. Afinal, eles vivem reclamando que mulher não serve as Forças Armadas e que isso é uma tremenda injustiça!
Vejamos alguns comentários num fórum mascu sobre a notícia:

- “Era só o que faltava! Generais de calcinha...”
- “Não me conformo de terem permitido isso, querem o que, afundar o exército brasileiro acabando com uma das poucas entidades viris do Brasil?”
- “Isso vai dar m*rda. Esperem como começara a pipocar na midia, diversos escandalos de estupro nas forças armadas”.

Assim fica meio difícil acompanhar a cartilha mascu. Mulher não fazendo serviço militar? Que horror, sinal de uma sociedade que privilegia o sexo frágil! Mulher fazendo serviço militar? Que horror, vão acabar com uma instituição tão viril-varonil!
Uma boa notícia é que, nos EUA, pela primeira vez, uma entidade de d
ireitos humanos qualificou os mascus americanos (lá chamados de MRAs, ou Men's Rights Activists) como eles realmente são: grupos de ódio.

97 comentários:

Anônimo disse...

O link da notícia não funciona.

Lola, não leve a mal, mas tente ser mais concisa. Olhe o tamanho daqueles parênteses após "obrigatório para mulheres".

Sara disse...

Quanta noticia boa Lola, acho super positivo que as mulheres tenham chegado nesse nível da hierarquia militar, espero ver essas mulheres como Generais, embora saibamos que não sera nada facil enfrentar o machismo dessa instituição.
Ótima noticia essa sobre esses detestaveis machistas americanos, demorou para reconhecerem o que eles são de fato.

Yuri disse...

Ótima notícia essa das generais mulheres. O mundo está mudando para melhor, aos pouquinhos
Agora, fontes radfem são foda, né? Desisti delas quando vi um post no "I blame the patriachy" dizendo que fazer sexo oral em homens era submeter-se ao patriarcado e NENHUMA mulher em sã consciência gostaria disso. E a slut-shaming que se seguiu nos comentários quando alguma mulher dizia que gostava foi algo nojento de se ler.

Alex disse...

Engraçado que os mascus atribuem os estupros à presença de mulheres e não à incontinência dos homens. Realmente eles acham que os homens têm licença para estuprar. E por que não usar generala? Devido ao ineditismo, acho que generala seria mais apropriado. Encontrei um texto no Google, sobre esse assunto, que achei interessante:

Existe generala?
Saiu no jornal a manchete "EUA admitem que uma general sofreu assédio". Não seria melhor dizer logo generala?

Luís Paulo — Presidente Prudente

Meu caro Luís Paulo, há uma forte resistência em usar a flexão feminina nos cargos e nos postos que, durante séculos, foram ocupados exclusivamente por homens. Quem acompanhou a ascensão da mulher no mundo político, nos últimos trinta anos, viu a lentidão com que a mídia foi adotando formas femininas que hoje já não causam estranheza: primeira-ministra, senadora, deputada, prefeita, vereadora, etc. Os que defendiam o estranho uso "a primeiro-ministro Indira Gandhi" argumentavam que se tratava do cargo, e o cargo era de "primeiro-ministro" — argumento de jerico, pois, se o levássemos a sério, teríamos "a diretor Fulana", "a vereador Beltrana". Pode ser que a causa fosse, em parte, um preconceito sexista; meu palpite, contudo, é que o principal responsável sempre foi a leitura errada dos dicionários. Brasileiro não sabe ler dicionário; é capaz de ir ao Aurélio e, ao ver ali registrado "menino – s.m." , concluir que não existe a forma menina ! É de amargar!

Coisa semelhante vem ocorrendo com os postos militares. O ingresso de mulheres nas Forças Armadas e nas Polícias Militares é fato recente; ao que parece, esses organismos preferiram manter inflexionados os tradicionais soldado, sargento, capitão, coronel, general — daí a forma utilizada pelo jornal que mencionas. É apenas uma questão de tempo, Luís Paulo, e estaremos usando soldada, sargenta, capitã, coronela, generala. Na verdade, essas formas já vêm sendo usadas há muito no Português, como se pode ver nos bons dicionários do passado: no Morais (que é de 1813) aparece capitoa como uma mulher que lidera outras ("Por capitoa, Isabel Madeira"). "Capitoa Úrsula os vai guiando", registra Domingos Vieira. Caldas Aulete (na 1ª edição) diz: "capitoa — mulher que dirige outras em alguma ação heróica. Fem. de capitão". Essa forma em -oa deu lugar a capitã (mais ou menos como o alemoa cedeu o passo a alemã), termo que sempre utilizamos para designar a atleta que comanda uma equipe. Generala e coronela serviam para designar a mulher do general ou do coronel; não esqueça, entretanto, que esses também podiam ser títulos meramente honoríficos e, como tal, sempre foram usados no feminino. "A princesa é a coronela honorária do regimento" (Aulete). Há um clássico da literatura erótica "As Primas da Coronela"...

Como se tudo isso não bastasse, existe, há décadas, a figura ingênua e dedicada do Exército da Salvação, com seus músicos tocando (ainda tocam? nunca mais os vi) pelas esquinas deste mundo — todo ele organizado com uma hierarquia pseudomilitar, com suas soldadas, sargentas, capitãs, coronelas e generalas. Em suma: as formas existem; se as Forças Armadas preferem não adotá-las, é outra história. Os jornais é que me parecem atrasados.

Ultimamente, como mais sinal da modernidade, surgiu uma dúvida que vai ser trazida para a discussão com nossos leitores: a esposa do governador é chamada de "primeira-dama"; como se chama o marido da governadora? Será "primeiro-cavalheiro" (e vai-se dedicar também às obras assistenciais?) O fenômeno é tão novo que ainda não refletiu no idioma, mas logo saberemos.

http://wp.clicrbs.com.br/sualingua/2009/05/08/existe-generala/

Beatriz disse...

Lola, vc é uma mulher inteligente e informada. Sério, amiro o q vc faz divulgando esses absurdos, mas não sei como vc tem HUMOR pra ler esses caras. Eles parecem ter cognição ruim, ser muito desinformados e delirantes. Eu teria gastrite.
Enfim, solidariedade migs,eu sei q vc é bem humorada mas não é fácil não...

aiaiai disse...

Link para a matéria

http://migre.me/8hxiZ

Muito boa notícia!

Shoujofan disse...

Eu trabalho no Colégio Militar (*e sou civil, que fique claro*). As professoras das primeiras turmas da EsaEx estão chegando a major agora. Isso quer dizer que são oficiais superiores. No entanto, elas jamais poderão chegar a general, porque devem deixar a carrerira do magistério militar – homens ou mulheres – no máximo como Tenente Coronel. Infelizmente, a maioria dos quadros que aceitam mulheres limitam as promoções. Bom saber que as médicas poderão (*a promoção à general depende de estima dos pares e, não, de tempo de serviço como outras patentes*) chegar à general. Acredito que as egressas do IME também podem. De qualquer forma, ainda demora muito. O que eu queria ver ainda no governo Dilma – e sei que não verei – é a AMAN e outras escolas que formam os oficiais de carreira abrindo para mulheres. West Point abriu em 1974 ou 1976, aqui, no Brasil, só a AFA aceita mulheres. Há muito o que se fazer e pouco a se comemorar.

Marcelo Delfino disse...

Quero deixar aqui os parabéns às três oficiais mulheres que agora se credenciam ao generalato do Exército. Pelos uniformes delas, já devem estar no posto de tenente-coronel.

Só devo avisar a quem torce ve-las no generalato: a coisa será mais difícil que a média de dificuldade que os oficiais em geral tem para chegar ao generalato. Porque as três mulheres são da carreira de oficial médico. E, que eu saiba, oficial médico nas três Forças Armadas só chegam no máximo ao generalato de três estrelas (general de divisão, vice almirante e major-brigadeiro). E apenas UM na ativa, dirigindo a diretoria de saúde da respectiva força armada. Abaixo deles, apenas alguns poucos oficiais-generais de duas estrelas (generais de brigada, contra almirantes e brigadeiros). Portanto, a promoção a general para coronéis médicos demora mais que a média geral e bem mais que os coronéis de carreiras de armada, aqueles que chegam ao generalato quatro estrelas (general de exército, almirante de esquadra e tenente-brigadeiro).

Gostaria de dizer que sou favorável ao alistamento militar voluntário para homens e para mulheres, em tempos de paz. Carreira militar é coisa séria. É coisa para vocacionados. Não é coisa para não vocacionados que querem arrumar um trabalho qualquer, mesmo sem vocação para esse trabalho.

Bruna disse...

Raríssima mesmo a matéria! Realmente não consigo lembrar de algo do tipo, principalmente na TV, que sempre inclui uma cena clichê da mulher, entre uma atividade e outra, passando batom, e o comentário sobre vaidade etc.

Bruno S disse...

Acho que esse link deve funcionar melhor:

http://odia.ig.com.br/portal/brasil/mulheres-rompem-barreiras-e-podem-agora-ser-generais-1.380209

É curioso que duas delas se chamem Regina Lúcia. Não me parece um nome tão comum.

Que pelo menos alguma delas chegue a ser nossa primeira GENERALA(gostei da palavra, Alex).

André disse...

15 anos? Que nenhuma delas chegue a general. Que o exército acabe antes disso.

Carol NLG disse...

Fico muito feliz com a notícia. Estudei em Colégio Militar - embora venha de família de civis - e admiro muito a carreira.

Infelizmente, as pouquíssimas áreas que admitem mulheres são muito limitadas quanto ao generalato. Queria mesmo ver uma artilheira, uma infante, etc, como generalAs (adorei a idéia!)

Lembro do meu 2º ano do Ensino Médio. Existe um concurso - só para homens, claro - para ingresso na Espcex. É basicamente um colégio de onde os meninos já saem pra Aman, por exemplo. Eles cursam o 3º ano do Ensino Médio lá e seguem pras carreiras militares.

Pois bem, o colégio decidiu fazer turmas separadas pra preparar os meninos para aquelas provas. E convidaram pouquíssimas alunas pra integrar essas turmas. Eu fui uma das convidadas. Tivemos aulas avançadíssimas de matemática, física, química (fiz cálculo 1 e 2 no ensino médio!). No fim do ano, conseguimos na justiça o direito de fazer as provas, não no intuito de entrar na academia, mas só de mostrar que a preparação deu certo. Todas as 12 que fizeram, passariam.

Daní Montper disse...

Minha avó queria ser generala, ela gostava do exército, mas nunca pode seguir carreira por ser mulher - ela tentou burlar o sistema e se fingir de homem, mas foi descoberta e a expulsaram - chegou a ir pra prisão na época, só que só ficou uma noite até o pai dela ir buscá-la - ela tinha fugido de casa, isso foi em 1930 e poucos...

Tenho horror às forças armadas, por ser hierárquico e machista, mas as mulheres e homens que gostam deveriam seguir carreira igualmente. É uma boa notícia, a de mulheres generalas, minha avó ficaria feliz. E achei a matéria boa também, incrível como fugiram da mesmice.

Sobre os mascus, então eles acham que a culpa de haver estupro nas forças armadas é por existirem mulheres lá e não por homens estuprarem? Não me surpreendo, afinal, o que mais esperar desses cérebros de jerico, né mesmo?
Que bom que já estão descobrindo que eles são misóginos e pregam ódio às mulheres, e não me surpreende eles reclamarem disso, o lance é reclamar de tudo que envolva mulher, nenhuma é boa pra eles.

André disse...

Tenho horror às forças armadas justamente por não serem hierárquicas. Nosso passado de golpes militares não me deixa mentir sozinho.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Duas ótimas notícias, mulheres se destacando em áreas que até há pouco nem permitiriam sua presença e esses grupos dos EUA, nos quais esses caras parecem se inspirar, ganhando a nomeação e sendo tratados da forma como merecem.
A matéria é mesmo muito boa e sem aquele tanto de clichês e estereótipos que a gente é acostumada a ver e que cansam.
Agora há pouco mesmo, o jornal local da Globo resolveu mostrar uma psicóloga falando sobre a conquista e eu não sei o que acontece nessa área, que parece que trazem pessoas diretamente da máquina do tempo, sempre que é pra falar do assunto.
Ou então eles se inspiram nos seus manuais antigos, mas bem protegidos entre quatro paredes, não saem lá fora pra dar uma olhadinha em como as coisas mudam, principalmente entre os mais jovens de hoje.
É sempre a mesma história, homens são só visuais, mulheres não são, não existe fórmula pronta, mas ela mesma usou várias, faça isso, não faça aquilo, o homem faz assim, a mulher faz assado. Coisa cansativa, como se a gente fosse robô que só tem um modos operandi. O bom foi que ela usou palavras mais antigas do tipo flertar e fazer a corte, porque aí não deixa dúvidas de que ela não está mesmo muito atualizada.

Anônimo disse...

Lembrando a todas as presentes que elas não são generais, estão a um passo da patente militar, mas essa patente é dada por indicação política, tem que ser aprovada pela presidência em forma de decreto.

:-)

Está ai uma boa oportunidade para todas as pessoas envolvidas com política para dar uma empurrada nas três aspirantes a general, se houver uma forcinha não será necessário esperar 15 anos. Como elas são médicas militares e já bem colocadas na mídia e nas provas internas fica fácil dar esse empurrão.

A três mulheres são super branquinhas, pelo visto todas são eurodescendentes. A da ponta parece ser descendente de britânico, o do meio é mais germânica e a da outra ponta super sorridente tem cara de italiana.

Anônimo disse...

Sem relação com o post, mas... Lola, você viu esse post do Cem Homens? Incrível!!! http://cemhomens.com/2012/03/inacreditavel/#comment-58518

Anônimo disse...

"Está ai uma boa oportunidade para todas as pessoas envolvidas com política para dar uma empurrada nas três aspirantes a general, se houver uma forcinha não será necessário esperar 15 anos. Como elas são médicas militares e já bem colocadas na mídia e nas provas internas fica fácil dar esse empurrão."

Eu discordo, se houver algum empurrão ou forcinha, elas não serão respeitadas, e haverá ainda mais preconceito. Infelizmente nas Forças Armadas é assim.

Lawlyet_W disse...

Sabe Lola, eu uso o avatar do trolldad no meu perfil do fórum HR. Porém, quando leio posts como este penso seriamente em mudar meu avatar pois talvez não tenha a honra de usá-lo já que preciso comer muito arroz e feijão para chegar a este nível de trollagem.

O problema não é se as mulheres estão no exército ou não e sim o fato do serviço obrigatório ser apenas para homens e não para mulheres.

mas não vim comentar sobre isso, já que não dou tanta atenção a isso, tanto que nem sabia da existência deste tópico. Vim comentar sobre entidades americanas que classificaram masculinistas americanos como grupos de ódio. Ora, isso é claramente uma tentativa desonesta de desqualificar esses grupos por meio de ad hominens. É o chamado isolamento, coisa análoga ao que fazem os bullys na escola quando tentam usar como desculpa para o bullying coisas como a aparência da vítima ou fato dele não ser "cool" como os outros garotos mais populares. Da mesma forma que classificaram os masculinistas americanos como grupo de ódio, também classificaram entidades pró-vida como grupo de ódio. A coisa anda tão absurda que o governo Obama classificou como potenciais terroristas pessoas que estocam alimentos. Ou seja, isso não serve como argumento, é apenas uma tática de isolamento e ataque.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Nossa! Primeiro li o link postado de um anônimo sobre uma revista feminina ensinando mulheres a fingirem orgasmo.
Dos comentários de lá pego um link onde uma atriz que posou pra Playboy fala que submissão faz bem pra mulher. Maioria dos homens comemorando nos comentários, porque parece que no entendimento deles, na relação um obrigatoriamente é submisso, um manda e outro obedece, e se esse papel de ser sempre o que cede e obedece não for da mulher, será o deles.
Não vêem a relação como algo que pode ser igualitário, os dois saem ganham, os dois se respeitam.
A gente lê uma matéria boa e na sequência fica sabendo de duas ruins...

Abçs Lola.

Anônimo disse...

"Esperem como começara a pipocar na midia, diversos escandalos de estupro nas forças armadas..."

Será que as mulheres vão se esbaldar de estrupar homens? [:0]

Luciana disse...

A matéria está ótima! E felizmente não incluíram as frases padrões sobre mulher que a Lola ilustrou. Também espero ver essas três mulheres como generais, e muitas outras que tem esse objetivo.

Felizmente, uma entidade de direitos humanos nos E.U.A qualificou os mascu losers de grupo de ódio. Espero ler / ver notícias assim no Brasil.

Anônimo disse...

Lola, você sabe qual o verdadeiro significado de decadência humana?

Uma menininha de uns 5, 6 anos que faz tutorial de MAQUIAGENS pra algum imbecil postar na net.

Links
http://www.youtube.com/watch?v=UFFBv3o8ZaQ&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=4nh1RaIVLcg&feature=related

Anônimo disse...

hum, eu ri um pouco com o vídeo dessa menininha, não só por ela ser fofíssima, mas pq parece mesmo uma brincadeira. Criança gosta de brincar de adulto, de imitar a mãe, de ser a professora, a balconista e pelo visto de brincar de tutorial na internet. A mãe não repreende qdo ela borra o rosto todo de azul, deixa ela brincar, imitar as falas dos adultos, não deixa ela levar a maquiagem a sério. Só fico pensando nas alergias...

Anônimo disse...

nossa, quanta gente da família garança por aqui... zum zaravalho hahahaha

to brincando, estudei lá, mas não tenho a menor afinidade. acho que eles são importantes quando lidam com índio, com serviço médico na amazônia, em tragédias... e eles tem muitas qualidades, como a organização e a objetividade.

mas tb rola muito autoritarismo e apadrinhamentos. e atrai cada exu pra instituição (vide os senhores muito bem pagos pra dar uma corridinha na urca, oprimir esposa e filhas, e fazer comentários reaças no globo o dia todo).

Shishiu disse...

Acho que seria importante uma mulher general pela simples acepção disso: MULHER/GENERAL. Mas será isso o significado de que que as tradições hierárquicas, patriarcais e o conservadorismo do exército estarão a mudar?
Já disse em outro post que, teoricamente, não acredito em um exército nacional, com ou sem mulher.

Acho ótimo os masculinistas serem classificados como um grupo de ódio, pois é isso que são: Pessoas ignorantes que ainda se agarram ao obscurantismo, ao tradicionalismo e ao medo de perder privilégios como forma de acaçapar idéias libertárias e, consequentemente, julgar o outro de maneira raivosa com base em uma moral decadente e perigosa (IMORAIS).

Eu, particularmente, acho os integrantes do masculinismo dignos de escárnio e de desprezo.

carolinapaiva disse...

Off (sobre o vídeo da menininha com maquiagens)
Acho os vídeos em si insuficientes para afirmar que essa menina é obcecada com maquiagens/beleza, erotização precoce, etc.
Claro que se deve tomar cuidado quando a brincadeira passa a ser levada a sério, mas enquanto não sair da área da curiosidade e experimentação do mundo adulto, é só brincadeira mesmo.
Eu vivia passando os batons da minha mãe, calçando os sapatos dela e brincando com seus lenços. Era legal me fingir de adulta, brincar de ser grande.
A diferença é que as lambanças das crianças agora são compartilhadas com o mundo todo através da Internet.

Shishiu disse...

OFF: Que coisa carolinapaiva, eu também brincava de vestir as roupas de minhas primas e passar maquiagem. Até hoje sinto vontade de usar saias e me maquiar, e os faço de quando em vez. Pena que minha cidade ainda não se acostumou a ver homens de saia...

Anônimo disse...

Só daqui a 15 anos? só 3? ta malz\o/

carolinapaiva disse...

Sobre o post, concordo com o Marcelo Delfino. O alistamento deveria ser voluntário para homens e mulheres. Trata-se de vocação, não de obrigação.
Esse post é um tapa na cara dos machistas de plantão que enchem a boca para falar que mulher não tem capacidade para tais ocupações.
.
Shishiu: kilt serve? :P

Anônimo disse...

kilt me lembra do meu muso, ewan

e do gerard

Anônimo disse...

é uma conquista. mas o melhor mesmo seria um mundo sem militarismo.

LisAnaHD disse...

A primeira colocada da turma (entre os SETE aprovados e não somente entre as mulheres aprovadas!!!) foi uma mulher, médica cirurgiã.

neurônios em ação
"Centenas de militares estavam aptos a concorrer às 20 vagas, mas só 42 se inscreveram, e sete passaram — três mulheres.”

pergunta-se: - E se estavam aptos por que não concorreram às vagas?

Dos 42 inscritos para o preenchimento de 20 vagas somente SETE (menos de 20% dos inscritos e um teco a mais de 30% das vagas foram preenchidas) foram aprovados... dos SETE aprovados, TRÊS são mulheres (inteligência e capacidade físico-intelectual não é privilégio masculino).

Considerando a porcentagem apresentada, isso mostra o quê? Das duas uma: a medicina brasileira tá péssima ou algo está errado com a qualificação exigida para o preenchimento das 20 vagas. Ou o quê mais?

Você jornalista mulher que gosta de pesquisar, considere qtos dos s 42 inscritos são homens e qtos são mulheres? É possível que comparando o número de homens incritos X número de muheres inscritas a maioria aprovada foi mulher estatiscamente considerando. Taí algo muito interessante para alguma jornalista mulher pesquisar... ou isso é trabalho pra deixar Talyta Carvalho a filosofar? rs... e não passar de chacota?

Ághata disse...

Aliás, o alistamento feminino obrigatório existe, mas só em período de guerra.

LisAnaHD disse...

LoLa, buscando por um assunto, dei com outro e gostei... é um vídeo apresentando um exercício respiratório muito bom para lidarmos com estresse e seus afins... vc vai gostar, vai ser útil pra vc sempre tão atarefada, com a mente sempre borbulhando!!!! besitos y al video

How To: Clear Your Foggy Brain In Under A Minute.
http://www.youtube.com/watch?v=bcW1VEBI23Y&feature=g-vrec&context=G24bd5b5RVAAAAAAAAAQ
pra quem se interessa, mas não fala inglês, não importa... basta olhar na moça do vídeo, depois da introdução, OK? don't give up... não desista!

Renato disse...

Sou contra o feminismo, mas achei a notícia muito boa. Tem que servir mesmo, que nem os homens servem.

Devia ser obrigatório até, também.
Parabens às três.

Lola censurando esse comentário em 15 minutos... :)

LisAnaHD disse...

qdo o assunto do post é OBESIDADE ou SEXO os comentários rendem até a centenas... um assunto comendável como o do post de hoje fica como que às moscas na página de comentários... impressionantemente lamentável...

cadê as femininas que vivem me criticando dizendo que eu isso e eu aquilo, onde estão e o que fazem que não apareceram prestigiando o post de hoje? assunto de tremenda importância com tão poucos comentários!!! mas basta a LoLa resiolver fazer um post sobre digamos.... "A Beleza dos Cílios" e os comentários rendem e rendem na pixação à indústria da beleza feminina.

Sei lá, LoLa, vc se esforça tanto, caramba! pensei que mais mulheres que frequentam aqui fossem se manifestar sobre o post de hoje... enfim...

Dani Cavalheiro disse...

Lembro que, quando nova, eu queria ser piloto de caça. Meu irmão fez a prova da EPCAR, passou e largou na primeira semana. Ele queria ser professor de filosofia, só fez a prova pra agradar família.
Eu queria e não pude fazer, vê se pode? Lindeza de sistema machista.
Mas tem grilo não, hoje sou muito feliz dando aulas de história e fazendo minhas pesquisas de campo. =)

Enfim, é ótimo que isso ocorra. Me lembra um filme da Demi Moore, alguém lembra? Ela entrava pro exército lutando contra um monte de coisa. Nunca vi até o fim, agora me interessei.
Que essa situação sirva de exemplo pras outras forças no Brasil.

Anônimo disse...

cabelo espigado, enrolado, encarapinhado, alisado, escovado qdo se trata de cabelo tb dá muuuuuuuuuuito comentário de feministas

Lorena disse...

Eu tenho opiniões meio ambíguas quanto ao serviço militar, apesar de reconhecer a importância de profissionais como médicos e engenheiros no exército e sua atuação humanitária. Sou contra, totalmente contra, o alistamento obrigatório masculino, porque como o Marcelo Delfino falou, a carreira militar deveria ser opção de quem tem o perfil para ela. Que não são todos que estão lá.

Justamente porque o alistamento não é obrigatório às mulheres, achei a notícia ótima! Quer dizer que essas três lutaram para estar lá porque queriam estar. E se queriam tanto, e lutaram tanto, merecem conseguir seu lugar na instituição. Que sejam mesmo promovidas a generalas e possam atuar no cargo que desejam. :)

Elisa disse...

Alex, não acho General uma palavra masculina, assim como não acho estudante uma palavra masculina. São palavras neutras, pra mim. E generala ficaria terrível hein? hahah

Anônimo disse...

Nossa! mas que medo a Senhora tem desses mascus ai! disfarça seu medo falando que é fonte de humor ahuahuauhauh,esse assunto deve te tirar o sono.Pior é acusar qualquer um ,que discorde se suas opiniões, de mascus!como já vi aqui.Pode ficar tranquila dona Lola,esses caras são tão perturbados quanto feministas que falam essas coisas aqui:

“Quando uma mulher atinge orgasmo com um homem ela está apenas colaborando com o sistema patriarcal, erotizando sua própria opressão...” Sheila Jeffrys, professora feminista lésbica e ativista política

“Todos os homens são estupradores e é tudo o que eles são. Eles nos estupram com seus olhos, suas leis e seus códigos.” Marilyn French, novelista e feminista americana

“Sexo é a cruz em que as mulheres são crucificadas... sexo só pode ser adequadamente definido como estupro universal.” Hodee Edwards, ‘Estupro define Sexo’

“Numa sociedade patriarcal, toda relação sexual heterossexual é estupro porque as mulheres, como um grupo, não são fortes o suficiente para consentir.” Catherine MacKinnon in "Professing Feminism: Cautionary Tales from the Strange World of Women's Studies, p. 129"

“Compare os relatos de vítimas de estupro com o de relatos de sexo das mulheres. Eles se parecem muito....A maior distinção entre coito (normal) e estupro (anormal) é que o normal acontece tão freqüentemente que alguém não pode fazer os outros enxergarem que há algo de errado nisso.” Catherine MacKinnon, citada no livro de Christina Hoff Sommers, "Hard-Line Feminists Guilty of Ms.-Representation," Wall Street Journal, November 7, 1991.

“Eu acredito que estupro exista a qualquer hora que a relação sexual ocorra quando este não foi iniciado pela mulher, por sua própria e genuína afeição e desejo”. De Robin Morgan, "Teoria e prática: Pornografia e Estupro" em "Indo muito longe" 1974.

“Coito heterosexual é a pura, formalizada expressão de desprezo pelo corpo das mulheres” Andrea Dworkin, feminista americana famosa por sua oposição a pornografia.

“O fato é que o processo de matar – ambos estupro e assalto doméstico são passos neste processo – é o ato sexual primário dos homens na realidade e/ou na imaginação.” Andrea Dworkin, Letters from a War Zone, p. 22..

“A descoberta dos homens que sua genitália poderia servir como arma pra gerar medo deve ser classificada como uma das descobertas mais importantes dos tempos pré-históricos, junto com o uso do fogo e o primeiro rudimentar machado de pedra.” Susan Brownmiller, Against Our Will: Men, Women, and Rape, p. 5.

“Nossa cultura retrata sexo como estupro para que homens e mulheres se tornem mais interessados nisso”. Naomi Wolf, The Beauty Myth, p. 138.

“Feministas há muito tempo criticaram casamento como um lugar de opressão, perigo e escravidão pras mulheres” Barbara Findlen, "É o casamento a resposta? Ms Magazine, Maio - Junho, 1995.

O cuidado das crianças... é infinitamente melhor deixado aos melhores profissionais de ambos os sexos que escolheram isso como vocação... [Isto] iria enfraquecer a estrutura familiar enquanto contribuiria para a liberação das mulheres. “Kate Miller, Sexual Politics 178-179

“Casamento como uma instituição desenvolveu-se do estupro como uma prática. Estupro, originalmente definido como abdução, tornou-se casamento por captura. Casamento significava que a tomada seria extendida em tempo [...]. Apenas quando a masculinidade estiver morta – e ela perecerá quando a feminilidade devastada não mais a sustentar” Andrea Dworkin

“Uma das razões que as mulheres são mantidas em um estado econômica de degradação – porque é assim que estão a maioria das mulheres – é porque isso é a melhor forma de manter as mulheres sexualmente disponíveis.” Andrea Dworkin, "Letters from a War Zone, p. 145."

“Homens que são acusados injustamente de estupro podem às vezes ganhar com a experiência” Catherine Comins, Universidade Vassar assistente de reitor da Student Life in Time, Junho 3, 1991, p. 52..

Sara disse...

Anônimo das 11.19, ha uma grande diferença entre feministas e masculinistas imbecis como vcs, pra começar essas autoras de frases que vc cita, não são adoradas como deusas ou gurus por nós feministas, muito pelo contrário são raras as feministas que endossam esses tipos de comentários, enquanto que vcs mascus veneram com todo fervor quase religioso esse lixo humano do Nessahan Alita, e encaram os ensinamentos desse pulha como textos sagrados.

LisAnaHD disse...

OFF Topic já que temos post novo e pra essa aqui as leitoras do blog não deram a atenção que o POST MERECE. Vou falar do filme pq lida com estupro e tem comment aqui falando sobre estupro.

"Touched by Evil", retrata Jerry Braskin, que pegou prisão pérpetua por roubo e estupro. O filme é de 1997. O cara tem por hábito estuprar e roubar a casa da muher-vítima. Até que, após estuprar uma mulher, começa a namorá-la, propondo casamento. Enqto a polícia está investigando o caso, o namorado se faz protetor da vítima, sua namorada. Porém ela começa a ter suspeita de que ele seja o estuprador e isso dá-lhe por vezes um profundo sentimento de culpa, pois Jerry é simplesmente o mais encantador homem que ela já viu... até que fica descoberto que Jerry é o Jerry tocado pelo mal. Paula Abdul é a protagonista do filme... nada de vulgaridade, nada dela cantar e dançar.

Se alguém se interessar pelo filme, repare bem como é o interior da casa dela, qdo a namorada entra lá pela primeira vez, checando tintin por tintintin... reparem no contraste do exterior do prédio com o interior do apto. E assim é personalidade do cara.

Touched by Evil, 1997
Paula Abdul, Adrian Pasdar
não tenho certeza, mas me parece que o filme está no YouTube.

LisAnaHD disse...

digo, interior da casa DELE (e não dela, como eu escrevi)

Anônimo disse...

lola, vou aproveitar que esse topico teve menos comentarios e mandar um off topic (detesto qd os comentaristas fazem isso no meio de um debate, mas esse topico aqui ja estava mortinho mesmo)

olha que absurdo esses tratamentos esteticos. tipo POR QUE alguem de 70 anos iria gastar horrores e passar por procedimentos doloridos só pra aparentar... 60 anos?

e pq uma mulher jovem (30) iria querer aparentar 20? meu deus

http://vejario.abril.com.br/edicao-da-semana/como-rejuvenescer-dez-anos-678369.shtml

(pode pular o blablabla e ir direto lá pro fim, onde mostram os preços)

Yuri disse...

Anônimo das 11:19
Aconselho você a LER pelo menos um livro inteiro de alguma dessas autoras, ao invés de copiar e colar frases descontextualizadas de algum fórum idiota na internet. Talvez aí você desenvolva um senso crítico e possa falar com propriedade das coisas.
Até lá, porque você não toma uma bela xícara de calaaporradasuaboca?

carolinapaiva disse...

Anônimo 11:19

Fora que muitas dessas citações são tiradas de seu contexto original, onde criticam o modo como o sexo é visto e praticado. Não se diz que todos os homens são estupradores, mas que o sexo é visto culturalmente como a dominação do homem sobre a mulher. É só reparar a linguagem: o homem "come", "traça"; enquanto a mulher "libera", "dá".
É essa visão distorcida do sexo que se critica, inclusive com essas frases de efeito que você citou.
O prazer e a vontade da mulher são menosprezados. A mulher que deseja o sexo é, muitas vezes, criticada e vista como uma mulher de menor valor.

sex pistol disse...

1-Li livros da Andreia Dworkin e da Linda Gordon, e o teor é esse, misândrico, um "revanchismo de gênero rastaquera"

2-As frases "de efeito" não estão fora de contexto; o contexto é esse mesmo, a saber: misândria;

3-Várias outras intelectuais feministas já tocaram na questão da visão patriarcal do sexo, com mais propriedade e sem apelar para essa ideologia misândrica, que está longe de ser feminismo, mas que infelizmente há quorum.

carolinapaiva disse...

sex pistol

A questão é: em blogs e sites feministas do Brasil e do mundo, o que está em pauta? A misandria ou a crítica como o sexo é visto na cultura machista?
É isso que eu aponto. É bem mais fácil criticar uma imagem das feministas criada pela mídia, a de mulheres "feias" e gritonas, masculinizadas e que odeiam os homens.
Essas autoras trouxeram debates importantes, questionamento importantes, e é esse o nosso foco, não em revanchismo ou ódio a homens.
Entendo a sua preocupação, mas ela não representa perigo real, concreto. Não se vê uma ideologia feminista odiadora de homens EM MASSA por aí. Lembrando que o feminismo é um movimento plural, ou seja, não há só um modo de ser feminista.

sex pistol disse...

Carolina Paiva,

Eu comento idéias, não pessoas.
Passei longe da descrição do estereótipo sobre a aparência dessas intelectuais.Meu pensamento pode ser considerado qualquer coisa, menos ser chamado de raso, cujo argumento é a desqualificação pelo estereótipo.
E não, não trouxeram debates importantes, mas sim, ideologias equivocadas e o principal, ditaram uma agenda para o movimento feminista igualmente equivocada.
Infelizmente, essas intelectuais conseguiram muitos seguidores mundo afora, de tal forma que suas idéias estão entremeladas com o movimento.Já falei em outro post sobre as autoras que considero essenciais para o conhecimento do que é feminismo, e os livros.Vou citar de novo:

-Simone de Beauvoir- "O segundo sexo"

-Julia Kristeva-Semeiotikè

-Susan Faludi- Backlash

Esses três livros, mesmo escrito em épocas diferentes, são considerados marcos na discussão sobre feminismo e o controle patriarcal na sociedade.São livros de referência, onde se encontram muita pesquisa e estudo.
Grande Abraço

Repositório disse...

E ainda hé quem não goste dos EUA... enfim, pelo menos eles são pioneiros em muita coisa que levou à evolução da humanidade.

Anônimo disse...

poxa, agora fica meio desagradável cantar aquele verso da internacional:
'Se a raça vil cheia de galas/ Nos quer a força canibais/ Logo verá que as nossas balas/ São para os nossos generais.'

sex pistol disse...

O que tem a ver feminismo com socialismo? Tá precisando aprender mais sobre pensamento político.Tá brabo aí... e o nível cultural só caindo...

Feminismo não implica em ser comunista e comunista não implica em ser feminista.
Veja o caso por exemplo da URSS, na época, para saber a situação das mulheres. Se que me trolar, faça melhor que isso.Acaba pegando mal para você.

sex pistol disse...

E socialismo não implica em ser comunista.

Anônimo disse...

"calaaporradasuaboca"
Yuri,adorei sua simpatia,educação e elegancia comigo! achei essas frases foram colhidas em um site feminino,questionando essa postura feminista.prefiro não citar a AUTORA do texto.Ja que conhece bem esses livros,e acha essas frases descontextualizadas,de os contextos que as justifiquem,e tirem a misandria contida.desafio a fazer isso.

Anônimo disse...

Sara,obrigado por confirmar minha afirmação de que qualquer um que discorde das opiniões tortas de feministas,são masculinistas." raras as feministas que endossam esses tipos de comentários" há claro! vocês são diferentes,sim errada são só as outras....feminismo e masculinismo é tudo mesma coisa.

Anônimo disse...

não, não é. mulheres ganham menos, mulheres são estupradas, mulheres são reificadas. enquanto houver essas diferenças no modo em que mulheres são tratadas, o feminismo vai existir. nós tentamos identificar os diversos elementos que corroboram esse comportamento machista e/ou violento, pq acreditamos q isso faz a sociedade repensar e mudar de comportamento. não criticamos pessoas, não generalizamos, não condenamos todo um sexo e apenas um sexo.

o masculinismo, em tese, poderia ser válido, se pleiteasse licença paternidade, guarda dos filhos, quebra de estigmas do machismo sobre a masculinidade (ou seja, oq os homens feministas tb querem).

mas oq você vê são homens reclamando da vida sexual insatisfatória pq meninas não querem sair com eles (pq será, né? eles vivem a dizer que mulheres não pensam, são inferiores, são mero acessório ao homem. claro que mulher nenhuma que tenha um pingo de autoestima vai querer).

acho super válido que homens discutam suas emoções e até mesmo aprendam a - como eles dizem - se defender (?) emocionalmente de mulheres que não correspondem às suas expectativas.

oq não tem cabimento é: procurarem mulheres que se encaixem no entendimento deles do que é uma mulher (ou seja, que o papel da mulher é ser gostosa, burra e interesseira) e quando estas mulheres se comportam exatamente como eles esperam, ficarem se queixando.

nós, seres humanos, somos livres, independentes, não precisamos ficar com alguém que não nos agrada. arrumar uma parceira não é solução para os problemas de ninguém, esses caras têm que aprender a lidar com os próprios sentimentos sozinhos, não é papel da eventual namorada dar sentido a vida deles.
ela é um ser humano completo, como eles, com defeitos e virtudes que devem ser conhecidos e superados.
se eles não querem ter o trabalho de conhecer a parceira, esperando que ela seja uma embalagem linda e vazia de conteúdo, não é nenhuma surpresa que haverá decepções e incompatibilidades.

Yuri disse...

Ai, Jisuis, eu mereço isso por responder a anônimos na internet.
OK, meu querido, aí vai: Mais da metade dessas frases, na verdade a maioria, são de feministas da segunda onda, que ainda não analisavam o discurso de gênero mais profundamente como fazemos hoje, em autoras como Eve Sedgwick, Judith Butler e Beatriz Preciado. Ainda há, nessas feministas da segunda onda, uma visão essencialista do gênero, o que é natural, já que naquele contexto histórico ainda não haviam sido definidos o que podemos chamar de "discursos de gênero" separado do contexto puramente biológico como é feito hoje em dia.
Sheila Jeffreys, Catharine Mackinnon e Gail Dines, por exemplo, continuam hoje em dia com um discurso que parou nos anos 70. Um discurso que, embora acerte em alguns pontos, é raso e generalizante. E elas já foram criticadas dentro do próprio feminismo por figuras como Gayle Rubin, Linda Williams, Annie Sprinkle e Judith Butler como utilização de privilégio de mulheres brancas de classe média para se apropriar e colonizar o discurso de outras mulheres menos privilegiadas. Como exemplo, procure o que Judith Butler fala da posição de Catharine Mackinnon no caso da Bósnia no Tribunal Internacional.
Mas algumas das frases que você colocou não precisam nem buscar o contexto para explicar melhor, por exemplo:

“Nossa cultura retrata sexo como estupro para que homens e mulheres se tornem mais interessados nisso”. Naomi Wolf, The Beauty Myth, p. 138.
Sim, boa parte da nossa cultura retrata o sexo como violência e o glorifica. Isso não quer dizer que TODO sexo é estupro, mas que a representação cultural leva a isso. Note que ela não coloca o gênero do estupro. Tanto homens quanto mulheres podem ser estuprados e estupradores. Ah, homens não podem ser estuprados porque desejam sexo o tempo todo? Isso é um pensamento misândrico seu. Homens podem e são estuprados diariamente, mas, devido a pressão cultural de ser visto como "menos" homem por não desejar sexo o tempo todo, isso é raramente denunciado. Algo parecido com a ausência de denúncia de estupro por parte das mulheres para não serem vistas como "vagabundas".

“Uma das razões que as mulheres são mantidas em um estado econômica de degradação – porque é assim que estão a maioria das mulheres – é porque isso é a melhor forma de manter as mulheres sexualmente disponíveis.” Andrea Dworkin, "Letters from a War Zone, p. 145."

Sim, isso é um dado histórico. Leia um pouquinho de antropologia e compreenda que as mulheres sempre foram vistas como moeda de troca, como propriedade (o que não é surpreendente, dado que pessoas de qualquer sexo de outra raça podiam ser propriedade há 500 anos atrás). Mulheres não podiam ter poder nenhum, como votar, possuir propriedade, participar de tomadas de decisão políticas, etc. (imigrantes e negros também não) pois elas não eram vistas socialmente como sujeitos. Isso não é culpa dos homens como sexo, é culpa de um sistema falocêntrico e violento que subjuga através da força aqueles que não podem se levantar contra ele e os transforma em posse dos mais fortes. Como você deixa as pessoas incapazes de reagir? Através de manipulação econômica, principalmente. E sim, homens brancos estão, estatisticamente, entre o maior número de opressores.

Agora eu não vou explicar cada porra de frase, né? Você só se deu ao trabalho do ctrl-c+ctrl-v, não sou eu que vou escrever uma tese sobre isso.
E sim, algumas das frases são misândricas, principalmente porque na época em que foram escritas não se diferenciava o DISCURSO patricarcal do sexo biológico masculino. Hoje em dia, muit@s feministas pensam diferente.

E eu não sou "simpático, educado e elegante" com quem se esconde atrás do anonimato na internet para discutir idéias em um blog. Não gostou? Foda-se.

sex pistol disse...

Yuri,
baixa a bola rambo dos teclados.
Até porque yuri pode ser também um pseudônimo.Ninguém tá te xingando e se não quiser discutir, passa ao largo. Palavrões não ganham discussões. Essa babaquice só depõe contra você, que ganha a pecha de otário.
O contexto é misândrico sim, é um de um "revanchismo rastaquera" e ninguém aqui, se você leu os comentários com os olhos, ao invés de com o fígado constesta o uso do sexo como instrumento de poder.Você está querendo usar de má fé intelectual inferindo coisas que não foram mencionadas nos comentários, citar essas autoras aqui nesse debate, que aqui está fora de contexto, porque o que está sendo discutido nesse debate é a ideologia misândrica de algumas intelectuais feministas e como isso se reflete no movimento feminista. Eu citei autoras no meu comntário, como referência para o conhecimento do que é feminismo.
Você está fora de esquadro cara, e passou longe do ponto da discussão.Isso que dá ser radical, você que impor o seu viés, a qualquer custo, e se não consegue tenta xingar os outros e tentar intimidar intelectualmente outros citando autoras, que aqui, estão fora de contexto.
Seu radicalismo fez um ctr-c+ctr-v na sua cabeça.

sex pistol disse...

E não separar o discurso patriarcal do sexo biológico masculino, foi de uma grande cagada e irresposabilidade, sendo que ainda hoje, este tipo de viés ainda tem bastante influência e quorum.
E muitas pessoas passam a conhecer o feminismo através da divulgação dessas idéias, sendo que não há quem faça um ato de contestação destas e caras radicais como você nada falem e ainda endossam.
É disso que trata todos os comentários feitos por mim.

sex pistol disse...

É incrível, mas para cada comentarista alto nível como a Cora, o Herói do Ócio, Carol M e Carolinapaiva, aparece 10 bizarros que só sabem agredir, tentar fazer inferências intelectuais nonsense e/ou fora de contexto, ou ganhar o debate no tapetão.

lola aronovich disse...

Sex Pistol, vc tá falando sério? O Yuri faz um comentário elaborado, inteligente, embasado, cheio de referências, e vc o chama de rambo dos teclados? Note como vc respondeu ao comentário dele. Aliás, quase deletei seu comentário absurdo de rambo dos teclados. Dá um tempo, Sex. Acalme-se. Seus comentários andam muito bélicos, e não só contra o Yuri, mas contra qualquer um.


Yuri, excelente comentário. Nem sabia que vc estava respondendo ao Sex. Pensei que sua resposta fosse aos mascus, que adoram tirar do contexto frases de feministas para "provar" como somos misândricas.

Anônimo disse...

'E eu não sou "simpático, educado e elegante" com quem se esconde atrás do anonimato na internet' uahuahuahuahua, parece que você deu bastante importancia para um mero anonimo de internet huahuahuauah
Não precisa se dar ao trabalho,ja tenho minha opinião, e esse papo de que 'são as feministas de outra geração,hoje não é assim' e conversa fiada.e se eu me escondo atras do anonimato,esta se escondendo atras de um monte de referencias,que provavelmente vou demorar para analisar.mas gostei muito de lembrar que elas foram criticadas por feministas.isso mostra o quanto fragmentado ebagunçado é este "movimento". tudo bem se não consegue ser educado comigo,não vou cobrar o que não tem.eu consigo ser com você.

yulia disse...

nos EUA, pela primeira vez, uma entidade de direitos humanos qualificou os mascus americanos (lá chamados de MRAs, ou Men's Rights Activists) como eles realmente são: grupos de ódio.
__________________
essa é uma das melhores noticias dos ultimos tempos!!!!!

Anônimo disse...

que bom yulia,agora só falta as feministas.

sex pistol disse...

Lola,
respondi apenas com o teor dele.
Ele mandou "calar a porra da boca" nas palavras dele e mandou " se fuder", também nas palavras dele.
e que não ia explicar " cada porra de frase".Isso não é ser agressivo e querer calar a boca de quem não concorda com ele na marra.
E sim, ele citou escritoras, inclusive importantes da segunda onda, mas não tinha nada que ver com o contexto do que estava sendo discutido; ele, como não conseguiu intimidar pelo xingamento, tentou calar o debate, fugindo do foco e chamando indiretamente quem não concorda com ele de desinformado ou imbecil.Ele poderia ter debatido sem ter xingado e sem ter forçado a barra. Beijo bem grande.

Yuri disse...

Sex pistol, o comentário nem era contigo, velho. Eu estava sendo grosso com o anônimo que cometeu a desonestidade intelectual de copiar e colar frases descontextualizadas.
E sim, concordo com você em parte. Andrea Dworkin tinha problemas psíquicos, provavelmente pelos traumas que ela passou (as acusações falsas de estupro que ela fez no fim da vida atestam para isso), Catharine Mackinnon coloniza o discurso de outras mulheres menos favorecidas, etc, etc. Sim, o discurso feminista da segunda onda tem toques de misandria, é classista e cometeu uma cagada. Mas, considerando que o ponto de vista feminino NUNCA foi considerado válido dentro da academia, era normal que o backlash inicial fosse violento. E tem questões nessas autoras que, embora mal colocadas, fazem sentido. Mas essa discussão fica para outra hora.
Mas discordo de você quando você diz que não há uma crítica dentro do feminismo a essas posições. Felizmente há. Autoras como Donna Haraway, Judith Butler, Gayle Rubin, Linda Williams, entre outras, fazem uma ótima crítica a essa posição castradora de certa parte do feminismo.
Cara, se eu fosse tomar o movimento de direitos masculinos pelos mascus que têm no Brasil, eu nunca teria lido o http://noseriouslywhatabouttehmenz.wordpress.com/ , que é um blog que apoia trans, bis, héteros, etc. E que analisa desigualdade entre gêneros, classes sociais, etc. sem revanchismo bobo. Você já tinha ouvido falar de masculinistas que defendem a livre expressão sexual de todos, direitos de transexuais, criticam o mito do sucesso masculino (análogo ao mito da beleza feminino) e dizem que "misoginia reflete a misandria (e vice versa)"?
Então esse argumento que "muitas pessoas passam a conhecer o feminismo através dessas idéias" é fraco. Tem doido em todo canto. O feminismo não é algo monolítico. Ainda bem.
E com você eu sou educado. Pelo menos você se dá ao trabalho de escrever um nome.

sex pistol disse...

Pô, Yuri... rsrsrsrs

Foi mal aí, pensei que era comigo,peço que da próxima vez se refira ao " ser" diretamente.Foi mal, mesmo cara, mas não sei se você tem reparado na quantidade de trolls que aqui chegam que querem argumentar de má fé, xingar outros comentaristas e tumultuar o blog.Alguns nem são trolls, mas ficam querendo dar indiretas, desqualificar crassamente outros comentaristas que não pensam que nem ele.Enfim, isso é bastante cansativo e enchedor de saco.Mas, vejo que não é o seu caso e que você quer fazer um debate legal e trazer conhecimento, de verdade.Grande Abraço, Cara.

sex pistol disse...

E Yuri,

Quando digo "que não há pessoas que contestem tais idéias" estou falando das lideranças ativistas, sendo que algumas foram influenciadas por essas intelectuais.Devia ter explicitado melhor.
E infelizmente, Yuri, é isso: muitas lideranças políticas, foram influenciadas por essas intelectuais, alguns foram alunos diretamente destas.
Mas concordo que, devemos ter um olhar clínico ao discutir feminismo com o jogo político, e que somente com ativismo, vamos conseguir a verdadeira igualdade.
Sobre esses "mascus" que invadem o blog, pfffff... discutir qualquer coisa sobre eles é perda de tempo.
Só o que posso dizer é que é um nonsense coletivo, no mínimo.Abraço.

yulia disse...

que bom yulia,agora só falta as feministas.
-----------

o feminismo jamais pregou ódio e morte aos homens, e antes que vc cite solanas eu já cito por vc, ela nunca foi nada para o feminismo, absolutamente nada. jamais essa mulher foi levada a sério no movimento, portanto nem adianta usa-la como argumento.

ademais, o mascumachismo veio bem depois do feminismo, portanto, se o feminismo nunca foi classificado assim, que dirá agora....
sorry!

Yuri disse...

Gente, o S.C.U.M. Manifesto é um texto satírico genial. Não sei por que esse povo fala tão mal da Solanas. Sim, a mulher tinha surtos psicóticos, mas isso é outra história.
É como o ensaio de Swift sobre a fome na Irlanda, que termina dizendo que as crianças, como bocas inúteis a serem alimentadas, devem ser usadas como comida para porcos. Não é para ser levado a sério. É humor negro, caramba.
Esses mascus que falam da Valerie Solanas LERAM o texto, em nome de Deus? Porque, sabe como é né, estamos na era do copiar/colar.
Se você interpretar o texto como um todo, você enxerga a subversão de paradigmas patriarcais que foram aceitos por muito tempo, como dizer que as mulheres são incapazes de ser racionais, são histéricas, têm "inveja do pênis" (ô meu querido Freud), etc, etc. Ela só faz trocar o "mulher" por "homem". Simples. E isso é uma subversão tão violenta no plano simbólico que muitos homens ficam assustados.
Eu acho Solanas engraçada.

comixzone disse...

"feminismo nunca foi classificado assim, que dirá agora....
sorry!" auauhauhuha,claro,por isso só 31% das mulheres são feministas,como li aqui.

comixzone disse...

pronto Yuri,agora me ataque usando outro pretexto pois não estou anonimo,só não entrei antes porque estava com preguiça de logar.

comixzone disse...

"Gente, o S.C.U.M. Manifesto é um texto satírico genial."
hA É? então troca a palavra homem por negro ou judeu e vai ver se tem graça! vai é tomar um merecido processo. Se eu ler S.C.U.M. e trocar a palavra homem por mulher,não vou achar engraçado,vou repudiar da mesma forma que repudio o original.Mas é claro Solanas é da 426785413670º geração de feminismo,hoje são diferentes....

Yuri disse...

Comixzone, não é necessário procurar textos satíricos que digam que negros ou mulheres são inferiores, por exemplo. Temos muitos textos científicos "sérios" do século XVIII e XIX falando isso. A graça está em fazer algo que nunca tinha sido feito antes, ou seja, colocar o homem em uma posição de "acidente biológico", o que até agora só tinha sido feito com mulheres (como a "inveja do pênis).
Se você não entende ou não gosta de hipérbole, tudo bem.
Eu me divirto, assim como me divirto com o Programa da Amanda, South Park, Drawn Together, C.K. Lewis, entre outras coisas.
E, realmente, a Solanas nunca foi muito representativa do feminismo, ninguém dava muita bola pra ela. Tanto que ela pirou e atirou no Warhol.

yulia disse...

claro,por isso só 31% das mulheres são feministas,como li aqui.
_________

como diria o chaves...''ai que burro dá zero pra ele''
isso não tem nada a ver , deixa de fala baboseira!

a classificação não é por causa da quantidade de adeptos e sim pelo seu conteúdo pelo que ele prega! e o masculixo prega odio a mulher, ao gay, é racista...etc.

outra 31% de mulher que se assume feminista é uma estatistica brasileira e não mundial.... se informa melhor antes de defecar pelo teclado.

LisAnaHD disse...

LoLa, dias desses, qdo eu estiver disposta, vou preparar um Guest Post sobre grandes cientistas e intelectuais da raza negra e tb exemplos de mulheres das varias partes do mundo que foram pioneiras nas mais diversas areas pratica e academica. Ha muita gente preconceituosa passando por aqui e vomitando ignorancia achando que estah mostrando conhecimento.

Jose disse...

Tenho algumas questões para você, Lola:

Por que as feministas tentam separar o feminismo do "femismo" e insistem em afirmar que machismo e masculinismo são a mesma coisa?

Por que os homens não têm o direito de se organizarem para exigirem seus direitos?

Explique-me de que forma iremos alcançar a igualdade entre os sexos em um âmbito em que só um das partes tem voz, e a outra é ridicularizada.

yulia disse...

Por que os homens não têm o direito de se organizarem para exigirem seus direitos?
____________

nunca vi um mascu na rua pra exigir direitos ( que porra direitos são esses???affff)
ninguém ta segurando vcs não...vcs é que tem vergonha de mostrar a cara.
ao invés de ficar chorando no computador, vc tem toda uma rua pra gritar.... ta esperando o que?

Anônimo disse...

jose, os homens podem reivindicar direitos. desde que nao seja oprimindo os direitos das mulheres. voces, masculinistas, têm basicamente duas causas justas: 1) aposentadoria e 2)licença paternidade/guarda dos filhos

o item 2 é pauta feminista. e o item 1 é consequência da dupla jornada. façam sua parte, que a tendência é essa lei ser modificada.

yulia disse...

: 1) aposentadoria
__________

quando houver equiparação salarial , ou seja se mulher passar a ganhar igual ao homem pelo mesmo serviço e mesma carga horária.
aí sim.

Anônimo disse...

yulia,por favor,mostre a estatistica mundial para a porcentagem de adeptos do feminismo.Os dados que falei,sobre 31%são do post que li aqui,o valor norte americano é próximo,senão igual
sobre a questão salarial,esta na lei trabalhista que,com o mesmo cargo o salario tem que ser o mesmo,independente de ser homem ou mulher.caso você conheça alguma empresa que faça essa diferenciação,pode denunciar para o ministério do trabalho porque é crime!.você falou isso tudo e ainda acusa os outros de "defecar pelo teclado",da próxima vez tenha mas informação do que frases de efeito,isso é muito infantil e desnecessário pois não faltei com a educação com você.ser grossa não vai de dar a razão.

Yuri disse...

Ei, existem pautas de direitos dos homens sim, viu povo? E especialmente aquelas alinhadas às pautas feministas.
Alguns exemplos:
1. Abolição do serviço militar obrigatório.
2. Homens recebendo penas mais longas que mulheres pelo mesmo tipo de crimes.
3. Lutar para eliminar culturalmente mito do sucesso (equivalente ao mito da beleza feminino) que diz que sua masculinidade está diretamente ligada ao seu trabalho e sua capacidade de produção.
4. Igualdade no mercado de trabalho. Assim como mulheres são discriminadas em profissões como engenharia, no exército, etc. homens são discriminados em profissões tipicamente femininas, como professor de primário e ensino infantil, auxiliar de enfermagem, massoterapia, etc.
5. Licença paternidade e igualdade de critérios para a decisão da guarda dos filhos, como já foi dito aqui.

Tem também a liberdade de se vestir como quiser e não ter a sua orientação sexual definida por isso, algo análogo à questão feminista "eu me visto como quiser e isso não é um convite para você passar a mão em mim, me chamar de gostosa etc."

Misoginia reflete misandria.

yulia disse...

o que não falta no Brasil
são leis letras mortas que não
são cumpridas e o salário é uma delas


existem fartos dados estatísticos
que comprovam isso, inclusive estava em discussão
no congresso recentemente multar empresas que pagam salários
menores para mulheres que fazem o mesmo serviço
no mesmo horário que os homens.

portanto, não adianta vir com a velha falácia de que
na constituição está escrito bla bla bla...
porque ela NÃO É CUMPRIDA
DE FATO! E todo mundo sabe disso. se não a punição
das empresas não estava em discussão

yulia disse...

yulia,por favor,mostre a estatistica mundial para a porcentagem de adeptos do feminismo.
__________

e pra que vc quer esses dados?
se é por conta do masculinismo ser classificado como grupo de ódio, esqueça, não tem absolutamente NADA a ver com quantidade e sim com a mensagem , O CONTEÚDO, o que ele prega! só e mais nada.
Foi por isso que eles foram classificados , por causa das mensagens! Não importa se é um ou um milhão.

yulia disse...

O senador Anibal Diniz (PT-AC) manifestou, nesta segunda-feira (12), apoio ao projeto de lei que prevê multa para empresas que pagam às mulheres salários menores do que os pagos aos homens que exercem a mesma função (PLC 130/2011). A proposta, aprovada terminativamente na semana passada pela Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), recebeu recurso de nove senadores para que seja novamente apreciada em Plenário.

Na avaliação de Anibal Diniz, o projeto trata de um tema fundamental, visando eliminar desigualdade inaceitável existente no mercado de trabalho. Segundo ele, sua aprovação representa uma conquista há muito tempo esperada não apenas pelas trabalhadoras, mas também por todos aqueles que estão comprometidos com o princípio de igualdade entre homens e mulheres.

http://pndt.jusbrasil.com.br/noticias/3050944/anibal-diniz-defende-multa-para-empresas-que-pagam-salarios-menores-para-mulheres

yulia disse...

http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/search?updated-max=2012-03-10T10:41:00-03:00&max-results=20&start=7&by-date=false

os 31% são de feministas APENAS no Brasil, não tenho estatística mundial. está ai no link de cima.
enfim, mas disse e repito QUANTIDADE não tem nada a ver nada ao grupo ser ou não classificado como grupo de ódio, com o perdão da expressão é ridiculo, não existe nenhuma correlação entre quantidade de adeptos e essa classificação. como já disse a classificação é por conta de sua mensagem, de homofobia, racismo , misoginia , apologia a morte e violencia contra mulher.

Anônimo disse...

"Ei, existem pautas de direitos dos homens sim, viu povo" de onde voccê tirou isso? quais grupos feministas fizeram essas pautas,de forma oficial?. "se é por conta do masculinismo ser classificado como grupo de ódio, esqueça"
ninguem falou em masculinismo,só você criança! deve ser muito jovem,e com varias questões existenciais...por isso vou ignorar esse seu modo desajeitado de argumentar,desejo melhoras.

yulia disse...

ficou sem argumentos anonimo?
resolveu apelar? questões existenciais...kkkk
foi exatamente por causa da classificação do masculinismo que essa conversa começou.
eu estou falando do masculinismo, mas olha para os seu post anterior , vc que começou a querer comparar masculinismo com o feminismo sugerindo que este deveria também ser classificado como grupo de ódio depois que eu comemorei o fato do primeiro ter sido classificado.
agora quer fingir que não falou? ok , vc falou uma tremenda baboseira e deve estar arrependido por isso mas... mas antes de bancar o surtado com memória seletiva, apague o que escreveu é simples.

yulia disse...

yulia disse...
nos EUA, pela primeira vez, uma entidade de direitos humanos qualificou os mascus americanos (lá chamados de MRAs, ou Men's Rights Activists) como eles realmente são: grupos de ódio.
__________________
essa é uma das melhores noticias dos ultimos tempos!!!!!

17 de março de 2012 02:17


Anônimo disse...
que bom yulia,agora só falta as feministas.

17 de março de 2012 02:22

+++++++++++++++++++++++++++++++

remember anonimo???
lembrou?
tome fosfosol da próxima vez !
heheheheh

Anônimo disse...

'uma entidade de direitos humanos... '

O que não significa absolutamente nada.Qualquer um pode falar a besteira que quiser e se dizer 'entidade de direitos humanos'

comixzone disse...

argumentos eu tenho criança,mas não vou ficar mais discutindo com alguém falando isso:"defecar pelo teclado" <---e eu quem estou apelando?

" pra que vc quer esses dados?
se é por conta do masculinismo ser classificado como grupo de ódio." perguntei apenas a porcentagem,não falei nada de masculinismo,não sou masculinista só porque discordo em vários pontos levantados,queria apenas esta informação,pois suponho que saiba muito bem do assunto,baseado na segurança em que apontou dados.
"sugerindo que este deveria também ser classificado como grupo de ódio depois que eu comemorei o fato do primeiro ter sido classificado."
olha quanto ódio a senhorita descarregou em mim! agradeço a referencia sobre o projeto de lei,proposto para a igualdade salarial.

yulia disse...

O que não significa absolutamente nada.Qualquer um pode falar a besteira que quiser e se dizer 'entidade de direitos humanos'
___________

hauehuhauhuahueh

ta bom vai filho.....
só faltou dizer que a noticia foi plantada.

yulia disse...

''levantados,queria apenas esta informação,pois suponho que saiba muito bem do assunto,baseado na segurança em que apontou dados.'''

cara, isso está aqui no próprio blog da lola, é só dar uma lida... já postei o link acima


''olha quanto ódio a senhorita descarregou em mim! agradeço a referencia sobre o projeto de lei,proposto para a igualdade salarial.''

a única coisa que descarreguei em vc foi argumentos.
no mais, não quero que vc morra, não quero que vc seja estuprado, nem violentado, espancado,não considero vcs lixos humanos,não sou racista, não quero ser superior a vcs...etc... portanto, não posso ser classificada como odiosa...certo?
param quem se diz não masculinista, vc demonstra muito preocupado com o fato deles terem sido classificados como tal.
enfim

leon1574 disse...

legal essa parada, mas, praquelas que lutam pra que as mulheres tenham acesso a todos os postos, que tal ter OBRIGAÇÃO de se alistar (e acordar 4 damanhã pra chegar no quartel, perder dias por isso, ter que ficar pelada lá na frente de fulanos que tu nunca viu na vida), etc etc etc...

Daniel Zanini disse...

Senhores e senhoras,

É com grata satisfação que vejo mulheres nas Forças Armadas. Só não entendo as críticas, nos comentários, sobre a hierarquia e a disciplina. Estes aspectos é que proporcionam a um exército o Poder de Combate necessário em operações militares.

Nestas Operações se deve saber sempre quem comanda e quem executa (Imagina se todos pudessem dar ordens. Nunca se iria atingir um objetivo, pois cada um iria achar que o objetivo que ele imaginou é melhor de se conquistar que o determinado por outro).

Quando se critica uma instituição (neste caso a estrutura hierárquica ou a disciplina) deve-se fazer uma pesquisa para se entender o seu funcionamento. Quem critica o que não conhece está, no mínimo, sendo leviano.

Os militares (homens e mulheres) se dedicam muito a estudar sua organização e as características de seu emprego para melhor desempenhar as funções que a Constituição Federal estabelece para as Forças Armadas. Portanto, não cabe se falar em discriminação dentro de uma carreira que possui como pilares a disciplina e a hierarquia. Progride na carreira quem possui mais méritos e isto ficará claro em breve, quando a primeira turma de mulheres que entrarão na AMAN, em 2018, se formar.