segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

PORNÓGRAFA FEMINISTA EXPLICA SUA ARTE

5a Premiação da Pornografia Feminista, em Toronto

Nunca vi muita pornografia e o pouco que vi eu não gostei. Não gosto do caráter misógino que constitui boa parte da indústria pornô mainstream, e detesto que seja justamente através desse material que a maioria dos meninos "aprenda" sobre sexo. Mas talvez o que mais me incomode mesmo é o caráter industrial, capitalista, de um negócio que tem muito mais a ver com dinheiro que com sexo. É uma longa discussão. Li alguns livros e artigos de pessoas que escrevem contra a pornografia, como Gail Dines, Robert Jensen e Pamela Paul, e faz meses que quero redigir alguns posts baseados no que li, mas nunca encontro tempo. Por enquanto, achei um site (em inglês) que, à primeira vista, reflete as minhas visões sobre porn. Obviamente, não me oponho à indústria pornô por crenças religiosas (que não tenho) ou moralistas (aliás, chamar de moralista quem não curte porn é parecido com dizer que ateu não tem valores morais. Valores e ética não são exclusividade de qualquer religião, assim como sexo está longe de ser exclusividade da indústria pornô. É plenamente possível adorar sexo e defender a liberdade sexual e ainda assim ser contra a comercialização do sexo). Sou contra a censura; ou seja, não quero que a pornografia seja banida. Mas quero que, como deveríamos fazer em todas as outras comodidades culturais que desfrutamos (filmes, livros, músicas etc), as pessoas reflitam também sobre a pornografia que consomem.
Toda vez que começo a redigir essas mal-traçadas, alguém me pergunta sobre Erika Lust, famosa pornógrafa feminista nascida na Suécia e hoje vivendo na Espanha. Pois é, nunca vi nenhum de seus filmes -- feitos para excitar principalmente mulheres --, mas concordo com os clichês que ela aponta como banais na indústria de sempre (traduzidos pro português num post das Blogueiras Feministas). Erika inclusive tem um livro chamado Good Porn: A Woman's Guide. O título já sugere que existe uma pornografia não muito boa. E há outras diretoras que fazem pornografia pra mulheres.
Esses dias, li um post interessante da pornógrafa Tristan Taormino explicando o que é pornografia feminista. É longo, mas vale a pena a leitura. Traduzi algumas partes:

Quero criar pornografia que não rebaixe mulheres ou homens. Trabalho conscientemente para criar imagens que contradizem (e com sorte problematizem) outra pornografia que representa homens e mulheres como objetos unidimensionais em que os homens são robôs sexuais e as mulheres são veículos para seu prazer. A pornografia feminista é uma que empodera espectador@s, tanto mulheres quanto homens: lhes dá informação e ideias sobre sexo. Inspira fantasias e aventuras. Valida espectador@s quando se veem a el@s mesmos ou parte da sua sexualidade representada. Ela se contrapõe às outras mensagens que recebemos da sociedade: que sexo é sujo, vergonhoso, perigoso, assustador, ou que é o domínio dos homens, onde apenas seus desejos e fantasias são concretizados. Apresenta sexo como algo divertido, alegre, seguro, mutual e satisfatório. A pornografia feminista responde às imagens dominantes com imagens alternativas e cria sua própria iconografia. Ela se esforça para representar uma diversidade de identidades e expressões de gênero, orientações sexuais, fantasias, desejos, papéis sexuais e atividades, raças e etnias, tipos de corpo, e minorias historicamente subrepresentadas ou mal representadas. Ela desafia normas culturais de beleza e apelo sexual, heteronormatividade e estereótipos de classe, e a própria definição do que 'sexo' é e o que deveria ser”.

Vale lembrar que, apesar das suas boas intenções, a pornografia feminista ainda é uma gotinha no oceano do universo pornô. Prometo voltar ao assunto da pornografia neste ano que acabou de começar, já que trata-se de um tema que (ainda) divide as feministas.

104 comentários:

Inti fada Comunista disse...

Lola quero indicar um post tbm excelente sobre pornografia que meu companheiro escreveu em seu blog http://devehaveralgumlugar.blogspot.com/2011/12/consideracoes-sobre-pornografia-e-uma.html

Daní Montper disse...

E como divide as feministas!

Eu entendo e concordo com todos os motivos de quem desaprova pornografia, porém, eu gosto de pornografia como material masturbatório - só que algumas coisas, e vejo pouco porque não tenho tempo nem paciência para ficar pesquisando, baixando ou alugando.

Existem coisas no pornô que são imperdoáveis, como glamourizar o estupro, insinuação de pedofilia, e o fato de servirem como material de referência para o sexo - quem está despertando sua sexualidade não deveria ver, pois passa uma ideia equivocada do que é prazer sexual, do que é sexo saudável etc.

A.H.B. disse...

Acho que o maior problema da pornografia, além da misoginia explicíta da indústria, é o fato que transforma sexo em mercadoria.
O espectador pode acreditar na fábula que quiser, que os atores e atrizes estão lá pela "diversão", mas quando você lê a biografia de muitas atrizes e atores e descobre que é uma vida de abuso sexual, doenças, uso de drogas, disfunções e depressão, você percebe que muitos só estão nesse trabalho por causa do dinheiro.
Acredito que uma das maneiras ceria coibir sim a comercialização da sexualidade, mas permitir vídeos amadores sem fim lucrativo.
Não é "censura" querer regular uma indústria que claramente faz muito mal para seus próprios "funcionários".

A.H.B. disse...

*ortografia: "seria"
-
Lola, não pdoemos confundir "censura" com regularização da indústria e desmercadorização das relações humanas.

A.H.B. disse...

Recomendo o livro "Pornography: Men Possessing Women" da Andrea Dworkin (acho que das autoras feministas que mais se opõs à pornografia).

Denise disse...

Fora do assunto, mas é preciso:

http://operamundi.uol.com.br/conteudo/noticias/18901/para+arcebispo+espanhol+mulher+que+aborta+merece+ser+estuprada.shtml

The Oldscholler disse...

Vocês feministas têm cada uma... onde já se viu um cara para bater uma munheca vai "pensar sobre o su consumo" hahahaha...

o Luiz felipe pondé tem razão, há cem anos nós faziamos sexo melhor que hoje, porque hoje tem essa bobagem de se preocupar a forma como fazer sexo politicamente correto...

Compreendam, tem mulheres que adoram ser submissas na cama, mas isso não significa que ela seja submissa na vida....

Vocês falam em a mulher pode separar amor de sexo em relaçãoa a adultério, mas quanto a questão é p prazer feminino vem com essa conversa de submissão... vocês são ridículas.

Paulo disse...

Em uma sociedade que se quer ter mais igualdade e considerar as pessoas como tais e não como objetos, é certo manter uma indústria que transforma pessoas em meros auxílios à masturbação? Talvez os pedreiros que assediam mulheres na rua se confundam, pois é difícil sentir empatia por aquela mulher logo depois de utilizar a mulher na tela para seus próprios fins sexuais. O que dizer sobre @s profissionais que trabalham nessa indústria, que muitas vezes se sujeitam a vender o corpo e fazer aquilo que não aceitariam fazer regularmente para perseguir o sonho de ganhar dinheiro e viver em luxo. Que tipo de pessoa realmente é levada a trabalhar nesta indústria, apesar do propagado mito da Bruna Surfistinha, que classe preponderantemente se sujeita a isso na indústria mundial da pornografia? Eu acho que a atitude liberal não é suficiente, para mim, ter mulheres pornógrafas e mulheres que exploram outras mulheres para lucrar nesta indústria não soluciona o problema mais amplo.

Iara disse...

Lola, hoje vou reclamar .Nem é culpa do meu tradicional humor de ano novo,mas comecei a ler o post muito feliz,já que eu não gosto de pornografia,mas me faltam bases teoricas para pensar mais a respeito e achei que vc ia falar mais! Fiquei decepcionada! Até mesmo porque acho pornografia uma coisa meio estranha, então ainda não consigo nem pensar em pornografia masculina .Sempre tenho a impressão que algumas mulheres acreditam que a evolução e a igualdade começa melhorando as besteiras que o homem faz .Então se o homem desenvolve a pornografia tem mulher achando que ser feminista é aperfeiçoar isso.Não curto muito essa linha de pensamento,mas espero que um dia vc escreva um post bem longo sobre o assunto, bjs.

Laulau disse...

Tenho horror a essa pornografia nojenta e masculina.
Fico com mais horror ainda em saber que muitos homens se educam sexualmente com ela. Acham que ela reflete a realidade e tentam aplica-la no seu dia a dia.
Um exemplo disso é um ex meu que nunca teve muita experiencia sexual de verdade. Antes de me conhecer só transava com prostitutas,pois nenhuma mulher o queria(por que será?).
Eu fui,então,a 1ª namorada com quem fez sexo.
Mas para o meu azar,o cara era(e ainda deve ser)péssimo na cama,não sabia fazer praticamente nada!
Eu com muita paciência tentava mostrar como se faz as coisas e como queria que fizesse em mim. Mas ele nunca aprendia ou não queria saber,pois era extremamente egoísta.Só se preocupava com o seu próprio prazer e gozo.
Pra piorar,sempre queria fazer coisas novas na cama baseados em videos pornos!!!! Vê se pode!
Lógico que as ideias eram horríveis.porém eu dizia sempre pra nunca se basear nesse tipo de pornografia pelos motivos que a gente conhece. Mas ele não ligou,achava que era o rei do sexo(só porque ficava horas e horas assistindo esse lixo).
Obviamente que me cansei e desisti de transar com ele,que por sua vez não entendeu o porque de minha negação,aff!
Poxa,fico pensando quantos bobos há por aí que tentam imitar essas coisas e acham que tão abafando.
Pior: acham que mulher deve ser tratada daquele jeito.

Sara disse...

Tive pouquissimo contato com a pornografia, meus parceiros se viam não era na minha frente, embora eu ja tenho dito que tenho curiosidade, os raros trechos q consegui ver não me estimularam, pq eram cenas concentradas no prazer do homem, quando aparecia alguma mulher sentindo prazer era com outra mulher, e definitivamente isso não me da tesão.
Pra mim é dificil formar uma opinião sobre algo q conheço tão pouco, mas com sinceridade gostaria de conhecer mais.

Eu disse...

Bom, tem também o Prêmio Porn Feminista, patrocinado pela empresa canadense de brinquedos eróticos 'Good for Her', da feminista Chenelle Gallant.

Há três critérios para concorrer ao 'Feminist Porn Award':

1. Deve haver um número substancial de mulheres envolvidas nos bastidores do filme.
2. O filme tem que promover e representar genuíno prazer feminino.
3. O filme tem que expandir o leque de expressão sexual feminino tradicionalmente aceito.

Alguém se habilita?

:))

Thiago Pinheiro disse...

Tema polêmico é sempre bom para debater. Particularmente, tenho uma posição liberal sobre a matéria, o que faço questão de afirmar é a liberdade e dignidade das trabalhadoras do sexo contra os moralistas exaltados. Cultivo a ideia de quem odeia prostitutas ou atrizes são todos pervertidos.
Basta-se o assunto vir à baila e pipocam os salvadores, tanto os religiosos quanto progressistas. Eles e elas não tem pudores em lançar os velhos esteriótipos, logo lhes imputam a qualidade de vitima. Pronto, a pobre criatura não teve uma boa infância, sofreu abuso etc. Deixam a pessoa falar sobre suas escolhas, mostrar-se alguém inteligente capaz de levar sua carreira da forma que deseja? Não! Não, os salvadores tem os ouvidos moucos.
A sociedade burguesa guarda uma ambiguidade tremenda sobre a comercialização do sexo, tendo tornado tudo mercadoria exigem uma folha de parreira. No fundo, revolta-se com a simples possibilidade de que trabalho e prazer possam se unir.
A crítica à industria de entretenimento adulto é salutar, sobretudo se pensarmos o quão poderosas e lucrativas são as suas companhias.
Jamais advogaria qualquer posição anti-pornográfica por que defendo a livre expressão das ideias, mas acho difícil não identificar que todo movimento anti-pornográfico seja em grande medida anti-sexo. É um discurso dos conservadores, mais próprio a direita cristã. Não deveria ganhar adeptos na esquerda!

Eu disse...

A melhor pornografia prá mim são as cenas de sexo não explícito entre pares românticos em filmes normais, como o Roubando Vidas (Taking Lives) com a Angelina Jolie. Quatro Casamentos e um Funeral, idem...

A.H.B. disse...

Thiago: pornografia e sexo não são a mesma coisa. só alguém muito "pevertido" pensaria isso.
É uma indústria cuja única finalidade é fazer dinheiro e na qual as mulheres estão espostas a todo tipo de mal-trato. Além disso, a maior parte dos vídeos encena estupro e violência como coisas normais. As mulheres na pornografia estão lá apenas para atender aos desejos dos homens e ainda assim, seus corpos são tratados ou como objetos ou como sujos.
Na verdade, a indústria pornõ simplesmente reproduz valores de poder burgueses.
Não há nada de "anti-sexo" ao ser contra uma indústria que, fingindo-se de "liberal", apenas ressalta valores conservadores e a relação de dominância entre os gêneros.

Se você sabe inglês, recomendo que leia esse blog e tente se informar um pouco mais: http://antipornfeminists.wordpress.com/whats-wrong-with-pornography/

Paulo disse...

Thiago Pinheiro

A posição liberal não chega a ser de esquerda, sinto muito, isto só existe na concepção pervertida do fim da história de Fukuyama, em que esquerda e direita têm que existir do ponto de partida que o capitalismo e a "democracia" liberal são pressupostos. Não há como defender a mercadorização de corpos e do sexo e se dizer de esquerda, no sentido histórico e mais rigoroso do termo. Também discordo da sua simplificação binária do assunto, e creio que a maioria das posições anti-pornográficas são pró-sexo. Sou a favor do sexo livre, do sexo que não é mercadoria. O sexo mostrado na pornografia pouco tem a ver com a realidade, e quem tenta imitar a representação do sexo presente nestes filmes deverá perceber que este não é verdadeiramente prazeroso, íntimo e satisfatório para todas as partes envolvidas. Você na verdade perpetua o mito reacionário e machista do prazer do trabalhador do sexo. Na verdade, o seu discurso é o conservador. A livre expressão das idéias também é um valor liberal e reacionário, é o valor que prega a tolerância do racismo, do sexismo, e de toda ideologia tacanha que é conveniente ao capital e que apóia as desigualdades que a esquerda, o feminismo e tantos outros movimentos querem eliminar. Tampouco defendo a idéia de que não há ampla censura nas chamadas democracias liberais. Aquilo que não é lucrativo é imediatamente censurado pelas regras do mercado. Se o mercado pornográfico se desenvolveu pela via machista, objetificadora e exploradora, isto significa que na nossa sociedade o sexo saudável, igualitário e livre é constantemente censurado por não achar meios de ser comercializado. A literatura pró-sexo e anti-pornográfica é extensa, e sugiro que você faça uma investigação no assunto.

Eu disse...

Paulo, tenho muita curiosidade em saber como as mulheres entram na prostituição. Suspeito que muito poucas entraram por opção total, como a Gabriela Leite. Nem a Bruna Surfistinha eu considero que teve opção, vez que a motivação dela esteve longe de uma opção consciente e livre.

Eu disse...

Paulo, vc está dizendo que o sexo saudável, igualitário e livre não tem mercado na indústria pornográfica ou não é praticado na sociedade?

Thiago Pinheiro disse...

A.H.B.,

Concordo com sua apreensão da industria pornográfica. Acredite, eu não confundo sexo e pornô.
Você me chamou de pervertido?

Eu disse...

AHB, vc está confundindo pornografia com tráfico/prostituição de mulheres...


"É uma indústria cuja única finalidade é fazer dinheiro e na qual as mulheres estão espostas a todo tipo de mal-trato." (AHB)

Thiago Pinheiro disse...

Paulo,

Gostei do seu comentário, mas discordo dos apontamentos políticos e classificações que você esboçou.

LisAnaHD disse...

o pior parceiro sexual que eu tive tinha sido ligado em filme pornô... foi o único que não sabia me "endoidecer" a não ser me endoidecer de raiva e frustração...

LisAnaHD disse...

É claro que o mundo está cheio de mulheres que entram na prostituição por livre e espontânea vontade... elas são as prostitutas que exploram... as que são forçadas a entrar na prostituição são as exploradas. A prostituição não é sempre essa coisa escabrosa que nos querem fazer crer, minha gente.

Eu disse...

Lisana, geralmente as exploradoras são ex-prostitutas, amore...

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Em relação a filmes pornôs eu tenho uma relação contraditória.
Já vi muitos e acho que acabam sendo sim uma fonte de excitação, afinal é normal um ser humano ver uma cena de sexo e se sentir estimulado, ainda que tanta gente (principalmente homens, que não estão na minha pele, mas acham que sabem mais do que sinto do que eu) gostem tanto de dizer que mulher não fica excitada apenas com isso.
Por outro lado, ao mesmo tempo que há o estímulo, há o incômodo por ver a forma como as mulheres são tratadas nesse filme. Xingamentos misóginos, orgasmos falsos e ridículos, coisas que a gente sabe que não dão prazer e a atriz ali fingindo que está ótimo.
Baixei uma vez um filme da Erika Lust e pra mim foi o fim dessa contradição interna. Foi uma das poucas vezes em que vi uma cena de sexo explícito (o que sempre achei bom) mas onde uma mulher não era rebaixada ou xingada pelo simples fato de estar fazendo sexo.
Claro que a Erika Lust também acaba se deixando levar por alguns clichês da sexualidade feminina (achar que por ser dirigido pra mulheres precisa ter uma historinha introdutória, colocar uma música bonitinha em certo momento) mas acaba sendo melhor que a maioria.
Acho que os filmes dela retratam o prazer sem culpa, sem punição. A mulher não é "punida" com sexo ruim, violento e palavras ofensivas pelo fato de estar demonstrando gostar de sexo, o que acontece na maioria dos filmes.

LisAnaHD disse...

Eu,

acho que estamos lidando com a semântica... eu não me referi a exploradas como elas explorando outras mulheres e sim me referi a prostitutas que sabem explorar seu sex-appeal a seu favor e não a favor de um cafetão.

Teresa disse...

Lola, soube pelo twitter, pela tag #CaosemFortaleza, que a cidade está um caos: greve da polícia, bandidos aterrorizando a população. Como você está?

Denise disse...

Eu acho que vocês estão un tanto limitados no teor pornografia. Existe para todos os gostos. Todos, é só procurar. E como isso é gosto, não dá para ficar limitando o gosto de ninguém. Imagine agora eu ter que me conformar ao que um grupo acha sexo saudável... O que se passa entre pessoas que consentem não é da conta de ninguém e não tem como ser rotulado de saudável ou não, gente!
Eu gosto de pornografia sim, mas prefiro a escrita em vez da visual. E acho tremendamente broxante quando alguém vem dizer que isso é "pervertido", isso não é saudável, etc etc. Isso é fantasia, camarada! Dizer que as pessoas agem errado porque veem/leem pornografia é como dizer que a garotada pratica violência por que joga videogame.
Acho mais é que a gente deveria sair da sexualidade alheia, sabe?

Luiz disse...

O "feminismo" como movimento social e político sempre se opôs a pornografia. Mas essa é a área onde o feminismo mais errou. Tanto é verdade que essa é uma das poucas áreas onde o feminismo teve que mudar bastante o seu discurso e surpreendentemente, o atual discurso feminista anti pornografia é bem próximo a pregação dos setores ditos mais conservadores da sociedade (Não gosto de rótulos). Logo essa discussão gera grande debate principalmente porque os homens são os principais consumidores de pornografia. Tem que se destacar que sexo era também uma relação de poder e que homens e mulheres sempre o exerceram. Acho que em algum momento minha mãe deve ter feito a famosa greve de sexo com o meu pai. Algo impensável nos dias atuais.

A pornografia como produto de massas é algo recente e mudou radicalmente a relação entre os sexos. No primeiro boom porno, Andreia Dorkwins achava que iria aumentar o número de estupros e por isso queria a proibição da pornografia. Na Alemanha Alice Schwarzer defendeu ideias parecida nos anos 80. O Bispo de Berlin deve ter sido um dos poucos simpatizantes da causa. Mas por que o feminismo errou tanto no conceito inicial da pornografia? Porque foi escrito por mulheres que não entendiam a sexualidade masculina. Num primeiro instante o desejo sexual masculino é puramente visual e um homem não precisa necessariamente de tocar no corpo da mulher para se excitar. Outro fator determinante é que o desejo sexual masculino diminui a medida que ele ejacula. Ou seja diferente do que pensava Dorkwins, um homem não irá estuprar uma mulher depois que se masturbar vendo pornografia. É isso que Naomi Wolf discute em sua obra recente sobre o tema. Homens que costumam consumir pornografia além do normal costumam deitar do lado de suas esposas ou namoradas e nem ao menos toca-las depois de ver um filme na internet. Muitos fingem orgasmos com as parceiras e preferem a pornografia a parceiras reais. Revista Playboy hoje virou pornô de quinta categoria. Segundo Wolf o número de homens que preferem porno a mulheres reais aumentou muito depois da internet, pois a disponibilidade de material ficou bem mais acessível e de melhor qualidade, como os vídeos. Segundo Wolf tem crescido muito o número de homens que entre escolher o prazer sexual com uma mulher real e a pornografia tem escolhido a pornografia. Para ver o texto acesse o link

http://nymag.com/nymetro/news/trends/n_9437/

Werner Wild disse...

Teresa, não sei se a Lola compartilha a minha opinião, mas em Fortaleza está tudo tranquilo. Claro, há a greve da PM, mas não é toda a corporação que está participando. Temos a Força Nacional e o Exército nas ruas para ajudar. Esse negócio de caos em Fortaleza existe desde que a Luiziane Lins (PT) foi eleita prefeita daqui. O povo daqui, infelizmente (pelo menos as elites e classe média)é muito machista e bem direitista mesmo. Sempre que pode chama ela de vários palavrões (desculpem o palavreado: vagabunda, piranha...), a mídia daqui também é patética, fala do prefeito anterior, Juraci Magalhães, um bêbado ladrão, como se fosse o homem mais honrado da História. É só você lembrar o que falam a mídia e povo na internet sobre o Governo Federal e é exatamente a mesma coisa.

cabanadeinverno disse...

Luiz,

As feministas "antigas" erraram por não conhecer a sexualidade masculina? Se toca.

A pornografia é relação de dominação exposta, não importa a maneira como os homens gozam ou deixam de gozar. A questão não é se "irão estuprar mais moças ou não". A questão é que a própria pornografia, dentro de sua suposta transgressão, reafirma os velhos valores da mulher submissa, delicada etc e etc.

E, sinceramente, não vejo outra solução que não seja o direto combate contra a pornografia, ao invés de uma tentativa de "democratizar", fazendo pornô para homens e mulheres e etc.

Sem contar que a própria ideia "liberal" da não-censura é, na verdade, uma maneira de resgatar os valores já ultrapassados. Digo, o liberalismo sem-censura só funciona quando há normas sociais não-formais atuando na sociedade. O perigo é alguém sair da alienação, ou seja, duvidar das normas morais, tentar encontrar sua gênese ou ir até às últimas consequências. Nesta percepção, esse liberalismo anti-censura se torna, na verdade, no maior do conservadorismo.

cabanadeinverno disse...

"irão estuprar mais moças ou não" - estuprar as moças nas ruas, depois de assistir aos filmes.

Carol disse...

Engraçado é que essa indústria toda perde uma fonte totalmente gratuita de roteiros que estimulam mulheres, perdendo um grande mercado consumidor.
Alguém já entrou em algum site de fanfiction? Bem, uma boa parcela dessas fanfictions são pornográficas/eróticas e muitas escritas por mulheres. Não é tão difícil assim saber o que estimula mulheres e abrir um mercado sabe. Concordo que cada um vê o que quer, mas a disparidade de oferta é abissal. Enquanto acharem que mulher não gosta de sexo e pornô para mulheres não vende (mentira, venderia sim) não vai haver oferta.

Sobre os sujeitos que acham que aprendem algo sobre sexo vendo esses filmes: patético. Sexo envolve 2 pessoas, num filmeco onde uma nem é levada em consideração não tem como aprender nada.

Mel disse...

O foco aqui são os filmes né? Mas existem também os quadrinhos. Ontem pela primeira vez li os Milo Manara e me decepcionei.

Acho o traço dele muito bonito e tinha muita curiosidade em conhecer as histórias, mas quando li não acreditei que algo tão bonito pudesse ser tão misógino!

Fiquei com um sentimento de "mas todo mundo gosta DISSO?".

Diony disse...

O Pornográfico sempre se opôs ao erótico. Desde as "primeiras" definições sobre pornografia na modernidade, a apresentação explicita do sexo ( seja o ato ou imagens relacionadas) teve um caráter de passar por cima da característica erótica que a sociedade dava ao sexo ( baseadas na moral hipócrita da Igreja e das Elites ). Um bom exemplo é o Marquês de Sade.

Acho interessante tentar entender como o pornô se insere hoje em dia na nossa sociedade ao passar certos conceitos em relação ao gênero, principalmente, e sociedade. Por isso acho mais interessante a proposta do pós-pornô, que faz questionamentos sobre a sexualidade e gênero.

Navorski disse...

Um comentário meio non sense, eu sou gay e acho pornografia heterossexual uma coisa meio doentia, boa parte das vezes que já vi ficava viajando pensando na maneira como a imagem trata a atriz e o ator, meio brochante. Alguns filmes têm uma insistência na submissão da atriz, sei lá. E eu fico pensando... o sujeito goza pra fulana do filme que ele provavelmente considera uma "vadia", uma mulher com quem ele não casaria e que está em uma posição que ele não deseja para mães, irmãs, qualquer mulher próxima... Tipo, o cara goza vendo alguém que ele acha "indigno", oi?

De resto eu acho que pornografia como um todo, gay ou hétero, envolve uma parada estranha de fragmentação de experiências, ultra exploração do corpo e do trabalho e o cão... que é bizarro, contraditoriamente, por força do hábito continuo consumindo, mas acho que temos que avançar em outra vivência do afeto e do sexo.

yulia disse...

a pornografia além de ter muito
de misoginia ,tem também a pedofilia
embutida em muitos filmes, mulher
totalmente depilada , com roupa escolar
pirulito e fazendo carinha de débil mental.
Tem também muito de humilhação e violencia como cusparada
na cara, tapas na cara fora os xingamentos.
E o pior disso tudo, livre para qualquer criança
baixar pela internet, sem nenhum controle.

Hamanndah disse...

Pornografia boa é pornografia onde duas pessoas estão fazendo sexo se divertindo, sem humilhar a outra, homem ou mulher

Postei, agora a pouco, um comentário num blog que considero misógino lembrando a eles que pornografia boa é quando ambos não são agredidos, como muitas fotos deste blog, o blog misogino que falo, mostram

e TODAS AS FOTOS SEM CAMISINHA

Ou seja, não existe uso de CAMISINHA na maioria das fotos de pornografia, isso é uma das coisas que mais acho errada, juntamente com fotos de homens usando seu pênis para "rasgar" mulheres, não penetrar, com o prazer de ambos, não de um só

bjs

yulia disse...

no forum reflexões machistas..ops.. reflexões masculinas, houve uma matéria exaltando o pornô com uma pessoa que se dizia ex atriz desses filmes, muito bem, debati na boa falando minha visão e opinião, falando que essa era uma falsa glamurização , que de glamour não tem é nada, são pessoas que fazem movidas a alcool ,cocaína, drogas pesadas, sujeitas a pegar dst,s HIV, pois tem produtoras que OBRIGAM a fazer sem preservativo e não adianta fazer exame de hiv pois a sua janela imunológica vai de 3 a 6 meses, enfim... resultado da discussão? me bloquearam e apagaram minhas postagens....

yulia disse...

''Compreendam, tem mulheres que adoram ser
submissas na cama, mas isso não significa
que ela seja submissa na vida..''

the olds...
acho que vc não leu direito o texto da Lola.
ninguém está querendo regular sexualidade
de outras pessoas, estamos falando de pornografia
vc está falando de relações intimas entre casal
é outra coisa, vc está misturando as estações.
o que cada uma gosta de fazer na cama é problema
delas. Outra, mulheres tem gostos bem diferentes na cama e nem todas gostam disso, respeite as diferentes preferencias.
O debate aqui é o que é filmado e vendido ninguém aqui quer acabar com punheta de ninguém
nem censurar, mas nós temos o direito sim de criticar
e apontar seus erros e suas intenções.
Eu hein, os caras entram em desespero já acha que
queremos censurar... ta loco.


''vocês são ridículas.''

ridículo é quem não tem argumentos
como vc e já sai xingando...

yulia disse...

Pornografia boa é pornografia onde duas pessoas estão fazendo sexo se divertindo, sem humilhar a outra, homem ou mulher.
______

então 99% das pornografias vendidas e distribuídas são PÉSSIMAS. se ela não for xingada , humilhada e cuspida, eles não vendem, lembre-se a pornografia é voltada para o homem e eles gostam de ver humilhação e sujeição da mulher. Nem todos claro, mas a maioria.... sim. E não basta humilhar, elas tem que gostar... bem são atrizes, pagas para fingir, portanto...

yulia disse...

''Acham que ela reflete a realidade e tentam aplica-la
no seu dia a dia.''

FATO. eles começam a ver a partir de 9, 10 anos,
porque é mais fácil assimilar as coisas, depois
crescem acreditando que é assim mesmo e aí começa o desastre.
se a mulher ou namorada deles não forem suas privadas
particulares, vão procurar prostitutas para fazer isso.
parece muito com a industria do cigarro e da bebida,
não é voltada para o aduto que já está viciado e contaminado, é voltado para os pré-adolecentes.

Lalau, tive um namorado que um dia tentou fazer (pornozisses)
comigo e tomou uma prensa minha...disse que ele era um manipulado
por filmes pornográficos e que tinha que ser muito ingenuo para
acreditar que tudo aquilo era verdade que ele via nos filmes.
atriz finge, e se ele acreditar no porno é a mesma coisa
de eu acreditar em novelas! depois desse sermão todo ele parou
com isso.rsrsr

porque esses caras não casam com puta ou com atriz pornô E
nos deixam em paz? rsrsrs

yulia disse...

''O "feminismo" como movimento social e político sempre se opôs a pornografia.Mas essa é a área onde o feminismo mais errou. ''

mas como não se opor a uma indústria que explora as pessoas vendendo misoginia, pedofilia e humilhação? não me diga que tinha que ser favorável a isso.
mais uma vez vcs confundem sexo com pornografia.

''o atual discurso feminista anti pornografia é bem próximo a pregação dos setores ditos mais conservadores da sociedade.''

os conservadores combatem o sexo, toda e qualquer manifestação
de sexualidadade e a pornografia.

nós não combatemos o sexo e nem regulamos a sexualidade
de ninguém. existe uma sutil diferença nisso tudo. agora a gente não vai ficar defendendo a pornografia do jeito que está só pra pagar de liberal pra platéia.
Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

''Homens que costumam consumir pornografia além do normal costumam deitar do lado de suas esposas ou namoradas e nem ao menos toca-las depois de ver um filme na internet.''

isso não resolve o problema conjulgal, só aumenta.
já vi muito namoro terminar por causa disso, o cara fica nos
filmes e com a mulher não faz nada... ela fica a ver navios
e ele satisfaz. fica a idéia de que ele prefere as siliconadas do filme do que eu. OU então pior, ele quer fazer igual com a mulher e acha que ela tem a obrigação de gostar de ser cuspida, estapeada
na cara.... e se não fizer vai pagar uma puta pra fazer. e o feminismo tem que aplaudir isso??? vc ta falando sério mesmo cara?


''Segundo Wolf o número de homens que preferem porno a mulheres reais aumentou muito depois da internet,''

bem , ai o azar é muito mais deles do que nosso. vão viver para gastar com prostitutas.

Hayashi disse...

Sinceramente o feminismo tem que parar com esta estória de ir contra censura;materiais que ofendem minorisa são censurados sem nenhum questionamneto,por que material misógeno tem sempre um "porém"? Nós mesmas fazemos isso.
E francamente,pronografia tinha que ser banida sim,a não ser que vcs sejam afavor da nossa total degradação,estupros,zoofilia,pedofilia dentre outras práticas degradantes que hoje em dia são consideradas "normais",sem falar quetem contribuído bastante para o aumento da violência machista.
O que está descrito como pornografia feminista nada mais é do que erotismo,é outra coisa bem distinta que não tem nada ver com pornografia.
O que ocorreu aí é uma questão gramatical.

Dostoievski disse...

A pornografa feminista só podia ser da Suécia mesmo...
Lá se nasce um menino em vez de cortarem o cordão umbilical cortam os bagos da criança fora. rsrs

ana_alice disse...

olha, eu não lembro direito como conheci a pornografia, mas com certeza foi essa coisa mainstream de xvideos, redtube, youporn...

eu já tinha lido contos eróticos na internet (q são uma merda e super mal escritos, mas servem pra criar uma base para fantasias. e la da pra ver tb q mto homem escreve as coisas mais absurdas e broxantes, crente q tá abafando) mas nunca tinha visto videos.

talvez eu tenha tido a sorte de ter visto algum melhorzinho logo de cara pq depois eu ficava procurando algo do mesmo naipe (q retratasse alguma coisa q me faria sentir prazer) e só achava um monte de lixo.

alguns desses sites têm uma pre-visualização qd vc passa o cursor do mouse na barra de streaming. daí dá pra ter uma vaga ideia do q se trata. por ex, qd eu vejo q tem uma cena longa de boquete (daqueles bem mecânicos) ou certas posições q mostram apenas uma bunda subindo e descendo freneticamente, eu nem clico.

praticamente todo filme mainstream é isso: a mulher chupa o cara, eventualmente o cara goza na cara, e há longos minutos de penetração sem graça onde os corpos não se encostam pra q seja possível ter um close ginecológico da genitália.

a mulher sempre fazendo caras e bocas ridiculamente forçadas em horas inapropriadas (tipo qd o cara nem está tocando nela). geralmente a mulher não goza, geralmente as tomadas de sexo de 4 ou anal são super frias (custa o cara apalpar o corpo da mulher? eles ficam de pé, quase sem toca-las, como se tivessem metendo numa almofada!), geralmente as cenas de cunilíngua são péééssimas, parece q o cara nunca chupou uma mulher na vida. é engraçado q a vagina da mulher fica tão seca q eles acabam cuspindo (!) ou jogando algum líquido para dar a impressão q deveria.
e não é só o prazer da mulher q é diminuído, pq quase nunca há roça-roça, mordidas, beijo no pescoço, enfim, coisas q a parte masculina iria gostar tb

meninos, n tem nada a ver com ser submissa. é possível mostrar uma cena com uma mulher numa postura vulnerável, sendo segurada pelos braços contra a cama, ou até mesmo tomando uns tapas na bunda, sem mostra-la como uma coisa inanimada ou parecendo uma cena de estupro.

enfim, eu praticamente n vejo pornô, por isso. eu sei q tem a questão da industria do sexo, do padrão de corpo, blablabla. mas n é isso q me impede de ver, é a incapacidade daquilo me excitar mesmo.

e me deprime ver q isso excita os homens, pq né? se fosse ao contrario, se nos filmes a mulher gozasse e depois saísse de cima, deixando o cara totalmente frustrado, e ele ainda tivesse q fazer caras e bocas falsas como se tivesse gozado, eu n ia achar excitante.

sobre corpos padronizados, claro q quando é uma mulher com um corpo mais comum, eu acho mais interessante, mas n adianta nada se for aquela coisa de sempre. se fosse assim, os videos amadores seriam mto melhores (pq pressupostamente é feito por um casal. mas não é por aí, mtas vezes é um cliente com a prostituta, então ele faz exatamente as mesmas coisas dos filmes comuns, tudo apressado e bruto)

tem alguns poucos videos q são, sim, excitantes, nesse mercado novo de filmes feitos para o público feminino. n entendo pq n ampliam esse setor, a demanda masculina é maior pq a industria é feita pensando neles e não o contrario. se aumentar a oferta de filmes "female friendly" (é assim q chamam), vai aumentar a procura tb.

agora, n adianta nada se os espíritos de porco cadastram oq eles ACHAM q é female friendly, mesmo sendo a porcariada de sempre ¬¬ tem homem (pq só pode ser homem) q é tão idiota q acha q female friendly significa filme lésbico mainstream (como se fosse "female friends" rsss). tem outros q botam qualquer cena de orgasmo feminino artificialíssimo como se aquilo fosse atestado de alguma coisa.

ana_alice disse...

jogando no google "free porn" + "female friendly" dá pra achar alguma coisa. eu conheço o pornhub, q tem uma seção específica pra esses videos, mas tem q filtrar mesmo assim.

vi q esse site feminista falou um pouquinho a respeito do pornhub aqui http://equalwrites.org/2010/01/24/quick-hit-new-female-friendly-porn-channel/

pra quem quiser conferir, separei 2 q achei interessantes(+18). não são excepcionais ou criativos, mas tb não são degradantes. eu gostei, pelo menos, para oq se propõe.

esse foi produzido especificamente para o mercado feminino, num site pago (http://sssh.com), e é dividido em duas partes de 5 minutos
(cadastraram só a primeira parte na seção feminina do site, pq n tem penetração. como se mulher n gostasse disso, rs. mas achei a outra metade pelo campo de busca)

part 1 http://www.pornhub.com/view_video.php?viewkey=400278130

part 2 http://www.pornhub.com/view_video.php?viewkey=465218127

esse outro, eu acho q é brasileiro, da tal da viv tomas http://www.pornhub.com/view_video.php?viewkey=1438379675

sobre a erika lust, eu confesso q vi só um pedacinho de 1 dos filmes e achei meio chato. tipo soft core, muita musiquinha, pétalas de rosa, echarpes, historinha. tenho q ver algum outro pra poder julgar. de qualquer forma, acho ótimo q exista, mas n é a mesma coisa q o pornô de sites de streaming, q tem curta duração e deixam a parte da fantasia por sua conta, partindo direto pro ato.

lauren disse...

Fico feliz de ler os comentarios da cabanadeinverno e yuli. Concordo plenamente. A Tristan Taormino, p/mim, eh uma tipica feminista Terceira Onda. O grande erro da Terceira Onda foi tentar de aproveitar da patriarcada em vez de enfrentar ela.

O trabalho de Andrea Dworkin eh pouco compreendido,
ate aqui nos Estados Unidos onde ela publicou. Ela diz que a patriarcada tomou a mente da mulher, o sistema nos ensina todo sobre sexo desde pequena, sempre em foco do homen. Sem nascer numa sociedade focada nas mulheres, nao podemos saber o que o sexo poderia ser.

A pesar de conseguir o orgasmo ou ter algum prazer no sexo, a ameaca continua, (ate psiqiuca), da violencia sexual que os homens fazem nas mulheres faz que o sexo jamais eh livre para nos.

A pornografia, junto com a prostituicao, eh a forma mais escura da dominacao masculina. A mulher eh a classe social mais pobre do mundo. Entao, ela eh forcada em vender o sexo, seja fisica, seja virtual.

Quando eu vejo a capa de uma revista porno, sempre me pergunto o quanto pagaram a essa mulher, ou se a pagaram. Sera que o fotografo foi o namorado que a convenceu ou a forcou a fazer? Quem ganha muita grana com isso sempre eh ele - o dono do filme, da revista, da pagina na internet.

O pior da porno eh que coloca na mente dos homens que a mulher esta por possuir. Nao importa que seja ela a Presidenta de Republica.

Vale muito a pena ler a Andrea Dworkin, Mary Daly e Sheila Jeffries se voces tem a oportunidade.

Desculpem os meus erros e a falta dos acentos. Infelizmente, nao tenho um teclado portugues.

LisAnaHD disse...

Diva Cup #2 Post Childbirth
- para mulheres que já deram à luz OU que tenham mais de 30 anos....

Lola, eu me inteirei desse produto através de um post seu, mas não fui investigar... agorinha, lendo um blog de culinária e administração doméstica, li sobre Diva Cup e fui checar na www.Amazon.com e quem sabe vc se interesse pelo produto... transcrevo aqui o texto do blog onde li sobre DivaCup... "23. I use the Diva Cup instead of buying hundreds of disposable feminine products per year."

http://thenourishingcook.com/25-things-i-do-to-save-money/

Luiz disse...

Ninguem entende o trabalho de Andrea Dorkwins porque é um trabalho ruim. Para mim ela é uma mulher que viveu um casamento horrível e saiu por ai destilando a suas frustrações contra os homens em algo parecido com uma teoria científica. Tanto é que ela errou feio quando disse que uma das consequencias da pornografia seria o aumento dos estupros e da violência contra a mulher. A prova do erro dela é que nos ultimos anos o acesso a pornografia no Ocidente cresceu absurdamente e os indíces de estupro e violência contra a mulher continua estáveis (Isso se não tiver diminuido). Portanto a associação pornografia = aumento da violência contra a mulher é furada. Da mesma forma que Alice Schwatzer prega na Alemanha, que não é possível haver sexo entre homem e mulher sem que não haja submissão feminina. Talvez seja um caso de alquém advondo em causa própria pois ela é asssumidamente lésbica.
É um direito dela ser o que quiser mas só não acho que homosexualismo ou heterosexualismo deva ser encarado como categoria de pensamento.

Durante meu doutorado na Alemanha esta senhora estava pegando no pé das mulheres muculmanas que usavam veu nas ruas e assim como na década de 80 quando ela liderou um fracassado movimento pela proibição da pornografia na Alemanha, ela está tentando liderar um movimento para proibir mulheres de usarem o veu islâmico nos locais públicos. Bem, como os Alemães já passaram por um regime bem repressor como o Nazismo as idéias desta senhora, felizmente, não encontrou muito eco entre os liberais.

Mas qual é o problema da pornografia? Em princípio nenhum. Hamm, mas tem exploração e dominação. Seja lá o que isso signifique pois este argumento que comumente transvestido de tintas libertárias é amplamente empregado por aqui para justificar qualquer idéa. Principalmente idéias idiotas. Na indústria textil chinesa também tem exploração e não vejo ninguém advogar o fim da industria textil por causa disso.

Outro erro é pensar que todo mundo que grava e vende filmes erótico faz isso obrigado ou coagido. Maioria dos filmes pornos vendidos nos EUA são amadores. Ou seja são pessoas comuns que gravam suas transas e vendem. Normalmente fazem muito mais sucesso que os produzidos em estúdios. O erro comum que cometido por pessoas que falam da pornografia e da prostituição sem um conhecimento mais aprofundado é achar que esses mercados são resultados de uma segregação social. Existe muitas mulheres e homens que são prostitutas ou atrizes pornô por opção.

Mas e a questão da violência retratada em alguns filmes? Encare isso como uma encenação. Da mesma forma que uma peça de teatro encena uma morte ou um homicidio, o pornô tem a sua representação. A arte muitas das vezes é uma válvula de escape das amarras da vida terrena. Não vejo ninguem em sã consciencia defender que se deva proibir filmes ou peças de teatros que encenem homicidios ou massacres porque isso estimule o aumento da criminalidade. Afinal grandes clássicos da nossa arte são descritos em cenários, atos e movidas por um emaranhado de sentimentos nada nobres. Antes que me atirem pedras não estou comparando obras de arte e pornografia em termos de 'qualidade" do produto.

Luiz disse...

Mas qual o problema da pornografia? Em meu ponto de vista essa sede proibicionista está ligada a um desejo de controlar a sexualidade do outro. É obvio que esposas, namoradas perderam muito do controle e muitas vezes a exclusividade que detinham sobre a sexualidade de seus parceiros homens e algumas estão assustadas com isso. Nada diferente do susto que os homens levaram quando as mulheres se emanciparam economicamente e sexualmente na década de 60. Era isso que os homens faziam lá atrás para controlar a sexualidade feminina. Tentavam controlar a sua sexualidade. E controlar a sexualidade de alguém é uma forma eficiente de controlar todo o resto da vida dela. Tanto é verdade que movimentos religiosos, como o cristão Opus Dei, seitas islâmicas radicais e os judeus Haredis investem nisso. É claro que a superexposição sexual também pode trazer problemas como também pode ser problemático para alguém ser excessivamente viciado em trabalho. Mas eu prefiro viver numa sociedade de pessoas trabalhadoras e sexualmente livres que o oposto, e quem não gostar de pornografia tem toda a liberdade do mundo de se mudar para a Arábia Saudita, para o Afeganistão ou para o Irã onde isso já e proibido. Para finalizar , acho que o que 1, 2 ou 50 pessoas adultas e em pleno gozo das suas faculdades mentais fazem com a sua sexualidade e em comum consentimento dos envolvidos é problema exclusivamente delas. Problema eu acho que tem, quem tenta controlar a sexualidade dos outros. Mesmo que essa sexualidade se resuma ao direito de assistir pornografia.

yulia2 disse...

''O grande erro da Terceira Onda foi tentar de aproveitar da patriarcada em vez de enfrentar ela. [2}''

concordo. não acredito em pornografia feminista... isso é
uma tentativa pífia de fazer uma média com o povão para não passar imagem de censoras
nada a ver. quem sabe o mínimo das diretrizes feministas sabe que não podemos ser comparada aos conservadores NUNCA!


''A pornografia, junto com a prostituicao, eh a forma mais escura da dominacao masculina. A mulher eh a classe social mais pobre do mundo. Entao,ela eh forcada em vender o sexo, seja fisica, seja virtual. ''

perfeito! e dizem os terroristas de plantão que se porventura isso acabasse, teriamos a maior onda de
estupros em todos os lugares.

yulia2 disse...

''Mas qual o problema da pornografia?''

e qual é o problema da gente criticar a pornografia?

dizem que mulher mistura sexo com amor.e homem mistura sexo com pornografia, e os relacionamentos
vão para o buraco.


''Da mesma forma que uma peça de teatro encena uma morte ou um
homicidio, o pornô tem a sua representação. A arte muitas das vezes é uma válvula de escape das amarras da vida terrena''

pornografia é arte???? faça-me rir.....se soubesse o quanto de drogas e alcool os atores
tem que consumir para fazer as cenas, e quantos patetas
acreditam mesmo que a atriz está gostando daquilo. ou acham que elas fazem uma merda daquela de cara limpa? não seja ingenuo.
nas filmagens vcs está sujeito a contrair hiv, no teatro o máximo de risco que corre é cair de mal jeito no palco..rsrsrsr

''Em meu ponto de vista essa sede proibicionista está ligada a um desejo de controlar a sexualidade do outro''

vc está misturando relações sexuais com pornografia.muitos fazem isso. acha que a namorada tem que fazer igual as atrizes dopadas dos filmes.

a gente nunca quis regular sexualidade de ninguém. isso é uma falácia. quem faz isso é a igreja. cada um faz o que quer. mas não quero ser obriga da a fazer o que o cara viu na tela. ele que vá procurar uma garota de programa
para isso e de preferencia fique por lá pois não vou receber de volta né? agora nós temos todo o direito de criticar e de se posicionar contra isso.

yulia2 disse...

''É obvio que esposas, namoradas perderam muito do controle e muitas vezes a exclusividade que detinham sobre a sexualidade de seus parceiros homens e algumas estão assustadas com isso.''

Controle de que? Nunca mulher teve controle em nada , menos ainda de sexualidade. Ela era proibida de sentir prazer, sexo era só para reprodução. Homem sempre em todos os séculos procurou por prostitutas uma vez que com sua mulher somente tinha relações para ter filhos e ainda sim era muito ruins pois a mulher não poderia nem toca-lo , nem se despir.
Com a liberação sexual e com a pilula com o senhor bem disse, a mulher passou a exigir um melhor tratamento na cama, o que não siginifica que o homem tenha mudado, pelo contrário.
é em nome dessa ''não mudança'' é que a procura por prostitutas e a pornografia aumentou mais e mais. Na pornografia assim como na prostituição o FOCO continua
sendo o prazer do homem, ele não precisa se preocupar com a mulher e nem se ela está gostando ou não. Ela é PAGA para prestar esse serviço e pronto. Note bem, não foi a liberação sexual que aumentou a pornografia e a procura por prostitutas, foi a resistencia masculina perante essa liberação que aumentou a procura por elas.

concordo que reprimir a sexualidade é controlar a vida da pessoa mas não se iluda achando que pornografia é ultimo exemplar de liberdade sexual incontestável. Não vejo nada de liberal em sujestão de pedofilia estupro, humilhação, cusparada na cara, fezes, urina.... e etc.
se para vc isso é liberdade sexual, seus conceitos desta estão bem deturpados...ademais, quem me garante que a pornografia não é um refúgio para manter as coisas como eram antes?

yulia2 disse...

''e quem não gostar de pornografia tem toda a
liberdade do mundo de se mudar para a Arábia Saudita,para o Afeganistão ou para o Irã onde isso já e proibido.''

sua associação é equivocada e risível. Esse papinho de liberdade
não me convence em nada.Isso é uma baita patifaria. Não tem NADA de liberdade sexual nesses filmes pelo contrário! Digamos que é uma maneira moderna de perpetuação dos velhos ditames: mulher existe apenas para estar a serviço do prazer do homem e nada mais.
ah... e claro , elas tem que fingir e muito bem que gostam de servi-lo.
por muito menos meu caro vcs gritaram contra a propaganda da bombril. Imagine um filme pornográfico onde o homem é humilhado , xingado, pisado. agora imagine sua mulher exigindo que vc se submeta a isso e se vc não quiser fazer isso ela diz na tua cara que arruma outro, ou seja, ela trazendo para a vida
conjugal todo o besteirol que ela viu no filme. pois é...
Nós preferimos ficar aqui no Brasil mesmo, um país livre
para expressarmos nossas opiniões , não somos obrigadas a gostar de pornografia e sim temos o direito de critica-la e de abrir os olhos de nossas companheiras para a grande enganação que é isso. ah .. a pornografia também é uma forma de ditar a sexualidade alheia, se vc não fizer o mesmo
que a atriz faz, vc é ruim de cama. Se vc não tiver o pau do tamanho do ator vc é um zero. Quantos caras não procuram
médicos desesperados para aumentar o penis para ficar igual a dos atores dos filmes.
E o que dizer do falso desempenho então? Quantos desses pobres coitados manipulados não usam viagra sem receita indiscriminadamente para repetir o desempenho dos atores?
pornografia não dita? Não regula a sexualidade alheia? falou então viu....

lauren disse...

Yulia, agradeco seu comentario. Faz 12 anos que nao moro no Brasil e perdi todo o meu portugues!

Gostaria de ler algumas feministas brasileiras - quem voce aconselha?
Sua analise em todos os seus comentarios eh bem radical e vai fundo. Imagino que voce tem estudado bastante.

Sera que o sexo que a gente aprende desde pequena (nos livrinhos, filmes, etc) eh o sexo que a mulher faria tendo livre arbito? Eu acho que a penetracao nao eh sexo. Eh um tipo de sexo se a mulher realmente goste ou se ela quer engravidar. Mais se a penetracao fosse 'o sexo' como a gene hetero aprende, seria maravilhosa para todoas as mulheres desde a pirmeira vez. As mulheres que ja tem 'experienceia sexual' nao teriam que ensinar as mais jovems 'como fazer que o sexo seja prazerosa'.
Tudo eh voltado para o prazer e a dominacao masculina.

O que a gente chama de 'caricias' eh o sexo para muitas mulheres!
Sendo assim, como eh que podemos falar da pornografia como 'um gosto' ou 'uma escolha'?

O trabalho da Andrea Dworkin pegou na raiz da oppressao das mulheres. Por isso, eh tao ameacante. Quando eu comencei a me educar sobre o feminismo radical (da raiz) eu nunca mais podia voltar para tras. E para que queria? Por isso, a grande maioria dos homens o destesta - o feminismo radical, e as mulheres brilhantes como a Dworkin.

yulia2 disse...

eu diria que a sociedade brasileira que eu vivo, sua cultura machista, as propagandas da tv, as revistas, o convívio com familiares o pensamento geral das pessoas já é uma bela escola. Vc tira muita informação disso.
Eu fiz curso de ciencias sociais e fiz 2 anos de direito acabei trancando. Tudo o que eu sei do movimento eu aprendi em blogs sérios como o da Lola, tem outros blogs também o blogueiras feministas que é excelente. Quanto a livros eu li pouco mas um me interessou que foi da americana susan faludi (backlash)
muito bom tem a versão em português. http://search.4shared.com/q/CCQD/1/books_office/backlash?view=ls

E tenho certeza que se mulher tivesse livre arbítrio jamais fariam o sexo dos filmes pornográficos por sua vontade. Como somente eles tem a liberdade sexual, eles então ditam como são as coisas na sua ótica. e ai se vc sair fora do esquadro e ainda dizem que a gente é que quer pautar a sexualidade e não eles...
mulher que não se submete quer sair do esquadro e reinvindicar a sua cota e por exemplo querer que ele faça sexo oral em vc ou falar do que vc prefere(isso é um exemplo , pois tem muito fodão de cama que não gosta de fazer oral em mulher...) vc é por incrível que pareça, tachada de piranha, isso mesmo piranha e vagabunda. incrível isso. Mas não... nós é que queremos pautar não os pornógrafos.. ha ha.
e um dia eu vi um revista feminina( que na verdade é do tipo como agarrar seu macho, ou manter seu macho.) na capa assim: dicas de uma ex-atriz porno para manter seu casamento, sinceramente me deu vontade de chorar.
se submetam , se humilhem sejam serviçais para manter seu marido... afff são poucas as mulheres que tem essa percepção e se vc abre a boca e fala vc é louca quer censurar e regular... brincadeira.

Nuni disse...

Bom, li várias opiniões da galera aqui, umas a favor e outras contra, e acho que não vi nenhuma sobre o que eu penso:
Acredito que o grande problema da pornografia(além da questão da comercialização sexual, que sou contra em qualquer quesito) é enclausurar a nossa sexualidade. Será mesmo que a pornografia feminista é libertadora?
Acho que qualquer imagem que a gente tenha que reproduzir já tira toda a graça de descobrir um carinho novo, uma posição nova, etc. A gente acaba sem querer, inconscientemente reproduzindo tudo que vemos, além de ficarmos sem imaginação para fantasiar livremente. Até nossa masturbação se torna condicionada. Seria ótimo se a gente crescesse sem ver nenhuma imagem pornográfica, talvez a descoberta da sexualidade fosse mais interessante.

yulia disse...

2 na Nuni.

Luiz disse...

Não costumo responder a esse tipo de texto. Principalmente textos que tem mais adjetivos que substantivos, mas vamos lá!

Primeiro ponto. "e qual é o problema da gente criticar a pornografia?" Nenhum. Defendo a liberdade como princípio inviolável e neste caso defendo o seu direito de criticar o que você quiser. Quem parece não ser muito simpatica a idéia de liberdade é você. Transcrevo o que você disse para confirmar as minhas suspeitas de seus pendores totalitários ou no mínimo a sua defesa de uma certa "Liberdade com restrições". Como se isso fosse possível.

"- sua associação é equivocada e risível. Esse papinho de liberdade não me convence em nada. Isso é uma baita patifaria."

Respeito quem acha que liberdade é patifaria. Mas discordo radicalmente. Por que? Por uma razão muto simples. Defendo a liberdade de expressão como princípio inviolável e não como uma conveniência. Não costumo dar muita bola para pessoas que pensam que sabe o que é melhor para a vida dos outros e que acredita que a humanidade tem que ser mandada para centros de reeducação. Isso sempre acaba em tirania e cadáveres. Foi sob a batuta de tiranos que foram, e ainda é cometidas as maiores astrocidades da história da humanidade. Ou seja, os maiores homicidas da história da humanidade achavam que liberdade era uma patifaria. Não me surpreende que esses mesmos tiranos tenham extrema aversão a prostituição e recentemente a pornografia. Deve ser porque sofrem de um mal incurável. Se você ver a lista de países do mundo que são governados por tiranias verá que a pornografia e a prostituição são proibidas por lá. China, Irã, Arabia Saudita, Cuba, Afeganistão. No passado a Inquisição queimou muita gente por causa de práticas obcenas. A ditadura militar brasileira censurou muita coisa por causa de atos imorais.

"pornografia é arte???? faça-me rir.....".

Recentemente um conceituado fotógrafo japonês reuniu 500 casais em um ginásio no Japão. A idéia era ele tirar fotos deles e filma-los fazendo sexo simultaneamente. No seu ponto de vista isso é arte ou pornografia? Transparece que você entende de arte. Eu não conheço tanto de arte. Li apenas alguns livros e não me considero muito preparado para discorrer sobre o tema, mas qual a sua opinião sobre o "Nude Project"? O que difere conceitualmente o nu artístico da pornografia? Qual deve ser o limite que separa as duas coisas? Defina isso para mim. No meu ponto de vista, isso depende da cabeça do censor de plantão.

A China, país cujos dirigentes também acham que liberdade é uma baita patifaria, recentemente colocou atrás das grades o seu mais famoso artista, Ai Weiwei, porque ele divulgou uma foto onde ele e mais quatro mulheres posaram nus para um fotógrafo do seu estúdio. Vai ver isso é um vicio sem cura.

Luiz disse...

"vc está misturando relações sexuais com pornografia. a gente nunca quis regular sexualidade de ninguém. isso é uma falácia. quem faz isso é a igreja.".

Quando você fale em "a gente" eu não sei de que organização, seita, grupo político que você é porta-voz. No caso da regulação da sexualidade pela igreja, suponho que seja a igreja cristã. Sou judeu, portanto não sou um especialista em cristianismo, mas minha esposa é cristã e já me dei o trabalho de fazer algumas coisas, inclusive de ler a biblia cristã, o alcorão e a nossa Torá. Todas as religiões definem muito bem o que elas chamam de relações impuras. Seria essa tal separação entre sexualidade e pornografia. As religiões chamam de relações e atos impuros o sexo oral, a masturbação masculina, sexo com homossexuais e até o sexo com camisinha entra nessa jogada porque o lema da Igreja é crescei-vos e multiplicai-vos. Traduzindo. Sexo apenas para fins reprodutivos. Qualquer coisa diferente disso deve ser evitado, pois é impuro e não serve aos preceitos de Deus. Na sua religião, qual é o dogma que diferencia sexualidade de pornografia? Suponha que no Brasil decida-se por proibir a pornografia. Quem vai controlar e dizer o que é pornografia e o que não é? Você? Caso seja, me avise para possamos iniciar uma edição extra, ou o FEBEAPA4. Quanto a associação que você faz entre consumo de drogas e filmes pornos, podemos concluir então que tem muita gente fazendo filmes pornos porque o consumo de drogas tem crescido bastante.

"por muito menos meu caro vcs gritaram contra a propaganda da bombril".

Eu, definitivamente não. Eu não reclamei da propaganda da bombril, não. Você deve ter me confundido com a Ministra da Secretaria de Assuntos da Mulher e adida da Presidência para Assuntos de Censura, Irany Lopes, a Insaciável. Pohh, eu acho que sou um pouquinho mais bonitinho que ela. Ela é que padece de um fervor quase doentio para controlar propaganda de calcinha e roteiro de novelas da Globo (Adorei a tirada do Aguinaldo Silva para cima dela). Por mim a bombril faz a propaganda que ela quiser. Não tenho hábito de fazer beicinho e ficar dando chiliques por ai. Eu não gasto tempo defendendo essas boçalidades óbvias. Essa guerrinha de sexo é demais para minha parca inteligência. Nem quando eu tinha 12 anos eu tinha saco e paciência para isso. Não tenho o hábito de tratar a outra metade da humanidade como inimiga, não. Deve ser por isso que eu não tenho nada a reclamar das mulheres que me relacionei. Nunca as tratei como inimigas e parece que elas também não nutriam grande ódio e rancor por homens. Sou amigo e mantenho uma relação polida e civilizada com maioria delas e a reciproca parece ser verdadeira. Inclusive a atual que está comigo há 21 anos e pode acreditar, eu nunca amarrei ela no pé da mesa para força-la a ficar comigo. Hehehe. Isso não quer dizer que eu não topei com mulheres idiotas e chatas pela vida, mas rapidinho eu dei linha nelas, mas não porque eram mulheres e sim porque eram chatas, entende? (É bem provável que alguma delas tenha me achado chato e idiota também). Deve existir homens idiotas no mundo, mas fique tranquila, não acredito que isso seja uma questão de gênero. Para ser sincero, acho que Deus deve gostar muito dos idiotas pois colocou um monte deles no mundo, mas eu acredito que ele deve ter os distribuído igualmente entre os sexos visto que uma inclusive, foi escalada pela nossa Presidente para administrar a Secretaria de Mulheres.

Luiz disse...

"Na pornografia assim como na prostituição o FOCO continuasendo o prazer do homem, ele não precisa se preocupar com a mulher e nem se ela está gostando ou não."

Bidu. Com um pouco mais de esforço você vai acabar inventando a roda. O cara contrata um 'serviço", paga por ele mas não recebe o que foi prometido. É claro que a propaganda de pornografia e prostituição deve ser voltada para os homens que são os maiores consumidores. Você já viu alguma propaganda de absorvente Intimus Gel voltado para o público masculino?

Não vejo nada de liberal em sujestão de pedofilia estupro, humilhação, cusparada na cara, fezes, urina.... e etc.

Se é esse o tipo de filme pornô que você vê, sugiro procurar algo melhor. Como disse tem pornografia para todos os gostos por ai. Agora se é desses que você gosta, tudo bem. Como disse anteriormente, tudo que duas pessoas adultas e em pleno gozo de suas faculdades mentais fazem em matéria de sexo e com pleno consentimento dos envolvidos, é problema delas. Problema eu acho que tem quem tenta controlar isso. Para mim vale até zoofilia desde que os animais envolvidos na coisa concordem.

Imagine um filme pornográfico onde o homem é humilhado , xingado, pisado. agora imagine sua mulher exigindo que vc se submeta a isso e se vc não quiser fazer isso ela diz na tua cara que arruma outro, ou seja, ela trazendo para a vida conjugal todo o besteirol que ela viu no filme. pois é...

Se esse é o tipo de homem que você tem se envolvido ao longo de sua vida, eu só tenho que lamentar pela baixa qualidade de sua vida afetivo-sexual. Nestes casos é melhor inclusive ficar sem sexo. Como eu te disse sexo é algo que tem que ser feito com o pleno consentimento dos envolvidos, mas como diz o Woody Alen, sexo para ser bom tem que ser sem pudores. Tente talvez dar uma revigorada nisso. Mude de amigos, frequente outros lugares. Saia da posição de vítima do sistema. Não tem nada mais brochante e mais estraga prazer do que conversar com alguém que acha que que o mundo lhe deve algo. Tem pessoas na vida que só sabem se lamentar. Uns porque são japoneses, outros porque são mulheres, outros porque são homens, uns porque são corintianos e outros porque simplesmente nasceram. Neste aspecto eu admirava a atitude da minha bisavó que no Campo de Concentração de Bikernau era identificada por um número preto que ela trazia tatuado em seu braço esperando a hora de morrer. Ela nunca reclamava e durante o pouco tempo de nossa convivência eu nunca a vi adotar uma posição de vítima diante do mundo. Uma vez eu falei que odiava os alemães por causa do nazismo e ela me deu uma bronca e tanto. Disse me que não foram alemães que mataram os judeus mas sim algumas pessoas nascidas na Alemanha. Isso me fez abrir os olhos para algo fundamental. Nunca gostar ou odiar alguém por causa de sua nacionalidade, sexo ou religião. Idiotas existem em todas as raças e nações e podem ser encontrados em ambos os sexo e em todos os lugares do mundo. A Alemanha é um dos países que eu mais gosto no mundo. A nação que produziu Hitler é a mesma que produziu Kant, Schoppenhauer, Plack, Goethe e outras tantas mentes brilhantes. Visitei 4 campos de extermínios de Judeus na Europa Oriental durante o tempo que vivi em Potsdam e Berlin e depois conversei com vários sobreviventes do Holocausto durante o tempo que vivi em Israel. Tentava reconstruir o tipo de penuria que minha bisavó tinha passado. Nunca consegui saber o que ela de fato sentiu durante o tempo que ficou lá, mas uma coisa eu posso te dizer ela deveria ter todos os motivos do mundo para ficar por ai choramingando pelos cantos e se colocando no papel de vítima. Nunca vi ela fazer isso durante o pouco tempo que convivemos.

Luiz disse...

Quanto ao arrumar outro namorado é muito simples. Se você oferece o paraiso para alguém e esse alguém o rejeita, tem grande chance de essa coisa que você está oferecendo não ser o Paraiso. Quer um exemplo. O governo cubano prega aos quatro ventas que ali é o paraíso, mas o diabo é que os cubanos que vivem lá estão doidos para fugir desse paraiso. Você acha que aquilo lá é mesmo o paraiso? Assim vale para as relações afetivas. Se um monte de gente começa a te largar e não tolerar a sua companhia é bem provável que o problema esteja em você e não neles. Meu avô tinha um ditado muito interessante. Dizia ele que se uma pessoa te chama de burro, você não precisa bar bola para aquilo não. Se uma segunda pessoa te chama de burro, comece a ficar preocupado. Agora se um terceiro te chama de burro arrume uma carroça e saia puxando. Agora pode ser que o mundo todo esteja errado e você certa. Caso você tenha plena convicção de seus posicionamentos siga em frente. Agora da mesma forma que você tem todo o direito de conviver com quem você quiser as pessoas também tem todo o direito de não querer conviver com você. Agora se você for mesmo um bilhete premiado alguém certamente irá te querer. Não existe muita gente incrível dando sopa por ai não. Agora tem que ser de verdade, porque quase todo mundo acha que tem a inteligência do Einstein mas até o momentos só ele teve competência para elaborar a Teoria da Relatividade. Agora se você tiver mesmo grandes dotes e ninguém mesmo assim os reconhecer, não fique lamentando. O mundo nem sempre é um lugar justo. A justiça é um ideal que buscamos mas nem sempre ela é plenamente posta em prática.

"a pornografia também é uma forma de ditar a sexualidade alheia, se vc não fizer o mesmo que a atriz faz, vc é ruim de cama."

Você não precisa necessariamente fazer o mesmo que uma atriz faz, mas se na hora do sexo você ficar parada feito uma múmia ou for cheia de frescuras, ai sim você é mesmo ruim de cama. Tem mulher que parece uma boneca inflável. Faz sexo mecanicamente, quase por "obrigação" e com uma tremenda má vontade. Pessoas egoistas e que pensam exclusivamente no prazer delas também são ruins de cama. Fazer ou deixar de fazer algo na cama não garante o sucesso do sexo. Já me relacionei com mulheres que gostavam de sexo anal e outras que odiavam. Algumas gostavam de sexo oral e outras gostavam até de esperma. Tinha também as que detestavam. Algumas gostavam de levar tapas na bunda e mais importante, nenhuma era prostituta. Olha tenho um profundo respeito pelas prostitutas. Algumas são muito sinceras. Outra coisa, fazer ou deixar de fazer sexo anal por si só, não foi fator determinante para eu considerar uma noite de sexo como boa ou horrível. É claro que eu topei com algumas estátuas também, mas como te disse antes, fiquei pouco tempo com elas. O bonus não compensava o onus. Não fico com ninguém por caridade. As minhas melhores transas fluiram com tanta espotaneidade e naturalidade que simplesmente as coisas foram acontecendo e ninguém fez nada obrigado. Pode ser que tenha gostado mais de algo e menos de outra coisa mas obrigado ninguém fez nada. Mesmo estando casado a 20 anos com a mesma mulher eu considero que as nossas transas são boas. Não tenho do que reclamar. PS. Deve ser que exista homens ruins de cama também, acho que os frescos são fortes candidatos, mas como eu nunca fiz sexo com homens, não tenho conhecimento suficiente para opinar a respeito. Hehehe.

Luiz disse...

"Quantos caras não procuram médicos desesperados para aumentar o penis para ficar igual a dos atores dos filmes."

O termo 'a arte imita a vida' é para ser interpretado no sentido figurado da coisa, entende? Caso você tope com um sujeito que sai por ai dando socos na cara das pessoas depois de assistir os filmes de Rock Balboa, chame imediatamente um psiquiatra pois ele não conseque distinguir ficção de realidade e sofre de sérios distúrbios psicológicos. Nos filmes, nos livros é permitido algo que os autores chamam de uma certa licença poética.

"mas não se iluda achando que pornografia é ultimo exemplar de liberdade sexual incontestável"

Não acho que pornografia é o apice da liberdade sexual mas não tenho dúvidas de que a sua proibição tornará o mundo um lugar menos livre sexualmente, mais moralista e mais chato.

"quem me garante que a pornografia não é um refúgio para manter as coisas como eram antes?"

Antes de quem? Muito genérico. Mudanças podem ser para melhor ou para pior. Nos ultimos anos a violência contra a mulher diminuiu muito. Mulheres ganharam posições de destaque e uma chegou inclusive a Presidencia da República. Simultaneamente o acesso a pornografia também aumentou. Essa tese sua de que a pornografia por si é ruim para as mulheres é algo para ser provado. As evidencias sugerem que pode não ter nada a ver uma coisa com outra. Ps. Não acredito que ascensão de mulheres decorre do acesso a pornografia. Não compartilho dessa simbiose lógica não.

"acha que a namorada tem que fazer igual as atrizes dopadas dos filmes. Com a liberação sexual e com a pilula com o senhor bem disse, a mulher passou a exigir um melhor tratamento na cama, o que não siginifica que o homem tenha mudado, pelo contrário."

Fazer sexo obrigado é estupro e estupro é crime. Se você acha que no mundo não existe homem suficientemente bom para se relacionar com você, fique sozinha. Ninguém é obrigado a se casar, a namorar e nem a fazer sexo. Você deve conhecer aquele ditado, antes só do que mal acompanhado. Da mesma forma os homens são livres para escolherem o que eles quiserem. Se preferirem prostitutas que mal tem nisso? Prostitutas também são mulheres. Tem homens que preferem pornô. Qual o problema? Você acha que pornô faz mal para a humanidade? Margarina também faz. Infarto é a segunda maior causa de morte no Brasil e nem por isso eu acho que deve proibir a venda de margarina por causa do colesterol. Eu acredito que as pessoas adultas são capazes de fazerem as suas próprias escolhas pessoais. Ou seja, são capazes de decidirem por si só se vão assistir filmes pornô e comerem margarina e assumirem as consequências dessas escolhas. Não precisamos colocar uma Irany Lopes, a insaciável, na porta de cada supermercado e de cada locadora de vídeos dando blitz na sacola das pessoas para ver se elas estão levando para a casa margarinas e filmes pornôs. Eu não quero terceirizar a minhas escolhas pessoais porque quase sempre quando se terceiriza isso quem assume essa função é um idiota metido a sabichão. Lamento lhe informar, mas você definitivamente não sabe o que é melhor para a minha vida nem para a vida do seu vizinho. Se um dia você chegar na sua janela e ver ele assistindo pornô na sala da casa dele, nada de dar chilique e desligar o disjuntor da casa dele mesmo que seus dedos estejam comichando para fazer isso. Contenha-se, por favor! Hehehe.

Luiz disse...

"Controle de que? Nunca mulher teve controle em nada , menos ainda de sexualidade. Ela era proibida de sentir prazer, sexo era só para reprodução. Homem sempre em todos os séculos procurou por prostitutas uma vez que com sua mulher somente tinha relações para ter filhos e ainda sim era muito ruins pois a mulher não poderia nem toca-lo , nem se despir."

Talvez essa tenha sido a realidade da sua avó, certamente não é a sua. Se ela foi infeliz por isso eu lamento pela sua avó ou pela sua mãe, mas por você não. A sua realidade é bem diferente da delas.

Quanto a questão da Andrea Dorkwins eu só tenho a dizer que ninguém leva ela muito a sério nem as outras feministas. Eu se topasse com ela sairia correndo mas é um hábito que tenho quando topo com gente demasiadamente esquisita. Se tem traços de maluquice ai eu não espero para ver. Quanto ao fato dela não ser lida nos EUA eu até entendo, afinal pendores proibicionistas não são muito bem assimilados pelos norte americanos. Eles preferem valorizar a liberdade individual de escolha de cada indivíduo. Mas é só uma questão de público. Quem sabe no Irã ela faça mais sucesso. Traduza e distribua os livros dela entre os membros da guarda revolucionária. Vai que eles gostem!

LisAnaHD disse...

Luiz, sempre aprecio seus textos independentemente de concordar ou não... e realmente textos com mais adjetivos do que substantivos perdem sua essência, pois raros são páreo prum Dickens... qto a Cuba, a prostituição voltou com força total... a mesma prostituição que sempre assolou o Nordeste brasileiro tanto por lá qto pelo tráfico de linda mulheres nordestinas pra São Paulo...

Alguém aqui já leu "Meninas da Noite", de um conhecido jornalista brasileiro (cujo nome se me vai)? O livro é de uns 15 anos, creio... está na minha estante, lido pela metade, pois eu chorava a cada vez que lia um trecho.

yulia2 disse...

''Não costumo responder a esse tipo de texto.''

mas já respondeu, agora é tarde..rsrsrsr

''Defendo a liberdade como princípio inviolável e neste
caso defendo o seu direito de criticar o que você quiser''

legal. eu também.

''Quem parece não ser muito simpatica a idéia de liberdade é você''

eu ? sou a favor sim da liberdade, mas não sou obrigada a agradar esta ou aquela ala. certo? se minha opinião e os conceitos não te agradaram, não posso fazer nada.

''suspeitas de seus pendores totalitários ou no mínimo a sua defesa''

acho que houve um mal entendido. devo ter me expressado mal. vamos lá... Luiz , eu dei aquela resposta para rebater o que vc disse antes de que quem não gostasse de pornografia
poderia ficar a vontade para morar na arabia saudita. sim isso foi risível pois não gostar de pornografia não me faz nem um pouco conservadora embora vc tente me tachar disso. Conheço homens que também não gostam de pornografia, isso não faz deles conservadores. È questão de gosto.
E mais, pornografia NÃO é representativo em nada no tocante a liberdade sexual, por isso que
eu disse que isso não passava de patifaria. ok, eu deveria ter escrito (esse negócio de que filme pornografico é liberdade sexual é patifaria)

Não estava me referindo a liberdade de expressão. Respeito a liberdade de expressão de todos,
espero ser respeitada também.

yulia2 disse...

''Recentemente um conceituado fotógrafo japonês reuniu 500 casais em um ginásio no Japão. A idéia era ele tirar fotos deles e
filma-los fazendo sexo simultaneamente. No seu ponto de vista isso é arte ou pornografia? ''

é claro que eu estava me referindo aos filmes do redtube grátis para todo mundo ver,cusparada, xingos, tapas na cara,vomitos no pau, pedofilia, urina , fezes, atores drogados.... isso é arte?
creio que vc já deve ter visto.
A grande massa , principalmente crianças estão vendo redtube e outros do genero e não os 500 casais japoneses, certo?
os filhos dos sirotisk(donos da rbs santa catarina) que doparam e estupraram uma garota de 13 anos se inspiraram nesses filmes
a própria reportagem mostrou isso.
enfiaram até o controle remoto na vagina dela, como explicar? minha preocupação não são os adultos, e sim criança e adolecente que não tem discernimento e vai se pautar , trazer isso no seu cotidiano.


''No meu ponto de vista, isso depende da cabeça do censor de plantão.''

censor? não estou censurando ninguém aqui, mais uma vez estou
expressando minha opinião. se vc acha pedofilia, fezes, urina
violencia coisa normal e natural isso é vc , eu não acho e isso não
me faz censora de nada. chama tua filha para ver redtube com vc então,já que pra vc é tão natural, eu hein...

''Quando você fale em "a gente" eu não sei de que organização, seita, grupo político que você é porta-voz.''

quando eu disse (a gente) me referi a quem não gosta da pornografia. somente isso.

yulia2 disse...

''No caso da regulação da sexualidade pela igreja, suponho que seja a igreja cristã.''

Seria essa tal separação entre sexualidade e pornografia.

me permita uma observação. a igreja cristã sequer admite a existencia sexualidade
livre mesmo entre casados. portanto, sequer existe separação de sexualidade e pornografia.
sexo apenas para procriar, nada de ter relações porque gosta
mesmo depois de casado, e nada mas nada de ter prazer também, se tiver tem que pedir perdão a deus várias vezes por ter sentido.
com não poderia ser assim com a esposa, então o jeito era procurar
amantes, prostitutas para resolver esse problema.

e antes que vc vá mais longe, vc está tentando colocar quem não
gosta de pornografia no mesmo rol dos religiosos reguladores de sexualidade e isso é um tremendo equívoco. vc acha que quem não gosta de pornografia não gosta de sexo? por favor.
gostamos de sexo como qualquer outra pessoa. não somos contra a sexo oral, anal , masturbação , relações homossexuais...
e etc, cada um sabe o que faz no particular( cansei de dizer isso aqui.)!!!!

e vc quer associar relação sexual entre duas pessoas um casal de namorados ou até casual com pornografia, onde pessoas SÃO PAGAS para fazer tais
representações e muitas vezes de cara cheia dependendo de como e onde é feito.é uma relação de NEGÓCIOS e não de prazer e cumplicidade. Eles são produtos
objetos a serem comercializados a serviço do prazer alheio.é artificial e mecanico
com diálogos deprimentes que usualmente uma mulher comum jamais aceitaria. (são poucas
as que aceitam e no caso de aceitar, deve ser de uma super baixa estima mas deixa pra lá
isso é uma outra conversa.
o foco desse MERCADO é direcionado ao prazer de um só no caso do homem. será que agora entendeste a diferença? Não estou sendo moralista e menos ainda religiosa, estou constatando as coisas são como são. por isso que não tem nada a ver associar sexualidade a pornografia.

yulia2 disse...

''Quem vai controlar e dizer o que é pornografia e o que não é? Você?''

não sou eu, são os produtores de filmes que fazem isso. os filmes com titulos: xxx porn...(porn é
de pornografia né?) os próprios produtores se entitulam pornográficos...rsrsrs
não preciso ter esse trabalho.

''Quanto a associação que você faz entre consumo de drogas e filmes pornos''

eu não disse que todos que usam drogas faz pornografia... preste mais atenção no que eu escrevo.
eu disse que a maioria dos atores usam drogas, precisam usar drogas para fazer os filmes.
os próprios ex atores pornos falam que a maioria precisa consumir
drogas para fazer os filmes... a internet está farta de matérias sobre isso.
http://papodehomem.com.br/pdh-porn-o-lado-negro-da-pornografia/ de uma olhada

''Eu, definitivamente não. Eu não reclamei da propaganda da bombril, não.''

mas muitos reclamaram até ser tirado do ar.

e a Iriny Lopes, não censurou ninguém. a imprensa anti-petista adora desinformar as pessoas...
Ela, com base em inúmeras reclamações que recebeu
de clientes PEDIU ao Conar a retirada da peça.veja bem... PEDIU, e não ordenou, quando se pede , está sujeito a receber um sim ou um não. negaram
o pedido e a propaganda continuou. O mesmo não ocorreu
com a bombril.

''Ela é que padece de um fervor quase doentio para controlar propaganda de calcinha e roteiro de novelas da Globo''

quer um conselho? para de ver jornal nacional e o pasquim veja, vai te fazer bem... ela não tem nada disso, ela apenas atendeu a um pedido de muitas clientes insatisfeitas com a peça. só isso.

''Não tenho hábito de fazer beicinho e ficar dando chiliques por ai''

mostrar insatisfação com peças publicitárias não é fazer beicinho.também não gostei da propaganda da bombril, achei besta, mas tiraram do ar a hope não, pau que dá em chico dá em francisco também.

''Essa guerrinha de sexo é demais para minha parca inteligência''

uai, e quem ta fazendo guerra de sexo aqui?

lauren disse...

Nao existem prostitutas.
Sao mulheres prostituidas.

As mulheres nao estao a venda!

yulia2 disse...

''Não tenho o hábito de tratar a outra metade da humanidade como inimiga, não''''

nem eu...

''Deve ser por isso que eu não tenho nada a reclamar das mulheres que me relacionei.''

que bom para vc. tem gente que tem motivos para reclamar , desabafar qual o problema? está incomodado?

''Nunca as tratei como inimigas e parece que elas também não nutriam grande ódio e rancor por homens.''

ihhh cara... pera lá... ninguém aqui está tando a b ou c como inimigo! estamos dando opiniões , conceitualizando, debatendo sabe??... quem aqui tem ódio de homem meu filho? para!
vai dizer também como um monte aqui já disseram que somos frustradas , mal comidas... e todo clichezão surrado só porque cometemos o crime hediondo E imperdoável de não gostar de pornografia... MEU DEUS!!!!
'
''não acredito que isso seja uma questão de gênero''

com certeza não.

''foi escalada pela nossa Presidente para administrar a Secretaria de Mulheres.''

coitada... ela não fez nada demais...rsrsrs


''de absorvente Intimus Gel voltado para o público masculino?''

kkkkkkk vc jura que quer comparar pornografia com propaganda
de absorvente? sério mesmo cara???
um é pano e algodão, outro é comércio de pessoas..ah deixa prá lá...antes eles do que eu.

''Se é esse o tipo de filme pornô que você vê, sugiro procurar algo melhor.''

esse é o tipo de porno a custo zero nos tubes da vida...pra que pagar se pode ver de graça? e não é um ou outro, são milhares.
e não vejo mais esses lixos.


''Agora se é desses que você gosta, tudo bem''

não meu filho, não é questão de gosto é que para vc falar do assunto, vc tem que estar inteirado dela.isso é básico.

''Como disse anteriormente, tudo que duas pessoas adultas e em pleno gozo de suas faculdades mentais fazem em matéria
de sexo e com pleno consentimento dos envolvidos, é problema delas.''

misturando sexo com pornografia mais uma vez....oh god!

no sexo o que pessoas adultas fazem sim é problema
delas e não disse o contrário nenhuma vez.

Na pornografia o que eles fazem é problema do diretor do filme e quem vai consumi-lo.

yulia2 disse...

''Problema eu acho que tem quem tenta controlar isso.''

de novo esse papo? quem quer controlar isso? santo Deus! que desespero cara! calma vc vai
ninguém vai acabar com a sua diversão não!

''Não tem nada mais brochante e mais estraga prazer do que conversar com alguém que acha que que o mundo lhe deve algo. Tem pessoas na vida que só sabem se lamentar.''

vc quer brincar de analista ? então vamos lá.
percebi pelas suas postagens que vc tem grandes dificuldades em tolerar quem pensa e age diferente de vc.
e o que vc vulgarmente chama de lamento e reclamação eu chamo de inconformismo.
sorry, vc acha que é isso, mas eu não e muita gente não...ok, ache que vc quiser. são os inconformados e rebeldes que movimentam o mundo, não os conformados que aceitam bovinamente tudo sem contestar.
Não acho que o mundo me deve alguma coisa, nunca achei. Eu não sou massa de manobra de sociedade
e nem de ninguém. putz... tudo isso porque eu disse não gostar de pornografia... ai meu
deus o que eu fui arrumar para minha cabeça jesuiiiisss!

LisAnaHD disse...

Luiz, qto mais leio comentários mal redigidos, mais aprecio os seus.

LisAnaHD disse...

Lauren, existe tb a prostituição masculina... "mulheres não estão à venda" então que tal "há mulheres que não estão à venda"?

Há sim mulheres que se vendem e and the savvy ones se vendem por alto e caro preço... sabem negociar.

lauren disse...

ana_alice, muito importante seu comentario. Vc explica como e desde o ponto de vista da nulher.
Concordo com o que vc e a yulia dizem, tambem, sobre o brasileiro e a falta de satisfazer a mulher. Lendo a parte sobre sexo oral, lembrei que os namorados que eu tive quando morei no Rio eram pessimos nisso.

Lembro tamben que mais que um namorado meu disse que a primeira vez dele foi com uma prostituta. Que foi o pai que levou, para assegurar que ele, aos 12 anos, nao era gay.

Que diferenca ter sua primeira vez com alguem da mesma idade, que vc escolha, que quer ficar com vc.
E o que isso deve deixar na mente de um menino, e como vai afetar as futuras namoradas dele.

yulia2 disse...

''agora pode ser que o mundo todo esteja errado e você certa. Caso você tenha plena convicção de seus posicionamentos siga em frente.''

compartilhando do que eu penso, conheço muita gente.o mundo mudou e o mundo muda, evolui graças aos rebeldes.

''Agora da mesma forma que você tem todo o direito de conviver com quem você quiser as pessoas também tem todo o direito de não querer conviver com você.''

de acordo.


''Agora se você tiver mesmo grandes dotes e ninguém mesmo assim os reconhecer, não fique lamentando.''

tem alguém lamentando aqui? vc enxerga o que eu falo como lamento...te expliquei isso acima.

''Você não precisa necessariamente fazer o mesmo que uma atriz faz''

isso é vc. tem cara que não pensa assim e acha que temos a obrigação
de seguir o script sinistro e se gostamos ou não , isso é o que
menos conta para certos homens.

''Faz sexo mecanicamente, quase por "obrigação" e com uma tremenda má vontade.''

isso eu nunca fiz. mas tem mulher que faz sexo sem estar com vontade
com medo dele trocar por outra geralmente o cara ameaça...
isso aconteceu com minha ex-cunhada, o cumulo da baixa estima.
não temos botão on off,somos humanas, se ela está sem vontade pode ser por vários fatores.

''Fazer ou deixar de fazer algo na cama não garante o sucesso do sexo.''

sempre pensei assim.
agora ninguém parou para pensar num fator que tem pesado muito ultimamente nas relações sexuais.
as dsts... muitos caras mas muitos mesmo, se recusam a usar camisinha. e isso é grave, tem gente das minhas relações de amizade que infelizmente
pegou hiv. puxa vida se tivesse usado...acho esse papo de atrapalhar o prazer uma furada. mas enfim.

yulia2 disse...

''Algumas gostavam de levar tapas na bunda e mais importante, nenhuma era prostituta''

em nenhum momento eu disse que mulher que GOSTA de tapa é prostituta. não deturpe minhas frases! aliás eu nem citei tapa na bunda, eu falei de tapa na cara e cusparada na cara!
e também eu nunca ataquei as prostitutas aqui.

''Deve ser que exista homens ruins de cama também, acho que os frescos são fortes candidatos.''

deve não... existe. e ao contrário do que afirmou são os metidos a machões é que são os ruins... o famoso fala muito e faz nada....
o cara tem nojinho de chegar a boca lá... se sabe onde.

''O termo 'a arte imita a vida' é para ser interpretado no sentido figurado da coisa, entende?''

Luiz meu filho... tem fartas matérias sobre isso....
sobre homem que corre atrás do pau do ator porno em médicos.
acha que eu inventei isso? vai no mercado livre e veja o aumenta
dor de penis.....

''mas não tenho dúvidas de que a sua proibição tornará o mundo um lugar menos livre sexualmente, mais moralista e mais chato.''

a mim essas porcarias não faria a menor falta...acho até que o mundo melhoraria, certos homens parariam de ver como boneca inflável depósito de esperma,e passaria a ver como humana. maaaas
para os desesperados vai fazer muita falta , por isso não quero
as ruas cheias de desesperados chorando... por favor Luiz, pegue um texto de minha autoria
em que eu prego a censura dos filmes.mania de atribuir a mim coisas que eu não disse!!!!

''Antes de quem? Muito genérico''

antes da revolução sexual, eu deixei bem claro nas minhas postagens anteriores!

'Nos ultimos anos a violência contra a mulher diminuiu muito''.

não acredito que pornografia seja a solução para diminuir a violencia, estupros continuam abundando nesse mundo a fora.

''Essa tese sua de que a pornografia por si é ruim para as mulheres é algo para ser provado.''

vc não consegue provar que pornografia soluciona o estupro e o resultado concreto é de que continua acontecendo estupros sim, Africa do sul que o diga... porque
eu tenho que provar que pornografia é ruim para mulher...
se fosse bom mulher consumiria os filmes também, mas quem consome mesmo? 90% de homens. por favor né?


''As evidencias sugerem que pode não ter nada a ver uma coisa com outra.''

as evidencias mostram que 90% dos consumidores de pornografia são
homens, filmes voltados para o homem, etc... já disse isso aqui.

''Ps. Não acredito que ascensão de mulheres decorre do acesso a pornografia''

sim mas essa é a sua opinião.
eu apenas disse que a pornografia e a prostituição são o refugio seguro para homens que resistiram as mudanças no comportamento sexual da mulher.
com prostituta vc não tem que se preocupar como prazer dela, nem do que ela gosta e nem nada. paga goza e vaza, cabou.
na tela vc ve o que quer todo aquele enredo corpo siliconado, menores... voltados exclusivamente a agradar o gosto masculino
não vou repetir tudo de novo. já disse isso lá em cima.

''Lamento lhe informar, mas você definitivamente não sabe o que é melhor para a minha vida nem para a vida do seu vizinho.''

e me interessa sua vida cara? eu falei da sua vida? eu não estou ditando nada a ninguém
de novo atribuindo coisas a mim que eu não faço.. caramba!
ta dando no saco essa sua mania de dizer que eu quero censurar os filmes , regular a vida dos outros, para com isso
aprenda aceitar quem pensa difente de vc!
relatar fatos não é regular ninguém.é só relatar! putz!

''Se um dia você chegar na sua janela e ver ele assistindo
pornô na sala da casa dele, nada de dar chilique e desligar o disjuntor''

rsrsrsrsrs só vc para pensar uma coisa dessas... ai meu deus....
só rindo mesmo. não sabia que ter opinião própria dava tanta mão
de obra.

yulia2 disse...

''Talvez essa tenha sido a realidade da sua avó, certamente não é a sua.''

sim , mas durante muitos e muitos séculos foi assim.
isso não muda do dia para noite, vc sabe disso.
isso fica gravado na memória, no dna da sociedade.
se a sociedade fosse todo esse paraiso de liberalidade não tinhamos por exemplo homens matando mulheres porque se separaram deles, ou porque foram
traídos ou crimes contra homossexuais. tem homem que não que não admite que sua
mulher trabalhe fora.
mulher que transasse no mesmo dia que conheceu o cara , não seria
tida como piranha. teve um cara no meu trampo que disse assim: ''saí com uma mina e ele foi fazendo tudo o que eu pedia... putz , desanimei achei muito vagabunda, mulher não pode fazer tudo o que a gente pede na cama não.., nem liguei mais para ela.''

LisAnaHD disse...

imagine se induzir um menino de 12 anos a ter a primeira experiência sexual com uma prostituta (ou qq outra mulher assim mais velha) vai provar que o menino não é gay !!! pode até colaborar pro menino se tornar gay, isso sim.

lauren disse...

LisAnaHD, concordo com vc sobre forcar um memnino de nao ser gay. Apos escrever aquilo, pensei, 'imagino se esse menino gosta dos homens. A experience vai ser tragica'. E para a mulher prostituida?!

Ele era mais novo que eu enato aconteceu nos anos 70.

Ao respeito das prostitutas, 'to falando do principio que disse que a prostituicao foi inventado por homens (No Sumer antigo, por sacerdotes). Que ate que a mulher eh bem pago, igual do que os homens, e ate que a violencia do homen contra a mulher acabe, nao se pode falar em 'sex work'.

"They keep women poor, so women have to sell them sex" (Andrea Dworkin, 'I Want a 24 Hour Truce During Which There is No Rape).
O homen faz que a mulher seja pobre, que viva na miseria (ou que sempre existe essa ameaca) entao ela tem que vender o oorpo para ele.

Eu disse...

Laureen, muito interessante essa afirmação. Mas e o homem que vive na miséria? O que ele faz? Droga-se, mendiga ou parte prá ação criminosa. A Gabriela Leite não era pobre ou ameaçada pela miséria e se tornou prostituta. Mas ela não é parâmetro. Não temos como deixar de perceber a conexão entre miséria e prostituição na indústria do turismo sexual, por ex., seja em Copacabana ou no Recife.




"They keep women poor, so women have to sell them sex" (Andrea Dworkin, 'I Want a 24 Hour Truce During Which There is No Rape).
O homen faz que a mulher seja pobre, que viva na miseria (ou que sempre existe essa ameaca) entao ela tem que vender o oorpo para ele.

Lu disse...

Oi, Lola!
Que interessante esse texto da Taormino. Nunca tinha dado de cara com ele. Desde que descobri que esse tipo de pornografia feminista existe tenho feito diversas pesquisas sobre o assunto e, inclusive, assistido aos filmes que encontro (que são dificílimos de achar... em geral só Erika Lust parece ter um pouco mais de popularidade). Apesar de achar interessantíssimo esse questionamento, tenho algumas ressalvas, uma delas pela questão comercial, que parece bem forte também nesse ramo do pornô. Li uma entrevista a uma diretora que foi indicada no feminist porn awards (não me recordo o nome agora) em que ela diz que o mercado agora conta com esse novo público [mulheres] consumidor de pornografia, e por isso é necessário que se produza pornografia que o agrade. Ou seja, ela trata isso como uma questão mercadológica, de oferta, procura, consumo e produção. Isso é meio problemático, na minha opinião. Mas não sei também se é o momento de fazer essa crítica, já que, de maneira geral, não deixa de ser uma afronta ao pornô tradicional.
De qualquer maneira, vou ler esse texto da taormino. Espero, muito em breve, escrever sobre minhas impressões sobre a pornografia feminista em meu blog, seria legal manter um diálogo e promover a discussão.

lauren disse...

Eh logico que a classe baixa, feito de homens e mulheres, vive na miseria. Nao 'to dizendo que a patriarcada afeita somente as mulheres. Mais obviamente, nao pode-se comparar.

A grande maioria das prostitutas no mundo sao mulheres e criancas. E sendo este, um blog feminista, comentos sobre o que acontece com a mulher - que tamben faz a maioria no mundo. Os casos particulares da prostituicao nao entra. Mais livre escolha a mulher jamais pode ter dentro de um sistema onde ela e domindo por homens, trabalha de graca por eles, e violentada, assaultad e matada por eles am numeros
que sao genocidiacos.

A Sheila Jeffries tem um excelentissimo livro, "The Idea of Prostitution" - vale demais a pena ler.

Raphael disse...

Um problema da pornografia atual é que a maioria dos fetiches mais doidos que eu curto são tudo de lésbica... Oh céus... ¬¬

Sara disse...

Professor Pasquale deve estar tendo um troço rrsssssssssss.

yulia2 disse...

Tem gente que não tem argumento e fica fazendo observações totalmente irrelevantes ao debate.

Yuri disse...

Eu sou da opinião da Annie Sprinkle, Nina Hartley e outras que falam do emponderamento da sexualidade das mulheres.
Ao ver pornografia, ou sexo violento como algo "menor" que um sexo bonitinho e mútuo de filmes de romance (que TAMBÈM são mecanismos da máquina capitalista para controlar sua mente) se estabelece uma hierarquia do prazer sexual aceitável e saudável. E isso já foi feito para denegrir os homossexuais.
Pode-se ler mais aqui: http://www.miriamgrossi.cfh.prof.ufsc.br/pdf/gaylerubin.pdf
Ao invés de regular de forma externa (da mesma forma que os censores de filme fazem na ditadura) por que não tentar fazer uma pornografia melhor?
Uma crítica interessante à Dworkin é a que Linda Williams faz: "A proposta (errônea) que mulheres são seres naturais e que sua sexualidade, se deixada em um estado de natureza, fora da história, poderia ser livre de relações de poder. As implicações do argumento de Dworkin - e da posição anti pornografia feminista em geral - é que homens são seres carnais, perversos, poderosos, violentos que "amam assassinato", enquanto mulheres são seres assexuais ou gentilmente sexuais e mesmo quase inerentemente lésbicos. Esse argumento sugere, erroneamente creio eu, que se a sexualidade feminina se livrasse de suas contaminações patriarcais ela não expressaria violência, não teria relações de poder, e não produziria fantasias sexuais transgressoras".

Yuri disse...

Ah, e quanto à idéia de Dworkin de que penetração não é sexo porque muitas mulheres gozam com carícias externas, explico: A estrutura física de excitação sexual feminina, que tem sido estudada apenas muito recentemente devido ao patriarcado, necessita de um tempo maior para ficar completamente pronta para a penetração, devido às várias áreas que funcionam independentemente. Essa informação não existia na época de Dworkin.
Pode ser encontradas mais informações nesse livro fantástico aqui: http://www.amazon.com/Womens-Anatomy-Arousal-Sheri-Winston/dp/057803395X

Yuri disse...

Enquanto o post da Lola sobre pornografia não sai, vou compartilhar aqui algumas idéias interessantes que achei por aí:

"Há uma diferença importante entre dizer 'eu não gosto disso' ou 'eu não entendo o que leva as pessoas a fazerem isso' e dizer 'este ato sexual é ruim/doente/esquisito'. Quando alguém expressa uma objeção a uma prática sexual, frequentemente há um mote de julgamento sobre as pessoas que o fazem, e de dizer que há algo errado com elas por gostarem disso. Mesmo se não for intencional, esse julgamento aparece."
Charlie Glickman.
http://www.charlieglickman.com/2011/09/robert-jensen-doesnt-understand-sex-positivity/?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:%20CharlieGlickman%20%28Charlie%20Glickman%29

"Eu tinha um arsenal de teimosias estúpidas quando eu entrei [na pornografia]. Eu era contra mais de um pau numa cena, e contra ejaculações faciais, e contra degradação e coisas que me disseram que eram degradantes. Desde então eu decidi que a coisa mais degradante de todas é que um estranho me diga que eles tem uma idéia melhor de quanto estou sendo degradada do que eu mesma."
Kayden Kross. http://www.xbiz.com/blogs/130296

As duas citações foram encontradas aqui:
http://sexisnottheenemy.tumblr.com/

Thata disse...

“a coisa mais degradante de todas é que um estranho me diga que eles tem uma idéia melhor de quanto estou sendo degradada do que eu mesma”

Yuri, obrigada pela oportunidade de reflexão!

Pela lógica, igualmente degradante é um estranho (mais que isso: um estranho que lucra com isso - diretores, publicitários, programas financiados pelos anúncios etc) dizer que ele tem uma ideia melhor de quanto a mulher NÃO está sendo degradada ao fazer o que eles querem (com o q eles lucram).

Por isso, o melhor caminho é a reflexão crítica.
Infelizmente há pouquíssimos espaços nos quais pode ser levada a cabo. E, mesmo nesses espaços, há os que, sentindo-se ameaçados nos seus costumes arraigados, pretendem censurar o livre pensamento.

Thata disse...

"Ao ver pornografia, ou sexo violento como algo "menor" que um sexo bonitinho e mútuo de filmes de romance (que TAMBÈM são mecanismos da máquina capitalista para controlar sua mente) se estabelece uma hierarquia do prazer sexual aceitável e saudável"

Cuidado com as dicotomias fáceis.
Não vi aqui ninguém elogiando filmes de romance. Pelo contrário, as feministas têm a exata noção do quão sexistas são os filmes “românticos” - neles, a mulher não pode gostar de sexo desvinculado de amor. Senão é denegrida e violentada.

“SEXO “MÚTUO” ”
Você acabou de reconhecer que a pornografia (tradicional - não as feministas - que, aliás, não são romancezinhos baratos) retrata um sexo que NÃO É MÚTUO.
Ora, um sexo que não é mútuo é uma MASTURBAÇÃO com o corpo do outro (desumanizando-o), e NÃO UMA RELAÇÃO SEXUAL.

As relações sócio-simbólicas entre mulheres e homens são completamente distintas das relações sócio-simbólicas entre homossexuais. As críticas feministas à pornografia diferem qualitativamente das críticas conservadoras à pornografia produzida para homossexuais.
Novamente, retomando o que já foi colocado exaustivamente por yulia2, a crítica feminista à pornografia EM NADA se aproxima da repressão conservadora ao sexo.

Yuri disse...

Não estou comparando a crítica feminista a pornografia com a crítica conservadora a homossexuais. O que coloquei foi que se estabelece uma hierarquia de relações sexuais aceitáveis e outras não. Isso fica mais claro no artigo de Gayle Rubin que eu coloquei. Vale a pena dar uma lida.
Vi uma crítica recente à pornografia que é muito boa, infelizmente não consigo achar o link. Ela reconhece que há boa pornografia sendo feita, e que a crítica à pornografia deveria focar na pornografia misógina.
Agora, deixe-me dizer: A crítica feminista da "segunda onda" se aproxima SIM da crítica conservadora ao sexo, ao ponto em que haviam críticas aos membros da comunidade BDSM dizendo que tudo o que eles faziam era reproduzir papéis opressores de dominação e essa prática deveria ser abandonada.
As feministas que advogam a favor do direito de produzir e vender pornografia falam do direito que elas têm de se pronunciar como indivíduos, de forma adulta e consensual, sobre os limites do próprio corpo.

Yuri disse...

Obrigado pela discussão inteligente, Thata.

E retomando o seu comentário:
"Ora, um sexo que não é mútuo é uma MASTURBAÇÃO com o corpo do outro (desumanizando-o), e NÃO UMA RELAÇÃO SEXUAL."
Posso estar enganado, e me corrija se eu estiver, mas você está criando uma hierarquia (baseada na semântica da palavra "relação") do que seria mais "humano" e o que seria desumanizante.
Se dois adultos decidem, por quaisquer motivos que o valha, "masturbar-se com o corpo do outro", ou servir de acessório masturbatório para outrem, qual é o problema? Não é decisão dos envolvidos? Note que você está tentando definir o que desumanizaria outras pessoas. Se eu, adulto em pleno uso de minhas faculdades mentais, quero vender sexo e auferir lucro do fato de meu corpo ser utilizado por mim como acessório masturbatório, estou errado? Estou me desumanizando? Você tem mais noção disso do que eu mesmo?

Yuri disse...

Vê a diferença entre dizer "Eu não entendo porque pessoas entrariam em comum acordo para se masturbar com o corpo uma da outra" e "Fazer isso é desumanizante."?
O primeiro expressa uma incompreensão do ato, embora livre de julgamento. O segundo taxa tal ato como inerentemente desumanizante e, consequentemente, errado.

Thata disse...

Denada, Yuri.
Eu é que lhe agradeço, já me empolguei só de ver o tom de suas colocações.

Bom...
Sobre classificação de relações sexuais em "aceitáveis" e "não aceitáveis":
Acho problemático quando as pessoas SE RESUMEM A enunciar:
(1) ela/ele é adulto, portanto, o que faz só diz respeito a ela/ele mesma/o;
(2) tudo o que é fantasia sexual é válido e não se pode discutir isso sem cair na repressão.

(1)
A) Claro, os adultos são livres para deliberarem sobre os próprios corpos.
B) Entretanto, quanto às produções industriais, tenho o direito de criticar, com fundamento, determinadas produções como uma ofensa à identidade coletiva, neste caso, de mulher.
Esse assunto é extremamente complexo e delicado. De um lado, os direitos individuais (os quais subscrevo sem hesitar), de outro lado, os direitos coletivos - pouco desenvolvidos e quase inexistentes na mentalidade social.
Por exemplo, há alguns anos, o judiciário concedeu direito de resposta às mulheres (coletivamente consideradas) por ter sua identidade/dignidade humana ofendida por um programa de TV. Da mesma forma, as pessoas negras têm o mais legítimo direito de criticar publicamente e exigir reparação se sua identidade coletiva for ultrajada. Mas... nosso "senso/sentido comum" não está preparado para conciliar direitos coletivos com os já assimilados direitos individuais.
Seguindo nesse raciocinio, a questão nunca deve se resumir ao indivíduo que aceitou o papel, mas precisa focar na indústria que há por trás dessas produções, nos mecanismos concretos de enriquecimento e seus pilares.
Quanto ao indivíduo que "aceitou o papel", a única atitude possível é um debate/crítica pública séria - o que atualmente mostra-se irrealizável por conta do domínio da imprensa comercial e conservadora.
Veja bem, uma coisa é a pessoa fazer o que quiser entre quatro paredes, outra coisa é tornar isso público, portanto aberto à crítica. Tem um exemplo, que um colega me contou, de duas pessoas que tinham uma fantasia que envolvia a morte de um dos parceiros, e ambos desejavam realizá-la, foram até o fim. OK, têm toda a liberdade inclusive de morrer (direito de deliberar sobre o fim da própria vida, e, da outra parte, de assumir as consequências legais do ato). Mas, se, por acaso, produzissem um vídeo e o pusessem em circulação, aí sim, a sociedade tem todo o direito de limitar isso (podemos discutir com que fundamento, mas é um detalhamento que deixo para depois).

(2) As fantasias sexuais, como qualquer outro produto da vida social, podem e devem ser analisadas com o mesmo rigor e empenho já empregados na pesquisa dos demais objetos de estudo consolidados, tais como economia, política, família etc.

UMA FALHA ELEMENTAR que observo na imensa maioria das reações imediatas (principalmente de homens) a qualquer crítica à pornografia misógina é: trata-se do meu prazer e não há nada a ser dito sobre isso. Uau! Censura!

Por que não posso analisar a linguagem da pornografia e das "fantasias sexuais" nela representadas?
Indagar qual sua sintaxe, qual sua semântica, quais os signos e suas posições? As representações sociais de gênero envolvidas? A relação entre tais representações e as práticas sociais? Há aqui um campo de estudo riquíssimo, praticamente virgem (desculpe o trocadilho... rsrs).
Quanto à relação dessa pornografia misógina com as práticas BDSM, neste momento, não sei; antes de qualquer coisa, estudarei esta questão - obrigada pelas ótimas referências (já tive contato com textos de Rubin, retomarei).

Thata disse...

Falei em RELAÇÃO sexual como um tipo de relação SOCIAL.

Acrescento: um sexo que não é "mútuo" é, NO MÍNIMO, uma masturbação com o corpo do outro, e, para além disso, é uma violência.
(I) Trata-se de uma masturbação com o corpo do outro quando:
(A) este outro não delibera conscientemente, portanto não emite sua decisão acerca do que fazer sobre o próprio corpo. Isto parece bobagem, mas é uma situação corriqueira entre mulheres jovens: estar na situação por pressão e afins.
(B) mais genericamente, quando você não se relaciona com o outro real, mas sim com sua própria fantasia. Isto, quando tratamos do desenvolvimento psicológico individual através das relações sociais, é um problema sério, quer dizer, relacionar-se mais com sua própria mente e menos com as pessoas reais - por exemplo, em casos extremos, o/a viúvo/a continua conversando com o/a esposo/a falecido/a (produzido por sua mente, na interpretação científica) mais do que com qualquer outra pessoa viva. Não sei se foi neste tópico, uma moça relatou que quando transava com um ex-namorado, ele só a chamava pelo nome de uma atriz pornô.
Quero dizer, da mesma forma que nas demais relações sociais, nas relações sexuais, a relação com coisas da própria mente pode sim constituir um detalhe, mas não o conteúdo principal da interação com outros.
O caráter de RELAÇÃO, neste caso, fica empobrecido.
ENTRETANTO, se duas pessoas deliberarem conscientemente fazê-lo, que façam.
Agora, a partir do momento em que se tratar de uma produção midiática ou entrar para o debate público, sujeitar-se-á às críticas.

(II) quanto a desumanizar, a "retirar o caráter humano de", refiro-me especificamente a tratar a outra pessoa como um OBJETO e não como um SUJEITO.

Interssante observar nos relatos acima como é frequente o homem (geralmente mais novo) esperar/pedir que a mulher seja aquela mulher do filme. Peraí, e essa pessoa real que está aí na sua frente, com corpo, mente, desejos singulares. Não existe. Quer dizer, essa pessoa só existe para mim na medida em que seguir o script da mulher do filme, uma personagem coisificada construída para prover lucro à indústria da pornografia. E, convenhamos, a mulher do filme é usada da mesma maneira que uma boneca inflável (objeto).
Outra coisa, beeeem diferente, é uma representação de papéis inteiramente compartilhada. (nesse caso, um objeto interessante de pesquisa e debate é a formação de tal mentalidade) Mas a questão levantada neste tópico, creio eu, trata do problema de isso ser unilateral.

Thata disse...

(III) Não me referi, de maneira nenhuma, a casos em que os parceiros fazem masturbação mútua, simultaneamente ou não. Looooonge de mim! Nem mesmo aos casos em que "A" fantasia de AMBOS seja masturbar-se com o corpo do outro/ser acessório masturbatório de outrem. (ui!)

(IV) Agora, quando existe uma indústria capitalista que lucra horrores através da criação de representações visuais nas quais o feminino SISTEMATICAMENTE é objeto (muito além/pior que isso...), inclusive de todo tipo de abuso e violência. E, como desgraça pouca é bobagem, vem construindo, antes de qualquer outra referência, a representação de sexualidade na mente dos (pré-)adolescentes (vide: www.antipornmen.org). Sim, eu tenho TODO o direito de criticar e denunciar o débil argumento de que tal produção (bem como as práticas sexuais que SÓ se realizam reproduzindo seu script) é expressão da liberdade individual.

(V) Quanto ao indivíduo do sexo feminino que aceita dinheiro para representar tal papel, primeiro, está trocando por dinheiro, na sociedade capitalista, então a liberdade dela é relativa, quero dizer, se isso fosse uma libertação (sei que vc não disse isso) faria SEM mediação monetária; segundo, posso argumentar exatamente o que já pontuei (mas, claro, no sistema capitalista o valor de troca é mais forte, e isso em relação a tudo...): você tem muito mais razão para desconfiar do argumento do cara que ganha fortunas com seu papel do que do meu, que nada ganho independentemente de sua atitude; terceiro, na medida em que você é o instrumento da construção de uma representação coisificada do feminino, isso TEM A VER COMIGO. Embora não haja legislação, regulamentação, princípios etc., no que tange aos direitos coletivos, o que posso fazer é levar essa discussão a público, tanto quanto pública é tal produção industrial (como fazemos neste lindo :) blog); Quarto, vou dizer sim, que ela, enquanto instrumento partícipe dessa máquina que, tanto no produto final quanto em seu conjunto, objetifica e violenta o feminino, sim, ela está se desumanizando. Ela tem a liberdade de pensar o que quiser, pode pensar até que isto é a maior libertação do universo - aliás é um argumento conveniente para justificar seu enriquecimento (ela tem direito de jogar o jogo capitalista tanto quanto qq outro, mas não me chame de idiota, isto é, não subestime as pessoas que a criticam seriamente).

Por fim...
Concordo que a crítica à pornografia deva direcionar-se à pornografia misógina. Ademais, acho estratégico, absolutamente necessário, produzir uma pornografia não misógina (aí abre-se uma discussão sobre os critérios para julgar como misoginia, que na verdade hoje são muito claros devido à misoginia gritante da pornografia tradicional, mas poderíamos discutir, por exemplo, a produção da Anna Span, mas isso já não é o foco agora). As pessoas feministas precisam se apropriar de todos os tipos de produção e distribuição de materiais multimídia (já que estes adquiriram altíssima relevância social atualmente).

(foi mal aí a extensão, mas,
tudo pela reflexão! rsrs)

Yuri disse...

É, o bom de discutir num post aqui depois de um tempo é que os trolls já foram embora.

E obrigado por organizar a sua fala em tópicos. Fica mais fácil de não se perder. Farei o mesmo.

1. Veja bem, considero essa relação entre os direitos individuais e coletivos problemática, pois se baseia em um sistema representativo. Quem irá advogar e legislar a favor de determinada identidade/dignidade coletiva são representantes desses grupos, que tomam assim, por exemplo, dignidade como dado objetivo. Há problemas nessa abordagem, pois é top/down: eu defino o que é dignidade para você. É uma questão muito sutil de semântica. Por isso eu discordo da atual abordagem quanto à lei Maria da Penha, por exemplo, e acredito que uma campanha educativa nesse caso seria muito mais proveitoso a longo prazo (embora compreenda a necessidade dessa medida tendo em vista os dados objetivos de mulheres abusadas/assassinadas). Definir o que é dignidade para pessoas que não sabem se pronunciar ao invés de ensiná-las a se pronunciar também é colonizar o seu discurso. Tenho alguns exemplos disso:
a. A história de Linda Lovelace, que foi cooptada por feministas da segunda onda e depois abandonada a própria sorte, tanto que voltou a fazer ensaios eróticos para se sustentar.
b. Judith Butler fala sobre a posição de Catharine MacKinnon em relação ao caso da Bósnia: "é possível tratar os privados de direito ao voto como se fossem desprovidos de voz, e se colocar como a voz dos desprovidos. Acho que vimos isso, de modo bastante problemático, quando a feminista americana Catharine MacKinnon anunciou no Fórum de Direitos Humanos de Viena, há muitos anos atrás, que ela representava as mulheres da Bósnia. Talvez ela tenha pensado que as mulheres da Bósnia não tivessem voz, mas ela certamente viu que não era o caso quando elas evidenciaram sua oposição ao esforço dela de se apropriar e colonizar suas posições."
c. A Portaria de Direitos Civis Antipornografia (também chamada de Portaria Dworkin-MacKinnon) foi aprovada em 1984 nos EUA, com base no Relatório Meese, e dizia que pornografia era uma afronta ao direito civil da mulher (e coloca que QUALQUER PORNOGRAFIA é uma afronta). Ao ser aprovada uma lei semelhante no Canadá, a primeira vítima foi uma loja que vendia pornografia homossexual, marginalizando assim um grupo já marginalizado.
Então o que quero colocar é que ouçamos a voz daqueles que fazem pornografia, e não os tratemos de forma condescendente com "ela acha que é livre, mas não é". Ninguém é livre. A definição de liberdade não é um dado objetivo.

Yuri disse...

2.Eu acredito que, assim como videogames violentos não geram violência, fantasias sexuais violentas não geram violência. Ou talvez gerem, mas não é um problema somente das fantasias sexuais, mas de toda uma sociedade que relega sexualidades não-normativa à margem. Graças à isso, a única forma de pedagogia nesse sentido é a pornografia (que no Brasil é uma indústria em decadência). Filmes violentos são fantasia, assim como filmes pornográficos são fantasia. Infelizmente, temos mais discussões sobre como devemos separar a violência dos filmes da vida real do que discussões sobre pornografia. Já que estamos falando de falhas elementares, acho uma falha elementar analisar fantasias sexuais à luz de teorias humanistas que ignoravam o papel do prazer, da dominação e da submissão como fatores possíveis no desenvolvimento sexual. A literatura que temos sobre o erótico e a excitação sexual (se não formos colocar um como mais certo ou errado que ou outro, e acho que é importante) desde Bataille até Jack Morin, fala do prazer em estar submisso ou de submeter outrem, e há uma ênfase na consensualidade de tal ação.

3.Empobrecimento só é possível quando se cria uma escala do que são relações sexuais mais ricas, ou "reais". E isso é JUSTAMENTE o que Gayle Rubin fala no texto que coloquei. Sexo pago é menor que sexo não pago. Sexo homossexual é menor que sexo heterossexual. Promiscuidade é menor que monogamia. Sexo S/M é menor que sexo "igualitário". Essa escala é uma colonização da experiência de outrem a partir da sua própria experiência. Essa idéia de "mutualidade" é relacionada ao mito do amor romântico e de se relacionar com o outro "real", o que também é uma ilusão. Temos múltiplas identidades (uma no trabalho, uma com nossos pais, uma com nosso amante, uma com parceiros de sexo casual, etc.) e nenhuma é menor que a outra. Não há objeto "puro" ou sujeito "puro", é como a dicotomia mente/corpo. Roland Barthes fala que o sujeito apaixonado fetichiza o objeto amado (um olhar, um sorriso, etc.) e Jack Morin fala que "a natureza da luxúria é objetificar". O que pode e deve ser feito é um aumento de conscientização sobre o seu papel e seus desejos em cada momento, e quais suas potencialidades.

4. Sim, grande parte da indústria pornográfica se baseia na misoginia. Concordo com você que isso deve ser criticado. Mas essa mesma indústria não é monolítica. Os dados do lucro da indústria pornográfica ignoram a quantidade de pessoas que trabalham nessa mesma indústria.

5.Uma opinião final: A coisificação do corpo (e há uma diferença entre coisificar e sexualizar) parece ser um problema maior na pornografia e na prostituição, quando TODOS estamos nos coisificando para ganhar nosso ganha pão. Essa crítica de que não se faria sexo na indústria pornográfica se não fosse por dinheiro é válida para QUALQUER INDÚSTRIA. Acredito que a sacralização do sexo (e isso é algo que merece ser questionado) contribui para essa virulência na crítica à pornografia. Se minhas idéias são vendáveis (no momento que escrevo um livro feminista, por exemplo), por que meu corpo e meu prazer não o é? E se eu utilizar o meu corpo e meu prazer para expandir o que é considerado possível através de representações sexualmente explícitas? Tenho o direito de lucrar com isso, assim como uma feminista tem o direito de ganhar dinheiro com seu livro?

Se você quiser conversar fora daqui, via e-mail, sobre esses assuntos, estou disponível. Aqui a gente acaba escrevendo demais. :P

Yuri disse...

Já que ninguém mais comenta por aqui, vou postar mais algo para se pensar:
"O gênero afeta a operação do sistema sexual e o sistema sexual já teve manifestações específicas do gênero. Mas apesar do sexo e do gênero serem relacionados, não são a mesma coisa, e eles
formam a base de duas arenas distintas da prática social. (...)
A relação entre o feminismo e a teoria radical da opressão sexual é similar [à relação do marxismo com o feminismo]. As
ferramentas conceituais do feminismo foram desenvolvidas para detectar e analisar hierarquias
baseadas no gênero. Tomando por extensão que estas se sobrepõem com as estratificações
eróticas, a teoria feminista tem certo poder explanatório. Mas na medida em que os assuntos se
tornam menos aqueles do gênero e mais aqueles da sexualidade, a análise feminista pode
direcionar erroneamente e muitas vezes ser irrelevante. O pensamento feminista simplesmente
carece de ângulos de visão com os quais se possa compreender completamente a organização
social da sexualidade. O critério de relevância no pensamento feminista não permite que ele veja
ou estime as relações críticas de poder na área da sexualidade.
Em longo prazo a crítica feminista da hierarquia de gênero pode ser incorporada na teoria radical do sexo, e a crítica da opressão sexual deve enriquecer o feminismo. Mas uma teoria autônoma e políticas específicas devem ser desenvolvidas para a sexualidade."
Gayle Rubin - Pensando o sexo, Notas para uma política radical da sexualidade.

Dona do Sexo disse...

Falando em Erika Lust tive uma surpresa numa foto do dvd q ela tá lançando ao me deparar com o nome de Melanie Laurent.Nao sabia q a Shoshana de Bastardos Inglorios era diretora.Se for ela mesmo.

o nome dela está aqui na capa do filme

http://www.erikalust.com/wp-content/uploads/2012/08/noel-y-X-femmes.jpg

Dona do Sexo disse...

Ah,e minha opiniao sobre o assunto é de que prefiro que as coisas so fosse no hentai-desenho japones de sexo.
Mas mesmo assim nao larguei o de pessoas mas um dia pretendo,gosto de q exista filme porno feminista,é minha escapulida d q nao ter q enfrentar aquelas paginas misoginas q agridem meus olhos.

E tomare q no futuro, hentai so feito por feministas ne.Assim espero.

Dona do Sexo disse...

Vi que essa Taomino nao é flor q se cheire quando so coloca mulher sozinha na capa.Nunca vi um homem sozinho na capa

E tive olhando esses outros sites pornos femininos,os internacionais e é as mesmas fantasias dos que se tentam convencer homens heterossexuais plenos.No me gusta.

Nunca vi um FMF - menage com duas mulheres heteros em filmes atuais.Sinto falta.