sexta-feira, 29 de abril de 2011

CASAMENTO REAL, OU SÍNDROME DE SÚDITO

Este semestre passei a saber muito mais sobre a história do Reino Unido do que gostaria, pois estou lecionando a disciplina de Inglês 7, que é justamente sobre cultura britânica. Se eu voltar a lecioná-la (e eu quero, pois é uma disciplina legal de se dar, não tem livro, a gente é quem bola tudo), vou diminuir bastante a parte de História. Até agora, metade do semestre, salvo algumas exceções, vimos uma imensa galeria de reis e rainhas, o que é um martírio pra mim, que abomino a monarquia (não consigo pensar em um só rei, rainha, príncipe ou princesa, de qualquer país ou época, por quem eu nutra a menor admiração), e os rituais e as tradições de forma geral. Já que eu e meus alunos aguentamos até aqui, vamos ter de falar um pouco sobre o casamento do século, este de William e Kate. Ainda não engoli nem o casamento do século passado, aquele de Charles e Diana, que custou 30 milhões de libras (a bagatela de 90 milhões de reais?).
A rainha vai pagar parte deste casamento (não se sabe qual será o custo total, já que eles não divulgam). Os pais de Kate, que têm uma fortuna de R$ 78 milhões, pagarão outra parcela mais modesta, na casa dos R$ 260 mil. Mas os contribuintes serão responsáveis pela fatura da segurança e transporte. E eles não se importam em pagar, nem estando na pior crise econômica desde a Segunda Guerra Mundial. Apenas 18% dos britânicos é contra a monarquia. Fica mais fácil entender essa louvação se pensarmos que, em toda sua história, eles só tiveram uma república durante onze aninhos. Aliás, adoro essa anedota real. Vou contar: após várias guerras civis internas, em 1649 Charles I foi condenado pelo Parlamento e executado por traição. Foi a primeira e única vez que um rei foi morto não por seus sucessores ao trono (Shakespeare explica), mas por quem deveriam ser seus súditos. Oliver Cromwell então governou a Grã Bretanha, bastante tiranicamente também, até 1658. Este foi o curto período da República (de 1649 a 1660), que deu tão errado que o filho exilado de Charles I, previsivelmente chamado de Charles II, foi recebido com pompa de volta a Londres. E adivinha qual foi o primeiro ato do novo rei? Canonizar seu pai, lógico. Até hoje o Santo Carlos Mártir da Igreja da Inglaterra é celebrado pela tradição anglicana. (O segundo ato do novo rei foi mandar executar todos os juízes que votaram a favor da morte de seu pai, porque vingança pouca é bobagem, mas deixa quieto).
O reino de Charles II, que marca a restauração da monarquia, foi caracterizado pela peste negra e por um incêndio que quase destruíram Londres, e pelo hedonismo (o que pode ser visto em O Libertino, péssimo filme de 2004 com o Johnny Depp –- quem faz o rei é o John Malkovich). Embora Charles II não tenha tido herdeiros com sua esposa, Catarina de Bragança (parece familiar? Ela foi filha de João IV, rei de Portugal), ele deixou doze filhos ilegítimos (quer dizer, esses só contando os que ele reconheceu). Pra provar que não dou ponto sem nó, sabe quem é descendente de um desses filhos bastardos? A princesa Diana.
Amanhã falarei mais sobre o espetáculo que será o casamento (que não pretendo ver) do filho de Diana com a plebeia. Só queria dizer que considero muito mais interessante que todas essas tradições que existam gatos oficiais. Pelo menos eles servem pra alguma coisa: caçam ratos. E custam pouco, só umas cem libras por ano. Outra opinião: compreendo que os britânicos deem tanta importância pra um evento tão sem importância. Mas e o resto do mundo, por que esse fascínio? O que faz com que dois bilhões de pessoas queiram acompanhar uma cerimônia carérrima de uma instituição simbólica e inútil como a monarquia?
Eu tenho uma pista. Lembro de uma colega da faculdade de Pedagogia me dizendo como ela admirava a monarquia britânica, e que o sucesso dessa monarquia era o principal motivo pelo qual aquele país estava tão melhor que o nosso. Acho que minha colega adorava a monarquia porque não sabia absolutamente nada sobre ela e porque tinha crescido ouvindo contos de fada e príncipes encantados. O que ela mais queria na vida era que os Bragança voltassem a ser nossos reis, praí sim o Brasil tomar jeito.
Tem uma galerinha doida pra ser súdita de alguém, né? Prefiro ser cidadã, obrigada.

38 comentários:

Adriana disse...

Eu também! Lola, estava me perguntando se você ia escrever sobre isso ou nao. Realmente insuportavel toda essa cobertura "jornalistica" (sic) que estao nos enfiando goela abaixo.

Nem em Copa do Mundo temos algo tao deslumbrado, tao ridiculamente acritico (e olha que é um casamento de principe em pleno século 21, dificil uma ocasiao publica mais perfeita para tirar sarro).

Parece que no Brasil a coisa esta tao histérica quanto na França. Aqui, nada menos que 8 canais transmitiram horas de cerimônia ao vivo (os principais jornais de 13h foram atrasados). O pior é o tom deslumbrado das coberturas, tudo eh lindo e magnifico. Isso no pais do senso critico e da ironia!

Como você, também tenho horror a monarquias - alias, horror a sistemas baseados em castas e em direito de nascença de modo geral. Me aflige essa papagaiada planetaria. Me aflige essa babaquice de "conto de fadas" e da "plebeia que virou princesa". Plebeia multimilionaria...!

aiaiai disse...

concordo com tudo, nem vou comentar, vim apenas sugerir o texto que li ontem e achei bastante oportuno:

http://migre.me/4nMpS

Paulo moreira leite mostra em poucas linhas como "celebrar a continuidade de uma monarquia" é prejudicial para um mundo que queremos democrático.

Bruno Stern disse...

LOla, sabe qual a diferença entre o monarca e o ditador?

O monarca foi escolhido por Deus.

Lord Anderson disse...

Eu entendo a importancia que tradições tem em cada pais.

Posso não concordar, mas é fato que certos ritos ajudam a definir a identidade de um povo ou pelo menos oq eles encaram como sua identidade.

Mas de fato não entendo todo o circo planetario montado pela midia.

É enfase demais num evento que só é significativo pq está sendo transmitido.

Chegou a cansar de fato.

Lord Anderson disse...

AH, sim, desculpem, mas não vou poder falar mal da nobreza.

Sabem como é. Solidariedade de classe.

rs

Karen Lommez disse...

UAU! kkkk, tb prefiro ser cidadã... hj vim correndo aqui para ver se alguém mais falava alguma coisa inteligente sobre a monarquia britânica. Comentei ontem no tuíte que esta instituição é parasitária e anacrônica e as pessoas (a maioria) respondeu "ah, mas eu adoro conto de fadas". bem, cada um tem direito de pensar como quiser, claro, mas também não entendo a fascinação e todo o estardalhaço feito pela mídia aqui no Brasil. BJ

Carol disse...

Pois eu estou muito feliz que esse casamento esteja acontecendo.

Que aconteça logo e que o sujeito não se case de novo! Não aguento mais a cobertura 'jornalística' (sic)! Sério!

Alguém mais se importa com o designer do vestido da mulher? Ou em saber se a aliança vai ter safiras ou rubi? Porque eu, sinceramente, não me importo!

E outra: plebéia? Plebéia?? Sério? Se fosse uma mulher comum, classe média (podia até ser média alta), que tivesse enfrentado algum desafio na vida, vá lá. Mas eles são milionários! Frequentavam o palácio antes, vão continuar frequentando agora. Why should I care?

Enfim, ficam meus votos: que o casamento dure por muitos anos. E que seja o único do tal William. Eu não suportaria outro!

Niemi Hyyrynen disse...

Gostei da piadinha do Bruno.

Eu tb não me importo com o casamento mas...pelo jeito não vai durar três meses, sinto muito pela Carol.

Já tá rolando o boato que o principe é brocha, inventaram até a cerveja da "virilidade real" que vai uma dose de viagara na fórmula.

:) mandaram um engradado de presente para o casal.

Carol disse...

Niemi,
ah, se for pra acabar por isso, que ele pelo menos não se case de novo!

Joel Bueno disse...

Quando a rainha paga, a conta também é dos contribuintes, Lola. A rainha vive de quê? Faz bico como diarista em casa de familia???

Eduardo Marques disse...

O mais incrível é como a imprensa insiste em fingir que tem muita gente interessada nisso.

Guilherme Rambo disse...

Ontem em minha casa estávamos mesmo falando sobre como a imprensa brasileira dá importância pra essa bosta de casamento que não afeta a vida de ninguém.

Vivien Morgato : disse...

"Prefiro ser cidadã, obrigada."


bingo, bingo, bingo.

Barbara O. disse...

Faz sucesso porque eles sao... bonitos. Padrao modelo internacional (apesar da careca do principe :))

queria ver se o conto de fadas estaria tao bem adequado aos nossos dias se william e kate estivessem fora do padrao top. fossem baixinhos, feios ou gordos.

infelizmente nao da para subestimar a forca desta estrutura de conto de fadas. os leitores da lola estao com tedio, mas tem muita gente ao redor do mundo suspirando com a realeza jovem e top model.

Danielle Andrade disse...

Bárbara


A careca do príncipe é até um charme, agora queria ver se fosse qualquer "defeitinho" na princesa!!!


Casamentorealpelamrdedeusparaomundoqueeuquerodescer!!!!!

Oliveira disse...

Lola:

Tudo que voc6e disse é muito certo, mas deixa uma pergunta no ar: mesmo com a Inglaterra em profunda crise econômica, quem tem melhor padrão de vida, os súditos da Inglaterrra ou os cidadãos do Brasil?

Aoi Ito disse...

Oliveira, o que o cu tem a ver com as calças?

Ginger disse...

Oliveira

Que tal vc comparar a crise economica atual dos ingleses e a crise economica mundial que o Lula segurou as pontas?

a marolinha pra nós já passou!

cronicasurbanas disse...

Eu, pessoalmente, acho essa coisa toda bem divertida. Um bom refresco nesse 29 de abril, último dia para se fazer a declaração de imposto de renda e pagar mais uma leva de impostos que frequentemente vão depois servir pro pagamento da pizza nos altos escalões da nossa república! :)
ótimo finde pra você!
Mônica

Nola disse...

oliveira, não tem pé nem cabeça essa comparação.

Brivaldo disse...

Pq não estudam então a história da corajosa classe trabalhadora britanica e sua democracia?

Uma série sobre isso:

http://www.youtube.com/watch?v=poO5BgU2PZo

Laurinha (Mulher modernex) disse...

De manhã desliguei a tv porque em certo momento começou a passar em todos os canais.
De tarde ouvi que a audiência de manhã tinha quase dobrado em vários casais por causa do acontecimento.
Também não consegui deixar de pensar, pessoal gastando tanto dinheiro com uma cerimônia, muito da conta da fortuna pessoal da rainha (sei, como se não tivesse vindo do povo o dinheiro dela) e o povão lá, feliz de ver de longe e de ter seus impostos revertidos pra isso e não pra algo que vá favorecer a população.

Sobre o casamento em si, pelos olhares e sorrisos até parecem ter um relacionamento de verdade, ao contrário do da Diana que era só fachada.

Mas digam o que disserem, pra mim história de amor de verdade é a do príncipe Charles e da Camila.
Não puderam se casar na juventude por convenções estúpidas, ele casou com outra, passaram toda uma vida se amando até poderem ficarem juntos e finalmente se casar na velhice.
Se isso não é amor de verdade, não sei mais o que é, rsrs.

Vanessa Peres disse...

Segundo uns amigos franceses, os ingleses admiram a monarquia porque eles não tem mais nada pra admirar, hahaahah: comida ruim, clima frio e cinzento 90% do ano etc... hahahah

aiaiai disse...

melhor foto do evento da Idade Média que ocorreu hoje de manhã

http://t.co/dFMKFck

divirtam-se!

Pili disse...

é, a admiraçao aos monarcas eu realmente nao entendo. mas tem outro motivo pra essa comoçao toda.
as pessoas acompanham casamentos de famosos em geral.
tem quem goste de ver casamentos.

Oliveira disse...

Noia:

Porque não?

Oliveira disse...

Ginger:

O Lula só segurou o poder. A crise ficou para a Dilma, que está rebolando para controlar. Você não sabe pensar?

Oliveira disse...

Aio Ito:

Leia a pergunta e veja se consegue responder.

Oliveira disse...

Explicando pergunta:

O povo, sinceramente, prefere ser cidadão com todas as privações, (como o povo brasileiro) ou súdito com todos os recursos e comodidades (como os plebeus da Ingraterra)?

Oliveira disse...

Correção de erro de digitação:

Inglaterra.

Aoi Ito disse...

O que eu vi ali foi uma tentativa de justificar um treco muito doido por causa da monarquia, Oliveira. É tão doido que o cu não pode ter a ver com as calças. Não tem fundamento a sua comparação, parece só - E deve ser - Uma trollbait pra todo mundo começar a discutir. Mas vou morder a isca: Se tirarmos a família real britânica, muda alguma coisa nos direitos dos cidadãos?

E é Aoi.

Masegui disse...

Saindo da hibernação para dar um pitaco:

Sou fã dos ingleses e de tudo na Grã-Bretanha, desde que me apaixonei pelos Beatles. Acho muito legal a organização, pontualidade, seriedade... e adoro o "seco" humor britânico.

Quanto à monarquia, não se preocupem, é o mesmo que o carnaval pra gente, serve apenas pra desestressar... não afeta em nada, não manda nada, "é só pra Inglês ver" :)

Saudades, Lolinha...

luciano disse...

Cansada de falar da história real inglesa? Então leia Edward Thompson. Seus livros falam desde a atuação dos camponeses ingleses que desafiavam a nobreza até os primeiros agrupamentos de operários que pretendiam instaurar a revolução na Inglaterra. Constam, na obra, uma série de fontes em inglês mesmo, que talvez sejam do teu interesse.

jether disse...

É só uma preferência sua ser cidadã? Uma questão de gosto, cada um tem o seu? Aliás, o que vc entende por cidadã e o q vc entende por súdito?

Robson Fernando de Souza disse...

Lola, gostei que só do texto, ele mostra pras pessoas como a monarquia é não só um estorvo inútil como tem um passado sujo de sangue - só não vemos mais crimes vindos da nobreza hoje como no passado, nem um punhado pequeno de famílias mais a Igreja Católica tratando a Europa como um mero tabuleiro de jogo, porque a maioria da Europa se tornou republicana e laica. A monarquia inglesa é um resto de passado empoeirado num continente que visa o futuro.

Saiba aliás que sempre concordei com as ideias trazidas por seu blog. Até o momento não vi nenhum texto cuja ideia central tenha me inspirado contrariedade.

Voltando a este texto, apesar de ter concordado com a maioria do seu conteúdo, tem uma parte dele que me desagradou bastante enquanto defensor dos direitos animais:

"Só queria dizer que considero muito mais interessante que todas essas tradições que existam gatos oficiais. Pelo menos eles servem pra alguma coisa: caçam ratos. E custam pouco, só umas cem libras por ano."

Lola, gatos (e qualquer outro animal) não deveriam ser tratados como objetos de utilidade, que "servem pra alguma coisa", como máquinas que podem ser adquiridas, utilizadas e sustentadas com dinheiro e manutenção. Eles são seres vivos sencientes, tanto quanto nós humanos. Têm sentimentos, interesses e personalidade, sentem dor, tanto quanto nossa espécie*. Não são objetos, coisas passíveis de compra, utilidade e custos de manutenção.

Portanto, peço que tenha algum respeito pelos animais enquanto sujeitos morais quando citá-los. Você é uma formadora de opinião respeitada, portanto deve ser prudente no que escreve em relação a qualquer ser intrinsecamente merecedor de direitos. Você defende a igualdade e a justiça; seria incoerente não olhar os animais não humanos, seres tão semelhantes a nós que somos portadores de dezenas de direitos fundamentais, como incluíveis desse ideal de mundo igualitário, harmônico e não violento.

Te recomendo, aliás, a procurar conhecer os direitos animais pela literatura - dica: comece por "Jaulas Vazias", de Tom Regan -, e saberás o quão dignos são os animais e como tratá-los como coisas utilitárias sob propriedade humana lhes faz tão mal.

Amo seus textos, como feminista (sou homem feminista) e contestador que sou, mas lhe peço que, por favor, não cometa esse tipo de deslize em se tratando de como ver os animais não humanos, de agora em diante.

Abs

*Às vezes mesmo abolicionistas animais como eu acabamos tendo que usar argumentos antropocêntricos pra conscientizar as pessoas. Mas isso é coisa que com o tempo pode ser abandonada e substituída por argumentos que reconheçam dos animais não humanos dignidade própria.

lola aronovich disse...

Robson, vc tem razão sobre o que diz em relação aos animais. Concordo totalmente. Embora não seja atuante, nem vegana, admiro demais todas as pessoas que lutam pelos direitos dos animais. Faço muito pouco, mas colaboro (mais financeiramente, por falta de tempo) com uma organização que cuida de animais de rua. E amo muito os bichos (não os insetos; sou especista nesse sentido), e já escrevi alguns posts sobre direitos dos animais. Mas, no post em questão, aquela frase do gato oficial ficou até meio capenga, sem ligação com o resto do texto. É que descobri esses dias que algumas construções que servem à monarquia têm “gatos oficiais”, tirados de abrigos para caçar ratos. Acho que eles têm uma vida boa, né? E queria passar o link. Não acho, porém, que animais (entre eles os humanos) devem ter utilidade. Só existir e tratar bem o lugar onde mora e os demais já é bom o suficiente. O que eu quis dizer com “pelo menos os gatos oficiais têm alguma utilidade” foi que a monarquia não tem nenhuma. Eu estava dando mais ênfase à palavra oficiais (gatos, reis, príncipes) que à palavra gatos. Espero que a monarquia acabe, mas que os gatos durem para toda a eternidade.

Robson Fernando de Souza disse...

Obrigado, Lola, por compreender =)

Abs

Fernanda disse...

Vive la Republique!!!