segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

A AGRESSIVIDADE COMO FERRAMENTA DE AUTO-AFIRMAÇÃO

Não posso dizer que estou decepcionada com Luis Nassif porque, afinal, eu muito raramente lia seu blog (o maridão é que gosta, por causa da parte de música), nem o seguia no Twitter. E ele faz parte dos medalhões dos blogueiros progressistas, aqueles que promovem entrevista com Lula só com homens, aqueles mesmos que, em todo evento, convidam, se tanto, duas blogueiras, que devem ser as únicas que eles conhecem. Eu fico decepcionada é com a esquerda em geral, porque sempre acreditei que nós somos melhores que eles. É triste constatar que, no que concerne à luta pelos direitos das minorias, as diferenças entre blogueiros de esquerda (ou "progressistas") e de direita são praticamente imperceptíveis. Vou tentar resumir o que aconteceu. Na terça, Nassif publicou em seu blog um post ridículo de um tal de André, justificando o termo feminazi. Feminazi, pra quem não sabe, é uma expressão carregada de ideologia, assim como gayzista. Quase todas as feministas já foram xingadas de feminazi. Quem usa o termo automaticamente se coloca contra o feminismo. É parecido com escrever Lula com dois eles (pra inferir que Lula e Collor são iguais) ou petralha. Ao ouvir um termo desses, você sabe que vem de gente que odeia o PT. Além do mais, feminazi foi criado pelo ultraconservador Rush Limbaugh, chamando as feministas pró-aborto (ou seja, todas) de nazistas, porque tudo que uma mulher quer na vida é fazer aborto e provocar um genocídio de fetos. Enfim, é um termo que as feministas conhecemos muito bem.
No mesmo dia, a Cynthia, com toda educação que tem, publicou no seu blog um post que não mencionava o Nassif, mas explicava por que feminazi é um termo condenável. Ela mandou o texto ao Nassif, que o ignorou. Como não leio o blog do Nassif, só fiquei sabendo do post do André na quarta à noite, quando vi no blog da Barbara (que falava sobre o caso da Wikileaks) uma menção a uma discussão que ela tinha tido com o tal do André. Fui lá no Nassif. Fiquei impressionada com o post, que é de uma ignorância atroz. Na mesma noite, fiz o rascunho de um texto, mas só o finalizei e publiquei no meu blog na sexta. No post, eu rebato ponto a ponto das asneiras do André, e questiono como um texto tão sem sentido fora publicado num blog progressista, famoso. Repito: minha crítica não foi por André ter publicado um comentário (sou totalmente a favor da liberdade de expressão. Inclusive, este blog que vos fala não tem moderação de comentários). Foi pelo comentário ter virado post, e ainda por cima sem qualquer posicionamento do dono do blog.A repercussão do meu post foi rápida. Muita gente escreveu pro twitter do Nassif. Mas grandes jornalistas têm grandes egos, e Nassif não deu o braço a torcer. Respondeu os tweets com ironias, chamando as feministas que lhe escreveram (eu não escrevi pra ele, nem ele pra mim) de todos os clichês dos quais feministas são chamadas: brabas (lembra histéricas), barraqueiras, mal-humoradas, sem causa, carentes, agressivas, sem importância etc etc. A Cynthia resumiu bem a postura do Nassif na sexta. E, depois de eu ler o resumo, decidi escrever um update, aí sim dizendo que não via diferença no tratamento que Nassif e seu principal desafeto na internet dirigem às feministas (e, por extensão, às mulheres. Este é um tema à parte, e merece um post só pra ele, mas ninguém é misógino em vão: você não chama feministas de feminazis e respeita as mulheres. Se você odeia feministas, as chances de você odiar mulheres são bem grandinhas. Até porque a maior parte das feministas é mulher).
A polêmica continuou no sábado. Aqui neste post há alguns dos tweets distribuídos por Nassif (não vou repetir os da sexta, que Cynthia já havia publicado). Como se pode ver, são tweets irônicos e agressivos. Mas ele pode, porque é homem. É mulher que não pode se comportar assim. O mantra luisnassifiano no fim de semana foi “tenho muitas mulheres na minha vida, e nenhuma precisa ser agressiva pra se afirmar”. Que eu saiba, outras blogueiras mandaram respostas ao post do André pro Nassif. Pra uma ele disse que seria uma honra publicá-la, mas não publicou. Pra outra ele declarou que não foi ele que publicou o comentário do André, mas um assistente. Em nenhum momento Nassif reconheceu que errou, e muito menos pediu desculpas. Pelo contrário. Se vez de vítima e de sonso, fingindo não saber por que estava sendo questionado. No domingo à noite, Nassif finalmente decidiu se posicionar... com um post que não tinha como ser pior, começando pelo título, “O caso das 'feminazis'”. Ao reler o post do André, Nassif, após três dias de questionamentos, mostra o quanto aprendeu: “É um post polêmico, mas de bom nível, que eu mesmo selecionei, com um detalhe: utiliza o termo 'feminazi' que, confesso, não conhecia”. Sério? O posicionamento do Nassif foi dizer que esteve coberto de razão em transformar o comentário em post, porque aquele amontoado de besteiras era de bom nível? (E, se o post do André era pra gerar polêmica, por que Nassif não publicou logo um texto contrário, como o da Cynthia sobre feminazis? Se ele publica 50 posts por dia, unzinho não podia ser uma resposta ao post do André? Não, parece que não, porque as respostas não foram bem educadas, segundo ele).Pra provar que o post do André gerou ótimos comentários, entre os mais de 70, Nassif selecionou um exemplo de um leitor que é contra o termo feminazi: “Se você sente que as supremacistas femininas são uma ameaça, estou de acordo; são mesmo e devemos combater esse ideário e a gente que o defende - mas dando às coisas os nomes que as coisas têm". Ha ha, parece piada! O leitor não gosta do termo feminazi, e oferece em troca supremacistas femininas. Podia ter escolhido feminista xiita, feminista radical, o que for: no post do André, não havia um só exemplo de feminismo “exagerado”. Mas quem decide qual feminismo é adequado? Quem decide qual comentário de feminista é agressivo ou “de bom nível”? Ah, certamente não as pessoas que lutam pelos direitos das mulheres. Quem decide são os machistas ou os ignorantes, os que usam termos como feminazi ou supremacistas femininas, ou os que estão tão engajados na luta que nunca ouviram falar no termo mais comum contra as feministas. A postura de Nassif neste caso todo é absurda. Que fique bem claro: Nassif errou. Desencadeou-se uma reação, questionando seu erro. E o jeito d'ele se explicar foi atacando quem o atacou. Nassif parece não conseguir ser irônico em mais de 140 caracteres. No Twitter foi um festival de gracinhas, mas no post, ele é um gentleman: “Continuo acreditando na luta das mulheres, mas preocupado com essas assomos sexistas, virulentos, que acabam por prejudicar a imagem do movimento como um todo – que é muito mais amplo e sério do que 'detonar' no Twitter”. Pois é, ele foi detonado no Twitter. Não detonou ninguém. Virulenta e sexista sou eu! O “harém amplo” de Nassif é todo a favor dos direitos das mulheres. “E sem nenhuma necessidade de se valer da agressividade como ferramenta de auto-afirmação”, acrescenta ele. Exatamente. Nada como escutar de um especialista no assunto o que é feminismo: um movimento sexista e agressivo para que mulheres sem causa possam se auto-afirmar. E ele ainda inclui o nome de algumas feministas que o "detonaram" no Twitter.Pouco depois desse post desastroso, Nassif decide transformar um comentário de leitora em post, com título “As facções do feminismo”, em que cada uma das feminazis destacadas por Nassif são analisadas. A leitora conclui que elas fazem parte de um grupinho minoritário sem representatividade. Ou seja, Nassif publica um comentário para provar que sempre esteve certo — que as feministas citadas não passam de feminazis falando sozinhas. Fazendo isso, ele desqualificou a Marcha Mundial das Mulheres. Muita gente no Twitter achou isso o fundo do poço. O @contramachismo logo avisou: “A revista Caros Amigos deste mês disse que Nalu Faria é um dos nomes mais importantes no Brasil na questão da luta das mulheres”. Um dos nomes mais importantes do feminismo, facção, tanto faz: qualquer feminista que ousa criticar Nassif é vista como radical. Como feminazi. André tinha razão!Neste final de semana, Nassif provou que não tem a menor vontade de dialogar, pois confunde crítica com patrulhamento. E pra quem pergunta “Por que não lutar contra inimigos de verdade?”, eu só posso responder que faço isso também. No entanto, não vale a pena responder a um Pondé, por exemplo, porque tudo que ele fala é asneira. Ele só quer polemizar, e foi contratado por um jornal cada vez mais à direita para cumprir exatamente esse papel. Feminazi é um termo que espero ouvir do Pondé. Gracinhas no Twitter espero ouvir do Pondé. Não esperava do Nassif. Esperava uma admissão do erro, um pedido de desculpas. Mas parece que, para certos medalhões (parafraseando Love Story), “ser homem é nunca ter que pedir perdão”.

68 comentários:

Fernanda disse...

Lola,
Acho fantástica a maneira como você consegue se expressar em casos como esse, com argumentos objetivos e claros, e muita inteligência.
Esse caso é emblemático de como a luta das mulheres ainda tem muita estrada pela frente. É triste, viu? Dá muita tristeza e desânimo.
Eu nunca segui o tal blogueiro, e agora lerei menos ainda. Acho que não devemos de forma alguma dar audiência para esse cara. Mandar e-mail para ele, tentar dialogar, já ficou claro que não vai adiantar. Qualquer tentativa nossa vai ser recebida com insultos rasos e sem nenhuma reflexão.
Creio que devemos usar nossos espaços para soltar nossa voz, como você, a Cynthia e tantas outras blogueiras têm feito de forma tão brilhante.
Agora... Triste também como nenhum blogueiro homem falou qualquer coisa a respeito, ou estou enganada? Aqueles blogueiros todos com um discurso tão bonito na época das eleições estão caladinhos. Não nos escutam mesmo? Ou têm medo de causar a ira do tal Nassif?
Fico triste também de ver o caso da Conceição que também se calou, também nos jogou no grupo das histéricas, pelo que me parece ser um caso de amizade com o tal, ou pior ainda, de interesse em ser da turma dele. Perdoe-me se eu estiver errada, mas não vi argumentos da parte dela. Fiquei triste. Espero que eu esteja enganada.
Bom... Continuemos nossa luta.
Parabéns pelo blog! E muito obrigada!

Iporã disse...

Não acompanhei a polêmica, e apesar de seguidor do Nassif no twitter, não leio seu blog, os twitts não me chamam atenção.

Tb não lí o post polêmico do André, mas nem preciso, utilizar um termo como 'feminazi' me parece no mínimo carregado de preconceito. Não há dúvida que existem ou existiram grupos feministas, digamos, mais extremos, ou radicais, mas nem mesmo isso justifica o uso de um termo tão pejorativo.

Nassif deveria sim, pedir desculpas, num post em seu blog!

P.S.: Apenas pra esclarecer, sou homem, e nunca tinha ouvido falar neste termo, feminazi.

Giovanni Gouveia disse...

Como dizia Brecht:
"Do rio que tudo arrasta, diz-se que é violento. Mas ninguém chama violentas às margens que o comprimem"

Por falar em Nalu:

http://www.raulpont.com.br/noticias/detalhe/para-acabar-com-a-impunidade-em-crimes-de-genero

letyleal disse...

Sigo o Nassif no Twitter, mas fiquei bem enojada pelas declarações dele no fim de semana, no entanto eu nada disse. Estou meio acostumada a ser taxada de radical...então é melhor nem dar trela.

Não conhecia o termo feminazi e só conheci a polêmica toda do blog do Nassif pelos seus comentários...depois é que fui no blog dele dar uma olhada.

Sei que é triste isso que vou escrever, mas de verdade não me surpreendo com nada do que ele fez ou escreveu.....

Toda vez que lia algo que ele escrevia desejava que as mulheres parassem de dar corda a ele, mas vc tem razão no que diz, não dá pra se calar e deixar que alguém com voz entre blogs de esquerda prolifere conceitos tão machistas...no entanto eu vou continuar deixando pra lá, porque ando com preguiça de tanto preconceito...espero que seja só fase.

Ana Diniz disse...

Lola, o texto está muito interessante. Mostra justamente como, na tentativa de se justificar, ele foi fazendo uma besteira atrás da outra e só piorando o problema. Parabéns!

aiaiai disse...

Queria chamar a atenção para o fato de que até agora não vi nenhum blogueiro macho publicar post sobre o assunto. Alguns, como alex castro, idelber, Raphael Neves e alexandre porto, tuitaram sobre o assunto, mas não de forma contundente. To sentindo um cheiro de corporativismo macho de esquerda no ar.

outra coisa: o nassif diz que o meu comentário foi agressivo e afirma que "achou melhor não responder". Duas mentiras em uma só frase.

Meu comentário não foi agressivo...fiquei surpresa dele se igualar à folha...

ele respondeu na mesma hora e agressivamente, dizendo que queria que as mulheres dessem uma coça no fulano, por isso publicou o comentário. Lamentável, lamentável, lamentável

Camila Corban disse...

Coisa que não surpreende mais: todo mundo é a favor da igualdade, até que o deslize é seu, ai você se junta exatamente com aquelas pessoas que você criticava, fazendo coro contra o movimento que ousou chamar sua atenção quando necessário. Orgulhosa que sou, sei como é difícil admitir alguns erros, mas é uma questão de maturidade (ou falta dela, como no caso).
E eu rio para não chorar quando eu vejo esse tipo de atitude. Quão progressista pode ser alguém que tenta deslegitimar o discurso de uma mulher só por ela ser mulher. Porque é exatamente isso que tentam fazer ao usar adjetivos como braba, carente e agressiva. Adjetivos sem nenhuma relevância para o assunto e que são unicamente utilizados como criticas a uma mulher na tentativa de desmerece-la e em consequência a suas palavras.
Isso cansa.

aiaiai disse...

demorou mas não muito...ao invés de se posicionarem contra a agressividade gratuita do nassif e de seu comentarista, já tem blogueiro de esquerda dizendo que as feministas são mesmo radicais kkkkkkk talvez não feminazes, ele diz, mas quem sabe facistas? Muita decepção! E o "respeitável blogueiro" ainda ofende a Cynthia Semiramis. Q Beleza!

http://miltonribeiro.opsblog.org/2010/12/13/pela-complexidade/

Amanaginger disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Natália disse...

e ele deve ter ficado mto recalcado msm pq, no post seguinte dele no blog, eu o vi atacar as mulheres. ele falou q alguma coisa nada a ver era como mulheres em liquidacao. babaquice total. como eu nao os sigo no twitter, nao tinha entendido o pq até ver este seu post. ridiculo.

Natália disse...

ridiculo ele, nao o seu post. (foi mal pela ambiguidade.)

Oliveira disse...

Que engraçado; o Diogo Mainardi sempre falou que o Nassif não prestava, todos foram contra, agora vocês estão sentido na pele.

Quem sabe o que mais virá desta "esquerda".

Sardenta disse...

Lola, tbm não leio muito o blog no Nassif. Só algumas coisas que me passavam e às vezes entrava lá pra dar uma olhadinha. Vi no grupo das blogueiras feministas o causo, quando li não acreditei... Tudo bem, resolvemos fazer um protesto, óbvio! Deixar esse caso passar era o mesmo que ver comentários machistas e fingir que não era com você. Começamos a conversar com ele no twitter e ele se mostrou cheio de ego e completamente grosso, ele conseguiu distorcer toda a história para que alguns ficassem com pena dele! Quando vi o post dele sobre feminazi, fiquei enojada. Sério que um cara desses é considerado progressista? Eu sinto vergonha de um cara desses ser aplaudido por pessoas que se dizem defender minorias. Eu fico indignada em ver que mulheres que falam que não são da ala feminista, só pra conseguir falar com ele. E eu concordo com vc, Lola! Pra mim ele é pior do que o Ponde sim, pq uma pessoa que se diz progressistas e blá blá blá, desmoralizar o feminismo desse jeito, é um absurdo! Eu não me importo se ele tem 300 mulheres na família, o que importa são as atitudes dele.
Acho que o ideial é nos fortalecermos, já que ninguém nos dá espaço e quando reinvidicamos somos chamadas de barraqueiras e brabas, vamos mostrar pra ele e para todos os machistas enrustidos (ou não enrustidos) que faremos de tudo para lutar pelos nossos direitos. E dessa forma, finalmente, nos chamarão de heroínas, pq ser feminista é um trabalho de heroína sim! Defendemos algo completamente óbvio e mesmo assim somos xingadas e questionadas todos os dias sobre nossa postura “radical”.
Como sempre, um post maravilhoso! Disse tudo que eu queria e um pouco mais! Obrigada por isso!

Bjos

Oliveira disse...

Agora todos os puxa-sacos da Lola vem aqui falar que nunca lêem, ou leram, o Nassif.


Como essa corja da esquerda é fraca e covarde.

Márcia disse...

Lola, obrigada por mais um post muito esclarecedor para todos. Me interei do assunto no sábado.

O Nassif faz escárnio. Está em sua posição confortável, não precisa se dar ao trabalho de compreender nada sobre minorias. É daquele tipo dos que tem mas não dá. Afinal, compreender a pele do outro requer muita generosidade, qualidade que não precisou cultivar.

Não entende rudimentos da luta das mulheres. Não precisa né? ele foi extremamente agressivo e ainda zomba utilizando a cultura do bonachão ho ho ho "tenham bom humor meninas" e VIVA O ESPÍRITO NATALINO, como disse uma comentarista ontem no tuiter.

patético, simplesmente patético.

Laura disse...

Estou lendo os comentários. Uma porção de homens que não tem a menor idéia do que é o feminismo, fazendo piadinha babaca e achando ruim que não achamos graça.
Podem nos chamar de agressivas mesmo. Cansamos de ouvir quietas tanta baboseira. Estamos brabas mesmo. Espero que mais mulheres fiquem brabas. Não gostou da nossa brabeza, então não venham com piadinhas. Não venham com tentativas de nos diminuir.
O mais hilário, pra não dizer ridículo, são os que vem nos chamar de feminista xiita. E pra explicar o termo, sai uma coisa que não tem absolutamente nada a ver com o feminismo. Ignorância total, só dá pra ficar braba mesmo.
E mesmo brabas, não somos tão baixas a ponto de insinuar que eles sejam carentes, tenham piupiu pequeno ou outro ataque qualquer a la jardim-de-infância. Machistas xiitas, cresçam!

Hamanndah disse...

Querida Lola e outros que lêem este blog

Este Nacif coloca que "todas as feministas são a favor do aborto", que querem "capar todos os machos".

Totalmente por fora

Eu sou feminista e sou CONTRA O ABORTO e não quero capar homem nenhum, pois existem homens legais, ótimos amantes e homens e mulheres podem ser dar muito bem, verticalmente e horizontalmente, principalmente homens e mulheres bem resolvidos, que não têm raiva de seus pares

bjs a todos
Hamanndah

Vivien Morgato : disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vivien Morgato : disse...

Quem utiliza o deboche rasteiro como arma esta sem argumentos, isso e fato.
Ele so fez merda. Deu destaque para um equivocado sem se posicionar, reagiu como um menino dono-da-bola - nao brinco mais! - quando questionado por feministas.
Ofendeu as feministas com os velhos cliches, ofendeu mesmo, saiu xingando....foi patetico.
E interessante o que a AIAIAI chama a atencao, fato de blogueirOs nao terem se posicionado de forma mais assertiva. No maximo uma twitadinha, post que e bom, ainda nao vi.
Eu tenho uma amgia cujo tema da tese foi analisar como a Direita e Esquerda, no frigir dos ovos, utilziam o mesmo conceito para MASSA.
Talvez seja o caso de pensar que isso exista tb para o femininsmo, pois a fala do tal bloguerio poderia estar na boca do maior reaca do mundo.
Deploravel.

Patrick disse...

aiaiai, eu já não seguia o blogue do Milton Ribeiro porque tempos atrás ele já tinha feito post ironizando feministas. Isso não é posicionamento de quem se denomina de esquerda.

Rayla disse...

O que eu fico chateada na história toda é que além de sermos chamadas de brabas ou que queremos só atenção é ver outr@s blogueir@s achar que estamos nos auto distruindo por criticar alguém que também é da esquerda (por "coisinha a toa"), ou seja dá a entender que já que é de esqueda tem que dizer Amém e engole se não gostou pq assuntinho sobre feminismo é pequeno e devemos só brigar com grandes causas na velha mídia.

Tô super desanimada com isso tudo mas o blog do Tsavkko tem um post legal sobre isso também (inclusive c/ twitters seu Lola):

http://tsavkko.blogspot.com/2010/12/nassif-feminazis-nassifetes-e-o-limite.html

- Lena

Teresa Silva disse...

Primeiro foi o Cloaca que, ao criticar uma reportagem maliciosa da Folha, fez piadas com a sexualidade do repórter usando até foto dele "desmunhecando". Agora o Luís Nassif com essas piadas. Quero ver até onde vai o progresso desses blogs.

Ulisses Adirt disse...

Atacar, mesmo sem alvo, é mais fácil q se desculpar.

lfs disse...

Sou homem. Nunca tinha ouvido o termo "feminazi". Não goste, achei grosseiro. Acho que em qualquer assunto, a comparação com o nazismo acaba com a discussão. Portanto não apoio o post original que gerou o tema. Acho que seria menos ofensivo o termo feminista radical (mas não posso ter certeza, já que como disse sou homem e cabem a vcs mulheres julgarem se é ofensivo ou não). De qualquer forma, tb sou contra o radicalismo em qq área, seja do feminismo, da religião, da política... O radicalismo é cego e inibe a possibilidade de discussão.

Dito isso, de certa forma posso entender a reação do Nassif. Em vez de avisar a ele sobre a importância da questão, já chegaram com o dedo na cara. Assim fica difícil pedir desculpas. Se vc pede desculpa nesse caso vira refém em outros. Em qualquer discussão vai ter sempre alguém que vai se sentir ofendido por um termo ou linha de argumentação. Se ele diz que errou nesse, tomando dedo na cara e tudo, vai acabar tendo que abrir mão em vários outros momentos onde será atacado como está sendo agora. Considerando que o objetivo do blog e gerar discussão e que alguns assuntos são polêmicos, permitir o patrulhamento nesse nível seria contraproducente.

Além disso, devo ressaltar que infelizmente, essa insistência por um pedido de desculpa, os ataques, as insinuações etc só reforçam o estereótipo de radicalismo do movimento feminista.

Espero não apanhar muito por esse cometario.

Um abraço,

lfs

Giovanni Gouveia disse...

Ser radical significa "ir à raiz do problema", qualquer movimento social que não se proponha radical vai fazer apenas o papel do pelego, suaviza mas não resolve...

Roberta Durán disse...

Lola, amei teu blog! Não conhecia, mas serei leitora assídua.
Ver este tipo de comportamento é (INFELIZMENTE) normal, pois uma coisa é falar/escrever, outra é fazer/agir. Uma coisa é, como disse Braudel, a história de curta duração, política, onde temos mais facilidade para operar mudanças, mas outra é a de longa duração, a cultura, as mentalidades... Isso leva séculos (se é que para alguns nós já saímos dos tempos das cavernas - até acho que nessa época devia ser melhor, rsrsrs) para mudar pois é muuuito mais profundo. E nós, mulheres, somos em geral muito mais profundas... Buenas, o que eu quero dizer é que o Nassif e companhia ( e pelo que vi muitas mulheres estão do lado dele, pois foram criadas para concordar com os "machos") tem "apenas" uma visão curta e limitada da realidade feminina e, consequentemente, feminista. Acho que não mudarão nesta encarnação... Mas enfim, a luta continua, companheiras/os! Hasta!

Luiza Senna disse...

lfs, entendo o seu ponto de vista. Porém, não chegaram colocando o dedo na cara dele, felizmente. Inicialmente, a Cynthia escreveu um artigo didático e educado explicando o pq do termo feminazi ser contraditório e ofensivo. Ele não se importou, e pelo contrário, manteve a polêmica escrevendo tweets irônicos e agressivos dizendo que tinha feito aquilo pra provocar "feminista braba". Nada mais clichê. Pra piorar, ao invés de terminar a discussão, publicou um texto muito duvidoso criticando a Marcha Mundial de Mulheres, com termos chulos e desqualificadores do tipo a "esposa" de não sei quem, assim, entre aspas. Muito feio isso. Perdeu uma leitora.

=Maíra= disse...

Lola, uma das coisas que mais me revoltou nisso tudo foi o seguinte:
o cara publica um post extremamente ofensivo EM NOME DELE,se vê contra a parede cobra uma e aí tira o dele da reta. Depois, em vez de pedri desculpas, exige uma resposta educada e, pro fim, se vitimiza com as respostas daquelas pessoas que (com toda a razão) se sentiram ofendidas??? É MUITA incoerência, pra dizer o mínimo...

lola aronovich disse...

Fernanda, concordo totalmente contigo, mas prefiro não falar da Conceição por aqui. Aliás, em lugar algum, que bater boca cansa.

Aiaiai, entendo que blogueiros homens não queiram entrar nisso. Primeiro pq Nassif é um jornalista importante, segundo pq a maior parte deles não têm afinidade nenhuma com feminismo. E pode apostar que se tivesse havido a mesma situação envolvendo racismo ou homofobia eles também não iam falar nada. Não são as bandeiras deles. Não é coincidência alguma que, em todos os eventos de blogueiros progressistas, a gente não encontre mulheres, negros ou gays. É consequência de um grupo que não consegue ver nada fora dos seus privilégios. E não quer aprender.
Por outro lado, algo que me deixa com raiva é quando algum homem defende as feministas, e aí as próprias feministas alçam esse homem às alturas. Ele vira ídolo. Hello? É o que nós fazemos todo dia. A gente precisa mesmo festejar quando aparece um comentarista/blogueiro/tuiteiro de bom senso? É tão raro assim?
Achei graça quando Nassif disse que o seu comentário foi agressivo. Ha ha, ele precisa ver o que a Dona Aiaiai responde a alguns dos trolls por aqui... Sério, seu coment. foi educado.
E sobre o Milton Ribeiro, ele se queimou totalmente com as feministas. Nunca escrevi um post diretamente sobre isso (o mais próximo foi este aqui). Mas vc pode entender por que ele odeia a Cynthia lendo este post aqui (não deixe de ler os comentários! Tem cada pérola machista...). Aliás, eu nem diria que Milton se queimou entre as feministas. Ele se tornou piada desde que argumentou que não podia ser machista, pois era casado com uma mulher e tinha nascido de uma. É, juro, ele falou isso seriamente.

lola aronovich disse...

Puxa, é mesmo, Oliveira, a gente agora vai passar a dar toda razão pro Mainardi. Vamos até lê-lo regularmente. Oh wait! Ele perdeu a coluna semanal da Veja, né? Peninha... Quem vc vai ler agora, Oliveira? Oh wait! EU! Vai embora, coisa ruim.


Sardenta, sobre a questão “como um cara desses pode ser considerado progressita”, é fácil. É só vc ler a maior parte dos comentários masculinos sobre o caso. Boa parte desse pessoal é progressista. Só não é muito progressista nas causas que não lhe dizem respeito. E tente acompanhar de vez em quando como outros blogs progressistas falam de mulheres. Ou não falam, ou, quando falam, tá cheio de ignorância e machismo. E é melhor MESMO que eles não falem de direitos gays, porque aí, sai de baixo... É um festival de homofobia pra se assistir de camarote.

lola aronovich disse...

É isso aí, Laura. Tb espero que mais mulheres fiquem brabas. A gente não consegue nada ficando caladinha, aceitando todas as besteiras que ouvimos sem reclamar. E concordo: mesmo brabas ainda somos mais bem educadas!

Hammandah, o Nassif não falou isso. Ele só aprovou (e depois concordou com) um texto ridículo que pinta todas as feministas como radicais e justifica chamá-las de feminazis. Esses clichês que vc mencionou ele não falou, se bem que são muito comuns. São absurdos, né? Eu não conheço uma só lésbica que queira capar os homens, quanto mais mulheres héteros (pênis é bem legal!). Sobre o aborto, de fato, a legalização do aborto é uma das poucas (quase) unanimidades feministas. O que não significa que toda feminista faria um aborto (eu acho que não faria), e muito menos que queremos obrigar as mulheres em geral a realizar abortos. O que queremos é o direito de poder fazer um aborto. Só isso.

lola aronovich disse...

Que interessante o tema da tese da sua amiga, Vivien. Mas é verdade, eu acho que fui muito idealista e ingênua mesmo em pensar que homens de esquerda seriam menos machistas/racistas/homofóbicos etc apenas por serem de esquerda.


Rayla (Lena), muito bom o texto do Tsavkko. Taí um blogueiro progressista que escreveu sobre o caso! E tem razão, nada a ver dizer que estamos destruindo a esquerda, causando divisões... Quando estamos juntos? Quando somos chamadas? Quando somos respeitadas? Ahn, pra haver divisão é preciso uma união antes, não?

lola aronovich disse...

Teresa, exato, também fiquei indignada com o post do Cloaca. O “progressismo” parece ser só político-partidário...


Ifs, não chegamos com o dedo na cara não. O post da Cynthia foi muito educado. Aliás, sequer mencionava o Nassif (ou o post do André). O meu post de sexta, sei lá, vc chama de dedo na cara? Eu não acho não. A verdade é que pra pedir desculpas é necessário um mínimo de humildade, e ficou constatado, por todas as atitudes do Nassif no caso, que ele não é humilde. É arrogante e se acha o dono da razão. E desde quando “insistir num pedido de desculpas” é ser radical? Sem falar que eu não tô pedindo nada agora. Na sexta, eu queria desculpas. Hoje não quero absolutamente nada.

lola aronovich disse...

Roberta, bem-vinda! É o que eu concluí tb: Nassif & cia tem uma visão curta e limitada da realidade feminina. Gostaria muito que mudassem. Mas, pra isso, eles precisariam reconhecer que têm um problema (a falta de conhecimento sobre um assunto importante). Antes precisariam reconhecer que feminismo é um assunto importante porque, né, luta pela melhora de 50% da população (com uns benefícios extras pros homens tb). Falta humildade pra esse reconhecimento.


Maíra, ótimo resumo. Obrigada por resumir em poucas linhas o que eu levei sei lá quantos parágrafos pra fazer!

E agora gente, desculpe, mas tenho que voltar correndo pro trabalho...

Dai disse...

Lola, acho que alguém que já começa questionando nosso radicalismo não pode estar com a razão. O feminismo é radical pq não admite meio termo, não queremos nenhum direito a menos, não existe mais ou menos opressão, existe opressão sobre as mulheres ou o contrário disto. Seu post está ótimo pq conta toda a história e deixa claro que tipo de embate está em pauta. Bem como a covardia de nosso interlocutor. Publiquei comentário lá que reproduzo aqui: Eu acho que o que está sendo deixado à margem é que tachar de feminazi qualquer movimento feminista é um descompromisso histórico e político com o movimento social que mais transformações proporcionou à humanidade desde o século XIX. Acho que para iniciados ou leigos, para qualquer pessoa solidária à opressão de gênero e que consiga deixar os próprios preconceitos de lado ao longo de uma discussão, está bastante evidente que feminazi é um juízo de valor, uma forma de destratar e estigmatizar todas as feministas e, certamente, minimizar nossa luta por direitos iguais. Como já disseram: bom seria viver no mundo em que o feminismo não precisasse existir. Infelizmente atitudes de execração pública a todo um movimento, como a que está sendo movida pelo Nassif, atestam o contrário. Precisamos continuar lutando por um mundo igual, ainda que isto soe a radicalismo aos ouvidos daqueles que acreditam que está tudo muito bem como está.

Um último adendo: o termo feminazi ofende a todas as feministas, do mundo inteiro. É uma generalização, estigmatiza, cristaliza estereótipos. E a forma como o comentário tomado de empréstimo pelo autor deste blog critica a Marcha é deplorável, cheia de insinuações. Espero que as pessoas citadas tomem as devidas providências...

Camila disse...

Lola, inacraditável!
Mesmo, Nassif acaba de perder uma leitora fiel. Já sentia uma certa gastura ao ler comments idiotas, mas relevava pq não são de responsabilidade total do blogueiro, e não eram tããão ofensivos.
Mas agora foi a gota d'água. Tchau Nassif, minha admiração acaba aqui.

Irmfried disse...

Volta e meia surge, em comunidades feministas do orkut, a discussão sobre homem poder ser feminista ou não.

Da minha parte, eu acredito que o mais próximo que um homem pode chegar a ser é um simpatizante do feminismo. Mas feminista mesmo? Acho difícil. Não é o primeiro caso no estilo que eu vejo: acham o máximo enquanto recebem elogios e joinhas, mas na primeira discordância começam a bater boca, a distribuir alfinetadas e ironias (algumas bem pesadas), guardam a bola e saem do playground.

Isadora disse...

Apois!
Muito me espanta uma pessoa com um nível intelectual elevado, ter esse tipo de posicionamento.
É assustador, e deprimente.

Lola, comecei a acompanhar seu blog, e estou encantada!
Grande beijo.

nelsonalvespinto disse...

O posicionamento do Nassif nem é de estranhar. Há muito mais Mainardis na esquerda do que supõe nossa vã filosofia.

Lucia disse...

Gente, vcs esperaram demais do Nassif.
Ele é tucano, anti-Serra, mas tucano.
É machista sim e essa não foi a primeira, nem será a última derrapada.
Por isso o nome "blogueiros progressistas", nem todo mundo ali é de esquerda não.
O que não significa que os de esquerda tb não sejam machistas. Os há.
O papel do Nassif foi/é importante para uma mídia menos indigesta (pra não dizer outra coisa), mas ele está na dele: quer audiência no blog dele a qualquer preço, como quer a Folha, o Estado, e todos os demais.
Nem que seja com apelação em temas que para ele são insignificantes, como feminismo, racismo, fascismo.
E incentiva a participação de comentaristas polêmicos para isso.
Feio mesmo vai ficar quando ele começar a derrapar ( um pouco mais do que escorrega às vezes) em assuntos que tem preservado.
É só o Aécio ser candidato em 2014.
Além disso, ele já deixou várias vezes bem claro que apenas dá espaço à esquerda pois ela foi escorraçada em outros blogs famosos.
Ponto pra ele pelo espaço e olho vivo pq quanto maior a palmeira, maior o tombo.
E bobeira de quem faz questão de aparecer em blogs de figurões de qualquer jeito.
Enfim, inocentes, ninguém.

Felipe Telles disse...

Lola, respeito a sua ira e talvez falta nos blogueiros progressistas mais sensibilidade a causa, mais compreensão.

Mas as vezes parece que criticar o movimento feminista é como dar murro em ponta de faca, qualquer crítica e a pessoa é acusada de machista, violenta e tal. Ninguem é dono de um saber total, muito menos portador da verdade inteira. Sou contra condenar o Nassif por isso, ele é excelente em vários aspectos.

Teve gente que até pegou um comentário do Diogo Mainardi sobre o Nassif. Absurdo.

O movimento feminista é importante, nós homens temos os nosso papel nessa luta sem dúvida, como vc defende. E saiba que tem muitos homens do lado de vcs.

Mas não adianta condenar a intolerância e a violência com violência e intolerância também. Como diz a poesia de Drumond e creio nisso, "Barulho não resolve nada". Porque senão estaremos beirando a barbárie. Pacifista que sou, acredito no debate aberto e na exposição franca de idéias.

A luta do feminismo pode um dia perder a razão quando essa ira fazer com que homens sejam espancados por terem cometido algum execesso.

Feminazi é ridiculo, Nassif embora tenha errado ele condenou o termo.

Criticar o Nassif sim, condenar ele não. Prefiro muito mais ler ele do que o Diogo Mainardi. E mesmo sensibilizado com a revolta desse termo feminazi, continuo firme e forte com os blogueiros progressistas. Todos defenderam e lutaram contra a difamação da Dilma. Não esqueçamos disso.

Beijos

Felipe

aiaiai disse...

puxa, Felipe, o cara defendeu a Dilma e agora deixou um idiota chamar ela de feminazi...que legal, né?

é no mínimo uma falácia dizer que as feministas foram agressivas. Ele foi agressivo quando viu q tinha feito m e não quis dar o braço a torcer.

Nassif se igualou à folha e ao pondé...simples assim!

lola aronovich disse...

Dai, ótima explicação sobre o “radicalismo” do feminismo. Acho sim que existem feministas mais radicais — que em geral são simplesmente pessoas de quem discordo, porque o radicalismo nunca é medido pelas pessoas envolvidas, mas pelas pessoas de fora, em qualquer movimento. Por exemplo, se há feminista que pense que qualquer penetração sexual é estupro, bom, considero isso muito radical. Mas nem por isso desqualificaria toda a luta daquela feminista chamando-a de feminazi. Aliás, chamar uma feminista de feminazi não é desqualificar apenas uma ou duas feministas, mas todo o movimento. Porque pode apostar que vai aparecer alguém pra dizer: “O que? Elas querem ganhar o mesmo que um homem pelo mesmo trabalho? Feminazis!”. Anyway, o feminismo, assim como todos os movimentos, é muito plural. Há muitas discordâncias. Mas desqualificar um movimento que luta por direitos iguais interessa a quem? Como isso pode ser progressista? Pra muita, muita gente, só o fato de existirem feministas já é radical. Porque, pra essa gente, homens e mulheres são diferentes, temos que aceitar isso, ou as mulheres já conseguiram tudo que queriam, ou ninguém é superior a ninguém, ou preconceito existe em todo canto, ou é assim que as coisas são, ou... A ladainha que a gente conhece tão bem.


Irmfried, é uma discussão interessante essa: homens podem ser feminsitas? Topa escrever um guest post pra cá trazendo essa discussão?

lola aronovich disse...

Isadora, é deprimente mesmo. Que bom que vc tá gostando do blog. Seja bem-vinda!


Lúcia, pois é, eu nunca esperei grande coisa do Nassif, mas certamente não esperava uma derrapada dessas. Sempre achei o estilo dele chato demais pra acompanhar, inclusive quando eu lia o jornal onde ele escrevia. Com o blog não é diferente. Politicamente, eu sempre soube que estava muito mais à esquerda que ele, mas pensava que ele fosse, digamos, de centro-esquerda. Sei que é exagero chamar tanto Nassif quanto Paulo Henrique Amorim de esquerda, e imagino que foi justamente pra abrigá-los que o termo “blogueiros progressistas” (termo que abomino) foi criado. Mas é aquele negócio: se não vão ajudar o feminismo e outras lutas, pelo menos que não atrapalhem, né?

Koppe disse...

"o feminismo, assim como todos os movimentos, é muito plural. Há muitas discordâncias."

Se não fosse assim, aí sim teria algum sentido a existência do termo "feminazi".

Liliane Gusmao disse...

Oi Lola,

Toda a indignação que senti voce relatou... nada mais a acrescentar
obrigada por seus textos!

Sana disse...

Mais uma vez: parabéns, Lola!
Seu blog é inspirador!
Parabéns pelos textos excelentes e por ter coragem de se posicionar a despeito do sexismo que impera mesmo entre os nossos "pares". O pior é que os seus argumentos são extremamente claros e precisos, mas vc ainda é taxada de radical! Para esse mundo machista, é radical que uma mulher seja inteligente e corajosa!

Ághata disse...

Ai, eu já vi tanto isso acontecer...
Chega até a ser estranho quando não é assim...
Eu sempre ri do termo Feminazi. Não consigo me sentir ofendida com isso. Mas, vá lá, como eu disse antes, pra ter visibilidade tanto na grande mídia quanto nesses bloguetes progressistas, basta ser machinho, branco, hetero, não precisa nem ser inteligente e esperto.

Ághata disse...

Irmfried? Da Feminismo e Libertação?! Oi, mulher! Quanto tempo! [Acho que vc não lembrará de mim, usava o nome Camila Livino ou Lins]

Sim, sempre discutíamos sobre a possibilidade de homem ser feminista ou não.
Continuo com a mesma posição daquela época, no máximo, simpatizante, feminista, só mulher mesmo.

Ághata disse...

Ah, sobre a afirmação "Toda penetração é estupro" seria muito interessante discutir com as feministas que pensam assim, antes de julgar a frase. Eu sempre achei muito instrutivo e interessante conversar com outras feministas com pontos de vista diferentes dos meus, não raro, mudava de posição.

Masegui disse...

Eu gosto do Nassif, mas sei que ele não é perfeito... paciência.

Essa polêmica toda resume-se a dois fatores principais:

1 - Sou favorável ao que se entende justo, desde que não me afete diretamente;

2 - Ser grande é um problema, a exposição do erro é diretamente proporcional...

Mudando de pau pra cavaco: Oliveira, seu idiota, vai ver se estou na esquina...

samira disse...

dei um unfollow no twitter do Nassif... sabe, não tô mais afim, nem tenho mais paciência pra ele, pelo menos por enquanto.
Acho q seria uma crítica válida à postura dele no twitter o fato fr quem se sentiu ofendido parar de seguí-lo.

Natália disse...

NOJO, mt nojo! N acompanho o blog do Nassif. Tenho mt raiva desses 'progressistas', pseudo-revolucionários q sem o feminismo n vão mt longe. N é de hj q sei q qndo o assunto é mulher, igualdade de gênero e machismo a coisa é EXATAMENTE igual ao outro lado.

Só nos qrem pra engrossar fileiras pq na hr de compartilhar as conquistas pelas quais lutamos juntos, na hr de nos respeitar e lutar por nossos direitos, somos postas de lado, somos humilhadas e agredidas. Nassif é só mais um. Infelizmente o blog dele é mt famoso e ele mt respeitado, então foi uma cagada colossal.

O q mais me irritou além da repercurssão e aura de verdade das asneiras publicadas, foi q agr vai chover feminista abrandando discurso pra n ser acusada de agressiva. Como fez a moça q resolveu dividir o feminismo, só pra agradar o senhor e ser aceita.

Sempre lembro dakela tirinha da moça justificando pq n é feminista, achando q pode conseguir as coisas sem exigir mt, e no fim um homem gigante passa a mão na cabeça dela e a chama de 'boa menina'. É isso q eles qrem.

Adwilhans disse...

Na minha opinião, o Nassif errou apenas no segundo momento. Explico: publicar o post polêmico, assinado por outra pessoa, abrindo espaço para a discussão que com certeza se instalaria, é algo bem legal. Porém, pelo visto a reação veio num tom bem mais alto que o Nassif esperava, e aí ele se perdeu geral: moderou posts, contraatacou no twitter (o que foi o fim da picada), desancou o movimento feminista. Para não ser um desastre total, ao menos ele condenou o termo feminazi.
Por outro viés, penso que as feministas que se manifestaram perderam uma oportunidade, pois criticar o Nassif e o seu blog, e até a sua condição de "progressista" (seja lá o que isso queira dizer), não contribui em nada para o movimento. Talvez tivesse sido mais apropriado utilizar o espaço do blog para comentar, explicando o porquê da rejeição ao termo feminazi e demonstrando, com argumentos, por que o post do André era falho. E, de preferência, criticar o post do André, não o André, que nem sei quem é, mas deve ser respeitado - afinal, pelo que ele escreveu, dá a impressão de ser alguém jovem e mal informado, que merece correção e não condenação.
A forma como ambos os lados conduziram aquilo que poderia ter sido um debate não gerou ganhadores, só perdedores. Que melhores ventos soprem nos próximos embates...

Laetitia disse...

Sabe quando eu deixei de acreditar no marxismo? Quando vi que Marx só se referia à luta dos homens para mudar o mundo. Às mulheres (e crianças... sim, mulheres sempre equiparadas a crianças), os trabalhos que "não agredissem sua natureza física", ou coisa assim. Tá no manisfesto.

Bom, que tem a ver com o post? Tudo. Porque aí eu vi que a esquerda é machista, como todos. Queremos um mundo justo e igualitário... para os homens. Afinal, "homem" é usado como sinônimo de ser humano, não? É só o que existe no mundo. E é nessa linha de raciocínio que seguem muitos partidos políticos e movimentos estudantis; na universidade, eu vejo mobilizações homéricas em prol de festinhas (afinal, festinhas servem pra usar drogas e "pegar" mulher, entre outras coisas), mas quase nada em defesa das mulheres que são agredidas diariamente. Quando surge alguma iniciativa que dê voz aos problemas enfrentados por nós, essa iniciativa quase sempre (99% das vezes) parte de nós mesmas, mulheres...

Ou seja: tá na hora de inventarem outro "lado" pra mulher libertária, porque "esquerda" não rola. Nesse plano bilateral, só cabem homens... vamos ter que começar a usar outros planos, para cima e para baixo - mas aí vão dizer que a gente é radical.

Laura disse...

Adwilhams, a Cynthia explicou sobre o termo feminazi sem atacar André em momento algum. A Lola refutou as idéias dele uma por uma sem atacar a pessoa desconhecida dele. Já li várias outras manifestações em blogs seguindo o mesmo caminho. Aonde que teve o tão agressivo ataque a André e Nassif? Dizer que eles erraram em generalizar o feminismo, em passar informações erradas e tirar sarro em cima da gente no Twitter (ouvimos essas piadinhas babacas diariamente!! elas NãO são engraçadas, não vamos rir de algo que não tem graça pra bater palma pra palhaço), isso é ser agressivo?

Laura disse...

Eu confesso que o que mais me irrita nisso tudo é a suposição. Um bando de homens vem e supõe a existência de feminazis. Supõem que essas mulheres (sem dar um único exemplo de uma feminazi de verdade, da mídia, política, história, o que for, é tudo apenas suposição) sejam contra os homens e queiram aniquilar os mesmos. Então, como é possível que mulheres se juntem e fiquem brabas e agressivas e usem de técnicas de guerra contra os homens (estilo amazona que cortava o seio fora, eles sabem que isso é lenda?), isso justifica desqualificar o feminismo. Justifica mandar a gente ficar boazinha, calminha, dizer que o problema é social e não de gênero. Como se mulheres em classe social alta não sofressem o mesmo problema de todas as outras, como se não fossem vistas como ser humano de segunda classe, como objeto. É muita miopia pro que acontece a sua volta. E ainda vem justificar porque tem mulheres na família. E quem não tem?
O que eles fazem o tempo todo é nos mandar calar a boca e aceitar tudo como está, de maneiras diferentes. Tirando sarro, dizendo que não temos humor.

aiaiai disse...

puxa, adwillians, você leu o post? acompanhou a história? o que vc está sugerindo q as feministas fizessem foi exatamente o que elas fizeram...Quem atacou foi o nassif, depois que viu o tamanho do erro q havia cometido.

Laura disse...

"A luta do feminismo pode um dia perder a razão quando essa ira fazer com que homens sejam espancados por terem cometido algum execesso."

O que tem o feminismo a ver com a ira? A ira de algumas mulheres e o feminismo podem ter em comum a origem do descontentamento, mas não são coisas semelhantes! O feminismo luta pela igualdade de gênero. O que é tão difícil de entender nisso? Como que a gente pode rir de piadinhas e levar a sério o temor das feminazis sendo que duas mulheres morrerem diariamente no Brasil, assassinadas por homens, e 1 em cada 3 mulheres no mundo já ter sido vítima de violência de gênero? Quantos homens você teve notícia que foram agredidos e assassinados pelas ex, ou por alguma outra mulher apenas por ser homem? Essa idéia de que uma futura onda de violência possa vir a acontecer tem uma base mínima com a realidade em que vivemos?
Os únicos homens que apanham por ter cometido um "excesso" são os gays, e apanham de outros homens!

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Posso estar enganada Lola, mas pra mim ele está é dando uma de joão sem braço, como se diz, ele é muito esperto, fez tudo de caso pensado.
Ele sabia perfeitamente o que estava fazendo ao publicar o tal André, deve ter ficado incomodado com a reclamação de só homens entrevistarem o Lula e resolveu aproveitar a provocação. É óbvio que ele sabe que feministas lêem o blog dele e sabia que ia causar confusão.

Já cheguei a conclusão que de "progressistas" esses caras não tem nada, só o título. A única coisa que temos em comum com eles foi ter votado na mesma pessoa.
Essa então de ser agressivo e irônico e ao mesmo tempo colocar que mulheres não podem ser assim, querer falar que não é quem chama feminista de feminazi que prejudica o movimento, mas as próprias feministas, foi a cereja do bolo.

Decepção total com esses progressistas de meia tigela. Não devem nada a alguém como o Serra. A arrogância e o machismo são os mesmos.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Aliás, acho que deveríamos aprender com eles a colocar pechas nos outros.
Do mesmo jeito que classificam feministas de feminazis, vamos começar a classificar quem usa o termo feminazi de burro, ignorante, preconceituoso, do mesmo jeito que fazem.

Adwilhans disse...

Bom, ao contrário do que vcs (aiaiai e Laura) acharam, eu considero vários dos comentários deixados na página do Nassif agressivos e vazios. Vejam bem, concordo que o post do tal André era fraco e merecia ser desconstruído, mas será que esse era o jeito? Vou transcrever alguns dos comentários a que me refiro, omitindo o autor (quem quiser conferir, continuam lá), que, no meu entender, não ajudam em nada, só lançam mais lenha na fogueira:

André, bebeu? Feminazi? Dilma? Como assim? Sua namorada andou te contando sobre o bicho papão Feminázi para fazer vc não pular a cerca?

Tenha medo, muito medo, rapaz. Você nem imagina do que é que sou capaz. Posso esgotar suas reservas totais: mentais, emocionais e sexuais. Posso dizer pra todo mundo que você não é de nada na cama; que seu membro viril é minúsculo e, pior, não funciona. Posso cantar com o Chico, e fazer todo um auê: "tantos homens me amaram bem mais e melhor que você"... Posso divulgar pra todo o lado que você é um fracassado. Posso denunciar às autoridades as suas falcatruas contábeis. Posso lhe dar o golpe da barriga. Posso fazer muita intriga. Posso ornamentar sua fronte com chifres e chifres aos montes. Pior que tudo, se me amas, posso te esnobar na boa e amar somente as damas. Quando mãe, posso abortá-lo. Ou pior: ignorá-lo, maltratá-lo, humilhá-lo. Você que imagina que me usa... Muito cuidado com Medusa!

Quanta besteira! Que belíssima oportunidade de ficar calado esse rapaz perdeu.

Adwilhans disse...

Claro que também houve vários bons comentários, mas o problema é que esses, mais contundentes, acabam por monopolizar a atenção de quem está por fora daquilo que se está discutindo, e reforça estereótipos. É só isso que quis dizer: em meio à discussão que se poderia ter travado, alguns comentários derivaram para a guerra ao autor do post, tecendo considerações sobre seu caráter e desviando do foco.
Por mais que o início do tema tenha sido lamentável, penso que era uma boa oportunidade para discuti-lo em um blog muito lido, inclusive por pessoas que, do feminismo, só conhecem os estereótipos e, infelizmente, podem estar com alguns deles reforçados neste momento. Foi só isso o que disse...

lola aronovich disse...

Adwilhans, não acredito que vc vai reclamar do tom dos comentários no blog do Nassif prum texto que nem deveria ter sido publicado (aquela coisa do tal de André, pelo menos não como post, como comentário tudo bem, é outra história). Não é só o início do tema que foi lamentável, foi o tema todo. E o tema “como feminazi é uma palavra que não deveria ser usada, porque todos que a usam já revelam automaticamente o que pensam das feministas e das mulheres em geral” foi amplamente discutido. Entenda, Ad: o post do André (que eu rebati ponto por ponto, com a maior paciência) foi ridículo. A reação do Nassif às críticas foi ridícula. Não são os nossos comentários que “reforçam estereótipos” (QUAIS estereótipos? Que feministas são feminazis after all?), foi aquele post e tudo o que veio depois por parte do Nassif que reforçou estereótipos (o principal: muitos homens, inclusive os “progressistas”, não sabem nada de feminismo e não parecem nem um pouco interessados em aprender). Em vez de perder tempo avaliando os comentários contrários ao André e Nassif, que tal avaliar o comportamento deles? Ou, inclusive, a sua posição?

Rafael Tomyama disse...

Bem, após dias lendo acerca da polêmica, sem querer "passar a mão na cabeça" de ninguém, nem ficar "bem na fita" no meio femi-radical (as minhas companheiras de militância sabem o quanto apanho neste assunto), ao fim e ao cabo, o lado bom do post machistazi foi ter sido bem aproveitado para aumentar mais um pouco a visibilidade da luta feminista. As respostas, no geral, se mostram consistentes, elegantes e qualificadas. E representam uma grande oportunidade de aprendizado. Perdoem-nos pela "macheza braba". É duro, mas tenho fé que algum dia a gente melhora. Com boas doses de indignação e generosidade se pode mudar o mundo.

musica pura disse...

LOLA meu nome é José Waldemar M. Genro-e-mail-fucalima2008@globo.com e meu blog é www.fucalima2010.blogspot.com .Descobri teu blog através de outro (Biscoito Fino e Massa. Tenho 60 anos sou biólogo e professor aposentado da rede estadual de MT. Quero dizer que depois de ler quase tudo que foi publicado no decorrer do debate sobre o machismo no site do Nassif nos leva a concluir (pelo menos eu conclui)eu) que independentemente da importância da pessoa, no caso do Nassif, a estupidez também existe, não somente em nós homens normais, comuns, anônimos. sem ou quase sem nenhuma expressão. Pretendo no decorrer dos dias postar no meu blog aqui no MT a discussão sobre esse asunto tão irritantemente terrível, não o debate, mas o que se fala, "feminazi", que para mim é de uma estupidez galopante. Um abraço e que teu blog continue combativo, consciente, sem deslumbramento e sem perder a ternura jamais.

Adwilhans disse...

Hum, creio que não fui compreendido, Lola. O que disse é o seguinte: há estereótipos sobre feministas, alguns comentários reforçam esses estereótipos, e não se ganhou nada metendo o pau no Nassif. Ao contrário, o blog dele é muito lido e penso que poderia ser uma oportunidade de se passar uma mensagem melhor. Creio que deixei claro que não me referia a todos os comentários, mas que alguns destes exageraram no tom, e isso, embora sirva para desabafar contra algo, não ajuda em mais nada. Ok, cada um reage àquilo com que não concorda da forma que achar melhor, mas o que quis dizer é que faltou pragmatismo na condução da coisa. E fui específico: comentários no blog do Nassif, não os seus, lançados aqui. Quanto às minhas posições, penso nada haver a ser revisto; talvez o que precise melhorar é minha disposição para agir - até agora, eu sempre me limitei a refletir sobre posicionamentos passados, mudar conceitos, discutir isso, mas nada fiz de concreto. Só não sei o que meu posicionamento pessoal, seja lá qual for, tem a ver com o que eu disse...
Voltando ao tema, insisto: desqualificar o tal André, chamá-lo do que quer que seja e meter o pau no Nassif por ele ter publicado tal post, não ajuda em nada. Não falar sobre o tema não ajuda em nada. Expor o assunto e abrir a discussão é bom, a meu ver. E reitero o que já disse: o Nassif pisou na bola só depois, quando não digeriu bem as críticas e destilou uma série de preconceitos que eu não esperava dele...

Mauricio disse...

O post é velho, mas a devido aos links dos posts novos, muita gente vai voltar aqui e ler.
E posso afirmar que, quem conheceu Nassif pessoalmente, não estranha nada suas atitudes nesse caso e em quaisquer outros.