sábado, 26 de junho de 2010

NAUFRAGA A CHAPA IMBATÍVEL DE CAPILARIDADE NACIONAL

Vote num careca e leve dois - II, a missão?

Sei que o tio Rei e seus sagazes comentaristas são muito divertidos, mas o meu blog de humor reaça preferido tem mesmo de ser o do fascistoide catarinense propagandista do “Sul é o meu país”. Sabe, aquele um que chama índios e negros de botocudos e escreve, explicitamente, que esses seres são produtos inferiores da evolução. E que ficou revoltadinho com o avião da TAM que iria levar a seleção canarinho pra África do Sul por ele ter um logotipo... vermelho (o logo do seu blog também é dessa cor, mas ele não notou). Bom, antes de entrar nas mais novas piadas do sujeito, um pequeno resumo da ópera para quem está concentrado demais na Copa (o que é compreensível; a Copa é ótima, e agora vem os jogos eliminatórios).
Ontem o Roberto Jefferson (PTB), aquele paradigma da moralidade que foi um dos principais líderes do Collor e quem denunciou o mensalão, e que está nas trincheiras do Serra faz tempo, divulgou no seu Twitter que o senador paranaente Álvaro Dias (PSDB) era o novo vice do Serra. Opa, não sei porque escrevi “novo”, já que Serra não tinha um vice, e vários nomes haviam recusado seu convite (Aécio Neves, Katia Abreu etc; outro "nome forte", o ex-governador de Brasília, José Roberto Arruda, do DEM, foi preso). Mas então. Não me sinto na posição de falar mal de vice tucano nenhum porque o PMDB fez o PT engolir o Temer, que obviamente não é nenhuma flor que se cheire. Mas o Álvaro tá ali, pau a pau em matéria de qualidade.
Bom, essa divulgação rendeu um enorme fuzuê. Primeiro porque mostrou, mais uma vez, como Serra é um desagregador, um líder incapaz de trabalhar em equipe. Ele não foi capaz de conversar com sua principal aliança, o DEM, que queria compor a chapa de vice, como fez nos dois governos FHC. Ronaldo Caiado (DEM), outro collorido (lembro dele como presidente da UDR, dos ruralistas mais autoritários), deu um show no seu twitter. Tá aqui pra quem quiser acompanhar. Copio algumas pérolas:
- “Álvaro Dias é um senador que não tem voto e é odiado pelos professores”.
- “O PSDB precisa jogar como um time. Declaramos apoio a Serra, cumprimos com o nosso papel e agora é hora do PSDB fazer o mesmo”.
- “É isso que dá ter medo de lançar candidatura própria”.
- “O Democratas soube da possível escolha de Álvaro Dias pela imprensa. Não tiveram coragem de nos comunicar”.
- “Se na campanha nos tratam assim, imaginem se o PSDB ganhar a campanha?”
- “Com um aliado desse, o Democratas não precisa de inimigo. Vou defender dentro da executiva o fim da aliança com o PSDB”.
- “O poder do Serra de desorganizar as coisas é fora do comum. Álvaro Dias não acrescenta nada e desagrega muito”.
- “Eu não ganho votos apoiando o Serra. Eu transfiro votos pra ele”.

Serra nem se manifestou. Já Roberto Jefferson decidiu rebater com “O DEM é uma m***a” (sem os asteriscos). E Álvaro Dias, que é chamado pelos adversários de “Senador de botox e peruca”, disse que retira a convocação se for pelo bem da aliança e da nação.
O blogueiro do Sul é meu país não tratou desse fogo amigo. O que ele falou é bem diferente, e mais divertido: “Se Álvaro Dias for o vice de Serra está aí uma chapa de qualidade. Imbatível!”.
Cabe lembrar que o fascista ainda acredita que Serra vai ganhar as eleições. E de lavada, no primeiro turno (a direita já está se preparando pro que dizer caso essa profecia não se concretize: as urnas eletrônicas foram fraudadas, assim como as pesquisas!). Ele continua: “Álvaro Dias é um dos senadores mais atuantes não só como líder da oposição, mas em termos nacionais. Diria que é incansável na sua faina diária e seu nome tem alcance nacional. [...] um nome forte. O único candidato a vice que tem incontestável destaque no cenário político brasileiro”.
Ha ha, a gente morre e não vê tudo... O Dias é tão forte e imbatível como o Temer, e como qualquer um que o DEM ou o PSDB possam indicar (e eu adorei o faina também. A príncipio li fauna).
Mas o blogueiro teve que voltar atrás nas suas comemorações precoces e dizer que a democracia está acima de tudo e que há “vários nomes que podem muito bem compor uma profícua dobradinha com José Serra”. Muito profícua!
O que me fez gargalhar em voz alta mesmo (e decidir escrever este post, enquanto podia estar corrigindo provas das minhas alunas de literatura ou assistindo Uruguai x Coreia do Sul. Uruguai! Uruguai!) foi este parágrafo: “No meio da tarde desta sexta-feira, depois que o presidente do PTB, Roberto Jefferson revelou o nome de Alvaro Dias numa rápida tuítada em seu perfil no Twitter, surgiu um verdadeiro alvoroço nos meios políticos, mostrando que o nome do Senador paranaense tem capilaridade nacional”.
Capilaridade! No momento em que todos os olhos que não estão virados pra Copa prestam atenção na peruca do Álvaro, o blogueiro nos brinda com um sinônimo desses pra fluidez! Gente, eles são muito sem noção!

7 comentários:

L. Archilla disse...

eu sonhei que o Daniel Dantas era vice do Serra! ahahahahahahahah

*Carol M. disse...

Lola, se vc não explica q capilaridade é sinônimo de fluidez, essa frase não teria sentido pra mim!

*Carol M. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Laurinha (Mulher modernex) disse...

rsrsrs... Não, eles não têm capilaridade. Nem no sentido de fluidez e nem fazendo algum tipo de trocadilho com a palavra, rsrs...
Adorei.

Victor disse...

Esse negócio de "o Sul é meu país" me dá nos nervos... Gostaria de ver um tópico seu sobre bairrismo, Lola.

A propósito, post ótimo como sempre ;D !

Clara Gurgel disse...

Como diriam os "nossos irmãos" ianques...PUT A KEEP ARE YOU!!
Ôh raça de "reaça" que me dá nojo!!

(desculpem a minha falta de polidez!Eu precisava...)

Giovanni Gouveia disse...

Eu estou realmente triste

huáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuá

Muito triste mesmo:

huáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuáhuá



E agora, José?

A festa acabou,

a luz apagou,

o povo sumiu,

a noite esfriou,

e agora, José ?

e agora, você ?

você que é sem nome,

que zomba dos outros,

você que faz versos,

que ama protesta,

e agora, José ?



Está sem mulher,

está sem discurso,

está sem carinho,

já não pode beber,

já não pode fumar,

cuspir já não pode,

a noite esfriou,

o dia não veio,

o bonde não veio,

o riso não veio,

não veio a utopia

e tudo acabou

e tudo fugiu

e tudo mofou,

e agora, José ?



E agora, José ?

Sua doce palavra,

seu instante de febre,

sua gula e jejum,

sua biblioteca,

sua lavra de ouro,

seu terno de vidro,

sua incoerência,

seu ódio - e agora ?



Com a chave na mão

quer abrir a porta,

não existe porta;

quer morrer no mar,

mas o mar secou;

quer ir para Minas,

Minas não há mais.

José, e agora ?



Se você gritasse,

se você gemesse,

se você tocasse

a valsa vienense,

se você dormisse,

se você cansasse,

se você morresse…

Mas você não morre,

você é duro, José !



Sozinho no escuro

qual bicho-do-mato,

sem teogonia,

sem parede nua

para se encostar,

sem cavalo preto

que fuja a galope,

você marcha, José !

José, pra onde ?