sexta-feira, 4 de setembro de 2015

GUEST POST: O QUE O ESCÂNDALO NO CINEMA PERNAMBUCANO NÃO MOSTRA

Muita gente comentou sobre uma amostra de machismo ocorrido no sábado, em Recife: num debate sobre Que Horas Ela Volta?, elogiadíssimo filme de Anna Muylaert, dois cineastas, bêbados, tentaram roubar a cena.
Anna Muyalert e Camila Márdila
recebem prêmio no Festival de Sundance
Anna deu uma declaração gentil mas contundente sobre o comportamento dos colegas, seus amigos: "Agiram de maneira infantil e boba, numa atitude de egolatria comum aos homens. Quando viram uma mulher em evidência, precisaram atrapalhar o momento". 
A Fundaj decidiu punir os dois cineastas. Durante um ano, a fundação não passará os filmes deles nem os convidará para eventos. Eu acho justo. Vários coletivos feministas de Recife, também. 
No entanto, toda essa discussão (saudável) sobre o machismo de homens num meio artístico, que deveria ser mais progressista e inclusivo, trouxe à tona um outro escândalo de que muito se fala na cidade. Ou melhor, se cochicha. 
Até agora, nada foi publicado sobre isso, além de um ou outro comentário no Facebook. 
Recebi ontem este email de Renata de Maio -- um nome fictício, mas que os envolvidos no caso devem entender. 

Claudio Asssis e Lírio Ferreira são dois machistas e malucos, que foram grosseiros com a Anna Muylaert e só se fala nisso, na cidade. E o comportamento deles virou escândalo nacional Mas a história que vou contar para vocês é muito pior que as grosserias de dois bêbados mal educados. É uma coisa bem mais séria do que a conduta que tem chocado tanta gente. Envolve cineastas pernambucanos, ao menos três deles [não Claudio nem Lírio]. E envolve também pressão, humilhação e abusos. 
Ninguém diz quando começou, talvez até os participantes mais íntimos não tenham certeza, porque faz mais de dez anos. Era uma lista de e-mails, depois, virou comunidade no Orkut. Chegou ao Facebook e, quando entrou no whatsapp foi que descobriram. A quantidade de vítimas também não se sabe. Mas o grupo de abusadores tem mais de dez homens, todos de Recife, uns mais, outros menos, ligados à cena cultural da cidade e alguns cineastas bem conhecidos. Entre professores, músicos, escritores, jornalistas, criou-se um hábito que só veio à tona porque dois deles foram pegos, enquanto mexiam no seu whatsapp, pelas respectivas namoradas, há menos de um ano. 
Mulheres que fizeram entrevistas para ingressar no elenco de filmes, alunas que seduziram e foram seduzidas, desavisadas, foram fotografadas e filmadas. Enquanto faziam sexo, enquanto estavam tirando as roupas, em momentos íntimos, com alguns desses caras. Sem saber. Sem que algum deles tenha lhes pedido autorização para tanto. E essas imagens eram compartilhadas entre os amigos de misoginia. Um dos caras só queria transar num quarto do apartamento dele. O quarto com câmeras escondidas, depois as meninas ficaram sabendo. 
Os dois desmascarados saíram do grupo de whatsapp. Um deles morre de medo de perder o emprego. Outro é militante feminista, ou diz que é, agora que foi desmascarado, então, virou um feminista de carteirinha de facebook. 
Algumas das vítimas deles conversaram entre si, outras, conversaram com advogadas, ligadas a questões de gênero. Uma foi internada numa clínica psiquiátrica. Nenhuma teve coragem de denunciar, de dizer, em público, o que não se para de comentar, nos bares da cidade e nas mensagens privadas. 
“Eu sou atriz, não vou estragar minha carreira por causa desses escrotos”. 
O silêncio se perpetua na mesma velocidade da fofoca a respeito do grupo de whatsapp. Faz quase um ano que esse grupo começou a ser descoberto. Algumas das vítimas e algumas outras mulheres, advogadas, feministas militantes e jornalistas, tentaram abrir uma discussão, pública, no Facebook. Receberam ameaças, em mensagens privadas. Ameaças de processos, ameaças de não serem lembradas em trabalhos e oportunidades, olhares agressivos, ao vivo, como se dizendo: “me sacaneou, vou te foder”. 
A vida aqui não é muito acolhedora para mulheres, imagine para feministas. A minha geração está começando a mudar as coisas. Somos menos condescendentes e estamos num processo de empoderamento, nesta sociedade patriarcal e autoritária. Mas também somos, ou ainda somos muito desprotegidas e muitas vítimas, na hora “h”, ficam com medo e recuam. 
“Tenho uma profissão para construir”. “Meus pais não vão aguentar ver isso”. 
Uma das mulheres diz que tem prints, que tem a lista do whatsapp, que viu mensagens do facebook, do grupo, lá, dos caras. Nenhum deles foi publicado. Todo mundo sabe, mas ninguém sabe. Recife é muito assim, a violência se perde nos silenciamentos e na maneira como se naturaliza tudo. 
Por conta do escândalo com Claudio Assis e Lírio Ferreira, durante a sessão de estreia do filme de Anna Muylaert, esse assunto voltou para as conversas e para as mesas de bar recifenses, com intensidade. 
E muita gente está incomodada, e vítimas estão entristecidas e revoltadas (embora sigam com medo, ou por isso mesmo?). Membros do grupo de voyeurs, abusadores e cúmplices em geral, de machismo e das violações às imagens e à privacidade de mulheres, estão clamando por justiça contra Cláudio Assis e contra Lírio Ferreira. Alguns defendem o banimento da exibição de seus filmes e defendem que a Fundação Joaquim Nabuco esteja agindo em represália. 
Ontem à noite tinha gente quase indo para as vias de fato, num dos bares da área central da cidade, em defesa e contra os cineastas. Não suportei assistir aquilo e voltei para casa. Foi quando recebi um email, que transcrevo abaixo:
“Sabe o que é foda? É a hipocrisia dessa história toda, a sacanagem que tão fazendo e cara de pau de acusarem uns caras que ninguém leva a sério, quando estão bêbados, para soltar os cachorros. E todo mundo sabe, e a galera toda do cinema sabe, que eles não têm nada a ver com o que aconteceu, sem cachaça nenhuma”. 
Fiquei pensando numa coisa que se parece com o nosso momento político, com o espírito de época, no país, hoje. Os mais de rabo preso são os que mais gritam contra a corrupção do outro. Compartilhar fotos íntimas, sem autorização, não é crime? Dá para acreditar que esses caras fizeram isso e talvez ainda façam e acham que não são machistas nem misóginos? E que podem acusar nas redes sociais os outros, como se ninguém soubesse quem eles são, e a gritarem contra a “impunidade” e a “brodagem” que “protege” Cláudio Assis e Lírio Ferreira? 
O que eu quero com este texto, Lola, não é inocentar ninguém, não é defender machista nenhum. Eu quero é que as pessoas saibam que o que ocorreu, fora dos escândalos, é que é realmente grave. A grosseria pública é uma coisa. O uso de imagens íntimas sem autorização é outra. 
Não vou dizer meu nome, mas sinto que preciso contar às pessoas que o problema é muito mais violento, contra nós, aqui. Por que esse abuso que eu relatei e que todo mundo comentava, ontem, não é tratado como escândalo? Até quando sofreremos e nos sacrificaremos pelo nosso empoderamento?

47 comentários:

Zrs disse...

Porque não fico chocada?! Esse mundo não me surpreende mais.

Rafael Cherem disse...

Deixa ver se entendi, um grupo da cena cultural de Pernambuco, partilha à tempos fotos de mulheres em situação íntima com as quais eles tiveram relação. O e-mail publicado aqui não traz nomes, não traz provas, e pelo visto vigora uma omertá entre abusadores e vítimas.Meio temerário publicar isso não?Lança suspeitas sobre pessoas, e apesar de não citar os nomes diz caracteristicas identificáveis(cineastas, militante feminista). Sinceramente, lembrou matéria da Veja.

Luise Mior disse...

Anônimo das 11:46, você é machista, na boa. E se os caras filmam sem informar, são babacas, anti éticos e machistas. Realmente honestidade é artigo de luxo...

Anônimo disse...

Já veio o ômi defender ômis, nada de novo sob o sol.

Se tivesse nomes e provas, como no caso Idelber, iam falar que é montagem, que é isso e aquilo. Acho que essa moça que tem os prints devia divulgar tudo logo, mesmo que seja por email, anonimamente, sei lá. Tinha que ter lista dos nomes dos envolvidos sim. O que eles fizeram é crime.

Vicky_ disse...

Irônico é eles reclamarem de prostitutas, mas só conseguirem ter algum contato com mulheres através delas.
Ou seja, se você não quer o desgraçado perto (bom gosto, sabe) você é mentirosa, se quer, é puta. Mas todos os problemas do mundo são por nossa causa.

Machista é menino pequeno, esses desgraçados são misóginos, chega de eufemismos.

Vicky_ disse...

Viver nessa sociedade é tipo:
"Homem encapuzado, não identificado, assaltou três pessoas, ninguém tem provas nem o nome, só as testemunhas, mas ninguém dúvida que o caso seja verdadeiro".

Excerto quando todas as vítimas são mulheres, aí começam a dizer que elas são putas por algo como andar na rua depois das 5 da tarde ou por, ahhnn, ter internet e usar rede social.

Quando é questão de machismo é tudo, menos machismo. Mas claro, homem defendendo os Idelbers da vida é okay, nós que somos histéricas.

Jonas Klein disse...

Olá tudo ok, espero que sim.


Quanto ao texto, a solução desse problema das imagens intimas vazadas sem permissão entre outras machistices(acho que inventei uma palavra nova), passa pela lei, enquanto não tiver lei dura para punir estes babacas ai, não vai mudar muita coisa não.


Contem com o meu apoio, e não se calem nem esqueçam que a união faz a força.

S. disse...

Que novidade, homens bosta ferrando com mulheres e o pior de tudo é que não podem denunciar, se fizerem isso elas que serão julgadas, todas serão putas e os lixos os coitadinhos.

Carla Batista disse...

Importante esta denúncia que precisa ser levada adiante. Agora, uma coisa não pode eliminar a outra. O que eles fizeram, bêbados ou não (o que não é desculpa), a meu ver, teve um limite na ação da FUNDAJ, ao qual eu parabenizo. Não dá para ser condescendente, com nenhuma destas situações.

Anônimo disse...

Duas coisas me provocaram náusea nessa história:

A incapacidade dos homens de calar a boca de entender que há coisas que não são sobre eles...(de boa, camaradas - recolham-se a sua insignificância)...

Segundo é ver que, como fazer sexo para uma mulher é algo com um potencial devastador para sua vida.
Vejam que elas foram vítimas dos calhordas que as filmaram. ELES cometeram um crime. ELES agiram de má fé... mas quem vai ter a vida e carreira arruinada se essas fotos vazarem ou mesmo se elas denunciarem um crime em que ELAS SÃO AS VÍTIMAS?? Quem de fato será punido??

É de f**** o palhaço...

Jane Doe

Anônimo disse...

E o Jonas tem a a solução para esse problema.
Nada de novo sob o sol.

Bizzys disse...

Vicky_, concordo muito com você. Ninguém duvida quando denunciam qualquer crime, menos assédio e estupro. Faz pouco tempo que lincharam uma mulher por BRUXARIA e sequestro de crianças em SP, quando lançaram o boato na internet ninguém duvidou, ninguém disse para investigar melhor, ninguém disse que poderiam estar lançando suspeitas sobre uma inocente... Foram lá e mataram a mulher, apenas. E os crimes dos quais ela era acusada nunca ocorreram, no fim das contas.

Agora quando homens comprovadamente cometem crimes de assédio ou revenge porn ou qualquer coisa contra mulheres aí não pode falar, não pode citar nomes, é inocente até que se prove o contrário (mesmo que existam provas, só não foram mostradas aqui). Não estou dizendo que é preciso linchar os caras - antes que me acusem de estar incentivando o assassinato dos "pobres homens que podem não ter feito nada de mal" - mas eles precisam sim ser expostos, precisam sim pagar por esses crimes, outras mulheres precisam ser avisadas sobre esses canalhas (principalmente sobre o tal feministo).

Chega de passar a mão na cabeça de assediador e divulgador de revenge porn, pelo amor da deusa!

Rafael Cherem disse...

Luise Mior, não sou anônimo.

Mas veja o conteúdo do texto, é no mesmo sentido que "fontes do planalto disseram que viram Lula com uma mala de dinheiro", poxa, cadê a coragem de trazer a público o nome dos caras?Isso foi feito várias vezes aqui, olha o caso do Adrilles por exemplo, e eles fazem isso há anos e anos, desde a época do orkut, para casos como esses não tem jeito, tem de desmascarar o abusador.

Anônimo disse...

eu tinha 17 anos e morava numa cidade pequena
nao sabia nada da vida
só tinha beijado uns 2 rapazes, e só
nunca tinha namorado
só estava focada em entrar na universidade publica
eu aparentava menos de 17 anos, talvez 14
tinha cara de criança
usava roupas com personagens infantis
Aquele dia eu tive a infeliz idéia de sentar na primeira fila da sala
enquanto o professor explicava a matéria, ele foi se aproximando e enquanto continuava explicando a materia para a sala de aula, ele colocou o dedo nos meus labios e contornou.
fazia isso ao mesmo tempo que explicava a materia para a sala
eu nao estava entendendo, eu nao sabia o que era passar o dedo nos labios, nunca tinha acontecido isso com ninguem
fiquei paralisada, com nojo
nao sabia o que era, mas dava nojo
quando cheguei em casa lavei a boca com sabao, tentei vomitar...mas nao consegui.
entrei na universidade publica e a vida seguiu.
acho que nao me abalou muito.
mas quando lembro disso, ainda tento lavar meus labios com sabao.

Laura Borba disse...

Concordo com o Rafael. A descrição acaba fazendo as pessoas suporem que foi joãozinho ou matheusinho quando ambos podem ser inocentes e esse tipo de coisa espalha rápido.
Além disso a autora prova do guest não mostrou prova nenhuma, ficou se embasando em "me disseram", "estão dizendo que", "dizem que ela viu"...
Não estou duvidando de vítima alguma (até porque a autora não esteva entre as tais) e se uma delas escrever algo sobre sua experiencia pessoal nessa história, vou acreditar e apoiá-la. Mas isso ai ficou muito disse e me disse, parece que a autora está espalhando um boato/fofoca que nem ela demostra ter certeza, ela não chegou a ver provas nem nada.
Imagino, entretanto, que ela não tinha boa intenção.. Mas tenho que dizer... Abram o olho, meninas. Nem tudo que se ouve ou lê é verdade.

Jac disse...

Não acho bacana essa pressão para essas mulheres denunciarem.

Ainda vivemos num mundo machista o suficiente para arruinar a carreira dessas mulheres enquanto que os caras vão acabar passando impunes na história.

Então que façam "fofoca" mesmo, que espalhem "boatos" mesmo. Assim pelo menos outras mulheres ficam alertadas para não caírem nessa história.

Anônimo disse...

Pois pois... Se é pra fofocar e não denunciar, vms por nome aos bois.

Anônimo disse...

Achei muito estranha essa história... Por que o fato de haver um grupo de homens no Recife compartilhando vídeos íntimos sem autorização excluiria o valor negativo da patética conduta dos dois cineastras? Porque a Autora tenta ressaltar isso?
E se as vítimas não querem denunciar, tal direito lhes pertence, trata-se de crime cuja iniciativa é privada e não pública. E mais, o que as vítimas terão além de uma desnecessária exposição? Justiça? Hahahaha. Alguém acredita nisso nesse país?
E o que pretende a "denunciante anônima"? Que o pessoal dos comentários comece a sugerir nomes aleatoriamente até virar uma verdade?
Os escrotos que filmam/divulgam sem autorização vão ficar impunes? Infelizmente sim, por diversas razões. Mas sinceramente, essa necessidade despropositada de tentar colocar alguém nas garras da barbárie, pra mim, não é aceitável.
Fabi

Danilo Muller disse...

mais uma prova de que algumas mulheres adoram homens babacas-não eu não acho que mulher gosta de apanhar ou que é atraida por homens que não prestam-digo que algumas mulheres gostam sim desses palhaços isso é a prova-os caras super babacas e mesmo assim cheios de mulher anonimas feministas me desculpem mas algumas mulheres que vcs tantam defendem não prestam namoram bandidos estupradores e não tão nem ai.

Anônimo disse...

Lola,

Este post de uma Feminista, chamando outra mina de mina padrão, na sua opinião não demonstra um preconceito embutido?

https://www.facebook.com/christie.hassel/posts/877884352295859

O que se faz quando ela mesma diz que qualquer mulher que é branca, magra e veste calça menor que 42 é mina padrão e não pode participar de movimentos feministas? é preciso engordar para ter respeito?

Jonas Klein disse...

Jac ou jaco?

"Não acho bacana essa pressão para essas mulheres denunciarem.

Ainda vivemos num mundo machista o suficiente para arruinar a carreira dessas mulheres enquanto que os caras vão acabar passando impunes na história."

Isso esta me cheirando a comentário de mascu, o fato e que uma denuncia com prova sempre vai ser levada a serio pelas autoridades, e se as leis brasileiras não são duras o suficiente para por na cadeia estes babacas, se estes forem denunciados a policia, vão sim ser processados, o que vai custar a eles depoimentos a policia, audiências etc. e isto custa tempo, e muito gasto com advogados se eles quiserem ter quem realmente os defenda, o que não deixa de ser uma forma punição.


Quanto fofocar, a maioria das pessoa nem acredita em muitas fofocas, e aqui vem outro fato, você acredita mais em denuncia com provo ou em fofoca de corredor?

Anônimo disse...

O fato de terem filmado mulheres sem consentimento já é horrível. O fato de se tratarem de alunas e mulheres que faziam entrevistas para integrar elenco de filmes torna tudo mais perverso ainda. Aproveitaram-se de mulheres que, de certo modo, eram subordinadas a eles. Mulheres que terão medo de fazer denúncias não só por vergonha, mas também por medo de perderem oportunidades na carreira. Muito triste isso.
Se tem uma coisa que eu aprendi sobre machismo, é que ele não se limita aos espaços conservadores. Tá cheio de homem moderninho, intelectual, artista de vanguarda e o escambal com comportamentos machistas.
Fica a dica pras moças ingressando na vida artística: você não é obrigada a aceitar cantada de diretor/produtor, você não é obrigada a ficar nua para fotos ou vídeos se não houver uma BOA justificativa condizente com a estética do trabalho que você está fazendo.
E por fim: transe e tire a roupa pra quem você quiser, mas saiba reconhecer a índole das pessoas com quem você se relaciona. Pressentiu uma fagulha de machismo, canalhice ou falsidade no cara? CORRE. Você merece coisa melhor.
Infelizmente vivemos num mundo em que até uma transa casual pode se transformar num pesadelo de vídeos e fotos tiradas sem permissão. Tá difícil confiar nas pessoas, viu!
Tina Tales

Jéssica disse...

Jonas vive em outro planeta, n vi absurdo nenhum no que a jac disse, o que o homem vai sofrer é ridículo perto do que as mulheres sofrem nessa situação, se vc ainda n viu, várias se mataram por causa de crimes como esse.
N é absurdo a mulher n querer denunciar pq quem vai se ferrar é ela, completamente.

Anônimo disse...

Off-topic, mas vocês perceberam que foi só começar agosto que sumiram as trolls nível quarta série? Foi só começarem as aulas... Parece que militância radfem no blog da Lola é só no período das férias escolares (não falo das rads mais coerentes como Anon. A, falo daquelas que faziam baixaria mesmo)

Anônimo disse...

Lola faz um post sobre a situação, educacional e econômica politica atual

Anônimo disse...

Praça da Sé SP, hoje, 05/09/2015, uma 'jovem vitima drogada armada da sociedade' em uma tentativa frustrada de expropriar uma burguesa (assaltar uma tia no ponto) e detido por um opressor patriarcal ( senhor em situação de rua, mais de 90% das pessoas em situação de rua são homens) que se jogou na frente da arma para salva-la e tomou dois tiros.
Malditos sejam todos os homens da face da terra.

Danilo Muller disse...

00:23 ele não salvou ela porque ela era mulher e sim porque é ser um humano como qualquer outro-não adianta pegar casos de homens que ajudam mulheres pra mostrar que todos homens são incrivelmente bons porque o numero de homens fazendo coisas ruins principalmente relacionado a mulheres-é maior apesar de não ser a maioria dos homens que faz isso.

Raphael Leite disse...

Vamos lá, primeira vez que entro nesse blog e me deparei com algumas coisas. A primeira é a constatação de que realmente existem mais idiotas no mundo que eu imaginava, e olha que minha imaginação é fértil.

Realmente deveria haver denuncia, infelizmente não haveria consequências para a maioria delas pois a Lei 12.737/2012 (a conhecida Lei Carolina Dieckmann) estabelece um prazo de 6 meses a partir do momento que a vítima tomou conhecimento do ocorrido para que seja feita a denúncia, como foi relatado casos com mais de 10 anos, os mesmos trariam apenas dor de cabeça para as envolvidas.

É uma pena isso, tanto que a denúncia não surta mais efeito quanto o fato da vítima se a única prejudicada com a mesma. Os culpados apenas continuam com o comportamento pq não há problemas para os mesmos.

Não adianta ficar discutindo se isso é fruto de machismo ou misoginia ou falta de palmada quando criança, é algo que acontece, é errado, é crime e deveria ser combatido e punido.

Como isso poderia ser feito sem expor demais as vítimas? Existem várias maneiras, a primeira delas seria a informação. Não é preciso dizer que fulano fez tal coisa com cicrana, isso pode ser feito de uma maneira mais sutil, conscientizando as mulheres do que rola na cena aqui no estado. Realmente não vou criar um programa de campanha aqui nos comentários, mas um site, vídeos, página no face, visitas aos grupos de teatro, alunos das faculdades etc, muita gente sabendo do que rola ou rolou cria um constrangimento maior. Além disso, não apenas contar o que aconteceu (sem usar nomes) mas ensinar o que a lei diz e como agir nesses casos.

Caso alguma das vítimas, ainda em tempo de realizar a denuncia, tiver provas, a mesma deve se encaminhar a uma delegacia da mulher (poderia ser delegacia de crimes virtuais ou qualquer outra delegacia, porém o tratamento geralmente é melhor na delegacia da mulher) e efetuar a denuncia. O caso se tornará público apenas se as partes envolvidas vazarem, até pq pode-se pedir proteção da identidade dentre outros artifícios.

Quanto ao caso como foi relatado no post, entendi que a pessoa estava indignada por um dos envolvidos no caso das cameras indiscretas ter apoiado a fundação no caso dos cineastas, entendo perfeitamente a revolta, muitas vezes a hipocrisia das pessoas é mais contundente do que os crimes delas. Porém revolta e disse-me-disse não traz soluções práticas.

Acredito que seja interesse de todos que elementos peçonhentos à sociedade, como esses tais membros da cena do cinema pernambucano, sejam punidos e/ou desmascarados e/ou alertados de forma dura que suas ações não serão mais legalmente, moralmente e socialmente aceitas.

Existem diversas formas de colocar isso adiante, porém o disse-me-disse não irá ajudar.

Gabi disse...

Véi, o pensamento dessa moça aí não é nada feminista! Eu também acho que pode haver beleza em pessoas de diferentes formas, tamanhos e idades. Mas cada um sabe o seu tesão! Não existe essa de ter que provar que é feminista ficando com gente de aparência assim ou assado! Aliás, levando ao extremo o pensamento dela: Ficar com uma menina "fora do padrão" (olha o preconceito...) só pra espalhar pra todo mundo que é super cabeça aberta, tanto que já pegou até a fulana seria uma atitude desprezível!

Kittsu disse...

Raphael, eu concordo em quase tudo com o que você disse. Só diria que o "disse me disse" às vezes ajuda, por incrivel que pareça. Usar uma "rede informal" para alertar de possíveis abusos acaba sendo uma forma de prevenção que não depende da exposição das vítimas e não atiça o "âmago vingativo" dos posssíveis agressores. É uma forma de se adiantar à justiça, que é lenta e nem sempre certeira. Eu diria até que a própria justiça poderia acabar se encarregando de livrar eles de qualquer consequência, vide as sentenças em que os juizes declararam que não houve estupro de vulneravel porquê a vítima já era prostituida desde criança (!!!!). E as delegacias da mulher também não são um paraiso, na verdade são bem bizonhas. No papel é tudo muito lindo - e tem que ser e eu concordo que devemos seguir a legalidade sempre - mas a aplicação dessas leis muitas vezes são falhas e os agentes e a sociedade se encarregam de causar mais dano do que ajudar.
Não estou defendendo que não se denuncie ou que todo mundo se omita porquê nada dá certo mesmo, o que eu quero dizer é que compreendo perfeitamente que existam pessoas que temam tomar as providências legais, e entendo que talvez seja a forma que elas encontraram para seus processos de cura. Acho que saída nesse caso não é querer forçar que elas denunciem porquê é o melhor para a sociedade (porquê é), mas sim melhorar o atendimento, intrução processual e até a consciência dos agentes públicos e minimizar os impactos que isso podem ter na vida de quem está denunciando.

Aline disse...

Ah, Rafael, eu queria muito viver no mundo que vocês, homens, vivem...

lola aronovich disse...

Pois é, não é fácil. O que eu posso fazer é dar voz (mesmo que a pessoa queira permanecer anônima) a alguém que queira fazer uma denúncia. Mas não posso colocar os nomes dos envolvidos, porque não tenho provas. E esta é UMA denúncia. A denúncia também deve ser feita à polícia. Só que pra isso algumas pessoas precisarão falar. Isso quer dizer se expor, quer dizer ser hostilizada e desacreditada e, no caso dessas mulheres do post, de não conseguir mais emprego. Ou seja, se uma mulher denuncia anonimamente, não vamos fazer nada, porque é anônimo, apócrifo. Se ela põe seu rosto e nome, ela será chamada de vadia pra baixo. A recepção a denúncias graves como esta é sempre a mesma. Por isso, não surpreende nem um pouco que as denúncias não sejam feitas (e isso considerando que algo seria feito se houvesse denúncia).
Agora, mesmo uma denúncia anônima já pode ajudar. Outras vítimas deste caso podem se reconhecer e se unir. Os agressores também podem ficar com medo e pararem de cometer esses crimes. Porque são crimes. No mínimo acontece uma discussão do que está acontecendo.
Uma jornalista e uma advogada de Recife já entraram em contato comigo. Passei os emails delas para a autora do guest post. Espero que algo comece a ser feito.

Anônimo disse...

Divou, Lola!

Anônimo disse...

O que eu sei é que esse diretor babaca assedia insistentemente mulheres na noite, atrizes no casting e estagiárias de cinema. O boy promete um dia deixar essa cidade, mas, cumprir que é bom, nada!

Vicky_ disse...

Isso parece que coisa de gente que crê que a maioria dos mascus e trolls da vida não são marmanjos, mas garotos de 13 anos(Acho ofensivo com garotos de 13 anos, por que a maioria que conheço tem mais inteligência emocional que os mencionados)

Por que é tão difícil acreditar que não existe uma idade mágica onde a maturidade começa a habitar seu corpo? Tipo, por osmose.

Vou baixar o nível: Falem mal, falem bem, mas falem da minha geração. SEMPRE, desde Aristóteles, um dos argumentos mais usados para rebaixar, é a pouca idade.

E não perdendo o hábito, radtrolls são 95% homens. Nem venha com outra que você também é anônimo.

Anônimo disse...

Eu também achava que as rads daqui eram trolls disfarçados, mas depois que eu li os tweets de uma rad por 5 minutos, vi que não são, elas são assim mesmo.

Anônimo disse...

Hellcife

Danilo Muller disse...

não consigo entender essa implicancia com as "rads"-todo comentario contrario a opinião de vcs é sempre de rad-dizem que elas se escondem no anonimanto mas pelo que vejo elas mostram mais as caras do que as proprias pessoas que comentam aqui.

Kittsu disse...

http://g1.globo.com/espirito-santo/noticia/2015/09/video-mostra-agressao-jovens-apos-cantadas-em-jardim-da-penha-vitoria.html

Anônimo disse...

Ninguém precisa usar idade pra rebaixar não, elas mesmo se rebaixavam com as coisas que escreviam. Pelo visto tu não acompanhou o blog aqui em junho/julho, o inferno que estava. A questão da idade é só pra encher o saco delas mesmo, visto que elas sempre criticavam as comentaristas daqui por coisas tão ou mais fúteis quanto a idade.

Anônimo disse...

Radtrolls 95% homens kkk, miga você está bem por fora mesmo. Os próprios grupos delas no Facebook coordenavam floodagens em massa no blog da Lola, quando saiam posts novos. Agora pararam, não sei porque, acho que depois que a Lola voltou de viagem começou a apagar direto e elas cansaram.

Anônimo disse...

Entrevista da Anna sobre machismo no meio cinematográfico

http://www.brasilpost.com.br/2015/09/05/anna-muylaert-que-horas-e_n_8089696.html

dé vales disse...

Porque os comentários acusando o email de leviandade são dos ômis ? Zzzzzzzzzzzzzz

Anônimo disse...

As mulheres precisam entender uma coisa: um homem (qualquer que seja ele) JAMAIS ficará contra um outro homem quando a questão envolver sexo e mulher. JAMAIS. É por isso que conseguiram e conseguem manter essa cultura misógina tão forte apesar de todos os avanços femininos em direitos. Observem que, embora estejamos na segunda década do século XXI, o sexo e a nudez ainda representam um perigo imenso para a mulher. Os homens não manteriam uma cultura hipócrita e violenta dessas se não se apoiassem incondicionalmente. As mulheres precisam entender que por mais fofo que um PAREÇA ser, ele ainda é um homem e JAMAIS ficará do lado de uma mulher. JAMAIS. Se ele é sacana com uma mulher, ele SERÁ sacana com você. É só questão de tempo e oportunidade (o que vier primeiro). Só o fato do homem querer que a mulher se excite ao ser chamada de puta, a categoria social mais desumanizada e desprezada e desprezível que existe, dá uma boa dica de como os homens, TODOS os homens, enxergam as mulheres.

Anônimo disse...

Se só ficar nesse disse que disse nada vai acontecer e os machos continuarão a ser machos. A mulher que não briga, que não denuncia, que não luta, que se cala, além de estar errando junto é conivente com todos os erros cometidos contra outras possíveis vítimas. Isso de ain sou vítima deixa eu me encolher aqui só serve pra favorecer agressor. Mulheres, aprendam com os homens, homem nunca deixa esse tipo de coisa barato e é por isso que eles impõem sua vontade ao mundo. Chega de mulherzinha acuada no mundo, cadê os mulherões e seus textões de facebook fazendo textão na cara de macho vagabundo na vida real?

Elena disse...

tambem sou de recife e é bom que esse assunto volte em evidência.
por mais que me doa, é uma das poucas chances que temos de voltar a atenção alheia para algo tão podre como o que esses homens fazem.

Anônimo disse...

Em João Pessoa - PB acontece isso também, tanto na cena do cinema, da literatura, quanto no cenário musical, os músicos de bandas alternativas, e que até fazem de conta que apóiam a causa feminista, são os piores, analisam bem suas vítimas, que em geral são me minas novinhas, com a ilusão de um namoro. São inúmeros caso relacionado a abuso de drogas e álcool, são tão comuns, que assustam, sempre iludindo a vítima, qualquer que seja sua idade ou cor, se for para por print de whatz, ou face, não ia caber em cadeia nenhuma, o tanto de criminosos machistas e oportunistas que existem no cenário artístico paraibano.