sábado, 22 de agosto de 2015

NOSSAS CONTRADIÇÕES, ANSIEDADES, DEPRESSÕES

A A. me enviou este relato:

Tem tanto tempo que estou ensaiando te escrever... Bem, na realidade queria ser uma amiga mais próxima para poder conversar com você sobre tudo, mas acho que já me sinto um pouco assim de ler seu blog diariamente (raramente comento porque debates de internet me irritam um pouco). Então, resolvi finalmente escrever para falar um pouco sobre minha experiência pessoal e de como seu blog muda vidas e percepções todos os dias. 
Vamos lá, sobre mim: tenho 30 anos e atualmente faço doutorado estudando relações de gênero no mercado de trabalho. Sou funcionária de uma grande empresa onde 80% são homens e profissionalmente também consegui "galgar" um posto de trabalho onde posso tentar sensibilizar as pessoas e promover ações afirmativas e campanhas de vários tipos, numa área de responsabilidade social, que também trata de gênero e diversidade. Tenho um bom salário. E um ótimo marido, que me apoia (até onde pode) nos meus ideais e pensamentos.
Retrato de uma vida individualmente feliz, certo? Mas vivo me sentindo à beira da depressão profunda. Tratei por uns dois anos de síndrome do pânico, deixei de andar de avião e quase de dirigir por fobia, como compulsivamente, tenho muita vontade de dormir o tempo todo, além de mania por doenças e remédios, acho que não rendo mais tanto no trabalho e no doutorado, vivo com vontade de largar tudo...
E não encontro muito apoio nas minhas redes de amizade. Li em um post do seu blog um comentário que dizia que se a gente não se encaixa, deve mudar de amigos. Simples assim! Mas não é isso que eu queria. Amo profundamente minha família e meus amigxs, muitos que tenho desde os 10 anos de idade. E há anos tenho tentado colocar minhas visões de mundo, mas parecem não ter eco.
No trabalho então, sou instrutora de diversas oficinas, cursos, seminários e não tenho mais tanta paciência quanto já tive com mascus e mulheres conservadoras. Parece, parafraseando Daniele Kergoat e Helena Hirata ao falarem da divisão sexual do trabalho, "que tudo muda, mas nada muda". Tipo enxugar gelo todo dia.
Sinto-me cansada mas ao mesmo tempo uma fraca. Admiro seu bom humor e firmeza ao responder os comentários. Enfim, parece que meus anos de estudo e "luta" têm sido em vão, tanto para mim individualmente (não cresço nem sou valorizada na carreira e sou mais escolarizada que meu marido, por exemplo, que ganha muito mais que eu), quanto para alcançar uma sociedade diferente, mais justa em vários aspectos. Claro, eu apenas sou exemplo vivo de toda essa cultura que bem conhecemos.
Digo "luta" entre aspas porque por ser muito tímida, também nunca me aproximei de nenhum movimento feminista político, acabei me fechando em mim mesma e na vida acadêmica. É como se tudo que eu sei, em vez de se reverter em ações, em melhoria para as pessoas, só me deixasse com um ódio que eu engulo e me maltrata muito, pois as coisas continuam a acontecer e talvez nunca mudem. Todo estupro, violência, desigualdade... Quando será que teremos um tempo de liberdade? Onde a gente possa resolver as desigualdades estruturantes de classe social, gênero e raça, mas também respeitar as individualidade de pessoas que são tímidas, gordas, simplesmente diferentes?
É muito sofrimento desnecessário e está tudo tão interligado que minhas esperanças vão para o ralo e tento encontrar em você um espelho para tentar agir conforme esses princípios, por mais difícil e contraditório que seja. 
E é essa a grande transformação que você me opera, Lola. Ao ler seu blog e principalmente os guest posts me sinto menos só. Mais que isso: vejo que, por mais diferentes que as experiências de vida sejam, todxs sofremos pelo mesmo sistema que nos impõe a adequação a um padrão. Até se você é feminista, por exemplo, parece ter que seguir todo um simbolismo que te encaixa nisso (não ser vaidosa, não querer ganhar dinheiro, fazer tudo voluntariamente). 
Já li vários posts seus sobre essa temática e só pude chegar a uma conclusão: isso não existe! Somos seres integrais, complexos e contraditórios, e mesmo tentando ir contra este sistema, estamos dentro dele! Se o feminismo é guiado pela liberdade, é esta que tem que prevalecer (apesar das escolhas no capitalismo não serem guiadas apenas pelos desejos próprios, claro). E você não julga ninguém por isso, apesar de ter suas convicções.
Eu, por exemplo, me digo feminista e tenho uma formação marxista desde a graduação, mas viajei ano passado para a Disney, burguesa total. Só que isso faz parte da minha história: desde criança eu amo os desenhos da Disney e só adulta (agora minha situação financeira permite), mesmo com toda consciência crítica que apesar de ver esses desenhos consegui formar, tive que ir neste lugar onde "dreams come true" (eu voltei e até agora nada rsrs). Então, mesmo não acreditando em mais nada disso, não consegui me desconectar desses desejos de "felicidade" capitalistas, machistas, racistas e tudo mais. 
Como pode isso? Aí de repente me vejo infeliz e me punindo por esses comportamentos. É um ciclo tão cruel. Sinto-me num não lugar, que acho que é onde nós, suas leitoras (e leitorxs), estamos muitas vezes. Querendo remar contra uma maré que nos engole com força e violência, tentando não se afogar. É assim que me sinto. Bem, sei que você se confronta com coisas assim todos os dias, queria só te dizer que te acho muito honesta em como você escreve, age e se posiciona, vou aprendendo a ser um pouquinho mais assim. 
Estou até com vergonha, nunca disse essas coisas a ninguém! 

Meus comentários: Obrigada por todo o carinho. Nem sei o que responder, além de: não se cobre tanto. E seja mais paciente. A gente vai mudar o mundo, a gente está mudando o mundo, mas é devagarzinho mesmo, e muitas vezes imperceptível. E não é um movimento direto, sempre pra frente. A gente avança em linhas tortas, em círculos, num vai e vem. Tem inúmeros retrocessos pelo caminho, que a gente tem que enfrentar, sem enfraquecer.
Mas é lógico que essa luta eterna nos afeta. Por isso que não dá pra estar engajada o tempo todo. Na nossa vida pessoal, a gente precisa de um espaço de harmonia, sem grandes enfrentamentos. Precisa inclusive de férias, pra deixar tudo de lado e recarregar energias. Não dá pra brigar contra tudo o tempo todo. É preciso também escolher nossas lutas, porque senão realmente é exaustivo. 
Uma das coisas que você narra -- de se sentir à beira da depressão apesar de ser bem sucedida -- me lembrou da Síndrome do Impostor. Conhece? É um sentimento (muitíssimo mais recorrente em mulheres do que em homens) de que a gente não é tão boa quanto parece, de que a gente é uma fraude, prestes a ser desmascarada. Várias mulheres passam por isso. 
Mas mesmo quando estamos só (ou bem acompanhadas) ficamos nos cobrando, né? E isso também cansa. Eu me considero bem coerente, tenho toda uma linha de conduta, mas certamente também tenho contradições. Eu penso no Walt Whitman e num belo trecho de sua poesia: "Eu me contradigo? Pois muito bem, eu me contradigo. Sou amplo, contenho multidões". Acho que temos que saber lidar com essas multidões dentro de nós.
Só que talvez nem sejam contradições. Sejam apenas o que a gente imagina que seja um modelo (até um modelo de feminismo), um padrão, e a gente não se encaixa perfeitamente nele. E o quê que tem? De repente aquele padrão está dentro da nossa cabeça. Sei lá, isso de ir pra Disney. Ir pra Disney e realizar um sonho de infância é bem burguês, sem dúvida, mas não te faz menos feminista, nem menos revolucionária. 
Na próxima viagem você vai pra Cuba. 

105 comentários:

Anônimo disse...

Na próxima viajem vc vai pra cuba? E che Guevara nao era estuprador, tem lugares melhores que a cuba.

Anônimo disse...

É por isso q o Brasil n vai pra frente, n pode viajar, melhorar de vida q é coisa de burguês.
Bom mesmo é viver na merda.

Anônimo disse...

Sou feminista e nao vejo nada de bom em comunismo, muito menos em igualdade. Será que a Lola iría querer morar em Cuba ou Venezuela. É isso ai que os machistas adoram divulgar, pra dizer que todas as feministas pensam assim. Fora ter mulheres ignorantes que nao querem nem saber de feminismo, por pensarem que todas pensam igual sobre esses tipos de assuntos.

Anônimo disse...

Nao vejo igualdade no comunismo.

lola aronovich disse...

Se eu gostaria de morar em Cuba ou Venezuela, anon? Não sei, infelizmente não conheço esses dois países. Eu certamente gostaria de conhecê-los, principalmente Cuba. Mas eu amo o Brasil e adoro morar aqui. Acho que eu teria condições de viver em qualquer lugar no mundo. Mas escolhi aqui.

Anônimo disse...

Dizem que a Coréia do Norte e linda nesta época do ano, e o regime militar marxista deles e muito hospitaleiro

Anônimo disse...

Lola,

Esses reaças que ficam mandando a gente morar em Cuba, acham que lá eles almoçam mulheres ao molho pardo, comem criancinhas e etc.

Aos reaças: querem morar em algum lugar melhor do que Cuba? Qual? Estados Unidos? pra tomar um tiro enquanto está calmamente estudando em uma escola ( sim, tem muitos loucos lá que entram nas escolas atirando )... e por que será que muitos americanos vão a Cuba para obter tratamento médico, né?

Anônimo disse...

Sim Cuba e uma beleza, por isso eu vejo tantos estadunidenses se jogando ao mar com jangadas improvisadas em Miami para tentar pedir asilo lá.
E tem razão os EUA são um país perigoso, la ocorrem 54 mil homicídios por an...há não pêra, iso e no Brasil :/

Anônimo disse...

(2)

Anônimo disse...

Você se cobra muito, Guest.
E reconhece que é um sofrimento desnecessário.
A história da Disney ficou bem esquisita. E daí você ter ido lá? Sério que acha isso burguês? Abstrair um pouco da vida experimentar outra realidade faz bem de vez em quando para qualquer pessoa. Seja assistir desenho, ir à Disney, participar de Cosplay essas coisas.
Não seja tão extremista. Se permita. Se você tirar da sua vida tudo o que é burguês/capitalista não vai sobrar muita coisa.
E se permitir não é trair convicções. É saber reconhecer algum proveito dessas situações da vida.

Maria

Anônimo disse...

Acho que você não está errada mesmo não. Felicidade é coisa de gente ignorante, e como és estudada, sofres por entender coisas que a massa não entende. O segredo é viver com máxima austeridade, ignorar essas emoções e se focar no trabalho.

Anônimo disse...

WTF?!

O texto estava ótimo, até eu ler a ultima linha. Ficou até meio cômico.

Donna Nyckynha disse...

Omi,nenhum dos dois.Prefiro o Canadá e ninguem atira em ninguem e as mulheres la sao mais livres e nao temos a FOXNews e cia. fazendo seu terrorismo psicologico.

Anônimo disse...

18:51, qual o problema?

Algum cubano lhe desrespeitou?

Anônimo disse...

É muita regra: Não pode viajar porque é coisa de burguês, não pode se depilar pois mulher depilada é para fetiche dos homens, não pode vaidades e ser sarada então é um sacrilégio, não pode ser heterossexual porque é uma relação de opressão, não pode se declarar negra, NÃO PODE, NÃO PODE...
Moça do post siga suas convicções e tire esse peso do mundo que carrega sobre seus ombros, vá ser feliz pq essa vida é tão curtinha.

Raven Deschain disse...

Off-topic:

Gente, vejam esse vídeo por favor. E aí quando disserem que vc tá sendo muito agressiva, mande ele pra todo mundo.

http://m.youtube.com/watch?v=iiPiJ_Ge50s

Anônimo disse...

"sou feminista e não vejo nada de bom em igualdade"

ERROR 404, deu tela azul aqui

Anônimo disse...

Mas fale mais sobre esse emprego de humanas em empresa grande que paga bem e ainda permite fazer doutorado. Quero um desses pra mim

Anônimo disse...

Super entendo a autora.

Acho que grande parte é cansaço, fazer doutorado enquanto trabalha não é pra qualquer uma e isso afeta todo o resto.

Mas também tem o fato de o mundo estar realmente tão cansativo, tão duro, com tanta gente achando bonito ser babaca que é quase inevitável a sensação de impotência e tristeza.

Esses dias levei um choque justamente porque fui com minha família para a praia fiquei uns dias sem internet. Voltei tão bem, tão leve, e a primeira notícia com que me deparei foi o ataque aos haitianos, fiquei tensa e triste imediatamente. Percebi que preciso me afastar de alguns sites, de algumas notícias, pelo menos de vez em quando, pra enxergar as pessoas boas que estão por perto e pra não enlouquecer.

Eu também sou bastante tímida, tento aos poucos no meu próprio meio ir naturalizando um discurso mais feminista, às vezes parece que funciona, às vezes não.

Às vezes sinto que poderia/deveria fazer tanto mais e isso me deixa triste, mas também talvez o meu caminho seja outro, eu não sei se saberia manter a sanidade se recebesse todos os ataques que a Lola recebe, por exemplo. Então me resta apoiar, na medida do possível, boas iniciativas, acho que é o que posso fazer por ora.



Anom das 20:00 - existem pessoas que se esforçam. quem sabe se vc tentasse...

Anônimo disse...

Vdd Raven.
Mas atacar pessoas em especifico, com pronomes perjorativos(por mais leve que seja,como babaca)já tem outra conotaçao.Encerra muitas vezes o dialogo.Questao psicologica.

Anônimo disse...

Anon 22:38, "pronomes pejorativos" não seriam adjetivos?

Jac disse...

Com relação a não ser socialista/comunista (sei que há diferenças, mas geral trata no mesmo balaio, então...), eu me identifico. Não perco meu tempo desejando uma mudança radical para um outro regime, apenas desejo e faço o possível para termos um capitalismo mais igualitário.

Acho de péssimo tom ficar marcando qualquer atitude de forma pejorativa como "burguesa". Quase tudo que fazemos pode acabar com esse rótulo. Comprou um novo tênis? Burguesa. Tem por hábito correr? Burguesa. Almoça em restaurante? Burguesa. Viaja pra ir para a praia? Burguesa.

Eu acho que já deu, né?

A autora já se sente meio culpada por ir pra Disney e povo ainda reforça a culpa chamando a atitude de burguesa. Não acho bacana.

E, só pra constar, não quero um mundo em que ninguém vá pra Disney. Quero um mundo em que todos tenham condições de ir para a Disney. Essa é a minha igualdade.

Anônimo disse...

Lola é necessário vc ficar de olho nos posts da Raven, mais uma vez ela tenta criar uma polêmica para ser o centro das atenções.
Não sou a favor do banimento de ninguém, mas está sendo discutido um assunto no post e ela surge com outro nada a ver.
É preciso que vc converse com ela, ja que vc mantém contato, e pedir que ela pare com essas atitudes.
Já houve aqui no blog uma revolta em relação a isso, e ela podendo refletir ou mesmo debater suas atitudes, deu uma de criança mimada e disse que nunca mais comentaria, como se nós tivéssemos obrigação de parar de falar sobre o post e passasse a debater sobre o comentário dela.
Estou falando aqui educadamente e dando uma sugestão sem ofender ninguém, sei que é difícil meu comentário ser publicado pelo tratamento diferenciado que ela recebe aqui, mas já vai ser de bom proveito se vc ler isso,seria melhor se os outros leitores também pudessem ler e expor suas queixas sobre ela, agradeço vc por sempre levantar assuntos importantes, mas se a Raven começar adesiva o foco dos comentários vai ser uma perca muito grande para seu blog.

Anônimo disse...

Não era vc que nunca mais comentaria?

Julia disse...

Qual é a desse povo com implicância com a Raven? Vão caçar o que fazer!

Todo mundo posta vídeo ou notícias aqui que não necessariamente tem a ver com o post.

Raven, esse canal é foda. Não tinha visto esse vídeo ainda. Já to com ele salvo aqui. Tem um outro que gosto muito que fala sobre a patética friendzone e, consequentemente, a cultura de estupro.
Tem legenda também.

https://www.youtube.com/watch?v=_xHp5iTtWRc


E esse outro, sem legenda, sobre distúrbios alimentares.

https://www.youtube.com/watch?v=zQucWXWXp3k


Um dos versos desse último:

"Eu me pergunto se a minha linhagem é das mulheres que se encolhem, fazendo espaço para a entrada de homens em suas vidas, sem saber como preenchê-lo quando eles vão embora".

Tradução minha se tiver errado mi disgulpem :*

Anônimo disse...

Exatamente essa é a questão, Lola faz um post a Raven surge, lança um assunto e vira o centro das atenções.
Vc está fazendo o que ela quer, comentando o que a Raven escreveu em vez do assunto do post, é sempre assim: Lola fala sobre cotas raciais, Raven aparece e fala sobre outra coisa, que pode até ser importante mas não é o assunto do momento e chama os holofotes para si.
É uma pessoa com uma certa carência, da última vez que várias pessoas se queixaram ela disse que iria sair do blog para que as outras pessoas pedissem que ela voltasse, ela sempre quer que discutam com ela é quando alguém não concorda com o que ela diz, ela passa a ofender.
Lola seu blog é um espaço muito importante e ajuda muitas pessoas no dia a dia, pessoas que passam por dificuldade e encontram um refúgio aqui, quantos relatos de pessoas reais já passaram por aqui e tiveram uma excelente reposta sua.
Raven antes de vc postar se conscientize de que uma pessoa está relatando alho importante acima, ela não merece que vc mude o assunto e que ela seja ignorada no próprio post, por favor amadureça.

Anônimo disse...

Também não entendo essa treta com a Raven.

Tratamento diferenciado no blog? Não vejo isso. Acho que a Raven se destaca principalmente por ser franca e humana. Erra algumas vezes, acerta outras mas por dar a cara para bater expondo suas opiniões sem rodeios, atrai para si o foco das atenções com frequência. Isso parece gerar ciúmes em algumas comentaristas. Daí essas queixas de que ela desvirtua os temas. Se assim fosse, bastava não respondê-la e o problema estaria resolvido.

Numa boa, vamos deixar de infantilidade e ciumeira. Parecem crianças disputando a atenção da "tia Lola". O que incomoda vocês é a moça se destacar e ser querida pelas(os) comentaristas e pela autora do blog mesmo rasgando o verbo e até indo contra certas opiniões tantas vezes. Amadureçam vocês.

Anônimo disse...

E tem outra: Quem está desvirtuando os posts para fazer da Raven o centro das atenções são vocês que tanto queixam-se dela.

Anônimo disse...

Hahaha, sabia que apareceria alguém para dizer que sou fake da Raven.
Quem precisa de tratamento são vocês. Quanta paranóia.
Lola tem acesso aos ips e poderá checar através dele que estou numa cidade bem distante de onde reside a Raven. E não navego com proxies.

Julia disse...

A Raven comentou de boa você que desvirtuou o tema do post pra implicar com ela. Ela não desvirtuou nada, só deixou um link para um video interessante, coisa que eu mesma já fiz varias vezes. Agora parem vocês de desvirtuar os comentários.

Anônimo disse...

Nao ve tratamento diferenciado? Tem dias que eu posto uma critica sobre ela e apagam. E sobre outras pessoas nem apagam nada. E se ela diz que vai embora, que tava na cara que era mentira, pq deve ser o único lugar que ela chama atençao, nao debía ter dito nada. Concordo que outras coisas podem ser ditas, mas ela devia, usar do seu favoritismo com a Lola e fazer com que ela publique as coisas que ela quer.

Vicky_ disse...

Tipo assim, se ela postar um vídeo sobre feminismo ou relacionado, num blog sobre feminismo, num texto que contém feminismo e outros ativismos, isso não é sair do tema, benditos.

Mil vezes se focar no tema dela do que quando um mascu comenta e todo mundo tem que REEXPLICAR que não vivemos numa ditará bucetista pela milésima vez.
Não concordo com certas coisas que ela escreve, mas pelo menos ela dá cara a tapa.

lola aronovich disse...

Deixa eu ver... Quem tem "favoritismo com a Lola"? Uma pessoa inteligente e divertida que comenta sempre, com um nome (verdadeiro ou não) e foto, ou um anônimo que parece vir aqui só pra criticar essa pessoa que comenta?
Gente, parem de brigar! É óbvio ululante que eu gosto da Raven, e de muitxs outrxs comentaristas aqui (oi, Julinha!). Eu aconselho que todxs assinem com algum tipo de nome.

Anônimo disse...

nossa rivotril gratuito e sem receita pra quem achou que ela disse que nuncaaa mais ia comentar. Ela disse que ia dar um tempo. se esse tempo for de 20 segundos continua sendo tempo. carente eh vc que precisa falar mal de outra pessoa pra que alguem te de atencao.

Anônimo disse...

O problema é que ninguém pode falar mal da dita cuja, eu vejo tratamento diferenciado sim, mas só da Lola falar que o Jonas é um pobre coitado, ja entendo que tem muita coisa errada. Pobre coitada sou eu , que tenho que ler as coisas mirabolantes que ele escreve. Mas tudo bem, qualquer um que se oponha a certas atitudes, é radfem, carente entre outras coisas mirabolantes.

Taty disse...

WTF??? Felicidade é um sentimento inerente a qualquer ser humano rico ou pobre.

Anônimo disse...

e daí que as pessoas tem preferências umas pelas outras ? Isso é normal.
Cada coisa..heim !?
Só ia ficar estranho e infantil se a pessoa concordasse ou discordasse só porque a pessoa XXX disse ou discordar só porque é anonimo.

Senhorita F. disse...

Achei o post complexo, principlamente por tratar dos sentimentos de alguém. Bom esse lance de se diminuir, de se achar incapaz e menor , a tal Síndrome do Impostor, acontece mto comigo. Não sei porque constantemente acho que meu trabalho não e tão digno ou que poderia ser melhor, e são mtas as vezes que acho que sou uma mentira e que td se deu pela sorte. Eu já passei pelo mestrado, leciono e ainda me sinto assim. Escrevo, publico e continuo me sentindo assim.

Isso me angustia, me deixa ansiosa e nervosa. Busco sempre e sempre melhorar incansavelmente, sem descanso e sem pausa. Isso me cansa ainda mais.

E "sobra" pra nó mulheres a "responsabilidade" de outras coisas, tipo relacionamentos, filhos e etc...
Dia desses reparei como td livro de relacionamento é voltado para a mulher, como jogam no nosso colo a manutenção de um namoro ou casamento. E se vc ficar feliz com sua profissão tem um monte de homem e mulher conservador que vem dar palpite e ficar de mimimi , diminuindo e dizendo o quanto aquilo que vc acha que é importante ( como sua carreira , por exemplo) não é, e que vc deveria dar mais atenção ao namorado/marido. tratando-os como pessoas incapazes...

Ahhhhhhhh esse tipo de coisa tb me deixa doente...

Anônimo disse...

(Viviane)
Pelo que eu entendi, provavelmente ela é psicóloga organizacional. Sim, é uma área das ciências humanas que paga relativamente bem, e não é a única. Até quando haverá esse preconceito com estudantes e profissionais das humanidades? Há mais de 30 anos esse conceito de que o único tipo de inteligência é a lógico-matemática caiu por terra...

Anônimo disse...

Que outras áreas de humanas pagam bem? Não é trollagem não, eu realmente quero saber, estou pensando em mudar pra humanas (trocar de curso), mas tenho receio dos salários

Deborah Rocha disse...

Achei tudo muito cheio de drama. O que vejo nessa moça é um problema seríssimo de depressão. Nem sei se esse texto deveria estar no blog. Uma mulher não deixa de ser feminista por querer ou ir a Disney.
Outro problema que sempre observo é essa "NECESSIDADE FEMININA" de sempre querer ser a vítima do sistema. Todos têm problemas, brancos, negros, bonitos, feios, gordos, magros,altos, anões, gagos, TODOS. Só que a mulherada só quer olhar pro próprio rabo, mas não quer que os outros o façam, viu". Esse dramalhão mexicano me cansa.
Também não entendi o problema com a mensagem da Raven. O vídeo é ótimo, mensagem clara.
É a primeira vez que entro e comento no blog, achei a dinâmica interessante.

Anônimo disse...

Olá,
Cuba Lola, Cuba? Vc que ama a liberdade de expressão, mencionar Cuba! Só de olhar na internet o Granma já da um tristeza...
Abraço
Perdedor Master.

Isabela disse...

Eis a razão pela qual passei a acompanhar os textos da Lola: me senti integrada. Senti que há pessoas, tanto homens quanto mulheres, que compartilham dos meus sentimentos que os meus (em vários aspectos). Não me senti mais sozinha, ou "odiosa" ou "revoltada" com coisas que, como a leitora do guest post disse, parece que nunca mudam.

Desde que comecei a acompanhar aquela história dos mascus em fóruns e sites odiosos, senti um aperto no coração muito forte. Eu, como mulher, segundo o "ponto de vista" de MUITAS pessoas (inclusive pessoas próximas e que eu não posso simplesmente excluir da minha vida), devo trabalhar (e não reclamar se ganho menos, afinal, pelo menos estou ganhando...), ter filhos, cuidar de casa, aguentar calada o machismo mascarado de todos os dias e ainda estar "nos trinques" (afinal, se é gorda ou tiver mais de 30 anos, já está usada). Inacreditável, né?

Lendo comentários em sites como esse e, até na timeline das redes sociais mesmo, comecei a observar e identificar esses comportamentos com mais frequência. E isso, sinceramente, me deixa muito amargurada e sem esperanças de um mundo que seja tolerável de se viver. Ou seja: posso ser quinze mil mulheres em uma, mas ainda tenho a obrigação de estar abaixo de um homem?

Meu sogro (que, além de coxinha de carteirinha, acha que mulher que usa roupa curta não pode reclamar de cantada na rua) já disse uma vez, em tom de gozação, que: "com a idade, o homem fica cada vez melhor... Já a mulher, despenca tudo". Combine essa frase com mais milhares de PÉROLAS machistas de todos os dias, de muita gente, e entre em depressão profunda: o ser-humano envelhece e morre, independentemente de gênero, certo? Mas, se é a que mulher envelhece, não tem mas utilidade alguma. Cadê o meu direito de envelhecer?

Estudei, me formei recentemente, tenho apenas 21 anos e, resumindo tudo, entrei em contato com o machismo a partir de um olhar mais crítico. Machismo sempre existiu para mim, mas era de forma camuflada, longínqua. Era coisa de gente que nasceu lá na década de 1940 e fazia parte de uma realidade cultural diferente. Mas oi?

Eu sabia que o blog da Lola existe há muito tempo, mas foi recentemente, com essa explosão repetitiva do site masCU, que me envolvi com o conteúdo, me identifiquei. Dou uma passadinha aqui todos os dias para ler coisa nova, ler opinião de "gente como a gente". Isso me tranquilizou muito. E é gente assim, do bem, que luta pelo o que quer e não fecha os olhos, que ameniza a minha amargura com o mundo. E entre toda a sopa indigesta que envolve golpe militar, interferência religiosa, Estado Islâmico, homofobia, machismo (e etc.), que eu fiquei calma e pensei: EU NÃO ESTOU SOZINHA. ♥

Anônimo disse...

(Viviane)
Desculpe-me, de tanto ouvir preconceitos contra os estudantes de humanas, achei que você estava sendo irônicx. Sinto muito mesmo. Ciências humanas se referem a várias áreas; na Psicologia, as mais bem pagas são a organizacional e a jurídica (mas essa geralmente depende de um concurso público). De outras profissões, não tenho certeza, mas outras pessoas aqui podem dizer.

lola aronovich disse...

Ué, Perdedor Master, pra grande parte da esquerda, ir pra Cuba é um sonho. Não estou falando de morar lá, mas de visitar. Aliás, eu perdi R$ 1,600 nisso. Ainda não contei aqui no blog. Eu e o maridão compramos um pacote de alguma empresa brasileira pra passarmos uma semana em Cuba. Pagamos muito mais, acho que foi uns R$ 5,400. Isso foi em 2011. Era uma promoção que incluía passagem aérea e hotel, num desses sites de ofertas coletivas. Chamava-se Oferta Carioca. Como não podíamos viajar nas datas oferecidas, porque somos professores, então só podemos viajar nos meses de férias da escola e faculdade, pagamos mais R$ 1,600 à agência STAR TRAVEL BRASIL (anotem esse nome, opera no Rio) pra adaptar nosso pacote. Bom, eis que a agência brigou com o site coletivo e cancelou a viagem (não só pra gente, mas pra todo mundo). O site devolveu os R$ 5,400 que pagamos, mas a caloteira da agência não devolveu os R$ 1,600. Meu marido já tentou de tudo, mas a agência fechou, abriu com outro nome, mudou de endereço, nem a justiça a encontra. Ela deu calote em todo mundo e continuou operando. Isso já tem 4 anos! Acho que nunca mais veremos esses 1,600.
Depois disso nosso sonho de ir a Cuba ficou suspenso...


Obrigada por todo o carinho, Isabela. Adorei seu comentário.

Anônimo disse...

Deborah Rocha, desculpa mas seu comentário parece dos mascus que vem aqui. A mulher explicou o motivo do desgaste psicológico dela, que tem tudo a ver com uma repressão de séculos, e vc diz que é muito cheio de drama e atribui o tal drama a uma depressão séria. Depois, vem com essa de "todo mundo tem problema". Se é assim, qual é o sentido do feminismo então? Do movimento negro? Das pessoas gordas que lutam por se aceitarem? Vai dizer que somos todos humanos?

Dan

Deborah Rocha disse...


Dan, discordo completamente de você. É nítida a dificuldade emocional que essa moça apresenta. A reflexão que ela fez é o que TODOS fazem todos os dias, a questão se se sentir, mas nem sempre ser o injustiçado na vida, o querer ser “espiritual” demais em coisas tolas, como no fato da viagem a Disney. Tem dinheiro? Suas contas estão em dia? Vá para onde quiser, é simples. Infelicidades fazem e sempre farão parte da vida. O X da questão da mulherada é: TUDO que acontece comigo é porque sou mulher! Se eu tenho um salário ruim, é porque sou mulher, se não sou promovida, idem, se alguém me maltrata na rua, “só porque tenho uma vagina”. Parece que o universo gira ao redor das vaginas. Coisa mais chata. Já parou pra pensar que está desempregada, tem um emprego ruim ou não é promovida porque você não é tão boa, porque não sabe argumentar, não sabe se vestir de acordo com o cargo, não sabe se impor, não exala poder? Já perguntou pro seu superior os motivos? Ou ficou se fazendo de menininha timidazinha no cantinho choramingandozinho? Muita mulher não cresce na vida exatamente por isso. Quer ser tratada como “homem” mas não quer ter “atitudes masculinas” de questionar, de afrontar. Mas é mais interessante alegar uma vagina no meio das pernas. Isso não tem como mudar, né , amiga? Esse feminismo midiático virou consolo. Ele vem dizer: “Olhe, você só não conseguiu o que queria porque é mulher. Mas nem ligue, você é deusa, musa, o poder em pessoa, sua capacidade vai além da existência masculina. Sabe como é... Grandes gênios foram injustiçados” . NÃO! ISSO NÃO É VERDADE! É mais fácil chorar o fracasso deitada na cama do que ir pra rua batalhar de verdade.
Há muitos anos não vejo um movimento feminista de fato. Um feminismo genuíno, que busca a valorização da mulher como ser, que batalha de fato por seus direitos, mas que esfrega em sua cara os seus deveres também, que quer vê-la crescendo moral, acadêmica e socialmente. O que vejo hoje é um bando de vagabundas, com exceções obviamente, que só lutam pelo direito de se vestirem como putas, de abrirem as pernas para qualquer um irresponsavelmente e sem camisinha pra depois terem o direito de abortar. Sinceramente? O que essas coisas mudam de fato a vida de uma mulher? NADA! Isso faz essas mulheres serem mais mulheres? Faz com que os homens respeitem as mulheres? Se sim, de que tipo de homem você fala? Porque eu sei que um homem sério não quer uma mulher dessas. Da mesma forma que uma mulher séria não quer um homem que vive passando de mão em mão de forma irresponsável. Nesse jogo a questão é constatar o valor humano independente de gênero. Essa geração de feminista se comporta de forma muito mais machista do que os próprios machistas. Vão fazer passeatas, é peito e perereca de fora. Qual a necessidade disso? Pra que esse comportamento? Quem dará ouvidos e respeitará um argumento, por melhor embasado que seja de uma criatura dessas? A criatura se agride pra chamar atenção. Isso NÃO é feminismo! Não o ORIGINAL!.
Depois de tudo que escrevi, não acredito que ainda não tenha deixado claro o REAL sentido do feminismo, né? Das 3 citações que fez: mulheres, negros e gordos, acredito que os que mais sofram de fato são os negros. Negro no Brasil INFELIZMENTE é lixo, resto, ser fétido, que se não é, será bandido algum dia. É intrigante pensar o que se passa na cabeça da nossa sociedade. Isso sim é preconceito, isso é julgar uma existência por uma condição física, pela sua genética. É dizer que a cor de alguém não deixa margens para dúvidas sociais. Agora ser gordo, magrelo, baixinho, narigudo, careca e afins são apenas julgamentos estéticos que dependem do padrão estético de que os julgam. Ninguém será 100% bonito ou feio pra alguém. E, ninguém precisa se aceitar, mas sim, se amar. Para muitos, o segundo verbo é quase impossível de se conjugar. Não é culpa minha.

Julia disse...

Já que é a primeira vez que vc entra fique avisada que esse discurso que mulher é dramática (ou vitimista) é muito batido entre anti feministas e não é bem vindo aqui. Nós olhamos pra outro tipos de opressões também sem tirar o foco da luta contra a nossa. E antes de generalizar mulheres lembre-se que vc também é uma.

Julia disse...

Isso que dá responder comentário sem descer a página toda... Deborah Rocha, se vc for mulher mesmo, fica observando, ler os posts, porque se for pra comentar chamando mulher de vagabunda é melhor ficar calada.

Deborah Rocha disse...

Julia, não retiro nada do que disse. Até porque só disse a verdade. Tenho opinião muito bem formada a respeito de certas coisas. Percebo o óbvio. Sim, sou mulher e não sou adepta do coitadismo. E li todo o texto da moça. Pela sua abordagem agressiva, só mostra quão imatura é. Ficou chateada e não gostou, o problema é seu. Não posso nada fazer. Meu texto foi extremamente claro e nada machista. Muito pelo contrário, coloquei os gêneros na mesma posição. O que é o REAL propósito do feminismo. O problema disso é que as consequências não são as mesmas para ambos. E nem falo do julgamento social. Mulheres engravidam, o fato de serem receptoras facilita a maior contaminação por dst, por serem mais frágeis fisicamente, estão sim, mais expostas ao estupro. Ou acha que isso também não existe? As mulheres de hoje não se valorizam, querem se vestir como putas, fazem sexo com qualquer um, nem sabem quem é a criatura em questão, que pode ser qualquer coisa, casado, assassino, estuprador, pedófilo, marginal e inclusive machista. Acham que liberdade é libertinagem. E o pior, sentem orgulho disso achando que são donas do próprio corpo. De feministas, não têm NADA. São machistas ao extremo, bonecas infláveis fazendo tudo que os homens querem. Batido é esse discursinho desse feminismo midiático, que provavelmente foi arquitetato por um homem, que incentiva a mulher a ser um fantoche com o falso argumento de sua liberdade sexual. Com essa suposta liberdade ela dá ao homem exatamente o que ele quer. Nossa! Que incrível. A criatura entrega a arma pro seu próprio assassino e acha que está acontecendo... Inteligência rara. Por isso muitos homens chamam as mulheres de burras. Se antes precisavam casar para ter sexo, hoje elas fazem serviço completo, gargarejam e engolem no primeiro encontro. E depois, quando estão morrendo por abortos feitos de forma errada ou aidéticas deitadas na fila de um hospital público, querem ser as vítimas. Vítimas do que? De quem? Só se for delas mesmas. Chamei esse tipinho de vagabunda e continuarei chamando. Da mesma forma que chamo um homem que age da mesma forma.
Se todas as pessoas fossem esclarecidas, não existiria mais machismo e, por consequência o feminismo. Homens e mulheres deveriam ser educados exatamente da mesma forma, priorizando o respeito ao próprio corpo e ao do próximo. Não há vantagem alguma em passar de mão em mão. O problema é que o machismo nasce dentro de casa. E, por incrível que pareça, vem da mamãe.
Engraçado que certos tipos querem ter direito de viver a vida que querem e julgar a dos outros, mas o contrário parece ser inaceitável. O espaço aqui é para discussão e crescimento. Essa é a minha opinião. A sua é diferente? Pra mim ok. Porém, não vi portfólio algum em seus argumentos. Bom início de semana para você.

Anônimo disse...

Eu comecei a ler o post do Déboro, aí quase na metade já estava com 80% de certeza que era mascu chorão de chan, quando passei da metade, tive 100% de certeza.

Se você confia tanto em seus argumentos, por que se passa por mulher?

Anônimo disse...

Ok, Deborah. Qual é a sua opinião então sobre a atriz Jennifer Lawrence ter recebido menos que os colegas atores no filme American Hustle, sendo que ela trabalhou tão bem quanto eles? Isso é um problema recorrente em Hollywood, duvido que não o seja em outras áreas. E o que vc acha dos homens que "passam de mão em mão" e ainda saem falando mal da mulher que transou com eles? E o que seria o sentido REAL do feminismo?

Dan

Anônimo disse...

Deborah é homem.

Cadê os anônimos reclamando que ela tá desvirtuando o post?

Anônimo disse...

"E o pior, sentem orgulho disso achando que são donas do próprio corpo."

Pois é! O que poderia ser pior do que uma mulher que se acha dona do próprio corpo?


Cê acabou de chegar mas já pode ir embora.

Eva disse...

Gente, olha, não estou defendendo a opinião da Débora nem nada, até porque discordo de bastante coisa que ela disse. Mas acho que está bom de parar de deduzir que qualquer um que chega aqui com opiniões desse tipo é mascu disfarçado. Eu conheço mulheres na "vida real" que tem opiniões assim e até piores e são mulheres, muitas que nem têm noção do discurso machista que estão repetindo, mas ainda assim mulheres.

Vejo muito isso acontecendo aqui, a pessoa chega com uma opinião do contra, pronto, a "fiscalização" do blog já rotula de mascu. Discordou? É mascu. "Cai fora daqui seu mascu, volta pro chan de onde você saiu!"

E aí a mulher na frente do computador lá do outro lado, uma mulher que já vira a cara para o feminismo porque cresceu cercada por um ambiente machista e acha que isso é normal, que nem tem noção do que é o machismo e do que ele faz com a gente, essa mulher que poderia aprender muita coisa com um bom diálogo aqui já vai se sentir hostilizada e pode nem voltar mais.

Eu sei que tem casos de mascus vindo aqui e tal, mas nem todo mundo que discorda das opiniões da maioria que frequenta aqui é um. Sério, vão com calma aí porque isso não vai ajudar em nada a trazer mais mulheres para o feminismo.

B. disse...

"E, só pra constar, não quero um mundo em que ninguém vá pra Disney. Quero um mundo em que todos tenham condições de ir para a Disney. Essa é a minha igualdade."

Falou tudo, Jac. Alguns setores da esquerda (não todos, claro) querem nivelar por baixo para igualar, em vez de nivelar "por cima".

Taty disse...

Clap clap clap
VC está certíssima,sou mulher também e esse feminismo de topless e aborto não é feminismo.
Vide a passeata feminista ontem de nova York as minas foram protestar pra ter direito de fazer topless!!!
Simplesmente ridículo!!
As pessoas esquecem que o seio hoje em dia ainda é visto como um símbolo sexual,vide as mães que amamentam aí sim a luta para a mãe amamentar sem receber piadas machistas ou serem incomodadas.
Enfim,se for pra fazer topless na rua vamos voltar aos primórdios da humanidade e voltar ás nossas origens indígenas,porque as índias andam de topless sem serem incomodadas.
Aí teria que mudar todas as leis toda uma cultura

B. disse...

Pois é, Eva, num post de uns dias atrás acharam que eu era homem só pq disse quem toda amante de homem casado era coitadinha. Pronto, em um segundo virei homem.

Anônimo disse...

" Negro no Brasil INFELIZMENTE é lixo, resto, ser fétido, que se não é, será bandido algum dia"...

Lola, deleta logo o comentário desse mascu.

Não precisamos disso.

lola aronovich disse...

Onde está esse comentário, anon? Não estou encontrando. Qual o horário, como começa? Diga para que eu possa deletá-lo.

B. disse...

Posso estar errada, mas acho que ao dizer essa frase, a Deborah estava dizendo como os preconceituosos pensam.

lola aronovich disse...

Ah, sei qual é. Também nem li o comentário do Deboroh Rocho até o final. Nessa parte nem dá pra entender o que o mascu quer dizer.
Agora, Deborah, se vc for realmente mulher, repense como é ter a mesma ideologia de um mascu. Vc não está em muito boa companhia...

B. disse...

Tá um saco isso, é só discordar que viramos homens e/ou mascus.

Anônimo disse...

Pois pra mim, quem tem pensamento de mascu é mascu, sim. Independente se tem buceta.

Julia disse...

Eu felizmente nunca encontrei mulher que pensa assim cara a cara. Enquanto isso não acontece continuo desconfiando que é tudo fake mesmo.

Julia disse...

E Deborah gosta de escrever, né? Se for pra escrever dá uma resumida!

Julia disse...

*Se for pra escrever merda dá uma resumida!

Eva disse...

Nossa, tá difícil isso aqui, hein? Se brincar, daqui a pouco eu viro "mascu" também, segundo essa turma.

Duas coisas:

1- Quem acha que não existe mulher com esse pensamento da Deborah provavelmente está vivendo muito na bolha da internet onde todas as mulheres já foram tocadas pelo feminismo, onde todas já enxergaram a luz e não reproduzem mais o machismo que passaram a vida aprendendo. Gente, alô, tem vários vídeos no youtube mesmo de mulheres até bem jovens se colocando contra o feminismo, dizendo tudo que a Deborah (ou seja lá quem for) disse. De repente, essa aí é até fake, mas existe sim. Quem não lembra da cantora Anita dizendo em rede nacional que mulher tem que "se valorizar"? Minha própria mãe solta umas dessas de vez em quando. Infelizmente, esse tipo de pensamento ainda é muito presente.

2- Muitas a pessoa nem sabe o que é um "mascu". Eu só descobri lendo os post do blog, tempos atrás. E até hoje, o único lugar que eu vejo frequentemente mencionando os mascus é aqui. Vai ver a pessoa nem sabe o que é um e vocês aí rotulando sem saber. Porque, a menos que vocês tenham bola de cristal, não dá para saber. Não nesse caso.

Eva disse...

***Muitas vezes

Julia disse...

Se ela for mulher mesmo que ela faça como eu disse antes. Leia os posts, se desconstrua, aprenda antes de vir comentar. A resposta que ela deu pra mim eu só li duas linhas. Não sou obrigada a ler aquele chorume inteiro e nem vou escrever 3 textões pra rebater aquela merda.

B. disse...

Sim, infelizmente tem algumas feministas que vivem no mundo dos unicórnios, só pode, acham que todas as mulheres são amiguinhas e feministas e não existe mulher escrota. Gente, mulher, enquanto ser humano, pode sim ser escrota! Não, mas tem gente que acha que mulher é tudo boazinha cooptada e homem do mal.

Deborah Rocha disse...


Todo mundo aqui é muito mulher e blábláblá... E qual o motivo de comentarem como anônimo? Sou muito mulher. Grotescamente, para que todos entendam de uma vez: tenho vagina,menstruo. E, principalmente me comporto como uma. E sou respeitada, idem. Entenderam ou querem que eu desenhe?
DAN:
Não sei da vida da atriz. Isso é um acordo entre agente e contratante. Cabendo ao agente vender o seu peixe. É simples. Não sei o que se passa nos bastidores. Assim como NINGUÉM que não tenha trabalhado no filme.
Um homem que come uma mulher e sai falando mal dela? Vamos analisar, você só transa com quem é compatível com você. Tudo que ele fala dela ele é também. Não entendo a dificuldade das pessoas entenderem que isso é despeito apenas. Qualquer pessoa normal entende isso. É o famoso: “eu nem queria mesmo”. E mulheres fazem muito disso também, não seja inocente. No passado tudo fora muito cruel, hoje está de igual pra igual.

Deborah Rocha disse...

EVA:
Não sou mascu. Na verdade, fui bem zelosa em pesquisar sobre essa questão do mascu antes mesmo de comentar no blog. O problema de algumas feministas é a confusão que elas fazem. Nem o movimento feminista concorda entre si. Até porque feminismo virou uma terrível bagunça. Qualquer atitude que qualquer grupo toma e consegue causar um pouco já recebem o título de ativistas. Uma grande imbecilidade. O feminismo que eu defendo é o PRIMEIRO e único. Embora eu respeite o que cada um tem dentro de si. O meu entendimento é de que o feminismo veio para igualar coisas POSITIVAS entre homens e mulheres, para que ambos possam se olhar com amor e respeito. O feminismo tem uma função educadora social. Nem de longe é esse prostíbulo 100% cheio de direitos e 0% de deveres. Muitas mulheres pensam como eu? Que ótimo! São mulheres esclarecidas, que procuram conhecimento, não se simpatizam, nem saem defendendo movimentos apenas por defender. Fico chocada com o auê que meus comentários causaram no blog. Não vi maturidade, muito menos conhecimento de causa algum nos seguidores, apenas o mesmo mimimi de meninas de 12 e 15 anos. O comentário da cantora Anitta e o da senhora sua mãe foram realistas. Agora é errado a mulher se valorizar? Se o homem se desvaloriza a mulher tem que fazer o mesmo só para provar que é igual? Acha mesmo que se valorizar é fruto de machismo?

TATY:
Adorei sua mensagem. Pra mim isso tudo é necessidade de aparecer. Qual o valor disso pra luta da mulher? NENHUM! Dizer que peito de mulher é igual ao de homem? KKK. Nunca vi homem amamentar. O problema dessas doidas é que elas brigam até com a genética. Sou a favor do aborto em apenas um caso: ESTUPRO. No caso de mãe ou filho em estado de risco, até entendo, não julgo. Porém, penso que quando se escolhe ser mãe/pai o personagem principal deixa de ser você. Eu levaria com todo orgulho até o final a gravidez de um bebê que “existiria” por apenas 1 minuto. É meu filho, minha cria e eu o amaria pelo resto da minha vida. Acredito que seja mais traumático abortar o bebê do que tê-lo em seus braços por instantes. Os outros casos para mim só provam quão equivocadas são certas feministas. Uma mulher que se sente tão, mas tão dona de si, e não tem capacidade pra evitar uma gravidez? Diz que engravidou por acidente? Foi acidente de carro? O bebê entrou dentro de você na hora da colisão? É muita falta de vergonha na cara mesmo! O universo inteiro sabe que nenhum contraceptivo é 100% seguro. Associe 2 ou 3. É difícil entender? É difícil procurar um médico? Isso é a maior das piadas do feminismo midiático. Dificuldade maior para essas mulheres é ser FEMINISTA de verdade.

B.:
Sua primeira mensagem foi direcionada a Eva, porém, como logo você explica aos desentendidos o que disse TÃO CLARAMENTE sobre a questão do negro em nosso país, sinto-me no direito de comentar. Realmente acha que amante é coitadinha? Coitada é a esposa que está sendo enganada. Para mim, tanto amante quando marido são dois vagabundos.

Deborah Rocha disse...

ANÔNIMO DO DIA 24 DE AGOSTO DE 2015 12:15:
Querido (a), você foi alfabetizado? Pergunta tão retórica... Meu comentário sobre os negros foi mais alvo que a neve e você ainda não entendeu...

JÚLIA:
Querida, você só sabe reclamar e escrever asneiras. Nunca encontrou alguém que diga as mesmas coisas na cara? Talvez porque todas as pessoas percebam claramente que você não tem nada a dizer. Se estivesse tão certa do que pensa, debateria de forma inteligente, teria argumentos e os apresentaria. Onde eles estão? Se é que existem. Sim , gosto muito de escrever. O problema está na sua falta de capacidade para interpretar um texto. Disse que leu apenas 2 linhas do que escrevi, sei. Leu e não gostou porque sabe que está errada, mas não é mulher, nem feminista o suficiente para assumir. Não passa de uma adolescente, se não cronológica, psicologicamente. Tola, fraca e quer que o mundo seja de acordo com seus devaneios. Sinto te dizer, mas você mora na Terra. Amadureça, aprenda a se comunicar, depois disso poderá ser de fato o que sonha.

LOLA ARONOVICH
Lola, sou mulher. E muito mulher. Não é porque uma pessoa entende a vida diferentemente da sua que ela seja um homem, um mascu , ou seja lá a denominação que goste de dar. A vida não é assim, entenda. Quando falo dos negros, sou mais do clara, qualquer pessoa que tenha o mínimo de capacidade intelectual entenderia. Darei um crédito porque você mesma disse que não leu o comentário todo. Portanto, talvez não tenha conseguido entender o contexto. O que faz um movimento, seja ele qual for, crescer é exatamente o choque de opiniões. Se não está disposta a discutir inteligentemente, não comente com a mesma falta de nível e inteligência que alguns seguidores fizeram. Isso é extremamente deselegante. Até para se discutir com alguém tem que se ter respeito e capacidade de escutar o argumento da outra pessoa. Seu comportamento só prova a dificuldade que tem em aceitar mudanças e opiniões diferentes da sua. Tolice. Porém, uma coisa tenho que ressaltar. Embora não concorde com nada do que eu disse, teve a dignidade e ética em manter meus comentários. Não estou aqui para causar, muito menos para desmerecer nada e nem ninguém. Mas, em hipótese alguma deixarei de dar minha opinião de forma respeitosa.

B. disse...

Não, Deborah, falei que achava que NEM TODA amante de homem caso era coitadinha e virei homem pq para algumas, toda mulher é sempre coitadinha.

Anônimo disse...

Debora, para mim as mulheres que falam para se valorizarem são exatamente as maiores vagabundas. Onde que a anita se valoriza mostrando a bunda e descendo até o chão? Ao contrario muito dessas piriguetes machistas que mostram todas as partes do corpo para os homens, eu sempre achei isso a maior vergonha e foi justamente uma das razões que me fez ser FEMINISTA. Sabe o porque ? Porque eu estou absolutamente cansada da mulher ser mostrada como objeto sexual, revoltada por essas garotas se sexualizarem por punheta ao invés de valorizarem o estudo e conseguirem trabalhos mais qualificados. Para mim o feminismo é isso: A valorização da mulher na sua capacidade intelectual, que foi negada durante séculos. Sinceramente, essa coisa de romantismo entre homem e mulher não dá certo, só fode a mulher, para mim o melhor jeito de conseguir respeito nesse mundo machista é mostrando sua responsabilidade, capacidade e autoridade nas suas relações, poruqe ficar tratando macho carinhosamente não leva a porra nenhuma. Sim, sou uma feminista conservadora em relação ao sexo e descofiada em relação aos homens, que para mim, esses dois elementos trazem mais problemas do que coisas boas.
beijos

Anônimo disse...

Para mim tanto amante quanto o marido são culpados. Se acontecesse uma traição no meu relacionamento, divorcio na hora. Quem é contra o divorcio e tem peninha do traidor, não chore quando ele te trair de novo de novo e de novo. Aceite os seus chifres de corna mansa e sua estupidez.

Anônimo disse...

Tambem sou conservadora em relação ao sexo. Na verdade, tenho até nojo. Pornos, prostituição, estupros, humilhações... quero muita distancia disso, se algum dia eu tiver uma filha, vai ser por inseminação artificial.

Anônimo disse...

Mulher o cacete, Déboro. Eu conheço MUITO BEM o seu tipo, mais do que eu gostaria, a mim você não engana.

Sim, existem mulheres machistas, mas acredite, eu consigo identificar o seu tipo de LONGE, para que ta feio, no proximo post muda o nome porque a mim você não engana. Provavelmente também não engana a Lola e qualquer um que tenha mais de 3 anos de internet.

Deborah Rocha disse...

B:
Entendi seu ponto de vista. Para mim, adultério jamais será justificável. Não gosta e nem ama mais, termine o casamento. Para mim, amante e casado são 2 vagabundos imundos.

ANÔNIMO 24 DE AGOSTO DE 2015 17:05
Então você acredita que uma pessoa que quer o seu bem é a maior vagabunda? Então 99.9999999% das mães são as maiores vagabundas do universo. Não concordo com a exposição sexual do corpo. Porém, entendo que isso é o que vende. Exatamente por ser fruto do que eu chamo de feminismo midiático, um feminismo que agrada pela pior parte tanto homens quanto mulheres. Por outro lado, no caso da arte, consigo entender que tudo não passa também de um grande teatro. A mulher que interpreta a prostituta ou a santa em cima do palco ou em filme nem sempre será aquilo em sua vida real. Também sou conservadora em relação ao sexo e não vejo lógica nessas feministas que incentivam a sexualidade feminina como agressão ao homem, para provar que são donas de si. Sexo para mim é um momento de intimidade de pessoas que se AMAM, não que apenas se desejam. Desejo passa, amor fica e estrutura vidas. Gosto da sua definição do feminismo, mas não acho que seja apenas isso. O feminismo para mim tem muito mais poder quando trata a existência da mulher como um ser diferente do homem, mas que possui igual valor humano. Não vejo problemas com o romantismo, muito pelo contrário, acho válido. Não é porque você denga, paparica seu esposo que isso provará sua submissão ou te colocará como um ser inferior. O que falta nas relações hoje é clareza. Muitos criam personagens para agradar no início. E depois não conseguem mantem. Se a pessoa é dominadora, ciumenta, quer ou não quer ter filhos, tem que deixar tudo claro antes mesmo de começar. Assim, ninguém perde tempo e nem se machuca. Não seja tão pessimista, o amor existe. Existem homens maravilhosos nesse mundo, homens que são fiéis e sérios. Sendo criteriosa, logo achará o seu e será muito feliz. E, caso não queira, será feliz com sua companhia também. Felicidade é uma escolha. Beijos!

Deborah Rocha disse...

ANÔNIMO 24 de agosto de 2015 17:34
Jovem, não seja ridículo(a). Não teria porque mentir, isso tudo é tão pequeno perto do valor da discussão. Também não teria problema algum um homem argumentar de forma idêntica a minha. Assim como existem mulheres inteligentes, homens também podem ser.
Desculpe, mas você não conhece o meu tipo. Muito menos muito bem. Acredito que sequer se conheça profundamente. Tudo que disse aqui é tão feminista, tão zeloso com a mulher. Só acho que feri algumas pessoas porque também fui tão zelosa com os homens. Se existe alguém nesse mundo que nunca foi e nem será machista, esse alguém sou eu. Aos meus olhos, homens e mulheres são jóias preciosíssimas e de igual valor.
Já que me entende uma machista cruel, cole aqui o texto em que digo que mulher é inferior ao homem...

Anônimo disse...

Anonima das 17:05 disse:
Não me vejo como pessimista debora, mas realista. A maioria dos homens só querem uma mulher do tipo peladona, submissa e fútil. Eu sei que pode existir exceções, mas não vou perder muito o meu tempo procurando. Contudo, agradeço pelo seu carinho por mim. Peço desculpas por não ter definido muito bem as mulheres que ficam falando para se valorizarem mas não colocam as proprias palavras em prática. Entendo a fala das mães, muitas vezes elas só querem evitar que as fihas sejam "usadas" ou tenham relacionamentos ruins. Eu me refiria mais a algums tipos de mulheres que falam para se valorizarem mas fazem exatamente o contrário na pratica, não levando os estudos a sério e saindo inclusive com machistas. No meu ponto de vista, não consigo ver essas mulheres como feministas, parece-me mais um esterótipo machista de excluir a personalidade e caráter e reduzir o próprio corpo a um produto. Sim, concordo tabém com você no quesito de que existe a nudez da arte e a da pornografia, e infelizmente a ultima parce estar sendo mais usada ultimamente.

Deborah Rocha disse...

Não procure mesmo não. O amor acontece. Quanto mais procuramos, mais distante ele parece. Não esquente sua cabeça. Continue estudando e sendo diva como é. E esses homens a que você se refere, nem perca tempo pensando ou desejando essas criaturas. Esses aí não valem nada, só são desgraça na vida da esposa. É melhor encontrar o amor aos 95 anos que viver insatisfeita com quem só te traz infelicidade. Beijos!

Anônimo disse...

Anonima das 17:05 disse:
Obrigada novamente pelo seu carinho Deborah. Acho que você também mostrou um lado do meio feminismo-machismo que precisa ser refletido, principalmente em um pais como o Brasil, e outra face do feminismo, da verdadeira valorização, que por mim, traz muito mais benefícios e precisa ser mais incentivado.

Julia disse...

Eu sei que existe mulher escrota, B. Eu mesma sou quando necessário. Mas eu não perco tempo com mulher que generaliza mulheres enquanto se considera um floquinho de neve especial. Não vou perder tempo com uma mulher tão patética sendo que "ela" pode ser um mascu.

Anônimo disse...

"Também não teria problema algum um homem argumentar de forma idêntica a minha."

Teria sim. Mulher burra me chamando de vagabunda até vai. Omi fazendo isso? Quero que morram.

Vicky_ disse...

Pqp Deborah Rocha é um horror, mas provavel B ser uma mulher que essa criatura, deu nojo de ler os comentários del... delx? Chamarei de "delela" igual em Futurama. ¯\_(ツ)_/¯
Sigo essa linha de pensamento: 95% das "validadoras" são homens, o resto são mulheres perdidas e muito ferradas pela vida, não consigo sentir raiva alguma, só pulo o comentário e espero que ela acorde pra vida.

Deborah Rocha disse...

Júlia:
Novamente com seus pitis? Sério? Querida, vá ler um livro!

ANÔNIMO:
Por que um julgamento sensato de um homem é inferior ao de uma mulher? Isso não é machismo, nem feminismo. Seria o que?

VICKY:
Mais uma lunática que pensa que toda mulher deve ser cega e burra e acreditar em um feminismo que mais incentiva o machismo. Querida, amadureça! Você é apenas um fantoche na mão das falsas feministas e uma boneca inflável na dos machos que te comem.
Não tem a menor noção do que o real feminismo prega e quer vomitar suas asneiras aqui no blog. Como são imaturas e despreparadas para a vida e para discussões.

Deborah Rocha disse...

Vocês realmente leram minhas mensagens aqui? Porque isso está parecendo piada. Só pode. Não tem lógica alguma uma pessoa me chamar de machista depois de tudo que eu disse sobre homens e mulheres aqui nesse blog.
Fico espantada, chocada com tamanha imbecilidade vinda de pessoas que se consideram feministas.
Mesmo sem querer eu sempre causava em discussões nos blogs de beleza que seguia quando o assunto era feminismo. De tanto reclamarem e me indicarem sites feministas, parei aqui, mesmo não abandonando lá. O problema é que o nível intelectual da maioria aqui é muito mais baixo que o das menininhas que eu discutia lá. Vocês têm noção de quão medíocre o comportamento que apresentam aqui é? É claro que existem exceções, mas no geral... Confesso que estou decepcionada. Tudo aqui é MACHISTA e MASCU. Cade o argumento?

Vicky_ disse...

Tem razão, seu "verdadeiro e supremo feminismo" é chama mulheres de bonecas infláveis, não? Quer confete? "Histérica" é uma palavra tão fofa e nada misogina. ^-^
Caras que escrevem essas NOJEIRAS na Internet merecem levar uma cadeirada da mãe que é sugada por eles antes de serem levados pra cadeia. Vai fingir ser feminista lá na caixa prega.
Não vou deixar de comentar aqui, o troll pseudo esquerdista era menos nojento e mais engraçadinho que você. Mas se quer continua irritando todo mundo desse blog só para alimentar sua vida online e offline infeliz, ao menos escreva seu nome verdadeiro, desgraçadO.

Anônimo disse...

Debora, qual era o comortamento dessas meninas desse blog de beleza? Sobre o que eram as discussões?

Deborah Rocha disse...

VICKY:
Desgraçada quem parece aqui é você, que ainda insiste um achar que sou um homem por agir de forma coerente. Que machismo o seu. Não porque tenho uma vagina, que é muito bonita , por sinal,não me dá o direito que achar que o mundo é meu. Homem tem direito de sair trepando com todo mundo? TEM.E mulher? TAMBÉM! Agora porque os homens fazem isso as mulheres terão quase que uma obrigação de fazer só pra provar que são donas da própria boceta. Faça-me o favor!! A mulherada só quer brigar por direitos tolos e promiscuidade. Isso não faz com que você seja uma mulher, da mesma forma que não faz do pegador um homem. São apenas 2 desesperados na vida com necessidade de atenção. Quer ser mulher, vá estudar, vá ter um emprego, ter sua casa e carro próprios, vá escolher um homem sério e de verdade e construir uma família de verdade. Caso goste da solidão, vá ser feliz sozinha. Agora dizer que esfregar a boceta em desconhecido é feminismo.....

Anônimo disse...

O que essas garotas falavam?

Deborah Rocha disse...

ANÔNIMO:

Sobre o feminismo. Elas alegavam que eu queria aprofundar demais a conversa. Aí ficavam nervosas quando eu dizia a verdade. Falaram tanto de sites feministas que encontrei esse. Mas que povo mais tosco, mais sem argumento. Confesso que estou sem chão com tanta imbecilidade. Eu escrevo um texto da forma mais simplória possível e NINGUÉM entende! Digo que mulher tem que se valorizar e eles entendem que eu disse que mulher não tem os mesmos direitos que os homens. É muita burrice acumulada em um blog só.

Anônimo disse...

Deborah Rocha, é porque realmente tem muito mascu que vive chamando as mulheres de vagabundas, que antes eram "honradas"entre outros, mas na verdade eles estão pouco se lixando para a objetificação da mulher na midia, da erotização cada vez mais precoce, só falam isso de recalque por as mulheres não ficarem com eles. Eu também vejo muito conservador falando nisso, mas em geral sempre acabam tendo um lado hipócrita, não gostam da sexualidade expositiva atual, mas não perdem tempo para trair a esposa com mulheres que de dia tanto falaram mal... . Acho que é necessário sim refletir sobre como a sexualidade feminina tem sendo mostrada de modo negativo, mas ao mesmo tempo não podemos esquecer que tem muito homem por ai que adoraria ter de volta sua dama na sociedade e a outra na cama.

Julia disse...

Criatura, as partes dos seus comentários que li que não são de dar engulho são apenas senso comum e machismo descarado. Tente não ficar repetindo chavões que estamos cansadas de ler e talvez algumas começarão a te dar algum crédito. O melhor que vc faz agora é parar de poluir a caixa de comentários.

Deborah Rocha disse...

ANÔNIMA
Vc falou tudo certo. As pessoas são hipócritas. O que me deixou sem entender foi o fato de dizerem que sou machista. Em que lugar?

JÚLIA:
Machismo? Prove. Onde eu disse algo machista? Você é mais uma imbecil, cega e idolatra. Que acha que feminismo se resume a liberdade sexual feminina. Tenha argumentos para discutir comigo ou se coloque no seu devido lugar, ok?

Anônimo disse...

"Se coloque no seu devido lugar".


É HOMEEEEEEEEEEEEEEEEM SAPORRA!! !!

lola aronovich disse...

Começando a deletar comentários do Deboroh Rocho pra ver se ele se toca...

camila santos disse...

A maior parte dos "argumentos" dessa deborah é sem fundamento e cheio de mentiras não sei como algumas comentaristas conseguiram se irritar com ela(e)... Uma mulher ser livre pra transar com quem ela quiser significa que ela vai trazer com o monte de homem? E não o x da mulherada não é tudo que acontece comigo é porque eu sou mulher olha como você é burro, você sabia que a maioria das mulheres são machistas? Na verdade tudo que acontece comigo é porque eu sou mulher é a última coisa que passa na cabeça das mulheres infelizmente. Tudo o que você diz não tem lógica meu amigo se os homens me maltratam porque eu tenho vagina como o mundo gira em torno de vaginas? Na sua lógica negros sofrem preconceito então o mundo gira em torno dos negros? Não gira em torno de quem é mais privilegiado? As mulheres só olham pro próprio rabo? As mulheres? As mulheres são todas feministas? As mulheres sabem que sofrem preconceito? Ou as feministas?

camila santos disse...

E deborah negros sofrem sim muito preconceito mas não tem lógica comparar se quem sofre mais preconceito é negro ou mulher porque são duas coisas muito diferentes e situações completamentes diferentes tipo um negro sofre preconceito por causa da cor dele e não por quantas pessoas ele transa, viu como você é baixo(a)? Usou racismo pra dizer que machismo não existe(ou pelo que machismo perto de racismo não é nada) e não use 3 citações use 4 faltou os homens! Outra a maioria dos casos de mulheres com aids são das casadas e não de mulheres que sai por ai trasando com qualquer um ou seja essas mulheres são traidas na maioria esmagadoras das vezes são traidas por homens que se relacionam com homens/transexuais

www2.uol.com.br/vyaestelar/aids_mulheres.htm

www.jornaldodiase.com.br/noticias_ler.php?id=4822

camila santos disse...

Enfim mas numa coisa eu concordo com a de deborah a mulher faz tudo no sexo hoje em dia e só pra agradar o homem e muitas vezes não recebe o mesmo! esses dados de mulheres casadas com aids mostram também que muitas mulheres são bobas confiam demais em seus maridos/namorados acham que não traidas ou nem pensam.

B. disse...

"Teria sim. Mulher burra me chamando de vagabunda até vai. Omi fazendo isso? Quero que morram."


Já deu essa santificação de mulheres. Lola, tá ridículo...é só dizer um "ai" contra o post/comentários que pluft, virei homem...internet é assim mesmo! Qualquer um de nós aqui podemos ser homens...

Vicky, entendo sua opinião, vc tem a sua vivencia...eu tenho a minha e infelizmente tem MUITA mulher escrota que tá se lixando e quer mais que se exploda.
Uma vez alguém aqui comentou que geralmente quem pensa assim vive numa bolha, onde só conhece mulheres que ja conhecem feminismo.

Vão na vida real e vejam os comentários. Já conheci um bolsonarete escrota que diz que não contrataria mulheres pq elas menstruam e são chorosas. Coitadinha né? Só uma pobre cooptada...

donadio disse...

"Acho de péssimo tom ficar marcando qualquer atitude de forma pejorativa como "burguesa". Quase tudo que fazemos pode acabar com esse rótulo. Comprou um novo tênis? Burguesa. Tem por hábito correr? Burguesa. Almoça em restaurante? Burguesa. Viaja pra ir para a praia? Burguesa."

Então vamos ser claros: nada disso é "burguês" ou próprio de burgueses. Burguês é quem explora o trabalho alheio através do sistema de escravidão assalariada. Você tem gente trabalhando para reproduzir e ampliar seu capital? Você tem capital, para começo de conversa? Não? Então vá comprar tênis, sonhar com aquela viagem a Miami, almoçar no McDonalds, enfim, fazer todas essas coisas de pobre com a consciência tranquila.

Anônimo disse...

Querida Lola e todxs (não sei se alguém vai ler agora em outubro, mas),

Fiquei sem tempo esses meses de ler o blog e ao tirar o atraso, vi minha história publicada! Dei pulinhos secretos de alegria... Obrigada pelos comentários carinhosos (e outros nem tanto). Quando escrevi (em janeiro) estava bem mais deprê que agora, as ansiedades continuam, claro, mas como a Lola disse, tudo é dialético né, a vida e a história são feitas de avanços e retrocessos (vide este momento político louco que estamos passando...). Enfim, escrevo pra dizer que estou melhor, no início do ano que vem devo defender minha tese sobre Mulheres na Mineração, acho que o trabalho de campo me ajudou muito a superar algumas dores, pois pude conhecer e compartilhar histórias com mulheres incríveis, a maioria com histórias beeeem mais difíceis que a minha! Quem quiser posso enviar quando publicar. Acho que se o relato tocou alguém, já valeu a pena (pelos comentários, acho que sim).

Quando escrevi minha história, aliás, não foi para parecer "vítima", foi um sincero desabafo que o blog, como sempre, acolheu! Foi mais no sentido de criar empatia, dizer que, sendo mulher, você está sempre sujeita a sofrer violências cotidianas (de todos os tipos) que te minam, a tal da Síndrome de Impostor, mesmo sendo considerada bem-sucedida profissionalmente. E é claro que isso varia de acordo com a classe, raça e outros aspectos... Mas não posso relativizar meus problemas pessoais, afinal, muitos deles vêm de um mesmo sistema de opressão, e em algum momento explodiram em somatizações...

Sobre minha área de atuação, sou assistente social, e disse que ganho relativamente bem comparada a colegas de profissão...

Quanto a ir a Cuba, gostaria muito sim!!! Mas agora só quando juntar todo o dinheiro de novo...

PS: ir pra Disney foi uma decepção, nada dos sonhos fabricados nos desenhos, só filas e mais filas!! Voltei achando que muito melhor mesmo é conhecer destinos bacanas aqui mesmo pelo Brasil ou América Latina...

Beijos, A.