segunda-feira, 31 de agosto de 2015

HOMENS DECIDEM O QUE AS MULHERES VESTEM

Acho que quem não conhece vai gostar de saber desse caso contado por Susan Faludi no seu livro obrigatório, Backlash: o contra-ataque na guerra não declarada contra as mulheres
Backlash fala da reação conservadora lançada na década de 1980 para fazer as mulheres regredirem nas conquistas que tinham alcançado nos anos 60 e 70. É um livro importante e delicioso, que você pode ler aqui, grátis, com tradução de Mario Fondelli para a Rocco.
Na primeira metade da década de 80, as mulheres americanas compravam menos roupas. Faludi cita uma pesquisa que mostra que, entre 1980 e 86, mais de 80% das entrevistadas disseram que detestavam comprar roupa. 
Faludi atribui isso em parte à crise econômica, mas também ao fato de que as mulheres estavam mais ocupadas comprando casas, carros e planos de saúde. 
O mercado da moda tentou lidar com a queda na procura aumentando o preço das roupas, que subiram em média 30%. Não adiantou. A mídia tinha até um mote pro que acontecia: "revolta contra a moda". 
Criação de Arnold Scaasi
Outra explicação para a queda nas vendas foi que, pra variar, os estilistas pensavam suas peças para jovens altas e magras. A moda era a "alta feminilidade", cheia de babados e fru-frus. Arnold Scaasi, um dos criadores dessa "tendência", confessou que ela era "uma reação ao movimento feminista, que foi uma espécie de guerra". Lacroix lamentou que, com o feminismo, as mulheres pararam de dar importância à moda -- "só restaram como clientes [da alta costura] as princesas árabes e senhoras da nobreza europeia". 
Faludi lembra que essa revolta das consumidoras já havia acontecido quarenta anos antes, em 1947. Durante a Segunda Guerra, as mulheres usaram calças, sapatos de salto baixo, suéteres largos, e não quiseram voltar a se vestir como antes. Christian Dior lançou o "New Look", uma volta ao visual da era vitoriana, que exigia cintas para deixar a cintura com menos de 40 cm. No final da década de 40, a mídia declarou que Dior havia vencido a batalha. 
Christian Dior e seu new look no
final dos anos 1940
Como aponta Faludi: "Em todos os períodos de backlash (reação conservadora), a indústria da moda contra-atacava produzindo roupas punitivamente restritivas e a imprensa ligada à moda exigia que as mulheres as usassem". Até porque "a insegurança pessoal é a grande força motriz do consumo". Um estudo do começo dos anos 1980 mostrou que as mulheres que menos consumiam eram as mais seguras e independentes.
Griffith é observada por
Ford em Secretária
O discurso nos anos 80 foi que as conquistas feministas estariam roubando as mulheres de sua "natural feminilidade". A porta-voz do Conselho de Moda Íntima se queixou: "Estamos enfrentando uma crise de identidade e nos vestindo como homens". A gente vê isso direitinho numa cena de um grande sucesso do cinema na época, Uma Secretária de Futuro, de 1988, em que Harrison Ford, ao conhecer Melanie Griffith, a elogia por ela usar um vestido preto e se vestir "como mulher", e não como homem (com blazer, por exemplo), como faziam as outras executivas na vã tentativa de, quem sabe assim, serem levadas a sério.
A moda investiu muito para feminilizar as consumidoras, principalmente as executivas. Calvin Klein, ao lançar uma coleção de minissaias, afirmou: "Nós nos baseamos no desejo das mulheres". Um fabricante de roupas de Los Angeles justificou que as mulheres no ambiente de trabalho "querem que os homens olhem para elas como mulheres. Veja primeiro as minhas pernas, não a minha competência". 
Houve um esforço enorme para aquecer o mercado de moda íntima, que também estava em baixa. 
Melanie Griffith em Secretária
Bob Mackie, um estilista de Hollywood, lançou no final da década de 80 uma coleção de lingerie praticamente idêntica à que ele havia criado no início da década, e que havia sido um fracasso retumbante. Porém, segundo ele, agora seria diferente: "As mulheres agora querem lingerie muito feminina". O cinema fez o possível para alavancar essa "tendência", com cintas-ligas e sutiãs meia-taça em ampla exposição em Bull Durham, Uma Secretária de Futuro, e, óbvio, Ligações Perigosas.
Como diz Faludi, "a lingerie do fim da década de 1980 celebrou a repressão, não o florescimento, da sexualidade feminina. A senhora vitoriana ideal para a qual ela tinha sido originalmente criada não devia ter, afinal de contas, libido alguma" (pg. 198).
Alguns anos antes, um americano chamado Roy Raymond pensou no tema vitoriano por ter sido, segundo ele, um tempo feliz e romântico. Ele abriu uma butique especializada em lingeries num shopping da Califórnia tendo em mente pessoas como ele -- homens. Mas pegava mal dizer que a loja era de um homem vendendo lingerie sexy pra mulheres, então ele colocava em seu catálogo uma carta pessoal de "Victoria", conclamando as consumidoras para "minha butique". Na mídia, Raymond nunca aparecia. Só a esposa dele, Gaye. A loja, evidentemente, se chamava Victoria's Secret.
Em 1982 uma empresa, a Limited, comprou a marca por um milhão de dólares e a transformou numa cadeia nacional. Em cinco anos, a franquia já contava com 346 lojas nos EUA. Faludi narra uma típica loja da Victoria's Secret em 1988, com prateleiras cheias de tangas de seda e ursinhos de pelúcia:
"Perguntadas se estavam ali atrás da lingerie vitoriana, duas clientes dizem que não com a cabeça. Até a gerente Becky Johnson admite que só compra 'as boas e velhas calcinhas e sutiãs básicos'. Então, quem é que está comprando a porcaria vitoriana cheia de babados? 'Os homens', respondeu Johnson.
Embora os homens representem de 30 a 40% dos clientes das lojas Victoria's Secret, são responsáveis por quase metade do volume do faturamento, estimam os gerentes da empresa. 'Os homens são ótimos', suspira uma das vendedoras da loja de Stanford. 'Não medem esforços para ter o que querem.'
Um espécime dessa raça entra na loja justo nesse momento. Jim Draeger, um advogado de 35 anos, ignora o balcão de ofertas e vai diretamente para as prateleiras de bustiê. 'Venho aqui desde 1980', diz ele, analisando um corpete de seda. 'Esse tipo de roupa torna a mulher mais sensual'" (pg. 201).
Um fato que eu não sabia é que Raymond cometeu suicídio aos 46 anos, em 1993, pulando da famosa ponte Golden Gate. 
Se o criador da marca e a Limited tiveram que suar na década de 80 para convencer as consumidoras a trocar calcinhas e sutiãs "práticos" por lingerie com rendas ou fio-dental, hoje isso não é um problema. Em 2012 a Victoria's Secret faturou 6,12 bilhões de dólares.

130 comentários:

Ana Carolina Serrao disse...

Homens sempre querendo definir o que a mulher deve usar , dizer e fazer , pensando ser ele o Centro do universo feminino. Doce ilusão

Anônimo disse...

Que texto ótimo! Vou ter que reler e pensar mais um pouco. Porém, a primeira associação que fiz foi com meu ex-marido. Pelo menos uma vez por mês, ele chegava com umas lingeries "sexys" e totalmente desconfortáveis. Não se importava que eu não usasse no dia a dia, contando que usasse "para ele", em momentos de intimidade. É certo que ele gastava MUITO dinheiro com isso!

Jonas Klein disse...

Olá Lola

Como relato histórico e bem interessante o que você escreveu.

O fato e o seguinte, os outros podem querer vestir a gente de uma ou outra forma, mas no fim das contas quem decide o que a gente veste e nos mesmos.

Anônimo disse...

WOW!!!! Show de bola!!!

Na minha imensa dificuldade de achar roupa íntima que não seja do tamanho da bandeira hasteada na frente do congresso nacional, nem enfiada no c*, cheguei a essa mesma conclusão do texto - a maioria da roupas íntimas femininas é feita para os homens..

Eu gosto de coisas bonitas, mas não é minha obrigação manter o pau de ninguém ereto 24/7. Não consigo me imaginar o dia inteiro com um monte de fru-fru enfiado no traseiro...

Jane Doe

Rafael disse...

Não é bacana colocar o livro grátis aqui. Alguém escreveu, outro traduziu, uma empresa imprimiu e distribuiu. Essas pessoas precisam receber pelo seu trabalho.

Sugiro humildemente que substitua pelos links de como adquirir a obra (tem até na EV a 15 pratas):

http://www.estantevirtual.com.br/b/susan-faludi/backlash-o-contra-ataque-na-guerra-nao-declarada-contra-as-mulheres/2808495423

http://www.buscape.com.br/backlash-susan-faludi-8532512984.html#precos


Se ninguém comprar, será que teremos mais livros como esse no futuro?

Anônimo disse...

Romper com os paradgmas do patriarcado sobre feminilidade e a verdadeira revolução feminina, o que e ser feminino socialmente construído; "Cabelos compridos, vestidos, delicadeza etc.
O patriarcado está tão enraizado na pisque feminina infelizmente que muitas resistem a se libertarem, o mito do amor romântico, foi uma forma de "dourar' as correntes que nos aprisionam, passamos a levar nossas vidas no sentido de agradar e atrair homens, a mulher e unica classe social que existe que se espera que tenha sentimentos românticos para com seus opressores, isto e loucura. a luta feminista e para sermos livres destas amarras, estamos caminhando, mas a estrada e longa.
L.H

Anônimo disse...

Excelente post. Existe uma linha tênue, mas que faz toda a diferença, entre se vestir pra si mesma e pro outro, e como é difícil reconhecer. Uma mulher que se enfia dentro de um corset pode jurar que o faz porque gosta, se sente empoderada o bastante para usar aquela roupa. Pode ir além e dizer que usa roupas pra chamar atenção dos homens e assim ela exerce sua liberdade, porque é a atenção que ela quer. Enfim, ainda é difícil pra mim não julgar esse ponto de vista, mas gosto desse tipo de reflexão, que nos faz ir contra toda ditadura que envolve o que nós vestimos, seja a da modéstia ou da sexualidade.

Dan

Rafael Cherem disse...

Na verdade, são os homosexuais que definem o que as mulheres vão usar. Nenhum demérito a eles, mas é fato.

Anônimo disse...

Rafael, hj os livros são impressos por centavos de real na China.
Tradutor, autor, editor etc, recebem uma parcela mínima do lucro que sua obra traz. E eles vendem o direito pra editora, então, eles já recebem a parte deles independente da vendagem. (Na maioria dos casos, a menos que ele seja independente ou best-seller)
Obras antigas já se pagaram a muito tempo.
Não vejo pq ter drama na difusão do conhecimento. ;)

Natasha disse...

Isso cansa, n pode nem usar a calcinha que quer pq temos que seduzir os omis, pqp! Nunca usei lingerie e nem vou usar, mesmo assim isso n deixa de me afetar, eu peno para achar calcinha e sutiã confortável e de algodão só pela internet, isso quando eu acho.
Cadê a lingerie masculina, cuequinha enfiada no rabo para nos seduzir, com as bordas de silicone para fica bonitinho, sexy, um furo bem onde fica o pau deles ? Pq tem calcinha assim para facilitar para eles. Ah n precisa, né. As bonecas infláveis somos nós. É nosso dever agradar e seduzir machos, eles n precisam fazer porra nenhuma.

Anônimo disse...

Então os homens tb definem o que comeremos já que a maioria dos chefes de cozinha são homens. Então sugiro que quando forem em um restaurante perguntem antes quem cozinhou. Cansada desse papo pq os homens, os homens, os zomi...

Anônimo disse...

Tudo contra. Homossexuais da moda são misóginos ao extremo. Julgam e conceituam o corpo de TODAS as mulheres. São rudes e agressivos com elas. Dão muita importância à moda como se isso fosse tudo na vida de uma mulher. Eu, por exemplo, odeio passar em frente a um salão de beleza de homossexuais porque eles são cruéis com as mulheres que passam lá fazendo comentários nem um pouco doces.

Kittsu disse...

Tu só come em restaurante? E na sua casa, quem cozinha?

Bizzys disse...

Estou passada por descobrir que quem criou a Victoria's Secret foi um homem, não fazia ideia! (Não que eu use nada da marca, é claro).

Eu fiz um comentário sobre isso num post de moda que saiu aqui, é praticamente impossível comprar lingerie confortável e básica, você só acha coisas coloridas e "infantis" ou modelos mega sexy cheios de renda, fio-dental, etc.

Um tempo atrás eu até tentava comprar lingerie que fosse bonita e confortável, mas de uns tempos pra cá só compro modelos bem básicos, de cores neutras e tecidos confortáveis. Para quem tem dificuldade de achar, recomendo os produtos da Trifil, são meio caros mas são bons, e é fácil de achar em promoções de lojas de departamento (tipo Lojas Americanas).

Rafael disse...

Anon 12:35, não nos cabe discutir sobre o quão justo é o mercado editorial. Não é certo burlar o trabalho honesto de alguém (nem vou me ater ao fato de ser crime). Piratear a obra também não ajudará a melhorar o mercado editorial. Vai ajudar até a piorar.

Se você entrar no site da autora, vai ver que ela não quer "difundir conhecimento". Ela disponibiliza trechos de capítulos como amostra e fornece o link para adquirir a obra.

É o certo e é o justo.

Lord Anderson disse...


Outro ponto "Curioso" como a industria da moda apesar de todo o dinheiro que gera é geralmente vista como algo "futil" e "menor".

Isso é comum tanto nas areas voltadas para mulheres quanto nas que elas ocupam mais espaço.

É sempre considerado de menor importancia.

Cão do Mato disse...

"Na verdade, são os homosexuais que definem o que as mulheres vão usar. Nenhum demérito a eles, mas é fato."
Exato!

Anônimo disse...

É o certo e é o justo que toda a cadeia receba o justo pelo seu trabalho.
Pagar R$40 num livro que não custou R$0,10 com uso de mão de obra análoga à escrava é com grande impacto ambiental durante sua fabricação te parece certo?
É justo?

E vamos evitar tautologias, já expomos nossos pontos de vista, não?

Lord Anderson disse...

"Na verdade, são os homosexuais que definem o que as mulheres vão usar. Nenhum demérito a eles, mas é fato."

Homosexuais masculinos ainda são homens...

Rafael disse...

Anon das 13:51, para não desvirtuar o tópico, finalizo a participação informando que de acordo com a Amazon - http://www.amazon.com/Backlash-Undeclared-Against-American-Women/dp/0307345424/ref=la_B001HCYYIY_1_1?s=books&ie=UTF8&qid=1441040479&sr=1-1 - (clicar na capa, ir até a página 4), o livro é impresso nos EUA.

Sobre a versão local, da Rocco, a impressão foi feita no Brasil. Aparentemente não temos escravos nesse caso e você pode remunerar o trabalho alheio sem culpa agora.

Anônimo disse...


Que injustiça com as mulheres criadoras do mundo da moda, também tem grandes estilistas mulher:Vivienne Westwood, Adriana Barra, Ann Demeulemeester, Anna Sui. Coco Chanel,Carolina Herrera, entre outras. Também tem a opção de vc mesma fazer a sua roupinha, só verifique se a matéria prima não foi feita por um homem. Para aquelas que acham que os homens deveriam ser banidos da face da terra, comecem a extirpar o DNA de seus genitores que existe em vocês. Afff quanto mimimi.

Anônimo disse...

Eles fazem isso pois sabem que é consumo certo, pois as mulheres por mais atraentes sejam, mais acham que podem ficar melhor, e assim alguns lucram muito.

B. disse...

A Bizzys tem razão, essas lingeries da TriFil são ótimas e valem a pena. Quando o assunto é sutiã, só compro trifil ou similares, pq, no restante do setor feminino das lojas, é só aqueles baita sutiãs com altas rendas e com um bojo do tamanho do planeta, pra que tanto peitão? Ah lembrei...

Sem contar que sutiã é muito desconfortável, a primeira coisa que faço ao chegar em casa é tirar.

B. disse...

Eu seguiria a dica dos anonimos se tivesse mais opções pra "ain, se não gostem não comprem"

Das duas uma: ou não compra e nunca usa sutiã ou só compra essas porcarias ultra desconfortaveis.

Aliás, existe mulher que gosta de usar sutiã? Nunca conheci.

Raven Deschain disse...

Piratear é ter lucro com o trabalho alheio. No caso, divulgar ou mesmo postar o livro online, sem custo nenhum não é piratear.


Gente, essa treta de moda é complicada. Como alguém disse aí encima, difícil ver a linha entre "o que eu gosto" e o que é pra agradar aos outros. Como a Jane Doe disse é um absurdo comprar lingerie. O que não é "sexy" é de vovó. ¬¬

Recomendo, pra quem tem perto, as Lojas Coppel, que tem umas coisas mais básicas sem serem infantis e sem preços altos demais.

Eu tb vou reler o texto pra fazer um comentário mais centrado.

Anônimo disse...

"Piratear é ter lucro com o trabalho alheio. No caso, divulgar ou mesmo postar o livro online, sem custo nenhum não é piratear"
_
propriedade intelectual e um conceito burguês, assim como propriedade privada.
Socializar conhecimento e um ato revolucionário preciso.

VanVader disse...

Lolinha, leio sempre teu blog mas nunca havia comentado. Na verdade vim aqui para pedir algumas (muitas) palavras tuas sobre o comportamento machista, mimado e agressivo dos cineastas Cláudio Assis e Lírio Ferreira no debate do filme Que horas ela volta? da Anna Muylaert, que ocorreu sábado em Recife. A propósito, odeio usar essas calcinhas atoladas... Beijos cheios de admiração.

Anônimo disse...

o problema não e se vestir para agradar os ditos "os outros" o problema e se vestir para agradar homens, se objetificar para agentes opressores do patriarcado, romper estes paradigmas e uma pauta muito importante do feminismo, ao contrario do que foi dito por alguém aqui.

anon A. (radfem) disse...

Um post tão completo e interessante e vários anons vindo falar que é 'mimimi'. Não duvido que a maioria desses anons sejam homens, para se importarem tanto com mulheres usarem ou não lingerie. Além de acharem que tudo no mundo gira em torno de 'escolha pessoal', mesmo em um post que deixou bem claro a estrutura que ocorre na indústria na moda.

+1 para a Trifil, também sou cliente fiel deles. Sutiãs e calcinhas bons, confortáveis e por um bom preço.

Anônimo disse...

"a mulher e unica classe social que existe que se espera que tenha sentimentos românticos para com seus opressores, isto e loucura"

Concordo plenamente, a forma como mulheres são retratadas na industria da moda e reflexo desta loucura.

B. disse...

Também tem uns sutiãs idiotas que não só são desconfortáveis, mas juntam os peitos exageradamente. Uma coisa é juntar os peitos "Normal", outra é deixar a gente tipo Carlota Joaquina.

Anônimo disse...

Lingerie desconfortável para agradar os "omis" cabelo comprido trabalhoso para ser "feminina para os omis" maquiagem anti pratica e sebosa para chamar atenção 'dos omis"
Um dos maiores tabus do feminismo e combater estes padrões, logo aparecem as "defensoras de relacionamento com omis" torcendo o nariz para a clara luta contra a objetificação feminina, a
Síndrome de Estocolmo infelizmente e uma das maiores barreiras na luta contra o machismo.

Mila disse...

Realmente a estratégia da indústria de moda e beleza são homens dizendo Às mulheres como elas devem se sentir e o que fazer para que elas alcancem um patamar cada vez mais impossível.
Falar de calcinhas, eu sempre gostei das de algodão (mais confortáveis e higiênicas), o problema é que a maioria das que eu acho ou são calçolas ou são estampadas com lacinhos, florzinhas ou algo do tipo. Vejo uma invasão de material sintético no mercado pq são esteticamente mais bonitos, mas perdem pontos em higiene e conforto.

Anônimo disse...

Até gosto da Trifil, mas a última linha de sutiãs dela tá deixando e muito a desejar.
O único modelo que não tem alça fina (o que não é Nd recomendável), não tem como regular a alça. Triste.
Já calcinha de algodão é coisa rara no mercado. Infelizmente.

VanVader disse...

Acho que a Lola já postou aqui sobre aquela propaganda da G. Bundchen, onde ela estoura o cartão de crédito, bate o carro ( entre outros esteriótipos babacas criados e revisitados pelos "publicitários"), e ao contar para o marido seus feitos totalmente vestida, ele a reprova. Agora quando ela aparece de lingerie, na hora obtém seu perdão. Arg! O machismo gera lucro, e esses invencionismos para o "embelezamento" feminino eh uma fonte inesgotável de $$$$. Para não fugir ao tema: não podemos deixar que os sutiãs queimados em 60 tenham sido em vão.

a d disse...

Eu curto fio dental, acho mais confortável. Adorei o post! É desses mágicos que levam a gente a um caminho de reflexão diferente do habitual, e que dificilmente pensaria sozinha. Muito bom (tirando as partes dos fio dentais desconfortáveis e das calcinhas de renda, que são uns amorsãos).

Rafael disse...

Entrando no assunto do post, vou dizer o mesmo que digo à minha esposa. A partir do momento que rolar boicote às roupas desconfortáveis, aos sapatos que ferem e ao adereços que machucam, vão parar de fabricar.

Basta ver como são os sapatos sociais masculinos: verdadeiros tênis por dentro.

Enquanto existir demanda, existirá a oferta. Infelizmente apenas uma minoria das mulheres se dá conta disso, busca e prestigia as marcas que primam pelo conforto (minha esposa é uma delas).

Pena que a grande maioria das mulheres não está nem aí, pouco se importam e geram enorme demanda para essa moda danosa.

Minha ex esposa tem uma confecção que fabrica lingerie. Justamente os modelos que são menos confortáveis. Ela é a desenhista. Ela é empresária. E ela não produz porque algum homem manda. Ela produz porque vende muito. Demanda. A demanda existe.

Anônimo disse...

Quem nunca ouviu falar do "homem não gosta de sutiã bege" ? Eu adoro sutiã basico bege, não aparece na roupa, é confortavel e prático. E eu ODEIO BOJO. Agora, não é facil encontrar roupa intima desse tipo, ou você tem as calçolas da vovó ou tem aqueles bojões com lacinhos, transparente entre outros que eu teria vergonha de mostrar para a minha familia ao colocar no varal para secar. Parece até aquela antigo patriarcalismo "ou é santa ou puta". Eu sei que muitas também tem essa opinião, mas refletindo bem, acho que a questão da moda feminina, principalmente a INTIMA, impõe mais as fantasias masculinas do que propriamente a opinião feminina. Parábens lola, adorei a reflexão desse post.

Obs: Só eu que acho estranho sutiã de bojo para pijama? E quem consegue dormir com uma calcinha grudada bem no lugar ?
Obs 2: Homens desse blog, esse assunto não gira em torno de vocês, desafio os machistas a usarem calcinha-fio dental.

a d disse...

Mas se pudesse, estaria sempre sem calcinha, e no quesito sutiã essas marcas são umas bostas. Super desconfortável, e pra quem tem seio grande é um tormento, pq aperta e ao mesmo tempo faz os peitos pularem pra fora.

Anônimo disse...

14:24, para os homens que odeiam as mulheres, que extirpem também a metade do seu DNA e o seu DNA mitocondrial, não tenham filhas, não se casem e....ops, é mesmo, os homens que odeiam as mulheres, ironicamente, não podem viver sem elas. Tipo aqueles árabes que batem em mulher mas tem um monte de esposas ou esses mascus que sonham em namorarem e se casarem....

Rafael disse...

A D, porque não fica? Se lhe é mais confortável, fique. Quando o homem não quer usar cueca (não é meu caso, mas conheço uns assim) ele não usa e foda-se o que os outros pensarão.

Nosso conforto precisa (PRECISA) estar acima da estética. Isso é possível mesmo para mulheres (embora não seja fácil) e quanto mais vezes acontecer, mais demanda haverá.

O que não dá é para se conformar, passar desconforto e achar que a vida é assim.

Anônimo disse...

A roupa feminina nunca foi feita para ser exatamente confortável, dem ums olhada para os vestidos do século xvi,xvii,xviii,xix e até hoje, muda o design mas a essência é a mesma.

Anônimo disse...

As mulheres conservadoras gostam de usar essas roupas intimas bitoladas? Estranho né, achar feio a objetificação da mulher na rua mas em casa agir como uma....

Anônimo disse...

Estranho esses homens reclamarem que as mulheres agora "não agem e se vestem como romanticas". Antes, eramos proibidas de votar com a desculpa da "emoção feminina". Agora somos taxadas por sermos realistas.

Odara disse...

Eu tive um namorado que comprava umas coisas pra mim nessa Vitória aí. ...tipo criticando as minhas calcinhas não sexs....
Adivinha? Terminei rapidinho. Tô fora de homem decidindo o que eu vou usar!
Querer se relacionar afetiva e sexualmente com homens é uma coisa, se submeter à opressão que tentam a todo o custo nos impor é outra....
Também gosto da Trifil :)
E uma coisa que eu aprendi com uma amiga e uma época meio que virou moda na faculdade é usar cueca. Sério, tem umas que ficam bem legais (as sem costura!), confortáveis e até bonitinhas (tanto que algumas marcas começaram a fazer calcinhas no mesmo estilo).

Bizzys disse...

Esse tópico dos sutiãs é interessante também. Parece que mulher não pode ter peito pequeno mais, porque todos os sutiãs hoje em dia têm aqueles enchimentos, "bolhas", botão push-up ou coisas assim.

Eu gosto de sutiãs com bojo porque eles são mais estruturadinhos, mas esses enchimentos e etc atrapalham demais, sempre acaba sobrando sutiã. Sem contar que eles ficam muito mais caros, por mais simples que sejam.

B. disse...

Amei os comentários da anônima 15:55, ahahah ou é calçola de vovó ou bojão kkk, bem assim mesmo.

Eu tb me espanto com camisetes p/dormir com bojo, COMO ALGUÉM EM SÃ CONSCIÊNCIA DORME DE SUTIÃ? Acredito que essas lingeries não sejam para dormir e sim momentos de "sedução" hehe. É minha explicação...pq não é nada confortável.

Ah, pras meninas que falam que não gostam de bojo: e como fica a questão dos mamilos #polêmicos? Pergunta séria, pq se eu não uso bojo e uso blusas ajustadas, fica "acentuado" o dito-cujo.

Anônimo disse...

Mulheres são taxadas de futeis pelos homens ao comprarem roupa, mulheres são chamadas de feias, mal-cuidadas,comidas, que "não sabe ser mulher" pelos mesmos homens por não gostarem de comprar roupa. Vai entendê-los...

B. disse...

Mas se pudesse, estaria sempre sem calcinha, e no quesito sutiã essas marcas são umas bostas. Super desconfortável, e pra quem tem seio grande é um tormento, pq aperta e ao mesmo tempo faz os peitos pularem pra fora.


Bem assim, A D. Eu tenho peito de médio a grande e é tortura, os sutiãs não só apertam como fazem parecer "aquilo", com peitos saltando.

Bizzys disse...

B, eu fico que nem você. Se não uso sutiã com bojo, além de aparecer os mamilos polêmicos às vezes, meus peitos ficam meio "pontudos" porque são pequenos, hahaahahahha.

Eu já tinha visto camisetes com bojo, mas achei que serviam para usar sob blusas transparentes, não? Eu tenho uma (sem bojo) que só uso com blusas mais finas ou que tem as aberturas das mangas muito amplas, acho feio usar com sutiã. Nunca imaginei que alguém usaria uma com bojo para dormir!

Odara disse...

Tem cada coisa nesse mundo. ...
Outro dia eu vi uma reportagem sobre bizarrices que contava do sucesso de uma senhora (mais de 70 anos) em ter a cintura dos sonhos. Pois a criatura dormia de espartilho super apertado e só tirava pra tomar banho. ..

Raven Deschain disse...

Hahaha a Lola censora?

Tenta comentar lá no Feminismo sem Demagogia. A Verinha me baniu da página porque ela chamou uma protetora de anta de tênis e eu perguntei que raios de sororidade era essa.

Só por isso. Hahahahaha

Lola censora. Só pode ser zoeira.

Sutiã, gente. Eu gosto dos que abrem na frente. É mais fácil, quem foi o imbecil que inventou que essa bosta tinha que abrir atrás?? E nunca acho pra vender tb. Quando acho ele é "azul petróleo noite, pra combinar com o tom sedoso de sua pele e transformar a noite dos dois em uma aventura". Ou alguma babaquice assim. E só eu que tenho dificuldade com o número? 44: pequeno. 46: enorme.

Anônimo disse...

B, simples, eu não uso bojo e nem blusa justa. Não gosto de chamar atenção para os meus seios, me sinto como um objeto, já tive que ouvir diversar vezes homens falando que prestam mais atenção no peito da mulher do que no rosto dela ou na fala. E tem alguns sutiãns sem bojo que o tecido não realça os mamilos por ser mais grosso.

B. disse...

É bizzys, acho que é isso, camisete pra usar sob blusas finas.

E inveja MOR de você pelos peitos pequenos, gostaria muito, mas não é meu caso.

Lord Anderson disse...


E quando saiu a ideia de sutiãs infantis com enchimentos???

moda erotizando crianças...

B. disse...

"E só eu que tenho dificuldade com o número? 44: pequeno. 46: enorme."

Não, eu também, mas isso vale pra tudo: biquini (terror) calça, etc. No meu caso: 42: pequeno. 44: meio pequeno 46: grande...

OFF TOPIC: Anta de tênis? Não entendi! Hahha. Raven, eu também fui "xingada" e saí de um grupo feminista pq ficavam santificando mulher, que "não existe mulher machista", mas se uma discordasse delas, chamam de "cachorra do patriarcado" pra baixo.

A Lola ou alguém aqui (Bizzys) podiam fazer um post só sobre sutiã!

Bizzys disse...

Raven, não é só você que tem problemas com número. Eu uso 40, e é praticamente impossível achar sutiãs adultos com esse tamanho, na maioria das lojas tem uns poucos 40 e o resto só de 42 pra cima. Às vezes eu acabo comprando um 42 que parece menor, mas acaba sobrando sutiã nos meus peitos, haha. Acontece também de eu achar um número 40 que fica minúsculo, aí o 42 serve (isso acontece demais nas lojas da Marisa, parece que cada sutiã deles é feito numa fôrma diferente).

Vejo muitas mulheres reclamando por aí de tamanho de sutiã, tanto as que tem seios grandes quanto as que tem seios pequenos. Parece que as marcas só fazem sutiã pra "corpos de modelo", as mulheres reais que se virem para caber neles.

Rafael disse...

Não, Bizzys. Isso pode ser colocado na conta da indústria brasileira mesmo.

Por ter sido casado com uma empresária do setor, posso falar de alguns pontos por experiência própria: O que se exporta é diferente do que se vende aqui. Explico:

Para exportar, se uma costureira brasileira termina de pregar o elástico da perna de uma calcinha e compara com o gabarito, caso passe coisa de 5mm para mais ou para menos, desmancha e faz de novo.

Se é para vender aqui, precisa estar MUITO fora do gabarito para ser desmanchado.

Por isso escuta-se tanto que "se eu comprar roupa em miami já pego vestido número 5 sem nem experimentar".

Já o mesmo, não se escuta por aqui. Todo mundo precisa experimentar. Homens e mulheres.

Camisas masculinas têm número (2, 3, 4, 5,...) O que não quer dizer NADA no Brasil. Precisa experimentar.

Já nos EUA, a camisa masculina é vendida com um tamanho para o colarinho e outro para a manga. Nunca dá errado. Posso comprar 10 camisas de 15x33 que parecerão feitas por um alfaiate, tamanha a igualdade entre os tamanhos.

O que precisa para isso mudar? Sinceramente, não sei, mas aqui é assim. Tamanho, só pra constar mesmo.

Anônimo disse...

Só uma sugestão, seria mais interessante atacar o "Patriarcado" ao invés dos "Homens" (título do post), é meio que atacar pessoas e não ideias. Eu sei que existem rads misandrosas por essas bandas aqui e eu sinceramente tô cagando pra elas que sujam a imagem do nosso lindo movimento. Fica ai só minha sugestão mesmo, muitas vezes perdemos a oportunidade de termos homens que poderiam estar aprendendo sobre nossa causa e também espalhando a ideologia só porque decidimos atacar pessoas e não ideias, mais amor por favor!

Pri Leone

Anônimo disse...

Gente vcs viram as capas das mens healty acho que se escreve assim sei lá.
tinha uma matéria: quanto custa manter uma amante, fiquei pasma que ridículo.
essas revistas masculinas são muito fúteis, mas as femininas ainda são piores, sempre fazendo matérias de a lingerie que deixa ele louco etc...

Anônimo disse...

Querida Pri leone, é como falar de nazismo sem citar nazista, os homens são opressores diretos as mulheres indiretos, o mesmo vale para brancos. Eu não vou me preocupar em não generalizar pra não ferir sentimento de homem, eu não acho justo que até dentro do movimento feminista, eles tenham que ser tratados cheios de dedos.

Anônimo disse...

Diva

Homens decidindo o que mulher vai vestir, e também decidindo onde vão se sentar e quando vão poder falar.
O último aconteceu com a talentosa cineasta Anna Muylart no debate do filme Que Horas Ela Volta?

http://oglobo.globo.com/cultura/filmes/debate-do-filme-que-horas-ela-volta-no-recife-marcado-por-polemica-17355466

Jonas Klein disse...

Pri Leone


Muita calma nesta hora, se você procurar analisar o contesto de tudo o que Lola escreveu, você vai ver que a Lola refere-se apenas aos homens que trabalham desenvolvendo roupas femininas, e a Lola nem disse que são todos que desenvolvem roupas para mulheres que agem assim, por isso não me senti ofendido com que Lola escreveu, e vejo que o Rafael, Rafael Cherem, Lord Anderson, André ao que se pode ver também não se ofenderam, e olha que nos somos homens.

Em fim eu acho que falto para você procurar fazer uma interpretação mais apurada do que a Lola escreveu.

Um grande braço para você

Anônimo disse...

""""ana paula"""", não sei se você percebeu antes, mas percebe como a moda feminina parece querer nos prejudicar? Saltos altos ferram a coluna e tornam mais difícil correr caso você preciso agilizar o passo naquela rua deserta. Calça skinny é muito desconfortável, causa problemas de circulação e só serve pra macho neandertahl espiar bunda alheia. Saias vestidos? Na mesma hora em que a pobre menina é enfiada num desses apanha nas pernas pra aprender a fechá-las porque 'mocinha não pode mostrar a calcinha'. Corsets que restringem a respiração e dificultam a corrida. E tudo feito pra mulheres magras, assim as consumidoras tem que fazer dieta pra entrar na moda-e gente com fome é gente passiva, que não questiona nem luta. Mulher msuculosa? Cruzes, que horror, mulher tem que ser feminina, fraquinha, incapaz de matar uma mosca. Sem contar as saias balão, armações e espartilhos que felizmente foram extintos. Olhando do meu ângulo dá a impressão de que a moda feminina é feita de propósito pra nos manter quietas e impedir que nos defendamos dos abusos masculinos. Moda feminina e imobilidade estão um pro outro assim como corrupção pro Brasil.

Raven Deschain disse...

Nadaavê anon.

Ah B. Vc ouviu falar das porcas do Rodoanel? A Verinha tava puta na página pq as porcas recebem um monte de doação e tão num santuário e enquanto isso tem mulher morrendo. Até aí concordo, blz. Mas em vez de falar de modo geral, ela atacou ativistas pelos direitos dos animais e chamou a Luisa Mel, que encabeçou a campanha de arrecadação pelas porcas de anta de tênis. Isso lá e crítica que se faça? Daí ela baniu todo mundo que disse que isso não é sororidade, que não se despreza um movimento importante e tal. E ainda me chamou de grossa. E pior que nem fui. Devia ter sido. Enfim.. Achei babaca, vou morrer achando babaca. Mais honesto dizer: tou cagando pros animais. E não curtia a página fazia um tempinho já. Absoluta demais. "Minha opinião é verdade e vcs são tudo bosta". Não dava pra discordar em nada.

Verdade, gente. Número de tudo é infernal achar. Até de sapato. E essa sensação de "puts, é maior do que eu costumo usar e mesmo assim não serve" é bem comum tb. Tenho calças jeans de uns 4 tamanhos aqui.

Rafael disse...

Raven, geralmente quem critica protetores de animais dizendo que existem humanos em situação de necessidade, não ajudam nenhum dos dois. Só criticam.

Raven Deschain disse...

O pior é que nrm foi crítica. Foi só grosseria mesmo... =/

nadiaschenker disse...

O Rafael esclareceu uma situação comum mesmo. Eu nunca mais compro nada sem experimentar. Dá diferença sempre, inclusive se for comprar 2 iguais, mesmo modelo. Tenho calças 36 e 38 da mesma marca. Bizarro!

Anônimo disse...

Uma vez um ex me trouxe uma lingerie dos EUA mt ruim.
O sutiã é bom tanto é que uso até hoje pq é confortável e fácil de lavar.
Mas a calcinha...
Grande, sem ser de algodão e, pasmem. A parte de trás é transparente!
Agora me diz: como e onde vou usar uma calcinha grande que deixa a bunda a mostra?
Percebi então que ele não comprou essa porcaria pra me agradar e sim pra agradar a ele. Fiquei irada e a calcinha encostada no guarda-roupas.

Anônimo disse...

Pensei que fossem comentar, mas vi que não.
Parece que nos EUA sutiã tem 3 marcações, uma pro bojo, outra pra alça e uma última pra largura das costas.
Seria uma benção se aqui fosse assim. Pq já é difícil acertar no bojo (não gosto, mas é praticamente só o que tem), aí vc tem que ter a sorte de que o feixo fique confortável.
Oh vida!

Rafael disse...

sutiã é tão complexo que devia ser formado por 3 partes encaixáveis e intercambiáveis: Bojo, alça e o conjunto lateral/fecho traseiro (ou dianteiro). O detalhe é que aviamentos para que isso exista sem parecer um frankenstein existem há tempos.

Desse jeito, daria para comprar um pedaço de cada tamanho.

S. disse...

Esses mascus imbecis sempre perdem a chance de usar o cérebro. Como é mimimi e é só a gente escolher o que quiser, se só vendem lingerie sexy e nada confortável? Vamos escolher como? Não vem ninguém na nossa casa nos obrigar, nos obrigam pela falta de variedade.
E quem tem alergia aos tecidos que usam no sutiã? Foda-se. Eu só posso usar de algodão, que eu quase nunca acho e como não tem outro jeito, tenho que usar o que tem e aguentar a alergia que vai e vem. A gente tem que ficar é bonita e dane-se se incomoda, machuca.
Aqueles com alça de silicone são horríveis. Bojo piorou, aquele ferro te apertando toda. Aqueles com porcaria de renda que me dão mais alergia ainda, coça muito não dá para aguentar, esse não passo nem perto.
Não uso calcinha, pelo mesmo problema, eu nunca uso saia, então, não precisa.
Gostei da ideia de comprar cueca, parece mil vezes mais confortável.

Odara disse...

E é ! Testa que você vai adorar!
Tem umas legais sem costura de um tecido meio algodãozinho (deve ser um pouco sintético também, essa sem costura que veste justinha, mas nem se compara com a lycra plastificada das calcinhas).

Odara disse...

Agora eu fiquei pensando. ...e a função?
Tipo: calcinha e cueca tem um lance de proteger as "partes íntimas" da costura da roupa e até de zíper e tal....além de proteger as roupas de odores ou secreções orificiais, digamos assim (a calcinha ou cueca vai pra lavar logo mas uma calça pode ser usada mais de um dia ).
Mas e o sutiã? É pra que mesmo?
Pra cobrir a marca dos mamilos na roupa? Homem vive com mamilo farol por aí e tudo beleza!
Pra sustentar os seios? E quem disse que eles tem que ficar pra cima? As índias não tem problemas de saúde por não usar sutiã.
Não estou falando de uma minoria que pode ter algum problema de coluna por seios muito grandes mas a esmagadora maioria das mulheres nem precisaria usar sutiã!
Não fosse essa sociedade que nos empurra bojo rendado com ferros no suporte para a noite de aventuras afrodisíaca dos sonhos.....

Anônimo disse...

Bom, acho que sou minoria aqui na caixa de comentários porque eu AMO comprar lingerie.
Eu uso fio-dental todos os dias, principalmente por não marcar na calça - pessoalmente, acho horrível aquele V que fica no bumbum e aparece até mesmo quando se usa jeans. Também tenho seios pequenos, e, por isso, todos os meus sutiãs tem bojo e enchimento, para fazer aquela "curvinha" na silhueta.

Nunca parei realmente para refletir se eu gosto realmente ou se me acostumei, mas a verdade é que eu adoro comprar lingerie e escolher qual eu vou usar depois do banho. Me sinto poderosa, dona de mim mesma.. é difícil explicar o que eu sinto sem parecer uma besteira gigante, mas é mais ou menos isso...

Odara disse...

Só pra constar, eu não consigo sair sem sutiã. ..:(

Anônimo disse...

20:49, você pode até gostar mas eu tenho é vergonha e nojo de usar coisas desse tipo, me sinto um objeto sexual. O que me faz sentir poderosa é tirar notas boas nas provas. Isso sim é resultado da minha capacidade.

Kittsu disse...

Tem uma loja que eu conheço, dentro de um shopping, que eu morro um pouquinho toda vez que passo na frente. É no estilo "moulin rouge", pé-direito duplo, com a entrada da loja aberta até o teto mostrando as roupas íntimas até o teto e os clientes que estão escolhendo os produtos.
Eu acho horrivel, intimidador. Sempre tenho a impressão que o povo em volta vai olhar pra mim, olhar pra loja e ficar "ééé, safadinha!" ou ficar imaginando coisas (e é coisa que eu percebo só de bater o olho), rs. Eu gosto de roupa íntima bonitinha, mas o meu conceito de "bonitinha" difere bastante do que eu costumo encontrar, sei lá. Gosto do "bonitinho usável", não desses fios-dentais feitos de filó.

Mas o que me incomoda mesmo são as blusas sociais femininas: Ou tem aquela porra daquele BURACÃO DO DIABO entre os botões sobre o busto ou a porra das mangas não permitem que você levante o braço (já vi casaco fazendo isso) e aí até pra dirigir é um inferno, o braço não vai. E os sapatos SEMPRE FICAM COMIDOS NO CALCANHAR. Que desgraça, é tão fácil achar sapatos masculinos que tenham uma proteçãozinha nesse ponto que fica em contato com o carpete do carro. "roupa que dificulta dirigir um carro" é uma reclamação altamente burguesa, mas os homens não precisam pensar que estariam sendo esnobes se reclamassem disso simplesmente porquê os fabricantes já pensaram isso de antemão e eles nem chegam a ter contato com essa possibilidade. A Roupa feminina não é feita para que elas dirijam, para que se equilibrem em um ônibus, às vezem nem para que peguem algo do chão - e aí você precisa escolher entre a roupa mais bonita ou a roupa mais prática. É fogo.
No geral eu não perco muito tempo me desgastando com isso, apenas faço escolhas baseadas nesse meu senso de equilibrio entre esses requisitos. Mas é fogo.

Laura Borba disse...

Anônimo das 17:50
Não. Não é não.
Na verdade é atacar o nazismo falando dos alemães
traçando um paralelo
machismo: nazismo
machistas/misóginos: nazistas
homens: alemães

Já fui muito mais próxima do movimento feminista, esse tipo de coisa que me desanima.

Não deveria haver espaço no mundo para feminismo preconceituoso, sinceramente. O movimento busca igualdade e não uma espécie de 'vingança' ou exclusão.
Nos (feministas) temos a razão. Vocês (rads e cia) não nos façam perde-la.

Anônimo disse...

E ainda há quem diga que moda é "uma forma de expressão"... Só se for expressão do patriarcado!
Eu uso calcinha no dia a dia porque acho prático e higiênico. Mas à noite, durmo sem nada desde que um ginecologista me deu o conselho. Foi uma benção! É conforto e saúde!

Raven Deschain disse...

Tem uma loja virtual que vende os sutiãs desse jeito que o Rafael falou. Vou dar uma procurada aqui e já falo.


Só que: é cara.

Pra cachorro.

Raven Deschain disse...

Aqui gente:

Dama de Seda, na Flaminga.


http://juromano.com/moda/lingerie-plus-size-sexy-e-confortaveis-na-dama-de-seda

S. disse...

Vou procurar as cuecas, as costuras das calcinhas machucam para cacete.


Nunca entendi isso de que é higiênico usar calcinha, como se o mal cheiro que fica do dia a dia não passasse para roupa, só por causa da calcinha kkkkkk A gente pode tomar banho que não adianta nada, todo mundo tem que fazer necessidades e não vai ficar cheirando a rosas mesmo. Passa sim, se não nem precisava lavar calça, short... Se fosse assim nem precisava usar absorvente que a calcinha ia conter o sangue.

21:03

O que você disse também não fez sentido, se não usar de dia é falta de higiene mas de noite não.

Ana A disse...

Laura Borba,
Se você é tão empática com os homens, por que não procura fazer ter o mesmo tipo de atitude com as mulheres? Eu não sou radfem, não concordo com muitas das práticas e atitudes delas, mas são feministas, são mulheres que sofrem e lutam igualzinho a mim e a tantas outras, talvez mais "corretas" ou " gentis" ou "educadas".
O feminismo é plural, é tão difícil aceitar as diferenças?

Anônimo disse...

S, a diferença é simples. De dia, se você usa jeans, ou calça, ou mesmo saia (mas daí é um pouco menos), a região genital fica abafada e a umidade natural impregna na calcinha e, para quem tem um pouco mais de umidade, pode impregnar até no jeans ou na calça. Durante a noite, se você deixa a região respirar, isso não acontece, mesmo que você durma de pijama (o que não é o meu caso). Então, a calcinha você é obrigada a lavar todos os dias (obrigada não é, mas se quiser ter saúde, é o recomendado) Quanto ao jeans que você usou, se estiver sem calcinha, acontecerá a mesma coisa. Por isso acho mais prático a calcinha de dia e a liberdade à noite. :)

Anônimo disse...

O dia que o papo calcinha tomou conta dessa caixa de comentários

Anônimo disse...

Ooooiiiiii .... Gentemmmm .....

Por favor neah. ...sem stress ...
A moda para os consumidores é aquela q vc tá afim de usar e pronto ... Se vc sente a Hta. hot numa underwear de algodão boy short ...tá valendo ! Se vc sente diva numa fio dental te tá valendo !!!
Somente quem trabalha no mercado da moda (modelos ...etc ... Essas sim estão numa fria ... Pois é uma batalha insana viver sem comer direito pra encaixar num padrão bestial desumano de esqueléticas ... Essas mulheres devem ser resgatadas desse mundo cruel ... Deve-se mais que urgente ajudá-las a quebrem as regras disso ... Aliás ... Q, disse que ser esquelética é sinônimo de sex appeal ... ...? Ooiiiiii neah !? O poder sexy vem de dentro e não o q tu vestes !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Inventaram q ser esqueleta é bonito ... Deve ser pra gastar metragem a menor ... Uma pessoa normal gastaria 4 metros de pano num vestido ... Uma esqueleta (as pobres coitadas das senhoritas modelos) gastaria 2 metros .... Ooolha o capitalismo Savage !!!!!!

Taty disse...

Qual o problema de usar uma lingerie mais sexy,ser mais sexy? se sentir poderosa.
Eu gosto e primo pelo conforto mas quando vou no motel ou em alguma noite mais especial eu adoro usar minhas lingeries.
Não vejo nenhum problema nisso VC se arrumar pra ter uma noite de amor com seu marido.

Anônimo disse...

Taty,existe uma comercialização exagerada de lingeries desconfortáveis e que até deformam o corpo mulher, com o objetivo de nos deixar visualmente atraentes. Só que todo o mundo que eu conheço passa mais tempo trabalhando/estudando/dirigindo/pegando ônibus do que tendo noite de amor com sei lá quem. Logo, o conforto e o bem-estar da mulher deveria ser prioridade.

Dan

Anônimo disse...

* o corpo da mulher

Layana disse...

Se existisse em igual proporção lingiere fru fru e das boas, como a mulher demonstra querer, não haveria problema esse "aim, quero ficar poderosa". Mas se só tem isso, é problema sim.
Tanto é que algumas marcas começam aí timidamente a fazer essa roupa intima que queremos: De algodão, bonita e sem infantilidade. E aí né, cobram caro, afinal não tem muita oferta, quem encontra acaba levando.

Jac disse...

Parabéns pelo ótimo post. Esse livro (Backlash) é excelente e sempre rende ótimas citações =)

Anônimo disse...

Eu gosto de usar sutiã, mas não é sempre. E também não é qualquer sutiã.

Maria

Anônimo disse...

Tirando a lingerie da jogada, as mulheres se vestem para agradar sim. E infelizmente para agradar homens E MULHERES. Afinal, nada como ter uma semelhante te julgando dentro ou fora dos padrões (modo ironia no)

Anônimo disse...

Nunca reparei em sutiã de pijama com bojo, mas acharia esquisito igual você. Como a criatura consegue dormir?

Maria

Anônimo disse...

Eu gosto de usar sutiã, tenho seios grandes, e quando não uso, me sinto praticamente nua, parece que já faz parte de mim, também durmo com ele.
Seios infelizmente é tão sexualizado, que se eu não uso e fica aparecendo nas blusas não consigo ficar confortável.
Fora que por ser grandes, quando se abaixa, parece que não tem nada segurando e que tá caindo, ô desvantagem ter seios grandes... Queria muito ter pequenos, daí talvez nem ia precisar, ou usar uns bem levinhos, sem ter bojo.
Uso com bojo porque parece que põe no lugar, mas sem enchimento, detesto.

S. disse...

Entendi, mas eu não uso a mesma calça todo dia e calcinha não dá mesmo, já basta a alergia do sutiã, vou comprar cueca kkkk

Taty

Eu vejo problema, não temos escolha e também por que só a mulher tem que ficar poderosa para
transar? Não existe nada do tipo para homem . Quem é que tem que fazer strip para seduzir? Só mulher tem que dá um jeito de seduzir o homem e apimentar a relação, só vejo matéria sobre isso. Só mulher tem q se fuder em prol dos homens.

Anônimo disse...

eu uso os uso sutiã da lupo sem bojo e sem nada, que vem num saquinho plastico e adoro! é meio pequeno, mas pra mulheres com tórax mais estreito e sem muito seio ele é muito bom. eu uso e deixo meus "mamilos polêmicos" a mostra mesmo, independente do local, inclusive usava no meu último emprego em que o uniforme era camiseta branca lisa. quando alguém comentava algo eu balançava o (pouco) peito que tenho. clientes nunca me falaram nada sobre isso. desisti do bojo e da armação, não preciso disso pra sustentar nada... mas pra quem sofre com os tamanhos e modelos que vem prontos tem lojas que fazem sob medida, aqui em porto alegre tem a Janaína Crescente (acho que é isso) e esses dias vi uma loja online com a mesma proposta. Só achei assim... Caro demais. E calcinha... Só compro de algodão e se for de bichinho, rosinha, com bolinha, o diabo q for, compro igual. Tem que ser de algodão e ponto, me recuso a usar sintéticas, é pedir uma vaginite (no meu caso). Sobre essa história do blacklash na moda tá aparecendo na televisão uma propaganda no mínimo interessante de uma série de livros da folha sobre o assunto.

queen b

Rê Bordosa disse...

Só mais uma observação da moda que temos hoje:
Depois de um certo número de sutiã você não encontra mais lingerie sexy, com renda e colorida... É tudo mega reforçado e apertado (pra disfarçar o peito e deixar mais magra) e só tem nas cores branca, preta e nude... O que há? Será que eles acham que a partir de certa numeração as mulheres ficam daltônicas e alérgicas a renda ou esse povo acha que gordinha não tem vida sexual?!

Eu não odeio de morte as lingeries sexys/vitorianas, pelo contrário, eu curto e até peno um pouquinho para encontrar do meu tamanho. Só acho que tem que ser uma escolha voluntária, não uma imposição... E tb não tem porque estimular a paranoia de estar sempre sexy e nunca confortável.
Eu não taco pedra em quem tem fetiche por lingerie, ou quer usá-la pra sedução, tipo " sua alienada, erotizadora da própria opressão, mimimi"... Assim como não deixaria de transar com uma mulher só porque ela ta de calcinhão e sutiã de vovó, tampouco criticaria. Acharia sexy? A princípio não, mas guardaria minha opinião pra mim e tentaria me concentrar nos pontos positivos: segurança e atitude de vestir qualquer coisa e não estar nem aí.
Eu pessoalmente não usaria uma lingerie desconfortável 24 horas por dia, como uma obrigação... Quando to em casa nem calcinha eu uso pq gosto de ficar confortável. Mas vez ou outra visto uma lingerie rendada pra agradar o maridão ou uma namorada, porque não? É divertido.

Rafael, Raven, Anônimo 19:34, algumas lojas no Brasil já estão trabalhando com esse esquema de tamanhos diferentes de bojo/costas/alça, a Loungerie por exemplo. Pena que o preço não é uma maravilha... :(

Com muito esforço dá pra achar lingerie bonita, acessível, confortável e no tamanho certo, garimpando na scala, trifil, lupo, liz... E tem as costureiras e pequenas confecções que ajustam ou fazem por encomenda.
E a dica da Odara sobre a cueca é legal, são mega confortáveis, rsrsrs.
E é algo bem pessoal, mas eu acho sexy mulher de cueca, Shane (the L word) que o diga, rsrs.

Anônimo disse...

Sou só eu acho tangas mais confortáveis?(mas daquelas que tem pano, e são um pouco mais larguinhas atrás,e na frente é menor, o que eu acho que faz sentido) Dá pra regular do lado, não são grandonas a ponto de aparecer na calça, nem pequenas de ficarem enfiadas desconfortavelmente. Não vejo mal em estampa de florzinha, ursinho, um top discreto ali.. Mas tem a ver com gosto. Eu gosto da beleza também, e do conforto... Minhas lingeries de namorar e usar no dia-a-dia são as mesmas. Me sentiria mal de fio dental, e nem acho que fica bonito na bunda... E calcinhas grandes, não sei se tive azar, mas sinto que fica restringindo a cintura e deformando o corpo( tipo calça jeans de cintura baixa, que não uso mais), as tangas por terem só um elástico ou fio do lado, e são de regular, deixo bem solta, e ainda posso mudar o dia que to mais inchada.

Anônimo disse...

"Mas o que me incomoda mesmo são as blusas sociais femininas: Ou tem aquela porra daquele BURACÃO DO DIABO entre os botões sobre o busto ou a porra das mangas não permitem que você levante o braço"

Deve ser para que a mulher não levante o braço para questionar nada.Pura teoria minha.

Anônimo disse...

Odara

Você perguntou da função do sutiã. Falando exclusivamente por mim: Eu tenho seios pequenos e me incomoda quando eu tenho que fazer atividades "mais físicas" se eles não tem sustentação. Na academia mesmo seria um martírio. E já tentei aqueles tops, pra mim não funcionou - eles só sustentam se forem extremamente apertados, tipo espartilho (o que obviamente na academia não rola), então eu uso sutiã mesmo.
Fico imaginando quem tem seios realmente grandes!!!

Alguém comentou sobre a marca da calcinha nas calças. Também D-E-T-E-S-T-O!!! Odeio de morte!! Por isso não tem uma única calcinha na minha gaveta com costura. Fio dental eu até uso com alguns tipos de roupa uma vez na vida outra na morte, mas a regra é a mesma - nada de costura.
Se tivesse que usar um com elástico, renda, fru-fru seria ridículo por que eu passaria o tempo todo arrastando a bunda no chão igual a cachorro com verminose... rs... =P


Jane Doe

Anônimo disse...

Coitados dos homens que têm que aguentar mulheres que vestem apenas calcinhas que parecem coador de café! Eu tenho minhas calcinhas feias separadas para os dias da menstruação porque sei que não vai rolar nada mesmo... Mas meu marido e e eu merecemos uma lingerie La Perla maravilhosa, que é de seda, com renda e não marca a pele. Super confortável! Um luxo!

Mulheres que se vestem como homens muitas vezes não sabem disso, até o dia que a ficha cai! Nada como um vestido bem cortado.

Ai, como é bom ser feminina e amada.

Anônimo disse...

''Mas meu marido e eu merecemos uma lingerie...'' Acho tão estranho essa frase, parece que o cara usa também, ou tem alguma relevância pra merecer calcinha com elástico, seda, sei lá...

Anônimo disse...

No Brasil nao existe nenhum padrao para a numeracao de roupas. O Inmetro tem que ir ver isso aí porque tá muito ruim. Tenho duas saias de modelo parecido da mesma loja e da mesma colecao. A P tá grandinha e a M tá meio apertada na cintura... vai entender?!
Nem comprar roupa de crianca sem experimentar é possível no Brasil. Moro na Alemanha e aqui as roupas infantis sao pela altura, ou seja, uma roupinha 86 veste uma crianca com 86 cm de altura de estrutura física média. Existe uma variacao entre as confeccoes, mas é pouca. Já no Brasil é body M (?), camiseta de 5 anos (??).
Também sofro para achar calcinha de algodao que eu goste, sutia de algodao entao, é impossível. Pena das alérgicas. Eu peguei amor num modelo de sutia da Hope (que eu devia boicotar pela propaganda) e comprei em algumas cores sem nem olhar o preco. Agora tô criando coragem para botar fora meus outros sutias pré maternidade (quando botava qualquer coisa e tava lindo). Dormir sem calcinha é vida, pratico a anos e foi quando parei de ter cândida toda a hora.

Anônimo disse...

Claro que moda é expressão. Mas tem muita imposição sim! Por exemplo; na França casaco de frio para mulheres tem que escolher: ou é quente, ou é elegante. Para os homens, fazem casacos elegantes, mas que por dentro tem plumas ou coisa do tipo... agora, deve ter uns dois anos que começaram a fazer para mulheres também.

Sapato de salto: saporra! Como assim eles colocam uma almofadinha no calcanhar?? Toda mulher sabe que se o sapato é de salto, e na frete que doi. Porque não comlocam essa merda de almofadinha na frente? Tem tnta coisa simples que poderia ser feita.

Agora, gente. Peloamordedeus, não to entendendo tanta historia por causa de calcinha. Nisso acho que a gente tem vantagem,pq calcinha tem de tudo quanto é modelo, tudo memso. Tem até umas que parecem cueca. Sei la,isso ficou meio com cara de "vamos reclamar e pronto". Tem tanga, fio dental, shortinho, cueca, renda, algodão...

E sobre sutiã, isso depende da gente (salvo as meninas de peitão, pq ai dependem da boa votade dos fabricantes de encontrar coisa confortavel) Eu compro sutiãs não-sexis e confortaveis. Até durmo com as vezes. E as vezes da a louca e saio sem sutiã. Vão fazer o que, me prender? Ai claro que vao falar: "sim, mas vivemos em sociedade, são as regras do jogo e tals... " mas somos nós a sociedade. E se a gente não mandar nem no sutiã que a gente veste (ou não veste) vamos mandar no que? -

yara





Anônimo disse...

Aprendi a costurar só para fazer minhas próprias roupas e não ficar escrava de modas e padrões. Já até ganhei um dinheirinho com isso, costurando para as amigas, mas parei e ficar só no automodismo mesmo. Recomendo a toooooooooooooooodo mundo comprar uma Singer, fazer uns cursos e mandar essa gente misógina que faz moda para cabides tomar lá no lugarzinho que eles gostam de verdade.

Anônimo disse...

E calcinha, soutien, tudo isso dá pra fazer. Nunca mais tive problema com isso depois que aprendi a costurar. Não tem mistério gente.

Raven Deschain disse...

Não Yara.

Que tem um montão de modelos a gente sabe. O problema, pra mim pelo menos, é que tenho bunda grande e quadril largo. As vezes, mesmo a G não me serve. Fio dental, eu gosto. Já usei muito. Mas hj em dia não acho algum que não me marque na cintura. De vestido fica feio pra caramba. Hahaha me prendo a essas convenções, desculpem. Então uso aqueles shortinhos de renda. Ficam bons. Mas coça como o capiroto.

Entende? A gente acha, mas nenhum que fique confortável.

Cueca é uma maravilha mesmo. Tb uso.

B. disse...

Bom, aí em cima falaram em peitão: bom, eu tenho peito grande.

A grande verdade: É UMA BOOOOOOOSTA, UMA MERDA.

Difícil achar sutiã confortável, ou é de vovó ou aqueles bem de cabaré, ultra rendados. Qualquer gola V que eu ponho fica um megadecote e sabemos que sair assim na rua tem homens nojentos que já perguntam "quanto é o programa". Ter peito grande é uma bosta, o destaque são os peitos, tudo é o peito. Sair sem sutiã na rua? Nem pensar!
Blusinha bonitinha? Nããoi, nada disso, a blusa vai emperrar nos peitos e tu fica que nem uma baleia sufocada.

Uma vez a Lola disse que a famosa história das "feministas queimadoras de sutiã" era mito, mas que por ela ela queimaria. Eu estou com a Lola, queimaria sutiã com vontade.

Anônimo disse...

Ufa!!!! Falou tudo que penso também...
Adoro comprar lingerie, usar bojo e fio dental e não acho que isso signifique que virei objeto sexual
Pela liberdade de usar fio dental de renda ou calcinha bege grandona!!! Afinal cada mulher é dona do próprio corpo para decidir o que gosta e a deixa mais confortável

Anônimo disse...

eita porra, mulher deve sofrer muito mesmo. Você querem diminuir o machismo como, se até o fato de existir já é desconfortável/díficil para vocês?

Eu leio vocês e penso: uma pessoa tão sofredora deve ser muito inferior mesmo. Até usar calcinha faz sofrer. Imagine mijar sentada, fazer fila em balada, andar de salto, ter medo de sair na rua por causa estupro, se depilar, usar sutiã...

Se vocês aceitam tudo isso, ou é porque são muito burras, ou muito submissas. Em todo caso, só prova inferioridade intelctual.

Anônimo disse...

Aff agora absolutamente tudo é machismo. Vcs estão exagerando a dose.

Até comprar uma calcinha virou machismo.


E é o que então quando a mulher compra as cuecas e roupas do companheiro, por gostar de tal modelo?

Ai aqui é tudo muito chato viw!!!

Raven Deschain disse...

Que difícil que deve ser a vida de vocês, que não sabem interpretar. O texto fala de qualquer tipo de vestimenta, feita por homens, pra limitar mulheres ou torná-las objetos de decoração ou sexualizá-las.

Só porque os comentários falam de calcinha (porque é nossa vivência, eu pessoalmente não uso Dior o Chanel), não significa que o post seja sem importância. Releiam até entenderem.

Marcia disse...

B.
Eu tenho peitão, uso 48 ou 50 de bojo, mas as costas é tamanho 46 (sim, eu ajusto todos os meus sutiãs). Ultimamente tenho usado top para fazer ginástica, sabe? Não tem aro, são reforçados (algo importante quando se anda muito a pé ou corre, gente, peito grande dá dor nas costas...), não pago um rim por cada e dá para usar com tudo, não fico com o bico do peito aparecendo nem com as blusas mais justas (eu não ligo, mas sou professora... e minha gente, se eu tiver que lutar todos os dias contra o machismo dos alunos que insistem em ver os bicos dos meus seios como pornográficos, vou deixar de dar outros conteúdos ainda mais importantes nas aulas).

Esse livro da Faludi é ótimo, faz tempo que o li, preciso dar mais uma olhada.

Anônimo disse...

Eu tenho ódio mortal a sutiãs, mas n consigo sair de casa sem e tb n consigo ficar sem sutiã na frente de outros homens que n sejam meu pai, marido e sogro :(.
Eu n uso em casa, se pudesse queimaria todos os meus.

Rê Bordosa disse...

B e anônimo 10:55,

Sei bem o que é isso. Escolher lingerie ficou muito, muuuuuuuito mais fácil depois da mamoplastia redutora. Sei que vai ter gente que vai ficar naquele papo do post "carne dilacerada" de "ain, mas cirurgia plástica é uma auto-mutilação, mimimi"... Mas eu to suuuuuuper feliz com a escolha que fiz. Pós cirúrgico tranquilíssimo, não dói 1/100 do que o povo acha (pq blog feminista geralmente trata cirurgia plástica como tortura medieval)... Ah! E sabe o que não dói mais? Minhas costas! Peito grande detona a coluna.
O único inconveniente é o preço... Por isso demorei tanto tempo pra fazer. Mas quem tiver vontade e oportunidade e só estiver com medo de dor/pós cirúrgico, tenha medo não! Escolha um bom cirurgião e vá na fé!

Anônimo disse...

Dinny Carabina (Raven) mudou seu perfil no face.

Anônimo disse...

bem antes dos 30 anos eu aboli o salto alto...
alias, usei isso por um curto período da minha vida.
Nao me fazia confortável e percebi que deixava de aproveitar balada por conta de dor no pé.
Desisti ! Me sinto muito feliz dançando sem salto !!!

Quanto às roupas, to nem aí pra moda, as vezes ganho alguma coisa da moda e , se eu gosto da roupa, continuo usando por anos e anos, mesmo tendo ficado fora de moda.

A moda nao é nada pra mim

marina souza disse...

Bom... não sei se é digamos sorte, mas nunca precisei dessas coisas para ter atenção. Aliá, meu ex sempre foi prático - sempre destacando que "me queria sem nada" e que já era trabalho demais a gente tirar as roupas um do outro rsrsrs! Acho que quando duas pessoas se gostam e se desejam mesmo, esse tipo de coisa é totalmente descartável. E destesto essas rendas! Ficam pinicando e fazendo minha pele coçar! Horrível!

Rê Bordosa disse...

Marina,

Acho que precisar, precisar mesmo, ninguém precisa... Pra rolar sexo só tem que rolar vontade, atração, química de ambos. É um dos nossos instintos mais básicos.
Mas acho que quase ninguém nos dias de hoje leva uma filosofia de vida a la Diógenes...
Nós não vivemos num barril... Tomamos água com copos e não fazendo concha com com a mão... Até as pessoas mais desapegadas à moda tem mais pares de sapato e mudas de roupa do que realmente precisam. Mesmo as pessoas mais pobres sempre tem algum objeto supérfluo, de valor sentimental... Então para que esse purismo com relação ao sexo?
É questão de gosto, mas eu acho que lingerie, bem como brinquedos adultos podem ser divertidíssimos, desde que não se crie uma relação de obrigatoriedade e dependência com eles.

marina souza disse...

Concordo Rê. Aliás se vira obrigação, já deixa logo de ser divertido (e prazeroso). E não é por "falta de criacriatividade" como já li e ouvi, mas assim, acho muito estranho alguém só ver "graça" em vc desse jeito. Parece uma espécie de máscara para não encencarar a realidade.

marina souza disse...

Concordo Rê. Aliás se vira obrigação, já deixa logo de ser divertido (e prazeroso). E não é por "falta de criacriatividade" como já li e ouvi, mas assim, acho muito estranho alguém só ver "graça" em vc desse jeito. Parece uma espécie de máscara para não encencarar a realidade.

Rê Bordosa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rê Bordosa disse...

Exato, Marina!

A vida fica muito mais leve e funciona melhor quando se busca o equilíbrio.
Acho super positivo quando posts que nem estes nos questionam "porque fazemos essas escolhas e não aquelas? Porque vestimos assim? Porque gostamos disso e não daquilo?" e acho que nos leva a reflexões interessantes.
Entre a obrigatoriedade e a abolição da lingerie sexy há um ponto de equilíbrio.
É péssimo quando são os outros que ditam as normas e não a gente, tipo:
-Quando é necessário estar sexy 24 horas por dia e você não se sente muito mulher quando não está usando lingerie sexy... Mesmo que essa lingerie fique por baixo da roupa social e ninguém no trabalho vá ver. Você se sente uma droga com calcinha/sutiã de algodão, daí fica se matando no fio dental e rendas e espartilho, como se sua dignidade dependesse disso.
-Quando você tem que ficar arrumada e linda o dia todo, mesmo quando chega em casa cansada e tudo que quer é andar descalça com um vestido folgado sem calcinha... Mas pode? Não, né? O maridão vai achar que vc embarangou e vai arrumar outra (mesmo ele estando de pijamas pela casa).
-Quando você procura lingerie tamanho P normal e só acha com enchimento, como se fosse um pecado ter peito pequeno.
-Quando você procura lingerie M confortável e só acha rendas e frufrus sexys.
-Quando vc procura langerie G sexy, mas só encontra nude/preto/branco, porque alguém decidiu que gordinha não pode ser sexy.
-Quando recebe critica tosca dx parceirx ou nota mudança de desempenho negativa por conta da roupa e sente que sua sexualidade depende disso.
Por outro lado, quando não é uma obrigação, mas um extra, pode ser divertidíssimo:
-Sair com as amigas pra comprar lingerie e aproveitar pra colocar o papo em dia.
-Se jogar naquele mundo de babados, rendas e outras coisas lindas e lúdicas.
-Curtir a cara de bobx dx parceirx quando vc surpreende com uma lingerie sexy.
-Comprar roupa íntima prx parceirx e dizer "experimenta aí, desfila pra mim, rsrs" e já engatar um momento mais quente... (homens tb ficam sexys com pouca roupa, pq não?)

E é assim com tudo mais: maquiagem, depilação, etc.
E pode colocar nessa análise também aquela questão "o próprio prazer x o prazer do outro".
Não há nada de errado em querer dar prazer ao outro, em querer agradar x parceirx... Pelo contrário, as pessoas estariam mais felizes se todxs tivessem esse cuidado.
A coisa só se complica quando colocamos o prazer do outro acima do próprio prazer... Ou quando atribuímos à mulher a obrigação de fornecer prazer.
Alguns questionamentos a se fazer:
-Porque quem se esforça pra "apimentar a relação" é geralmente a mulher e não o homem? A prova disso é que a maior clientela de sexshop é mulher. E em véspera de dia dos namorados, quem você vê lotando as lojas de "produtos para banho" comprando cheirinhos e produtos pra jogar na banheira do motel? Mulher!
-Porque nas revistas femininas há uns 100 artigos abarrotados de páginas de como "conquistar aquele homem na cama" para cada 1 artigo muito tímido sobre masturbação feminina?
-Os homens adoooooram ver mulher de cinta liga, espartilho, meias 7/8... Agora experimente inverter a situação e dizer a um homem "amor, você ia ficar muito sexy com essas meias 7/8 e esse salto agulha. É minha fantasia, manda ver!"... A esmagadora maioria, até os que se acham moderninhos e de mente aberta vão pular longe e ficar mimimimimi. Ele vai dizer "ah, mas eu não sou mulher. Vc ta querendo me humilhar?" ao passo que vc vai responder "e ser mulher é humilhante?" e vocês vão começar uma DR fodida!!! Vão sim, eu passei por isso, huahahahaha.

Não estamos lutando por um mundo sem lingerie sexy e nem por uma vida sexual monótona, pelo contrário! Queremos que os homens também saiam de suas zonas de conforto!

Anônimo disse...

Taty você gosta de ser uma puta na cama? Já pensou em ser atriz porno? Já pensou em ficar com mascus? Eles pensam igual a você e adoram sair com prostitutas (as unicas mulheres que conseguem).

Anônimo disse...

Eu adoro bojo, só que prefiro tops em vez de sutiãs então uso tops com bojo. Enquanto calcinhas eu prefiro as básicas de algodão mesmo sem frufrus, rendas e não gosto de fio dental tbm. Eu não tenho nada contra a Victoria's Secrets, só acho que os produtos que vem ao Brasil são os piores da marca. Enquanto dizer que a moda é ser "esquelética", isso é mais no mundo fashion e entre alguns aristocratas europeus. No dia a dia, a maioria dos homens comuns principalmente os brasileiros/latinos em geral, preferem "corpão violão" estilo mulher-fruta/panicat com peitões, bundão e coxa grossa.

fernanda melo disse...

Kkkkkkkkk.

fernanda melo disse...

Eu tambem tenho essa impressao. Recentemente tive uma briga no face com um conhecido gay por que ele chamou as mulheres de mal comidas. E essa coisa do salao é fato

Anônimo disse...

As coisas não são bem assim. A industria da moda foi muito importante para o feminismo e deveria ser mais reconhecida por isso, por exemplo, quando criou a mini-saia e o tailleur. Acontece q em momentos de retração econômica, a moda e a indústria da moda se manifestam criando modelos apropriados, como na década de 20 e durante a segunda guerra, porém nem toda mulher (e eu me incluo muito bem nessa categoria) consegue abdicar de sua vaidade. Dior entendeu muito bem as mulheres reagindo a isso. O q os homens pensam sobre o assunto entra nesse jogo, mas não comanda o jogo.
Entendo q movimentos esquerdistas sejam contra a índole capitalista da indústria da moda, mas não tem por q ver machismo nisso. Muito pelo contrário. A moda foi amplamente desenvolvida para as mulheres, dando possibilidade a todas de se expressarem de forma confortável, de mostrarem seus corpos como acharem melhor, assumindo uma aparência mais feminina ou mais andrógina. Basta notar o quanto há de possibilidades dentro do guarda-roupa feminino (saia curta, longa, midi, godê, evasê; calça justa, pantalona; sapatos baixo ou altos) e comparar com o guarda-roupa masculino, muito menos diversificado.