quarta-feira, 20 de maio de 2015

"POR QUE AINDA TORÇO O NARIZ PRO FEMINISMO"

A T. enviou um email (longo, que eu tive que reduzir) dizendo que "tá na hora de falarmos porque ainda torcemos o nariz pro feminismo". A minha resposta (embaixo) eu escrevi faz um tempinho.

Lola, eu tenho algumas críticas ao feminismo, espero que você consiga me esclarecer. Te admiro muito e adoro seus textos!
Sou mulher, hétero, balzaca, não sou casada e não tenho filhos. 
Nunca sonhei com o príncipe encantado, e sempre disse que casaria quando (e se) encontrasse um homem com os valores, visão de mundo, e ideia de relacionamento parecidos com os meus. Bom, nenhum que eu namorei chegou lá. Aprendi e desaprendi com eles. 
Também nunca quis ter um bebê. Quando amadureci percebi como é ruim a sociedade valorizar tanto a mulher por ser mãe. Explico, na bíblia nosso papel é trazer vida ao mundo, e parece que isso perpetuou de uma forma inexplicável, ouço coisas do tipo “mulheres se transformam pra melhor depois de ter filhos”, e sinceramente não acredito que um ser humano podre passe a ser incrível por parir. Também sou julgada de egoísta, e acho que egoísmo é colocar um filho no mundo indiscriminadamente. Um dia talvez eu adote uma criança.
Lola, entendo o sexo livre, mas não curto poligamia, não adianta, não me sinto à vontade, e não é nem repressão. Aí pra ser feminista não posso querer uma relação com um só homem, relação com fidelidade, baseada na igualdade de direitos e deveres, e no amor? 
Não consigo sentir amor por dois caras ao mesmo tempo, e por isso sou julgada como reprimida? Eu gosto de homens, e de um por vez, não vou virar poligâmica nem lésbica.
Ouço muito a teoria que no fundo todo mundo é gay ou bissexual, só não se descobriu. Eu me descobri, descobri meu clitóris, aprendi a me dar prazer sozinha e com o parceiro, descobri o que gosto e o que me atrai, gosto de fazer amor, pois não consigo separar amor de sexo, e adoraria ser respeitada e amada do jeitinho que sou. Enfatizando que aceito perfeitamente a liberdade. Luto por uma sociedade com mais tolerância, amor, gentileza, paz, onde todas as relações sejam baseadas em respeito mútuo, com direitos e deveres iguais.
Aí quando o movimento levanta bandeira de ódio aos homens, a todos, e não aos podres que profetizam o machismo e se pautam na bandeira do patriarcado, me sinto não representada. Desculpa Lola, é que alguns sites ficam retratando o feminismo como uma apologia ao amor livre, e à poligamia. Entendo o total apoio ao amor livre no movimento, e também à homossexualidade. Mas poucos e raros discursos feministas levantam a bandeira da mulher hétero que quer respeito, amor e igualdade, numa relação monogâmica. 
Liberdade não é libertinagem, pelo contrário, requer muita responsabilidade. Creio sinceramente que provocações, ofensas, e frases de ódio piorem o quadro de violência contra a mulher. Respeito é uma via de mão dupla, e se consegue com exemplo e esclarecimento. Muitas pessoas não aderem ao movimento por isso, porque não se sentem representadas quando a coisa descamba pro ódio. É contra a violência, não é?!
O machismo fica onde? Ele só ocorre contra os gays e as mulheres poligâmicas? Só ocorre contra transsexuais e bissexuais e transgêneros? Nem os homens héteros que apoiam o feminismo são bem vistos no movimento. Se não dermos espaço para que eles aprendam e se recuperem, como pretendemos acabar com a violência contra a mulher? Qual o espaço pra recuperar o homem agressor, se não for através de homens mais conscientes? E participar do movimento não seria uma ótima forma de se conscientizarem?
Eu falo muito do feminismo com as minhas amigas, inclusive metade delas é feminista, só que elas não são ativistas porque não se sentem representadas nas marchas, pelo contrário, se sentem discriminadas quando se assumem heterossexuais e monogâmicas.

Minha resposta: T., entendo sua angústia. Já recebi outras mensagens de mulheres que tinham tudo pra ser feministas, que queriam se assumir feministas, que entraram em algum grupo feminista, e não foram bem recebidas. Infelizmente, isso acontece. Feministas são humanas, estamos longe da perfeição, e em todo grupo é frequente algumas pessoas serem excluídas. 
Em todo lugar há panelinhas. Por mais que a gente tenha um interesse em comum -- o feminismo --, claro que a gente vai se identificar mais com algumas pessoas, menos com outras. Estamos falando de grupos feministas, não do feminismo em geral, que é um movimento revolucionário (e não uma turma pra gente fazer amizades, embora não haja nada de errado em querer fazer amizades em grupos de luta). 
Assim como no "mundo real", fora do feminismo, somos cobradas como mulheres pra fazer ou deixar de fazer mil e uma coisas (ser mãe, ser bonita, ser hétero, casar etc), em alguns grupos feministas também há cobranças. Eu pessoalmente acho que não deveria haver. Quero um feminismo inclusivo, em que todo mundo possa se declarar feminista e lutar para mudar o mundo. 
Já recebi vários comentários aqui no blog dizendo que eu não posso ser feminista, ou que sou menos feminista, ou que sou pseudofeminista, ou que sou feminista entre aspas, ou que presto um desserviço ao feminismo (enquanto que, pra reaças e mascus, eu sou a super feminazi radical misândrica por excelência -- sinal de que, se você entrou no feminismo pra agradar alguém, melhor sair rapidinho). As razões, segundo essxs comentaristas, pra eu não ser tão feminista como "deveria ser" incluem ser hétero, ser monogâmica, ser classe média. Uma vez alguém disse até que eu não posso ser feminista porque já usei corretivo pras olheiras!
E aí, o que vou fazer? Vou fechar o blog e dizer adeus pra uma identidade de luta que abracei aos oito anos de idade (algumas pessoas também dizem que não é possível ser feminista quando criança, mas essa é outra história) porque alguém decidiu confiscar minha carteirinha? O bom é que não existe carteirinha. Não existe uma comissão que se reúne pra determinar quem é ou não feminista. O que tem é bastante gente arrogante e sem noção achando que pode tomar essas decisões. 
Sabe, não existe uma competição pra ver quem é mais feminista. Não é que a gente recebe pontos se for uma feminista assim ou assado, e alcançando uma certa pontuação, a gente ganha, sei lá, um sutiã queimado. Então feminista que fica fiscalizando o feminismo alheio não deixa de ser feminista (quem sou eu pra cassar carteirinha que sequer existe?), mas, na minha humilde opinião, está perdendo tempo. Criticar é uma coisa, e todo mundo está sujeito a críticas. Mas colocar numa listinha e perseguir quem discorda de vc é bem diferente. E, lamentavelmente, eu vejo muita feminista de várias correntes fazendo isso.
Agora, uma coisa que os feminismos dificilmente vão fazer é celebrar o que já é celebrado e imposto. Por exemplo, a heterossexualidade e a monogamia. Isso já é o que a sociedade espera da gente, então não faz sentido gritar "Viva a monogamia! Yay, orgulho hétero!". O mesmo com, sei lá, maquiagem. Como o mundo impõe que a gente "se produza" (tem milhares de sites de "stars without makeup" pra provar que maquiagem é uma imposição), não vale a pena pro feminismo saudar uma indústria bilionária. O que não quer dizer que uma mulher que adora maquiagem não possa ser feminista.
As escolhas pessoais que fazemos podem não ser tão pessoais assim (até que ponto realmente temos escolhas? E quem tem? Todxs nós?), e sim, o pessoal é político, mas estamos aqui pra derrubar um sistema (pode chamar de patriarcado). Pra mudar o mundo é preciso mudar as pessoas dentro deste mundo, mas focar pessoas, e não o alvo maior, não é a solução. Individualizar um problema é algo bem burguês. 
Meu conselho é: não torça o nariz pro feminismo. Se algum grupo te desprezou ou destratou, existem outros. E você nem precisa fazer parte de um grupo pra ser feminista. Você pode ser feminista no seu dia a dia, no seu trato com as pessoas, nas suas discussões. Tudo isso é muito válido. 

167 comentários:

Anônimo disse...

Por favor moça, volte ao início do blog por que acho que vc se perdeu em algum ponto.

Becx disse...

Nossa, parei de ler na metade (alguém me avise se melhora no final). Não, não, não sehora. Não pode ser feminista se não conseguir amar mais de uma pessoa ao mesmo tempo. Isso é um pré-requisito importantíssimo pra poder entrar para o club. Alias, você também tem que amar mulheres da mesma forma, pois nós feministas somos todas gays/bis e em relacionamentos poliamores. Ah, Também não nos depilamos...

Jonas Klein disse...

Olá A T e Lola.

Vou responder algumas das suas perguntas:

"Aí pra ser feminista não posso querer uma relação com um só homem, relação com fidelidade, baseada na igualdade de direitos e deveres, e no amor?"

se você curte monogamia na minha visão pode sim.

"Não consigo sentir amor por dois caras ao mesmo tempo, e por isso sou julgada como reprimida?"

Isso não tem nada haver com ser reprimida, e apenas uma condição psicológica sua. E que você já disse que não consegue separar amor de sexo, só que relacionamentos estilo aberto, permitem que você transe com outros pessoa sem amar elas(es), só por diversão mesmo.


A verdade que muita gente torce o nariz pro feminismo, por duas coisas que são um câncer pro movimento.

1 - o envolvimento escancarado com a esquerda, que um fator que só trás prejuízos ao movimento, pois impede o seu crescimento e gera muitos rachas internos.

2 - a ala talibã do movimento, que e aquela que de forma direta ou não exclui homens, pessoas brancos(as), vaidosas etc.

E também tem outro fator que embora não traga maiores problemas, não contribui em nada pro movimento, que o fato de se envolver questões que não são necessariamente das mulheres, e o racismo e a homofobia são dois bons exemplos disso, o feminismo deve se preocupar apenas com os problemas das mulheres, outros grupos vitimas de opressão, tem os seus movimentos específicos para discutirem os seus problemas e procurarem as soluções.

Um abraço

Anônimo disse...

Meu problema com o feminismo são as Radfems (como é a relação entre essas loucas e vocês interseccionais?) E também o ativismo louco que é muito excludente. A causa é justa, mas diversas pessoas que lutam por ela acabam estragando, e lola, você pra mim é um exemplo, tem suas falhas é claro, mas no geral é um exemplo de como ser feminista. Seu blog é o único que eu acompanho há mais de 2 anos já, pois aqui você sabe tratar as coisas com justiça (E as vezes dá espaço demais pra mascu vir comentar merda)

Ass: Hikkomori

Camila D disse...

Esse texto veio bem a calhar. O feminismo agrega muitas pessoas diferentes, mas acredito que o ideal comum entre todas é o empoderamento e a libertação - empoderamento sobre si e libertação dos valores limitantes que nos foram impostos.
Mas parece que em muitos grupos a militância feminista quer padronizar as feministas, como se pretendesse apagar a identidade das pessoas em prol do movimento.
Se é pra voltar as raízes, todo mundo tinha que nascer de novo, pq é impossível não ser influenciado por nada nem ninguém. Mas a questão é questionar a nós mesmxs pra entender até onde somos quem somos pq decidimos, ou porque nos foi imposto/exigido/sugerido.
O machismo que é o opressor. O feminismo precisa ser a via de libertação do pratriarcado, do machismo e da misoginia, ajudar as pessoas a serem melhoes e não tornar-se opressor e excludente com seus próprios seguidores, impondo regras do que é ser ou não feminista ideal.

Anônimo disse...

T, querida...

Você é feminista. Você quer que seamos tratadas da mesma maneria? Acha um absurdo relegarem a mulher ao papel de ser abnegado pois é mãe? Tem horror a gente falando que mulher no volante, perigo constante? Pois você é feminista e pronto.

Eu sou casada, monogamica, amo os homens, tenho um cachorro, 30 anos e quem sabe queira um filho daqui uns 2 anos. Me depilo, e na monha época de solteira, transava com amor e sem amor.

Muita feminista fala que não sou feminista por algumas razões, tipo: acho mulher amchista pior que homem machista, ando na rua até a 6 da madrugada ni centro de são paulo sozinha e não tenho medo ( como pode? TODA Mulher morre de medo de estupro e não sai de casa depois das 22h00!!!!!) e adoro coisa de mulherzinha, tipo maquiagem e cabelo.

E sabe o que? To nem ai. Nas lutas que iguais, luto junto. Nas divergencias, brigo aqui no forum. Mas e dai? Isso não me faz menos feminsita. so quero que todas possamis escolher que rumo dar na nossa vida sem limitações.

Beijo enorme para vc

YAra

donadio disse...

A Rosa Luxemburgo já dizia,

"quem não se movimenta não sente as correntes que o prendem."

Muitas das coisas que a gente encara como "escolhas pessoais" são imposições sociais. Se elas não machucam, é por que a gente não está se movimentando de uma forma em que elas causem incômodo.

Eu não vejo problema nisso. Por exemplo, eu me visto de forma extremamente convencional. Não é uma "escolha pessoal", eu me visto da forma que me é imposta. Se amanhã o mundo mudasse de tal forma que o socialmente esperado de um cidadão heterossexual de meia idade fosse usar saias amarelas com petit-pois cor-de-rosa, eu sofreria durante alguns dias, e depois passaria a usar saias amarelas com petit-pois cor-de-rosa.

Mas é que essa é uma briga que eu não tenho nenhuma vontade de comprar. Não me movimento de forma a que essas correntes específicas me machuquem. Por outro lado, por mais fútil que me pareça, existem pessoas para quem os códigos de vestuário são importantes, e que querem usar roupas não-convencionais. Não preciso, eu acho, fazer o mesmo para entender que é um direito delas, e para defender esse direito. Mesmo enquanto uso calça azul e camiseta cinza, tênis e meia preta.

O que não se deve fazer, eu acho é mentir pra si mesmo que as imposições sociais que a gente sofre são escolhas pessoais, e não imposições, só porque a gente optou por não brigar nessa frente.

Anônimo disse...

Bom, a autora do post precisa estudar mais e acompanhar mais blogs feministas. Está claramente desinformada sobre o movimento. Parece até que é reaça ou ex-reaça, com esse discurso de que não podemos defender os direitos e liberdades das minorias porque se não estamos tentando "impor" coisas aos outros. Sei que ela não disse isso explicitamente, mas se eu tivesse que resumir esse guest post seria isso. Enfim, é muito mimimi escrito sem uma pesquisa antes.

Gle disse...

Jonas, você realmente não sabe "pra que serve" o feminismo. Isso aqui tá tudo errado: "o feminismo deve se preocupar apenas com os problemas das mulheres, outros grupos vitimas de opressão, tem os seus movimentos específicos para discutirem os seus problemas e procurarem as soluções."
O Feminismo é um movimento para combater o machismo, o sexismo e também para desfazer a hierarquização dos sexos. Em suma, o feminismo luta pela igualdade de direito entre homens e mulheres. Entendeu por que englobamos o racismo e a homofobia? Obrigada, de nada.

Quanto a moça do texto, você está vendo apenas alguns dos coletivos feministas... existem muitos, vários. Apesar de "abraçar a mesma causa", são pessoas diferentes, como disse a Lola. Pra ser Feminista não existe fórmula. Pra ser Feminista, basta você conhecer a história do movimento Feminista e lutar pela igualdade de direitos. Na Constituição, homens e mulheres já são "iguais", mas na prática, não. É por isso que estamos aqui. É por isso que lutamos, vivemos e aprendemos dia-a-dia.

E é por isso que a Lola tem esse blog maravilhoso, pra que pessoas como esta tirem suas dúvidas e não fujam do feminismo por conta de uma má impressão inicial.

Anônimo disse...

Por incrível que pareça dessa vez preciso concordar com o Jonas, comentário super lúcido sobre os "cânceres" do feminismo atual.

Anônimo disse...

" Em suma, o feminismo luta pela igualdade de direito entre homens e mulheres. Entendeu por que englobamos o racismo e a homofobia? Obrigada, de nada."

Olha sou feminista e sinceramente não entendi não. O que uma coisa tem a ver com a outra?

Daniel disse...

Eu concordo com quase todas as bandeiras feministas, como legalização do aborto, liberdade sexual, etc. Mas discordo de algumas como cotas para mulheres e a criminalização da prostituição(eu sei que são poucas feministas que defendem isto)
-
Só que não me intitulo feminista,p ois primeiramente, sou homem. Segundo, sou homossexual. Me "mascarava" de hétero no passado, só por causa de pressão social. Eu prefiro não sair dando pitaco no movimento dos outros, sem ser chamado.

Zero disse...

acho que tem a ver com o post.

li agora pouco uma daquelas pesquisas que tomam como verdade global, mas:

diz que 12% das mulheres podem ou são alérgicas a sêmen.

e não abdicar de sexo põe a vida em risco.

como vocês, mulheres (feministas ou não) pensam sobre isso?

Gle disse...

Anônimo 13:06:

Racismo e Homofobia são formas de Discriminação, correto? Pois bem, discriminação significa distinguir ou diferenciar.
"O Feminismo luta pela igualdade de direito entre homens e mulheres.", ou seja, não aceita discriminação.

Ficou claro agora?

@vbfri disse...

" Em suma, o feminismo luta pela igualdade de direito entre homens e mulheres. Entendeu por que englobamos o racismo e a homofobia? Obrigada, de nada."

Olha sou feminista e sinceramente não entendi não. O que uma coisa tem a ver com a outra?
---

Bem, eu vou falar por mim.

Quando a gente começa a ver a injustiça que existe entre homens e mulheres, a tendência é que a gente comece a ver além do nosso umbigo. E começa a perceber as diferenças que existem entre:
- homens e mulheres
- brancxs e negrxs
- heteros e LGBT

Daí a gente começa a lutar pela igualdade de todo mundo. Porque a gente vê que tem muita coisa errada e que precisa ser mudada.

E tem uma frase (esqueci o autor) que diz que os direitos só são conquistados por aqueles que fazem as suas vozes serem ouvidas.

É por aí mesmo.

Uma amiga minha já trabalhou no Ministério da Justiça e ela viu um grupo protetor de exilados estrangeiros no Brasil fazer tanto movimento político, de forma tão organizada, que convenceu o Ministro da Justiça, os deputados e os senadores que aquela pauta era imprescindível para garantir a justiça no Brasil e conseguiram a aprovação de uma lei.

Ou seja, esse grupo conseguiu uma organização tão boa, tão perfeita, que avançou com os direitos de um grupo pequeno.

Se a gente conseguisse se organizar dessa forma, tenho certeza que já teríamos conquistado muito mais... Só que aí fica uma querendo caçar a carteirinha de feminista da outra e damos dois passos pra trás e um pra frente.

Anônimo disse...

"Sou mulher, hétero, balzaca, não sou casada e não tenho filhos."

GAME OVER!!!

Paula disse...

Feminismo é o único movimento social que quer ser mãe de todos os outros. Quer acolher militância de esquerda, movimento negro, grupos LGBTs, transativismo, ateus e religiões afro, etc. Os problemas das mulheres mesmo acabam perdendo espaço nesse mar de reivindicações. Com essa ânsia de abraçar todo mundo as mais prejudicadas nas discussões são as próprias mulheres. Querem focar em tudo e em nada ao mesmo tempo. Nesse ponto, e acho que só nesse, concordo com as radfems. Quem sabe se fizéssemos como os exilados estrangeiros que a vbfri citou, não teríamos mais sucesso na reivindicação das nossas pautas. Focaram nos problemas deles e não dos outros (que por sinal já tem seus próprios movimentos pra isso).

Anônimo disse...

Que mania brasileiro tem de falar palavras inglesas... é assim

"Sou mulher, hétero, balzaca, não sou casada e não tenho filhos."

ACABOU!!!

Anônimo disse...

Como disse, discordo que o maior empecilho seja caçarem carteirinha uma da outra, e sim essa falta de foco no movimento. Lutar pela igualdade de "todo mundo", primeiro erro. Como indivíduos está ok, temos que lutar por isso mesmo. Mas a partir do momento que essa igualdade de "todo mundo" vira pauta em um movimento PARA mulheres, a eficiência do mesmo só pode desandar.

Paula disse...

(Paula, esqueci de assinar)

B. disse...

Me identifique com o texto. Tenho sérias divergências com alguns grupos feministas em redes sociais, pois:

1) Não consigo ver empoderamento em músicas a lá Valesca Popozuda.
2)Acredito na existência de mulheres machistas e homens feministas, opinião essa que quase me rendeu BAN em um grupo no face.
3) Acho irritante algumas mulheres botarem TODA a culpa de seus atos no machismo/patriarcado. Mulher interesseira que casou com véio rico por dinheiro? "É uma coitada do patriarcado tentando sobreviver". Não, é uma interesseira.
4) Mesmo simpatizando com a esquerda, não acho que o feminismo esteja atrelado ao socialismo ou à esquerda. Senão, fica aquela coisa, não ambicionamos melhorar na carreira pq isso é "capitalista". Sim, já li um texto assim, falando que mulheres em altos cargos, CEOs de empresas, eram um desserviço ao feminismo, pq estavam ao "serviço do capitalismo". Já eu acho o máximo mulheres em posições de poder, desde que não sejam exploradoras (e não, na minha opinião, nem todos CEOs são exploradores)

E ah! Só o fato de não ver empoderamento na cantora Nicki Minaj me rendeu altos xingamentos em um grupo feminista. Então,eu entendo a autora do guest post, a T.

Death Neko disse...

A pessoa nunca leu nenhum texto do blog, tem a cara de pau de mandar e-mail falando um monte de coisa que tirou do senso comum e você ainda dá atenção, Lola? Não precisava ser um guest post :(

anon A. disse...

@Paula
Radfems ligam para mulheres negras, pobres e/ou lésbicas, viu? Elas ainda são mulheres, e não são ouvidas dentro do seu próprio movimento justamente por serem mulheres. Tem muita radfem negra/pobre/lésbica. O que a gente é contra é lutar para que mulheres trans definam o que é ser mulher e possam acessar espaços femininos sem qualquer restrição. É só aí que não somos "intersectionais".

Anônimo disse...

Parei no: "Aí pra ser feminista não posso querer uma relação com um só homem, relação com fidelidade, baseada na igualdade de direitos e deveres, e no amor?"

Marcelle

A. disse...

O depoimento retrata uma exclusão sofrida pela T. dentro de um grupo específico por ela não apresentar os pré-requisitos básicos - estabelecidos por esses grupos, ou seja, é a experiência dela com determinadas pessoas que quiseram diminuí-la em sua luta. Mesmo buscando informação e conhecimento nos textos da Lola, por exemplo, quis expor críticas e aflições individuais para superar o problema que enfrentou e seguir em frente. Qual é o problema nisso?

Aí, a gente vai lá e taca mais pedra na pessoa. Produção de ódio.

Ah! Acho que ficou bem claro que ela não é contra outros grupos marginalizados, mas sim contra uma marginalização proposta por esses grupos aos demais. Essa é uma crítica importante. E é verdadeira. Vide a querela da transfobia das "feministas contra pirocos invasores". Movimentos por busca de igualdade e direitos não podem fazer inversão de valores e se tornarem algoz de outro grupo. Isso não faz sentido. Soa algo como, ex.: "Sou lésbica e o homem branco me oprime vou descontar tudo nas mulheres que se relacionam com eles. Mesmo que elas (e às vezes até eles) me abracem e me apoiem em minha luta diária."

O que T. sente falta na vida dela é da sororidade que tantos falam e não praticam. Ela não torce o nariz para o feminismo como pude perceber. Ela torce o nariz para essas demandas absurdas de controle e moralidade que não respeita o tempo e o espaço de cada um. Ela torce o nariz para a falta de acolhimento. Eu também não quero esse determinado-tipo-específico de feminismo para seguir um dogma igualmente massacrante ao do status quo estipulado por sei lá quem. Se eu quisesse isso eu procurava a igreja.

Só mais um ponto, essa história da maquiagem e da depilação, seja lá o que for. Eu ainda não encontrei uma crítica realmente contundente contra essas práticas. As críticas muitas vezes surgem para atacar a pessoa que possui os hábitos. Pois, se você "pertence" a um grupo de esquerda e belo dia resolve passar um batom vermelho, não tem jeito, você certamente será perseguida e ridicularizada tal como fazia as beatas de 1920 com as moças de Ilhéus e dos bordéis.

É bem chato. Se você frequenta um grupo de esquerda e grupo feminista, sempre tem um monte de regrinha para se adequar. E qual é o ponto disso? É para gente ficar igual aos estudantes de ensino médio de escola americana? É tipo uma seita do Manson? No de esquerda é assim, se você consome "coisas de mulher" você é fútil e consumista. Mas, né? Nem somos machistas. Os caras acham que comprar sei lá quantos aparelhos eletrônicos, tomar cerveja e fumar, por exemplo, não é consumismo. É o auge da subversão. Eu não conheço nenhum que produza a própria cerveja ou fumo de próprio punho. Você tem que seguir todo o protocolo do que elas ou eles inventaram como sendo sagrado. Eu nunca li essas coisas que inventam no Manifesto Comunista, nem no Segundo Sexo, por exemplo. Pode ser que eu tenha faltado essa aula.

Então, pelamor, sem purismos, sem regrinhas colegiais. Estamos todos aqui usando computadores feitos com trabalho escravo. E não adianta gritar que não tem computador, usamos uma porção de outras coisas, comemos, nos vestimos, etc... Somos secularizados, século XXI, não é para voltar para as cavernas. Mas para mudar o jeito como as coisas são estipuladas que causam sofrimento e exclusão aos grupos marginalizados. Acreditamos que dá para ser melhor, vamos focar nisso, sim?

Vamos focar nas estruturas e não na companheira, tudo bem?

Abraços,

A.

Anônimo disse...

Zero, você pode não acreditar mas nos anos 90 essa questão de mulheres alérgicas a sêmen foi levantada numa revista feminina tipo Claudia e Marie Claire. Sabe qual foi a solução que deram pro caso? Camisinha. Recomendaram que a mulher alérgica a sêmen usasse camisinha em todas as relações, inclusive sexo oral. Falaram que existe um jeito de fazer uma vacina, que imunize a mulher alérgica ao sêmen, infelizmente eu não me lembro como foi; mas ninguém disse que a mulher alérgica ao sêmen tinha que abdicar do sexo pra não morrer. Era só usar camisinha pra evitar o contato do sêmen com a vagina e pronto. Por favor, se você vir de novo o site que falou essa barbaridade, me diga pra eu ir lá sapatear na cara deles.

Zero disse...

oi, obrigado por responder.

suponho que sejas mulher.

está em vários sites.

no que li, camisinha não foi mencionada, pois focava em mulheres casadas.

bem, eu sou virgem, então não como "funciona" no casamento, se usa ou não usa, sé é pílula, etc.

também achei estranho não ser mencionada camisinha, pois é obvio.

acho que tentaram buscar novas alternativas.

Anônimo disse...

A maioria das mulheres que eu conheço gostam de monogamia, só não namora porque sabe que os homens são ruins.

Tinúviel disse...

Zero, tu é burro ou tu é burro? Não precisa abdicar do sexo, é só usar preservativo!

Death Neko, não precisava mas o blog é dela e ela faz o que quiser, neam... além do mais não fazemos só as coisas que são absolutamente necessárias na vida, ou sim?

Anônimo disse...

mulheres sempre de muito papo com macho nesse blog
e as duvidas femininas sempre ficam no vácuo
eu hein

Mila disse...

No movimento feminista, é possível encontrar pessoas com opiniões diversas. Tem gente que condena poligamia, tem gente que acha que a prostituição deve ser legalizada, tem gente mais radical. Tem gente que quer fazer um concurso para definir quem é feminista ou não.
Eu conheço o movimento em teoria há pouco tempo (5 anos) e acho que tenho muito a aprender. Não me defino em uma outra corrente. Estou conhecendo o feminismo radical agora, e, embora não concorde com alguns pontos, em outros acho que elas estão certas.
Divergências podem ser boas, se, claro, forem dialogadas com argumentos minimamente racionais, sem partir para achismos ou ofensas. O que é inaceitável é a repetição dos argumentos opressores. Queremos nos tornar como eles?

aiaiai disse...

eu quase parei de ler na frase:
"Liberdade não é libertinagem, pelo contrário, requer muita responsabilidade."

mas, resolvi continuar e vi q a pessoa pode estar confusa. daí vou dar meu pitaco:

Liberdade é liberdade. se vc for começar a colocar regras na liberdade das pessoas fazerem o q querem com seus corpos, daí já não é liberdade.

feminismo é lutar p que mulheres sejam seres humanos integrais, como os homens vem sendo desde sempre. Então vc pode ser feminista e ao mesmo tempo ser: monogamica, hetero, pudica, enfeitada, etc. agora, ñ dá para ser feminista e ser contra outras pessoas quererem ser poligamicas, homo, libertárias, sem maquiagem, etc.

cada um com sua liberdade de fazer o que quiser com o próprio corpo e mente, com sua vida e suas relações.

quando eu comecei a ler o blog da lola eu achava absurdo defender mulheres que escolhiam parar de trabalhar para cuidar da casa, do marido e dos filhos. tive até debates acalorados por aqui. mas, finalmente compreendi que ser feminista é dar LIBERDADE DE ESCOLHA. se a mulher quer fazer isso, deixa ela fazer. e, se ela é feminista e gosta de cuidar da casa é um direito dela continuar na luta e continuar cuidando da casa.

eu sou hetero e nunca senti pressão do movimento feminista pra ser homo. acho sim é que não dá para ser feminista e não respeitar as mulheres e homens que tenham outras orientações sexuais.

espero ter ajudado.

@vbfri disse...

Paula,

Quem sabe, realmente poderíamos ter mais sucesso.

Mas eu, por exemplo, não consigo pensar em lutar só pelos MEUS direitos. Só pelos direitos de TODOS.

Pode ser que perca o foco? Pode... Mas eu realmente não vejo como lutar por um direito, sem lutar por todos. Fica meio segregado.

Assim como eu acho incoerente lutar pelos direitos dos animais e ir pra churrascaria. Mas aí é outra história...

lola aronovich disse...

A., adorei seu comentário. Vou destacá-lo num post próprio na seção "Assinoembaixo".


Eu lembro da Aiaiai e seus debates acalorados sobre mulher que interrompe a carreira para cuidar da família... Concordo contigo sobre ser hétero e não sentir pressão do movimento feminista pra ser lésbica. No entanto, já escreveram aqui coisas absurdas como "Vc não pode ser feminista porque gosta de homem". É esse tipo de totalitarismo que é ruim pra qualquer luta.

Anônimo disse...

dizem que ser feminista na internet é fácil isso me deixou confusa será que só se auto afirmar como faz a diferença

@vbfri disse...

O que a gente é contra é lutar para que mulheres trans definam o que é ser mulher e possam acessar espaços femininos sem qualquer restrição. É só aí que não somos "intersectionais".

Fale por você. O meu grande aprendizado no feminismo, o que foi, para mim, o divisor de águas, o momento em que eu saí do meu umbigo e comecei a ver que nem todo mundo tinha os mesmos privilégios que eu, foi quando eu comecei a trabalhar com autorização de cirurgias de transgenitalização.

Na minha cabeça, eu considero mulheres trans como mulheres, apenas. E elas tem, sim, o direito de dar pitaco no que é ser mulher e usar os locais para mulheres.

Então, se "ser feminista" é ser CONTRA a luta das pessoas trans (que inclui, aliás, serem RESPEITADAS como seres humanos), me informa onde eu devolvo a minha carteirinha de feminista.

Honestamente, acho uma merda até a separação de banheiros em masculino/feminino. A galera não pode usar o mesmo banheiro por quê? Sério. Qual é a lógica disso?

E, além de banheiros, quais seriam os espaços reservados a mulheres? Vagões de metrô?

E, vem cá... Por que há a necessidade de separar vagões de metrô? Não é pela encheção de saco de ter caras bolinando as mulheres? Não eram eles que tinham que aprender (e não a gente se segregar)?

E aí as mulheres trans não podem usar o vagão de metrô e os banheiros destinados a mulheres? É isso? E por que diabos não?

Anônimo disse...

"Nem os homens héteros que apoiam o feminismo são bem vistos no movimento." Concordei com essa parte. Basta ver como as feministas suuuper educadas tratam o Jonas aqui, em todos os posts. Se fosse uma mulher falando as mesmas abobrinhas dele passava batido.

Ta-chan disse...

T. vc pode ser feminista sim amiga!Até Valeska que canta "Vc lava as cuecas dele, mas pica dele é minha" é feminista então qq uma pode :).

Olha só o Jonas mesmo é bem mais feminista que eu apontando o câncer que é ser de esquerda!Bom mesmo é ser capitalista sem ter capital e ficar ai dando murro em ponta de faca pra evitar que a pirâmide capitalista caia.

B. concordo com praticamente tudo que vc escreve aqui mas "Mesmo simpatizando com a esquerda, não acho que o feminismo esteja atrelado ao socialismo ou à esquerda."Se não o feminismo não estiver atrelado aos movimentos revolucionários ele não serve de merda nenhuma pra maioria das mulheres que são as maiores vitimas do Capital. "Senão, fica aquela coisa, não ambicionamos melhorar na carreira pq isso é "capitalista"."Se vc precisa trabalhar pra viver e pagar as contas no fim do mês então vc é trabalhadora não tem nada de imoral estudar e lutar pra melhorar de vida, desde que vc consiga compreender o privilégio que é ter condições de melhorar a sua vida, e manter sempre o apoio ou mesmo seguir na luta para que outras mulheres possam ter a chance de ter uma vida melhor. "Sim, já li um texto assim, falando que mulheres em altos cargos, CEOs de empresas, eram um desserviço ao feminismo, pq estavam ao "serviço do capitalismo"." Essa parte é complicada.Eu não vejo como o simples fato de uma grande empresa ter um CEO mulher ajuda o feminismo se essa mulher não for feminista.Talvez o simbolismo de uma mulher poderosa possa ser inspirador pra algumas mas de forma pratica e concreta não ajuda em nada. "Já eu acho o máximo mulheres em posições de poder, desde que não sejam exploradoras (e não, na minha opinião, nem todos CEOs são exploradores)" Pessoalmente pode até ser que não sejam exploradores mas a exploração humana dentro do capitalismo é uma constante.Tipo, o CEO da Companhia X que é líder mundial em comunicações.Esse CEO trata bem de seus subordinados diretos, é uma pessoa gentil, é filantropo, tudo muito lindo e cheiroso.Mas a Companhia X explora seus trabalhadores terceirizados em países como a China, compra matéria prima extraída por mão de obra escrava em países como o Sudão e vende seu produto final que vai estar obsoleto em um ano ou menos por 3x seu real valor em países como o Brasil.
Essa coisa de capitalismo x comunismo e direita x esquerda vai muito além de um combate entre mocinhos e vilões.

lola aronovich disse...

É isso, vbfri. Concordo muito.


Sobre o argumento de "o feminismo se perde quando passa a defender outras causas e grupos que não sejam as mulheres", já falamos sobre isso em outra caixa de comentários. O feminismo não defende outros grupos para ser fofinho e agradável, mas porque as opressões estão interligadas. Machismo e LGTBfobia andam juntos, sempre. Machismo e racismo estão juntos na maior parte das vezes. Se tem algum grupo negro que não defenda mulheres, por exemplo, este grupo está cometendo um grande erro. Se tem algum grupo LGBT que seja misógino, idem. Não é porque algum grupo erre ou exclua que vamos copiar o erro e excluir também.

Anônimo disse...

Não me considero mais feminista, antes de saber como era de fato, me considerava, agora não mais.
Talvez simpatizante.
Tem coisa eu concordo ainda, mas tem muitas mais que não dá para engolir.

Não é uma ou outra que não respeita as diferenças, são várias, aqui não falta.

O vitimismo e falso empoderamento, toda e qualquer atitude tomada pela mulher é culpa do machismo, ou seja, não temos cérebro, nem conseguimos raciocinar por contra própria, ao mesmo tempo juram que isso é empoderar alguém.

Dois pesos, duas medidas, homem faz alguma merda, todas se revoltam, mulher faz exatamente a mesma merda "ah, todo mundo erra..." e para n ficar feio usam a tal de simetria, nome novo para hipocrisia.

Insistência em negar que tem muita mulher criminosa, violenta, mau caráter. Eu sempre engoli a história de que só 1% das denúncias de estupro são falsas, que crimes de mulher é raro, até que fui pesquisar, o número é grande sim, falsas denúncias ultrapassam e muito o mísero 1%.
Nós ainda sofremos mais, mas falar que é raro é uma mentira descarada.

Fazem um terrorismo com estupro, não estou dizendo que isso não acontece, é no sentido de que todas supostamente morrem de medo de sair na rua, como se a gente ficasse 24 horas por dia pensando em estupro, se você n age assim, está mentindo, é mascu ou está pagando de fodona, me disseram isso aqui.

Em que planeta funk é feminista, se mulher sempre é vista como pedaço de carne, cachorra, vadia, novinha?????

Anônimo disse...

"Nem os homens héteros que apoiam o feminismo são bem vistos no movimento."

Os homens que apoiam o feminismo seriam muito mais bem-tratados se, ao invés de ficarem tentando dizer como as mulheres devem agir no feminismo ("falem isso, não falem aquilo") eles fossem espalhar o suas ideias feministas nos espaços masculinos.

Porque geralmente esses "apoiadores" são muito bons para dizer "nossa, não sejam tão radicais ou vocês espantam os leigos", mas na hora de falar com o coleguinha que assediar mulheres na rua é errado eles ficam calados.

Anônimo disse...

Acho que gays deveriam cuidar da própria vida, é um grupo muito confuso.
Milhares de siglas para se denominarem, um é transexual mas ao mesmo tempo é lésbica, muito confuso isso aí, homem diz que é mulher e acha que pode entrar no banheiro feminino. outra é lésbica mas sai com mulher que age e se veste como homem.
com gays idem. eles que se entendam.

Zero disse...

p/ Tinúvel

caralho....

antes de dar chilique lê direito as merda antes, porra...

eu falei que li num site e na matéria camisinha não foi mencionada, inclusive eu disse que achei estranho, e que possivelmente eles buscaram "alternativas" pra isso, pois a matéria fez referencia à mulheres casadas.

então disse que não sei como funciona no casamento das pessoas por isso perguntei, e fui respondido, pela @vbfri

Zero disse...

Lola, e no caso de um negro misógino?

não é trollagem, serio mesmo...

Anônimo disse...

Não falei em outro post que a vbfri tava precisando de umas aulas de interpretação de texto?

A anônima falou em "radfems ligam para..." e a vbfri já veio dizendo "fale por você". Ué, a vbfri é radfem agora? Ou as radfems não podem mais falar por elas?

E desde quando ser contra "mulheres trans definirem o que é ser mulher e possam acessar espaços femininos sem qualquer restrição" é ser "contra a luta das pessoas trans"? Sério que a luta delas se resume somente a esses dois pontos? Pensei que elas também tinham outros assuntos mais importantes pra reivindicar. Radfems não são contra a luta das pessoas trans e sim contra a infiltração do transativismo no movimento feminista, procure se informar.

Anônimo disse...

No caso de um negro misógino o quê? Ele tá errado, não é óbvio?

D Stoffel disse...

anom 15:53
isso de atitude de mulher que todo mundo erra é fato, uma mulher não vai cometer nem falar nada com um homem por ódio ao seu gênero as mulheres não foram criadas para acharem os homens inferiores muito pelo contrário, então muita parte dos crime e atitudes ruins masculinas para com as mulheres e das próprias mulheres com as mulheres é fruto do machismo, eu tô cansada de ver mulher falando que mulher é o capeta de teta que é melhor ser amiga de homem que de mulher, você já ouviu algum homem falar isso?
A feminista que acha que mulher é coitadinha é boba, mas que nós somos vítimas não dá pra negar estamos aqui para falar o que acontece, mulheres tem uma auto-estima muito baixa, tudo em relação ao corpo, depressão, disturbios quem sofre são as mulheres, geralmente se veem como objetos.
Sobre estupros acontece muito sim nós mulheres somos vulneraveis a isso, teve dois casos mesmo essa semana um de um homem que fingiu que ia ajudar a mulher a atravessar a rua e a estuprou e o outro era de colegas de escola de uma garota de 12 anos que estupraram ela, vai ter gente minimizando isso dizendo que as garotas deram mole e que homem não pode se segurar, e isso tudo é machismo.
Sobre funk concordo nunca ouvi nenhum funk empoderador, as mesmas que cantam a porra da bcta é minha se auto esculacham depois.

D Stoffel disse...

Não podemos condenar os homens também porque eles foram criados assim como nós fomos para serem do jeito que são, mas saber a hora que tá errado isso tem que saber, saber a hora de se colocar no lugar do outro é nossa obrigação, e isso é difícil.
Egoísmo é o lema do machismo e preconceitos afins.

Eu já fui pega em pensamentos racistas , machistas, homofóbicos, é automático vc é criado(a) pra ser assim, mas só quem sabe e passa por isso sabe que uma palavra uma piada dói, porque não é só uma piada , já é todo dia que somos a piada.

eu aprendi que quando ouço algo de ruim sobre a classe oprimida se não posso rebater tenho que me calar não dou risada nem nada, e eu ouço de minha mãe, mas as vezes um muxoxo pode ser suficiente pra pessoa se tocar.

Zero disse...

tanto o próprio quanto algum "espertinho" poderiam alegar racismo por parte das feministas, em caso de ser hostilizado ou criticado/xingado e aí?

como vocês lidariam com isso?

Gle disse...

Falarei a minha opinião referente a esta situação, Zero:

Misógino é misógino sendo ele negro ou não. A crítica que qualquer feminista faria à ele, seria em relação a misoginia e não ao fato dele ser negro.

B. disse...

"Em que planeta funk é feminista?"

Faço outra pergunta semelhante: em que planeta Valesca Popozuda é "empoderadora" com letras hediondas como "vc lava, passa e cozinha, mas a pica dele é minha", onde isso é empoderador???

B. disse...

"tanto o próprio quanto algum "espertinho" poderiam alegar racismo por parte das feministas, em caso de ser hostilizado ou criticado/xingado e aí?
"

Oi zero, isso já aconteceu naquele relatou que escrevi aqui.
Um cara negro (acharam que era) assediou uma guria (branca) e o movimento negro esculachou ela, a chamando de sinhazinha pra baixo. Penso que é isso o que acontece quando "queremos abraçar o mundo".

E de novo, li aí um comentário, concordei 100% e quando fui ver, era a Yara.

Tinúviel disse...

@Zero, postamos praticamente juntos, tua explicação ao que disse no primeiro post veio tarde, sorry.

E não use a palavra chilique, é machista.

Camila D disse...

Concordo com vc, Mila. Tb conheço o feminismo a pouco tempo, e acho saudável divergir, pq né, não tem como concordar com todo mundo o tempo todo.
O problema é que a galera tá sempre na defensiva, parte pra ofensa e fica aquela coisa do "cala a boca que tu não sabe de nada/é burrx/não leu o livro da fulana ou do beltrano/e sei lá mais o que.
Dava pra debater com todo mundo de boas não fosse os nervos a flor da pele botando tudo a perder.

Bizzys disse...

Eu também acho que o feminismo não deveria perder tempo e energia defendendo os outros movimentos. É obvio que as minorias não devem ser "inimigas" umas das outras, mas enquanto a luta feminista quer abraçar o mundo, os outros movimentos se lixam para as pautas das mulheres.

Eu já cansei de ver mulheres negras reclamando que sempre ficam em segundo plano no movimento negro, cansei de ver lésbicas reclamando que o movimento LGBT parece mais ser "GBT", tamanho o apagamento que elas sofrem. Eu não participo de nenhum desses movimentos para falar como são as coisas "por dentro", mas as mulheres que participam reclamam de não serem contempladas não é de hoje.

Para mim, o feminismo tem que lutar pelas mulheres, apenas. Nós demoramos tanto para termos nossas demandas atendidas porque colocamos as necessidades de todo mundo à frente das nossas, e esperamos que as pessoas terão a mesma compaixão conosco, mas elas não vão ter.

Zero disse...

um cachorro morde o homem = nada
homem morde cachorro = manchete

é isso que Valesca faz...

sinto muito, mas essa de mulher brigar por homem, não existe.

nem aqui nem no planeta mascu, onde mulheres se jogam ao chão por "alfas".

isso não existe, então ela "cantar" o avesso do lugar-comum dá fama e repercussão (aqui no BR, né?)

é apenas isso....

Zero disse...

p/ Bizzys

concordo. nesse mundo polarizado ou é amigo ou inimigo. não concordo com essa ideia.

não acho que feministas tenham que se doer por outros grupos.

como falei, existe ateu racista, negro misógino e por aí...

e outra, apenas mulheres entendem plenamente mulheres, assim como todos os outros grupos.

não estou falando de respeito e empatia, e sim levantar bandeira pelos outros...

Zero disse...

p/ Tinúvel

ok, mas apenas espere um pouco antes entao, mas tudo ok...

não entendi porque chilique é machista.

homem dá muito chilique, até mais.

eu já vi muito...

Gle disse...

O fato é que não existe uma Organização Feminista que "comande" todas as demais/os demais grupos/coletivos. Então, pros que estão dizendo que "os que eu conheço são assim ou assado", é porque não existe essa "regra". Como a Lola sempre diz, ninguém caça carteirinha Feminista de ninguém.
Por isso PAREM de generalizar coisas. Que TEM que ser X ou Y. Não é. Grupos feministas são formados por pessoas que focam num objetivo e criam suas lutas. Se você conheceu um e não curtiu, procura outro! Ou cria um com seus princípios e manda ver! Ou faz como muitas que não participam de nenhum efetivamente e apoiam a causa! Pronto. Sem brigas, sem stress e à favor da causa.

Será que eu sou a única privilegiada que faço parte de um Coletivo Feminista em que existem negras, lésbicas, bis, héteros, etc. e todo mundo se respeita?

Tinúviel disse...

@Zero, claro que homens tem chiliques, mas é uma palavra utilizada majoritariamente "contra" mulheres, assim como histérica... como se fosse decorrente de alguma característica feminina.

(não sei se deu pra entender)

Anônimo disse...

Na verdade, Zero, as pessoas costumam mesmo deixar de usar camisinha quando se casam, porque acham que vai ser tudo lindo e perfeito a partir do momento em que oficializarem a coisa e esquecem que fazer uma festa chata não protege de gravidez nem de DST (a maioria de mulheres soropositivas do país pegou AIDS do marido). Mesmo se a mulher alérgica a sêmen for casada, camisinha é a solução. Esse """"estudo"""" ao menos fingia ser sério? Não era um bando de macho ruim de serviço querendo desculpa pra largar a mulher e cair na p**aria?

Zero disse...

p/ Tinuvel

entendi agora. eu fiquei confuso no inicio mesmo porque eu nunca usei com / contra mulheres, e sim contra homens ou independente de gênero, chilique é unissex.. kkk

Zero disse...

não. era uma dessas pesquisas internacionais que vendem como verdade global.

a @vbfri disse que já tinha mencionado isso nos anos 1990.

realmente não sei te dizer o porque que trouxeram a tona novamente.

pegar AIDS do marido é meio bizarro. a não ser que o cara traia, ou tu quis dizer que ela casa sem saber que o cara tem AIDS?

Marina disse...

Vi uma treta com um monte de feministas contra a Lola porque ela teria curtido ser chamada de negra e as feministas negras ficaram ofendidas com isso. Tá rolando uma divisão forte no movimento, não é?

Anônimo disse...

quem conduz os comentários sempre é homem aff
zero e suas duvidas ah me poupe

donadio disse...

"É só aí que não somos intersectionais"."

Qual é mesmo a opinião das rad fems a respeito da prostituição - e dos movimentos de mulheres que se prostituem?

Anônimo disse...

D Stoffel
Essa história de que homem só mata porque é mulher tb n me desce. Todos os casos que eu vi de homem e mulher matando o companheiro, os motivos dados foram bem parecidos, ciúme, chilique qualquer, terminaram e a outro n podia ficar com mais ninguém, traição.
É tudo a mesma merda, gente desequilibrada, crime passional.
Hoje eu vi no yahoo, que a mulher tentou chantagear o ex para voltar com ela, sufocando a própria filha, gravou tudo e mandou para ele, isso é culpa de machismo onde??? A mulher é louca.
Não neguei q estupros aconteçam, mas pregar que todas nós mal conseguimos andar na rua de tanto medo é demais, parece que querem é aumentar o problema ainda mais.
Eu sei que machismo existe sim, mas ele não é causa de todas as merdas que acontecem no mundo.
Funk é nojento demais.

Zero
Você é outro que santifica mulher, eu já vi várias brigando por causa de homem, querem o mesmo cara e começam a se atacar, difamar, a outra é a vadia e ela a gostosona.
Tem mulher que sai no tapa por causa de homem, é deprimente mas é a verdade.

Anônimo disse...

Duvidas minhas:
1- Se os homens vivem falando que a culpa do estupro foi da mulher por ela ter "atiçado o instinto sexual dele",serem os principais consumidores de pornografia que imita estupro, apoiarem caras que estimulam o estupro,gostam de assistir filmes e séries com muito estupro e até ameaçarem as mulheres de estupro ficam "chocados" quando são chamados de estupradores em potencial?

2- Os homens reclamam de trabalharem em áreas perigosas e pesadas mais esquecem que nesses trabalhos normalmente é necessário uma mairo força física (que eles tem o maior prazer de nos lembrar que a mulher é mais fraca fisicamente) e por este motivo (da força fisica) que foi a desculpa das mulheres serem proibidas de trabalharem? O mesmo em relação as forças armadas.

3- Porque os homens reclamam tanto de mulheres interesseiras quando na verdade fazem de tudo para que as mulheres sejam assim ? Quando as mulheres eram proibidas de trabalharem (algumas ainda são) elas tinham que casar com caras mais ricos se quisessem ter uma boa qualidade de vida . Até os velhotes que arranjam uma mulher novinha sempre usam a renda como moeda de troca do tipo "fique com o dinheiro que eu fico com o seu corpo"? Lembrando que eu não admiro nem um pouco os atos de uma interesseira.

4- Se a mulher não é mais discriminada então porque quando nascem uma menina sempre falam para o pai que ele passou de consumidor para vendedor? A filha seria então um produto para ser utilizado, descartado quando quebrado e trocado como qualquer outra mercadoria?

Espero ser respondida educadamente.

Sofia

Jonas Klein disse...

Sabe lendo estes comentários, se percebe que se o feminismo que quiser atingir os seus principais objetivos algum dia, seria importante que fossem procuradas aquelas, questões que unem o movimento todo, ai o dia se resolver o problema da discriminação de gênero, ai se discute coisas como, moda, maquiagem, entre outras coisas que não levam mulheres a morte, embora prejudiquem muitas...


Sofia

Não perca tempo tentando encontrar coerência na Bíblia e em discurso de machista, pois isso não existe, Para machista o que importa e ter sempre um argumento a mão para atacar as mulheres, não importa o quanto este seja incoerente.

Zero disse...

p/ anônimo 18:44

se tu for homem, nem discursa, não vai me convencer.

"santificar" - onde?

eu falei uma realidade, essa do "tem um que faz" não serve, tem um que rouba, tem um que mata, aí todos são assim?

de maneira geral, e esmagadora maioria, não existe isso de mulher brigando por homem...

não sei onde isso é santificar, não disse que não gosta, mas que não briga por homem, não briga...

Fabiano disse...

Sofia

1- Apenas machistas (de ambos os sexos) falam que o estupro "é culpa da mulher", seja lá por qual motivo for.
Quanto a pornografia, envolve fantasias e desejos, mas não são realidade. Não vejo nenhum problema em um homem assistir pornografia que simule um estupro, ou uma mulher que tenha fantasias sexuais em ser estuprada. Somos adultos o suficiente para saber diferenciar o que é fantasia do que é realidade.
Já em relação a apoiar caras que estimulam o estupro e ameaçar mulheres de estupro, na minha opinião ou é doença mental ou falha grave de caráter. E eu não costumo ver pessoas assim.

2-Só os mascus ficam reclamando disso.

3- A maioria dos homens não reclama de mulheres interesseiras. Normalmente são os mascus ou chorões que fazem isso. Acredito que a maior parte dos homens que se envolve com mulheres interesseiras sabe muito bem onde está pisando, e é quase que uma relação de negócios.

4-Eu nunca tinha ouvido essa expressão que vc usou. E mais uma vez, quem acha que as mulheres são menos discriminadas que homens, são mascus e chorões.

Anônimo disse...

1- Fabiano, eu vejo sim um problema em pessoas que fantasiam com estupro porque obviamente elas sentem um prazer com a violência, nem todas as pessoas tem maturidade de adulto e sempre que um homem, mesmo que fantasiando, sonha que está estuprando uma mulher, ele vai tentar colocar essa fantasia em prática quando uma oportunidade surgir. Thomas Hayden, em seu livro sobre estupro e guerra, fala claramente sobre issso. Mas ja que você não esta sob risco de ser estuprado, foda-se né? Muitos homens apoiaram Julien Blanc quando esse cara iria vir para o Brasil. Todos eles são doentes?
2- Ja vi muito homem reclamando sobre a obrigatoriedade das forças armadas e ao mesmo tempo se vangloriando de serem os salvadores machos da pátria. Mas concordo com você.

3- muitos, muiiiitos homens ficam reclamando disso. Na minha opinião se não a maioria, a metade.

4- Você nunca tinha ouvido falar dessa expressão? Em que mundo você vive???

Sofia

Fabiano disse...

Sofia

1-Sexualidade é um tema complexo, e e não acho que seja possível estabelecer regras para as fantasias. Mas para a realidade, isso é possível, e fundamental. É para isso que existe polícia e judiciário. Pessoas de ambos os sexos sentem prazer com violência (se isso não fosse verdadeiro, um livro como "50 tons de cinza" nunca seria best seller.
Eu acho que os caras que apoiaram Julien Blanc são idiotas ao dar moral para um 171.

2- ok

3- Mais uma vez, eu acho que homem que reclama disso é um chorão ou muito ingênuo. Qualquer pessoa com um pouco de inteligência percebe quando uma relação está baseada na cumplicidade e na amizade, ou se é movida pela interesse financeiro. Um exemplo bem tosco, mas real: Eu penso que o fundador da playboy Hugh Hefner, que tem um monte de coelhinhas na sua mansão sabe muito bem que nenhuma delas está interessada na sua beleza interior, e não vai ficar de mimimi no dia que uma delas resolver sair de lá. Não estou julgando nem ele, nem as moças. Cada um que saiba o que é bom para si.

4- Nunca tinha ouvido mesmo. Talvez seja algo de uma região específica.

Camila D disse...

Gente tentando desclassificar o feminismo pq "existem mulheres loucas que oprimem/matam/abusam maridos". To vendo isso em todo lugar.
E claro que existe muita mulher pirada, que precisa de tratamento psiquiátrico e psicológico contínuo. Isso desclassifica o feminismo? Lógico que não. Feminismo não é o clube da Luluzinha que milita mulheres no combate ao homens.
Me identifico com o movimento pq ele me ajuda a desconstruir todo lixo que me fizeram engolir sobre como devo me comportar e o que pensar, enfim, no que me tornar por conta do meu gênero, raça e posição social.

Anônimo disse...

Lola, eu concordo de mais com o que você expôs.

Eu tenho uma dificuldade bem grande de me dizer feminista às vezes, porque além de mulher cis hétero, eu venho de uma família abastada, estou dentro do padrão de beleza e amo, AMO, comprar roupas e ir ao salão toda semana.
Eu não me sinto menos feminista por nenhuma dessas coisas, mas já recebi muita "olhada de canto de olho".
As pessoas me julgam porque a minha aparência não é "coerente" com as minhas ideias. E veja: sou julgada pelos dois lados, feministas e não-feministas!
Esse tipo de coisa só enfraquece o movimento... mas nem todo mundo percebeu isso ainda.

Anônimo disse...

Se ainda há dúvidas de que transsexuais sejam homens, perguntem a uma criança!

Fabiano disse...

Anon das 21:00

Eu não vi nenhum macho nessa foto. No máximo pode ser uma travesti ou uma trans.

Anônimo disse...

1 - o envolvimento escancarado com a esquerda, que um fator que só trás prejuízos ao movimento, pois impede o seu crescimento e gera muitos rachas internos

Mas Jonas, o feminismo é um movimento de esquerda, como pode majoritariamente se disassociar de tal? Como pode o feminismo apoiar a direita e suas teorias? E não falo em feministas não se associarem simplesmente com a direita conservadora da moral patriarcal que tanto conhecemos; como pode por exemplo alguém que compartilhe a visão de que papeis de gênero são uma construção social compactuar com a teoria superficial do homem meritocrático? Dois pesos, duas medidas? Então a mulher é fadada a pensar que deve( e que deve gostar disso) ser submissa ao seu companheiro pq sua mente foi moldada para pensar isso, e x miserável que não gera riqueza está fadado ao fracasso por não ter méritos? Excluindo dessa equação os valores que elx adquiriu durante sua vida, seu estado psicológico e emocional, e as poucas oportunidades e capacitações que provavelmente x miserável teve? Não seria também a mentalidade do miserável uma construção social,e logo as propostas esquerdistas de ajuda de x miserável através do estado uma caminho bastante viável e cabível? Apenas para exemplificar... e bem; você não vê nenhuma dicotomia em acreditar nessas duas teorias ao mesmo tempo? Bem, eu vejo incoerência nisso, vejo problemas( não que eu seja a messias e esteja trazendo a verdade, é apenas a minha opinião sobre o assunto).

O feminismo não necessariamente está em estado de associação com a esquerda socialista/comunista( evidente), mas é sim um movimento de esquerda por compartilhar aquela visão um tanto hegeliana, um pouco rousseauniana com a esquerda. Sem falar que como já foi dito o feminismo é um movimento revolucionário. Não que eu queira cagar regra também e dizer que feminista não pode votar no DEM, apenas estou mostrando um problema , ou melhor uma grande diferença que existe entre a visão de mundo feminista( ao menos majoritariamente) e o que hoje se chama direita.

Anônimo disse...

Diva

Essa notícia é pra todos imbecis(sejam homens e mulheres) que pagaram pau prum pais de merda como a Indonésia só pq seu "presidente" louco e maldito(DITADOR) manda matar mulas do tráfico.
Vejam que país "maravilhoso e nada misógino"!

http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2015-05-20/indonesias-tem-de-provar-que-sao-virgens-para-entrar-no-exercito.html

Anônimo disse...

O comentário das 21:15 foi em resposta ao primeiro coment de Jonas Klein, apenas explicando a quem não vai conseguir se situar . Desculpem ^^

Anônimo disse...

A autora do email do guest post quer sororidade, compreensão, mas não os oferece aos segmentos ainda mais marginalizados dentro do feminismo, como os gays, os trans e os hipergâmicos. Me pareceu apenas egoísmo, preconceito e manifestação do "orgulho heterossexual" de alguém que ainda não compreendeu o feminismo.

Zero disse...

sobre a Indonésia.

diverge opiniões.

prefiro um pais que mate traficante do que um que sustente, como EUA e Brasil.

aquele perfil que mencionei há uns dias, o tal do Hauser, ficou louco com a Indonésia, pois a mesma fuzilou homens e pediu clemencia por mulheres.

(ele é um desses malucos anti-mulher)

Anônimo disse...

Zero
Só provou o q eu disse, sou homem pq discordo? Me poupe! E você q generalizou dizendo q mulher nenhuma briga por homem, já eu disse q tem várias assim, n q todas são assim.
Pq você nunca viu, n existe? Isso é santificar sim, n existe mulher escrota, n existe mulher machista...
Veja só, minha tia foi traída e ao invés de brigar
com o traidor do meu tio, caiu na porrada com a amante.

Camila
N quero desqualificar nada mas o q eu vejo, é q o movimento n é honesto às vezes, parece q para falar da violência q a mulher sofre por parte dos homens, tem q mentir sobre a violência das mulheres e isso fica claro ao dizerem q raramente mulher comete crime contra homem, nada a ver com a realidade.
O foco do feminismo é a violência sofrida pela mulher, n to dizendo q tem ser diferente, mas n sei mesmo qual é a necessidade de mentir sobre
isso.

Anônimo disse...

Alguém precisa fazer um guest post ou a Lola podia comentar sobre o final do episódio 6 de GOT... Juro, se eu soubesse escrever bem, faria. Mas acho que tem gente que vai se expressar melhor.

Jonas Klein disse...

Anon 21:15

Como você se pode ver que não e um mascutroll, eu ate me disponho responder.


"o feminismo é um movimento de esquerda, como pode majoritariamente se disassociar de tal?"

Hoje sim, mas o feminismo no passado não era majoritariamente de esquerda, a receita e simples, e só focar nas formas de descriminação e preconceito que as mulheres sofrem, e não misturar isso com o discurso de esquerda.

"Como pode o feminismo apoiar a direita e suas teorias?"

Só um fator já põem todo o seu discurso na lona, quando eu disse que o feminismo deveria apoiar a direita? a UNICA forma de fazer o feminismo funcionar direito, ele sendo apartidário.

Agora eu vi que você não entende o que e ser de direita, e não sabe direto o que e meritocracia.

Para aprender o que ser de direita ou esquerda eu sugiro que leia este artigo?

http://mundoanalista.blogspot.com.br/2012/08/definicao-de-direita-e-esquerda-parte-2_13.html

Esse por sinal, e o único artigo que eu achei ate hoje que explica de forma honesta e inteligente, o que ser de direita.







Carol F. disse...

Acho que sou muito desligada, leio tanta coisa sobre feminismo e nunca li nada sobre essas "imposições" que ela cita. Estava lendo e pensando de onde ela tirou essas ideias...

Zero disse...

ok. és mulher, lembre-se que eu perguntei, e não afirmei.

ok, mulher briga por homem, você diz que eu estou errado porque afirmo e não vi, mas afirma porque viu um caso. beleza.

é irônico, se defende "santifica", se critica é misógino.

feminista ou não, homem ou mulher, tem muita gente que não sabe o que quer, só quer reclamar...

Stephanny Mychelly Gyzelly Rochelly Bäbby Pynky Shockdimonster Vahdjyäh KhaDéhllah de Butler | Preciado disse...

Algumas expressões feministas comuns que marginalizam Mulheres Trans e não devem ser usadas JAMAIS!

1. Corpo Feminino, Fêmea de Nascimento, Mulher Biológica e qualquer outra expressão semelhante

Fêmea ou Corpo Feminino é apenas completamente errado. Mulheres Cis/"Biológicas"/"de Nascimento", não estão autorizadas a falar sobre a anatomia delas no que se refere a elas mesmas & a vida delas. NUNCA. Mulheres trans e cis têm exatamente a mesma anatomia & funções corporais, independentemente do corpo com que nasceram. Então nem tente falar sobre isso, a menos que queira ser excluída, humilhada, receber gritos, ameaças e dizerem para você morrer queimada.

2. Identificada como Fêmea

Identificada como Fêmea é uma expressão confusa e toda cagada, mesmo que ela tenha sido cunhada por mulheres trans nas décadas de 80/90. Nós somos do sexo feminino e ponto final. Mais uma vez, nem sequer tente nomear o seu corpo por si mesma, caso contrário você está apenas apoiando o patriarcado e o abuso sistemático. Nós somos mulheres trans e somos fêmeas, mesmo que nós nos identifiquemos como homens. Supere isso.

3. Útero, Menstruação, Aborto, etc.

Eu já disse ali em cima que não há literalmente nenhuma diferença entre a anatomia das mulheres trans e cis. Mas é duplamente um cocô fedido, extremamente humilhante, ofensivo e opressivo para mulheres trans, se vocês falarem sobre os seus úteros, mesmo no contexto do aborto e da autonomia sexual. Meus supostos sentimentos sobre o ÚTERO QUE EU DEVERIA TER superam a quilômetros pisando de salto quinze nos problemas relacionados às leis e legislações impostas sobre seu útero.

4. Socialização Masculina & Socialização Feminina

Mulheres trans sempre sido foram do sexo feminino, como eu já disse várias e várias vezes. Referir-se a um momento em que este não era o caso é muito cagado e errado e você é um cocô gigante opressivo por fazer isso. Não importa se uma mulher trans presidente ou diretora executiva de uma empresa transicionou aos 50 anos depois de ser pai de vários filhos e foder suas ex esposas em brigas sujas de divórcio. Ela sempre foi uma mulher e nunca se beneficiou de nenhum "privilégio masculino". Ela sempre foi uma mulher e esse é o fim do assunto. Ponto Final. Mulheres trans condenadas por estupro? Sempre foram as mulheres e pertencem a prisões femininas porque seus pênis são do sexo feminino e sempre foram, não importa quantas pessoas elas agrediram ou continuar a agredir.

Então, por que todas essas coisas são opressivas para as mulheres trans? PORQUE EU DIGO QUE SÃO! Como eu já demonstrei é impossível ser trans e também reconciliar a realidade do meu corpo e as vidas e as necessidades das outras pessoas.

Raven Deschain disse...

Concordo com qualquer coisa que a Gle disser (vc fez falta *-*).

A, excelente mesmo seu comentário. Posso copiar na minha time line? Devidamente creditado, claro.

Diva. Amiga. Linda. Posso te dar um conselho? Para com o "clique de indignação". Eu fazia muito isso até perceber que é um veneno pra nossa mente. Sai um pouco desses sites de notícias, principalmente, não lê as caixas de comentários e não espalha notícia ruim. Pelo menos por um tempo, pra desanuviar um pouco. Não me leve a mal, por favor, mas é que sempre vejo vc pê da vida e lembro que fui (sou) muito assim.


Gente, caralho porra. Nem todo mundo assiste esse maldito got. Que merda aconteceu que não param mais de falar disso? Não dá pra viver uma vida alienada sem saber o que acontece em game of thrones e walking dead? Credo...

Raven Deschain disse...

Desculpe a grosseria, fã de got, mas ando meio de saco cheio. Kkk há 3 dias aue só ouço falar disso e não sei oq houve.

Anônimo disse...

Zero

Eu vejo a realidade, tem muito homem podre como também tem homem bom, com as mulheres idem.
Mas para muitas feministas, só existe homem podre, desculpe mais isso é tirar mulher de santa e homem de demônio.
E eu não vi um caso, mas vários e claro que n é base para afirmar que são todas, mas que isso acontece.
É cara, falar que algo n existe ou n acontece, pq vc n viu tá errado mesmo, eu hein kkkk

Anônimo disse...

FEMINISTAS ESTÃO
DIVIDINDO A SOCIEDADE
ACABANDO COM A UNIÃO DESSE POVO MUITO IGUALITÁRIO
E O PIOR DE TUDO:
PROPAGANDO ÓDIO

LEMBREM: SOMOS TODOS HUMANOzZzZzZzZzZz
MAIS AMOR POR FAVORZzZzZzZzZzZzZ

Fê Cardoso disse...

Foi foda aquela cena (sem trocadilhos), fiquei em choque!

Fê Cardoso disse...

Foi uma cena de estupro horrível!

lola aronovich disse...

A Verinha do Feminismo Sem Demagogia deixou uma postagem na página do FB que ajuda a entender por que tem tanta radfem trollando aqui e espalhando asneira transfóbica por todo lugar (e, obviamente, acabando com qualquer reputação positiva que o feminismo radical já teve). Destaco um trecho:

"As feministas vem aqui, printam a postagem da página e levam para um grupo chamado "Feminista Revolucionárias", um grupo fechado, onde o só tem acesso pessoas autorizadas, onde o debate é limitado somente a visão de um vertente, que é do Feminismo Radical e de onde elas saem organizadas para atacar as postagens que não concordam. Não são argumentativas. Elas chegam fazendo um ataque organizado muito parecido com o que os masculinistas fazem também."

Mais uma semelhança entre radfems e mascus: atacam em bandos organizados.
Gente, para que tá feio!

Fê Cardoso disse...

Foi uma cena de estupro horrível!

xDemi Menina Lovaticx | Demi Fan (Queen of Trans) disse...

Parem de atacar a Lola em bando, suas lobas! Ela e a Verinha Kollontai estão muito preocupadas em manterem suas reputações positivas perante outras feministas defensoras de machos, esquerdomachos, travestis e todo o resto do patriarcado pra terem que se preocupar em dar atenção a vocês, cuja reputação diante do patriarcado é tão negativa que já é inexistente...

Viu como vocês são muito parecidas com os mascus? Eu e a Lola estamos dizendo que são iguais, então são. Ponto Final.

Anônimo disse...

Nossa, o tal grupo é fechado, feito na encolha, mesmo assim vcs sabem de tudo! O poder da mãe Dinah é foda!

Anônimo disse...

Eu não me rotularia como feminista, apenas simpatizante. Por que? Simplesmente porque odeio rótulos que só servem pra limitar.
Se você se assume feminista começa a aparecer mil coisas idiotas do tipo "ah mas você não é feminista pq é vaidos demais", "ai feminista num se depila", "feminista tem que ser lésbica/bissexual/poligama" QUANTA BESTEIRA GENTE!
Você ser feminista era pra ser simplesmente alguem que defende os direitos das mulheres como igual e não inferior ao homem. E não uma pessoa que tem que ter um comportamento afetivo/sexual específico e não pode ter vaidade.
Mas ainda bem que não precisa de aceitação num clube pra ser feminista ou algumas das maiores conquistas que tivemos não teriam acontecido!

Anônimo disse...

gente, eu acho a Vanessa Popuzada femnista. Ela peca sim "essa historia de azinimiga", mas quem não peca?

E ela falar que "você lava a cueca e eu tenho a pica", pode não ser o somum do feminimo, mas não é machista. Pelo menos não essa frase, não conheço o resto da musica nem o contexto.

E Lola, deixe as radfems lutarem a luta delas. Elas não são contra os trans. SOmente que elas não LUTAM a luta dos trans. Deixe elas em paz. O ou jajá vão te atacar porque você não está lutando a luta dos vegans. Oras.

E B, quer ser minha amiga? <3

YAra

Ana Carolina Serrao disse...

Jonas , você que sempre gosta de dar seu parecer de especialista sobre os assuntos: Faltou escrever "não tem nada A VER" , ao invés de haver.

Ana Carolina Serrao disse...

Jonas , você que sempre gosta de dar seu parecer de especialista sobre os assuntos: Faltou escrever "não tem nada A VER" , ao invés de haver.

Panthro disse...

Por isso que eu também digo que sou, sim, feminista. Podem me chamar de feministo, podem me chamar de potencial estuprador por ter um pênis, foda-se. Eu continuo acreditando que homens e mulheres devem ser tratados com igualdade de direitos e deveres (exceto os casos óbvios de diferenças biológicas, não vou pedir que uma mulher não menstrue ou que um homem não fique careca). E não é porque meia dúzia de babacas é babaca que eu vou deixar de acreditar numa coisa tão simples e óbvia quanto essa. Eu sou feminista queiram ou não, porque o feminismo é uma ideologia, não um clube. Você compartilha das mesmas idéias ou não. E essa política do pensamento não pode entrar na minha cabeça pra dizer com que diabos eu concordo.

Eu sei que tem gente que usa essa gente babaca pra JUSTIFICAR o preconceito contra mulheres (ou contra feministas) mas isso é igualmente estúpido. Não é porque uma mulher é babaca que o feminismo é errado. Nem se todas as mulheres fossem babacas o feminismo seria errado, porque é uma questão de conceito! Então os cães ladram e a caravana passa.

Panthro disse...

Por isso que eu também digo que sou, sim, feminista. Podem me chamar de feministo, podem me chamar de potencial estuprador por ter um pênis, foda-se. Eu continuo acreditando que homens e mulheres devem ser tratados com igualdade de direitos e deveres (exceto os casos óbvios de diferenças biológicas, não vou pedir que uma mulher não menstrue ou que um homem não fique careca). E não é porque meia dúzia de babacas é babaca que eu vou deixar de acreditar numa coisa tão simples e óbvia quanto essa. Eu sou feminista queiram ou não, porque o feminismo é uma ideologia, não um clube. Você compartilha das mesmas idéias ou não. E essa política do pensamento não pode entrar na minha cabeça pra dizer com que diabos eu concordo.

Eu sei que tem gente que usa essa gente babaca pra JUSTIFICAR o preconceito contra mulheres (ou contra feministas) mas isso é igualmente estúpido. Não é porque uma mulher é babaca que o feminismo é errado. Nem se todas as mulheres fossem babacas o feminismo seria errado, porque é uma questão de conceito! Então os cães ladram e a caravana passa.

@vbfri disse...

Quem sabe, anônimo, não é você quem precise de umas aulas de interpretação?

Veja o trecho que eu destaquei.

No final fala: É só aí que não somos "intersectionais".

Agora, foi mals se eu entendi que radfems e feministas lutam pelos direitos das MULHERES.

Foi mals se eu entendi que trans são MULHERES.

Foi mals se eu acho uma grande besteira separar movimentos se, como a Lola falou:

"feminismo não defende outros grupos para ser fofinho e agradável, mas porque as opressões estão interligadas"

Isso parecia meio óbvio.

Agora, se você quer se ater à introdução do meu texto, sem analisar a forma como elaborei, o contexto no qual se encontra, de repente quem precisa de aulas de interpretação de texto não sou eu, né?

Além do mais, se você é radfem, me explica, por favor, esta frase:

"O que a gente é contra é lutar para que mulheres trans definam o que é ser mulher e possam acessar espaços femininos sem qualquer restrição"

Sério. Qual o motivo da segregação de mulheres trans? Na boa? Não entra na minha cabeça que um grupo feminista (ou radfem) exclua uma parcela de mulheres porque elas nasceram no corpo errado (sendo que isso já foi comprovado que existe, que é algo que acontece mesmo, etc).

Tipo, elas são "menas mulheres"? Como assim????

Daí se elas se considerarem radfem, vocês caçam a carteirinha delas, é isso???

Desculpa, mas se radfem luta pelos direitos ~das mulheres e apenas das mulheres, nada mais do que as mulheres e fodam-se os outros grupos~ há uma certa incongruência em não aceitar as mulheres trans, não???

E falei que se ser feminista era lutar contra qualquer coisa, qq direito de quem quer que seja, então devolvo a minha carteira.

Agora, se radfem não se considera feminista, se acha que igualdade é uma merda (e pelo que eu sei de algumas radfems é verdade), aí retiro o que eu disse.

Mas assim como eu não quero colocar TODAS as feministas no mesmo balaio, não quero botar TODAS as radfems no mesmo balaio...

Agora, se TODAS as radfems pensam como vc, desculpa, as radfems perderam meu respeito.

Aí é meio como que conversar com masCU. So sorry.

Esperava mais da galera radfem.

Anônimo disse...

Gente, deixe o Jonas em paz. Cada um tem liberdade pra dar sua opiniao. Aprendam a respeitar a opiniao alheia. Chato essa perseguicao gratuita.
O tipo de tratamento q dao ao Jonas e exemplo do q diz o texto: Nem homens heteros q apouam o feminismo sao bem visto.

Essa caixa de comentarios as vezes mais parece comentarios de sites reaças. So tem gente destilando ódio.

Anônimo disse...

Penso o mesmo. Tem mulher aqui q parece q o unico objetivo e ridicularizar o Jonas. Estranha essa perseguicao

Anônimo disse...

Tadinho do Jonas, E vbfri, vc poderia tirar suas dúvidas em 5 minutos no google sobre porque radfems não querem trans no movimento, elas tem argumentos (não esses bobos que vc citou), mas prefere ficar no senso comum e esperar no comodismo alguém explicar aqui.

Julia disse...

"Gente, deixe o Jonas em paz."
NÃO.

Anônimo disse...

Se realmente tivesse interesse no tema já tinha feito sua pesquisa. Mas vc não quer saber os argumentos das radfems, só quer continuar defendendo sua opinião como se radfems tivessem apenas esses argumentos simplórios. Bom, uma dica de início: como conciliar a luta contra papéis de gênero com pessoas trans no movimento, que se identificam com esses papéis? Agora o resto é com vc, boa pesquisa.

Gle disse...

Raven Deschain, sua liiiiiiiinda! Também estava com saudades!!! Mas acredito que agora estarei por aqui com mais frequência =D

Engraçado que todos ~ok, acho que tem um que tem nome~ que estão falando que o Jonas "sofre" por aqui são Anônimos. Assim, na boa, não é que a gente pegue no pé dele... É que muitas vezes é difícil compreender ou deixar passar o que ele escreve. Eu lembro dos primeiros comentários dele aqui no blog da Lola e acho que ele evoluiu muito! Ele tem direito a dar as opiniões dele e nós temos direito de retrucar, só isso! Não pegamos o Jonas pra Cristo não... acho que o que acontece aqui é uma correção positiva, que tem feito ele pensar mais sobre o Feminismo e evoluir. Resumindo: ELE NÃO É O MASSACRADO! Até pq, se ele estivesse chateado, acho que já teria dado o fora daqui a muito tempo.

Anônimo disse...

Zero, o cara trai a mulher sem usar camisinha, pega HIV, volta pra casa e transmite AIDS pra esposa pq tbm não usa camisinha com ela. É na galinhagem mesmo.

Gle disse...

Zero, quanto aos assuntos relacionados a AIDS... Eu fiz um post no meu blog a este respeito e um cara que eu nunca tinha visto/ouvido falar comentou lá. Ele é soropositivo a muitos anos e mantém um blog com diversos assuntos relacionados a este. Não sei como a Lola trata os links em comentários, e nem se permite, mas este é o endereço: http://soropositivo.website/
Tem histórias de vidas de pessoas soropositivas lá de cair o queixo... e muito material também. Recomendo e muito a leitura!

Raven Deschain disse...

Concordo. Já achei o Jonas pior tb. E quando tou sem saco, simplesmente pulo os comentários dele.

Fê, brigada. Mas assim... '-' não é tudo horrível em game of thrones? Digo, eu gosto de fantasia. Adoro dragões, guerras, espadas. Mas got é muito apelativamente sexual, muito apelativamente violento. Ouvi falar tb de um tal casamento vermelho (não sei se era isso. Não tava prestando atenção kkk), que disseram foi horrível tb. E assim... Eca. Prefiro Narnia.

Bizzys disse...

Raven

Eu assisto GoT, gostuma ser bem violento mesmo, além de ter cenas explícitas de nudez feminina sem sentido, mas o que fez as pessoas ficarem muito revoltadas foi o seguinte:

No último episódio, uma personagem foi estuprada. Esse estupro não acontece nos livros, os criadores da série adaptaram o roteiro para incluí-lo (dizem que estavam apenas esperando a atriz completar 18 anos para fazer uma coisa assim). Essa personagem era uma menina que já tinha sofrido muito, saído de algo como um relacionamento abusivo, e estava evoluindo. No estupro, eles focam a câmera no sofrimento de um homem que é forçado a assistir. Isso será usado para dar uma reviravolta na história dele, não na dela. Essa cena jogou a personagem na lama, taí um dos motivos da revolta.

Esse estupro, além de ser completamente desnecessário para a trama, é o terceiro estupro que os produtores incluem que não existe nos livros. Eles também incluem várias cenas de ameaça de estupro e violência apenas como "plot device". E como se não bastasse, eles deixam de incluir personagens femininas fodas do livro, e as que são consideradas fortes que já estão na série são apenas reduzidas a estereótipos ou usadas para movimentar os arcos masculinos.

Os fãs da série já estavam reclamando do excesso de exposição de mulheres nuas à toa e da inserção de cenas de estupro sem sentido há tempos, mas esse último episódio foi a gota d'água para muitos, por isso toda a comoção.

@vbfri disse...

Seguindo a sua dica, anon-não-identificado-radfem-transfóbica, fui ler sobre vocês.
A partir de agora, respeito vocês tanto quanto o Thomas-Toddy e o Fábio-do-Mingau.
Por tudo o que li, vocês são misândricas e transfóbicas. A única coisa em que diferem dos masCUS é que, aparentemente, não são racistas.
É mundo pra minha cabeça uma pessoa lutar pelo direito ~das mulheres~ e ter uma visão tão limitada das trans.
Empatia zero, né?
PQP. Que movimentinho de merda esse de vocês.
Se quiser conversar, se identifique de alguma forma. A partir de agora, vou pular esses comentários nojentos, assim como pulo os dos mascus.
Merda ver mulher fazendo isso. Merda, merda, merda.

Julia disse...

Raven, sim, é tudo horrível em Game of Thrones. Todo mundo morre, é uma desgraceira. Não dá nem pra se apegar um personagem porque daqui a pouco ele vai te o crânio esmagado em algum duelo, mas o caso é que

SPOILER DO ÚLTIMO EPISÓDIO

mais uma vez uma das personagens principais foi estuprada, sendo que esses estupros nem estão nos livros. É a 3 vez que isso acontece então é de pensar o motivo..

Julia disse...

Ixi, comentamos quase ao mesmo tempo, Bizzys!

@vbfri disse...

*É MUITO para a minha cabeça

Bizzys disse...

Sim, Julia

Aproveitando o tópico não-relacionado (GoT), você ainda está assistindo? Eu resolvi largar a série, de misoginia já basta a que tenho na vida real...

Feminista Soviética disse...

Essa Lola está desesperada porque vem perdendo campo para nós do feminismo radical. Ela é casada com um machinho então ela não tem credibilidade para falar de feminismo. Subconscientemente ela vai tentar proteger os privilégios do machinho que toma conta dela.
Lola, te confesso é gostoso ter ver tendo essa morte horrível. rs
Agora vai lá defender esquerdomachinho e atacar mulheres e não enche o saco.

lola aronovich disse...

Vou deixar esse comentário pra vcs verem como os ataques são ridículos. Aí vem a galera falar: não é ataque, não é ameaça (sim, esses dias sofri ameaça física de duas feministas!), não é trollagem organizada. É só crítica! Só discordância! Dizer que uma mulher cis hétero por ser casada com um homem não pode falar de feminismo parece piada. Pior ainda é sugerir que eu preciso de um "machinho que toma conta dela". Mas, enfim, é trollagem. A Verinha do Feminismo Sem Demagogia já desvendou mais esse papelão das radfems. E eu tô com a vbfri: dane-se o que elas pensam. Gente que fala essas besteiras tá mesmo no mesmo nível de um Thomas Toddy.

Anônimo disse...

Lola, acho que "Feminista Soviética" é um mascutroll tentando se passar por radfem...

lola aronovich disse...

Eu gostaria de pensar que "Feminista Soviética" e todas essas radtrolls são mascus tentando se passar por radfems. Mas não são não. Já tem mais de um mês que inúmeros comentários de radtrolls são deixados aqui e em outras páginas feministas. É o mesmo vocabulário, a mesma transfobia. Realmente parece caricato demais, mas não é. Porque tem uma ou outra que põe o nome e o rosto e o pensamento é o mesmo.

Anônimo disse...

Tá forçado demais isso aí, uma caricatura de "feminista radical esquerdista ortodoxa" bem a cara do que sairia da mente de um mascutroll conservador de direita. O nível e o tipo de agressividade também parece o mesmo de um mascu. Ele tentou fingir que não é mascu, mas tá dando pra perceber que é sim. Ainda não acho que seja uma feminista.

Gle disse...

Muito triste pensar que mulheres do "mesmo" movimento tenham essa postura e gerem este tipo de atrito. Tão desnecessário! Estamos participando de alguma competição e não me avisaram?

@vbfri disse...

Que nojo, que nojo, que nojo!
A gente tem que viver pra ver essas merdas, né?
Pra dizer que as mulheres trans são homens que querem ocupar o espaço das mulheres.
Assistam o que é uma cirurgia de transgenitalização. Imaginem o que é furar uma parte perto do seu cu, tirar pênis, saco, tudo, "esvaziar" o pênis e virá-lo do avesso para fazer uma neovagina.
PQP. Vocês não fazem a menor ideia do que é empatia, né???
Valha-me Deus, Nossa Senhora e Todas as Deidades.
Tinha me esquecido ainda daquela Sara-não-sei-das-quantas do grupo radfem-sei-lá-o-nome (esqueci mesmo e não faço questão de lembrar) e me recordei que aquela merda só aceita ~feminista~ loira, magra, bonita, parecendo europeia.
Vocês são iguaizinhas aos mascus.
Um monte de rato de esgoto que se alimenta de lixo e fezes.
Racistas, misândricas, transfóbicas, gordofóbicas, elitistas...
Vai tatuar uma suástica e deixa a galera em paz.
PQP. Merda.
Desculpem o festival de palavrão.

@vbfri disse...

Agora eu entendo o termo "feminazi". PQPQPQPQPQPQPQPQPQPQPQP!

Anônimo disse...

Empatia com quem tem pênis e nasceu sendo socializado para dominar e oprimir e recebendo benefícios e vantagens nessa sociedade machista que desde que foi detectada a presença de pênis considera esses indivíduos valiosos, humanos completos e dignos de receberem, entre outras coisas, atenção, reconhecimento, compreensão e empatia.

Mas é justamente empatia com esses seres o que falta no nosso mundo né? E logo de quem tá faltando essa empatia? Das mulheres, óbvio... essas criaturas terríveis sem coração que nem são criadas para terem empatia e se identificarem com quem tem pinto, nem aprendem desde que nascem a se curvar em deferência a eles e colocá-los em sempre em primeiro lugar, como todo o resto do mundo faz. Mulheres nem são forçadas a se submeterem e internalizarem os interesses e necessidades de quem nasceu com pênis e todas as vantagens do mundo, para que sejam as melhores cuidadoras e defensoras deles, tadinhos, tão carentes e precisados.

Tá faltando tanta empatia pra eles que tem algumas mulheres bondosas e ingênuas, as exceções, reclamando com xingamentos por mais empatia logo ao grupo formado minoritário pelas poucas mulheres que compõem a cúpula das mais odiosas, as feministas radicais misândricas transfóbicas, que não tem o menor resquício de empatia ou consideração por esses seres tão maravilhosos e necessitados que tiveram o infortúnio de terem nascido com pênis :(

Anônimo disse...

Adorei sua resposta, Lola! Concordo com tudo <33

Moça do post:

Vc não precisa deixar de ser feminista porque fulano disse X, Y, Z, o alfabeto inteiro, oras!

Eu acredito que existam várias vertentes dentro do movimento porque há MUITA coisa para mudar. Feminismo é revolucionário, ele desconstrói a sociedade, as pessoas, e isso leva tempo.

E acho que essas vertentes diferentes confundem as mulheres, que querem lutar por milhares de causas ao mesmo tempo e às vezes nem entendem as vertentes direito.

Pessoalmente, eu acho que o feminismo deveria focar apenas nas mulheres, mas em TODAS as mulheres, independente de classe social, nacionalidade, cor, idade, profissão, orientação sexual.

Até o feminismo chegar a um consenso geral e todo mundo ser esclarecido sobre o movimento vai demorar, e para isso acontecer precisa haver muuuita comunicação entre os grupos feministas.

Se vc desistir aí sím que isso nunca vai acontecer... As coisas não mudam da noite pro dia, sabe.

@vbfri disse...

Mimimi, vamos olhar nosso próprio umbigo, mimimi, fodam-se os outros, mimimi, ...
Ah, saco.
Igualzinho mascu idiota.
Ainda é anônimo.
Muda nada essa merda.

Anônimo disse...

Lola, mais ou menos offtopic, mas cê já ouviu falar em "meninism"? (de "MEN" e tal)
Eu ando vendo uns blogs feministas gringos comentando sobre, parece que são tipo uma "resposta masculina" ao feminismo, agora não me pergunte qual a diferença deles pros MRA (acho que nenhuma hahahuah).
Torcendo pro termo pegar e a gente começar a chamar os mascus também de meninista, porque é isso o que eles e o """movimento""" deles são, coisa de menininhos... rss

Anônimo disse...

Os homens sempre tentam fazer os debates girarem em torno do ego deles, das percepções deles, dos interesses deles, das necessidades deles, das preocupações deles, dos medos deles... é sempre eles, eles, eles, eles, eles. Mulher só tem foco sendo responsabilizada pela merda deles ou quando os reforçam concordando com eles e repetindo o que eles falam.

Participo de comunidades feministas radicais e esse é um dos maiores problemas com homens feministas e trans. Geralmente feministas radicais querem um espaço feminino exclusivo e os grupos citados se recusam a aceitar isso. Mas assim como é legal ter um espaço para homens cis feministas, que tem seus problemas específicos, e para trans, que também tem problemas específicos, é legal ter o nosso espaço. Excluí-los desse espaço não significa excluí-los do feminismo...

Mas eu acredito que deve ser muito difícil para homens e trans aceitarem isso. Porque a nossa sociedade é machista e eles cresceram aprendendo que tem o direito de serem ouvidos, amados, de liderar qualquer espaço (vide complexo de leão), de receber aulas, enfim.

Feministas radicais geralmente não tem mais paciência com isso. É muito cansativo. Seria legal ter também mais compreensão por parte de homens e trans e mulheres feministas que preferem participar em espaços mistos.

Luci

Tinúviel disse...

@Bizzys, quais são os outros dois estupros? Sou leitora dos livros e estou na terceira temporada, acho que ainda não aconteceu nenhum.

Anônimo disse...

cacildis, feminismo radical, transfobia, esquerdomacho, apoiadores de machos, daqui a pouco surge um baader-meinhoff da vida, ou uma brigadas vermelhas feminista, tá brabo, a coisa tá indo para um radicalismo insano
e muito estranho

Bizzys disse...

Tinúviel,

O primeiro é o da Daenerys pelo Khal Drogo, na 1ª temporada mesmo. Nos livro é descrito que ele espera que ela diga "sim" para transar com ela, ao contrário da série. Já vi pessoas dizendo que no livro não poderia ser consensual também, já que a Daenerys tinha apenas 13 anos e foi vendida para o noivo, mas na série fica claro que é um estupro mesmo.

O segundo é na 4ª temporada, vou dizer em qual cena, então se não quiser spoiler pode pular. :)

--
No velório do Joffrey, tem um momento em que o Jaime agarra a Cersei, ela diz que não quer várias vezes e ele diz "eu não me importo". Nos livros a relação deles é completamente consensual. Os fãs reclamaram muito dessa cena, mas os criadores da série disseram que não foi estupro porque a Cersei mudou de ideia no meio. (Pausa para indignação aqui, como assim???)
--


O que me dá raiva é que já existem várias cenas de violência sexual na história dos livros, todas são "justificáveis", mas os produtores insistem em enfiar ameaças e estupros onde não existem, nem tem necessidade de existir, só pra chocar, só pra subir a audiência.

B. disse...

Sim, Yara, quero ser sua amiga <3

A música essa da Valesca é sobre ela falando que é amante de um cara casado. Na música, ela se dirige à esposa do cara.

"Tu é empregadinha, lava, passa e cozinha, mas a pica dele é minha"

Querendo dizer que o sexo ela faz, e a esposa só serve pras tarefas domésticas.

Mila disse...

Essa cruzada radfem - se realmente existir e não for coisa de mascutroll - não seria um tiro no pé do feminismo?
É difícil, mesmo na blogosfera, acompanhar blogs sobre feminismo minimamente embasados e/ou com uma variedade de assuntos tão grande na web. Espaços como este são portas de entrada para quem tá começando a pensar sobre o feminismo não?
Assim, não seria mais efetivo ocupar espaços que disseminem ódio em vez de ocupar espaços que disseminem diálogo?
Só um questionamento.

Tinúviel disse...

@Bizzys, obrigada!

Nem lembrava mais da primeira relação sexual do Drogo e da Daenerys na série, acho que deve ser porque eu assisti a cena muito revoltada e pensando "não foi assim não foi assim não foi assim não foi assim" (add eternum hahaha, sou leitora xiita).

E quanto ao Jaime e a Cersei (me corrija se eu estiver enganada, já vão três anos desde que terminei o quinto livro), a primeira relação deles depois de ele voltar pra Porto Real também foi não consensual (a.k.a. estupro), depois do falecimento do Tywin, não? Talvez a série só tenha alterado o momento de algo que realmente ocorreu... ao menos na minha lembrança e interpretação.

Bizzys disse...

Tinúviel,

Quando vi a quarta temporada eu também já tinha lido os livros há tempos, mas na minha lembrança o sexo tinha sido consensual. Na época, por causa da polêmica, li esse texto que comparava as cenas no livro e na série (http://www.avclub.com/article/rape-thrones-203499 )

Aparentemente, no livro a Cersei dá umas desculpas ("alguém pode nos ver", etc, que dão a entender que ela queria, mas estava com medo de ser vista) mas depois ela deixa claro que o quer. Na série é mais violento, ela nunca chega a falar sim - ela repete que não quer, na verdade - e ele diz que não se importa e pronto.

Eu também acho a cena nos livros problemática, mas meio ambígua. Poderiam ter feito assim na série, porquê não adaptar o diálogo? Tiraram toda a vontade da Cersei e deixaram só a do Jaime.

Anônimo disse...

Querem saber o que realmente é excludente no feminismo limpinho cheirosinho mainstream?
o ativismo lesbico, como ferramente de libertação do patriarcado. Eu conheço várias mulheres, que depois de muito tempo, de dominação de opressores ditos héteros, foram libertas por feministas lesbicas, e finalmente puderam ver o que significa empoderamento.
Mas parece que por aqui, ficar cultuando os pirocos, e prioridade, e não a libertação de mulheres, entre mulheres.
Lirica.

Tinúviel disse...

@Bizzys, obrigada, mas não leio inglês. Estou pensando em reler os livros, vou prestar atenção especial nesse trecho ;)

Anônimo disse...

Mas parece que por aqui, ficar cultuando os pirocos, e prioridade, e não a libertação de mulheres, entre mulheres.
Lirica.
============================
Desculpem, mas não dá para ter paciência não>
Sim, sua idiota, vamos empoderar mulheres héteros, lhes castrando o seu desejo, ta "sertinhu" viu
Todo respeito as lesbicas, mas EU GOSTO E DE PIROCA,não gosto de machismo, desrespeito, agressão, MAS ADORO UMA PIROCA.
E fique longe da minha carteirinha, que eu fico longe da sua.

Anônimo disse...

Acho uma puta babaquice isso de "nossa fui excluída desse grupinho aqui então MORTE ÀS FEMINISTAS", que eu saiba, quem adora fazer isso são os feministos.

Maturidade independe de ideologia.

Anônimo disse...

Eu não estou dizendo para você deixar de gostar de piroca, sua imbecil, o meu gosto e seu, o problema e seu.
Eu estou dizendo, e para não castrarem, excluírem, o ativismo lésbico, dentro do feminismo,ativismo esse, que fez sim muitas mulheres presas, em um padrão patriarcal de relacionamentos, se libertarem sim. Qual o problema nisto?
Muitas mulheres, estão em relações ditas héteros, somente por pressão social(na minha opinião a maioria, e incluo ai, as assexuais), sentem desejo por outras mulheres, mas reprimem isto, para se enquadrarem na caixinha desta merda de sociedade patriarcal.
Lirica

Anônimo disse...

É o q mais tem. Homens sao machistas independente da raca e da cor. Por isso me incomoda muito os rotulos q vejo, pois fica parecendo q so homem branco e hetero é machista. Isso nao teflete a realidade

Anônimo disse...

Sera q esse comportamento do movimento feminista de querer abracar todas as causas nao é de fato um reflexo do nosso proprio machismo? Como mulher somos ensinadas spre a colocar nossas necessidades atras das dos outros.

Anônimo disse...

Eu não estou dizendo para você deixar de gostar de piroca, sua imbecil, o mau gosto e seu, o problema e seu.
Eu estou dizendo, e para não castrarem, excluírem, o ativismo lésbico, dentro do feminismo,ativismo esse, que fez sim muitas mulheres presas, em um padrão patriarcal de relacionamentos, se libertarem sim. Qual o problema nisto?
Muitas mulheres, estão em relações ditas héteros, somente por pressão social(na minha opinião a maioria, e incluo ai, as assexuais), sentem desejo por outras mulheres, mas reprimem isto, para se enquadrarem na caixinha desta merda de sociedade patriarcal.
Lirica

Raven Deschain disse...

Brigada Julia e Bizzys. Entendi.

Q babaquice sem tamanho! Eu concordo com x Tinúviel. Tb sou leitora xiita e se mudam demais o roteiro já fico p da vida! E ainda mudam pra piorar a história?? Eca. Agora que não vou ver mesmo...

Anônimo disse...

que tipo de silenciamento o ativismo lésbico sofre dentro do feminismo? Não tô trollando não, só queria saber pra identificar.

Anônimo disse...

Tenho problemas serissimos com textos sem a cara do autor. Li o comentário (excelente) da A. com a voz da Jout Jout na minha cabeça....

Tinúviel disse...

@Raven, pra ti:

"Lúthien Tinúviel é uma das mais importantes personagens para a mitologia do universo de fantasia criado pelo escritor britânico J. R. R. Tolkien. Nasceu da fusão entre as raças élfica e maia, uma vez que seu pai é o elfo Elu Thingol e sua mãe é Melian, uma maia. Foi da sua união com o humano Beren, que deu origem a toda a raça dos meio-elfos da Terra Média." (by Wiki) ♥

A. disse...

Olá, Lola, é muito bom poder colaborar um pouco com a discussão tentando manter a cabeça no lugar e tentar aprender com isso. Às vezes a gente comenta e ficam algumas lacunas e um receio de incompreensão que essas lacunas podem causar, mas a gente vai construindo.

Algumas pessoas aqui talvez não tenha entendido a nossa angústia. E bom, eu já passei por isso e a companheira do post relatou a mesma coisa, você também é a pecadora do corretivo. Temos um carinho muito grande pela comunidade LGBT, já fomos acolhida por muitos deles, mas é inegável que existam grupos que escolhem limitar a atuação dos demais. Achamos um erro, não é? Se ficar todo mundo um contra o outro, o que vamos conquistar em direitos? Vamos criar ilhas, é isso? Estamos aqui para disputar quem vai oprimir quem e quando? Bom, enfim...

Anônimo, 21 maio 14:08
Interessante você mencionar a JoutJout. Parece que ela criou o canal para superar um medo de falar e de audiência... Eu estou tentando juntar os meus caquinhos também. Talvez por isso apenas o "A." e ainda não o nome todo e talvez uma fotografia. Mas quem sabe e talvez para começar, o A. é de Ana.

Anônimo disse...

"Sera q esse comportamento do movimento feminista de querer abracar todas as causas nao é de fato um reflexo do nosso proprio machismo? Como mulher somos ensinadas spre a colocar nossas necessidades atras das dos outros."

Sem a menor dúvida tem a ver com a nossa socialização.

Anônimo disse...

Vou postar anônimo agora porque não sou de falar das minhas preferências sexuais.

Eu prefiro homens.

No entanto, é uma delícia transar com mulheres. O cheiro do sexo feminino, o gosto, é inigualável e ver uma mulher se contorcendo por causa da sua boca, da sua mão, do seu toque é algo muito precioso.

Quem tiver qualquer tipo de interesse nisso, recomendo. É divino!

Justamente porque se você souber sentir a mulher à sua frente, se você consegue antecipar os seus desejos e supri-los, ela não vai conseguir te enganar. É uma coisa de conexão, de você realmente sentir o que ela quer e fazer. E dar esse prazer.

É uma pena que não haja esse foco no prazer feminino. Poucos homens com quem eu transei souberam, de fato, fazer essa conexão comigo.

Homem é gostoso também, mas é mecânico. Eles não têm essa sensibilidade sensorial. E, fazer o que? Ainda prefiro o corpo masculino me dominando e pressionando contra a parede. Não fosse por isso, mudaria de lado fácil.

Sexo é uma arte. É gosto, cheiro, tato, audição, visão... você tem que usar os cinco sentidos e aguçar o sexto (intuição). É saber a hora de deslizar suavemente as mãos e a hora de pegar de forma mais firme. Sexo é você perceber onde a respiração fica mais ofegante, onde há o gemido. É buscar o seu prazer ao mesmo tempo que busca o prazer do outro.

Sexo não precisa ter sentimento, precisa ter percepção. Você não sente tesão pela pessoa? Então desfrute do corpo dela, saboreando cada pedaço. Parem de achar que sexo é mecânico, ritmado. Isso é o gozo físico, aoenas. É saciar a fome com big mac, ao invés de um prato predileto, daqueles que chega fervendo e aromático. Isso, sim, é orgasmo.

Colocar a primeira garfada na boca vem depois de sentir o cheiro, de ver aquela comida maravilhosa na sua frente e você tem que se controlar para não engolir a comida de uma vez, porque ela simplesmente é deliciosa demais.

Aí você realmente geme, com aquela sensação de calor descendo pelo seu corpo, sentindo cada célula vibrando com aquela sensação.

Mas aí os filmes ficam pregando que sexo é aquela meteção sem fim, ficam boicotando a masturbação feminina e não tem ninguém pra ensinar que sexo é algo que deve ser feito por inteiro, e não pelas metades.

Porque você pode engolir um mcdonalds uma vez ou outra...

Mas degustar um prato predileto, feito especialmente para você...Ahhh... isso é muito melhor.

Tá certo, às vezes estamos com pressa. Mas temos que aprender que tem horas que, bom mesmo, é sentar com calma num restaurante bom e degustar cada prato.

Vai, galera. Aprende a transar. Homens e mulheres...

Cara, você tá com o corpo de outra pessoa na sua frente, exposto para você, se joga, se entrega, se conecta.

Seja por uma hora ou por uma vida, abrace a experiência, a sensação, esteja presente.

Isso não é bom. É divino.

Beijo na boca de quem quiser! ;)

Ass: uma feminista qualquer.

Anônimo disse...

PS: só pra tirar uma dúvida...

Vocês não acham que já passou da hora de passarmos a aceitar as pessoas como elas são? Sem essa de divisão entre homem/muher/branco/negro/trans/cis?

Seria mais fácil as pessoas se relacionarem, não acham?

#fui

Ass: uma feminista qualquer

Anônimo disse...



Olá Jonas. Não te responde antes pq não tive tempo.

Li o texto que você me indicou e achei parcial e audacioso(quando acusado de ser parcial o próprio autor do texto responde dizendo "Carlos, o meu objetivo não foi fazer um "ensaio imparcial", já que fiz questão de escrachar a minha opinião contrária à mentalidade esquerdista". Mas existem alguns pontos nesse texto que eu vou usar em minha argumentação.

"Hoje sim, mas o feminismo no passado não era majoritariamente de esquerda, a receita e simples, e só focar nas formas de descriminação e preconceito que as mulheres sofrem, e não misturar isso com o discurso de esquerda."
Ninguém faz o feminismo de modo majoritário e a esquerda majoritariamente se unirem. Não é algo criado, imposto. Se fosse algo imposto essa união já teria se desgastado.
Ao longo do desenvolvimento histórico as mudanças na sociedade fizeram com que o feminismo coabitasse bem com a mentalidade esquerdista. E isso continua hoje; foi na esquerda aqui no Brasil que o feminismo encontrou mais espaço para se desenvolver. É mais do que óbvio que o feminismo enquanto ideologia se achegaria a um espaço onde fosse pregado a igualdade e a liberdade. O resultado é um feminismo esquerdista libertário. Não tem ninguém misturando discurso feminista com discurso de esquerda, são discursos amigos.

Anônimo disse...

Continuando Jonas.

"Só um fator já põem todo o seu discurso na lona, quando eu disse que o feminismo deveria apoiar a direita?"
Eu sei o que eu vejo. Aquilo que existe como área de incógnita na política brasileira é muito, muito pouco para os objetivos de expansão do feminismo. Eu olho para o congresso nacional e vejo políticos de esquerda, de centro e de direita. Existe ali um ou outro que pode ser cinza, já que pode apoiar uma política econômica direitista e não ser conservador em relação aos costumes, e vice-versa. Mas de um modo geral existe sim esse parâmetro político no nosso legislativo, e no meio do nosso povo. Então não há nenhum quase espaço que possa ser preenchido fora disso.
A verdade é que quando você digita "A verdade que muita gente torce o nariz pro feminismo, por duas coisas que são um câncer pro movimento /1 - o envolvimento escancarado com a esquerda, que um fator que só trás prejuízos ao movimento, pois impede o seu crescimento e gera muitos rachas internos." eu penso justamente"se ele diz que a associação do movimento feminista com a esquerda é algo ruim, se torne neutro para chegar aos outros campos ideológicos". Só que como eu não vejo como é possível o movimento feminista se tornar "apartidário"(por não ser um movimento neutro, pois já é um conjunto de ideologias formadas, e não vejo nenhuma corrente que possa ser neutra), tentei demostrar alguma contradição no discurso no que diz respeito ao antagonismo entre a visão majoritária feminista e a visão majoritária direitista. E você me sugeriu ler um texto.

Anônimo disse...

Continuando Jonas.

" a UNICA forma de fazer o feminismo funcionar direito, ele sendo apartidário"
O feminismo não pode ser apartidário pois não é neutro. Ele procura espaços para chegar, chegou aos espaços esquerdistas, se não chegou aos espaços direitistas é porquê NÃO FOI PERMITIDO ESTAR nesses espaços, pois as duas ideologias são antagônicas( e quando disse direita agora quis dizer direita conservadora). No próprio texto que você me indicou ( e que você diz ser a melhor definição que viu) o direitista conservador é visto assim "Então, para o conservador de Direita, algumas lições que o passado nos ensinou formam BASES IMUTÁVEIS; bases que, se forem destruídas causarão muitos danos à sociedade. Nós podemos citar entre elas: a existência de uma ORDEM MORAL DURADOURA...", e , trazendo isso para a realidade desse país essa ordem moral é a vigente, como o texto fala "O conservadorismo burkeano é somente um dos diversos conservadorismos que existem. Afinal, ser conservador é uma questão de contexto. Se você é socialista e luta para estabelecer o socialista, você é um revolucionário. Se você consegue estabelecer o regime socialista em seu país, você se torna um conservador socialista, pois quer conservar esse regime e é contrário a mudanças muito bruscas que possam vir a destruir aquilo que você lutou para conquistar.", logo o direitista conservador é anti-feminista, já que nossa sociedade é patriarcal e anti-feminista, e ele procura conservar esses valores patriarcais.
Mas claro que esses não são os únicos direitistas que existem no mundo. O texto cita uma característica desse outro tipo de direitista que pode querer ou não conservar esses valores patriarcais"O liberalismo político e econômico vem a ser a...", o libertário. Mas esse direitista( ou não; não sei como você classifica libertários, eu classifico como direita) representa que percentagem de direitistas de modo geral nesse país? 1%? E já ouvi falar de libertárias feministas, mas é algo bem minúsculo.
Então sobra ao feminismo disputar um espaço hostil na direita, e um espaço menos hostil na esquerda( devem existir esquerdistas anti-feministas).
Viu qual é o motivo pelo qual o movimento feminista é majoritariamente formado por pessoas que tendem à esquerda, nesse país e não só nesse país?

"Agora eu vi que você não entende o que e ser de direita, e não sabe direto o que e meritocracia"
Tenho certeza que eu sei o que é meritocracia.

Raven Deschain disse...

Oi. Tinúviel. =3

Ana Carolina Serrao disse...

Em paz eu deixo.
Nunca entrei em guerra contra ele....

Anônimo disse...

Eu entendo a autora, mas achei que ta meio exagerado. Eu te daria uma dica : nao leve as coisas tao a ferro e fogo. Nao vale a pena.

Eu volta e meia venho aqui e as vezes fico ausente quando comecam a chover comentarios mal- educados, ou ataques a essa ou a aquela pessoa. Nao gosto. Inclusive nao faz bem pra minha saude. Ontem tive uma crise de enxaqueca horrivel. Nao sei seteve a ver com isso, mas por coincidencia tinha lido na vespera um artigo nojento do Rodrigo Constantino sobre o medico morto no RJ. Deu asco, nojo, fui dormir e no dia seguinte acordo com dor.
( falando nisso vc leu esse artigo Lola?? acho que vale a pena vc escrever um post sobre isso - ta nojento : o cara mistura violencia, maioridade penal, aborto, sexualidade( que ele chama de promiscuidade), ‘ esquerda caviar’ e joga tudo no mesmo balaio de gato.E aproveita pra falar mal da Marieta Severo e do Chico Buarque( oi? o que ele tem a a ver com a vida deles?) enfim, acho que vale um post pra criticar o artigo...

Mas voltando a autora do texto : acho legal vir aqui , pq aqui mudei muitos conceitos e atitudes que eu nem sabia que eram machistas. Hoje nao uso a expressao “ mal amada, mal comida” por ex. que eu nem sabia que era de cunho machista. Hoje sou uma outra pessoa comparado ao que eu era ha cinco anos. Eu que sou medica li e aprendi aqui o que e violencia obstetrica, e aprendi lendo posts desse blog que o modelo de atencao a gestante e ao parto ensinado nas escolas de medicina do Brasil ( e que eu aprendi)eh equivocado e atrasado em relacao ao resto do mundo.
Entao, eu evolui. As pessoas mudam, evoluem( em geral, espero que pra melhor) e pra mim ler o blog contribuiu muito pra isso.
Tem gente mais radical sim, que me desestimula a vir aqui. Mas hoje nao discuto mais. Quando comeca a pegar fogo, dou um tempo, depois volto.

E sinceramente nao gosto de me enquadrar em estereotipos “ sou feminista ou nao sou”; tem varios conceitos do feminismo que acho bacanas e que sigo, outros acho exagerados. Cada um segue o que acha melhor. O importante eh nao deixar que querer melhorar e evoluir como ser humano. Sempre!

Um abraco

Maria Valeria

Anônimo disse...

Acho uma puta babaquice isso de "nossa fui excluída desse grupinho aqui então MORTE ÀS FEMINISTAS", que eu saiba, quem adora fazer isso são os feministos.

Maturidade independe de ideologia.


Só vejo feministo esquerdomacho fazendo isso, daí minha desconfiança total com esse texto.

Anônimo disse...

Sou homem, ateu e não tenho uma definição política certa. E me sinto parecido com a escritora do post, o feminismo me fascina, mas tem uma parte do "feminismo" que acaba me assustando, as vezes vejo atos de intolerância e ódio tão grande que me parece um "patriarcado as avessas". Percebo também que os conceitos do que é feminista ou machista varia conforme o "grupo feminista" (é como se existisse um micro universo dentro do universo feminista). E por último, a mídia aparentemente dá mais atenção para esse "feminismo as avessas" do que um feminismo Lola....
Ps: postei esse comentário erroneamente em outro post.

Anônimo disse...

Já tive experiencias como a da autora do guest post, infelizmente! Apoio o ideal feminista mas fui extremamente mal recebida entre algumas feministas. Fui julgada pela minha aparência, meu corpo, orientação sexual,profissao... Como se apenas algumas mulheres fossem "dignas" para o feminismo. Enfim, em um espaço onde esperava acolhimento e aceitação fui julgada até "pela cor que deve ter o meu c*" Triste, mas real, ainda existe muita discriminaçao entre feministas!

Joane Farias Nogueira disse...

Se a causa é justa, mas vc desconsidera por causa de alguns individuos tem algum problema c vc.

Vinícius Dias dos Santos disse...

Tendo em vista que uma das abordagens do Feminismo é a igualdade de gênero, eu percebo as pessoas tendo uma dificuldade enorme de aceitar um dos fatos da vida: o ser humano é imperfeito. "Humano, estupidamente humano".

No processo de seguir o ideal, "erros" irão acontecer. O importante é perceber se é realmente importante existir polarização por conta de gênero/sexo, e em qual lado a pessoa escolhe estar dado o histórico. Quando uma mulher feminista comete um "erro", o feminismo está errado? Eu dou o nome pra esse fenômeno de "misoginia histórico-epistemológica": uma vilificação de um movimento que não é perfeito. Justamente por ser feito, historicamente, por mulheres.

Eu, como homem (e não tendo um blog sobre feminismo, mas comentando em um blog de uma mulher[1]), posso apontar algumas coisas que vejo errada em alguns segmentos do movimento, por exemplo:

Achar que o mundo todo deve ser um "Safe Space", e acabar desempoderando mulheres. Existe violência no mundo, existe violência na arte, existe violência na internet. Existem formas de lidar com isso, e fingir que não existe não é empoderamento. O lance do Game of Thrones me deu calafrios: um chute no pé querer que uma série que construiu um personagem psicopata não mostre esse cometendo um estupro.

Vai ter estupro em ficção, sim. Existe uma infinidade de pessoas do movimento criando "Safe Space", inclusive na arte. Procure-os(e ajuda profissional), mas pelo amor de Deus: se prepare pra ver violência em filmes, textos e som quando sair do Safe Space, e aprenda a como evitar violência na vida real. Poder é a capacidade de navegar livremente no que já existe.


E mesmo com esse aspecto(e vários outros), eu não vou sair atacando o Movimento Feminista como um todo. Igual alguns vloggers no youtube fazem. Eles apontam erros grandes no discurso da Anita Sarkeesian[2], por exemplo, mas sempre seguido de um "feminism poisons everything", "feminism is wrong", etc.

Meu ponto da misoginia histórioa-epistemológica é esse: Só criança acredita em papai em noel. Feminismo é um movimento feitos por várias pessoas, e é tão falho e válido como outros movimentos. Você passou a vida vendo homens falar merda(de vez em quando), qual o problema de ver mulheres falando merda (de vez em quando) também?[3]


[1] É muito estranho a tentativa daquele blog Feminismo Racional com a idéia de que "não importa se eu sou mulher ou homem escrevendo isso aqui". (Todo mundo sabe que é o Eli, e quanta merda naquela página.)

[2] Dá pra perceber que ela não joga metade dos jogos que ela analisa, e faz uma análise de linguagem muito restrita, embora a crítica de tropes em geral seja válida.

[3] Humanismo do abismo: somos um saquinho de merda que as vezes faz algumas coisas impressonantes, lidem com a merda igual adultos.