terça-feira, 26 de maio de 2015

GUEST POST: "MEU PAI, PEDIATRA, FEZ EXAME GINECOLÓGICO EM MIM"

Este é o relato e pedido de ajuda da F.:

Tenho uma grande dúvida com a qual convivo há alguns anos e não tenho nenhum canal onde possa esclarecê-la. Como o seu blog é popular, minha esperança é de que alguma leitora da área médica pudesse dar uma opinião a respeito. Minha dúvida é se o que eu passei possa ser classificado como abuso sexual. A história é a seguinte:
Quando eu tinha 12 anos meu pai, que é pediatra, me obrigou a ir a seu consultório para um check-up. 
Eu era uma menina saudável e disse que não queria ir, mas não teve jeito. Meu pai era muito autoritário.
Chegando lá, ele foi logo dizendo, de forma ríspida: “Anda! Tira a roupa! Não tem essa de vergonha, sou seu pai”. Eu tive que ficar só de calcinha, não tinha sequer aqueles aventais que a gente usa em consulta médica. Deitei na maca e ele começou a examinar, verificando a ocorrência de pelos nas axilas, seios despontando, enquanto proferia palavras de cunho técnico. 
Eu estava morta de vergonha e achei que aquilo já era humilhação suficiente quando ele retirou minha calcinha e eu tive que abrir as pernas. Tremi. Ele tocou minha vagina por fora e depois inseriu o dedo no início da vagina e disse “desenvolvimento sexual normal”. Eu senti que minha vagina teve uma contração por causa do estímulo e fiquei ainda mais envergonhada. Depois que acabou ele mandou eu ir embora. Me senti péssima e me lembro até hoje da sensação de que estava tudo preto ao meu redor enquanto caminhava no corredor do prédio. Parecia que as paredes iam me engolir. 
Minhas perguntas são: check-ups se fazem em crianças saudáveis? Um pediatra pode fazer consulta ginecológica em pré-adolescentes? Um pai que é médico tem direito de examinar uma filha adolescente desta maneira? Eu suspeito que meu pai queria verificar se eu era virgem também. Meu irmão nunca passou por isso, mas tampouco minha irmã mais nova.
Depois desse episódio comecei a comer compulsivamente e engordei trinta quilos em menos de dois anos. Andava sempre cabisbaixa e vestia roupas largas. Embora minha infância tenha sido péssima (meu pai entra perfeitamente na descrição de narcisista e nunca se importava com minhas necessidades, só ele importava), o terror começou mesmo na adolescência. Eu era “aborrescente” para meus pais, ainda que nunca tenha causado problemas e sempre tenha sido boa aluna. Era o conceito perfeito pra justificar todo tipo de mau tratamento. Quase diariamente eu tinha que ouvir meu pai gritando “Eu te mato se você arranjar namoradinho!”, do nada! 
Se eu brigasse com minha irmã por qualquer bobagem, meu pai me chamava para conversar e a primeira coisa que perguntava era se eu estava com “namoradinho”. Era uma obsessão. E é claro que eu não tinha namorado. Era um controle constante, muito mais forte sobre mim do que sobre minha irmã. Mas ao mesmo tempo ele também dizia que, por ter engordado, eu “estava deformada e nunca ninguém ia querer me namorar”. 
Esse terror com namoro seguiu até bem depois de eu ir morar em outra cidade por conta da faculdade (ele me obrigou a dividir apartamento com uma mulher desconhecida e louca, fantasiando que assim iria me prevenir de levar namorados pra casa dela).
Mais ou menos na mesma época da consulta houve outro episódio também perturbador. Estávamos na praia e meu pai disse que queria fazer umas fotos minhas. 
Disse para eu fazer uma pose sensual com as pernas, fazer olhar sexy e deixar a boca entreaberta. Eu quase morri. Fiquei paralisada. Tinha que obedecer porque senão ele explodia, mas fiz uma pose inocente de criança como se não estivesse entendendo o que ele estava pedindo. Em que mundo uma criança vai olhar para o próprio pai como se estivesse pedindo sexo? Fiquei tão, mas tão constrangida, e ele só reclamando que eu não estava fazendo exatamente como ele havia pedido. Ainda bem que neste momento minha mãe chegou nos chamando pra almoçar.
Esses são os dois episódios que me perturbam mais.  Mas desde que eu era bem pequena nunca me senti segura com meu pai. Meu pai era mulherengo fora de casa, mas dentro era cheio de moralismo. Ele era tão seguro de suas atitudes que levava a própria família para a casa da mulher com quem mantinha uma relação e ela também frequentava nossa casa, minha mãe sempre se fingindo de morta, porque para ela qualquer coisa era menos importante do que ter um marido. 
Acho que meu pai também pode ser classificado como compulsivo sexual. Uma vez soubemos que ele agarrou uma secretária (ele só empregava mulheres bonitas) e ela fugiu correndo e chorando aterrorizada e nunca mais voltou pra trabalhar. Ela não teve coragem de denunciá-lo.
Eu nunca gostei do meu pai porque ele jamais me tratou com carinho e respeito. Ele é misógino, vivia depreciando tudo o que mulheres faziam, no trânsito era capaz de seguir um carro para provar que o condutor era do sexo feminino e por isto estava "fazendo merda", então tudo de errado era coisa de "mulherzinha". Me lembro de centenas de histórias de humilhação às quais ele submetia suas filhas -– mas não seu filho, pois este tinha privilégios e ganhava presentes caros todos os meses enquanto eu tinha duas calcinhas rasgadas e um par de tênis com boca de jacaré para usar. 
Todos na família concordam que meu pai é péssima pessoa, mas ninguém nunca cortou relações com ele pra valer e acham que eu deveria falar com ele normalmente, pois, “afinal, ele é teu pai”, dizem. Ninguém sabe das duas histórias acima e tenho medo de contar e ser desacreditada pela minha própria família. Estou sempre deprimida e assombrada pela minha infância e adolescência e precisaria ouvir de especialistas o que eles pensam sobre a conduta médica do meu pai, se pediatras têm legitimidade ou não para fazer o que ele fez e se há alguma regra de conduta clara em relação a isso na ética médica.
Lola, eu sou sua leitora e, há alguns anos, foram seus textos que me ajudaram a enxergar o que existia para além do machismo. Vejo que você ajuda muitas meninas e mulheres dando espaço a elas para que esclareçam suas duvidas. Eu gostaria muito de ter esse espaço também, porque não tenho a quem recorrer. Meu pai foi péssimo, mas também não quero correr o risco de acusá-lo de algo tão sério. 
Se algum dia resolver contar pra minha família, quero estar amparada pela convicção de que ele, sim, abusou de mim, e para isso preciso da legitimação de pessoas da área médica. Já tentei fazer análise duas vezes, mas assim que comecei a falar do meu pai, as psicólogas me cortaram. Uma delas o conhecia, a outra simplesmente não queria saber. Por conta disso, tenho muito receio de fazer análise, pois não quero me expor de novo para não ser levada a sério. Hoje em dia vivendo no exterior tenho ainda menos vontade de recorrer a psicólogos.
Muito obrigada pela oportunidade que você dá a muitas mulheres vitimas de machismo por aí. Quando a gente cresce neste tipo de ambiente, a gente duvida até dos fatos na nossa frente porque é incapaz de confiar no nossos sentidos e nosso bom-senso, já que somos desacreditadas tantas vezes. Eu espero que eu possa ter alguma paz de espírito com alguma resposta em relação ao meu caso. 

Meus comentários: Sinto muito pela sua infância e adolescência tão tristes, F. Bom, eu evidentemente não sou médica ou psicóloga, e fico no aguardo que alguma pessoa possa te dar alguma luz. Mas acho que esses dois episódios juntos (ele te tocar durante o exame e pedir pra você fazer poses sexy na praia, e mais a obsessão sobre um possível namorado) podem configurar abuso sim.
Uma menina de qualquer idade pode precisar exame ginecológico, mesmo que ela não esteja necessariamente doente. Pelo que vi, existe uma área só pra isso, chamada ginecologia infanto-puberal. Mas não é o pediatra que faz. O pediatra pode recomendar um ginecologista, só que na criança ou adolescente virgem não há toque vaginal. Nesses casos, para avaliar útero e ovários, faz-se uma ultrassonografia pélvica. Quando a adolescente não é virgem, usa-se o espéculo.
Fora isso, não é apropriado que um médico atenda membros da própria família (nem a si mesmo). O Cremesp diz que esse é um consenso entre os médicos.
E que negócio é esse de psicólogas não quererem ouvir sobre um assunto que te assombra tanto? 
Procure outra psicóloga (uma que não tenha ligação nenhuma com seu pai). É certo que, mesmo sem o abuso sexual, teu pai te traumatizou em vários níveis. É algo que você vai precisar confrontar, cedo ou tarde. 
Torço para que um dia você consiga superar tudo isso.

168 comentários:

Gle disse...

Também não sou psicóloga e nem médica, mas não preciso disso pra saber que, como a Lola disse, não existe exame de toque em pessoas virgens. Eu fui a uma ginecologista pela primeira vez com quinze anos, e ela me perguntou se eu era virgem. Disse que sim e ela não fez nenhum exame intra vaginal.
Como você disse, seu pai foi bem técnico, então acredito que antes de ter pensado em "abusar de vc", ele queria "comprovar" que você era virgem mesmo (o que não deixa de ser horrível).
Quanto as fotos na praia, prefiro nem pensar o que ele queria fazer com elas.

Deve ser péssimo ter que chamar um cara como este de pai. Espero que você encontre uma boa profissional (psicóloga) para tratar esses traços da sua infância/adolescência que ainda te machucam tanto. E tomara que apareça alguma médica aqui que possa falar sobre a ética médica em casas como este.

Anônimo disse...

Que seu pai é um abusador isso é evidente, por todas essas coisas que ele fez a você e pelo ataque sexual contra a secretária. Mas espero que você encontre a ajuda que precisa e consiga se curar de todo mal que esse monstro te causou. Fique bem :)

Anônimo disse...

Olá, não comento muito aqui, mas adoro seu blog Lola, ele mudou muito a minha vida. Resolvi comentar hoje porque sou estudante do quinto ano de medicina.
Pediatras fazem sim consultas de "check up". Essas consultas são feitas numa frequência maior nos primeiros anos de vida da criança e anualmente depois. Porém é preciso deixar claro que nenhum médico pode botar a mão em você caso ele não tenha a sua autorização, seja pra fazer um exame superficial ou algo mais "íntimo", como um exame ginecológico.
Na faculdade de medicina, todos aprendemos a fazer exames ginecológicos e estamos aptos a realizá-los, porém idealmente quem o realiza é o ginecologista. A conduta correta para um pediatra é encaminhar suas pacientes que tiverem sua primeira menstruação ao ginecologista, e não realizar o exame por si mesmo. Até porque, se for diagnosticado um problema, provavelmente o pediatra não será o médico mais apto para lidar com ele.
O que os pediatras podem fazer (e devem, no caso de bebês por exemplo) é fazer um exame da genitália externa. Isso é mais importante com com crianças mais novas, para observar se houve alguma anomalia na formação destas estruturas durante a vida intra-uterina, de modo que seja corrigido ou tratado no melhor tempo para a criança. Esse tipo de exame também é feito caso a queixa do paciente tenha a ver com a genitália, daí o médico precisa examiná-la.
Porém, o exame da genitália externa se chama assim porque é, basicamente, uma observação dos órgãos genitais, no máximo com uma palpação (na região externa, para ver, por exemplo no caso de meninos, se ele tem um número normal de testículos, etc) ou abertura dos grandes lábios da vulva (para observar se há sinais de infecção ou mal formações, por exemplo, algumas meninas nascem com os pequenos lábios "colados"). Esse tipo de exame não envolve toque vaginal. O que aliás, foi muito bem explicado pela Lola - toque e passagem de espéculo (o "bico de pato") é algo que só fazem em mulheres não virgens. Nas pacientes virgens, o ginecologista só colhe um pouco de secreção da entrada da vagina para ver se não há nada (geralmente com algum material delicado, como um cotonete) e faz um exame superficial da genitália (bem como exame das mamas, etc). Exame ginecológico completo (com passagem de espéculo, colheita do preventivo e toque vaginal) apenas em paciente não virgem (e que autorizar também, lembrando lá em cima, médico só pode fazer o que tá autorizado por você). Em casos muito específicos, o ginecologista (não o pediatra) pode precisar realizar fazer um exame completo numa menina que é virgem, porém são casos selecionados, mediantes a autorização da paciente e com certeza não configuram uma consulta de rotina (check up).
Sinto muito por você ter passado por isso com seu pai, te desejo sorte e força pra se recuperar e espero que eu tenha esclarecido alguma coisa. E lembre-se, não é porque a pessoa é da sua família que vale a pena a qualquer custo mantê-la por perto. Um abraço ^_^

Anônimo disse...

Segundo pesquisadores, viciados em sexo e viciados em pornografia quase sempre exibem graus clinicamente significativos de narcisismo...

Que o narcisismo seria correlacionado com o vício em sexo e pornografia não é surpreendente, uma vez que, clinicamente, o comportamento narcisista é um mecanismo de defesa ou mecanismo de enfrentamento cujo objetivo é lidar com sentimentos de inadequação, inutilidade e vergonha. De fato, ao contrário da crença popular, o narcisista não ama a si mesmo, mas odeia a si mesmo e habitualmente se engaja em comportamento compensatório e entorpecente, a fim de distrair-se dos seus problemas.

http://www.examiner.com/article/narcissism-and-porn-addiction

Anônimo disse...

Estou com pouco tempo para escrever agora,entao como medica, respondo a uma das perguntas da autora :

O proprio conselho de medicina NAO RECOMENDA que medicos examinem e/ ou tratem seus amigos, familiares e conjuges, pelas razoes :

1- o envolvimento emocional atrapalha

2- as pessoas nao se sentem a vontade para falar de e/ ou mostrar coisas intimas para o familiar medico

3- na grande maioria dos casos, esses “ favores” de tratar amigo, parente,... o profissional acaba nao redigindo o prontuario medico, acaba tomando atitudes arriscadas( receitar remedio por telefone, por ex, o que eh proibido).


Por essa propria recomendacao do conselho, e pelo seu relato, me parece claro que houve um abuso, sim.


Os psicologos que te atenderam foram completamente anti- eticos e agiram sem nenhuma empatia. Procure outro. Para garantir que vc fez uma boa escolha, peca indicacao de amigos ou procure em sites especializados. Nao sou psicologa mas ja fui atendida por e ja fiz terapia, entao sei como eh.



Espero que vc fique bem, e nao deixe de procurar ajuda profissional .

Maria Valeria


Maura disse...

Que horror, manda seu pai se fuder, a família n sabe dos abusos mas sabem que ele é um fdp escroto e ainda assim acham que você é obrigada a conviver com ele?
Francamente, manda todos a merda.

Anônimo disse...

Primeiro: Nem tem o que dizer. É abuso. É de arrepiar. Eu já levei muitos anos até me sentir pronta pra alguém mexer na minha vagina por razões médicas objetivas depois de adulta, (e mesmo assim foi horrível, mesmo que o médico fosse bem científico), imagino o trauma. Isso é terrível. E parece que ser o pai dela causa um clash de exercício de poder e autoridade múltiplo - adulto, homem, médico e pai. Você é obrigada a confiar em cada uma dessas categorias. Assustador.


Uma coisa interessante que eu vi certa vez - blog gringo, não achei o texto, e tô chateada por isso - foi uma mãe que tinha levado a filha, (eu não lembro a idade da menina, mas era menos de 10 anos) numa pediatra (mulher), e essa mãe ensinou desde sempre a filha a jamais deixar alguém tocá-la de forma que a fizesse desconfortável. E a médica perguntou (perguntou!) se podia examinar. E como era primeira vez da menina nessa médica, ela disse "eu não quero tirar toda a roupa, porque eu não te conheço muito bem". Mesmo tendo a mãe na sala.

A mãe e a médica concordaram com a postura de autonomia da criança, então a médica usou como recurso perguntar pra menina se ela estava com algum desconforto na vagina, coceira, problema pra fazer xixi, qualquer coisa. A menina disse que tava tudo ok, a mãe e a médica se deram por satisfeitas. Provavelmente com o tempo a menina iria se sentir confortável para o exame - mas ela ter autoridade sobre a situação naquele momento foi super legal.

[Editado meio porcamente pra desassociar genitália de gênero - favor perdoar qualquer escorregão]
Pode parecer irresponsável, mas quantas pessoas com pênis são obrigados desde crianças a ter alguém medicalizando suas "partes pudendas" sem nenhuma necessidade objetiva? Possuir vagina é sempre clínico desde o começo - cala a boca e deixa o doutor fazer o trabalho. Ele sabe, você não. Ele manda, você obedece. Só ele vê (kd espelhinho), só ele sabe, só ele entende, e você, que nasceu com aquilo, não dá pitaco porque não é seu. Primeiro por ser mulher, e muito pior por ser criança. Medo.

Anônimo disse...

Parei de ler quando ela disse que tinha engordado 30 kg!

Zrs disse...

Gente, que horror, que abuso esse monstro cometeu com a filha.

Até quando teremos essa enxurrada de abusos dentro da casa, com pais abusando de suas filhas e mães caladas ou coniventes?!

Querida, toda minha solidariedade para você. Procure um bom tratamento e se distancie da sua família, será libertador!

Anônimo disse...

Anon 12:22

Sim, não só parece como é tremendamente irresponsável e sim, só elx sabe e entende, eu tenho fígado, rins, coração e não entendo porra nenhuma sobre eles, se eu ficar doente será que meus conhecimentos vão ajudar? Meninos e Meninas devem fazer exames em suas genitálias, e meninas mais ainda, pois a vagina, por ser um canal maior e mais aberto e também direto para dentro do corpo, tem mais possibilidades de pegar alguma infecção e etc. Crianças devem sim ser examinadas, de preferência com o acompanhamento dos pais claro. Quanto a desassociação da genitália com gênero caímos aqui no caso da Luisa/Helena/whatever, aquele cara que tinha um pênis e é barbado e tudo mais pode se identificar como mulher ao seu bel prazer e causar todo aquele rebuliço? Eu sei que a questão dos trans vai bem além disso, mas é algo a se pensar.

q disse...

F., não desista de procurar uma psicóloga, pq vai ser essencial pra superar o q aconteceu. Se for em uma e n se der bem, n fique chateada achando que o problema é seu de n se adaptar. Simplesmente vá em outra, pois vc n é obrigada. Isso foi o q aconteceu comigo e foi assim q me senti. Hj fico pensando q poderia ter mudado para a minha atual mais rápido, mas qnd estava na antiga achava q ela estava certa eu q era sensível demais (qnd ela na verdade era desrespeitosa e agressiva).
Enfim, vc ter escrito o q aconteceu já é uma boa coisa. As vezes nós construimos bloqueios para n pensar nos assuntos desagradáveis.

Anônimo disse...

O cara é pai da garota, ele sabia que não podia examiná-la e msm assim o fez... Deve ter feito isso com a intenção de controlá-la, mostrar que quem manda no corpo dela era ele...
Nenhum médico pode fazer nada sem a autorização do paciente ou dos pais, qdo menstruei minha mãe me levou ao gineco eu tinha uns 10 anos, ele não fez nd... ia lá pra conversar e ele explicava como que funcionava o meu corpo em um molde (acho que é isso) que demonstrava útero, ovários, vagina e etc... algum tempo depois (uns 2 anos) ele me pediu pra anotaras datas da menstruação e sintomas q eu tivesse, fazia exames de sangue e td mais , mas sem exame ginecológico. Esse msm médico só foi fazer o exame ginecológico em mim qdo eu tinha 20 anos e perdi a virgindade... Frequentei o cara 10 anos, conversava com ele, mas nunca nunca me fez tirar a roupa ou me examinou sem permissão...

As ações desse "pai" pra mim só demonstram o tipo de controle que ele queria ter sobre ela... Conheço pessoas que tem essa obsessão pela virgindade alheia...

Mari disse...

Esse cara atropelou o código de ética médica, deu ré e atropelou de novo umas 37 vezes. E aposto que não deixou nenhum registro em prontuário. Só ter examinado você sem um avental, contra a sua vontade e te deixando constrangida já teria sido ruim o bastante. Estou no sexto ano da faculdade e pretendo fazer pediatria. Fiquei realmente chocada com a conduta deste monstro.
Moça, sinto muito que você tenha passado por isso. Espero que encontre forças para enfrentar esse monstro e sua família. Não se sinta obrigada a aceitar nada que te oproma e ofenda porque "é seu pai". O caralho com esse falso moralismo.

Mila disse...

Eu sempre tive dúvidas se do ponto de vista de ética consultar parentes e amigos tava ok, mas a dúvida já foi sanada. A mãe da minha amiga é uma ótica ginecologista, mas ela nunca se consultou com a mãe. As duas são médicas e concordam que é difícil separar até que ponto elas são mãe e filha e até que ponto são médica e paciente.
Esse episódio da foto é de lascar. A conduta dele foi, no mínimo, estranha. Mas me parece um caso de perversão mesmo.

Anônimo disse...

Diva

Garota antes de ir pra psicóloga te faço um apelo: bota este LIXO que vc chama de pai na CADEIA! Denúncia ele SIM! Não fique com vergonha, quem tem que se envergonhar é ELE!
Mesmo que o crime de abuso sexual(vamos ser realistas enfiar o dedo na vacina da própria filha é abuso sexual sórdido) tenha prescrito fale ora TODOS da familia! Não se importe se vão acreditar ou não! Diga na cara dele que ele é um moralista e machista de merda porque um homem que ABUSA da própria filha não tem direito à respeito nenhum! Pense no seguinte, ele pide tb abusar de sua irmã pq estupradores e pedófilos NÃO tem redenção!
Não tenha medo mais! Você tem direito de namorar. Transar com quem quiser, estudar e trabalhar, não é justo vc ter sua vida e sanidade ceifadas por um verme imoral! DENUNCIE ou no minimo mostre ora todos, parentes e conhecidos o CANALHA que ele é!

Anônimo disse...

Quis dizer vagina, corretor de celular é terrível!

Anônimo disse...

Quando eu tinha 11 anos minhas mamas começaram a se desenvolver. Eu tinha duas bolinhas duras embaixo das aréolas, alguém lembra disso, dessas bolinhas? logo eu menstruei, com essa idade.

Minha avó ficou absolutamente apavorada, porque ela só havia menstruado aos 17, e nessa idade também desenvolvido as mamas. Para ela, eu era uma aberração. Lembro de muitas vezes meus seios serem o motivo da conversa no almoço. "Ela come muita pele de galinha, a pele tem hormônios." "ela faz natação, natação desenvolve as mamas". E eu ali, sem entender nada, com 11 anos.

Até que depois de muito tocar o horror na minha mãe, minha vó conseguiu autorização para me levar no postinho de saúde do SUS. Fui atendida por um clínico geral.Um homem horroroso, antipático. Ele tinha um olhar perdido, e a boca mole. Minha avó explicou pra ele o motivo da consulta, que eram os meus "seios precoces". Ele, médico, poderia ter explicado logo a ela que o meu desenvolvimento estava dentro da normalidade. Mas não. Me mandou tirar a blusa, e sem nenhum avental, em pé, ali mesmo, começou a apalpar os meus seios. Aquilo deve ter durado 2 minutos, mas para mim foram duas horas. Horrível. Aquela boca mole, ele não se dirigiu a mim em nenhum momento. Se alguém aí viu a minissérie "A Muralha", ele me lembrava o padre maníaco que sequestrou a Letícia Sabatella e abusava dela.

Depois de me examinar, disse a minha avó o que todo mundo já sabia: meu desenvolvimento era normal.

Nunca me esqueci disso, tive pesadelos com esse abuso por muito tempo. E até hoje, aos 27, não gosto de ser tocada nos seios.

Danilo Muller disse...

olhem esse caso www.osaogoncalo.com.br/policia/manobrista-agride-mulher-pela-2a-vez/ o cara agrediu a mulher e ela foi embora ele não ameaçou ela nem fez mais nada depois disso depois ela volta dizendo que ama ele e apanha de novo. tem mulheres que gostam de apanhar e pior a mãe do covarde ainda defende ele viu gente as próprias mulheres são machistas as mães adoram proteger seus filhos de bichos(mulheres)

Anônimo disse...

Danilo, se mata seu misógino maldito! Verme nojento...

@vbfri disse...

Sou advogada.

Esse caso é tão absurdo, mas tão absurdo, que dá vontade de vomitar.

Não. Nenhum médicom tem o direito de examinar uma criança (CRIANÇA!!!) à força. Quer, faz um exame de sangue. Isso que ele fez é abuso. (pediatras, no entanto, podem fazer exames ginecológicos, sim. É cadeira básica, salvo engano, de medicina).

Agora, exame "ginecológico" não é feito sem consentimento (NENHUM EXAME É FEITO SEM CONSENTIMENTO!!!!) e não há exame de toque em mulheres virgens.

Vou repetir: não há exame de toque em mulheres virgens.

O que pode ser feito (e só em casos excepcionais, e só com consentimento, e só com mais uma pessoa na sala, e só com muita cautela) é utilizar cotonetes para recolher material.

A regra básica é:

Se foi forçado, é abuso.
Se foi desconfortável, é abuso.

Não tem essa de "é porque sou seu pai".

E sobre as fotos... nem vou comentar nada. Vontade de vomitar.

Sou contra a violência, mas me dá vontade de dar um tapa na cara desse cidadão.

Anônimo disse...

Aos 5 minutos deste vídeo, Dom Jerônimo, o padre que abusava de Don'Ana. Reparem no olhar doentio dele, assim era o olhar do médico que me atendeu. Essa minissérie é, inclusive, muito boa. Recomendo.

https://www.youtube.com/watch?v=UWJCzMRp5nE

@vbfri disse...

Código Penal:
Art. 61 - São circunstâncias que sempre agravam a pena, quando não constituem ou qualificam o crime:
(...)
II - ter o agente cometido o crime:
(...)
f) com abuso de autoridade ou prevalecendo-se de relações domésticas, de coabitação ou de hospitalidade, ou com violência contra a mulher na forma da lei específica;
g) com abuso de poder ou violação de dever inerente a cargo, ofício, ministério ou profissão;
h) contra criança, maior de 60 (sessenta) anos, enfermo ou mulher grávida;
---
Art. 217-A. Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com menor de 14 (catorze) anos:
Pena - reclusão, de 8 (oito) a 15 (quinze) anos.
---
Art. 226. A pena é aumentada:
II – de metade, se o agente é ascendente, padrasto ou madrasta, tio, irmão, cônjuge, companheiro, tutor, curador, preceptor ou empregador da vítima ou por qualquer outro título tem autoridade sobre ela;
---
Se alguém tiver mais alguma dúvida, pode perguntar.

Danilo Muller disse...

14:50 quanto ódio nesse coração rs só queria entender porque mulheres que conseguem se livrar de agressores voltam para o seu agressor, muitas mulheres não tem essa mesma sorte ai uma que consegue se livrar e volta por "amor" é difícil de entender.

Raven Deschain disse...

Meu deus anônima! Vc falou exatamente o que eu sinto sobre o cara que me estuprou! Aquela boca mole... Nojo eterno! Até hoje odeio esse padre pq ele tb me lembra aquele desgraçado!

F. Te recomendo a leitura de O Jogo Perigoso, do Stephen King (claro). É bastante triggering, então se vc achar que não vai conseguir ler, não o faça. Mas a protagonista tem exatamente as mesmas dúvidas que vc. E tb é com o pai. É bastante esclarecedor (pelo menos foi pra mim).

B. disse...

"Nunca me esqueci disso, tive pesadelos com esse abuso por muito tempo. E até hoje, aos 27, não gosto de ser tocada nos seios."

Momento desabafo: nunca passei por nenhum episódio traumático, mas tb tenho pavor de que me toquem nos seios, me sinto invadida, sexualizada DEMAIS sabe. Tenho peito grande e é só sair na rua pra ouvir abobrinha. Me sinto pouco a vontade quando meu namorado fala coisas como "humm, peitão" me sinto o legítimo objeto. E não adianta falar, ele não entende. Me sinto suja!

Anônimo disse...

Querida anônima se não pode mais denunciar o médico marque uma consulta pra uma suposta "filha". Dentro do consultório chame ele de pedófilo nojento que abusou de você, dê um tapa na cara dele e diga que se ele denuncia-la por agressão, vc vai gritar pra tudo que é jornal o pedofilo que ele é. Isso vai te tirar toneladas das costas. Abs.

Anônimo disse...

Poxa Raven, não sabia dessa violência que sofreu!
Denunciou o verme! Por favor diga que sim.

Anônimo disse...

Lola, por que você permite aqui os comentários desse Danilo? Misógino escroto (mal) dissimulado!

Tapioca Rosa disse...

F., ao que parece seu pai não abusou de você. Ele é um pediatra e homem escroto, mas o abuso não ficou muito claro. Como ele existem muitos médicos sem nenhum tato para lidar com questões constrangedoras para os pacientes. O exame que ele fez em você pode ser feito por pediatras, sim. É o exame de desenvolvimento puderal que avalia mamas, pêlos e genitália.
Acontece que nenhum menor de 14 anos deve ser examinado só com o médico. Sempre há a necessidade da presença de outro adulto. Depois de 14 anos o menor pode se consultar só com o medicx ( se preferir). Mesmo assim na hora de exame físico sempre tem uma mulher assistente, justamente para evitar esse tipo de situação.

Sinto muito que isso tenha te causado dores profundas. Não deveria ter sido assim...

Anônimo disse...

Seios são uma parte do corpo feminino e não tem pq se senti suja.
Ou ignora os babacas e se lembre que eles são... BABACAS ou manda esses merdas se foderem!
Quanto ao seu namorado explique a situação pra ele ou proponha um jogo dele tocar seus seios se vc puder acariciar e chupar o peito dele. Se ele topar parabéns ele é um homem bacana que te entende caso contrário vc decide se quer ou não que ele te toque mas lembre-se não deixe filho da puta machista que fala merda pra você na rua atrapalhar sua vida sexual. Abs.

Zero disse...

27 anos ter pesadelos por isso ainda?

gente, independente de homem ou mulher, acho que as pessoas hoje estão se deixando levar demais pelo lado fraco. passei por muita merda na vida, e ainda tô vivo.

(esperando a enxurrada de "vc não tem empatia" "vc tá errado")

e B. se tu te sente "objeto", porque tens namorado?

ah, claro, sexo é bom, relacionamento é bom, eu que sou louco. ¬¬

TODI dia vejo gente reclamando dos seus relacionamentos, e ainda acham estranho eu viver sozinho.

Anônimo disse...

Querida F., eu me sinto contemplada por muito que foi dito aqui com relação ao seu pai e ao procedimento padrão de exames ginecológicos efetuados em mulheres virgens.
Eu só fui ao ginecologista depois de perder a virgindade, lá pros meus 18 anos. Antes disso, sempre frequentei pediatras, tanto homens quanto mulheres, e eles NUNCA realizaram exames de toque em mim. No máximo eles afastavam um pouco minha calcinha e faziam exames visuais - o que considero perfeitamente normal, ainda mais porque minha mãe sempre me acompanhava na sala dos médicos. Quando fui ao ginecologista (HOMEM) pela primeira vez, ele realizou exame de toque e me machucou. Senti o dedo dele apertando meu útero e achei que aquilo fosse, num primeiro instante, normal. Mas depois percebi que, das duas uma: ou ele não tinha a intenção de me machucar e o fez simplesmente por não ter um canal vaginal no corpo dele e não saber na pele como é, ou porque ele é um doido nojento. Só sei que nunca mais voltei lá. Desde então, só me consulto com ginecos mulheres.
Seu pai sofre de um problema um pouco maior do que aquele que conceituamos como "síndrome do pequeno poder"; ele é autoritariamente abusivo, mesmo. Ele acha que só por ser seu pai, pode te tocar e invadir seu espaço. Meu pai NUNCA, nunca, nunca me tocou em parte alguma do meu corpo. No máximo deve ter trocado minhas fraldas quando era bebê. Meu pai me abraça, faz carinho na minha cabeça, passa a mão no meu braço e no meu ombro. Porque é amor, é carinho. E SÓ. Meu pai nunca tocou sequer na minha barriga ou nas minhas pernas. Ou seja: nada, nada justifica que o seu, ainda que seja médico, extrapole esse limite. Não importa que seja seu pai. Ele é um covarde e é nojento. Pense: ele traz a amante pra dentro de casa! Que tipo de homem asqueroso é esse?
Se você tiver coragem, mande uma mensagem pra ele (à distância...por email, carta ou telefone) dizendo que você pensou muito bem em tudo que ele te fez na infância e na adolescência e que você nunca mais, nunca mais quer vê-lo. Que o que ele fez é imperdoável e inesquecível (no pior sentido). E que a partir de hoje, se ele tentar se aproximar de você, você prestará queixa.
E corte esse homem da sua vida. Não importa, repito, que ele seja seu pai. Ele é sujo e te fez sofrer. Ele não te merece como filha.

E dê mais uma chance ao tratamento psicológico. Essas duas terapeutas não tiveram atitudes profissionais, mas isso não significa que todos sejam assim.

Força, menina!!!!! <3

Zero disse...

Gatinha? que tiozão... com mulher é valente ¬¬

Anônimo disse...

Jox

Vou deixar claro, o que este verme que se intitula "pai" da moça que descreveu esta história, é um PEDÓFILO, TARADO e NOJENTO e merece no MÍNIMO humilhação pública por tudo que fez contra a filha!
Enfiar o dedo na genitália com o pretexto de que é médico? Tirar fotos "sensuais" é um pervertido asqueroso que se esconde sob a manta protetora de "moralista e chefe da casa"!
Não sei a idade da moça, se INFELIZMENTE o crime de abuso sexual prescreveu, fale com TODOS parentes, conhecidos e colegas da família o que ele fez contra você. Não tenha medo de escândalo, ele MERECE isso! Merece pagar pelo que te fez!

Anônimo disse...

Jox

Olhe o que esta garçonete russa fez com o cliente molestador..
Que TODAS as mulheres tenham coragem e façam o mesmo com todos canalhas, misóginos, agressores, molestadores e tarados em geral. Garanto que muito verme ia pensar duas vezes antes de fazer qualquer merda!

http://delas.ig.com.br/comportamento/2015-05-26/garconete-nocauteia-cliente-apos-assedio-sexual-assista.html

@vbfri disse...

Tapioca:

Foi abuso, SIM. Favor ler os excertos do código penal que coloquei acima.

Ah, nem, gente.

A galera acha que só pq é pai e médico pode fazer essas nojeiras.

Nojo, nojo, nojo.

E quem acha que aos 27 anos a moça já deveria ter superado o trauma, sinto muito. Eu levei DEZ ANOS para COMEÇAR a falar do abuso que sofri aos 10. Foi na escola e eu me senti culpada (como a maior parte das pessoas que são abusadas).

Saco, viu. A gente ainda tem que desenhar que abuso é abuso.

São marcas indeléveis na vida de uma pessoa.

Danilo-Babaca: blog não é democracia. Aqui não se comenta o que quiser e a PORRA DA SUA LIBERDADE acaba assim que você INTERFERE na liberdade do outro.

ENTÃO, enfia a sua "liberdade de expressão" no olho do seu CU.

Obrigada.
De nada.

@vbfri disse...

Deixa eu tentar desenhar aqui.

O que ela sofreu se chama ESTUPRO. É estupro de VULNERÁVEL. Possui uma agravante: ter sido cometido pelo pai. Possui, pelo menos, um agravante, que é o fato dele ter usado a sua profissão para cometer o crime.

Ou seja, é estupro de vulnerável, qualificado e com agravante.

É crime.

Não importa se ele é pai, médico, pediatra. Não importa se ele alimenta crianças na África, nem se desenvolveu uma vacina que vai acabar com a AIDS.

É crime. É estupro.

Gente, pelo AMOR de DEUS... Expliquem isso aos seus filhos, sobrinhos, WHATEVER.

NEM O PAI tem o direito de tocar na FILHA se ela não der o consentimento. NEM se ele for médico.

Afffff...

Depois vocês reclamam que as mulheres não denunciam.

É POR CAUSA DISSO!!!!!

Anônimo disse...

Alex

Um homem desse(se dá pra chamar um verme desse de "homem"!) é um perigo pra sociedade pq se abusou da filha com pretexto da Medicina, quem disse que ele tb não pode abusar de outras meninas, sem falar que pelo fato de abusar da própria filha merece cadeia se não um belo de um tiro na cara!
Sou professor e fiz uma aluna denunciar o pai molestador. Fiquei com tanta raiva pelo que ele fazia com a criança que não quis perguntar onde ela morava pra não chegar lá e dar um tiro ou castrar um animal deses(que os animais me desculpem).
A moça tem que denunciar SIM, e se prescreveu fala pra todo mundo, faz escândalo e esculacha e humilha esse babaca mostrando pra todos o LIXO que ele é! E se ele se matar, ela não deve ter um pingo de remorso disso, pq verme pedófilo tem mais é que morrer(que os mimizentos do "não é assim", fodam-se!).

Zero disse...

por isso que cortei totalmente relações inclusive família, dá muita merda.

sexo e relacionamentos (incluindo social c/ família) só dá merda.

por isso que não confio em ninguém.

sexo é mais crime que algo bom, relações sociais é mais crime que algo bom.

tudo é crime, tudo ofende.

NÃO estou me referindo a mulher do post, e sim sobre mim mesmo e relações sociais, que é verdade.

Anônimo disse...

Querida,
Sinto muito que vc tenha passado por isso. Sou pediatra, especialista em saúde do adolescente. As respostas às suas perguntas, são:
Sim, um adolescente (com 12 anos vc já era adolescente) pode passar por uma consulta sem que haja qualquer queixa, apenas para avaliar seu crescimento e desenvolvimento.
Sim, um pediatra pode fazer exame ginecológico. Embora não seja especialista em doenças ginecológicas, não há impedimento para a realização do exame, desde que haja capacitação para tal. No entanto, o exame ginecológico não é parte da consulta pediátrica de rotina. Para avaliação do desenvolvimento da puberdade, que foi a justificativa usada pelo seu pai, basta o exame das mamas (observação e palpação) e dos pêlos pubianos (observação). Não há nenhuma necessidade de toque vaginal.
Não é recomendado que seu pai realize a sua consulta por todos os motivos que já foram explicados aqui. E qualquer médico só pode examinar um paciente se este consentir. O exame da genitália, que faz parte da avaliação puberal de rotina de um adolescente, nunca deve ser feito sem autorização do mesmo.
Por isso, sim, seu pai teve um comportamento abusivo. Cabe denúncia no CRM. E é importantíssimo que vc procure ajuda pra que esse evento desastroso não cause ainda mais prejuízos na sua vida.
Força.
Mariana

Anônimo disse...

existem dois instrumentos, o colpovirgoscópio e o espéculo de virgem que pode ser utilizado em crianças/pessoas com hímem íntegro.

Anônimo disse...

Raven, não!!! Jogo perigoso é super pesado. Eu, que nunca fui abusada, me senti muito mal lendo esse livro.
Acho que a F ainda não tem condições de ler. Pelo menos não antes de conseguir ajuda pra lidar com essas questões.
Mariana

Marix disse...

{Parte 1 do comentário}

F.,
Acho que o modo como seu pai conduziu a consulta, somado aos outros relatos que você deu configuram a atitude dele como abuso sim.
Primeiro vou primeiro relatar como foi minha experiência com o atendimento de um pediatra que tratou de um probleminha ginecológico em mim, para você comparar com a sua situação.
Foi lá por meados dos anos 90, quando eu tinha 10 anos, eu achava que estava com problema de corrimento, porque sempre tinha muito corrimento na minha calcinha e isso me incomodava. Falei pra minha mãe e ela me levou no médico. Era um homem e era pediatra - tal como seu pai. Minha mãe foi junto e esteve junto comigo dentro do consultório o tempo todo durante a consulta. Eu acho que não tive que ficar nua, e acho que também não tive que ficar em posição de exame ginecológico, pois como isso são coisas bem constrangedoras, ainda mais para uma menina, eu lembraria. Acho que ele só puxou a calcinha pro lado, realmente, não lembro. Lembro só que o médico disse que não tinha nada de errado comigo e que aquele corrimento era normal, que eu deveria era ficar atenta para o caso de sentir dor ou coceira (coisa que nãos sentia). Como te disse, não lembro se tive que ficar nua ou de camisolinha, nem se ele tocou em mim para além do uso do estetoscópio, mas acho que não teve isso não. Tenho certeza que se ele tivesse tocado minhas genitais ou tocado no meu corpo de modo diferente, eu teria lembrado, pois isso é uma coisa que marca muito. Imagina só, tenho uma amiga de 55 anos que contou que quando adolescente (uns 13, 14 anos) ela foi ao médico, que nem era ginecologista, e ele, fazendo de conta que fazia exame, colocou o estetoscópio bem no mamilo dela. Isso foi tão agressivo, tão humilhante e tão marcante que ela lembra até hoje. Esse tipo de humilhação não é uma coisa que criança esquece facilmente.

Acho que o tipo de exame e toque a que seu pai lhe submeteu pode ser considerado abuso, mas a linha para provar isso é muito tênue, pois ele não aprofundou toques, usou vocabulário médico, seguiu procedimento padrão. A questão é tentar separar onde termina a consulta e onde começa o abuso, como essa barreira é muito tênue. Pra compreender melhor tudo que aconteceu e o abuso, acredito que seja preciso separar bem alguns papéis e funções, como a de pai e a de médico, e ele errou nas duas.
A impressão que tenho é que seu pai quis o tempo inteiro turvar essa linha do certo e do errado sobre o que ele estava fazendo, e que ele sabia que o exame a que te submeteu não era correto, não era ético ser feito.

Marix disse...

{Parte 2 do comentário}

Primeiro, a conduta de seu pai, como pai não é defensável.
Se seu pai não tivesse nenhuma intenção escusa e ilícita ao fazer esse exame, ele poderia muito bem ter feito ele em casa, inclusive na presença e com o conhecimento de sua mãe. Ainda assim, será que sua mãe concordaria que você, uma criança de 12 anos fizesse um exame ginecológico, seja com seu pai ou com qualquer outro médico? Ainda que sua mãe concordasse que era importante que você, aos 12 anos, fizesse uma consulta ginecológica, e o ginecologista no caso fosse um homem, ela certamente não deixaria você sozinha no consultório com o médico. E seu pai certamente sabia de tudo isso. Por que a necessidade do sigilo do consultório? Por que ele não fez esse mesmo exame em casa? Por que ele quis evitar correr o risco de ser flagrado fazendo um exame ginecológico na própria filha. Se seu pai estivesse convicto de que o que estava fazendo era um mero exame - tal como verificar se está com as amigdalas inflamas ou com catarro no pulmão - ele poderia ter feito isso em casa, poderia ter compartilhado a preocupação com sua mãe. Respondendo a uma de suas perguntas: sim, seu pai tem o direito de te examinar, mas não, ele não tem o direito de fazer isso em sigilo, ele não tem o direito de usar o pretexto de um exame para tocar seu himen e conferir se você é virgem ou não. Ele não tem o direito de invadir sua privacidade desse jeito.
Acredito que numa menina saudável não é necessário fazer um exame ginecológico invasivo como ele fez. Agora, se você tivesse sofrido um estupro ou algum acidente que tivesse machucado a região pélvica, talvez - talvez - fizesse sentido um médico fazer o tipo de exame de toque que ele te fez.


Ele teve ter insistido para que esse exame fosse no consultório para evitar que esse exame cretino fosse visto por ti como um abuso. Ele fez questão de fazer no consultório, de ser rápido (pelo que você disse) e de usar termos médicos específicos, para que não tivesse uma conotação de abuso. Então, ele quis se colocar na postura de um médico objetivo e imparcial preocupado meramente com a saúde da paciente, e não como pai.
Mas, convenhamos, alguma vez um pediatra já recebeu em seu consultório uma criança desacompanhada de sua mãe? Certamente que não. Então, como médico, ele também agiu errado.

O problema não é o exame ginecológico em si, pode haver casos em que é preciso fazer isso. Eu mesma com 10 anos fui ao pediatra para ver um problema ginecológico. Mas minha mãe estava junto, e depois de conversar com o médico, explicar os sintomas ele fez algum exame, mas certamente não foi nada agressivo, senão eu teria me lembrado. No seu caso, o problema foi como tudo ocorreu, as circunstâncias e intenções em jogo.

Marix disse...

{Parte 3 do comentário}

F., não desista de procurar ajuda de uma psicóloga, vai ser muito importante para você elaborar o trauma que sofreu e exorcizar um pouco esse fantasma. Sugiro que busque uma psicóloga mulher e com alguma formação em feminismo. Não sei se psicanálise é o melhor tipo de terapia para esse caso (eu particularmente não gosto dessa história de ir buscar a raiz de todos nossos problemas lá no útero da mãe). No seu caso você tem um trauma grave, objetivo, e não uma angústia difusa.
Sugiro que quando voltar ao Brasil entre em contato com o Conselho de Psicologia de seu estado e peça indicação de profissionais que trabalhem com vítimas de abusos. Ou mesmo no país onde você está morando agora, procura algum centro ou profissional com formação específica, pois eles saberão te entender, acolher sua dor e lhe orientar melhor.
Espero ter contribuído um pouco contigo. Nunca passei por isso, mas me solidarizo com sua dor, me solidarizo com as mulheres todas que passam por qualquer situação de abuso. Nós temos que cuidar uma das outras. :)

PS: Sabe, é tão séria essa coisa de o médico tocar no corpo dos pacientes adultos (imagine de uma criança, então), que hoje em dia estão ensinando que se deve pedir licença à paciente antes de tocar no corpo dela na hora do exame ginecológico.
Sei disso pois tive que fazer um exame ginecológico pelo SUS, no Hospital Universitário. Quem me atendeu foi uma enfermeira e duas estagiárias em enfermagem. Foi meio estranho ter toda aquela gente olhando e me examinando, mas me trataram com tanto respeito e dignidade como nunca antes senti, nem em consulta particular. A enfermeira, antes de fazer o exame de mamas, falou: "Agora vou pedir licença para tocar no seu corpo para fazer o exame de mama". O mesmo ocorreu na hora de introduzir o espéculo. Ela pediu licença. Pode parecer besteira, mas num contexto em que os médicos já chegam apertando, medindo, introduzindo aparelhos como se fôssemos um boneco, faz toda a diferença a enfermeira olhar pra gente e pedir licença para poder tocar no nosso corpo para realizar o exame.

Anônimo disse...

Não existe NADA tênue em uma situação de abuso tão profunda que persegue a pessoa que fez o post até hoje. Pare de tentar deslegitimar os sentimentos dessa moça. Foi ESTUPRO.

Anônimo disse...

Alguém bem pouco informado na moderação dos comentários deve desconhecer que faz-se toque anal (mais corretamente chamado de toque retal) em mulheres virgens, para ter apagado um dos dois comentários que deixei. Informe-se.

Raven Deschain disse...

Então Mariana. Eu tb acho.

É muuito pesado. Concordo que pelas palavras dele, ela ainda não pode ler...

Anônimo disse...

Denuncia ele na polícia, no CRM e pra todos os conhecidos e parentes. Ele tem que pagar pelo que te fez!
Ele não é pai, não é homem, não é médico, não é ser humano, é só lixo pedófilo que merece pagar pelo que te fez!

@vbfri disse...

Anônimo (17:13) disse...

Não existe NADA tênue em uma situação de abuso tão profunda que persegue a pessoa que fez o post até hoje. Pare de tentar deslegitimar os sentimentos dessa moça. Foi ESTUPRO.

--> isso. POR FAVOR, parem de legitimar o comportamento. Não há linha tênue nesse caso. Apenas parem!

Tapioca Rosa disse...

O Conselho de Medicina não RCOMENDA, mas também não PROÍBE.

Anônimo disse...

Tapioc rosa é o pai da F. Só pode.

Raven Deschain disse...

Dela*

Eita...

Anônimo disse...

Espero muito que supere o trauma, e encontre bons profissionais terapeutas para auxiliá-la.

Zero disse...

p/ Raven e anônimo

Livro / filme "pesado".
porra, amadureçam. se "chocar" por filme é o fim da picada.

não me "choco" por filme, que dirá livro.

já vi alguns virais Snuff, e não me choquei por nenhum, e gente dizendo que chorou ou passou mal por 3 guys 1 hammer...

se eu não tenho "sentimentos" vocês tem excesso.

nego ter orgulho de ser manteiga é de foder...
mas que seja...

Anônimo disse...

Lola, tenho a impressão de que esse zero é aquele troll antigo, que usava um nickname alemão esquisito, e sempre falava que o mundo é uma merda e é por isso que ele prefere o isolamento social, ser um homem Zeta na sociedade, etc.

Releia todos os coments dele, nenhum presta. Todos estão minimizando ou desrespeitando os sentimentos de alguém. Porfa, block essa pessoa.

Tapioca Rosa disse...

Você me desculpa, mas não confunda crocodilo com cocô-de-grilo. Eu disse que " ao que parece não foi abuso" (sexual). O pai dessa jovem é um escroto em todos os sentidos e isso todos nós já sabemos.
Eu não queria fazer isso, mas sabe quais são minhas credenciais? Sou médica e estudei Direito antes de medicina. Já fiz muito exame ginecológico e te digo que a pratica dele ENQUANTO MÉDICO não tem nada de anormal. Ou você já sabe disso mais do que os próprios médicos? E quanto ao toque: ENQUANTO MÉDICO ele poderia ter tido alguma razão para tocá-la. E ainda mais: QUALQUER MÉDICO pode fazer exame ginecológico. Não é exclusivo de ginecologistas.
A atitude dele enquanto médico não evidencia abuso. Por favor, menos conjecturas e mais fatos. Esse médico é um escroto e teve atitudes péssimas. A merda é que ele também é o pai da moça. Em uma só situação ele fez o papel de pai e de profissional. A autora do post não fala se alguma vez na vida antes desse episódio ele já tinha se consultado com ele por qualquer motivo que seja. Se ainda não tivesse sido soa muito estranho que a primeira vez tenha sido nessas circunstâncias. E também não há relatos no texto que que a conduta ginecológica tenha se repetido (o que ficaria muito esquisito para dizer o mínimo). E o Conselho não proíbe que médicos sejam assistentes de parentes nem proíbe que seja cobrada remuneração por isso.
Posto isso, eu acho que realmente não parece ter sido crime. Agravante sem crime? Qual o crime? Estupro? Conjunção carnal? Toque ginecológico é conjunção carnal? Não tinha consentimento? A merda do pai não decidiu fazer o toque? A merda do pai era o médico...

Julia disse...

Zero, o assunto não é você.
Homem é tudo meio psicopata mesmo.
Agora fica quieto.

Anônimo disse...

Boa, Julia! Tava me segurando aqui pra não mandar ele parar.
Homem são todos psicopatas narcisistas egocêntricos que desejam ser o centro do universos, com alguns graus de variação pra mais ou pra menos, mas são todos assim mesmo mesmo.

Tapioca Rosa disse...

Especulação é coisa de criança da terceira série. Você não precisa disso nem eu. Não sou o pai da F. Sou mulher. E não a conheço. E também não estou defendendo esse cara. Só acho que as coisas devem ser vistas com mais serenidade e sabedoria. Separar prática médica de crime não é uma coisa tão fácil assim. Eu sou médica e te digo que enfiamos nossos dedos em muitos orifícios do corpo humano - sem que isso signifique abuso ou qualquer vontade de constranger o paciente. Talvez as pessoas não entendam (e NÃO TEM DE ENTENDER) que médicos não tem pudores. Ok, alguns até têm. Vemos peitos, bundas, penis, catarro na garganta, gente vomitando sangue, secreções purulentas e fétidas e não nos importamos com isso porque já estamos acostumados. E infelizmente o costume faz alguns perderem a noção de que o que é simples para o médico é super constrangedor para o paciente. Para você ter noção, o melhor parâmetro para avaliar temperatura corporal é termômetro retal porque há menos erro. Ninguém faz isso porque é contrangedor demais e até você explicar para o paciente já tem imprensa, conselho, policia e um monte de gente acusando de abuso (?). E mais: crianças com convulsão deveriam receber anticonvulsivante por via retal porque é muito melhor. Vai fazer para ver se não tem conselho tutelar e MP te acusando até de ter engravidado a criança. Menos, bem menos

Kittsu disse...

Se foi contra a vontade da pessoa, ela considerou que teve sua intimidade invadida, e até hoje ela está traumatizada com isso, como que vocês conseguem ficar inventando desculpa pra tentar fazer ela se sentir obrigada a pensar que esteve errada esse tempo todo? Que estava errada desde o momento em que não consentiu com isso?
tem gente que é foda, viu.

Raven Deschain disse...

Hum. Tá Zero. Que bom pra vc.

Vc tá bem crescidinho a ponto de entender que não somos todos iguais. Agora, fazendo a Julia: fica quietinho. O post não é sobre vc e nem nós, muito menos os nossos problemas.

Zero disse...

já falei milhões de vezes que nunca tinha comentado nada aqui antes desse ano.

esse "alemão" podia ser o Charlton Hauser. acho que ele deletou o twitter.

não sou masculista, e essas parada de Zeta, Alfa é coisa de imbecil.

agora virei psicopata e narcisista? eu narcisista? menos.

é foda isso, se alguém chega aqui e diz "fulano é isso ou aquilo" vocês enlouquecem, mas agora me acusam de tudo que vem a cabeça sem pensar duas vezes.

interessante.

"desrespeitando sentimentos" serio isso? o mundo é uma merda mesmo...

só porque não sou um manteiga demagoga sou psicopata, assassino, estuprador, vocês são uns amores mesmo.

Thomas, Jonas, e milhões de anônimos falam bilhões de groselhas diárias, faço DOIS comentários e começa... ¬¬

Graciema disse...

Tapioca Rosa: tem algo mais importante que o pudor ou despudor dos médicos. Se chama CONSENTIMENTO do paciente. Algo bastante esquecido pela profissão, pelo visto. O saber médico legitima por si só qualquer atitude tomada em relação ao corpo do OUTRO. Infelizmente, é razoavelmente comum essa postura.

F., concordo. Busca uma boa psicologa e se afasta de quem te faz mal.Muita força e amor para você.

Pois é Lola. Bloqueia o Zero ai. Ele não acrescenta nada, tem empatia zero e quer monopolizar a atenção.

Zero disse...

p / Raven

"Vc tá bem crescidinho a ponto de entender que não somos todos iguais"

- então porque enchem tanto o saco por eu não ser igual a vocês?

"Agora, fazendo a Julia: fica quietinho."

- quetinho? amadureçam, na boa...

"O post não é sobre vc e nem nós, muito menos os nossos problemas"

- nunca disse que era sobre mim. não é sobre vocês? então porque todo post tem uns 10 "desabafos" pessoais? aqui tem uns 3 assim.

Anônimo disse...

Entre ser uma manteiga derretida ou um tipinho meio sociopata que faz pouco do sofrimento dos outros, eu prefiro e me orgulho de ser uma manteiga

Anônimo disse...

Pô, Graciema, pega leve. Eu, Valéria e outras meninas estudantes de medicina viemos aqui pra dizer à F que o comportamento do pai dela foi abusivo. Aí vem uma criatura que se diz médica e assina como Tapioca dizer que tá super OK o que o cara fez e vc desconta na classe toda? Poxa!
Concordo que meus coleguinhas têm defendido umas posições que, pelamor, mas dessa vez foi exceção. Pelo menos aqui foi exceção.
À Tapioca, sugiro que releia o capítulo de crescimento e desenvolvimento puberal, em particular o estadiamento de Tanner.
Mariana

Zero disse...

p / Graciema

não venho mais aqui então. se sou TÃO mau.

mas comigo tem que vir Jonas, Thomas, Danilo, Cláudio e todos anônimos.

porque se eu não acrescento nada, eles menos.

mas antes diga, o que é acrescentar?

dizer que sinto muito?

"empatia zero".

já deu isso. querem que eu diga o que? qualquer um fala o bem entende aqui.

menos....

Zero disse...

agora sou sociopata? por não ter tanta "empatia"?

e aí Lola? pode isso? podem me acusar do que bem entenderem? e as provas?

Anônimo disse...

"Politicamente, eu chamo de estupro sempre que uma mulher tem relações sexuais e se sente violada." Catharine MacKinnon

Tapioca Rosa disse...

Informação é tudo!
Para auscultar (=ouvir) o coração, o médico tem quatro focos cardíacos no tórax anterior do paciente. E 3 desses focos acabam sendo muito próximos da mama esquerda ( dependendo do tamanho da mama ficam bem próximos do mamilo mesmo). E muitas vezes a ausculta é mais audível em um foco do que em outro. É tudo marcado por referências anatômicas das costelas.
Muito comum a mão e o esteto ficarem em cima da mama. Infelizmente muitas as experiências com área da saúde nessas fases da vida acabam sendo traumáticas por falta de mais informação do médico ao paciente

Anônimo disse...

Diz que não é manteiga derretida, mas é só ser criticado que começa o chororô, Zero?

"Professora, não era só eu que estava fazendo bagunça, o Fulano, o Ciclano e o Beltrano também estavam, você não vai mandar eles para fora de sala também?"

Cláudio, Thomas, Jonas e companhia limitada não cansam de falar merda aqui, mas são criticados todas vez, e não é só por uma pessoa. Muita gente já pediu para a Lola excluir os comentários deles, mas ela prefere não fazer isso. Só porque eles se acham no direito de falar merda, você também quer falar? Eles são criticados, você também vai ser.

E você não é a régua que mede o mundo, não. Mas se você quer ter a liberdade de chamar as pessoas de fracas, manteiga derretida, etc e tal, aceite ser chamado de sociopata e sem empatia. Afinal, nas suas palavras "qualquer um fala o bem entende aqui."

Raven Deschain disse...

Não é o post que não é sobre nós. É vc. Vc não é sobre nós. Nem sobre nossos problemas. Se vc não os entende nem quer entender tá aqui por qual motivo? Eu nunca enchi teu saco, véio. Não quer trepar, azar seu. Eu acho que melhorava esse teu mau humor aí. Mas não quer, ema ema ema.

E acho que vc errou de caixa de comentários. O Thomas e o Jonas nunca ganharam palminhas aqui.

E para de floodar. Isso é feio.

Anônimo disse...

toda* vez

Anônimo disse...

Comentários do zero nesse blog:

EU sempre ..., por isso que EU, acho que vocês estão exagerando, porque EU..., EU nunca ...., não é a toa que EU ..., então é óbvio que vocês estão erradas.

POHA CARALHO SE TOCA, o mundo não gira ao redor de ti! Cara chato

Anônimo disse...

caiu o servidor do pornhub que todo chato punheteiro vem pra ca?

Raven Deschain disse...

E na boa? Da próxima vez que um piazinho punheteiro de 20 anos me mandar amadurecer, vou te mandar a merda de verdade.

Anônimo disse...



"Então porque enchem tanto o saco por eu não ser igual a vocês?"
Quem caralhos te enche o saco nesse blog???? A única que dá bola pra vc aqui é a Camila, de resto só vejo vc postando comentários engraçadinhos ou polêmicos pra aparecer. Dica: isso aqui não é twitter

"Ja deu isso, querem que eu diga o que?"
Oi? Tem alguém te obrigando a comentar em todos os posts aqui? Se não tem nada útil pra falar e só quer aparecer lembra da opção de não comentar nada, vc não é obrigado querido. Aliás, ninguém é obrigada a gostar dos teus comentários também, menos mimimi e vai se tratar, essa mania de perseguição tá forte.

Tapioca Rosa disse...

Criatura que se diz médica? Eu sou médica e não assino meu nome porque não quero. O quê que é? Vai querer meu CRM, CPF e CNS só para legitimar o que estou falando? Já vimos muito por aqui essa de tentar desqualificar uma pessoa só por não assinar. Você dizer seu nome não é coragem não. É opção.
E para de ser desonesta. Eu não disse um "ok" para o fato que aconteceu com a F. Só disse que ao que parece não foi abuso (sexual). Você faz medicina. Você sabe. Não é 8 ou 80. Você sabe que não se julga conduta médica de colega sem saber o que de fato aconteceu. E não estou falando aqui de corporativismo. Você sabe que médicos consultam parentes. Você sabe que amanhã pode acontecer com você coisas semelhante (não igual a essa) ficarem de julgando por uma conduta meio duvidosa aos olhos dos outros. Sei Tanner. Não preciso mais ler, sorry.

Luíza Attianezi disse...

Bom, eu acho que mesmo que seu pai não tenha abusado sexualmente de você, houve sim um abuso psicológico. Não tenha medo de ir a análise porque houve infortúnios antes, e se tiver novamente, mude de profissional!

Anônimo disse...

Não Raven, poha, chamar de punheteiro não! Agora vai começar a sessão de floods mimimi "preconceito contra assexual", "ditadura do sexo/relacionamentos", "querem me obrigar a ser igual a vocês", "só sou apedrejado"

Zero disse...

vamos lá.

20:05

eu nunca acusei ninguém aqui de nada. exijo o mesmo. pedir provas pras acusações de psicopata não é choro.

você sequer entendeu o que eu disse lá.

me referi a pessoas que choram por filme, ou se "chocam" facilmente. leia antes.

sobre os outros, se querem me banir, excluir, tem que de ser justo. não sou o único.

NUNCA falei que "fulano faz, farei também". quem me reduz e acusa aqui são vocês.

Raven, nunca disse que Jonas ganhou "palminhas".


"EU sempre ..., por isso que EU, acho que vocês estão exagerando, porque EU..., EU nunca ...., não é a toa que EU ..., EU sempre ..., por isso que EU"


que engraçado, pensei que quando VOCE opinasse, você desse a SUA opinião.

da próxima, vou dizer.

"por isso 'fulano' faz, 'fulano' diz..." está melhor?

"então é óbvio que vocês estão erradas."

nunca disse isso. apenas dou a MINHA opinião, como você e todos.

e porque erradAS? e não errados? está insinuando o que agora?

Death Neko disse...

Amiga, psicologia não é só análise. Eu estudo psicologia e faço psicoterapia há 5 anos. O importante é você continuar tentando, tenta outras linhas. Muitos profissionais da psicanálise são bem quadrados mesmo. Com um bom profissional não existe essa de "ela não quis ouvir"! E sobre a outra, é antiético perante ao conselho você fazer análise com um analista próximo de alguém que você convive na sua família.

Tapioca Rosa disse...

Graciema, tenha mais atenção ao ler. Eu disse que médicos não tem tantos pudores E ACABAM PERDENDO O TRATO NA RELAÇÃO MÉDICO-PACIENTE. Sim, mil vezes sim: existe uma coisa chamada consentimento. A merda toda era que o médico era o mesmo adulto responsável pela F. E como adulto ele achou que o consentimento era dele.
Vida prática da medicina ( por um instante, por favor, esqueçam o caso da F.): o consentimento de menores para procedimentos médicos é dado pelos pais. Vacina? Se o responsavel deixar mesmo o menor esperneando: vai tomar. Tem hérnia inguinal? Mesmo o menor chorando muito e se o responsável deixar: vai ser examinada.
Já disse que esse médico é escroto. Ele deu a porcaria do consentimento dele para examinar a F. Abuso sexual? Ao que parece não. Entenda que não estou dando veredito de sim ou de não. Só ele pode responder quais foram suas motivações para fazer isso com a filha. E talvez até hoje ainda não tenha se dado conta do quão mal ele fez a quem deveria só fazer o bem. É isso!

Zero disse...

vocês, logo VOCES a falar de mimimi?

imagine se isso fosse um blog de homens contra uma mulher? o que será que vocês diriam?

Raven, idade não é maturidade. vai usar de apelo a autoridade por ser mais velha que eu?

e irônico usar "punheteiro" pra ofender quando há algumas semanas você e outra estavam discutindo sobre vibrador. que piada...

não ligo que me chamem de punheteiro, quem liga pra isso é masculista. bato mesmo e admito, que ofensa de escola, na boa...

"Quem caralhos te enche o saco nesse blog????"

- ah, é mesmo. esqueci que ninguém fica revoltado quando comento qualquer coisa que não compartilha a própria opinião. e ainda falam sobre "ninguém é igual" e "respeito as diferenças"... ¬¬

Anônimo disse...

Hum, não, não vai acontecer comigo nada desse tipo. Fico bem tranquila em relação à minha conduta profissional. E não vou defender qq merda vinda de outro médico pelo simples fato de que posso ser mal interpretada um dia. Há coisas que são oito ou oitenta, sim. Fazer toque vaginal numa menina sem o consentimento dela é inadmissível. Fazer qq coisa com um paciente ( salvo raríssimas exceções nas quais haja risco de vida) sem o consentimento do mesmo é inadmissível. E cabe denúncia, sim.
E se vc estudou o estadiamento de Tanner e continua achando que toque vaginal é necessário pra avaliar desenvolvimento puberal, releia. Pq não aprendeu nada, sorry.
E se vc acha que adolescente precisa do consentimento dos pais pra ser consultado e/ou o consentimento do adulto está acima da decisão do adolescente, tenho outra sugestão de leitura: o marco legal no atendimento ao adolescente. É só procurar no google. Divirta-se. Ou, já que vc curte inglês, enjoy.
Mariana

Anônimo disse...

Zero
Ainda n percebeu que aqui reina a loucura e hipocrisia? Xingam geral, chamam homem de psicopata e ao mesmo tempo exigem respeito.
Os argumentos delas a quem diz algo discordante, se resumem a : mimimi, fica quietinho, punheteiro, mascu, se está anônimo seu argumento é invalidado, quando a coisa mais fácil é inventar um nome qualquer ou uma conta, tudo bem segunda série do fundamental.
O post geralmente é sobre a experiência de uma pessoa só, seguindo a lógica de alguns, ninguém pode falar nada, nem quem inventou a lógica brilhante.

Anônimo disse...

Diva

Querida Luiza Attianezi

Prefiro imaginar que seja ingênua e não quebtenha falado por má fé.

O que o pai da moça fez foi abuso psicológico pra controlá-la mas ANTES disso o que ele fez foi abuso sexual SIM e não tem como negar isso!
Se ele fosse um mero porco machista(peço desculpas aos porcos) que fala merdas machistas seria incompreensível mas tolerável, pois acredito que pais de meninas devem abandonar sua educação tradicional e machista e pensar no melhor pra filha, mas ser um VERME imundo e pervertido que enfia o dedo na genitália da filha de 12 anos!
Ela precisa de ajuda psicológica sim, mas antes precisa enfrentar o "pai", denuncia-lo e se prescreveu deve no minimo falar pra mãe, pros irmãos, pros tios, tias e amigas de confiança sobre o que ele fez com ela!
Se estivéssemos nos EUA com certeza não seria discutido se foi abuso ou não pq um traste desse iria pra cadeia e seria decidido apenas quanto tempo de prisão ele iria merecer!
Não leve a mal mas não consigo passar mão na cabeça de pedófilo e se eu tivesse uma filha e ela me contasse o que ele fez com ela, tenha certeza que eu iria pra cadeia pq um lixo desse não merece duvidas sobre seus atos e sim um tiro na cara! Pense se vc tivesse uma filha e ela passasse por esta situação. Abraço.

Raven Deschain disse...

Sim. Vou dar carteirada de idade sim, pq nessa choradeira toda, vx é tudo, menos maduro. Agora..

Sério...

Pra mim deu!

Vai se foder!

Zero disse...

p/ 20:59

eu não sou masculista nem de direita. só pra esclarecer.

não é só aqui. até hoje não achei NINGUEM diferente disso.

já discuti no Twitter com um perfil chamado "Livre Expressao" que pirou quando foi discordado. WTF?

você certamente vai agir assim quando eu disser algo que não condiz com suas ideias.

paula d. disse...

eu sou mais uma das que foi iniciada nas consultas ginecológicas muito cedo. minha primeira foi aos 7 anos (!), porque eu era muito mais desenvolvida que todas as outras crianças. inclusive, nenhum estranho acreditava que eu tivesse menos de 12. no fim, foi diagnosticado um problema hormonal que acelerava meu desenvolvimento e eu tive que iniciar um tratamento pra retardar o início da menstruação. ou seja, dos 7 aos 11 anos passei por consultas mensais de acompanhamento com uma médica especializada em casos como o meu.

felizmente, ela era ótima; me explicava pra que serviam os exames, o que acontecia comigo, por que era necessário o acompanhamento, etc. minha mãe ficava comigo o tempo todo e em certo momento da consulta eu colocava meu aventalzinho, ela examinava meu seios, minha pélvis e coletava material com um cotonete.

eu era muito novinha e passei por esse procedimento dezenas de vezes em um curto período de tempo (logo depois emendei com consultas ginecológicas 'normais', aos 11), mas em nenhum momento me senti constrangida ou invadida. não é pra ser assim. sinto muito pelas garotas que passaram por situações terríveis, principalmente numa idade tão vulnerável.

Rafael disse...

Esse Zero fica o dia inteiro comentando aqui? Mas que cara chato. Tem mais o que fazer da vida não? A gente vai ler os comentários para ver a discussão de um assunto sério desse, e metade é o sujeito choramingando ou o pessoal discutindo com ele. Que tal a gente ignorar? Deixa o cara falando sozinho, meu. Se você bate palma pro palhaço, ele continua o show. Então ignora.

Anônimo disse...

Olha, pra mim é bem claro, mesmo sem saber muito de medicina e direito.

O corpo de uma menor foi tocado sem sua autorização e sem necessidade médica. Caguei se era o pai e se o pai era médico. Caguei montanhas. É errado e fim.

Pra tapioca, que tá tentando problematizar o caso: miga, eu compreendo que os pais, muitas vezes, precisam autorizar que os filhos - crianças - sejam submetidos a procedimentos que estes não queiram e não entendam, como vacina, exames de sangue, etc. Porém acho que o relato da F. não cabe nesses casos. Vc como médica, se chegasse um cara idiota, médico, com sua filha de 12 anos em seu consultório, e pedisse que fizesse exame ginecológico de toque nela na frente dele, mesmo com a menina dizendo que não quer, que não apresenta sinais de que algo tá errado, você faria? Seria ético?


F., não desista de procurar um bom psicólogo! Se vc não tiver meios financeiros, sugiro clínicas de universidades! Também te aconselho a denunciá-lo e deixar que as autoridades investiguem o caso. Força e boa sorte!

B.

Zero disse...

ui, machão. vai, birra mais. quem sabe elas te dão atenção, mas é provável que te xinguem também. kkkk

mas, serio agora.

vocês realmente acham que discutir ou comentar aqui muda em alguma coisa a vida da pessoa do guest post? ou muda alguma coisa mesmo?

notei que muitos aqui querem "proteger a discussão central" como se isso mudasse algo.

não muda. em nenhum site muda. antigamente lia os do G1 e nego saia na "porrada" virtual lá como se isso mudasse o mundo...

Tapioca Rosa disse...

Ai que difícil...
Você tem certeza de um futuro que nem conhece. A sua tranquilidade não depende só da sua prática. Depende do que o paciente pensa sobre aquilo. Da última vez que contaram 28.000 médicos respondiam por ações judiciais de má prática médica. É um número alto e realmente não gostaria de acreditar que todas as ações são verdadeiras. Não estou te pedindo para ser conivente com nada e nem dar tapinha nas costas desse pai-médico-escroto. Só a F sabe decidir fazer denúncia ou coisa que o valha, mas tanto na Justiça comum quanto no CRM serão dados pareceres médicos: e eu sinceramente não acho que NESSE caso configurariam abuso. Por razões técnicas nebulosas dessa dicotomia médico/pai e por razões subjetivas também. Isso não é um desencorajamento para que F ou outras pessoas na mesma situação não façam nada. É apenas uma opinião. E se você for honesta consigo mesma entenderá. Mais ainda: eu não disse que exame ginecológico faz parte de Tanner. Me aponte trecho e hora. Nem disse que era necessário. Não vou dizer que não aprendeu nada sobre interpretação de texto porque fica patético. Não vou discutir nesse nível de ensino primário. Eu curto inglês? Até que curto! Mas que ridículo. Esse é um blog onde todo mundo fala coisas em inglês. High school feelings.
Depois de formada você percebe que às vezes vai contar mais você ter sabedoria de vida do que tecnicismo. Denunciar no meio médico é necessário, mas não é fácil. Enfim... Você saberá muita coisa além de ACLS, Harrison ou Nelson... E quanto a F, todos imaginamos por aqui que a situação dela com o pai não se resume a esse dia traumático. Tem as fotos bizarras e tantas outras coisas que ela não contou, mas que ficaram implícitas pelo tipo de comportamento que esse escroto aparenta ter. Que ela tenha muita força para seguir em frente. Não merecia ter passado por isso.

Anônimo disse...

G.I Jane

Vou deixar bem claro.
A moça precisa de terapia pra poder ter uma vida normal, e NÃO to negando que ela deve procurar apenas ressalto que antes disso ela tem SIM que denunciar este verme que ABUSOU dela!
Tem que denunciar pra policia e se não puder por questão de prescrição deve falar com a mãe e outros conhecidos o filho da puta canalha que ele é!
Terapia NÃO é suficiente se a origem dos problemas, o pai criminoso, não for confrontado, desmascarado e PAGAR pelo que ele fez!
Vamos deixar de sentimentalismo barato e encarar o fato que ela foi molestada e o pai é um CRIMINOSO que deve ser punido. Sem mais.

Anônimo disse...

Eu ainda estou no time que acredita que exatamente por nao ser PROIBIDO, mas nao ser RECOMENDADO pelo CRM que o medico examine e atenda familiares, que houve um abuso. Sexual nao sei, mas no minimo psicologico, o que ja e muito pra uma crianca : sentiu sua intimidade invadida pelo "pai/ medico”, foi obrigada a fazer um exame intimoque nao queria; que nao era emergencia nem havia risco de vida envolvido.( o dia que check- up for emergencia...)Exatamente porque pode ensejar situacoes desse tipo que o CRM nao recomenda. Se quer fazer, ai sao outros quinhentos. Depois gera situacoes extremamente desconfortaveis ,como para a autora do post....

Eu concordo que ninguem tem que acusar ninguem sem provas - so que tem uma pessoa que escreveu o post, que esta extretamente machucada e traumatizada pelo episodio. NO MINIMO o abuso PSICOLOGICO existiu. Nao imagino um pai zeloso( mesmo sendo medico) fazendo isso. Um pai zeloso e preocupado com a saude da filha a levaria em um pediatra( ou ginecologista) da sua confianca. Pediria para a mae da crianca ( que eh mulher) acompanhar o exame ginecologico, caso esse exame fosse necessario.
Essa eh a visao que EU tenho pelo educacao que recebi nos meus pais, na minha casa. Nao acho essa conduta normal.Mas ate ai quem quiser concordar comigo ou nao, eh outro assunto. Ja ouvi relato ate de marido fazendo cirurgia plastica na propria esposa, enfim, tem mil coisas com as quais nao concordo.
E ja saiu recentemente um texto no jornal do CRM deste ano( ou fim do ano passado), RECOMENDANDO nao atender parentes e amigos intimos. EXATAMENTE porque muitas vezes o paciente nao se sente a vontade com o familiar examinando e avaliando sua sexualidade/ exames intimos.
Pelo relato ta claro que a menina( hoje autora do post) nao ficou a vontade e ta traumatizada ate hoje. Sera que precisa mais do que isso pra entender que houve um abuso? No meu entendimento nao....
Eu so atendo amigo/ parente se for coisa simples. Dor de garganta por ex. check- up, atestado medico liberando para a pratica de esportes., por ex. Faco questao de examinar e de registrar em prontuario, como se fosse qualquer paciente.

Vc, colega medica Tapioca Rosa tem o direito de ter sua opiniao. Mas eu discordo de vc.

Abracos


Maria Valeria





Raven Deschain disse...

Sobre as conaultas ginecológicas, tb comeceu cedo. Aos 9 já tinha seios, menstruei ali pelos 10. E só tive essa consulta pros meus pais saberem se tava tudo normal e tal. Meu pai acompanhou o tempo todo e nem tive que tirar a roupa. Ele olhou pro meu pai e disse que claro que eu era uma guria normal, ué.

Se com essa idade eu tivesse que fazer toque saía correndo. Em plena sala de parto eu mandei a enfermeira se catar com aquele dedo dela, que dirá sem a menor necessidade?!

Anon lá de cima. Denunciei não. Sabe como é neh? Pessoa da família, ngm ia acreditar e enfim. Mais ou menos a mesma coisa de sempre...

Rafael disse...

Eu não acho que ninguém aqui vá me xingar, cara. Eu conheço o blog da Lola há um tempão, não comento muito mas sempre leio os posts. E quando eu falei sobre uma situação problemática comigo (que por sinal era o tema de um post na época) o pessoal que comenta mostrou todo apoio, deu conselho, força. Ninguém me xingou. E pra mim fez diferença. Talvez pra você não mude nada, mas a garota que escreveu o texto pode estar aqui lendo os comentários. Ela pediu opinião pra outra pessoa, não pediu? Não é esse o objetivo do texto dela?

Se eu disse pro pessoal ignorar você (que é o que eu vou fazer depois dessa resposta), é porque quem acompanha o blog sabe que trollzinho assim tem de monte. Aí uma hora todo mundo cansa do palhaço, começa a ignorar, e o sujeito vai embora. Vai caçar outras pessoas pra encher o saco. Depois vem outro, às vezes mais chato, às vezes mais engraçadinho. Melhor que a gente faz é ignorar, mesmo. De mim, essa é a primeira e última resposta que você vai ter. E convido o resto do pessoal a fazer o mesmo. Mas pode ficar tranquilo que eu não vou te xingar, viu? Nem dar porrada. Sou da paz ;)

Raven Deschain disse...

"ele" - o médico

Rafael disse...

O abuso psicológico está claro pelas situações que ela contou além do exame. Sobre a consulta, o que me incomoda e muito é o fato de não ter nenhum motivo para ele fazer exame ginecológico em uma criança. Pelo que eu entendi, não é um exame de rotina, pode ser feito se houver algum problema. Mas que problema? Só se o motivo for ver se a menina era virgem. Aconteceu com uma menina da minha família também, ela tinha 12 anos. Para mim é óbvio que é uma violência sexual! Mas da história toda o que mais me perturba é esse episódio das fotos. Que pai fala isso para uma criança? Isso é assédio. Porque com o exame, pode até ser que ele tivesse mesmo algum motivo. Talvez estivesse desconfiado que ela tinha alguma doença e não quis falar sobre isso. Pouco provável, mas concordo que não é impossível. Só que para o episódio das fotos não tem desculpa mesmo.

Anônimo disse...

F. só posso te dizer que você tem todo o meu apoio. Você tem meu apoio integral pro que você quiser fazer, denunciar seu pai ou não, contar pra família ou não, se afastar dele, não importa, te apóio no que você quiser. Muita força pra você, te desejo sempre o melhor. Quanto à sua terapia, eu fui paciente psicoterápica por anos e conheci vários profissionais que simplesmente não deu certo. Acontece, e é por isso que a gente tem que procurar até achar alguém que combine. Concordo com quem te sugeriu procurar um especialista em vítimas de violência sexual, deve ser o melhor pra você. Abraços.

Tá vendo, eu digo que esses pais obcecados em manter a filha virgem (pra ele, está subentendido) deviam ser amarrados numa camisa de força e mantidos longe das meninas.

Tapioca Rosa, depois de enfiar o dedo na vagina da F. quando ela tinha 12 anos sem necessidade, cobrar que ela se mantesse virgem pra ele, ameaçar de morte se ela arranjasse um namorado, sabotar qualquer tentativa dela de conhecer outra pessoa, minar sua auto estima pra que ela nem mesmo tentasse conhecer "outro", o doente mandou a filha fazer 'poses sensuais' na praia pra ele tirar fotos (veja a descrição da F.: "Em que mundo uma criança vai olhar para o próprio pai como se estivesse pedindo sexo?"). Porra, mulher, o que mais o pai dela tinha que fazer pra você enxergar que isso não foi exame, foi abuso? Ele teria que estuprar a menina na frente de toda a equipe? Filmar e jogar na internet? Aceita e pronto.

Ainda bem que já perdi a fé na humanidade mesmo...

Anônimo disse...

Tapioca, está no seu comentário de 15:28h. Quando vc diz que o exame feito pelo pai faz parte da avaliação puberal.
Mas ó, vou guardar seus sábios conselhos. E nem vou contestar nada, pq acabei de perceber que vc acha que eu sou uma jovem recém- formada ingênua. Achei fofo!
See ya!
Mariana
P.S: mas ainda acho que vc devia estudar mais. Experiência é ótimo, mas conhecimento técnico é bem importante tb. Fundamental, eu diria.

Zero disse...

p/ Rafael

"Ela pediu opinião pra outra pessoa, não pediu? Não é esse o objetivo do texto dela?"

sim. me referia ao fato de que há aqui vários que se revoltam quando alguém opina alguma coisa diferente. se você reparar verá isso.

sou "troll" porque não sou do "grupinho". que seja... afinal vocês mandam em tudo aqui, querem ditar até o que a própria autora pode dizer (leia o post anterior).

mas, pelo visto, você me conhece, leu todos meus comentários e fez uma breve analise de mim... não?

Rafael disse...

Maria Valeria, você é uma médica que tinha um blog também, não é?

Anônimo disse...

Jox

Para o tal de "Zero à Esquerda"

Não vou ficar defendendo o Zero, mas acredito que algumas besteiras que ele fala se deve à pouca experiência de vida que ele tem, mas pelo menos ele não é um infeliz rodado, mal amado e cheio de ódio e desprezo pelas mulheres.
Quem é vc seu merda pra chamar uma garota batalhadora e que enfrentou abuso sexual na infância mostrando força e superação pra tacha-la de "veia imatura"?!! Pra vc seu fracassado mulher acima dos 20 anos é " velha"? Então estamos lidando com um pedófilo, é isso que vc é?
O Zero pode lamber salto mas pelo menos não é um enrustido lambe piroca e paga pau de masculinista como você! Se mata seu animal!

Zero disse...

no dia que eu escrever "a tenção" e não "atenção" tu fala algo, masculista bunda-mole (e não adianta mentir que é mulher).

e procure em todo e qualquer comentário onde eu escreva "tadin" quando achar, me dirija a palavra.

e outra, volte pras aulas de português, sua "interpretação" é péssima....

Ingrid Bezerra disse...

Pra mim a F. sofreu um abuso sim. Esse homem claramente agiu com maldade ao fazer essa consulta estranha e pôr o dedo em sua genitália dessa forma. Não existe explicação para isso. Ele abusou de sua autoridade de pai e de médico e a subjugou dessa forma seja para conferir a virgindade intacta da F ou por um fetiche doentio dele. Ele foi péssimo, sem ética, sem respeito, invasivo...

Ele deveria ser denunciado. Eu não gostaria de saber que existe alguém assim atuando como médico. O histórico do cara é péssimo.

A Tapioca falou sobre os médicos não terem pudor ao examinar os pacientes, perderem o tato com o paciente e tal. Pois é, é esse o problema dos médicos, esquecem que nós somos gente, carregando muitas vezes traumas, nossos próprios pudores e etc. Está errado isso. Médico não pode perder o tato! Tem que pedir licença para pôr a mão na pessoa sim, principalmente nas partes íntimas, como disse uma pessoa aí em cima que foi examinada em um lugar em que pediam licença antes de tocar. Tanto que apesar de haver muitas pessoas na sala ela se sentiu confortável.

Eu mesma tive uma experiência com um médico ginecologista nada agradável. Primeiro ele me pediu para tirar a roupa toda, e eu nem se quer iria fazer mamografia, então porque tirar a parte de cima da roupa?! Não entendi e ele não explicou apenas exigiu. Eu fui no banheiro, não tirei a parte de cima e quando fui pôr o avental, ele era transparente. Deitei lá naquele lugar e ele ao examinar minha vagina fez um comentário grosseiro. Fiquei constrangida e nunca mais voltei nele. Aliás, nunca mais eu me consultei com medico homem na vida.

Antes dele eu ia a uma ginecologista que introduziu o papanicolau do nada em mim. Me machucou. Pôxa, custava avisar antes de sair enfiando as coisas em mim? Não voltei mais nessa.

Uma outra vez eu fui fazer uma tumografia computadorizada e antes de passar pelo tubo a enfermeira enfiou sem eu saber, sem eu esperar, uma seringa super grossa no meu pulso. Custava me avisar?! Custava me preparar?! Caraca, acabou que eu saí da posição e segundo ela, eu atrapalhei tudo. Se ela tivesse me avisado eu aguentaria numa boa, eu super coopero.

Eu super cooperei com uma drenagem que eu fiz num furúnculo terrível na bunda. Não gritei, não berrei, não saí do lugar. Tudo porque foi feito de forma humanizada, tranquila.

Médicos não podem achar que somos bonecos e sair introduzindo tudo dessa forma em nosso corpo. Tocando nas partes íntimas de maneira desrespeitosa...

Uma pessoa também relatou aí em cima que uma outra ficou traumatizada porque o médico pôs o estetoscópio em seu mamilo. Aí a Tapioca explicou o porquê disso... Pôxa, mas nós, os pacientes, não vamos adivinhar essas coisas do nada! Podemos sim, ficar traumatizadas com algo que até pode ser confundido com abuso. É fato! Então seria mais viável da parte do médico explicar sim, ao menos um pouco do procedimento. O que custa?

Tem muitos médicos que abusam, todo mundo sabe disso. Eu já tive uns casos estranhos em consultas, então podes crer, que uma única falta de tato pode sim ser interpretado como abuso nessas horas de exposição de intimidade.

Voltando a F, F querida, espero que você repense na hipótese de buscar ajuda com uma boa psicóloga. É possível encontrar uma boa psicóloga, eu mesma me tratei com uma maravilhosa que me ajudou em tudo que eu precisava e mais um pouco. Esqueça essas psicólogas ruins, existem as boas.

Fique bem. :)

Tapioca Rosa disse...

Olha B, eu não estou querendo problematizar nada. Para não se estender você escreve um texto menor achando que as pessoas vão entender e acaba que a ideia balança para o outro lado. Então, reviram o que você disse do avesso e atribuem a você coisas que não disse. Bem desestimulante dialogar com que não é honesto de discurso. Quando dei o exemplo de vacina e tal, pedi para esquecer o caso da F. Confere? Não coloquei como situações iguais. E ainda disse que a merda toda era que o cara é pai dela. Envolve muita coisa essa informação. E TODAS as vezes que escrevi abuso eu estava me referindo ao sexual. Por favor! O que te parece quando lá atrás as moças eram submetidas a exame de virgindade? Era abuso SEXUAL? Me parece que esse escroto quis fazer a mesma coisa.
Sua pergunta é capciosa porque você quer me pegar em contradição. Não vejo como iguais uma situação em que o médico é o mesmo pai de outra situação em que sejam pessoas distintas. Envolve tanta coisa tudo isso que o P&b vira arco íris.
Infelizmente (e para todos os casos) vivemos uma cultura onde a vítima é a pessoa mais punida no fim das contas.

Zero disse...

p/ Jox

TURN DOWN FOR WHAT

nunca disse aqui que presto ou que sou foda em alguma coisa.

sobre a Raven. nunca a chamei de "véia" basta ler meus comentários.

no máximo ironizo o TEXTO da pessoa e não a pessoa em si.

meu maior problema é a maneira que eu escrevo.

tudo isso se gerou por eu considerar "manteiga" pessoa que chora por filme, e deu toda essa merda. é foda isso.

aí nego diz que eu "quero atenção". eu faço um comentário que repercute muito, e da maneira errada...

Zero disse...

antes que dê merda de novo.

estou apoiando o comentário da Jox e não criticando.

o Turn Down for What foi referente ao comentário dela pro meu fake.

vwls.

Fê Cardoso disse...

F. Eu sinto muito por você. Além de todo o sofrimento da situação, ter que aguentar calada e ainda por cima deparar-se com maus psicólogos que ao invés de ajudar pioraram ainda mais a situação.
Procure outros profissionais, sei que deve ser muito difícil mas com certeza você conseguirá superar tudo que houve.

Vocês comentaram sobre consultas ginecológicas..... eu menstruei com 11 anos e aos 13 fui pela primeira vez ao ginecologista. Lembro que era um senhor, que fez o exame do cotonete e também apalpou meus seios. Fiquei em pânico, não conseguia nem respirar direito. No final da consulta ele ainda disse para minha mãe que eu estava gordinha e precisava fazer exercícios para me tornar uma mulher bonita!
Disse pra ela que não queria mais voltar lá e desde então passei a me consultar com uma médica maravilhosa, atenciosa, linda e gordinha!

Se meu pavor ao passar por uma situação dessas com um estranho foi tão grande, imagino a dimensão do seu sofrimento ao ser abusada pelo próprio pai, F. Queria poder te dar um abraço....

Anônimo disse...

Rose

Vamos deixar claro!
O pai cometeu abuso. Pode ser genitor da garota, médico, ou como diria meu avô o caralho de asa, ele é um criminoso e ponto! Pq tá tão difícil pra algumas pessoas entenderem?!!!!
Imagine que vocês tenham uma filha de 11, 12, 13 anos em um filho da puta com uniforme de médico usa sua autoridade pra enfiar o dedo na genitália da criança? Fácil não achar que foi abuso se tem filho homem e só homem adulto acima dos 40 leva meia década consentida pra evitar câncer de próstata!
Fácil ficar com filosofia de botequim mandando a garota superar, arrumar terapia e outras merdas quando ela deveria estar denunciando, quebrando o pau, fazendo escândalo e mostrando o LIXO em forma de homem que o "pai" dela é!
Vamos ser diretos, pedófilo sendo pai ou não, médico ou não, tem mais é que se fuder!!!

Raven Deschain disse...

Huashuahsuahsua véia imatura.

Vou dormir depois dessa.

Até amanhã, amiguinhos.

Zero disse...

Raven, só quero esclarecer que esse fake malfeito não condiz comigo.

eu te respeito.

Tapioca Rosa disse...

Esse é meu último comentário por hoje haha
Ingrid, falta muito no relacionamento médico-paciente. Não custa nada explicar e PRINCIPALMENTE fazer o feedback para ver se o paciente entendeu mesmo. Tem médico que por hábito fala tão técnico e o paciente não entende nada. Se o paciente entende urina, então fale urina. Se entende xixi, fale xixi e se ele entende mijo, fale mijo. Continua sendo tudo a mesma coisa.
Existe muita misoginia na saúde (não digo nem medicina, é saúde mesmo). E já vi mais por parte de mulheres. Coisas do tipo: mulher fede, vagina é feia, nojenta e daí para pior. Dói muito ver que esse tipo de coisa ainda acontece. E que mulheres fazem isso com mulheres. São comentários não endereçados à pessoas em específico. Tudo é ao gênero. Pelo menos eu nunca vi algo do tipo: a FULANA é isso ou aquilo. Muito triste.

Anônimo disse...

Oi Rafael,

eu tinha um blog sim, mas deletei no final do ano passado. Ja deu o que tinha que dar, ja tinha escrito o que tinha pra escrever em 10 anos ...agora fase nova da vida ;-)


Nao sei quem escreveu ai sobre pedir licenca para tocar partes intimas/ fazer exames, e tenho um comentario a fazer :

Eu estava no 6o ano de medicina, e no estagio de Neurologia, um professor “ ensinando” a gente que jamais se pedia licenca para entrar no espaco intimo de alguem- que isso tinha que acontecer naturalmente, sem pedir licenca.

Sabe, sem querer defender, mas quando somos estudantes , os professores sao meio um “ deus” para nos. Tudo o que eles dizem eh lei. pelo menos para mim, era.

Demorei anos e anos para entender a babaquice desse ensinamento do meu “ professor”- para entrar na intimidade de alguem se pede licenca SIM. e se a pessoa nao deixar vc nao entra e espera uma proxima oportunidade, se ela permitir. Senao vc respeita e avisa / explica o que pode acontecer caso esse contato/ exame mais intimo nao seja feito.

Acredito que existam muitos medicos ruins porque aprenderam errado, com professores babacas.

Ainda bem que nunca eh tarde para melhorar e evoluir ;-)

boa noite.

Maria Valeria

Tapioca Rosa disse...

Você está se tornando chatinha. Eu disse mamas, pêlos e genitália. Não disse ginecológico e não disse que fazia parte de Tanner. Qual a dificuldade de entender isso??? E qual a dificuldade de entender que, TALVEZ, num exame ginecológico se avaliem mucosas cojuntivais, por exemplo? Invalida o exame? Sai do protocolo?
E NÃO. E não estava falando para você sobre coisas a se aprender com o tempo. Não disse Mariana isso, Mariana aquilo. Foi uma reflexão até pessoal também. É só prestar atenção. Ingênuo é o vestibulando para medicina. Mal sabe as castanhas que terá de quebrar no dente. Cada dia é um dia nessa profissão. Sempre tem algo para aprender e se surpreender. Tem dias que experiência técnica conta e tem dias que não vale de nada. Jovem sou eu - graças a Deus! Agora é para você: Mariana, todo dia é dia de estudar! Inclusive coisas que não são do mundinho. Nem sempre tudo é feito ABD.
Até qualquer dia ou nunca mais!

Luiza Original disse...

22:17, faço das suas palavras, as minhas.

Tapioca Rosa disse...

Maria Valeria, eu já ia dormir e não comentar mais esse assunto hahaha mas achei o seu texto tão honesto e consciente. A autora do post perguntou: teve abuso sexual? Eu respondi que AO QUE PARECE NÃO. E por não ter colocado a palavra "sexual" acho que não entenderam ao que me referia. Não sei exatamente onde você discorda de mim. Repito já com enjoo que esse cara foi um escroto, uma merda de pai e de médico.
É uma situação muito delicada essa de parentes e agregados serem atendidos pelo médico. Nós sabemos que não é fácil dizer não para parente porque eles não entendem. Acham que você está de má vontade. O Dr X atende toda a família e você não. Que ingrato! E o que dizer quando você trabalha em CTI e se um parente seu ficar gravemente enfermo vai para o seu setor porque não tem outro? Entubar, chocar e reanimar parente é uma coisa muito pesada.
E se o seu parente for o melhor médico na cidade naquela especialidade? São muitas questões. Não é preto no branco. É arco íris como eu já me repeti por aqui. O CRM não recomenda casos de doença grave ou toxicomania porque o envolvimento é tão intenso que não acaba bem.
Valeria, não falei em provas de acusação porque acho isso difícil em abuso. Nem sempre a vítima fala logo, nem sempre dá para fazer corpo delito. Fica no final das contas palavra contra palavra e vence o mais forte. Gaslighting com a vítima? Quem nunca viu?
Ficou no MÍNIMO estranha essa atitude do pai, mas como alguém citou (acho que foi um rapaz) que o episódio das fotos foi bizarríssimo. As condutas seguintes idem. A situação de F deve ter sido mais ampla do que imaginamos. Olhares, respirações profundas em sinal de desaprovação de algo, palavras, silêncio devem ter feito muito estrago mesmo. Não desmereço absolutamente nada disso. Bem sabemos como as pessoas chegam machucadas até nós, desacreditadas e achando que não são dignas de saúde, de carinho, de atenção, de cuidado. Era isso que eu tinha a dizer...

Camila D disse...

F., se pra vc foi traumático, denuncia sim, pq foi abuso. Psicológico e sexual. Podia ser o Papa a inventar desculpas ou usar o título divino dele pra te tocar, se vc não consentir, é abuso.
Aquela história das fotos tb evidencia que ele não te via como filha. Se pra ele era tão ruim a ideia de vc ter namorado, por que sexualizar vc naquele momento?
Te falo isso pq meu genitor (que não chamo de pai) usava do "pátrio poder" que ele tinha sobre as filhas pra abusá-las. Sim, eu e minhas irmãs, e até uma vizinha minha, que na época tinha oito anos de idade fomos vítimas dele.
Ele era advogado tb, e se achava no direito de humilhar-nos na frente de todo mundo quando lhe conviesse, e era coercitivo da mesma maneira que o escroto que te fez tanto mal.
Não sei se vou superar isso, mas to tentando. Seria bom se você procurasse assistência psicológica, eu mesma desisti nas duas vezes que tentei, mas faz falta. Ainda tenho dificuldades pra falar sobre meus traumas cara a cara, pela internet parece ser menos complicado, pelo blog da Lola abordar temas como esse, e é onde me sinto mais confortável pra contar.
Mas mesmo que vc decida não denunciar esse monstro, vá para o mais longe possível dele, só não esqueça da sua mana, pergunta pra ela sutilmente como esse cara lhe trata. Foi assim que descobri que minha irmã mais nova sofria abuso. Ela começou a aparecer com revistinhas, esmaltes e presentinhos que nenhum de nós nunca ganhávamos, ainda mais do genitor, que nos tratava com rispidez e raramente nos comprava seja o que fosse de necessidades básicas, roupas, material escolar etc.Já passamos até fome, enquanto ele ficava dois dias fora direto torrando todo dinheiro com nem quero saber o que. Comprava e vendia carros e a gente não via nem rastro de dinheiro. Estávamos sempre passando necessidades, mesmo sem necessidade.
Eu e minhas irmãs o denunciamos quando descobrimos que a mais nova sofria abuso. O genitor cumpriu apenas um terço da pena em regime fechado, e hoje desfila por aí com carrão, tem casa na praia, enquanto nós não ficamos nem com a casa em que morávamos, já que deu um jeito de fazer com que nenhum de nós ficasse com nada do que era nosso por direito, colocando tudo q tinha no nome dos "laranjas" dele. E ainda teve a capacidade de nos acusar de interesse financeiro, espalhando pra todo mundo mentiras sobre meus irmãos, irmãs e sobre mim, principalmente (que sempre fiz questão de deixar claro que o odeio).
Eu tinha dez anos quando sofri abusos. Teve uma noite que dormi trancada no banheiro pra não ser estuprada, e não podia nem chamar ngm pq minha mãe estava dormindo podre de bêbada (ela bebia todas as noites até cair), meu irmão passava todas as noites fora com os amigos punks, e minha irmã mais velha já não morava com a gente.
Quando contei pra minha mãe oq tava acontecendo, ela só me pôs pra dormir com ela, como se isso resolvesse, já que os abusos não aconteciam apenas de noite, nem pararam depois que entramos pra uma igreja evangélica. Mas eu fugia, me mantinha longe o máximo que podia e fechada pra qlq tipo de contato com ele, e por essa razão eu era tratada como rebelde, e ouvia de todos os lados que devia perdoa-lo pq ele era meu "pai", e tipo, "honrar pai e mãe" é regra né, independente da porra do pai ser um pedófilo estuprador e a fraca da mãe ser uma omissa e cúmplice de abusos. Não havia apoio de parte alguma, apenas julgamentos.
Essas coisas ferram um bocado com nossa vida e com a confiança nas pessoas. Mas que bom seu caso não é como o meu, ainda que os traumas sejam proporcionais.
Espero do fundo do meu coração que o traste que te causou toda essa dor pague mil vezes pelo que te fez, e que todo mundo saiba do lixo humano que ele representa, inclusive por segurança. (...)

Camila D disse...

(...)
Uma pessoa como ele não muda mais, vc pode ter certeza. Pessoas arrogantes que se acham donas da verdade por terem um diploma pra esfregar na cara dos outros o poder que acreditam possuir, e usá-lo como justificativa pras merdas que falam e fazem, e ainda por cima coagir, dificilmente mudam. E foda-se ele tb, quero mais é que pessoam como ele se explodam.
F., te desejo muita força, e espero que consiga superar todos esses traumas terríveis. Pensa bem na possibilidade de abrir o jogo pra família, e se te amam vão te apoiar, com certeza. Vc merece tudo de melhor, e é isso que te desejo.
Um abraço bem apertado!

Ingrid Bezerra disse...

Que horror todos estes detalhes que você relatou sobre o seu abuso Camila. Mais uma vez, eu digo que sinto muito, muito mesmo. Estou perplexa.

Você é muito forte por conseguir falar tudo isso e por tê-lo denunciado. Eu não tenho nem metade desta sua força. Eu não consigo nem pronunciar o nome do meu abusador (que abusou de mim aos 9 anos de idade), quanto menos falar sobre o caso. Apenas uma vez eu contei para minha irmã mais nova porque eu precisava usar isto como exemplo.

Me identifiquei com muito do que você disse. Também passei fome (eu cheguei a ter que comer carne estragada, que o açougueiro separava para o cachorro), já vivi em miséria extrema, sem energia elétrica e sofrendo muitas humilhações. A minha mãe também era alcoólatra, eu já cheguei a buscar minha mãe várias vezes pela rua totalmente bêbada... Um horror!

Conheci 3 pedófilos (que por sorte não abusaram de mim) e não consigo definir em palavras a sensação que é isso. Um tempinho atrás era tão fácil encontrar pedófilos agindo livremente... era tão corriqueiro que eu nem ao menos sabia que se tratavam de pedófilos ou o que era pedofilia. As revelações desse mal eu fui desvendando aos poucos. Terrível. Um deles me feriu muito com isso. Eu ODEIO pedofilia, ODEIO, de todo meu coração.

Eu tinha pavor de homens quando eu era pequena. Porque meus parentes sempre me contavam histórias de estupro terríveis para eu me precaver. Era tão horrível que eu urinava nas calças dormindo tendo pesadelos com homens me estuprando. E incrível, mas todo esse cuidado não me livrou de ter sido abusada. Na puberdade eu consegui me livrar de metade desse medo de homens, porque até então eu sentia necessidade de namorar e estava tentando ser feliz. por sorte, eu consegui.

Fora que eu vim de uma família bem antiquada que doma os filhos na base da surra pesada, e eu sofri muito com essas agressões. Muita gente me agrediu, me magoou e por causa disso eu desenvolvi problemas gravíssimos de falta de alto estima (que já foram curados após 4 anos de terapia). Mas ainda tenho crises depressivas terríveis e sou bem carente.

Eu também gosto de vir aqui na Lola porque me sinto acolhida aqui, gosto de ler as experiências das outras mulheres e tentar contribuir com as minhas. É fantástico isso. Aprendi e aprendo muito por aqui, Pôxa... como mudei lendo este blog! Meu objetivo de me tornar alguém melhor eu encontro aqui. :)

Boa noite Camila. Beijinho :*

Anônimo disse...

Ninguém faz nem idéia mas o distúrbio de personalidade narcisista é o mais comum que existe...o que varia é o grau só isso...
Uns podem apenas usar o filho como objeto de orgulho e exibicionismo, e outros matam roubam estupram e passam por cima dos outros como tanques de guerra.Os vilões das novelas são perfeitos exemplos de narcisistas.

Sou filha de pais narcisistas também e falo com conhecimento de causa...só existe uma maneira de se ver livre desse IN-FER-NO: SAIA DE CASA ASSIM QUE POSSIVEL E NUNCA MAIS VOLTE! NUNCA MAIS!
O seu caso é clássico! Pelo visto você e um dos filhos do tipo"bode expiatório" e o seu irmãozinho que provavelmente vai ser um narcisista( ele aceita os presentes e o mimo do seu pai e nem te defende)é a criança de ouro que o narcisista elege para se projetar.

Sua mãe é outra pelo visto. Uma mãe que se faz de cega e passa a mão na cabeça de um marido que faz isso com a própria filha também é narcisista! Ela só liga para si mesma quando faz vista grossa para os abusos cometidos contra a própria família só para que ELA não fique sem marido.Procure ajuda profissional sem falar para ninguém! Existem psicólogos que atendem gratuitamente em universidades publicas,mas não deixe o seu telefone com ninguém com quem for marcar consulta etc,pois eles podem ligar na sua casa e alguém descobrir.Engordar foi o escudo que você encontrou, para não ficar atraente de forma alguma mas até sair da sua casa, faça uso de outros como: demonstre que está sempre triste! Jamais JAMAIS deixe que ninguém te veja feliz de jeito nenhum pois é aí que o narcisista vai querer te destruir, o abuso foi para isso para mostrar quem manda e acabar de vez com a possibilidade de você ter liberdade e felicidade. Narcisistas não SUPORTAM a felicidade alheia!Não fale nada a seu respeito com ninguém da sua família pois nunca ninguém vai acreditar e eles pelo visto não parecem ligar.
Não queira ser amada por niguém da sua família e não namore até se curar, namorei alguns narcisistas que se faziam de anjos salvadores para depois descobrir que não passavam de monstros como o meu pai. Entenda que você está ferida e cheirando a sangue e pode atrair todo o tipo de predadores ainda mais que o primeiro modelo de homem que você teve foi seu pai e é esse tipo de homem que atraimos inconscientemente já que ficou marcado no subconsciente. Não namore não se envolva e não caia na lábia de nenhum bonzinho até se sentir curada. Eu te imploro. Abra os olhos com amigos e amigas também(parece paranoia mas não é)sua mãe não foi uma boa amiga sua, então antes de confiar em alguém se cure. Sim... tem cura!
Aguente no inferno calada, seja invisível, e para não pirar encontre atividades fora de casa.Infelizmente vocÊ está sozinha minha querida assim como eu estava.Você é inteligente e muito lucida.Ironicamente filhos de narcisistas são talentosos e inteligentes e quando se curam vão longe na vida então tenha força! MUITA FORÇA que você vai superar tudo tudo tudo. Esqueça-os! Mesmo estando ao lado deles. Mates-os dentro de você como se você fosse filha de chocadeira mesmo.
Os narcisistas são quase psicopatas.São desconectados de suas emoções.São ego puro, e não tem cura. Sinto muitíssimo pela sua infância maldita e pela sua adolescência( tudo piora na adolescência, quando os narcisos começam a ver que estão perdendo o controle sobre você)mas saiba que a melhor vingança é não deixar que vençam!A melhor vingança é ser feliz.Os ecos das vozes deles ficam na cabeça e no meu caso me assombram até hoje, e é por isso que agora eu medito. Medite! Quando as coisas estão difíceis vá para dentro de sim mesma e você encontrara verdades! Escute sua intuição! E JAMAIS JAMAIS JAMAIS pense em se sentir culpada por nada! Não é sua culpa!Qualquer coisa escreva para mim: belkdmoainzeb@hotmail.com

Obrigada Lola por ajudar uma vitima do narcisismo.Eles precisam de TODA a ajuda que conseguirem encontrar!

Apesar de escolher anônimo pois não tenho blog e nem conta no google ,meu nome é Alexandra´.
Até

Anônimo disse...

Segundo pesquisadores, viciados em sexo e viciados em pornografia quase sempre exibem graus clinicamente significativos de narcisismo...

Que o narcisismo seria correlacionado com o vício em sexo e pornografia não é surpreendente, uma vez que, clinicamente, o comportamento narcisista é um mecanismo de defesa ou mecanismo de enfrentamento cujo objetivo é lidar com sentimentos de inadequação, inutilidade e vergonha. De fato, ao contrário da crença popular, o narcisista não ama a si mesmo, mas odeia a si mesmo e habitualmente se engaja em comportamento compensatório e entorpecente, a fim de distrair-se dos seus problemas.

http://www.examiner.com/article/narcissism-and-porn-addiction

Anônimo disse...

Eu sou a autora post.

À Lola que o publicou e a todos os que responderam e deram suas opiniões, apoio e, acima de tudo, carinho, eu nem saberia como agradecer suficientemente. Apenas saibam que o que vocês fizeram é imensamente importante.Vocês não tem idéia do alívio que é ter meus sentimentos levados a sério por estranhos, porque na minha família ninguém nunca levou. Apenas minha irmã tem uma atitude similar a minha em relaçao ao nosso pai. Minha mãe hoje, separada, é uma pessoa melhor, mas naquela época, mesmo sendo muito mal tratada pelo meu genitor, sempre foi cúmplice passiva, vivia na sombra dele. Se juntava a ele em comentários depreciativos sobre minha aparência e peso. Para ela, sua responsabilidade era fazer com que nós agradássemos a seu marido, porque se não ele nos abandonaria, como ele costumava ameacar. Meu irmão nem vale comentar, é outro escroto.

Escrevi este texto em um momento de desespero, naqueles em que a gente precisa de uma resposta imediata, mas não tem com quem falar ou tem medo de julgamento. Escrevi mal, esqueci de alguns detalhes, de deixar algumas coisas talvez mais claras, na ânsia de tornar o texto o mais curto possível, para que alguém o lesse. Eu poderia ter escrito dezenas de histórias terríveis para provar que meu genitor é um escroto autoritário que gostava de humilhar suas filhas, esposa e empregados por nenhum ou qualquer motivo, que nos deixava a ponto de passar necessidades enquanto ele comprava carros zero e sapatos italianos e nos culpava pela sua ruína financeira. No entanto, quis me concentrar nas duas histórias que considero mais sérias, e que por isso mesmo me geravam mais dúvidas. Esqueci de dizer que aos 12 ainda não havia menstruado. Talvez este seja um dado importante para se levar em conta no que diz respeito à necessidade de consulta ginecológica? Menstruei aos 13, o que gerou também um episódio constrangedor para mim, para além da vergonha que senti com este acontecimento em si: meu pai, em um momento histriônico de “felicidade”, gritando no telefone para meu avô que sua neta havia “ficado mocinha”, assim, como se ele tivesse ganhado na loteria. Nunca entendi esta reação e me senti novamente violada tendo minha intimidade exposta para outro homem.

Apenas adicionando alguns detalhes que esqueci: meu genitor tinha mania desde sempre a passar perto de mim para apertar minha bunda – como esses moleques que tocam os seios das meninas e saem correndo – ao que eu respondia nervosa pedindo para ele não fazer isso, porque eu não gostava. Ele nunca deu ouvidos, é óbvio. Eu também não podia passar muito tempo no banheiro, se não meu ele comecava a bater na porta histérico, querendo saber o que eu estava fazendo ali dentro e me ordenando abrir a porta. Já faz alguns anos que eu entendi que ele tinha obssessão pela minha sexualidade, mas não entendia bem o porquê.

Muito obrigada a todos que relataram suas boas e más experiências com médicos. Foi muito elucidativo ler essas histórias. Foi tocante ler a história da mãe que ensinou sua filha a nunca deixar que alguém violasse sua integridade física – algo para o qual a minha jamais me orientou. Camilla D, seu caso é extremo, mas vejo semelhanças entre a descrição do seu genitor e o meu. Sinto muito mesmo por sua vida ter comecado desta forma. Ingrid Bezerra, Mari, Gle, Diva, vbfri, Raven, Alex, Marix, Kittsu, Graciema, Maria Valeria, Mariana, paula d, GI Jane, Fê Cardoso, Rose, e a tantas outras anônimas que deixaram seus comentários, muito obrigada. Vocês são responsáveis por hoje eu ter a sensacão de que algo ter se acalmado no meu espírito. Um abraço a todas.

F.

Graciema disse...

Peço desculpas aos médicos que ofendi. Não são todos. Mas infelizmente, tem uma parcela grande sim, que age como se o conhecimento médico, inda que defasado, e contra as evidencias, legitime qualquer intervenção sobre o corpo do paciência, com ou sem consentimento, com ou sem informação.

@vbfri disse...

F...

Eu não sei nem o que dizer. Sei que uma situação como a sua despedaça o meu coração. Dificilmente um processo judicial agora daria em alguma coisa. Pelo visto faz muito tempo e não existem marcas físicas. As emocionais, no entanto, permanecem.

Eu sugeriria a você procurar um EXCELENTE terapeuta. Não serve um mais-ou-menos. Alguém realmente com qualifcação.

Eu tive 2 casos de abuso sexual, um aos 10 e outro aos 19. Ambos se limitaram a toques leves (sem marcas físicias) e em ambos, inclusive no que eu tinha 19 e já sabia que o babaca era o cidadão (pai de uma amiga minha, se aproveitou disso para garantir o meu silêncio), fiquei me perguntando o que eu tinha feito de errado.

Hoje, depois de muita terapia, muita mesmo, lido de forma mais leve com esses acontecimentos da minha vida. Mas a minha sorte foi ter encontrado excelentes profissionais.

Saiba que o que aconteceu contigo foi estupro, sim, e acontece com muita gente.

Você, no entanto, tem o direito de se recuperar disso e ter uma vida absolutamente feliz, sem ter minhocas na cabeça.

Você não fez nada de errado, ok?

E se, um dia, você conseguir isso, perdoe-o. Não por ele, mas por você. Para você ter paz de espírito.

Lhe desejo absolutamente toda a sorte do planeta.

Beijos,
Virginia

Anônimo disse...

Até nunca mais!
Abraços
Mariana

Anônimo disse...

Vc está coberta de razão.
Bjs, Mariana

Anônimo disse...

Um beijo enorme, querida. E, mais uma vez, força. Cuide de vc agora.
Mariana

Anônimo disse...

F.
Muito bom saber que as palavras das pessoas aqui te fizeram se sentir melhor, porque é o que vc merece. Lamento pela discussão "se houve abuso sexual ou não", quando é claro que houve sim, sendo que as ações do seu progenitor gritam que ele é um predador sexual que já deveria estar preso. Infelizmente ele não vai parar, pessoas assim se alimentam da maldade que cometem.
Tudo de melhor pra vc, e parabéns por ter passado por tanta coisa e ainda sim ter se tornado uma pessoa gentil e empática (pelo menos é o que transparece nos seus relatos).


Dan

Uouo Uo disse...


thank you

سعودي اوتو

Gle disse...

F., querida! Sinta-se abraçada e busque a sua paz. Tratamentos vão curar esses traumas, mas só você, conhecendo seu íntimo, poderá tirar isso do seu coração.
Algumas pessoas precisam falar, colocar pra fora e até mesmo pra pessoa que causou esse mal para só depois "perdoar". Não lhe conheço, mas assim como a Virgínia, torço para que quem sabe, um dia, você consiga perdoá-lo. É muito difícil - com toda certeza -, mas não impossível. Torço para ler sua evolução/superação aqui no blog da Lola, como já vi de muitas outras mulheres :D

Beijo grande!

Anônimo disse...

Alex

Pra Virginia

Querida eu sinto muito por sua dor emocional e psicológica e trauma, mas vc não se sentiria melhor se o infeliz que abusou de você fosse desmascarado e humilhado?
Vejam três casos que irei te citar, todos reais.
Uma garota de 21 anos foi molestada por uma freira(tb existem mulheres pedófilas) aos TRÊS anos de idade! Ela fazia terapia e conseguiu mostrar na justiça que a vida sexual e social dela foram prejudicadas pelo toque improprio da freira. Esta não foi presa pq o crime tinha prescrito mas foi processada e teve que pagar pelo psicólogo da moça. Soube que ela foi expulsa do colégio onde trabalhava e fiquei feliz com isso.
Segundo caso(este mais famoso), a nadadora Joana Maranhão relatou que foi abusada pelo treinador. Já tinha prescrito mas ele não teve mais nenhum aluno e de quebra foi demitido. O babaca safado tentou processar a Joana não conseguiu e agora tá desempregado e fudido(ate acho que pro que ele fez com uma criança foi pouco!).
Terceiro. Tenho 40 minha irmã 31. Ela me contou ano passado que quando tinha 07 anos e eu tava fora de casa brincando com amigos, um primo adulto foi pra nossa casa e propôs "brincadeiras" com ela. Meus pais tb não tavam em casa. Não houve penetração mas na adolescência ela era bem arredia e.não confiava em ninguém (lembro que eu perguntava se algo tinha acontecido) e ela não me falava. Seguimos com nossas vidas e ela trabalha de confeiteiro. Ela viu um filme de uma criança que sofria abuso e caiu em lágrimas. Tinha ido visita-la e a pressionei pra me contar o que aconteceu. Ela disse sobre nosso primo. Fui pra casa dele, felizmente a mulher e os filhos não tavam. Quebrei a cara dele falando que sabia o que tinha feito com minha irmã, ele confirmou e alegou que tava bêbado e não tinha "estuprado" ela. E disse que o que ele fez foi tão grave quanto estupro. Ele disse que ia me denunciar à policia por agressão. E falei que era só ele dizer isso que ia falar pra mulher, pros filhos, pra todo mundo o pervertido pedófilo que ele era. Meteu o rabinho entre as pernas e não foi mais pras reuniões de família.
Acho muito sentimentalismo e hipocrisia esse "perdoar" o tarado pq ele não vai se arrepender de seus atos.
Deixa a garota confrontar o pai filho da puta e vc tb tenha coragem de confrontar o canalha que te molestou. Fazer o bandido se ferrar é melhor que mil terapias.

Anônimo disse...

Alex

Gle, não é perdoando o criminoso que ele vai deixar de zero tarado nojento que é ela deve confrontar ele assim como minha irma fez com o nosso primo filho da puta que molestou ela! É ele vendo que fez que vai fazer ele refletir. Fácil pedir pra vitima perdoar quando o bandido tá de boa cagando e andando pro que cometeu!

Anônimo disse...

Alex, são escolhas, sabe?

Independetemente dela ir à justiça, confrontar o fdp do pai dela, fazer alguma coisa sobre isso, ou não fazer nada, se (SE) um dia ela conseguir perdoar, ela vai tirar um sentimento ruim do peito dela.

Viver o resto da vida com ódio não dá. Não é saudável, e é a história de tomar veneno esperando que a outra pessoa morra.

Em momento algum eu falei para ela não fazer nada. Mas também não a "mandei" confrontar o pai.

Isso é uma escolha DELA. Estou falando o que eu fiz, mas não acho que eu sou dona da verdade.

O cara que me molestou aos 19 anos sabia MUUUUUUITO bem o que estava fazendo. Ele é um político renomado, autor de várias leis, formado em direito e me contou que chegou a fazer um trabalho ESPECÍFICO sobre estupro.

Você ACHA que ele não SABIA o que estava fazendo? Jura? Tem certeza???

Daí vou eu, com 19 anos, na delegacia (não existia delegacia especializada) e falar que um cara desse porte abusou de mim (sendo que eu não tinha nem um arranhão pra comprovar)?

Não vai rolar. Quando eu falei para ele que considerei o "carinho" dele impróprio (ele colocou a mão na minha buceta quando eu estava dirigindo, pq ele me pediu uma carona e, depois que eu tirei a mão dele de lá, ele colocou a mão no meu cinto entre os meus seios e eu fiquei absolutamente em estado de choque, até me descencilhar.

Depois que falei isso PARA ELE, a minha amiga parou de falar comigo e a amizade acabou. Ela simplesmente idolatrava o pai.

Com 10 anos a história foi um pouco pior, foi numa escola católica e eu levei 10 anos para começar a falar sobre o que tinha acontecido.

Não sei nem o nome do cidadão.

Vou atrás disso agora? Deixar o cara arruinar a minha vida? Viver perseguindo ele?

Desculpa, este não é o foco da minha vida. É uma das coisas ruins que aconteceram. E eu me recuso a deixar que isso guie os meus passos, que isso ocupe a minha mente, que isso tenha uma influência maior do que já teve.

EU escolhi perdoar e levar a minha vida adiante.

Mas essa foi a MINHA escolha. Ponto.

Que a F faça a dela e que ela consiga ser feliz, recuperar a sexualidade dela e tomar posse de quem ela é. Faço votos que ela encontre a força para SUPERAR isso.

Se para superar ela precise ir à delegacia, xingar o pai, fazer escândalo, que faça.

Ele não vai "se conscientizar" que fez algo errado. Ele SABE que o que fez é errado. Se não soubesse, teria feito na frente de outras pessoas.

Gle disse...

Alex,

"não é perdoando o criminoso que ele vai deixar de zero tarado nojento que é": CONCORDO. Nesse caso, ela não tem como recorrer à justiça, não tem provas, etc. Se tivesse, acho que ela deveria sim fazer algo. Aliás, quem acha sou EU e ninguém aqui pode interferir numa decisão que é só da F.. Então, vamos deixar que ela decida, correto?
Acho que você não conseguiu entender o que eu e a Virginia relatamos. Não desconsidero tua raiva depois de tudo o que aconteceu a sua volta. E sinceramente, não quero discutir aqui quem tem a razão. Acredito que a F. tenha entendido. A única coisa que eu quero é que ela fique bem e retome a vida dela, sem sofrer com isso!


"Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é" (já dizia Caetano).

Anônimo disse...

Seria interessante que os médicos que comentem coloquem seus crms, ou ao menos o nome completo.

Alias, não é na internet o melhor lugar para esse tipo de consulta F.

Anônimo disse...

Só um homem mesmo poderia achar que não houve abuso sexual nessa situação, pelamor.

Moça, nunca, NUNCA duvide de seus sentimentos. Se você está ou não na dúvida se foi abuso, pode estar certa que foi. Não cabe ao abusador, ao molestador ou ao simpatizante definir o que é ou não estupro.

Anônimo disse...


Seria interessante que os médicos que comentem coloquem seus crms, ou ao menos o nome completo.

1- Eu coloco meu nome completo e meu CRM se eu quiser. Isso so cabe a mim decidir. Quer procurar no site do CRM textos que nao recomendam o medico atender parente/ amigo, vai la. o site do CRM ta cheio e ta escrito mais ou menos o que escrevi.nao sou obrigada a expor meu sobrenome e CRM na internet, num blog onde ja vi muita agressao entre comentaristas.

2- ninguem aqui deu ‘ consulta’ pela internet. Dei uma opiniao sobre a vivencia da paciente, baseada em seu relato, e assino e endosso o que o proprio CRM diz e recomenda nesses casos.


a gente nao pode nem querer ajudar nem ter empatia por quem escreveu, que sempre tem um pra criticar.

sabe de uma coisa?? to feliz demais pra ficar com esse tipo de rusguinha.

Fico imensamente feliz que os meu comentarios tenham te ajudado em algo, autora do post.Nem que seja para deixar um pouco mais leve. Acho que o objetivo do blog sempre foi esse neh ? ;)

Um abraco, e agora contagem regressiva de 36 horas pra minhas ferias ( do trabalho e de comentar posts )

Maria Valeria

Anônimo disse...

ps : Graciema, eu entendo muito seu comentario

vc nao me ofendeu

um abraco

Maria Valeria

@vbfri disse...

Aham. Médico vai mesmo colocar nome completo e CRM aqui pra mascus descobrirem o endereço e telefone deles e começarem a receber ameaças de todos os tipos.
É cada uma, viu?

Anônimo disse...

Alex

Virgínia querida respeito o que passou mas não fazendo "nada " não ira mudar ou anular o que te aconteceu.
Fazer um abusador ser desmascarado é importante. Não pq ele ira se arrepender pq muitos não fazem isso, mas pelo menos outras pessoas verão como é o canalha de verdade.
Apesar de não concordar(desculpe a franqueza) respeito sua decisão e fico feliz que esteja superando embora ache importante que pessoas que usam sua autoridade(como o politico que falou e o médico do post que abusou da filha, entre outras autoridades) devem ser desmascarados SIM pra que outras pessoas não sejam abusadas por estes covardes mas como disse cada um faz suas escolhas. Abraço querida.

Anônimo disse...

Alex

Tem como recorrer da Justiça sim pelo menos pra uma indenização.
Eu falei pro safado do meu primo que tava armado(não tenho arma só foi pra ele se cagar de medo) e ele tinha duas escolhas: apanhar feito homem pq isso era uma coisa que ele não era pq é um covarde ou eu iria com minha irmã pedir uma indenização na Justiça, ela levaria os depoimentos na psicóloga e ele alem de pagar indenização teria que aguentar ser chamado de pedófilo por todo mundo. Preferiu a primeira opção. Soquei a cara dele até ficar inchado e avisei pra não me denunciar se não a mulher dele saberia o que ele fez. Resultado? Nunca mais ele foi pras reuniões de familia e minha irmã não vai mais pra psicóloga e voltou a ter vida sexual com o marido(ela só transou na lua de mel e ele tava querendo separar dela pois ela não tinha falado pra ele o que aconteceu). Foi promovida no trabalho(gerente de loja) e ela e o marido planejam filhos.
Enfim, a moça do post pode não fazer nada, pois nossa vida é feita de escolhas mas quem disse que este pseudo-pai não irá abusar de outras meninas? Se um ciclo de abusos pode ser quebrado pq não? E se ele perder o emprego de medico é POUCO pelo ato monstruoso que fez contra a filha.

@vbfri disse...

Tô com preguiça, Alex...

Mas, vamos fazer assim, a F. conhece as opções e ela determina o que for melhor pra ela. Que tal?

Obrigada.
De nada.

jacmila disse...

Qta imaturidade nesse blog. poucos comentários aproveitáveis. e soa engraçado esse codinome "tapioca rosa" parece "tá, piroca rosa" kkk - sorry contaminei-me.

Anônimo disse...

Vfibri

Não to querendo impor nada à F, apenas apresentar mais uma opção do que a bonitinha "vou perdoar papai pedófilo e fazer terapia".

Vc não devia estar bolada comigo e sim com um molestador de crianças usando uniforme de médico. Quem disse que ele não pode fazer outra vitima. Abraço.

@vbfri disse...

Alex, você tem razão!
Ela ficará muito mais feliz entrando numa cruzada particular contra o pai. De preferência com muito sangue nos olhos e sangue nas veias.
Vai à delegacia ser desacreditada por policiais mau humorados e completamente despreparados para lidar com um abuso que aconteceu há vários anos e que não deixou nenhuma marca visível.
Será, na melhor das hipóteses, questionada por um psiquiatra forense sobrecarregado que colocará em cheque as suas lembranças e a fará duvidar de suas próprias certezas.
Ao fim das contas, será a sua palavra contra a dele.
Lembrando-se que, na justiça e na vida, a pessoa é inocente até que se prove o contrário e que quem alega deve provar.
Ou seja, ELA vai ter que provar o que aconteceu.
Sem testemunhas, sem marcas, sem nada além de suas próprias palavras e lembranças.
Um escândalo familiar e acusações de "como você pôde fazer isso"? Com laços sendo cortados e mágoas empilhando como areia em dunas.
Para, ao fim, ele ser inocentado. E ela passar 15 anos buscando uma justiça que nunca aconteceu, deixando esse crápula guiar seus dias e suas noites, invadir seus sonhos e destruir as suas energias.
Realmente. Muito melhor isso do que buscar a paz interior.
Você está certo.
Melhor render-se ao ódio e à vingança.
Bem melhor.

Raven Deschain disse...

Virginia *-* q nome mais lindo.

Boas férias Maria Valeria! \o/

@vbfri disse...

Hahahaha! Raven!!! Grata, querida!

Eu tenho uma certa paranoia com meu nome... Sei lá, parece que é de uma senhora de 97 anos. :P

Foi homenagem à minha bisavó, que era uma fofa, mas enfim...

Grata!! :*

Bjs,
Virginia

Gle disse...

Também gosto do seu nome (e da sua postura aqui), Virginia.
Ambos de muita personalidade! Seus comentários são os do tipo que dá vontade de ler e ficar dando F5 pra ler o próximo :)

Raven Deschain disse...

Cruzes Camila e Ingrid. Quero abraçar vcs.

@vbfri disse...

Ah, suas lindas!!!! <3

*_*

Grata, grata!!!

Camila D disse...

Me solidarizo bastante com tua história, Ingrid. Sinto infinitamente por tudo, é muito triste. Tb tenho autoestima baixa, sempre tive, e acho que em breve vou procurar tratamento psicológico. Minhas irmãs fazem, mas eu sei lá, me sinto frágil quando recordo essas coisas, e falar pra uma pessoa frente a frente é bem difícil. Não gosto de me sentir vulnerável, e desde a adolescencia toda a fúria que eu demonstrava era minha defesa contra os abusos. Hoje em dia não aparento tanto, mas antigamente me tratavam mal por ser fechada, e ficar de cara amarrada. O mundo sempre pareceu muito ameaçador pra mim, até hoje sinto isso. Só que ninguém nunca prestou atenção nos motivos, e se sabiam, pouco importava, afinal era problema meu.

Queria que essas nossas vivências fossem apenas pesadelos. Queria que todas as crianças no mundo fossem protegidas e cuidadas com todo amor e respeito. Assim não teríamos tantos corações estilhaçados como os que vemos todo dia por aqui.
Muita força pra vc também, Ingrid! Obrigada por compartilhar tuas vivências.

Tenha uma ótima noite :)

Anônimo disse...

G.I Jane

Desculpe, mas apesar de ser um pouco radical(compreensível afinal a irmã dele foi molestada), acredito que a moça deve confrontar seu "pai-pedófilo" sim.
Não acho justo ela ficar traumatizada e sofrendo, e o canalha de boa pagando de bom moço!
Se não tiver como falar pra polícia, que ela fale pros parentes.
Além disso, se um verme é capaz de abusar da própria filha, quem disse que ela não pode abusar de outras meninas?
Omissão tb contribui pra ciclo de abusos.
Não é questão de "vingança" e sim de "justiça", ou vocês acham justo ela ficar sofrendo e ele ficar batendo punheta com as fotos da filha e lembrando de quando enfiou o dedo nela. Sorry pela verdade!

Camila D disse...

Obrigada por responder, F. Também contei apenas algumas coisas sobre minha infância, e acho que se todas nós fossemos relatar tudo, escreveriamos livros.
Você é muito forte. Saiba que não está sozinha. Nenhuma de vcs está.
Abração!

Anônimo disse...

Olá, Lola! Sou médica pediatra e leitora do seu blog há algum tempo, mas não costumo comentar. Não faz parte da propedêutica pediátrica a realização de toque vaginal em crianças/adolescentes virgens. A classificação do desenvolvimento puberal leva sim em consideração caracteristicas da genitália externa, porém de forma alguma o toque vaginal ou exame especular são utilizados para classificar desenvolvimento puberal. Em nenhuma circustância. E mesmo que tivesse algum objetivo clinico, é altamente inapropriado que este exame seja realizado por alguém com vínculo tão próximo à adolescente. Acredito sim, por todas as outras informações dadas pela leitora, que ela foi vítima de abuso. Sinto muitíssimo por isso e sou solidária à sua dor, querida.
Apenas a título de informação, mesmo a coleta de amostra para exame citológico em adolescentes virgens é realizada apenas com Swab (cotonete) do introito vaginal, sem introduzir qualquer coisa na vagina. O exame especular fica reservado àquelas que já tem vida sexual ativa. Além do mais, nenhum menor de idade deve ser atendido ou examinado sem a presença de um responsável todos os procedimentos a serem realizados devem ser devidamente informados ao responsavel, que deve autorizar sua realização.
Espero ter ajudado. Abraços a todxs

Camila D disse...

Concordo :)
É um belo nome, e lembra a Virgínia Woolf ^^

Camila D disse...

Vc é um amor, Raven :)
Queria abraçar uma pá de gente aqui. Me sinto bastante acolhida.
Obrigada a todas <3

Jonas Klein disse...

Ola, e totalmente lamentavel isso tudo que aconteceu conbtigo, agora voce precisa procura uma psicologa para receber um tratamento, porque da para ver que todos os abusos do seu pai afetaram seriamente a sua estrutura psicologica.


Quamnto conduta do seu "pai" sem comentarios, de qualquer forma, eu se tivesse um pai assim eu nao ia nem no velorio dele quando ele morrer.

Anônimo disse...

Não é porque vcs tem laços de sangue que você é obrigada a conviver com ele. Infelizmente, a sociedade impõe que temos que respeitar nossa família não importa o que. Balela. Família é quem a gente escolhe. Liberte-se do que os outros acham e liberte-se!
Procure um psicóloga que te ouça e se cure :)
fique bem!

Mikaela Kichler disse...

Como eu vejo toda essa situação:

Teu pai era um abusador isso está claro.
Abuso sexual não acredito que ele tenha cometido, mas pelo que tu descreveu me parece que ele desejava ter consumado o ato. Porem ele com certeza sabia que fazer isso seria extremamente prejudicial para ele e para a imagem dele, e com certeza esse tipo de abuso tu teria chances de provar que ocorreu e com certeza dariam atenção nesse caso, por isso ele passou a praticar o ABUSO PSICOLÓGICO (muito difícil de provar e de ser levado em consideração pelas pessoas) utilizando - se do abuso de sua autoridade como pai e se apoderando principalmente da tua sexualidade. E tenho uma teoria para isso.
Tendo consciência da gravidade que seria consumar o ato de abusar sexualmente da própria filha ele criou dentro da cabeça dele uma fantasia de abuso. E controlar a tua sexualidade e garantir a tua castidade (por isso do exame ginecológico que para mim tbm pareceu que ele queria assegurar que tu ainda era virgem) eram essenciais para que ele pudesse na cabeça dele sustentar a fantasia.
A única chance que tu tem nas mãos de comprovar que ele abusava (psico ou sexualmente de ti) ou que tinha a intenção de faze - lo é essa história da foto.
Minha sugestão: não fale com a tua mãe sobre isso. Ela me pareceu ser claramente submissa ao teu pai. Mas sonde primeiro com a tua irmã se aconteceu algo com ela (quem sabe convide ela para uma sessão de terapia conjunta), se aconteceu algo consumado ou algo parecido tu já vai ter uma aliada para denunciar ou pelo menos alguém com quem compartilhar essa história e aliviar o fardo que tu carrega nas costas.
Se nada ocorreu com ela veja se pelo menos ela estaria disposta a te ouvir e te apoiar e se isso não ocorrer continue procurando alguém dentro da tua família ou alguém que tu estime muito dentro do teu grupo de amigos, colegas,...
Porque falo pra ti procurar alguém da família. Porque é o nosso primeiro grupo social e querendo ou não, cortando relações ou não, estaremos eternamente ligadas a esse grupo e encontrar alguém que te acolha, que te escute e que não te desacredite dentro dele nessa situação faz toda a diferença pra acalmar nosso coração.

Anônimo disse...

Sou médica e pediatra, acho sinceramente que a coisa menos importante aqui é se a conduta foi adequada. Veja, mesmo que tivesse sido, o que importa foi como seu pai te fez sentir. Nenhuma conduta justifica sentimento de humilhação e inferioridade. E essa sensação não vem do exame, vem de antes, da obsessão que ele parece demonstrar com a sua sexualidade, do autoritarismo, da violência que você sofreu/sofre.

Se é para ter argumentos de um abuso físico infelizmente vou te dizer que eu faço consulta de desenvolvimento sexual em todos os pacientes, especialmente nessa faixa etária. Existe uma avaliação que fazemos chamada Estadiamento de Tanner que verifica os caracteres sexuais secundarios em meninos e meninas. Não faço toque ou exame especular, deixando isso para o especialista (ginecologista infanto-puberal), mas confesso que também nunca precisei encaminhar,pois as queixas ginecologicas infantis que recebo são simples (corrimento, que dá pra observar só abrindo os pequenos lábios mesmo, ou tá menstruando muito cedo, ou ainda não menstruou).
Tenho pra mim que o pediatra é um médico generalista, tem que tentar resolver as principais queixas dos principais sistemas. Sempre falo as minhas colegas para desconfiarem do pediatra que não tira toda a roupa dos filhos delas antes de examinar (em consulta, não falando de pronto socorro).E é importante que crianças façam avaliações anuais no pediatra na fase escolar para acompanhar o crescimento, desempenho escolar, alimentação...

Agora, nada do que eu falei parece que te ajuda entende? Porque você já parecia viver numa situação de violência, não muda a forma como ser examinada ali foi traumático para você.
Pessoalmente acho estranho o toque vaginal, não consigo imaginar a necessidade(mas se ele é velho existem muitas diferenças entre o que é ensinado hoje e o que era feito antigamente, como acabei de acabar a especialização posso te dizer o que aprendi)

Espero que você encontre a sua forma de superar isso, para seguir em frente sem que isso interfira na sua felicidade futura. Toda boa sorte pra você.

~Zi

Anônimo disse...

"Pessoalmente acho estranho o toque vaginal, não consigo imaginar a necessidade(mas se ele é velho existem muitas diferenças entre o que é ensinado hoje e o que era feito antigamente, como acabei de acabar a especialização posso te dizer o que aprendi)"

Até quando mulheres serão estimuladas a passarem a mão na cabeça de seus estupradores?

É velho, não é mais assim, não foi bem assim, tem que ver direito isso aí, será que foi isso mesmo, será que você está exagerando, será que isso ou aquilo ou seja, TUDO PRA INVALIDAR O SENTIMENTO DE UMA MULHER, UMA CRIANÇA NO CASO, ABUSADA SEXUALMENTE PELO PAI.

Nojo.

Anônimo disse...

Voce tem 38 anos? Entao denuncia o cachorro do seu pai e de uns murros, cascudos nele, pois o silencio fomenta a impunudade!! A lei è de 2012, que diz: se a pessoa foi abusada na infacia e adolescencia, ela tem, a partir dos 18 anos, 20 anos para denunciar, processar e prender o agressor.

t. disse...

Denunciar pode ter o efeito colateral de fazer com que surjam outras vítimas do seu pai, acho muito provável que elas existam. No entanto, para que isso aconteça vc precisa estar disposta a se expor. No mínimo a dizer o nome do seu pai, onde ele atendia.

Claudio Elias Do Nascimento disse...

É o final dos tempos
JESUS CRISTO ESTÁ VOLTANDO!!!