segunda-feira, 4 de agosto de 2014

ALEX, FEMINISTAS, E A FALTA DE REPRESENTATIVIDADE

Eu não queria muito me meter nessa treta porque só umas quatro pessoas pediram minha opinião. 
A verdade é que, como não tenho Facebook, talvez eu nem tivesse sabido dela se uma leitora não tivesse me enviado um email no sábado de manhã. E ela só mandou "pra avisar que [eu fui] citada num post beeemmmm polêmico". 
O post, "Carta de Repúdio à Revista Fórum sobre o espaço concedido a Alex Castro", publicado no FB por uma página recém-criada chamada Imprensa Feminista, ficou no ar pouco tempo. Depois reapareceu, com algumas modificações (por exemplo, o nome do escritor aparece muito menos, e o título foi abreviado para "Carta de Repúdio") num novo Tumblr. Ontem à noite, a página no FB voltou.
Assinada por cerca de 60 coletivos feministas (grande parte páginas de FB), a carta protesta que a revista abra espaço "a um homem branco, cisgênero [não trans] e heterossexual para falar de movimentos sociais que não o representam". Protesta também contra a "posição colonizadora" da revista, que estaria "tirando a oportunidade dos participantes desses movimentos de falarem por si mesmos". Os coletivos signatários da carta consideram o trabalho de Alex "superficial e irresponsável", e acusam o autor de "fazer do sofrimento alheio o seu lucro" (essa parte foi tirada da nova versão). 
A Fórum respondeu ontem com uma nota no FB, dizendo que vinte blogueiros contribuem com a revista, entre eles o Blogueiras Negras (que assinou a carta), o Blogue dos Indígenas, o Blog Quilombo, e o Questão de Gênero, assinado pela jovem blogueira negra Jarid Arraes. 
Falei com Renato Rovai, editor da Fórum, ontem no Twitter, por mensagem direta. Ele me disse que Alex se ofereceu para escrever uma coluna, de graça, e ele aceitou. Renato afirmou que gostaria de convidar várixs blogueirxs, mas esbarra na questão financeira de uma revista de esquerda com poucos recursos. Alguns dos colunistas são pagos, outros não. Alex não é pago. Jarid é (mas ela também faz matérias). Outros, eu não sei.
Não é segredo algum que as mulheres são minoria nas colunas de praticamente todas as revistas (com exceção das ditas revistas femininas) e jornais impressos. A estatística que conheço (ouvi do candidato a prefeito pelo PSOL, Renato Roseno, com quem tive o prazer de dividir uma mesa sobre Direitos Humanos no ano passado) é que, de todas as colunas em veículos impressos, apenas 8% são assinadas por mulheres. Muito embora 64% dos jornalistas brasileiros hoje serem do sexo feminino, elas não estão em cargos de chefia, nem assinando colunas. 
Isso não é difícil de conferir. Contei rapidamente 130 colunistas na Folha de S. Paulo. 34 são mulheres (26%). No Estadão, são 56 colunistas. 10 são mulheres (18%). No Globo, há 24 colunistas. 8 são mulheres (30%). Na Veja, todos os 8 colunistas de "Política, Economia, Opinião" são homens. Há também 9 colunistas nas seções de Saúde e Variedades. Desses, a maioria (6) são mulheres. Na IstoÉ, há 14 colunistas. 4 são mulheres (29%). 
A bomba é que nenhuma revista parece ser pior que a Carta Capital. Em sua edição impressa, ela conta com 29 colunistas, entre eles Drauzio Varella, Jean Wyllys, Delfim Netto e Vladimir Safatle. Apenas uma (3%), Vivi Whiteman, é mulher. Ela fala sobre moda. 
Se a gente for falar de quantos negros e negras, ou gays e lésbicas, ou trans, assinam colunas, tenho certeza que a falta de representatividade é muito maior que a de mulheres. 
Suponho que todos os colunistas de jornais e revistas impressos sejam remunerados. 
Mas imagino que, quando falamos de blogueiros que escrevem para esses mesmos veículos, a situação seja bem diferente. Entre os blogs (não colunas impressas) da Carta Capital, há blogs importantes de mulheres, como o de Cynara Menezes, Maíra Kubik Mano, e o Escritório Feminista, criado por Aline Valek, Djamila Ribeiro, e Clarah Averbuck. Cynara é contratada pela revista; as outras, não sei. Sei que Nádia Lapa teve um blog na Carta durante alguns meses, sem receber por isso. 
A internet tem o lado maravilhoso de possibilitar que mulheres que nunca têm espaço na mídia tradicional possam fazer seus blogs e, com o tempo, encontrar um público leitor. Mas ganhar dinheiro na internet com o que você escreve é outra história. Talvez blogueiras de moda e blogueiros de humor com milhões de visitas consigam anunciantes. De toda forma, é para poucos. Meu blog, bastante frequentado (hoje tem 200 mil visitas por mês), recebeu, durante uns dois anos, uma média de R$ 150 mensais com compras que o leitorado fazia pelo Submarino. Eu pude esgotar duas edições pequenas de um livro meu com vendas diretamente pelo blog. E só. Não consigo nem instalar AdSense, porque o Google considera o conteúdo do blog (que, como tantos blogs feministas, fala de aborto, sexo, estupro etc) impróprio para seus anunciantes. 
Resumindo, e dizendo o óbvio ululante: a vida de uma mulher -- principalmente se for uma feminista -- que quer viver de escrever não é fácil. Mas a culpa não é de um cara que tem um blog. E fazer uma carta coletiva contra esse cara é um equívoco. Pior: soa como perseguição pessoal. 
Não sei como começou essa antipatia de tantas feministas pelo Alex, mas ela existe e é antiga. Também tem muita feminista que adora o Alex, claro. Eu não sou uma delas. Sempre o achei arrogante, narcisista, com um tom blasé que detesto, uma inabilidade em debater e assumir posições. Não me considero uma pessoa rancorosa, mas nunca o perdoei -- até porque ele nunca pediu desculpas -- por ele ter trollado um guest post de um rapaz que sofreu com o machismo. Para Alex, o rapaz, ironia das ironias, era um fake oportunista querendo ganhar palmas das feministas. 
Meu outro problema com o Alex é ele achar, e declarar isso sempre que pode, que é o único que fala de feminismo para um público não feminista. Assim, enquanto feministas como eu estariam meramente "preaching to the choir", escrevendo apenas para quem já é feminista, ele sim faz o trabalho desbravador de converter os leigos. Só quem nunca leu caixa de comentários de um blog feminista pode pensar que somente feministas frequentam blogs feministas. E nem estou falando dos trolls. Tem muita, muita gente que chega em blog feminista pensando que feminismo é o oposto do machismo, aí vai ficando e demole um ou outro preconceito.
Já tem muitos anos que Alex escreve contra preconceitos. Eu o vejo como aliado. Nunca o vi como porta-voz do feminismo ou da luta contra o racismo. Já manifestei minha opinião diversas vezes: eu acredito em homens feministas, acredito que eles existam, e que eles podem fazer um ótimo trabalho no combate aos preconceitos. Não no papel de protagonistas, e sim no de aliados. Até porque, num movimento que é tão plural como o feminismo, tão sem hierarquias, não há protagonistas (mulheres ou homens). 
Alex começou uma coluna na Fórum, chamada Outrofobia, em que aborda vários preconceitos. Ele também dá palestras, pagas pelos participantes, sobre "prisões" (racismo, homofobia, monogamia, dinheiro, sexismo etc). Quem não gosta dele ou não gosta do que ele escreve ou o acha raso e superficial tem todo o direito de não lê-lo e de não ir a suas palestras. 
Ah sim, esse é o argumento que babacas fazem quando eu critico Danilo Gentili e afins? "Não vá aos shows dele, não veja o programa na TV"? 
É um pouquinho diferente: primeiro, que Gentili e cia. ganham a vida sendo preconceituosos. Se eles deixarem de ser preconceituosos, eu paro de criticá-los. Segundo: eles ocupam um espaço realmente limitado, que é o da TV, da grande mídia. Ou existem muitos programas feministas na TV? Terceiro: eu não quero censurar. Não quero que ele deixe de ter o programa. Mas quero que ele seja criticado. 
Pra mim, é evidente: machistóides como Gentili (e tantos outros reaças) devem ser combatidos. Se ele ganhar uma coluna numa revista de esquerda, por favor, façam uma carta coletiva contra que eu assino. Se fizerem um abaixo-assinado contra as asneiras reacionárias que Pondé, Reinaldo Azevedo, Jabor, Constantino, Lobão e tantos outros publicam na velha mídia, passa a caneta -- eu assino. Mas desde quando Alex Castro virou inimigo das feministas?
Ele não está falando em nome de ninguém, de nenhuma minoria, está apenas escrevendo sobre determinados assuntos. Nunca vi Alex dizer que representa alguém. Aliás, acho absurdo isso de "Tal pessoa não me representa", como se a pessoa tivesse um cargo público e procuração para representar alguém. 
É um problema mesmo falar em nome de um grupo discriminado. É querer ser condescendente, querer mostrar que aquela minoria precisa de você. Pode ser ingenuidade minha, mas acho que a internet derrubou bastante essa postura. Hoje uma pessoa pertencente a uma minoria não precisa de intermediários ou representantes (se é que já precisou). Ela mesma pode e vai falar. 
Por outro lado, quem considera o feminismo um combate a preconceitos que vão além do machismo, como eu, sente necessidade de falar também contra o racismo, a homofobia, a transfobia, a gordofobia etc. Tudo bem eu falar contra gordofobia -- afinal, sou gorda, ninguém questiona o meu local de fala. Mas falar sobre os outros temas é mais complicado, pois não sou negra, nem lésbica, nem trans. Eu não tenho a experiência que elas têm. Por isso, geralmente publico guest posts de pessoas que tenham essa vivência. E quando eu falo, não falo em nome de ninguém. Falo contra os preconceitos. Pelo que acompanho do Alex, acho que é isso que ele faz também.
Nesta treta, vi um monte de gente que sempre desprezou o Alex correr para atacar as feministas, porque atacar feministas é tipo o passatempo número um da galera desocupada da internet. Vi cisma com nome de coletivo, vi gargalhadas pelo uso de x e @ e termos como cis, vi conclusões de que essas não são "verdadeiras feministas", e de que o "webfeminismo" ou o "feminismo de internet" é uma piada. Esse pessoalzinho não perde nenhuma oportunidade! Sugiro que segurem plaquinhas de "Não preciso de feminismo porque não sou oprimidx mas sou a favor do combate aos preconceitos contra os oprimidos desde que quem combata não sejam essas feministas barangudas". 
Mas também vi gente falando que defender o Alex na Fórum é como defender o Tucanafro. Pra quem não sabe, o PSDB (que nas últimas eleições não elegeu um único deputado ou senador negro) tem um núcleo negro, e a presidente do Tucanafro Roraima é loira. Muito mais ridículo, a meu ver, é o slogan do Tucanafro: "A luta não é do negro, é nossa" (nossa quem, cara pálida? Quem são vocês?). Só que, sei lá, o Alex não constitui qualquer tipo de "núcleo negro/feminista/LGBT" dentro de uma revista, nem a Fórum é uma instituição conservadora e sem negros/feministas/LGBT escrevendo lá.
Outras pessoas levantaram o ponto válido de que "homem feminista ganha estrelinha", ou seja, de que um homem feminista é aplaudido por ser feminista. É uma meia verdade. Até pode ser aplaudido por muitas feministas, mas também será vilipendiado pelos anti-feministas. Quanto a ganhar estrelinha, aí o problema não é com o homem feminista, é com quem dá a estrelinha, não? Participo de um vasto grupo de feministas online. Quando o grupo andava mais movimentado, era muito comum compartilhar e elogiar artigos escritos por homens. Muito mais comum do que compartilhar e elogiar artigos escritos por mulheres feministas...
Já vi Alex ser alçado às alturas por falar o que eu e muitas outras feministas falamos 350 vezes antes dele. Dá raiva, sim (ainda mais num grupo feminista). Mas a raiva não é com o Alex. Não vou chegar pra ele e ordenar que ele pare de falar sobre feminismo porque uma parte da sociedade valoriza mais o que ele diz, por ele ser homem. Tampouco vou dar tapinhas nas costas. Vou criticar o que acho que deve ser criticado, sem que isso soe como o ataque de um grupo contra um indivíduo. Eu quero mais é que Alex, os coletivos feministas, todo mundo fale sobre feminismo. 
Eu, de minha parte, vou continuar falando.

92 comentários:

Anônimo disse...

Ué professora, feminista vive querendo ditar como homem deve ser ou deixar de ser, vc mesma dona professora Lola, vive querendo pautar o que deve ou não ser anseio masculino. E o cara não pode falar de feminismo? e isto mesmo produção?!
O cara e um paspalho, mas tem o direito a sua opinião, e se um veiculo independente( o que vcs que lutam por uma midia estatal pausterizada por ideologia, desconhecem) lhe deu voz, compra e lé quem quer.

Anônimo disse...

Pra quem se esqueceu: http://www.cemhomens.com/2012/10/papo-de-babaca/

Danilo disse...

"Não vou chegar pra ele e ordenar que ele pare de falar sobre feminismo porque uma parte da sociedade valoriza mais o que ele diz, por ele ser homem."

Resposta. Disso você têm razão. O público não-feminista centraliza mais atenção em conteúdos feministas apenas escrito por homens e não por mulheres.

Na informação sobre o feminismo escrito por mulheres, apenas as feministas lêem e não o público não-feminista. Para o público geral somente os homens sabem sobre o que é o movimento feminista. E nunca mulheres colunistas de jornais (ou revistas) ou blogueiras.

O público geral despreza a comunicação do feminismo quando os textos são redigidos por mulheres.

D Stoffel disse...

A mídia está mais preocupada em mostrar as mulheres em como parecer mais jovem, como manter pernas torneadas, e ser mais magra.
Que nossos problemas graves, eu mesma senti falta disto, e por isso leio seu blog, porque eu sei que como eu tantas outras nasceram se questionando porque ser tratadas assim, e também me preocupo com mulheres ao redor do mundo principalmente muçulmanas.

Só tenho que agradecer a esse blog e outras páginas pq antes pelo menos eu fui criada assim, como a maioria das mulheres acredito. Pra ver mulheres como coisa ruim como inimigas, vadias e todos termos ruins e tive inimigas e enxergava as mulheres como tal e elas me enxergavam, depois eu mudei minha mente se abriu, hoje não quero mulheres como inimigas quero como irmãs que sofrem comigo, durante toda nossa luta.

abs

Anônimo disse...

Claro que vamos chamar um macumbeiro pra falar numa coluna de evangélico e evangelico pra falar de macumbeiro,branco pra falar de racista, e hetero falar de gay.
que legal né

Meu filho cada um no seu quadrado

Patty Kirsche disse...

Eu soube dessa história. Li a nota de repúdio, mas não compartilhei porque não concordei. Eu entendo que é desagradável que quando homens falem sobre um assunto, ele receba mais visibilidade. Mas acho que a gente tem mais é que falar sobre isso quando os textos escritos por homens aparecem e chamam atenção. Já aconteceu de eu compartilhar um texto feminista bom escrito por um cara, não me lembro do nome. E eu comentei que talvez um pessoal acreditasse mais porque um homem havia escrito. O próprio autor achou a menção a ele no twitter e respondeu. Disse que concordava e tals, não pareceu ofendido.

Anônimo disse...

O CARA NÃO PODE FALAR DE FEMINISMO.
CLARO VAMOS PEGAR UM SATANISTA PRA UMA COLUNA DE CRENTE.
AFINAL QUE QUE TEM? GENTEHY

Anônimo disse...

haters gonna hate... tá todo mundo muito estressado, gente. não pode dar brecha que é só tiro, porrada e bomba. tempos modernos... snif:(

Anônimo disse...


Onde que essa moça a Jarid é "negra"?!!! Talvez para os padrões europeus e americanos mas NUNCA para o padrão Brasil!
Enfim, a questão é que eu não tenho nada contra o Alex, mas, todo babaquinha, coxinha e machistóide como o Rafinha Bastos(que deu uma boa melhorada, anda falando bem menos merda, embora não seja fã dele) e o Danilo Gentilli(que só fala uma merda atrás da outra tipo "os brasileiros abrem os braços pros gringos e as brasileiras as pernas" entre outras merdas monumentais, kk) tem que ser combatidos e sabotados sim.


Jarvis

Bruno S disse...

A despeito de ver muitos problemas na carta, seja pelo objetivo, seja por certos trechos confusos, seja por passagens que beiram a desonestidade, existe algo muito claro ali. O articulista construiu uma rejeição muito grande entre os grupos que assinam e outras pessoas.

Acho que ele conseguiu construir essa rejeição mais pelas características que você citou "arrogante, narcisista, com um tom blasé que detesto, uma inabilidade em debater e assumir posições" do que pelos textos ou posicionamentos assumidos.

A cada vez em que ele recebia algum questionamento ou crítica em algum texto ou posição expressada, ele tendia a responder com alguma ironia ou desqualificando a crítica.

Esse "tom superior" me parece ter levado muita gente a não conseguir vê-lo como aliado de nada.

Lembro que em um texto dele sobre feminismo que fez muito sucesso, algumas feministas apontaram algumas falhas e imprecisões (que, acho eu, não necessariamente invalidaria o todo do material). As respostas foram as piores possíveis (tem print delas rodando a internet até hoje).

Desconfio que uma mulher que tenha tido seu comentário no texto de um homem sobre feminismo desqualificado não vai ter a menor simpatia por qualquer coisa que ele venha a produzir.

Acho até que o cara tem muito material bom. Especialmente o mais antigo (dos tempos do blog lll), mas ele acabou conseguindo criar uma antipatia que vai muito além dos problemas no material que ele produz.

Anônimo disse...

O anseio masculino deve ser discutido entre eles, não cabe a nós mulheres querer participar da luta alheia, só apoiar.
Agora o que for contra nós mulheres vamos discutir sim.
Não gostou azar

Felipe Nascimento disse...

Muito bom o texto, Lola, o mais coerente que eu li desde que começou essa polêmica toda. Só há uma informação errada sobre o Alex, em relação às palestras. O que ele promove são encontros (antigamente ele chamava mesmo de palestras, mas mudou de nome por não ter nada a ver com esse formato) e eles são pagos só se o participante quiser, é posível pagar menos ou ir de graça.
Obrigado pelo texto.

Anônimo disse...

Desculpa, Lola, mas nem parece que você leu a carta aberta, visto que você leu e acha que o problema é "pessoal", sendo que a carta fala e fala e fala de novo da importância da representatividade, para só no fim criticar certas falas dele pra demonstrar que há pessoas melhores pra falar sobre os assuntos.

A carta critica o fato de que até pra falar sobre as nossas opressões convidam um homem, branco, hétero e de classe média, sabe? E a gente tá ai lutando por um espaço, sofrendo com apagamento e invisibilização.

Não vi na carta aberta uma demonização do Alex Castro e sim uma crítica construtiva pra fórum e para o próprio escritor.

No mais, não deixarei de ler a Fórum, por mais que concorde com 100% da carta aberta. Afinal, uma das minhas blogueiras preferidas que é a Jarid Arraes arrasa lá no site.

E acredito que a carta tem muitos benefícios já que pressiona que a fórum busque profissionais mais variados.

Anônimo disse...

Eu escrevo sobre feminismo em um blog pequeno e muita gente chega lá de pára-quedas e lê muita coisa e passa a ser frequentador.

Acho que nós feministas escrevemos para debater entre nós, mas alcançamos vários outros grupos de pessoas também. Eu mesma comecei a ser feminista graças ao seu blog e antes disso era apenas uma jovem que se incomodava com certas coisas que eu até nomeava de machismo, mas não era nada elaborado. Comecei a questionar muita coisa foi nesse blog e em outros e hoje vejo o conteúdo que eu produzo influenciando meninas jovens também da mesma forma.

Mulheres leem mulheres sim, pessoas fora do feminismo nos leem e muitas vezes curtem o assunto e começam a pesquisar a partir daí. Quem não costuma ler mulher é homem porque acha que mulher é inferior e fala só bobagem, apesar que existem caras que começam a refletir também através de textos de mulheres.

Acho a carta necessária, Lola. Acho ela uma crítica urgente e que não é um ataque pessoal e sim uma forma de dizer "estamos cansadas de sermos sempre menos valorizadas do que um cara falando sobre o que dominamos". Pode ter sido de repente, meio motivado porque algumas pessoas não gostam dele, pode, mas isso não tira a validade da carta. Só a validade dos xingamentos desnecessários.

Talita disse...

Amei a imagem do Pelé: "É treta!"kkkkkkk

Sabe o que é o pior dessas brigas? Gente bacana, que poderia estar escrevendo coisas legais, está preocupada em dizer quem pode falar o que, quando, onde, de que maneira...

De qualquer forma, gostei do post porq trouxe reflexões que me interessam bastante, como a web dando espaço para que minorias possam falar por si.

Fer disse...

Como disse o Felipe aí em cima, nos encontros desse escritor muita gente vai de graça.

Uma conhecida foi e disse que está mais para encontro mesmo do que palestra. Todo mundo que quiser falar, fala, até mais que o tal escritor.

De acordo com ele mesmo e com quem já foi, os temas são variados, mas pautados em experiências de vida, não só sobre minorias, mas sobre quase tudo, sobre transformações pessoais e tal.

Ou seja, ele não dá "palestra sobre feminismo" e muito menos cobra por isso. Paga quem quer e ninguém é constrangido por ir de graça. É o jeito como ele vem vivendo.

Eu não tenho simpatia por ele, mas estranhei muito mesmo ver gente inteligente que admiro muito (e ainda admiro) usar de inverdades para "vencer o debate", dizendo que ele cobra para militar feminismo e continuando a usar essa inverdade como argumento mesmo depois de comprovado que não é bem assim :/

Tales Gubes disse...

Eu vi a polêmica, mas não estava compreendendo do que se tratava. Obrigado por organizar as informações sobre o ocorrido. :)

Anônimo disse...

A web sempre vai ter polêmicas, aqui qualquer um ou qualquer uma escreve o que quer.


É preciso saber quais são os piores inimigos, a mídia, oos relacionamentos monogâmicos, a falta de conhecimento sobre dinheiro e finanças....

Fer disse...

Outra coisa estranha nessa história toda é ver gente que admiro dizendo que discordar total ou parcialmente da tal carta de repúdio, mesmo sendo feminista e mesmo concordando que é preciso mais representatividade, é "comprar briga com 200 coletivos feministas". Pensava que coletivo feminista era pra debater, trabalhar discordâncias e construir junto, e não pra ser uma reserva de opiniões inflexíveis a qual se deve adotar incondicionalmente e calado ou ser **inimigo**. sdds quinta série.

Anônimo disse...

É FÁCIL TAMBÉM LER TUDO QUE UM HOMEM FALA SOBRE FEMINISMO, É SÓ ELE COLOCAR FRASES DO TIPO FEMINAZI ODEIAM HOMENS, DITADURA GAY
E TODO MUNDO APLAUDE FIM!
AH E E TEM QUE TER A CLÁSSICA DA GLOBO ENGAYZANDO AS PESSOAS, POIS A GLOBO AGORA FAZ LAVAGEM CEREBRAL.

Anônimo disse...

Gente, depois de cassar carteirinha de feminista agora tambem tao cassando a negritude da Jarid. MORRI!!!!11um

Fer disse...

Terceira chatisse nessa história: um dia depois do incêndio da carta foi esclarecido que na verdade ela simplesmente queria que a fórum tivesse mais representates de minorias falando sobre si no portal. Que não tava pedindo a cabeça do Alex. Olha, se essa era a intenção, passou mesmo longe, não é isso que o texto dá a entender.

Mas então a fórum fez uma resposta direta à carta e ao que ela dizia. Na resposta a revista diz aceitar as críticas, diz que vai colocar mais representante de minoria (não precisa "abrir espaço", o "espaço" da fórum é virtualmente do tamanho da internet, basta ir lá e pedir pra ter uma coluna no site) e não disse que ia tirar a coluna do Alex do ar.

Logo em seguida, as mesmas pessoas que disseram que a carta não pedia a cabeça do Alex, reclamam que a revista não o demitiu sumariamente... comassim?

A resposta da Forum é educada e aceita as críticas, não faz ironia nem rebate a carta e mesmo assim as pessoas que apoiam o tal manifesto ficaram simplesmente enfurecidas pela resposta? Não entendo.

Raven~ disse...

Só sei que se aquela for a cara do Alex Castro mesmo, a noção de "branco" tá bem esquisita.

Anônimo disse...

Tu ainda não se situou Dolores? as RADs estão monopolizando esta nova onda de feminismo no Brasil rsrs, e só ver as pages no Facebook, ou ate os próprios coletivos, rsrsrs, criaram todo um discurso de retorica anti- hoemens no feminismo, e ate as mais moderadas(cada vez mais raras) estão ficando pianinhas paras elas, rsrsrs.

Danilo disse...

"Onde que essa moça a Jarid é "negra"?!!! Talvez para os padrões europeus e americanos mas NUNCA para o padrão Brasil!"


Resposta: Essa Jarid não é negra mesmo não. Nem para os padrões europeus. Ela é parda no Brasil e lá na China.

Danilo disse...

"A mídia está mais preocupada em mostrar as mulheres em como parecer mais jovem, como manter pernas torneadas, e ser mais magra."


Resposta: Claro, é isso que vende. Mulher nenhuma quer saber o que o feminismo faz ou deixa de fazer. A maioria das mulheres cagam e andam para a consciência feminista. Exceto as feministas, óbvio.

normalidaderealidade disse...

Poxa, o povo falou aí de macumbeiro falar de crente e vice versa...

O cara que mais me falou de forma inteligente e me fez respeitar os evangélicos foi um macumbeiro, que me deu uma explicação magistral sobre tolerância e o tal do todo mundo ter sua função do mundo. O cara sabia a bíblia na ponta da língua, e defendeu os evangélicos com unhas e dentes... E me convenceu a largar o preconceito.

Eu entendo que seja legal um homem falar sobre o aspecto masculino da discussão de gênero, afinal todo mundo adora o papo do "MAS OS HÓMI SOFRE COM O MACHISMO TAMBÉM", certo? Já fazer manualzinho básico de feminismo 101 e ser laureado por isso é ridículo, convenhamos. Se ele fizesse uma coluna de "feminismo para homens" seria super útil, já ser porta voz é no-no.

Não tou defendendo o Alex, eu tou sabendo das cagadas do Papo de Homem e acho que dão pra ele um espaço que devia ser das gurias. E eu quero mais que esmola, não vou ficar achando que a gente não tem opção além de chorar de gratidão por um nobre homem ter resolvido olhar pros nossos problemas.

Resumão: Um homem pode falar de feminismo pra homens, um não-evangélico pode falar sobre tolerância aos evangélicos para outros não-evangélicos. De resto, bullshit.

Janaina disse...

Não gosto dele, mas não tenho nada particularmente contra, e achei a nota de repúdio um tanto exagerada.Como a Lola disse, ele é um 'aliado', e se atinge um público que normalmente não presta atenção quando uma mulher fala sobre feminismo, ótimo, já é um começo.

Ana disse...

Lola, que texto bom! Não acompanho o cara, só conhecia de nome e de má fama. :) (narcisista,arrogante, etc)
Mas acho que você está totalmente certa, não é ele o inimigo. Ele pode ser insuportável como pessoa, mas se é um aliado do feminismo, deve ser tratado como tal, ou, no mínimo, com indiferença. Não entendo porque toda essa belicosidade.

LF disse...

Lola, tudo bem?
Só um breve comentário: aqui no Sul, temos mulheres em cargos de chefia na Zero Hora, no Correio do Povo e no Terra.
Bjs,

@dddrocha disse...

Acho uma ignorância esse cara ter espaço.
E daí que é de graça? A revista deveria pensar melhor na representatividade que quer passar.
Quer escrever? Faz um blog pessoal, caramba!

Foi bom ler seus argumentos Lola, mas acho que ele está no lugar errado sim.

Expat Patronum disse...

Acho que os homens ainda não entenderam: NÓS NÃO SOMOS BEM VINDOS NO FEMINISMO. Para que ficar tentando fazer parte de um grupo que não quer você ali?

Se querem um canto para debater os problemas e aflições masculinas, nós Pick Up Artists estamos prontos para recebe-los, entre em um dos nossos fóruns que estarão entre irmãos!

Julia disse...

"Para o público geral somente os homens sabem sobre o que é o movimento feminista."

Danilo, você é tão burro que eu poderia até ter pena de você se tivesse coração mole.



Cão do Mato disse...

Bom, que esse Alex Castro é um arrogante, não há dúvida. Aliás, eu acho que ele é justamente o tipo de homem que ele critica: um oportunista querendo palmas das feministas...

Julia disse...

Não ando lendo muito o que o Alex escreve, conhece o texto "Feminismo-um curso rápido" e também não vejo esse tanto de homem falando sobre feminismo com tanta notoriedade.
Quem são, onde vivem, cadê os links?

Inclusive o texto mais popular sobre feminismo no site Papo de homem foi escrito por uma mulher mesmo. Teve até recorde de acesso, gente!
"Como se sente uma mulher".


Fica triste não, Danilinho :´(

Vai ler o texto lá, é muito bom.
Talvez você fique um pouco chocado como outros homens expressaram nos coments, mas a inocência é uma coisa fofa.

Juliana Rocha disse...

Lola, uma pena que você tenha falado com a Forum e não tenha procurado nenhuma pessoa da Imprensa Feminista ou pelo menos algum coletivo que assinou a carta.
Se assim você tivesse feito não ia passar algumas informações falsas ou incompletas e saberia quem somos.

A carta não foi tirada do ar por nós. Ela foi derrubada por denúncias no facebook. Mudamos algumas coisas para o facebook não identificar a carta automaticamente quando colocássemos de volta.
Também adicionamos a carta textos que mostram que o Alex Castro foi etarista e gordofóbico.

Não o temos como aliado por ser transfóbico em textos sobre transfobia, por ter tido fala racista e por vários outros pontos que colocamos na carta.

Mas para entender isso tem que ler.

Rubens disse...

Que chato essa situação do Alex, ele é um cara inteligente e que escreve muito bem, porém tem esse lado arrogante que depõe muito contra ele...


Depois daquele Guest Post eu fiquei meio decepcionado com o Alex e nunca mais li um texto dele por vontade mesmo, só quando alguém insistia muito para eu ler e dar uma opinião.

(poxa, já fazem 3 anos!rs)

----------------------------

Espero que esse debate sobre a participação do Alex possa trazer a consciência de que precisamos de mais mulheres em espaço da mídia, precisamos da opinião delas para formar um diálogo completo.

----------------------------

Lola, eu não sou de comentar muito pq vc sempre diz tudo muito claro e os(as) comentaristas do seu blog sempre completam o texto muito bem, portanto, não vejo a necessidade de ser redundante.

Mas saiba que sempre estou aqui lendo e te acompanhando!Não sou um fantasma!rs

abçs

Ana disse...

Lola, fui lá no texto do Rubens cujo link está no post.... Por Zeus, que desprendimento o seu! Lola, esse Alex é um nojo, e não merecia um segundo da sua atenção depois daquele papelão na caixa de comentários! Parabéns, te admiro cada vez mais! E retiro o "aliado" que usei no meu comentário anterior. O cara é um babaca e só joga para a torcida. Não tem nada de autêntico ali, fora a vontade de impressionar. Mas, ok, ele tem esse direito.
Beijo, Lola. Você é tudo de bom! :)

Juliana Rocha disse...

Lola, acabei de fazer um comentário aqui, mas não sei se ele foi enviado. Mas o que eu quero dizer é:

Eu acho uma pena que você não tenha procurado a gente da Imprensa Feminista, ou qualquer um dos coletivos que assinou a carta, como fez com a Forum, antes de escrever o post.

Se tivesse feito isso, você saberia que, como você disse, a carta saiu do ar. Mas não foi por nossa decisão. Foi o Facebook que a tirou por inúmeras denúncias. Depois, mudamos um pouco a carta para que ela não fosse deletada automaticamente. Fizemos isso sem alterar o conteúdo.

Depois, adicionamos mais um texto em que o Alex Castro foi etarista e gordofóbico. No nosso texto, a gente também aponta transfobia, capacitismo, e outras coisas também.

Por estes motivos, não o temos como um aliado. E por outros, que bastava ler a carta inteira, assinada pelos cerca de 60 coletivos, para saber.

Anônimo disse...

Eu gosto do alex... e ele é mto perseguido lá no pdh, onde o publico é bem mais genérico que aqui...
Mas de qq forma, concordei com a lola e achei podre essa carta...

Gabriela V. disse...

Os homens são sim muito bem-vindos ao feminismo, eu acredito muito no masculino para mudar o mundo. O feminismo, obviamente, sempre será um movimento DAS mulheres e PELAS mulheres, os homens entram como coadjuvantes, aliados. Não entendo porque algumas mulheres querem calar a ala masculina, o mundo só vai se tornar melhor, mais igualitário, quando homens e mulheres souberem conviver bem, não gosto dessa ideia de enxergar homens como inimigos, prefiro vê-los como amigos, agentes agregadores.

Conheço o Papo de Homem há muito tempo, figurinhas como Gustavo Gitti, Dr. Love, Dr. Health. O blog começou com um apelo muito machista sim. Hoje, o que eles alegam lá, é ser um espaço de múltiplas ideias, mas a meu ver, ou você defende uma ideia ou outra, não existe isso, meio termo. Então, minha opinião sobre o Papo de homem é a seguinte, há textos muito ruins, com abordagens machistas, mas também há textos libertários e feministas, é preciso saber discernir.

Sobre o Alex em questão, não sou fã, mas também o vejo como personagem importante. É aquilo que você falou e assino embaixo, infelizmente tudo que é falado por um homem tem mais visibilidade, isso no contexto que vivemos hoje. O Papo de homem é um site/blog grande, quase todo o mundo conhece, ali, a maioria das pessoas que frequentam não conhecem o feminismo, com certeza ele pode levar nossos assuntos para muitas pessoas leigas. Acredito que o Alex conseguiu deixar uma sementinha ali, e as coisas funcionam assim mesmo, aos poucos, trabalho de formiguinha.

Agora, realmente ele tem um tom de arrogância, o que é péssimo. Eu sou o tipo de pessoa que acha que tudo se conquista sempre pela humildade, temos que sermos abertos a debates. Ocorre que, mesmo leitores do blog lá, que poderiam estar atentos aos textos e opiniões dele deixam de ler assuntos bons que ele aborda, por causa desse tom de superioridade dele.

lola aronovich disse...

Sim, Juliana, vi o comentário, ele foi publicado. Eu não falei que "saiu do ar". Adotei o termo mais neutro possível de propósito. Disse "ficou pouco tempo no ar". Isso é verdade, certo? Aí eu não preciso entrar no mérito se foi tirada pelo FB ou se vcs tiraram. A carta original, pra mim, soou bem diferente daquela que foi publicada depois no tumblr. Na carta original, o nome do Alex Castro aparece no título, e em toda a carta. Fica parecendo um ataque pessoal de um coletivo contra um indivíduo. Na carta modificada, o nome dele aparece apenas uma vez. De resto, é "o autor", "o escritor", "o blog". Não vi depois quando vcs acrescentaram novas "denúncias", agora de etarismo e gordofobia. Imagino que vcs saibam que é possível fazer isso com qualquer autor ou autora. Todo mundo já escreveu besteira. Quanto mais uma pessoa escreve, mais besteira terá escrito. Se vcs fizerem uma análise dos meus textos, principalmente dos mais antigos, vai encontrar um monte de besteira. E eu não sou exceção. Mas vcs estão fazendo uma carta ou um dossiê? Porque 60 coletivos não consideram uma pessoa que escreve contra preconceitos "um aliado", ele deve parar de escrever? Só na Fórum ou em todo e qualquer lugar? Vocês não acham isso meio arbitrário não?


Anon das 18:23, eu li a carta inteira, mais de uma vez. A carta problematiza a falta de representatividade através do ataque a uma só pessoa. Pra mim, isso me parece um ataque pessoal. "Crítica construtiva" é demais, gente. A carta é praticamente um abaixo-assinado contra uma pessoa escrever numa revista. Não tem nada de construtivo nisso.

lola aronovich disse...

Rubens, querido, saudades! Que bom que vc reapareceu pra falar aqui. Eu fiquei muito chateada com os ataques que vc sofreu na caixa de comentários quando publicou seu lindo guest post. Eu acho que o Alex te deve desculpas pessoais, por achar que vc era fake, oportunista, fetichista, e/ou que só escreveu o meu post pra ridicularizar o meu blog. Espero que vc esteja bem.


Felipe, é, eu vi que ele não gosta de chamar de palestra, mas numa das páginas ele chama de palestra, então deixei assim mesmo. Quanto a cobrar, não vejo nada de errado nisso. Ele cobra 150 por pessoa, e isso tem que cobrir gastos com passagens aéreas e sei lá o que mais. Ninguém fica rico assim. E sei que o Alex considera dinheiro uma prisão, então ele vive bem no estilo alternativo que quer mesmo.

Anônimo disse...

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
"Gente, eu sou o Alex feminista. Olha como eu sei das bandeiras erguidas pelo movimento. Sou tão liberal e moderno."

KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
Cara, acho que eu nunca fui tão sádico na minha vida como agora. Estou rindo muito dele. Ele ainda não se pronunciou sobre o caso para rebater consistentemente os argumentos dos movimentos que o negligenciaram.

Anônimo disse...

Uma ideia para os machinhos (alfas ou não) que querem pagar de feministas: SAIAM do movimento. Sério mesmo. Vocês são inúteis, ninguém precisa de vocês por lá.
O feminismo nunca precisou de homens para semear suas conquistas e glórias. Agora não é e nem será diferente.

Rubens disse...

Oi Lola! Saudades de vc tb!

Não vou esperar nada do Alex, principalmente desculpas, ele é refém da vaidade.

Minha vida tá ótima! Estou trabalhando com a área social e muito feliz!

Estragadinha disse...

Post muito claro e com bom senso, Lola!

Anônimo disse...

A VAIDADE QUE VOCÊ RECUSA A DEIXAR IR

Anônimo disse...

Alex Castro não fala sobre feminismo. Não fala sobre racismo, não fala sobre preconceito. Alex Castro fala de um único assunto:ele mesmo!
Tem quem se interesse.
Não é o meu caso.

Anônimo disse...

Lola,

Mandei um email pra vc falando sobre o evento que o Ministerio Publico de Sao Paulo vai realizar pela inclusao do feminicidio no codigo penal. Por favor, de puder divulgar, agradeço.
Caso queira, tenho material da campanha para disponibilizar. O MP lançará tambem um abaixo assinado.
Obrigada,

Natalie

Segue o link para o evento no facebook:
https://www.facebook.com/events/271552229699537/

Anônimo disse...

Bem feito para o Manê do papo de mangina, fica de nhemnhemnhem com feminista, e só toma lapada, kkkkkk

Amana disse...

Bom, eu discordo da sua discordância da carta, mas nem é isso que eu quero falar.
Poxa, qual o sentido desse post? Engrossar o coro dos que estão dizendo que as feministas e coletivos signatários tão "arrumando confusão à toa"? Poxa, mas isso não é exatamente o que o mundo já faz com as mulheres que reclamam que os homens são mais ouvidos do que elas?
Achei o post desnecessário, especialmente porque seu blog é tão lido... Não entendi mesmo.
(ok, um post seu é citado, mas especialmente pq ele praticamente plagiou os argumentos, e não em relação ao conteúdo do seu texto...)
bjo

Anônimo disse...

OFF

http://noticias.r7.com/fala-brasil/videos/policia-investiga-assassinato-de-mulheres-em-bairros-nobres-de-goiania-29072014


Crime de um misógino escroto para aqueles que dizem que feminicídio não existe. Cadê seu deus agora?

Anônimo disse...

Essa história me lembrou dois posts daqui do blog. O primeiro, quando a Lola falou da reação de uma feminista a um perfil que a revista TPM fez dela. A criatura começou criticando as declarações da Lola e terminou fazendo piada com o seu cabelo:

http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2011/10/tpm-faz-o-meu-perfil-e-feminista-faz.html

O segundo post foi mais recente. Nele, a Lola responde a uma mulher que não entende a postura agressiva e arrogante de algumas feministas contra quem está iniciando no movimento:

http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2014/02/por-que-e-tao-dificil-lidar-com-algumas.html

E agora essa história da carta de repúdio ao Alex Castro. Onde eu quero chegar? Vejo um ponto em comum nessas três histórias: disputa de poder.

Anônimo disse...

Homem tentando roubar o protagonismo feminino, cadê a novidade?

Diego disse...

Inicialmente achei que fosse exagero um coletivo escrever contra um cara que estava defendendo o feminismo, mesmo nem conhecendo esse Alex. Daí li a carta do coletivo e vi como quem assinou estava com a razão. Eu como homem, cis, hétero fico bem noiado em dar minha opinião em assuntos feministas, mesmo quando eu apoio 100%, pq eu sou homem e minhas percepções e experiencias são muito diferentes das das mulheres. Daí eu tento sempre me informar antes de falar, pra não falar merda demais.

Não acho que homem "feminista" merece estrelelinha, é como eu vi lá na Tailor, no FB, homem que apóia o feminismo não faz mais que a obrigação. Daí a pessoa vai defender e sai atacando movimentos, cheio de preconceitos e arrogancia, a pessoa acaba atrapalhando o movimento.

É ótimo que a voz dele chegue em locais onde a voz de algumas mulheres não consegue chegar por ele ser homem, mas se ele age de forma repreensiva, ele acaba trazendo mais aversão a um movimento que é odiado sem motivo algum, por pura ignorância.

lee disse...

Oi Lola,

1) concordo com vc, o Alex é arrogante e narcista. O tom dos textos dele passa essa ideia. Eu pessoalmente detesto a posição sele sobre monogamia (já que todo mundo deveria escolher o modelo de relacionamento que mais funciona para si..seja poli ou mono)

2) Acho que o problema está aqui "Meu outro problema com o Alex é ele achar, e declarar isso sempre que pode, que é o único que fala de feminismo para um público não feminista. Assim, enquanto feministas como eu estariam meramente "preaching to the choir", escrevendo apenas para quem já é feminista, ele sim faz o trabalho desbravador de converter os leigos". O Alex achar que assume um papel de protagonismo. Meio perigoso isso. Por outro lado, o cara tem uma fan base na internet e os textos dele ressoariam mais que os meus, por exemplo. Mas isso não seria um monopólio de narrativa? Complicado...

Sara disse...

anon 19.03hs tb penso assim...
no FB tem muitas garotinhas se dizendo feministas, mas q mais parecem estar brincando de clube da Luluzinha, homem não entra!!!
O mais triste é q até contra mulheres q n tem a mesma opinião, elas abrem fogo, até vc Lola q é bem moderada, tem recebido pesadas criticas dessas garotinhas..
Mas pelo jeito elas estão causando, e criando confusões, que eu mesma, já nem sei q partido tomo, me lembra muito um samba antigo....

Foi em Diamantina
Onde nasceu JK
Que a Princesa Leopoldina
Arresolveu se casá
Mas Chica da Silva
Tinha outros pretendentes
E obrigou a princesa
A se casar com Tiradentes

Lá iá lá iá lá ia
O bode que deu vou te contar
Lá iá lá iá lá iá
O bode que deu vou te contar

Anônimo disse...

Lola, foi um vacilo da sua parte não mencionar que parte do incômodo tem relação com a participação do Alex Castro no Papo de Homem.

lola aronovich disse...

O post já estava longo demais, eu já estava atrasada pra faculdade, e no final acabei esquecendo. Até porque os textos do Alex pro Papo de Homem estiveram muito longe de ser o foco da carta de repúdio. Mas, enfim, não gosto nada da Papo de Homem, não entro, não dou link. Eu meio que só acompanho o que os mascus falam da PdH. Ultimamente não têm falado nada, mas houve um tempo, talvez em 2011, que eles mais ou menos gostavam do site. Depois passaram a chamar de Papo de Mangina. Acho que o site tentou se reformular um pouco pra ficar menos preconceituoso. Não acredito muito nessa mudança, mas vejo pelo lado bom: o feminismo incomoda tanto que eles quiseram reformular o site pra não se indispor tanto com todo um movimento.
Sobre o Alex escrever lá (escreve ainda? Eu nem sei), acho que pesa contra ele sim. Mas vc acha mesmo que é um dos motivos principais do desprezo que muitas feministas têm por ele? Duvido muito.
E, que eu saiba, um dos editores/proprietários (não um empregado, como o Alex) do PdH tem coluna no Vida Simples faz um montão de anos (quando a revista era muito mais machista do que hoje). Esse sim foi convidado pra escrever lá, esse sim deve receber um bom dinheiro. E, guess what? Quem convidou foi uma editora feminista da revista...

Anônimo disse...

"E, que eu saiba, um dos editores/proprietários (não um empregado, como o Alex) do PdH tem coluna no Vida Simples faz um montão de anos (quando a revista era muito mais machista do que hoje)."

NAONDE a "Vida Simples" é machista, Lola? Não sou a leitora mais assídua do planeta mas qualquer exemplar que acabei lendo dessa revista me pareceu bem ok.

lola aronovich disse...

Então eu me expressei mal, se vc não entendeu, anon das 9:23. Eu não disse que Vida Simples é machista. Não acho a revista machista. Quer dizer, eu só li uns 3 números na vida e já faz muitos anos. O que eu quis dizer é que, enquanto tanta feminista se incomoda que o Alex, um empregado da Papo de Homem, que escreve lá textos contra preconceitos, vai escrever de graça na Fórum, tem um dos donos da PdH, que escreve ou já escreveu, sei lá, nem sei o nome do cara, textos machistas na PdH, e que foi convidado pra escrever, recebendo salário, na Vida Simples. E só menciono isso porque alguém perguntou sobre o Papo de Homem, senão nem teria abordado o assunto.

lola aronovich disse...

Amana querida, eu só fiquei com tudo isso engasgado na garganta, e quis dar minha opinião, só isso. Como eu disse no post, fiquei sabendo do caso todo no sábado de manhã, por um email de uma leitora. Eu não ia me manifestar, não tinha interesse nenhum em me manifestar. Mas a treta foi crescendo, e foi crescendo minha vontade de falar. E pronto, falei, é uma discordância minha, mais uma. O que deveria ser visto como totalmente normal e aceitável num movimento plural.

Kittsu disse...

Acredito na articulação de um grupo misógino. Não uma pessoa só.

Anônimo disse...

O papo de homem é meio chatinho, limitado, parece que escrevem para bando de bobocas. É muito fraco em comparação ao site de uma revista masculina tipo Trip, que dá muito espaço para as minorias em geral.

Dentre os sites, o elhombre é mais legal. O areah é outrointeressante, até já falou sobre casais exibicionistas em São Paulo e divulgou o liberalismo.


Infelizmente há distorções que prejudicam as mulheres e os homens. As mulheres terem menos espaço nos meios de comunicação é um das provas disso. Todo esse conjunto prejudica a sociedade.á mais e mais pessoas com problemas psicológicos, mais stress, mais desamor....


Como solução ao problema da pouca participação feminina, acredito que deveria haver estímulo governamental às estudantes universitárias para que planejem suas carreiras


Anônimo disse...

Se a luta por um mundo melhor é uma guerra, em alguns momentos é preciso contar com alguns aliados meio problemáticos, alguns dos quais não convidaríamos para jantar. Mas que infelizmente são úteis no combate ao mal maior.


No caso do Alex Castro, ele pode nem ser o cara mais indicado para falar de feminismo. No entanto, ele ataca um dos pilares do preconceito da sociedade, o relacionamento monogâmico, que na verdade limita a vida da mulher, pois os homens sempre aprontaram, tiveram amantes.


Qualquer um que ajude a espalhar conceitos de não monogamia ajuda as mulheres. Pode nem ser um aliado perfeito, pode ocupar o lugar de alguém. Todavia, ele já causou alguns danos ao inimigo, a sociedade preconceituosa.

Anônimo disse...

Muito da violência contra mulher vem do ciúme e do controle sobre a sexualidade feminina. Homens batem por medo de serem chifrudos, serem motivo de piada entre os colegas.


Ao atacar a sociedade monogâmica está se atacando um sistema que limita os desejos da mulher e provoca violências e mortes. Logo, quem faz isso acaba produzindo alguma vantagem para as mulheres.


Parece ser o caso do Alex Castro. Pois se ele divulga o poliamor é mais um espaço que se consegue na mídia.Se um casal viver dessa forma influenciado por algum artigo dele, haverá menos mulheres vítimas de violência.

Anônimo disse...

Me descobri feminista há alguns poucos anos e sempre procurei ler e ouvir, exceto quando se trata de homens machistas...

Sempre tive muita consideração por pessoas públicas que defendem ideais e lutam contra preconceitos e sempre acreditei no que essas pessoas escrevem. Que elas escrevem sobre o que realmente acreditam.

Mas recentemente, descobri de uma forma muito cruel, íntima e pessoal que nem sempre as pessoas escrevem sobre aquilo que acreditam, que mesmo defendendo publicamente uma coisa, pode não passar de fingimento, busca por poder, controle, status, vontade de aparecer, de manter uma imagem pública completamente diferente daquilo que realmente são.

Não conheço o Alex Castro pessoalmente, já li seus textos há alguns anos e apoiei que ele escrevesse, concordava com essas pessoas que alegam que ele escreve para um público "diferenciado", mas depois daquele episódio com o pdh e a Nádia Lapa, parei de ler os textos dele.

Depois disso, após toda uma confusão que aconteceu na minha vida, por conta de acreditar em homens que lutam pelo feminismo, cheguei a conclusão de que não acredito mais em nenhum deles. O que importa, para eles, no fim das contas é comer mulher. Seja pagando de bonzinho feminista, seja bancando o mascu. O status alcançado através dos textos, é só mais uma das armas usadas por eles para "comer mulher".
Não acredito mais em uma palavra do que "eles" escrevem, pra mim se trata apenas de manter o status, aparecer e mostrar que tem poder para aparecer mais e escrever melhor do que as mulheres sobre o assunto.
Faço questão de não ler mais uma linha do que ele, ou qualquer outro homem escreva sobre o assunto e também de não divulgá-lo.

Se mesmo sendo repudiado desta forma, ele ainda insiste em continuar escrevendo neste espaço, sobre este tema, isso só demonstra que minha teoria está correta.

Anônimo disse...

"Sara disse...
anon 19.03hs tb penso assim...
no FB tem muitas garotinhas se dizendo feministas, mas q mais parecem estar brincando de clube da Luluzinha, homem não entra!!!"
________________________

Àáh agora a "feminista experiente"
vai casar carteirinhas de "feministas garotinhas" porque elas defendem espaços de empoderamento das mulheres, sem que uzomi entrem e digam "Isto e assim! Aquilo e assado!"

Pra mim já deu disto aqui viu. De pseudo feministas burguesas(se vc cassa a minha, eu casso a sua), que não tem a minima ideia do que sofre a grande maioria da mulheres em situação social desprivilegiada, do machismo e racismo que sofrem em casa e no ambiente e ambiente de trabalho.
Nós tomamos posição sobre o veneno patriarcal, que subjulga principalmente as mulheres da classe trabalhadora. Se querem chamar de clube de Luluzinha, por não nos preocuparmos com a aceitação dos "preciosos homis'
que seja então.
Feminismo sem Demagogia.

Anônimo disse...

"Qualquer um que ajude a espalhar conceitos de não monogamia ajuda as mulheres"
__________________________
Se você esta partindo do pré suposto, que que a maioria das mulheres defende a não monogamia, devo dizer que você conhece pouco as mulheres.
As mulheres que defendem relações abertas, tem isto como opção de vida, tem que ser respeitadas sim, e encontrar parceirxs com os mesmo valores.
Mas o que se vê, e que a grande maioria ainda prefere relações monogâmicas,e querem ser respeitadas pelos seus parceirxs.

Anônimo disse...

"Depois disso, após toda uma confusão que aconteceu na minha vida, por conta de acreditar em homens que lutam pelo feminismo, cheguei a conclusão de que não acredito mais em nenhum deles. O que importa, para eles, no fim das contas é comer mulher"


Ops, acho que alguém caiu no conto de algum malandro de humanas, kkkk

Anônimo disse...

RadFems= a arte de fazer garotinhas pegarem nojo de homem, e assim arrumarem suas namoradinhas :)

Bru disse...

as RADs estão monopolizando esta nova onda de feminismo no Brasil rsrs, e só ver as pages no Facebook, ou ate os próprios coletivos, rsrsrs, criaram todo um discurso de retorica anti- hoemens no feminismo, e ate as mais moderadas(cada vez mais raras) estão ficando pianinhas paras elas, rsrsrs. [2]

Pior é que é verdade...já saí de um grupo por causa disso. Os grupos de feminismo no Face tão cada vez mais rad...Seguem o principio de "todo homem é inimigo, toda mulher é amiga". com o qual eu não concordo

Carol F. disse...

Fiquei sabendo da polêmica por aqui e, apesar de ler seu blog há anos, não tinha lido o guest post do Rubens e vivenciado o momento Testemunha de Jeová do Fetiche do Alex Castro.
Pessoalmente não vejo motivo para uma carta de repúdio porque ele não escreve em um espaço dedicado especificamente ao feminismo, é de assuntos gerais, ou fobias (?) gerais. Ele aborda bastante o tema feminismo, mas muita gente também o faz, inclusive outros homens. Por fim, não vi o espaço dele como abordador de temas sociais, mas sendo o ponto de vista de uma pessoa sobre comportamentos sociais.

Sara disse...

pra um feminismo sem demagogia achei vcs um tanto quanto demagógicas....

Anônimo disse...

Lola, AINDA BEM que você se meteu! De tudo que li, vi e ouvi até agora sobre o assunto, você foi, disparadamente, a mais sensata, inclusive concordo contigo em vários pontos.

Sobre a carta, achei lamentável. E confesso que fiquei com uma ponta de decepção ao ver coletivos tão bacanas, que eu conheço e/ou acompanho, assinando aquele monte de baboseiras.

Na resposta à carta da Revista Fórum, publicada no Facebook, segue um incansável debate nos comentários entre os "pró-carta" e os demais ("pró-Alex", "pró-Fórum" e/ou "aqueles que acharam a carta desnecessária", grupo do qual me incluiria). E o que me deixa mais abismado de tudo é que simplesmente não conseguem aceitar as críticas feitas a carta de maneira alguma, sempre usando argumentos como "você não leu e/ou não entendeu a carta" ou "mais de 50 coletivos assinaram", como se números dessem razão a alguma coisa. Eu li a carta umas duas ou três vezes e eu sinceramente não consegui mudar minha primeira opinião sobre.

Primeiro, vale destacar que o teor da carta é, sim, anti-Alex Castro. Podem não ter "pedido a cabeça" dele (explicitamente), mas ficou bem claro na carta que não aceitariam diálogo sobre a manutenção do Alex no quadro de colunistas, certa vez que colocaram para quem quisesse ler a carta que consideravam o Alex Castro incapaz de dialogar sobre algum tema. Segundo, como você bem apontou, o Alex, de fato, nunca se posicionou como porta-voz de grupo algum. Falar ou citar determinados temas não torna ninguém porta-voz de nada. E terceiro, como você também apontou, colocaram numa primeira versão que o Alex capitalizava em cima da luta alheia, o que retiraram na versão republicada. Esse terceiro ponto é curioso quando os "pró-carta", na discussão no Facebook, acusam o Alex de modificar um texto sem os pedidos de desculpas, alterando o termo "subalterno" para "marginalizado" ao se referir a identidade negra, e fazem EXATAMENTE o mesmo com o Alex. Afinal, respeito é uma via de mão única? Também não simpatizo com o Alex, mas isso tudo, para mim, só demonstra que havia uma vontade coletiva em chutá-lo sem que pudessem questionar esse "linchamento virtual". Eu fiquei bastante decepcionado com tudo o que ocorreu sobre essa discussão, mas também aprendi que nem sempre aqueles que consideramos sensatos agem com a razão. Enfim, não deixei de admirar ninguém, mas aquela pontinha de decepção permanece. Se os ânimos não estivessem tão exaltados no Facebook até comentaria isso lá também, mas não tenho disposição para entrar numa discussão que há tempos está sem rumo.

Lola, parabéns pelo blog e pela excelente pontuação feita sobre todo esse ocorrido. Um grande abraço e uma ótima tarde para ti.

Sara disse...

Bru 12.53hs se fossem só os homens que essas garotinhas petulantes expulsassem já era ruim o suficiente, mas elas abrem fogo até contra mulheres, depois querem ser respeitadas como feministas???? q porra de feminismo é esse que exclui mulheres???

Anônimo disse...

Não conhecia a treta dele com o Rubens, mas depois de ler os comentários do Alexcastrolll, da Lola e do Rubens, cada vez mais acredito na teoria de que ele é um duas caras...

Raven~ disse...

Ai caralho como elas esperam se reproduzir?


Pq até pra fazer in vitro vai precisar de um banco de esperma doado por -surprise motherfucker- homens.

Só me tire uma duvida: Se vcs tiverem filhos meninos farão oq? Afogar?

Ana disse...

Cara, só eu que achei que nos comentários do tal do texto do Rubens a Lola foi bem mais arrogante que o Alex Castro?

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Pra mim esse seu post foi uma lufada de ar fresco e sensatez, Lola.
Confesso que nos últimos tempos ando bem desanimada com vários rumos que vem sendo tomados. Como você diz no texto, é claro que a gente não precisa se identificar com tudo que é feito em nome do feminismo, mas quando a gente passa a não se identificar com grande parte do que vem sendo feito e falado, e principalmente a forma como se é falado, é complicado...

Anônimo disse...

"Eu não falei que "saiu do ar". Adotei o termo mais neutro possível de propósito. Disse "ficou pouco tempo no ar". Isso é verdade, certo? Aí eu não preciso entrar no mérito se foi tirada pelo FB ou se vcs tiraram."

Lola, sério isso? A carta foi denunciada por várias pessoas até ser derrubada e você tem coragem de falar que não importa? Enquanto você e outras pessoas se preocupam em demonizar o pensamento de algumas feministas que diferem do de vocês, essas feministas malvadonas com o Alex foram silenciadas através de denúncias. Enquanto isso deve ter umas 100 páginas de Revenge Porn só crescendo no facebook sem receber denúncia desses bonitões.

Parabéns, Lola, por contribuir mais ainda com a demonização de mulheres da esquerda. Valeu por endossar os comentários de que é pêlo em ovo, que é exagero.

Sabe os 60 coletivos que assinaram a Carta? Então eles são bem diversos em seus pensamentos e se uniram em prol de lutar pela representatividade. Eles resolveram tentar deixar as diferenças pra lá pra tentar fazer algo bacana, enquanto isso tem gente querendo silenciar o descontentamento alheio.

Anônimo disse...

Hoje em dia qualquer discordância virou "silenciar", mesmo quando a "tímida manifestação" é o assunto do momento nas redes sociais...

Sara disse...

Para as luluzinhas do FB, como podem esperar respeito de outras mulheres feministas, se vcs tem atitudes totalmente ditatoriais e ignorantes??
NUNCA citei nome de nenhum grupo aqui, pq apesar de nossas diferenças considero vcs feministas, embora não entenda qual o objetivo desses grupos, que pelos posicionamentos q tomam só excluem a TUDO E A TODOS.
Jamais me propus a fazer o q vcs fazem, de confiscar a carteirinha de outras feministas.
É tão absurdo e infantil a maneira como vcs dirigem esses grupinhos que não sei se choro ou dou risada.
No meu curriculum já tenho várias expulsões.
Da última vez chegou a ser cômico, as garotas tem uma maneira peculiar de se expressar, e falam girias internas, que as mulheres como eu mais velhas, tem um pouco de dificuldade de entender.
E se vc não fala como elas, dão esculacho na maior cara dura.
Querem ressignificar certas palavras,
e se vc não concorda te excluem sumariamente.
Me desculpem, luto pelo feminismo, mas essas garotinhas malcriadas pelo jeito tomam o mesmo leite com pera estragado desses mascus, se bobear devem até ser das mesmas familias, quem sabe irmãzinhas desses lixos.
Testaram a minha sororidade até o limite.
Mas como a maior parte delas, deixou as fraldas descartáveis ha bem pouco tempo, existe a esperança de que cresçam um pouquinho, e quem sabe percebam a importância do feminismo para as mulheres, no mundo inteiro, e
que feminismo não é um clubinho fechado para garotas descoladas exibirem suas vaidades.

Anônimo disse...

Assino embaixo, Sara.

Anônimo disse...

"Me desculpem, luto pelo feminismo, mas essas garotinhas malcriadas pelo jeito tomam o mesmo leite com pera estragado desses mascus, se bobear devem até ser das mesmas familias, quem sabe irmãzinhas desses lixos.
Testaram a minha sororidade até o limite."

Tive uma impressão bem parecida que a sua quando ainda me dava ao trabalho de dialogar com essa gente. É foda.

Lembram no Orkut, que era comum aderir a certas comunidades só para elas aparecerem no seu perfil, tal como aqueles adesivos que se coloca na janela do quarto?

Sinto que para certas vertentes menos amadurecidas, o feminismo se resume basicamente a isso. Algo pra se ostentar por fora e não pra vivenciar por dentro.

Felipe disse...

Sara arrasou!

Alex Castro disse...

olá.

meu nome é alex castro e esse post é parcialmente sobre mim. além de agradecer à lola pelo texto, o que já fiz em privado, tenho a acrescentar o seguinte:

gostaria de pedir desculpas públicas ao rubens por ter interpelado tão mal-educadamente o seu guest post lá em 2011.

pra começar, mesmo se fossem verdade as minhas suspeitas idiotas, eu não tinha nada que ter me manifestado daquela maneira.

e, em segundo lugar, porque eu estava errado e porque já se provou por A + B que o rubens não era fake e, nesse meio tempo, ele esteve por aí, colaborando, ajudando, militando na causa.

enfim, não tenho justificativas, a não ser afirmar que, nesse meio tempo, eu também tentei me melhorar e estive por aí militando e colaborando e já sou outra pessoa, um pouco menos burra e um pouco menos rude.

rubens, perdão.

se quiser aceitar meu abraço, será meu prazer te abraçar,
alex castro

donadio disse...

"Não vi depois quando vcs acrescentaram novas "denúncias", agora de etarismo e gordofobia. Imagino que vcs saibam que é possível fazer isso com qualquer autor ou autora. Todo mundo já escreveu besteira."

Principalmente quando se escreve sobre "etarismo". Já vi as coisas mais repugnantes serem defendidas sob o pretexto de combater o "etarismo", do trabalho infantil à redução da idade penal à abolição do conceito de "estupro de incapaz". Afinal, não deixar criança trabalhar ou ter sexo com quem quiser é discriminação contra as pobres crianças .

Não sei se é o caso da crítica feita ao Alex Castro, mas (ao contrário da acusação de gordofobia, por exemplo) acho que tem grande probabilidade de ser tempestade em copo dágua.

Joane Farias Nogueira disse...

Sara : A mesma exclusao q vc faz agora por elas nao defenderem q homens tenham voz e espaco no movimento e reclamaram aberta e honestamente de feministas que facam coro ao protagonismo masculino. P quem reclama da demagogia,vc sequer consegue respeitar q suas coligadas discordem de vc tanto qto vc discorda delas e as ofende e deslegitimam tanto qto pode se sentir deslegitimizada por elas.

Joane Farias Nogueira disse...

Ressentimento detectado... e pelo visto internalizado e revidado contra as feministas. Imagino qtas defesas de Alexes Castros vc ja deve ter feito por la. Cansei de ver mina assim em page ser expulsa por conta de ideias machistas. Pode ir la p pdh fazer coro p machinhos.

Anônimo disse...

"O anseio masculino deve ser discutido entre eles, não cabe a nós mulheres querer participar da luta alheia, só apoiar. "
Agora o que for contra nós mulheres vamos discutir sim."

Engano seu , nega. Tenho filhos homens e cabe a mim participar. Aliás, tenho mais interesse na causa deles. porque a minha está mais do que resolvida.