quarta-feira, 23 de abril de 2014

POR QUE, Ô GAME OF THRONES?

Este post terá vários spoilers, mas aviso quando eles chegarem. 
Meu relacionamento com a série de TV Game of Thrones é o seguinte: um tempo atrás, eu e o maridão, encorajados pelo hype, vimos os três primeiros episódios. Não gostamos muito. Eu achei que tinha violência demais, sexo e nudez (só de mulheres) colocados ali só pra atrair público. Portanto, só vimos aqueles três episódios, e paramos. 
Mas, no final do ano passado, minha mãe, que é historiadora e antropóloga, demonstrou todo seu entusiasmo pela série. Aquilo tudo era fantástico, incrível, maravilhoso, dizia ela. Essa recomendação, somada à de várias leitoras que consideram a série feminista (ou, no mínimo, uma ótima pedida pra se discorrer sobre gênero), fez com que a gente desse uma segunda chance a Game of Thrones
Começamos do comecinho, revimos aqueles três primeiros episódios, e seguimos firme. Vimos todas as três temporadas. E, realmente, é muito interessante. Compramos os livros de George R. R. Martin, chegaram semana passada. Minha mãe e o maridão vão devorá-los. Eu acho que, com toda as leituras teóricas, nunca encontrarei tempo pra ler 7 mil páginas. Vou ter que me contentar com a série mesmo.
Personagens femininas e Sor Loras (algum homofóbico o incluiu nessa montagem)
Sou daquelas fãs desleixadas, que não sabe o nome de ninguém (também, o troço tem 200 personagens! Você jura que decora cada nome?). 
Creio que meus personagens favoritos são Tyrion Lannister (o anão mais respeitado na história da ficção), e Daenerys Targaryen, a guerreira dos dragões e libertadora de escravos. Ela sem dúvida é a personagem mais bem construída. 
Além dela, a série está cheia de outras personagens femininas intrigantes, como Arya Stark (que precisa se disfarçar de menino para não ser estuprada e sobreviver), Olenna Tyrell (a velhinha tem as falas mais espirituosas e sabe tudo que está acontecendo), Brienne de Tarth (a donzela alta e forte que vira cavalheira, e que tem o péssimo costume de se apaixonar pelos caras errados), e Cersei Lannister (uma vilã por excelência, com pouquíssimos traços redentores).
Acho Sansa uma sonsa e não tenho muito interesse pela sua trajetória, mas eu gostava da sua mãe, Catelyn Stark (também gostava do Robb, bem provavelmente porque ele era interpretado pelo ator mais bonito da série. Estou falando neles no passado porque, ahn, não posso falar, mas você precisa ver o Casamento Vermelho)
Tenho boas expectativas quanto a Margaery Tyrell (manipuladora o suficiente para conseguir controlar o rei Joffrey, pelo menos por um breve período), mas sei que esta é uma série que constantemente frustra nossas expectativas. O autor não tem problema nenhum em matar personagens importantes. A prostituta Ros, por exemplo, foi apresentada como uma pessoa inteligente e com futuro na trama. Não durou muito. E digo o mesmo de Renly Baratheon.
Certo, mas por que estou falando de Game of Thrones exatamente agora? Porque uma cena do último episódio chamou a atenção, principalmente a das feministas. Não leia o resto do post se você não viu o episódio de domingo. Você não quer que estraguem a cena como minha querida Aiaiai fez comigo -- ela me falou da discussão sobre a cena antes de eu ter visto o episódio. Considere-se avisadx.
O que aconteceu bem no começo do episódio foi que Jaime Lannister estupra sua irmã gêmea Cersei. Os dois estão num templo, lamentando o assassinato do filho deles, Joffrey. Depois de trocarem algumas palavras (Cersei implora para que Jaime mate o irmão deles, Tyrion) e se beijarem, Jaime a chama de "mulher detestável", provavelmente porque ela se solta ao perceber sua mão dourada, e ele avança sobre ela. 
Ela pede por favor, não, pare, aqui não, isto não está certo, pare, não, e também luta fisicamente contra ele, ao que Jaime responde, "Eu não ligo" várias vezes. E ele a estupra no altar, embaixo do caixão com Joffrey.
Nenhum grande problema em filmar uma cena horrível como estupro, se isso serve à trama (e, claro, se você não for uma sobrevivente de estupro, o que pode gerar vários trigger warnings). Os problemas são dois: 1) a cena não é de estupro no livro, e 2) o diretor e o ator do episódio não consideram a cena como de estupro. 
Perguntado numa entrevista sobre a cena, o diretor Alex Graves respondeu: "Torna-se consensual no final, porque qualquer coisa para eles resulta em tesão, especialmente uma luta pelo poder". Nikolaj Coster-Waldau, o ator que interpreta Jaime, disse "sim e não" para a pergunta acerca de Jaime estuprar Cersei: "Há momentos em que Cersei cede, e momentos em que ela o empurra. Mas não é bonito".
Pois é, definitivamente não é bonito retratar uma cena de estupro como algo ambíguo, ou sexo selvagem. Se os próprios envolvidos com a cena não a veem como estupro, imagina o que o público vai achar -- que não pode ser estupro porque Jaime e Cersei já tinham transado antes (segundo essa lógica, se você consente uma vez, você consente pra sempre), que é claro que Cersei queria, ela só estava se fazendo de fresca, que ela mereceu, porque é uma vilã, que foi só "sexo forçado", que... (inclua aqui a sua justificativa). 
E resta o porquê de transformar uma cena que não é de estupro no livro numa cena de estupro na série. No livro A Tormenta de Espadas (que eu não li), Jaime e Cersei estão sem se ver há meses quando se reencontram no funeral. Jaime só consegue voltar ao reino após a morte de Joffrey. 
No templo, Jaime e Cersei se beijam, e ela murmura que há riscos de fazerem sexo ali, alguém pode ver, e que é desrespeitoso, pode despertar a ira dos deuses. Jaime continua com os beijos, arranca a roupa de Cersei, e ela sussurra: "Rápido, depressa, agora, vem já, me possua já, Jaime" (e a descrição ainda acrescenta "as mãos ajudaram a guiá-lo"). 
Ou seja, totalmente diferente do "por favor, não, pare, aqui não, pare, isto não está certo, pare, não!" da cena da série (que ainda por cima vem depois de Jaime chamá-la de "mulher detestável", indicando que o estupro tem muito mais a ver com poder e punição que com desejo sexual). 
Por que, então, os realizadores da série transformaram a cena num estupro? Não sabemos. 
Mas é lamentável, até porque ela faz parte de uma nova fase do personagem Jaime, em que ele estava em franca recuperação. De repente, na terceira temporada, a série nos fez ver o "outro lado" de Jaime, e isso graças ao seu relacionamento com Brienne -- que ele, inclusive, salva de ser estuprada (e depois, morta; ela também o salva da morte, diversas vezes). 
Acho que a "amizade" entre Jaime e Brienne foi o que mais gostei na terceira temporada (assim como Jon Snow se torna mais interessante quando está com a bárbara Ygritte). E de repente, sem mais nem nada, ele vira um estuprador!
Pensa só: os realizadores da série podiam ter feito a cena da maneira que quisessem. Escolheram filmá-la como uma cena em que Cersei deixa muito claro que não quer fazer sexo, pelo menos não ali, não naquele momento (em que está sofrendo com a morte do filho que amava, apesar de tudo). Ela se debate e diz "Não! Pare!" até o final da cena. É estupro. Não há ambiguidade nenhuma, ao contrário do que dizem o diretor e o ator.
Parece que os realizadores da série já tinham feito isso antes, isso de transformar uma cena que não é de estupro no livro numa de estupro. Foi logo no piloto, quando o casamento de Daenerys com Drogo é consumado através de um estupro. Para ler mais sobre isso (e sobre a série em geral), recomendo muitíssimo este post da Lidiany publicado ontem. Lá também ela deixa links para a análise de outras feministas sobre a cena em que Jaime estupra Cersei.
Não vou deixar de ver a série por causa dessa decisão catastrófica dos realizadores. Mas espero que eles entendam que Game of Thrones só é um sucesso por cativar também o público feminino. Se esse público sentir o cheiro forte da misoginia, é bem capaz de debandar. 

120 comentários:

aline disse...

eu acabei de ver o episódio, após ter lido já algumas análises de feministas, e tô sem entender nada. não é possível.

[semi-spoilers dos livros abaixo]
nos livros, além de ter sido consentido pela Cersei, o sexo nessa passagem foi importante como ponto de virada para ambos os personagens - é a partir daí que a Cersei começa a ficar cada vez mais problemática e atormentada pelos demônios interiores dela, bem como o Jaime passa a se afastar cada vez mais dela. da forma como a cena foi feita, parece que é o Jaime que está ansioso por ela, quando é precisamente o contrário que acontece nos livros.

além de todo o ABSURDO que foi inserir uma cena de estupro como se não fosse nada e ainda dar declarações misóginas como essas, a galera da HBO ainda cagou a adaptação dos personagens de uma forma magistral. não tinha nem porque colocar essa cena aí, nem que fosse pra dar ~realidade~ aos personagens ou coisa que o valha. eu realmente não entendi porra nenhuma...

Anônimo disse...

Chega o dia em que a querida Lola comenta a a maralhosa As Cronicas de Gelo e Fogo. Pena que por causa de uma burrada nojenta que eles fizeram na série.
A forma que eles montaram a cena no septo foi simplesmente nojenta e despropositada
Não ajuda a construir em nada o personagem do Jaime e da Cersei simplesmente pq sai fora do que eles são. Uma coisa que eu cansei de ler nos blohs e grupos que debatem a série é que “ah, eles estão mudando os rumos da série, não está mais acompanhando os livros“ como justificativa para a adaptação da cena. só digo que a escolha dos produtores em adapta-la assim mostra muito bem a mentalidade que o pessoas da equipe de direção/roteiro tem sobre o tema do estupro.

Shame on you, HBO

Ana Carolina disse...

Foi a primeira vez nos quatro anos de série onde achei que a série errou e errou FEIO.

Não tem nem mesmo um sentido narrativo - a evolução da redenção do personagem simplesmente... para.

E pior ver a declaração dos produtores da série dizendo que na verdade não era um estupro, era consensual, a cena foi montada de forma errada... Ah, deem licença. Importa o que acabou sendo, não o que era pra ser. E foi uma cena de estupro desnecessária e que não faz sentido nenhum.

Ana Carolina disse...

P.S.: não tenho nada contra cenas de estupro, nudez e violência desde que contextualizadas, quando servem para contar a história. Não foi o caso. Como disse antes, achei desserviço à narrativa + uma bela amostra da visão de mundo de diretor e produtores.

Julio disse...

Lola,

Você cita dois problemas. Vou discordar de um deles.

1) A cena não é de estupro no livro.

A série de TV está numa mídia diferente da original, pois é apresentada em um outro formato e ritmo. É necessário, às vezes, realizar adaptações que fazem sentido na tela e excluir aqueles elementos que fazem sentido apenas no livro. Talvez para aumentar a tensão e o drama, os criadores decidiram modificar a cena.

Observe que, neste episódio, fora o estupro, não há muito o que ser debatido, pois a série não avança nos seus acontecimentos.

Abs.

Anna Milani disse...

Eu leio os livros e assisto a série. Portanto, SPOILERS.

Eu tenho que admitir, eu gosto muito do relacionamento incestuoso deles [ok. Que venham as pedras], justamente por ser tão ardente, louco e errado, mas sempre consentido.
Ao meu ver, pelo menos nos primeiros livros, eles realmente se amavam. Depois, o Jaime se afasta um pouco dela. Como eu disse, me amarrem em uma cruz, mas eu adoro eles juntos e fiquei muito puta da vida quando vi essa cena.

O marido dela, Robert, era um bêbado desgraçado e várias passagens do livro confirmam que a Cersei era forçada a dormir com ele, ou seja: Ela encontrou um lugar seguro com o irmão. Ela sempre CONFIOU no Jaime. E então na série, ele faz a mesma merda que o marido dela fazia.

Além disso, eu tenho aquele costume de gostar dos vilões, por mais que ferrem com os mocinhos, então eu ADORO a Cersei e o Jaime tanto quando adoro Tyrion, Daenerys e Arya. E ODEIO tal afirmação que ela merecia ser estuprada SÓ porque é uma vilã.

Bem, minha opinião. Foi totalmente desnecessária.

.h disse...

(Spoilers podem estar contidos nesse comentário. Leia com parcimônia)

Acho que foi consenso geral que a cena em si ficou fora de lugar (especialmente para quem acompanha os livros). Como disse a Aline, o ato consensual é um ponto de ruptura pros dois personagens e quando fica clara a transformação que os dois sofreram (tanto para o leitor, quando para os próprios personagens).

Isso deformou completamente o Jaime que, nesse ponto, já estava se transformando num dos meus personagens favoritos. E deformou também a Cersei, claro.

O absurdo maior, como disse a Ana Carolina, é que, além de a cena de estupro não ter acrescentado nada na narrativa da história, não foi reconhecida como a violência que ela representa: um ato não-consensual feito com o corpo de uma pessoa (algo hediondo).

E o que mais me preocupa são duas coisas: a justificativa para o estupro ("você é uma mulher odiosa") e como isso vai afetar a construção da própria Cersei no decorrer da história. De fato, ela é uma mulher odisa, uma tirana implacável, uma governante pior do que o Robert e uma pessoa extremamente violenta que acredita que o poder político justifica-se nele mesmo. Temo ouvir, num futuro próximo, análises como: "vê? As vítimas de estupro se tornam pessoas vilanescas da pior espécie. Não são vítimas de verdade".
(Mas admito que isso possa ser apenas meu pessimismo inerente. Ninguém em sã consciência diria uma coisa dessas, diria?)

Anônimo disse...

Eu não gostei, particularmente prefiro Vikings.

Alguém já assistiu?

Yasmim disse...

desde quando mulheres gostam de séries masculinas?

Por favor, vamos lavar uma louça e deixar a TV pros homens.

Anônimo disse...

Não sabia desse ponto do livro e também não tinha entendido bem a cena. Até meu marido estranhou "ué, ele vai estuprar ela!". Também não sou contra cenas de estupro por si, mas achei que não fazia sentido na história, pela forma como vinha evoluindo. Acho que a mão do diretor pesou aí.

Raven~ disse...

Que lindo esse .h.

Enfim, obrigada Lola, por esse post. Sempre achei Game of Thrones um saco. Quem sabe agora me animo de ler os livros. (já que passo bem longe das adaptações justamente por causa desse tipo de cagadas dos produtores). ^^

lola aronovich disse...

Aí a gente diz que a "Yasmin" é mascu (muito mal) disfarçado de mulher e a "Yasmin" responde: "Ain, pra vcs todo mundo que discorda é mascu, claro que não sou mascu, sou mulher, eu costumo mesmo mandar todas minhas amigas lavar louça".

Anônimo disse...

Anna, então vamos nós duas sermos apedrejadas, por que eu também adorava (até agora) a Cersei e o James juntos.

Também passei por essa coisa de achar o "Kingsleyer" o típico playboy filhinho de papai mal caráter e mudei de opinião depois de tudo o que ele passou e pelo o que ele fez pela Brienne.
Quando eu vi a cena do estupro eu meio que coloquei as mãos na cabeça e disse "putamerda mano... não acredito". Não entendi o objetivo dessa cena e acho que foi sim um erro bem grotesco por parte da produção.

Tirando essa baita bola fora, acho que a série em geral mostra personagens femininas como muito pouco foi mostrado até hoje - sejam elas "bandidas" ou "mocinhas". Pela primeira vez vejo uma série de impacto com mulheres fortes, poderosas, mudando o rumo das coisas sem aquele desespero de achar marido/filho.


Jane Doe

Yasmim disse...

Não sou mascu. Eu apenas prezo pela família; Feminismo estraga a mulher. Acreditem, mulheres só são felizes se realizam o papel de mulher: Cuidar da casa e dos filhos.

Eu não desrespeito meu gênero, eu não tiro foto pelada pra combater machismo [q sentido faz] e eu me visto como mulher honrada, sem decote e saia curta.

Se vcs querem dar motivo pra estuprador, o problema não é meu, mas dps não reclamem que o feminismo ferrou com vcs.

josegeraldo disse...

Há uma leitura possível - a cena acontece no capítulo de ponto de vista do Jaime. Ele, por assim dizer, poderia estar "justificando" o injustificável.

E há as outras personagens femininas desse episódio - todas elas reduzidas de sua capacidade de decidir por esse universo feudal. Todas não - Daenerys é quem rompe as correntes, Breaker of Chains, como disse o título do episódio.

E essas correntes são pesadas para Cersei - no velório de seu filho mais velho, seu pai e seu filho sobrevivente a desprezam, é violada pelo irmão/amante. Reduzida a uma casca pela violência dos homens de sua vida. E nenhum deles sequer percebe o quanto a ferem.

Anna Milani disse...

Ei, Yasmin... Ele ficar coçando o saco em frente à TV enquanto você trabalha? e não te ajuda?

Sinto muito, mas nem todas gostam de ser escravizadas :X

Yasmim disse...

E eu nao tenho amigas, Lola, porque a maior inimiga da mulher É A MULHER.

Anônimo disse...

Mulher machista não existe?

José Tarcísio Costa disse...

É por isso que eu só li os livros e não assisto a série. Estava hesitando em começar a assistir mas perdi o ânimo agora.

Bizzys disse...

Lola, só uma observação: não sei se você percebeu, mas nessa imagem das mulheres presentes em GoT, o número 9 não é uma mulher, mas o Ser Loras (para quem não sabe, um cavaleiro homossexual e amante do Renly Baratheon).

Não sei se quem fez a imagem não conhece a série e não reparou no erro ou se colocou a foto do Loras ali só para fazer uma piadinha de "gay = mulher" - o que seria uma pena, porque a montagem é bem legal.

E sem querer desviar a discussão, mas já desviando: Yasmin, por que você está comentando aqui ao invés de estar cuidando da casa/do marido/dos filhos, já que você é assim tão defensora dos "papéis femininos"? :P

lola aronovich disse...

Obrigada, Bizzys, não tinha visto. Claro que não fui eu que fiz a imagem. Não tenho habilidade pra isso. Eu achei estranha aquela pessoa ali, mas não a reconheci, pensei que de repente fosse alguma personagem que eu não conheço. Mas sim, é uma montagem homofóbica e altamente estúpida.
Ah, é SER Loras ou SOR Loras?

Raven~ disse...

E daí eu tiro um cochilo de meia hora e um mascu maluco dominou os comentários. Mas é quase irresistível. Yasmin, vai lavar suas calcinhas beges (que não provocam estuprador, sqn) e não enche. Pro anon que perguntou se não existe mulher machista: existe, bóvio. Mas o dircursinho dos fakes que aparecem aqui é sempre o meeeesmo. Difícil não reconhecer.

Kittsu disse...

Lendo o trecho do livro que fala dessa parte, vi que ele descreve que cersey estava menstruada e o jaime nem ligou. será que os produtores sequer cogitaram essa possibilidade e entenderam que o sangue do qual o livro fala era por conta da violência da penetração?

@dddrocha disse...

Achei a cena de muito mau gosto, assim como todas as outras de estupro.
É difícil ver esse tipo de coisa tratada com tanta naturalidade.

Bruno disse...

Ser Loras no original em inglês, Sor Loras na tradução em português.

Anônimo disse...

Sawl

Apesar da derrapada feia e indesculpável eu continuarei assistindo a série.
Em relação aos personagens espero que NÃO entendam mal o que vou dizer, mas, as cenas entre Daenerys e Drogo e Cersei e Jamie tiveram pontos bem diferentes.
Os drogos eram homens sem educação e sem sentido de humanidade, não apenas com as mulheres mas com as pessoas em geral.
Durante a primeira temporada foi deixado bem claro que eles estupravam mulheres das vilas onde invadiam e matavam homens e até crianças. Pra eles isso era "comum", "mera tática de invasão".
A Danerys foi vendida pelo próprio irmão como uma "mercadoria", um "objeto" então quando houve a "noite de núpcias" Khal sendo o bruto ignorante que era não poderia ser gentil com a Danerys, pq ele era justamente um bruto ignorante!
Quando a Danerys se impôs e ficou por cima(no sentido sexual) olhando nos olhos, ela se mostrou como mulher e não como uma "coisa" que ele podia tomar como quisesse, da mesma forma que ele naquele momento deixou de ser um bicho, um ser escroto que impõe suas vontades, pra se tornar um homem de verdade.
Já com o Jamie e com a Cersei foi INJUSTIFICÁVEL!
Ele não é um drogo! Ele é um homem com uma certa instrução e posição social. Ele tem o total discernimento do que é estupro se não ele não teria defendido a Briene.
Ele tinha vindo de uma grande recuperação. Ele passou de um escroto que tinha um caso com a irmã pra se tornar um homem mais humano e justo na terceira temporada.
E de repente fazem uma cena daquelas!
Foi bem ambíguo, Cersei tinha mandado Jamie matar o Tyrion, ele recusou e ainda a chamou de "mulher detestável" o que realmente ela é e logo em seguida se beijam e ela o recusa. Se fosse seguido uma linha coerente ou Jamie iria embora ou Cersei não teria se negado à ele. Mas, a colocam recusando o cara e ele "força" a transa, e força é ESTUPRAR!
Sim, Cersei continuará sendo a mulher odiosa sedenta de poder, mas, pra mim, Jamie acabou ali.
Eu que tanto gostava dele na terceira o achei um lixo por ter feito o que fez. Não interessa o caráter(ou falta dele) de uma mulher, não teve justificativa a violência que ele fez. Foi uma cena apelativa, forçada, desagradável e que ainda por cima fez com o que o Jamie se tornasse um canalha da pior espécie.
Quanto aos outros personagens, eu não encontro machismo e sim coerência em certas situações. Roz, a prostituta do Mindinho era inteligente mas não tinha como escapar da fúria do agora falecido Joffrey.
E sim, há mulheres escravizadas, torturadas e vendidas, mas, todos sofrem violência na trama, vide os escravos agora soldados de Danerys que eram castrados por seus donos, Theon Greyjoy que foi torturado e mutilado pelo sádico Ramsay e a morte brutal do Robb, enfim, homens, mulheres e até crianças não tinham piedade diante da fúria de grupos rivais e de senhores de reinos sedentos de poder, a Idade Média era assim, claro que mulheres e crianças eram as maiores vítimas porque bárbaros e reis em sua imensa covardia massacravam os fisicamente mais fracos.
Por esta razão que a justificativa ridícula pra
certos tipos de violência pode ser considerada "mentalidade medieval".

Ps: caro mascu intitulado "Yasmim" vc é tão covarde e cretino que precisa adotar nick de mulher pra expor sua opinião ridícula? kkkk

Sawl - Always the rebel

Bizzys disse...

Lola, eu sabia que não foi você quem fez a imagem, mas estava imaginando se quem a criou incluiu o Loras de propósito ou não. É mais provável que seja por homofobia mesmo.

Sobre o título de cavaleiro, em inglês é "Ser" (e como eu li os livros sem tradução, acostumei assim, por isso escrevi desse jeito XD). Em português mudaram para "Sor", não sei o motivo, imagino que seja porque a palavra "ser" já existe na nossa língua com um significado diferente.

Anônimo disse...

"dps não reclamem que o feminismo ferrou com vcs".
Dei até uma pirueta de tanto rir com essa.
E a pessoa escreve isso e ainda quer que as pessoas acreditem que não é homem. Só pode ser piada mesmo.

.h disse...

Só queria comentar pro Anônimo lá em cima falando da série Vikings.

Assisto. Acho um absurdo histórico tudo aquilo, mas me divirto bastante, especialmente por causa da Lagertha (desde a Red Sonja, do Robert E. Howard, a ficção de capa e espada tem carecido de mais heróinas fortes e interessantes).

Mas nessa série, também, tem uma cena de estupro que foi igualmente mal colocada, pouco aproveitada na história e depois ficou por isso mesmo.

Anônimo disse...

Quanto a GoT: talvez ao refazer a cena eles tenham achado que um estupro chocaria menos o público do que sexo consensual entre irmãos... meio absurdo, mas diante das opiniões estapafúrdias dos mascus, essa tese pode até ter algum sentido.

Julia disse...

AMO a Daenerys! Minha personagem preferida!

Queria ter pelo menos um dragão daqueles pra ver o estrago que eu ia fazer. Mascu ia virar tudo cinza :D


Quanto ao Jaime. Minha preocupação é só se ele vai continuar sendo visto como o regenerado depois dessa. Se bem que nesse série não tem mocinhos/as. Amo também a Ygritte, mas vocês viram a covardia que ela fez no último episódio?

(Não li os livros)

Julia disse...

"Mulher machista não existe?"

Sim, conheço várias que acham que mulher nem deve assistir TV, só lavar louça e cueca. Só que não.

Mascu cínico.

Eu sei que você queria ser mulher mas mascu vai ter que reencarnar 7 vezes pra merecer essa evolução.

Cyberia disse...

Sério isso? Eu li o post sem ver o episódio pq já li todos os livros mesmo... Putz que DECEPÇÃO! Gosto muito do personagem de Jaime, e vamos combinar que ele é um dos poucos (talvez o único) que se manifesta abertamente, em ações e palavras, contra a violência sexual.... Daí pegam e tornam ele um estuprador. QUE. MERDA. Como se a série já não tivesse cenas de estupro MAIS do que o suficiente, vamos inventar mais algumas!!! =P

Gabriela disse...

Concordo com quase tudo.Eu quase tive um ataque com essa cena.

Agora lola vc não gosta da Sansa?Ela é uma das personagens q mais sofrem com a misoginia do fandom.


Aqui textos q falam porq ela é incrível

http://www.policymic.com/articles/86999/why-sansa-stark-is-the-strongest-character-on-game-of-thrones?utm_source=policymicTBLR&utm_medium=main&utm_campaign=social

http://feministfiction.com/2012/05/10/in-defense-of-sansa-stark/


http://thegeekiary.com/in-defense-of-sansa-stark/1273

http://sciencefiction.com/2011/06/30/in-defense-of-sansa-stark/

http://kallichore.wordpress.com/2012/03/25/sansa-stark-rocks-fact/

http://asoiafuniversity.tumblr.com/post/66632157416/why-we-must-keep-defending-sansa-stark

http://asoiafuniversity.tumblr.com/tagged/sansa+stark/page/10

http://asoiafuniversity.tumblr.com/post/81556417794/cordeliacassandra-mineisthefury2

thaís scuissiatto disse...

É uma pena. Sempre considerei Game of Thrones (li primeiro os livros, agora estou assistindo a série) uma série muito feminista. Em uma entrevista, perguntaram ao autor, George R. R. Martin, porque ele coloca tantas personagens fortes femininas, ao que ele responde "ora, eu as considero seres humanos".

A Daenerys, a Arya, a Brienne, a Ygritte e a própria Cersei são exemplos de personagens femininos e feministas. Em vários momentos do livro, Cersei pergunta "mas porque eu não posso governar? Por eu ser mulher?" e se rebela contra isso. Além disso, a série tem personagens homossexuais, bissexuais, enfim: várias minorias são bem representadas com personagens humanos e não caricaturizados.

Acho que a cena do estupro foi desnecessária nesse contexto, porém a série trabalha com o que há de mais sórdido na mente humana. As declarações misóginas foram o que tornaram o episódio infeliz. Mas admito que poucas pessoas "leigas", que não conhecem o feminismo, vão se indignar com a cena.

Só uma correção, Lola. No livro, a primeira vez da Dany com Khal Drogo também foi estupro sim. E o pior, ela tinha apenas quatorze anos e chorou durante todo o ato. Ela consentiu, já que não tinha opção - afinal, seu irmão a forçou a se casar e, se ela desistisse, podia matá-la ou machucá-la, mas ela não queria. O romance entre eles aconteceu só alguns meses depois, assim como na série.

Camila Fernandes disse...

"Não sou mascu. Eu apenas prezo pela família; Feminismo estraga a mulher. Acreditem, mulheres só são felizes se realizam o papel de mulher: Cuidar da casa e dos filhos."

Olha a diferença, gente. @s feminist@s dizem que cada mulher deve ser livre para escolher a própria vida, seja ela cuidar da casa, trabalhar fora, etc. Aí, @s machist@s dizem que a única opção de "todas as mulheres" é ser dona de casa, porque é para isso que nasceram "todas as mulheres", é só isso que faz "todas as mulheres" felizes. E aí vêm dizer que @s feminist@s é que são ditador@s, chamar de feminazi. É uma discrepância tão absurda que eu não sei como tem gente que não consegue enxergar! Essas pessoas devem ter um problema cognitivo muito grave, viu.

No mais, eu não me arrisco a dizer nem "todas as pessoas" adoram chocolate, o que para mim deveria ser uma verdade universal :v

Anônimo disse...

Lola, eu discordo um pouco do que foi falado sobre o casamento da Daenerys e sobre as diferenças entre livro e série. É verdade que no livro a cena é mais suave, por assim dizer, mas não é demais lembrar que no livro a personagem tem entre 12 ou 13 anos o que não é o caso da atriz. Por isso eu entendi que o estupro teria sido mais explicito. Nesse caso do Jaime, não entendi.

LeiDe Mamariquinha disse...

Só nao assisto a Serie pq nao tenho estomago pra algumas cenas q cheira a lesbofobia,porno pra misoginos(homens),eu e minha prima lesbica nao gostamos desse tipo de coisa.

Mas pelo q ouvi falar essa do cabelo branco é muito boa personagem se fizessem um filme só dela iria assistir,concerteza,vejo alguns gifs e parece ser bem rock.

A serie nao é feminista como dizem muita gente,mas que contem personagens feministas issso sim,e a personagem do cabelo branco é a q mais me entusiamo.

O livro pode ser diferente,nao sei,mas quanto a serie com esses produtores ai...

Mary Jane disse...

também concordo. eu estava começando a amar o jamie. e todos aqui em casa ficaram sem entender, o que achar e apesar de toda a violência, decapitação, castração, etc. essa cena foi de longe a mais perturbadora, foi um constrangimento sem fim na sala de casa (todos nós, mamãe, papai e filhos assistimos juntos) e não porque foi uma cena de sexo, mas porque foi uma cena de estupro. mas como dito nos comentários anteriores, apesar desta burrada, a série me agrada porque tem muitas mulheres fortes e apesar de achar que sansa uma sonsa, eu acho é que ela se faz de tola para viver...

LeiDe Mamariquinha disse...

Anonimo das 17:01

Só pela chamada com glory and gore da lorde acho q vou começar a assistir,tomare q nao me decepcione.Adoro a história nordica.:-)

Alessandro Bruno disse...

Mudando um pouco de assunto, vocês viram isso?

http://g1.globo.com/pop-arte/cinema/noticia/2014/04/vencedora-do-oscar-lupita-nyongo-e-eleita-mulher-mais-bonita-por-revista.html

Anônimo disse...

Sawl
Para Yasmim


Poxa Yasmim. Que pena que vc seja mulher pq aí vc mostra o quanto é burra e sem autoestima pra ser contra seu próprio gênero.
Não precisa ser "contra a família" pra pregar igualdade de direitos e deveres a todos.
Ser "mulher" é algo além de ser um bibelô(como diria minha avó) do lar. Uma mulher pode ser muito mais realizada solteira, separada, viúva sem filhos, ou com filhos e separada, solteira e viúva que em um casamento infeliz e de sofrimento (o que não estou dizendo que seja seu caso).
Quando ao "dar motivo", minha cara e ignorante comentarista, uma dona de casa que estava cuidando do lar, tem a casa invadida por um marginal e foi estuprada, "deu motivo"?
Uma menina que vai pra escola e dá de cara com um traste pedófilo "deu motivo"?
Uma trabalhadora que pega condução pra ter seu sustento e/ou sustento de seus familiares e é violentada por um vagabundo "deu motivo"?
Uma esposa "deu motivo" pra ser estuprada pelo marido? Uma criança inocente "deu motivo" pro parente tarado ataca-la? Uma freira que foi ajudar uma comunidade e foi atacada por um sujeito dessa comunidade também "deu motivo"?
Seja de saia curta e decote, de calça e roupa de macho ou de burca(se informe, porque vc não parece instruída o que parece bom pro seu marido ter uma mulher ignorante e submissa pra oprimi-la à vontade), uma mulher sempre será alvo de violência sexual por um tarado sem caráter! E claro, haverá sempre pessoas imbecis como vc querendo defender criminoso. A honra não está na roupa que a mulher usa, mas, a "honra" de um homem(embora eu considere um homem que estupre lixo não homem) que estupra seres humanos em geral NÃO existe!
Tenha certeza que se vc fosse estuprada(o que não desejo) ninguém iria querer saber que naquele momento vc tava lavando uma pilha de roupa suja, cuidando dos filhos e preparando o jantar do maridão que pelo tipo de mulher que vc é, deve chegar sempre com perfume de prostituta.
Vc tem certeza, mulher não é amiga de mulher, mas, eu digo sem generalização pq "certas mulheres" como vc se acham "espertas" validando preconceito contra si mesma.
Sou esposa, mãe e trabalho no meu escritório de arquitetura. Sou muito feliz do jeito que sou e acredite eu era uma mulher triste e deprimida em um casamento(meu primeiro) doentio onde eu era tratada como lixo e meu ex-marido era um traste que só me tratava mal.
Hoje eu vejo que ser mulher também é ser um ser humano com vontade própria e amor próprio.
Tb tenho amigos homens, mas, não desprezo minhas amigas, primas e nem minha mãe que é minha melhor amiga. :)
Hoje eu sou feliz, amanhã quando vc ver que é mais do que uma máquina de "lavar, cozinhar, cuidar de filhos e agradar só o marido", vc tb poderá ser feliz.


Sawl - Always the rebel



daniel disse...

(1) GoT é reconhecida como uma série que retrata mulheres fortes e donas da própria história, mas acredito que esse reconhecimento se dá mais pela falta de personagens assim na TV em geral do que pela representação das personagens da série, especialmente levando em conta a imensamente maior complexidade e tridimensionalidade de todas as personagens femininas nos livros. Desde o princípio isso me incomoda.

O maior exemplo, para mim, de descontrução de uma personagem feminina é Catelyn Stark, que, nos livros, é uma super competente jogadora política, que tem uma papel super relevante em orquestrar o conflito Stark x Lannisters, contando com o conhecimento que aprendeu do Lorde seu pai e do Lorde seu marido, sim, mas também justamente por ser mulher, e procurar desconstruir e contornar as demonstrações de poder e honra que os homens são forçados a reproduzir naquela sociedade. Nos livros, por exemplo, a conversa entre ela, Stannis e Renly é muito mais elaborada, e ela tenta, a todo momento, mostrar o ridículo de um conflito armado que, em última análise, era nada mais do que uma rixa de irmãos enciumados. Na TV, minha personagem preferida dos livros encarna somente o papel de mãe. Forte, obstinada e sofrida, mas apenas em decorrência deste papel 'natural' da mulher, que deve cuidar dos filhos. Isso é, obviamente, uma parte gigantesca da personalidade da Cat, mas, ao meu ver, a série conseguiu reduzir ela ao insignificante papel de mulher que só chora e lamenta o que aconteceu aos filhos, diferente da jogadora política super competente que George Martin criou. Não só isso, mas a série conseguiu também tirar de Robb um lado mais sensível, mostrando ele como o contraponto masculino (e, portanto, lógico, planejador, respeitável e competente) a feminilidade pé-no-saco de sua mãe. A decisão dele de se casar deu-se quando ele fica sabendo da morte dos seus irmãos, e ganha alento na cama da futura esposa - o que a série não retrata, pois destoaria da imagem de galã medieval que o autor tanto tenta desconstruir. Na série você só quer que Cat pare de encher o saco do filho, em suma, e deixe ele ganhar a guerra (colocaram, inclusive, uma fala dela dizendo que queria voltar para Winterfell, coisa que nunca desejou nos livros, ela sabia da sua importância ali nas decisões). Nos livros você, a cada capítulo, lamenta que Robb não escute nada do que sua mãe aconselha - o que, no fim, levou-o ao cadafalso.

Sua filha, Sansa, também foi sistematicamente desconstruída. Muitos leitores tem imenso interesse na sua trajetória justamente porque o autor subverte praticamente todas as convenções do que deve acontecer na história de uma donzela medieval. Essa subversão se dá de maneira muito mais óbvia com a sua irmã, Arya, que sempre foi rebelde contra o que esperavam dela como filha de um nobre. Acho que a comparação com a irmã inevitavalmente nos leva a ver Arya como AWESOME e Sansa como uma Sonsa. Mas independente do que achamos da garota em si, acho interessante você dizer que não tem se importa muito como pra onde vai a história dela. Eu sempre achei espetacular a construção dessa personagem e da sua trajetória nos livros, pois ela resume o que acontece com muitos outros personagens.

Muito da história em todos os livros é mostrar os personagens ganhando aquilo que eles acreditavam que queriam, mas de uma maneira completamente diferente. Arya sonhava com aventuras longe dos castelos e cortes, e agora se vê ameaçada de morte e estupro em todo lugar, obrigada a acompanhar o assassino de um amigo seu. Tyrion queria ganhar mais importância no jogo político, com reconhecimento de sua sabedoria e esperteza; ganhou o cargo de Mão, que só o levou a ser mais odiado por todos que ajudou e salvou. Jon esperava receber na Muralha o reconhecimento que jamais teria como bastardo, mas descobriu que foi para o lugar mais duro e perigoso de todos. Robb sonhava em provar seu valor como Lorde e como líder de batalhas, a exemplo de Ned, o que realmente fez, mas sua falta de tato político e apego a honra de seu pai o levaram ao mesmo fim...

daniel disse...

...(2) Sansa, por sua vez, sonhava com a vida de donzela cortejada, noiva de um príncipe nos salões da nobreza. Foi justamente o que ela recebeu, mas da maneira mais twisted possível. E isso sempre me levou a pensar sobre de onde surgiu esse sonho dela. Não intrinsecamente de sua personalidade, mas de todo o ambiente e educação que ela aceitava tão passivamente. Somente o olhar de uma garota como ela pode nos ajudar a compreender o que há por trás desse mundo de cortesias machistas e papéis estabelecidos para cada gênero, em cada casta da sociedade. Não apenas o seu olhar nos ajuda a desmanchar essa aura de elegância e honradez daquele ambiente, também vemos todas as suas figuras paternalistas caírem, uma a uma. Seu pai, seu noivo e até o bobo que a resgata, Dontos, que nos livros tem uma história muito maior com ela. Agora ela está, novamente, nas mãos de outro homem, e ainda presa para poder realmente revelar como se portaria se tivesse a oportunidade de atuar como uma verdadeira jogadora política, como sua mãe, ou lutando pela sobrevivência, como sua irmã. Enfim, acho que as três mulheres Stark são complementares e indispensáveis para ajudar no desvelamente da realidade que ASOIAF proporciona. Cada uma ocupando uma posição diferente, mas todas mulheres conduzindo, de uma maneira ou de outra, a própria história.

Não concordo quando você diz que os criadores da série interromperam o processo de 'recuperação' de Jaime com a cena de estupro porque não acredito que ele estava neste processo. Acho que isso é tentar projetar no personagem uma transformação que aconteceu com a gente, ou seja, um personagem tão bem construído, que não é o cavaleiro loiro heróico, mas tampouco um vilão. No decorrer da série começamos a compreender com mais profundidade as nuances que constroem seu caráter, mas ele é ainda a mesma pessoa. Theon Greyjoy, por exemplo, é um misógino e sádico irrecuperável, mas ficamos desconfortáveis ao vê-lo torturado e reduzido a um lixo humano daquela maneira. Acho que humanizar um personagem que, numa narrativa mais simples, seria simplesmente reduzido a um vilão, é uma forma extremamente importante de reconhecermos contradições e comportamentos opressivos em nós mesmos, e ver que a violência não nasce espontaneamente da maldade dos seres humanos, mas é construída sucessivamente pela sociedade, pela cultura e pela educação. Como diz Paulo Freire, o opressor, ao desumanizar o oprimido, desumaniza a si mesmo. E a luta feminista antiopressora é contra a desumanização de todos, inclusive daqueles que propagam a violência. Os personagens mais interessantes, em qualquer obra de ficção, são justamente esses que subvertem os rótulos. A literatura está imensamente cheia de personagens assim. Poucas obras de fantasia, no entanto, apresentam mulheres nestes padrões de complexidade. Acho que, nestes livros, o desvelamento da realidade e das convenções de personagens (homens e mulheres) através da análise (e escancaramenteo) das violências machistas, na minha opinião, é um trunfo enorme de ASOIAF, e não consigo pensar em nenhuma outra obra de fantasie que sequer se avizinhe nesse sentido. Acho que ao escancarar as contradições dos personagens (e também as nossas), os livros prestam um enorme serviço, de uma maneira geral, a um pensamento e uma educação humanista, construída e incorporada, igualmente, pelos debates sobre a opressão de raça e classe, o feminismo, o antifascismo, entre outros.

Por fim, subscrevo sua opinião e, principalmente, do post da Lidiany que vc linkou. Exagerei no tamanho, mas espero ter te convencido a ler os livros, hehe.

Anônimo disse...

Sawl

Uma dica pras meninas que tem a mesma mentalidade da nossa cara Yasmim.

http://entretenimento.r7.com/blogs/bonitinha-mas-ordinaria/quem-rasteja-e-cobra-20140423/

Sawl - Always the rebel

Dona do Sexo -Bonobo rules,Jaçanã forever disse...

Nao sei quanto aos livros mas chamar essa serie misogina de feminista é o fim do mundo.
Só porque tem-se mulheres fortes aqui acolá é se contentar com pouco,é dar pano pra manga pra eles fazerem mais do mesmo.Agradando feministas e misoginos.Definitivamente nao é minha praia.
E acho muito puritano essas reclamaçoes de ter sexo e nudez em demasia,deixe ter,o problema é o sexismo da area sexual mesmo.

Juliana disse...

Não tenho mais energia pra gastar com esse assunto,mas a declaração dos diretores só fez confirmar a misoginia da série.
SPOILER
Não vou dizer como, mas nesse sentido fiquei revoltada com o q Tyrion vai fazer, tipo o personagem menos misógino não escapou de uma cena infeliz tbm. Alguém pode falar em contexto, mas eu digo: pra que fazer um personagem tomar uma atitude daquelas? Acho que repente, o Deus Martin percebeu que o anão não maltratou nenhuma mulher e resolveu consertar essa "gafe". A relação dele com a Shae era linda,desnecessário o que fizeram

dantezcoman disse...

Eu só acompanho a série (sofro do mesmo mal da Lola, leituras acadêmicas), então, achei a cena interessante, como parte da narrativa do Jamie. Eu nunca comprei a redenção dele, então meio que estava esperando ele mostrar a cara. Como eu não conheço a história original, estou ansioso pra ver os efeitos disso em cada personagem.
Só pra evitar maus entendidos: estou falando que a cena de estupro foi interessante como qualquer outra cena de violência brutal, tais como a morte do Ned Stark. Estupro é horrível em qualquer caso, ponto.

E achei bastante divertido o comentário da Yasmim. Começa com o clássico "Eu não sou X, mas [comentário esperado de alguém X]", e parte pra "vocês mulheres concordam comigo, só não sabem disso ainda". É um clichê vivo de uma mente pequena com acesso a um computador.

Isa disse...

Oi Lola!
Só pra esclarecer, o título "Ser" é utilizado na escrita original e "Sor"é a tradução para português.
Também estou perplexa até agora com isso que considero um grande erro de adaptação.

Amanda Tôrres disse...

Eu li os livros e ando meio decepcionada com a nova temporada por eles terem mudado muita coisa que era boa no livro. A cena de sexo que no livro os dois queriam representou muito pra virada na relação dos personagens.... e agora que Jaime estava mostrando seu lado mais humano me colocam ele como estuprador e da mulher que ele diz ser o amor da sua vida ? NÃO, pera aí o que que está acontecendo ? Tá tudo errado.
barradosno-baile.blogspot.com

Juliana disse...

OFF
Lupita Nyongo foi eleita a mulher mais bonita do mundo,tem um oscar,mas encontra dificuldades para encontrar papéis:http://www.hollywoodreporter.com/news/lupita-nyongo-what-happens-her-691146

Adriane disse...

Em A Dança dos Dragões o próprio autor leva a história da personagem para um caminho não muito legal. Nunca fui muito fã da Cersei (nem nos livros, nem na série), mas minha opinião mudou depois desse livro.

Juliana disse...

PoHa, eu amei o comentário da Dona do Sexo! É exatamente o que eu penso.
Tempinho atrás, o blogueirasfeministas fez uma matéria sobre as mulheres na série e discordei de quase todos os pontos.
Eu não acho que uma série com muitas personagens femininas seja um indicativo de feminismo.
Não gosto dessa história de "ah o importante é ter mulheres nos representando, já que somos mal visibilizadas, bla,bla".
Tirando a Khaleesi, não vejo muito o que comemorar sobre o resto.
A Cat era apenas a mãe que faz merdas em nome do seu incontrolável instinto maternal.
Cersei não faz exatamente o que quer, é forte mas não é feminista, é machista, para ela "lágrimas e o que temos entre as pernas" são as armas de uma mulher.
Akela chata lá das neves, se resumi em ser o interesse romântico do Snow, e só ficava se esfregando nele e falando obscenidades (um fanservice oral XD) antes deles consumarem a relação.
A cabelo vermelho segue a mesma linha, é sexualizada, e tals
Sobre a Arya, acho que no BF, alguém apontou bem a questão da menina não fugir ao estereótipo de patinho feio que inveja a irmã, e ambas se odeiam, ao invés de serem amigas. São opostos em todos os sentidos.
As primeiras aparições da Asha e Osha tbm são lamentáveis e desnecessárias, assim como esfaquear a barriga de uma mulher grávida.
Odeio quando associam a série com feminismo.

Anna Clara disse...

Eu fiquei super chateada com essa cena e mais ainda com as justificativas.


Fico com a impressão de que os produtores da série querem qualificar estupro como algo corriqueiro em uma guerra de interesses.

=/ não gosto disso.

Juliana disse...

E eu dizendo que não gastaria mais energia...
Sawl o seu ponto sobre a diferença entre Drogo e Jamie é...duvidoso.
Só os selvagens eram brutos ignorantes? Porque os civilizados de Porto Real vivem falando e fazendo ameaças de estupros,e nas suas guerras tbm estupram mulheres como táticas de invasão.
Dizer que eles eram um povo sem educação, ao contrário do Jamie, educado e com bons modos não me parece razoável. Ainda mais para justificar estupro, que me parece tão banal em ambos os povos.

Quando Dani se impõe e vc diz que Drogo "momento deixou de ser um bicho, um ser escroto que impõe suas vontades, pra se tornar um homem de verdade." é um ponto de vista preconceituoso e muito unilateral. De "bichos" assim, Westeros tá cheio. E muitos são da elite, bem educados, e cheios de bons modos.

Anônimo disse...

Anon 18:55
[SPOILER 1º TEMPORADA]
Já havia aparecido os irmãos transando num dos primeiros episódios. Inclusive uma criança viu e o Jaime a atirou por isso do alto de uma torre.
Não, o público não se de GoT não se chocaria com a cena de sexo entre eles.

Elen disse...

Eu não vejo esse série,parece ser bem ruim,com essa cena de estupro, piorou.
Tem hora que eu acho que as feministas desse blog vivem numa bolha,onde só tem feminista.
É óbvio que tem mulher machista que acha que nosso lugar é na cozinha,só ensina a filha a cuidar da casa e quando o filhinho querido casa,acha que a nora tem que servir de escrava igual ela fazia.

Rafa K disse...

Eu comecei a ler os livros por causa da série de tv, bem no inicio, logo depois do primeiro episódio, e embora os livros sejam um pouco difíceis de ler(ainda mais em inglês, tem muito vocabulário diferente, antigo) e extremamente longos, pra mim ler os livros acaba sendo muito mais recompensador que ver a série de tv, que eu nem vejo mais todos os episódios e pulo um monte de cenas. isso porque a história é muito mais bem contada e construída nos livros, e as personagens femininas nunca são meros objetos. acho até que são a maioria nos pontos de vista, e são extremamente bem construídas, como gente de verdade mesmo. e agora a série vem com essa cena toda cagada, broxante total...

vi uns comentários a favor da sansa aí, e acho que esse é um assunto bem interessante. já vi muita gente dizer que odeia de morte a sansa porque ela é uma sonsa, mas ela é justamente a personagem criada pra mostrar como uma criação machista é aprisionante e danosa para uma mulher. e a sansa muda nos livros. ela aprende rapidinho a sobreviver no meio dos lannister, enquanto todos os outros membros da família dela estão sendo caçados, aguenta uma caralhada de merda, e ainda assim consegue se manter uma boa pessoa, mantém a humanidade dela. e vai perdendo a inocência também. vai dizer que isso não é um feito e tanto naquele mundo podre? eu tenho a sensação que o martin tem algo grande reservado pra a sansa no futuro da série, e que ela vai se descobrir cada vez mais forte.
mas não sei se isso dá pra perceber só vendo a série, to falando do ponto de vista de alguém que leu os livros mesmo. acho que a sansa é uma excelente personagem a ser analisada de um ponto de vista feminista.

enfim, espero ansiosamente o sexto livro, que o martin nos deixou com um cliffhanger absurdo ridículo maluco no final do quinto... agora quanto aos próxiimos episodios da tv, não estou tão ansiosa assim

Anônimo disse...

Então, mas esse é o mundo medieval, eles estão retratando o que acontecia com frequência nessa época (e visto como normal, principalmente entre uma esposa e seu esposo). Mas sacanagem colocarem cenas que não são estupro como estupro, tipo a primeira vez da Dany com o Drogo... quem leu o livro sabe que foi sim consensual.

P.S. Lucas disse...

Eu ouvi histórias assustadoras sobre o casamento de sangue, por isso não comecei a assistir a série ainda.

É realmente constrangedor e decepcionante quando uma série que você gosta e admira faz algo que realmente te ofende e eu não estou falando de reviravoltas, mas de atos como este.

Nossa, esse tipo de comentário parece tão normal para o ator e diretor, quando é capaz de você odiar um personagem só por algo que o ator fez.

p.s. a Yasmin deve se divertir muito lavando a louça. E deve ter muita louça pra lavar. Imagina se ela soubesse que eu adoro Desperate Housewives e que ela é um série feminina?

Anônimo disse...

Alguém que pensa como eu! O pessoal odeia a Sansa por ela se comportar como toda a menina de Westeros foi criada para ser. Tipo, não é culpa dela.

Anônimo disse...

Então leia o livro direito, não foi estupro, não da primeira vez. Foi consensual sim. Ele estimulou ela, "perguntou" se ela queria e ela, depois de estimulada, quis sim. Leia direito. A não ser que você esteja confundindo com as outras cenas... que a Dany fala que ele é bruto no sexo, mas não que ele a estupra

Anônimo disse...

É estupro só porque ela tem 13 anos? Gente, vocês se esquecem que a série/livros se passam em uma época medieval. Até ai, normal casar com 13 anos! E outra, a noção de infância é uma coisa relativamente contemporânea. Naquela época, as crianças eram consideradas mini adultos ( veja os contos de fada daquela época... eram para crianças daquela época, hoje você não contaria para as crianças de hoje, né?) É estupro se ela não quis e pronto. Esse negócio de idade é bem relativo.

Anônimo disse...

Aliás, SERIA estupro né... no livro não é.

Anônimo disse...

Acho ridiculo classificar tudo o que se vê, lê ou ouve em "feminista" ou "machista". O mundo não é esse maniqueísmo não, gente. A série representa um mundo medieval que por si só é machista. Ora, por representar algo a série é machista então? Sério, então você não deve gostar de nenhum filme ou série. Se você não consegue ver a crítica por trás ou separar uma representação do que acontecia naquela época, então sua análise é totalmente
medíocre.
Uma das coisas que eu critico no movimento feminista radical é isso de reduzir tudo a feminismo ou machismo. Vocês se esquecem que nós somos humanos. Para além de questões do gênero, nós temos sentimentos que não são racionais. É muito fácil criticar tudo e criar maneiras de como uma feminista tem que ser quando não se considera que cada pessoa é única, cada pessoa têm sentimentos diferentes e modos diferentes de agir.
Enfim, eu pergunto: o que é um filme/série etc ser feminista? POR QUE QJE ALGO TEM QUE SER CLASSIFICADO EM FEMINISTA OU MACHISTA?
*prevejo pessoas me chamando de mascu em 3,2,1..."

Anônimo disse...

E sim, você mesma está reduzindo o papel de cada personagem comentada só com a sua análise pobre e sem quase nenhum fundamento.

Só para te lembrar o que uma personagem que você diz ser "só interesse romântico" diz:
"Eu não sou de ninguém" Ygritte.
Essa é, sem dúvidas, uma fala bem poderosa. E aí, a Ygritte é só o par mesmo?

Juliana disse...

Pois é Rafa, eu acho muito estranho tanto ódio por uma garota indefesa. Ela não é excepcional, mas o ódio que as pessoas tem dela é assustador, ela é totalmente "feminina",delicada, frágil,submissa. Ela não tem muita escolha, mas vejo uma raiva no feminino, enquanto que personagens femininas com características mais "masculinas" têm muito mais a simpatia do público. Infelizmente não vejo como um olhar feminista dos haters da Sansa, e sim a velha repulsa e antipatia por características femininas, como algo inferior.

ps:http://garotasgeeks.omelete.uol.com.br/2014/04/21/game-of-mad-men-ou-mad-men-thrones/

Anônimo disse...

Lola, a partir dessa temporada verá que a Sansa tem tudo para ser uma das maiores jogadoras da série/livros. Deixará de ser "sonsa". É uma das personagens com maior evolução.

Anônimo disse...

Julia, digamos que esse povinho ainda tenha que vir ao mundo como barata > galinha > cachorro > vaca > e evoluir até chegar a ser-humano. Vai demorar, só digo isso.

Silvinha disse...

Acho a construção da Sansa incrível! É fácil gostar da Arya por motivos óbvios - é uma heroína clássica - e por algum tempo eu não gostava da Sansa. Minha opinião mudou, pois passei a entender que nem todas as heroínas precisam ser ágeis com a espada ou comandar os dragões. Ela foi criada pela família para ser uma rainha, temos que lembrar disso. Mas agora com tudo destruído, ela sobrevive como pode. A Arya no lugar dela já teria morrido faz tempo. Espero que o George seja benevolente com as duas...rs

Minha preocupação quanto a série: mudaram a cena do Jaime e com a Cersei e meu medo é que coloquem a Sansa em cenas mais ousadas por causa do público. Li em blogs internacionais comentários de alguns caras torcendo para que atriz completasse logo 18 anos, pois cenas de nudez passariam a ser permitidas. Medo!!

Abraços!

Anônimo disse...

Gente, acho que a sra Yasmin pode ser real, sim. Infelizmente existem mulheres que pregam essas "verdades universais" tipo minha vó de 88 anos. Só vou te contar uma coisa, menina. Duas, na verdade. Primeiro, é que em um espaço cheio de mulheres feministas, não haverá quem ouça tuas "opiniões". Segundo, queria te contar uma coisinha, cá entre nós, mulheres (que podem ser amigas, sim senhora): amore, eu trabalhava, fiz curso superior, engravidei e NÃO QUIS voltar a trabalhar. Fiquei em casa cozinhando, amamentando, costurando roupinha do marido, e tomando guampa (sabe o que é tomar uma guampa? Espero que não, É coisa daqui do sul, mas além disso é tambem coisa que dói pra cacete.). Então, tentei me conectar às minhas antepassadas que lavavam e engomavam (e embarangavam, e deixavam de ser pessoas interessantes) e falavam sobre cocô de filho passei a não fazer sexo mais

Anônimo disse...

Continua. Pq meu rico maridinho não sentia qualquer tipo de atração por minha pessoinha. E antes que alguém venha me dizer que isso não acontece com todo mundo, e que eu to julgando as decisões de tantas mulheres, empoderadas ou "anuladas", como nossa amiga yasmin, digo que é um risco que se corre tomando uma decisão dessas. Eu achei que não aconteceria comigo, e fui bem avisada, por uma senhora de 60 anos, que sequer me conhecia. Achei um horror o conselho, e decidi voltar rápido pra casa, pra esperar o maridinho com a comida pronta. Mal sabia eu que ele andava comendo fora. Felicidades, yasmin.

Dona do Sexo -Bonobo rules,Jaçanã forever disse...

Idependente de ser de epoca ou nao uma coisa que acho estranha é que alguma cena lesbica vai ter homem mas quando entre gay nao ocorre o contrario.Provavelmente essa serie seja assim tambem.Acho que como a lLei deMari colocou, isso tem fedor forte de lesbofobia,hein.

Meu feminismo é contra qualquer tipo mesmo de homofobia,tai mais um motivo pra nao considerar a produçao da serie feminista.

Arnold Sincero disse...

GoT feminista? Me fação rir!

Aquilo é o maior antro bucetista da face da Terra inteira, nunca vi oque aquele gordo infeliz do Martin faz é um descesviço a humanidade, só ecrinos assistem aquela merda, todos os homens são escravos de buceta, guerras, peste e fome, tudo por causa dos conchavos das mulherada que naquela séria idiota o que fazem é fazer conchavo.


PS: recado aqui para umas comentáristas, vc deveria é estar em casa lavando a pia e cuidando da casa e não aparecendo aqui dizendo coisas horripilentas.

Anônimo disse...

Anônimo disse...
É estupro só porque ela tem 13 anos? Gente, vocês se esquecem que a série/livros se passam em uma época medieval. Até ai, normal casar com 13 anos! E outra, a noção de infância é uma coisa relativamente contemporânea. Naquela época, as crianças eram consideradas mini adultos ( veja os contos de fada daquela época... eram para crianças daquela época, hoje você não contaria para as crianças de hoje, né?) É estupro se ela não quis e pronto. Esse negócio de idade é bem relativo.

23 de abril de 2014 23:47




--

Não, idade não é algo relativo. Hoje em dia mesmo em muitos lugares meninas de 13 anos ou mais novas são basicamente vendidas pra casar, vc acha q o sexo q elas fazem com o marido é consensual, sério? Se for pra aceitar contexto daquela época, então aceite tbm o das crianças de hoje em dia que são vendidas para se casar com homens com idade para serem seus avós. As pessoas falam em contexto da época se esquecendo que isso ainda acontece hj em dia..

Arnold Sincero disse...

Fredu explicaria tudo isso, é obssessão pelo penis, vc's nao podem ver uma cena que o falo prevalece sobre as vanginas que vc's ficam em pavaroza


só um toque pra vcez pensarem a respeito

Arnold Sincero disse...

Caralho, pq estou perdendo meu tempo aqui comentadno se seu que meus comentários a balofa dona deste "blogue" (só ela escreve blog, assim na blogsfepra inteira) naão vai aproviar, eu fico me perguntando seriamente o que estouf azendo coma cabeça que desperdiçsso meu tempo trazendo verdades mas já disse jesus não adianta jogar perolas aos porcos pq eles vãoun pensar que é milho.

lola alternando os fakes para não ficar com muita vergonha na cara, eu não acha q sei disso? monitoro os blogs feministas 24hrs eu sei de tudo que tá acontecendo

Anônimo disse...

Sinto-me decepcionada em vê-la criticando uma das únicas personagens realmente feministas da série com um adjetivo-trocadilho tão... infantil. Brienne e Arya são personagens realmente admiráveis (e feministas) nos >livros<, nenhuma das duas têm frases como ``Pare de chorar que nem mulherzinha´´ ou ``Toda garota é estúpida´´, como colocaram na série - o que fez ambas as personagens decaírem vertiginosamente em meu conceito pelas escolhas de diálogos dos roteiristas da série. Já Sansa é criticada por ser uma garota ordinária que deve armar-se da cortesia para sobreviver. Por que? Porque ela é mais feminina? Realmente decepcionante.

Anônimo disse...

Orange is the new black: quer uma serie feminista/nao-racista/nao-lesbofobica/nao-transfobica/nao-moral-crista/fuck-society então assiste essa aí

Anônimo disse...

"You sound like a bloody woman." Brienne no s03e04 http://tvrecappersanonymous.files.wordpress.com/2013/04/bloody-woman1.gif
"Most girls are idiots." Arya no s02e07
http://thedisorderofthings.files.wordpress.com/2013/06/arya-says-most-girls-are-idiots.gif

Se Sansa é Sonsa, Arya e Brienne são preocupantemente machistas.

Anônimo disse...

Mas o que eu estou dizendo é que do caso da Dany ela aceitou sim, ela quis sim.
Tá, acontece hoje em dia... mas acontecia e era comum no passado. A série retrata um período medieval (mesmo com dragões haha), ou seja, um período que casamento com 13 anos era normal, principalmente se fosse para selar acordos. Eu achei bem nada a ver sua comparação. É certo que hoje é uma coisa estranha e que causa repúdio, concordo, 13 anos a pessoa é uma criança. Mas na época não era assim. E não é só porque a série tem gente nova se casando que eu vou colocar o rotulo de "machista".
Por que se eu tenho que aceitar o contexto histórico de algo que acontecia eu tenho que aceitar o de hoje? Hoje o mundo está mudado, bem diferente de como era na Idade Média.
E não, não acho legal pessoas de qualquer idade sendo vendidas para casar, nem hoje e nem no passado, mas era algo comum.

Janna disse...

Khal Drogo não era "um drogo", ele era um DOTHRAK! Acho um tanto preconceituoso dizer essas coisas sobre a cultura deles, só pq eram diferentes do povo de westeros.
Ele não a usou como bicho. Ele foi extremamente gentil, ao ponto de ser chamado por Daenerys de "meu sol e estrelas"!
A cultura diferente n é sinônimo de violência!

Caroles disse...

Na série eles fazem as mulheres perderem a força que têm nos livros, na minha opinião. Eu acredito que no fim da história teremos uma rainha em Westeros, não um rei... mas penso isso porque li os livros. Só pela série não dá pra pensar assim. Lola, leia os livros assim que puder!

E pra quem tá dizendo que a primeira vez sa Dany foi estupro no livro também: não, não foi. Ele até deixa claro pra ela que não sabe muitas palavras da língua dela, mas que entende a palavra NÃo, e que se ela quisesse, ele pararia. O Khal era bruto pra muitas coisas, mas eu gosto muito do jeito como o amor deles é construído no livro.

Ah, e o ator que faz o John Snow disse numa entrevista que quer mais nudez masculina na série. PFVR atendam o pedido dele! Haha

Kittsu disse...

Que piada.
Em profissão tipicamente feminina, homens que são minoria ganham mais e tem tapado que não vê isso como discriminação.

http://noticias.terra.com.br/educacao/minoria-professores-homens-de-educacao-basica-ganham-mais,a7475f6dd2395410VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html

Aí em profissões tipicamente masculinas, mulher ganha menos e justificam que "ganham menos porquê são minoria porquê mulher não tem interesse nessa profissão". E aí vão realçar as discriminações (que são dignas de nota, sim) pra tentar mostrar como o mundo é injusto com os homens... sem apontar que o motivo dessas discriminações é justamente o desafio que dizeram à determinação dos papéis de gênero - e que mesmo confrontando esse tabu eles saem ganhando pelo menos monetariamente e conseguem vingar na profissão, enquanto mulheres que fazem o mesmo não só sofrem discriminação como ganham menos e não raramente acabam tendo que abandonar a carreira por conta da pressão e ameaças de violência. sifudêviu.

Rosilda disse...

Oi, Lola, que legal vc comentando a série!

Então, não acho que Games of Thrones seja feminista, mas também não acho que seja misógino, por conta dos personagens femininos fortes, por serem pessoas mesmo e tal.

Concordo com os que falaram que a Sansa retrata a prisão a que fica submetida uma mulher. Ela é bonita, e todos falam o tempo todo disso, da sua beleza e delicadeza. O único lugar que ela concebe para si mesma no mundo é esse.

Para a Arya é relativamente mais fácil, exigem que ela seja mais delicada, mas as comparações com a irmã deixam claro desde logo que isso não é pra ela - parece ruim, mas no fim acaba sendo libertador.

Mas acho que a cena de estupro da Daenerys é pior do que a da Cersei, porque depois ela se envolve com o Kal Drogo - então, segundo a série, Dany se envolve e se apaixona pelo seu estuprador, o que é bastante machista. Se fosse "fiel" aos livros a cena seria longa e delicada, e só haveria sexo após a Daenerys dizer que sim (Drogo só conhecia, aparentemente, as palavras "sim" e "não" do idioma de Dany).

No caso da Cersei tem o problema do castigo da mulher má e tal, mas pelo menos sabemos que o relacionamento Cersei-Jaime está um tanto deteriorado e tende a piorar.

Anônimo disse...

Sawl para Arnold o louko(ou a louka, kkk)

Anda reparando muito em pênis hein rapaz! kkk
Talvez essa seja a razão de odiar as mulheres.
Antes que alguém me interprete mal, gays amam as mulheres, enrustidos e brochas frustrados as odeiam!

Sawl - Always the rebel

Anônimo disse...

O menino passa 24 hs por dia lendo blogs feministas e ainda não aprendeu nada. mas se ainda não aprendeu a escrever, não deve saber ler. Tá explicado. Lola, podíamos transformar os posts em áudio, assim o amigo da pre-escola pode saber do que se trata a coisa aqui!

Anônimo disse...

Muito simples de explicar.
Não existem mocinhos e bandidos na série.
Todos fazem o que é necessário para sobreviver.
São egoístas, manipuladores, egocêntricos e maus.
Em suma, são seres humanos.
O Martin simplesmente está retratando a vida dos seres humanos, transporte a série para qualquer época, exclua todos os elementos sobrenaturais e ela continuará exatamente a mesma coisa.
Porque quem lê as besteiras que vocês escrevem até pensa que toda mulher é uma vítima indefesa, que as mulheres são incapazes de cometer maldades e que hoje em dia não ocorrem estupros e demais violências, tanto de homens contra mulheres, quanto de mulheres contra homens.

Victoria disse...

Tenho que discordar em parte do que foi escrito.
Obviamente, fico muito chateada com a mudança uma cena muito importante do livro, e eu também considero que a série sexualiza as mulheres de maneira negativa para atrair público.
Nunca considerei a série como feminista... o objetivo (nem do livro, muito menos da série) nunca foi de mostrar mulheres em luta por seus direitos, apesar de de mostrar personagens femininas fortes.

Mas justamente, a história acontece em um mundo feudal extramente machista e violento, e os personagens de moralidade ambígua são essenciais para mostrar a complexidade desse universo.
Jaime Lannister é um desses personagens: ele não é bom, nem mau, isso não existe na série. Pois bem, ele tem diversas qualidades... mas também empurrou um garoto de 8 anos da janela, e estuprou a irmã - não existe uma "redenção" que vai fazer ele bonzinho de um dia pro outro.
Acho isso interessante pra construção do personagem.

E também não acho que quiseram justificar o estupro "porque ela é uma mulher odiosa". Há muito sobre a história da Cercei que ainda não foi revelado pela série, e que dão uma outra perspectiva das suas ações.
Não sei qual foi a razão pra eles modificaram a cena original do livro, mas pode ser que mais pra frente, isso venha a completar a personalidade extremamente ferida e o ódio que a Cercei tem de ter nascido mulher.

O que não é justificável, na minha opinião, são as negações de que a cena foi de estupro, porque foi sim.

Ana disse...

hahahaha!!! Só eu acho que o Arnold é uma gozação?

Arnold Sincero disse...

Sal

Pois nãun sou eum que ve penis e machismo em tudo, é vc, descipula da balofa

fique tranqkila que horno os pilares da nação, amando a familia e sendo viril, tipo boi reprodutor.

quem muito dezpresa muito quer comprar.

reflita

Fernanda disse...

Adoro a Sansa. Até agora, ela conseguiu sobreviver muito bem com as armas que possui. Acho que precisamos tomar cuidado em não tachar somente as personagens guerreiras como feministas. A Sansa não tem qualquer escolha, o que ela fizesse contrário às ordens dos Lannisters significaria sua morte.

Luciana disse...

"tipo boi reprodutor"...

o cara pede pra ser zuado né... to me segurando para não alimentar o troll

Anônimo disse...

Ô Touro Bandido, hein?! Te vejo na Expointer.

Kittsu disse...

Janna, os dothraki são bem escrotinhos sim. a grandiosidade das festas deles se mede por quantas pessoas morreram. eles fazem distinção entre as mulheres dothraki e não-dothraki da seguinte forma: as primeiras são éguas, valorosas, guerreiras, dignas de respeito. as não-dothraki são cabras, imundas, o destino delas é serem escravas sexuais (para a mitologia desse povo, os equinos são o simbolo da nobreza de seu povo).
Quando o lider apresenta qualquer sinal de fraqueza, é eliminado e se segue um combate violento para que o mais agressivo assuma a liderança.
Tanto que a causa da morte do khal drogo foi que uma curandeira agravou o ferimento dele por vingança pelo que fizeram ao povo conquistado (foi estupro pra todo lado).

O que me leva a crer na incoerência do estupro da kahleesi decorre não dos hábitos violentos daquele povo, mas sim porquê um khal não se desonraria casando com uma "cabra" (escrava sexual, prostituta). Se casaria com uma "égua" e a trataria como os de seu próprio povo, e a honraria como tal, em pé de igualdade.

Dona do Sexo -Bonobo rules,Jaçanã forever disse...

Parece que os livros seja bem diferente da serie hbo pelo q ouço falar.Vou ver se leio pq essa serie nem quero cruzar mais, só ta afim de fazer gostinho dos homens misoginos.
Ate apagar o brilho dos livros das mulheres fortes eles estao fazendo.QUE COISA FEIA!

Se eles tivessem a mao na consciencia muitos recursos audiovisual sexistas,machistas eles porem na lixeira.

Dona do Sexo -Bonobo rules,Jaçanã forever disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nane disse...

Yasmin, o que vc faz num blog feminista? Segundo sua opinião, cuidar da casa não é mais importante? Então anda menina que vai acumular louça na pia!

Afffff

donadio disse...

"Uma das coisas que eu critico no movimento feminista radical"

Mas o que é, ou seria, ou poderia ser esse tal "movimento feminista radical"? Seriam as RadFems? Por que de onde eu olho, elas talvez até sejam "feministas", mas não são nada, nem um pouquinho, "radicais"...

Ou seria alguma outra coisa? O quê, por exemplo?

donadio disse...

"só ecrinos assistem aquela merda, todos os homens são escravos de buceta, guerras, peste e fome, tudo por causa dos conchavos das mulherada que naquela séria idiota o que fazem é fazer conchavo."

Pelo tanto que você sabe a respeito da série, você deve assisti-la, e é, portanto, um "ecrino" (seja lá o que isso for).

Ou quem sabe você não é um ecrino, e não assiste à série, e tudo que você "sabe" a respeito dela é invenção da sua própria cabeça?

EneidaMelo disse...

Muito do que a Juliana disse me representa.

Não vou dizer que não gosto de Game of Thrones, nem que não reconheço a presença de várias personagens femininas fortes. No festival de invisibilidade feminina que temos na TV e nos livros, a série (em ambas as mídias) realmente se sobressai nesse aspecto. Mas daí a chamar a série de feminista, como tenho visto por aí, acho um exagero.

Acho a construção dos personagens do livro boa, bem complexa, bem contraditória (gosto demais de histórias sem maniqueísmo). É muito difícil encontrar autores que se dão tanto ao trabalho de construir personagens femininas complexas. É nítido o cuidado com que ele faz isso e, inclusive, é notável como ele, no meio de tanta matança, escolhe não matar as personagens femininas principais. Difícil que, no meio de um deserto de personagens femininas com um mínimo de complexidade, ao nos depararmos com esse oásis, não tenhamos escolhido uma personagem favorita.

Mas a construção das personagens femininas tem um viés que não consegue fugir do meio misógino em que estamos todos inseridos. Culpa do autor? Mais ou menos. Eu também, volta e meia, sou obrigada a me deparar com algum machismo meu escondido no meio das ideias.

Tô sem tempo pra desenvolver muito, então só dá pra falar superficialmente. (ALERTA DE SPOILERS)

Vou pegar aqui minha personagem predileta, a Daenerys:

Não critico aqui a questão dela ter sido vendida e violentada pelo irmão. Nem sequer o fato dela ter sido violentada pelo marido. Tudo isso numa idade que, na nossa cultura, seria considerado cedo demais.

Mas me incomoda sobremaneira que o autor tenha construído a personagem de forma que ela se apaixone pelo estuprador - o Drogo. Me incomoda que no último livro, o autor tenha escolhido colocá-la numa trama em ela faz um retorno a esse início casando-se por obrigação política, novamente em prol de uma aliança.

São as escolhas que ele faz no caminhar da trama que me incomodam. Me parece que ele tentou (e até conseguiu) dar a partida de uma forma diferente - com várias mulheres 'fortes', mas ao dar andamento às tramas, ele não consegue fugir das escolhas de todos, das escolhas de sempre.

Também superficialmente sobre a Cersei. De fato, a escolha de mostrar ela questionando sobre o porquê de não poder ser governante é positiva, mas aí ele escolhe fazê-la tomar decisões estúpidas como a confirmar que a decisão de não colocá-la pra governar sempre esteve correta. Dá margem a essa interpretação. Me irrita isso.

Enfim, eu gosto dos livros (não vejo a série na TV), tem sido minha série favorita sim, mas...

Anônimo disse...

~~SPOILER ALERT~~

Olha por já ter lido os livros e agora vendo a serie percebo que nos livros Jaime tomou um rumo diferente comparado à serie.
No livro tudo que Jaime sofre com Brienne faz com que ele mude de atitude, é nítido que a personalidade do Jaime está mudada quando ele chega a King's Land ele começa e reprovar certas atitudes de Cersei e se parecer com o estereotipo do personagem "bom" se distanciando da irmã que começa a enlouquecer, sem contar o fato de que Jaime não chega a ver o casamento de Joffrey.
No caso da serie eu senti que a personagem ficou contraditório, pois o mesmo salva Brienne de um estupro e reprovava claramente o que Robert, o marido de Cersei, fazia. Senti que passaram por cima de toda a historia só pra inserir essa cena.
Sobre os livros nunca achei que o autor fosse machista e diferença é que o mundo em que as personagens estão é machista, mas o autor não, ele constrói cada personagem feminino com profundidade e todas elas tem um impacto do rumo final da historia. É uma pena o que fizeram coisa esse episodio...

Ana

Maíra disse...

Lola, você falou tudo, como sempre!
Sou fã da série e dos livros, mas já me decepcionei MUITO com os criadores da série, por mudarem muitos detalhes importantes da história original! São muitos os indícios de que os criadores da série são machistas, pois não são apenas essas cenas de estupros (e que não são estupros nos livros!) onde eles mostram essa misoginia! Muitas personagens, por exemplo, são muito mais interessantes nos livros do que na série, especialmente as mulheres! Fiquei chocada com essa cena do estupro da Cersei e do Jaime, porque isso não condiz em NADA com o livro e nem com os personagens, especialmente com o Jaime! Fiquei me questionando onde os autores da série pretendem chegar com isso. Uma pena uma história tão bacana ser estragada dessa forma!

pp disse...

Lolinha, leia os livros sim! Eu sou super viciada. Na verdade, nem vou comentar profundamente sobre o post pq senão vou soltar spolers, não consigo me conter!

Só digo que o que me incomoda mais do que as modificações feita pela série (até pq são duas obras diferentes) em relação ao livro é o fato de não admitirem que é uma cena de estupro... Maaas não vou falar oq acho sobre o desenvolvimento do Jamie, senão teria de entrar nos próximos episódios.

E minha aposta para quem vai ficar com o trono de ferro é uma mulher que ainda não apareceu na série!

Gabriela disse...

EneidaMelo




Não critico aqui a questão dela ter sido vendida e violentada pelo irmão. Nem sequer o fato dela ter sido violentada pelo marido. Tudo isso numa idade que, na nossa cultura, seria considerado cedo demais.

Mas me incomoda sobremaneira que o autor tenha construído a personagem de forma que ela se apaixone pelo estuprador - o Drogo. Me incomoda que no último livro, o autor tenha escolhido colocá-la numa trama em ela faz um retorno a esse início casando-se por obrigação política, novamente em prol de uma aliança.


Vale lembrar q a cada cap entramos na mente dos personagens e isso obviamente afeta a narrativa.A Danny sofre de Síndrome de Estocolmo isso é óbvio.Acontece q como estamos dentro de sua mente a vemos idealizando o Drogo.Ninguém com Síndrome de Estocolmo pensa q está doente.Então é claro q ela acha q está apaixonada.Uma dica minha é tentar não se esquecer q enxergamos o mundo de Westeros e Essos através dos olhos dos personagens.


Também superficialmente sobre a Cersei. De fato, a escolha de mostrar ela questionando sobre o porquê de não poder ser governante é positiva, mas aí ele escolhe fazê-la tomar decisões estúpidas como a confirmar que a decisão de não colocá-la pra governar sempre esteve correta. Dá margem a essa interpretação. Me irrita isso.


É claro que a Cersei iria falhar.Sabe Por que? Ela não foi educada para governar.Os herdeiros da nobreza são ensinados desde a mais tenrra idade a governar. É por isso q o Ned falha(ele era um segundo filho)Isso a parte basicamente todo mundo falha politicamente falando na série.O Tywin Lannister causou a queda da própria casa.O Robert faliu o reino.O Robb falhou na diplomacia.Ao sequestrar a lyanna stark,rhaegar targaryen iniciou uma série de eventos q culminaram na morte de sua família...
Vê não são só as mulheres q erram quando alcançam o poder.Não nessa série pelo menos.

Anônimo disse...

h disse...

Só queria comentar pro Anônimo lá em cima falando da série Vikings.

Assisto. Acho um absurdo histórico tudo aquilo, mas me divirto bastante, especialmente por causa da Lagertha (desde a Red Sonja, do Robert E. Howard, a ficção de capa e espada tem carecido de mais heróinas fortes e interessantes).

Mas nessa série, também, tem uma cena de estupro que foi igualmente mal colocada, pouco aproveitada na história e depois ficou por isso mesmo.


Eu sou o Anônimo lá de cima.

Verdade, concordo plenamente tem muitos absurdos.

Se bem que algumas coisas são verossímeis como o ataque aos padres na Inglaterra, aconteceram muitas vezes e eles geralmente matavam todos.

A questão da cultura deles é que não dá para ter certeza.

Por exemplo, não se pode saber com certeza se eles faziam sacrifícios humanos como aparece lá.

Eu gosto bastante, só é preciso ter em mente que é ficção e não um relato fiel.

EneidaMelo disse...

Gabriela, de fato, a Síndrome de Estocolmo descreve bem a questão da Daenarys. Mas o autor poderia ter deixado isso claro, nem todo mundo percebeu isso (talvez nem o próprio autor). O capítulo ser do ponto de vista da personagem não impede que ela receba feedback de outras personagens. Não impede que haja um outro capítulo de outra personagem em que se reflita sobre a situação da Daenarys. E o autor escolhe enredá-la de novo num casamento contra a vontade, como a confirmar uma visão muito comum de que mulheres só chegam e se mantém no poder usando do próprio corpo (não é assim também com a Cersei?).

Quanto às escolhas de Cersei como governante, não é uma escolha ruim que dá merda (como foi a de Catelyn, ou a de Sansa). É uma sucessão de besteiras que ela faz.

E eu discordo que o Ned falhe por que era um segundo filho. Nobres estão carecas de saber que primeiros filhos morrem. Todos os filhos são educados para governar, mesmo que no final só apliquem isso à sua Casa. E discordo também desse "É claro que a Cersei iria falhar" pois "não foi educada para governar". As pessoas não são apenas educadas para, elas se educam, elas aprendem, elas muitas vezes nascem com esse dom. Viserys foi educado para governar? Não. Mas dentro do objetivo dele, ele faz escolhas que cumprem esse objetivo.

Gabriela disse...

EneidaMelo




de fato, a Síndrome de Estocolmo descreve bem a questão da Daenarys. Mas o autor poderia ter deixado isso claro, nem todo mundo percebeu isso (talvez nem o próprio autor). O capítulo ser do ponto de vista da personagem não impede que ela receba feedback de outras personagens. Não impede que haja um outro capítulo de outra personagem em que se reflita sobre a situação da Daenarys. E o autor escolhe enredá-la de novo num casamento contra a vontade, como a confirmar uma visão muito comum de que mulheres só chegam e se mantém no poder usando do próprio corpo (não é assim também com a Cersei?).

"House Targaryen has friends in the Free Cities," she reminded him. "Truer friends than Xaro or the Pureborn."

"If you mean Illyrio Mopatis, I wonder. For sufficient gold, Illyrio would sell you as quickly as he would a slave."

"My brother and I were guests in Illyrio's manse for half a year. If he meant to sell us, he could have done it then."

"He did sell you," Ser Jorah said. "To Khal Drogo."

Dany flushed. He had the truth of it, but she did not like the sharpness with which he put it. "Illyrio protected us from the Usurper's knives, and he believed in my brother's cause."


O texto é claro.Dany foi vendida e não ha nada romântico nisso.Não é culpa do autor q as pessoas romantizem relações de abuso.Vide Elena e Damom de TVD q as pessoas shipam embora seja uma relação abusiva e doentia.Como ela vai refletir sobre isso se ele foi mais bondoso com ela do q a maioria?Ele não bateu nela e não a dividiu com seu khalasar.Não é de se estranhar q ela o idolatre.Síndrome de Estocolmo nem é um conceito existente em seu mundo como ela vai separar amor de algo q ela nem sabe q existe?No nosso mundo é necessária muita terapia para quebrar o encanto q o abusador tem sobre sua vítima.Não se resolve sozinho.Eu não possuo um super poder ou uma inteligência acima da média.Se isso ficou claro na primeira leitura eu acredito q está claro para todos.E de novo,se eu fui capaz de ler isso é por que esta no texto.

Quanto a questão do casamento isso não acontece só com mulheres.Joff se casa com Margaery Tyrell não por amor mas por necessidade.O Robb também não casa por amor.A Cat até chega a lamentar q sua nora não seja a garota Tyrell,porq ela garantiria a vitoria do Robb.Reis e Rainhas não casam por amor.Mas para estabalecer/manter paz(é o caso da Dany),expandir exércitos e fortunas...



E eu discordo que o Ned falhe por que era um segundo filho. Nobres estão carecas de saber que primeiros filhos morrem. Todos os filhos são educados para governar, mesmo que no final só apliquem isso à sua Casa. E discordo também desse "É claro que a Cersei iria falhar" pois "não foi educada para governar". As pessoas não são apenas educadas para, elas se educam, elas aprendem, elas muitas vezes nascem com esse dom. Viserys foi educado para governar? Não. Mas dentro do objetivo dele, ele faz escolhas que cumprem esse objetivo.

Isso é verdade no nosso mundo mas não em Westeros.O Ned nem foi criado no norte.Ele é mais Arryn q Stark.E durante toda sua vida foi educado como militar.A Cat tinha mais entendimento político q ele.Os Tyrell têm como herdeiro o Willas e mandam o Garlan para uma guerra sem pensar q o primeiro pode morrer, logo por o segundo filho em risco não é exatamente inteligente.Loras entra pra guarda real.E se seus irmãos morrerem?Benjen Stark foi pra patrulha da noite...


Quanto ao Viserys... ele se saiu muito bem!Ele conseguiu a coroa q tanto queria e isso deve contar como vitória de alguma forma.

Karina Penax disse...

Ma-ma-mas Lola, a Dany SÓ tinha 13 anos, e sei lá, devo estar errada, achei super pedobear o Drogo querer transar com uma menina de 13 anos, ela nem se parecia com uma mulher, o Viserys fica preocupado com isso (não com ela ser estuprada, com o Drogo não gostar de transar com a Dany por ela ser criança demais) :(
Sei que na época não existia esse conceito de estupro, pedofilia, etc, mas sei lá, achei mega bizarro no livro também :O

Anônimo disse...

Tantos comentários que fica até difícil de ler todos.

Li até uma parte do quarto livro e lembro que a coisa que mais me incomodou foi quando, numa revolta popular contra o rei Joffrey, uma jovem personagem que vivia na corte entre os nobres, foi estuprada por mais de uma dezena de populares.

Não lembro o nome da personagem e tô sem o livro agora pra conferir, mas o estupro coletivo me assustou. E o pior foi o tratamento que outros personagens deram ao caso. Trataram ela como uma chorona e não houve qualquer sensibilidade, até por parte do autor com o que ocorreu com ela.

Ela ainda engravidou desse estupro coletivo e foi alvo de chacota no livro. Situação nojenta!

Anônimo disse...

Achei o nome da personagem. Ela se chama Lollys Stokeworth.

No livro 2(A fúria dos Reis) há um tumulto em Porto Real e vários personagens conseguem se abrigar na Fortaleza de Maegor. Dentro da fortaleza a Senhora Tanda aos prantos começa a perguntar a todos sobre sua filha, mas quase todos a ignoram.

Então na página 387 do livro é informado o que aconteceu com ela: "A filha da Senhora Tanda cedera sua virgindade a meia centena de homens aos gritos atrás de uma tanoaria. Os homens de manto dourado tinham-na encontrado vagueando, nua, pelo Quarteirão do Porco Salgado."

O livro dá a entender que Lollys tem algum tipo de retardamento mental.

Cersei Lannister acaba fazendo com que Bronn, um mercenário que trabalhava para Tyrion, se case com Lollys. Então uma das personagens diz que o filho de Lollys ia se chamam Twyin, em homenagem ao pai de Cersei. Cersei fica revoltada e proíbe que o filho "bastardo" de Lollys tenha esse nome.

Posteriormente, o filho acaba se chamando Tyrion, em homenagem ao anão. Olha o que os personagens comentam sobre isso:

"— Veio um pássaro — ele disse. De Stokeworth. A Senhora Tanda
diz que sua filha Lollys deu à luz um filho forte e saudável.
— E você não acredita o nome que deram ao bastardinho, irmão.
— Eles querem chama-lo de Tywin, se me recordo.
— Sim, mas eu proibi. Eu disse a Falyse que eu não queria o nobre
nome do nosso pai dado a uma cria de um porquinho e de uma porca fraca
de raciocínio.
— A Senhora Stokeworth insiste que não foi ela que deu o nome à
criança — Grande Meistre Pycelle apontou. Sua testa enrugada pontilhadade suor. — O marido de Lollys escolheu, ela escreve. Este homem Bronn,
ele... Parece que ele...
— Tyrion, arriscou Jaime. Ele chamou o filho de Tyrion.
O velho balançou a cabeça tremendo, enxugando a testa com a
manga de seu robe.
Jaime teve que rir.
— Aí está querida irmã. Você tem procurado por Tyrion por todo
canto, e esse tempo todo ele esteve escondido no ventre de Lollys.
— Engraçadinho. Você e Bronn são dois palhaços. Sem dúvida o
bastardo está chupando uma das tetas de Lollys Lackwit enquanto falamos,
enquanto este mercenário olha, rindo de sua insolenciazinha.
— Talvez essa criança carregue alguma semelhança com seu irmão,
sugeriu a Senhora Merryweather. Ele pode ter nascido deformado, ou sem o
nariz. Ela deu uma risada gutural.
— Nós enviaremos ao nosso querido menino um presente, a rainha
declarou. Não é, Tommen?
— Podemos lhe enviar um gato.
— Um leãozinho, disse a Senhora Merryweather. — Para arrancar
sua garganta fora, seu sorriso parecia sugerir."

Depois disso, acho que nada mais me surpreende nos livros. Será que o autor se diverte sendo tão sádico?

Lidiany CS disse...

Lola, passei pra dizer que adorei o post e mais ainda que fui mencionada nele. Depois de uma semana lendo os absurdos e mimimis dos mascus lá na caixa de comentários, não me arrependi de ter postado!
Saiba que você é minha grande mentora feminista! rsrsrs
<3

lola aronovich disse...

Ah, que amor, Lidiany! Obrigada! Fiquei muito bem impressionada com o seu post. Depois ouvi um podcast em que vc também é mencionada. Pelo jeito Game of Thrones está super bem representado no Brasil. Parabéns pelo seu trabalho, Li!

Lidiany CS disse...

Ahh Lola sou a criadora do Game Of Thrones BR, escrevo, mas não participo do podcast. Além de mim tem a Ana Carolina de mulher na equipe e o pessoal parece simplesmente não aceitar que duas feministas possam comentar e manter o primeiro e maior site sobre a série no Brasil. Você não tem ideia do que a gente passa nos bastidores...

Fiquei muito chateada com essas coisas que eles estão fazendo com a série, sempre relevei algumas modificações, mas não aceito os rumos que eles estão dando para o núcleo feminino da série.

Achei muito importante suas colocações pq ao contrário do que muita gente estava comentando lá no site não é apenas uma série e não é apenas ficção, é uma das maiores séries da atualidade, que a maioria dos jovens de hoje acompanha e curte e por isso, uma mensagem dessas é simplesmente absurda, ainda mais com as declarações dos produtores e diretor.
Apesar de ter atraído o ódio de boa parte dos mascus da internet, pelo menos acho que consegui passar a mensagem que queria para algumas pessoas. <3
Fiquei feliz mesmo de ver o post citado aqui, acompanho seu site desde os primórdios, acho que desde 2010 e sou sua fã. Abraço!!! ^_^

baduljp disse...

Adorável a terceira temporada de Game of Thrones , para mim o melhor evento de casamento roxo estava cheio de ação , suspense e me manteve na quarta temporada começou com o pé direito .

Inaiá Dantas disse...

Estupro era considerado uma parada normal nessa época pela maioria dos homens. Não achei nada de mais essa cena justamente por esse motivo.

Inaiá Dantas disse...

Estupro era considerado uma parada normal nessa época pela maioria dos homens. Não achei nada de mais essa cena justamente por esse motivo.

Anônimo disse...

Eu sou contra a estupro em qualquer situação,mas entendo que ali é ficção. O Drogo estuprou a Daenerys, e como alguém aí já disse, ele era um homem rude, estúpido, bruto, ele e seus homens sempre agiram como se os outros fossem suas propriedades e como se pudessem dispor de suas vidas. Isso é certo? Claro que não, mas eles eram assim e não iam mudar tão facilmente. Já o Jamie não estuprou a Cersei, e não estou dizendo isso porque ela é uma mulher realmente detestável, e nem penso que ela merecia, porque isso ninguém merece, mas isso tinha sim um contexto pra história, e como era série, isso começa a aparecer na 5ª temporada. Fora que a Cersei não consentiu num primeiro momento, mas acabou sim por consentir, ela não gritou, não fez escândalo. Oras, ela não era a Daenerys que era um bichinho assustado que foi vendida por seu irmão, ela tinha sim como se defender do Jamie, e ela não tentou. Sei que ele é mais forte fisicamente que ela, mas Cersei não é uma mulher frágil, ela teria o impedido se quisesse, a personalidade dela mostra que ela tem tudo o que quer. E sua personalidade é mais forte que a do Jamie. Eu vejo a cena não como mulher que sou, mas como pessoa. A Cersei perdeu o filho, o Jamie também. A Cersei estava o pedindo para que ele matasse o próprio irmão, o irmão que Jamie ama, e ele a conhece e sabia que ela faria de tudo pra acabar com Tyrion. Se ele a estuprou, ela o incitava a cometer assassinato contra um inocente. Ou seja, os dois cometiam crimes hediondos no mesmo instante. Por que o estupro é pior do que mandar matar? As duas coisas são deploráveis. Por isso eu fiquei de cara com esse post. Jamie Lanister jogou Brandon Stark de uma muralha, um menino de 10 anos, ele tentou o matar por ele ter o visto com sua irmã. Esse homem não é santo por ter salvo a Brienne. Ele é humano, e tem o bem e o mal dentro dele, e vez por outra é dominado por algum deles. Em nenhum momento o Jamie mostrou algum remorso por ter deixado o Bran paralisado. Sou totalmente contra estupro, mas imagino que uma pessoa que tenha coragem de matar uma criança, comete outros erros graves por sua vida a fora. Acho que estão colocando muita energia num fato que nem foi o pior da série. Lembram-se das mais de 100 meninas crucificadas pelo caminho? Ali as pessoas são torturadas, queimadas, esfoladas vivas, crucificadas, e estupradas, e nenhum personagem é santo.

Milene Maria disse...

http://www.gameofthronesbr.com/2014/05/em-defesa-de-sansa-stark-a-heroina-feminina-necessaria-em-game-of-thrones.html

Veja Lola!
Achei super interessante essa visão sobre a personagem de Sansa.

Beijos

Anônimo disse...

Eu fico pensando se a quantidade de estupros no game of thrones é realmente necessário pra a história ou éapenas para chamar atenção dos fãns masculinos que adoram se masturbar vendo essas cenas. Nem mesmo a Sansa escapou de ser estuprada.