segunda-feira, 31 de março de 2014

LUTAR OU NEGAR: AS REAÇÕES À PESQUISA DO IPEA

LEIA o post de 4/4 sobre a errata do Ipea
Já falei da chocante pesquisa do Ipea (leia na íntegra), divulgada semana passada, e agora vou falar um pouco da reação a ela. 
Algumas reações foram positivas, como a do governo dizer que as respostas mostram que é preciso maior investimento em políticas para mulheres. Ou a novela das oito da Globo incluir uma cena que critica as respostas retrógradas da pesquisa.
Diz o relatório que o levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada "teve por objetivo apurar percepções da população brasileira acerca de temas afetos à violência contra as mulheres. O pressuposto é de que a adesão a alguns valores e ideias traduz posturas mais ou menos tolerantes a este tipo de violência". O estudo foi inspirado numa grande pesquisa nacional sobre violência de gênero feita na Colômbia em 2009. 
A primeira frase da pesquisa do Ipea era "Os homens devem ser a cabeça do lar". Quase 64% dos entrevistados concordaram (41% concordaram totalmente). No relatório está escrito o seguinte: "morar fora do Sul/Sudeste, ser idoso (60 ou mais anos), homem, católico ou evangélico, e pouco educado, são características que aumentam a chance de concordância total ou parcial" com a frase.
Outras frases corroboraram a percepção do que é a família patriarcal para os entrevistados, e de como este é um modelo favorável para eles. Frases como "Toda mulher sonha em se casar" (quase 79% concordaram) e "Uma mulher só se sente realizada quando tem filhos" (60% concordaram) indicam o que os entrevistados pensam do papel da mulher. Já frases que abordavam a heteronormatividade (ver só o relacionamento hétero como "normal" e desejável) tiveram respostas mais divididas. Por exemplo:

46% discordaram da frase, e 41% concordaram. Quase 7% não concordaram nem discordaram. 
Este é um número condizente com tudo quanto é pesquisa em relação à tolerância do brasileiro à homossexualidade. Ainda estamos nos 50-50, sendo que as pessoas mais velhas são as mais conservadoras, as que menos aceitam.
Por mais que os entrevistados mostrem indignação com a violência doméstica contra a mulher (ainda que de uma forma meio esquizofrênica: querem ver o agressor na cadeia, mas não querem se meter), o machismo dos entrevistados fica explícito em frases como esta:

Pode ser que os brasileiros, através de muitas campanhas e leis, tenham avançado em relação ao que pensam sobre violência doméstica (percepção que, até agora, não significou diminuição dessa violência). 
O que eu noto é que as pessoas não veem ligação dessa violência com o machismo. Para elas, é um problema individual, do caráter de cada um, não social. Esta é também a visão que o pessoal costuma ter sobre estupro -- o estupro é coisa de psicopata, de uns poucos, não uma praga social.
O que as pessoas que questionam a pesquisa do Ipea parecem não entender é que não foram "perguntas tendenciosas". Não foi: "O que você acha de mulher que sai às ruas com roupa provocante?". Essa é uma pergunta aberta, que rende uma enormidade de respostas, que depois teriam que ser agrupadas pelos pesquisadores. Nem é uma pergunta fechada, do tipo "Você acha que mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas?", com alternativas sim/não/depende. 
Foram lidas aos entrevistados 27 frases (não perguntas -- afirmações), e cada entrevistado tinha que responder: concordo totalmente, concordo em parte, discordo totalmente, discordo em parte, ou não concordo nem discordo. Uma dessas frases era:

Quase 59% dos entrevistados concordaram, parcial ou totalmente, com a afirmação. 
Pra mim, e pra muitos analistas, a frase é categórica: põe a culpa dos estupros na vítima. Ela é que causou o estupro, por não saber se comportar. Claro, o que quer dizer "saber se comportar"? Isso está aberto a interpretações -- assim como qualquer afirmação em qualquer pesquisa, ué. 
Não é o entrevistador que vai explicar pro entrevistado o que é "saber se comportar". Será o entrevistado, com seus valores, com sua experiência de vida, que interpretará a afirmação. Para alguns, "saber se comportar" pode querer dizer não sair à rua. Para outros, pode ser não sair à rua à noite. Ou não sair à rua sozinha. Ou não sair à rua sem um homem. Ou não ir pra uma festa e beber. Ou não ir pra uma festa, ponto. Ou usar burka.
De toda forma, provavelmente todas as interpretações de "saber se comportar" tratam de como evitar o estupro-clichê, aquele que acontece em menos de 30% dos casos, que é o estupro por desconhecidos. Pro senso comum (e pesquisas trabalham com o senso comum), só existe esse tipo de estupro. O senso comum ignora que 51% das mulheres estupradas no Brasil têm menos de 13 anos (ou seja, são meninas), e que grande parte é estuprada dentro de casa.
Estou muito longe de ser expert em estatística, mas meu amado pai trabalhou boa parte de sua vida com pesquisa de mercado, e eu, em outra reencarnação, fui sua secretária e assistente durante dois anos, além de ter sido entrevistadora do Ibope por um breve período. Foi assim que vim ao Nordeste pela primeira vez, 24 anos atrás: para entrevistar 300 donas de casa sobre todos os produtos da Nestlé, em três capitais. Enfim.
Mesmo com meus parcos conhecimentos, eu vejo, sim, um problema de amostragem na pesquisa do Ipea. A amostra é fiel ao perfil do povo no que se refere às regiões (56% dos entrevistados vive no Sudeste e Sul, mesmo porcentual da população brasileira). 
Ótimo: se é pra se falar no "povo brasileiro", deve-se adotar uma amostragem que represente o povo brasileiro. E este povo não é quase 67% mulheres (cerca de 51% da população geral é mulher) nem 61% não branca. Muito menos 71% residentes em áreas não metropolitanas. Aliás, o relatório não explica o que quer dizer por "áreas metropolitanas" (segundo definição geral, seria uma área urbana densamente povoada, e as cidades ao redor deste núcleo -- por exemplo, a região metropolitana de SP inclui a capital e 39 municípios vizinhos). Se entendi direito, 44% da população do país vive em áreas metropolitanas.

Pra mim, esta é a falha mais flagrante de representatividade: se a pesquisa quer traçar o perfil do povo brasileiro, e 44% dele vive em áreas metropolitanas, por que apenas 29% dos entrevistados pelo Ipea vivem nessas áreas? Por que 67% da amostra é de mulheres, se "só" constituímos 51% da população? Quer dizer que o resultado poderia ter sido mais machista ainda, se mais homens tivessem sido entrevistados?
Um mascote do Olavo de Carvalho na Veja chamado Felipe escreveu dois posts (aliás, há ótimas oportunidades pra reaças que gostam de escrever, ainda que isso não queira dizer que saibam escrever: você pode ganhar um blog na Veja, ser pago para dar palestras pelo Instituto Millenium, e/ou publicar um livro pela Editora Record). Num dos posts, Felipe chamou feministas de feminazis (até aí, normal: vale lembrar que não foram mascus que inventaram o termo feminazi, e sim um dos maiores reaças americanos), e disse que o termo "atacar" na frase "Mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser atacadas" pode ter sido entendido pelos entrevistados como "criticadas" ou "paqueradas" (aham), nunca estupradas! Isso só na cabeça doentia de feminazis!
Campanha reaça para negar a pesq
Noutro post, além de dizer que a pesquisa foi feita para vitimizar "ainda mais" as mulheres, Felipe aproveita para atacar o Ipea (atacar não no sentido de estuprar, já que é preciso, segundo ele, explicar o sentido das palavras sempre, pois as pessoas não entendem o contexto), pois é um órgão do governo e tá no manual da Veja atacar tudo que seja do governo.
Felipe, porém, consegue um acerto: "Se a palavra 'atacadas' fosse trocada por 'espancadas' ou 'estupradas', é evidente que o resultado teria sido mais ameno". 
Sim, é verdade, e essa é uma constante em qualquer pesquisa que queira medir percepções sobre estupro. A palavra estuprar tem uma carga pesadíssima, e há muitas interpretações sobre o que configura ou não estupro (desde 2009, aqui no Brasil, a definição para este crime ficou mais ampla). Tipo: neste estudo das Nações Unidas, provavelmente o maior sobre violência sexual no mundo, não se usou a palavra estupro. Porque as pessoas não sabem o que é estupro. Então, o estudo perguntou aos homens se eles já "forçaram sexo" (o resultado foi que um em cada quatro homens respondeu "sim"; ou seja, um em cada quatro disse ter estuprado uma mulher em algum ponto de suas vidas).
Este estudo, com estudantes universitários dos EUA, substitui a palavra estupro por "você já tentou fazer sexo à força ou ameaçando usar a força?" e "você já tentou fazer sexo com alguém que não queria porque ela estava intoxicada demais para resistir?".
Se essas e tantas outras pesquisas tivessem usado o termo "estuprar", o resultado seria diferente, decerto. O que não nos impede de interpretar que sim, estupro é "forçar sexo", "fazer sexo à força", "fazer sexo com alguém que não queria", "fazer sexo sem consentimento", e que "atacar", no contexto de "usar roupas que mostram o corpo", tem muito mais a ver com "estuprar" que com "paquerar" ou "criticar".
Outro sujeito, um tal de Adolfo, que não sei se é reaça ou não (ok, claro que é), portanto, vou linká-lo, até fala coisas relevantes nos primeiros seis minutos. O que ele diz é que a amostra da pesquisa não é aleatória, porque se você vai fazer uma entrevista na casa de alguém durante o horário de trabalho, quem encontrará em casa? Mais mulheres (um dos primeiros pontos que pensei foi: por que tantas mulheres foram entrevistadas?), muitas babás e empregadas (e donas de casa, estudantes, aposentadxs).
Só que pouco depois Adolfo põe tudo a perder ao concluir, como fez o Felipe, que os resultados da pesquisa não são machistas (porque os entrevistados condenam a violência doméstica -- como se contradições não pudessem existir). Pior ainda: Adolfo tenta justificar que "uma mulher vestida de forma inadequada estimula a agressão". 
Suas palavras a partir daí são francamente asquerosas: "Veja, imagina uma mulher de calça jeans, imagine uma mulher de minissaia: qual mulher é mais fácil de estuprar? Isso não é uma questão de opinião, isso é um fato! Uma mulher que tá usando calça jeans, fisicamente é mais difícil ela ser violentada do que uma mulher que está usando minissaia. [...] Então boa parte dessa resposta que chocou as pessoas pode estar refletindo não um grau de machismo na população brasileira mas uma constatação básica". 
Bem, vamos tentar ver o lado bom: o "fato" de Adolfo explica por que mulheres de burca também são violentadas (pelo jeito é mais fácil estuprá-las que a mulheres de calça jeans; calça jeans, a partir de agora, deve ser adotado como uniforme anti-estupro, inclusive para as meninas de 5 anos que são estupradas por seu pai ou padrasto).
Alguns dos resultados da pesquisa são tão terríveis que geraram uma mobilização imediata. Na sexta, uma jovem jornalista começou um protesto online, o #NãoMereçoSerEstuprada, que atraiu um montão de gente (eu inclusa), e repercutiu em toda a mídia tradicional (a internacional inclusa). Certamente foi um sucesso (tomei a liberdade de, neste post, usar algumas imagens do protesto para ilustrar o texto).
Quer dizer, foi um sucesso em partes. Foi porque mostrou que existe muita gente, digamos, os 35%, que não acham que uma mulher que mostra o corpo merece ser atacada. Mas infelizmente a reação ao protesto comprovou o que grande parte das feministas já sabia -- que tá cheio de lunático que realmente acha que mulheres devem ser atacadas. A página do protesto no FB foi hackeada e acabou sendo fechada.
Uma das ameaças
Em poucas horas, a autora da campanha foi ameaçada de estupro. Isso é muito, muito comum. Eu recebo ameaças de morte, estupro, tortura, desmembramento, toda semana. Basta ser mulher pra receber ameaça de estupro (num estudo, a Universidade de Maryland criou contas fakes para interagir em fóruns. As contas com avatares femininos receberam uma média de cem mensagens ameaçadoras por dia -- isso porque não existe cultura de estupro, é só impressão nossa). 
Este blog printou algumas das imagens mais chocantes desses dementes.

Será que são babás que deixam essas ameaças? 
Será que, depois de ler essas ameaças, essas piadinhas, o tal do Adolfo ainda acha que apenas "a empregada doméstica, a faxineira, a babá" (quem ele acha que respondeu à pesquisa do Ipea) pensa que mulher que anda com pouca roupa merece ser atacada? Quantos minutos você precisa passar na internet para se dar conta que é exatamente essa a percepção no ambiente virtual?
Podemos e devemos questionar a amostragem do Ipea. Mas duvidar que a percepção predominante é que mulheres "merecem ser atacadas", e que é o comportamento delas que causa todos os males, é desconhecer um pouco o mundo onde se vive.
O que reaças querem dizer é que não se deve fazer absolutamente nada para mudar este quadro, porque, segundo eles, este quadro nem existe. 
Mulheres não são estupradas, ou, se são, acontece nas ruas por psicopatas, e para conter isso é só aumentar o policiamento e implantar a pena de morte que pronto, problema resolvido. Esses mesmos reaças acham que lutas feministas são falta de louça pra lavar, porque é óbvio que todo mundo é contra o estupro e ninguém culpa a mulher, jamais, por coisa nenhuma.

Protesto marcado! Dia 4 de abril, próxima sexta, às 18:30, na Praça do Ferreira, em Fortaleza, "Não Merecemos Ser Estupradas". Apareçam! (Parabéns pela iniciativa, guerreiras).

91 comentários:

Anônimo disse...

"Os homens devem ser a cabeça do lar". Quase 64% dos entrevistados concordaram (41% concordaram totalmente)
-
Democracia, a maioria decide fim de papo.

Anônimo disse...

Ótimo post, em minhas aulas de estatística costumávamos dizer que estatística e usar os números para provar o que se deseja... vc manipula dados do jeito que lhe der melhores resultados...
Acho incrível algumas opiniões e manifestações...(tanto pro bem quanto pro mal), mas eu tenho uma dúvida há muito tempo e só aqui pra solucionarem sem que haja julgamentos e outras reações...
Posso considerar estupro se uma pessoa for coagida (n sei se é o termo adequado), muitas vezes mulheres fazem sexo ( ou praticas não satisfatórias) por conta de seus parceiros, para agradá-los ou diante de alguma chantagem (tenho duvidas em relação à chantagem psicológica), quando as colocam em situações onde ELE se faz de vitima e nisso elas " os servem"... Como considero isso????

Anônimo disse...

Lola o feminismo tem foco na mulher, e tem a mulher como protagonista como deve ser.
Porem acredito que não se consegue mudar uma sociedade, se metade da população não entender esta necessidade, acho que o grande tabu hoje no feminismo é, como mudar a cabeça dos homens? ate porque eles não vão desaparecer no ar.

Anônimo disse...

Sawl


Lola, NÃO estou defendendo o babaca do Felipe da Veja, até pq ele é mais um filhote reacionário, mas, o Constantino consegue ser PIOR!
No artigo dele, ele alega que "garotas direitas NÃO são vítimas de abuso sexual". Ele próprio se contradiz no artigo dele, sempre tendencioso e mal escrito!
Alega que nenhuma mulher deve ser violentada, mas dependendo da "vestimenta" e "comportamento", elas podem "incentivar" quem não tem boa índole. Ao mesmo tempo o babacossauro, kkk, fala que mulheres não devem usar "burca", ele diz uma coisa, depois diz outra.
Esse Constatino já tinha feito aquele artigo com a ridícula e validadora da Camile Paglia, mas, dessa vez ele superou! Leia o trecho e veja se a afirmação NÃO teve algo em comum com o resultado do IPEA!
Primeiro: NENHUMA mulher deve ser violentada qual seja sua roupa ou comportamento!
Segundo: o estuprador é um covarde e doente moral(não mental, pq eles sabem mt bem o que estão fazendo) então pra ele um a mulher de minissaia, calça jeans, com maquiagem, sem maquiagem, adulta, criança, idosa, e até mesmo homem(claro, eles correm menos riscos) são objeto de desejo pq pra eles violentar é ter "posse" daquele ser humano, NÃO tem nada a ver com desejo e SIM com um falso poder!
Terceiro: se roupa e comportamento influenciassem asiáticas, indianas e mulheres árabes NÃO estariam entre os maiores números de violência sexual pelo Mundo!

Outra coisa venho denunciar a seguinte página "Tenho Direito de Ser Machista:
https://www.facebook.com/events/306591746161762/?ref=3&ref_newsfeed_story_type=regular

O cara que fez essa comunidade é tão imbecil e retardado que acha que o simples fato de: gostar de tomar chope, jogar futebol com amigos, ter pênis(vergonha de ser tão ridículo assim, kkk), ter tesão por mulher, ter carro ou ser pobre, etc, é "Motivo" de ser oprimido!
Fala sério! Quanta frescura e mimimi. Ninguém tolhe um homem do direito de ser, já quando se trata de ser mulher é só analisar os 65%!
O pior que ainda vi um MONTE de posts e comentários de mulheres nesse face PODRE! Como é que elas não tem vergonha nem amor próprio!
Outra, boa parte dos visitantes tinham que ser investigados, vi comentários que vão além do machismo, são declarações de apologia à violência sexual, incluindo pedofilia! Um anormal chamado João Àvila(ANOTEM esse nome pra denunciar!) alegou que "Kkkkkk lucas comedor q tal na escola a gente estrupar umas vadias tambem em ? Kkkkk" Declaração hedionda de um ser asqueroso!
Sem falar em um outro sujeito que declarou que já "estuprou" e faria de novo em um face de uma menina que tava na comunidade "Não mereço ser estuprada"!
É isso. Não adianta só reclamar, tem que sabotar as colunas de machistas ridículos como o Felipe e o Constantino, e todo canalha misógino e covarde que aparecer pregando estupro (até contra crianças como o caso do João Ávila) tem que ser denunciado!

Sawl - always the rebel

Anônimo disse...

Pois é, Lola, pena que estas pesquisas de opinião não sejam científicas quanto às verdadeiras causas do estupro, que definitivamente NÃO passam pela roupa que meninas e meninos (sim, meninos também são abusados e estuprados) estão usando.

Acho que já mencionei isto aqui uma vez, se não me engano, de que são certas SITUAÇÕES que favorecem o estupro e não a roupa.

Há uma série de situações em que mulher, homem, criança estão vulneráveis a um ataque, seja de cunho sexual ou não.

Mas é lógico que em qualquer das situações de risco para uma mulher ser estuprada, esfaqueada, morta, também está presente uma fraqueza do processo civilizatório não só no que diz respeito ao controle social e educativo dos instintos sexuais, como ao sistema judiciário punitivo.

No reino animal, do qual fazemos parte, não existe a figura do estupro, bem entendido. Os encontros sexuais são nada mais que exigências da perpetuação das espécies, e não é diferente na espécie humana. Nós entendemos que o estupro é apenas uma violência, mas o que não é violento neste mundo? Desde o nascimento, que é uma violência sem tamanho tanto para o bebê quanto para a mãe, passando pelas doenças, pelos acidentes, pelas guerras, pelos cataclismos, pelos maus tratos, pela miséria e até por um tombinho à-toa que me esmagou contra a parede, no recôndito da minha casa, como tive a infelicidade de experimentar no início do ano.

Eu sou filha de mineiros e lá em Minas, eles confiam desconfiando. Já é meio caminho andado para se evitar certas situações, não acha?

Cão do Mato disse...

Lola, seria interessante refazer a pesquisa com uma amostragem de 51% de mulheres e 49% de homens (como na população). Será que os resultados seriam mais machistas, mesmo?

Anônimo disse...

muitas vezes mulheres fazem sexo ( ou praticas não satisfatórias) por conta de seus parceiros, para agradá-los ou diante de alguma chantagem (tenho duvidas em relação à chantagem psicológica), quando as colocam em situações onde ELE se faz de vitima e nisso elas " os servem"... Como considero isso????//

50 Tons de Cinza?

Não li esta trilogia porque detesto tudo o que é sado-maso, mas parece que a mulherada acendeu o lado sádico e dominador dos maridos (espero que só dos maridos) justamente porque é assim que elas gostam...Bom, quando o sexo passa ser uma atividade desvinculada da emoção, é isso que sobra...

Anônimo disse...

parem de ser idiotas. não querem ser estupradas, nem roubadas, nem nada? peçam porte de arma de fogo livre. mulheres armadas podem reagir. metam bala em seus agressores!

Anônimo disse...

Eu não mereço ser estuprado
https://fbcdn-sphotos-c-a.akamaihd.net/hphotos-ak-prn2/v/t1.0-9/1970377_588340967900605_746646017_n.jpg?oh=0629e65ab0766625bb30cf16ce825019&oe=53A2EFD3&__gda__=1402844549_ee0cc3f018864350fd422711f47921e7

Luiza Original disse...

Aquele moleque do cartaz nem tem pelo no saco, ainda. Aliás, a maior parte dos "homens" que entraram no evento faz parte dessas comunidades cabaças de moleques menores de idade deslumbrados com computador. Os HUEs, que tanto envergonham os brasileiros com educação internet afora.
Só me leva a concluir que tem gente, MUITA gente, que não deveria procriar, porque o resultado é o moleque do cartaz, que usa o computador sem supervisão de mamãe e papai. Ou alguém acha que eles sabem o que o rebento faz online? Se começassem a multar os pais COM RIGOR, diminuiria a quantidade de menores de idade invadindo o espaço dos adultos com seus brinquedinhos de quinta.

E o que dizer sobre o caso do denim? A vítima estava usando uma calça jeans difícil de tirar. Logo, o estuprador teve ajuda dela para tirar a calça e estuprá-la, oras. Essa brilhante conclusão aconteceu e I REST MY CASE contra machinhos que defendem estuprador.

Anônimo disse...

Sawl

Para Anônimo das 11:27

Meu caro, nem sempre maioria significa democracia.
A maioria dos venezuelanos votaram no Nicolas Maduro e deu na merda que deu!
A maioria dos alemães apoiou a ascensão de Hitler no poder e houve o maior genocídio contra um grupo(judeus) da face da Terra de todos os tempos!
A maioria da população apoiava a escravidão e seres humanos eram obrigados a viver encarcerados, humilhados e agredidos apenas pela cor da pele!

Então, se a maioria acha que mulher deve ser estuprada por causa de "roupa curta" ou que apenas o homem deve ser o "cabeça do lar", ou seja, se pra maioria em pleno SÉCULO XXI, mulher deve ser "amélia sofredora parideira e escrava do lar" é porque a EDUCAÇÃO dessa maioria de brasileiros(as) tá muito, muito errada e falha(incluindo a SUA própria se não o sr não concordaria|).
Faça o seguinte, se tua mãe for agredida por roupa curta, a culpe, ou se algum dia quem sabe, tua filha, for violentada não pq a roupa estivesse curta(não esqueça dos países do Oriente Médio!) mas pq estava saindo da faculdade, a CULPE por estar estudando invés de estar em casa pra ser "amélia"!
Pimenta no "rabo" dos outros é refresco. Quem sabe um dia, seu rabo não fique bem "apimentado" pra vc rever seu machismo?!


Anônimo das 11:58

O sr sabe a quantidade de mulheres que fazem sexo apenas "por conta de seus parceiros"? Muitas se submetem à isso porque tiveram uma educação muito machista e repressora, mas, muitas tiveram a sorte de ter uma boa educação, ou amor
próprio e sabem que sexo deve ser satisfatório pra ambos, NUNCA uma "barganha".
Eu também NÃO li 50 Tons de Cinza. Tá chocado porque uma "mulher" não leu nem faz questão? Meu caro, eu conheço INÚMERAS mulheres que NÃO compraram esse lixo considerado "Livro"!
Porque essa GENERALIZAÇÃO BABACA de "mulherada"! Eu NUNCA gostei de agressão, quem gosta problema da pessoa, digo pessoa, pq muitos homens gostam de mulheres sádicas. Mas, GENERALIZAR é coisa de ignorante e imbecil(que eu acredito ser o seu caso).
E quem disse que TODA mulher "gosta" de que seus namorados ou maridos sejam sádicos e dominadores?! Quem te nomeou o "conhecedor oficial" das mulheres, seu MERDA?!
Meu primeiro marido me agrediu, e não o vi como um "garanhão comedor" e sim como um "traste" do qual eu tinha que me livrar! A primeira vez, ele me agrediu apenas pq eu queria voltar a trabalhar. Ele ameaçou matar a minha mãe. Nem toda mulher
fica com um verme do sexo masculino pq "gosta de apanhar" e sim pq foi AMEÇADA! A segunda vez que me agrediu, mandei a minha mãe sair de casa. Quando ela saiu, eu aproveitei que o traste dormia, fui embora e só o reencontrei pra assinar meu bendito
divórcio! Hoje estou do lado de um HOMEM DE VERDADE(o que NÃO é o teu caso! Pq vc não é HOMEM, vc é um moleque cretino!).
Não sou contra nenhuma prática sexual que envolva um casal adulto e que se ama, desde que essa prática seja CONSENSUAL! Sou contra a IMPOSIÇÃO! E também contra que se acredite que pela mulher ser casada, o marido seja "dono dela"!
Sou contra generalização machista que tantos burros como vc se utilizam pra justificar sua mente vazia!


Sawl - always the rebel!!!!!!

Helen Pinho disse...

tb li a pesquisa e não vejo como tendenciosa, minha resalva até então era apenas com o tamanho da amostragem (agora também com o perfil). mas considero que sim reflete a tendência (no mínimo) de como reagimos com os casos tratados.

--

estou/estava no evento #NãoMereçoSerEstuprada e foi simplismente aterador! horrível ver como tem pessoas prontas para cometer um crime, prontas para justificar um crime. muita muita gente mesmo, pessoas "argumentando" categorigamente que somos responsáveis, que nós provocamos o estupro e que o criminoso não deve ser condenado, no caso não deve nem ser considerado criminoso.

Mila disse...

É uma mudança gradual, vai demorar muito para ocorrer. Infelizmente, esse pensamento não ocorre só entre as pessoas com mais idade e/ou menos escolarizadas. Não é difícil encontrar jovens universitários com essa ideia de "mulher pra curtir, mulher pra namorar" ou o que se aproveita da amiga bêbada.

Recentemente no DF duas senhoras foram estupradas. As duas na faixa dos 70 anos, sendo que o caso mais recente foi o de uma senhora de 76 anos que voltava da Igreja quando foi atacada. Pergunto onde está o argumento desse povo que diz que a mulher para não ser estuprada tem que ser "direita".

Anônimo disse...

como sempre mulheres protestando contra serem vistas como pedaço de carne peladas,muito coerente.

essa amostragem é pura suposição,achismo,entrevistam meia duzia de gato pingado e querem falar q a metade de toda a população do brasil pensa assim.
pode até ser verdade,mas n dá para afirmar com base nisso,milhões de pessoas n deram sua opinião.

eu n fui entrevistado,seria um voto a mais para dizer que a culpa é do estuprador,n da roupa da mulher.

Anônimo disse...

Sr. Sawl, abaixa a bolinha que em 3 anos foram vendidos 40 milhões da trilogia 50 tons de cinza e já vamos ter que conviver com o filme, que não vou ver. Não só a mulherada está lendo os livros como envolvendo os parceiros na prática das fantasias sexuais, quer o sr. queira, quer não. Hoje não tem desculpa pra mulher apanhar do marido. Vai à delegacia da mulher e aciona a Lei Maria da Penha. Ou faz que nem alguém aí em cima sugeriu: mete-lhe bala.

Anônimo disse...

Mila, o argumento é inconsistente, só isso. Mulher voltando da igreja, SOZINHA, à noite, num lugar ermo ou sem movimento é uma situação de risco (cansei de fazer isso quando era solteira :/)

Anônimo disse...

Pior é ver que quase 67% das entrevistadas dessa pesquisa foram MULHERES!
No post anterior, sobre a violência contra a mulher nas novelas da Globo, quem é o gênero que sustenta as novelas? a MULHER!
No episódio do BBB da briga Marcelo x Cássio, quem fez coro e ficou do lado do abusador: AS MULHERES Tatiele, Clara, Vanessa e Angela!
Então concluo: Lola e demais feministas do blog, não combatam os "caras machistas", combatam "AS PRÓPRIAS MULHERES MACHISTAS", elas são mais danosas à causa do que os caras!

Anônimo disse...

Eu não participei da campanha porque me faltou estomago. Muito muito muito estuprador e machista num lugar só.
Por outro lado, a pesquisa me deixou relativamente esperançosa. Como todas as pessoas a minha volta parecem sempre culpar a vitima, achei que o resultado seria algo em torno de 80% pondo a culpa na roupa, fiquei relativamente feliz de ver que era menos do que isso, acho q está ocorrendo alguma mudança (lenta) mas está.

Anônimo disse...

Sawl

Para Anônimo das 14:20

Meu caro, primeiro é SRA NÃO SR.
Segundo, eu tenho minha bolinha "abaixada", o sr é que tem que baixar a sua, kkk.
Eu tb não vou ver o filme.
Os 40 milhões de livros vendidos foram ao redor do Mundo, não de apenas um país. Então são mulheres que gostam desse tipo de fetiche, não discrimino só não gosto, distribuídas, mas, não são TODAS as mulheres que compraram o livro! Entendeu? Eu to falando da MALDITA generalização! Se muitas curtem 50 Tons de Bosta problema delas, to cagando e andando! Agora dizer que "toda" mulher comprou esses livros(nem sabia que tinha trilogia, pensei que fosse apenas a merda de um livro, tá mais informado do que eu né ô masô! kkk) é forçar a barra e falar muita MERDA!
Se não li o livro, imagina o filme, kkk, Ok, vamos falar sobre a estréia do X-Men Dias de um Futuro Esquecido, ou da produção da nova versão do Demolidor na Netflix? Assuntos bem mais interessantes né que um livro-lixo escrito por uma dona de casa carreirista, kkk.
Os: quanto à minha questão com o ex(não que seja problema teu), não o denunciei pq ele era delegado de polícia e temia pela minha mãe. E a bala na testa, ele até merecia, mas, tinha medo de deixar minha mãe e pai desamparados!
Mas, me separei e estou morando em outro estado bem longe daquele pseudo-homem(hj eu seu que ele tá se FUDENDO, kkk, com a nova namorada!) e estou feliz com um HOMEM DE VERDADE.
Quanto ao "quer queira, quer não", faça-me o favor! Eu sou arquiteta, casada, ajudo instituições de caridade, ajudo meus pais, tenho coisas mais importantes pra fazer do que ligar pra pseudo-vida sexual de donas de casa mal-comidas(licença pro velho jargão machista, kkk, embora não seja correto!) sem amor próprio, validadoras e manipuladas. Se vc se importa, problema teu, isso mostra o quanto vc é insignificante!
Byeeee!


Ps(para os amigos e amigas do blog): o ridículo do Constatino, agora tá "ofendidinho" pq tá sendo(merecidamente) acusada de ajudar a promover a culpabilização das mulheres. Sem falar que no blog dele, ele deixa passar a declaração de reaças machistas que nem ele como um tal de Kaique. Olha o que esse viadinho imbecil escreveu "Se as Mulheres Vestissem Roupas descentes isso não aconteceria, Só Acho !!"
É se uma parente dele fosse estuprada, queria ver ele ter o mesmo pensamento!

Sawl - Always the rebel

Anônimo disse...

Eu concordo quando vc diz que o resultado poderia ter sido mais machista ainda se tivessem entrevistado mais gente no interior e mais homens. Morei em diversas cidades do interior do Brasil e quanto menor a cidade, mais machistas elas são =/

Anônimo disse...

Eu vi os dados do IPEA, inclusive aquele que diz que menos de 2% dos estupros tem como autoria uma mulher. A primeira tentação foi mesmo questionar a pesquisa, eu confesso.

Mas parei um pouco para pensar e cheguei à conclusão de que o que está errado é a mentalidade dos brasileiros, não a pesquisa. Até mesmo no dado que eu achei estranho (todos os outros eu já imaginava). Afinal, a mentalidade que responsabiliza a vítima pelo estupro que sofre é a mesma que diz que homens sejam imunes ao estupro. Menos ainda quando é estuprado por uma mulher.

O que é dito na pesquisa são coisas que eu verifico com muita facilidade nas pessoas ao meu redor. Não apenas homens, como mulheres também ficam repetindo barbaridades, julgando mulheres pela roupa que usam e condenando vítimas de estupro. E claro, aquela coisa de "se mulher se comportasse/não vestisse coisas curtas/não se vestisse como puta/vadia, etc. haveriam menos estupros", declaração que me deixa profundamente ofendido. Afinal, a pessoa está dizendo que os homens não conseguem se controlar e são todos estupradores em potencial. E eu acho que homens são melhores do que seres que não controlam seus instintos.

Luiza Original disse...

A maioria dos entrevistados era mulher.

Em uma sociedade que diz o tempo todo "sorriu demais? É uma piranha, mesmo!", "Bebeu demais? Sua putinha!", "deixou o filho com os avós e saiu pra balada? CACHORRA SAFADA!", "olha essa saia, que curta, sua vadia!", quem é que quer ser a cachorra, a vadia, a piranha? Quem quer ser violentada com palavras e ações? Quem quer ser apontada na rua de uma cidade pequena?
Mais fácil ser boazinha e pensar que se for perfeita, não vai acontecer com ela, só com as outras.

E mimimimi protestar contra o estupro tirando foto pelada.

Apropriação do próprio corpo, já ouviu falar? Nosso corpo, nossas regras. Sabe aquela foto pelada? Então, corpo DELA! Não gostou? CHORA, MACHO. Corpo dela, empoderado pra fazer o que quiser. E em nenhum momento sofrer um crime. CRIME. CRIME. CRI-ME.

Flavio Moreira disse...

Lola, posso dizer que trabalho em um meio em que as pessoas tem um nível educacional acima da média do país, pois quase todos têm nível universitário; mas só isso não basta para manter o assustador espectro do machismo afastado.
A maioria dxs colegas é mulher e, muitas vezes - mais do gostaria de admitir - ouvi-as julgar e condenar outras mulheres pelas roupas que usavam, com os mesmos argumentos machistas.
Como já foi discutido em outro post, ninguém está livre de preconceito nem de laivos de machismo, já que afinal crescemos com essa mentalidade sendo implantada na nossa cultura.
O que vejo aqui é que as mulheres condenam as roupas de outras mulheres; os homens veem essas mesmas mulheres como meros objetos decorativos.
Não foram poucas as vezes em que ouvi generalizações como "nenhuma mulher presta" - e tive que responder na lata, porque isso ficou entalado: "nem a sua mãe"? O susto na cara da pessoa foi grande. Era um jovem, vinte e poucos anos, estudante de arquitetura!
O mesmo susto que algumas das minhas colegas preconceituosas levam quando digo que o corpo daquelas mulheres é delas e que, da mesma forma que elas que julgam podem usar o que quiserem, aquelas que elas julgam também podem. Pode não ser o gosto delas, mas ninguém é obrigado a seguir os mesmos padrões de moda. Alguém vai achar tal roupa vulgar? Claro que vai. Mas é problema de quem acha, não de quem veste. E claro que o argumento da "moda" que algumas usam é só um subterfúgio para descarregar o preconceito e o machismo arraigado que carregam.
No fundo, precisamos cada vez mais de blogs como o seu, de pessoas que lutam pela eliminação desses (pre)conceitos atrasados e perniciosos que infestam o senso comum.
Não é tarefa das mais fáceis, porque algumas pessoas não querem em ser contestadas em suas opiniões, nem sair de sua zona de conforto para se colocar no lugar do outro e perceber como aquilo que elx fala atinge em cheio a auto-estima do outro.
Ainda que a amostragem da pesquisa deixe a desejar, o próprio fato dela ter sido feita e estar sendo discutida mais amplamente do que esperávamos é um fator positivo. Trolls, mascus e reacionários irão se insurgir contra os fatos e tentar a todo custo desmerecer as lutas que o feminismo defende, mas isso não pode afetar o nosso desejo de mudar essa situação. Ninguém disse que o caminho seria fácil, certo.

E, Sawl, eu adoro seus comentários! Não tenho coragem de chutar o peito dos mascus com os dois pés como você faz, mas me sinto representado quando você faz isso (rs).

Laurinha (Mulher modernex) disse...

A coisa tá tão ridícula, que as próprias pessoas que estão tentando minimizar a pesquisa, dizer que ela está errada, que não existe machismo, são os mesmos que na sequência, corroboram com os 65%... Ou seja, o cara é machista, age como machista, mas quer que a gente acredite que machismo não existe.
Seria cômico se não fosse trágico.

Anna Milani disse...

Ah, eu participei do protesto ontem :D E recebi uns quatro tweets com ameaças. Se eles acham que isso vai me calar, estão enganados, idiotas. Teve muito FDP trollando.
Aliás, só eu reparo ou os machistas são egoístas? Sim, porque os estupros ocorrem MUITO MAIS contra mulheres e eles vêm dizer: 'E UZOMI? Feministas más, não lutam pela gente, a tag devia ser #Nenhumhomemmulheranimalobjetococômereceserestuprado'.
Sério...? Os estupros e ameaças estão vindo em enxurrada contra a mulher e esses desgraçados só pensam neles mesmos? Não pode nem por um minuto, NÃO SEREM O CENTRO DAS ATENÇÕES?

"uma mulher vestida de forma inadequada estimula a agressão".

Notícia urgente
'Ontem, eu tava na rua, aí eu vi um cara muito lindo sem camisa, sabe... Mostrando o peito. Ah, era meu tipo... Mas como ele me recusou porque não tinha vontade, eu o raptei, amarrei, levei pra dentro do mato e enfiei um cabo de vassoura no rabo dele. Foi muito divertido ouvir os gritos dele! Me excitou mais! Mas sabe o que eu não entendo? É a razão de me culparem. Poxa vida, eu sou mulher e também tenho desejos, não me controlo ao ver um cara sem camisa! Ele errou, ele pediu para isso acontecer. Ninguém manda ele mostrar o corpo. Devia estar usando uma camisa, o ladrão está ai e pode te roubar a qualquer momento'
Fica bem mais difícil se colocar no lugar da vítima, não? Se eles podem andar com a cueca aparecendo por cima do short, sem camisa, eu quero meu direito de sair como eu bem entender. FDP's Incapazes de Compreensão, aka Mascus que provavelmente vão me culpar: Eu não tô fazendo campanha para mulher estuprar homem, eu estou dando um exemplo de como é legal VOCÊ virar a vítima.

'Sem falar em um outro sujeito que declarou que já "estuprou" e faria de novo em um face de uma menina que tava na comunidade "Não mereço ser estuprada"!'
Aquele moleque nem tem pinto formado ainda e já tá com ideias ridículas e escrotas. Tem que dar uma surra em um cara desses.

Interessante... Minha amiga estava de calça jeans. E isso não impediu um desgraçado de fazer o que fez. Não só ela, muitas usam calça jeans e não adianta. Então, TEORIA FURADA.

E sinceramente eu tô cansada de gente dizendo que 'não se sai na rua com jóias a vista'. Mascus, mascus... Entendam: Mulher. Não. É. Seu objeto. O relógio caro que vocÊ compara com uma mulher de saia curta [aliás, que merda de comparação! Entre Mulher e objeto!] é um fucking OBJETO que não tem vida e nem é humano! Pra ele, que se dane se você o mostra ou não!

Tem mentes tão medíocres que dá até parece que você tá explicando isso pra uma criança de dois anos.




Anônimo disse...

Aff! Nunca discuti tanto com tanta gente por causa de um mesmo assunto A PESQUISA. Pela lógica das pessoas de cabeça vazia a estupro é por causa da roupa das mulheres né? Pela essa mesma lógica latrocínio é culpa de quem comprou um carro, de quem comprou o celular afinal você comprou algo que os ladrões querem então a culpa é sua. Aquele crime em que bandidos arrastaram o menino João a culpa seria da mãe dele? O carro era dela, ela comprou e os bandidos queriam. Isso é totalmente bizarro e estúpido a CULPA NÃO É DA VÍTIMA. A Valesca popozuda postou uma foto nua protestando que não merece ser estuprada e muitos disseram que ela merecia sim porque ta nua, merece estupro porque é funkeira, merece estupro porque as letras de musicas dela falam de sexo. Estão vendo o tamanho da ignorância dessa gente? Embora nua, funkeira er sensual ela não não quer sexo então pela lei se a forçarem é estupro.As pessoas tem vários preconceitos em relação ao estupro, que bom que não falei do meu estupro para ninguém se não diriam que a culpa foi da minha calcinha da moranguinho ( eu tinha 8 anos), ou a culpa foi da minha boneca da Barbie? é o cúmulo do absurdo. Estou me sentindo ofendida passei de vítima a réu do dia para a noite. Embora ninguém saiba eu me sinto constrangida pela opinião das pessoas.Mas tenho a plena certeza de que eu não sou culpada.

Nelia disse...

O pior são as mulheres que concordam que a culpa é da vítima. No texto da Lola tem um link para uma reportagem sobre as ameaças que a jornalista organizadora do protesto na internet recebeu. Um trecho: "Se as ameaças violentas vieram dos homens, o público feminino foi responsável por grande parte das ofensas e reprimendas publicadas.
— As mulheres diziam: Espero que você seja estuprada, você não tem intelecto. Foram muitas mensagens raivosas de mulher — contou a jornalista e escritora Nana Queiroz, criadora da página."
Por isso o trabalho de conscientização e educação tem que focar a sociedade como um todo, não são a penas os homens machista que tem que mudar. É a sociedade machista que tem que mudar. Do contrário estaremos caminhando para algo como o fundamentalismo islâmico. Não vai adiantar andar vestida com burca porque vão alegar que mulher que sai à rua sem a companhia de homem merece ser estuprada. Olha, Lola, ando muito desanimada com o retrocesso de nossa sociedade, o pensamento mais reacionário e conservador está se crescendo e se fortalecendo junto aos jovens.

Anônimo disse...

Tem gente que não entende que se qualquer pessoa é atacada (estuprada, assaltada ou morta) porque "se colocou" ou "foi colocada" em uma "situação de risco" A CULPA AINDA É DO CRIMINOSO.

Não importa as ações e a situação da vítima, crime é crime e quem tem culpa é o perpetrador do mesmo.

Porque se formos analisar o comportamento da vítima, a aparência, etc, tiramos a responsabilidade dos atos do criminoso!

Poxa vida, gente, todo mundo (meninos e meninas) aprende em alguma altura da infância e da adolescência o que é certo e o que é errado. Aprendemos que a roubar/furtar, matar, ferir, estuprar e molestar são coisas erradas.

E colocar desculpas sobre o comportamento criminoso de certas pessoas, dizendo que a vítima "se colocou na situação de risco" tira sua responsabilidade - que é total e única sobre o ocorrido.

PQP, viu...

E outra coisa: esse bando de macho que quer destacar os ataques que ocorrem contra homens.

Queridos (nem um pouco na verdade), nós sabemos ue homens e meninos são estuprados. NÓS MULHERES SABEMOS DISSO. O que nós destacamos é que somos a MAIORIA das vítimas. E sabe quem são as pessoas que estupram as mulheres e homens: são OUTROS HOMENS (a grande maioria é de HOMENS). Isso eu não vejo, vocês mascus, destacando essa informação. Então, por favor, parem de ser parciais para o bem do crescimento de uma sociedade saudável: porque pessoas estuprando e abusando de outras pessoas torna nossa sociedade muito doente.

Anônimo disse...

É,to chorando muito vendo a mulher protestando pelada...

Mas n tem jeito,n faz sentido reclamar de objetificação e ficar nua sempre que pode.
Vcs falam disso com uma raiva,como se homem pudesse andar pelado por ai.

Anônimo disse...

O povo cai feito pato muito fácil.Claro que essa pesquisa é fake,claro que o resultado é falso.O objetivo foi alcançado,criar bagunça.Distrair,mudar o foco.Enquanto os alienados esbravejam,gritam,se revoltam,postam fotos seminus na internet,tem gente livre pra fazer o que queria.

Ana disse...

"E este povo não é quase 67% mulheres (cerca de 51% da população geral é mulher)"

Bem lembrado. Eu tenho argumentado em favor da amostragem do IPEA, que é majoritariamente feminina, mas realmente não somos tantas.

Desconhecia os outros fatores, obrigada Lola, por me poupar a pesquisa.

O que eu acho engraçado é que a galera que quer acusar a pesquisa de tendenciosa não investe em nenhum desses argumentos - a questão de onde residiam os entrevistados, a amostra relativamente pequena, etc. O Moura não falou nisso, e não vi essas críticas em lugar algum. Ao invés de usar dados pra falar de amostragem, argumentar em prol do caráter científico de uma pesquisa, nahh - vamos dizer que o pessoal se confundiu! Vamos dizer que na verdade,"atacar" significa uma coisa boa!

Foi mais fácil pro Moura sugerir no texto dele que ~mulheres adoram ser atacadas~ no sentido de paquera do que falar em estatística! Ao invés de falar em representatividade, ele preferiu escrever comor se ele fosse o único disposto a ~contar o grande segredo~ de que 66% dos entrevistados era mulher. Preferiu escrever como se "maioria da população brasileira culpa a mulher" fosse o mesmo que "homens brasileiros culpam a mulher". Quem lê os textos dele -e não sabe muita coisa de antemão- sai convencido de que a pesquisa fala mal de homens a torto e a direito, que o malvado do IPEA escondeu que entrevistou mulheres, e que a Dilma vai lucrar milhares de votos porque agora todos odeiam homens.

Sinceramente, se engana quem acha que o negócio é provar que a pesquisa foi mal feita - o negócio é provar que a pesquisa está a favor da Dilma, que está a favor do PT, etc etc. É política. Política, com os dois pés na ignorância - porque o Moura sabe de machismo, feminismo e Pesquisa o que eu sei de dançar tango: necas.

E que esquisito que, de todos os lugares que podiam dar bons argumentos pra atacar a pesquisa, justo um blog feminista dá bons argumentos. Lola, eu acho que você está traindo o movimento! Não combinamos ontem que íamos aproveitar a chance pra por a culpa toda nozomi? Como é que você me dispara esse fogo amigo?? [<-- é ironia, gente. IRONIA.]

"Se essas e tantas outras pesquisas tivessem usado o termo "estuprar", o resultado seria diferente, decerto. O que não nos impede de interpretar que sim, estupro é "forçar sexo", "fazer sexo à força", "fazer sexo com alguém que não queria", "fazer sexo sem consentimento", e que "atacar", no contexto de "usar roupas que mostram o corpo", tem muito mais a ver com "estuprar" que com "paquerar" ou "criticar"."

Isso porque, como eu venho dizendo, as pessoas estigmatizaram certas coisas mas ainda não as compreendem.

"Estupro é uma coisa horrenda", todos concordam. Agora, ligar "estupro" a "forçar sexo", "sexo sem consentimento", etc, isso são outros 500. Exatamente do mesmo jeito que "homem que bate em mulher merece cadeia" e ao mesmo tempo "em briga de marido e mulher não se mete a colher".

Ana disse...

@Mila

"Recentemente no DF duas senhoras foram estupradas. As duas na faixa dos 70 anos, sendo que o caso mais recente foi o de uma senhora de 76 anos que voltava da Igreja quando foi atacada. Pergunto onde está o argumento desse povo que diz que a mulher para não ser estuprada tem que ser "direita"."

E não é só isso, né Mila. Além da história de que mulher direita ~que se comporta~ não é estuprada, ainda tem aquela ladainha de que o estupro é impulso sexual - aí, mulher feia não é estuprada, mulher com roupa curta provoca mais, etc.

Essas senhoras deviam ser umas musas usando só tapa-sexo pra ter provocado tanto tesão assim.

@14:20

"Hoje não tem desculpa pra mulher apanhar do marido. Vai à delegacia da mulher e aciona a Lei Maria da Penha. Ou faz que nem alguém aí em cima sugeriu: mete-lhe bala."

@15:35

"No episódio do BBB da briga Marcelo x Cássio, quem fez coro e ficou do lado do abusador: AS MULHERES Tatiele, Clara, Vanessa e Angela!
Então concluo: Lola e demais feministas do blog, não combatam os "caras machistas", combatam "AS PRÓPRIAS MULHERES MACHISTAS", elas são mais danosas à causa do que os caras!"

Você não é daqui, nénão?

Eu mesma escrevi um texto sobre o caso do BBB falando mal da Tatiele (entre outras coisas). A Lola publicou aqui.

Tipo, a gente JÁ TÁ FAZENDO o que você sugere, inclusive usando EXATAMENTE O EXEMPLO QUE VOCÊ DEU.

E nem precisa do meu texto, nunca levantamos a bandeira de que só os ~caras machistas~ devem ser combatidos ou qualquer porcaria assim. Vá ler o blog direito. Do jeito que tá o Moura ficaria com orgulho da sua ignorância.

(ai desculpa gente mas tá difícil viu)

@17:09
"Afinal, a mentalidade que responsabiliza a vítima pelo estupro que sofre é a mesma que diz que homens sejam imunes ao estupro. Menos ainda quando é estuprado por uma mulher."

Perfeito. O machismo é danoso pra homens também, muito danoso. Mas a maioria das pessoas ainda se deixa levar pelo senso comum e acredita em coisas como "machismo só vem de homens" e "machismo só é ruim pras mulheres".

Tudo errado, tudo errado.

Ana disse...

@Luiza Original
"E mimimimi protestar contra o estupro tirando foto pelada.

Apropriação do próprio corpo, já ouviu falar? Nosso corpo, nossas regras. Sabe aquela foto pelada? Então, corpo DELA! Não gostou? CHORA, MACHO. Corpo dela, empoderado pra fazer o que quiser. E em nenhum momento sofrer um crime. CRIME. CRIME. CRI-ME."

Obrigada por esse comentário. É de extrema relevância.

As pessoas parece que gostam de evitar o raciocínio às vezes - ao invés de tentar entender o propósito da campanha, não, é só "mimimimi elas estão peladas! mimimimi!".

Apropriação do próprio corpo é uma estratégia. Uma coisa muito bem pensada. É usar justamente a crítica que te fazem pra protestar. As pessoas criticam a mulher pelo corpo, a mulher pega o corpo e transforma em protesto.

Me dói muito o pessoal ver um protesto e parar na "brilhante conclusão" de que as mulheres estão sem roupa (nossa, jura? você conseguiu descobrir isso sozinh@? wow que sagaz!). Pensar sobre o propósito da coisa, nem pensar. Lembrar que nudez não serve só pra sexo e tem outras aplicações, nem pensar. Lembrar que nudez pode inclusive ser considerada arte, nem pensar.

Engraçado que eu não vejo ninguém xingando os artistas gregos por terem feito tantas estátuas """"""sexuais"""""". Grande parte das estátuas que ficam nos museus por aí são de gente -gasp!- nua. Quadro com gente nua então, tem aos montes. Cadê o povo pra dizer que isso é ~falta de moral~, ~vulgaridade~, ~pornografia~, ~exibicionismo~?

Nudez não significa sexo exclusivamente. Mas se uma mulher protesta sem roupa, oh wow, o que mais poderá haver além de uma vontade louca de chamar atenção e se exibir?!? Como ousam protestar contra estupro com uma imagem tão sexual??!!11 Isso não faz sentido!!1!11

Até parece que mulher só fica seminua pra protestar contra abuso sexual. Campanhas pra que as mulheres amem os próprios corpos, por exemplo, também incluem nudez*. E aí? Vão me dizer que a mensagem positiva na verdade é só uma ~desculpa pra ficar pelada~? ~Desculpa pra se aparecer~? Mesmo?

Como tem gente burra no mundo, credo.

Ah, e eu falando assim parece que o 'Não Mereço Ser Estuprada' foi um festival de gente nua - E não foi. A maioria das fotos sem blusa era com a placa na frente dos peitos, não dava pra ver nada. Muitas tiraram foto com as mãos ou o braço cobrindo os seios -como a própria Nana. Pouquíssimas mostraram os seios, só vi uma foto com as pernas abertas e adivinhe onde a plaquinha estava posicionada? De novo, não dava pra ver nada.

A maioria esmagadora das fotos usava a placa pra cobrir tudo ou era feita com a menina vestida. Uma inclusive tirou com as roupas do dia-a-dia e escreveu que ia tirar a foto assim porque as pessoas deviam pensar que, mesmo vestida com aquelas roupas simples, ela podia ser estuprada.

Tinha foto de família inteira, algumas de mãe com a filha, várias fotos de homens vestidos ou não. Mas tudo o que o povo sabe repetir é "mulheres protestam mostrando os peitos". O resto some.

A propósito, cadê a patrulha moral pra xingar os homens que tiraram foto sem camisa??? Ah mas homem pode né? Porque ~é diferente!~. ~Corpo de homem é diferente de corpo de mulher, não dá pra comparar!~.

(Aí depois a mesma patrulha volta pra discutir aborto e quer porque quer justificar que mesmo que o homem não engravide ele pode ter opinião. Ué, mas os corpos não eram ~suber diferentes~ e ~impossível de comparar~? Coerência some quando é conveniente né).

[/rant]

*exemplo: http://thecurvyfashionista.com/wp-content/uploads/2012/10/Fullscreen-capture-1022012-110007-AM.jpg

Anônimo disse...

Já viu esse vídeo, Lolinha?
https://www.youtube.com/watch?v=MN4sMISyYgk

Julia disse...

Anon das14:20, você tá insinuando que mulher gosta de apanhar pq 50 tons de cinza vendeu muito? Pois sou mulher e não gosto de apanhar, gosto de bater. Se vc estivesse na minha frente metia-lhe uma bifa no meio da sua cara.

Não aguento mais machista usando 50 tons de cinza pra justificar violência contra mulher. Fazia vc engolir todas as paginas do livro, idiota.

Ana Nazaré disse...

Estupradores são homens doentes, doentes da alma. Mas eu acho que o buraco é muito mais embaixo.
Tenho lido muito Jung, sou apaixonada pela questão Animus, Anima.
Acho que o feminismo, e as próprias mulheres, devem tomar cuidado com essa questão de -o corpo é meu e eu faço oq eu quiser, pela marcha das vadias. Eu acho que mais urgente que isso é, nós, mulheres, encontrarmos nossos valores e agirmos de acordo com estes, construindo uma sociedade onde tenhamos voz, participação e espaço, de acordo com nossos desejos. Eu acho que a opressão é profunda, temos que aprender a enxergar e resgatar nossos elos....

Julia disse...

Anon das 15:35, quem abusou da Ângela foi um homem ou uma mulher? Quem encoxa mulheres no trans publico é mulher ou homem? E quem estupra mulheres? Quem foi ensinada que homem pode fazer o q quer e que se der alguma merda a culpa é dela? Quem sai na vantagem nesse sistema patriarcal? Se as mulheres q defenderam o Marcelo forem abusadas enquanto bêbadas o que elas vão ouvir? A quem vão culpar pelo abuso e a quem vão absolver? Quem vai se ferrar no fim das contas?

Responda a essas perguntas, reflita e depois volte aqui.

Patty Kirsche disse...

Esse Adolfo é uma 666². Falar que é mais difícil estuprar uma mulher de calça jeans... OK, e de short? Short também tem cavalo. E de macaquinho? Mostra as pernas e tem cavalo. E aí? Um monte de religiões protestantes estabelecem como regra que mulheres devem usar saias longas, e isso é visto como um sinal de continência sexual. Esses comentários dele estão entre as coisas mais estúpidas que já li.

Patty Kirsche disse...

O que são esses comentários desinformados sobre "50 Tons"? Não tem nenhum estupro no livro, o BDSM é praticado de maneira consensual. Não tenho paciência com gente que comenta produtos culturais sem conhecer. Aff.

Julia disse...

OFF TOPIC
O abusador do Marcelo foi eliminado no BBB. A final é com 3 mulheres.

hahahahahahaaaaaaaaaa
Eu DISSE que uma mulher ia ganhar essa bagaça esse ano! Pelo visto as mulheres não gostavam do Marcelo tanto assim né? Botaram ele pra FORA!

Anônimo disse...

Lola,não aceite esse comentário,é um video de um tal realista de ódio

http://www.youtube.com/watch?v=2SbKI50VRnY&feature=youtu.be campanha para legalizar o estupro-esses caras são uns doentes olha isso,leia os links que esse doente postou no video youtube...denuncie para pf

Anônimo disse...

Lola o video do doente já tem mais de 200 pessoas que positivaram e comentários dizendo que concordam,esses caras do metendo a real são um nojo

Anônimo disse...

"Julia

Eu não disse que nunca vi, disse que não são divulgados. Será que é porque acontece pouco ou não é interessante pra mídia divulgá-los? E pense. Podia ser pior. Se cortou e jogou no rio ainda dá pra catar e costurar de volta."

isso foi postado pela julia no post "novela bate em mulher desde sempre", só eu achei esse comentário absurdo? Se você não colocar o órgão no gelo ele morre em pouco tempo e mesmo assim há chances enormes de a cirurgia não da certo, se ela jogou no rio, nunca vão achar a tempo, como você que diz ser feminista faz um comentário desses? não da vontade nem de criticar, apenas deixando aqui minha indignação.

homem perplexo

Ana disse...

Faltou a resposta do 14:20! Que gafe!

@14:20

"Hoje não tem desculpa pra mulher apanhar do marido. Vai à delegacia da mulher e aciona a Lei Maria da Penha. Ou faz que nem alguém aí em cima sugeriu: mete-lhe bala."

Você não vê jornal não? Não viu os 8230984083083 casos de mulheres que deixam queixa, pediram medida restritiva, e foram mortas mesmo assim? Às vezes o crime acontece até na frente de câmeras e depois passa no Jornal Nacional. Acionar a polícia nem sempre resolve.

Depois, como eu disse num outro post, até parece que é simples assim, "ele me bate, vou deixá-lo". Agressão física quase sempre vem com uma agressão psicológica muito forte. A vítima fica com o emocional e a auto estima em frangalhos. Uma pessoa dessas vai se defender como??

Me recuso a comentar da bala. A criatura as vezes nao consegue nem levantar a voz pro marido, vai dar um tiro no cara? Puxa vida!

Anônimo disse...

Sabe o que eu penso da relevante parte feminina das pessoas pesquisadas que estão validando o patriarcado? Sabem o que eu penso de mulher machista?

O mesmo que penso de homem machista:

BANDO DE IMBECÍS

Anônimo disse...

Primeiro: nenhuma mulher deveria ser estuprada e a culpa, óbvio, é do criminoso. Segundo: a mulher pode e deve fazer o que tiver ao seu alcance pra se proteger, ela deve saber que suas atitudes podem CONCORRER para a ocorrência do crime. Exemplo: posso andar de BMW numa favela. Devo? Posso andar na rua cheia de jóias falando no iphone. Devo? A culpa sempre será do assaltante, mas não quero saber do culpado depois, eu quero é, no que depender de mim, EVITAR. A mulher pode se manter numa postura defensiva de fechar a porta de casa, evitar lugares ermos, evitar sair sozinha com quem acabou de conhecer, procurar estacionamentos fechados qao invés de estacionar na rua, etc.

Anônimo disse...

"Esse Adolfo é uma 666²."

hahahahahahahahahahaha #faleci

Julia disse...

Anon das 22:18, que horror. Que horror! Escrevendo meu nome com letra minúscula. Se não sabe respeitar as pessoas com quem discute melhor nem vir aqui. Estou perplexa.

Anônimo disse...

Extrapolando a discussão q resulta em algo óbvio: a culpa é somente do agressor. Parece q até os homens estão achando algumas mulheres desnudas demais. Vcs saem à noite para as baladas? Vcs vêem que muitas vezes não dá nem pra distinguir quem é prostituta e quem não é porque as mulheres estão altamente provocantes? Bêbadas e alvoroçadas? Tenho ouvido muito dos homens: hoje mulher nenhuma presta, não dá pra confiar. Acho que um pouco de pudor e bom senso (ex: saia curta com blusa grande ou decote com calça)ficam mais elegantes e não fazem mal a ninguém. As mulheres estão altamente EXIBICIONISTAS, basta ver vídeos no youtube, fotos no facebook, etc. Tá ficando feio pra classe toda! E não venham defender o "direito" de usar o que quiser, o mesmo direito os outros tem de lhe julgar, de lhe achar deselegante no mínimo. Tudo é comunicação, a vestimenta comunica, passa uma mensagem.

Anônimo disse...

"Segundo: a mulher pode e deve fazer o que tiver ao seu alcance pra se proteger, ela deve saber que suas atitudes podem CONCORRER para a ocorrência do crime. Exemplo:"

Pessoas que não se informam antes de postar asneiras, como lidar?

A MAIORIA dos estupros não ocorre na rua erma à meia-noite, meu bem. Ocorre dentro de casa, com alguém que a vítima conhece e se relaciona. Parentes, namorados, maridos e colegas de trabalho. Quer fonte? Pesquise. Não faço o trabalho de vagabundos.

Anônimo disse...

Francamente,quem "protesta" pelado só quer aparecer mesmo,seja homem ou mulher.
Se o objetivo é combater algum problema,o que a nudez tem a ver com isso? N é melhor debater o problema??
Eu n vejo muito homem fazendo isso,agora mulher é direto,ficou banal,que lutar contra estupro,machismo,pasta de dente ,transito,é só ficar pelada que acham q resolve tudo.
Tem uma ativista que protege animais, que eu esqueci o nome,que estava presa em outro país,voltou para cá quando foi solta e a brilhante forma de chamar atenção para a causa,é fazer um ensaio sensual??
tudo a ver com os animais e seus problemas,tudo.
E ficar pelado em campanhas para aumentar a auto estima é completamente desnecessário,sem noção,to imaginando alguem procurando o psicologo e ficando pelado na frente dele para ver se fica curado ao invés de receber um tratamento para a mente.
Tb acho incoerente reclamar de sermos um pedaço de carne na sociedade ,tendo o corpo explorado e várias mulheres se auto explorando sem motivo nenhum,com essa fachada de que esta lutando contra algo.
Seria o mesmo absurdo de uma pessoa ir protestar contra maconha com um baseado na mão.

andrea saores disse...

a quem tava com as comparaçoes manjadas de estupro e roubo -algo sobre " andar de bmw na favela":

vc pode deixar a bmw em casa

em geral ninguem consegue deixar a vagina em casa





Anônimo disse...

Quem acha que é o comportamento ou a vestimenta da mulher que acarreta no estupro é aliado de estupradores e deveria ser apartado da sociedade, por medida de segurança. Sem mais.

Anônimo disse...

Sobre "Se as mulheres soubessem se comportar, haveria menos estupors", a afirmação é problemática e/ou mal formulada.

Em nossa cultura de estupro, a mentalidade é essa. O estuprador entende que o comportamento da mulher "autoriza" o estupro.

Considerando isso, se na cabeça deles a mulher se "comportar", poderia sim haver menos estupros.

Isso não justifica o poder do estuprador sobre o corpo da vítima mas, observando pragmaticamente, pode fazer sentido na cabeça dele.

Digo isso pois, dada a constatação acima, não saberia bem o que responder.

Não acho que dizer "sim" em uma pergunta como essa significa estar de acordo com a afirmação. Reitero: o entrevistadopoderia entender como uma mera constatação.

O texto coloca que responder à pergunta com alguma das categorias de "sim" significa que "(...)põe a culpa dos estupros na vítima. Ela é que causou o estupro, por não saber se comportar".

Eu entendo que, da maneira como foi formulada, a pergunta pode render respostas baseadas no entendimento de que sim, pois vivemos em uma cultura machista, patriarcal, de estupro e opressora que diz que o comportamento de uma mulher pode legitimar o estupro.

Se entendi bem o propósito da questão, eu formularia algo como "o estupro é mais ou menos grave de acordo com o comportamento da vítima?"

Se alguém puder opinar a respeito, agradeceria.

Raven~ disse...

Hahaha concordo com tudo Flavio, inclusive a parte sobre a Sawl. Temos o mesmo temperamento mas ela é bem mais articulada do que eu. I love it. A Julia é outra ótima.

Raven~ disse...

Ai caralho vamulá. Comportamente de risco é subir o Cristo Redentor sem equipamento de segurança. Comportamento de risco é transar sem camisinha. É andar de moto sem capacete. Se um acidente ou doença acontecem a CULPA, é sim, sua. Se vc está exercendo seu simples direito de ir e vir em qualquer horário, no lugar q der na telha, sozinha ou não, e for atacada, estuprada, assaltada, morta ou oq for, a culpa é do criminoso. É pq ele existe e resolveu que seria legal atacar vc. E protestar pelada (adoro essa palavra, pelada. É tão engraçada quanto penico) é válido a partir do momento em que EU mostro o MEU corpo sem precisar do aval, da autorização NEM da aprovação de filho da puta nenhum. Pq aí eu entendi que o corpo É MEU E EU FAÇO OQ QUISER COM ELE. Se eu quiser tatuar o olho foda-se vc. Se eu quiser tatuar uma buceta na boca, continua sendo foda-se vc. E se eu quiser protestar pelada aí é foda-se vc MAIS AINDA. Pq o corpo é MEU. Repete comigo. MEU! Diferente de alguém com a profissão de atrizes ou assistentes de palco, cujo emprego (sabe, aquele q te pagam) é ficar pelada na novela das 9 ou no programa de auditório babaca. Isso sim é objetificação. Usar o corpo de mulheres para atrair audiência. Pq aí a autonomia delas é tirada. Alguém já viu uma panicat se recusando a tirar o biquíni? Eu já. Ela foi mandada embora do programa. Cadê autonomia? Então peloamordedels: pare de falar merda. A sua burrice me entristece.

Fernando disse...

"o corpo É MEU E EU FAÇO OQ QUISER COM ELE. Se eu quiser tatuar o olho foda-se vc. Se eu quiser tatuar uma buceta na boca, continua sendo foda-se vc. E se eu quiser protestar pelada aí é foda-se vc MAIS AINDA. Pq o corpo é MEU. Repete comigo. MEU!"

Engraçado que essa altivez toda não existe na hora de assumir a responsabilidade dos SEUS atos. Estou ainda pra ver alguém falar com orgulho, "MINHA responsabilidade"!

Musicista Feminista disse...

Esse filhote de Olavo que escreve no site da veja é o pior!!!!

Raven~ disse...

Ora Fernando. Se eu der sem camisinha e engravidar, faço um aborto pq * limpa a garganta* A RESPONSABILIDADE é minha. O corpo continua sendo meu e eu faço oq quero. Entrou nos ouvidinhos? Agora me explica aonde ser estuprada é responsabilidade minha.

Anônimo disse...

Vou meio fazer esse espaço pra comentários de psicólogo tá, gente? Desculpa aí a falta de bom senso, tô meio que perdida e não tenho encontrado muito onde me apoiar desde então.

Estou num intercâmbio. Fui a uma festa sábado, tava bem feliz, consegui um emprego, terminei o curso, encontrei um cara legal. Tudo dando muito certo. Queria comemorar e bebi muito. Bastante mesmo. Uns 7 daqueles copos imensos de cerveja de 500ml. Não tinha comido, fiquei bem bêbada.

Lá pelas tantas, minha amiga foi embora com um carinha que ela tava ficando e eu decidi ficar. Estava a cinco minutos de casa, tinha conhecido pessoas legais na festa, tava feliz, me divertindo. Fiquei.

Nesse grupo que eu tava, um dos caras pegou na minha bunda. Fiquei muito puta, briguei com ele, disse que não é porque eu tava lá sozinha e bebendo que ele podia pegar em mim. Que eu queria me divertir e ponto. Conversar, rir, que estava muito pra cima pra ir dormir agora e tal.

Depois disso, não lembro de muito. Lembro que ele pediu desculpas, disse que eu era muito bonita e que merecia mais respeito por isso. ???????????????? Ok, se fosse feia, não mereceria? Resolvi deixar pra lá. Tava cansada. Fui conversar com outras pessoas do grupo.

Então, nada mais me lembro. Há um grande branco na minha memória e quando eu retomo a consciência, estava na casa desse cara com quem havia me desentendido. Lembro que estava fazendo um oral nele e torcendo pra ele gozar logo porque eu queria dormir. Ele gozou e eu respirei aliviada. Deitei na cama e olhei pro teto. Claramente, não estava feliz. Não havia sentido prazer nenhum. Daí ele me disse que tinha que trabalhar. Me vesti e fui embora.

Passei dois dias me sentindo super mal com isso sem saber o motivo. Afinal, eu não queria ficar com ele antes, o que fui fazer na casa dele? Como mudei de ideia? Estou me sentindo assim por remorso do que eu fiz ou por que não consigo entender o que fiz? Estou cheia de hematomas no meu corpo. Não tenho ideia de como isso aconteceu. Não paro de chorar desde hoje de manhã e não consigo explicar o motivo.

Falei com duas amigas e um amigo. Recebi comentários: "tenta não pensar sobre isso", "que isso não se repita", "já aconteceu, não há mais nada a ser feito".

Sim, eu bebi. Sim, talvez eu tenha ido com ele porque quis. Mas eu realmente não lembro. Eu não estava em condições, entende? Isso deslegitima o que eu tô sentindo? O que eu tô sentindo? Tô me sentindo um trapo.

Anônimo disse...

Eu até acreditaria nisso Raven,que elas só querem ficar peladas pq deu na telha,se não fossem correndo postar a foto na net para milhões verem.
E do mesmo jeito que você tem direito de achar isso um máximo,eu tenho de não achar.
Hipocrisia é foda.

Anônimo disse...

Fernando é provavelmente um estuprador em potencial já que acredita que o comportamento da mulher causa o estupro.

Anônimo disse...

Anon de 9:36.
querida, vc usa anticoncepcional? se não, corra e vá tomar uma pílula do dia seguinte e até profilaxia pra AIDS, pois provavelmente vcs não usaram camisinha. apesar da vergonha, vc não vai conversar com ele, pedir explicações? tinha câmera no local pra ver até onde der? em termos de lei vc tava intoxicada e não respondia pro seus atos, se tá com hematomas deveria consultar um advogado. e depois um psicólogo. sim, vc poderia ter evitado essa situação se não tivesse bebido tanto. isso é fato. porém vc é apenas mais uma jovem q por inexperiência correu risco. quem nunca? boa sorte, espero q vc supere.

Anônimo disse...

bando de retardados, vcs não entendem q existem situações em q a mulher deve tomar precauções, justamente pra evitar o risco de ser estuprada? essa questão tem 2 lados, 1 é q a culpa é do criminoso, 2 é q as mulheres devem ser espertas e cuidadosas q o mundo tá cheio de gente ruim! qdo só se vê a mulher como coitada, a meu ver, não se trabalha com foco na prevenção! tem os dois lados: 1- o suporte à vitima, 2- a educação preventiva!

Anônimo disse...

Minha reflexão sobre o caso: É que que toda essa confusão é de responsabilidade da pesquisadora IPEA, que só fez confundir ainda mais “para não dizer manipular” a opinião pública. Isso foi um estupro mental! Mas a realidade é muito pior do que foi dito na pesquisa. Conversei com algumas pessoas sobre a pesquisa e o pensamento de homens e até de algumas mulheres é assustador.

Anônimo disse...

https://www.youtube.com/watch?v=2SbKI50VRnY

a cereja desse bolo azedo. Não é "primeiro de abril". Não me espanta o "vou meter a real", dito no início do vídeo, nem o fato de ser homem-branco-heterossexual.

Lamento postar, gente.

Raven~ disse...

Se elas não tirassem foto pra milhões ver, qual seria o sentido do protesto? Não é marcha da família não gente. Oo

Nadia disse...

Eu concordo em partes com a questão da representatividade. Mas temos que lembrar que o segmento de escolaridade bateu (pouquíssimo ensino superior, pouco ensino médio, mais ensino fundamental e assim vai)
Eu acho que esse tipo de pensamento é reflexo de um atraso da baixa escolaridade do brasileiro também.

Por exemplo, a Marcha da Família que teve em alguns lugares foi composta por pessoas totalmente desinformadas e confusas em suas posições "políticas". Mas quem se encarregou de fazer essa confusão, ou quem criou esses seres foi uma direita bem consciente, mas que não se vinculou.

Por isso eu acho que esses adolescentes que ameaçam, cometem vários crimes virtuais e talvez presenciais, seja reflexo desse tipo de gente que prefere negar uma pesquisa como essa p/ justificar sua posição de direita (que incluir ser machista) e barrar qualquer avanço social/humano.

marcosladarense disse...

Discordo de vc. A pesquisa foi feita para confundir. A pergunta deveria ser: mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser estupradas.
Deveriam ter sido diretos e usado a palavra ESTUPRADAS.
E outra, em 2010 a USP fez uma pesquisa com mais de 4000 pessoas sobre temas de violência, incluindo estupro, e mais da metade disse q o praticante desse crime merece ou a pena de morte ou a prisão perpétua.
Para mim essa pesquisa tem algum propósito escondido, surgindo logo em ano de eleição.

MrDissidiaFan disse...

Gostei da matéria.

E além de tudo, um reaça ali chamou feministas de retardadas. Além de machista, ofendeu a portader=s de necessidades especiais, que merecem tanto ou mais respeito que pessoas comuns, pelas dificuldades que deficientes passam.

Anônimo disse...

Anônimo das 23h37 de 31/03/2014 disse...
Primeiro: nenhuma mulher deveria ser estuprada e a culpa, óbvio, é do criminoso.

Eu diria que ninguém deveria ser estuprado. Mas OK, concordo.

Segundo: a mulher pode e deve fazer o que tiver ao seu alcance pra se proteger, ela deve saber que suas atitudes podem CONCORRER para a ocorrência do crime.

Mesmo que ela não faça, ainda assim não é justificável cometer o crime. Aliás, mesmo que ela estivesse pelada e carregando uma placa com os dizeres "me coma à força", você ainda precisa do consentimento dela para transar com ela. Senão é estupro.

Exemplo: posso andar de BMW numa favela. Devo? Posso andar na rua cheia de jóias falando no iphone. Devo? A culpa sempre será do assaltante, mas não quero saber do culpado depois, eu quero é, no que depender de mim, EVITAR

Você tem o direito de andar com a BMW na favela. Os ladrões vão ficar de olho? Fodam-se eles! Se te roubarem, o ladrão é o errado, não você. O que não poderia acontecer é você ter de andar de ônibus - mesmo tendo uma BMW na garagem - para poder visitar alguém que more na favela. E sabe de quem é a obrigação de garantir que isso não aconteça? Do Estado.

Além do mais, quem garante que você não vá ter a sua BMW puxada em um bairro nobre? Quem garante que no seu trabalho você não vai ter o carro roubado? Caso você não saiba, a maioria das quadrilhas especializadas em furtos de veículos atuam nos centros das cidades e nos bairros de classe média-alta. Ou seja, é mais fácil que roubem a sua BMW quando estiver na sua garagem do que quando você for visitar alguém na favela. Mesmo que você vá de ônibus.

Se despir de preconceitos e ver os fatos é o primeiro passo para prevenir qualquer crime.

A mulher pode se manter numa postura defensiva de fechar a porta de casa, evitar lugares ermos, evitar sair sozinha com quem acabou de conhecer, procurar estacionamentos fechados qao invés de estacionar na rua, etc.

Acontece que com estupro, as mulheres tem mais chances de serem estupradas em casa do que em algum beco escuro. Não adianta que ela fechar a porta de casa, evitar lugares ermos, evitar sair sozinha com quem acabou de conhecer, procurar estacionamentos fechados ao invés de estacionar na rua se o estuprador for um parente criminoso ou um amigo (da onça) mal intencionado.

E sabe o que é pior? Ela não tem como saber com 100% de certeza que o marido novo de sua mãe ou até mesmo o próprio pai são, de fato, estupradores. Ao menos, não até ele estuprar. Tá, tem algumas atitudes estranhas onde é possível desconfiar, mas mesmo assim não funciona em todas as vezes.

Apesar disso, acreditar que elas devam viver sempre com medo de homens é acreditar que todos eles sejam estupradores. É afirmar que todos eles sejam bestas irracionais incapazes de controlar o próprio desejo sexual. Você é assim? Seu pai é assim? Não? Então pare de falar merda.

Elas podem até tentar evitar, mas nenhum cuidado é suficiente se a sociedade e o Estado deixam que o crime aconteça e permaneça impune. Enquanto sobrar impunidade e faltar educação e prevenção ao crime, mulheres serão estupradas e carros da BMW serão roubados. É apenas uma questão de tempo, não importa o que seja feito pela vítima.

Maria Valéria disse...

Em 2005 eu morava em SP. Subindo a rua consolação, tinha um bar,tipo boteco. Vi uma plaquinha dizendo que eles serviam açaí na tigela,fiquei com vontade de comer o açaí, sentei lá e pedi,
Dias,depois , subindo a mesma rua passo em frente ao boteco, um cara asqueroso, chega encostando e falando baixinho no meu ouvido:" ja mandei preparar aquele açaí que você gosta " (!!!)
Apertei o passo e sai correndo. E desde aquele dia,mesmo quando tinha que passar em frente a esse boteco, tentava manter uns metros de distancia e ficar de olho pra ver se o mal- encarado nao aparecia me oferecendo açaí.Nunca mais entrei lá,!!
Entao , segue a minha visão , que é igual a da minha mãe :
1- eu nao entrei lá pra ser xavecada por ninguém nem pra me oferecer, entrei pra comer açaí na tigela,
2- nao foi culpa minha que o cara asqueroso tenha tentado se esfregar em cima de mim, foi culpa única e exclusivamente dele.
3 - desse dia em diante , nunca mais entrei nesse tipo de bar ( boteco)ou em similares sozinha ( so se tivesse um homem do meu lado !)
4- nao. A culpa da mulher ser estuprada nao e da mulher,...porém, ja que esses animais estão a solta, e o trauma de ser estuprada e tão forte que vc carrega pro resto da vida,mesmo que o estuprador seja preso!etc.algumas situações,onde vc sabe que vai dar m** , se vc puder evitar, melhor,
Eu queria ter a liberdade de poder entrar num boteco e sentar pra comer alguma coisa sem ser importunada,queria ter a liberdade de poder ir numa boate sem ser apalpada ou de conhecer um homem uma balada sem o cara forçar a barra ou tentar se esfregar em cima de mim logo de cara, ou ainda sem o cara tentar me beijar a força (como ja fizeram )
Mas, como pelo visto essa liberdade que eu queria nao existe, nao vou mais a esses lugares,
Que saco, ne :/

Yohanna Cordeiro disse...

Lola, sabe de mais protestos? Estou procurando saber mas ainda não vi nenhum.
Acho importante protestarmos cada vez mais, estão funcionando lentamente.
Muitas mulheres que criticavam a Marcha das Vadias, por exemplo, estão agora entendendo melhor quais eram as motivações para as marchas, depois dessa pesquisa.
Estão perdendo o medo do nome "feminismo" para o desespero de alguns

Rosanna Andrade disse...

Anonima de 1 DE ABRIL DE 2014 09:36

Em primeiro lugar, sinto muito pelo que vc está passando. É obrigação moral de qualquer homem (ou melhor de qualquer pessoa) não levar uma pessoa pra cama, mesmo que ela dê sinais ou diga que quer explicitamente, nesse estado que vc se encontrava. Justamente pq não dá pra saber se a pessoa toparia se estivesse sóbria, ela não está em condições de consentir.

Essa angústia que vc está sentindo é muito compreensível. Talvez seja bom vc falar com um profissional. Entender o que aconteceu, mesmo que seja algo ruim, pode ser um passo essencial para que esse mal-estar vá embora. Pode demorar tbm.

Eu acredito que o seu caso possa ser enquadrado como estupro de vulneravel. A sua recusa ao cara antes de perder a memoria e a sensaçãao ruim depois (mais o fato que qdo vc se deu conta vc so queria que "acabasse logo") sao indicativos que vc nao queria aquilo.

Eu nao acredito que falar com o cara seja uma boa coisa, pq das duas uma : 1- ou ele sabe q te estuprou e vai negar, ou 2- ele nao sabe q te estuprou, so achou q vc estava se fazendo de dificil e vai negar. Mas um advogado e um psicologo sao otimas pedidas. Se os primeiros que vc procurar e tratarem como suas amigas, vá a outros. Exija profissionais que escutem seu problema com seriedade.

Pode ser uma boa pedida também ir a uma delegacia da mulher, principalmente se vc n tiver acesso a um advogado facilmente.

Ir a um hospital e tomar as medidas contra doenças e gravidez indesejada pra já! Por favor, não deixe de fazer isso! E fique bem. Se precisar de mais conselhos, ou de alguém para desabafar, peça meu email para a Lola.

Julia disse...

"Estou ainda pra ver alguém falar com orgulho, "MINHA responsabilidade"!"

Ta insinuando o que, Fernando? Seu comentário não tem nada a ver com o assunto. Responsabilidade do que mesmo??

Julia disse...

Fernando é realmente um estuprador. E ainda quer jogar a responsabilidade em não sei o que.

Anônimo disse...

ow meu deus, fui lendo o comentario da moca do intercambio e engasgando a cada paragrafo :(

minha flor, tambem estou em intercambio. gostaria muito que estivessemos no mesmo pais pra eu te dar toda a forca que voce precisar!
nao passei por nada parecido e espero nao passar, mas eu posso te dizer todas as coisas que voce precisa ouvir e puco ouvir todas as coisas que voce precisar dizer. nessas horas, o que a gente precisa eh de todo apoio possivel.

se voce ainda vier ler estas mensagens e quiser entrar em contato: mfvenc@gmail.com

Anônimo disse...

Lola, se vc quiser continuar censurando meus comentários só porque eu não sou hipócrita de falar o que todos querem ouvir (=mentiras e meias-verdades), fique a vontade.

Cada pessoa acredita no que quiser. Inclusive que se expor a torto e a direito na TV é justificável e saudável.

Anônimo disse...

Vi um imbecil dizer que essa pesquisa é manipulada e tem por objetivo por uma mulher no poder (no caso, Dilma). Ele disse que não conhece ninguém que pense assim, então a pesquisa é manipulada. Disse ainda que no caso "mereçer se refere a cantada, passada de mão e outras coisas inocentes, a pesquisa é válida, mas para estupro não". Então me lembrei que ano passado estava desçendo de um ônibus num domingo, às 10 da manhã, e indo para a casa. Quando surge um imbecil por de trás de um carro, com a calça arriada, gruda meu braço, e tenta me arrastar. Gritei, e consegui correr. As reações de que estava por perto e voltou a cabeça pra ver o que era? Risos, piadinhas tipo "bonitinha assim não dá pra segurar". Liguei pra polícia, e a resposta foi: "Mas ele estuprou você? Não? Então é bobagem, você não deve andar sozinha na rua, na próxima ande com seu pai/namorado/irmão". Então sim, essa pesquisa está correta, afinal, eu estava numa situação em que me expus ao perigo. Ousei estar morando em outra cidade por causa do meu emprego e ousei ir ao mercado comprar coisas para comer. Nojo da imbecilidade do pensamento brasileiro.

Anônimo disse...

E mais um adendo: quando os donos da verdade que dizem que mulher tem que se cuidar vão entender que desde que nascemos ouvimos para não confiar em home, não ficar sozinha com homem, não usar roupa curta, naõ andar sozinha, desconfiar de tudo, olhar por todos os lados, se esconder. Toda mulher sabe disso. Toda mulher pratica isso. Parem de querer achar que nunca ouvimos isso e somos polianas que andam alegremente confiando em todos! Vi uma frase excelente outro dia que resume muito bem: " Ora, se são os homens que estupram, quem deveria ficar em casa são eles"

marcosladarense disse...

Como descrito no site da instituição "O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) é uma fundação pública federal vinculada à Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República."

Essa pesquisa saiu estrategicamente, para desviar a atenção do pedido de Impeachment da Presidente, CPI da Petrobras, e da aprovação pelo senado do Marco Civil da Internet.

donadio disse...

"Grande parte das estátuas que ficam nos museus por aí são de gente -gasp!- nua. Quadro com gente nua então, tem aos montes. Cadê o povo pra dizer que isso é ~falta de moral~, ~vulgaridade~, ~pornografia~, ~exibicionismo~?"

Não duvide... porque é capaz de aparecer alguém. Lembra da folha de parreira nos documentos do David de Michelangelo?

donadio disse...

"A MAIORIA dos estupros não ocorre na rua erma à meia-noite, meu bem. Ocorre dentro de casa, com alguém que a vítima conhece e se relaciona. Parentes, namorados, maridos e colegas de trabalho."

É verdade, mas daquelas verdades que se prestam muito facilmente à desinformação.

Segundo o paper do IPEA (http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecnica/140327_notatecnicadiest11.pdf), que se utiliza de dados do Ministério da Saúde para 2011, a maioria (70%) das vítimas de estupros são crianças (50,73%) ou adolescentes (19,36%). E a enorme maioria dos estupros de crianças e adolescentes são cometidos dentro de casa, principalmente por pais e padrastos ou amigos e conhecidos ("amigos e conhecidos" dos pais, imagino). Do que resulta que a maioria dos estupros em geral é cometida dentro de casa, por parentes próximos. Mas a maioria dos estupros de mulheres adultas é cometida por desconhecidos (60,5%), na via pública ou outros lugares que não a residência da vítima (aliás, a pesquisa infelizmente não distingue entre residência da vítima e residência do estuprador). Então, se os dados do MS estiverem corretos (eles têm o tradicional problema de se referirem exclusivamente aos estupros que são denunciados, mas fora isso não vejo como seriam errados)uma mulher adulta está de fato mais segura dentro de casa do que na rua.

O que não quer dizer, é claro, que a solução do problema esteja em as mulheres ficarem dentro de casa, ou em saírem para a rua armadas. Assim como a solução do problema do estupro de crianças não está em as crianças saírem todas para a rua, ou serem matriculadas em internatos... trata-se simplesmente de que o estupro vai aonde a mulher vai: mulheres adultas passam grande parte de suas vidas fora de casa, em contato com estranhos, e são estupradas fora de casa, por estranhos; crianças passam a maior parte de suas vidas em casa, em contato com parentes próximos, e portanto é em casa que elas são estupradas, por parentes próximos.

donadio disse...

"Vcs vêem que muitas vezes não dá nem pra distinguir quem é prostituta e quem não é"

Pra mim é facílimo distinguir. Prostitutas querem dinheiro, e essa é a única diferença entre mulheres que se prostituem e mulheres que não se prostituem.

Por que é perfeitamente possível se prostituir usando roupas bem discretas, sabia?

Anônimo disse...

"desde que nascemos ouvimos para não confiar em home, não ficar sozinha com homem, não usar roupa curta, naõ andar sozinha, desconfiar de tudo, olhar por todos os lados, se esconder. Toda mulher sabe disso."
Isso! Foi o q td mundo explicou pro H.P no post mais recente. Mas qd desconfiamos deles não gostam. Uma vez tava começando um curso de inglês e um colega com quem já tinha interagido me ofereceu carona no fim da primeira aula. Não aceitei. Nunca mais falou cmg no curso. Outro vez um colega de faculdade me convidou pra "dar uma volta" pela faculdade mesmo. Não aceitei. Só pq não queria ficar sozinha com ele por lugares ermos. Tbm nunca mais procurou conversa cmg.
Não gostou, foda-se.

Anônimo disse...

Só o que eu tenho a tiver a respeito dessa pesquisa é: Sdds cérebro.

Ana disse...

@marcosladarense

"E outra, em 2010 a USP fez uma pesquisa com mais de 4000 pessoas sobre temas de violência, incluindo estupro, e mais da metade disse q o praticante desse crime merece ou a pena de morte ou a prisão perpétua."

Ok amigo. Vamos levar isso em conta e dizer que a população brasileira é altamente intolerante a estupros.

Eu te pergunto - mas o que exatamente esse povo considera como estupro?

Porque nós acabamos de ver que uma mulher ser 'atacada' é entendido de maneiras diferentes por diferentes pessoas. Pros caras da Veja, conquista é a mesma coisa que ataque. Será que quando a gente fala em "estupro" estamos todos falando da mesma coisa?

Vou te dizer uma coisa, Marcos, muita gente tem dificuldade extrema em identificar um estupro quando ele acontece fora da situação ~clássica~. A pessoa pode dizer que "estupro é horrível!" e o que ela tem na cabeça é uma virgem sendo arrastada pro mato a pauladas e estuprada em seguida. Se for uma moça que bebeu demais e foi violentada pelo ficante, aí já não é bem o que as pessoas chama de estupro porque né - eles tinham uma relação, ela devia querer transar com ele sempre. Ela bebeu, ela devia saber que isso ia acontecer. Etc etc etc.

Quero te dizer que a mesma população que condena estupro consegue muito facilmente transformar estupro em outra coisa mais branda. Como disse a Lola no post, a palavra "estupro" tem um peso muito forte. Mas troque por "forçar sexo", por exemplo, e já não acham a mesma coisa. Muita gente acha que um marido pode exigir sexo da esposa - só que isso é um estupro como qualquer outro! E aí?

Se você acha que eu estou exagerando, eu sugiro que você procure os posts da Lola sobre o 'Caso New Hit'. Você vai descobrir que às vezes NEM UM LAUDO MÉDICO ATESTANDO QUE O ESTUPRO OCORREU serve pra convencer as pessoas de que houve um estupro.

Nesse caso, duas meninas foram estupradas por integrantes de uma banda e teve gente que disse que "não foi estupro, elas não apanharam nada, não tem nenhum hematoma, elas conseguem ficar de pé sozinhas - tá na cara que não foi estupro!". E as meninas foram alvo até de ameaças de morte.

E se quiser um exemplo mais recente, vou lembrar que a Tatiele do BBB -que é MULHER- disse em rede nacional que "só é abuso se o cara encostar nas partes íntimas da mulher!". Quer dizer que pra gente como a Tatiele, se um cara ejacula em mim no metrô, não é abuso sexual.

Então assim, "a população acha que estuprador tem que morrer". Ok. Mas a mesma população pode ameaçar vítimas de estupro de morte e achar que ficar com sêmen na roupa não é motivo pra reclamar de abuso. Então de que me adianta isso???

É que nem dizer que "homem que bate em mulher tem que ir pra cadeia" e logo em seguida dizer que "em briga de marido e mulher não se mete a colher".

PlinioMarcosMR disse...

Há quanto tempo “IPEA perdeu o foco” ?

Em 04 de Novembro de 2008 publicamos o documento “Petição - Sugestão Impedir IPEA de Postular Intolerância Racial”, http://pt.scribd.com/doc/7717371/Peticao-Sugestao-Impedir-IPEA-de-Postular-Into , onde estamos provocando o Poder Constituído de IMPEDIR que o IPEA - Instituto de Pesquisas e Estudos Aplicados, postule em favor da intolerância racial, conscientemente, ou mesmo inconscientemente.

Afinal, o IPEA vem ao longo dos anos colocando que TODOS os Pardos são Negros, desrespeitando a consciência Social, e Política, de que o Cidadão Brasileiro pode se identificar como PARDOS, e não NEGROS, nas pesquisas realizadas por Órgãos Institucionais como o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Tal, tem a preocupação de RATIFICAR a essência miscigenada da Sociedade Brasileira, de maneira que seja reconhecida a importância das origens étnicas na formação dos Cidadãos Brasileiros fruto de relacionamento inter-raciais, uma vez que, a Pessoa Humana tem em sua formação aspectos Culturais, Educacionais, Financeiros, Emocionais e Profissionais.

Volto a afirmar que Barak Obama é um PARDO, fruto de um relacionamento inter-racial, onde, de forma inquestionável, reconhece a importância em sua formação de sua origem BRANCA, sem no entanto, deixar de reconhecer a mesma importância em sua origem NEGRA, razão pela qual, não pode, e nem deve, ser reconhecido como um Ativista da Cor.

Logo, o IPEA ao reconhecer todos os PARDOS como NEGROS, acirra a discussão de racismo no Brasil, pela cor de pele, dando à Indústria do Racismo munição para afirmar que o racismo pela cor é algo comum na Sociedade Brasileira, distorcendo, e muito, a certeza de que no Brasil existe preconceito/segregação por situação Cultural, Religiosa, Social, Econômica e/ou Profissional.

Quando então, lembro que Carlinhos Brown em uma entrevista afirmou: “No Brasil não existe racismo, porque, Negro com dinheiro é tratado como Branco”.

Atenciosamente,
Plinio Marcos Moreira da Rocha
Rua Gustavo Sampaio nº112 aptº 603
LEME – Rio de Janeiro – RJ – Brasil
CEP – 22.010-010
Tel. Res. +55 21 2542-7710
Cel. +55 21 98618-3350

Penso, Não só EXISTO, Me FAÇO Presente
Analista de Sistemas, presumivelmente, único Brasileiro COMUM, que mesmo não tendo nível superior completo (interrompi o Curso de Executivo, com o primeiro semestre completo, em 1977), portanto, não sendo Advogado, nem Bacharel, nem Estudante de Direito, teve suas práticas inscritas na 6ª, e 7ª, edições do Prêmio INNOVARE, ambas calcadas no CAOS JURÍDICO que tem como premissa base o PURO FAZER DE CONTAS, reconhecidas, e DEFERIDAS pelo Conselho Julgador, conforme documento “INNOVARE Um Brasileiro COMUM No Meio Jurídico II”.
http://www.scribd.com/doc/46900172/INNOVARE-Um-Brasileiro-COMUM-No-Meio-Juridico-II

Anônimo disse...

Muito produtivo!

Jéssica disse...

Erro gravissimo do Ipea!

Edceia Santos disse...

Foi um erro grave do Ipea ter divulgado o resultado errado de uma pesquisa tão importante,isso só mostra que em pleno século XXI ainda existe homens machistas que pensam tão pequeno em relação as mulheres,e que essa discriminação é uma vergonha e precisa ser mudada.