quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

A SEGREGAÇÃO DOS BANHEIROS

A J. me fez esta pergunta já há vários meses:

"Estava numa boate com meu namorado e resolvi ir ao banheiro. Só havia fila para o banheiro feminino. Um cara, vendo aquilo ao sair, ofereceu uma 'vaga' no banheiro masculino afirmando que não tinha ninguém lá. A primeira da fila disse que o xixi dela não desce em lugares 'estranhos'. Como as meninas ficaram se entreolhando, eu resolvi ir. Ainda ouvi um: 'Menina, aqui é o banheiro masculino' (peraí, não tinha ninguém).
Meu namorado entrou bem na hora em que saí e perguntou o que eu estava fazendo. Ele ficou irritado comigo justificando sua revolta com o fato de que não quer que a namorada dele seja alvo de gracinhas. Eu disse apenas 'Não vejo nada de mais nisso'. Fiquei envergonhada de mim mesma porque foi uma situação boba e eu não soube argumentar. Será que é tão absurdo assim eu invadir um espaço que não me é destinado para atender a uma necessidade física?"

Minha resposta: J., seu namorado não tem nada que ficar dando bronca em você. Como você mesma já notou, banheiros são só... banheiros. Lugares onde fazemos nossas necessidades fisiológicas. Nunca foi um assunto que me interessou muito, se bem que lembro quando, no meu primeiro curso superior, uma turma fez um trabalho analisando o que estava escrito nas portas dos banheiros femininos da instituição. Aquilo foi muito bacana.
Tenho algumas historinhas desconexas sobre banheiros, se alguém quiser ouvir. No departamento da UFC onde fica o meu escri há apenas dois banheiros. E o departamento tem cerca de 45 professorxs, fora o pessoal da secretaria. É pouco banheiro pra muita gente, e dá fila.
Um dia recebi um email com a reclamação de que um professor estaria às vezes usando o banheiro feminino, quando o masculino estava ocupado. Para resolver esse "problema", cada professora deveria ter sua própria chave pro toalete feminino. Todas as professoras concordaram, menos eu (a gente precisa mesmo de mais uma chave?). Alguém acabou falando com aquele professor, que nunca imaginara estar incomodando, e se comprometeu a não mais usar o banheiro feminino. Fim do problema.
Nossos banheiros não são assim
Pra ser franca, nunca engoli bem essa segregação em banheiros masculinos e femininos. Afinal, num banheiro público, a gente tem portinhas. Eu não faço o que tenho que fazer na frente de todo mundo, nem vejo ninguém fazendo xixi ou cocô na minha frente. Portanto, eu não dou a mínima pra quem está no banheiro ao meu lado.
Uma amiga me contou recentemente que "nós mulheres" íamos ao banheiro juntas não para fofocar, como reza a lenda urbana, mas para nos proteger. Eu achei incrível aquilo, porque ela falou como se fosse uma verdade absoluta, e pra mim não é. Eu não vou ao banheiro com ninguém, nem fofoco lá. Mas, principalmente -- e talvez eu seja uma privilegiada -- eu nunca, em toda minha vida, me senti ameaçada dentro de um banheiro. Claro, ouço falar de casos hediondos (como este, de uma jovem que, em 2000, foi estuprada e morta na faculdade particular de Fortaleza em que faria o vestibular), mas estão longe de ser a regra.
Quando eu já era professora da UFC, algumas alunas me relataram que, uma tarde, havia um tarado no banheiro feminino de um dos blocos. A segurança foi chamada, e o cara conseguiu fugir (foi uma semana difícil no campus; tivemos um assalto lá também; houve protestos por mais segurança).
Antes disso, uma professora me contou que um grupo de alunas foi reclamar com ela porque uma travesti estava usando o banheiro feminino, e elas se sentiam incomodadas. Não sei o que a professora fez, e suponho que esse episódio lamentável já tenha alguns anos, porque no nosso curso temos uma aluna tão popular e simpática, que ela foi diretora do DCE.
Ela é transexual (e imagino o quanto sua simples presença já tenha sido responsável por demolir vários preconceitos na universidade. Não consigo imaginar alguém falando pra ela que não pode usar o banheiro feminino, até porque a pessoa ouviria um monte -- Silvia, você é o máximo! Só que aí, procurando imagens para ilustrar o post, encontrei a notícia que Silvia já foi expulsa do banheiro feminino da biblioteca!).
Então vou voltar à pergunta da J: "Será que é tão absurdo assim eu invadir um espaço que não me é destinado para atender a uma necessidade física?" É esquisito usar esse termo, invadir, quando estamos falando de um espaço público. E sobre o espaço não ser destinado a você, acho que todo cronista já escreveu sobre as placas de toaletes. Essas tão criativas que mostram qual o espaço pras damas e pros cavalheiros, pra quem veste azul e pra quem veste rosa, pra quem mija em pé e pra quem mija sentado.
Mas será que elas são criativas mesmo? O que há de tão original em reforçar estereótipos de gênero, em separar pessoas em sexos "opostos", em insistir num binarismo forçado em cima de diferenças construídas?
Protesto no Shopping Center 3:
pelos direitos das pessoas trans
Hoje é Dia da Visibilidade Trans. Se você, J., entrar num banheiro masculino, recebe bronca do namorado machista. Mas pra pessoas trans usarem um banheiro público é muito mais complicado. Se uma travesti optar pelo toalete feminino, as mulheres chamarão os seguranças (aconteceu num shopping em SP, o que gerou um lindo protesto) ou farão um abaixo-assinado (aconteceu num shopping em Salvador, e a trans em questão era funcionária de uma loja no shopping, ou seja, colega da turma que fez o abaixo-assinado!). Se a travesti usar o toalete masculino, ela pode apanhar ou até ser morta.
E aí, o que fazer? Milhares de pessoas trans passam por isso diariamente. Muitas chegam a ter problemas urinários por terem que conter por horas seguidas a necessidade de ir ao banheiro. E não estou só falando da funcionária do shopping (que trabalha lá, passa horas lá, e não pode usar o banheiro sem que colegas protestem), mas também de crianças e adolescentes que não se identificam com o sexo designado a elas ao nascer, em escolas.
A criação de um terceiro banheiro não é uma solução. Afinal, é mais uma segregação. Assim como boa parte das mulheres (cis e trans) não querem vagões exclusivos em trens, ônibus e metrôs (a gente prefere que os homens aprendam a respeitar, obrigada), pessoas trans não pedem banheiro exclusivo. Pedem apenas que possam usar o banheiro que quiserem. Aliás, muitas querem acabar com o binarismo. Querem banheiros mistos.
E por que não? Se todxs nós vamos ao banheiro fazer a mesma coisa, por que precisamos ter banheiros separados? Ah, porque os homens fazem xixi em pé, em mictórios? Sério? Então homem não consegue mijar se não for num mictório? Você tem mictório em casa, ou um simples vaso sanitário?
O argumento de que mulheres (cis e trans) poderiam correr perigo se os banheiros fossem mistos é mais plausível. Mas em várias boates e bares existe a prática de banheiros mistos, e a gente raramente ouve falar de crime. E também, deixa eu te contar um segredo: mulheres já correm perigo. Tipo, em todo lugar. Inclusive dentro de suas próprias casas (28% das mulheres mortas no Brasil são assassinadas dentro de casa. Mais de 70% dos estupros acontecem no ambiente familiar. Imagino que esses dados devem superar o perigo de qualquer banheiro público).
Porém, se abolir banheiros separados de uma vez soa radical demais pra você, vamos começar a aceitar numa boa que travestis e mulheres trans usem o banheiro feminino. Eu já escutei argumentos ridículos como "O cara vai se vestir de mulher pra poder entrar no banheiro feminino e estuprar mulheres". Não vai não. Isso é meio como pensar que brancos vão se declarar negros para poder se valer das cotas. Sabe, homens cis e brancos já têm privilégios. Eles não vão abrir mão desses privilégios pra tentar se passar por uma minoria historicamente oprimida. E o curioso é que, segundo a ativista Daniela Andrade, quem mais vocifera contra mulheres trans usarem banheiro feminino são os homens.
Se a enorme maioria cis (gente que nunca teve dúvida sobre sua identidade de gênero) não é capaz nem de integrar as pessoas trans no seu direito mais básico -- usar uma droga de um banheiro público (e público quer dizer para todxs) -- vamos incluí-las em que situações? Ou a decisão dessa maioria tão democrática é que não iremos incluí-las, e que está tudo ótimo em continuar sendo o país que mais mata trans no mundo?
Vamos assumir que marginalizamos pessoas trans. É preciso ter consciência dessa discriminação. Só assim podemos lutar conscientemente contra ela. E é uma luta que deve ser lutada por todxs.

150 comentários:

Anônimo disse...

Bom, ainda bem que foi uma mulher entrando no banheiro masculino.

Se fosse um homem no feminino tinha saído algemado.

Anônimo disse...

Putz, Lola, vc já dividiu o banheiro com muitos homens? Pq é bem nojento, viu...
Os banheiros mistos dos restaurantes e bares SEMPRE são mais sujos que os banheiros femininos. Pq os fofos se recusam a fazer xixi sentados, né? Depois de umas e outras então, banheiro misto é pedir para pisar num mar de urina, desculpa.
Qto às trans, óbvio que elas têm direito a usar o banheiro feminino. São mulheres, poxa! É absurdo que isso seja um problema.

lola aronovich disse...

É né, mascutroll anônimo, pra quê ler um post? Ler cansa...

NM disse...

E o ser ainda fica irritado com a namorada, sendo que quem estaria errado é o zé-gracinha que fosse fazer chacota dela! É muita falta de foco...

Banheiros são um tema interessante. Como pode um lugar feito pras pessoas simplesmente darem cabo de suas excreções gerar tanta polêmica?

Algumas pessoas parecem se sentir até intimamente ofendidas pela ideia de banheiros mistos. Coisa de louco...

André disse...

Se o risco para as mulheres frequentarem banheiro misto é baixo, então não há motivos para trans não frequentarem banheiros masculinos.

Anônimo disse...

Excelente resposta Lolinha. Não só respondeu a questão direta da J. como abordou a importância da gente parar de discriminar as mulheres trans.

sobre banheiros, eu nunca respeitei isso. se a fila do feminino está grande, entro no masculino na maior. Já fiz isso até no Museu d´Orsay em Paris e fui seguida por várias mulheres que estavam lá, apertadas, aguardando a fila ridícula do banheiro feminino.

também considero que o melhor seria não ter separação. é verdade que os banheiros masculinos costumam ser mais sujos do q os femininos, mas, acho que se todo mundo usasse o mesmo banheiro, mulheres e homens teriam mais cuidado em não sujar.

de novo não to conseguindo logar, desculpa
aiaiai

Anônimo disse...

E o ser ainda fica irritado com a namorada, sendo que quem estaria errado é o zé-gracinha que fosse fazer chacota dela! É muita falta de foco...

Banheiros são um tema interessante. Como pode um lugar feito pras pessoas simplesmente darem cabo de suas excreções gerar tanta polêmica?

Algumas pessoas parecem se sentir até intimamente ofendidas pela ideia de banheiros mistos. Coisa de louco...

=========
Já ouviu falar de estupro?

André disse...

Sei que experiência pessoal tem pouco valor, mas na maioria das vezes que eu e minha esposa usamos banheiros públicos (de restaurantes, etc) simultaneamente, o dos homens está mais limpo. Pode ser fruto do preconceito, como todos "sabem" que as mulheres são menos porcas, os responsáveis limpam os banheiros masculinos com mais frequência.

Aninha disse...

O único argumento que me vem a cabeça para continuarmos segregando banheiros é o problema da sujeira.

Juro que não quero parecer sexista, mas minha experiência mostra que banheiros masculinos são via de regra mais sujinhos :-(

Mas esse é um argumento muito ruim sendo que o fato de segregarmos banheiro gera transtornos muito piores que um chão sujo para pessoas trans e etc.

Sou a favor de uma campanha: banheiro para todos, juntamente com uma campanha: pessoas queridas, mijem no vaso!

Anônimo disse...

Só é muito nojento usar o mesmo banheiro que homens. E eles seguram o pinto pra fazer xixi e depois encostam na maçaneta pra sair. Eu tb já pensei que é meio nojento que pessoas que andem, usem o mesmo banheiro que cadeirantes, porque os homens, e mulheres que fazem xixi em pé pra não encostar no vaso, fazem xix pra fora e os cadeirantes tem que encostar em muitos lugares do banheiro para usá-lo. Sei lá. To muito paranoica? Mas concordo com a ideia de que qualquer mulher trans possa usar o banheiro feminino.

Anônimo disse...

Taí uma reivindicação das feministas que sempre apoiarei! Por mim, mulheres podem frequentar nossos banheiros à vontade e até usar os mictórios masculinos (aqueles sabem?) se quiserem. Só não reclamem se nós ficarmos admirando rsrsrsrsrs

Paula disse...

antes de mais nada, quero deixar claro que é óbvio ululante que as mulheres trans podem e devem poder usar o banheiro feminino... afinal, elas são mulheres...

mas esse papo de banheiro mixto dá é pano pra manga..
se for um daqueles banheiros "solitários", onde depois da porta tem UM vaso, UMA pia e UM secador de mãos (normalmente esse tipo de banheiro tb é adaptado a cadeirantes) tudo bem...

mas aquele que tem as cabines... sei lá, eu não me sentiria confortável... ainda mais que tb é no banheiro que muitas mulheres cuidam das suas vaidosices: retocar maquiagem, pentear o cabelo, ajeitar o sutia, secar o suor de baixo do braço (quem nunca?)... e esse tipo e coisa, sinceramente, não dá para fazer na frente de homem... pq eles sexualizam tudo! Se vc penteia o cabelo o cara já acha que vc ta dando mole...

no meu trabalho o banheiro feminino ficou meses em reforma e decidiram transformar o masculino em mixto.. pra que?!
Eu já entrei lá e dei de cara com um colega no mictório, já teve gente me olhando estranho pq eu tava passando manteiga de cacau na boca, já encontrei o banheiro cheio de respingos e por aí vai...
graças aos céus eu troquei de andar!

isso aqui ainda não é Suécia para juntar tudo não..

RAQUEL LINK disse...

Eu acho que a questão é muito complicada, porque apesar de ter portinhas - quando o banheiro tem mais de uma privada, muitas pessoas mulheres usam o banheiro para trocar de roupa, escovar o dente, o espaço da privada é pequeno para trocar de roupa. daí como faz? todo mundo se trocando em cima da privada minuscula?Infelizmente certas separações existem por um motivo logico, como provador de roupa de loja e por aí vaí.

lola adoro seu blog, mais primeira vez que comento #timida, pergunta quero mto ver uma palestra sua, qdo vc vem pra floripa????? e ainda tem livro pra comprar??
bjos Raquel Link

mefalaramqueiaterbolo.wordpress.com

Sara Marinho disse...

Eu teria medo se banheiros fossem mistos...
E nesses banheiros mistos de bares, bem, os que eu conheço são pequenos, um banheiro, uma porta, sem boxes, e tal. Assim acho tranquilo, mas quando são banheiros nos quais muitas pessoas podem usar ao mesmo tempo, me assusta...
Em locais meio isolados seria bastante perigoso para mulheres...
Fora que homem é criado para ser sem noção, o que não ia ter de de engraçadinho subindo no vaso para ver coleguinha fazendo necessidade (ou seja, parcialmente sem roupa), não ia ser pouco...
Não apoio a ideia de banheiros mistos, tinha que ser uma outro mundo (outra cultura) para não ser perigoso fisicamente , para não corrermos risco de sermos espiadas, filmadas, expostas ao ridículo ou estupradas, para que fosse seguro.

Mas transsexuais tinham que ter direito de usar banheiro feminino né! São mulheres!

O André disse ai que já que segundo a Lola mulheres não enfrentariam riscos acima da média em banheiros mistos, trans poderiam usar banheiros masculinos. Que comparação sem noção, a sociedade não bate em mulheres desconhecidas em público por serem mulheres (muitos os fazem dentro de suas casas ou em situações sem público), mas mulheres trans são vistas por muitos como anti naturais, e por isso, muitos atentam contra a integridade física delas, as batem, as matam, só por serem transexuais! os algozes dessa violência física tendem a ser homens cis heterossexuais, seria extremamente perigoso para mulheres trans usarem banheiros masculinos.

Anônimo disse...

o que virá depois? homens e mulheres tomando banho juntos?
mulher trans pode se sentir mulher mais ainda é homem.

eu n ficaria confortável nem com "elas" e nem com eles,homens são porcos demais,tenho ex em casa,na hora de urinar erram o alvo,mijam no chão e nem se dão ao trabalho de limpar,nojentos!

Antonio Luiz M. C. Costa disse...

Eu me lembrei de quando eu era um estudante de engenharia e visitei uma fábrica onde havia três banheiros: "homens", "mulheres" e "engenheiros". Contribuiu para me fazer perder o entusiasmo pela profissão...

Camila Brito disse...

Lola, vc n tem noção da alegria que enche meu coração ao ler seus textos, e ver q ainda existem pessoas legais, q se importam com os outros, que lutam por causas dignas, que fazem colocações tão sensatas. Obrigada por fazer parte da minha vida em forma de textos HAHA beijão!

Anônimo disse...

Várias pessoas colocaram aqui que "trans são mulheres". Não necessariamente, meu povo.

Sobre banheiros mistos, o problema vai ser lidar com criaturas como o anon das 16:14. Um tipo que, infelizmente não é nada raro.

Fora isso, um banheiro misto tem um potencial enorme para ativar "triggers" e complicar a vida de muitas mulheres.

Uma sugestão: deixar os banheiros de tamanho proporcional a suas necessidades. O banheiro masculino quase sempre está mais vazio, correto? Que ele passe a ter o tamanho que precisa ter e que o feminino seja expandido.

Banheiros mistos também poderiam colocar em risco uma conveniência masculina: os mictórios. Iria atrapalhar a vida de homens sem ajudar mulheres. Fora o vaso que passaria a estar frequentemente molhado.

Mariana. disse...

Aeronaves estão há muito tempo um passo a frente do resto da sociedade.
Tem banheiro misto, feminino e masculino.

Bom. Acho o argumento da sujeira contra banheiros mistos ridículos. Dividimos banheiro com nossa família (homens e mulheres) em casa. Não há nada científico que comprove que homens são mais sujos e é absurdamente preconceituoso falar isso.
Banheiros de balada são sujos por natureza, masculinos e femininos e eu evito usá-los ao máximo.

Nunca parei pra pensar em usar o masculino, mas é uma grande besteira da minha parte. A próxima vez que tiver fila e eu estiver apertada, entro no banheiro dos meninos.

Eu acho que as mulheres trans deveriam poder usar o banheiro destinado às mulheres e isso não deveria nem ao menos ser discutido. é tão óbvio.

Não sou contra a criação de um terceiro banheiro para atender a necessidade de todos - mães ou pais com bebês pequenos e qualquer um que não se sinta confortável em banheiros separados por gênero. Mas se tiver um banheiro femino, eu sempre vou nele: por segurança, pra fofocar, pra retocar a maquiagem. E divido ele de bom grado com qualquer mulher, cis ou trans.

Aline disse...

Acho impraticável adotar banheiros mistos atualmente.Em alguns lugares (em que as pessoas permanecem pouco tempo, como restaurantes) vá lá, mas em bares, boates, etc. não tem condições. Uma pena. Fico imaginando no um milhão de situações constrangedoras e até perigosas a que estaríamos submetidas - desde um ataque até olhadas pelo espelho e possíveis espionagens e piadinhas. Medo!

Sobre a sujeira, pela minha experiência, em determinados ambientes (como trabalho) os banheiros femininos costumam ser mais limpos, e banheiros mistos podem gerar problemas por conta dos maus hábitos masculinos. já em bares e etc. eu acho que tá pau a pau, mulheres e homens costumam ser beeeem desleixados!

Com relação à situação da moça do post, em princípio não há problema nenhum em usar o banheiro masculino eventualmente, nada demais. Os caras mesmo nem costumam ligar. Eu mesma já fiz isso várias vezes. Só não é legal "dominar geral" todos os banheiros só porque nossa demanda é maior ou porque somos mais demoradas, né? Aí já me parece coisa de pessoa espaçosa!

No mais, acho que a campanha deveria ser pras mulheres pararem de enrolar tanto no banheiro quando há fila. Porque as filas pros banheiros femininos são sempre maiores e mais demoradas! E não necessariamente porque há mais mulheres no ambiente: em lugares como grandes shows de rock (em que supostamente há mais homens, até onde pude vivenciar) a fila pros banheiros femininos ainda é mais agarrada!

Claudia disse...

Eu nao gosto nem um pouco da ideia de banheiros mistos. Ja fui a varios lugares na Europa e nos EUA onde nao ha separacao e foi muito desconfortavel. Alguem ja mencionou que as mulheres usam o banheiro para outras coisas, aplicar maquiagem, ajeitar o sutia, as vezes ate trocar de roupa. Como fazer isto com homens te olhando? O que eu nao entendo eh como o numero de banheiros femininos e masculinos sao sempre os mesmos sendo que mulheres usam muito mais o banheiro (e demoram mais) do que homens.
E sobre o fato de ir mulheres irem acompanhadas ao banheiro, lembrei de quando eu estudava na UFMG. Nenhuma menina ia sozinha porque sempre tinha um tarado escondido no banheiro. A policia chegou a prender uns dois, mas o numero de pervertidos era (ou ainda eh) grande. Nos 4 anos de curso, inclusive durante o dia, nao se via mulheres sozinhas ate mesmo nos corredores.

Sara disse...

Detesto banheiro público, mas é um mal necessário, não teria absolutamente nada contra que fossem mistos, mas não dá pra ser inocente, as cantadas de rua incomodam pra caramba, imagine tomar uma em banheiros, sem contar q tiraria a liberdade, eu por exemplo não uso banheiros públicos só para as necessidades, as vezes é para passar um fio dental, um baton, arrumar uma roupa (principalmente calcinhas q entram onde não devem rrrsss) ou lavar as mãos, acho q tiraria um pouco a liberdade, não devia ser assim, mas o mundo onde vivemos ainda não esta preparado pra isso, principalmente os homens q insistem nesse papo q não podem ver um decote, saia curta ou roupas apertadas q eles automaticamente entram em estado de compulsão sexual, ia ser muito constrangedor se deparar com esses espécimes soltando baba, e olhando pra sua cara dentro dos banheiros.

Marina P disse...

Nossa, tantas coisas pra falar...!

- No meu trabalho temos um banheiro onde a pia e o espelho são usados simultaneamente por homens e mulheres e duas cabines com vasos individuais às quais se tem acesso a partir do espaço do lavatório. Tradicionalmente, mas sem ter placa indicativa, a cabine da direita é para mulheres e a esquerda para homens. Na prática a gente segue isso mais ou menos e se a "nossa" cabine está ocupada, usamos a outra. Ninguém reclama, nunca foi problema e é comum homens e mulheres indicarem a outra cabine quando tem funcionário novo esperando por uma cabine que está fechada. 80% da equipe é composta por mulheres, então é um ambiente bastante feminino, o que eu acho que facilita. As duas cabines são igualmente limpas.

- Falamos de trans sempre pensando e, como é difícil uma mulher trans usar o banheiro feminino mas imagino que a didiculdade oara os homens trans usarem o banheiro masculino também seja imensa. Onde eu trabalho nunca tivemos essa situação, mas acho que não seria problema, mesmo porque todo mundo acaba compartilhando o banheiro.

- Quando eu estava na faculdade eu usava o espaço abergo do banheiro feminino (e não as cabines) para trocar de roupa. As cabines tinham filas enormes então todo mundo que precisava trocar de roupa fazia a mesma coisa, era comum. Também rolava o esquema de secar suor, levantar a blusa pra arrumar alguma coisa e etc. Daria pra fazer isso dentro das cabines só se você fosse uma mulher miúda e magra, pois quem estava acima do peso já tinha dificuldade até pra abrir a porta e sair das cabines, devido à proximidade da porta com o vaso na hora de abrir a cabine. Além disso as cabines lotavam nos intervalos e logo antes das aulas.

- Numa boate com público predominantemente heterossexual em que fui há muitos anos atrás rolava muita passada de mão e intimidações generalizadas. Muitas mulheres saíram da boate e foram no banheiro de um bar que ficava ao lado por causa disso. Isso aconteceu principalmente depois de um certo horário quando muita gente já tinha bebido bastante.

- Numa boate gls com público bem misturado que eu frequentei, o banheiro era misto e todos pareciam muito à vontade. Ninguém parecia ter medo de ir ao banheiro e havia espelho e pia dentro de cada cabine. Modelo interessante.

Enfim, estou acompanhando o debate. Também gostaria de banheiros compartilhados mas acredito que seria um desafio em relação a alguns aspectos.

lola aronovich disse...

Muito interessante o que vcs estão levantando. Alguém lembrou banheiro de avião, e é verdade! Por mais que recentemente algumas empresas colocaram um banheiro misto e um só pra mulheres atrás (e mulheres trans são mulheres, então devem usar o banheiro feminino, assim como homens trans são homens, e devem usar o banheiro masculino), durante décadas era só banheiro misto. E ok, banheiro de avião é super desconfortável, então não sei até que ponto é parâmetro pra alguma coisa. Mas, né, a gente chia por ter que usar banheiro de avião (ou de ônibus), mas não por ser misto, certo? A gente se acostumou numa boa com isso.


Como a Marina P. falou, escritórios onde há banheiros mistos não parecem enfrentar problemas. Será que o problema é "com estranhos"?

Anônimo disse...

não concordo com a criação de banheiros mistos! lembrei de uma vez uma menina que estava lavando a blusa na pia do banheiro, ela estava sem sutiã e tranquila porque sabia que ali é um ambiente restrito às mulheres e que ela não corria perigo com a presença das outras.

não acho ser ridículo o argumento de que homens podem se travestir para tirar proveito da situação(vide carnaval, o bloco das piranhas). não é só o extremo que é o estupro, é também a 'diversão' que seria para muitos em filmar/fotografar, bancar o voyeur e ridicularizar essas mulheres.

o mundo perfeito seria aquele em que todos se respeitassem, mas como não é possível, não vejo o porquê das mulheres serem expostas dessa maneira em detrimento das trans. todos sabemos o risco que trans correm em banheiros masculinos, mas também não é justo que as mulheres arquem com mais essa. deve haver uma 3ª opção para a segurança de todos.

e a razão pela qual os homens se incomodam mais com a presença de trans em banheiros femininos é porque eles veem trans como homens, daí o ciúme de não querer outro no mesmo espaço que elas...

lola aronovich disse...

Gente, deixa eu falar uma coisa pra vcs: como eu bebo muita água, eu vou sempre ao banheiro. Então frequento muito banheiro público em todo lugar. E NUNCA vi alguém trocar de roupa na minha frente. Será que é porque eu nem reparei? Acho que não. Acho que é raro mesmo. Eu já troquei de roupa várias vezes em banheiros (geralmente antes de viajar de avião) e, por mais que eu seja gorda, e que algumas cabines sejam minúsculas, não costumo ter problemas. Agora eu já fiquei muito em banheiro de alojamento (Jogos Abertos, por exemplo), e lá os banheiros são pra tomar banho também. Aí sim fica um monte de mulher nua (e imagine como deve ser difícil pra uma mulher ou um homem trans. Nesses casos, só o fato do banheiro ser público já praticamente expulsa a pessoa trans da competição). Mas em banheiros do dia a dia, não.


Sobre a sujeira, também acho que há exagero no que algumas de vcs estão falando. Homens e mulheres geralmente usam o mesmo banheiro em casa, né? Eu não conheço banheiro público masculino, mas os femininos costumam ser muito sujos. O assento está molhado em 90% das vezes. Eu não sei se é porque a mulherada tenta fazer xixi sem encostar no assento, ou o quê, mas ô mira ruim, hein?


Paula disse...

nos banheiros de avião e onibus entra um por vez, não tem área comum.. não se divide pia nem nada...
daí a diferença..

José Tarcísio Costa disse...

Isso me lembrou disso: http://transports.blog.lemonde.fr/2013/11/19/dans-les-toilettes-dorly-le-panneau-qui-derange/

No aeroporto de Orly em Paris, não só os banheiros são separados, como também, segundo a lógica deles, só mulheres trocam fraldas. (só ver a foto que ilustra o post)

E o pior é que, aparentemente, quando algum pai entra pra trocar as fraldas de seu filho, há reclamação por parte das mulheres.

lola aronovich disse...

Então, Paula, mas isso já elimina um dos argumentos de quem é contra banheiros mistos, que é o "homens são sujos".


Ah sim, uma coisa que alguém comentou, e que eu tinha escrito no post, mas acabei deixando de fora: quase sempre há mais filas pra banheiros femininos que masculinos. Muito mais. Mulher quase sempre leva mais tempo pra usar banheiro que homem. Então deveria haver mais banheiros femininos que masculinos (e claro que mulheres trans deveriam usar o banheiro feminino -- isso não está em discussão). Mas esse foi um ponto que o Patrick levantou, faz tempo já: igualdade não é ter o mesmo número de banheiros. Igualdade é ter banheiros de acordo com a necessidade.
Mas a discussão tá boa. Tirando alguns comentários transfóbicos que cortei, tá tudo bem.

Anônimo disse...

trans são mulheres? não se trata do respeito que todos os seres humanos merecem, mas sentir que vc é isso ou aquilo nem sempre está de acordo com a realidade objetiva.
sinto que sou rica, sinto que sou de outra dimensão cósmica, sinto que sou Joana d'Arc...
acho que todos nós queríamos ser/ter coisas que não somos/temos. e é fundamental para nossa saúde psicológica e emocional que saibamos lidar com as nossas frustrações.
é como idealizar pessoas ou acreditar que tudo na sua vida irá acontecer exatamente igual aos seus sonhos, é óbvio que você vai se machucar.
exigir direitos e respeito é bem diferente de exigir que todos aceitem o que faz sentido somente na sua cabeça...

Marina Paula disse...

Lola, acho que uma das coisas que ajuda o banheiro misto a funcionar no meu trabalho é o fato da maior parte da equipe ser composta por mulheres. De um modo geral as piadinhas machistas, o sexismo, tudo isso vem sendo combatido por lá e pelo menos as situações mais óbvias de preconceito não são toleradas, o que é um grande avanço em relação ao meu último local de trabalho). Acho que o fato de ser um ambiente onde todos se conhecem também ajuda e fico me perguntando se isso não pode ter relação com o hábito difundido entre homens machustas de proteger mulheres "conhecidas" que eles consideram "boazinhas" ao mesmo tempo em que conseguem ser muito agressivos e abusivos com mulheres desconhecidas, que eles vêem como objetos a serem usados para seu prazer e diversão. Aquela lógica de que dá pra chamar a mulher que vê na rua de "bucetuda" mas uma mulher conhecida não, porque ela seria "respeitável" e vista como "mais humana".

Eu também sou gorda e acho horrível trocar de roupa em cabines apertadas, mas talve eu só seja espaçosa mesmo! Sobre trocar de roupa nos banheiros, já vi isso muito, muito mesmo. Também já vi muita gente lavando a blusa que manchou com alguma coisa na pia, só de sutiã, e depois usando aqueles aparelhinhos de ar quente para secar as mãos como um secador para a peça de roupa. Não eram banheiros de alojamentos, eram banheiros se shoppings, instituições de ensino e afins.

Marina P disse...

José, também acho absurda essa situação dos teocadores ficarem muitas vezes em banheiros femininos. Tenho visto muitos banheiros "para a família" em shoppings.

Paula disse...

bom, eu só sou a favor de banheiro mixto se ele for tipo de avião: entra um por vez e sem área comum...

banheiro tipo shopping tem que separado...

um amigo meu certa vez chamou a atenção da nacessidade de banheiros tipo familia... ele falava: vai que eu estou sozinho com a mimha filha.. comofas?

a questão dos fraudários é interessate tb... na Alemanha ele costuma fica numa área entre o banheiro masculino e o feminino.. ou entao tem nos 2...

mas EU pessoalmente não gosto de dividir banheiro com homem, pelo que já foi falado: passar batom, ajeitar sutia/calcinha/roupa, pentear cabelo etc.

lola aronovich disse...

Sim, anon das 19:05, trans são mulheres. Por que VOCÊ pode decidir quem é ou não mulher e elas não? Aliás, defina mulher. Será difícil encontrar uma definição que não seja excludente. E diga por que vc se acha no direito de negar uma identidade a quem não se sente confortável com o sexo biológico que lhe foi designado. Por que essa transfobia? Vc realmente é tão incapaz de se colocar no lugar de uma mulher trans?


Zé, essas placas sempre são problemáticas. E placa perto de escola, que geralmente põe a pessoa com saia, indicando que só mulher leva criança pra escola?


Camila Barreto disse...

Mas, gente, alguém faz xixi sentada em banheiro público?
Eu nunca faço, de jeito nenhum. Já usei o banheiro masculino na faculdade porque era de noite e o feminino não tinha luz, mas me senti um pouco mais vulnerável, sabe? Não me senti segura, não.

Eu acredito que se os banheiros públicos são aqueles pequenos, com um vaso, uma pia e um espelho, não tem problema nenhuma em ser misto, mas de fato, um banheiro maior (tipo de shopping, restaurante, boate) fica um pouco estranho. Acho que nesse caso a mulher acaba muito exposta. Ignorando aquela velha creça do "homem é mais porco" (meu irmão é porquíssimo, meu namorado não é - ou seja.), acho que esse formato de banheiro misto seria explorado de maneiras erradas, como muita gente comentou.

Eu teria medo de entrar em um banheiro grande e aparentemente vazio, sabendo que pode muito bem ter um homem mal intencionado lá dentro. Corremos esse perigo o tempo todo, claro, mas não é o que "esperamos", sabe? Sei lá, acho que não consegui me expressar direito hahah.

Sobre a questão de homens e mulheres trans, acredito que devam usar os banheiros masculinos e femininos respectivamente, já que são homens e mulheres, ué.

Julia disse...

Eu acho a questão da sujeira uma certa bobagem, não acho que homens façam mais bagunça. Por outro lado, teria medo de usar banheiros mistos com estranhos. Em escritório eu já compartilhei, mas é diferente.

Ficaria muito com medo, principalmente de ter alguém espiando por cima da porta. Filmar também seria uma preocupação.

Anônimo disse...

Já usei um banheiro com pia mista em uma igreja (!) de Caxias do Sul. Uma fila interminável de cabines, metade masculina, metade feminina, e em frente as pias e espelhos comuns. Não gostei, achei desconfortável. Não quero ouvir aquele barulho de rio de homens urinando, tampouco quero que eles me ouçam. Fiquei sem jeito pra escovar os dentes e pentear os cabelos.

Outra coisa, tranquilo dividir o banheiro com um irmão e pai, ou um marido. Eles sujam sim, mas aí você dá um xingo e manda limpar (eu sempre reclamo se encontrar sujo). Agora um banheiro em que passa um número incontáveis de homens, por horas e horas?? Francamente, o banheiro de casa não é comparação. Eu seco o vaso antes de usar, e fico puta com isso (até comprei aquele negocinho de urinar em pé, pra situações que eu sei que serão tensas, como lugares em que há bebidas alcoólicas). Mas limpar mijo de macho? Nem o do meu marido, que dirá de um qualquer.

Alguns banheiros masculinos podem ser mais limpos, talvez porque menos frequentados. Mas isso definitivamente é exceção. O masculino da minha empresa, por exemplo, só passar na porta se sente uma fedentina. E os pobre dos funcionários da limpeza passam o dia limpando aquela carniça. Meus próprios colegas fazem piada de tão fedorento que é, enquanto os banheiros femininos estão sempre limpos.

Anônimo disse...

29 de janeiro de 2014 16:07... E você mija e passa o papel na vagina (suponho) e depois encosta na maçaneta né "jênia"... Isso sem falar que esqueça porque a imundice fica no ar também, ou você acha que o cheiro é o que, um sinal mágico enviodo pelas fadas por telepatia? O cheiro não passa de partículas do mijo ou merda "voando". os mythbusters fizeram um estudo para ver se os coliformes fecais chegava na escova de dentes só de vc usar o banheiro normalmente. Resultado. Chegam na escova no banheiro, ainda q vc use capinha nela ou até coloque-a num domo de vidro. E nem se vc colocar na cozinha ela fica livre. Esse é o poder do seu cocozão. Então deixe de ser paranóica com minha mão no meu pau, que não passa de carne e pele...

lola aronovich disse...

Camila, eu faço xixi sentada em banheiro público. Claro, passo um papel higiênico antes (até porque, como eu disse, sempre tem uns respingos). Acho que tem muita lenda urbana em cima de não poder sentar porque a gente vai pegar milhões de infecções. Nunca aconteceu comigo. Aliás, é meio como comer comida pública suspeita, sabe? Aquela que todo mundo diz que é ruim. E eu nunca peguei uma infecção alimentar. Devo ter corpo fechado.


Gente, vcs falam como se banheiro masculino fosse hiper sujo, e banheiro feminino uma limpeza só. Não os banheiros femininos que conheço! E às vezes pergunto pro maridão se o banheiro que ele foi estava muito sujo, e ele quase sempre diz não.
Putz, agora esse papo me fez lembrar do "pior banheiro da Escócia" em Trainspotting...

Anônimo disse...

""""
eu n ficaria confortável nem com "elas" e nem com eles,homens são porcos demais,tenho ex em casa,na hora de urinar erram o alvo,mijam no chão e nem se dão ao trabalho de limpar,nojentos!""""'

pqp ESSE POST TÁ UM MAR DE MISOGINIA...

Depois as mesmas pessoas num post de assuntos não polêmicos vem pagar de modernas anti-machismo falando de como são ridículos mimimimi mimimimi e vem aqui e fazem igual, muita falta de semancol, ou muita hipocrisia, pois como diz o ditado... "quando a agua bate na bunda".. que diga-se de passagem encaixa-se muito bem no post kkk

lola aronovich disse...

Seu comentário quase não foi aprovado, anon das 19:38, porque não gosto de ver um anônimo agressivo falando de vagina. Mas que a maior parte dos homens não lava as mãos depois de fazer xixi, não lava mesmo. Deve ser cultural, deve depender de cada país, mas, em geral... Mas também vi uma pesquisa faz tempo que mostrava que as mulheres lavavam muito mais as mãos depois de usar o banheiro SE tivesse mais alguém no banheiro. Se só tivesse ela, muitas iam embora sem lavar as mãos. Putz, não custa nada lavar as mãos...

Erres Errantes disse...

Quando estou apertada e o banheiro feminino está ocupado, não penso duas vezes: entro no banheiro masculino.
Claro que isso gera alguns contratempos, como quando o banheiro tem vários vasos sanitários e fica aquele entra e sai de gente. Uma vez, eu entrei no banheiro masculino da faculdade, mas acabei ficando presa no sanitário porque toda hora vinha um cara diferente para usar o mictório e eu não queria ser vista ali! Só saí quando finalmente não havia mais ninguém além de mim no banheiro...
Mas ainda acho difícil superar essa separação quanto aos banheiros. Eu, por exemplo, ficaria muito receosa se visse um homem usando o banheiro feminino. Infelizmente a cultura do estupro está aí, e eu não quero dar sopa pro azar.
Mas sei que os trans ainda sofrem muito com essa separação. Eu não vejo por que um homem trans não pode usar o banheiro masculino, assim como uma mulher trans não pode suar o feminino,. mas a mentalidade humana ainda é muito ultrapassada.

Marina P disse...

Eu só consigo fazer xixi sentada, nunca consegui fazer naquela posição de equilibrista meio sentada e meio em pé. Eu costumo colocar papel higiênico sobre todo o assento do banheiro quando acho que ele tem uma cara de meio nojento. Quando não tem eu não coloco papel higiênico e simplesmente me sento. Vivendo perigosamente... : )

Anônimo disse...

Tem banheiro feminino que também é uma nojeira só. Mulher também mija em pé, sabe-se lá diabos porquê :/

Um dia desses, dentro de um aeroporto escuto uma mulher falando para a filhinha, depois dela reclamar que estava difícil ficar em pé: "Mas você vai aprender a se equilibrar. Quando você crescer também vai saber mijar em pé direitinho como a mamãe."

(pra quem não sabe, infecções estão mais ligadas a higiene pessoal, e falta de consumo de água etc. sobre a tampa de vaso, ..., a esponja de cozinha, o dinheiro e até o interruptor de luz estão mais contaminados - nunca vi ninguém evitar usar um interruptor de luz ou uma maçaneta por isso: http://consumidormoderno.uol.com.br/hot-news/germes-por-toda-a-parte-conheca-os-objetos-mais-infectados-e-surpreedentes)

Eu sou mulher e nunca entendi isso. A mesma coisa da famigerada história da tampa do banheiro ficar estar em pé ou abaixada. Eu não sei qual a diferença, mesmo.

-
Sobre o ponto de vista em questão. Também tenho medo. Não daquele banheiro que é uma entrada, solitária, e um banheiro. Mas daquele que você entra e tem várias cabines...
Em escola, já teve situação de garoto entrar no feminino e ficar "espiando". E tudo não é visto como uma simples brincadeira. Um danadinho... safadinho. "olha como é esse menino", e nada demais. O pai deve ter até passado a mão na cabeça "meu filho, é isso mesmo, veja as garotinhas". Imagino essa situação se replicando em adultos, e em alguns lugares públicos.
Ser humanos são imbecis. Eu não confio neles o suficiente para isso. Ainda (porque tenho esperanças pro futuro).

-
Limpeza é também uma questão de educação, que se aprende com o tempo.

Claudia disse...

Lola, eu tambem achava que era mito esse negocio de pegar infeccao e sempre limpava o vaso com papel pra sentar, mas acabei pegando uma doenca. Nada serio, mas foi chato.
Lembrei de uma situacao inusitada na academia. Eu fazia natacao junto com um grupo de mulheres idosas e no mesmo horario havia aula das criancas. As maes dos meninos os levavam para o banheiro feminino depois do treino para trocar de roupa e logico que havia varias mulheres nuas saindo do chuveiro e se trocando o tempo todo. Algumas maes reclamaram com os donos da academia que os filhos estavam vendo mulheres nuas no vestiario e queriam que fosse feito obrigatorio trocar de roupa no reservado do chuveiro! Mas nao tinha espaco suficiente e fora que as bolsas ficavam numa outra parte do vestiario. Levar os meninos para o vestiario masculino nao era possivel porque na maioria das vezes as acompanhantes sao mulheres. Acabou que algumas das senhoras tambem estavam incomodadas com a presenca de meninos no banheiro e foi uma discussao grande, mas que nao deu em nada. So notei que algumas maes levavam os filhos para casa sem banho mesmo depois da natacao.

Anônimo disse...

anonima que escreveu o reproduzido ao final desta mensagem: porca, nojenta e transfobica é vc.

quer vc aceite, quer nao, mulheres trans sao mulheres, mulheres trans usam e continuarao a usar o banheiro feminino. voces terao que nos aturar, gostem ou nao.

e se vc escolheu ter um porco em casa, é porque deve merecer.


"Anônimo disse...
o que virá depois? homens e mulheres tomando banho juntos?
mulher trans pode se sentir mulher mais ainda é homem.

eu n ficaria confortável nem com "elas" e nem com eles,homens são porcos demais,tenho ex em casa,na hora de urinar erram o alvo,mijam no chão e nem se dão ao trabalho de limpar,nojentos!

29 DE JANEIRO DE 2014 16:54

Anônimo disse...

Na boa, já trabalhei seis meses como faxineiro numa faculdade (de playboys!).

Eu e uma moça limpávamos tanto os masculinos, como os femininos. Íamos em dupla pois no feminino, ela entrava primeiro para ver se estava vazio, e estado ambos entrávamos e limpávamos. No masculino, quem entrava antes era eu.

Enfim, a realidade é que DEPENDE DO DIA. Já peguei muito vaso em banheiro feminino sujo de sangue, merda no chão, na parede, dezenas de papéis ensanguentados, sangue nas paredes, enfim, a imundice não tem sexo não...

Erres Errantes disse...

Lola, evite fazer xixi sentada em banheiro público! É uma lenda urbana mais difundida que a existência de Deus. Por via das dúvidas, prefiro evitar rsrsrs

Camila Fernandes disse...

Eu conversei com um amigo da arquitetura sobre isso, e uma conclusão que nós dois chegamos é que uma possibilidade é fazer banheiros mistos, mesmo, e individuais. Em alguns lugares é assim, lá dentro fica só o vaso, e a pias, junto com espelhos, ficam do lado de fora, em uma área comum. Isso, para mim, resolve várias questões. Como "desafogar" o banheiro, que às vezes fica cheio porque as mulheres estão usando o espelho. E eu digo "mulheres" porque, curiosamente, alguns banheiros masculinos não tem espelhos! Como se homens fossem vampiros que não têm reflexo, haha.

Outra coisa legal que a Paula comentou é a questão dos pais que têm que levar suas filhas ao banheiro. É muito comum a mulher, a mãe ou responsável, entrar com o menino no banheiro feminino, embora cause certo incômodo. Eu lembro que meu irmão às vezes parecia se incomodar com isso. Agora, e o pai que precisa levar a filha? Extremamente desconfortável - pra dizer o mínimo - entrar com a criança em um banheiro masculino, daqueles com os mictórios na parede, a vista de todo mundo! A solução é o cara entrar no banheiro feminino? Igualmente desconfortável. Com a quantidade cada vez maior de pais solteiros ou separados tendo a guarda dos filhos, seja compartilhada ou total, deveria ter mais gente pensando nisso.

Anônimo disse...

Lola, se fosse agressivo falando de pinto tava bom? Mas tom à parte não falei nada demais, exceto a realidade. Você pode AMPUTAR a mão depois de urinar que a maçaneta do banheiro continuará ficando suja pela simples "volatilidade fecal" ou seja lá o termo.

Sem falar que, supondo que seja um banheiro estilo shopping, a não ser que a pessoa lave as mãos na água da privada, ela encostará na maçaneta do "box", logo, irrelevante de qualquer forma o argumento da outra colega.

Anônimo disse...

tem muita fila nos banheiros femininos porque no geral as mulheres são mal educadas e não estão nem ai para o direito dos outros ou se tem alguém quase urinando nas calças.
eu vou ao banheiro,faço o que tenho que fazer,lavo as mãos e vou embora,mas a maioria não age assim.

hoje mesmo estava no supermercado,querendo lavar as mãos ,só tinha duas pias e estavam ocupadas,uma se maquiando sei lá a quanto tempo,admirando seu cabelo,a outra estava tentando tomar banho na pia,jogando água no corpo todo.
já aconteceu várias vezes de ter fila no banheiro e na hora que eu consegui entrar,vi várias dondocas paradas no meio do banheiro batendo papo como se estivessem em casa!

Anônimo disse...

"Já usei um banheiro com pia mista em uma igreja (!) de Caxias do Sul"

Eu não deixaria meu filhx usar o banheiro de uma igreja nunca! #PRONTOFIZUMAPIADAPRECONCEITUOSA

kkkkk

Anônimo disse...

não, Lola. nada de transfobia. não tenho o poder (e nem gostaria de ter)de decidir nada sobre a vida de ninguém e tampouco me acho no direito de negar direitos a quem quer que seja. não sou eu quem diz que trans não são mulheres, é a biologia. se um homem acha q é uma mulher, isso é um problema muito dele. agora querer que o mundo todo concorde com o que ele acredita é outra história. imagino o quanto a vida de pessoas trans deva ser difícil, querer muito o que não se tem pode ser sempre difícil para qualquer pessoa.
eu seria transfóbica se tivesse alguma coisa contra pessoas trans, mas não tenho. muito pelo contrário, quero que essas pessoas (assim como qualquer outra) consigam tudo de melhor na vida.
só que nesse caso dos banheiros públicos, abrir uma exceção pra trans é abrir também para qualquer homem, o que pode vir a prejudicar mulheres por todos os motivos descritos nos comments...

Anônimo disse...

Acho absurda essa ideia de banheiro misto, jamais usaria um banheiro assim.
Já ouvi cada coisa horrorosa que acontece em banheiros masculinos... E o que menos precisamos é de um cara batendo punheta do nosso lado no banheiro, ou nos intimidando caso se encontre sozinho com alguma mulher.

Prefiro pegar uma fila.

Anônimo disse...

Havia um pubzinho numa cidade em que eu morei eu amava. Principalmente por ter só um banheiro. Todxs usavam o mesmo sanitário e todxs ficavam na mesma fila. Mas uma coisa que a Paula fala e lá também acontecia é o fato de não ter área comum, acho que isso faz a diferença sim. Porque você entra faz o que tem que fazer, maquiagem, roupa, sei lá e sai. Eicram

LOVE GÓTIC disse...

Eu particularmente já usei o banheiro masculino, mas só numa urgência mesmo, mesmo, mesmo, mas não concordo eu ter apenas um banheiro para homem e mulher. Existem portas em banheiros, mas a maioria quebrada ou sem ferrolho e trancas. E ai? Qual mulher se sente segura em trocar absorvente tendo a possibilidade dum homem entrar a qualquer momento? Mesmo no banheiro feminino a gente já não se sente segura quando não tem porta imagino num coletito. E numa festa? Vejo como uma questão até de educaçãobanheiro separado. Quanto as amigas trans não vejo problema em frequentar o banheiro feminino, já me deparei com elas e para mim merece consideração como mulher já que se identificam como tal, mas homem mesmo jamais. É fato que a maioria dos feminicídios ocorrem nos lares não em banheiros. Mas é porque em banheiro haveriam mais testemunhas e a fuga também seria mais dificil.

lola aronovich disse...

Claudia, sei que pode acontecer de pegar infecção sentando no vaso, mas eu tenho 46 anos e nunca peguei, então não vou mudar meus hábitos agora. Ha ha, Erres, "lenda urbana mais difundida que a existência de Deus". Mas vejam o que a anon das 19:59 colocou, essa lista das coisas mais sujas que assento de banheiro: esponja de cozinha, dinheiro, interruptor de luz! Faz total sentido. Onde está seu deus agora, Erres?


Como assim, Camila, tem banheiro masculino que não tem espelho?! Quer dizer, agora que eu fiz essa pergunta eu me toquei que tem muito banheiro feminino sem espelho também, mas geralmente é banheiro bem vagabundo (e também banheiro de faculdade! Sabia que tem gente que rouba espelho de banheiros nas faculdades?). Não imaginava que não ter espelho era uma constante em banheiro masculino.

lola aronovich disse...

Gente, descobri faz pouco tempo que dá pra mulher cis fazer xixi em pé! Tem produtos pra isso. Eu nunca usei. Alguma de vcs já?


Tem uma coisa que ainda não foi falada, e nem sei se tem comprovação. É que muita mulher trava e não consegue fazer cocô fora de casa. Pelo menos já ouvi isso N vezes de amigas (principalmente quando estão viajando: quem nunca teve prisão de ventre?). A questão de ser sempre vista como uma princesinha delicada e ainda assim fazer coisas HUMANAS como peidar, arrotar, cagar, geralmente é uma barreira pra muitas mulheres. Isso merece um post bem escatológico, né? O que quero dizer é que EU ACHO que homens não enfrentam esse problema e fazem cocô numa boa em banheiro público, enquanto mulheres...

LOVE GÓTIC disse...

Nogento e repugnante um babacão como você. Quem és tu para falar da atividade excretora feminina? O teu p* ê carne e pele suja onde acumula bactérias no prepúcio se é que você sabe o que ê isso. E seus coliformes fecais parasitam teus testículos nogentos . E quando sua pele e carne transpira num dia de calor as bactérias realisam bipartição aumentando a flora bacteriana dos teus genitais. Asqueroso você me dar asco. Você não é gente é um monte de carne e pele que só aumenta o peso do mundo.

Paula disse...

Lola, quanto a esse lance do n. 2... quem aqui não trava em viagem????

sério... em banheiro pública tem a questão da higiene e tal.. mas e em hotel? casa de parente?

sei que o meu intestino tire férias junto comigo.. isso já foi até tema de stand up da Dani Calabresa...

funções orgânicas e gênero dá post, hein..

Anônimo disse...

Também acho que trans podem/devem frequentar o banheiro feminino. Mas o comentário do André é bastante interessante:
"Se o risco para as mulheres frequentarem banheiro misto é baixo, então não há motivos para trans não frequentarem banheiros masculinos". Me lembrou uma discussão bastante interessante em que se defendia a dissolução das fronteiras entre coisas femininas e coisas masculinas. Ex: Vestidos, maquiagem, calças, bigodes, etc. Ao mesmo tempo em que se reivindicava o direito de troca de nome para as pessoas trans. Não sou contra pessoa nenhuma trocar de nome. Mas parecem que há algumas caixas socio-historica e culturalmente construídas das quais ainda não conseguimos sair. Se me chamo André sou homem. Se me chamo André não sou mulher?
Eicram

lola aronovich disse...

Anon das 8:27, então vc é da turma que acha que homofobia e machismo é só quando se bate em gay/lésbica ou mulher, porque se vc só falar que tem nojo de homem se beijando ou que mulher é tudo vadia, isso não seria homofobia nem machismo. É a mesma coisa que vc está dizendo ao assumir um discurso altamente transfóbico e negar que está sendo transfóbica. Um homem não "acha" que ele é uma mulher, ele sente, ele sabe, ele se prepara pra isso (inclusive luta contra isso, ou vc acha que é bolinho ser trans num mundo transfóbico e binário?), e sua transformação é gradual. Vc negar que essa pessoa se identifique como mulher é uma grande sacanagem. Vc achar que "biologia" é algo neutro, imparcial, sem ideologia, é bem ignorante. Não estamos abrindo exceção para mulheres trans usarem banheiros femininos. Elas são mulheres. Vc acha mesmo que um monte de homem cis se vestiria de mulher pra atacar mulheres (trans e cis) num banheiro público? Ou a sua transfobia te faz achar que mulheres trans, por muitas terem pênis, estuprariam mulheres cis no banheiro?


Putz, Love Gótic, agora vc me pegou. É verdade! Grande parte dos banheiros têm tranca quebrada (ou que foi roubada! Acontece também, inclusive em faculdades. Eu nunca imaginei que tinha gente que roubava ferrolho de banheiro de universidade pública, mas uma diretora de um prédio me contou que roubam tudo: papel, espelho, tranca, qualquer coisinha pra segurar bolsa. Muito triste). Isso realmente é um problema.

Ana disse...

Fiquei pasma aqui, com algumas mulheres dizendo que não sentam na privada! Vocês fazem como, então???
Minha mãe me ensinou a "forrar" a privada com papel antes de sentar, ensinei minha filhota o mesmo. Não conheço outra técnica.
Sobre banheiros com área comum, acho que precisam ser separados mesmo. Já precisei lavar um vestido pois fiquei menstruada e não estava com absorvente, manchou. Tirei e lavei na pia. Depois sequei no jato de ar para secar as mãos.
Enfim, há situações em que precisamos de um pouco de privacidade. E o fato é que as mulheres usam mais e demoram mais nos banheiros, por motivos óbvios. Os homens não precisam baixar a roupa, etc... Então, seria justo que os banheiros femininos fossem em maior número.

Anônimo disse...

O que quero dizer é que EU ACHO que homens não enfrentam esse problema e fazem cocô numa boa em banheiro público, enquanto mulheres...
------
Sou homem e não faço de jeito nenhum nem em casa de conhecidos travo.

Anônimo disse...

anon de 16:54 baixa a bola querida,eu n escolhi homem porco,eles são da minha familia,irmãos,n posso fazer nada.
e melecar o banheiro todo é porcaria mesmo ou vc acha q isso é higiene,eu n falei nada q trans são nojentos por serem trans e sim pq devem se comportar como a maioria dos homens nesse sentido.

como sempre se vc n concorda com algo é misogina,transfobica ,bla bla bla...
se um homem acha que é mulher é um direito dele mas eu e nem ninguém somos obrigados a achar o mesmo.
vcs n pedem respeito as diferenças ,isso parece mais ditadura,tem que concordar com vcs e acabou!

n sei qual é o drama,tem banheiro separados para homens e mulheres,pq n pode ter para trans?

Anônimo disse...

Ainh, Lola...
Tem a questão da sujeira mais tb tem outra...
Não lembro qnd eu vi uma pesquisa dizendo que boa parte dos homens batem uma em banheiros públicos, na maior! =(

Anônimo disse...

Tô vendo uma galera falando sobre já existirem banheiros mistos em escritórios e em outros ambientes empresariais, mas veja bem: num escritório existem regras e as pessoas se conhecem, pegaria muito mal se acontecesse alguma coisa num lugar assim. Existe a questão do assédio no trabalho, mas isso é outra história.

Vamos pensar na situação proposta aqui, e imaginar que amanhã todos os banheiros públicos sejam substituídos por mistos.
Agora pense no banheiro mais escroto que existe. Vamos assumir um banheiro de praça pública, um daqueles que é frequentado desde mendigos até empresários.
Banheiros públicos já são nojentos. Agora que são frequentados por ambos os sexos, são ainda mais. E não pense que por ser um banheiro misto as pessoas seriam mais higiênicas, isso é Brasil, não Escandinávia.
Imagine você, mulher, voltando pra casa e de repente bate aquela vontade de mijar. Você está muito longe de casa. Mijar numa árvore está fora de cogitação (deveria sempre estar, é uma atitude muito escrota), porque você está no centro da cidade. O banheiro misto está bem ali na esquina, porém há dois problemas:

1. O banheiro está imundo. A higiene ali é precária; doenças aparentemente erradicadas da face da terra estão ali preparadas para invadir no seu corpo. Você se sentiria segura entrando ali?

2. Há 5 homens no banheiro fumando e conversando; não há nenhuma mulher ali. São todos desconhecidos. Você se sentiria segura entrando ali?

Vocês podem até sugerir soluções pra isso, mas quando penso de uma maneira geral não consigo imaginar que isso dê certo, pelo menos agora no Brasil. Em ambientes mais humanizados, como em universidades ou escolas particulares, isso poderia dar certo, mas de uma maneira geral, imagino que não.

Lola, você disse que tem muita mulher que não consegue fazer o número dois fora de casa. Eu sou homem e também não consigo. Quando eu era criança cheguei a fingir que estava passando mal só para poder me aliviar em casa. Hoje em dia não mudou muita coisa. Banheiros públicos me intimidam.
Além disso eu mijo sentado. O que por muitos é visto como "viadagem", pra mim é higiene. Não faz barulho (de onde vem essa necessidade dos homens quererem que as outras pessoas saibam que eles estão usando o banheiro?), não tem a necessidade de calcular a distância e pressão para acertar o vaso sanitário e é mais higiênico pois não há risco de molhar outras partes do banheiro que não seja o interior do vaso.

André disse...

Sara Marinho,

Homens gays também são mais suscetíveis à violência por parte dos homens cis, eles tem direito de usar o banheiro feminino?

André disse...

Lola,

Infelizmente não tem como fugir da igualdade numérica. No nosso departamento temos 28 professores homens e 2 técnicos para dividir 8 cabines nos dois banheiros masculinos, e 2 secretárias para dividir 12 cabines nos dois banheiros femininos. Se não fosse assim o projeto não seria aprovado.

Musicista Feminista disse...

Mascu anônimo ataca...MIMIMI se fosse homem saía algemado. Não sei do que ele teria medo ao ver uma mulher entrando num banheiro masculino, perigo total sabe...

Anônimo disse...

Eu senti na privada, to nem aí. Dou uma limpadura antes, e veja como eu sou educada, se eu sujar limpo porque sei que ninguém é obrigado a conviver com a minha urina. Acho isso de não sentar uma babaquice. Me perdoe quem faz isso, mas já aconteceu de eu abrir uma porta (que opa, tava sem trinco) e encontrar uma criança toda empoleirada em cima do vaso. Obviamente deixou tudo sujo de xixi e barro do sapato. A próxima que se virasse, né? Se todo mundo sentasse como é pra ser, a sujeira iria ser muito menor. Enfim, germes não atravessam a pele, pra pegar doença só se tiver ferida ou encostar a vagina na privada. Não sei vocês, mas eu sento é nas coxas, então nunca peguei nada. Outra coisa, urina é estéril, e geralmente os respingos são de xixi mesmo. Acho que justamente por ser tão despreocupada não sofro do tratamento de intestino em viagens. Pra mim deu a hora, qualquer lugar que eu estiver serve.

E eu comprei o negócio de urinar de pé. É caro, mas funciona sim. Não é esse descartável do link da Lola, e sim um lavável de silicone. Cansei de limpar mijo alheio, quem tb tiver problemas pode comprar que funciona.

Musicista Feminista disse...

O problema dos abusos é complicado, acho que isso teria que ser gradual, o pessoal a ir se acostumando aos poucos. Tem cara que quase te derruba com o olho e solta umas frases sujas quando vê alguém entrando no banheiro feminino ao lado, já aconteceu comigo. Na escola em que eu trabalho há apenas dois homens e um banheiro para funcionários, e não dá problema. O que acontece é o entra e sai das pessoas num lugar cheio de casinhas.
Em banheiros de academia seria mais crítico ainda, pois muita gente se seca fora das casinhas do banheiro, que são muito quentes. Como fica?

Débora disse...

Oi Lola!
Faz muito tempo que não comento por aqui.
Estou morando na Irlanda pelo CSF e tenho uma amiga trans, ela também é do Ceará e estuda na UFC, em Joazeiro. Ela estuda comigo na universidade aqui e só usa banheiros femininos, nunca ninguém se incomodou com isso ou disse alguma coisa.
Ela sempre diz como a vida dela mudou aqui e que evitar pensar de como será se reacostumar no Brasil quando voltarmos. Histórias horríveis ela conta,vou pedir para ela comentar aqui sobre o assunto.
Beijos

Musicista Feminista disse...

Em relação aos pais que levam meninas no banheiro é o seguinte: uma mãe com um menino no banheiro acredito que nenhuma mulher vai ficar tarando o menino ou ele passará por alguma coisa constrangedora lá dentro. Agora um pai levando uma menina no banheiro masculino... acho que eles preferem que elas façam na roupa mesmo. Os caras ficariam olhando ela, eu se fosse criança me sentiriam péssima num banheiro cheio de caras adultos me encarando.

Anônimo disse...

Em 1992, minha colega de faculdade na UFRJ entrou no banheiro e enquanto estava na cabine levou uma picaretada na cabeça de um pedreiro que fazia serviço na marquise que era na altura da janela do andar. Só não aconteceu um estupro porque a colega deu um grito que ecoou em todo o andar. Então ir junto ao banheiro pode ser uma questão de proteção mesmo.

Camila Fernandes disse...

Pois é, Lola, tem lugar que é banheiro "raça ruim" como diz minha mãe, e nem o feminino nem o masculino tem espelho. Às vezes nem papel tem, né? haha! Mas, brincadeiras à parte, em alguns lugares o feminino tem e o masculino não tem, acredita? Puta disparidade de tratamento, não é? Parece que o espelho só é ligado a "beleza" e maquiagem, e a pessoa não pode querer olhar se, sei lá, 'tá com um alface no dente.

Anônimo disse...

Putz, Lola, quer trocar?
Peguei Hpv com 15 anos, sendo virgem e sem nunca ter tido contato sexual com outrem. E aí?
Graças são céus eu fui a uma gino esclarecida que explicou tudinho pra mim e minha mãe. Ela disse que essas pragas podem ser pegas em banheiros públicos, toalhas etc e que o ideal é nem encostar na maçaneta da porta.
Sou extremamente sensível, se vejo q o lugar é zicado já dá uma coçeirinha.
Uó!


Quando eu era pequena e entrava no banheiro com minha mãe ela me fazia ficar de cócoras em cima do vaso, me ajudando a equilibrar. Depois de grande posso me gabar de ser uma ótima malabarista, mas agora com a idade as pernas começam a falhar.
Kkkk

Camila Fernandes disse...

Eu 'tô vendo a galera reclamar de banheiros mistos, sobre sujeira, segurança, etc. Mas olha, no caso dos banheiros "individuas", com as pias e os espelhos em um local separado, não funcionaria muito bem?

Eu penso muito em escolas, e outros espaços com crianças. Eu trabalhei em um museu e a gente recebia turmas escolares. Olha, o momento da ida ao banheiro seria infinitamente mais fácil se fosse assim, cabines individuais e um espaço do lado de fora com pia, papel, secadores de mão, espelho, etc. As crianças e adolescentes entravam no banheiro e demoravam bastante. Era meninxs conversando, tirando foto no espelho, molhando cabelo, passando batom... E, nisso, outras tantas crianças querendo fazer xixi, e o banheiro lotado. Se as cabines fossem banheiros individuais, cada um entraria sozinho, fazia sua "necessidade", e isso agilizaria a hora de lavar as mãos, dar uma arrumada no espelho, etc.



Para a pessoa que falou sobre os homens no banheiro, fumando e conversando... Mas gente. Quem é que vai no banheiro para fumar? Um lugar todo fechado, eu heim. Provavelmente eu não entraria em um banheiro que alguém estivesse fumando, de qualquer jeito. O lugar de "fumar e conversar" não devia ser uma varanda, uma área específica, talvez uma área de fumantes...?

Anônimo disse...

E mãe levando o filho de 12 anos no banheiro feminino da repartição em que trabalha? Acho a coisa mais hedionda para o menino, a mãe tem medo do filho ser atacando por homem mas permite que ele fique participando da arrumação de cabelos e maquiagem das mulheres. Imagino o que ela quer evitar, mas penso que o tiro pode sair pela culatra de uma forma que ela não imaginava.

Paula disse...

Anon das 23:09

incomodada ficaria EU com um punheteiro de 12 no banheiro feminino!!!

Anônimo disse...

Lola, nesse caso, eu não me importo como uma pessoa trans se identifique desde que não prejudique nem obrigue as mulheres a viver da maneira que eles querem. eu não tenho nenhuma aversão aos trans, repito: que eles consigam o melhor da vida, mas nem eu e nem ninguém pode ser forçado a concordar que um homem é uma mulher! estou sendo bem clara nos meus comentários então, pode distorcer, fazer as suposições e interpretar o que eu digo da maneira que melhor lhe convier...

Julia disse...

Anon 23:09
O tiro pode sair pela culatra como?

Anônimo disse...

em sites pornôs há videos com câmeras escondidas de mulheres fazendo xixi em banheiros públicos. A câmera é acoplada no vaso..

Anônimo disse...

Olha, até entendo, mas sou contra banheiro misto aqui. Estudo na UnB e lá vive aparecendo um tarado que espia as meninas. Infelizmente vivemos num país com uma grande porcentagem de homens atrasados, comemoro quando eles deixam de fazer xixi na rua e façam no banheiro, mas acho que levará mais alguns séculos até que eles consigam respeitar o espaço das mulheres.
Esses banheiros mistos em baladas devem ser em baladas gls ou mais moderninhas, nesses lugares as pessoas tem uma mentalidade mais aberta, talvez, por isso funcione. Aqui em Brasília vive tendo estupro em banheiro masculino...

Julia P. disse...

Clonaram a Love Gotic? Pra que essa misandria desnecessária?

Fábio Henrique disse...

Segundo o senso comum, o toque masculino e sempre mais sujo.
nós somo sempre vistos como predadores sexuais, se uma mãe, toca seu filho na forma de cuidado, o levando aio banheiro, ou trocando suas fraudas, lhe lavando no banho por exemplo, e sempre visto como algo natural,um cuidado materno apenas.
Mas se um pai, age da mesma forma com uma filha, e vistto como algo naturalmente viu, pervertido, não importa se este pai tem apenas sentimentos puramente paternos, de cuidado e amor.
Foda isto, somos sempre vistos como animais, demonizados.
Se um individuo comete uma barabaridade, logo o feminismo consegue a magica de ampliar esta barbaridade a todos os homens da terra, e não apenas a um individuo doente pedofilo nojento.

Anônimo disse...

Ola pessoal,primeira vez deixando um comentario.Well,apesar de ter convivido com gays durante muito tempo confesso que nao me sentiria confortavel em um banheiro com uma trans, principalmente se ela ainda tivesse pau e mijasse como homem.Nao sou tao modernosa mesmo,e sinceramente uma trans nao e uma mulher.

Cora disse...


hum... talvez se mulheres e homens não fossem seres humanos, pudessem frequentar o mesmo banheiro público. mas... sendo ambos seres humanos, me parece que a convivência educada e respeitosa seja impossível. humanamente impossível.

Cora disse...


eu nem podia imaginar que mulheres trans não pudessem usar o banheiro feminino. fico imaginando minha colega de trabalho usando o banheiro masculino. putz... nada a ver. ela fez a operação. será que isso muda alguma coisa? e se não tivesse feito?

o problema de fazer "coisas de mulher" na frente de homem ou "coisas de homem" na frente de mulher é justamente o binarismo de gênero. um tem que fingir que não sabe o que o outro faz. doidera, né?

mas as trans fazem "coisas de mulher". aí ela não se sentiria constrangida fazendo "coisas de mulher" na frente dos homens, tanto quanto mulheres cis?

e os homens trans? como se sentiriam nessa situação?

Cora disse...


quanto à limpeza, é o seguinte: banheiros que não são limpos, são sujos, hehehe. quer dizer, se há problemas na manutenção do banheiro, não importa se feminino ou masculino, ele será sujo. o principal problema dos banheiros femininos, quando não há funcionário suficiente, é o acúmulo de papel. mulher precisa de mais papel. aí começa a transbordar e isso mata qualquer banheiro.

os banheiros da fea/usp eram impecáveis. os melhores do campus (Lola, eu também bebo muita água e uso muitos banheiros por aí). porque eram novos e mantidos limpos por funcionários. na usp, quanto mais antigo os prédios, piores os banheiros. aí não há limpeza que apareça.

em balada, banheiro é sempre uma lástima e não sei se dá pra fazer misto. mas em outros lugares, acho que seria possível, sim.

percebo que os shoppings estão resolvendo a questão das crianças com os banheiros da família, onde é possível trocar fraldas, amamentar e tem sanitários infantis. boa solução. tanto homens quanto mulheres acompanhados de crianças podem usar sem receio.

eu viajo muito de ônibus. e, nunca usei o banheiro. não por ser misto, mas por ser no ônibus. muito apertado, estranho. não uso. mas sabe o engraçado? algumas empresas tem modelos com dois banheiros, um masculino e um feminino. coisa recente, anunciado como um diferencial.

Cora disse...


antes de conhecer os mascus, eu achava que todo homem fosse como são os meus amigos. e fiz/faço muita "coisa de mulher" na frente deles. mas eles me veem como pessoa, né? então eu diria que banheiros mistos são viáveis. mas pelo jeito, o mundo tá cheio de mascus... e aí, já não sei se banheiros mistos são assim tão viáveis. a não ser em empresas e tals, onde as pessoas se conheçam.

Anônimo disse...

Notícia boa LOLAAAAA:

http://www.anonymousbrasil.com/brasil/homem-de-bem-offline-ate-segunda-ordem/

Anônimo disse...

Acho que homens e mulheres deveriam ter banheiros separados sim. Entretanto, creio que não deveria ser absurdo se em caso de necessidade, uma mulher entrasse em um banheiro masculino ou o oposto, ou uma mãe entrasse com o filho etc. (supondo que vivamos em uma sociedade civilizada).

Quando o país estiver preparado, educado, civilizado, aí sim, podemos pensar em banheiros mistos.

R. Mart's.Lva disse...

Esse texto só pode ser uma piada, não é possível uma coisa dessa! Hahaha Entendo que na hora do desespero pouco importa a plaquinha na porta, mas fora isto só o fato de um mijar em pé e outro sentando já motivo o suficiente para separar os banheiros! kkkkkkkk

Anônimo disse...

Lola infelizmente nessa nosso mundo violento eu teria medo de dividir banheiro com homens, pelo menos esse modelo de banheiro que temos. Mas sempre pensei, porque não mudar esse padrão,??? oras, porque não banheiro individuais? com as portinhas certinhas e nada de separar, entra quem quer e pronto.

Izabel

Fernanda disse...

Super legal esse post.

Já disseram por aí, xixi não contamina ninguém. Aliás, já pensei muito sobre isso: se a primeira mulher que entrar no banheiro se sentar no vaso (a gente senta é com as coxas, como também já disseram) e fizer seu xixi bonitinho, todas as outras poderiam também se assentar e fazer xixi civilizadamente. A primeira ou enfim, todas: se fizéssemos isso, se não houvesse a paranoia de não poder tocar no vaso, o banheiro feminino seria bem limpinho (como também já disseram, outros ambientes ou objetos são muito mais contaminados que o banheiro).

Outro ponto: não dá pra generalizar, cada ambiente tem um banheiro (ou um comportamento de banheiro) diferente. É o anonimato que fode tudo. Porque em banheiro de empresa quem fizer alguma coisa errada corre o risco de ser identificado. Então as pessoas se comportam bem. Porém, em outros banheiros públicos, como em shoppings, já é mais difícil. E banheiro de bar/casa noturna é no man's land.

Eu SEMPRE fui em banheiros masculinos quando precisei. Sem dramas. Ninguém nunca me falou nada, e honestamente, não teria sentido porque quando recorro ao masculino é porque o feminino está abarrotado. Fica bom pra todo mundo: libero uma vaga no feminino e o de homem é sempre muito mais rápido, eles não se importam. Por isso confirmo o que foi dito aí: banheiro feminino, especialmente de bar, é um nojo também. Ok, alguns homens mijam rodando o pinto pelo banheiro afora, mas essa história de mulher mijar em pé tem o mesmo efeito. Eu mesma, quando tive que fazê-lo, nunca consegui mijar só dentro do vaso. A diferença é que, quando tem papel, tenho a decência de limpar o vaso para a próxima pessoa.

Sobre a SCA, ou síndrome do cu assustado, me parece ser bem comum em mulheres, que têm muita dificuldade de fazer cocô fora de casa. Aliás, a prisão de ventre me parece ser um problema grande entre as mulheres. Eu fiquei horrorizada com amigas casadas que não fazem cocô na frente do marido. Quando digo na frente não quero dizer chamar o marido pra dentro do banheiro, mas é todo um esquema sigiloso para poder fazer cocô, além de ser assunto proibido. Gente, pra mim uma das maiores vantagens do casamento é a intimidade! Eu sou dessas que anuncio pra todo mundo: peraí que vou fazer cocô. E faço em qualquer lugar limpo (sem higiene não dá).

Com relação a banheiros mistos, creio que a melhor solução seria ter sim uma terceira opção de banheiro mas não para trans e sim um banheiro misto. Ou seja: teria o de mulheres, com cabines, espelhão e tudo o mais, o de homens com mictórios e vasos e um bem privativo pra quem quer só fazer um xixizinho ou cocozinho rápido sem ter que se embelezar ou trocar de roupa ou qualquer outra coisa.

Anônimo disse...

Eu acho que ambos deveriam mijar sentados. Suja menos, não respinga. E dizem que é mais saudável o homem fazer xixi sentado também, pois a bexiga é mais esvaziada. No Japão as privadinhas são todas no chão.

http://1.bp.blogspot.com/-la6H8wTCmr0/UEl_OkBsCxI/AAAAAAAAAJA/ZwqiAfq0SAE/s1600/privada+jap.jpg

Parece um mictório, só que mais fino e no chão. Você faz xixi e cocô de cócoras. Em pontos turísticos e hotéis tem as privadas comuns. Mas a fila pra essas privadas são grandes, porque o pessoal se recusa a usar as do chão, acham estranho.
Eu usei e aprovei ahahah. Além de não ter fila, você tem a sensação de que "esvaziou" tudo, pois a posição e a gravidade ajudam.

Mas isso de ter banheiro unificado, eu sou contra. Ah não ser que, como alguém citou, cada um tenha sua portinha, igual banheiro químico mesmo. Banheiros que possuem um ambiente de espera não dá pra unificar, pois é perigoso mesmo. Para pervertidos, seria o local ideal para abusar de mulheres: fechado e sem câmeras.

Anônimo disse...

Sobre sujeira: isso vem da educação.
Homens tem costume de chacoalhar o pintinho após o xixi. Isto causa respingo. Alguns pegam o papel higiênico e secam o assento. A grande maioria não.
Mulheres em banheiro público evitam assentar. Eu não assento. Uso o método do agachamento. Sim, às vezes respinga. Eu pego papel e limpo, pq a faxineira não é obrigada a limpar sujeita de marmanjo/marmanja.

Mas eu conheço muitas pessoas que só pq o banheiro é público, elas não ligam de sujar. Aqui no meu trabalho há 3 banheiros: um masculino e um feminino nos fundos, pros funcionários e um para clientes, próximo à minha sala. Eu uso este último, pq eu também bebo muita água e não vou ficar me deslocando até os fundos pra fzr um simples xixi.
Mas tipo, sempre vejo coisas nojentas lá: meleca na pia, crosta de pasta de dente na pia e no chão, respingo na privada, e um dia vi respingo de sangue (este último nem dá pra culpar os homens, pq eles não menstruam). Acho uma porqueira.

Por isso eu falo que é uma questão de educação e criação. Algumas pessoas são porcas, outras não. É claro que por causa do machismo, muitos meninos são criados para serem ogros e as meninas para serem princesas.

De qualquer forma, sou contra banheiros mistos em locais públicos, a não ser, repito, que seja um único banheiro, sem cabines e local de espera.

Anônimo disse...

Meninas, a desigualdade numérica quanto a banheiros tem uma explicação simples: são os homens que movimentam a economia do mundo, portanto tem muito mais homem dono de casa noturna, restaurante e estabelecimentos comerciais e empresarias de todos os tipos, logo, ele constrói sua empresa de acordo com a lógica dele, masculina.
E infelizmente para vocês mulheres vai ser assim por muito tempo ainda. Ao menos enquanto forem os homens os grandes empreendedores, que movimentam a economia da Terra. E isso só vai mudar quando vocês começarem a, ao invés de procurar um casamento bom, procurar um EMPREGO BOM, ou seja, botarem um serviço no corpo. Aí deixarão de ser donas de casa sustentadas pelos marifdos para serem empreendedoras e poderão fazer maiores banheiros femininos do que masculinos à vontade.

lola aronovich disse...

Anônimo das 9:58, seu comentário tá atrasado em 30 anos. Pelo menos.


A maioria dos outros comentários está muito boa e interessante. Continuem, por favor!

Helen Pinho disse...

Na faculdade minhas amigas mais próximas tinham (todas) problemas para usar o banheiro da faculdade - que era misto -, tinham medo de pegar doença, seguravam o xixi a noite toda, cocô nem se fala, quando iam levavam álcool e tal. Elas tinham cistite, problemas urinários e intestino preso volta e meia, eu tive UMA cistite em 5 anos (e na vida também).

--

Em bar, festa e afins se só tem banheiro binário fico na fila, mas se o masculino vagar e não tiver homem pra usar, eu uso, uma vez só um homem ficou "descontente". Mas foda-se né?! Banheiro livre, não vou ficar apertada na fila.
Nesses mesmos lugares quando tem banheiro misto, uso esse, até como forma de incentivar que esse seja o modelo a ser seguido.

--

Não vejo relação entre gênero e limpeza do banheiro. Não, banheiros femininos não são uma limpeza só, e se são é porque o local tem uma equipe de faxina muito boa.

--

Impedir, dificultar o acesso de pessoas trans a banheiros públicos binários é a prova que somos tão tão transfobicos que nos sentimos totalmente no direito de negar um direito básico de cunho fisiológico a uma pessoa. Muito muito triste, é daquelas coisas que faz a gente não ter fé na humanidade.

--

Espero que em breve seja lei estabelecimentos públicos terem banheiros mistos/sem identificação de gênero.

donadio disse...

"Não sei do que ele teria medo ao ver uma mulher entrando num banheiro masculino, perigo total sabe..."

De que ela engravide devido à volatilidade espermatozoidal e o obrigue a sustentá-la para o resto da vida... XD

Ana Claudia disse...

Eu não dei conta de ler todos os comentários (muuuito bons por sinal), então não sei se alguém comentou isso. Mas ainda tem a situação das crianças. As minhas filhas ainda são meio pequenas para irem ao banheiro sozinha. Então quando elas vão ao banheiro com o pai, é um suplício. Porque, obviamente, ele não vai levar no banheiro feminino. Embora eu não fosse me incomodar se eu visse um cara levando as filhas no feminino. Aí ele tem que levar no masculino. E o problema do masculino é que tem os mictórios. Então por mais que eu saiba que elas não vão ligar para o que estão vendo, o pai fica desconfortável e os caras que tão lá cumprindo sua necessidade fisiológica, também ficam sem graça. Se o banheiro fosse misto isso não seria um problema, porque pelo menos todos teriam sua própria cabine.
Ano passado eu fui a um congresso em San Diego, e fiquei hospedada em um albergue no qual os banheiros eram mistos. Inclusive, as cabines de banho eram nesse banheiro misto. E eu achei tudo bem tranquilo. Confesso que no inicio rolou um certo desconforto, porque né, estou acostumada com tudo separadinho.

Anônimo disse...

Eu jamais encosto no assento. Sabe lá quem usou antes de mim, se fizeram a limpeza direito, nem. Minha mãe me fazia agachar em cima do vaso de banheiro público quando eu era criancinha, leve e pequena demais pra minhas pernas não tocarem o assento hehe. Hoje em dia vai no esquema "squat", seja xixi ou cocô. Aliás eu tambem tinha bloqueio pra fazer cocô em banheiro público, e só faço se for extremamente necessário. Mas se for, to nem aí, é o chamado da natureza.
Já usei banheiro masculino sim, mas apenas com a certeza de que estava vazio e num ambiente sem riscos, como restaurante ou faculdade. Bar, balada, não mesmo

Bru disse...

"Isso é meio como pensar que brancos vão se declarar negros para poder se valer das cotas."

Putz, eu ouço isso na minha família, Lola!
"Ai, agora os negros tem privilégios demais, vou me bronzear ara conseguir a mamata das cotas" Acredite eu já escutei isso! E, pasme, de mulheres!

Bru disse...

Coisa que me irrita:

pessoas comentam sobre o post: silêncio.
pessoas perguntam coisas pra Lola: as vezes ela responde.
mascu fala QUALQUER abobrinha pra chamar a atenção, nem leu o texto: a Lola automaticamente responde.

Uma dica? Para de responder esses babacas, é isso o que eles querem! Deixa no vácuo!

Leila disse...

Lembrei de quando minha sobrinha era pequena, o pai dela que a levava na natação, no primeiro dia ele pensou 'como é que eu vou fazer?'. daí disse 'Olha lá Luiza, tem dois banheiros, aquele lá é o masculino e aquela lá o feminino, em qual você vai?' Ela respondeu rapidinho 'no masculino' ele 'não Luiza' e ela que sempre argumentou disse 'é claro, papai, o feminino é pros minimo'.
Leila

Roxy Carmichael disse...

esse post tá revelando algo que tem suscitado debates bem interessantes: esse psicose que mulher tem com assepsia. esse nojinho dos fluidos corporais, pelos, secreções. menstruação sabe como é, tem cor azul, como o sangue azul aristocrata, de acordo com as publicidades de absorvente. essa necessidade de ser de plástico. com medo de que as pessoas descubram que mulheres não peidam perfume de rosas, muitas delas tem problemas terríveis de intestino preso. outras tantas tem disturbios urinários porque não conseguem mijar em qualquer lugar. ups, falei mijar, desculpa, quis dizer fazer pipi (outro traço: a infantilização).

banheiro feminino é MUITO sujo. tem sangue e urina na tampa do vaso. tem umas fofas que insistem em jogar papel e até absorvente dentro do vaso, entupindo tudo. tem urina no chão também. e pra quem tem nojinho de aperto de mão de homem, imagino que sexo oral é uma abstração né?

tô com a turminha do banheiro do avião funciona porque é individual. obviamente não pelo argumento da limpeza. eu acho a ideia muito boa, mas pra ser aplicada seria necessário que já estivéssemos botando em prática várias questões referentes a igualdade de gênero, especialmente aquela que versa sobre o corpo da mulher não ser público.

no mais, eu uso banheiro masculino desocupado na maior.

achei a resposta pro namorado fina. sucinta. mas sei lá, nem sempre é necessário discurso.

acho ridículo argumento de que homens vão se travestir pra entrar em banheiro feminino e molestar mulheres. não duvido que isso aconteça, sinceramente, no entanto, restringir o direito às pessoas trans não é a solução. a solução é combater sexismo e misoginia em todos os espaços públicos.

Bru disse...

"ainda mais que tb é no banheiro que muitas mulheres cuidam das suas vaidosices: retocar maquiagem, pentear o cabelo, ajeitar o sutia, secar o suor de baixo do braço (quem nunca?)... e esse tipo e coisa, sinceramente, não dá para fazer na frente de homem... pq eles sexualizam tudo! Se vc penteia o cabelo o cara já acha que vc ta dando mole..."

Nossa, Paula, te entendo total. Imagina ajeitar sutiã com homem olhando....jamais...sexualizam tudo...

Anônimo disse...

Eu discordo. Tem que responder mascu sim. Se o comentário foi publicado alguém tem que rebater a estupidez pois muita gente tem a mesma ideia idiota.

Anônimo disse...

Sobre levar crianças no banheiro público :

Alguns lugares (shoppings em sua maioria) possuem um banheiro para família.Outros ambientes poderiam adotar essa opção (supermercado,igrejas,restaurantes / lanchonetes).Nesses últimos meses estamos restritos a sempre passar em shopping por estarmos desfraldando uma criança.

Por outro lado tenho um enteado pré- adolescente que não deixo ir no banheiro masculino (ou enfio a cara na porta e aviso que tem mulher entrando).Não deixo pois rola SIM assédio dentro dos banheiros masculinos.Pelo menos na minha cidade tem um parque (desses com muitos brinquedos infantis e espaço p/ caminhada) onde ficam se pegando no banheiro.Supermercado também.Criança de 10/11/12 anos pode ter tamanho,mas não tem maturidade para encarar um adulto (ás vezes nem nós temos).Meus amigos sempre me avisaram para não "bobear" nesses lugares.Amigos gays ,bi e héteros.

Para quem tem filha e é pai deve ser ainda pior...O que vejo são outras mães/mulheres desconhecidas levando a menina no banheiro e o pai de escolta do lado de fora.

Eu,mulher e adulta , dependendo do local não ligaria de ir em um banheiro misto (se houvessem apenas cabines,sem mictórios).Mas se eu tivesse meus 15 anos não encararia,não.Pode ser da minha formação : escolarizada desta forma, no trabalho e no lazer em banheiros separados.

A situação natação também era corriqueira : tinham cabines para trocas e as mulheres ficavam nuas se trocando,passando cremes.Mas também tinham mães com meninos pequenos (menos de 12 anos)dando banho e arrumando p/ a escola ou outra coisa.Assumo que eu achava estranho ver gente nua quando podiam se trocar no reservado.E eu tinha 12 anos na época (ia e voltava sozinha da natação).


Cris.

Anônimo disse...

Cansei de usar o banheiro masculino, ninguém nunca se constrangeu. Já entro falando: to entrando, ninguém aqui tem nada que eu já não tenha visto. E nunca fui assediada no banheiro (acho que tenho sorte). E já vi muito banheiro feminino imundo, com absorvente cheio de sangue (é tão difícil dobrar bonitinho?), então acho que higiene é relativo.
Sob nenhuma hipótese sento no vaso, primeiro encho a mão de papel higiênico, limpo os respingos, forro com papel, e faço aquele malabarismo que tonifica as pernas. Sou neurótica, porque minha mãe disse que sempre sentou e um belo dia acordou com uma doença devido a isso, então me previno.
Em banheiros mistos vejo que a mulherada é mais rápida, eu particularmente não me importo do banheiro ser misto.

Paula disse...

poxa, Cris, pré adolescente precisa ir ao banheiro acompanhado? Eu com 7 já ia sozinha!

Preacher disse...

Outro dia eu estava num bar que estava transmitindo a luta de Anderson Silva, até que pouco antes da luta começar precisei ir ao banheiro. Aí chegar na porta me deparei com uma fila de uns 6 ou 7 caras esperando pra usar o banheiro masculino. Enquanto isso o banheiro feminino que era ao lado a um metro e meio de distância estava vazio e de porta aberta, era daqueles banheiros que só tem uma privada e uma pia, e que só pode ser usado por uma pessoa de cada vez. Eu então observei aquela cena ridícula, todos com pressa querendo ver a luta que estava prestes a começar e ignorando o banheiro ao lado como se fosse pecado. Nessa hora me adiantei e entrei no banheiro feminino, e depois disso a fila se dividiu, os caras perceberam que havia outro banheiro pra ser usado. No fim era só uma questão de costume, ninguém tinha percebido que não fazia mal algum usar o outro banheiro.

Anna Clara disse...

Super concordo com quem disse que para chegarmos ao ponto de usarmos banheiros mistos numa boa é preciso antes vencer um monte de questões de gêneros antes.

Mesmo pq conheço um monte de pessoas que resumem homens e mulheres a funções fisiológicas e nas que "honram o que tem no meio das pernas" ou não.

=/

Anônimo disse...

o curioso é que a gente não vê homens trans gritando para usar o banheiro masculino, enquanto que mulheres trans se esperneiam para usar o feminino. talvez isso tenha a ver com o fato de que homens não possam ser contrariados.

Anônimo disse...

Eu trabalho em uma repartição pública em que 80% dos funcionários são homens. E eles são absurdamente machistas aqui. Aliás, alguns são abertamente misóginos. Não dá para ANDAR pelo trabalho sem ser medida ou alguém ficar olhando para a sua bunda.

Dividir banheiro com meus colegas homens seria uma coisa impensável.

Sem contar que aqui tbm a mulherada usa o banheiro para trocar de roupa, passar maquiagem, etc.

Anônimo disse...

não entendi por que no texto o argumento apresentado pelas mulheres preocupadas com a violência estão sendo considerado ridículos enquanto o mesmo argumento usado pelas trans é válido.

Marcia Baratto disse...

Eu uso vários banheiros mistos na balada e butecos, acho que nunca tive problemas.

Não tenho também nenhum problema com o número dois fora de casa, já meu companheiro... Só caga no vaso aqui do apto, nem adianta tentar fora.

Sobre os dispositivos para fazer pipi de pé, já usei a versão descartável deste daqui:
http://www.eventolistas.com.br/blog/2010/08/07/mulheres-ganham-dispositivo-para-fazer-xixi-em-pe/

E achei muito confortável, recomendo.

Anônimo disse...

Sou o anõnimo das 23:09h e alguém perguntou sobre o que seria o "tiro sai pela culatra". Eu não queria entrar muito no assunto para não polemizar para outros tópicos, mas aí parece que eu que tenho algum preconceito de gênero.
Acontece que a mãe do menino de 12 anos que vai com ela no wc feminino tem um primo homossexual, que é tido como "a maior bicha da cidade de xxxxxxxxxx" e ela pretende com isso evitar que o filho vire gay. Não acho que ajuda muito no objetivo da mãe ficar mistificando uma simples ida ao banheiro.

Anônimo disse...

Legal o feminismo apoiando a criação de banheiros mistos e ignorando a violência sofrida por mulheres em locais públicos (pois já que a maioria dos casos acontece dentro de casa, porque não também na rua, né?). É o feminismo defendendo os direitos de trans (que na verdade são homens) em detrimento das mulheres. Por que não passar a defender também o direito dos mascus?
Mas como grande parte do feminismo de hoje é feito por trans, isso explica muita coisa.

lola aronovich disse...

Sabe o que me dói mais, anon das 15:07? É quando eu não consigo diferenciar o discurso radfem do discurso mascu.

B. disse...

PUTZ, Lola, nem fala em radfem...tive uma discussão no face num grupo que sempre considerei bacana por causa de algumas radicais...na opinião delas, não existe homem feminista, no máximo simpatizante...e qualquer homem falando qualquer coisa sobre feminismo é "coloizador", putz não dá...mas ela não são radfems mesmo, pois elas apoiam mulheres trans...

Claudia disse...

Cris (12:56)
Aqui em BH ja escutei de maes/pais/responsaveis que nao deixam meninOs irem ao banheiro desacompanhados por causa de assedio. Teve um caso recente de um garoto de 12 anos estuprado dentro do banheiro de um shopping de classe alta e muito frequentado por adolescentes. O tal shopping agora tem sempre um funcionario na porta/dentro dos banheiros masculinos. Mas ja notei que no feminino nao fica ninguem.

Marina P disse...

Lola, ao ler o comentário eu tive dúvida se é de uma radfem ou de um mascu... e até agora não sei a resposta! Você escreveu exatamente o que eu estava pensando!

Anônimo disse...

oi Lola,
Esse post me lembrou um barzinho q frequento aqui em Floripa.. é um barzinho otimo na Lagoa da Conceição, e é frequentado por um pessoal mais alternativo..Bem, o fato é que la existem 3 banheiros: um feminino, um masculino e um trans. Mas o mais legal é q nao faz a menor diferença, ninguem liga pra plaquinha na porta e todos usam o que estiver disponivel, bem tranquilo..

Anônimo disse...

PARTE I
Olá, sou Vinicius.
Olha, só. Em primeiro lugar, gostaria que nós pensarmos que não vivemos numa sociedade isolada, como a Rainbow Family, em que as leis são baseadas noa amor e na paz, em que as pessoas ficam nuas entre si, sem o menor constrangimento.
Vivemos numa sociedade complexa, com milhões de pessoas, e vários pontos de vistas. Sempre numa discussão, costumo pensar que o meu ponto de vista não é o VERDADEIRO, absoluto. Faço isso para ir de cabeça aberta, caso eu incline a concordar com o outro. Não preciso ser o dono da verdade. Eu busco conhecimento. E essas discussões são fontes de conhecimento. São nos debates que expomos, defendemos, e mudamos também nossa opinião.
Assim, pensando numa sociedade complexa, não pode ser determinado que as pessoas, por exemplo, usem o mesmo banheiro. Existem pessoas que não concordam e que não se sentem bem. Ponto.
Agora vejamos se é o mais correto ou não essa segregação.
Acredito que essa divisão se trata mais sobre organização. E não segregação, como quisesse separar um negro de um branco, como se quisesse realmente criar diferenças. Os homens nascem diferentes das mulheres, isso é uma coisa lógica. Mais uma vez, deve-se pensar no aspecto, biológico e cultural da sociedade. Não vejo onde as mulheres (ou os homens) possam ser descriminadas nessa divisão. Tudo no mundo é dividido e organizado para que facilite a vida das pessoas, para que haja uma certa harmonia, e para que haja eficiência. Acho que as pessoas que pensam assim devem parar de pensar nessa questão de descriminação do Gênero um pouco menos para chegar a esse ponto.
Enfim a divisão de banheiros NÃO É DESCRIMINATÓRIA. Pelo contrário, É IGUALITÁRIA, EFICIENTE E CÔMODA.
Banheiro com fila única?
Crianças que não se identificam com sexo delas.
Se nasceu homem, vá no banheiro masc. Até completar idade para saber o que quer de verdade.
Vagões exclusivos para mulheres/trans?
Elas preferem que os homens aprendam a respeitá-las.
Realmente é um absurdo ter que criar um vagão por conta dos assédios que as mulheres sofrem. Não podemos levar isso ao extremo, vc desejar que os homens aprendam a respeitar as mulheres do nada. Eu também desejaria isso. E muito mais. Desejaria que o governo fosse competente e fizesse mais trens, e mais trens confortáveis. Mas isso não muda de uma hora para outra. Sejamos realistas. A segregação nos trens é uma alternativa que o governo tomou para separar aquelas mulheres que se sentem incomodadas (pq nem toda mulher sofre ou já passou por essa situação).


Anônimo disse...

PARTE II
Transexual, fem ou masc? Ou um só pra eles?
Este tema é muito delicado. Trata-se de um direito fundamental. Isso mesmo, ir ao banheiro. O direito de ir e vir. Imagine você, super apertado, e não tem NENHUM LUGAR que possa fazer suas necessidades. Pois nodas mulheres elas chamam a segurança e no dos homens eles te ameçam ou batem. Além do mais, vc não pode fazer na rua. O que vc faz?
O meu posicionamento é o seguinte. A pessoa que é transexual deve fazer preferencialmente no banheiro feminino. E o gay (homem) no banheiro masculino. Por que isso? HÁ SIM DIFERENÇAS ENTRE GAYS E TRANSEXUAIS!!!!!!!!!!!! ASSIM COMO HOMEM E MULHE.
Pelo simples fato de que, ao optar por virar mulher (transexual) de corpo e alma, este deve se dirigir ao banheiro que compatibiliza com seu atual sexo. Não há motivos de um transexual (H virou M), usar banheiro masculino. Ele não virou mulher? Não tem nome de mulher? Não quer direitos iguais das mulheres?
Na verdade eu nem sei pq essa discussão existe. A verdade é que há pessoas PRECONCEITUOSAS que não aceitam dividir um banheiro com transexual ou com gay.

Para finalizar, não devemos ser estúpidos e colocar essa discussão apenas no plano das ideias. Devemos analisar o contexto e TAMBÉM A REALIDADE.
Os banheiros mudam de lugar para lugar. Assim, mudam também as regras.
Como por exemplo, só tem um banheiro. Quem pode usar? Homem ou mulher? Ou transexual? TODO MUNDO. Assim, existe a fila única.
Outra ponto que deve ser levado em conta é a forma e o jeito do banheiro. Os banheiros masc existem os mictórios, QUE SÃO MUITO EFICIENTES. Mictório = EFICIÊNCIA e RAPIDEZ. Por isso não temos um mictório em casa.
Não faria sentido, um transexual usar. Assim como no banheiro femin que são todos fechados. Assim, ngm incomoda ngm.
Tratando o banheiro como público com uma porta, espera-se que os dois sexos possam usar.
Se tratando de um banheiro público de um bar, em que a fila do banheiro das mulheres é bem maior, é de se esperar que os donos dos estabelecimentos construam mais banheiros femininos.

Anônimo disse...

Se bem que a higiene e a forma de usar os banheiros é questão de educação mesmo.

Tanto que eu meio que percebo (sendo homem) há uma "etiqueta" ao usar banheiros públicos. Etiqueta essa que costuma ser seguida até mesmo em banheiros como o da rodoviária do Plano Piloto, cujo chão costuma ter uma fina camada de urina. Não é perfeito e nem todo mundo segue, mas existe.

Um exemplo é que os homens evitam usar o mictório vizinho a algum que já esteja sendo usado.

Ah, para a pessoa que falou que banheiros masculinos não tem espelhos, posso garantir que geralmente tem sim. Afinal, homens escovam os dentes, fazem a barba, penteiam o cabelo, arrumam uma parte ou outra da roupa.

Anônimo disse...

Quanto àquela moça que falou sobre o quão nojentos são os pênis, só tenho umas coisas a dizer:

- Tem muitos homens que fizeram circuncisão. Uns por causa de problemas no prepúcio (fimose, p.ex) outros por religião mesmo;

- Mulheres tem também pelos pubianos. E esses pelos podem reter parte da urina e entrar em contato com a mão, ainda que a mulher esteja segurando um pedaço de papel higiênico;

- Os lábios vaginais - assim como o prepúcio - guardam bactérias também;

- A urina é produzida pelos mesmos órgãos no homem e na mulher. Até mesmo o órgão que armazena a urina (bexiga) é igual. Idem quanto às fezes. Se vista de fora, o excremento é igualmente nojento, não importa o gênero de quem produziu;

Então o seu problema é porque a pessoa em questão é do gênero masculino e não pelas bactérias em si? Mulheres são tão humanas quanto eu ou qualquer homem é. Somos todos animais da mesma espécie, ainda que a sociedade machista não encare as coisas dessa forma.

Entendo que você pode ter tido problemas sérios com homens, mas não acho que levar a cabo esse preconceito não é produtivo. Não pra você, nem para a causa que você defende. Penso que a ideia aqui seja combater o preconceito contra as mulheres, não promover o preconceito contra os homens.

Julia disse...

Alguém falou dos homens trans..
Vocês conhecem a Tereza Brant?

http://g1.globo.com/minas-gerais/noticia/2013/08/ex-patricinha-escolhe-visual-masculino-como-identidade-em-mg.html

Desculpa colocar link para vídeo do Pânico mas elx foi dar entrevista pra Sabrina Sato. Vejam como foi a "ida ao banheiro feminino".

http://youtu.be/LYnAfYqj7Ak?t=7m3s

Anônimo disse...

essa tereza diz q n quer virar homem mas se veste como um,toma hormonio masculino,quer tirar os seios.
esse povo é doido e a gente ainda tem que achar normal?

lola aronovich disse...

Interessante, Julia. Não dá pra levar a sério qualquer coisa mostrada num programa de TV desses, mas sem dúvida aconteceria algo parecido na vida real. Mas também, já colocam Tereza logo num vestiário! Como falei num comentário ontem, em vestiário é complicado. Aí não daria pra ter banheiro misto MESMO, porque aí sim as pessoas ficam nuas, tomam banho (o que não acontece num banheiro comum). E qualquer lugar que tiver que tomar banho em público já inviabiliza a presença de uma pessoa trans. É super complicado (quero dizer, eu, uma mulher cis, não gosto de tomar banho na frente de um monte de desconhecidas. É desconfortável).
O caso de Tereza é pouco comum. Porque ela toma hormônios e se identifica como "homem metrossexual" e, segundo a reportagem, diz que quer tirar as mamas. Ou seja, pelo jeito, ela quer ser um homem trans. Mas, ao mesmo tempo, ela quer ser chamada de Tereza. Se tivéssemos banheiros mistos não haveria problema pra ela, mas imagino que ela se sinta melhor hoje num banheiro masculino. E aí entra outra coisa complicada, que é aquele negócio de "passing". Tereza "passa" como homem, então ela não seria incomodada, presumo (a menos que fosse "descoberta"), no banheiro masculino. Mas tá vendo quantas variáveis tem aí? Quer dizer, se ela não "passar", ela pode apanhar? Pode ser expulsa?
O caso de

Denise disse...

Curiosidades sobre banheiros na Austrália:

- aqui a regra é jogar papel no vaso, e não no lixo. Lixo é só pra plástico, absorvente, e todos vem com um aviso gigante que não pode jogar needle (agulha).

- em alguns bares já vi banheiro misto, e ninguém parece ter problema com isso.

- interessante quem falou sobre um código não falado no banheiro masculino, meu marido outro dia veio reclamar que foi no banheiro do cinema e um cara usou o mictório ao lado do dele, ao invés de pular um e usar o próximo. Até então eu nem sabia desse “código masculino”. rs

- como aqui tem muitos imigrantes, em muitos banheiros tem umas fotinhos ensinando como usar o banheiro, ex, jogar o papel no vaso e não colocar o pé no vaso (tipo subir no vaso como se ele fosse uma vala e fazer suas necessidades agachado mas com os 2 pés em cima do vaso). Sempre achei isso surreal...

- banheiros com trocador na maioria das vezes são mistos, até porque é super comum ver homens andando sozinhos com filhos pequenos. Outro dia mesmo vi uma cena surreal pros padrões brasileiros: um grupo de uns 10 homens no pub e todos com carrinhos de bebe e crianças de colo. Tipo um happy hour só para pais. Uma fofura só!

André disse...

Denise,

Esse código não é tão rígido, mesmo porque tem mictório tipo cocho. É de bom tom procurar as vagas ímpares, mas não é obrigatório. Embora seja muito esquisito haver um monte de vaga e o cidadão vir mijar do seu lado.

André disse...

Em termos de louça sanitária para banheiros públicos somos um país bem atrasado, como fazer banheiros mistos com esses modelos de mictórios: http://cronicasabsurdo.files.wordpress.com/2011/02/mictc3b3rio.jpg e http://1.bp.blogspot.com/_d8Vu_9qd5SI/TFhrbiTwXWI/AAAAAAAAAIg/JPCqz9hed2E/s1600/05.jpg? Em muitos países as louças permitem uma privacidade muito maior http://static.habitissimo.es/photos/project/big/urinarios-del-bano-de-hombres_155624.jpg.

Anônimo disse...

Não acho certo mulher entrar em banheiro de homem porque se um homem entra no banheiro das mulheres, provavelmente ele sai preso de lá

Recentemente fui com meu esposo a uma apresentação musical no Theatro São Pedro, em São Paulo - SP, comemorando o aniversário da cidade. Cheguei meio em cima da hora mas peguei dois ingressos para a parte mais alta do teatro e a funcionária nos orientou que deveríamos pegar uma determinada escada e ir até o fim. Fizemos isso, acontece que o fim da escada dá dentro de um banheiro! Feminino! E tanto eu quanto meu companheiro acabamos entrando lá, com direitos a gritos das presentes e tudo mais. Foi um acidente e imagino o que teria acontecido com ele se estivesse sozinho.

Então, justiça né gente?

Não sou a favor de banheiro misto também, a menos que se trate de um único cômodo, sem cabines, aí a coisa melhora um pouco. Contudo, é sabido que boa parte dos homens são verdadeiramente uns porquinhos mal-amestrados e nessa, nós mulheres acabaríamos nos ferrando de novo.

Menino vai no banheiro de menino, menina vai no de menina. Poderia haver um terceiro banheiro também, para trans, se não for complicado demais. E podem me tacar pedras mas eu jamais me sentiria segura imaginando uma filha minha em um banheiro com acesso dos homens, estejam ele travestidos ou não de mulher. Acho bom que as coisas sejam bem separadinhas nesse caso, por questão de segurança mesmo.

Anônimo disse...

"o curioso é que a gente não vê homens trans gritando para usar o banheiro masculino, enquanto que mulheres trans se esperneiam para usar o feminino. talvez isso tenha a ver com o fato de que homens não possam ser contrariados."

Boa!!!!!!!!! É bem por aí!

Anônimo disse...

E sobre o fato de ir mulheres irem acompanhadas ao banheiro, lembrei de quando eu estudava na UFMG. Nenhuma menina ia sozinha porque sempre tinha um tarado escondido no banheiro. A policia chegou a prender uns dois, mas o numero de pervertidos era (ou ainda eh) grande. Nos 4 anos de curso, inclusive durante o dia, nao se via mulheres sozinhas ate mesmo nos corredores.


-----------------

com 14 anos de idade fui atacada em um banheiro de shopping por um funcionário, corri chamar um segurança e ele riu da minha cara, voltei para casa chorando, contei para meus pais e ainda tomei uma bronca deles, desde então eu jamais vou a um banheiro desacompanhada, faço nas calças se for preciso mas sozinha, nunca

banheiro misto? jamais gente, pensem nas consequências

travesti em banheiro? olha, acho melhor ter um banheiro pra eles, assim como um banheiro para pessoas adultas acompanharem crianças, assim todo mundo fica seguro e com a intimidade preservada mas isso de homem em banheiro de mulher, sinto muito NÃO DÁ GENTE

Anônimo disse...

Sobre os vagões exclusivos: a gente quer um mundo igualitário, em que as mulheres sejam respeitadas e que, por isso, não precise existir essa separação. Assim como queremos um mundo igualitário para brancos e negros, onde cotas não sejam necessária. Mas enquanto as condições entre brancos e negros não são igualitárias, as cotas são uma necessidade. E enquanto as mulheres não são respeitadas nos trens e metrôs, os vagões exclusivos são uma necessidade.
Juliana

Camila Fernandes disse...

Por hora, eu acho que o "banheiro da família" é uma boa alternativa. Eu vejo muito em shoppings, e eles também costumam ser maiores, porque aí já entra a questão da acessibilidade. Seria bom que existissem em maior número e em mais lugares, né?

Agora, em bares, restaurantes, eu já vi muito banheiro "misto", mas individual. Tem lá dentro só o vaso, você entra, tranca a porta, faz o que tem que fazer e vai lavar a mão na pia do lado de fora. Não vejo qual é o mistério e o problema nisso, gente.

Anônimo disse...

Eu, como mulher e mãe de duas meninas ainda crianças, realmente prefiro um banheiro onde só entrem mulheres. Mesmo que o vaso sanitário fique numa cabine individual é muito comum e frequente a gente sair ajeitando a roupa, puxando a meia-calça pra cima, enfiando a camisa pra dentro da calça ou saia, etc. Constrangedor fazer isso na presença de homens desconhecidos.

Anônimo disse...

"Agora, em bares, restaurantes, eu já vi muito banheiro "misto", mas individual. Tem lá dentro só o vaso, você entra, tranca a porta, faz o que tem que fazer e vai lavar a mão na pia do lado de fora. Não vejo qual é o mistério e o problema nisso, gente."

quando é uma porta só eu também não vejo problema, agora nesses de cabines eu sou absolutamente contra.

Anônimo disse...

Lola, desculpa estar fazendo um comentário fora do contexto, não sou de comentar muito no seu blog, embora seja leitora, mas eu queria comentar uma coisa que vi no face e está engasgada, pra mim é um retrocesso. Uma nova dos mascu, não sei se você está sabendo, mas eles agora estão com uma ideia de Miss Olavetes, e ficam expondo as mulheres olavetes como carnes no açougue. Sabe aquelas mulheres que consentem com o machismo? então. E eles ainda ficam zombando das feministas, dizendo absurdos de você e de todas nós, eu nem consigo mais comprar briga com gente de extrema direita que segue mascus e Olavo de Carvalho. Mas queria te informar, caso você ainda não saiba desse desserviço dessas moças junto com o Olavo e os mascus. Um abraço.

Anônimo disse...

Anon 21:11
Quer saber o que eu acho? As "Olavetes" que se ferrem pra lá. Problema delas. Só vão poder sair dessa sozinhas. Quem sabe sendo humilhadas elas tomem vergonha na cara? Às vezes funciona. Não compre briga mesmo não. Eles que são reaças que se entendam.

Anônimo disse...

Você é professora da UFC e suas alunas fazem nada quando tem um tarado no banheiro? Então você não está ensinando direito a parte de imobilização pra elas...

Rê Bordosa disse...

Arrasou, Lola!

Anônimo disse...

Excelente!!!

Só uma coisa de que discordo.

Concordo que nenhum homem se passará por travesti para entrar em banheiro feminino. Ele teria que correr o risco de ser visto por outras pessoas vestido de travesti, além do papel ridículo. Claro que pode acontecer, mas é algo tão excepcional que acho que pode ser desprezado.

MAS, discordo da comparação com a questão dos negros e brancos. Tenho muitos conhecidos e conhecidas morenos, quase de sol, estilo surfista mesmo, "playboys" e "patricinhas" a vida toda, declarando-se negros para fins de concursos. Ao fazerem isso, apenas ganham, perdem nada não. O fato de terem a classificação de "negro" em um concurso ou em qualquer estatística do IBGE não os prejudicará em nada. Mas passar no concurso ajudará muito. É meio óbvio que isso é injusto e todo branco ou moreno-que-não-se-declara-negro que vê um moreno (ou mesmo um negro) da mesma classe social que a dele tendo vantagem em concurso fica certamente triste e se sente injustiçado. Se fossem pessoas mais pobres, tudo bem, mas da mesma classe, ou até RICOS, é obviamente injustiça sim.

Discordo que brancos, só por serem brancos, já têm "privilégios". Sinceramente, não acho que brancos pobres têm vantagens em relação a negros igualmente pobres. Se tiver, é ínfima, a ponto de também poder ser desprezada. Ou seja, sim: eu acho que a questão relevante é apenas a social mesmo (cotas apenas sociais e tal). Talvez negros pobres pudessem ter vantagens, sim. Mas negros "ricos" nunca. Isto certamente é mais injusto! Mas eu sei que essa discussão é longuíssima.

Excelente trabalho! Parabéns!

Anônimo disse...

Privacidade é uma coisa muito séc. XX, antes fazia-se em público, em banheiros abertos, mistos, ao ar livre, todo mundo junto. Não entendo o que tem de tão importante no corpo da mulher pra que ele seja assim tão privado. Por que mulher não pode andar sem camisa como fazem os homens?
Outra: e por que raios todos os homens são, aos olhos feministas, pervertidos até que se prove o contrário?

dr_benway (*arroba*) safe-mail.net

uhuuu ahaaa disse...

Desculpa, não sou favorável a banheiros coletivos únicos. Unitários unissex ok.Porém, acho mais prudente para as mulheres separados tbém. Infelizmente, em geral, não alcançamos ainda o nível cultural necessário para isto. Seria como no primeiro dia de aula prática de direção, por o aluno em uma rodovia muito perigosa, em pessimk estado. Sabemos que a rodovia não deveria estar assim, porém os investimentos necessários ou ainda não surtiram efeito ou foram desviados. Pois bem, os.investimentos feitos na nossa cultura ainda não fez efeito necessário. É infelizmente, acho que demora. Penso, desculpem, que edte momento, seja mais adequado, lutarmos por igualdade se tempo de espera nos banheiros masc e fem. Filas.imensas nos.banheiros fem.e minimas nos nossos(casta superior?). Me envergonho disso faz tempo. Existe um machismo empregnado na sociedade. Vem travestido de verdade, mas é mentira. Todos achando que é assim.mesmo não me convence que é correto. Está errado. É acho q talvez seja o ponto fraco do machismo. Pq é escancarado. Porém não se difere nada daquele machismo que acha mulheres abusadas culpadas pá roupa q usava, ou lugar inadequado, é o mesmo que causa salário menores na mesma.função, na média. Enfim, pq todos estes são escondidos , solitarios e mudos. A imensa discrepância de filas é um tapa na cara. Não tem como esconder. Achei que não.havia.Como espíritos q são vistos apenas por alguns, parece que elas.são invisíveis tbem, e só encldam a alguns. A sociedade e sua classe superior, através de dogmas e valores, prpvem o necessário adestramento mental desde bebe com suas roupas de cores distintas. É foda,as a maioria das mulheres tbem não se tocam disso, sendo , pacatamente colaboram com seu algoz. Vejo grandes filas ordeiras. Entendo todos. Os engodos tatuados com.rótulos de verdsdes, são poderosos. Planto minhas sementinhas. É muito difícil suplantar esse hipnotismo.cegante. É assim mesmo!! Elas demoram no espelho!! É pq vão em duas e ficam conversando!! É a mais curiosa de um amigo: concordo contigo , claro,, pq é muito chato esperar , elas demoram pra caramba!!! Não sei se era esse o tema. Descupem se fugi um pouco. Meu face é Fernando Zanotto. Tenho lá um post q fala disso, abandonado tadinho, quem achar q vale a pena agradeço. As pessoas trans!! Perguntem que gêneros elas se sentem?? É nesse banheiro q ela deve ir. Respeitem as verdades nossas. Vou postar um evento q inverteu essa regra. Grandes filas em banheiros quimicos para os homens e banheiros bons e pouca espers no feminino. Vou reclamar do tratamento dado a nós "machos alfa provedores" kkkk so pra ver o barulho.Depois esclareco e abro discussao. Tenho fotos.Qeum se enteressar vai no face ok
Seria bom um barulhinho a mais , pq aqui tou ouvindo meu grito e os grilos por enquanto!! Valeu