quarta-feira, 1 de maio de 2013

CUIDADO COM PROFESSOR BOÇAL E PEGADOR

Um bom apontador aponta muitos lápis

Já vou avisando que o post que segue não tem relação alguma com o caso do pobre professor Marcelo, de Joinville, que paquerou (ou foi paquerado por) uma aluna no Facebook e foi parar nos Trending Topics do Twitter, tadinho. Sério mesmo, não tenho informações para chamar Marcelo de boçal ou pegador. 
Aliás, não entendi o auê. Parece que nunca na história da humanidade alguém traiu antes. A paquera entre Marcelo e Maria Helena não teve nada de mais. Espero que ambos processem o namorado dela, que pegou sua senha no FB e expôs a conversa. Isso é violação de privacidade, que é crime. Adultério não é crime. E adultério nem se aplica a namoro. Se se sentiu tão ofendido, o namorado deveria apenas ter terminado com ela. Não é preciso punir ninguém. 
Enfim, este caso que publico abaixo é bem diferente, apesar de também envolver um professor universitário, uma aluna, e sexo. Foi a G. me mandou este relato, semanas atrás. Respondo no final.


Olá, Lolinha. Primeiramente gostaria de agradecê-la pelo blog e por todo o serviço que presta à humanidade por meio dele. Devo a você meu atual estado emocional estável, o que seria impossível sem tudo que aprendi com seus posts. É engraçado isso de que uma pessoa pode fazer uma diferença imensurável na vida de várias outras sem nem mesmo saber. Agradeço, ainda sim, e acho que nunca será o suficiente.
Enfim, queria compartilhar minha história com você. Tenho 19 anos e estou no começo do curso de psicologia numa faculdade particular. Um dos fatores incomuns a respeito de mim é a chave dessa história: gosto de professores. Muito. Desde que me lembro de existir, tenho essa "tara". Alguns dizem que é "carência de autoridade", outros "daddy issues" (aliás, quase nada machista isso de dizer que mulher que curte cara mais velho é porque tem problema com o pai, né?), o fato é que me encantam e não vejo sinal de que isso vai mudar. 
E lá estava eu, caloura, quando um dito senhor me chama a atenção. Perto dos cinquenta, lindíssimo, esquerdista, ateu, se dizia anti-machismo, adorava conversar sobre política. Andava sempre perto dxs alunxs. Não dava aula pro meu curso, é formado em história e aquela era uma cadeira neutra que ocasionalmente parou na mão dele. Não vi motivos pra não me aproximar.
Conversava com ele no final da aula, junto com outrxs alunxs. 
Quem não ficaria?
Até que um dia o inevitável aconteceu: fiquei sozinha com o dito cujo. Perguntei: "Como lida com o assédio das alunas?", ao que ele me conta que namorou uma aluna por dois anos, mas estava sozinho há meses. Quatro informações contidas numa única: 1) era heterossexual, 2) estava disponível, 3) procurava namorar, e 4) estava disponível e procurava namorar alunas. Perguntei: "Mas... você não deixou de ficar com alunas, certo?" Não, claro que não. "Que bom!", respondi. Indireta direta. Lembro de ele ter elogiado meus olhos. 
Fui pra casa, dormi e acordei de madrugada. Milhões de mensagens no facebook. Declarações, músicas. "Apaixonado", ele se dizia. Não acreditei, óbvio, mas isso não me impediu de sair e transar com ele alguns dias depois. Apesar dessa apelação, que que eu julgava ser só apelação, ele me parecia uma pessoa muito interessante, sem mencionar os atributos físicos, a voz... 
E aí tudo começou a fazer sentido. No motel mesmo, onde ele insistiu pra que rolasse sem camisinha, ouvi que "feminismo era a desculpa de fuga da mulher moderna", "bissexualidade não existe, ou era sapata ou uma mentirosa", "terapia é charlatanismo" e umas quinhentas horas de homexplicanismo. Fui embora de manhã com a PERFEITA expressão do meme "Oh, God, Why?!" 
Nem preciso dizer que ele sumiu. Tentei conversar (crucifique-me, o sexo foi sublime, melhor que chocolate derretido), ele foi extremamente monossilábico, quando respondia. Conversei com uma amiga que foi aluna dele em algumas disciplinas e qual não foi minha surpresa (só que não) quando ela me diz: "Fulano?! Fulano é o típico professor comedor!". E desenvolveu o conceito pra mim.
Indiana Jones
"Professores comedores", nas palavras dessa amiga, são senhores de meia idade que relacionam o conceito de "aluna" diretamente com "trepada em potencial". Disse essa minha amiga que muito sabia deste distinto senhor: ele costumava fingir que estava apaixonado, "comia" (nas palavras de ambos) e sumia. Dos alunos homens, era o melhor amigo. Fazia comentários nojentos sobre as "tetinhas" das colegas deles, ensinava a dizer que tinha namorado uma aluna (porque isso sempre funcionava), contava as que já tinha "conseguido comer", com detalhes ("ele disse pro fulano que a fulana gemia quando ele colocava o dedo lá, por que você acha que todo mundo chama ela de vadia?"), dizia que mulher, se não fosse sapatão, ele "passava o p**", "mulher foi inventada pra f***, quem não o fizer, outro fará", que "amiga" e "aluna", se não fosse trepável, não valia nem a conversa... entre outras peripécias do jovem senhor. 
Minha cara? No chão, nos lençóis freáticos. E eu que cheguei a cogitar a hipótese dessa criatura ser feminista, Dolores! Simoninha sambou na minha cara em algum lugar do além.
Com o tempo acabaram me contando que ele é muito próximo do reitor e que, sim, esse comportamento é escancarado dentro da faculdade, perante os alunos. E que a preferência dele é por meninas de 18/19, "quanto menos usada, melhor". 

Sabe qual é o melhor dessa história? Eu também virei vadia. Eu, várias meninas do outro curso, umas duas colegas minhas: vadias. NÓS chamamos ele, NÓS "fingimos cair no papo furado dele", NÓS queríamos transar de novo, NÓS deixamos ele chegar perto. É o que dizem, é o que eu ouço, Lola. E aí te digo: eu, feminista, esclarecida, forte. E alguma menina com baixa autoestima, perdida?! Feliz por um professor bonitão que diz que ela é exclusiva, linda, que tá apaixonado -- e algumas semanas depois, tá contando detalhes da intimidade dela em tom de escárnio pros COLEGAS da menina, que não hesitarão em jogar na cara dela o quanto tudo isso era óbvio e ela foi burra. Me machuca pensar no estado que deve ficar o emocional de uma pessoa que se encaixa nessas características.
Será que tá errado? Será que alguém tem culpa? Será que esse -- perdoem o meu francês -- B*STA leva a culpa quando um dedo estranho é apontado pra cara de uma dessas garotas e ela ouve: "VADIA!"? Não, Lola. A culpa é dele, é de quem levantou o dedo, é da falta de sororidade das meninas que riem, é dessa cultura que ensina que homem gostar de mulher mais nova/dizer que mulher só serve pra comer/escratinar as meninas que ilude em público é louvável, é bonito, é STATUS. E isso me enoja, cada dia mais. Cada vez que escuto que mereci, que as outras meninas mereceram, que a faculdade nada faz, que ele não é o único, perco um pouco da fé na humanidade. 
Última vez que ouvi falar dele, me contaram que uma menina se apaixonou e mandou a música "Dear John", da Taylor Swift, por mensagem. Ele riu e disse que não ia ouvir música de "loirinha americana fascista". Fui procurar a letra e concordei com o "Don't you think I was too young to be messed with?" (você não acha que eu era jovem demais pra me ferir?), mas chorei por todas nós mulheres DE VERDADE quando percebi que é bem provável que essa garota olhe pra si mesma no espelho e se culpe quando Taylor canta, cheia de pesar, num tom de óbvio ululante: "I should have known" (eu deveria ter sabido).


Minha resposta: Querida G, obrigada pelo relato, muito bem escrito e, apesar dos pesares, divertido. Antes de mais nada, por favor, ME DIGA que vc não topou transar sem camisinha! [G me respondeu: não topou, graças! Quando ela exigiu camisinha, ele disse que não tinha. Ela tinha].
Bom, linda, eu não concordo muito com a sua tara não. Não acho legal se envolver com gente que está numa posição hierárquica superior a sua. Mas essa é só a minha opinião. Conheço muito professor que se envolveu com aluna, e o relacionamento durou um tempão, deu certo e tal (professora se envolver com aluno é beeem mais raro). Mas se ainda por cima ele não era seu professor... Vocês são duas pessoas livres e descomprometidas.
Pelo que você narra, o cara não é flor que se cheire, pelas ideias misóginas, por contar pros alunos amiguinhos com quem transou, com detalhes, por não querer usar camisinha (!), por mentir. E, de fato, não há muito que pode ser feito, há? É incrível que exista toda uma rede de machismo feita pra condenar mulheres sexualmente ativas. É como vc disse: vc que procurou, vc quis transar, desde quando vc é vadia? Enquanto isso, esse mesmo senhor deve ser o ídolo dos alunos por pegar tanta garota. Não dá pra entender esse padrão duplo.
Estou no aguardo do próximo carinha que disser "homem é como uma chave, mulher, como uma fechadura. Uma chave que pode abrir qualquer fechadura é incrível, mas uma fechadura que pode ser aberta por qualquer chave é inútil". Porque uma leitora deu uma resposta tão lógica quanto: "homens são lápis, mulheres são apontadores. Um apontador que aponta vários lápis é um ótimo apontador, mas um lápis apontado muitas vezes gasta e precisa ser jogado fora". Não, sério, gostaria que alguém me explicasse por que uma mulher que transa com quem quiser é vadia, e um homem que transa com quem quiser é um super garanhão pica das galáxias pronto pra ser invejado, imitado e homenageado em altar.
Acho que o melhor que vcs alunas podem fazer é também ter uma rede eficaz de fofocas. Pelo jeito, a dos homens da sua faculdade é bem eficiente. Praticamente uma fraternidade, que gracinha. Mas vcs também precisam conversar umas com as outras e avisar as alunas que estiverem a fim do professor no que elas estão se metendo. A saber: que 1) ele é um preconceituoso bem asquerosinho, 2) talvez a aparência grisalha e bonita não compense ter que aturar um discurso arcaico, 3) ele conta aquela mentira que namorou uma aluna pra todas, 4) ele vai se dizer apaixonado, 
5) ele vai pedir pra transar sem camisinha (não é pra deixar nem que o mundo esteja sendo ameaçado por um meteoro e haja a certeza da extinção da espécie humana já no dia seguinte), 6) imediatamente após o sexo ele se transformará numa estátua de sal e sumirá, 7) ele vai contar pra todos os alunos (e talvez pros professores e diretores da faculdade também) que transou com vc, nos mínimos detalhes, 8) vc automaticamente virará uma vadia depois de apenas uma transa. Vale a pena? Minha opinião é: não. Não mesmo. Não, nem que ele seja um professor lindão como alguns que eu conheço não biblicamente.
Se você tivesse sabido de tudo isso antes, se interessaria por ele? Quero acreditar que a ampla maioria das alunas também vai fugir do idiota. O também foi por minha conta.

Mas não chore. Não quero ver ninguém chorando. Levante a cabeça e diga um belo de um f*da-se pra quem acha que vc é vadia porque você é uma mulher que faz sexo, e ainda por cima gosta. Somos todas vadias então. Mas sabe o boçal que nos chama de vadia? Esse não merece transar conosco. Simples assim.

174 comentários:

Anônimo disse...

Ah, claro! Mas aposto que se fosse um rapaz que estivesse traindo a namorada com a professora e a namorada tivesse pego a senha do cara e publicado no Facebook, vocês mulheres (incluindo feministas) iriam estar aplaudindo de pé!

PS: Não sou mascutroll!

Navorski disse...

Meu Deus, por que não foder honestamente?

Ser babaca faz parte do fetiche?

Muitas questões, uma certeza: a vida é muito curta, goze e deixe gozar.

Jedru Morrocus disse...

Liberdade sexual é isso aí, é sexo casual, sem esse negócio de comprometimento. O professor está certo. Reclamar que ele comentou das tetinhas, é moral judaico-cristã. Ora, não é uma das conquistas feministas poder protestar com os peitos de fora? Se os homens podem ficar sem camisa, por que não a mulher? E se é apenas mais uma parte do corpo como outra qualquer, como o rosto, por que não comentar?

Esse post está cheio de moral judaico-cristã. Nojo. Sou comunista e abomino essa moral.

O professor transou e depois não quis mais, e daí? Quem associa sexo com casamento e procriação é a ridícula moral judaico-cristã;

Anônimo disse...

Na minha opinião, ela é uma vadia sim. Só de ver o professor já foi liberando no outro dia? Muito safada. Acho que ele tá certo mesmo em contar. E pq ela não faz o mesmo, conta pra todo mundo, tira onda, em vez de ficar choramingando que ele sumiu? Ela queria o que? Que ele casasse com ela? Acho que merece ser chamada de vadia, pois isso que ela é.

Kaemy disse...

Nossa que povo escroto que ta comentando aqui! a menina abre as pernas quando ela quiser!!!!!
E o professor é um babaca de ter falado merda das meninas que pegou.

Anônimo disse...

Homens são fofoqueiros mesmo.Não guardam nada para si.

Raphael disse...

Nunca entendi qual é a graça que os homens veem em contar suas aventuras sexuais. Sempre me recusei em participar dessas rodas, pra mim não faz sentido contar vantagem por algo que não é uma competição.

Raphael disse...

Nunca entendi a graça que a maioria dos homens veem em contar vantagens por algo que não deveria ser uma competição. Sempre me recusei em fazer parte dessas rodas. Tem uns caras que dizem que contar é a melhor parte. Pra mim a melhor parte é estar com mulheres, contar o que fez tem meramente o proposito de se gabar e gerar inveja e isso não tem a menor graça.

Maxwell disse...

No caso que foi divulgado no twitter, o rapaz tinha razão em ficar zangado/magoado com a ex, só escolheu um jeito errado de resolver essa história. Quis humilhar a garota e acabou sendo humilhado no processo. Se a garota tava insatisfeita com o namorado, terminasse. Podem chamar de moralismo, mas não é mais fácil assim?
E traição dói! Seja no coração, no ego ou em outro lugar. Não é porque namoro não é igual a casamento que a traição vai doer menos.

Sobre o caso da G, sua dignidade foi ferida, a dele não. Pense em como devolver o "favor" que ele lhe fez.

Barbie Furtado disse...

1) Acho que cada um faz o que quiser com quem quiser. Esse negócio de chamar de mulher de vadia porque escolheu dormir com um cara é mais velho que minha avó.

2) A Lola tem um ponto, de começar sua própria rede de fofocas. Mad eu sou mais vingativa que ela. Se fosse comigo, eu faria algo do tipo: "Fulaninho? Claaaro que ele só pega as alunas uma vez, com aquele tamaninho do p** dele, nenhuma quer ficar com ele de novo. Ele sai dizendo por aí que largou a gente? HAHAHAHAHA. Tadinho!"

3) Minha mãe, que é professora universitária, foi casada com um aluno por muito tempo. Ele era até bem mais novo que ela, e eles deram certo por bastante tempo. :)

Veronica disse...

Professor babaca, por isso que é velho e solteiro. Que mulher atura um babaca desses?

Ah gente quando olho esse homens assim de uma certa idade já, com tudo de bom e solteiros... corro bem longe pq aí tem algum problema (geralmente é retardamento mental).

Fica assim não menina, arruma outro carinha e vai ser feliz.

Renata disse...

Olha, eu fui professora, e tb não gosto dessa desigualdade de poder não. Quando comece a frequentar sala de professores fiquei chocada com a forma com que professores se referem a alunas. Eu nunca tive atração por "professor" como categoria,o que não significa que eu não venha a me interessar por uma pessoa específica em algum momento.
Mas, o que vejo é que confusões são muito comuns. Quando comecei a ser professora, fiquei muito impressionada com o quanto minhas palavras tinham mais peso, pela posição q ocupava. e não deve ser muito difícil pra uma pessoa confundir esse poder do lugar ocupado com um poder pessoal. Enfim, é uma relação meio complicada, pq insere numa relação entre duas pessoas, q já tem suas questões específicas, esse mediador do poder. E aí, isso se aplica a qq situação em que exista essa desmedida, né?

Anônimo disse...

Não gosto dessa relação professor x aluna. Por quê? Porque o meu PAI É professor, se envolveu com uma ALUNA e deixou a minha mãe QUATRO MESES após o falecimento do pai dela. Então veja aí a péssima imagem que tenho de professor.
Eu já escancarei na cara do meu pai que não tenho respeito pela pessoa dele, porque, para mim, o que ele fez foi nojento (não apenas na questão da traição em si, mas pela falta de consideração que ele teve com a minha mãe. E ainda por cima pelo modo como ele se transformou comigo depois que essa relação surgiu. Formou uma nova família e foi se distanciando de mim, virando um pai ausente e desligado. Depois que a minha mãe faleceu, tentou bancar o pai preocupado, mas aí despejei treze anos de mágoa em cima dele). Não há como admirar uma pessoa dessas.
Enfim, acabei usando o espaço para desabafar toda a mágoa que sinto do meu pai. Desculpa, Lola.

Safira Solitaria disse...

Esse Jedru Morrocus é um dos muitos que vejo que "confunde" liberdade sexual com falta de respeito. É possível transar a rodo e mesmo assim manter o respeito, sabia? Falar pra muita gente da intimidade de outra pessoa como esse professor fez é falta de respeito, meu amigo.

G., mas que cara bosta, hein? Não se sinta mal, às vezes a gente erra na avaliação e acaba transando com um merda desse. (oh God, Why? Me identifiquei hehehe...) Cara babaca e golegas idem. Se comportam como moleques de 13 anos que nunca transaram... "OLHA SÓ EU TRANSEI COM MAIS UMA KKKKK" mano tem que ser muito idiota pra gastar tempo e energia transando com um monte de aluna (pelas quais ele não tem o mínimo de respeito) só pra contar pros coleguinhas de metade da idade dele depois. Falido na vida esse professor!

Maryam disse...

Fico triste, Lola, que os trolls tenham acordado :/ espero que esses comentários sejam de zoação do que de falta de capacidade interpretativa.

Agora para a G. mando toda a força do mundo porque por mais que sejamos fortes no nosso feminismo ter que aguentar todo o julgamento e machismo numa escala diária é insuportável.

Anônimo disse...

O relato é muito bom, bem escrito e engraçado em alguns momentos. "pica das galáxias" kkkkkkk essa foi boa.
Me lembrei de meus envolvimentos com professores antes e depois da graduação. Menina, não se abale nem mesmo um segundo pela opinião dos outros. No meu caso, eu tive tantos problemas já na faculdade por causa da minha espontaneidade que acabei em depressão bem grave. E demorei muito na análise p/ entender o porquê de me importar com o que os outros pensavam e diziam (bem na minha cara). Uma das coisas que compreendi é que a autoridade paterna é algo muito bem introjetado inconscientemente, mas não que exista essa relação simplista entre pai=autoridade. É algo mais amplo, como uma lei inconsciente que se fixa em nós (principalmente nós mulheres) e nos impede de agirmos livremente e sem nos culparmos. E quando digo isso, vc pode entender p/ as questões que nos levam a nos culparmos e a procurarmos muitas vezes homens que são hierarquicamente superiores. Saca? Vc esta estudando psicologia e vai compreender tudo muito bem porque vc é muito inteligente e vale muito. Um super abraço. Ragusa

Anônimo disse...

Raphael, parece até mesmo que este homem transa com os amigos e não com a mulher, não é mesmo? É pra eles que ele goza. Ragusa

Mordred Paganini disse...

Esse relato ficaria melhor no HTP (Homem é Tudo Palhaço) do que aqui, com todo respeito.
Antes de ser leitora daqui, já era de lá.
Não é feminista, mas dá o que pensar.
É basicamente sobre a capacidade masculina de fazer babaquices desnecessárias.
Custava tanto apenas flertar com ela, transar e não dar sinais de continuidade?
Sabe, é isso que gente normal faz. É isso que todo mundo deveria fazer quando quer sexo casual com alguém.

Mas os palhaços...Eles gostam do espetáculo mais do que do sexo! Aliás, ele provavelmente nem gosta de sexo, faz tudo pensando no que vai contar aos outros.
É possível que tenha micropênis, ou acredite ter.
Enfim, a Narinha do HTP adoraria ouvir esta história...rs
Às vezes eu penso que a trajetória amorosa de uma mulher é uma jornada até um ser humano normal, através de um número enorme de palhaços.
Melhor sorte na próxima....

Dica: procure não transar com pessoas do seu meio social acadêmico. Procure pessoas de outros cursos, outras faculdades, etc. Ao longo de 8 anos (graduação e mestrado), saí apenas com 2 do meu meio. Uma destas pessoas eu namorei (era professor e obviamente não deu certo) e a outra foi realmente um desastre (era o cara mais babaca do curso inteiro). Enfim, foram exceções que serviram bem para legitimar a minha sábia regra.
Dica 2: diga não aos alunos de psicologia. Eles são realmente muito machistas e a "irmandade" deles é forte, porque são poucos. Mesmo os mais legais ficam meio babacas.





Renata disse...

Olha, eu concordo com a Lola, sou a favor de uma rede de solidariedade e informação feminina. Eu sempre passo pras amigas a indicações de caras com quem o sexo é bom. e alguns com a consideração, "olha, não presta, mas sexo é sensacional. a gente não quer casar mesmo, né?"

Anônimo disse...

Sabe, como mulher eu fico muito triste com a quantidade de garotas legais que eu conheço e que "caem" na conversinha de caras babacas. Eu comecei a ler o relato dela e já sabia exatamente onde ia acabar porque eu já conheço essa história há muito tempo, ela é sempre igual e se repete com as mais diversas mulheres. Acho que nós mulheres devemos ser mais atentas a isso, sexo não precisa de amor, mas precisa de respeito, então se a pessoa com quem se quer transar dá qualquer indício de ser babaca/escrota/desrespeitosa/idiota, não vá em frente! É bem provável que a dor de cabeça depois do sexo não vai valer o sexo em si. Sei lá, só a minha opinião. Acho que uma das formas de acabar com o machismo é não transando com machistas! Eu e minhas amigas praticamos isso hahaha chega de dar moral pra machistas idiotas! Chega de machistas saírem ilesos de seus atos estúpidos! Na minha opinião sexo nenhum vale a pena se o cara for idiota! E professor que deixa claro que pega alunas para uma aluna muito provavelmente é um idiota, infelizmente

lola aronovich disse...

Nossos, os mascutrolls começaram bem hoje, hein?
Mascutroll anônimo das 11:48 que diz não ser mascutroll (nenhum é), vc está confuso. Não é aqui que vc viu gente aconselhando leitoras a instalar sistemas espiões no computador da namorada ou esposa para poder ler todos os emails e mensagens que ela manda e recebe. Esses conselhos vc encontra nos fóruns mascus, sabe, aqueles lugares dos homens desapegados? Cite um post aqui em que eu aplaudo de pé (ou incentivo) a moça que hackeou o computador do namorado e publicou suas mensagens. Aí a gente volta a conversar, tá?


Exato, Navorski. É muita falta de inteligência. Se o tal professor só transasse com as alunas sem contar vantagem, sem espalhar pra todo mundo, poderia continuar transando com quem quisesse discretamente, por muito tempo. Mas aí não teria graça pra ele. Pra esse cara, a conquista é muito mais importante que o sexo em si. Tanto que ele se contenta com uma só noite, mesmo que o sexo tenha sido bom.

lola aronovich disse...

Ai, meu Jedru... Fiquei exausta só de ler moral judaico cristã tantas vezes. Por que comentar qualquer coisa referente ao sexo com uma pessoa, se é algo particular? Se tds xs envolvidxs quiserem contar pra alguém que queira ouvir é uma coisa. Mas, como vc já deve ter ouvido falar, o homem é valorizado pelo número de parceiras que tem, enquanto a mulher é desvalorizada pelo número de parceiros que tem. Isso é machismo. Portanto, espalhar detalhes sobre uma mulher não costuma ser nada legal com a mulher.


Mascutroll das 12:20, vc tem que definir melhor o que é uma vadia. Só repetir vadia vadia vadia não faz de nenhuma mulher uma vadia. Mas continua assim, que vc vai continuar não pegando ninguém. Chamar mulher que faz sexo de vadia não faz exatamente que as mulheres pulem na sua cama. Até o tio Hugh sabe disso.

Carla disse...

Pq as mulheres n procuram conhecer o cara melhor antes de sair transando? Já ia se livrar de muita enrascada.
Ela tem q espalhar pra todo mundo como ele é nojento.

Anônimo disse...

Concordo Barbie, podiam até contar mais histórias do professor comedor: que ele não passa pelas preliminares, que é do tipo "coelho", que não tiveram orgasmo, que a transa foi ruim e que não recomendam a ninguém. Fazer uma verdadeira operação de guerrilha: toda garota que for "cercada" pelo professor chamar ela pra uma conversa e fazer a caveira dele.

Anônimo disse...

Lola, essa questão da dissimetria de espaços de poder. Um tempo atrás eu estava deprimida e cheguei a pensar que ela seria sempre insuperável. Criei até uma teoria da depressão, em que me considerei suuper abaixo na cadeia, por estar envelhecendo, sem grana, sem pedigree, sem uma carreira estável, uma vida caótica, sem pessoas que intercedessem por mim... enfim, senti muito forte que não era necessário me tratar bem, porque ninguém sairia perdendo socialmente por me tratar mal. Passei um tempão acreditando que relação de igualdade entre homem e mulher era impossível, e q a compensação pra isso deveria vir de uma beleza sensacional, ou dinheiro, ou lugar social, família tradicional e/ou rica, uma super carreira... (me escondi no anônimo pq achei pessoal demais). O que você(s) pensa(m) sobre isso?

Anônimo disse...

Preguiça desses homens... Tô nem ai! =)

Nival disse...

Normal, mulher ira defender mulher, com o senso falso moralista de ''não foi nada demais''.

Ninguém tem nada a ver com a vida da moça, ela da a bunda pra quem ela quiser, PONTO!

Agora colocar isso como ''normal'' e de uma hipocrisia sem tamanho.

Anônimo disse...

Um dia o pau dele broxa, já que ele é velho kkkk! =P

Anônimo disse...

Eu sinceramente pagava pra darem uma surra nesse véi bengala.

=D

lola aronovich disse...

Kaemy, se possível, evite usar termos como "abrir as pernas" como sinônimo pra sexo. Dá uma sensação de que a mulher só pode ser passiva. Last I checked, sexo era bem mais do que "abrir as pernas"...


Esses comentários de velho broxa parecem ser escritos por mascus pra daqui a pouco virem aqui chamar todas as feministas do mundo de misândricas.

TalesM disse...

Enquanto eu lia o texto só pensava, mesmo sabendo que é errado pensar assim, que seria ótimo se rolasse um boato depreciando a performance desse sujeito. Ou a falta de performance, se que me faço entender... Mas a proposta da Lola é melhor, uma rede de "fofoca" pra avisar as alunas o que ele realmente é. Pode ser que ele ainda consiga enganar algumas, ou que elas decidam que vale o risco, mas certamente ele sentirá o baque.

Anônimo disse...

Não sou mascu lola, sou mulher mesmo... Desculpe ai, se quiser pode apagar o comentário do velho broxa.

Jeddruu Parcus disse...

Lola, estou do seu lado, não se engane. Mas se vamos transcender as dicotomias, vamos transcender tb a moral J..C... onde é dito que a mulher não pode expor seus peitos, não pode expor sua sexualidade.Quem expõe sua sexualidade quando mulher, é um revolucionário nesta sociedade machista. Todo homem que comenta despreocupadamente sobre seus atos com a mulher, revoluciona, pois destrói a imagem burguesa da "Maria" ou "Amélia", mulher "santinha".

lola aronovich disse...

Barbie e anônima das 13:07, mas aí já é mentira, né? A transa foi ótima, o cara parece ser ótimo de cama, o problema não foi esse. É só avisar que ele usa a ladainha de "já namorei aluna" e "tô apaixonada" com todas, que ele insiste em transar sem camisinha, que ele é machista, e que ele vai espalhar detalhes sobre o corpo da aluna e sobre a transa pra deus e o mundo. Só a verdade. Se ainda assim alguma aluna quiser transar com ele, ué, vá em frente. Mas ela deve saber o que vai encontrar.


Anômimx das 12:59, a G não caiu na conversa do babaca. Ela queria sexo, e ela fez sexo. Ela não queria namorar nem muito menos casar com o professor. Como o sexo foi legal, ela queria mais sexo com ele. E só. O que tem de mal nisso? Ela não foi enganada. Ela sabia que esse papinho de "apaixonado" era ridículo. O problema foi um monte de coisa que veio depois. Isso ela não esperava e não queria, com razão.

Roxy Carmichael disse...

"Professor babaca, por isso que é velho e solteiro. Que mulher atura um babaca desses?"
não entendi verônica. ser/estar solteiro é punição, falta de mérito? me diz no que esse comentário se difere de expressões machistas como "tá ficando pra titia" ou "encalhada"?

que esse professor é um babaca não resta a menor dúvida. isso nao me intriga. uma cultura como essa nossa, produz homens como esse prof. o que nao deveria me intrigar (já que é fruto da nossa cultura tb), mas me intriga MUITO é: o que acontece no desenvolvimento das meninas que a autoestima delas é tão, mas tão frágil?o que acontece com as mulheres que elas constroem a identidade delas a partir da aprovação e da chancela do outro? construimos a nossa identidade a partir do olhar dos outros, todos nós, mas me impressiona como as mulheres sucumbem INSTANTANEAMENTE diante do mais inverossímil elogio masculino. tipo o cara que ve a menina na festa e diz: "vc é a mulher mais linda que já vi na minha vida inteira." e ela nao só se desarma, como se derrete.

que fique claro que me solidarizo com a autora do guest post, mas que nao pude evitar essa reflexao quando li isso aqui: "Feliz por um professor bonitão que diz que ela é exclusiva, linda, que tá apaixonado". nao acho que elas sao culpadas, mas gostaria de encontrar a origem dessa auto-estima frágil das mulheres e pensar em formas de torná-la mais sólida o que poderia fazer com que esse comportamento nao fosse mais tao sistematico, ou seja, homens sabendo que a estrategia do elogio (quanto mais inverossímil, melhor) é infalível, e mulheres confirmando isso todo santo dia. me entedia essa dinâmica.

Barbie Furtado disse...

Anônonimo das 13:07, é isso que eu faria, se fosse comigo. Começaria uma rede de fofocas acabando com a moral do cara, dizendo que ele não prestava na cama, que nem levantava, esse tipo de coisa. Comigo aqui se faz, aqui se paga.

Marrocus Jedddris disse...

Qual a diferença, de uma perspectiva NÃO-Judaico-Cristã, de falar das tetinhas, do sexo, da fodelança, ou seja do que for, de falar do nariz, do muco do nariz, dos gases (todos temas oprimidos pro JEsus Cristo considerados "impuros")? NENHUM. Não seja um insrumento da moralidade irracional. Explique racional,mente ses conceitos.

O fato de que burgueses consideram ruim a mulher transar não tem relevância. O que importa é NOSSA opnião atéia.

Barbie Furtado disse...

Lola, eu espalharia mentira mesmo, ó! Não tou nem vendo. Se um cara fizesse todo mundo da faculdade começar a me chamar de vadia, ou sei lá o que, eu acabava com ele também. Não aguentava isso calada não.

Renata disse...

acho que esse argumento, "mas cooooomo vc não sabia?!?!?!?" é eprverso e se chama tripudiar da dor alheia. não gosto não.
sabe q naquele episódio do maníaco do parque ele foi muito usado?

Ruу Jorjе disse...

E lá estava eu, caloura, quando um dito senhor me chama a atenção. Perto dos cinquenta, lindíssimo, esquerdista, ateu,


Por que será que eu não me surpreendi nenhum pouco lendo o resto da história?

Anônimo disse...

kkkk Querer que alguém acredite que esse post não foi publicado por causa da "Vagaba do Sinuelo" é brincar com a inteligência de todos.
E você dizer que não entende o auê é muito engraçado.
Claro que vocês que se dizem feministas não veem nada de mais no que aconteceu,foi a aluna que se ofereceu pro professor comê-la.

yulia2 disse...

Um adolecente com problemas de autoafirmação fazer isso ainda vai....


agora um cara já passado dos 40 da uma dessa? é muito fim de carreira pro meu gosto.

Renata disse...

Quando era professora, bem nova na escola, um professor mais velho, com fama de pegador começou a me cantar. asquerosão, parecia o sr. Burns, e aí, ele começou com um papo esdrúxulo, quase me pedindo em casamento. Aí eu soltei, olha, pelo que percebo dos seus valores, é óbvio q esse papo é pra me comer mesmo, né? e ele é ruim, porque pra vc claro, eu seria no máximo comível, e eu não tenho a mínima vontade de dar pra vc. então, eu prefiro q vc pare.

Jeddruuu-Harrcs disse...

Só digo o seguinte: Não é necessário, nem possível, "RESPEITO" nenhum. Ainda mais considerando que esse "respeito" vem da moral Judaico-Cristã. SIM>>> Por incrível que pareça, esse "respeito" (que signiifca: subjugar a mulher reprodutora) não passa de moral branca obscurantista.

QUEM, eu pergunto, QUEM gostaria d emanter as noções obscurantistas? QUEM QUER QUE A MULHER SEJA PUTA??? Ora, aqueles que querem manter nas sombras, na enganação, a verdadeira natureza da mulher. E que natureza é essa? Da mulher fornicadora, que se reprduz e aborta cedo (antes dos 3 meses), que é independente. Essa mulher é ODIADA pelo establishment. Mas essa é a MULHER REAL. E ela é tão BEM RESOLVIDA c/ seu crpo. que ela não liga uqe falem de suavagina assim como falariam de seu ROSTO. PQ??? PQ ROSTO e VAGINA são apenas partes do corpo, e quem atribui valor A DIFERENTES PARTES DO CORPO é o JUDAICO-CRISTIANISMO-SIONISMO (que oprime o povo palestin0>

Sara disse...

Ai G.adorei sua história, e me perdoe mas ri pra caramba do jeito como vc a contou, vc é bem jovem e pelo jeito muito inteligente e divertida, infelizmente existem muitos palhaços como esse seu professor, q certamente uma hora ou outra ira tomar umas invertidas, e provar do seu próprio veneno.
Vc logo vai superar o estrago q esse idiota te fez querida, e tente ver tudo o q aconteceu pelo lado bom, pelo q vc relatou pelo menos o sexo q fez com ele foi bom pra vc, guarde só essa lembrança desse infeliz.
Os conselhos q a Lola deu são parecidos com o q eu daria tb, não tenha vergonha de expor o q esse canalha anda fazendo, quem sabe outras garotas não caiam na labia desse cara safado.

Léty Hyuuga disse...

Olá, Lola!
Já faz um tempinho que acompanho seu Blog, mas é a primeira vez que comento. :D

Pra começar, queria entender como pode um professor ser tão escroto e antiético, tratar as alunas dessa maneira, e não acontecer nada com ele! Mesmo sendo amigo do Reitor, por favor! Fiquei pensando como pode isso, já que o comportamento dele é escancarado, todo mundo sabe o que ele faz. E se houvesse uma pressão coletiva pra afastar/punir esse cara? Mas aí lembrei da maldita cultura machista: O povo da Universidade certamente acha que não é nada demais, o que essas meninas sofreram - e não me refiro ao fora dele, me refiro à exposição e humilhação, mesmo. Imagine o terror que é você ir estudar e ser apontada como vadia, ver as pessoas te julgando e apontando pra você simplesmente porque você fez o "absurdo" de se interessar por um cara e transar com ele. Em pleno século XXI, isso ainda acontece.

Noooojo eterno desses trolls aí de cima. Concordo que o cara tem o direito de transar sem compromisso, como qualquer pessoa, mas não é isso que está em pauta aqui - é o comportamento antiético e desrespeitoso, em relação às alunas! Aí falam que contar tudo faz parte da liberdade sexual... Affs...
É como diz um amigo meu: Homem que é homem, não expõe a mulher dessa maneira, pois não precisa provar nada pra ninguém.
E outra coisa: Já que é "liberdade sexual", tudo bem a mulherada sair por aí falando do quanto vocês são pequenos, demoram pra conseguir uma ereção, são "rapidinhos", etc? O triste é que se as meninas que foram expostas fizerem isso, será mais um motivo para esse bando de palhaços chamarem elas de vadias. Te contar, viu...

Cheguei à conclusão que a gente já é chamada de vadia pelo simples fato de ser mulher, independente do que a gente faça. É de desanimar, principalmente porque coisas assim acontecem e ninguém faz nada a respeito.

yulia2 disse...

Liberdade sexual é isso aí, é sexo casual, sem esse negócio de comprometimento. O professor está certo. Reclamar que ele comentou das tetinhas, é moral judaico-cristã.
_________________

comentar pra todo mundo sua intimidade sexual e de outra pessoa é coisa de gente patética , imbecilizada que não largou a pré adolescencia.
Esse professor é um imbecil com comportamento de moleque de 15 anos.
cresce!!!!

yulia2 disse...

Homens são fofoqueiros mesmo.Não guardam nada para si.
_____________

Eles inventam histórias até quando não aconteceu nada.
se ela tivesse ido pra casa dele e não rolado nada, pode ficar tranquila que ele iria INVENTAR que rolou.

Ella disse...

O que me assusta são os comentários de quem diz que a mina merece ser chamada de vadia, eu tenho quase a mesma idade que ela, e sei de um caso de aluna com professor numa escola de ensino médio -ela tem 16, ele 25, os dois querem, os pais dela sabem, então...- bem eu sei do caso porque a moça em questão é minha amiga, mas nunca em nenhuma hipótese eu vi o o professor falando pra ninguém sobre o caso -em parte porque se ele falar alguma coisa, vai perder o emprego, em parte porque não acho que seja o tipo dele sair se vangloriando das suas "conquistas sexuais", até porque pelo que sei a moça ainda é virgem. Principalmente porque esse professor tem ideias feministas, imagine em uma sala em que a maioria dos alunos são garotas, uma já é mãe, e no ano anterior estudaram uma que também já era mãe, e outra que estava grávida (detalhe isso numa escola particular) outras 4 terem fama de vadia, e a maioria das professoras chamarem (mesmo que por eufemismos) as meninas de putas, enquanto quem defendia elas era um homem? Pois é. Voltando ao caso, falaram sobre sexo casual, sim foi sexo casual, mas querendo ou não a moça foi enganada, e mesmo se não tivesse sido, sexo casual não dá ao homem (nem a mulher) o direito de sair por aí falando o que fez e o que não fez durante o sexo pra TODO mundo, liberdade sexual não significa isso. Principalmente quando a moça começa a ser chamada de vadia e o homem de garanhão e etc. Isso não tem a ver com liberdade sexual, tem a ver com o mesmo pensamento medieval de que mulher foi feita pra ficar em casa cuidado do marido e dos filhxs.

yulia2 disse...

quanto ao caso que rolou ontem na internet.... espero também que o professor e a ex processem esse individuo até ele morar debaixo da ponte!
Esse é outro imbecil.

SeekingWisdom disse...

Olá pessoal,
G. o cara é um babaca! Total! Acho ótimo o conselho da Lola, funciona bem.

Agora, galera, realmente eu, que estou no processo para me formar docente e já dei muitas aulas, gostaria de entender melhor esse fetiche de G.. É super notável esse poder que o professor mantém. Acho que tem haver com admiração - é comum ficarmos admirados e apaixonados com aqueles que estão ensinando. Nem acho que seja por hierarquia, acho que é pela posição de transmissor do conhecimento (posição tradicional - o certo seria um mediador, mas n ocorre mto na prática) ali mesmo. As vezes é complicado escapar de algumas situações que envolem isso. Pergunta: acontece com mulheres ensinando também?
Talvez isso esteja relacionado ao modo como nos portamos em sala ou coisa assim. Intrigante.
Queria entender o quanto disso é uma construção social e o quanto é atração mesmo, sem nunhuma condenação à atitude de G., para deixar claro.

Abraços,
Phillipe.

lola aronovich disse...

Anônimo mascutroll das 1:30, difícil de acreditar que este post não foi publicado por causa do ocorrido com Marcelo e Maria Helena, né? Só que eu não minto. Não tenho por que mentir. A G. me enviou o email no dia 13 de janeiro. Eu respondi no mesmo dia, e minha resposta é a base deste post. Trocamos outros emails até o dia 17 de janeiro. Este post já estava agendado faz tempo. Só não o publiquei antes porque achei melhor publicar outro post de "perguntas e respostas" como o do "como falar pra amiga que ela cheira mal?" antes. Hoje eu ia publicar um post sobre estupro, mas, como ontem um monte de gente me perguntou no Twitter do caso entre Marcelo e Maria Helena, decidi publicar este (que já estava pronto) e só incluir a introdução, aproveitando para responder ao que o pessoal me perguntou.
E como assim, "vcs que se dizem feministas"?! Agora eu não sou feminista? Vc me odeia pelos meus olhos verdes? Uia, pensei que fosse EXATAMENTE por eu ser feminista! Sim, muitas feministas não veem nada de mais que uma mulher "se ofereça" (leia-se: tome a iniciativa). Aliás, se vc gostasse de sexo e se a sexualidade feminina não te amedrontasse, vc também acharia maravilhoso que uma mulher tome a iniciativa.

Anônimo disse...

Lola, sou o Anônimo 11:48 e para reforçar meus argumentos:

"A paquera entre Marcelo e Maria Helena não teve nada de mais."

Como assim não teve nada de mais??? Repito, se fosse entre uma professora e um aluno, as moças iam falar que o estudante era um vagabundo, canalha...E a professora uma vagaba de categoria.

"Espero que ambos processem o namorado dela, que pegou sua senha no FB e expôs a conversa. Isso é violação de privacidade, que é crime. Adultério não é crime. E adultério nem se aplica a namoro. Se se sentiu tão ofendido, o namorado deveria apenas ter terminado com ela. Não é preciso punir ninguém."

Se fosse uma mulher, iriam dizer que esperam que a professora e o aluno se dessem mal, que fossem ridicularizados pelo resto da vida enquanto a pobre namorada fez justiça, porque traição não se faz, que é um absurdo,etc, etc...

Sempre tendenciosas, não?

PS: Repito, não sou masculinista ;)

Anônimo disse...

Confesso que na minha época de escola e faculdade eu era um pouco machista, mas nunca achei a menor graça quando os homens faziam aquela rodinha para falar de suas aventuras sexuais, e o fato de ser homem e não curtir ficar falando dessas coisas já me rendeu muita dor de cabeça desde a ser chamado de virgem a ser chamado de gay inclusive por algumas mulheres.
Algo que eu percebi é que os homens tem uma mania terrível de falar que as mulheres são fofoqueiras sendo que no meu ponto de vista os homens em geral são muito mais... Porque para eles não existem a fofoca da semana ou algum "babado novo", lembro da minha mãe ter contato um fato que me fez perceber muito disso, em que uma senhora de idade andava na rua com uma bengala, e uns homens mais velhos usavam comentários do tipo "ela está com um pau na mão como sempre gostou" e outros comentários nojentos... Naquele dia eu fiquei pensando que mesmo que aquela senhora tenha feito o que fez há anos, algumas pessoas simplesmente não esquecem, será que uma mulher gostar de sexo é o fim do mundo?
Nas rodinhas de fofoca masculina vale tudo, desde a aumentar até mesmo inventar, é uma rede que mesmo que eu não fosse um frequentador assíduo de rodas de amigos em algumas oportunidades não era difícil em alguns minutos saber quem fez sexo com quem e outras coisas do tipo.
Bom... Eu imagino o quanto você deve estar se sentindo péssima com os olhares maliciosos e conversas baixas, mas erga a cabeça que esse tipo de gente não vale a pena perder tempo.

Anônimo disse...

Sou a anônima do 12:59. O que eu queria dizer é que, na minha opinião, se você descobre que o cara é um machista idiota (que foi o que ela descobriu quando foi no motel com ele e ele falou um monte de coisa estúpidas) e mesmo assim continua indo atrás dele (mesmo que seja só para fazer sexo novamente), isso é uma forma do cara continuar sendo um machista idiota. Oras, ele vai lá, se finge de apaixonado, diz que não quer usar camisinha (isso já teria sido suficiente para eu ter caído fora), fala coisas machistas e homofóbicas, depois desaparece e mesmo assim a garota vai atrás dele, que mensagem que ela passa para ele? Que mesmo ele sendo um idiota (porque ele sabe que é um) ele consegue comer um monte de "menininha". Agora, eu imagino que fazer sexo com um cara tendo a consciência de que ele é machista deve ser terrível. Não suporto machista, e não importa quão bom de cama ele seja, não importa se eu só to afim de fazer sexo com ele umas poucas vezes casualmente, eu ACHO que não só não vale a pena pra mim (porque muito provavelmente vai rolar dor de cabeça depois) como também o cara vai continuar se achando o tal e comedor, ou seja, ninguém sai ganhando nessa história. Mas se a garota não se importa com a cabeça do cara (foda-se que ele é machista/homofóbico/racista/reacionário), vá em frente e depois tente responder a todas as ofensas. Já fui chamada de vadia por motivos totalmente estúpidos, o que eu fiz? Respondi um a um, todos que achavam que estavam tentando me ofender. É cansativo? MUITO! Mas vale a pena.
Sexo com um homem feminista é a coisa mais maravilhosa que existe. Se eu puder dar um conselho às mulheres é esse: fujam dos machistas!

Anônimo disse...

Sobre o que um mascu idiota postou acerca da história do facebook:

Já peguei conversa do meu ex com uma garotinha de 16 anos. Estávamos namorando e eu poderia ter ferrado a vida dele bonito, já que ele tinha 34 e ela era menor de idade...

Mas não fiz... sabe por quê? 1) Porque estava claro que ela tb queria; 2) Porque só ela sairia penalizada, como a puta, a vadia etc. 3) Porque ele iria sair como garanhão e eu como corna.

Pra mim, a culpa não era dela, mas dele. Ele é que tinha um compromisso e foi escroto.

Thomas disse...

Hahahaha mesmo se todas as mulheres que pisam na faculdade soubessem da fama do professor, ele continuaria pegando geral. Bem-vindas ao mundo real, garotas, onde muitas vezes ter fama de cafajeste é o melhor que pode acontecer com um homem. Mas não se enganem, ter fama de vadia com certeza também facilita pra qualquer mulher conseguir mais sexo.

Melhor é não se envolver com um professor, caso você não queira passar por isso. Todo professor que se preze tem uma fila de alunas querendo sair com ele. Difícil é um cara nessa posição não perder a cabeça com tamanha mordomia e não ficar um pouco escrotinho. Atire a primeira pedra aquele que se considera imune a essas coisas.

Afinal, o mundo é assim. Poucas coisas são tão sexy quanto a ideia de fazer sexo com alguém que está acima de você na hierarquia, não importa de onde seja essa hierarquia, desde uma Universidade até uma ONG de combate aos Illuminati norte-coreanos.

No fim do dia, se o que você procura é sexo, e se você consegue esse sexo e, principalmente, se for uma transa satisfatória, fique feliz e esqueça do resto. Homens vão ser homens e, não importa o quão nice guy seja aquela carinha com quem você fez um sexo selvagem, pelo menos uma parcela da noite de vocês será revelada com prazer e orgulho pros amigos dele. Quanto mais popular o cara for, mais amigos ficarão sabendo da história. Isso vale pras moças também, porque sei muito bem que vocês revelam detalhes íntimos dos seus encontros pras suas amigas. Todo homem que já transou com pelo menos uma mulher tem no mínimo umas 10 mulheres que sabem exatamente o tamanho do seu pau e quanto tempo demorou pra gozar.

É a vida, gente. Nenhum sexo é de graça, e nem sempre o preço é dinheiro. Se você curte um sexo casual, se prepare pra pagar seu preço, isto é, ficar conhecida como vadia ou ficar conhecido pelo tamanho do seu pau nos círculos de amizade dos seus parceiros.

Mas como dizia um antigo filósofo estadunidense: "Doesn't matter, had sex."

SeekingWisdom disse...

Anonimo reclamão, mimizento das 11:48, dizer que as feministas fariam A ou B não deixa de ser trollagem sem noção. Fundamentar sua teoria com outros posts ou comentários onde a depreciação de uma menina traída fosse publicizada é outra história - mas não fez isso porque não há!
A Lola já escreveu sobre traição, e eu compartilho da opinião dela.
Expor detalhes da vida intima de alguém é crime, ele foi errado. Se uma moça fizesse isso, independente dela ter ficado magoada por isso, seria alertada para o erro.

Pare de mimimi agora!
Phillipe

lola aronovich disse...

Ah, ok, anônima das 12:59 (agora 13:56 -- melhor deixar algum tipo de nome, não acha?), assim podemos começar a conversar. Até concordo que, depois da G. descobrir que o professor é um machista que quer transar sem camisinha, era poderia não querer procurá-lo mais. Mas entendo a G, porque eu também já fiz isso. Afinal, vc quer o cara só pra fazer sexo, não pra namorar -- até pra conversar vc passa. E se o cara é bom no sexo, por que não? Hoje em dia eu não faria mais isso, porque teria nojinho de ir pra cama com um cara com mentalidade medieval. E também porque as chances de um cara desses te chamar de vadia e contar vantagem pra todo mundo são grandes. Felizmente, caras machistas costumam ser muito ruins de cama, porque se preocupam unicamente com seu prazer, não com o da parceira. Mas há exceções, claro.
Hoje concordo com seu conselho: fujam dos machistas!

SeekingWisdom disse...

Jedrus,
tornar público todas as esferas da vida privada não é o que o socialismo prega. Comentários sobre tetinhas é muito diferente de comentários sobre os seios das colegas. Que espécie de comunismo é esse que acha que só um tipo de seios merece ponderações positivas e o resto deve ser depreciado? Isso não é moral cristã cowboy. Se as mulheres saissem por aí depreciando a ferramentazinha dos caras ia ser um auê de misandria no blog.
Que chatice!
Phillipe

jacmila disse...

"Acho que uma das formas de acabar com o machismo é não transando com machistas!"

Mas se 9 em cada 10 são machistas?

lola aronovich disse...

Anônimo das 11:48, agora 13:54, não faça suposições. MOSTRE onde neste blog (ou noutros blogs feministas, vá lá) tem "moças" falando que (se o caso Marcelo/Maria Helena -- que não é o ponto deste post, pra começar -- fosse entre uma professora e um aluno) o estudante era um vagabundo, canalha, e a professora uma vagaba. Vc vai penar pra encontrar feminista chamando mulher de vagaba, hein? E vai penar tb pra encontrar feminista chamando homem que transa de vagabundo/canalha. Mas é feriado e vc tem tempo. Cavoque bem que quem sabe vc encontra alguma coisa.
Ah, e decida-se: quem são as "moças" do seu comentário? As feministas ou mulheres em geral? Ou mulheres machistas? São muitas opções.

Aninha disse...

Genta, para tudo:

O cara é um PROFESSOR UNIVERSITÁRIO e não quer transar de camisinha com parceiras eventuais?

O que ele tem na cabeça, merda?? Ou ele inventou e tá usando a vacina contra a AIDS por exemplo, e não contou para ninguém?

Sinceramente, conheço muitos pedreiros bem mais inteligentes que esse cara aí.(só para citar uma categoria que é inferiorizada quando comparada com "professor universitário")

Anônimo disse...

Freud explica. <3

jacmila disse...

ThomasNoccu disse:

"É a vida, gente. Nenhum sexo é de graça, e nem sempre o preço é dinheiro"

Paralisei com tanta sabedoria.

Anônimo disse...

Anônima das 13:56 e Lola:
Eu fico meio em cima do muro sobre essa de homem virar feminista pra se tornar alguém mais atraente para as mulheres.
Eu vi no texto, que uma das coisas que o professor fez foi exatamente dizer que era anti-machismo.
Confesso que depois que eu passei a apoiar a causa feminista, em relação a conquista tem mais atrapalhado do que ajudado, porque geralmente quem demonstra certa admiração por mim são mulheres que já tem namorados (100% machistas) ou me vêm como amigo, que por mim tudo bem... Aprendi que ninguém é obrigada a se sentir atraída por mim e até alguns dos meus melhores amigos são mulheres, mas tem algumas que infelizmente eu tenho que cortar a amizade porque ficam ficam me enchendo a paciência em relação a minha vida amorosa e porquê acharem estranho eu não ter uma namorada e bla bla bla.
Eu apoio o feminismo é pelo respeito que as mulheres merecem, se eu fosse entrar nisso pra conquistar garotas eu estaria sendo tão idiota quanto qualquer mascu.

Anônimo disse...

Teve um período da minha vida q eu tb fui "pegadora", me enjoava facil dos homens, e gostava de variar.
Nessa trajetória reconheço q fiz alguns estragos, deixei alguns caras apaixonados, e quando percebi q eles ficavam me procurando e até fazendo alguns escândalos, eu começei a não dar mais meu endereço, nem nome verdadeiro, dava apenas um numero de celular.
E quando resolvia sair fora, desligava esse celular.
Eu gostava de anotar o nome e caracteristicas desses caras, mas não durava muito e ele viravam um numero nessas anotações.
Me diverti bastante, ficava com dó as vezes daqueles ficavam mais ligados em mim, mas não voltava atraz.
Mas bem diferente desse professor eu nunca menti pra nenhum dos caras e nunca dei esperanças.
Eu só queria mesmo é curtir o momento, foi tudo muito bem até eu me apaixonar, comi o pão q o diabo amassou, mas estou com esse cara até hoje.
De certa forma até entendo esse professor, só posso condenar é q ele mente pra conquistar, mas ganhar e perder faz parte da vida.

yulia2 disse...

Acho que uma das formas de acabar com o machismo é não transando com machistas!"

Mas se 9 em cada 10 são machistas?
___________________

não existe um detector de machista....
geralmente a máscara cai quando é tarde demais....

yulia2 disse...

O que ele tem na cabeça, merda?? Ou ele inventou e tá usando a vacina contra a AIDS por exemplo, e não contou para ninguém?
__________---

se vc soubesse o que tem de cara assim...
depois pega aids , passa pra esposa....
ai já viu

Cida disse...

G bola pra frente. Este professor não merece suas lágrimas, não merece nada de bom que venha de você.
Agora em uma coisa a Lola tem razão, as mulheres tem que falar sobre os ''homens'' com que se relacionem. Assim esse tipo de coisa acontecerá com menos frequência.
Força mulheres. Unidas somos mais fortes.

Anônimo disse...

yulia2

Não é 100%, mas tem alguns sinais que entregam facilmente se um cara é machista.

Iara Sindrominha disse...

Lamento comunicar a moça do post e as outras,mas babacas existem em todos os lugares!O problema são as lendas que se escuta desde criança,professor tem que respeitar,professor é uma pessoa sábia,professor isso ou aquilo...pois é,nem todos,nem sempre..
Mas eu me impressiono como algumas coisas..eu estudei em uma faculdade que tinha um professor maravilhoso,ótimo,eu adorava ele,ficava conversando com ele e outros alunos depois da aula..até que vieram me contar que ele `derrubava´todas as alunas,apesar de ser casado,pai de quatro filhos.Eu me afastei,porque nunca pensei nele nesse aspecto,eu gostava dele como professor,mas fiquei chateada e frustrada,é impressionante como a gente perde o respeito pela pessoa.Depois comecei a escutar histórias sobre ele e umas colegas nos corredores,a mesma coisa que o post,era ele que divulgava suas escapadas para a molecada...enfim...eu,opinião pessoal mesmo,não acho boa idéia nada no trabalho nem faculdade,qualquer relacionamento que acontecer é melhor que aconteça em terrenos neutros,tive amigas que sairam da faculdade porque ficaram com fama de `fáceis´,apenas porque dormiram com esse professor.Enfim,babacas estão em todos os lados...

Fernando disse...

É isso q vcs conseguem com essa liberdade feminina,dão pra qualquer um,nem querem saber se o cara presta ou n,depois ficam se vitimizando quando descobrem q o cara é canalha. Com esse papinho de quem foram enganadas.
Sempre fico chocado em ver como vc defendem traição e se o traido ficam com raiva é ele q esta errado na concepção doentia de vcs

Mordred Paganini disse...

Gente, essa de não dar pra saber se o cara é machista de antemão é conversa.

Aliás, bem lembrado, conversa...

Se você conhece um aleatório e resolve fazer sexo, não vai fazer muita diferença o cara ser machista ou não. Basta não ver o infeliz nunca mais.

Mas se ele é do seu convívio é pode vir a te atormentar de alguma maneira, bom checar os antecedentes do moço.A rede de fofocas existe e é funcional, mas precisa acessar, oras!
Quando se trata de alguém do mesmo ambiente, checar se o cara é um babaca é questão de sobrevivência.

E vamos parar de achar que ser machista é um detalhe, né? Tem que ser impeditivo! Vamos parar de premiar babacas.

Aliás, certa vez eu perguntei ao um amigo meu: fulano, você é um cara tão inteligente e legal, mas por que você dá uma de babaca quando está tentando pegar alguém?
Resposta: está dando certo até agora.

Enfim, o pessoal é político, não se esqueçam.

Marussia de Andrade Guedes disse...

Concordo com tudo que a Lola disse. Mas é importante que as mulheres vejam o quanto é importante parar de ter medo de serem chamadas de vadias. Não podemos sair com um cara tendo medo de ele comentar com outros. Se comentar, dane-se. Como é possível ? Homens e mulheres querem sexo, mas , homens querem contar e mulheres querem esconder !

Anônimo disse...

Eu concordo com a Barbie Furtado

Se ele é machista, então nada mais justo que arque também com um pouco dos custos de suas ações. Ele sabe que espalhando os fatos e fazendo comentários depreciativos sobre as alunas estará tachando-as de vadias (o que não é verdade). Então pq elas não podem fazer o mesmo? A primeira vez que provar do próprio veneno talvez pare de agir dessa maneira.

Anônimo disse...

Se espalhar a fama que o cara é pegador, só vai beneficiá-lo. Mulher adora homem com fama de cafajeste. Quanto mais pegador, mais mulheres na fila.

Alguma feminista irá dizer o contrário???

Alexandra disse...

Lola,
Espero que ela siga seu conselho e alerte as colegas sobre o caráter desse individuo.
Apesar de achar que - de forma geral - as pessoas são livres para se envolver com quem quiserem, concordo com vc e não acho legal se envolver com alguém que está numa posição hierárquica superior a sua. E em particular não acho legal se envolver com professor.
Me desculpe se isso for Off-Topic, mas eu senti que tinha que desabafar.
Eu sei que muitos relacionamentos são bem sucedidos e duram uma vida inteira. Mas nem sempre é assim.
Como professora eu acredito que a relação aluno-professor - desde a escola primaria até a universidade - é uma relação de respeito mutuo e confiança, baseada na comunicação entre ambos.
Acredito que o ensino/aprendizagem podem ser marcado por essa relação, que afeta a ambos (e em alguns casos afeta especialmente o aluno) no que diz respeito a formação de valores, respeito ao próximo e sentimentos como auto-estima.
Eu tive professores que gosto e admiro até hoje. Um professor me inspirou a tornar-me professora.
Dito isso, também lembro que no 3o ano do 2o grau estudei num colégio particular onde a maioria dos alunos era de classe media alta. Duas de minhas colegas de sala "namoraram" professores. (Namoraram esta entre aspas pois não posso afirmar qual era o status da relação, mas era assumidamente de natureza sexual). Eles eram nossos professores de matemática e de química.
Apesar de conhece-las e saber que a relação era consensual, não deixava de considerar, já naquela época, algo inadequado.
Outros alunos comentavam pelos corredores que a relação era baseada em interesse: Elas, "vadias e burras" precisavam passar. Eles, heróis dos garotos da sala, "feios, mas pegadores pq tinham o poder como professores" só queriam "comer".
E é verdade que os garotos os admiravam. Os mais populares da sala os rodeavam nos corredores por que eles eram "populares" tb, como dizem nos filmes americanos. E não pela qualidade de suas aulas de matemática ou de química... Mas pq estava pegando as gatinhas da sala!
As outras meninas não tinham nenhum respeito pelos professores e menos ainda pelas suas "namoradas" e faziam o slut-shaming, pois achavam que o sucesso nas provas era pq elas estavam "dando para o professor".

Nessa época não se falava de bullying, mas acontecia de uma pessoa mais audaciosa dizer na cara dessas meninas o que muitas outras diziam pelas costas, que elas eram umas "vadias" e coisas do gênero.

Uma das meninas chegou a comentar uma vez que esperaria o ano acabar para terminar tudo. Não sei se ela tinha medo de perseguição com o fim do namoro, nunca perguntei.
Apesar de estarmos no ultimo ano do 2o. grau, elas eram meninas de 16 anos e eles homens nos seus 30. Eles se aproveitaram da sua posição de professor? Da pouca idade/inexperiência das meninas? Não sei. Mas isso deveria acontecer? Com 16 anos, uma adolescente precisa ter esses questionamentos?
O que esses professores ensinaram? O que todos esses alunos aprenderam?
Num caso completamente diferente, mas que refere-se tb ao comportamento de professores:
Na universidade (Universidade Federal do Amazonas) eu tive um professor de língua portuguesa que durante as aulas adorava usar como exemplos frases do tipo "A vagina da menina estava molhada" entre outras vulgaridades sempre em detrimento das mulheres.
Eu, como muitas das minhas colegas (no curso de letras 80% da classe era formada por mulheres), considerava esse comportamento abusivo e detestável. Outros achavam engraçadinho, "não tem nada demais". Ele jogava charme para algumas meninas e tinha quem retribuísse. Agora o que foi que esse professor ensinou?
E mesmo aos 20 anos, eu não tive a maturidade de reportar esse comportamento por certa intimidação e por ter aquele pensamento: "ele é um professor concursado de uma universidade federal, e eu uma aluna. De que lado a corda vai arrebentar nesse cabo-de-guerra?" -- Hj em dia me arrependo de não ter feito nada a respeito.
Alexandra

yulia2 disse...

Bem.... já que o que ta feito ta feito, espalhe pra faculdade que ele é ruim, tem pau pequeno... broxou várias vezes, essas coisas...

Vanessa disse...

olá Lola, meu nome éVanessa e eu gostaria de mandar algo que aconteceu comigo para ti, por onde poderei mandar ???

lola aronovich disse...

Alexandra, muito interessante tudo isso que vc disse. Olha, se professor sair com aluna na universidade já é polêmico (por causa da relação de poder), no ensino médio, então... Bom, aí eu já sou definitivamente contra. É menor de idade, pra complicar.


Anônimo das 15:44, pare de generalizar as mulheres (ou os homens). Arrume sua frase "Mulher adora homem com fama de cafajeste" por "Algumas mulheres adoram homem com fama de cafajeste". Sabe, "mulheres" são 3,5 bilhões da população mundial. E são seres muito, muito variados. Eu conheço muito mais mulheres que não saem com homens com fama de cafajeste do que mulheres que saem, por exemplo. Nem por isso vou dizer que "Nenhuma mulher gosta de cafajeste". Ou que "todo homem é cafajeste" ou "homem não presta". A única generalização que não penso duas vezes em fazer é: "todo mascu é um reaça ignorante e preconceituoso".

SeekingWisdom disse...

Numa boa, não entendo a necessidade de espalhar mentiras com tantas verdades comprometedoras gente. Eu n transaria com alguém se soubesse que nop dia seguinte tudo o que fizéssemos seria compartilhado como num facebook, já é motivo o suficiente para a grande maioria não?
Bobagem muita incentivar boatos falsos!
Phillipe

Anônimo disse...

Bom, acho que vocês deveriam usar o feitiço contra o feiticeiro. Já que todo mundo acredita quando ele diz que transa com as alunas, por que vocês não espalham que ele é broxa, que tem o P* pequeno,que gosta de tomar "dedada" na hora H, que ele curte uma chuva dourada e outras coisas do gênero? Quanto mais meninas espalharem a história melhor. Usem o machismo dele, contra ele. Sei que isso é antiético, mas também é antiético ele espalhar detalhes das intimidades das alunas. E já que ele gosta de ridicularizar os outros, seria bom ele sentir o peso de ser ridicularizado também, uma vez que ele não terá outro tipo de punição por parte da faculdade.

Anônimo disse...

Vish,isso me lembrou um carinha que fiquei e que quase acaba igual a essa história...
Me conheceu pelo orkut . Ele tinha 27 anos e eu 18 na epoca, quase 10 anos de diferença.Eu caloura da faculdade, ele recém formado...
Conversavamos no finado msn tds os dias por quase 2 meses, ele se fazia de apaixonadinho ,mandava poema, bla bla bla(eu, besta q era, achava fofo) nos encontramos 2 vezes, mas acho q qnd ele viu q não ia roalr(eu era virgem), pulou fora. Pior que depois descobri q ele fez a msm coisa com uma amiga minha,ao msm tempo, mas com ela conseguiu o q queria. Depois, cm sempre, sumia.Essa experiência serviu pra me mostrar que existem homens,zés, que realmente nao valem nada. PS* Na época eu fazia análise, e minha psicologa me ajudou ao alertar q o cara era um babaca, hahaha.
Isso acontece muuuuito com meninas novinhas msm. Com relação a professores, lembro que no ensino médio isso é mt comum, as proprias alunas tem esse "fetiche".Lembro tbm de outro caso de uma amiga q retomou o contato com um professor do ensino medio, ela viajou p encontra-lo, ele a drogou e se nao fosse outra amiga q tava junto e abriu a porta na hora,a teria estuprado. Realmente Lola,nós mulheres deveriamos comentar mais esses casos entre nós, pois seria uma forma de nos "protegermos" de gnt assim.

lola aronovich disse...

Phillipe, é fato que tem muito professor universitário que atrai muita aluna, e que tem aluna, como a G (ou a Maria Helena, em Joinville) que vai atrás de professor. Acho que o atrativo é, acima de tudo, a aura de sabedoria e experiência que o sujeito passa. Eu pelo menos não conheço alunas que foram atrás do professor por causa de nota ou pra passar de ano (que, na faculdade, nem é um termo que se usa). Claro que pra professor jovem, bonitinho e solteiro (como é o caso do Marcelo, lá em Joinville), o assédio é enorme. Tenho uns amigos e conhecidos jovens que estão começando como professores, e eles recebem cantadas direto. Mas me lembro bem de um professor no meu mestrado. Meio feinho, já passado dos 60, e ele tinha muitas namoradas, entre professoras e alunas (mas não ao mesmo tempo, e, pelo que sei, ele era discreto). Ele era tão inteligente que ninguém tava nem aí com sua falta de beleza. A inteligência dele era sexy. Acho que pra professora mulher não funciona bem assim...
Tenho também um amigo homossexual que é professor (numa cidade pequena, ainda por cima), e nunca teve problema nenhum em pegar alunos.
E sei que tem professora lésbica que fica com alunas lésbicas numa boa. Nesse caso a diferença de idade não costuma interferir.
Mas, pra uma professora hétero de meia idade ficar com aluno de 20, 25 anos, a história é bem diferente... Acho que, pra começar, tem o preconceito da idade. Tem a ideia do que é valorizado no homem mais velho (sabedoria, experiência) não é o mesmo que é valorizado numa mulher mais velha (que talvez continue sendo julgada apenas pela aparência física).
Não sei muito bem, porque nunca fiquei com nenhum professor ou aluno. E sempre achei o fim ficar com cara comprometido (já fiquei, mas na maior parte das vezes sem saber que o cara era comprometido).
Só penso que o relacionamento entre professor(a) e alunx tem muito mais a ver com desejo, sexo, que com tirar proveito por causa de nota.
Bom, falei, falei, e não respondi a sua pergunta. Alguém tenta responder?

Anônimo disse...

Fiz cursinho em uma escola de renome em Fortaleza e, como fiquei próximx a uma menina que chegou a ter um caso com um dos professores, acabei sabendo de muitos casos entre professores dessa escola com alunas. Presenciei até um professor fazer proposta de sexo da três com alunas. O curioso é que todos que tinham a fama de pegadores eram casados e comentavam na sala dos professores quem pegou quem e o que fizeram. Deve ser um comportamento comum entre alguns profissionais da area, o que me deixa desconfortável já que decidi seguir a mesma carreira.

Annalua disse...

respondeu, e respondeu mto bem!

Anônimo disse...

lola, sugestao de pauta: escrever um post sobre professorAs que sofrem assedio de alunos perseguidores e insistentes.

andressa

Julia Faria Codas disse...

Ia comentar, mas vi que a Mordred Paganini tirou as palavras da minha boca haha. Assino em baixo do comentário dela! :)

jacmila disse...

Conheçe este filme Lola?

http://www.imdb.com/title/tt0465551/

A princípio - e por princípios - não sou favorável a affairs no ambiente de trabalho - pra mim. Os outros q façam de sua vida o q bem entenderem, contanto q não me obriguem a fazer o mesmo.

Fernanda disse...

Sou professora de línguas e posso afirmar que existe sim um fetiche com professor. Não sou psicóloga e não ousaria enveredar por explicações baseadas nessa área de conhecimento; apenas penso que existe mesmo alguma magia ligada a esse processo de transmissão de conhecimento que seduz uma quantidade enorme de pessoas. Bom, também tem o carisma, que conta muito... Pessoalmente, prefiro não misturar as coisas, mas até proposta de casamento já me fizeram... só me conhecendo como professora! Ou seja: a projeção é evidente.

Alexandra disse...

Lola,

Eu moro no Canada e aqui um rapaz com 18 anos ou mais nem cogita sair com uma garota menor de 18. Mas no Brasil, sabemos, isso é normal. Inúmeras colegas de colégio namoravam caras maiores de 18. Na 7a. serie eu tive uma colega de 14 anos que namorava um rapaz de 22. Uma das minhas melhores amigas namorava um homem de 34 quando ela tinha 16 (o namoro durou 2 anos). Apenas para citar os casos mais extremos (na minha opinião).

Mas a questão fica muito mais seria quando o namorado em questão também é o professor. No meu colégio mencionado no comentário, todo mundo sabia que tais professores namoravam aquelas alunas, inclusive outros membros do corpo docente. Não sei se havia algum tipo de politica contraria a isso na escola, mas se havia, todos faziam vista grossa. Era um namoro de porta de escola... So que bizarramente entre um professor e uma aluna. Isso no Canada seria inaceitável. Alias, aqui isso da cadeia, já que as meninas seriam menores de 18.

SeekingWisdom disse...

Então Lola, tenho a mesma impressão que você. Professoras hétero com alunos é algo que quase nunca ouvi falar. Minto! Agora q escrevi isso lembrei de um caso, mas até então eu tinha feito um del na minha cabeça, haha.
Então, tinha o caso de uma professora de meia idade mas muito bonita. Ela saia com alguns alunos e era discreta. Claro que o slut shaming rolava solto entre as alunas principalmente. Não me lembro dos comentários dos alunos...
Contudo, parece que a motivação é diferente dessa do fetiche que algumxs alunxs mantém por professores. A motivação era mais por sexo do que pelo elemento da sabedoria aí.
Talvez seja isso que vc disse, as mulheres ainda são rankeadas pelo quesito beleza e a sabedoria delas fica embassada enquanto a savedoria é um atributo de atração para os homens.
Obrigado por tentar responder essa questão complexa!
Bjs!
Phillipe

Maria disse...

Eu acho que para evitar babacas assim,a gente tem dar uma pesquisada antes,se ela tivesse feito isso teria evitado tanto desgosto,depois do que ele fez,ela descobriu bem rápido como ele é nojento.
Mas ela tem que detonar ele mesmo,até inventar mentira,é ruim de cama,tem ejaculação precoce,pinto pequeno e fino,se ele acha que tem direito de fazer isso,tem mais é que se ferrar.

E quanto a fetiche com professor ,eu nunca tive,alguns eram bonitos mas só isso.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

É incrível como mau-caratismo muitas vezes está diretamente ligado ao machismo.
E depois alguns caras vem com essa explicação de que pra homem fazer sexo é mais difícil e portanto louvável quando acontece.
Ora, mas são os próprios homens que colaboram com essa "maior dificuldade".
Imagina quantas mulheres tem medo de transar, mesmo morrendo de desejo por um cara e depois passar por uma situação chata como essa.
Se nossa sociedade ridicularizasse e perseguisse homens por fazerem sexo, duvido que eles também não passariam a pensar muito mais antes de abrir as calças.
Eu mesma já passei por uma situação assim de ser exposta em um ambiente escolar. A diferença é que o rapaz era um ano mais novo que eu, éramos amigos, vivíamos conversando por telefone, eu confiava nele, confiava que mesmo que não existisse um sentimento maior entre a gente, existisse ao menos respeito. Mas é claro que no fim das contas não existia. Desde quando homem machista respeita mulher? Nunca. No máximo exibe um falso respeito que se dissolve no momento em que ela não tem uma posição submissa.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

E só pra completar. Eu acho que vocês dessa faculdade deveriam se unir e fazer alguma coisa.
Acho que ficar só na rede de compartilhamento de informações é muito pouco.
Já que tem tanta gente em faculdade que gosta de trote, por que vocês não invertem a coisa e aplicam um trote nesse professor pra que passe a ser ele o ridicularizado?
Já que está na moda ser "politicamente incorreto" que tal um politicamente incorreto que esteja do lado certo?

Anônimo disse...

Quanto preconceito contra o Professor...o cara transou com a aluna e nao quis mais...virou canalha por isso ?

ViniciusMendes disse...

Meus dois centavos *tradução literal :V*

- Se o professor é cheio de moral, não adianta espalhar mentiras... Além dele ter uma posição superior de influencia (o que significa que vão acreditar mais nele), muitas meninas que ficaram com ele e passaram exatamente pela mesmíssima coisa vão usar as próprias experiências pra defendê-lo. E não, não to dizendo isso por serem mulheres, mas poucas coisas são tão afrodisíacas pra uma boa parte dos ser-humanos de qualquer gênero do que rejeição. Agora, espalhar as verdades eu acho válido... Aí quem pagar pra ver já tava avisada.

- Pelo que foi descrito do método de ataque... Esse cara deve ter uma frágil ego imenso, deve ser uma pessoa bem infeliz...

- Eu tenho um bocado de problema com a relação sexual/romântica alunx-professorx... Acredito que o processo de ensino pede um determinado grau de hierarquia, e se tem algo que fode qualquer processo hierárquico, é envolvimento sexual/emocional. Sem falar que a corda tende a arrebentar sempre pro lado mais fraco... Pensando bem, eu não acho bacana se relacionar com gente hierarquicamente superior em ambiente nenhum. :P

- Sobre fetiche com professorxs e alunxs... Não sou psicologo mas tenho lá meus palpites... Eu acredito que isso tenha a ver com o fetiche com o poder, de forma geral (aí entra professorxs, médicxs, chefxs). O que dá vazão pra uma série de fantasias de dominadxr/dominadx ou tutxr/pupilx. A ideia de que você tá usando o sexo como forma de se sobrepor ao seu superior, o fetiche de ser sobreposto por alguém superior, a sensação poder ao seduzir alguém teoricamente mais inteligente e menos suscetível, a sensação de poder ao seduzir alguém mais ingênux e inocente, a excitação em aprender com alguém mais experiente, a excitação de ensinar alguém menos experiente, etc.

- Tive um professor de matemática que casou duas vezes com alunas do terceiro ano... Ele também saia pra beber com xs alunxs quando as excursões (que ele organizava) pra prestar vestibular (via de regra de engenharia) nas faculs mais renomadas aproximava ele dessxs alunxs. Eu achava estranho (e meio triste) um professor de +- 30 anos formando seu círculo social basicamente por alunos e ex-alunos recentes.

- Lola, se a pornografia serve de parâmetro pra alguma coisa, provavelmente a única coisa menos fetiche que aluna, é professora... Uma parte considerável da produção pornográfica envolve esse fetiche e eu ouvi os meus colegas de classe desejando professoras a minha vida inteira. No primeiro ano de faculdade eu fui muito com a cara de uma dessas professoras, uma mulher extremamente vaidosa com os seus +- 40 anos. Comentei com um veterano que tinha curtido ela e ele logo me mandou um "esquece, ela não dá pra aluno, já tentei" :P

Mellissa disse...

Já fui professora numa universidade e posso garantir que a realidade é bem mais feia do que adoram pintar.Já cansei de ver estudantes dando em cima de professores,faziam por diversão,pra se sentirem desejadas,e se os mesmos eram casados,melhor ainda, o jogo ficava mais excitante,a brincadeira teria muito mais graça.Esse papinho de quem se são seduzidas pelo charme,pela imagem,pelo posição é conversa pra boi dormir.Depois que se saciam,que alcançam o objetivo vem se fazer de pobres vítimas dos lobos machistas.Reclamam de suas intimidades sendo escancaradas sendo que é isso que realmente querem.Um grande problema avaliar a situação quando só se ouve um lado,e nem se sabe se o relato é verídico.
No caso dessa Maria Helena de Joiville,sinceramente adorei ver seu nome jogado na lama.Já fui vítima de traição e só quem passou por isso sabe o quanto dói.Queria dormir com o professor papa anjo?Que terminasse a relação com o namorado primeiro.As pessoas são egoístas demais e não pensam no sentimento dos outros.Respeito é fundamental na vida de todos.O homem só vai se a mulher der sinais,e isso ficou nítido na conversa entre os dois escancarada na web.Ela o provocou e ele fez o que ela queria.Quem procura acha.Foi antiética e está recebendo um castigo merecido.Ficarei desapontadíssima se o namorado traído sofrer algum tipo processo ou retaliação,quando eu descobri que fui traída tive a vontade de fazer o mesmo.Isso serve de lição pra aventureiras amadoras.Maria Helena foi vítima da própria burrice,deveria ter apagado a conversa,mas estava ocupada demais usufruindo do gozo de ter seduzido um homem ,um professor que com certeza já deve ter levado inúmeras pra cama,e claro já pensava nos próximos encontros.Quis avaliar seu poder de sedução ,e conseguiu,mas a que preço.
Li aqui comentários a defendendo,puro maniqueísmo.Sou mulher e não sou obrigada a bater palmas pra pessoas sem caráter,independente do sexo.

Mariana. disse...

Eu vim aqui dar a minha opinião.

Querida, que bom que a transa foi boa, melhor que chocolate derretido.

No seu lugar eu faria o seguinte:

Me uniria a outras garotas "vítimas" da conversa fiada desse babaca e escreveria uma carta aberta. Tipo um clubinho de comentários sobre a noite com o tal professor.

Faça com ele exatamente o que ele fez com você. Avalie-o sexualmente. Diz que gostou disso mas não daquilo. Dê uma nota. Publique a carta.

Acho que ele merece isso. Depois da avaliação de desempenho (kkk), comente também que - por mais legal que possa parecer para boçais como ele - não é legal fingir sentimentos, inventar histórias de namoros pretéritos, etc. (se preferir não colocar isso e fazer só uma carta divertida, também ficaria legal).

Se ninguém topar, faça você mesma, sozinha. Arrase na escrita.

Anônimo disse...

Sou a favor de usar o machismo contra machistas.

Se o cara usa do machismo pra me prejudicar, também posso usar o machismo pra prejudicá-lo.

Uma vez um cara parou de espalhar histórias a meu respeito, quando disse a ele que ia começar a espalhar pra todo mundo que ele é broxa. Na segunda pessoa a ouvir esse comentário meu, ele parou imediatamente.

Na minha concepção, homem broxar de vez em quando é super normal, acontece com todos.
Mas na sociedade machista isso não depõe contra o homem?
Então usei isso contra ele, da mesma forma que ele usou o fato de eu fazer sexo (que pra mim não tem nada de mal, mas pra machista tem) pra me prejudicar.
Olho por olho, dente por dente.

Infelizmente, machistas se sentem mais afetados quando o machismo também os prejudica do que pela maioria das ações feministas.

Se eu fosse essas meninas espalharia pra toda a faculdade qualquer coisa do tipo, ainda que fosse mentira.
Ele merece passar por metade do constrangimento que faz outras pessoas passarem.

Li disse...

Dizem por aí que quem come quieto come duas vezes...

Tb nunca consegui ter atração por professor. Acho que tenho pra mim aquela relação mais antiga entre profs e alunos, de respeito e hierarquia. Sei lá, tipo pai e mãe...

Claro que é uma m#rda as pessoas ficarem falando da sua vida, ainda mais nesses termos. Mas acho que não ligar pra isso, faz parte da postura de quem transa qnd quer e não deve nada pra ninguém.

Mordred Paganini disse...

Pois é Mariana: eis uma excelente ideia, que é, sair da posição de vítima.
Inverter o jogo, expor o cara pode realmente ser uma boa ideia.

Li disse...

Ah.. também achei que a autora escreve de forma divertida! congrats!

Anônimo disse...

Acho que sair com professor não tem nada de mais, desde que exista respeito e consentimento (e que o/a aluno/a seja adulto/a), e que isso não interfira na relação dentro da faculdade. Eu já fui terrivelmente apaixonada por um professor, ele era novo, tinha 32 anos na época, e eu só não fui atrás dele porque eu sabia que ele tinha namorada. Já tive amiga que ficou com professor sem problema nenhum também.
Também não existe problema nenhum em fazer sexo sem compromisso. Deu pra ver que a moça aí nem tava procurando nada sério.

Mas esse negócio de transar uma vez e não olhar mais na cara, de sair contando tudo pra todo mundo, acho isso muito imaturo. Pra mim só quer dizer que o cara é extremamente inseguro e juvenil.

Quando eu era adolescente eu ingenuamente acreditava que isso não existia mais, que era comportamento arcaico. Aconteceu com uma prima, que realmente estava apaixonada pelo cara, aconteceu depois comigo, que também só queria sexo casual, depois eu parei de me surpreender. Mas isso eram adolescentes. Chega a ser patético um cara mais velho tendo esse tipo de atitude.

Concordo com a Lola, deveria existir uma rede de fofocas entre as alunas e todas, absolutamente todas as calouras deveriam ser informadas sobre o comportamento desse indivíduo. Eu iria mais longe. Faria um flyer com a foto dele e os passos dele, dizer que namorou aluna, pedir pra dispensar camisinha, etc., e colava nos banehiros femininos, espalhava por aí, tudo anonimamente, claro. Se ele já fez isso com várias alunas, talvez ficasse muito difícil saber quem foi.

Quanto a moça de Joinville, achei ridículo o que o namorado fez.
Ninguém aqui ta defendendo o que ela fez, ninguém aqui achou bonito e empoderador ela trair o namorado com o professor, mas a exposição não foi uma coisa bacana pra ninguém. Acho que ninguém está em posição de apontar o dedo e julgar (inclusive porque muita gente que ta chamando ela de vadia também já traiu), e acho que ninguém merece ser exposta dessa maneira por causa de um ato falho. Se fosse o cara que traiu a namorada com a professora, também não acharia legal expor. Aliás, seria pior, porque a culpa cairia em cima da professora.

Rê_Ayla disse...

para todas as coisas existe o tempo e o foda-se...

diga FODA-SE pra babacas desses e babacas que chamam de vadia e fim.

Thaís B disse...

Anonimo das 18:17

Ninguém tá chamando o professor de canalha porque teve sexo casual com a aluna, estão chamando ele assim porque depois que ele conseguiu transar com ela passou a falar mal dela para outros alunos.

Aliás, no meu colégio tinha um garoto assim. Dava uma de príncipe para as garotas e quando conseguia o que queria com elas passava a falar mal delas pelas costas, chamando-as de rodadas e vadias.

yulia2 disse...

Concordo com a Laurinha.

não aguento mais o mimimi dos caras reclamando que pra homem sexo é mais dificil.....
é mais dificil porque ELES MESMOS IMPÕE a dificuldade com seu machismo acéfalo!
depois vem chorar falando de friedzone!
isso dá no saco!

paula disse...

Amiga, se ele foi canalha e fala de vc com os outros, comente com algumas pessoas que o pinto dele é pequeno! Não em tom de raiva, que fica bem na cara que é uma vingancinha, mas sim como se estivesse desabafando após uma noite de decepção! Para o homem não há nada pior! Falar isso com apenas umas duas pessoas fofoqueiras já basta!

yulia2 disse...

Desde quando homem machista respeita mulher? Nunca. No máximo exibe um falso respeito que se dissolve no momento em que ela não tem uma posição submissa.
______________

bingo.

yulia2 disse...

Quanto preconceito contra o Professor...o cara transou com a aluna e nao quis mais...virou canalha por isso ?
_________________

se vc leu o post e pretou atenção, sabe que não é nada disso....
a canalhice desse trouxa foi espalhar pra deus e o mundo o que aconteceu, não tem necessidade disso.
é coisa de homem cretino que precisa se autoafirmar.

yulia2 disse...

alguém aqui acreditou que o Melisso é mulher???

yulia2 disse...

Li aqui comentários a defendendo,puro maniqueísmo.Sou mulher e não sou obrigada a bater palmas pra pessoas sem caráter,independente do sexo
______________
se vc é mulher, eu sou o bozo.
saudações.

Anônimo disse...

Parem de viajar... se ela começar a querer espalhar esse boato de que ele é ruim de cama, tem pau pequeno, é broxa, etc, só vai alimentar mais a história, tornar algo maior e mais público, sendo ainda mais taxada de vadia, vagabunda, etc.

Rafael M. disse...

Me envolvi com um professor no primeiro ano da faculdade e não foi nada legal. Ninguém ficou sabendo, não houve fofocas, mas a questão da diferença de poder pesou contra a relação. E a diferença de idade, pelo menos no meu caso, também dificultou as coisas. Aconselho evitar esse tipo de envolvimento, a não ser que se trate de amor com maiúsculas, daqueles pra valer.

yulia2 disse...

pfff...

ela já está na lama, o que ela tem a perder agora? mais nada,
arraste o professor pra lama também, bora falar que é broxa e tem micropenis.

Mordred Paganini disse...

Gente, a verdade não é suficiente? Ser um perfeito palhaço não é motivo de vergonha?
É bom inclusive dar uma zoada na breguice empregada para "dar um pegas". Se ele enviou poeminha, melhor ainda!
Escreva o poema no banheiro feminino com a seguinte assinatura: "professor fulano, só pra dar uma trepada".
Enfim, seja criativa. A verdade nua e crua já basta, vai. O resto pode fazê-la perder a credibilidade.

Anônimo disse...

O que penso é que todos nós devemos fazer algo que não nos faça arrepender depois, isso é, se estiver afim de transar e ele ficar falando merda de você depois, azar! O idiota é ele, já que penso que quando a pessoa fica na dela, sem querer inventar histórias, me dão muito mais credibilidade. Sendo assim, fica na sua, se for para falar o tipo de cara escroto que ele é, fale para pessoas próximas a você, porque haverá mulheres machistas que irão dizer que você está contra ele porque ele te deu um toco ou que não quer mais nada. Lembro que um cara vivia dizendo que eu corria atrás dele, sendo que era o contrário, eu simplesmente não desmenti, nem nada. Eu ignorei-o, quando ele veio se aproximar de mim novamente não falei mais e cortei qualquer tipo de relação.Como já disseram, alguns contam mentiras acontecendo ou não. Siga sua vida. Bjs Carol

Mellissa disse...

yulia2 disse...
alguém aqui acreditou que o Melisso é mulher???

1 de maio de 2013 19:20
-------------------- yulia2 disse...
Li aqui comentários a defendendo,puro maniqueísmo.Sou mulher e não sou obrigada a bater palmas pra pessoas sem caráter,independente do sexo
______________
se vc é mulher, eu sou o bozo.
saudações.

1 de maio de 2013 19:21

Oi Bozo,tudo bem,adorava assistir seu programa quando criança.Feliz e saudosa infância.
Não sabia que tinha que provar meu sexo antes de comentar?Ainda mais pra alguém que nem é dona do blog.

Lola,por gentileza exclua meu comentário,estou incomodando suas fiéis seguidoras.Elas só querem ler o que as convêm.
Boa noite.

Anônimo disse...

Esses comentários de velho broxa parecem ser escritos por mascus pra daqui a pouco virem aqui chamar todas as feministas do mundo de misândricas.

1 de maio de 2013 13:14

Há não....serio, de onde tiram isto ????

Spring Warrior disse...

Teve gente que não entendeu ainda que o problema não foi o sexo casual e nem o professor não querer mais nada com a aluna.

O problema é o cara sair contando detalhes do encontro sexual.

Isso é nojento, é coisa de gente infantil, egoísta e sem um pingo de ética.

Esse professor é um belo de um sem-vergonha que precisa tomar um pouquinho do próprio veneno. Por isso sou totalmente a favor de que inventem mentiras sobre o desempenho sexual dele. Não dá pra ter dó de gente machista.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Estava aqui pensando com meus botões em uma coisa diferente.
Será que existe possibilidade de um idiota como esse repensar o que fez ou ao menos de parar de espalhar suas historinhas se a garota chegasse perto dele conversando numa boa e falando algo do tipo "vc tem cinquenta anos e está se comportando como um menino bobo que perdeu a virgindade ontem. Dá pra parar de espalhar coisas a meu respeito?"
Ou será que é ser Poliana demais? rs...
Sabe, na época que aconteceu algo parecido comigo, eu senti uma mistura de susto com raiva, nem deu pra reagir racionalmente.
Tempos depois ele me procurou dando uma de que não tinha acontecido nada(pois é, acho que caras assim perdem a noção. Ele achou mesmo que ainda tinha chance depois do que aconteceu?) e eu simplesmente falei que não estava a fim e desliguei o telefone. Já tinha passado. Eu não tinha nem raiva, só desprezo pelo sujeito.
Faz alguma diferença pro mundo falar algumas verdades pra esse tipo de cara ou é melhor só ficar o mais longe possível e pronto?

Spring Warrior disse...

Esse professor é um falso, sem-vergonha e mal caráter. E como muitos disseram, ele não tem prazer em fazer sexo com as mulheres, ele sente prazer em ficar falando sobre o que ele fez na cama com as mulheres.

Sinceramente, como ando meio pavio curto com gente canalha, inventaria um monte de mentiras sobre o desempenho sexual dele sem nenhuma dor na consciência.

ViniciusMendes disse...

@Fábio

Não cabecinha

Mas quem sabe não descobrem que tratar as pessoas com quem você quer trepar com respeito não (incrivelmente) resulte exatamente em trepadas?

antonio disse...

Deixa eu ver se estou entendendo: o problema do professor não foi pegar a aluna, e sim espalhar a história.

Quer dizer então que as mulheres e feministas querem continuar dando pra geral, fazendo sexo livre, com quem quiser e tal, desde que ninguém fique sabendo. É isso? Ou seja, o negócio é dar pra todo mundo, mas sem que ninguém saiba. Qual o problema de vocês em assumir seus atos?????

MonaLisa disse...

Concordo inteiramente com as meninas que disseram pra dizer que ele broxa, pau pequeno, que ele tirou um vibrador GG da gaveta e pediu pra ela enfiar nele.

O machismo como próprio veneno pra eles.

E caso algum idiota vier fazer piada, diga que é vadia mesmo, que gostou e não se arrepende. Eles vão ficar putos.

Uma vez um cara que sabia da minha 'fama' de vadia veio falar pra mim no msn fazer um: ball-basket. Eu respondi que ia ser horrivel naquela caneta bic dele.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

O problema não é "geral" ficar sabendo.
O problema é que existe uma diferença muito grande em ficar expondo detalhes da intimidade de uma pessoa e ainda de forma pejorativa pra dizer: "Fulana? Ah, já fiquei com ela. A gente transou uma vez" que é o que aconteceria em um mundo onde sexo fosse visto como algo saudável e natural que é.

Cris Jolie disse...

Já tive um professor de cinesiologia assim.Nunca tive nada com ele e nem outras amigas minhas. Teve uma colega que já estava caindo na conversa e ela me respondeu que ele era assim porque não tinha encontrado a mulher certa. Acredite. E ela ainda falou mais:que ele tinha mesmo que pegar pois as meninhas esfregavam na cara dele e como a própria "se dava o valor", ele não faria isto com ela.

Quando a mulher não é machista, até da pra avisar. Mas quando encontramos umas e outras coniventes com o sistema, fica difícil, pois ela vai ser achar especial, e como mesma, pensa que vai ter um tratamento diferenciado.

Amanda disse...

"homens são lápis, mulheres são apontadores. Um apontador que aponta vários lápis é um ótimo apontador, mas um lápis apontado muitas vezes gasta e precisa ser jogado fora".

Vou adotar essa pra vida!

Gabriela Barbosa disse...

Nessas horas,eu penso em toda aquela discussão sobre funk que vi por aqui(e do qual discordei)!

"Eu dou pra quem eu quiser,
A p* da b* é minha!"("Musa" Popozuda)

Então...porque o bode???? Dane-se o que os outros pensam,né????


Eu,Gabriela,penso que a mulher tem o direito de fazer o que quiser com seu corpo,sem ser julgada!Acontece que nós vivemos em uma sociedade machista e isso NÃO VAI MUDAR DO DIA PRA NOITE!

Quer fazer sexo casual,faça! Agora,tem que ser logo com um professor,com tanto homem por aí???A não ser que você,na verdade,estivesse apaixonada por ele(o que você me transpareceu nesse depoimento)! Aí,você ficou magoada! Porque,se fosse só sexo por sexo,dava pra escolher qualquer outro cara! Mas me parece que,para você,esse professor era especial,tinha toda uma "aura",um "encantamento"!

Sou professora e não recomendo pra ninguém se relacionar afetiva/sexualmente com professores!

P. disse...

Tem muita gente aqui dizendo que é a favor de usar o machismo contra os machistas.

Só queria dizer que eu sou contra usar o machismo contra qualquer pessoa.

Chamar o cara de broxa, pinto pequeno ou qualquer outra inverdade só alimenta aquela opressão que rola em cima dos homens, de que eles têm que ter um determinado tamanho de pênis, uma performance X, entre outras coisas, para não serem, simplesmente... ridículos.

Nós, como mulheres que somos, acostumadas a todo tipo de opressão, não deveríamos jogar o mesmo jogo. Não acho mesmo que ganhamos nada assim.

A dica da Lola, de alertar uma amiga para o que pode de verdade acontecer se ela ficar com o cara, ou seja, ser considerada "vadia" e ter sua vida sexual revelada pra vários colegas, acho válida.

Mas usar o machismo contra os machistas? Acho que, no final das contas, independentemente de contra quem quer seja, estaríamos, simplesmente, usando aquilo mesmo contra o qual tanto lutamos: o machismo.

yulia2 disse...

Não sabia que tinha que provar meu sexo antes de comentar?Ainda mais pra alguém que nem é dona do blog.
___________________

poupe seu esforço...
ta na cara que é masculixo troll
mente mal vc hein....

Bana Gilda disse...

P., eu ia comentar a mesma coisa agora. Concordo totalmente.

Heloisa disse...

Posso ser sincera? O professor é um babaca machista nojento, lógico, mas eu não gosto do tom vitimista do post. Amiga, você se interessou por um cara, transou com ele e até foi bom, mas ele te decepcionou depois? Bola pra frente. Ligue o foda-se. Você fez uso do seu direito de dar pra quem quiser e quando quiser. Só que direitos vêm acompanhados de deveres e, no nosso caso, vem o dever de lidar com a chateação caso as coisas não saiam conforme o esperado. Nesse caso, de preferência, encarando de frente, batendo no peito e dizendo "dei mesmo porque quis, e daí?" e não fazendo o estilo Taylor Swift "oh, ele me seduziu e fui tãããoo ingênua". Você é melhor que isso, acredite.

Quanto ao professor contar vantagem e chamar as alunas de vadias, bem, acredito que ele faça isso até com quem não transou. E ele tem todo um sistema para se ancorar. Acho que a moral da história é que precisamos aprimorar nossa sororidade. Criar uma rede para nos proteger desses babacas. E até pra fazer um veneninho quem sabe. Não praticar slut shaming de forma alguma, deixar as outras mulheres alertas sobre quem é babaca e criar nossa rede para nos ancorarmos. Com mulheres espertas e unidas, homens idiotas acabam ficando sem vez.

Elisa Grec disse...

Nem li os comentários, mas nao acho absurdo ficar com professor, nem mesmo com aluno. E, cara, todo mundo está sujeito a isso, nao só transando com professor. Tem disso no trabalho, tem disso com um colega de turma, as vezes.


(quando eu fazia pós, tinha um cara maravilhoso, todas as garotas pagavam pau, inclusive eu. Tinha uma menina linda, corpo incrivel, bailarina - fiz pós em história da arte - e negra. O cara ficou com ela, enrolou, enganou, convenceu que gostava dela, mas depois de um tempo ficou claro que ela só servia pra sexo, aparentemente pela cor. Isso num meio dito liberal, sem preconceitos.mela bailarina, ele músico, muitos professores de arte, plásticas, cênicas, atores)

Então, não é porque o cara é professor e ela aluna.

Além disso, a maioria das mulheres também têm o hábito de contar detalhes da transa pras amigas, espalhar e às vezes até recomendar um cara que manda bem.

Quando eu tinha uns 25 anos fiquei com um aluno meu. Eu dava aulapra ele. Ele tbm tinha 25, eu dou aula pra curso técnico, e o lance durou uns meses e foi super legal. Ninguém na escola sabia, nem alunos nem professores, e terminou por motivos que não tinham nada a ver com a escola.

Todo mundo esta sujeito a conhecer, encontrar, se relacionar com gente escrota, em qq lugar. E todo mundo tbm tem a chance de encontrar gente legalem qq lugar.

yulia2 disse...

abriram as tampas do esgoto, aproveita masculixo troll , amanhã a lola aperta a descarga aqui e leva suas merdas tudo embora,anonimato inutil.

yulia2 disse...

depois, os mesmos cretinos que defecam aqui como o anonimato vão vir aqui chorar friedzone, mimimimi ela não da pra mim, mimimim ela me manipula mimimimi

imbecis!

Anônimo anonimato disse...

Exatamente o contrário, Yulia. São os "bonzinhos", os "nice guys" que são colocados na friendzone. Homens machistas como estes professores são disputados pelas mulheres. O próprio post da Lola mostra isso. Afinal, como este professor fez sexo com tantas alunas (inclsuive feministas como a leitora da Lola)? O que mais uma vez prova que mulher (inclusive as feministas) se excita por homens machistas...

Vitória disse...

Sou casada com meu ex-professor, mais velho do que eu (sim! e pq não?!) e muito respeitada por ele! Nos momentos mais tensos de minha vida quem ficou ao meu lado foi ele. Quando quase sucumbi e tive meu feminismo testado, quem me acordou foi ele, então não vamos cair no estereótipo de que o cara mais velho, ainda por cima professor, é babaca querendo comer as alunas pra depois sair falando por aí. Nem todos são assim! E homens babacas criados em uma sociedade machista tem de todas as idades. As piores feridas que carrego foram abertas por meninotes na faixa dos 20. Então não vamos generalizar e sair reproduzindo outros preconceitos, como o etarismo. Tampouco vamos chamar a colega de vadia. Ela deu o que é dela, deu pq quis, não praticou nenhum crime, chega de hipocrisia! Chega, tb, de cobrar que as pessoas não se apeguem! A gente se apega sim, se encanta, se a transa foi boa quer repetir. Que mal há nisso? Será que ninguém aqui, homem ou mulher, nunca passou por isso?!

O que está em questão é: os dois são maiores de idade: Ok. Desimpedidos: Ok. Transaram sem compromisso: Ok. Ela ficou encantadinha: Ok. Era melhor que não ficasse, mas ficou e até aí, nenhum problema. Desde que não tenha virado uma stalker maluca ou a Brigit Jones. Foi atrás dele e ele não quis mais nada: Ok, ele estava em seu direito também. Para ela a transa pode ter sido ótima, mas para ele não. Ela descobriu que ele sai pegando altas alunas: Não é lá muito bonito, mas ok também, imaginando que o público universitário é maior de idade e que ele não seja nenhum pedófilo. Ela descobriu que ele sai falando detalhes das transas com as alunas com outras pessoas, inclusive com o corpo docente e discente, com direito a comentários do tipo "é tudo vadia" e "amiga e aluna não servem para nada se não for para foder": Opa, AÍ é que está o problema! Ética CADÊ?! Bom senso CADÊ? RESPEITO ao próximo CADÊ? E sinceramente? NOJO de homens assim! Torço para que o pau deles sequem e caiam, pq isso não se faz COM NINGUÉM! Vc não faz isso com mulher que pega na balada e que nunca mais vai ver na vida, imagine com uma aluna da instituição em que vc dá aula?! Porra mermão, quer se envolver com alunas? Seja pelo menos discreto!Não seja filho da puta! E sabe o que eu faria nesse caso? Contactaria outras alunas que ficaram com ele, falaria o que ele anda dizendo sobre vcs e faria uma denúncia na ouvidoria. Caso a faculdade cagasse, mobilizaria as outras garotas para um processo conjunto por danos morais, ou calúnia, ou difamação. Não entendo nada de direito, mas imagino que o caso de vcs se encaixe em algum desses daí. Sabe, é uma boa as mulheres se unirem nessas horas. Seja fria e racional um pouco, sei que seu coração está partido, mas foque nas coisas que ele anda espalhando sobre vc e sobre outras garotas. Se o cara quer sair comendo geral, que pelo menos respeite as mulheres que transam com ele. Não é pq o sexo é casual que o respeito tem que ser mandado pra puta que pariu.

Alice Gaarder disse...

Raziel,

Foruns Mascus são um lugar de ódio, aqui é um lugar de luta contra ódio...

Vc já esteve dos dois lados, espero que o que vc disse sobre se envergonhar não seja verdade.

Você pode até não concordar com tudo que é discutido aqui, mas espero que você continue lutando contra todo o ódio e preconceito que eles propagam...

Vitória disse...

E para o colega aí em cima que disse que liberdade sexual é isso, "lide com as consequências", defender que as consequências sejam comentários vexatórios contra uma pessoa, na boa, vc é um sociopata! Para viver em sociedade é necessário o mínimo de respeito com o outro ser humano.

Consequência é se encantar e não ser correspondido pela outra pessoa. É a camisinha estourar e ter que correr atrás de pds. É a transa não ser boa e chegar à conclusão de que perdeu tempo com aquela pessoa. Agora campanha difamatória contra outrem é uma atitude doente, digna de gente baixa. Se não quer mais, simples, dê um gelo, diga que não rola. Não precisa sair difamando ninguém.

Nandinha Pereira disse...

Lola,por que você permitiu comentários anônimos de novo? Adoro ler os comments e acho que a caixa tava muito melhor nesses últimos dias.. Tem gente que só vem aqui pra criar confusão mesmo, ai a conversa perde o rumo se tivermos que falar de cada babaca que vem ofender em 2 linhas. Só uma sugestão, pois acho q ficam com mais medo de postar esse tipo de coisa quando tem que fazer log in..

As pessoas que querem deixar um relato mais pessoal podiam criar uma conta fake.

Teresa Villas disse...

Infelizmente esse tipo de relato nao é o primeiro nem será o ultimo e nem tampouco se concentra unicamente ao nosso pais.
A história da jovenzinha que se apaixona pelo professor é história conhecidissima tem ate musicas sobre isso (ex. Police 1980 cuja letra é mais ou menos assim "professor ele dobra a idade dela... Menina vc é muito jovem para mim" etc, etc).

Nao sei se será porque amadurecemos antes que os rapazes ou a sociedade mesmo nos "educa" a querer e a desejar homens mais poderosos, mais inteligentes, mais experientes que nós e por isso acabamos nos apaixonando por professores, as vezes nem é pelo professor em si, mas a idéia que ele representa. Eu mesma quando tinha 15 anos me apaixonei pelo meu professor de matemática, um homem baixinho magrinho, careca de uns 50 anos. Lógico que era platônico, mas o senhor era para mim naquela epoca todo um erudito e eu olhava ao meu redor aquela gurizada so falando bobagens enquanto o professor falava de aritmética, de geometria. O homem era profundo eu pensava. Rs
Claro que dessa paixonite de adolescente jamais me aproximei nem nada. Mas claro que para uma adolescente esse "amor" é real e sofremos em silencio.
Anos mãos tarde na faculdade, já nao tão jovenzinha mas nos meus 20 anos volto a me apaixonar por outro professor, 40tao o cara falava aquelas palavras bonitas sobre Literatura italiana, artes.... Mas entao mais adulta já sacava que ela paixonite era pelas coisas que ele dizia e representava, nao pela pessoa em si. Para se apaixonar pela pessoa devemos CONHECE-LA e nao se conhece uma pessoa dentro da sala de aula (caso professor x aluna) muito menos enquanto existe essa relacao de poder e tampouco se conhece saindo com ela ou conversando com ela algumas vezes.
No caso desse relato lógico que que, foi escroto foi o professor, e natural que quando nos apaixonamos ou nos entusiasmamos com uma pessoa a gente so espera o melhor dessa pessoa. Mas, e sei que vou ser xingada de machista, reaça, etc. Eu aconselho a todo mundo (mulheres E homens também) a esperarem um pouco antes de transar. Conheçam um pouco melhor a pessoa com quem vcs estao saindo, a aluna da história nem conhecia o professor dela direito, deve ter conversado uma duas vezes.
Vejam bem eu nao estou condenando a que dois adultos transem sem compromisso. Mas se por parte de um deles havia uma intenção mais romântica (e a aluna do relato NAO queria so uma transa, ela gostava mesmo do escrotas do professor) essa pessoa que esta mais interessada DEVE procurar conhecer melhor a outra pessoa e ESTAR CERTA das intenções. Claro que isso nao impede de sermos enganadas, eu e acredito que muitas de nos já caímos que nem patinho nos contos de "vc é única" e depois de um tempo termos sido tachadas de "vadias" porque transamos com alguém com quem estávamos namorando....(?) so que quanto mais conhecemos a outra pessoa, mais conhecemos as suas intenções menos chances disso acontecer. Quando isso aconteceu comigo eu estava namorando fazia muito pouco tempo, nem tinha dado tempo de conhecer a pessoa. Por isso eu aconselho e me aconselho a mim também dar um tempo, conhecer, sair muitas vezes antes da primeira transa. Se o cara tb esta afim de vc de verdade ele vai respeitar esse seu tempo.
Esse era o conselho que mães e avos dão e quando somos jovens a chamamos de machistas, mas elas estao certas, e principalmente pra mulher já que vivemos num mundo de homens. Eles continuam sendo os garanhoes e nos as putas. Apesar de tudo eu repito que aconselho a conhecer a pessoa bem antes da primeira transa tanto pra mulheres como também pra homens. Isso sempre e quando vc queira mais que sexo ou seja uma pessoa mais romântica.

Caroles disse...

Olha o Raziel mostrando as cores da bandeira mascu que eu sempre soube que ele não tinha abandonado. Uma vez mascu, SEMPRE mascu, Lola.
Usar o machismo contra qualquer um vai contra tudo o que o feminismo é, não? A moral não era "exterminar" o machismo? Usá-lo só dá respaldo a quem gosta de dizer que as mais machistas são as mulheres :) o certo é avisar as meninas que chegam sobre esse boçal pra que elas estejam cientes de qualé a dele, daí cada uma decide se quer transar ou não. Ao menos é o que eu faria!

Mihaelo disse...

Se já é insuportável ouvir adolescentes comentando sobre suas proezas da vida privada, em um cara com mais de 50 anos é patético e prova de completa imaturidade e total infantilismo. Relacionamentos podem ocorrer em qualquer lugar, em escolas e universidades mais ainda, pois o convívio entre professores e alunos é diário e por vários anos. Nas escolas em virtude de a profissão ser quase totalmente composta por mulheres o envolvimento mais comum é entre professora e aluno,conheço três colegas minhas que casaram com alunos e que obviamente eram mais jovens. Nas universidades por haver mais homens lecionando ocorre o inverso, são as alunas e mais jovens obviamente, que se envolvem com professores.

Anônimo disse...

Obs. à Caroles: uma vez mascu não é sempre mascu. Eu vejo luz ao promover feminismo entre os homens, o caminho é lento, mas já vejo que não se pode taxar assim.


Sobre reagir à atitude do professor:
Homens são educados a defenderem "os seus", tanto é que quando um cara foge do padrão, ele é socialmente marginalizado e bullingnado.
E nessa afirmação tenho certeza em dizer que se a garota falar que o cara tem pau pequeno, que é broxa, vai piorar a situação dela exponencialmente. Não é poraí o caminho.
Relevantíssimo que já que o prôfe JÁ é o pica-das-galaxias, a chance de algum (ou varios (ou todos)) aluninho(s) comprar a briga dele e até planejar vingança do herói deles é grande.
Vocês estão falando da garota se vingar. E vingança retaliada sempre tende ao pior.

Lex"

Larissa Ferraro (L@r|) disse...

Nossa, tô impressionada que, em pleno 2013, um post como esse precisou ser escrito e que esteja dando tanto pano pra manga!

Mas sou obrigada a concordar com a linha "ultraviolence" que tá rolando nos comments: me faria de "próxima vítima", botava uns psicotrópicos no drinque dele, colava cada bola numa perna com superbonder, fotografava e espalhava na surdina entre as meninas da universidade. Aí ele ia ter motivo pra me chamar de vadia.

Será que ele traria a público? Tentaria me processar? Ia ser bem interessante.

Anônimo disse...

"Anônimo anonimato disse...
Exatamente o contrário, Yulia. São os "bonzinhos", os "nice guys" que são colocados na friendzone. Homens machistas como estes professores são disputados pelas mulheres. O próprio post da Lola mostra isso. Afinal, como este professor fez sexo com tantas alunas (inclsuive feministas como a leitora da Lola)? O que mais uma vez prova que mulher (inclusive as feministas) se excita por homens machistas...

2 de maio de 2013 02:37"


Meu caro Anonimo Anonimato, diga de onde vem estas conclusões estúpidas ,precipitadas que tem levantado, achando que mulher só gosta de cara que não presta. Relatos de Fórum dos "búfalos reprodutores" e afins, bem como blogs dos "Guerreiros da Real" não valem.


Lola, está vendo que não sou mascu? Sou o Anônimo 11:48, lembra-se? Embora não concorde com certas coisas que você aponta, como este artigo, sou totalmente contrário a estes "mascus".

Cora disse...


falando apenas sobre relacionamentos ou melhor, falando apenas sobre relação sexual, o feminismo possibilitou q a mulher também deseje, isto é, o feminismo possibilitou a revelação de q a mulher também deseja. apenas isso.

durante todo o desenvolvimento da nossa sociedade, homens foram os sujeitos desejantes e as mulheres os objetos desejados.

homens sujeitos do desejo. mulheres objetos do desejo.

até um tempo atrás, nem sequer o prazer sexual era reconhecido pra mulher. nem sequer se reconhecia um orgasmo feminino. por isso algumas teóricas feministas dizem q o sexo heterossexual é sempre um estupro. elas não falam isso como se todo sexo heterossexual fosse violento ou forçado. não é neste sentido. falam em relação ao desejo unilateral. se existe apenas um desejante, o homem, há apenas um sujeito. o sexo é unilateral.

enqto isso, o orgasmo masculino foi reduzido à ejaculação. o sexo, para o homem, estava circunscrito ao pênis. tanto q apenas recentemente tb, admitiu-se q existam outras zonas erógenas no corpo masculino além do óbvio pênis.

a lógica era essa. a lógica é essa para machistas, para pessoas q ainda operam no tradicional. esses homens não sabem lidar com o fato de serem objetos do desejo de mulheres. por isso a humilhação pós sexo. por isso homens machistas não toleram e xingam mulheres q transam “como homens”, isto é, com desejo. por isso homens machistas respeitam mais prostitutas do q mulheres livres sexualmente (respeitam em termos, evidentemente). as prostitutas são apenas objetos do desejo. as mulheres livres sexualmente desejam.

o irônico é q esses mesmos homens se queixam de q as mulheres não desejam o corpo masculino como os homens desejam o corpo feminino. e mais irônico ainda, esses mesmos homens são críticos ferrenhos do feminismo. eles não sabem lidar com o desejo feminino já q criticam esse desejo e, ao mesmo tempo, querem ser desejados e, se isso não bastasse, criticam o movimento q possibilitou q o desejo feminino fosse trazido à luz.

(a Lola tem um leitor ressentido q sempre toca neste assunto)

quem entende os machistas?

o q aconteceu com a autora do post é q ela desejou o homem. mas este homem não admite ser objeto de desejo. por isso o desprezo posterior ao sexo. na verdade, ainda durante o sexo.

ele quer deixar claro para si e para os outros homens q ele “conquistou” a mulher, embora ele saiba q foi também objeto do desejo dela.

o machista precisa humilhar a mulher q admite o próprio desejo. a difamação, os xingamentos, a rotulação. tá tudo aí.

machistas jamais admitirão uma mulher q deseja. machistas jamais respeitarão uma mulher q seja tb sujeito.

(a atitude machista não deve ser confundida com imaturidade.)

a mulher pode (e deve, na minha opinião) rejeitar esses tipos (q são fáceis de identificar) e simplesmente ligar o foda-se (e alertar as calouras sobre o cara. criar uma rede de apoio feminina é imprescindível em qualquer ambiente.). ficar ofendida com um machista é dar ganho de causa a ele.

existem muitos homens q não são machistas (e não são os autodenominados “bonzinhos”, q são, evidentemente, muito machistas). é preciso separar o joio do trigo.

e machistas de esquerda são comuns e infinitamente piores q machistas convencionais (mais nojentos, justamente pelo falso discurso igualitário).

e admitirei uma maldade: qdo estava na faculdade, me diverti muito dando corda pra esses machistas da esquerda, só pra ver até onde eles iriam. o papo é muito manjado. a ginástica retórica de alguns é impressionante.

Cora disse...


só pra ilustrar a (i)lógica machista: num blog mantido pelo q se convencionou chamar de nerd, há posts em q ele critica garotas q são bonitas e gostam de games, e posts de crítica às garotas q postam fotos sensuais e q se identificam como nerds (para o autor, elas mentem e não são nerds.). vários comentários de homens xingando essas mulheres.

e existe, no mesmo blog, uma seção de “leitoras do blog”, na qual o autor posta fotos sensuais de leitoras. qdo alguém critica essas mulheres, o autor e os mesmos comentaristas as defendem dizendo “pq elas, bonitas e sensuais, não podem ser nerds? q preconceito!”.

enqto a mulher q posta a foto sensual pq quer, sem q ninguém solicite, é xingada, a mulher q posta foto sensual atendendo aos pedidos do autor é defendida como exercendo sua autonomia.

mulheres q desejam são criticadas e humilhadas por machistas. mulheres q são desejadas são defendidas e louvadas por machistas.

a mulher q é agente é abominada por machistas. a mulher q é objeto é louvada por machistas.

.
.

subscrevo os comments da Mordred e do Phillipe.

a verdade sobre o cara basta. ele é um machista babaca. todos deveriam saber disso.

Anônimo disse...

"Se você tivesse sabido de tudo isso antes, se interessaria por ele? Quero acreditar que a ampla maioria das alunas também vai fugir do idiota. O também foi por minha conta."

Eu acho que UM MONTE de garotas iria continuar querendo sexo com ele, porque tem gente que é um bicho orgulhoso, a turma do "comigo é diferente" e "vadias são as outras".

Mas ok, gente babaca trepando entre si, não vejo problema.

Anônimo disse...

Minha histórinha evil: no cursinho, conheci um professor na área de exatas que não era naaaaaaaaaaada bonito, muito pelo contrário mas era um cara extremamente gente fina que cativava todo mundo. Gamei nele e foi recíproco, mas quando euzinha tentei ganhar um beijo do tio ouvi que "onde se ganha o pão, não se come a carne" (uma coisa assim), espumei de ódio mas é a vida. Muito bem, no último dia de aula eu ganhei o beijo e no dia seguinte ele já estava na minha casa, vocês sabem fazendo o que. Êêêêê felicidade, eta trem bão! Só que ele gamou. Gamou pra valer. A gente se encontrou várias vezes e quando eu percebi que havia esse desnível de sentimento, no auge da sabedoria possível aos 18 anos de idade tentei ter uma conversa franca e explicar que do meu lado a coisa não era bem assim. Ele agradeceu a franqueza, agiu com muita cortesia e não nos vimos mais. Mudei de cidade quando passei no vestibular e to aqui até hoje.

Algum tempo depois fiquei sabendo que ele era sim o tipo comedor, aplicava essa conversa em toda aluna que caía na lábia dele PORÉM de mim, ninguém ficou sabendo. Os cafas também amam. Acabei dando sorte, no fim das contas. Mas pra professor de cursinho/faculdade, nunca mais.

Dona do Sexo -Bonobo rules,Jaçanã forever disse...

Esse negocio de menina amadurece mais cedo é questao de um ou dois anos.Tem menina virando moça ate nos 14 15 e meninos com 10 se é biologia,é uma biologia furada.

Ser ou nao ser machista nesse mundo é que é ser uma pessoa madura.
A maioria dos homens é machista é sorte encontrar feminista
E se vc encontra um homem mais velho q nao tenha coisas arcaicas é mais sorte ainda.

yulia2 disse...

Homens machistas como estes professores são disputados pelas mulheres.
_____________

Isso prova que vc não sabe ler,
o texto foi claro, o tal professor FINGIU ser o que não era.
se ele fosse abertamente machista pra aluna É CLARO que ele não conseguiria nada, aliás, NENHUM homem escancaradamente machista consegueria nada.
por isso eles fingem e mentem.

yulia2 disse...

o irônico é q esses mesmos homens se queixam de q as mulheres não desejam o corpo masculino como os homens desejam o corpo feminino. e mais irônico ainda, esses mesmos homens são críticos ferrenhos do feminismo. eles não sabem lidar com o desejo feminino já q criticam esse desejo e, ao mesmo tempo, querem ser desejados e, se isso não bastasse, criticam o movimento q possibilitou q o desejo feminino fosse trazido à luz.
_________________

pois é.... depois choram a friedzone....e não sabem porque.

P. disse...

Caroles, vc é muito legal.

E o seu comentário foi ótimo.

Caroles disse...

Eu acho que machista tem ''cura'', conheço muitos homens machistas que mudaram o jeito de pensar. Mas mascu é outro nível, é o fundo do poço, não dá. E os comentários do Raziel em basicamente todo post (no de hoje: "É, uma pena. Acontece." ACONTECE? oi?) só provam que é isso mesmo, pode dizer que já não pensa que mulher é "depósito de esperma" (argh), mas pensa, sim.

Raziel, beijo pra ti, fofa.

Caroles disse...

Hm, erro meu, my bad. Não muda em nada o resto do que eu disse.

Mirella disse...

Gente, sempre mantenham em mente:
não alimentem a troll.

Cética disse...

Triste é saber que esse tipo de homem não é raro de se encontrar por ai, para esses caras o pós sexo é mais importante que o ato em si,tem cara que já marca a foda avisando pra meio mundo que vai "torar" fulaninha e o prazer mesmo vem depois,naquela hora em que ele vai exibir as penas pros outros machos do bando (saca do bolso a sua cartelinha e marca uns pontinhos a mais na coluna da sua masculinidade,pelo menos por um bom par de dias, ninguém vai ousar duvidar do quão macho/hétero ele é)esse tipo tanto pode ser o alfa como o "bonzinho" argh!criei ojeriza a esse termo.

Essa idéia de alertar outras moças acho válida mas,só faria se me fosse perguntado.

Mariana. disse...

Gente, eu conheço pelo menos 4 histórias de namoro/casamento entre professores.

Todas no ensino médio.

Três deram em casamento, apesar da diferença de idade, da hierarquia existente, etc. Estão juntos até hoje e o casamento mais recente tem pelo menos 5 anos.

Outro caso foi de um professor de história não bonito, mas playboy, inteligente, esquerdista, que falava e eu concordava. Eu nunca fiquei com ele porque não quis, mas muitas meninas ficavam. Ele não difamava ninguém, mas não escondia. E vocês sabem como são adolescentes né? claro que a menina ficava com fama.

Eu me identificava MUITO com ele e, depois que fui pra faculdade, conversamos muito, ele me chamou pra sair mas eu achei melhor recusar (eu era virgem e inexperiente, sei lá. pipoquei). Hoje ele me respeita muito, conversamos de vez em quanto. :)

Sei lá, acho que existem pessoas mau caráter em todo tipo de lugar, não necessariamente um relacionamento aluno professor dará errado.

yulia2 disse...

mal caratismo não tem profissão e nem hierarquia, quem é canalha é canalha em qualquer situação.

Carolina Lucas Paiva disse...

Anônimo boçal as 12:20

Claro, mulher é vadia porque gosta de sexo, né. E o cara que come todas é o que, hipocritazinho mequetrefe?

Carolina Lucas Paiva disse...

Anônimo insistente das 13:54e que pelo visto também é o das 11:48

Não, cherry, se o caso se invertesse ninguém aqui estaria crucificando homem por traição. Quem sabe você dá uma buscada pelo blog e vê o que a Lola sempre fala sobre traição? Que tal se informar antes de pagar mico por ser achar IxPeRrRtO?

A questão é muito simples: em um acordo monogâmico, óbvio que traição é condenável, pois é a quebra desse contrato, o que claramente demonstra quebra de confiança e falta de consideração. Está me acompanhando bem aqui ou já se perdeu?
Continuando: óbvio que o traído fica magoado e com raiva; óbvio que é normal pensar em se vingar. O que nós criticamos nisso tudo é que alguns extrapolam. Matar o ex-parceiro ou expor a intimidade de outrem faz parte disso, sabia não, chuchu? Pois é. Ta sabendo agora.

E não se preocupe que você não precisa ser mascutroll para ser babaquinha.

Mordred Paganini disse...

Destilar misoginia: pode

Trocar o artigo feminino por masculino: transfóbica, queima no inferno!!!!!!!!!!!

Saquei!

Carolina Lucas Paiva disse...

Melissa

Acho que sua interpretação de texto não está em dia. E pra pessoa que foi professora universitária isso é bem ruim, né?
Enfim, ninguém aqui defende traição. O que criticamos são reações absurdas em torno disso. Traição é quebra de contrato monogâmico sim, mas quem quebrou este contrato? Quem traiu? No seu caso, quem te traiu não foi a menina, mas o seu ex. Dã. É bem ilógico desejar que o nome dela fosse parar na lama e ao mesmo tempo dizer implicitamente que "boys will be boys" e que homem é irracional e trai mesmo.
Você deveria era ter raiva/mágoa do seu ex, e não jogar tudo na mulher.
É isso o que o machismo faz: homem trair é considerado como normal, já a mulher que trai até pouco tempo atrás podia até ser morta por isso. Fuck logic, né?

Traição é condenável sim, mas não é justificativa para babaquice e escrotidão. Tá puta da vida por ser traída? Seja coerente e lógica e jogue essa raiva toda em quem merece, e de maneira civilizada e proporcional ao fato. De criancice e imaturidade o mundo está cheio.

Ah, e se não gostar do meu comentário, pelo menos responda de forma racional, sem esse mimimi de "seguidoras da Lola não aceitam minhas verdades incontestáveis, mimimi". Assim como você deu seu cutuco, aprenda a recebê-lo de volta.

Mordred Paganini disse...

Carolina: <3

clap clap clap!

Anônimo disse...

Eu conheci meu marido quando ele tinha 16 anos e eu, 27. Na época eu era sua professora de Química. Nos apaixonamos, esperei ele fazer 18 e nos casamos. Foi um escândalo, o pai dele inclusive me ameaçou de morte na ocasião mas quinze anos depois já está tudo mais que superado. Curioso que quando vejo isso acontecendo com meus pares de profissão masculinos, a celeuma é bem menor, mesmo nos casos de notórios cafajestes.

Anônimo disse...

Ei, sacanagem botar o Indiana Jones nesse negócio aí, ele não tem nada a ver com isso não.
ass:Zelpis.

Anônimo disse...

Não sei se a faculdade deveria tomar alguma atitude drástica contra o professor. As alunas são adultas, e por livre escolha saem com ele. Eu entendo perfeitamente que ele seja um escroto babaca, mas acho uma questão complicada.
Isso não significa que a G. ou as outras garotas estejam de mãos atadas. Se a Universidade não vai fazer nada, oras, existe um crime chamado difamação, e uma ação chamada "danos morais". É só se juntar, arrumar testemunhas e processar o professor pedindo indenização por danos morais. Duvido que se mexer no bolso dele e o cara tiver que desembolsar uns 3 ou 5 mil por aluna, ele não aprendesse a ficar bem quietinho...
Caras como este não vão aceitar lições de moral, nem vão sentir peso na consciência, porque não têm nem um nem outro! Então usem as ferramentas legais e mexam na parte sensível dele - os bolsos. Tá facinho de ganhar essa ação, meninas, MEXAM-SE!

Anônimo disse...

A Lola é muito esperançosa...
Pode ser que nossa incauta protagonista não soubesse.
Mas a maioria das gurias sabe que o professor é cafajeste e come todas e mesmo assim transam com ele.
Simples assim.

Anônimo disse...

Ai, gente... Já passou da hora da mulherada saber que ter autonomia sexual também significa ((infelizmente) ter que lidar com esse tipo de atitude misógina. Não adianta falar ou avisar para as meninas que tal cara é o lobo mau pk para muitas mulheres a possibilidade de redimir um homem é muito, mas muito estimulante. Sexo envolve muitas fantasias e é legal pra caramba (vai dizer que ela naum curtiu a fantasia de seduzir um homem em uma posição hierárquica superior?). O negócio é que lidar com a pós fantasia requer maturidade e, infelizmente, tanto o professor quanto para a aluna naum estaum sabendo desonvolver.

marcia lailin disse...

que tragédia

Anônimo disse...

Que situação péssima! A despeito da podridão da situação vivida por você, me parece contraditória a sua reclamação "é dessa cultura que ensina que homem gostar de mulher mais nova", uma vez que estou SUPONDO que você, por ser aluna, é bem mais nova. Será que você não está ratificando essa parte da cultura da qual reclama?