terça-feira, 4 de dezembro de 2012

A INCRÍVEL DIRETORA QUE SAIU DA MATRIX

Quando vi Matrix pela primeira vez, no cinema, em 99, gostei bastante, mas não amei. Foi preciso ver o filme (e estou falando só do primeiro) mais duas vezes para passar a considerá-lo sensacional. Continua sendo minha opinião até hoje, mesmo que as duas sequências sejam bem fraquinhas.
Um pouquinho depois, li um texto muito divertido na internet, texto que continua lá, passada uma década. É de um professor americano que diz que Matrix é o filme mais gay (no bom sentido, não no sentido que se fala hoje, "isso é tão gay") já feito. Vou citar alguns dos exemplos que ele usa para nos convencer. Morpheus, um homem experiente, encontra Neo pela internet e lhe manda um email declarando: “Estive procurando por você minha vida inteira. Você é o escolhido”. Em seguida, Morpheus lhe dá uma pílula e adverte: “Ao ir por este buraco, você não poderá voltar mais”. A próxima coisa que observamos é Neo acordar nu, depilado e pegajoso, e reclamando de dor nos músculos que ele nunca usara antes.
Segundo o autor do artigo, a mais homossexual das cenas ocorre quando um assistente de Morpheus revela a Neo que está “realmente ansioso pra ver do que você é capaz”. Neo é colocado num programa de treinamento onde Morpheus lhe instrui a ir “mais rápido, mais rápido, mais rápido”. O alegre assistente, entusiasmado com a performance de Neo, conta a todos: “Dez horas seguidas! Ele é uma máquina!”
Fora o fato do pessoal usar roupas justas de couro e frequentar raves.
Na época do lançamento do filme, uma seita religiosa que havia se apossado da escola de inglês onde eu dava aula e era coordenadora acadêmica adotou Matrix como seu filme de cabeceira. Como a seita era homofóbica, passei o artigo sobre “gayest film ever” pra alguns membros, que desprezaram a análise, afirmando que tal coisa poderia ser dita de qualquer filme.
E eis que, um tempinho depois de começar o blog, fico conhecendo um outro grupo machista, homofóbico e conservador que também vê Matrix como seu pastor e nada lhes faltará. Sim, os mascus. Pra eles, todos os homens do mundo vivem numa matrix em que são eternamente enganados pelas mulheres. O mundo atual, ou seja, a matrix, lhes ensina que mulheres são seres angelicais que devem ser amados acima de todas as coisas (aham, sim, é exatamente assim que a nossa sociedade trata as mulheres!). Mas eles, mascus, tomaram a pílula vermelha e agora podem ver a luz e enxergar as mulheres como elas realmente são -– monstros que só querem sugar sua energia e serem sustentados por eles, porque no universo paralelo mascu nenhuma mulher trabalha e toda mulher quer aplicar o golpe da barriga
Claro que qualquer pessoa que já leu mais de cinco tópicos num fórum mascu percebe que não existe ninguém mais enfiado na matrix que os mascus. Eles criaram universo alternativo para se sentir mais confortáveis. Um universo em que todas as mulheres (até suas próprias mães) são vadias e em que todos os homens que não sejam a meia dúzia de guerreiros da real são fracos, frouxos e burros (e aí eles chamam as feministas de misândricas!). Pra mim, mascus são aqueles que não conseguem parar de olhar pra mulher de vermelho em Matrix.
Assim como todo filme inteligente, Matrix pode ser interpretado de diversas maneiras. Mas eu acho tão estranho que grupos de direita se identifiquem com a história! Quer dizer, o filme termina com uma música que fala de direitos civis, de derrubar o sistema e combater o poder, e os mascus interpretam esse poder como o poder da vagina? Só eles mesmo. E obviamente não sou só eu que leio Matrix como uma luta da esquerda. O filósofo Slavoj Zizek, seguramente de esquerda, deu o título de Bem-Vindos ao Deserto do Real (uma citação do filme) a seu livro sobre as reações ao 11 de Setembro.
Enfim. Será que os mascus sabem que o diretor do seu filme preferido é uma mulher?
Certo, a trilogia foi dirigida pelos “irmãos Wachowski”, Andy e Larry, que sempre foram muito discretos em suas vidas pessoais. Tanto que eles exigiam acordo com o estúdio de não ter que dar entrevistas no lançamento dos filmes, o que é uma obrigação contratual de todos os astros.
Agora em julho, Larry se assumiu Lana publicamente. E ela é um exemplo. Nunca nenhum diretor ou diretora de Hollywood se assumiu transgênero.
Antes de se transformar em Lana, Larry teve um divórcio tumultuado com sua primeira mulher, que o acusou de ter sido desonesto em sua vida particular. Só pra constar: a primeira mulher de Larry era mulher, e a mulher atual de Lana é mulher. Lana sempre se sentiu atraída por mulheres. Só que antes ela era vista como hétero, e hoje é vista como lésbica.
Lana não é apenas um exemplo para a comunidade LGBT, mas para todas as pessoas que enfrentaram as camisas de força da socieade para poderem enfim ser quem elas quiserem. No seu discurso de agradecimento para o prêmio de visibilidade da campanha por direitos humanos, Lana explicou que não gosta do termo transição porque implica numa oposição binária de gênero.
Ela se lembra quando estudava em escola católica, e tinha que usar uniforme. Meninos e meninas precisavam ficar em filas diferentes. Lana era criança e queria ficar na fila das meninas, mas sabia que suas roupas não combinavam. Também sabia que não pertencia à outra fila, então ela permanecia parada no meio, entre as duas filas (professorxs: que tal abolir filas para meninas e meninos?).
Quando era adolescente, frustrada com seu corpo, Lana tentou o suicídio. Ela sobreviveu e agora está prestes a lançar A Viagem (Cloud Atlas -- veja o trailer legendado), novo e elogiadíssimo filme co-dirigido por ela, seu irmão, e o alemão Tom Tykwer, diretor do cult Corra Lola Corra (que inspirou o nome deste bloguinho).
Já tem dez anos que Lana saiu do armário para a família. Quando contou pra sua mãe, ela –- a mãe -– reagiu como todo ser humano inteligente deveria reagir. Em vez de encarar a transição de sua filha, então filho, como uma morte, ela viu como um novo lado de seu rebento. Encarou aquilo como um presente, porque agora teria acesso a uma nova parte que não precisaria mais ficar escondida. Logo depois da revelação, as duas foram a uma lanchonete. Lana estava preocupada com a reação de estranhos, como se essa reação pudesse negar toda sua existência. E a mãe apresentou-se à garçonete, e disse, “Essa é minha filha, Lana”. E a garçonete respondeu: “Puxa, ela é igual a você!”.
Quando seu pai chegou, ele disse: “O que importa é que você está viva, está feliz, e que eu posso abraçar e beijar você”. Para Lana, ter ótimos pais é como ganhar na loteria –- algo que você não fez nada pra ter, mas foi premiada mesmo assim. Ela sempre quis ser uma escritora, uma cineasta. Mas, como não havia ninguém como ela, ela pensava que seu sonho estava encerrado, devido a seu gênero ser menos típico que os outros.
Tem coisas, diz ela, no final do seu discurso, que você não faz pra si. Faz para os outros. “Se eu puder ser essa pessoa para mais alguém, o sacrifício da minha vida privada terá tido valor”.   
Parabéns, Lana! Você sim conseguiu sair da matrix. Espero que nunca descubra que sua obra é usada por grupos de ódio. Seria um desgosto muito grande.

136 comentários:

Anônimo disse...

A cultura gayzista querendo tornar tudo gay, e o tal plano para a destruição da heteronormatividade,acredito ate que amaioria das feministas aqui ja estão se convertendo ao lesbianismo, ja que diferente da masculina que e biologica convicta, a sexualidade feminina e pura construção social !
diabolico!

Márcio disse...

Essa mulher é fantástica :D
E realmente espero que ela nunca tenha o desgosto de saber que um grupo de moleques retardados usa a obra dela pra doutrinar garotinhos bunda doída e misóginos.

Priscila Boltão disse...

Só eu que fiquei emocionada com o final do discurso dela?
Parabéns a Lana pela coragem. Sem parabéns pra mim que só descobri essa história agora :p

Anônimo disse...

o filme Matrix não tem nada de gay, você e doente lola !

Anônimo disse...

mulheres trabalham sim, pois não querem depender hoje de um homem para comprar ate um absorvente, este nivel de independencia as mulheres desejam,pois antigamente tinham que valorizar o trabalho simples de um homem.
Mas as mulheres ainda buscam um provedor para muitas coisas, como por exemplo, ir a lugares caros e da moda, ter alguem que lhe pague o jantar, cinema, lhe de mimos e presentes, isto e inegavel.

Gabriela disse...

Grupos de direita idolatrando Matrix.Faz sentido.Afinal direitistas não fazem sentido.Eu não conhece nenhuma pessoa autodeclarada de direita q não tenha sérios problemas.

Suícidio coletivo no mundo mascu?Por favor!O mundo pode ser melhor!

Anônimo disse...

eu não compreendo, mas respeito, com total certeza dentro dela essa atitude deve ter um sentido valido.Quanto ao filme matrix servi para mascu deturpa-lo, fica um pensamento na minha mente;vou viver 300 anos e nunca vou deixar de deparar com ideias IDIOTAS de seres humanos parados no tempo,cruzes!

Anônimo disse...

Sempre amei Matrix (ainda que as continuações sejam de fato péssimas) e fico muito feliz por esses dois diretor@s de peso. Esse filme desde o início foi de protesto. Sem falar todas as muitas fontes a qual el@s se inspiram passam de religião a política. Sou uma fã convicta.

Anônimo disse...

Essa é uma interpretação possível, mas realmente não acho que essa seja a interpretação que @s diretor@s tiveram.

Binha disse...

Que estória incrível! Ah, os mascus têm que saber disso! rs
Sou mulher, gosto de ser mulher e sinto-me muito bem em um corpo feminino; sou hétero; enfim, dentro de uma suposta "normalidade". Mas por que todas teriam que ser como eu?
Como diria Geraldo Azevedo: "O meu coração me diz, fundamental é ser feliz!" Que cada pessoa ouça seu coração e seja feliz de seu jeito!

Hamanndah disse...

Anônimo ridículo das 11:16

não gosto que o homem que estou pague minha entrada no cinema, nem me dê luxos caros.. Não estou à venda, meu caro

Claro, ele pode me presentear num dia dos namorados ou níver com alguma coisa bacana, tipo um jantar descolado..eu também faria a mesma coisa com ele. Isso não tem nada a ver

Deixa de ser ridículo e machista!!

Fá disse...

Anônimo das 11:16

Você não acha que essa tal mulher que quer independência pra comprar absorvente simplesmente não preferiria ela MESMA ganhar o dinheiro pra ir a lugares caros, comprar seus artigos fúteis sem dar explicações a ninguém etc?

E se um homem é quem provê isso, significa que homens também gostam de lugares da moda, não?

O problema é: por que é tão mais incomum a mulher conseguir bancar essas coisas?

Com essa disparidade, lamentavelmente, algumas vão achar que só com um homem se pode ter acesso a esses lugares, porque só veem homes tendo acesso a esses lugares.

Simples assim. Mas homem ou mulher, nunca vi quem não gostasse de ser rico. Não invente diferenças onde não tem. O desejo de ascensão é hu-ma-no, não feminino.

Dai disse...

Lola, querida, passando para dizer que fiquei emocionada com o post, que certamente compartilharei. Ah, e (com atraso) te parabenizando pela sua participação no doc. O riso dos outros, vimos ontem, eu e o Kenji, e ficamos de alma lavada com suas considerações. Meu abração!

Raziel von Sophia Imbuzeiro disse...

Bom tópico, até me fizeste sorrir um pouco. =)


Quero ver a reação dos Guerreiros da Real, será que eles dirão que a Lana sofreu lavagem cerebral gayzista ou irão mudar de filme?

Talvez eles mudem para 300, já vi mascus romantizando ficar espremidos numa fenda junto a quase 300 homens fortões e suados fazendo coisas viris de homem com e contra e com outros homens viris e suados.

Anônimo disse...

Talvez eles mudem para 300, já vi mascus romantizando ficar espremidos numa fenda junto a quase 300 homens fortões e suados fazendo coisas viris de homem com e contra e com outros homens viris e suados.
-

interessante que quem 'se diz' contra a homofobia, fique usando justamente a homossexualidade pra ofender os demais, isso onde eu vivo tem um nome, hipocrisia

Priscila Costa disse...

Amo a trilogia Matrix e acho a Lana Wachowski um grande exemplo contra o preconceito às pessoas trans no showbiz e no meio social. O que não entendo é como esses mascus e os guerreiros de um real conseguem ser tão incoerentes a ponto de adotar tal série de filmes como uma espécie de "verdade" tendo ele um exemplo de luta contra uma inexistente "Matrix b*c*t*sta" sem abstrair o sentido da história; logo eles tratam de deturpar uma saga tão interessante como esta é.

Não percebem que a "red pill" deles que leva pra "real" (Que pra mim não vale um real) os colocam cada vez mais dentro de uma "Matrix" que continua reproduzindo sexismo e misoginia. Seria bom se acordassem realmente pras relações de dominação sexistas que ocorrem contra as mulheres(E em menor escala contra os homens também) no patriarcado e parassem com mimimi vitimista infundado.

Bruno S disse...

A parceira com o Tom Tykwer parece uma boa.

Sem falar que o cabelo da Lana parece inspirado na personagem do Corra Lola. Imagino que a afinidade vinha de antes.

Sobre o Matrix, a melhor coisa dele é garear dúvidas e perguntas, terminando com a história em aberto. Infelizmente há o efeito colateral de grupos de ódio se inspirarem nele.

Anônimo disse...

Só eu que fiquei emocionada com o final do discurso dela? -

Não Priscila, eu também fiquei.
Lindo!

Camila Strongren disse...

Muito bom o texto, como sempre... Ri muito da interpretação "gay" de matrix, nunca tinha pensado por esse lado.

Mas os textos (digo isso em sentindo amplo) estão aí para serem interpretados, e cada um colocará sua visão, e de fato, quanto mais inteligente e complexo for um texto, mas abertura ele dará para diferentes interpretações (o que nem sempre é tão positivo: vide interpretação dos mascus).

Não sabia da história da Lana, mas casos assim nos dão mais ânimo para continuar na luta pela igualdade.

Se pudesse, realmente gostaria de parabenizar Lana pela iniciativa, até pela visibilidade que ela tem, por se assumir como alguém que não se identifica com o próprio gênero é uma das coisas mais complicadas que se pode fazer.

Camila Strongren disse...

Ao Anônimo das 11:16h

Se eu fosse você, eu reveria o tipo de "mulheres" que você convive.

Que existe PESSOAS interesseiras, isso existe mesmo, mas vamos parar de estigmatizar mulheres, porque a esmagadora maioria que conheço, não é nem um pouco assim como você disse.

Aliás, a única "golpista" que conehço, é a minha irmã que fala com toda as letras que quer um "macho" (e é esse o termo que ela usa) para poder bancá-la, mesmo ela trabalhando desde os 18, ganhando muito bem, e tendo dois filhos que consegue sustentar sozinha (e antes que algum machista venha falar merda sobre ser mãe solteira, ela é viuva, só pra constar).

Ela realmente se enquadra no parão "mulher machista", e me envergonho muito disso, pois uma mulher tão independente como ela, deveria se valorizar mais em vez de achar que precisa de um homem pra ser completa!

Anônimo disse...

Priscila Costa,

Não percebem que a "red pill" deles que leva pra "real" (Que pra mim não vale um real) os colocam cada vez mais dentro de uma "Matrix" que continua reproduzindo sexismo e misoginia. Seria bom se acordassem realmente pras relações de dominação sexistas que ocorrem contra as mulheres(E em menor escala contra os homens também) no patriarcado e parassem com mimimi vitimista infundado.

Até onde eu sei, a tal misoginia opressora só afeta(por curto período de tempo) um grupo de mulheres: Um ou dois milhares de revoltadinhas do interior que foram estupradas por algum ex que era cafinha descolado, e que preferem culpar o tal "patriarcado" ao invés de admitirem as próprias falhas morais.

Frinn disse...

Eu uso "isso é tão gay" como elogio. .__.
Tipo, eu realmente grito entusiasmada "omg isso é tão gay, eu quero" pra coisas fofas e felizes e bonitas no geral. Eu nunca na vida vi isso como ofensa pra nada. xD
O cabelo dela é lindo. *-* Ela é linda, aliás.

E Matrix é uma coisa de gênio, de verdade. Nunca liguei muito pra mascus usando o filme do jeito que usam, os caras não conseguem nem interpretar um texto simples, não era de se esperar que não entendessem uma obra tão complexa. E esquerdista, sim. Não vejo como alguém pode pensar que não é.

Anyway, mascus gonna mascusar. A fixação deles por Matrix, gayest movie ever, faz parte do instinto homoerótico reprimido. Calças justas de couro <3

Anônimo disse...

Para RIDÍCULO Anônimo das 10:55

Onde sua besta quadrada a "maioria" das feministas estão se convertendo ao lesbianismo?
Sou feminista, tenho amigas lésbicas e amigos gays e nunca me envolvi nem me interessei por nenhuma mulher.
O Feminismo NÃO prega que pessoas devem ter sexualidade definida por modismos ou construções sociais e sim prega que seres humanos devem ser livres(desde que não façam mal a outras pessoas), terem direitos e deveres iguais e que ninguém é superior a ninguem.
O PIOR foi esta afirmação ridícula, "diferente da masculina que e biologica sexualidade feminina e pura construção social"
AMBAS sexualidades, masculina e feminina, são BIOLÓGICAS sejam hétero ou gay.
Você sabia que mulheres heterossexuais gostam de fazer SEXO com homens?! Ô!!!!
Desde quando seu babaca mascutroll sexualidade feminina é inventada?!
Sempre tive tesão por homens(claro não estou me vangloriando por isso até porque se trata de um mero aspecto de sexualidade) e em qualquer mulher seja hétero ou gay, há sinais discretos(claro) de EXCITAÇÃO.
Sua afirmação mostra o quanto você é um BABACA, MISÓGINO que não sabe NADA de mulher!
Sabe o que é diabólico? Um ser ACÉFALO como vc estar vivo no Mundo pra pregar machismo e homofobia.
Eu vou te dar um conselho, pegue sua misoginia, sua homofobia e sua ignorância, junte molde um consolo enorme e enfia no teu rabo seu babaca!


Sawl

Mirella disse...

Postei comentário no lugar errado.
Haha.

"Aquele momento estranho em que você fica olhando para baixo para fingir que não tá quase chorando."

Mariane disse...

Texto muito bom, Lola... ameeei *-*
E que a Lana seja muito feliz, ou melhor, que a Lana continue sendo feliz >.<

Priscila Costa disse...

Anônimo Troll das 13:15:


Muito obrigada pela sua aula sobre o que é a ignorância em saber é uma relação de dominação e o que o patriarcado faz. Então quer dizer que todas as mulheres que lutam pelos seus direitos e contra relações de dominação ao redor do mundo são "revoltadinhas de interior que foram estupradas por um ex descolado"? Você me fez rir muito com isso! O cabresto que os guerreiros de um real te puseram tá servindo direitinho...

Taissa disse...

Eu adoro Matriz. É um filme de super heroi, é nerd, a Trinity é uma personagem forte, etc. Mas tem uma personagem que infelizmente não sobreviveu no filme do modo como foi concebida. É Switch: deveria ser um homem na vida "real", mas mulher na Matriz (que é a forma como a pessoa se enxerga). Pode perceber que Switch acabou, no filme, com um visual andrógino, mas originalmente elx teria essa dualidade.

A.H.B. disse...

O primeiro Matrix é um ótimo filme, pra ser revisto várias vezes. A primeira vez que eu vi foi em uma aula de filosofia na oitava série! Depois assisti de novo na faculdade e pareceu até outro filme. E rende discussões muito boas!

Eu também acho estranho pra caramba os masculinistas se identificarem com esse filme. Mas eles são esse pessoal que considera Clube da Luta o máximo pelo valor de face do filme e realmente querem seguir a "mensagem" do protagonista. Eles nunca saem da superfície. Nem tentam ver se o filme é na verdade uma crítica a tudo aquilo representado. Idem pra galera que acha o Capitão Nascimento um herói, quando nem o ator, nem o diretor, nem o roteirista do filme pensam isso. O José Padilha é um crítico do sistema policial brasileiro, tanto que em Tropa 2 o próprio personagem diz no fim "a polícia do Rio de Janeiro tem que acabar".

Foi bem lembrado esse ponto: "Quer dizer, o filme termina com uma música que diz “Fight the power”" - a música em questão é do Rage Against The Machine, que é uma banda abertamente de esquerda. As letras deles são muito boas, aliás. :)

Eu gostei dessa análise sobre Matrix ser gay, achei provocativa. Creio que tneha a ver com o estilo "cyberpunk" do filme. Pra quem não sabe, cyberpunk é um sub-gênero de ficção cientifica que trata de futuros distópicos em que contrasta-se alta tecnologia e baixa qualidade de vida, catástrofes ambientais, alienação, consumismo, repressão social, etc. Geralmente os vilões são grandes empresas que passaram a controlar todos os aspectos da vida das pessoas. Exemplos clássicos são o livro Neuromancer e o filme Blade Runner. É bem comum usarem metáforas sobre sexualidade, principalmente quando os autores querem contrastar artificial e humano, vivo e não-vivo, etc.

A.H.B. disse...

@Frinn: A fixação deles por Matrix, gayest movie ever, faz parte do instinto homoerótico reprimido. Calças justas de couro <3

OMG, as calças de couro. E de vinil e látex!!! *-* Adoro o figurino dos personagens de Matrix.

Anônimo disse...

Anônimo das 13:15


Onde que a falha moral de qualquer indivíduo justifica um estupro? O seu pensamento e o de milhares de outros mascus de internet revoltadinhos é a prova de que o patriarcado existe e afeta bilhões de pessoas no mundo.

A.H.B. disse...

Falando em Zizek, Matrix e política: <esse vídeo é relevante.

Lord Anderson disse...

Anonimo imbecil das 13:15

achar que o machismo só acontece em cidades do interior, chamar as vitimas de revoltadinhas e ainda culpa-las pelo estupro alegando "falhas morais"...

serio que vc não sente nenhuma vergonha da sua propria estupidez ao escrever algo tão cheio de preconceitos?


seria que não percebe a merda que ta dizendo?


muitas vezes nesse blog foi comentado sobre falta de empatia, agora pra mim parece falta de carater mesmo.

Anônimo disse...

Oi Lola, adoro seu blog, sou gay, mas realmente os argumentos que você (na verdade,o autor do tal artigo) apresentou não fazem de Matrix um filme gay, esses argumentos beiram o ridículo. E acho incrivel a história da Lana!

Anônimo disse...

Mascus, babacas, ridículos e totalmente alienados, façam um favor à humanidade e se matem. Vocês são o refugo genético mais nojento que eu tive a oportunidade infeliz de conhecer.


Parabéns à Lana e sua coragem. Que inspire muitos. <3

Anônimo disse...

Lola, adorei o blog e em espacial o artigo de hoje. Estou disseminando por aí. Se quiser inspirações sobre a paisagem global de direitos sexuais e política, visite o site do Observatório de Sexualidade e Política (www.sxpolitics.org) ou mais fácil ainda busque a gente no FB. Parabéns! Sonia Corrêa

Liana hc disse...

Admiro a Lana pela decisão de vir à público com uma decisão tão íntima e que ao mesmo tempo afeta tanto o coletivo. Só nos resta apoiar tais decisões.

Gostei do cabelo dela. Sabe, as madeixas também precisam sair da matrix :)

Bacana o discurso de agradecimento dela. Principalmente quando ela diz:

"Eu sabia que ia ter que me assumir, mas não queria que o assunto seguinte fosse só isso. Eu fico completamente horrorizada com esse formato de interrogatório/ confissão, o choro, as lágrimas das apresentadoras de talk show cuja simpatia ressalta essa tragédia que é a minha vida como transgênero. E este momento completa o arco catártico que vai da rejeição à aceitação, sem interrogar a patologia de uma sociedade que se recusa a reconhecer o espectro de gênero da mesma forma cega que se recusaram a conhecer o espectro de raça ou sexualidade."

Fantástico. Discute-se tanto a pessoa em si enquanto sua vida é vendida como uma comovente tragédia, e tão pouco é falado sobre o contexto social que leva aquele indivíduo a passar por tais experiências e sentir o que sente.

Luciana disse...

Eu amo Matrix! *_*

Que texto lindo! Sério, chorei no final. Lana tem uma família maravilhosa (melhor que ganhar na loteria). Eu fiquei muito contente quando ela se revelou. Lana ficou mais falante, mais dinâmica, mais feliz, mais ela. Parabéns Lana!

A tela preta combina mais com o universo dos mascus.

ViniciusMendes disse...

@Frinn

Eu pessoalmente não me incomodo, de verdade, com a forma como você usa a palavra gay.

Mas por essa lógica eu posso gritar "OMG! Isso é tão mulher!" cada vez que eu ver algo cor-de-rosa, delicado, com coraçõezinhos e borboletas.

Preconceito não significa que você acha algo ruim, significa que você atrela qualidades a algo baseado em esteriótipos.


@Raziel
E repetindo algo que eu já disse antes por aqui:

Ridicularizar comparando com mulheres: machismo, misoginia

Ridicularizar comparando com gays: ???

Anne disse...

Fico feliz pela moça. Muito mesmo.
Quanto ao filme, nunca consegui gostar.

aiaiai disse...

Puxa, Lola, que post legal. Eu não sabia nada sobre a Lana e achei lindo tudo: ela, a mãe dela, o pai dela, o premio que deram...tudo!

e, anonimo primeiro que disse:

"A cultura gayzista querendo tornar tudo gay, e o tal plano para a destruição da heteronormatividade"

querido,

nós queremos mesmo destruir a heteronormatividade, o que não significa destruir os héteros. Significa destruir a noção de que ser hétero é ser normal e, consequentemente, não ser hétero é ser anormal.

A gente acha todo mundo normal. Todos iguais, com direitos iguais, respeitando uns aos outros.
Não seria lindo? Pense!!!

Blanka Guerreiro da Real disse...

Raphael "von sophia", assuma sua androgenia primeiro, antes de criticar os guerreiros da Real. E mude seu avatar para algo menos feminino...porque esse cabelinho de mamãe sou Metal nao dá, cara...

Ramilla disse...

nunca tive essa leitura de Matrix. Acho que vou rever...

Anônimo disse...

É por isso que a Trinity é poderosa!!! kkkkkk Eu te amo Lola!

Taissa disse...

Eu adoro Matriz. É um filme de super heroi, é nerd, a Trinity é uma personagem forte, etc. Mas tem uma personagem que infelizmente não sobreviveu no filme do modo como foi concebida. É Switch: deveria ser um homem na vida "real", mas mulher na Matriz (que é a forma como a pessoa se enxerga). Pode perceber que Switch acabou, no filme, com um visual andrógino, mas originalmente elx teria essa dualidade.

Dona do Sexo -Bonobo rules,Jaçanã forever disse...

A Lana ta parecendo a Lola com esse cabelo rosa

Adoro corra,lola,corra.So nos sonhos consigo correr q nem ela.Tenho inveja dela pois ela corre como flutuasse,lembra a minha infancia.

Adoro correria,açao e sou uma sedentaria.

Ana Clara disse...

Gente, eu adorei o post de uma forma geral, mas só eu fiquei incomodada com a comparação de Matrix como um filme 'gay'? Qual seria a forma, ainda que 'boa', de dizer que um filme é 'gay'? É possível dizer então que um filme é 'hétero'? Como se pode dizer que um filme é 'hétero'?

Além disso, quase todas as referências desse texto que a Lola cita no post são direta ou indiretamente relacionadas a sexo ('nu, depilado e pegajoso'; 'ele é uma máquina!'; 'ver do que você é capaz'). Isso não é uma forma de reforçar o estereótipo da hipersexualização dos gays de uma forma geral? O fato de haver diálogos que nos remetem a sexo entre dois homens significa que o filme é o 'mais gay já feito'? Homossexualidade se resume então a isso, diálogos sexuais entre dois homens?

Sério, isso me incomodou MUITO. E eu não consigo ver um motivo 'bom' para classificar um filme de 'o mais gay'. Qual é a necessidade disso, além de mostrar que ele está fora da 'normalidade', ou que ele está 'sacaneando' os espectadores ao 'ser gay' nas entrelinhas?

E outra coisa que me incomodou um pouco foi esse comentário aqui em cima de "Eu uso "isso é tão gay" como elogio [...] pra coisas fofas e felizes e bonitas no geral". Cara, sei lá, acho MUITA sacanagem. 'Gay' é uma terminologia popular para designar a orientação sexual de uma pessoa, e não um adjetivo qualquer que a gente usa para qualificar objetos, 'coisas fofas e felizes e bonitas'. Especialmente se esse 'a gente' for hétero. Acho uma apropriação MUITO negativa e que desumaniza totalmente os gays. Objetos não são gays, filmes não são gays; PESSOAS, SERES HUMANOS são gays.

Desculpa, gente, mas fiquei muito confusa mesmo com essas comparações!

Anônimo disse...

Querem saber a verdade sobre o masculinismo? Entrem aqui: http://www.q-patriota.blogspot.com.br/

(não riam, sério)

ps: ao contrário das feministas, cujas muitas são declaradamente lésbicas e não tem vergonha de admitir, os masculinistas são contraditórios, pois ao mesmo tempo que pregam a heteronortavidade como ideal na sociedade, eles AMAM outros homens.

Anônimo disse...

Aliás, a única "golpista" que conehço, é a minha irmã que fala com toda as letras que quer um "macho" (e é esse o termo que ela usa) para poder bancá-la, mesmo ela trabalhando desde os 18, ganhando muito bem, e tendo dois filhos que consegue sustentar sozinha (e antes que algum machista venha falar merda sobre ser mãe solteira, ela é viuva, só pra constar).
================================
As pessoas usam mascaras no dia a dia querida, você conhece sua irmã desde sempre, dificilmente ela conseguiria disimular para você, mas se você perguntar para algum conhecido dela fora do circulo familiar, verá que a opinião deles e totalmente diferente da sua, a da " mulher independente, batalhadora, mãe viuva", não a da interesseira.

Conheça as pessoas pelas atitudes, e não pelo discurso embaladinho !

Anônimo disse...

Anônimo disse...
Mascus, babacas, ridículos e totalmente alienados, façam um favor à humanidade e se matem. Vocês são o refugo genético mais nojento que eu tive a oportunidade infeliz de conhecer.
-
esta pelo menos assume sua misandria, desejando a morte de homens !

Anônimo disse...

Sou o anônimo das 17:17

Sabe, não vou dizer que a maioria dos masculinistas são gays dentro do armário, mas tenho certeza que uma grande parcela deles são. De onde vem tanta admiração pelo mesmo gênero? Pq tanto ódio de mulheres? Pq tanta afirmação da masculinidade? Parece até que é para esconder quem de fato é. Um gay sem medo de ser o que é não tem motivos para odiar mulheres. Ele está, no mínimo, confortável com a sua condição. Mas um gay dentro do armário, que não sabe como admitir a própria sexualidade, e com experiências sexuais/afetivas traumáticas com mulheres, acaba encontrando no masculinismo uma válvula de escape.

Vamos lá, o cara não gosta de mulheres sexualmente/afetivamente e mesmo assim se propõe a se relacionar com elas, claro que não vai ser bom! Por isso o discurso tão latente do corno revoltado: partindo de experiências heterossexuais traumáticas, o mascu joga a culpa na mulher pela sua infelicidade, e daí vem todo o ódio.

À medida que a homofobia diminuir, o masculinismo vai deixando de existir, pois não terão tantos homens se frustrando tentando esconder suas reais condições.

A.H.B. disse...

Aqui a música do final do primeiro Matrix com a letra, que é sobre os movimentos de direito civis e como o FBI planejou o assassinato do Malcolm X, inclusive tem um trecho de documentos vazados no finalzinho.

Não creio que tenha sido uma escolha aleatoria terem usado essa música no final de Matrix, inclusive quando o nome da mesma é "Wake Up".


@Ana Clara: " Objetos não são gays, filmes não são gays; PESSOAS, SERES HUMANOS são gays."

Verdade, bom ponto. Creio que o artigo que a Lola mencionou esteja dizendo "tem conteúdo que pode ser considerado homo-erótico no filme Matrix" e isso é diferente de dizer "o filme é gay", o que sem dúvidas é problemático se não for contextualizado adequadamente. :)

Anônimo disse...

Sou sua leitora há anos e fã de Matrix e achei essa comparação entre o filme e um relacionamento gay bem distorcida...... Tudo bem a livre interpretação, mais é a mesma coisa que dizer que A Fantásica Fábrica de Chocolates é um filme feito para a indústria alimentícia.

Anônimo disse...

A LANA É UMA LINDA! E o Larry é um lindo também!

Anônimo disse...

Quanta superficialidade e desrespeito com homossexuais. Só uma análise homofóbica e forçada como essa para dizer que "Matrix é o filme mais gay já feito" ou mesmo um filme gay! Só reforça estereótipos nocivos e equivocados...

Outro equívoco é embalar no mesmo pacote homossexualidade e transexualidade. Homossexualidade não está ligada à transexualidade, na verdade as duas são diametralmente opostas e muitas vezes uma implica na negação da outra, por exemplo: gays e lésbicas que se transexualizam (ou são forçados a se transexualizarem, como em alguns países islâmicos fundamentalistas) por não lidarem bem com a própria homossexualidade.

Anônimo disse...

Anônimo disse:

esta pelo menos assume sua misandria, desejando a morte de homens !

---

Sei que interpretação de texto não é o forte de vocês...

Veja bem... A gente NÃO QUER que os homens morram. A gente quer que VOCÊS, MASCUS, morram.

A gente quer que um grupo REDUZIDO e IDIOTA morra.

Entendeu agora?

Os homens inteligentes e que sabem interpretar texto a gente quer que fiquem vivos.

A Lola é casada e quase todas as pessoas que frequentam (e gostam) deste blog estão em um relacionamento afetivo.

Só os mascus não estão e vem aqui choramingar.

Então, juro, VOCÊS MASCUS não fazem a menor diferença.

Podem morrer. A gente deixa.

Beijonãomeliga.

Raziel von Sophia Imbuzeiro disse...

ViniciusMendes,

Eu estava sendo sarcástica. A piada se consistia na contradição óbvia do pensamento deles, sobretudo o que se diz respeito a odiar integralmente a cultura gay e ao mesmo tempo serem os maiores adeptos da cultura gay "androfílista".

Blanka Guerreiro da Real,
Primeiro que eu me chamo Raziel,
Segundo que sou menina trans :3....


Terceiro que androgenia e androginia são coisas (quase) opostas. Vai estudar português, lembro-me que o "Doutrinador" escreveu algo sobre a importância do Desenvolvimento Pessoal para vocês, creio que isso também inclui algum conhecimento de português, correto? Vai estudar.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Acho que interpretação de textos não é o forte de quem tem a cabeça fechada. Acho que é muito comum pessoas reaças verem filmes ou ouvirem músicas libertárias, gostarem e não entenderem que a mensagem tem a ver é exatamente com o que eles combatem: liberdade.
Na época que eu tinha orkut, lembro que uma vez um cara muito chato vivia postando tópicos ridículos em uma comunidade feminista. O fake dele era o do V, do filme V de Vingança, um filme que fala sobre direitos humanos, luta contra preconceitos, incluindo a homofobia. E aí um cara super homofóbico, machista, misógino, vê o filme e acha que um personagem desses se identifica com ele.
É dose...

Anônimo disse...

Tem MUITOS trans que são só uma resposta pessoal a não aceitação da sua própria homossexualidade, porque a sociedade é homofóbica e crescem ouvindo que homossexualidade é uma questão ligada a ser do sexo errado ou gostar do sexo errado. Um exemplo é retratado no filme meninos não choram. A guria era uma lésbica que achava que era trans (porque ouvia isso o tempo todo como qualquer sapa) e tentava se redimir perante a sociedade com a desculpa de que tinha nascido errado, muito semelhante ao discurso da genética adotada por alguns movimentos gays, do tipo nasci gay, gays por engano ou eu não escolhi ser gay. Um fato que pra mim denunciou e visibilizou todo aspecto derivado da mentalidade higienista de gênero da prática da cirurgia transexual que vem ganhando terreno e respaldo cada vez maiores é o caso do Irã, onde há uma política de exterminio higienista de gays, mas ao mesmo tempo, se dispõe de direitos a cirurgia transexual, coagindo a população gay a passar por essa mutilação (pois vc ser gay e não querer se cirurgiar é uma política ameaçadora ao Estado iraniano), é extremamente elucidativo observar isso.

Anônimo disse...

Essa maricona nojenta traira e muito cara de pau em citar o mestre doutrina nessa porcaria de blog feminazi, muita cara de pau !

ViniciusMendes disse...

@Raziel

Gostar de malhar, achar esteticamente agradável aqueles homens enormes que eu pessoalmente acho super esquisitos, preferir a companhia masculina à feminina, não gostar de companhia feminina mas gostar de companhia masculina, etc, etc, etc. Nada disso te torna gay, o que te torna gay é sentir atração sexual/romântica por pessoas do mesmo sexo. A ideia de que um homem não pode achar outro bonito (dentro do valor estético que for) por si só já tem uma carga machista absurda. Achar que todos ou a maioria dos gays curtem isso também não deixa de ser um preconceito...

Já os comentários sobre Matrix ser um filme gay, creio que seria mais específico falar que é um filme com uma carga homoerótica enorme. Como faz tempo que não vejo Matrix, não lembro se o filme pode ser visto dessa forma e se a piada (totalmente desnecessária) citada pela Lola no post faz sentido. 300 é um filme que com certeza pode ser visto como homoerótico em vários pontos, mas não pelos caras serem fortões e mal haverem mulheres, mas por haver tensão sexual entre esses caras em alguns pontos e pela fetichização de seus corpos, do militarismo e da própria cultura grega.

Raziel von Sophia Imbuzeiro disse...

ViniciusMendes...

Tu estás mesmo a levar uma brincadeira a sério ou é impressão minha? O_o

Lilly disse...

Eu tinha visto uma foto dela numa revista, falando que ela era transexual, etc. Mas pelo jeito ela não tinha se assumido publicamente. História muito bonita, fiquei tocada.

Anônimo disse...

Raziel, liga não.

>Blanka< Guerreiro da Real.

>BLANKA<
>>BLANKA<<!!!!!!!

Não dá pra levar a sério alguém que usa um nick desses e acha que tá arrasando.

Volta pra Amazônia, Blanka.

Sphynx disse...

Matrix é um filme legal demais pra ser estragado por delírios de masculinista ou de qualquer conservador. Não sei como eles conseguem ter uma visão adulterada de um filme que é tão claramente "subversivo" (como é, aliás, meio que por natureza, o gênero cyberpunk), cujo tema é a libertação de um sistema. Se for para usar Matrix como uma analogia para a política no mundo real, não sei se os conservadores são mais o agente Smith ou o Cypher. Acho que o Cypher mesmo, considerando que eles demonstram seguir o lema "ignorância é felicidade" à risca e de forma bastante literal.

Espero que esse Cloud Atlas seja bom mesmo, o trailer me interessou.

Juvenal disse...

Enquanto isso, em SP:

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/1195876-apanhou-de-besta-diz-suspeito-de-agredir-gay-em-rua-de-pinheiros-em-sp.shtml

Dá muita raiva. Pior que dá para achar fácil fácil o perfil dos criminosos no facebook, e vc vê de perto o tipinho de gente babaca, mentalmente pequena (mas fisicamente marombada) e desprezível que pratica esse tipo de comportamento homofóbico.

ViniciusMendes disse...

@Raziel

Parte considerável dos posts da Lola não se destinam a combater a ideia de que esse tipo de coisa "é só uma piada"? Considerando que esse é um blog que se destina a combater o machismo e a misoginia principalmente, e a opressão das outras minorias por tabela, desculpa, mas eu não consigo deixar uma piada dessas passar batida aqui.

Se eu comparasse eles com mulheres com certeza eu seria repreendido.

Anônimo disse...

Direitista gostando de Matrix? Normal. O que me admira é gente de esquerda curtir esse filme fascista, onde uma pílula mágica de segrega da humanidade medíocre e te torna superior.

Rose disse...

"...,acredito ate que amaioria das feministas aqui ja estão se convertendo ao lesbianismo, ..." Nem sabia que ser lésbica era uma religião, vou me converter então (serei devota de Nossa senhora das Delícias e afins)rsrs
Então, quando a nação clitoriana for respeitada enquanto espécie, os mascus irão vagar eternamente pelo deserto clamando com seus lamentos : ai de mim que não vivi, só odiei, odiei e odeiei..ai, ai de mim rsrs

Definindo a Matrix disse...

No filme Matrix, uma pequena porcentagem da humanidade possui uma percepção diferente das demais, aquilo que as máquinas chamam de anomalia, e são essas pessoas que acabam chegando a Morfeu e se deparando com a escolha entre a pílula vermelha e a pílula azul. O que leva essas pessoas a percorrer este caminho é a necessidade que elas sentem de conhecer a verdade, é a pergunta que as impulsiona e é a pergunta que as leva até Morfeu. Na cena em que Morfeu oferece a pílula para Neo, o diálogo segue assim:

“Neo: Não gosto de pensar que não controlo minha vida.

Morfeu: Sei exatamente o que quer dizer. Vou te dizer por que está aqui. Você sabe de algo. Não consegue explicar o quê. Mas você sente. Você sentiu a vida inteira: há algo errado com o mundo. Você não sabe o que, mas há. Como um zunido na sua cabeça te enlouquecendo. Foi esse sentimento que te trouxe até mim. Você sabe do que estou falando?”

Em nossa realidade, esta "anomalia" também só acomete um número reduzido de pessoas. São poucos os indivíduos que buscam a verdade, os questionadores que percebem que algo no mundo não está certo e vão atrás de respostas, não parando até encontrá-las. A maioria aceita passivamente qualquer coisa que lhes digam, por mais ilógica que possa ser. E existem muitas outras pessoas que ganham com a perpetuação da mentira e que fazem qualquer coisa para sustentá-la no inconsciente de todos.

Leandro disse...

Sempre fui um desses questionadores e acredito que a maioria dos que, de uma forma ou de outra, chegaram até este blog, possuem a mesma sensação que Neo — de que há algo errado no mundo — e que de alguma maneira associam a fonte dessa sensação ao aparato social de compulsão e coerção, o Estado. Infelizmente não existe nada como a pílula vermelha do filme, um comprimido capaz de libertar a mente das pessoas e fazê-las enxergar a realidade em questão de poucos minutos, fazendo-as acordar e ver onde realmente estão, olhar para o lado e ver seus irmãos humanos todos presos dentro da Matrix, acreditando que aquilo é o real. O nosso caminho é mais demorado, envolve muitos questionamentos, muita pesquisa e muita leitura, e cada pessoa acaba seguindo um caminho diferente.

Comecei a me aprofundar mais neste caminho do conhecimento alguns anos atrás, com o positivista igualitário Milton Friedman, que apesar de não seguir princípio ético algum e de utilizar uma teoria econômica completamente falaciosa, conseguiu chegar a algumas conclusões corretas, que podem ser confirmadas através da teoria econômica apropriada. Em Liberdade de escolher, Friedman utilizou de forma brilhante alguns exemplos empíricos históricos para desmoronar muitas mentiras propagadas pelos ideólogos do Estado, embora viesse a defender e inclusive trabalhar pessoalmente para implementar muitas outras. Ainda insatisfeito, segui meu rumo até trombar com Hayek e Mises, conhecendo a Escola Austríaca de economia. Ação Humana, o tratado econômico de Mises, foi decisivo neste meu caminho ao demonstrar cientificamente a invalidade de todas as medidas econômicas impostas pelos Estados (daí a importância do estudo da ciência econômica para se conseguir enxergar a verdade). Outros livros foram muito importantes, bem como diversos textos e artigos on-line, com destaque para o Mises Institute, Lew Rockwell e o blog de traduções Libertyzine.

Libertário disse...

Mas acredito que um livro em particular tenha sido a minha pílula vermelha, aquilo que me despertou para a realidade, o The Ethics of Liberty, de Murray Rothbard, e é um dos mais reveladores capítulos desse livro que eu apresento a quem não conhece, com o intuito de, se não for o suficiente para libertar definitivamente a mente, que sirva como mais um passo no caminho para a verdade. E, como Morfeu, é somente a verdade que Rothbard oferece. O diálogo anterior segue deste modo:

“Neo: Da Matrix?

Morfeu: Você deseja saber o que ela é?

Neo: Sim.

Morfeu: A Matrix está em todo lugar. À nossa volta. Mesmo agora, nesta sala. Você pode vê-la quando olha pela janela ou quando liga a sua televisão. Você a sente quando vai para o trabalho, quando vai à igreja, quando paga seus impostos. É o mundo que foi colocado diante dos seus olhos para que você não visse a verdade.

Neo: Que verdade?

Morfeu: Que você é um escravo. Como todo mundo, você nasceu num cativeiro, nasceu numa prisão que não consegue sentir ou tocar. Uma prisão para a sua mente.”

Neste capítulo, Rothbard igualmente revela a verdade a seus leitores. E mostra porque uma verdade tão simples, a de que defender o Estado — qualquer Estado — é defender o crime, é tão difícil de ser enxergada. Explica porque uma maioria, que apesar de ser pacífica e obter sua riqueza através de trocas voluntárias, acaba defendendo ou sendo leniente ao parasitismo estatal em detrimento da sociedade livre. De certo que o livro completo seria mais consistente para desempenhar esta função (e pretendo concluir a tradução deste tratado ético), mas este capítulo pode vir a ser a pílula vermelha de mais alguém. Contudo, deixo a seguir a sequência do diálogo, com o alerta que Morfeu faz ao Neo:

“Morfeu: Se tomar a pílula azul, a história acaba, e você acordará na sua cama acreditando no que quiser acreditar. Se tomar a pílula vermelha ficará no País das Maravilhas e eu te mostrarei até onde vai a toca do coelho. Lembre-se: tudo o que ofereço é a verdade. Nada mais.”

Clique (ou não clique) abaixo para acessar o capítulo :

http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=75

Anônimo disse...

gente, please, façam comentarios mais sucintos. tem comentario aqui que é mais longo que os posts da lola. assim fica dificil.



Camila Strongren disse...

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=vecxmBPj8_I#at=634

um entrevista de baixo nível com o rafinha... e o interessante foi ele dizer "eu virei representante de pessoas que eu nunca quis representar (...) eu virei representante de um povo que sempre foi excluído e gosta.. e luta pela verdade"

mascus?

Camila Strongren disse...

Libertário:

Valeu pelas indicações bibliográficas, lendo o capítulo que você indicou e até agora gostando muito

Anônimo disse...

oi

so passei pra mandar todo mundo tomar no cú

boa noite !

Anônimo disse...

Além de mascus que acreditam numa Matrix, vocês são anarcomiguxos? Realmente o mundinho de fantasia de vocês é ridículo.

Anônimo disse...

Ewww, que nojo desse anarco capitalista fazendo spam das besteiras dele. Von Mises era um cara que defendia o nazismo. Milton Friedman é um desgraçado e a ideologia fascistóide dele foi usada por Pinochet para destruir o Chile.

É revoltante que essa ideiologia ridícula esteja juntando tantos adeptos, principalmente nas faculdades de tecnologia, que estão cheias de gente deslumbrada com o capitalismo. Ew.

Aqui no Brasil a galera confunde o termo, porque "libertário" em geral tem a ver com os pensamentos do Paulo Freire aqui, mas em outros lugares quer dizer "anarco capitalista". O bobão provavelmente vai negar isso porque ele se acha o esclarecido e iluminado bebê da Ayn Rand. Mas an-cap é uma praga horrível. São os economistas "libertários" que defendem as privatizações e cortes de orçamento público que estão detonando a Europa hoje em dia.
Esses safados oportunistas ficam reclamando do "Estado", dizendo que assistencialismo é repressão e um monte de bobeira, mas eles são os primeiros a defender ditaduras militares para proteger a propriedade privada. Eles falam de "liberdade", mas a única democracia que eles defendem é a democracia do capital. Procurem ler sobre os "Chicago Boys" no Chile.

Esse aí se faz de bonzinho e rapaz culto, mas nos forúns deles as discussões são do nível "mulheres não são racionais, dessa forma devem ser consideradas propriedade" e outras escabrosidades desse tipo.

O candidato deles nas eleições americanas foi o Ron Paul, um idiota que diz "odiar o Estado e defender as liberdades constitucionais", mas que não vê problema nenhum em aborto ser proibido.

A "liberdade" na mentalidade deles é simplesmente uma abstração de liberdade de contratos. Eles querem que o mundo volte para o capitalismo desenfreado do começo do século XX, sem leis trabalhistas, garantias sociais, impostos e civilidade. Eles acham que milionários são oprimidos.

Geralmente são amiguinhos dos masculinistas, porque eles tem em comum o fato de serem homens brancos de classe média que se sentem oprimidos pela mera existência de pessoas que eles cosideram inferiores.

Anônimo disse...

"Fora o fato do pessoal usar roupas justas de couro e frequentar raves."

Preconceito seu.

Julia disse...

Tenho a dizer que a Lana se tornou uma mulher muito bonita. Quando era homem não era bonito, não. E me incomoda muito o uso sa palavra "mulher" como sinônimo de esposa. To tentando parar de usar.

nina disse...

não é engraçado que essas pessoas que acreditam em 'cultura gayzista' são as primeiras a dizer que não existe cultura do estupro ou que a vida das mulheres é um paraíso, e que não existe nada de errado na cultura do patriarcado aí?

ninguém disse que o filme é um filme gay. disseram que é uma interpretação possível. e é. assim como muitos outros.

cara, deviam inventar uma pílula pra ajudar as pessoas a interpretar texto, ou pelo menos a ler direito. pq desse jeito...


achei fantástica a história da lana. e fiquei feliz por ela ter conseguido fazer o que quer e ter tido o apoio da família. que histórias assim, felizes, se tornem mais e mais frequentes.

Marcus Hulk disse...

Lembrei desta charge aqui http://www.spaceavalanche.com/2009/02/09/matrix/

Huan Icaro Piran disse...

@Lola

Excelente post, eu desconhecia totalmente a história da Lana e achei super bacana a forma como os pais souberam e aceitaram a situação, que já causou tantas e tantas tragédias familiares pela falta de compreensão.

@ViniciusMendes

"300 é um filme que com certeza pode ser visto como homoerótico em vários pontos, mas não pelos caras serem fortões e mal haverem mulheres, mas por haver tensão sexual entre esses caras em alguns pontos e pela fetichização de seus corpos, do militarismo e da própria cultura grega."

Sempre acho graça quando vejo pessoas homofóbicas achar 300 overpower ejhekwhaklekwa

@Ranziel von Sophia Imbuzeiro

"Talvez eles mudem para 300, já vi mascus romantizando ficar espremidos numa fenda junto a quase 300 homens fortões e suados fazendo coisas viris de homem com e contra e com outros homens viris e suados."

Bah, tendo a dizer que foi bola fora. Se tem uma coisa que me deixa bastante indignado é quando comento com minha noiva que homem x ou y é bonito por bolinha ou quadrado motivos e em seguida alguém conhecido que tenha ouvido venha me repreender. Tenho eu o direito de achar homens bonitos mesmo sendo hétero cis, assim como tenho o direito de me sentir bem na companhia de meus colegas de kendo no vestuário após o treino, semi nú suado me trocando e conversando, não os desejo, apenas aprecio a companhia deles mesmo naquele momento. É um pensamento machista achar isso errado, igual a falar que Judo/Jiujitsu são artes marciais "gays" por "ficarem se agarrando no chao" ...

@A.H.B.

Excelente comentário sobre a superficialidade da interpretação de obras, dou gostosas gargalhadas por conta disso vez por outra. Também sobre o que é cyberpunk, diria mais alegando que Matrix possui muito da obra Neuromancer (literatura cyberpunk), mas há muito pouco sobre o tópico que não tenha abordado. Sem falar sobre a analise de releituras em diferentes periodos de tempo, toda vês que estudo algo novo tenho uma releitura desse tipo de obra.

Anônimo disse...

Eu acho esse filme de doer de tão fraquinho. Baboseira pseudo-filosófica. O fato de masculinistas adorarem não me surpreende.

A decisão da diretora de se mostrar como mulher ainda gostando de mulher é ótima, deve ser saudada.

Me lembrou uma piada comum em todo o nordeste. Um paraíba vai pro Recife e lá o levam pruma festa gay. Ele fica olhando o movimento, até que alguém chega e conversa com ele.

- O que tu é?

- Sivirino, prazer. E você?

- Sou lésbica.

- Ãhn?

- Eu gosto de mulher.

Ela vai embora. Vem um gay.

- Oi. O que tu é?

- Oi. Bom. Eu achava que era Sivirino, mas agora descobri que sou lésbica.

Bruna disse...

Gente, que coisa mais linda essa história. Linda a história e a Lana, linda, uma pessoa fantástica.
Ver isso me mostra que o mundo está mudando, principalmente na questão de paradigmas de gênero.
Fico muito feliz, sempre!

Frinn disse...

@ViniciusMendes:

Entendo o que você fala. Só queria ressaltar que eu não tenho exatamente um critério ou conjunto de características pra algo pra falar isso. Eu falo isso pra quase tudo que eu gosto. De sorvete à meus treinos de artes marciais.

Só quis dizer mesmo que pra mim "gay" nunca será considerado uma ofença. A própria tradução da palavra antes de ser associada a homosexuais é "feliz". Eu procuro ressaltar tanto isso quanto o sentido que eu vejo de elogio toda vez que vejo alguém falando que é usado como ofença.

Blanka disse...

Raziel, ou Raphael...androgeno ou androgino...o fato é que seu pai deve estar muito orgulhoso de você!!!

Camila Strongren disse...

Ao Anônimo da 1:00h

well, eu achei válido o texto dele, por mais que não leia aquilo literalmente... Reclamamos muito que "nossos opositores" só jogam xingamentos sem embasamento. E bem, okay, ele mandou um embasamento. Agora a capacidade ou não de alguém ler e interpretar um texto e passar um pente crítico nele... Hmmm... Aí é outra coisa.

Mas eu realmente acho que o mínimo que uma pessoa pode fazer é tentar entender a lógica ou a não lógica de todos os lados de uma questão, senão da opinião ao fanatismo é um pulo.

Eu particularmente não conhecia nenhum dos autores que ele mencionou, e achei interessante sim, porque não dá pra você simplesmente não conhecer uma coisa e dizer "sou contra, não gosto"...

Mas sobre o capítulo que ele publicou, li na integra... E o que posso dizer é que... É FALACIOSO.

Mais especificamente, o auto comete Dicto Simpliciter, com conclusões generalizadas; generalizações apressadas; e principalmente FALSA ANALOGIA. Afinal, o Estado e vender melões?

Inegável que há um fio de raciocínio, um fio interessante, admito, mas a lógica não é o forte do texto, muitos pontos soltos.

Washington disse...

Olá Lola, gostaria de se divertir um pouco, acompanhando a exposição à vergonha pública TOTAL dos "Machos-Que-Tem-Medo-De-Mulheres-Inteligentes" em uma comunidade de banda de rock (pasme) do orkut, onde eles foram totalmente humilhados por HOMENS que não tem medo de mulheres livres e fortes? rssssss...

Se tiver um tempo, acompanhe o tópico a partir daqui:

http://www.blogger.com/comment.g?blogID=1486619705951395295&postID=2251984610068640275

Washington disse...

Desculpe, no post anterior coloquei o link errado... Acompanhe o tópico a partir daqui:

http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=64755&tid=5800621051453287883&na=4&npn=31&nid=64755-5800621051453287883-5817875666338089113

Anônimo disse...

Lola, vc já viu isso?

http://www.youtube.com/watch?v=eLhld_PI2zg


Foi usado em aula de educação sexual há tempos, mas foi vetado.

As princesas da Disney podiam assistir, né?

Anônimo disse...

Washington, não abre o link.

Anônimo disse...

"Ewww, que nojo desse anarco capitalista fazendo spam das besteiras dele. Von Mises era um cara que defendia o nazismo."
- Mises não defendia o nazismo. Pelo contrário, ele disse o que o nazismo realmente era: um sistema tão estatista quanto a URSS.

"Milton Friedman é um desgraçado e a ideologia fascistóide dele foi usada por Pinochet para destruir o Chile."
- Sim, claro. O Pinochet deixou o Chile como está hoje: com os melhores indicadores sociais da América Latina. Enquanto o socialismo de Allende, o Chile tava muito bem: a inflação era de 500% ao ano e faltava todos os produtos essenciais. Isso você não diz né?

"Mas an-cap é uma praga horrível. São os economistas "libertários" que defendem as privatizações e cortes de orçamento público que estão detonando a Europa hoje em dia."
- Praga é o estatismo. E defendemos sim privatizações e corte no orçamento.

"Esses safados oportunistas ficam reclamando do "Estado", dizendo que assistencialismo é repressão e um monte de bobeira"
- Bobeira nada. Assistencialismo cria um sistema de dependência, onde as pessoas querem que o governo banque tudo. Alguns acham que o tax payers tem que pagar até para exercerem a tal "liberdade sexual".

"O candidato deles nas eleições americanas foi o Ron Paul, um idiota que diz "odiar o Estado e defender as liberdades constitucionais", mas que não vê problema nenhum em aborto ser proibido."
- Ron Paul defende as liberdade individuais, é contra as guerras americanas e defende a paz e o livre comércio.
E aborto é assassinato, portanto um crime hediondo contra um feto indefeso. Hoje em dia só engravida quem quer, tá cheio de método anticoncepcional para evitar gravidez.

"A "liberdade" na mentalidade deles é simplesmente uma abstração de liberdade de contratos."
- É exatamente a liberdade de contratos que defendemos. É exatamente por isso que somos contra leis trabalhistas, queremos que o casamento seja um contrato livre, sem leis estranhas a este contrato. Uma sociedade de leis privadas.

"Eles querem que o mundo volte para o capitalismo desenfreado do começo do século XX, sem leis trabalhistas, garantias sociais, impostos e civilidade."
- Civilidade? O Estado destrói a civilidade. Como disse o Rothbard: "o estado é a organização social que visa a manter o monopólio do uso da força e da violência em uma determinada área territorial; especificamente, é a única organização da sociedade que obtém a sua receita não pela contribuição voluntária ou pelo pagamento de serviços fornecidos mas sim por meio da coerção." E isso não tem nada de "civilidade".

"Eles acham que milionários são oprimidos."
Pelo contrário, achamos que os milionários "companheiros" do governo só ganham com o estatismo, ainda mais que fazem lobby para criar barreiras contra a concorrência. Enquanto os pobres, e os micros, pequenos e médios empresários só se fodem com a burocracia e os impostos estatais.

"Geralmente são amiguinhos dos masculinistas, porque eles tem em comum o fato de serem homens brancos de classe média que se sentem oprimidos pela mera existência de pessoas que eles cosideram inferiores."
- Não somos masculinistas e nem feministas (aliás, os "mascus" brasileiros nem são libertários). Só achamos que feministas são ESTATISTAS e querem tudo do governo e usam o Estado para atender aos desejos e caprichos pessoais.

Anônimo disse...

Gente, interpretação de texto mandou lembranças... A Lola não disse que o filme é gay, e sim que são possíveis múltiplas interpretações Gay é uma delas, como mostra um um texto aí pra ajudar a desmistificar o uso dogmático que certas pessoas fazem do filme como seita.

Mirella disse...

Confesso que adoro algumas pérolas que aparecem por aqui.

A melhor é a de tax payers (chique né, inglês) sustentam os sanguessugas e coisa e tal, tadinhos deles. Sério, deve ser místico ser feminista nessa matrix, porque não só eu não pago impostos, como também sou sustentada pelos tax payers! Hahahahaah taqueospariu.


Sério, vou propor para o RH da empresa em que trabalho para que parem de descontar o INSS e o IR, afinal, sou feminista e quero que os taxpayers me sustentem!

E sempre reclamam de sustentar a liberdade sexual alheia, geralmente chateados com o fornecimento de pílula anticoncepcional, não o de preservativos.
É estranho isso, porque com tais medidas passam a existir menos pessoas dependendo do rico tax money deles.

Oh boy.

Anônimo disse...

"ninguém disse que o filme é um filme gay. disseram que é uma interpretação possível. e é. assim como muitos outros."

sim, é possível, em uma mente homofóbica e preconceituosa... os argumentos expostos por quem tem uma interpretação como essa demonstram isso claramente, beirando o ridículo, de tão superficial e forçada que foi essa "interpretação".

Anônimo disse...

Parem de ser lesbofóbicos! Lésbicas são mulheres que amam mulheres. É bem simples, não é uma definição complicada. Homens não podem ser lésbicas. Mesmo que esses homens cortem fora seu pênis e/ou assumam uma aparência "feminina". Um homem não pode se tornar uma mulher, isso é um fato da vida. Desde quando feministas aceitam e reproduzem acriticamente a ideologia patriarcal falocrática que mulheres são homens incompletos, mutilados, versões "femininas" e inferiores dos homens? Porque é essa ideia que é corroborada quando se re-afirma que homens mutilados, "feminilizados", são mulheres.

Anônimo disse...

Forçar a barra isso aí.
Daqui a pouco tão falando que o filme que o cara fala BOM DIA é um filme gay

Anônimo disse...

Eu não disse que feminista não paga imposto. Todos nós pagamos. E isso que é injusto: a sociedade inteira paga.

Anônimo disse...

Anon das 16:17. Tu é burr@ ou o que?

VVB disse...

Interessante que são justamente as ativistas trans que atacam a ideia de que mulheres sejam homens incompletos.

Argumento completamente falacioso.

Quem está sendo misóginx é você que acha que uma neovagina é apenas cortar um pênis fora. Nenhuma pessoa trans pensa isso, e são justamente as pessoas trans que denunciam a misoginia disso.

Cheshire cat disse...

Belo texto, linda história, linda Lana.

Mordred Paganini disse...

Criticar lesbofobia com transfobia...Coerência sente saudades...

Mordred Paganini disse...

Anônimo disse...
Eu não disse que feminista não paga imposto. Todos nós pagamos. E isso que é injusto: a sociedade inteira paga.

5 de dezembro de 2012 17:31

______________________________________

A sociedade inteira paga porque a sociedade inteira usufrui. Simples assim.
Os ricos pagam menos, aliás. Caixa 2, isenção fiscal, perdão de dívidas...Os ricos têm acesso a tudo isso...
Vai um pobre deixar de pagar um empréstimo? Fica com o nome sujo para sempre.
Agora um rico consegue subsídios, perdão de dívidas, isenções, etc etc etc.

Anônimo disse...

Acusar feministas de transfóbicas, a mais recente estratégia do backlash patriarcal para demonizá-las e silenciá-las, bloqueando o aprofundamento do desafio feminista à totalidade da supremacia masculina, fazendo com que homens tão cheios de poder a ponto de exigirem que todo mundo concorde com seus delírios passem sem serem sequer questionados.

Anônimo disse...

VVB disse...
Interessante que são justamente as ativistas trans que atacam a ideia de que mulheres sejam homens incompletos.

Argumento completamente falacioso.

Quem está sendo misóginx é você que acha que uma neovagina é apenas cortar um pênis fora. Nenhuma pessoa trans pensa isso, e são justamente as pessoas trans que denunciam a misoginia disso.

6 de dezembro de 2012 04:52


Não, pelo contrário. Não são as ativistas trans que atacam essa ideia, são as feministas, há séculos.

Falaciosa é a apropriação e distorção da luta feminista por ativistas trans para servir seus interesses egocêntricos e manter seus privilégios masculinos inquestionáveis.

Quando um pênis é cortado e substituído por uma fenda que tem que ser condicionada para não se fechar (porque é isso que o corpo faz quando uma abertura artificial é feita: ele tenta se curar) seus anos sendo criado como um macho não desaparecem.

Mordred Paganini disse...

Não senhora, você está sendo transfóbica sim!

Por favor, tenha um pouco de empatia! Leia sobre as pessoas trans! Entenda o lado delas antes de ficar tacando pedras desnecessárias.

Anônimo disse...

Transfobia é a nova misandria.

Mônica disse...

"A "liberdade" na mentalidade deles é simplesmente uma abstração de liberdade de contratos."
- É exatamente a liberdade de contratos que defendemos. É exatamente por isso que somos contra leis trabalhistas, queremos que o casamento seja um contrato livre, sem leis estranhas a este contrato. Uma sociedade de leis privadas.

Achei muito engraçado isso porque a nossa concepção de Estado hoje vem justamente da ideia de contrato.

Quer dizer então que o Estado é que oprime? E a selvageria do mercado é que liberta? Ah! Tá bom.

Sair da matrix agora virou o mesmo que regredir umas centenas de anos na história...

Mônica disse...


- Não somos masculinistas e nem feministas (aliás, os "mascus" brasileiros nem são libertários). Só achamos que feministas são ESTATISTAS e querem tudo do governo e usam o Estado para atender aos desejos e caprichos pessoais.

Estou me convencendo de que a coisa mais difícil e perigosa de se fazer é tentar mexer (nem que seja um pouquinho só) com os privilégios daqueles que têm muito(s).

Feministas agora reivindicam que o Estado (?) atenda aos seus caprichos (?) pessoais (?).

Ué, achei que a luta fosse por igualdade, por dignidade. Isso é capricho, né? Coisa boba. Quem é que vai querer ter isso?

Julia disse...

anon 16:17; 14:02

Não são homens, são mulheres trans!!

Estou muito curiosa pra saber o que você pensa sobre HOMENS TRANS. Por favor, me responda.

Raziel von Sophia Imbuzeiro disse...

Feminismo Lesbiano Radical Separatista Transfóbico womyn-born?! Isso é tããããoooo anos 70!
Depois dos mascus querendo voltar aos 50, temos pseudofeministas jurássicas anônimas querendo voltar aos anos 70. Olha que os mascus em boa parte pelo menos tem nick(Como o Blanka, aquele homem verde peludo quadrupede que dá choque nas pessoas)...

Ninguém quer voltar aos... 90 não? Sério, os anos 90 eram ótimos. Bill Clinton, Spice Girls, Pentium, Windows 95, MS-DOS, TV Manchete, Home Pages, Shareware, BBS...


E se o militante anônimo transfóbico por mesmo uma feminista radical lesbiana separatista transfóbica... Olha, eu tenho um DILDO DE CARNE e NÃ-O TE DO-Ô! Live with it.

Mordred Paganini disse...

Cara, oprimir pessoas em situação de intensa vulnerabilidade social (pessoas trans, no caso) é de uma insensibilidade ímpar! Você é uma amoladora de facas!

Texto:http://www.slab.uff.br/textos/texto95.pdf

(A Atriz, o Padre e a Psicanalista - os Amoladores de Facas )

Anônimo disse...

Pós-modernismo: Um Glossário simplificado

Opressão: quando alguém lhe é incoveniente
Privilégio: alguém ter algo que você quer
Práxis: "não sabemos nada sobre organização política com base na realidade, mas esta palavra soa legal"
Lésbica: um pensamento na cabeça de um homem, para nunca ser praticado sem a aprovação masculina
Gênero: brincar de se vestir não é apenas para crianças
Homofobia: quando lésbicas ficam bravas com cultistas queers por chamarem a penetração do pênis na vagina de "sexo lésbico"

Anônimo disse...

"Eu cheguei a entender que o feminismo radical é considerado um movimento antiquado, fora de moda, que não tem nenhuma relevância hoje, o patriarcado diria isso, não diria?"

Feminista da Primeira Onda

Anônimo disse...

para apoiar transgenerismo, gênero tem de ser apoiado, então a subordinação das mulheres tem de ser apoiada para o transgenerismo ser apoiado.










à decadência digo mais nada.

Mordred Paganini disse...

para apoiar transgenerismo, gênero tem de ser apoiado, então a subordinação das mulheres tem de ser apoiada para o transgenerismo ser apoiado.

__________________________________

Meu, o que você fumou? Como a mera existência de mulheres trans afeta sua vida? Fico sem entender!

Anônimo disse...

"Achei muito engraçado isso porque a nossa concepção de Estado hoje vem justamente da ideia de contrato."
- Contrato? Qual? Eu não assinei nada. Se você assinou, problema seu. Apenas não tente me forçar a fazer parte de algo que não quero. Isso é violência, coerção e escravidão.

Entenda porque a teoria do Hobbes é ilógica:

http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=1377

"Quer dizer então que o Estado é que oprime? E a selvageria do mercado é que liberta? Ah! Tá bom."
- Não existe selvageria de mercado. O mercado é um processo de trocas e transações voluntárias. O mercado somos nós. Eu, você, a Lola trocando e cooperando num sistema de divisão de trabalho, segundo as nossas habilidade individuais.

"Sair da matrix agora virou o mesmo que regredir umas centenas de anos na história..."
- Quem quer regridir centenas de anos na História são vocês. Não são vocês querem voltar para as sociedades "poliamoristicas", quando não existia a família?

"Estou me convencendo de que a coisa mais difícil e perigosa de se fazer é tentar mexer (nem que seja um pouquinho só) com os privilégios daqueles que têm muito(s)."
- Tá difícil mesmo. Ainda mais quando você usa a máquina estatal para assegurar os seus privilégios...

"Feministas agora reivindicam que o Estado (?) atenda aos seus caprichos (?) pessoais (?)."
Não são vocês que estão sempre pedindo para o Estado mais e mais proteção e regalias para as mulheres com a grana dos taxpayers?

"Ué, achei que a luta fosse por igualdade, por dignidade. Isso é capricho, né? Coisa boba. Quem é que vai querer ter isso?"
Igualdade? Violaram o princípio da igualdade perante a lei com leis que claramente favorecem as mulheres e você vem falar em igualdade? Vocês acham que a vida de uma mulher vale mais que a vida de um homem.

Anônimo disse...

Raziel von Sophia Imbuzeiro disse...

E se o militante anônimo transfóbico por mesmo uma feminista radical lesbiana separatista transfóbica... Olha, eu tenho um DILDO DE CARNE e NÃ-O TE DO-Ô! Live with it.

6 de dezembro de 2012 23:57

_________________________________

Nem toda lésbica usa dildo-e se usa não quer dizer que quer um de carne-seu dildo de carne não faz falta e é bem significativo você usar ele pra tentar inveja na lésbica.

Anônimo disse...

Raziel von Sophia Imbuzeiro disse...

E se o militante anônimo transfóbico por mesmo uma feminista radical lesbiana separatista transfóbica... Olha, eu tenho um DILDO DE CARNE e NÃ-O TE DO-Ô! Live with it.

6 de dezembro de 2012 23:57

_________________________________

Nem toda lésbica usa dildo-e se usa não quer dizer que quer um de carne-seu dildo de carne não faz falta e é bem significativo você usar ele pra tentar inveja na lésbica.



7 de dezembro de 2012 13:04



Esse trans misógino e altamente egocêntrico tá só tentando transferir seus sentimentos de inferioridade profundamente arraigados e projetar a inveja que sente das mulheres nas próprias. Típico. O melhor a fazer é desprezar, ignorá-lo, o que ele quer é chamar atenção, holofote. A menos que ele seja violento e cause algum mal real a mulheres - o que não seria incomum nem inesperado de jeito nenhum - daí ele deve ser sim observado e devidamente denunciado/parado.

Raziel von Sophia Imbuzeiro disse...

Até que estão mordendo bem hoje HUEHUEHUEHUEHUAHUAHUAHUA.



Pena que em grande parte essas "feminazis femistas transfóbicas" são sanctos low-tier disfarçados que a uns meses já tinham combinado se fingirem de "femistas pseudofeministas" para sujarem a imagem do pessoal.


Malz ae revelar o segredo de vocês, mas se vocês não tem nem coragem de fazer um perfil falso, não servem para brincar.
Vão fazer fio /baw/ na madrugada do bananal que vocês ganham mais.


Enjoem serem café com leite.

Anônimo disse...

Que horror! Ele descobriu meu disfarce. E agora quem poderá nos defender?! Tá bom, Raphael Imbuzeiro, ou qual quer que seja seu nome verdadeiro, eu sou um mascu sancto disfarçado de "feminazi femista transfóbica" (suas palavras, não minhas) tanto quanto você é uma mulher, não um tédio mortal.

Renata Damasio disse...

Priscila Boltão.. Eu também fiquei emocionada por demais.. História belissimaa

Anônimo disse...

Acordem, gente! Não existem "mulheres" trans! São HOMENS! Estupradores vis infiltrados para nos estuprar e ainda debocharem de nós usando NOSSAS roupas!
E no fim ainda querem NOS ensinar a sermos mulheres sendo mais machistas o possível tentando nos causar "inveja" com os elogios do Patriarcado!
São todos estupradores de saias e nunca mais serão mais que isso!

Anônimo disse...

Anônimo disse...
Acordem, gente! Não existem "mulheres" trans! São HOMENS! Estupradores vis infiltrados para nos estuprar e ainda debocharem de nós usando NOSSAS roupas!
E no fim ainda querem NOS ensinar a sermos mulheres sendo mais machistas o possível tentando nos causar "inveja" com os elogios do Patriarcado!
São todos estupradores de saias e nunca mais serão mais que isso!

7 de dezembro de 2012 21:01


não entendi o que você quis dizer com "tentando nos causar "inveja" com os elogios do Patriarcado!"

poderia desenvolver melhor esse pensamento? ficou muito confuso.

Mordred Paganini disse...

Anônimo disse...
Acordem, gente! Não existem "mulheres" trans! São HOMENS! Estupradores vis infiltrados para nos estuprar e ainda debocharem de nós usando NOSSAS roupas!
E no fim ainda querem NOS ensinar a sermos mulheres sendo mais machistas o possível tentando nos causar "inveja" com os elogios do Patriarcado!
São todos estupradores de saias e nunca mais serão mais que isso!

7 de dezembro de 2012 21:01

___________________________________

Mascuzão! Sem dúvida!

Mônica disse...

“ Eu não assinei nada. Se você assinou, problema seu.”

Ai, amiguinho, vc percebe a diferença entre dizer que uma coisa é um contrato e dizer que ela vem da ideia de contrato?

O contrato com a slelvageria do mercado vc assinou então? Me manda uma cópia!

“Não existe selvageria de mercado.”

HAHAHAHAHHAA! Rindo muito.

“O mercado é um processo de trocas e transações voluntárias.”

HAHAHAHAH! Voluntárias! HAHAHAHHAHA!

“ O mercado somos nós.”

O Estado também somos, nós, amiguinho.
O Estado são as pessoas. O mercado é uma máquina de destruir as pessoas.

“Eu, você, a Lola trocando e cooperando num sistema de divisão de trabalho, segundo as nossas habilidade individuais.”

Segundo nossas habilidades individuais? Essa parte é piadinha, né? Monopólio, cartel, mais valia, nada disso vai existir nesse teu mundo maravilhoso sem o Estado, né?

“Não são vocês querem voltar para as sociedades "poliamoristicas", quando não existia a família?”

Essa nem dá vontade de responder.... O que tu quer dizer por família?


"Estou me convencendo de que a coisa mais difícil e perigosa de se fazer é tentar mexer (nem que seja um pouquinho só) com os privilégios daqueles que têm muito(s)."
- Tá difícil mesmo. Ainda mais quando você usa a máquina estatal para assegurar os seus privilégios...
"Feministas agora reivindicam que o Estado (?) atenda aos seus caprichos (?) pessoais (?)."
Não são vocês que estão sempre pedindo para o Estado mais e mais proteção e regalias para as mulheres com a grana dos taxpayers?
"Ué, achei que a luta fosse por igualdade, por dignidade. Isso é capricho, né? Coisa boba. Quem é que vai querer ter isso?"
Igualdade? Violaram o princípio da igualdade perante a lei com leis que claramente favorecem as mulheres e você vem falar em igualdade? Vocês acham que a vida de uma mulher vale mais que a vida de um homem.

Vem cá, onde é que vc viveu a vida inteira para dizer uma coisa dessas, hein? Se eu tivesse que chutar, eu diria que numa bolha. Vc não deve ter sofrido nenhum tipo de preconceito na vida. Deve ter sido muito mimado pela tua família e ter tido tudo que quis o tempo todo. Caso contrário, não consigo entender esse tipo de pensamento.

De onde vc tirou essa ideia de que alguma feminista acha que a vida de uma mulher vale mais do que a de um homem? Sério, quem sabe vc tenta conversar com alguma(s) feminista(s) um pouco, tenta entender o que elas estão falando, aí vc vai ver que não é nada disso.

Com essa falta de solidariedade com grupo(s) historicamente oprimido(s), eu posso imaginar o tipo de sociedade sem Estado que vc quer ter. Uma sociedade em que o mais forte tem direito de oprimir o mais fraco o quanto quiser.

E ainda vem falar de escravidão. Vc não parece saber nem de longe o que é escravidão.

Anônimo disse...

Muitas feministas radicais criticam o conceito de transgênero por uma série de ângulos. Esta abordagem transcrítica critica a idéia, por exemplo, que:

- Um buraco em um corpo masculino pode ser uma vulva e vagina feminina, quando uma vulva e vagina são órgãos reais.

- Critica a medicalização do sofrimento e a "solução" oferecida pelas cirurgias e hormônios.

- Critica a falta de compreensão de que crianças e adultos estão todos sendo socializados para serem mulheres e homens e que isso impacta no nosso comportamento.

- Critica a idéia de que espaços só para mulheres deve ser aberto a homens que dizem que são mulheres.

- Critica o comportamento de algumas pessoas transgêneras e transativists individuais.

Estas são todas críticas válidas. Mas é importante observar que, em última análise, o feminismo radical e as teorias do transgenerismo estão em oposição. Como Sheila Jeffreys diz:

"A fim de apoiar o transgenerismo, gênero tem de ser apoiado. Assim, a subordinação das mulheres tem de ser apoiada para que o transgenerismo seja apoiado."

Como Catharine MacKinnon diz em Feminismo Não Modificado,

"Gênero é uma desigualdade de poder, um status social com base em quem é permitido fazer o que a quem".

Em outras palavras, os homens como a classe dominante são permitidos abusar e dominar as mulheres, a classe subalterna. Este é o verdadeiro significado do termo gênero. Gênero, em seu cerne, não é um binário ou um espectro. É uma hierarquia de desigualdade que justifica e permite o abuso e a dominação das mulheres pelos homens.

Assim, em seu cerne, o transgenerismo apoia o abuso e a dominação das mulheres pelos homens. E é por isso que as feministas radicais nunca poderão apoiar o conceito e as teorias do transgenerismo.

Anônimo disse...

Quem age como adolescentes miminados são vocês. Eu trabalho duro para conseguir o que quero e não vou pedir proteção e assistencialismo para o Estado com a grana dos contribuintes.

"O contrato com a slelvageria do mercado vc assinou então? Me manda uma cópia!"
- O contrato com mercado você pratica voluntariamente quando você vai a uma loja e decide o que vai comprar ou não comprar. Entende? Mercado, somos nós, eu e você trocando. Agora, eu não posso decidir se pago ou não os impostos.

"O Estado também somos, nós, amiguinho.
O Estado são as pessoas. O mercado é uma máquina de destruir as pessoas."
- Pelo contrário, o Estado é uma máquina de destruir pessoas. No livre mercado ninguém enfia um revolver na sua cabeça para obrigar você a comprar uma coisa. Pelo Estado, nós somos assaltados todos os dias. E é um assalto oficializado.
E ao menos que você detenha um alto cargo dentro do aparelho aparelho para afirmar que o Estado somos nós. O Estado é meia-dúzia de gente pilhando o resto da população.

"Segundo nossas habilidades individuais? Essa parte é piadinha, né? Monopólio, cartel, mais valia, nada disso vai existir nesse teu mundo maravilhoso sem o Estado, né?"
- Em pleno século XXI, alguém falando em mais-valia. E os atrasados somos nós, é claro. A mais-valia já foi mais do que refutada pelo Böhm-Bawerk, von Mises, George Reisman e Wladimir Kraus.
Quanto ao monopólio, o próprio Estado é um monopólio. Que contradição, hein! hehehe E cartel? Em um mercado genuinamente livre, irrestrito e desimpedido, não haveria cartéis. Cartel existe porque o Estado cria barreiras para a livre concorrência.

"De onde vc tirou essa ideia de que alguma feminista acha que a vida de uma mulher vale mais do que a de um homem?"
- Se não achassem, não defenderiam leis como a da Argentina, "femicídio". É como se a vida da mulher valesse mais do que a do homem.

"Com essa falta de solidariedade com grupo(s) historicamente oprimido(s), eu posso imaginar o tipo de sociedade sem Estado que vc quer ter. Uma sociedade em que o mais forte tem direito de oprimir o mais fraco o quanto quiser."
- Lei do mais forte ocorre hoje, onde os amigos do governo mais fortes usam da máquina estatal para favorecer seus interesses. Só um exemplo disso:

http://www.youtube.com/watch?v=iXiR0eyJrDs

Julia disse...

- Se não achassem, não defenderiam leis como a da Argentina, "femicídio". É como se a vida da mulher valesse mais do que a do homem.

-----------------

E o que vc acha que deveriam fazer em relação a todas aquelas mulheres assassinadas na Argentina? (Na Argentina se assassina muitas mulheres só por serem mulheres, viu gente. Se vcs pensam que no Brasil é ruim, a Argentina é MUITO pior.)
Tocar o foda-se, por exemplo? Não devem mover uma palha pra evitar essas mortes? Dê uma resposta sincera pra eu definir qual o seu grau de psicopatia.

Anônimo disse...

Pode argumentar o que quiser, mas aquela lei aprovada na Argentina viola eatamente o princípio da Igualdade que vocês izem defender. Vocês vivem dizendo que a mulher é tão ou até mais forte do que os homens, mas quando convém, vocês dizem o contrário: que as mulheres são mais frágeis, e que por isso merecem ser mais "protegidas"... Percebeu a contradição de vocês?

E desde quando nós voltamos à época em que o que importa é o grupo a que se pertence e não quem se é? Ser morto por alguém do próprio sexo é melhor do que ser morto por alguém do sexo oposto? Pessoas são indivíduos, não membros de grupos rivais...

Assassinadas só por serem mulheres? 80% das vítimas de homicídios são homens, vamos dizer então que são assassinados só por serem homens? E mulheres que são assassinadas por mulheres? O que você me diz de homens que matam mulheres pela namorada como vimos no caso daquele cara que matou aquela dançarina por causa da namorada? Não lembra deste caso? E o que você me diz de mulheres que assinam homens? Ou homens nunca são assassinados por mulheres? A vida do homem menos? É isso?

Raziel von Sophia Imbuzeiro disse...

Quando não apenas a Cena BDSM, mas a ala da "Supremacia Feminina" do BDSM se torna mais transinclusiva que algumas feministas...



... É porque tem algo de errado no Mundo!

Anônimo disse...

Pode argumentar o que quiser, mas aquela lei aprovada na Argentina viola exatamente o princípio da Igualdade que vocês dizem defender. Vocês vivem dizendo que a mulher é tão ou até mais forte do que os homens, mas quando convém, vocês dizem o contrário: que as mulheres são mais frágeis, e que por isso merecem ser mais "protegidas"... Percebeu a contradição de vocês?

E desde quando nós voltamos à época em que o que importa é o grupo a que se pertence e não quem se é? Ser morto por alguém do próprio sexo é melhor do que ser morto por alguém do sexo oposto? Pessoas são indivíduos, não membros de grupos rivais...

Assassinadas só por serem mulheres? 80% das vítimas de homicídios são homens, vamos dizer então que são assassinados só por serem homens? E mulheres que são assassinadas por mulheres? O que você me diz de homens que matam mulheres pela namorada como aquele cara que matou aquela dançarina por causa da namorada? E homens nunca são assassinados por mulheres? A vida do homem vale menos? É isso?

Mônica disse...

Julia,

recomendo não perder mais tempo respondendo o anônimo senhor oprimido pelo estado.

Como é que se vai argumentar com alguém que sinceramente acredita que todas as "trocas" do mercado são livres?

E acha que ele é o oprimido!

Ele deve estar dentro de uma bolha, só pode.

Deixa prá lá.

Raziel von Sophia Imbuzeiro disse...

Anon sobre a questão da Argentina,

Algo que ocorre em uma democracia é o seguinte: Não trabalha-se a longo prazo, e sim em blocos de quatro anos, mesmo que seja necessário no processo criar outros males que serão arrumados depois.

Um fato é: Na Argentina há uma epidemia de femicídio, na lógica política da democracia deve-se primeiro trabalhar esse problema "brutalmente", criando mesmo leis desiguais. Daqui a alguns quadriênios, caso essa lei gere problemas políticos em relação aos homens, é possível que seja revogada ou aprimorada.

De fato, infelizmente, a Democracia não é perfeita, mas a rotatividade de poder a torna mais segura que uma ditadura, mesmo que certos problemas sejam corrigidos quase sempre a curto prazo com suas consequências ignoradas.

Julia disse...

Tá certo, Mônica. Tá difícil mesmo. Não tenho paciência pra ficar explicando o básico do básico. Olha a quantidade de besteira que o mascu escreve em 11 linhas.

Cristina Bastos disse...

Você deu uma aula de como alguém, além de viver, escolhe viver e perpetuar a Matrix.
Se sabe disso, gostaria de entender razões.
Se ñão sabe, deixo aqui meu carinho, afinal me dei ao trabalho de escrever .