quinta-feira, 2 de agosto de 2012

A REPERCUSSÃO DO PROTESTO CONTRA NOVA SCHIN

Ontem publiquei um post sobre cultura de estupro, falando do caso da Prudence e, mais especificamente, do comercial hediondo da Nova Schin. Queria só comentar um pouquinho sobre a repercussão do post. O mais divertido até agora foi alguém escrever num vídeo do YouTube: "this video was linked in a popular brazilian communist-feminist blog".
O comercial me lembrou de uma frase de Barbara Kruger que vi aqui: "Toda violência é a ilustração de um estereótipo patético".
Faz todo sentido. O comercial da Nova Schin é uma violência contra a mulher, já que mostra abuso sexual como algo divertido e digno de confraternização entre amigo. E também é a ilustração de um estereótipo patético -- o de que homens são seres incontroláveis e brincalhões que não conseguem ver mulher sem pular em cima dela. Outro estereótipo, bem lembrado pelo Werner nos comentários (tem muito comentário excelente no post, só deixei alguns estúpidos pra provar o meu ponto de que a reação a textos sobre estupro é sempre a mesma), é o de que ver mulher nua em vestiário é brincadeira de menino. 
Ele faz uma pergunta interessante: "A fantasia de poder se tornar invisível e assim poder entrar no banheiro feminino é ideia de moleque. Num comercial de produto com alcool, ou seja direcionado a um público supostamente adulto. Pergunto, esse conteúdo decorre de uma infantilização do público adulto ou é indicativo de um direcionamento disfarçado a menores de idade no apelo publicitário?"
Os dois, certo? Infantilizar, ou melhor, imbecilizar os homens, é comum na mídia -- e, só pra deixar claro, isso nada tem de feminista. A última coisa que a maior parte das mulheres quer é ter que cuidar do parceiro como se ele fosse um bebezão. Mas também é comum da propaganda chamar a atenção das crianças, tentando assim fidelizar o consumidor. Quando é comercial de bebida alcoólica que faz isso, pior ainda.
Uma moça no Twitter (não vou identificá-la pra não expô-la e também porque não sei quem é) disse considerar falsa minha afirmação que o comercial faz apologia ao estupro. Segundo ela, o comercial objetifica as mulheres e "glorifica o assédio de rua". Mas, como os protagonistas não são modelos a ser seguidos e são apresentados como losers, "a 'apologia' se encerra no assédio de rua". E ela me critica por eu não saber diferenciar assédio de abuso. Nesse ponto eu fiquei confusa: ela estava falando do mesmo comercial do que eu?
Pra começar, eu não acho que a peça necessariamente objetifica as mulheres (prometo falar sobre objetificação em breve, noutro post), mas, se objetifica, este nem de longe é seu maior defeito. Segundo, o comercial não glorifica o assédio. Pelo contrário, ele mostra que assédio -- que só acontece no final, quando um dos amigos vai falar com duas jovens, que ignoram sua presença -- não funciona, e que o único jeito desses caras pegar mulher (pegar literalmente) é sem o consentimento delas, possivelmente através de violência (afinal, não vemos o que ocorre dentro do vestiário; vemos apenas as mulheres saindo correndo, aterrorizadas). 
Os amigos, ou pelo menos um deles, é pintado como fracassado. Mas não por querer ficar invisível e atacar mulheres. A parte em que eles se tornam invisíveis não é criticada pelo comercial. É o oposto: essa fantasia é elogiada e vista como o desejo de todos os homens (não de mulheres -- mulher não sonha em ter superpoderes. Pô, mulher nem bebe cerveja, a julgar pelos comerciais de cerveja). 
A leitora ainda escreveu: "vamos consultar o houaiss antes de encher a boca. Assédio é uma coisa, abuso é outra. Grata". É meio pedante mandar galera ler dicionário, principalmente quando a pessoa não faz ideia dos termos que quer definir. O comercial da Nova Schin só trata de assédio no fim. No resto do tempo, é abuso mesmo. Ou a leitora acha que bolinar mulheres (no mínimo! Não sabemos o que os homens invisíveis fazem dentro do vestiário) é assédio? Pela lei de 2009, é estupro.
Percebo que muita gente não entende bem o que é incentivo à violência ou apologia ao estupro. Desconfio que seja o mesmo pessoal que ache que racismo não é chamar um negro de macaco -- racismo seria apenas quando se espanca ou lincha um negro (tipo Ku Klux Klan). É o mesmo pessoal que acha que homofobia não é expulsar um casal gay que troca carinhos numa lanchonete -- homofobia seria apenas espancar esse casal. É o mesmo pessoal que acha que piada de "estuprador não merece cadeia, merece um abraço" não é misoginia -- misoginia seria matar uma mulher (nem espancar nem estuprar mulher conta como misoginia nos livros dessa gente). 
Por essa lógica, pro comercial da Nova Schin fazer apologia ao estupro, ele teria que tornar os caras invisíveis e fazê-los sair por aí violentando mulheres. Só beijar e apalpar corpos que não lhe pertencem não configura estupro, de acordo com o senso comum -- e dane-se o que diz a lei! Bom, gente, desculpe, mas tenho más novas pra vocês. Apologia ao estupro não é (só) motivar um cara a cometer estupro. É contribuir com a cultura de estupro de forma geral. É representar bolinar mulheres como uma grande diversão. É negar que isso seja estupro. É incentivar que um monte de cretinos deixe comentários dizendo "Se eu fosse invisível, faria isso também, êêê!". É banalizar o estupro como se fosse uma brincadeira de garotos pra cima de mocinhas mal humoradas que só estão fazendo charminho. 
Fico feliz que meu post esteja animando tanta gente a protestar. A UOL já noticiou a movimentação em sua primeira página. Estamos usando a hashtag #NovaSchinIncentivaEstupro no Twitter. O órgão que auto-regulamenta a propaganda no Brasil, o Conar, já havia recusado pedido contra o comercial. Mas acho que vale a pena continuar tentando (se bem que o Conar é corporativista e raramente acha alguma propaganda ofensiva). Podemos também escrever para ouvidoria@spmulheres.gov.br , e enviar mensagens para o twitter e facebook da marca. Tem uma página no FB pra dar munição. O fato é que já estamos mostrando nossa força e visibilidade. E vamos boicotar a Nova Schin. Mas aí temos um probleminha:
De todo modo... Retroceder nunca, render-se jamais. Quem tem que se render é a propaganda preconceituosa. 


 

188 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns Lola.
Graças a grandes brasileiras como você este país não emperra no machismo arcaico e atrasado de alguns(as) brasileiros(as).
Boicote a todo produto que tratar mulher como objeto ou como inferior ao homem!
Chega de misognia barata! Viva os brasileiro e brasileiras que melhoram este país, e você é uma delas!

Sawl

nina disse...

A maioria dos comentários dizendo que 'não tem nada de mais, é brincadeira' é (surprise, surprise!) de homens.
E o restante, de quem não entendeu o que é cultura do estupro. Mas Lola - e todo mundo que está insistindo nessa luta: obrigada por nos incentivar a continuar lutando.

Eu denunciei a propaganda no site do Conar. Com mais queixas, não é possível que vão continuar ignorando.
Protestar é o caminho.

Eva disse...

Centenas de comentários no Uol, falando que quem critica a Nova Schin está procurando pelo em ovo, tempo de sobra etc. 99% de: homens. Isso só reafirma a certeza de que essa luta é mais do que necessária.

Anônimo disse...

que esse blog tem força ninguém pode negar

Helena disse...

Acho que foi porque proibiram as propagandas de cerveja de mostrar as pessoas bebendo. Os publicitários tiveram que ser "criativos" e botar os protagonistas fazendo outras coisas. Quem sabe um dia desses a gente não vê uma mesa de bar animada jogando roleta russa?

Iara De Dupont disse...

Eu vi alguns comentários no twitter e no Uol e vou ser sincera.Quando um homem aparece por lá e defende a propaganda não me surpreende,de tão acostumada que estou a reações ignorantes de `alguns homens´.Mas quando leio comentários de mulheres,e li alguns,defendendo o comercial meu coração se quebra.Que uma mulher não veja a violência,que ela mesma conhece,porque não existe mulher neste mundo que nunca tenha se sentido constrangida diante de algum comportamento inadequado de alguém,bom,nessas horas quero sumir.Sempre falo isso,machismo de homem é assustador,mas quando vem de mulher é o aviso dos maias,o mundo vai acabar mesmo.E sou rigída nisso,sou cabeça fechada,não aceito machismo de mulher,não aceito uma mulher que defenda a cultura do estupro,parece ao meu ver alguém desesperada por ser aceita pelo Clube do Bolinha.Enfim...

Nyckynha disse...

Machismo tem que ser pisado e vamos continuar pisando.Essa é a minha diversao diaria.

Luciana disse...

Parabéns Lola. Comentei aqui mas acho q não foi. Fiquei mto feliz de ver inclusive a adesão das pessoas e isto mostra q o mais gente esta mudando seu modo de ver as coisas. Estamos contribuindo p q não se banalize comportamentos machistas q qse sempre passam como brincadeirinhas. E fico feliz qdo mulheres passam tbem a entender isto. Como vc disse : nao desistir jamais!

Patty Kirsche disse...

Puxa, felizmente nem vi essa propaganda... Sabe, eu não vejo TV... Mas pelo que eu li aqui, um elemento invisível entra no vestiário feminino e se aproveita das garotas. Que horror...

E cada vez que a gente fala sobre cultura de estupro, o pessoal chama a gente de feminista chata.

Outro dia, estava falando com minha analista sobre uma vez em que sofri uma ameaça de estupro. O elemento falou: "Será que vou ter que mostrar meu pau pra vc chupar, sua cadela?" E minha analista perguntou: "Por que tomar isso como uma ameaça de estupro? É uma agressão certamente, mas ameaça de estupro?". Bem, eu acho que foi uma ameaça de sexo oral forçado.

Mayra Carvalho disse...

muito bom lola!
ontem comentei sobre um comercial que achei que era de carro, mas vi hoje de novo e pasmei, era de cerveja tb! não tem jeito... é um pior que o outro.

a parte boa da história é que mobilização na internet pode sim tirar comercial do ar ou, no mínimo, fazer a empresa se retratar. o caminho é esse mesmo e tomara que daqui um tempo aconteça o mesmo o que aconteceu com as propagandas de cigarro: extintas da tv.
parabéns lola!

Ana Carolina disse...

Tem um assunto que você tangenciou no post (irretocável) e que já abordou antes aqui no blog, mas que é uma reflexão que acho legal abordar: a infantilização do masculino. Os homens são eternos garotões que fazem "brincadeiras" dignas da pré-adolescência (mas que são incompatíveis com a idade adulta), são sempre demonstrados como incapazes e desajeitados, incompatíveis com o mundo adulto. Um dos horrores machistas que me lembro de minha família é a de mulheres fazerem prato para os homens. Lembro-me até hoje de virar para minha avó e me recusar até com violência a fazer o prato de um primo: pegue sozinho. É como se os homens fossem tratados como eternas crianças imaturas - e mesmo um Rafinha Bastos da vida e suas piadinhas cretinas referendam essa posição. É como se para os homens a adolescência fosse esperada por toda vida, como se fossem permitidas as traquinagens de infância e o amadurecimento negado. E penso que homens também devem se emponderar contra essa infantilização e o quanto o papel do homem também faz parte do feminismo.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

"Por essa lógica, pro comercial da Nova Schin fazer apologia ao estupro, ele teria que tornar os caras invisíveis e fazê-los sair por aí violentando mulheres. Só beijar e apalpar corpos que não lhe pertencem não configura estupro, de acordo com o senso comum -- e dane-se o que diz a lei!"

Acredito que muita gente é refém de estereótipos e do senso comum.
Um rapaz feio e mal encarado que se esconde no beco escuro pronto pra agarrar ou apalpar uma mulher contra a vontade dela é um abusador. Um rapaz de boa aparência, rindo e brincando com os amigos à luz do dia, mas pronto pra agarrar uma mulher contra a vontade dela não é visto como tal. Só que eles fazem exatamente a mesma coisa.
E no segundo caso, ainda me parece pior, porque é como se a mulher fosse abusada duas vezes, primeiro pelo abuso em si, depois por quererem transformar o abuso em piada.

MCarolina disse...

Eu estava lendo os comentários lá e são surreais. Um bando de machistas desocupados dizendo que ser feminista é falta de ter o que fazer. É assustador como tanta gente vive e dissemina a cultura do estupro, acha que tudo é uma saudável brincadeira. Bom, graças a esse povinho temos que protestar mais e mais.

Anônimo disse...

sobre a historia do homem invisivel confessa vai se não ouvesse punição voce ia sair matando os homens como a tua mestra solanas propos.

Josiane Caetano disse...

E não é que apareceu alguém querendo rebater o seu texto perfeito de ontem? Caramba, isto parece uma piada. Por que as pessoas não conseguem enxergar o óbvio até mesmo quando ele é tão bem explicado?

Anônimo disse...

Mandou bem Lola... Estamos vivendo uma espécie de "Vale tudo" entre as agências pra conquistar os consumidores. Peraí né gente... até MMA tem regras e não vale golpe baixo como este!

Carlos disse...

Sou super fã de fórmula 1. Tive a satisfação de ir a quase todos os circuitos do mundo. E justo quando assisto pela TV no Brasil me aparece esta peça infeliz da citada cerveja nos intervalos. Dá-lhe "mute" ou zap no canal pelo tempo que esta droga ocupa a tela +- 30s. Tinha que existir um filtro, tipo anti-spam para que pérolas como esta pudessem ser barradas automaticamente...

V disse...

É típico de criminosos, querer cometer atos sem ser visto e sem deixar rastros

Madeleine Muller disse...

Comercial de cerveja é tudo igual,parece que a agência de todos é a mesma, sempre com esses clichezões machistas...argh,tenho nojo, acho que por isso nem bebo..viva o boicote!

Marta SP disse...

Só posso dizer: muito contente com a mobilização das mulheres contra a propaganda Estamos no caminho certo
Obrigada pelo post Lola !

Anônimo disse...

O grande problema é esta mentalidade século XXI que a população adquiriu principalmente com a popularização da internet. Sou totalmente contra o feminismo, pra mim feminista tinha que ir pra cadeia. E eu penso a mesma coisa com machistas. Falando vulgarmente: feministas e machistas tinham que ser presos e levar uma surra de pau pra aprenderem que todos somos seres humanos e temos os mesmos direitos e deveres. O comercial foi inofensivo, como tantos outros que já passaram. Comerciais de cerveja sempre foram ruins e todo esse debate foi infeliz e sem nexo. SEXISMO NÃO!

Rodrigo Souza disse...

Me pergunto se aqueles homens que dizem alegremente que tem coisa melhor para se protestar, se fossem assediado na praia em mesma intensidade vetorial (digamos, um cara que tenha achado você interessante e, dotado do dom da invisibilidade, abaixa seus calções para ver o que você dobra pro lado). Você compraria uma cerveja que se vende sob esses auspícios?

Imaginei que não.

Anônimo disse...

23:38 Você está redondamente equivocado em que o anúncio foi inofensivo. De qq maneira Lola deu-lhe espaço para seu protesto bastante agressivo e espero que isso te safisfaça e vc durma bem e não retorne aqui amanhã a menos que seja para desculpar-se. O post alcançou o objetivo que nós mulheres esperávamos e a campanha via twitter está indo muito bem. A Nova Schin vai aprender. Espero. Esperamos.

Anônimo disse...

Outro dia voltando do curso de menor aprendiz um rapaz empurrou a ponta do seu o gurda-chuva na bunda de uma amiga minha, e saiu rindo. Então,a moça foi falar com a coordenadora, que disse: Se ocorrer mais uma vez nós falamos com ele.
Enquanto achamos aceitável um jovem cometer esse tipo de atitude estamos incentivando para que ele cresça e intensifique suas agressões. Eu e minha amiga ficamos indignadas, mas nada adiantou, para evitar problemas a coordenadora simplesmente relevou a atitude do rapaz. Isso me preocupa muito.

Anônimo disse...

Anônimo 23h38, vai se informar antes de falar besteira. O feminismo não prega a superioridade das mulheres, ao contrário do machismo. Então sua premissa de que feministas devem ser espancadas porque "somos todos seres humanos" cai por terra. Idiota.

Ana Carolina disse...

Anônimo das 23:38: você realmente conhece o feminismo e sabe pelo que ele luta ou quais questões de debate ele levanta antes de sair vomitando abobrinhas?

simone disse...

Pra mim está bem claro que quem está tão incomodado com o protesto, é porque está acostumado a fazer esse tipo de coisa, então quer acreditar a todo custo que é algo banal pra não ver a si mesmo como um abusador ou porque está com medo de fazer isso novamente e sofrer algum tipo de represália.
Mais um motivo pra ignorarmos esse pessoal e continuarmos espalhando o protesto.

Andre disse...

Creio que estamos exagerando, não é porque alguém viu um comercial assim que vai sair estuprando. É uma peça, uma ficção, mexe com o imaginário masculino, aquela idéia adolescente de sair mexendo com os outros sem ser notado. Pura imaginação. Quem gostou ve e compra, quem não gostou não. Simples.
Já não podemos fazer piada de gay, de preto, de judeu, de retardado, de deficiente, de mulher.
Gente, a sociedade não está assim por causa das piadas, mas por causa de educação. Sério, tá ficando muito chato o Brasil.

Siena disse...

Só pra dizer que além de feminista luto pelo direito dos animais.Já trabalhei com crianças com cancer, já ajudei criança de rua, entre outras coisas.
Sou feminista e acima de tudo luto pela vida e pelo respeito, seja por uma mulher, criança, homem ou animal não humano.
Cansa ver esse pessoal que NÃO FAZ NADA ficar apontando o dedo pra feminista sem saber ao menos o que a causa defente e o que as feministas fazem.
Vc não sabe da vida de todas essas mulheres feministas, vc não sabe se além de lutar por seus direitos elas também não lutam e fazem pelos outros.
Ser feminista vai muito além de reclamar de propagando, mas é reclamando de propagando que a gente começa a mudar a mentalidade dessa sociedade machista e burra.
Vc ta reclamando que a gente ta exigindo respeito e ta provando mais ainda que devemos mesmo é lutar por respeito, por existirem pessoas como vc.

Siena disse...

@Andre
o Brasil ta ficando chato pq quem sempre foi oprimido ta tendo voz. Que fiquei mais chato então!
Antes ser chato e tratar todos como iguais do que ser legal e ser um ignorante preconceituoso que acha graça em ofender os outros.

Rosanna Andrade disse...

Nossa, Andre, realmente o Brasil ta ficando muito chato... nem da mais pra despejar seus preconceitos em publico sem q ngm reclame!

Lembre-se que o q pra vc eh so uma piada, para quem eh o "alvo" dela em varias vezes machuca, e muito! Sua liberdade de expressao nao eh maior do que o direito de todos terem respeitada sua dignidade humana.

Letícia Rodrigues disse...

"Creio que estamos exagerando, não é porque alguém viu um comercial assim que vai sair estuprando."

Creio que tem muita gente comentando sem ter lido o post, pq a Lola não disse que alguém pode sair estuprando só pq viu o comercial. Ela disse que o comercial contribui para a perpetuação de uma cultura na qual esse tipo de comportamento é considerado aceitável.

Quanto mais aceitável um comportamento é considerado, mas comum ele se torna. Quanto mais condenado pela sociedade, mais raro ele se torna.

É por isso que é comum que homens passem a mão na bunda de mulheres que nunca viram em shows ou boates, ou que encochem desconhecidas em transportes públicos - pq a sociedade não considera que isso seja tão grave.

Nunca ouvimos falar em homens encochando outros homens no metrô, pq isso sim a sociedade consideraria um absurdo.

A frequência com que estes abusos são retratados como brincadeira na mídia contribui para que estes continuem sendo vistos como algo que não é tão grave. A propaganda em questão é mais uma para o pacote.

Jacqueline Magalhães disse...

Lola, sou leitora assídua do seu blog e vez em quando deixo minhas palavras aqui. Antes de uma sugestão que farei, queria parabenizá-la por seus textos que, cada vez mais, vem trazendo força à luta feminina por uma vida mais justa - e livre.

Agora, uma coisa que tem me irritado extremamente e acho que seria importante você falar a respeito, é a onda de "musificação" das atletas olímpicas nos grandes portais de "notícia": as esportistas são captadas em poses sensuais durante seu participação no torneio e, depois, são postas à votação da audiência para saber quem é a mais "gata". Um absurdo, não?

Anônimo disse...

Andre disse...
. . . Já não podemos fazer piada de gay, de preto, de judeu, de retardado, de deficiente, de mulher. Gente, a sociedade não está assim por causa das piadas, mas por causa de educação. Sério, tá ficando muito chato o Brasil.
3 de agosto de 2012 00:34

e saiba vc que quem colaborou muito para piadas de mal gosto contra algum segmento social se proliferarem foram dois escritores brasileiros - um foi o autor de Macunaíma e outro foi Monteiro Lobato qdo criou o tal do Jeca Tatu. Naquele tempo não houve freio, mas hoje a informática mudou o mundo.

Anônimo disse...

Amndre, tá ficando muito chato o Brasil? Experimente Cuba, a ilha... antes que vc pense que me refiro a cuba-libre, bebida.

Anônimo disse...

Andre, tu acha que as piadas surgem da onde? E se pessoas se sentem agredidas, não é piada, meu caro.

Vivian disse...

Denunciem para a Promotoria de Justiça do Consumidor - pjconscap@mp.sp.gov.br - pedindo a instauração de inquérito civil.

Vivian disse...

Andre,

Já não podemos fazer piada de gay, de preto, de judeu, de retardado, de deficiente, de mulher.

ÓTIMO!
Eu não coloco meu senso de humor acima do bem estar de NENHUMA pessoa!
Minhas risadas não dependem disso!

Lamentável quem coloca sua vontade de rir acima da dignidade dos outros.

Eu posso muito bem ficar sem uma piada ou duas por dia, por que você acha que vai morrer por isso?

Sinceramente, qual é o futuro que você quer para esse país? Que todos tenham direitos iguais ou que esse seja o PAÍS DA PIADA? Qual é a sua causa? É pelo direito de rir que você luta?

Mudamos nossa bandeira? Não poder rir de algo é o que CHOCA as pessoas agora?

Isso diz bem mais sobre você do que tu pensa.

yulia2 disse...

o pior é que essa propaganda está passando a bastante tempo na tv!!!
todos os dias na bandeirantes...

yulia2 disse...

o pior é que essa propaganda passa na tv a bastante tempo... a rede bandeirantes.

''Creio que estamos exagerando, não é porque alguém viu um comercial assim que vai sair estuprando. ''


ELA naturaliza e trata o abuso sexual como se fosse divertido e banal. Tem que ser tirado do ar SIM! È uma propaganda que passa a luz do dia, crianças assistem esse comercial caso não saiba.
Vc acha exagero, claro, vc não é a PARTE ATACADA!
O dia em que fizerem ''piadas'' grotescas com homem branco hetero.. talvez vc tenha um pouco de noção contra o que estamos lutando!

yulia2 disse...

''Outro dia voltando do curso de menor aprendiz um rapaz empurrou a ponta do seu o gurda-chuva na bunda de uma amiga minha, e saiu rindo.''

esse é o tipico público alvo das propagandas nojentas feito a nova schin...
tendencia ao abuso já mostrou que tem....ai ele ve essa propaganda , acha perfeitamente normal e natural...

''Sou totalmente contra o feminismo, pra mim feminista tinha que ir pra cadeia.''

HAHA... é mesmo??? e qual seria o crime?
quem levou surra de pau foi vc e na cabeça pra falar tamanha M***da.

''E sou rigída nisso,sou cabeça fechada,não aceito machismo de mulher,não aceito uma mulher que defenda a cultura do estupro,parece ao meu ver alguém desesperada por ser aceita pelo Clube do Bolinha.Enfim...''

Mulher desesperada , com baixa autoestima a esse ponto de se rastejar e mendigar aceitação desses lixos machistóides é demais para o meu estomago. Da vontade de vomitar, literalmente....

yulia2 disse...

Centenas de comentários no Uol, falando que quem critica a Nova Schin está procurando pelo em ovo, tempo de sobra etc. 99% de: homens. Isso só reafirma a certeza de que essa luta é mais do que necessária.
_______________
estuprador defende estuprador....
fazer o que?
não que os defensores já tenham estuprado... mas SONHAM ou já sonharam em fazer isso...

vivian disse...

LOLA SUA LINDA!!!!!!!!!!!!!

vc me ajudou a evoluir muito, e com certeza a muitas pessoas.

lendo alguns comentários me dei conta de que tenho que agradecer a quem se dedica tanto a nos ensinar ^^

vc melhora nosso país!

Julia disse...

ô André.
Não dá mais pra ser preconceituoso nesse país, né?
Nem comercial com homens marotos arrancado biquinis de mulheres passa despercebido mais. Que chatice. Vamos bolar umas piadinhas de homem branco hétero pra vc se sentir incluído, tá?
Faz assim, se muda daqui. Paga uma passagem só de ida para PQP.

Paula disse...

André, o Brasil sempre foi chato. Só que a agora os setores incomodados começaram a reclamar.

A piada não é causa de agressão. É ambos uma agressão verbal e um reflexo de uma cultura estabelecida.

Se no lugares dos caras fossem um gays do tipo "negão 2x2" e no lugar das mulheres homens como vc. E em TODOS os comerciais a realidade fosse essa. Vc tb acharia inofensivo? Ou a empatia é uma arte que vc não domina??

Joana disse...

Andre, você, no alto da sua posição de privilegiado, se lamenta por não poder fazer piadas com grupos oprimidos.
Esses grupos não podem muitas coisas. Não podem demonstrar carinho entre eles (no caso dos homossexuais), não podem sair sozinhas nas ruas à noite (mulheres), não podem viver normalmente sem que alguém os diga inferiores por uma coisa besta que é só a cor (no caso dos negros).
A sua única falta de liberdade é perder o assunto da piada (que provavelmente nem era boa mesmo), e você acha uma injustiça com... você?
Jura?

aiaiai disse...

Andre,

tá achando chato o brasil? vá para outro país. Tente a Arábia Saudita. E boa viagem.

Parabéns Lola e demais mulheres e homens que entraram no protesto. Machismo na publicidade: já deu!

Bruna B. disse...

Andre, racista/homofóbico/misógino (UAU, é o combo do preconceito)

Outro homem fazendo o que os machistas sabem de melhor: falando besteira e defendendo sua cultura nojenta.

Já explicamos mil vezes, ô babaca, mas vou repetir, porque hoje acordei com 285448 sacos de paciência:
Não estamos dizendo que alguém vai assistir o comercial e sair estuprando, o que acontece no comercial é APOLOGIA (procure no dicionário, gênio) e apologia significa elogio, ou seja, ele mantém vigente o pensamento de que mulher é um pedaço de carne feito para o deleite dos homens, de que mulher não tem direito à autonomia sobre seu próprio corpo. Entendeu?

Por que diabos os homens têm a fantasia de sair por aí cometendo crimes (sim, porque mexer com alguém, abusar, no caso, é um crime) sem serem notados? Quando vocês vão crescer?


Na boa, vá pro diabo que te carregue, asno inútil.

Anônimo disse...

or essa lógica, pro comercial da Nova Schin fazer apologia ao estupro, ele teria que tornar os caras invisíveis e fazê-los sair por aí violentando mulheres. Só beijar e apalpar corpos que não lhe pertencem não configura estupro, de acordo com o senso comum -- e dane-se o que diz a lei! Bom, gente, desculpe, mas tenho más novas pra vocês." - Não é senso comum, é que um grupinho de histéricas loucas redefiniu o sentido de estupro. Segundo o oicionário feminista, estupro é tirar a roupa, estupro é passar a mão e não vai demorar o momento em que estupro será só o fato de olhar pra uma mulher e ela não gostar... Estupro é PENETRAÇÃO FORÇADA. Essa é a Verdade. O resto é distorção do sentido original da palavra...

Anônimo disse...

"Um rapaz feio e mal encarado que se esconde no beco escuro pronto pra agarrar ou apalpar uma mulher contra a vontade dela é um abusador. Um rapaz de boa aparência, rindo e brincando com os amigos à luz do dia, mas pronto pra agarrar uma mulher contra a vontade dela não é visto como tal."
- Não tô dizendo? Vai chegar o dia em que um homem olhar pra uma mulher e ela não gostar, será estupro. Quer dier, se o cara ali com amigos, só rindo, sem nem ao menos tocar numa mulher, só de falar que tal mulher é gostosa e olhar pra ela, pronto, é estupro. Tão distorcendo totalmente o sentido da palavra estupro...

Carla Santos disse...

O lance de infantilizar o homem é um recurso muito utilizado em propaganda para incentivar o consumo, pois crianças teoricamente não tem noção do que é supérfluo, segundo Chomsky em "10 estratégias de manipulação midiática"
Quando ao vídeo tosco, já denunciei.

Anônimo disse...

Lola, sugeri anteriormente que você desse uma conferida nesse blog, para saber sua opinião a respeito.

http://www.manualdocafajeste.com/

O que me espanta nele e a quantidade de visitações e o público feminino, de várias idades, que participa nos comentários. Acho que é de se chamar MUITO a atenção sobre o discurso, as opiniões do grupo de homens que lá escreve e como é assustador ver que muitas jovens, muitas mulheres que "percebem que tem alguma coisa bem errada" no que elas vivenciam sendo mulheres nessa sociedade e o tipo de opinião que esses autores emitem no site, formando opinião de suas leitoras (penso que, de um modo que compactua com tudo que penso ser contra a mulher. Fico assustada como é fácil comprar esse tipo de discurso, de como a mulher deve ser a fim de conquistar um homem que vale a pena, como ela deve se comportar para não ser tratada como objeto, de modo a exercer sua função na sociedade, na relação heterossexual, seguindo a cartilha que esses rapazes ditam no blog.
E muitas mulheres, acabam caindo nesse discurso e levantando a bandeira da misoginia. Muitas mulheres que lá comentam compartilham da opinião que não é possível ser amiga de homem, muito menos de mulher, que sempre disputa entre si um homem, etc, etc (são muitos os exemplos). Se puder, Lola, gostaria que você conferisse e expressasse sua opinião a respeito.

brujeria disse...

será que o comercial da BOMBRIL como adestrar seu marido foi combatido assim ?

Daia Michaelsen Mergener disse...

Vamos insistir pela retratação,não aceitamos nada que for menor a isto!

Anônimo disse...

Eu acho que comercial ,tem que ser visto como um simples comercial, novela como simples novela, filmes americanos como simples filme, pois se tudo e descriminação é apelativo ou tem violencia , for proibido , então não vai passar mais nada, exemplo, um comercial que passe uma tremenda mulher, e um cara de carrão novo, é descriminação pois nem todo mundo ganha igual ao Neymar.

Anita disse...

Nossa, o Brasil está muito chato! Não se pode mais ser racista, homofóbico, misógino! Que isso!!! Precisamos discriminar para poder rir um pouco!!!! Humor não existe sem preconceito!

(adoro o discurso dos politicamente incorretos descoladex e injustiçados!)

Erres Errantes disse...

No site da Uol há uma série de comentários menosprezando a mobilização com a propaganda, dizendo que "isso é falta do que fazer" e que deveríamos nos preocupar "com coisas mais importantes". Agora, eu quero saber o que essas pessoas que criticam nossa mobilização têm feito de tão mais importante, urgente e necessário para o nsso país. Fico indignada com esse pessoal que não faz p*rra nenhuma criticar os outros que lutam. Essa ideia de que "temos coisas mais importantes para nos preocupar" é tão vaga que se reduz a uma mera desculpa de quem não faz absolutamente nada nunca sair da acomodação.

Bruna disse...

Olá Lola!!
Hoje na aula de francês a professora mostrou uma reportagem de uma estudante de cinema belga, Sofie Peeters, que fez um documentário gravando todas as ofensas que ela tem que aguentar todos os dias no seu quartier.
Esse vídeo criou muita polêmica por lé e agora, devido à esse trabalho foi criada uma lei em Bruxelas que começa a valer em setembro visando processar os agressores com multas administrativas em caso de insultos. Já é um começo!!

É claro, dois rapazes da classe disseram que isso é um exagero, durante a discussão sobre o assunto na classe!! E que eles não fazem a mesma coisa, mas acham engraçado...

Bom, o nome do documentário é "Femmes de rue", não encontrei completo em nenhum lugar, apenas uma pequena parte :

http://www.youtube.com/watch?v=YVXc2o5shto

Um abraço!!
Bruna

Fernanda disse...

Poxa, Andre, engraçado, a gente fala de piada de gay, de negro, de judeu, de mulher, de loira, mas nunca tem de homem branco e hetero, por que será? Esse comercial não é humor, é uma banalização sem graça de homens tocando mulheres sem consentimento. Isso é engraçado pra você?

Marcia disse...

Vou perder um tempinho aqui pq sei q não vai aprovar meu comentário, mas é para a senhora ler mesmo, olha, é ridículo isso que está fazendo, a propaganda não tem nada de mais, porque não se preocupa com o julgamento do mensalão, por exemplo, isso sim é um assunto que deve ser chamada a atenção da opinião pública, quem comete violência sexual comete por pura falta de caráter e não por ver uma propaganda na TV. Pare de procurar pelo em ovo e que tal procurar um assunto que realmente seja interessante hein, que tal??? Abraço

Lou Sevla disse...

Não passa mais comercial de cigarro na TV brasileira, pq não proibir os comerciais de cerveja e outras bebidas alcoolicas?

E o problema, caro André, é que esse tipo de propaganda naturaliza a violência contra a mulher, endossa a ideia de que é normal tocar o corpo de uma mulher sem o seu consentimento. E passa, inclusive, uma péssima ideia sobre os próprios homens: a de que eles queriam abusar de mulheres sem serem identificados. É o tipo de propaganda que tem alcance nacional e, sinceramente, já está mais do que na hora de a publicidade brasileira começar a fazer propaganda de qualidade, sem discurso de ódio, sem naturalização de violência, sexismo e racismo.

Anônimo disse...

Andre, chato é você. Você que gosta de rir as custas da desgraça alheia, você que é o chato. Por favor, me diga um defeito seu e vire alvo de bullying, depois volte aqui e diga a mesma coisa que você disse acima. As mulheres não gostam de serem cutucadas contra a vontade.

Carol disse...

Volte pro seu buraco Andre

Mihh disse...

Andre,

Talvez você devesse repensar o porquê de fazer questão de poder continuar a fazer piadas que ofendem pessoas. Sério que o mundo vai ser um lugar mais chato porque você não vai mais ter o direito de cometer ofensas gratuitas?
Acho que está na hora de pensar o valor que ofender as pessoas tem para você.
Parafraseando os tolinhos da internet: com tanto corrupto e criminoso por aí, por que ofender pessoas comuns?

Paulo Henrique disse...

"Já não podemos fazer piada de gay, de preto, de judeu, de retardado, de deficiente, de mulher. "

Traduzindo: Já não podemos destilar nosso preconceito e machismo imundo contra grupos minoritários,snif.

Vá se fuder seu babaca,o Brasil ta caminhando pra algo melhor,com muita luta e você faz o que pra melhorar o seu país? Fica aí dando uma de classe média sofre e vem com esse papo Rafinha bastos feelings de que não pode fazer piada de "preto,de gay,de mulher",porque não faz piada de brancos,cristãos e heterossexuais? Ah sim,esqueci que esse grupo é o mais reaça e a bíblia sagrada é a Veja.

MCarolina disse...

Esse comentário do André é interessante porque uns 90% dos comentários no UOL eram assim. Homens dizendo que não vão sair estuprando por causa do comercial, que não são estupradores etc, fugindo da questão e querendo minimizar a situação. Por lá vemos que muitos homens e também mulheres não tem absolutamente nenhuma empatia com vítimas de violência (de qualquer nível) e nenhum interesse em que isso acabe. Pior, reclamam de não poder mais atacar grupos oprimidos, como gays e mulheres, que tem altas taxas de agressão e mortandade.
Dizem que não agridem mas compactuam com os agressores. Dizem que não estupram e disseminam a cultura do estupro. Para mim essas pessoas estão a um passo de agredir e abusar, por não verem nada de errado nisso.

Simone Aragao disse...

As diferenças entre homens e mulheres existem e são claras, só um ignorante não percebe, como também só ignorantes não sabem que a mulher nunca foi submissa pq acreditasse que tinha que ser assim e sim porque o homem usou o seu atributo físico para subjugar as mulheres como ainda ocorre no reino animal irracional. Eu não gosto quando vejo esse tipo de propaganda ser veiculada de forma tão descarada. O assunto é extenso, mas não deve deixar de ser dito e ninguém deveria se cansar de defendê-lo, aliás, no mundo de hoje, nõa deveríamos mais ter que defender esse tipo de coisa o que me chegar a conclusão que no fundo as mulheres evoluíram mais do que os homens.

Carol M disse...

Quem se incomoda com o manifesto são exatamente os crianções idiotas, que não querem seu direito de ser imbecil ameaçado. Veja só, se todo mundo começar a achar abuso contra mulher reprovável em qq situação eles serão obrigados a amadurecer e agir feito gente, que terrível não?

Luiz Prata disse...

Anônimo das 08:22, do dia 3: Informe-se melhor sobre a atualização da lei sobre estupro, cuja definição vai além de "apenas penetração forçada". A Lola e outros já citaram a atual definição do artigo de lei. Pesquise antes de postar equívocos.

É preocupante quando um comercial acha "divertido" esse tipo de situação, até porque, como já foi dito, as mulheres aparecem com medo, ou seja, não há nenhuma empatia com os sentimentos delas.
Sinceramente, o pior e mais imbecil comercial de cerveja dos últimos tempos.

Sil Teixeira disse...

Não estou conseguindo ter tempo para acompanhar de perto toda a mobilização, mas fico muito feliz pela voz tão oprimida das feministas estar conseguindo fazer barulho. Em relação à Prudence foi uma grande vitória, espero que aconteça o mesmo com a Nova Schin.

Caminhamos aos pouquinhos para uma cultura que ser machista é visto como algo realmente ruim e não como hoje que é velado.

Lola, parabéns por todo seu trabalho.

Anônimo disse...

Anônimo das 08:39

Dá um baque no coração ver essas bitoladas desesperadas para serem aceitas no clube do bolinha,essas idiotas ficam perpetuando esses discursos machista,JURANDO elas que seguindo a cartilha direitinho serão recompensadas,tal qual um mico amestrado,até serão,mas só até o primeiro passo em falso que derem(possibilidades são muitas,vai de acordo com o humor do macho em questão) e serem execradas da mesma forma,são um bando de alienadas,vão passar a vida tentando agradar os outros,odiando/rivalizando com o próprio sexo,tudo pra garantir o macho do lado.

Quanto a todo esse estardalhaço,no bom sentido,tó achando ótimo,tem que reclamar mesmo e MUITO,incomodar,tem que deixar eles saberem que não aguentaremos mais caladas tanto desrespeito,quem sabe,com o tempo, eles não pensem duas vezes,antes de vomitar merda em forma de propaganda "engraçadinha".


ps:André,MORRA.


Cética

Ramon Melo disse...

Lola, a versão mobile do seu blog está fantástica! Leve, rápida, legível e esteticamente agradável, é um dos poucos sites que lembram que nem todos os leitores estão com um iPad nas mãos.

Ana disse...

Eu fico com vontade de perguntar pro pessoal do 'é só um comercial' se eles realmente acreditam nisso.

O material a que somos expostos todos os dias é uma coisa muito importante. Cito como exemplo disso as indicações de faixa etária para a programação de tv, o debate sobre como a mídia está envolvida no aumento de casos de bulimia e anorexia e o banimento das propagandas de cigarro, pra começar. Talvez até a preocupação com a violência em video-games possa ilustrar meu ponto.

Exposição a coisas ruins pode causar estragos, tanto é fato que já nos preocupamos com isso de várias maneiras diferentes. "É só um comercial"? Será? Mas já não estabelecemos que esse tipo de veiculação tem, sim, algum poder?

"É só um comercial"? Os de cigarro foram banidos, porque entendia-se que eles incentivavam as pessoas a fumar. Não podemos entender que um comercial que mostra violência incentiva violência? (sim, ela está lá, embora alguns tenham dificuldade em vê-la).

Não estou dizendo que todo cara que viu o comercial vai sair estuprando. Mas com os cigarros, as pessoas acharam ruim mostrar o ato de fumar como algo aceitável. Bom, nós achamos ruim mostrar a violação dos nossos direitos como algo aceitável. Não haveria um paralelo aí?

>>> NÃO quero comparar risco comprovado de câncer com uma passada de mão. Meu ponto não é esse. Meu argumento é que, mesmo à parte da questão de gêneros, não é inteligente minimizar o poder de um comercial. Se fosse 'só um comercial', acho que não teríamos mecanismos de defesa a começo de conversa.

Eu até consigo entender de onde vem a dificuldade de alguns em enxergar o incentivo a estupro; mas acho difícil de engolir o argumento de que 'é só um comercial' e por isso não tem importância. Tem importância, tem impacto, e não sou eu que digo, é a realidade que mostra. Já tratamos essas coisas com zelo.

E acho pertinente perguntar: há debate sobre saúde e brutalidade, mas não há debate sobre questões de gênero. Porquê?

Reflexão meio bagunçada; sintam-se livres pra discordar e/ou acrescentar...

Anônimo disse...

O que será que uma feminista radical invisivel faria ?

Anônimo disse...

Desde que vi este comercial pela primeira vez,tive nojo.No entanto,todos a minha volta viam e não esboçavam nenhuma reação,permaneciam indiferentes,e isso por si só já mostra o quão banal este tipo de situação se tornou.Eu não li muitos comentários a respeito,mas já sei que a maioria deve destilar puro machismo.Infelizmente nem todos são como os comentaristas deste blog(com exceção dos trolls) que tem discernimento o suficiente para perceber o quão nojento e perigoso é esse tipo de apologia.Mas eu tenho certeza absoluta que 90% dos que acham besteira nossa revolta,são homens,e por tanto provavelmente nunca sentiram na pele o que é ser abusada e reprimida por pessoas que fazem isso pelo simples fato de terem nascido com um pênis.Mas um recado para eles:Pesquisar sobre o assunto não doi.Muito pelo contrário,só vai aumentar seu conhecimento,de modo que vocês vão aprender sobre o assunto e aprender a argumentar sem parecer um bando de ignorantes,pois é o que vocês parecem quando defendem este tipo de coisa.
Isso não é brincadeira,não é motivo para fazer piada.Tenho apenas 16 anos,e mal posso contar o numero de vezes que já fui assediada na rua ou ofendida pelo simples fato de ser mulher,tendo inclusive sido abusada por um professor ainda na infância,e isso causou traumas que eu vou levar para vida toda.Mulher nenhuma merece passar por isso e é por isso e por outras coisa que o feminismo existe.

Nathalia.

Priscila Boltão disse...

Eu não sei gente, mas eu to com tanta dó dos coitadinhos, vítimas das feministas! Coitadinhos que não podem fazer piadinha com minorias oprimidas - é só piada! E nem podem querer passar a mão na mulherada, é só brincadeirinha!
Tô com tanta dó que tive uma idéia: vamos - opa, os homens vão, pq mulher não tem inteligência pra isso, né? - criar uma nave pra que vocês possam colocar em prática o bom e velho "I don't wanna live on this planet anymore". Vão, fujam pra outro planeta, onde essas V**** não possam OPRIMIR os coitadinhos. Sério, vão.
E de preferência, não voltem.

yulia2 disse...

Vá se fuder seu babaca,o Brasil ta caminhando pra algo melhor,com muita luta e você faz o que pra melhorar o seu país? Fica aí dando uma de classe média sofre e vem com esse papo Rafinha bastos feelings de que não pode fazer piada de "preto,de gay,de mulher",porque não faz piada de brancos,cristãos e heterossexuais? Ah sim,esqueci que esse grupo é o mais reaça e a bíblia sagrada é a Veja.
__________________

BOA

tirou do meu teclado!!!

yulia2 disse...

O que me espanta nele e a quantidade de visitações e o público feminino, de várias idades, que participa nos comentários. Acho que é de se chamar MUITO a atenção sobre o discurso, as opiniões do grupo de homens que lá escreve e como é assustador ver que muitas jovens, muitas mulheres que "percebem que tem alguma coisa bem errada" no que elas vivenciam sendo mulheres nessa sociedade e o tipo de opinião que esses autores emitem no site, formando opinião de suas leitoras (penso que, de um modo que compactua com tudo que penso ser contra a mulher.
_________________

o que vc esperava num site chamado
manual do cafajeste????
só tem mulher validadora acéfala naquela merda....
esse site é do mesmo nível de reflexões masculinas, canal do búfalo... e outros lixos que vemos.

yulia2 disse...

Amndre, tá ficando muito chato o Brasil? Experimente Cuba, a ilha... antes que vc pense que me refiro a cuba-libre, bebida.
____________
hahahhahaha

boa!!!!

Mihh disse...

@Ana

"Mas com os cigarros, as pessoas acharam ruim mostrar o ato de fumar como algo aceitável. Bom, nós achamos ruim mostrar a violação dos nossos direitos como algo aceitável."

Matou a pau a questão.

Vivian disse...

Ahhhh!

"Vai chegar o dia em que um homem olhar pra uma mulher e ela não gostar, será estupro. Quer dier, se o cara ali com amigos, só rindo, sem nem ao menos tocar numa mulher, só de falar que tal mulher é gostosa e olhar pra ela, pronto, é estupro."

Mas o anônimo lá de cima disse tudo!

Eu mal espero o dia - e esse dia vai chegar - em que cantadas e olhadas de cima a baixo na rua, de homens para mulheres, seja CRIME sim!

Eu mal posso esperar o dia que um homem passar por mim, disser uma ofensa sexualmente agressiva - que ninguém lhe perguntou - e eu possa chamar a polícia por me sentir incomodada!

Eu mal posso esperar o dia em que a rua seja tão minha quanto dos homens, e eu não precise me preocupar em me proteger de carros que me perseguem e de homens estranhos do outro lado da rua, que gritam GOSTOSA!

Anônimo querido, e não é que vc sabe das coisas?

Gaby XD disse...

Melhor blog que eu já li. Parabéns! É bom saber que existe vida inteligente na internet!

carolinapaiva disse...

Pro anônimo que falou que estupro é só penetração forçada. Vai dar uma lida no art. 213 do CP e pare de passar vergonha. Aliás, dá uma lida no art. 217-A também (estupro de vulnerável), seu lindo.
Beijinho pra vc ;*

carolinapaiva disse...

André

O mundo está chato porque não se fazem mais humoristas como antigamente, né Monty Python?

Priscila Boltão disse...

"Vai chegar o dia em que um homem olhar pra uma mulher e ela não gostar, será estupro. Quer dier, se o cara ali com amigos, só rindo, sem nem ao menos tocar numa mulher, só de falar que tal mulher é gostosa e olhar pra ela, pronto, é estupro."

Sabe o que eu não entendo? Essa necessidade de "cantar" a.k.a. assediar mulher na rua.

Porque veja, quando eu vejo um homem bonito (ou que seja, "gostoso") na rua, sabe o que faço? Eu olho e continuo andando. Não fico encarando. Não sinto necessidade de assediar. Eu olho uma vez e, se estiver com alguém, no máximo comento com quem está comigo que achei o cara bonito. E pronto. Continuo andando. Não preciso gritar obcenidades ou olhar como se quisesse tirar um pedaço. Quando passo perto da academia, as meninas andando de calça de ginástica, os homens que passam olham pra elas como se fossem agarra-las ali mesmo, e fico feliz que eles tem a decencia de não canta-las, pelo menos os da calçada, os da rua já é outra história, pq parece q ficam "mais machos" dentro de um carro.
Sério, eu não entendo essa necessidade de assediar tanto quanto não entendo a necessidade que algumas pessoas tem de fazer piada com minorias.

carolinapaiva disse...

Brujeira

Sim, cerca de 300 homens reclamaram formalmente a Conar (além de vários blogs, inclusive feministas, criticarem a propaganda), e sabe o que o zé povo dos comentários disse a respeito disso?
Que os homens que reclamaram não eram homens de verdade, e ainda xingaram feministas, dizendo que isso era coisa de "feminazi desocupada" e que os homens não eram dignos de serem chamados de homens.
Machismo, a gente vê por aqui...

Isa disse...

Lola, e o comercial (de cerveja tambem), do `cooler com rodinhas` Passa a ideia que a mulher tem que pegar a cerveja na geladeira para o namorado enquanto ele ve futebol ou joga com amigos, como se isso fosse uma obrigacao da mulher. Ridiculo isso.

L. Archilla disse...

Eu ia dizer o que a Vivian já disse: mal posso esperar pelo dia em que um desconhecido NÃO buzine pra mim e faça cara de tarado com velocidade o suficiente para eu não ter tempo de retrucar, por medo de ser preso!!! Mal posso esperar pra NÃO ser medida dos pés a cabeça simplesmente por passar na frente de um bar. Pra NÃO ter um sujeito que nunca vi na vida secando minha bunda descaradamente no ponto de ônibus e esquecendo que eu tenho rosto, nome, identidade, subjetividade.

E não, esse OLHAR não tem nada a ver com o olhar discreto de admiração que (todos - homens e mulheres) lançamos quando vemos alguém ou algo bonito.

E, por último - sim, eu boicotaria a Nova Schin se a consumisse. :)

Li disse...

lola, eu sou uma grande fan do seu "popular brazilian communist-feminist blog" :)

obrigada por ajudar a divulgar esse tipo de movimento. o machismo e a apologia ao estupro nas propagandas realmente tem que ser combatidos!

abraço,
livia

yulia2 disse...

Sabe o que eu não entendo? Essa necessidade de "cantar" a.k.a. assediar mulher na rua.

__________________

Essa necessidade é de se perfazer perante seu grupelho de maxus....
para eles o importante é ficar bem com o seu grupinho... a mulher é o que menos conta nessa hora.

Lia Sergia Marcondes disse...

Lola, você já assistiu o filme "Confiar"? Em uma cena, o pai vai desabafar com o cara que ela julgava ser amigo dele, contando o que houve com a filha, e a reação do cara é bem tipo: "Ah, ela foi lá porque quis"... Não vou dar spoilers, mas vale assistir, porque abordar o tema de forma ímpar.

O ser humano ainda está na idade das cavernas, em muitos aspectos. :(

Mariane disse...

É simplesmente ridículo uma mulher defender um comercial que ofende ela mesma e pior, dizer que muitas mulheres não se dão o respeito ao andar quase nuas na rua ou dançarem e beijarem quantos homens quiserem numa noite, como se por este comportamento elas merecessem o abuso sexual! u.ú

A nossa sociedade é uma merda por causa das mulheres mesmo! Se fossem todas unidas contra o machismo seria bem mais fácil combatê-lo.

Aqueles que dizem que o comercial não tem nada demais, que tentar combater é coisa de gente desocupada já entrega o grande estrago que estes comerciais de pseudo-publicitários fazem com a sociedade.
E outra, um homem disse que tratam os homens como se eles fossem influenciáveis e que este tipo de comercial é para o público adulto, mas se esquece que muitas crianças os assistem e irão crescer achando tudo aquilo normal, como os ADULTOS também acham, né?

A luta CONTRA O MACHISMO deve continuar não importa onde ele apareça!

Guilherme Cabeleira disse...

Parabéns pelo post!
Excelentes argumentos!

Carol M disse...

"Sabe o que eu não entendo? Essa necessidade de "cantar" a.k.a. assediar mulher na rua."


É um bagulho meio pavlov né? Vc ensina o moleque desde cedo que é legal ele fazer isso, que é prova de q ele é maxu, e aí qd cresce vira meio q reflexo.

Na boa, ensinem a todos os meninos que não se deve NUNCA, assediar uma mulher. Se quiserem falar de conquista, que aprendam a chegar que nem gente grande e não neandertais.

Jordana disse...

eu to cada dia mais horrorizada com essa galerinha q acha estupro OK. ontem eu fui ver no youtube aquele vídeo da novela Gabriela, com um coronel falando "deite que eu quero lhe usar. mulher minha não nega" pra esposa, que não estava disposta. os comentários estavam horrorosos, todo mundo aplaudindo. quando um rapaz se condoeu e comentou um "tadinha", foi xingado de frouxo e coisas piores. tinha até propaganda de fórum presumivelmente mascu ali!

e por falar em boicote a cerveja, quero deixar aqui a minha completa indignação por ter visto mulheres bebendo DEVASSA em plena Marcha das Vadias de Vitória/ES. vontade de tirar a cerveja da mão delas e jogar todinha no chão. como q vc chega num protesto feminista sem ter parado UM SEGUNDO pra raciocinar sobre uma mercantilização tão descarada de mulheres, como essa cerveja faz? COMO???

ò_ó

Mariana Cintra disse...

Arrasou, Lola!!!
Abraços, Mari

Anônimo disse...

"Já não podemos fazer piada de gay, de preto, de judeu, de retardado, de deficiente, de mulher. "

Diz o homem branco, heterossexual, católico, de saúde perfeita e de classe média, inconformado.
Aliás, reparem como a maioria dos comentários mais exaltados e arrogantes defendendo a propaganda, vem de quem tem essas características.
Tadinhos, não basta serem detentores de privilégios, se não puderem sambar em cima de outros grupos não tem graça.

Ana disse...

@Isa
"Lola, e o comercial (de cerveja tambem), do `cooler com rodinhas` Passa a ideia que a mulher tem que pegar a cerveja na geladeira para o namorado enquanto ele ve futebol ou joga com amigos, como se isso fosse uma obrigacao da mulher. Ridiculo isso."

Eu vi! Eu vi!

Não sei se eu usaria a palavra 'obrigação'. Talvez eu dissesse 'função'. O comercial retrata a mulher principalmente como alguém que serve - e o que me dói mais, isso é visto como 'romântico'.

Ok, nada de errado em mimar quem se ama. Mas sinceramente, medir a atração do casal pelo quão servil a mulher é... 'Se você me ama, seja uma boa garota e me traga um cerveja'. Sério?

Agora, se assédio em banheiro já é difícil de provar, imagine tentar ver sexismo num inocente agrado ao parceiro. Se formos falar desse comercial - que a meu ver é sexista mas não tão danoso quanto o outro, que tem violência explícita - vai chover gente reclamando...

Muitos não entenderiam onde está o problema. E com certeza teria gente assimilando que feministas não permitem/gostam de mulher dóceis ou que querem mimar os companheiros (oi pessoas, não, não temos problema com essas coisas. Se uma mulher quer esperar o marido em casa com o jantar quentinho servido todos os dias, lindo. Poxa, eu faria isso. Mas fazemos questão de que a decisão seja voluntária, e não resultado da imposição maluca de que isso é o que TUDO que DEVEMOS fazer A VIDA TODA, só porque nascemos XX. Obrigada).

O problema não é mostrar uma mulher agradando o parceiro, o problema é a gente viver ouvindo que esse é nosso papel maior acima de tudo no planeta.

Mas claro, é difícil entender quando não se sente isso na pele.

simone disse...

"Não é senso comum, é que um grupinho de histéricas loucas redefiniu o sentido de estupro. Segundo o oicionário feminista, estupro é tirar a roupa, estupro é passar a mão e não vai demorar o momento em que estupro será só o fato de olhar pra uma mulher e ela não gostar... Estupro é PENETRAÇÃO FORÇADA. Essa é a Verdade. O resto é distorção do sentido original da palavra..."

Pois é né anônimo indignado. Essas histéricas loucas andam reclamando de coisas tão banais como serem bolinadas no metrô, agarradas à força, ter um cara tentando passar a mão nela ou tirando a roupa dela contra a vontade.
Nada disso é errado... só é errado se tiver penetração forçada.
Está vendo o que a cultura do estupro fez com o cérebro de vocês?

Ah, e pode vc espernear histericamente o quanto quiser, mas a lei mudou mesmo e vc não pode fazer nada a respeito. Se lascou, porque se fizer qualquer dessas coisas que vc considera como algo menor, vai em cana.

Gi disse...

Lola, fico muito feliz com a visibilidade que seu blog trouxe a esse problema. Sempre que eu via a propaganda na TV me sentia (sinto) angustiada pela anestesia das pessoas. É estarrecedor perceber que não chega nem a incomodar a maioria delas.
Também adorei os comentários gerados pelos posts. Agora com moderação ficou perfeito!

Ana, sua linda! ♥♥♥♥
Estou adorando seus comentários!

Ana disse...

@Carol M
"Na boa, ensinem a todos os meninos que não se deve NUNCA, assediar uma mulher. Se quiserem falar de conquista, que aprendam a chegar que nem gente grande e não neandertais."

Como eu queria que, quando a gente falasse em 'ensine a não estuprar', as pessoas pensassem nessas mudanças na educação ao invés de tomar como insulto.

Sim Carol, precisamos mudar radicalmente a maneira como educamos os meninos (e as meninas também). Me recuso a colocar a culpa de comportamento abusivo na biologia - o problema está na criação, não no DNA.

Começamos dividindo radicalmente o tipo de brinquedo, dizendo que menino não chora, que menina não pode jamais ser indelicada, e no fim acabamos com um monte de gente que não pensa no outro e/ou não sabe a importância de ter voz.

@Priscila
"Sério, eu não entendo essa necessidade de assediar"

Fecha com a questão da educação - muitos homens fazem isso porque aprenderam, em algum ponto, que gritar 'gostosa!' é uma lisonja. É um elogio. Além de se exibir pros companheiros, muitos acreditam piamente que estão fazendo algo muito bom e se ofendem profudamente quando você tenta explicar que não, não é legal fazer isso. Mas como assim, eu fui LEGAL e ela não gostou?

Esses dias mesmo bati pé aqui com um cidadão que teimava em dizer que, se a intenção dele era elogiar, ele podia SIM gritar, e a mulher que se ofendesse estava errada.

Vale sempre lembrar, quem decide se o discurso é ofensivo ou não é quem OUVE, não quem diz. Portanto, caras bacanas do meu Brasil, bora pensar no que a mulher sente quando te ouve gritando? Nem todas curtem, sabe. Algumas sim, outras não!

Enquanto discutir o papel dos sexos for coisa só de estudante de humanas ou de gente 'radical', essa falaha de comunicação vai continuar fazendo estrago...

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Acho que já escrevi nos comentários uma vez, um dia que presenciei um homem ensinando para o filho de uns nove anos como enxergar mulheres e como mexer com elas.
Eu no ônibus, os dois no banco de trás, toda hora ele chamava a atenção para o menino para as mulheres que passavam na rua, mandava o menino imaginar elas sentadas no colo dele rebolando, perguntava se ele gostava da ideia, falava que as de roupa mais curta eram mais safadas, insistia demais no assunto, parecia que queria que o menino provasse alguma coisa pra ele. Eu estava de costas mas escutava o menino rindo todo envergonhado, ele não falava nada, só escutava e o pai não dava sossego. A mulher que estava com eles e supus ser a mãe estava sentada bem mais atrás com uma menina e como estava longe não podia escutar.
Foi uma cena medonha.

Flavio Moreira disse...

Ana Carolina:
Acho seu comentário muito importante, porque traz à tona, de fato, algo que é muito pouco discutido, essa infantilização do homem. Vejo isso em muitos colegas - alguns não sabem fazer absolutamente nada dentro de uma casa, de cozinhar um ovo a fazer uma instalação de chuveiro (para citar coisas consideradas atribuições de mulheres - cozinhar - e de homens - instalar um chuveiro.
Alguns com mais de 40 anos ainda moram com os pais e continuam gastando seus salários como se fossem mesadas: baladas, roupas de grife, bebedeiras.
E continuam sendo os filhinhos da mamãe que esperam sentados por seu prato de comida. Pior são alguns que já são casados mas ainda reproduzem o comportamento de esperar que a esposa traga o copo d'água para ele no sofá. E se ofendem se ela reage.
E, como toda criança mimada, quando não têm suas vontades satisfeitas, têm crises e ataques; o problema é que alguns desses ataques são literais, contra as mulheres, através da violência física e verbal.

Kinna disse...

Denunciei na Conar e olha a resposta que recebi nesse minuto:

"Apreciada a defesa do anunciante PRIMO SCHINCARIOL, a 1ª Câmara do Conselho de Ética, em sessão de 05/07 último, decidiu acolher por maioria de votos a recomendação de ARQUIVAMENTO da representação sob o fundamento que o comercial não foi considerado ofensivo à mulher, retratando uma situação absurda (alguém ficar invisível). Aliás, o personagem, ao final, é ignorado e desprezado pela modelo mulher."

No-jen-to! Isso vindo de um órgão oficial...

Vivian disse...

o CONAR respondeu à queixa assim:

Prezado Sr(a).

Sua queixa mereceu nossa melhor atenção.

O CONAR instaurou em 12/03/2012 a Representação de nº 062/12 relativa ao anúncio “NOVA SCHIN – INVISÍVEL”, em razão de queixas de consumidores.

Apreciada a defesa do anunciante PRIMO SCHINCARIOL, a 1ª Câmara do Conselho de Ética, em sessão de 05/07 último, decidiu acolher por maioria de votos a recomendação de ARQUIVAMENTO da representação sob o fundamento que o comercial não foi considerado ofensivo à mulher, retratando uma situação absurda (alguém ficar invisível). Aliás, o personagem, ao final, é ignorado e desprezado pela modelo mulher.

Permanecemos à disposição.

Atenciosamente,

Edney Narchi
VP Executivo

______________________________

ABSURDO!
Nem sei o que dizer diante dessa desculpa, é ridícula do início ao fim!

Mihh disse...

PARA TUDOOO
CONAR é realmente patético.

"Prezado Sr(a).



Sua queixa mereceu nossa melhor atenção.



O CONAR instaurou em 12/03/2012 a Representação de nº 062/12 relativa ao anúncio “NOVA SCHIN – INVISÍVEL”, em razão de queixas de consumidores.



Apreciada a defesa do anunciante PRIMO SCHINCARIOL, a 1ª Câmara do Conselho de Ética, em sessão de 05/07 último, decidiu acolher por maioria de votos a recomendação de ARQUIVAMENTO da representação sob o fundamento que o comercial não foi considerado ofensivo à mulher, retratando uma situação absurda (alguém ficar invisível). Aliás, o personagem, ao final, é ignorado e desprezado pela modelo mulher.



Permanecemos à disposição.



Atenciosamente,


Edney Narchi
VP Executivo"

Reparem que instauraram o processo em MARÇO. Arquivaram. Começamos NOVAMENTE a reclamar, e recebi esta resposta.
Mas que país delícia este para se viver.

Andre disse...

Li o post, e também disse que o comercial é uma obra de ficção, as pessoas sabem disso e não vão sair por aí o que viram num comercial pois é proibido e não faz parte da educação da maioria. Por isso também disse que o problema é educação.

Ana disse...

"(...)retratando uma situação absurda (alguém ficar invisível)"

Oi, alguém avisa o CONAR que a gente não tá reclamando do cara ficar invisível, e sim do que acontece no banheiro.

Falando sério. Invisível ou não, não muda a agressão em nada.

CONAR, ficar invisível pode até ser impossível pros caras, mas pra nós, ser vítima de abuso está longe de ser impossível; obrigada.

"Aliás, o personagem, ao final, é ignorado e desprezado pela modelo mulher."

OHOHOHOHO Então é a isso que se resume no final? 'Mas vejam só, ele nem pegou ninguém'.

Quer dizer, elas foram tocadas sem permissão, mas quem saiu na pior mesmo foi o cara?

Eu acho que não entendi isso bem. Não faz sentido.

O foco está em todo lugar, menos onde devia - nas meninas que foram atacadas no banheiro.

Mais sacana que isso só dizer 'ah mas elas gostaram'. Foi a única parte que ficou faltando.

No final as invisíveis somos nós, que reclamamos e não dá em nada.

Sinceramente, pessoas, vocês não estão entendendo o problema.

A menos que arranjem um jeito de dizer que uma mulher não se sente agredida ao ser tocada sem sua permissão, o comercial é sim inadequado.

O ponto aqui é o abuso. Não a veracidade da história!

Giovanna disse...

Eu ia mandar exatamente o mesmo email, Mihh! Aparentemente, o comercial não é ofensivo à mulher. Mas qual mulher???? E eu não sou mulher? SE a gente não pode nem reclamar no Conar, me pergunto como é que podemos mudar alguma coisa! Boicote é uma opção já adotada, claro.

Andre disse...

Mas quem disse que sou a favor que se façam estas piadas? Nao se deve ofender as pessoas. Só estou citando elementos que comprovam que estamos cada vez mais fechados, tipo já estamos considerando um comercial de cerveja como apologia ao estupro.

Anônimo disse...

Laurinha, este post aqui é um relato mais extenso disso que você descreveu. http://subvertidas.blogspot.com.br/2012/07/que-educacao-dar-seu-filho.html

Andre disse...

Quem disse que aprovo piadas preconceituosas? Ainda mais em publico. Já que estou emitindo opinião sem ofender, espero pelo menos o mesmo.
Xingar um negro de macaco é ofensivo e eu NUNCA faria isto, mas brincadeiras como faziam os trapalhões com Nordestino, careca, negro e gay já acho engraçado. Ninguém prendeis Didi pelas piadas com o Mussum, e o Mussum ( pra mim um gênio), nao me parece que ficava ofendido. É isto onde quero chegar; nao à proibição total, mas sim a um limite de bom senso.

Anônimo disse...

Lola, às vezes, vc exagera um pouco. Primeiro foi com aquele caso da "misoginia" em achar que amamentar em público é feio (toda mulher para quem eu perguntei acha que sim), agora, esse comercial. Vc é muito sectarista, parece que considera homens uma raça completamente diferente, sei lá. Espero seriamente que essa sua irresponsabilidade e pressa em julgar as pessoas não manche a imagem do feminismo e não dê fama de "piradas" às mulheres que querem ser independentes.

yulia2 disse...

Acho que já escrevi nos comentários uma vez, um dia que presenciei um homem ensinando para o filho de uns nove anos como enxergar mulheres e como mexer com elas.
Eu no ônibus, os dois no banco de trás, toda hora ele chamava a atenção para o menino para as mulheres que passavam na rua, mandava o menino imaginar elas sentadas no colo dele rebolando, perguntava se ele gostava da ideia, falava que as de roupa mais curta eram mais safadas, insistia demais no assunto, parecia que queria que o menino provasse alguma coisa pra ele.
________________

Esse cara é um lixo humano...!!!
tem cara que JAMAIS deveria ser pai na vida.

yulia2 disse...

o conar não proibiu aquela porcaria da hope também.....

Andre disse...

Nao sou privilegiado e nao faço piadas grosseiras com outras pessoas ou grupos, apenas acho que deve haver um limite e nao proibição total, o limite do ofensivo, do bom senso. Esse comercial nao gostei, e enche o saco todo comercial de cerveja ter mulher gostosa e homem ridículo, mas dai apologia ao estupro acho demais.

@pokerol disse...

Eu vim aqui para dizer exatamente o q a Mihh disse, recebi o mesmo email do conar. Absurdo eles não entenderem o ponto do protesto.

Não sei se vocês estão acompanhando as discussões no facebook, mas uma moça(que eu já não sei mais quem é, desculpe moça!) fez uma analogia fantastica de como esse comercial se aplica perfeitamente a vida real.

Quem já andou de metro em SP e no RJ sabe que o horario de pico é absurdamente cheio, e quem já foi vitima de assédio(ok, quase todas as mulheres) sabe que, quando vc sente uma mão na sua bunda, vc pode até tentar olhar, mas muito provavelmente não vai dar pra saber quem foi. Pois aí temos seu exemplo de invisibilidade Schin. No metro é quase impossível alguém ver vc passando a mão em alguma moça, portanto, seus atos não tem consequencias. Quase ninguem consegue distinguir apenas um individuo na muvuca que é o metro SP às 6 da tarde, e sujeitos invisíveis se aproveitam de moças que muitas vezes nem sabem quem foi seu abusador. Só porque ninguém está vendo, é um comportamento aceitável Dona Schin?

Isso é pra quem fica aí dizendo que é "só uma propaganda" que não tem nada a ver com a realidade. Isso também é para o Conar, que diz que a situação de invisibilidade é "absurda".

@pokerol disse...

@Ana

Exatamente! Aplaudo de pé o seu comentário.

Eu pensei a mesma coisa quando o email do Conar chegou: ué, mas o foco não é esse!

Andre disse...

Aí sim. Mas sem preconceito, os trapalhões faziam piadas engraçadas com tudo e nunca foram condenados por isto. É preciso saber o que é ficção e o que é realidade.

Mihh disse...

Se tivesse um mínimo de talento, eu faria uma versão adaptada daquela música "I'm Sexy and i know it" para

"I'm sexist and I know it..."

pqp tá difícil ser gente nesse mundo.

nina disse...

Também recebi essa resposta pronta. Respondi que me entristecia saber que eles não foram capazes de perceber os motivos pelos quais estávamos reclamando. E que o fato da situação ser absurda não invalida a ideia da agressão no vestiário. Enfim, não importa que eles mantenham o caso arquivado, que tantos babacas por aí continuem repetindo que não tem nada de mais. Não vou deixar de reclamar quando me sentir atingida, continuo acreditando que a saída é a gente falar, cada vez mais. O difícil é ter paciência...

Andre disse...

Respeito seu protesto e se sentir ofendida deve sim reclamar no Conar, porém tenho a mesma visão do órgão.
A situação é absurda e o ator passa por ridículo no final. Acho o comercial chato, grosseiro e mal feito, mas apologia pra mim só se for ao ridículo, mas nao a abuso.

Ana disse...

@André
"brincadeiras como faziam os trapalhões com Nordestino, careca, negro e gay já acho engraçado. Ninguém prendeis Didi pelas piadas com o Mussum, e o Mussum ( pra mim um gênio), nao me parece que ficava ofendido."

Talvez esteja aí o ponto, André. Quem tem que achar a piada engraçada não é quem faz, é o alvo da piada. Se o Mussum, que é negro, não se importa com uma piada que fazem com ele, ótimo. Que façam a piada então.

Agora, uma vez que as pessoas reclamam de uma piada, é porque pra elas não foi engraçado. Nelas não se provocou riso, e sim dor. E aí deixa de importar se quem fez a piada riu ou não. Porque o foco está em quem ouve, não em quem fala.

Ora, se Mussum se ofendesse com alguma piada, ela com certeza não iria ao ar, certo? Didi rindo ou não, se Mussum não aprovasse, ficaria de fora, não acha?

Não é muito difícil de entender. O seu riso não vale a mágoa dos outros. É simples. É uma regrinha básica de convivência.

Se não se pode mais contar piadas com judeus, negros e etc, é porque alguém se ofendeu. E essa dor deve ser respeitada. Não se ri pisando nos outros.

Por mais engraçada que eu ache uma piada que fiz com você, se você se magoou, eu não devo mais fazê-la. Não interessa se eu passei um dia inteiro rindo. Você não gostou, e isso é mais importante.

"é proibido e não faz parte da educação da maioria"

Desculpa moço, mas acho que aqui você escorrega.

Tanto faz parte da educação, que todo mundo acha normal. Acha engraçado. Chama de 'fantasia de menino'.

Afinal, que homem não quer passar a mão numa mulher, certo? É coisa de homem!

E isso que diz o senso comum, é isso que tem sido passado pra frente. Sem nunca sequer tocar no ponto do que a mulher quer.

Desejo sexual é uma coisa, completa desconsideração pelo o próximo é outra.

Repito, tratamos isso como 'fantasia de qualquer moleque/homem'. Como dizer, então, que isso não faz parte da educação?

É preciso lembrar que a mulher também tem voz. Fantasiem o quanto quiserem. Fantasias todo mundo tem. Mas não ignorem o que NÓS queremos fazer com NOSSOS corpos. É pedir muito?

Ok, a maioria dos que fantasiam jamais fariam isso de fato. Mas isso não é o bastante; porque a única coisa segurando, aparentemente, é o medo das consequencias - e não sou eu, é a propaganda que diz isso. O cara entra no banheiro justamente porque está invisível, ou seja, assim que teve uma chance de fazer sem ser pego, o fez.

Ele não estava nem aí pro que as garotas achavam - e é isso, esse pequeno 'detalhe', que incomoda. Porque é, sim, um violação dos nossos direitos.

Não podemos mais passar esse abuso adiante como algo aceitável, normal.

Se passar por cima da nossa opinião não fosse parte da educação, estaria todo mundo indignado. Mas não é o que se vê, né? Atualmente a coisa é tão desigual que as pessoas não veem o abuso na frente dos olhos delas - só enxergam uma piadinha, algo inocente, engraçado. Mas olha, o cara encostou em mulheres sem a permissão delas. É abuso sim senhor.

Mulheres escolhem se/quando/por quem serem tocadas. Homens também, não? É simples. É bem simples.

Lilian Soares do Nascimento disse...

André...

Já não podemos fazer piada de gay, de preto, de judeu, de retardado, de deficiente, de mulher.

Pois é. Faça piadas de "homem branco-hetero". Já ouviu piadas assim? Será que é pq não tem graça nenhuma?
.
Pois é. É o que queremos. Que piadas de gays, mulheres, negros... também não tenham graça nenhuma.

Ana disse...

@André
"É preciso saber o que é ficção e o que é realidade."

Sim, e esse tipo de gracinha é bem real pra nós, por isso indigna tanto que seja apresentado como algo engraçado e, nas palavras do CONAR, 'Absurdo'.

E eu tava pensando, o mundo tá chato pra quem? Porque pra quem se ofende com as piadas, o mundo está melhorando. Já pensou nisso?

@Pokerol
De fato, o foco não passa nem perto!

"Só porque ninguém está vendo, é um comportamento aceitável Dona Schin?"

GENIAL.
GENIAL!!!
Cadê essa mulher que eu quero dar um abraço nela!

@Gi
Gi, sua linda! ♥♥♥♥
Obrigada! :D

Anônimo disse...

Coragem nem sempre basta; muitas vezes a diplomacia se faz necessária.

Nesse momento, publicitários e seus aderentes provavelmente pedem ao garçom trazer uma Nova Schin bem gelada. E pizza, qtas. saindo do forno?

Esse vai ser o fds da Nova Schin, lamentavelmente; mas qdo, no lugar da diplomacia, querem medir forças, ganha quem pode mais. E no caso quem pôde mais foi a Schin. E quem criou o comercial.

carolinapaiva disse...

André

Achar que estamos criticando essa propaganda por acharmos que os homens vão sair por aí estuprando só por terem visto a propaganda é uma linha de raciocínio bem simplista.
É, basicamente, negar a conceituação clássica de publicidade e propaganda, que é vender uma imagem favorável a um produto ou marca. Recursos estéticos são usados para vender a imagem do produto, e parte básica da propaganda é o contexto no qual é inserido a propaganda.
Ao examinarmos a propaganda com atenção, percebe-se que estes homens achariam divertido passar a mão nas mulheres e tirar a roupa delas (no caso, a parte de cima do bikini) sem o consentimento delas e (pior) sabendo que tais atos constrangem e assustam as mulheres (afinal, na imaginação deles, elas saem correndo aterrorizadas, não é mesmo?).
O que essa propaganda nos mostra: que há uma naturalização da violência.
A mensagem que a propaganda passa (sim, porque toda peça publicitária é feita justamente para nos passar uma mensagem através de um contexto previamente estabelecido) NÃO é simplesmente: "vá em frente e estupro que é mó legal".
A mensagem é a seguinte: bolinar mulheres é divertido, é só "brincadeirinha", no fundo elas gostam.
Em outras palavras: é naturalizar um ato de violência (bolinar e arrancar roupas de mulheres sem o seu consentimento).

Agora, isso significa que a intenção de quem fez a propaganda era a de incentivar tais atos? Não, não sabemos a intenção do autor, só entrando na cabeça dele pra saber, e não é isso que se discute aqui, mas sim o que a propaganda nos passa, como contexto.
O contexto da propaganda naturaliza a violência. O autor pode não ter percebido isso, pois ele pode achar que bolinar e tirar a roupa sem o consentimento de alguém não é nada de mais, ué.
O que apontamos é que, sendo intencional ou não, a propaganda mostra uma situação de violência como natural e até mesmo divertida (mas só para os bolinadores).

Maíra disse...

Oi Lola,
fiz minha denúncia ao CONAR pelo comercial e veja o email que me enviaram como resposta:

"Prezado Sr(a).
Sua queixa mereceu nossa melhor atenção.
O CONAR instaurou em 12/03/2012 a Representação de nº 062/12 relativa ao anúncio “NOVA SCHIN – INVISÍVEL”, em razão de queixas de consumidores.
Apreciada a defesa do anunciante PRIMO SCHINCARIOL, a 1ª Câmara do Conselho de Ética, em sessão de 05/07 último, decidiu acolher por maioria de votos a recomendação de ARQUIVAMENTO da representação sob o fundamento que o comercial não foi considerado ofensivo à mulher, retratando uma situação absurda (alguém ficar invisível). Aliás, o personagem, ao final, é ignorado e desprezado pela modelo mulher.

Permanecemos à disposição.

Atenciosamente,
Edney Narchi

VP Executivo"

Interessantíssimo, né?! Aposto que quem votou que o comercial não é ofensivo às mulheres foram... adivinhe: homens!
Ah, sim, então só porque no fim o personagem é desprezado pela mulher, tá tudo bem!
Tipo, abuso sexual é normal, só não espere que no final a mulher ainda olhe pra você e sorria!

Nem sei porque me impressiono com isso, mas, estou chocada.

carolinapaiva disse...

André

Sobre as piadas e o suposto patrulhamento politicamente correto.
A piada só faz sentido em um determinado contexto, pois, assim como na propaganda, há um discurso por trás, que só faz sentido em um ambiente característico.
Piadas com negros, homossexuais e mulheres não são, necessariamente, piadas preconceituosas. Tudo depende da palavra mágica chamada "contexto".
A piada pode ser transgressora, se houver, em sua elaboração, um ponto de transformação ou inusitado.
No entanto, nem sempre a piada será transgressora, podendo servir também como modo de reforçar estereótipos nocivos.
É por isso que nem toda piada feita com minorias será preconceituosa, porém, os modernos defensores do politicamente incorreto acham que fazer piadas transgressoras é reafirmar os velhos preconceitos da sociedade.
É isso que está tornando o humor tão chato.
Cadê a inovação e a genialidade?

Vivian disse...

Sugestão de email resposta para o CONAR:

Lamento veementemente o arquivamento do caso HOMEM INVISÍVEL da NOVA SCHIN.
A alegação de absurdo NÃO ANULA o efeito que ela causa e promove perante o público que atinge MASSIVAMENTE.

Graças à esse tipo de piada promovida como "engraçadinha", mulheres sofrem diariamente com abusos semelhantes pelo Brasil todo. A noção de "engraçado" está bastante deturpada. Apenas algumas pessoas estão achando isso engraçado. Não é a toa que a questão toma corpo e cada dia mais e mais pessoas se mobilizam contra esse tipo de veiculação.

No mínimo é irresponsável por parte dessa equipe, e, principalmente da marca, reproduzir essa espécie de pensamento machista e violento num país em que o número de estupros é crescente, fora e dentro de casa. Onde a violência doméstica acontece predominantemente por um homem -- marido, namorado ou noivo - contra sua companheira.

A missão do Conar, segundo consta no site é "Impedir que a publicidade enganosa ou abusiva cause constrangimento ao consumidor ou a empresas." Esse comercial sem dúvida alguma causa constrangimento quando exibe homens praticando atos libidinosos sem o consentimeento de mulheres, o que de acordo com a nova lei, configura estupro. Abaixo a lei, para conhecimento:

Lei 12015/09 | Lei nº 12.015, de 7 de agosto de 2009

CAPÍTULO I
DOS CRIMES CONTRA A LIBERDADE SEXUAL

Estupro

Art. 213. Constranger alguém, mediante violência ou grave ameaça, a ter conjunção carnal ou a praticar ou permitir que com ele se pratique outro ato libidinoso:

Pena - reclusão, de 6 (seis) a 10 (dez) anos.

§ 1o Se da conduta resulta lesão corporal de natureza grave ou se a vítima é menor de 18 (dezoito) ou maior de 14 (catorze) anos:

Pena - reclusão, de 8 (oito) a 12 (doze) anos.

§ 2o Se da conduta resulta morte:

Pena - reclusão, de 12 (doze) a 30 (trinta) anos." (NR)

"Violação sexual mediante fraude

Art. 215. Ter conjunção carnal ou praticar outro ato libidinoso com alguém, mediante fraude ou outro meio que impeça ou dificulte a livre manifestação de vontade da vítima:

Pena - reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos.

Parágrafo único. Se o crime é cometido com o fim de obter vantagem econômica, aplica-se também multa." (NR)

É inadimissível que uma empresa privada se sinta no direito de desrespeitar o que a lei prevê como crime induzindo postura criminosa em seus consumidores, e ainda com a conivência do órgão regulamentador CONAR.

Exigimos que esse comercial seja retirado do ar, as empresas responsáveis sejam multadas por descumprimento da lei e que a NOVA SCHIN faça um novo comercial retratando sua posição, mostrando-se contra o estupro em qualquer situação!

Letícia Rodrigues disse...

O fato de um dos homens ser rejeitado no final só piora tudo.

O que o comercial acaba dizendo é que é difícil conseguir o consentimento das mulheres, e por isso seria muito bom se os homens pudessem fazer o que quisessem mesmo sem esse consentimento, e sem que isso tivesse consequências para eles.

Homens ficarem invisíveis é impossível, mas situações em que homens cometem esse tipo de abuso fazem parte do nosso cotidiano.

Se os homens do comercial ficassem invisíveis e depois saíssem espancando velhinhos todo mundo acharia errado, independente da impossibilidade de ficar invisível. As pessoas não vêem nada de errado nesse anúncio pq acham que passar a mão na bunda de uma mulher que não consentiu não é tão grave assim.

yulia2 disse...

''Espero seriamente que essa sua irresponsabilidade e pressa em
julgar as pessoas não manche a imagem do feminismo e não dê
fama de "piradas" às mulheres que querem ser independentes.''

O que tem a ver mulher ser independente com
ser feminista... nem toda MULHER INDEPENDENTE
É FEMINISTA, ta cheio de mulher independente
VALIDADORA....
deu pra ver que vc é mais um que não manja
NADA!
ficou com peninha? vai lá advogar pra nova
schin e não encha o saco!

Vato Loco disse...

Esse tipo de propaganda é um verdadeiro absurdo, o autor da idéia e quem aprovou deveriam ir presos por apologia ao crime.

Gostaria de saber uma coisa sobre vcs, vcs feministas por motivos óbvios repudiam de todas as formas o estupro, o movimento feminista é um movimento esquerdista, esquerdistas costumam ser contra a pena de morte, logo vcs são contra a pena de morte a estupradores também? Qual pena vcs acham que esses desgraçados merecem?

Eu acho que estuprador não deveria ser condenado a morte pois estariam fazendo um "favor" a eles, já que assim ele se livraria dos companheiros de cela, já que sabemos o que acontece com eles lá dentro... acho que estuprador deveria ser capado a sangue frio mas claro, com todas as provas concretas para não cometer nenhuma injustiça.

E ESSA CERVEJA É RUIM DEMAIS!!!

Andre disse...

Lola, parabéns, suas idéias são muito bem colocadas, apesar de eu não concordar com metade delas.

Só fico impressionado com o comportamento ofensivo de algumas pessoas quando confrontadas com idéias que não são as delas. Ora, se for um espaço para todos que pensam da mesma forma e concordam em tudo não há muita razão para existir.

Tem uns participantes que confrontaram minhas ideias de forma firme, concisa,com argumentações factíveis agregando para a discussão, como Ana e Carolinapaiva.

Já tem outros que me taxaram de otario, preconceituoso, asno... acho que não entendem o que são debate de idéias e partem para a agressão pessoal, que tanto dizem abominar.

Fui chamado de católico, branco, heterossexual, privilegiado e classe média, pode???? Sem me conhecer isto não é o tal pré-conceito de que tanto falam que estão combatendo? (e erraram em dois itens)

Pois bem, educação à parte,defendo o direito das pessoas de emitirem qualquer opiniao, mesmo que não concorde.

É possível fazer piadas de certos grupos sociais, porém o contexto é mais importante do que o texto. Eu NUNCA faria piadas rebaixando alguem ou alguma classe, pois teria vergonha perante meus amigos.Isto é fase adolescente que já passou, mas meu pensamento é que quem quiser faça, cada vez mais pessoas não acharão graça, e se insistir, acabará isolada como uma pessoa indesejada. Não leio a tendenciosa Veja e não gosto do CQC, menos pelo seu politicamente incorreto e mais por ser um humor fraco.

Não uso nada ilegal, mas defendo sem apologia (agora sei o que é)o total uso de drogas. Mas defendo também punição severa para quem cometa algum crime sob efeito delas, se quizer se matar, que faça sozinho.

Defendo punição para quem maltrata animais mais forte do que se maltratasse humanos, pois existe o agravante de impossibilidade de defesa e força desproporcional.

Sou contra a lei Maria da Penha e a prisão por pensão alimentícia da forma que está hoje, mas defendo prisão imediata a agressores, de qualquer sexo, proporcional ao grau da força investida, e também prisão em caso de pai/mãe que deixa filhos sem auxílio nem para comer.

Defendo em partes o aborto, porém antes defendo longamente uma campanha ostensiva por métodos anticoncepcionais e pílula do dia seguinte (com distribuição gratuita).

E defendo esta propaganda ridícula da Schin. Mas entendamos o seguinte:

Toda propaganda tem seu público alvo, que não é a gente obviamente, então não creio que faz muito sentido nos sentirmos tão ofendidos com isto. A Schin é destinada a uma classe cultural massificada, então a propaganda tem que nivelar por baixo, pois esta classe ainda é maioria.

Na minha opinião ela não faz apologia a nada, é uma ilustração daquele imaginário masculino (e feminino) adolescente de querer ser uma mosquinha para espiar uma vez o sexo oposto, e só uma ilustração; não acho que isto vá denegrir a mulher, as pessoas têm discernimento disso, e as mulheres hoje conquistaram uma posição de respeito principalmente profissional - vejo isto todos os dias - que não há o que faça alguém vê-las como coitadas ou vitimas, elas sabem se defender sozinhas.

O comercial está mal feito, cheio de "defeitos especiais", além de ser de uma grosseria que ofende, mas.. estupro já acho dar uma importância demasiada a uma obra tão insignificante.

E depois torço para que este lugar continue sendo um debate de idéias, não de pessoas, pois o admirável mundo novo está realmente acontecendo, e estou com um furo na mão; as pessoas tendem a aceitar o Status Quo e condenar não as opiniões contrárias, mas as pessoas que têm essa opinião, mesmo sem pensar no que isto significa.

yulia2 disse...

''Nao sou privilegiado e nao faço piadas grosseiras com outras pessoas ou grupos''

outro que ficou com peninha da nova schin....

é o que eu digo, quando fizerem piadas que ataquem
a dignidade do homem branco hetero..... as coisas
mudam de figura.

''A situação é absurda e o ator passa por ridículo no final. ''

e isso compensa toda a apologia ao abuso sexual
e o ataque a dignidade da mulher
do inicio da propaganda... que beleza...
que bela merda é esse conar, santo Deus!

Vivian disse...

Procuramos voluntarios para tomar a frente em suas cidades!

http://www.facebook.com/events/349891741752002/349903575084152/?comment_id=349904485084061&notif_t=event_mall_reply

Anônimo disse...

". . . É inadimissível que uma empresa privada se sinta no direito de desrespeitar o que a lei prevê como crime induzindo postura criminosa em seus consumidores, e ainda com a conivência do órgão regulamentador CONAR.
3 de agosto de 2012 20:18

O desrespeito maior não é por parte da Schin e, sim, o desrespeito maior é por parte do sistema que permite tal desrespeito. Sem consertar o sistema, a situação se repetirá mais e mais vezes. É preciso mudar o sistema que permite tais abusos.

Unknown disse...

Olá, Lola! Acabei de receber essa resposta do CONAR à minha denúncia:

Prezado Sr(a).

Sua queixa mereceu nossa melhor atenção.

O CONAR instaurou em 12/03/2012 a Representação de nº 062/12 relativa ao anúncio “NOVA SCHIN – INVISÍVEL”, em razão de queixas de consumidores.

Apreciada a defesa do anunciante PRIMO SCHINCARIOL, a 1ª Câmara do Conselho de Ética, em sessão de 05/07 último, decidiu acolher por maioria de votos a recomendação de ARQUIVAMENTO da representação sob o fundamento que o comercial não foi considerado ofensivo à mulher, retratando uma situação absurda (alguém ficar invisível). Aliás, o personagem, ao final, é ignorado e desprezado pela modelo mulher.

Permanecemos à disposição.


Atenciosamente,


Edney Narchi
VP Executivo

Anônimo disse...

Algum outro blog feminista se envolveu ou abordou o assunto? Ou fica tudo sob os auspícios da Lola?

Sara disse...

Bom André ja q se queixa q esta sendo mal tratado aqui gostaria de expressar educadamente minha opinião sobre vc, vc é um cara tremendamente machista, mas parece que tem uma dificuldade muito grande em perceber o quanto o é.

Laurinha (Mulher modernex) disse...

Eu estou muito curiosa a respeito desse Conar. Um bando de publicitários julgando outros publicitários. Dei uma lida no código que eles usam e encontrei esse anexo:

3. Princípio do consumo com responsabilidade social: a publicidade não deverá induzir, de qualquer forma, ao consumo exagerado ou irresponsável. Assim, diante deste princípio, nos anúncios de bebidas alcoólicas:

a. eventuais apelos à sensualidade não constituirão o principal conteúdo da mensagem; modelos publicitários jamais serão tratados como objeto sexual;

Hello! Eles não cumprem o próprio código que criaram, porque todos os anúncios de bebidas alcoólicas fazem isso e quase todas passam tranquilamente.

Depois dessas acho que reclamar com o Conar é perda de tempo. Lembrei daquela expressão antiga "coisa pra inglês ver".

Luci disse...

21:12, Google é Deus. Pesquisar é uma benção.

Mas, para ser educadinha... sim, teve até blogagem coletiva.

Andre disse...

Bom, minhas marcas preferidas sao Therezopolis, Serramalte, Original e Eisenbahn. O que vem de Nova Schin nao me atinge.
Aproveitando, acho um saco toda propaganda de cerveja ter um monte de mulher pelada, assim como o programa Pânico, nao tem nada a ver com cerveja.
Para quem beba, cerveja é descontração, comemoração, grupo de amigos, Happy hour, e nao mulher com fio dental, alias, para ter aquele corpo nao pode beber cerveja.

Andre disse...

E lembrando as feministas de uma coisa: as modelos podem escolher se querem fazer o trabalho ou nao, ou seja, apesar de culparem os homens, em ultima analise sao as mulheres que se prestam a isso.

carolinapaiva disse...

André

Outro simplismo é achar que estamos em uma guerrinha de sexos, culpando os homens por tudo.
Machismo é uma ideologia torta que infelizmente está impregnada na sociedade, o que faz com que tanto homens quanto mulheres tenham responsabilidade.
Esse negócio de querer achar um culpado não leva a lugar nenhum, o que cada um tem que fazer é analisar o que pode fazer para melhorar.
Textos críticos como os da Lola podem ajudar (e ajudam) nessa reflexão.
Só para constar: você fala que eu e a Ana nos atemos ao debate, mas você não respondeu a gente. Ainda não sei seus argumentos sobre o tema...

Anônimo disse...

Oi lola mais de 8000 pontos pra vc! Quem me conhece pessoalmente sabe que nunca apoiaria uma propaganda assim. Eu concordo bem com a ana essas propagandas são patéticas. Quanto aos protestos feitos ao conar,realmente tem q ser feitos cada vez mais,pois se muita gente protestar duvido que eles não parariam de ser machistas... amo as respostas da yulia2. Lola posso te fazer uma sujestão ? se sim fassa um post criticando a devassa! adoraria ver sua postura sobre isso! vou ser sincero eu sou meio cruel e se eu ficasse invisível mataria mascus e políticos... quanto a dri caldeira me acusando de ser um mascutrol no outro post,,. provo a ela que não... se vc dri entrar na fórum project e procurar os tópicos porque o feminismo e fundamental e animes sem echi e racismo e só procurar os posts de arthur-sama e dar sua opnião! adimito não ter talento nenhum talento pra escrever e ser bastante contraditório,mas isso nãofaz de ninguém um mascu faz? se eu estiver cometendo qualquer erro ,falando oque não devia ,ma corrija,afinal quero sempre evoluir mais! e continuo sendo fan da lola, ana,dri, e yulia2 ! Quanto ao assédio sempre que vejo eu corrijo! tenho amigas que se tornaram minhas amigas pq eu as defendi de assédio uma vez... e a quem falou q homem só domina pq é mais forte quw mulher não é! pois tem muita mulher mais forte que muito homem! e lolinha quero mesmo saber, vc me concidera um mascutrol,por favor me responda eu lhe suplico!

Ass arthur nerd e fan da lola

yulia2 disse...

E lembrando as feministas de uma coisa: as modelos podem escolher se querem fazer o trabalho ou nao, ou seja, apesar de culparem os homens, em ultima analise sao as mulheres que se prestam a isso.
_____________________

Para de bancar o bestalhão André!
é claro que estamos fartas de saber que as modelos escolhem o trabalho ou não , a questão aqui NÃO É ESSA!
Não estamos criticando os homens e mulheres que PARTICIPARAM da propaganda! Eles foram pagos pra isso.
È a mensagem que passa a propaganda... para de fingir ignorância que não sabe do que se trata.
A propaganda da wolksvagen onde o pai dialoga com o filho dizendo que ele não cata mulher e tem vergonha dele, NÃO TINHA participação de mulher nenhuma nessa propaganda e nem por isso deixou de ser machista e boçal tanto quanto as propagandas de cerveja!
Dá um tempo no seu mimimi...
corre pro uol pra defender essa merda de propaganda e para de vir aqui defecar pelo teclado!

Andre disse...

Sim, seria simplismo mesmo, só simplifiquei assim par nao me alongar, mas alguns posts dão a entender isto quando falam que só homens concordam com a cervejaria.

Fatima disse...

Mais e mais pessoas estão entendendo a necessidade de criarmos um novo modelo comportamental em que o respeito mútuo seja a lei.

Nada de basear o nosso humor na humilhação de outros seres humanos,

Nada de agirmos como se os outros fossem coisas, e não pessoas; olhando o outro como se ele fosse apenas e tão somente um objeto disponibilizado para a satisfação de nossos desejos.

Essa mudança incomoda aqueles que estão confortáveis com a manutenção do status quo atual porque fazem parte de grupo que não é vitimado por esse status quo.

E eles farão backlash e slutshaming na tentativa de refrear as ações sociais que visam o estabelecimento desse novo paradigma.

lala disse...

Bom... não são só os homens que defendem essa propaganda, mas as pessoas machistas em geral...

Será que custa a entender que o feminismo não é 'homensXmulheres', mais sim uma luta contra o machismo, que afeta de forma negativa tanto homens quanto mulheres?!?

carolinapaiva disse...

André

Essa interpretação que você tem de alguns textos reflete uma postura defensiva.

Anônimo disse...

Esse comercial da Schin nunca teria sido veiculado nos EUA. E nem o da Prudence. Para um país que vive a imitar o lá de fora, por que não imitar o que presta lá de fora?

yulia2 disse...

esse paspalho vem aqui dar uma de zé bestinha fazendo de conta q que não entendeu nada....

entendeu sim, ele tá aqui é bancando o zé graça pra cima de todo mundo.

Ju disse...

Andre não é diferente de nenhum mascu. Já esbarrei com vários desses por aí. Num primeiro momento eles parecem educados, até concordamos em alguns pontos, mas aí eles mostram a verdadeira face. A mim vc não engana, Andre. Colocar a culpa nas mulheres que gravaram a propaganda é uma baixeza que não tem nem nome.

Andre disse...

Engraçadao falar como se me conhecesse, e por favor, leia direito, não coloco em nenhum momento a culpa nas modelos. Apenas citei que as modelos podem escolher não participar, ou seja, tem muitas mulheres que não se acham ofendidas com a propaganda tanto é que participam dela.
Daí tiramos a conclusão óbvia de que existe uma sultura sexista na publicidade, e que muitos acham normal. Daí também dá pra concluir que se a propaganda denigre ou não um grupo é questão de opinião.

André disse...

Andre,
Concordo em parte com você, creio que a mensagem principal da propaganda da cerverja seria: já que você é um babaca que não consegue pegar as mulheres que você considera pegáveis, pelo menos beba cerveja com os amigos.
Mas as situações mostradas são claramente de estupro, segundo a legislação atual. E não concordo que o fato de haver mulheres na propaganda sirva de atenuante. Acho que deveria ser colocada uma tela azul depois da propaganda com algo como "O Ministério da Justiça adverte estuprar uma mulher é crime".

Bastos disse...

Lola, resolvi comentar aqui ao invés do Post anterior porque tinha lido o seu texto e achei alguns pontos ruins, mas aqui foi colocado melhor.

Colocando em tópicos sobre os textos e alguns comentários

1º - 30% dos homens estuprariam se não fossem punidos (pesquisa que você citou), com certeza, assim como roubariam (com certeza é mais) ou matariam. Um coisa que sempre as pessoas esquecem é que esses crimes fazem parte do lado biológico humano. Só pelos comentários do seu blog dá para ver que algumas das leitoras matariam (principalmente o Anônimo e o André :P). A questão é que são crimes que colocamos como algo ruim na nossa sociedade (ainda bem) e que devemos educar os cidadãos para não fazerem isso. Infelizmente isso não dá sempre certo. No Brasil existe uma cultura muito mais forte que matar não vale... o resto é subjetivo e esse é um problema.

2º - Quando digito estupro no meu google, aparece 7 casos de estupro, a definição da wikipedia em português, o video da jornalista da Band maltratando o bandido que roubou uma mulher acusando ele de estupro (http://www.youtube.com/watch?v=F6VCbJHtzdc) e um artigo sobre uma campanha mal sucedida da políbia britânica. O problema de aparecer para vc cenas de vitimização do estuprador é por causa do seu trabalho, infelizmente. Quando pesquisamos muito um tipo de assunto o google e o face tende a nos apresentar esse tipo de informação primeiro. Isso tem suas vantagens, mas tem suas desvantagens também.

3º - Para o Anônimo que disse que 90% das mulheres tem orgasmos sendo estupradas, essa pesquisa fala de homens estuprados (sim, existe e não é uma mulher subindo na gente, mas outro homem e envolve penetração anal). Isso inclusive, voltando a biologia, é por causas de reações involuntárias por estimulo da próstata e é o que causa problemas psicológicos devastadores na cabeça de um homem por algo que ele não sentiu prazer, mas cresceu numa sociedade em que ter ereção é sinal disso. Em mulheres é bem mais raro e ainda assim, também pelos motivos biológicos subconscientes (ou vocês acha que na nossa época semi animal estupro não era um dos meios reprodutivos!!!) e os efeitos são tão devastadores psicologicamente quanto para os homens (acho que não preciso entrar em detalhes como sociedade que prega que se gostou não é estupro e que mulher é culpada... etc, etc, etc)

4º - Sobre a maior parte dos comentários ofensivos, acho que é um problema menor, mas que afasta uma discussão razoável entre a visão de homens e mulheres desse assunto. Por mais equivocado que o anônimo e o andré poderiam ter colocado suas opiniões, chamá-los de homofóbicos, ou falar de suas mães não ajuda na discussão (infelizmente pouca coisa ajuda, o melhor seria ignorar. Conheço poucas pessoas que conseguem fazer isso, mas é realmente o melhor), quando tem algum fundamento como a do André, pelo menos tente dialogar, talvez algo produtivo saia, talvez você possa convencer alguém mais de que ele está errado (pode acontecer o contrário, lembre-se disso). É que simplesmente não gosto desses fóruns de discussão brasileiros que transformam tudo em FlaxFlu, PSTBxPT. É importante notar que a ideia de uma discussão seria entender diferentes pontos de vista e como trabalha-los e argumentá-los e forma coerente, aprendendo sobre os dois lados. É difícil mudar o pensamento de uma pessoa, mas aprender o que ela pensa pode ser útil para entender outras.

Aldenir Antunes disse...

Agora sobre as opiniões ao assunto,

Acho que o ponto do primeiro texto e depois quase bem colocado no segundo é o que fazer. Que faz apologia ou não, bem no mínimo esta mostrando uma ofensa ao pudor (desde a mudança de 2009, as pessoas discutem se essas "bolinações" são ou não estupro, a lei ficou dúbia com a extinção de atentado violento ao pudor) o que é ruim por si só, no entanto o problema é, o que fazer com isso? Comunicar o Conar de que a propaganda te ofendeu é bom, mas fazer mais pessoas propagarem a visualização da propaganda nem tanto. Um grande economista disse uma vez que se algo é vantajoso, alguém irá fazer, não importa se é moral ou não. Esse é o problema. 30s no JN deve custar uns 500.000 reais. Se você coloca no ar umas 30 vezes e depois isso repercuti para sempre, vale a pena e é mais barato que colocar 60 (ou 31 :D). Devemos lembrar que publicidade não é vender um produto, mas vendê-lo e fazer as vendas aumentarem com o menor gasto possível. Não é a primeira vez que a Schin ou empresa de bebidas faz isso (veja a Devassa com a Paris Hilton ou a Antártica com a Juliana Paes). O certo realmente é conscientizar as pessoas que elas não deveriam beber esse tipo de bebida quando elas fazem esse tipo de propaganda. Fora do Brasil isso funciona e um selo verde ou natural chega a ser mais forte do que propaganda e propaganda como essas chegam em alguns lugares a acabar com uma marca (nem sempre, mas acontece), por isso o pessoal diminui o impacto sempre. No entanto no Brasil funciona e muito e é isso que deveria ser o esforço. No entanto nunca ninguém me falou para não beber Original porque a Ambev coloca dois caras secando a Juliana Paes de tanga e de olho se a tanga cai ou não. Na verdade só depois de ver esse blog comecei a me perguntar sobre isso (e por enquanto não vou parar com a Original, lamento a decepção, mas não foi o suficiente). Ou seja, proibir a propaganda não vai ajudar e se a multa não for alta o suficiente também não (veja as propagandas antecipadas de políticos). O correto seria uma campanha contra o produto, porque se isso realmente impactar alguém pensaria duas vezes antes de colocar uma campanha como essa na tv, no entanto proibir a propaganda só vai dar um tempo até a próxima e sem efeito algum. A comparação com a lei contra propaganda de cigarro é péssimo, pois o que se pretende é diminuir o consumo de cigarro (não sei porque não tem uma igual para álcool?!). Se a propaganda interfere no modo de pensar e agir das pessoas é difícil de analisar (sério, você não vai encontrar uma pesquisa realmente descente sobre isso infelizmente, são muitas variáveis e poucas formas de isolar a influência), mas dá para mudar a ação das pessoas em relação ao que elas veem, pois enquanto esse esforço não é feito e enquanto todo o argumento usado é falar que o cara a favor não tem mãe o debate não avança. Outro ponto a lembrar é que isso demora, mas pode ser feito com uma pessoa persistente (veja o homem de Brasília e sua briga pela faixa de pedestre), basta que ela encontre outras pessoas que se juntem a ela, no entanto só postar em comentários de blog não adianta (fazer o blog adianta :D sim, mas só nos comentários não...) no entanto da mesma forma que o brasileiro tem um ponto fraco de achar que se não morreu não é tão ruim, também tem uma enorme preguiça para o conflito, sempre tentando apaziguar as coisas e isso faz com que fazer algo diferente de preguiça. Desculpe o post pessimista (ou não :P) e boa sorte com a campanha... aliás, Nova Schin é consumida por 11,6% do Brasil, então sem essa de ninguém bebe Nova Schin...

Ana disse...

@Aldenir
"A comparação com a lei contra propaganda de cigarro é péssimo, pois o que se pretende é diminuir o consumo de cigarro (não sei porque não tem uma igual para álcool?!)."

Seguindo esse raciocínio, o banimento das propagandas de cigarro reforça que:

I - a propaganda tem influência no que as pessoas fazem
II - consequentemente, tirar uma propaganda do ar diminui o índice de pessoas com conduta "X" mostrada/incentivada ali

Pois bem, se comerciais interferem na realidade então violência sexual numa propaganda não pode ser bom, não acha?

A comparação se refere estritamente ao argumento de que 'é só um comercial'.

Se propagandas não tivessem poder algum, ninguém gastaria dinheiro nelas a começo de conversa.

Se propagandas não influenciassem o comportamento das pessoas, não haveria necessidade de um órgão regulamentador.

Então, é, desconfio de que não seja 'só um comercial'. Se propagandas fossem inofensivas e ninguém desse bola pra elas, as de cigarro continuariam aí - esse é o ponto.

fatima disse...

''Apenas citei que as modelos podem escolher não participar, ou seja, tem muitas mulheres que não se acham ofendidas com a propaganda tanto é que participam dela.''


Mas isso não é o foco da discussão... e vc sabe disso.
vc sabe muito bem que o foco é outro e fica aí dando uma
de que não sabe e vindo com essa baboseira aí.... O que elas acharam é irrelevante, o que importa é que na cabeça de MERDA dos publicitários deveriam
ter pensado em algo melhor para passar na tv, já que
ele sabem do peso dessa responsabilidade.

''Conheço poucas pessoas que conseguem fazer isso, mas é realmente o melhor),
quando tem algum fundamento como a do André, pelo menos tente dialogar''

como dialogar com um cara que FAZ DE CONTA que não entendeu
o problema? ele vem aqui repetir o mesmo discurso..
que se tinha mulher na propaganda ah então não é tão
grave assim pois elas toparam fazer a propaganda então
elas também são ''culpadas''...bla bla bla é uma análise POBRE , superficial e com o objetivo, ainda que bem falho mas claro, de tentar desqualificar as reclamações sobre essa propaganda.

Não estamos debatendo o porque tem mulher ou não na propaganda
porque elas fizeram ou o que elas acham disso, o buraco É MAIS EMBAIXO!
Até porque NÃO SÃO ELAS que veiculam a propaganda na tv, e nem donas da fabriga de cerveja.
Não é NECESSÁRIO ter mulher em propagandas para que sua mensagem passada seja de aviltamento e esculacho VIDE a propaganda da wolksvagen que citei acima. Com o sem mulher , a MENSAGEM de esculacho é a mesma.

mihaelo disse...

André: a Eisenbahn foi comprada pela Schicariol e já faz bastante tempo.

Que a mentalidade machista está presente na maioria dos homens e também em muitas mulheres é óbvio, vide o caso da professora Michela Roth na Itália onde os pais dos alunos exigiram a demissão dela por também ser modelo e ter feito publicidade de lingerie.

Que a publicidade influencia a maioria da populaçao já está comprovado há muitas décadas. Nos anos 50 de séc. XX os espectadores de um filme foram bombardeados com uma mensagem que dizia beba o refrigerante x e coma a pipoca y e as vendas disparraram.
Certa vez numa escola infantil onde trabalhava, na sala da tevê duas crianças começaram a se beijar na boca e eu irritado mandava elas pararem de beijarem, mas elas continuavam. Então a estagiária de magistério percebeu que a menina e o menino estavam imitando o que viam na novela que estava passando na televisão. Comentei isso com a diretora e a partir daí somente passaram a por filmes infantis da videolocadora do bairro.
Isto demonstra perfeitamente que para crianças e para adultos infantilizados(que são a maioria como Noam Chomsky já comprovou) o que a publicidade mostra é algo que pode ser feito com naturalidade e se alguém se irrita com isso, tanto mais o procedimento continuará sendo realizado.

Anônimo disse...

A propaganda é de mau gosto e só! Discordo que seja ofensiva, ou que faça apologia a alcool para fidelização de crianças etcétera e tal. Tb. não acuso o golpe por
ser homem e, por isso, estar retratado como idiota. Ela apenas quer vender cerveja.
A cultura do politicamente correto é que é muito chata!
Seja lá quem fez a peça publicitária foi infeliz, mas ela não está totalmente destituída de realidade, pq., se estivesse, ninguém comentava (nem para o bem,
nem para o mal). O anúncio foi elaborado, vendido, produzido e veiculado, ou seja, passou por vários crivos até vir a público. Penso que se fosse esta aberração completa ele não passaria por tudo isso.
"De perto todo mundo tem defeito" disse Caetano Veloso. "Se grampeassem o telefone de todo mundo até Madre Teresa de Calcutá ficaria em saia justa" escreveu Paulo Francis.
No seu texto tem vício cultural tb, qdo Vc se refere a apalpar corpo que não te pertence (algo assim). Isso poderia sugerir que a autora tb. acredita em propriedade privada em relação a corpos humanos. É um tanto calhorda de minha parte te acusar do que Vc está reclamando nos outros por uma frase "infeliz" pinçada do seu texto. E é muito calhorda tb. desqualificar o texto por causa desta mesma frase pinçada.
Acredite, com este andar da carruagem, Vcs se matariam se soubessem o que seus filhos, pais, irmãos, namorados, maridos e amigos conversam entre si.
Porém faz parte de assunto privado e sem consequência. Querer matar alguém não faz de mim um homicida. Seria simplificar demais a identidade de uma pessoa.
Um estuprador se sentirá a vontade e motivado para o estupro sempre que a ocasião lhe for favorável, este anúncio nunca motivará qualquer pessoa ao ato ilícito.
A propaganda tende a simplificar e ser direta (é do ofício dela). Seres humanos são mais complexos.
Não defendo a propaganda, acredito que toda propaganda é empulhação. Umas empulham com mais ou menos talento.
Termino como comecei. O anúncio é grosseiro e de mau gosto! mas não pretendo comandar o ponto de vista do mundo.

Andre disse...

Nossa! Só porque citei que tem mulheres na propaganda, como exemplo de que tem mulher que não acha ofensivo, que se a propaganda ofende ou não é questão de opinião; já tem gente falando que estou pondo a culpa nas mulheres.. ô cabecinha, heim.
Lógico que a culpa não é delas, mas repito: ofensivo é questão de opinião, e já disse a minha - a propaganda não me ofende, as algumas pessoas (não tenho base pra saber se são maioria) se sentem sim ofendidas e têm todo o direito de tentar tirá-la do ar, e repito, caso não tenham lido: não gosto de propaganda de cerveja sexista, pois sou um bebedor e isto não tem nada a ver com cantadas grosseiras como aparecem em comerciais.

E sim, sei que a Schincariol, não pdendo competir no varejo com Ambev, Femsa etc, mudou o foco há anos e comprou as principais microcervejarias do país, como Eisenbahn, Devassa, Baden Baden... só espero que não tenhamos que ver essa baixaria nas propagandas de cervejas que eram tão boas, bem, na Devassa já começou.

yulia2 disse...

Putz esse André insiste em ficar bancando o idiota por aqui...
depois fica chorando pra Lola se fazendo de coitadinho
que é xingado e tal...
o cara continua repetendio a mesma baboseira
de sempre, já explicamos do que se trata, mas o cara continua...
e continua com a sua repetição.
ai ui ui, só porque eu disse bla bla bla...
Não tem como não achar que ele veio
aqui pra ficar trollando, se eu fosse moderadora
daqui eu bloqueava esse cara de vez, está claro que
ele veio pra tumultuar. Gostaria de sugerir a Lola
que passe a observar esse tal André... tem todas as
caracteríticas de trollador.

''Só porque citei que tem mulheres na propaganda,
como exemplo de que tem mulher que não acha ofensivo,''

eu não vou repetir a mesma coisa de sempre como vc vem fazendo...
vc ta trollando , ta na cara isso.

''a propaganda não me ofende, ''

parabéns Mr óbvio!!!
descobriu isso sozinho?

Ana disse...

(I)
@14:08
Oi pessoa. Eu debati muito comigo mesma se respondia teu comentário ou não, porque já falei tanto aqui que acho que enchi o saco de todo mundo. Por razões que nem eu consigo detalhar, acabei decidindo por escrever-lhe de qualquer maneira.

“A cultura do politicamente correto é que é muito chata!”
És a centésima pessoa aqui com esse argumento, rs. Podes ler comentários mais acima sobre o que achamos dele. De qualquer maneira, um ponto para começares a refletir – o que é pior, um mundo chato ou um mundo violento?

E não, não somos contra o humor.

Particularmente, eu ainda acho que proteger meu direito absoluto sobre meu corpo é bem distante de ser ‘politicamente correta’. Eu estou simplesmente exijindo o mínimo que a sociedade me deve, que é entender que em situação alguma alguém pode pôr as mãos em mim sem meu consentimento, nem de brincadeira. Não é muito, não é exagero, não é parte de um movimento, é o mínimo que eu preciso pra viver tranquila.

“Seja lá quem fez a peça publicitária foi infeliz, mas ela não está totalmente destituída de realidade, pq., se estivesse, ninguém comentava (nem para o bem,
nem para o mal).”

Então desde que uma propaganda não esteja ‘totalmente destituída de realidade’ ela está correta? Existe gente racista no mundo, isso dá brecha pra que vejamos uma propaganda racista como normal?

Ainda estou tentando entender como isso pode ser algo a favor do comercial. Porque saber que a propaganda mostra um pedaço da realidade – saber que homens realmente sonham em abusar de mulheres e sair impune – só faz com que a coisa fique pior.

Tanto que um dos grandes argumentos de quem discorda da gente é que a propaganda é DISTANTE do mundo real (como disse o CONAR, é uma situação absurda que não vai acontecer mesmo, então que mal tem, né?).

“O anúncio foi elaborado, vendido, produzido e veiculado, ou seja, passou por vários crivos até vir a público. Penso que se fosse esta aberração completa ele não passaria por tudo isso.”

Ou isso, ou as pessoas que aprovaram o comercial foram tão bombardeadas com a idéia de que ‘de brincadeira pode’, que não enxergam mais o abuso. Aliás é isso que chamamos de cultura do estupro – um clima que banaliza a violência e faz com que as pessoas não vejam nada demais em, por exemplo, entrar num banheiro e passar a mão em mulheres.

Uma coisa errada continua sendo errada não importa quantas pessoas achem que é certo. Quero dizer, uma propaganda racista não deixaria de ser errada só porque passou por um conselho. O conselho pode estar errado. As pessoas podem (não necessariamente por maldade) terem deixado a mensagem racista passar. E aí?

“No seu texto tem vício cultural tb, qdo Vc se refere a apalpar corpo que não te pertence (algo assim). Isso poderia sugerir que a autora tb. acredita em propriedade privada em relação a corpos humanos. É um tanto calhorda de minha parte te acusar do que Vc está reclamando nos outros por uma frase "infeliz" pinçada do seu texto. E é muito calhorda tb. desqualificar o texto por causa desta mesma frase pinçada.”

... essa eu não peguei, desculpe. Sinta-se livre para elaborar melhor o argumento se quiser.

(...)

Ana disse...

(II)
“Acredite, com este andar da carruagem, Vcs se matariam se soubessem o que seus filhos, pais, irmãos, namorados, maridos e amigos conversam entre si.”

Nossos filhos, pais, irmãos, namorados, maridos e amigos são pessoas maravilhosas; mas isso não lhes dá direito de atropelar nossas vontades. Passar pra frente qualquer pensamento machista é errado e vamos continuar dizendo isso a quem quer que seja, inclusive filhos, pais, etc.

Quero dizer, julgas que se algo é comum, repetido por várias pessoas, não é grave. Teu raciocínio é que se homens ao nosso redor dizem coisas assim o tempo todo, então não pode ser tão ruim assim.

Eu discordo. Que coisas machistas sejam ditas todos os dias pela maioria dos homens (e mulheres) por aí não faz com que o machismo seja algo inofensivo que deva ser relevado. Na verdade, isso só prova nosso ponto, de que a cultura do estupro banalizou a violência. Banalizou tanto que chegou ao ponto de até nossos filhos, pais (...) estarem repetindo absurdos como coisas normais. Pessoas boas estão com dificuldades severas em detectar violência contra a mulher em seus discursos.

“Porém faz parte de assunto privado e sem consequência. Querer matar alguém não faz de mim um homicida. Seria simplificar demais a identidade de uma pessoa. “

Talvez não.

Mas se a sociedade tratasse homicídio como algo não-tão-grave, isso inibiria ou incentivaria o crime?
Se não houvesse indignação com assassinatos, se não mandássemos homicidas para a cadeia, se não nos comovêssemos com a dor das vítimas, o número de crimes aumentaria ou diminuiria?
Se divulgássemos que no fundo todo mundo quer matar, que morrer nem é tão doloroso assim, que matar alguém pode até ser engraçado, isso seria pressão contra o crime? Ou a favor?
Vamos refletir? :)

“Um estuprador se sentirá a vontade e motivado para o estupro sempre que a ocasião lhe for favorável, este anúncio nunca motivará qualquer pessoa ao ato ilícito.”

Aí depende do que chamamos de ‘ocasião favorável’.

Eu diria que uma realidade na qual a grande maioria dos homens fantasia com abuso é favorável.
Eu diria que uma realidade na qual as pessoas tem dificuldade de atribuir gravidade a uma passada de mão é favorável.
Eu diria que uma realidade na qual o abuso possa ser visto como engraçado é favorável.

Fica difícil convencer um cara de que é errado passar a mão em mulheres quando ele sabe que todo mundo faria isso se tivesse chance. Todo mundo deseja isso, todo mundo acha normal desejar isso, como pode estar errado aproveitar uma chance de apalpar uma mulher? Até os homens mais decentes fantasiam com isso, como pode ser tão terrível assim? Não é nada demais.

Chama-se banalização da violência, não há de quê ;)

Sei que tens a tua opinião e tal, mas acho que é importante refletir sempre...

Anônimo disse...

André, se meu comentário passar no crivo, quero dizer que te acho um cara legal por buscar se explicar a cada ataque e o fazer de maneira educada.

EneidaMelo disse...

Ana, tu tens uma paciência de Jó. Obrigada.

carolinapaiva disse...

Ana, tu tens uma paciência de Jó. Obrigada.[2]

Seria bom que o pessoal que quiser agregar algo a discussão desse uma lida nos comentários anteriores para não repetir o que já foi discutido.

yulia2 disse...

''E não, não somos contra o humor.

Particularmente, eu ainda acho que proteger meu direito absoluto sobre meu corpo é bem distante de ser ‘politicamente correta’. Eu estou simplesmente exijindo o mínimo que a sociedade me deve, que é entender que em situação alguma alguém pode pôr as mãos em mim sem meu consentimento, nem de brincadeira. Não é muito, não é exagero, não é parte de um movimento,
é o mínimo que eu preciso pra viver tranquila.''


ARREBENTOU!!! é isso mesmo.

''Então desde que uma propaganda não esteja ‘totalmente destituída de realidade’ ela está correta?
Existe gente racista no mundo, isso dá brecha pra que
vejamos uma propaganda racista como normal?''


Ana , ACABANDO com os mascus ou seus simpatizantes pseudo educados..deu um banho de argumentação!

Anônimo disse...

Andre, vc me parece ser um cara do bem que vive sem tormentos.

Julia disse...

A Ana é brilhante e muito paciente.
Sou fã dela.

Isa disse...

Ana, que bom que mais alguém "viu" (cooler com rodinhas) e entendeu o que eu tbem entendi.. vc disse tudo. Obrigada!

Kely Carvalho disse...

Lola, adoro seu blog, leio sempre . Sempre tive um pé atrás com essas propagandas de cerveja, são umas piores que a outra. Aliás num sei se alguém já viu nos bares da Devassa sempre tem na porta "a gostosa do dia", claro porque vendem mulheres não cerveja. Eu fico puta com isso viu. Mas como disse uma pessoa no Twitter (que você postou a imagem) "sugeriria boicotar a marca mas nunca nem ouvi falar de alguém que bebesse Nova Schin" hahahahahahhahahahah

Quem bebe essa água de xixi só pode ter sérios problemas!

Eu lembrei também de que propagandas de cerveja podem ser legais dê uma olhada nessa da carlsberg:
http://www.youtube.com/watch?v=RS3iB47nQ6E

Mihh disse...

Ana,

desde de o nosso debate semana passada reparei nas suas postagens e estou super de acordo com o que o pessoal já disse ali em cima: você presta um belo serviço à causa. Por acaso tem um blog próprio?
Parabéns pelas argumentações e paciência!

Anônimo disse...

08:57 lindo lindo o comercial, será que dá pralgum publicitário/CONAR aprener coisa bacana assim?

Anônimo disse...

10 melhores comerciais de todos os tempos
http://www.youtube.com/watch?v=FhljTM6vuEU&feature=related

Ana disse...

@EneidaMelo, carolinapaiva, yulia2, Julia, Mihh

OMG pessoas. Muito, muito obrigada :D

Mihh eu não tenho um blog, acho que se tivesse um ia ficar atirado às moscas XD

@Isa
O comercial do cooler fez meu alarme apitar, kkkk. Mas submissão e doçura pra algumas pessoas são que nem a tomada e o focinho do porco, sabe? Não conseguem dizer a diferença.

Uma reflexão que pode ser interessante é: Por que será que não passou pela cabeça dos publicitários fazer a propaganda com lugares trocados? Com o homem levando a cerveja pra mulher?

Me arrisco a dizer (e poderia estar errada) que foi porque a piada perderia o sentido.

SE foi isso, temos um positivo pra sexismo – implica que mulher servindo o homem é o que mais se vê, e não o contrário. O lugar de cada gênero é fixo, tanto que se invertemos as posições, perdemos a graça. Está tudo atrelado à idéia mulher-serve/homem-é servido, perdendo isso, perde-se tudo.

O comercial funciona justamente porque a ótica sexista existe, e sem ela, ele fica à deriva. As pessoas não se identificariam com uma mulher sendo servida por um homem; e esse bloqueio está inteiramente nos gêneros – não sei vocês, pra mim isso é justamente o conceito de sexismo.

E sim, sim, a propaganda só reflete a realidade etc... O que pra mim só faz tudo pior =_=

marcia costa disse...

Lola,
São muitos os comentários e infelizmente não deu para ler todos. Por isso talvez o que eu vá dizer já tenha sido mencionado, mas se a representação no CONAR foi arquivada, pode-se tentar uma denúncia no MP, por alguma ONG, como a CFEMEA, por exemplo. Afinal apologia a qualquer crime é delito previsto no Código Penal. Em se tratando de Defesa do Consumidor, se eu não me engano, pessoa jurídica responde penalmente, sim. Através de seus representantes. Vou pesquisar. A cena de estupro no filme O homem sem Sombra me deixou assustada, impressionada. Saber que algo tão aterrador,o pesadelo de nós mulheres, inspirou uma propaganda me dá asco.
Agora, algo que mão importa aqui neste debate,mas só a título de informação, o caso Depardieu, foi verdade sim. Eu soube bem na época do escândalo, dias antes do Oscar. Ele disse que foi uma espécie de menino de rua e aquela prática fazia parte da sua "chilhood". Me lembro que fiquei lendo aquele trecho de entrevista repetidas vezes, querendo me convencer que era algum engano.Sei que nem fui assistir Cyrano e nunca mais assisti nenhum filme com ele. O sumiço repentino dele de Hollywood tem haver com isso sim. E onde há fumaça há fogo. Porque a indústria cinematográfica é hipócrita, machista, racista, mas não negocia com criminoso. Não por virtude: é para não perder bilheteria mesmo!
Enfim, pense sobre a denúncia. Tem também o CADE, que cobra multas violentas. E sabe como é: o bolso é a parte mais sensível.
Foi um prazer.

Anônimo disse...

Entendo que aquele comercial da Hope com Gisele Bündchen foi retirado do ar logo após os protestos femininos. E se isso ocorreu, tirarem o comercial do ar rapidinho, foi pq Gisele B. assim o quis. Dados os protestos, manter o comercial pegaria mal para a imagem da Gisele no Brasil e isso repercurtiria (ai que palavra!) no exterior tb e como disse Marcia Costa "o bolso é a parte mais sensivel."

lola aronovich disse...

Gente, detesto quando é passada informação errada nos comentários. Eu prefiro não deletar, mas tenho que corrigir. Nem a campanha da Bombril nem a da Hope foi suspensa ou tirada do ar, ok? Não aconteceu nada com elas. Não me lembro a decisão do Conar, mas creio que em ambos os casos ele julgam as denúncias como não procedentes. Aliás, seria interessante ver quais denúncias o Conar já aceitou, porque tenho a impressão que são bem poucas. Ah, o comercial da Devassa com a Paris Hilton foi sim tirado do ar. O anúncio da Devassa Negra foi visto como racista e sexista pelo Conar. Mas lembro que demorou um tempão pra decidirem.

Anônimo disse...

A internet abrange um mundo sem fronteiras e nem todas as pessoas que acompanham o blog sabem exatamente do que se passa no Brasil... pelo auê que eu li na época sobre os protestos que o comercial Hope/Gisele B. causou fiquei com a impressao do comercial haver sido desveiculado!!! qual o quê... É por isso que acho que seria legal se Lola ou lguma leitora acompanhasse/buscasse o resultado de assunto que gera polêmica na mídia em geral e tb aqui no blog, particularmente qdo o assunto é exposto no blog e dá tantos comentários como foi o caso da moça negra que trabalhava numa escola de bairro classe A de Sampa e a diretora queria que ela, a moça negra, alisasse ou prendesse o cabelo... é preciso que o público saiba no que deu o desfecho... vale a pena reclamar? se nao vale, o que é preciso fazer para que se faça valer e a voz seja ouvida? coisa assim. E deu em prisao aquele caso horrível (numa pequena cidade de um dos estados nordestinos) o estupro em grupo como presente de niver de um cara?

Bem, esse blog já passa a requerer que Lola tenha uma assistente para pesquisar o desfecho de vários assuntos abordados e seria muito legal se alguma estudante universitária de direito ou de comunicaçao se interessasse pela proposta (e eu nada tenho a ver com o peixe, apenas um pitaco sem mais delongas.)

Anônimo disse...

Louise Brooks... da época do cinema mundo, que quase ninguém conhece, que graças a www.en.wikipedia.org agora eu sei quem foi... e nem loira era... rs...

marcia costa disse...

Oi!
Quero retificar a menção que fiz ao CADE - Conselho Administrativo de Defesa Econômica: sua área de atuação restringe-se ao zelo pela livre concorrência no mercado. Lola, mandei o link do seu post para uma ong e estou aguardando a resposta.

Fernanda Alyce disse...

Eu já fui estuprada.Humilhada de todo geito,chegaram ao ponto de me amarrarem no pé duma mesa e me estuprarem ali mesmo no chão é horrendo. E o maníaco estava alcolisado pela mesma cerveja do comercial.Vi a propaganda ridícula da nova schin. Pensão que mulher é o quê? Um objeto que esses beberroes fazem piadas com nossa intimidade? Se fosse o contrário já teriam retirado a propaganda. Falem o que quiser nôs mulheres NÃO ACEITAREMOS INCENTIVOS A ABUSOS. E amulher que acha isso feminismo da nossa parte está sendo ignorante a situação.

Anônimo disse...

Ninguém merece surra de pau. Quem pensa assim são os retrogados da ditadura militar. Pelo comentário agressivo de que feminista merece cadeia e espancamento saiba que agressão física também dar cadeia. Nunca uma mulher foi presa por exigir respeito,mas muitos homens já foram presos por tentarem calar uma mulher .Então criatura sem noção não venha querer vomitar suas agreções que aqui não é lugar de maníaco é lugar de gente de bem que tem um objetivo comum dar oportunidade e liberdade de expressão a cerca de temas que envolver MULHER.

josenias de andrade pinto disse...

Nunca pensei que alguém tivesse essa iniciativa, não sou mulher, e nem preciso ser para concordar em genero, grau e número com este protesto. qualquer comentário contraditório acredito ser de mentes alienadas e insensatas.

chega a Mulher é muito mais que objeto de satisfação masculina. Fico injuriado com alguém que acha graça de tal comercial. Aquelas mulheres e aqueles homens estão ganhando dinheiro, mas e as milhares de vítimas de violência sexual da realidade...

confidencial ;P disse...

Aah ta... Então ta mto fechado né? Repense se são essas pessoas que estão vendo coisa onde n tem ou se vc que está sendo cego pra não enchergar isso. Pense como uma mulher que sofreu abuso ou estupro se sentiria vendo esse comercial? Vendo a propaganda fazer piada de uma coisa que ela sofreu?