domingo, 30 de outubro de 2011

PSICOPATIA SANCIONADA PELA SOCIEDADE

Que brasileiro é um péssimo motorista todo mundo sabe. O que não se sabe é porque não temos vastas campanhas para tentar mudar este quadro. No Brasil, há 6300 atropelamentos com morte por ano, de acordo com o Denatran. Como o órgão contabiliza apenas mortos no local, o número sobe para 8520 segundo o Ministério da Saúde, que calcula os atropelados que sobrevivem até chegar ao hospital. Ou seja, matamos mais que o dobro de pedestres que matam os americanos. E aqui reina a total impunidade. Eu sempre ouvi falar que, se a gente quiser matar alguém sem correr o risco de ter que passar um só dia na cadeia, o ideal é atropelar a pessoa. Outro dia vi uma curta reportagem sobre a impunidade no trânsito brasileiro. Uma repórter entra num barzinho à noite para entrevistar clientes que estão bebendo e vão dirigir daqui a pouco. Ela encontra um jovem que bebe e diz, risonho, que sente-se muito seguro hoje em dia, porque seu carro tem freios ABS e airbag. “Mas e se você atropelar alguém que não tenha ABS ou airbag?”, quer saber a repórter. “Ah, aí a gente paga a fiança e sai”, responde o rapaz. É isso que a cultura do automóvel promove: a sensação de um universo particular em que só o motorista importa. Atropelou e matou alguém, paciência. Quem mandou cruzar o meu caminho?
Claro que existem pedestres imprudentes que surgem do nada, e claro que acidentes acontecem. Mas o modo como dirigimos certamente ajuda a causar esses acidentes. E quem leva a pior é sempre o pedestre. Infelizmente, uma decisão recente do STF abriu jurisprudência para que todos os casos de acidente de trânsito por embriaguez sejam vistos como "culpa consciente". Um atropelamento causado por um motorista bêbado só será considerado "dolo eventual" quando o motorista beber antes com o propósito de atropelar alguém. Ou seja, o rapaz que diz que, em caso de atropelar alguém, só precisa pagar a fiança pra ser liberado, tem cada dia mais motivos pra sorrir.
Assine a petição "Não Foi Acidente", que exige que pessoas que
bebem, dirigem e cometem crimes não fiquem impunes. Eu já assinei. Mas não é só isso. A gente precisa reaprender a dirigir. Precisa repensar o lugar e a hierarquia do carro nas nossas cidades, e nas nossas vidas.

28 comentários:

aiaiai disse...

Tenho muito mais medo do meu filho andar sozinho por conta dos atropelamentos do que dos assaltos.
Vou assinar já!

Robson Fernando de Souza disse...

Sinto em dizer, mas essa petição vai ter muito poucas assinaturas, exigindo todos os dados do título de eleitor.

-lia- disse...

me dá um ódio quando vejo essas reportagens sobre blitz, lei seca, e vejo o povo reclamando do "rigor" da lei.

como se não dirigir depois de beber fosse só pra não ser pego na blitz!

e a vida das pessoas que eles põem em risco??!!

Rodrigo Mendes disse...

Assassinar e não ser pego parece filme do Hitchcock.

É tão simples interpretar a frase: "Se Beber Não Dirija." Caretice, eu não bebo e por enquanto não dirijo, mas o problema não fica apenas no quesito embriaguez. E os rachas que ocorrem impunemente?


Abs.

Bruno S disse...

Eu sempre fico com a impressão de que a chance do cara ser condenado(pela justiça e pela opinião pública) é maior se ele matar outro motorista do que se matar um pedestre.

oscar wildcat disse...

exatamente como a lia falou: as pessoas acham que lei seca e blitz são criações das autoridades para cercear a liberdade e "fazer dinheiro" com multas e propina. impossível não lembrar daquele desenho do Pateta (da Disney) em que ele assume outra personalidade quando está ao volante, a lola até falou dele um tempo atrás. e, vem cá, não quero generalizar e sei que há exceções, mas, na maioria dos casos que tomo conhecimento em que as pessoas se acham livres para sairem correndo feito loucas em seus carros (tendo bebido ou não), o condutor é homem e eu sempre associo esta atitude à necessidade de fazer coisas arriscadas deliberadamente, desafiar as leis e sentir-se superior a elas, características tão conhecidas da velha educação tradicional machista. e muitas vezes, como no caso da entrevista que a lola citou no post, os infratores só reforçam esta impressão.

Jéssica disse...

E nesse mesmo Brasil eu ainda tenho que ouvir homens encherem a boca para falar que dirigem melhor que as mulheres... Dos acidentes fatais, 82% são causados por homens, 8% por mulheres e 10% indefinido.

Koppe disse...

Robson Fernando de Souza disse...
"Sinto em dizer, mas essa petição vai ter muito poucas assinaturas, exigindo todos os dados do título de eleitor."

Lamento ter que concordar, mas...

A maioria das pessoas não têm esse documento à mão e nem sabem de cor os números.

MAS, isso torna as assinaturas mais confiáveis, tornando a petição como um todo mais confiável. Sacrifica-se a quantidade em prol da qualidade.

Lord Anderson disse...

Sem duvida nenhuma a situação de tanta violencia no transito merece ser chamada de psicopatia.

Alem disso como é possivel pensar em abrandanar a pena de um crime que acontece tanto e com tão poucos condenados.
Absurdo total.

Fabiola disse...

Assinado! e bom ver que já tem um bom número, apesar de todos os dado!:)

Mas o nosso problema de trânsito já beira o absurdo, outro dia saiu no jornal aqui em BH: agora os motoqueiros utilizam as passarelas de pedestres como via também!
notícia:http://goo.gl/YFJ4o
Como se não bastassem ignorar os pedestres nas vias, agora, até onde é feito para segurança das pessoas já tem o perigo do atropelamento!

Tati Leutwiler disse...

Lolinha, morei na Nova Zelândia um tempo atrás e lá existem campanhas realmente agressivas para conscientizar os motoristas.

Há quem pense que estes comerciais sejam "muito chocantes" ou "sensacionalistas", mas essa cultura brasileira paternalista de colocar gente bonitinha cantando músicas fofinhas dizendo "Ó, não vai beber e dirigir, hem? Gracinha!" já mostrou que não funciona.

Aqui alguns exemplos (dá para achar mais procurando por "ad new zealand drive" no You Tube):

Fatigue Alert (para os que dirigem com sono)
http://www.youtube.com/watch?v=unfKWtQkqUo

You're a Bloody Idiot (beber e dirigir)
http://www.youtube.com/watch?v=Vjn2JKrlkcU

Trapped (beber e dirigir de novo - essa até eu acho um pouco forte demais)
http://www.youtube.com/watch?v=zdRZhfWFPHE

Spin The Wheel (imprudência no trânsito - esta tinha várias com finais diferentes, mas não acho todas)
http://www.youtube.com/watch?v=TgQyaBNBao0

Mordechai disse...

Isso me lembra o caso de um empresário paulista que causou uma série de acidentes com o seu Porsche ao dirigir alcoolizado, por sorte não matou ninguém mas botou seriamente em risco a vida de outras pessoas.

No seu perfil no facebook, um monte de mulheres o defende calorosamente, ah... o poder de um Porsche...

Michel Saad Ralei num carro voltando p casa e nem percebi…fiz ocorrencia e ninguem se machucou. para que tanto alarde ??! imprensa poderia se ocupar de algo mais importante !!!

Compartilhar · sexta às 19:32 · Privacidade:
99 pessoas curtiram isto.
Ver todos os 2 compartilhamentos

Marisa Badra Estou c/ vc sp!!!! Conhecendo vc como conheço tenho certeza se tivesse percebido algodão teria parado e ajudado! Está na moda perseguir donos de porsche. O q vale é a sua consciencia. Bjs
sexta às 19:44 · 2 pessoas

Giselly Allure Powww cê, tava “bem bonitão” na tv! rs… Bincadeira! Se precisar de algo, estamos ai! Fica bem! Bjuxxxx
sexta às 19:48 · 1 pessoa

Van Aloi A impressão que da, eh que quem tem Porsche hoje em dia, se tornou uma ameaça no trânsito, se fosse qualquer outro carro popular nao viraria noticia… Ridículo isso… Bjs

sexta às 20:07 · 2 pessoas

Uafah Majdoub Eh q vc eh noticia
sexta às 20:24

Irene Maria Giobbi Dear ate quando voce rala num carro voce da Ibope !
sexta às 20:31

Yasmin Pastore Abdalla Today’s Newspaper Wraps Tomorrow’s Fish, mas pelo jeito nem pra isto serve, recalque de jornalista de quinta.

sexta às 20:45 · 3 pessoas

Juliana Casellato infelizmente eles só noticiam quem tem carro importado, agora os milhões de carros populares que batem e causam acidentes ninguém fala…como já disse Ronaldo (fenômeno), no Brasil ter carro importado, melhorar de vida causa revolta nas pessoas (na minha opinião inveja mesmo). Inveja pura…

sexta às 23:54 · 1 pessoa

Paula Regina Guerreiro Mansur michel…anda de fuka agora…ta lokooo viu!!agora….ng pode sair de porche querido…que vc ja ta violando a invéja..kkkk

sábado às 16:18 · 2 pessoas

Regiane Oliveira HOLA MEU QUERIDO FICO FELIZ QUE ESTA TUDO BEM COM VC…………ISSO E PURA INVEJA!!!! SAUDADE.…………..TE ADORO MUUUUITO!!! BJOS
sábado às 18:49 · 1 pessoa

Alex disse...

De vez em quando tem saído reportagem de atropelamentos em que, após o pagamento de fiança, o motorista é solto pra responder ao processo em liberdade. Há uns meses atrás, na calourada da UNICAMP, um rapaz atropelou e matou uma senhora de 83 anos, pagou uma fiança de uns 20 mil reais e está respondendo em liberdade. Já vi outras reportagens com esse mesmo teor. Depois de uma reforma recente que houve no Código de Processo Penal, os motoristas irresponsáveis, que bebem mesmo sabendo que daqui a pouco vão dirigir, realmente têm tido muitas razões pra sorrir. Também achei absurda a decisão do STF que resolveu trocar o dolo eventual pela culpa consciente; a pessoa que bebe sabendo que em instantes vai dirigir está assumindo o risco de atropelar alguém, lesioná-lo gravemente ou matá-lo. Pior é que as decisões do Supremo são colegiadas, não entendo como outros ministros aderiram ao entendimento de Luiz Fux, o relator dessa decisão absurda. Esses ministros decidem desse jeito porque só andam de carro oficial. Têm chofer pago com o dinheiro público. E a maioria dos membros das famílias deles não devem andar a pé ou de ônibus. Deve andar também de carro oficial, de jatinho ou de helicóptero. Só sei que o trânsito é um retrato perfeito da nossa sociedade. Ninguém quer esperar em filas, tem sempre um fodão ou uma fodona passando na sua frente sem nenhum constrangimento, garantido(a) pelo anonimato dos vidros escurecidos pelas películas. Sinal de trânsito, à noite, praticamente não existe, parece até que tem campeonato pra ver quem ignora mais deles. Quando os atropelamentos acontecem, agora, pagando-se fiança, fica-se logo em liberdade e provavelmente impune. Quem escreve muito bem sobre isso é Roberto Damatta em "Fé em Deus e Pé na Estrada". Lamentável. Esse caldo e os carros estão cada vez mais potentes. São 150 cavalos, 250 cavalos, 300 cavalos. Quando vejo um Land Rover, um Porsche ou um BMW saio logo de perto, principalmente quando estou a pé. Até porque, se eu for atingido por um desses, o motorista não vai me prestar socorro e ainda vai sair rapidinho da cadeia, pagando uma fiança que não custa nem o jogo de rodas do veículo.

Blythestock disse...

o q acho ruim nessa campanha q vc precisa por o título de eleitor é q além de dificultar pq a gente tem q ir atrás do dito cujo, limita o número de pessoas q podem fazê-lo. Se a gente usar um outro slogan de campanha, "no trânsito todo mundo é pedestre", pq um adolescente de 15 anos, por exemplo, não pode assinar? Acho q é de interesse geral q tal lei seja aprovada, então não entendo o motivo de limitar a assinatura a portadores do título de eleitor.

Mariana. disse...

Nossa, que NOJO desse garoto entrevistado. O pior é que muitos pensam exatamente assim. :/

Eu tirei minha carta há quase um ano, mas só ME autorizei a sair com o carro quando me senti extremamente segura do meu controle sobre o carro. JAMAIS coloquei uma gosta de álcool quando sabia que iria dirigir. Me revolto com quem é imprudente no transito e acho sim que quem bebe e dirigi e mata, tem que responder por homicídio doloso. infelizmente não é assim. :q

Mariana. disse...

ahh não! vocês não vão transoformar o debate em guerra de sexo agora né?

denise disse...

Ja assinei Lola mais uma vez to do seu lado, e nem tem como não estar , é uma vergonha como esse assunto é tratado aqui no nosso pais, tenho um primo que era uma cara brilhante, advogado, poucos dias antes do seu casamento foi atropelado, ficou entre a vida e a morte por quase um ano, hj leva uma vida vegetativa.
Mais um que entrou para as estatisticas.

denise disse...

Poxa Mariana isso é incrivel mas concordo com vc dessa vez, eu apesar de ter minha carta desde meus 18 anos, tambem não sentia segurança para dirigir, e nem era muito medo de me ferir, o meu grande pavor era ferir alguem com minha inexperiência, só depois de sete anos quando eu tive minha filha e por absoluta necessidade eu consegui criar coragem, voltei pra auto escola. Mas até hj procuro fazer o minimo possível o meu uso do carro.

Ana Gabardo disse...

O que os motoristas têm que pensar é que eles são motoristas e pedestres também (porque uma hora ou outra eles terão que atravessar uma rua, nem que seja pra sei lá, chegar no estacionamento). E muitos pedestres são apenas pedestres. E quem está dentro de um carro, sozinho ou com mais alguém, é responsável por muitas outras vidas, não somente uma.

mundomel disse...

É um absurdo isso. Carros são mais importantes que pessoas.

Em um shopping aqui de BH fizeram um mural imenso com post-its com "pedidos pro Papai Noel" e a maioria esmagadora pede um carro 0. O segundo pedido do ranking é um namorado e o terceiro é dinheiro. Pouquíssimas pessoas pediram cura para doenças e apenas uma pediu "amenizar a dor das mães que perderam seus filhos".

Absurdo.

Relicário disse...

Oi Lola esse assunto é sério demais, e precisa ser discutido pela sociedade.
Em 2001 quando fiz e apresentei minha monografia, o assunto foi justamente o dolo eventual em acidentes automobilísticos. A minha tese era justamente sobre a possibilidade da interpretação pelo dolo eventual no caso do motorista assumir o risco de lesar ou matar alguém enquanto dirige, ou sob efeitos de drogas e alcool ou quando em razão de sua negligência, imperícia ou imprudência viesse a causar dano ou a morte de alguém.
Pra mim na época ficou claro a possibilidade de utilizar-se dele para alcançarmos uma mudança necessária no comportamento dos motoristas.
Vejo a decisão do STF como um retrocesso absurdo.

Elaine disse...

Minha família também foi vítima de um motorista embriagado e conheço bem essa dor. Já falei várias vezes sobre isso no meu blog - e sei que, infelizmente, ainda vou falar outras vezes. Bjo

Gabriela disse...

Alguém me corrija se eu estiver errada, mas acredito que a exigência do título de eleitor pro abaixo-assinado tenha a ver com as regras para que uma lei de iniciativa popular possa virar lei mesmo (falei sem juridiquês nenhum, mas acho que deu pra entender, né?!).

Eu conheci o Rafael Baltresca, o responsável pela iniciativa da lei, cerca de uma semana antes do acidente (ele ministrou uma palestra onde trabalho). Quando vi o caso fiquei chocada, mais impressionada ainda pelas tristes coincidências da vida. Vou assinar o abaixo-assinado mais tarde, quando tiver os documentos à mão.

De resto, lembro das críticas à lei seca, e de emails que eu recebo direto alertando para "novos locais de radar" - os dois dizendo que o objetivo é apenas "arrancar dinheiro do motorista". Mas se esquecem do objetivo: lei seca existe pra não ter bêbado atrás do volante, não para ferrar a diversão de quem sai e bebe. Quanto aos radares, ué, só passar na velocidade indicada que ninguém vai ter problema com eles.

DDD disse...

Bom, assinei a petição, e para quem não assinou porque não está com o título de eleitor à mão, é possível consultar todos os dados necessários do título no site do TSE
http://www.tse.jus.br/eleitor/titulo-e-local-de-votacao/consulta-por-nome

Eles pedem o seu nome, o da mãe e data de nascimento.
Dá um trabalhinho a mais, mas para quem já está na net, nem tanto.

eunaoseiescrever disse...

Pois é, Lola. Falta à nossa sociedade mais consciência em relação ao "se beber, não dirija", mas enquanto não for criada uma maior consciência em relação à importância do transporte público de qualidade, inclusive nas madrugadas após as cervejinhas de final de semana, muita gente ainda vai pegar o carro alcoolizada, e os acidentes vão continuar. Essa semana tivemos a notícia do aumento assustador de acidentes de trânsito. Não acredito que seja pq as pessoas estão bebendo mais, mas sim pq existe um aumento desenfreado na venda de carros. Mais carros nas ruas, mais acidentes. E não sou contra o acesso das pessoas a certos bens de consumo, mas e se investíssemos mais em transporte público e nos rendêssemos menos aos lobbies do capital?

Rê_Ayla disse...

minha opinião foi, é e sempre será a de q alguém q atropela e mata após ingerir álcool ou drogas está fazendo o mesmo q alguém q pega uma arma e atira: só q a arma, no caso, é o carro.

Lar Ternura disse...

Sem dúvida quem bebe esta assumindo a responsabilidade pela possível morte de alguém...Incrível é que ao menos nos casos que eu vejo, sempre o pedestre ou a pessoa/s que está no outro carro é quem morre e não quem bebeu e estava dirigindo...

Thiago Leal disse...

Assinadíssimo... não vi desde quando rola esse abaixo-assinado, mas tem mais de cem mil assinaturas... quem diria.