quinta-feira, 5 de novembro de 2009

CURAS MILAGROSAS PARA DEFEITOS INVISÍVEIS

Campanha do Carefree em SP: neutralize seus odores ou vire abóbora.

O maridão estava lendo uma revista antiga (ele gosta de ler revistas antigas, de dez, vinte anos atrás, e se tivesse alguma Cruzeiro dando sopa por aqui, ele também a leria), e ficou perplexo com a entrevista de um publicitário brasileiro que foi encarregado de lançar o Carefree no Brasi
l. Sabe, aqueles “protetores diários”, pequenos, que não são absorventes? O carinha dizia que as mulheres não entendiam pra que servia aquilo e que, no começo, usavam como absorvente, e não funcionava. Eu lembro de uma vez que um chefe brucutu chegou pra mim e pra algumas colegas e perguntou: “Pra quê serve um treco como o Carefree? Vocês não trocam de calcinha todo dia?”. E as outras moças, envergonhadas, tentavam argumentar que, sim, Carefree é de suma importância, e elas nem sabiam como conseguiram sobreviver sem o troço por tantos séculos. Eu não me contive e, apesar de discordar desse meu patrão 100% das vezes, respondi: “Você tem razão, boss. Não serve pra nada mesmo”. Porque, né? Cá entre nós. É totalmente inútil mesmo.
Mas o maridão lá, se identificando com a dificuldade do publicitário, tadinho, que tinha que encontrar uma utilidade praquele produto. Parece que o maridão nunca leu meu blog!
Convenhamos, não é difícil vender um produto pra mulheres. Quase todos os produtos direcionados pra gente são comercializados em cima de alguma insegurança. Primeiro cria-se um defeito, aí vem um produto pra sanar esse defeito. No caso do Carefree, é o nosso cheiro que não presta, ou é um corrimento que vai manchar tudo, ou é que somos tão sujas que deveríamos trocar de calcinha cinco vezes por dia, mas, como não podemos, usamos um protetor diário, que vai nos proporcionar grande conforto e segurança. É como a invenção da celulite. Não existia nem palavra pra isso até a década de 70. Os furinhos, ou sei lá o quê, que muitas mulheres têm na perna e no bumbum não eram vistos como defeitos. E hoje existe uma indústria bilionária faturando em cima desses furinhos.
Outro dia eu tava vendo aquela besteira que é o Jornal Hoje. Eu não vejo TV, e realmente odeio aquele telejornal, mas o maridão insiste em ligar a televisão e tirar um cochilo depois do almoço, antes de ir trabalhar. Então muitas vezes acabo vendo algum pedacinho também. E outro dia inventaram um defeito que eu nem sabia que tinha. Disseram que mulheres não podem dar tchau efusivamente com os braços, só um tchauzinho discreto, porque embaixo dos braços há muita gordura, e essa gordura balança quando se mexe o braço. Sei que estou longe de ser uma consumidora antenada, mas eu aqui, com 42 anos nas costas (e nos braços), nunca tinha me dado conta desse gravíssimo defeito que é a parte interna dos meus braços (deve até haver um nome pra isso, eu é que não sei). Quer dizer, e daí se um pedacinho de mim se mexer enquanto eu movimento meus braços? Meus seios também balançam quando ando, apesar do esforço do sutiã para restringi-los. Isso deve ter ligação com aquilo de ensinar meninas de oito anos a andarem de salto alto e fazerem chapinha no cabelo. Aí elas não brincam na escola como as outras crianças, porque não dá pra correr com salto alto, e vale tudo pra não desmanchar o penteado. O objetivo de tudo, portanto, é restringir os movimentos femininos? E movimento lembra liberdade? Estou começando a ver um padrão.
Mas voltando àquela partezinha embaixo do braço que se mexe quando a gente dá tchau (só nas mulheres, ok?). O Jornal Hoje entrevistou personal trainers e foi a academias de ginástica, tudo pra ensinar a gente como endurecer esse pedaço desagradável da nossa anatomia. E eu devo ter perdido os comerciais no meio, que provavelmente vendiam creminhos pra enrijecer o braço.
Outro dia o Jornal Hoje noticiou sobre os cankles, nome recente de uma invenção americana pra se referir àquele pedacinho do tornozelo que não se diferencia muito da perna. Sei lá, eu não entendi direito. Mas li que um estilista modificou algumas Barbies porque as roupas que ele havia criado não caíram bem nas bonecas, porque elas (as bonecas, não as roupas) não tinham tornozelos bem definidos, e sim cankles. É, sabe a Barbie, aquela boneca que representa fielmente o corpo feminino? Nem ela é perfeita. Na reportagem do Hoje, dicas de exercícios físicos para corrigir os cankles, e entrevistas com cirurgiões plásticos, que sim, já se deram conta do problema seríssimo que os cankles significam pra autoestima feminina.
Mas é aquele negócio, certo? A gente não é influenciada pela mídia, imagina. A gente usa Carefree porque quer. Cirurgia pra tratar os cankles, creminhos pra tratar a celulite, horas de academia pra tratar a parte interna dos braços—tudo isso é uma escolha pessoal. Porque o importante é que a gente se sinta bem, sempre.
Convenhamos, não é difícil vender produtos pra mulheres.

52 comentários:

Luma Perrete disse...

Viu esse texto sobre o caso da Uniban? http://docs.google.com/View?id=dcwmpms6_5dx2gtffc
Muito bom.

Giovanni Gouveia disse...

O músculo atrás do bíceps é o tríceps, e, num festival de circo aqui no Recife, recentemente, uma palhaça (literal, com peruca espalhafatosa e nariz vermelho) disse que era "balânceps" =)
Mas Lola, essa é a essência do capitalismo, criar novas necessidades, para assim garantir um novo nincho de mercado, não é apenas para as mulheres, embora eu concorde que a ditadura da "beleza" feminina tem sido um dos (senão O) segmentos mais agressivos.
Eu vivi minha infância e adoleescência todinhas e parte da vida adulta sem computador (comecei a usar eu tinha 24 anos, um troço de 270Kb de HD...), laptop, ipod, walkman, internet, pen drive, excel... Hoje em dia isso é praticamente impossível, pelo menos na cidade

Andréia Freire disse...

Pefeito.

Por isso que sempre me recusei a usar salto alto. Só usei no máximo plataforma quando tava na moda há uns 5 anos, quando eu tinha uns 15. E o máximo que me permito é o protocolo de festas e afins, aí uso um saltinho de 2, 3 cm e foda-se quem achar baixo (e sinceramente um salto baixinho assim nem chega a incomodar, ainda mais só por algumas horinhas e até esse salto eu dava um jeito de me livrar quando era mais nova, depois que a gente cresce as pessoas não perdoam mais).

Não vou restringir a minha liberdade porque querem que eu faça isso. Nisso temos que aprender com alguns homens, que estão se lixando para essas frescuras. Grande maioria dos homens nem sabe o que é celulite e quando descobre recorrem ao famoso dito popular: "celulite é gostosa em braile"!

Sempre tenho um sutiã sem alça pra não ter que me incomodar com alça aparecendo (se bem que essa neura foi transformado em algo fashion já, moda é coisa de louco). Nunca usei saia e vestido justo, daqueles que você mal pode se mexer. Nem curtos demais, porque você tem que ficar se policiando ao sentar, se abaixar, andar em escadas... sai pra lá!

E lá vou fazer algo que não quero só porque o machinho quer! É só por isso que alguns tem birra com feministas. Como elas ousam não fazer tudo pra agradar o macho? Blé. Meu namorado sempre que macho é uma coisa a parte, ele é HOMEM. E pra mim machista é macho, HOMEM é outra história.

Barbara disse...

Lola, vc tem como me dizer onde foi publicada essa entrevista? Porque tem publicitario que ainda discute comigo quando eu digo que eles passam a vida tentando criar necessidades que a gente nao tem...

Obrigada!

Lord_Anderson disse...

Olha só, quem diria, tenho algo em comum com o CM, tb gosto de ler resvistas e jornais antigos.

Ajuda a ver a evolução (ou falta dela) de alguns argumentos e discursos.

Sobre o tema, quando era mais jovem eu estranhava a quantia de tempo e dinheiro que minhas irmãs dedicavam a coisas como shampos, cremes diversos, cabelereiros, etc.

Mas todo mundo dizia que isso era natural, que mulheres eram mesmo vaidosas , etc.

Mesmo tendo demorado p/ entrar em contato com a constestação feminista, eu ja achava meio absurdo aquele exagero todo. Principalmente quando minha irmã mais velha acabou com a cor natural dos seus cabelos de tanto fazer "experimentações" com cada novo produto que era anunciado como milagroso.

Infelizmente isso só aumentou com o passar do tempo, com a publicidade e a sociedade focando em cada faixa etaria (vcs mulheres ja devem se cuidar desde crianças e continuar mesmo na maturidade, afinal envelhecer é o pior dos pecados)p/ mante-las consumindo mais tempo.

E só p/ terminar, mais alguem lembra de quando tava na moda mulheres (e alguns homens mais vaidosos) usar shampo p/ crinas de cavalos nos cabelos?

Acho esse um episodio bem ilustrativo.

Andréia Freire disse...

Tudo bem que o capitalismo cria coisas inúteis, mas cria coisa boas também como internet. Acho que é essencial. Vai revolucionar o mundo (o que já fez). Crianças que usam internet tem um desempenho maior na escola, por exemplo. Temos uma mídia mais livre e não dependemos mais de revistas e jornais tendenciosos. Na internet é mais fácil ler fontes diferentes e ver as coisas de todos os ângulos. As notícias se espalham mais rápido, etc.

Eu nem acho que querer cuidar da aparência seja algo ruim, o problema é que é um sistema de dois pesos e duas medidas para as mulheres. Sempre. É raro ver uma mulher dizendo que se o marido engordar ela vai largá-lo. Já o contrário... Homens em geral ainda são muito mimados.

Andréia Freire disse...

É até natural mulheres gastarem mais com cabelos, já que a maioria usa cabelos longos. O homem corta o cabelo o tempo todo, então nem dá tempo do cabelo ressecar e ficar com pontas duplas, coisa e tal. Sem falar que eles não pintam e não alisam, em geral, então não precisam ficar fazendo hidratação.

Mas gastar muito com cabelo é da classe média pra cima, o mais comum é usarem esses shampoos e cremes de supermercado que são baratos. O gasto maior é com chapinhas/secadores, tinturas e alisamentos. Eu faço alisamento (porque o meu cabelo não tem forma de nada), mas tô esperando um alisamento/permanente que vai chegar pra deixar o meu cabelo ondulado. Liso eu acho sem graça, e cacheado não é bem a forma natural do meu cabelo. Ele é uma coisa sem forma, nem liso, nem cacheado. O ó.

Giovanni Gouveia disse...

O músculo atrás do bíceps é o tríceps, e, num festival de circo aqui no Recife, recentemente, uma palhaça (literal, com peruca espalhafatosa e nariz vermelho) disse que era "balânceps" =)
Mas Lola, essa é a essência do capitalismo, criar novas necessidades, para assim garantir um novo nincho de mercado, não é apenas para as mulheres, embora eu concorde que a ditadura da "beleza" feminina tem sido um dos (senão O) segmentos mais agressivos.
Eu vivi minha infância e adoleescência todinhas e parte da vida adulta sem computador (comecei a usar eu tinha 24 anos, um troço de 270Kb de HD...), laptop, ipod, walkman, internet, pen drive, excel... Hoje em dia isso é praticamente impossível, pelo menos na cidade

Anônimo disse...

sobre a Uniban:

http://www.clicrbs.com.br/jsc/sc/impressa/4,1124,2706794,13459

Bárbara Reis disse...

Não mesmo, é só acabar com a nossa auto-estima e mostrar uma solução. Ou como o Giovanni disse "cria-se uma necessidade"... antigamente ninguem precisava de celular, hoje em dia, até mesmo eu, tenho dois, e não saio de casa sem, não vivo sem computador, internet... A diferença é saber o que realmente trás alguma utilidade, e o que é lixo.

E eu faço Publicidade, logo não vou ser hipócrita.

Porem, se tudo der certo, eu farei outra faculdade... de TI. Que já é uma outra coisa. Mas antes farei um curso de especialização. Eu realmente nunca gostei muito de Publicidade, eu gosto de Planejamento, eu só fiz Publicidade porque eu já sou técnica em Design Gráfico, foi só pra complementar o curso, e sinceramente, aprendi as mesmas coisas, praticamente.

Beijo, beijo, Lola!

luciane disse...

Excelente Lola!
a essencia da sociedade de consumo é nos fazer acreditar que precisamos de coisas que nunca sentimos falta! Nem que para isso seja preciso inventar defeitos inexistentes.
Pena.

Aline disse...

Comecei a cursar Publicidade e parei no primeiro ano, porque não me identifiquei com o "TER que vender aquele produto a qualquer custo", sabe, me sentia violando meus próprios princípios. Ainda bem que não segui em frente, hoje teria me arrependido.
Esse absorvente diário não serve para nada mesmo e ainda prejudica, abafando nossa "colega" que precisa respirar e quanto mais ar fresco melhor! Detalhe, que o uso contínuo desse protetor pode passar a segurança de estar protegida do indesejável corrimento, porém muitas vezes ele mesmo pode estar agravando esse quadro.
Bjos

Lord_Anderson disse...

Barbara.

Se me permite um comentario, não acho que a publicidade em si seja o errado na historia toda.

Ja que viviemos numa sociedade de consumo, torna-se "normal" a necessidade de cada empresa de salientar a qualidade do seu produto p/ o consumidor.

Oq devemos descutir são limites dessa publicidade, a etica que deve rege-la e os abusos cometidos.

Não precisamos demonizar uma profissão.

. disse...

Aquele Carefree não serve para nada mesmo... eu só uso quando estou bem no fim da menstruação e não preciso usar um absorvente maior.
Mas as ginecologistas sempre falam que ele é uma das maiores causas de Candidíase em mulheres, mas isso eles preferem não comentar nos comerciais, né? ¬¬

Aliás Lola, adoro o seu blog, mas não comento sempre pra não parecer reduntante (e puxa-saco, rs) com o que você escreve. =]

Mariani

Má disse...

Oi Lolaa!
Concordo com o Giovanni, é a essência do Capetalismo. Portanto, nada vai mudar enquanto estivermos nesse sistema...
Agora a particularidade da mulher é mesmo gritante em sua restrição ao corpo.
Não só carefree, mas os sabonetes "íntimos"(rsrs) só p mulheres, sabonete p calcinhas (já viu?kk) claro, só p mulheres, lencinho umedecidos "íntimos", etc etc etc....
Nisso, o capitalismo casa muito bem com o machismo e moralismo existente.
E como materialista, não acredito numa transformação nas consciências não. Nãoa dianta pedir e lutar que a publicidade não vai mudar, não é ela a causa, é apenas parte de tudo isso..

Beijão Lola!
(Ahh, adorei as casas de Fortaleza!)

Rita disse...

Oi, Lola,

Já escrevi uma vez sobre o horror das academias (respeito quem gosta, viu, gente?) e todos aqueles espelhos com seus narcisos insatisfeitos - ou megasatisfeitos (tem também). Eu tentei em eras passadas, mas nunca consegui ir muito longe, sinto sono... Nada contra cuidar do corpo, exercitar-se - eu faço minha yoga e não largo por nada - mas vamos combinar que a função do exercício físico deveria ser mais compensar as muitas horas sedentárias que a modernidade nos proporciona do que correr atrás dos "prejuízos" que o tempo nos traz...

Chatice essa coisa de não poder envelhecer em paz, viu? Ô, coisa, deixa, vai! Como se o problema da humanidade fossem as rugas. E, a-han, vou deixar de dar tchau.. é ruim, hein!

Bjs e um tchau bem abanado,
Rita

Leila disse...

Ah, eu também adoro as revistas antigas, temos várias compradas nos Estados Unidos e as publicidades são de arrepiar...num certo sentido é bom porque parece que houve algum progresso, há até publicidade do marido batendo no traseiro da mulher (é desenho)por ter feito algo errado. Enfim, uma aberração.

É verdade, como alguém citou, que as(os) ginecologistas não recomendam o uso desses carefrees.

Abraço

Mariana disse...

Mas Lola, você acredita que devemos nos despir totalmente de qualquer vaidade? Pessoalmente acho isso chato... Gosto de ser uma moça vaidosa. Mas é claro que tudo tem limites! :) To louca de vontade de ler seu post sobre a minha pergunta! Beijinhos

Mariana N. disse...

O idiota do meu primo - chamo-o assim carinhosamente - quando quer me incentivar a ir pra academia, pega bem nessa parte dos meus braços, balança e diz "vai pra academia, Mari!"

Tenho ganas de esbofeteá-lo com essa parte do braço até ele ficar com o olho roxo.

Adriana Karnal disse...

Lola,
Não acredito que o Jornal Hoje falou sobre como dar tchau e esconder a pelanquinha embaixo do braço...rsrsrsr...for Christ sake!!!

Débora disse...

Mariana, não acho que a Lola quis dizer para abandonarmos toda e qualquer vaidade e sim para ficarmos atentas às exigências sem cabimentos.
O problema é que confundem peruísse e futilidade com vaidade, só porque uma mulher não pinta a unha ou o cabelo, não uso salto ou maquiagem, não quer dizer que ela não se cuide ou que não tenha vaidade.
Eu não uso nada disso e me acho super vaidosa.

Sheryda Lopes disse...

Mas vc botou o dedo no meu triceps, Lola! Eu tenho esse pedacinho mole do braço e sempre me incomodou muito. Quer dizer, sempre não. Antes eu nunca tinha notado, mas um grupo de amigos meus (machistas, homofóbicos, etc,etc) começaram a reparar, rir e beliscar. Aó criei mó nóia, nem gosto que alguém pegue. O comentário sempre é: vc é tããão magrinha e ainda por cima faz balé! Não PODE ter o braço mole assim! E agora sempre que eu penso em malhar, penso logo que vai ser o primeiro pedacinho que vou atrás de resolver. Mas é também porque às vezes sinto dor no ombro, e penso se eu não malhasse um pouco os braços se eles não se tornariam mais resistentes. Mas o principal motivo é estético mesmo.

Me convenceram, Lola.

lola aronovich disse...

Adorando os comentários de vcs, gente! Obrigada. Gostaria de ter tempo pra responder, mas não dá. Já falei que estou atrasadérrima com um artigo que tenho que escrever?


Shery, EU toquei no seu triceps?! Não me comprometa! Quer dizer que eu toquei num pedacinho de vc que eu nem sabia que tinha nome? Olha, eu me lembro de muita coisa dessa menina linda e magrinha que vc é, mas juro que não notei o seu braço molinho! Eu devia ter percebido quando vc não me deu tchauzinho!


E pra ninguém ficar com ciúmes, digo que TODAS as minhas leitoras que já tive o prazer de conhecer pessoalmente são lindas, simpáticas, inteligentes e bem-humoradas! Sério mesmo, todas, sem exceção. Elas DEVEM ter algum defeito, eu que não reparei. Eu realmente me considero afortunada pelo meu bloguinho atrair gente tão legal. Pronto, falei.

Tina Lopes disse...

Lembro da entrevista na Caros Amigos, acho, com o publicitário (Lula Vieira?) dessa campanha do Carefree - acho até que já comentei no meu blog - e que eles concluíram, na equipe de brainstorm, que o Carefree devia se chamar "bidê de bolsa", porque o fabricante explicava que era pra mulher se sentir mais limpa - só que as mulheres no Brasil tomam mais banho que a média do país de origem (EUA, por supuesto). Enfim.

Bárbara Reis disse...

*-*

Ahh que linda, você! :D

Quero te conhecer pessoalmente também, como faz? T_T

Beijão, Lolinha!

Ufa disse...

@Andréia Freire

Só uma observação, a Internet não é um produto do capitalismo e não precisa dele para sobreviver. Ela não é um produto comercial.

Lord_Anderson disse...

"Elas DEVEM ter algum defeito, eu que não reparei"

Claro que não reparou Lola, vc tb é mulher. Só nós homens é que consiguimos ver todos os problemas e defeitos que vcs tem e gentilmente criar soluções p/ eles (por preços bem modicos).

Viu como somos legais?

Marcela disse...

Oi Lola!

Ah, que felicidade descobrir que eu nao sou a unica que se pergunta para que serve o Carefree!

Essa questao da necessidade inventada da para ver a torto e a direito aqui nos EUA. Chegou ao extremo de ter uma propaganda de remedio para "sindrome da perna 'agitada'" (ou "restless leg syndrome"). Acho que essa sindrome pode de fato existir, mas o comercial era ridiculo e mostrava as situacoes mais cotidianas. Fazia com que qualquer um tivesse certeza de que tem a tal da syndrome e que precisa falar com seu medico imediatamente!

Essa do triceps eu ja ouvi varias vezes, mas me surpreende que isso seja assunto para o Jornal Hoje. Deprimente. Alias, nem a rainha da Inglaterra escapa. ;) Essa historia do triceps vem normalmente acompanhada com a frase "e por isso que a rainha da Inglaterra da tchau movimentando a mao de lado, e nao movimentando o braco)". Quer ser fina igual a rainha da Inglaterra? Entao nao balance os triceps!

Apesar de morar nos EUA eu trabalho com muito europeu, e quando conversamos sobre estetica e discutimos exemplos como o do triceps o comentario tipico (principalmente dos homens) e "e dai que o triceps balanca quando voce da tchau"? :)))))

Bárbara Reis disse...

Como assim a Internet não é produto comercial?

Para ter acesso à internet você precisa assinar no minimo uma linha telefônica, ou um pacote banda larga. Que demanda dinheiro!

Problema: Acessibilidade. Velocidade.

Solução: Speedy / Virtual... etc...

Mesmo que você tenha uma linha telefônica, você precisa de um provedor, mesmo que você não pague por ele, você compra a idéia dele.

E mesmo que você tenha tudo isso sem um computador, você não tem acesso. E se você for numa Lan House, você paga!

A Internet é a midia que mais vende... se você anunciar um mesmo sabonete, na internet, e na TV... a internet ganha. Vide pesquisas já realizadas.

Logo, não me venha dizer que não é um produto, porque é sim... ao mesmo tempo que você consome a internet, você está pagando pra receber as informações, e ao mesmo tempo comprando as idéias e os produtos que a internet vende.

Acho que a única midia que não é de consumo, hoje em dia, é o Rádio, porque atualmente até TV você precisa consumir um pacote de assinatura para poder assistir, jornal você paga para lê-lo.

| viviana | disse...

Concordo bastante com o seu texto, Lola! Estava lembrando de um texto do Alex Castro ha' uns tempos em que ele falava dos sabonetes vaginais. Que para que servem e tal. E lembro de comentarios dizendo que sao importantes nao para minimizarem ois odores (naturais, alias), mas para arrumar o Ph e tals. Eu nao tenho nada contra, sabe, mas fico pensando, tanta mulher vive sem isso... Eu vivo, nunca tive problema (ou nunca disseram que eu tinha rs).
Acho que da' para separar vaidade, ou aquilo que vc faz por vc, do que e' imposto. Sei que isso acaba se misturando, mas por exemplo, eu me acho super vaidosa, gosto de esmaltes, de salto (nao muito alto pq nao consigo andar, apesar de achar bonito nao serve para mim), gosto de cuidar do cabelo e tals, mas nunca, jamais, vou me privar de comer o que quer que seja por conta de uma barriguinha. Acho que quando vai saindo de ser um prazer para ser algo que a gente tem que engolir "por que sim", ou pq os outros disseram, ai' e' o problema.

Alba Almeida disse...

Olá, Lolíssima

Você nem imagina como me identifiquei com esse tema. Outro dia fui fazer uma consulta a otorrino, ela passou um teste de audição, que fiz com a esposa dele. Eu havia ido acompanhada do meu filho, e durante a conversa e se surpreendeu com o tamanho de meu filho e perguntou quantos anos ele tinha, que estava muito surpresa em ser tão nova e falei da minha idade ela disse que não acreditava. No papo vai, papo vem,... ela disse;”... minha querida, infelizmente tudo cai um dia, mesmo você tendo essa pele tão abençoada, um dia surgi o bigode chinês,...” ( fiquei sem saber o que era e perguntei...) e ela continuou,. “..meu amor são as rugas perto da boca, eu só fiz o comentário, porque minha filha é dermatologista e aplica botox (é assim que se escreve?), quando você precisar dê preferência a ela. Nossa Lola, que industria??? Fiquei chocada, num voltei mais. E olha que tenho minhas vaidades..ahahah
Beijos...

Marússia de Andrade Guedes disse...

Concordo totalmente com o comentário da Andreia Freire. O problema é que a mulher não cobra, do homem, o cuidado com a aparência. Os absolventes, inclusive o carefree, nos são muito úteis. Antigamente, as mulheres usavam panos quando estavam menstruadas. As indústrias também usam os "defeitos" masculinos para vender produtos. Já viram comercial de desodorante masculino?
Até parece que o cheiro da axila masculina é uma arma de destruição
em massa!
Já perdi 20kg. Depois disso fiquei
com uma flacidez importante na região posterior do braço e em outras regiões também. Fiquei
triste mesmo. Acho que a obesidade, quando acontece por opção, como foi o meu caso, já que não tenho doença que leve ao ganho de peso excessivo, é uma automutilação. Sempre traz danos, não só estéticos, mas à saúde também. Fiquei muito feliz quando amigos me disseram que eu poderia reverter aquela situação. Eles me indicaram a musculação. Realmente resolveu o problema. Às vezes não é suficiente, mas ajuda. Que bom que o Jornal Hoje deu esta dica para as outras pessoas também.
Cuidar da aparência é bom. Sem exageros, claro. O que é injusto é que
estes cuidados são cobrados da mulher e não dos homens. Então, vamos nos cuidar sim, e cobrar que eles se cuidem também!

Dånut disse...

"Elas DEVEM ter algum defeito, eu que não reparei"

Claro que não reparou Lola, vc tb é mulher. Só nós homens é que consiguimos ver todos os problemas e defeitos que vcs tem e gentilmente criar soluções p/ eles (por preços bem modicos).

Viu como somos legais?"

hahahahaha, adorei

O que vocês mulheres fariam sem nós? o/



Gente, desculpem a ignorância, mas pra que que serve esse carefree aí? Sempre achei que fosse um absorvente normal...


Outra coisa, sempre que vejo essas propagandas todas eu acho que eu sou um ser muito estranho. Porque sempre colocam tantos defeitos nas mulheres, que se não forem corrigidos ela jamais será atraente...
Bom, eu não sei até hoje o que é celulite, não sabia da existência de sabonete íntimo antes de ler sobre na marjorie (e continuo achando inútil... porque digamos que se eu vou me relacionar com alguém a última coisa que quero é cheiro vendido no supermercado). E só fui descobrir o que eram estrias quando eu mesmo tive (e já namorei uma guria que tinha e só percebi porque ela falou).
Será que eu sou um cara tão diferente do normal? o/

lola aronovich disse...

Barbara, vc perguntou qual a revista onde essa matéria que o maridão comenta foi publicada. Eu acho que foi numa Caros Amigos, nessa que a Tina comenta, porque o carinha também usou a expressão “bidê de bolsa”. Argh.


Danut, também gostei da colocação do Lord Anderson!
Carefree é uma inutilidade. Além de fazer mal, porque não permite a livre circulação da vagina (por isso também deve-se usar calcinhas de algodão, não de lycra), ele não serve como absorvente, porque é muito pequeno e fino. Só bem no comecinho da menstruação ou no finalzinho, quando são apenas umas gotinhas. Mas é pra ser usado todos os 30 dias do mês, e trocado várias vezes por dia. É pra gente se sentir sempre seca, porque às vezes há um corrimentozinho mínimo que mancha a calcinha. Ah, e é também perfumado! Disfarça o nosso cheiro terrível!
Não se preocupe, Danut, que já já lançam um produto pra corrigir homens como vc... que não percebem os milhares de defeitos tão evidentes que as mulheres têm.

E digo mais: quem liga pra triceps é quadrupeds!

Dånut disse...

Hahaha, adorei a última frase :P
Minha mãe é paranóica com seu tríceps. E eu desconfio que isso começou depois que ela entrou na academia. Porque pelo menos antes o discurso dela era só pra ficar saudável, agora já inclui mudar esse maldito músculo...
Adoro academia, mas o povo lá é neurótico demais com o corpo, e acho que isso acaba atingindo a gente...

Cris Prates disse...

Lola, "livre circulação da vagina" foi ótimo! Huahuahauha

iaiá disse...

tenho 2 únicas funções pro carefree e semelhantes: finalzinho da mestruação ( no meu caso é muito pouca) e quando vou pra barzinho beber ( o que hj é bem raro) mas é que fazer xixi de pé par nós mulheres complica e sempre respinga na calcinha, fica molhado, não gosto. momento confessando minhas intimidades acabado.

mas tenho a ligeira impressão que hoje querem nos enquadrar em um molde pré-fabricada o e vai sair todo igiualzinho da lata de salchicha. exemplos:
momento enquadra1: trash tv, Stephany, a Absoluta ( se ñ sabe quem é, googleia) no Esquadrão da moda no SBT e o o povo lá teimando em enquadrar a moça no esquema patricinha, o legale divertido da Absoluta é que ela é única, tira isso dela e ela fica a Wanesa Camargo, ou seja, uó. No final ela teimou que não ia cortar o cabelão, como vcs devem saber cabelão é considerado over, e o cabeleireiro: vc é de áries? ela: não sou do Piauí!Mulher piauiense tem personalidade, gente!

Momento enquadra 2: vídeo que recebi no twitter: mãe faz alisamento no cabelo de uma criança de 3 anos e Tyra Banks discute, e bem, o que é cabelo bom, para desmistificar essa coisa de cabelo bom e cabelo ruim.

link aqui, vale ver http://www.youtube.com/watch?v=sBoBR20n8S4

E sei de mulheres que engordam para depois fazer a cirurgia do estomâgo, pq o peso anterior não permitiria fazer. Ou seja, a gente não pode ser a gente, e pelo visto nem a Barbie tá perfeito mais. Por mim eu aperto o botão do foda-se. quem mais?

aiaiai disse...

Enquete do senado quer saber se somos a favor de lei que criminaliza preconceito contra homossexuais. O não tá ganhando...
vamos lá votar gente!
http://www.senado.gov.br/agencia/default.aspx?mob=0

Lord_Anderson disse...

"E digo mais: quem liga pra triceps é quadrupeds! "


heheheheheh


Essa matou.

Samantha disse...

Só a gente emana "odores indesejáveis", é impressionante. Há odores indesejáveis até onde não há odores indesejáveis...rs

Na minha opinião, carefree só serve em casos de tratamento ginecologico com pomadas (porque ninguem merece ficar toda melecada, por mais que se evite). Caso contrário, na minha humilde opinião, é apenas mais um produto que vai poluir o mundo.

Quanto a celulite e ao "bracinho do tchau" e agora o mais novo "tornozelo esquisito"... sem comentários! Cirurgia plástica para corrigir a forma do tornozelo? Aliás, como banalizaram cirurgia plástica! Pow, é uma CIRURGIA, a pessoa corre vários riscos. Tem mulher que se gaba por ter feito mais de 30, como se tivesse ido ao supermercado. Pelo amor...

Lud disse...

Acho que é por isso que, agora que adotei o feminismo prático e não ligo mais para cosméticos em geral - e nem leio as revistas ou vejo as propagandas em que eles são anunciados -, eu ando muito mais feliz. Parei de ficar dissecando meu corpo à procura de defeitos invisíveis (ou visíveis mesmo) que podem ser melhorados com as curas milagrosas (e que na prática não funcionam ou funcionam só enquanto você as usa).

Agora eu considero meu corpo um instrumento de apreensão e modificação do mundo, e não mais um enfeite para deleitar olhos alheios. Então, enquanto ele estiver vendo, sentindo, ouvindo, respirando e pensando, está tudo muitíssimo bem.

Beijos!

Lola Churros disse...

Caramba!! Pensei q era só eu q nunca encontrou nenhumazinha utilidade para o Carefree, coisa mais sem utilidade, sempre me perguntei pq alguém compra aquilo!
Lola, mudando um pouquinho de tema, pq vc escreve algo sobre a Fernanda Young ter posado pra Playboy (e de quebra sobre ter medido o malho nas BBB`s q posaram para a mesma revista).

OREM 2009 disse...

É, e quem disse que as mulheres deviam se depilar? Coisa de capitalistas isso.

Lola, voce se depila?

Marussia de Andrade Guedes disse...

Gente, pra ficar de quatro tem que estar mesmo bem fisicamente. Lembrem que esta é uma das posições que os homens mais gostam!
Brincadeirinha! Lola, admiro muito você, mas acho que não devemos punir quem quer estar bem com seu corpo.
O carefree é pra ser usado todos os dias? Várias vezes ao dia?
Quem disse que tem que ser assim?
Usamos quando for necessário e pronto. Resolvido o problema.
Os dogmas existem. Desde que saibam o que eles significam, aceita quem quer.
Temos que batalhar para que todos
tenham capacidade de optar, de não se deixarem escravizar!

Ághata disse...

Você tem razão, Lola.

Os comerciantes montam em cima mesmo da inseguraça feminina porque dá muita grana...

Ághata disse...

...dizer que internet é cria do capitalismo é de matar qualquer uma...
[Até porque é o tipo de ferramenta que ferrou/ferra bastante com vários mercados,como o mercado pornográfico, e garantiu mais acesso à obras de literatura e material de pesquisa.]

Detalhe, não é só porque você paga por alguma coisa que ela é capitalista, oks?!

Por acaso, uma mulher que vende artesanato é capitalista?? Se eu compro legumes e verduras de agricultura familiar, eu tô dando preferência a uma forma de adquirir um produto que vai de encontro a lógica capitalista.
Prestem atenção nisso!!

Cara, é difícil para o sexo feminino se desvencilhar da bendita 'vaidade'. Talvez porque seja algo que constrói a bse da identidade feminina, mas... Haja saco, viu? Que mania de 'ser vaidosa'.
Não sei que diaboéissu, só sei que toda vez que me recuso a comprar/usar/fazer várias coisas me acusam de 'não ser vaidosa'.
E Não sei porque cargas de água alguém se sente orgulhosa de ser 'vaidosa'.
O que há para se orgulhar?

Bruna disse...

menina, eu fico passada com a fragilidade feminina nesse ponto. como é fácil mexer com nossa autoestima, inventando defeitos! que cruel! eu tb nunca consegui ver utilidade pra carefree, além de ser incômodo.

Gadelha disse...

Concordo com a Marússia e com a Andréia, o fato de estarmos bem com o nosso corpo não nos torna "quadrupeds". A forma que está sendo colocado, até parece o crime ou um atestado de burrice ou até mesmo futilidade cuidarmos da aparência. Só não podemos nos tornamos escravos da beleza, mas buscá-la é uma coisa positiva. E quanto ao "Carefree", para mim é de grande utilidade, como o "OB" também.

ps: Uma dúvida: se não devemos cuidar do corpo, para que serve um profissional de educação física? Esse profissional que passou anos em uma faculdade, se formou para ser um "quadrupeds"?

P. disse...

Lendo esse texto, vi minhas convicções traduzidas em palavras muito bem escritas, pertinentes e equilibradas. A nova onda de produtos específicos para a mulher tem o apelo claro de criar uma demanda inexistente. Com muito sucesso. Quando vi o comercial da ábobora [se vc não usar tal produto, seu encanto acaba], me senti incomodada. Como assim? Desde que o mundo é mundo o cheiro feminino [saudável e hábitos de higiene regulares] é apreciado, um trunfo. "Não se lave", implorou Napoleão a Josefina. E temos vergonha. Se o sabonete não for específico para os genitais, o sabão único para lavar a calcinha e muitos protetores diários [sem mencionar desodorantes, lenços perfumados], nosso cheiro é repulsivo. Dadas as devidas proporções do caso-Naoleão, eu acredito que os homens (aqui entramos no calcanhar de aquiles: fique especial para seu (todos?) homem)apreciam o cheiro, o gosto. O cheiro, poderoso agente da atração e todo o tête-à-tête que vem depois...Não há nada de errado com nosso corpo, meninas. Acreditem.

Nathy disse...

Lola, quando vi a foto da axila da mulher no post lembrei de outro super defeito feminino... axilas escurecidas... Qtos desodorantes PROMETEM que vão clarear a axila pq né, como que as mulheres vão ergues os braços se a axila é NATURALMENTE mais escura!!!

Nelma Toledo disse...

Poxa, carefree pra mim é muito útil! Não como protetor diário mas para usar no finalzinho da menstruação.

Victor disse...

Eu, na minha condição livre de não me importar com gostos alheios e padrões que a mídia vende, adoro braços macios (geralmente molengas mesmo, são maravilhosos de apertar carinhosamente), "cankles" (acho lindo o tornozelo com formas mais arredondadas), barriga macia e bochechas grandes e fofas ao toque (e aos meus olhos).

No geral, me são menos atraentes fisicamente mulheres com o corpo todo torneado, e músculos rígidos. Pra mim, a maciez e delicadeza ao toque são melhores do que qualquer músculo bem definido. O padrão que a mídia vende, não importa qual nem como, não agrada nem mulheres nem homens, no final das contas :(.

Só pra esclarecer mais ainda uma discussão que surgiu: A internet foi criada para fins militares pelos americanos que tinham sido deixados pra trás pelos soviéticos, lá pela década de 70 se não me engano, sendo posteriormente expandida para fins acadêmicos lá pela década de 80, e a partir daí se expandiu para fins sociais,
nos anos 90, e só então, para fins comerciais no começo desse século. Longe de ser fruto do capitalismo, ela foi fruto da corrida armamentista e da guerra fria, adotada pelas universidades que queriam compartilhar informações, e recebida pelas pessoas como forma de libertação das formas vigentes de mídia, até ser transformada em produto por grandes empresas, como a google (fiz essa parte em forma de discurso apaixonado só pra tentar deixar mais poético).