quarta-feira, 23 de setembro de 2009

VELHINHA INCENTIVANDO SEXO EM COMERCIAL DA HAVAIANAS? NÃO PODE


Como não assisto TV, tampouco costumo ver a maior parte dos comerciais que passam no tubo. Acabo vendo apenas alguns que leitoras(es) indicam (geralmente pra eu falar mal deles) no YouTube. E não fico nem um pouquinho inibida em tacar fogo em anúncios machistas, racistas, homofóbicos, gordofóbicos etc e tal. Mas esses dias chegaram algumas buscas via Google procurando “Comercial da Havaianas tirado do ar”, ou algo assim, que vinham parar aqui no bloguinho por causa da minha crítica a esta estupidez atroz (veja bem, hi hi, a-do-ro esse termo, eu não defendo a censura pros troços que não gosto. Apenas inicio uma indignação). E claro que não era isso que o pessoal tava procurando. Parece que o comercial da Havaianas da vez é este aí em cima, em que uma avó almoça com sua neta. A senhora de cabelos brancos começa reclamando que a neta veio pra um restaurante chique calçando sandálias, onde já se viu, e a moça responde que não é um chinelo qualquer, pô, vó, é Havaianas, e emenda: “Deixa de ser atrasada, vó”. Depois das duas concordarem que o pisante até que é bonitinho, entra um galã global, que eu nunca saberia quem é, mas li que é um tal de Cauã Reymond, e a avó diz que a neta deveria arranjar um tipinho desses pra ela. A jovem responde que deve ser chato casar com alguém famoso, e a avó: “Quem falou em casamento? Tô falando em sexo. E depois eu que sou atrasada?”.
Embora um comercial desses jamais, nem em mil anos, me faria 1) comprar uma Havaianas; 2) desejar o Cauã Reymond, ou 3) sair pra almoçar com minha avó (se eu tivesse avós vivas), eu achei fofinho. Espirituoso. Meio clichê, lógico, porque é praxe mostrar um pai sendo mais prafrentex que o filho (e não é mentira. Isso acontece bastante na vida real também, pra vergonha da juventude). Mas a atriz que faz a vó é muito boa, e eu gosto do jeito que ela pronuncia “Estou falando em sexo”, com certo desdém pelo conservadorismo da neta, como se não fosse nada de mais. E não deveria ser mesmo. Mas por algum motivo pessoas se incomodaram que duas, oh, fêmeas pudessem falar de sexo casual, sem envolvimento emocional, e desdenhassem do sagrado matrimônio. A queixa deve ser: se as mulheres derem tão pouca bola pro casamento, vai sobrar quem pra querer casar? Os gays? (Brincadeirinha! Sou totalmente a favor que gays e lésbicas possam se casar, quero dizer, talvez não gay com lésbica, que não é isso que eles querem. Querem casar com a pessoa que amam não pra imitar o casamento hétero, mas pra ter acesso aos mesmos direitos que casais héteros têm).
Na realidade, nem sei com certeza se nisso das Havaianas foi censura ou se foi um golpe de marketing dos publicitários, que mantiveram o comercial no YouTube e ainda deram repeteco da atriz velhinha em outra peça, pregando a liberdade de expressão. Mas que soa estranho que, entre dúzias de comerciais horrorosos e francamente preconceituosos, logo este que defende a liberdade sexual para mulheres seja alvo de reclamações, isso soa. Se fossem dois homens, um avô e seu neto, tendo uma conversa parecida (“Sua Havaianas até que te deixa fortão”, e aí entra a, sei lá, Camila Pitanga, e o vovô corrige o rapaz: “Estou falando em sexo”), o pessoal da moral e dos bons costumes pediria que o comercial fosse tirado do ar? Creio que não. O problema está justamente em que uma mulher—logo um ser que deve guardar o sexo apenas para ocasiões especiais, como o casamento—, e ainda por cima uma mulher mais velha—que não só não deve fazer sexo, porque sexo é pra fins reprodutivos ou pra excitar o homem, e velhinhas não têm esses superpoderes de reproduzir ou excitar homens—pregue o sexo pelo sexo, com a mulher sendo a parte interessada no negócio. Ou seja, uma total subversão da moral e dos bons costumes. Não pode!
Pode homem comer mulher semi-nua com os olhos em comercial de cerveja, enquanto a moça desfila, passivamente, com um sorriso nos lábios por estar cumprindo seu papel de atiçar o apetite masculino. Isso pode. Duvido que homem em comercial de cerveja babe pela moça de biquini pensando em casar com ela. Mas aí tudo bem, porque o comercial está seguindo a ordem das coisas: o homem como predador “natural”, instintivamente incontrolável, doido pra espalhar sua sementinha, e a mulher como presa que, apesar das roupas ínfimas, é moça de família—com ela, só casando. Obviamente a “ordem das coisas” é 100% moralista, e só reforça a noção totalmente sem-noção que desejo sexual é coisa de homem. Em mulher pega mal, e temos palavras na ponta da língua pra classificar essas devassas sem-vergonha. Porque se mulher começar a correr atrás de seus desejos, onde é que esse mundo vai parar, meu deus?

60 comentários:

cronicasurbanas disse...

Ué, Lola, aparentemente o comercial está liberado... Eu já o vi algumas vezes na TV (e olha que eu assisto pouquíssimo), em horário nobre e tudo mais. Ontem à noite mesmo, eu devo ter visto umas duas vezes.

Lu Ribeiro disse...

quando soube me surpreendeu que logo esse comercial tão fraquinho tivesse sido retirado, depois li em algum lugar que não foi o Conar q suspendeu o filme, mas a marca que decidiu interromper a veiculação e disponibilizar apenas na internet com a Vovó respondedo as críticas... Então, mais uma vez a net vira terra de ninguém, lembra aquele comercial homofóbico ou machista ou similares? Se um dia for barrado na tv estará na net...
abs
P.S.: A-DO-RO esse blog!

Fabiana disse...

Lola, acho que preciso me reciclar. Todo mundo fala que lembra de mim quando assiste o comercial da Havaianas que tem o marcos Palmeira.

Giovanni Gouveia disse...

Achei a peça fantástica!!!!
Principalmente pq está se formando uma geraçãozinha extremamente retrógrada em alguns aspectos, e a geração daquela vovó é a mesma que "queimou sutiens" (entre aspas pelo motivo que todo mundo aqui sabe), começou a revolução sexual etc.

Fabiana disse...

Olá, já leio seus textos há um tempo, mas só agora resolvi comentar.
Eu acho que o problema não é o sexo antes do casamento, e sim o respeito que se deve ter com quem está assistindo a TV. Eu abomino novela, minhas filhas e eu não assistimos. Primeiro que não presta e segundo não acrescenta em nada na vida de ninguém. Então assisti a esse comercial entre um tempo e outro de um jogo de futebol. Estavámos todos na sala, e sinceramente eu fiquei muito chateada em ter ouvido isso, e minhas filhas ouvindo. Sinceramente, achei um pouco vulgar. Não sei se houve reclamação, eu não reclamei, até porque estamos num país livre, mas que não gostei, não gostei mesmo.

--

Em tempo, adoro seu blog. Bjs!

Paola disse...

Achei esse mil vezes melhor que o do MArcos PAlmeira!
Não saiu do ar, não, passou ontem no intervalo do Jornal NAcional!
Bj
PAola
(Ah estou me inscrevendo com esses posts sobre maternidade, desde que li a proposta estou pensando muito nisso:
(as fichas continuam caindo) http://votodefilha.blogspot.com/2009/09/as-fichas-continuam-caindo.html
(eu sou a mãe)
http://votodefilha.blogspot.com/2009/09/eu-sou-mae.html

samira disse...

Ontem ví comercial só com a velhinha, explicando que o comercial tinha sido retirado do ar e realmente não entendí nada... Tô achando q é golpe publicitário mesmo, quem ainda não viu vai correr pro youtube pra ver lá.
Adoro seu blog !

Fabiana disse...

Mas agora comentando o seu texto. Eu tenho contato diário com mulheres idosas e, por conta da profissão, com as adolescentes.

E, por mais conservadoras que algumas mulheres sexagenárias (pra cima) sejam, me parece que elas são mais liberadas do que as minhas alunas adolescentes.

Talvez por terem vivido toda a transformação do mercado de trabalho e das relações familiares das últimas décadas, eu vejo que elas encaram muito mais naturalmente algumas coisas, como por exemplo a necessidade da mulher ter uma profissão e uma independência financeia (acredite, Lola, ainda é muito grande o número de meninas que vêem no casamento um fator de ascenção e de estatos social, por isso se preocupam tanto em se sexualizar e atrair a atenção dos homens mais velhos, porque eles já tem algum tipo de propriedade, muitas vezes apoiadas pelas famílias; tenho uma boa quantidade de alunas que são noivas e até aquelas que se casam com 16 ou 17 anos, fora aquelas que engravidam).

E outra coisa é o fato, por exemplo, de eu não ser casada no papel e não usar aliaça, as meninas da escola ficam chocadas (como é que a senhora nunca quis se vestir de noiva? como que a senhora deixa o seu marido andar por aí sem aliança?).

As mulheres mais maduras não tão nem aí, me disseram, na época em que eu juntei, que era melhor assim, pq se não desse certo seria mais fácil separar.

Daí, fica evidente e meio óbvio que as mocinhas de hoje são bem mais atrasadas e conservadoras do que as velhinhas (bem, é claro que elas querem fazer parecer que são mais pra frentex pq a moda agora expõe muito mais partes do corpo do que a moda de 40, 50 anos atrás).

Junior disse...

Esse último comentário da Fabiana me lembrou de um outro post da Lola sobre como estamos regredindo e voltando para padrões de preconceito/conservadorismo de 30 anos atrás. Infelizmente, é muito comum pais mais liberais e filhos mais conservadores, esse fênomeno vem aumentando.

O que pra mim é inconcebível.

Bruna Lucena disse...

Lola, sempre leio seu blog, apesar de nunca ter comentado. Ontem vi o programa da rede globo "profissão repórter" e fiquei chocada com o tratamento que eles deram a questão de violência entre casais. Se tiver um tempinho veja a matéria no site do programa e nos diga o que achou. Beijo grande

Christina Frenzel disse...

Eu já vi algumas vezes na tv aberta e achei fofíssimo!!!!

Introspective disse...

Muito lúcida a sua análise!

Alba Almeida disse...

NINGUÉM, poderia ter feito uma analise mais séria e competente do que você.
...por este e outros, que num posso deixar de passar aqui diariamente,
parabéns!!
se golpe ou não, tá valendo.
Beijos

Teresa disse...

Sei não Lola, isso de censura parece xaveco publicitário. Lembro de um comercial antigo da Brastemp, em que também uma velhinha dizia que a eficiência da lavadora dava tempo para as pessoas fazerem coisas mais interessantes, como sexo (pausa e ênfase nas duas últimas palavras). E o comercial circulou livremente.

Mas faz sentido, queria ver se causaria tanta espécie se fosse um velhinho incentivando o neto a um relacionamento puramente sexual.

Falando em comerciais, já viu um da Kaiser? Nesse um grupo de mulheres imagina como seria se os homens fossem sinceros. Imaginam eles elogiando outras mulheres, dizendo que elas são gordas e que estão no bar em vez de fazendo hora extra no trabalho. No final, chegam à conclusão de que é melhor que eles não sejam sinceros. Cada um com suas preferências.

Rosa Lopes disse...

Estou com a velhinha, esse menino o Cauã tá maravilhooooso...Uma verdade absoluta, envelhecer não significa limitar nossos instintos femininos. Veja que criatura sensata ela defende o galã pra neta, não pra ela. Talvez a cabeça das crianças se embaralhem um pouco, venha a pergunta temida "o que é sexo", mas me lembro que quando eu assistia o Chacrinha, a Rita com sua dança pantera-cor-de-rosa (às 4 da tarde) não infundiu na minha mente idéias "estralhas", nem me tornei nenhuma tarada por isso.
Parece que o ponto forte do comercial é a palavra SEXO, seguramente q se a mensagem fosse sublinear, não teria nem sido comentado. A avó poderia apenas não completar a frase "e quem disse que estou falando de casamento..." Já q ela é uma senhora...Uma senhora velha, essa palavra não deve estar na sua santa boquinha.
Eu gostei do "fofinho" q a Lola definiu, tá fofo mesmo.
O que não entendo é pq também não temos às mulatas q rebolam com o pandeirista rodando o pandeiro embaixo do pandeirão delas, imagem vinculada internacionalmente, respondendo a críticas...ah! é pq é samba, é cultura né?

Sabina disse...

se a situação fosse inversa e dois homens tivessem a mesma conversa, se o avô sugerisse pro neto que procurasse uma bonitona pra transar, hoje nós teríamos um post SEU, daqueles que "iniciam uma indignação" dizendo o quão machista é a campanha. Agora vc vem falar do pessoal da "moral e dos bons costumes"??? Vc é a primeira a alinhar com eles.

Que piada.

Cynthia Santos disse...

Sinceramente eu não gostei.
Achei o fim esse tipo de conversa incitando o sexo abertamente, exatamente porque no horário que passa tem gente de todas as idades assistindo à tv. A mulher nua que incita o homem sexualmente nos comerciais de cerveja é coisa tão banal, que nem mesmo as crianças notam ou ficam fazendo perguntas sobre isso. Agora, pra mim, soou como apologia ao sexo pelo sexo. Achei muito vulgar e desnecessário.

Mei disse...

urgh...também achei esse comercial beeeeeeeem ruinzinho. Apelativo e fraquiiiinho de dar dó.

Éris disse...

Outra desculpa que deram para tirarem o comercial do ar, Lola, foi porque falar a palavra sexo em horários que as crianças estão assistindo veem é imoral...
Qtas crianças não assistem novelas, qtas não veem os anúncios da playboy em outdoors pela cidade?
E não é melhor que crianças saibam através de pai e mãe o que é sexo? Onde que entra a educação sexual? Crianças não perguntam o que tem entre as pernas e pra que que serve?
É muita imbecilidade tratarem o sexo como algo imoral e proibir as crianças de pronunciarem a palavra somente ou terem interesse em saber o que é.

Barbara disse...

Escrevi dois posts sobre isso,s e alguem se interessar - www.baxt.net/blog

Primeiro eu tinha achado a atitude das Havaianas erradissima, depois mudei de ideia :)

Haline disse...

Olha Lola, eu assisti ontem mesmo, então acho que pode ser mktg esse lance de censura. Agora, isso me lembrou um personagem que tem no programa "toma lá da cá", que é a avó. E eu já ouvi várias pessoas reclamando pq ela é vulgar e etc. Dai quando assiti, ela fala mesmo um monte de coisas e tudo ligado a sexo. Mas a questão é: pq é velha não pode? pq é mulher e velha, piorou. Se fosse um velho, tudo bem. Alias estamos acostumadíssimas a receber esse tipo de cantada de velho tarado. E a achar comum. Agora velha tarada, q absurdo né.

lola aronovich disse...

Cronicas, pois é, deve estar liberado, muita gente tem visto o comercial... Vai ver que é jogada de marketing mesmo, não sei. Mas imagino que eles devem ter recebido reclamações, não?


Lu, procurei na internet alguma informação constatando que o comercial foi censurado, ou que a decisão foi da marca, e não encontrei nada. Mas, independente disso, sou contra a censura. Tem vários comerciais (e filmes, e músicas, e comportamentos, e inclusive pessoas) que eu gostaria que não existissem, mas acho que elas têm o direito de se manifestarem. Inclusive na net. Apareça sempre!

lola aronovich disse...

Fabiana, tem que ser um insulto, porque a personagem no comercial com o Marcos Palmeira é pintada pra ser uma super chata.


Gio, é verdade, né? Se essa avó está com, sei lá, 65 anos agora, ela tinha 20 e poucos no final dos anos 60. Eu sempre me esqueço disso. Sei que EU não sou dessa geração que (NÃO) queimou sutiã, mas, de fato, essa geração tem que ser mais prafrentex que a de hoje.

lola aronovich disse...

Fabiana (outra Fabiana!), entendo sua posição. Inclusive ontem vi um comentário parecido em algum fórum sobre o assunto, e ele dizia que estava ao lado da filha, uma criança, na hora do comercial, e sentiu-se incomodado. Bom, o comercial tem teor adulto, digamos (sexo, casamento, e inclusive sandálias Havaianas não são coisas pra crianças), e por isso acho que deveria ser passado apenas após um certo horário. Mas hora de jogo de futebol já é esse horário, não é? E também espero que as mães e pais que se sentiram incomodados ao ver esse comercial ao lado das filhAS também ficariam assim se estivessem ao lado dos filhOS. Eu não tenho filhos, mas, se tivesse, acho que teria que conversar MUITO com eles em relação a um monte de coisa que aparece na TV. E sobre a qual a gente não tem muita escolha.


Paola, ah, tb prefiro esse comercial mil vezes! Vou colocar um desses posts no concurso. Daria pra vc me indicar apenas um?

lola aronovich disse...

Samira, tá com pinta de ser golpe publicitário. E se for, tá funcionando! (Mas aí seria a maior mentira, o que não me espantaria).


Fabiana, puxa, isso que vc descreve das suas alunas adolescentes parece saído do Mística Feminina da Betty Friedan! Coisa dos anos 50 mesmo. É uma boa indicação de que o “backlash”, o retrocesso que tantas pessoas vem apontando, realmente está acontecendo. Faz tempo que não tenho alunas (ou alunos) adolescentes, e sinto falta delas/es, mas não tenho por que duvidar do que vc conta. Se comédia romântica destinada ao público feminino adolescente é algum indício do conservadorismo atual, não resta dúvida que estamos numa fase bem retrógrada.

lola aronovich disse...

Junior, pois é, mais de 30 anos atrás. Esse discurso que a Fabiana apontou é coisa dos anos 50 mesmo. E pra mim isso tb é inconcebível. Eu não gosto de pessoas preconceituosas em geral, mas quando vejo JOVENS preconceituosos, meu desânimo aumenta. Sei lá, acho que jovem tem que ser idealista mesmo, lutar pra mudar o mundo. Deve ser tão ruim nunca ter sido idealista na vida...


Bruna, fala mais desse programa. Por que vc ficou chocada? Como ele tratou a violência entre casais? Eu não tenho um monte de coisa instalada no meu computador e, por isso, só costumo conseguir ver vídeos do YouTube.

lola aronovich disse...

Chris, e se a Ciça estivesse do seu lado na hora do comercial, ela perguntaria alguma coisa? E o que vc responderia?


Thiago, obrigada!

lola aronovich disse...

Alba, obrigada, que é isso? Fico feliz que vc passe aqui todo santo dia!


Teresa, lembro vagamente desse comercial da Brastemp. Mas tá com cara de xaveco publicitário sim. Pode ter acontecido da agência receber queixas referentes ao comercial da Havaianas. Mas queixa não é pedido de censura! Aí os publicitários “aproveitaram” e lançaram um outro comercial. No segundo comercial, também com a velhinha, não dizem que o comercial original foi censurado, apenas que pode ser visto no YouTube. Vai ver que essa criação de um “factoide” já fo planejada desde o início... Ah, esse comercial da Kaiser eu vi uma vez, e não gostei. Aliás, comerciais de cerveja e de carro costumam ser os piores, porque sempre tratam homens e mulheres dentro de um estereótipo horrível. Podemos dizer que comerciais de qualquer coisa fazem isso, mas os de carro e cerveja sempre se superam...

lola aronovich disse...

Rosa, lembro desse Cauã de alguma novela, não lembro qual. Nunca achei o carinha minimamente interessante. Mas vc levanta um ótimo ponto: a velhinha em nenhum momento cogita em ter o galã pra ela, só pra netinha. Isso também é privilégio masculino, não? Um homem de 65 anos pode tranquilamente desejar pra ele uma moça na casa dos 20. Mas uma mulher deve saber o seu lugar.
Ai, eu lembro do Chacrinha e das chacretes, e não entendo a diferença entre esse pessoal e o Domingão do Faustão, por exemplo. Sempre achei o fim que esses programas tivessem um homem apresentador (mais velhinho, mais gordo, não importa), e só ele fala, e um grupo de moças idênticas, sem voz, puramente decorativas. Acho que ver esse tipo de coisa já na infância ajudou que eu me tornasse feminista já com oito, nove anos.


Sabina, vc está enganada. Clique no label “propaganda” e veja os outros comerciais que critico, e me diga um que eu falo mal de um homem querer transar com uma mulher sem ter envolvimento emocional. Não é disso que eu reclamo, é da objetificação da mulher na propaganda, por ela não ter voz, por ela em geral ser meramente decorativa. E é muito difícil imaginar um comercial desses da Havaianas feito com um velhinho e seu neto. Vamos tentar. Primeiro, tem comercial que mostra avô e neto? Só de banco, quando o neto é uma criança. Dá pra imaginar avô e neto adulto conversando num restaurante? Eu não me lembro de ter visto isso num comercial, mas vamos em frente. Aí é como a Rosa lembrou: se fosse um velho, será que ele dispensaria a atriz/modelo pro neto, ou a desejaria sexualmente pra si? Mas vamos supor que ele dissesse pro neto: “Vc precisa de uma assim”. O neto responderia “Casar com uma estrela deve ser ruim”? Dá pra imaginar um homem falar de cara em casamento num comercial? Os publicitários devem achar isso (avô almoçando com neto e falando em casamento) “coisa de boiola”. Tá vendo como é difícil “inverter os papéis”?
Não confunda as coisas, Sabina. Eu sou totalmente pró-sexo. Sou apenas anti-estupro e anti-pornografia. Que, pra mim, tem mais a ver com poder e com comércio, respectivamente, que com sexo em si.

lola aronovich disse...

Cynthia, mas é péssimo que mulher semi-nua desfilando pra homem seja algo tão banal que a criançada nem se espanta mais, e que uma velhinha recomendando sexo só por prazer pra neta seja algo escandaloso, não acha? Se as crianças fizerem perguntas sobre o comercial da Havaianas, que tipo de perguntas fariam? (eu quero saber porque me falta o background knowledge pra isso, por não ter filhos). E o que vc responderia? E ter uma conversa assim seria necessariamente ruim?


Mei, ah, eu até gostei. Não acho o comercial nenhum primor, mas gostei.

lola aronovich disse...

Eris, então, mas o comercial tá passando em qualquer horário, ou só no horário após às 21 horas, que já é considerado impróprio pra criança (apesar da gente saber que criança vê novela das 8 direto)? E é um pouco de hipocrisia sim. Afinal, passa tanta coisa na TV que eu consideraria imprópria pra crianças... E como vc bem lembrou, e os outdoors que vemos?


Barbara, vou lá ver. Vc mudou de ideia? Que interessante!


Exatamente, Haline: velha tarada não pode! E olha que a velha do comercial tá longe de ser tarada. Ela não quer o Cauã pra ela, mas pra neta!

Éris disse...

Lola, eu apenas pontuei outra desculpa que deram para a retirada do comercial, mas eu não concordo com nenhuma delas, para mim o comercial não tem nada de ofensivo, nem mesmo para as crianças, pois falar sobre sexo não é algo imoral, praticar atos perversos em atos sexuais que é, ou deveria ser, mas tratam o sexo em si como perverso e passam isso para as crianças, isso para mim que deveria ser evitado. Sexo deveria ser tema discutido em caso como qualquer outro, pois é natural ao ser humano, e desde cedo temos curiosidades sobre isso.
Se não fossemos tão medíocres com o tema, poderíamos não ter tantas adolescentes grávidas, pedofilia, estupros, assédio, contaminação de DST's ou pelo menos os números reduziriam, enfim, esse comercial levantou várias "correntes de pensamento" para defender a não veiculação dele, e é um comercial bobo, e não sei em qual horário que está passando, apenas li que um dos motivos era que as pessoas ficavam constrangidas de estarem assistindo a um programa com os filhos e depois eles perguntarem o que era sexo aos pais por causa do comercial, pura palhaçada.

Sheryda Lopes disse...

Lolinha, achei um post muito bonito sobre maternidade no Para Francisco. Sei que é um blog já muito conhecido, mas ainda assim deixo o link. Aí vc decide.

Bjão!

http://parafrancisco.blogspot.com/2009/09/identidade-secreta.html

Clotilde Tavares disse...

Comentei sobre isso hoje no meu blog; as visitas quadruplicaram e os comentários também. Mas o foco do meu post foi um video de protesto que está no You Tube, e que diz coisas tão absurdas, defendendo a familia, a tradição e a propriedade que eu nao consegui ficar calada.

L. M. de Souza disse...

nossa, to entre os que mais comentam. virei quase um spammer de comentários. nem tinha visto esse comercial ainda.

Anônimo disse...

Sinceramente não vi nada de mais nesse comercial, ai um doido põem outro video no you tube dizendo que teve que conversar com a filha de cinco anos sobre sexo e achou ruin.
Acho que ele quer que outra pessoa venha e ensine!!

Barbara disse...

Oi Lola,

Eu inicialmente tinha pensado que as Havaianas estavam desrespeitando a "ordem" de tirar o comercial do ar, divulgando a versao da internet. Depois descobri que nao tinha existido "ordem" nenhuma, o que faz tudo mudar de figura.

E sobre geracoes retrogradas, sempre vi isso na minha casa. Minha mae (com 54 agora) cresceu numa epoca em que festa de debutante era super cafona, e casamento na igreja era opcional, e nao obrigatorio (e meio cafona tambem, as amigas dela - e ela - fizeram festas pequenas, coisas simples, sem firula).

Quando eu estava crescendo ela ficava impressionadissima com as festas de 15 anos e os casamentos das minhas contemporaneas.

Os amigos dos meus pais eram hippies, aquele povo basico anos 60 e 70, sabe? Vc ve as fotos, todo mundo sentado no chao, de cabelo comprido, relax.

Outro exemplo: Meus pais ouviam Secos e Molhados. Voce consegue imaginar uma coisa escandalosa como o Ney Matogrosso quase pelado, de bota ate as coxas, maquiado e rebolando, hoje em dia? Sem duvida nos regredimos e muito!!! E eu fico muito triste com isso.

Samantha disse...

Eu achei a propaganda uma gracinha. E senhora então, nem se fala, que atriz fofa.

Eu li alguns comentários, e lendo o da Fabiana, q disse que não é casada "no papel", me fez lembrar da madrinha do meu namorado (que já é sexagenária). Ela perguntou pra ele quando iriamos nos casar e ele disse: "ah, tia, só ano q vem". A madrinha dele solta: "casa não, querido, dá muito trabalho. pega a samantha e vai morar junto com ela". Não é uma fofa? hehehhe

E é verdade quando a muitas meninas, ainda nos dias de hj, verem no casamento uma forma de ascensão social. Conheço uma menina q desde os 16 caçava namorados mais velhos e estrangeiros na internet. Aos 19, acabou se casando com um alemão e mudou-se para a Alemanha. O objetivo dela era bem claro e aberto: quero ser madame.

Atitudes assim, como a dessa menina e a das alunas da Fabiana são realmente mto tristes. Claro, cada um tem o direito a escolher a vida que pode levar, mas o que está acontecendo? Minha avó morre de orgulho q eu estude, tenha meu emprego e minha profissão. Ela sempre diz q no tempo dela isso era muito mais dificil e fica contente q as netas hoje possam ter acesso a essas coisas.

Fabiana disse...

Quanto ao fato do comercial mencionar a palavra "sexo" em horário em que crianças estão assistindo comercial, ué? Eu perdi alguma coisa no bonde da história?

Sei lá eu, tudo o que minha filha pergunta eu respondo sem o menor constrangimento (outro dia ela perguntou quem tinha criado o mundo, daí eu fiquei constrangida, pq é um mistério e ela me respondeu que iria estudar pra resolver esse mistério, fofa, né?).

Ela tem quatro anos, e quando tinha uns três ela me perguntou como é que se fazia um bebê, eu não inventei histórias. Expliquei que um homem e uma mulher tem que se relacionar e juntar gametas (só não falei de penetração, pq achei demais, mas se ela perguntar eu não tenho pq esconder isso dela).

Fala-se de sexo o tempo inteiro nos comercias, por exemplo, do Discovery Kids, que são todos direcionados para as crianças e é terrível (tipo uma boneca que é um salão de beleza que a criança maqueia e coloca penduricalhos, chamada Vaidosa, daí minha filha me pediu uma dessas, e eu disse pra ela que na TV tudo era ilusão, e ela respondeu que na 25 de março eu encontraria uma boneca dessas, por que na 25 de março vende de tudo até ilusões).

E, no mais, criança tem que saber das coisas sim e os pais tem que explicar o que significam até mesmo os comerciais que não são tão nocivos, como aqueles que tentam empurrar brinquedos de 500 reais goela abaixo.

Suzana Elvas disse...

Lola, eu vi esse comercial no meio da tarde, num canal por assinatura infanto-juvenil.

Não acho que falar de sexo com crianças é uma coisa ruim - ao contrário. É ruim, sim, quando você tem que explicar para uma criança de cinco anos (ainda em fase pré-escolar, ou seja, não sabe nem ler e escrever, ainda), além do que seja sexo, em que contexto ele está sendo tratado no anúncio. É, sim, muuuito complicado.

E não acho hipocrisia da parte dos que reclamam do horário - veja bem, do horário - de veiculação do anúncio. É nivelar por baixo pais que liberam novela para os filhos e os que tentam, num mundo onde bancas de jornais exibem as Playboys da vida na cara de quem passa pela calçada, respeitar a faixa etária dos filhos e preservar o quanto podem a infância.

kellymarciano disse...

Tem muita cara de puro golpe de marketing.

Paola disse...

Ah! é só um, claro, eu sou um tanto exagerada!

Então é o "Eu sou a mãe"!
Beijo

PAola

Andréia Freire disse...

Não fiquem calados. Comentem lá nos comentários do vídeo. Quem sabe a gente abre a cabeça de algumas pessoas, né? ;]

Claudia disse...

Oi Lola! Gostei muito da sua analise, mas tenho uma resalva. Nao acredito que se fossem dois homens o comercial teria sido mantido. O problema foi a palavra "sexo" ter sido dita. Como voce exemplificou podemos ver comerciais de cerveja com homens babando em mulheres seminuas e eh claro que a ideia que se passa eh de sexo, mas esta ainda eh uma palavra banida no Brasil. Todos pensam, veem o tempo todo em comerciais, novelas, filmes, etc, mas falar disto ainda eh, de certa forma, proibido. Por isto acho que a proibiaco ao comercial eh porque a mulher nao deva falar de sexo mas porque todos, homens e mulheres ainda nao devemos.

Ághata disse...

O povo parece que tem problema com SEXO!! É NORMAL!!!

E eu acho Ótimo este negócio de Não falar de sexo para criancinhas, excelente, ó!!

Porque é Graças a ignorância das crianças que os abusadores e violentadores se esbaldam!!

Só de gente que eu já ouvi que só foi saber depois de Anos que aquela coisa traumatizante e ruim que lhe faziam era violência sexual...
Como uma criança se defende de violentadores se não sabem Nem o que é sexo??

Ah, mas não vamos falar de sexo com as criancinhas, vai traumatizá-las falar sobre 'ai, algo tão podre, pervertido e nojento assim, né? Vai pervetê-la, meo deos!!!'

Ághata disse...

Claudia, você entendeu errado.

Não é que os homens não possam falar de sexo. Não é como se as propagandas não pudessem 'oh' mencionar sexo.

É porque elas trabalham com uma ideia de 'perversão e sexo', e para ser mais excitante, para provocar mais, a coisa tem que ser subentendida.

Se você fala simplesmente em sexo como algo comum ou normal, muitos não consideram algo provovante, pervertido a ponto de explorar mais a 'sexualidade' do consumidor para que ele simpatize com o produto.

Anônimo disse...

Olha quando me falaram que tinha tirado esse comercial do ar fique passada,pois gostei muito da maneira da velhinha falando abertamente com a neta dela sobre,sexo.....
pois hoje em dia muitas mãe não tem coragem de conversar com suas filhas!!! sobre esse assunto tão normal que está sendo hoje..mas fazer o que né se muitos não gostaram problema mas saiba que adorei!!!!beijusss

Ulisses Adirt disse...

Pelo menos t/ a vantagem de que, "proibido", acaba chamando mais a atenção. Pelo menos do público que usa internet com frequência.

Anônimo disse...

acho uma idiotice esse tipo de comentário,não acho q ela esteja incentivando sexo não, coisas piores a gente ve nas novelas e ninguem nunca fez nada, incentivo ao homosexualismo por exemplo, nada contra porem vemos q os princípios morais ja se perderam a muito tempo,agora se incomodar com um comercial e não ter mais o q fazer........vai lavar um tanque de roupa........

WANESKA - EU VOU CONSEGUIR disse...

olá estou passando para divulgar meu blog, o mesmo está em construção, devido a isso aceito criticas e sugestões!

Te espero lá

Waneska Basilio

http://lufashionmodas.blogspot.com

Cris disse...

Eu vi e gostei do comercial, achei uma graça.
Não acredito que foi retirado do ar, enquanro propagandas que simulam estupros e colocam a mulher como objeto continuam por aí.

dannah5 disse...

Olha, eu nao gosto de banalizar sexo, seja para homens ou mulheres, acho q nao tem necessidade, mas isso eh opiniao pessoal, nada com religiao ou afins. O que acontece eh q realmente nao tem motivo pra ter polemica ou censurar esse, acho de mau gosto um monte q aparece na tv, pq sao tendenciosos, pq nao acrescentam nada na vida da gente. Agora mesmo estava com o meu marido vendo tv e passou um comercial de carro, falando de espaço, ai pra mostrar a falta de espaço, tem sempre o gordinho sentado e todo mundo amassado. Claro q no carro ideial nao tem gordinho, tem magrinhos felizes. Entao de forma geral os comerciais sao sempre preconceituosos. Quando digo da minha ressalva a respeito de sexo eh q em dias atuais, de aids, doenças mil, relacionamentos descartaveis, etc., acho importante dismistificar que ser moderno eh pular de cama em cama transando, pq ser legal eh fazer as coisas do seu jeitinho e viver numa boa, se seu jeitinho eh assim ou assado isso eh o de menos mas enfim, eu nao vejo o comercial pregando liberdade sexual tbm.
As pessoas se prendem demais a esteriotipos em comerciais, isso q mata!

Deixa eu ir q tem bebe chorando!

beijocas

dannah5 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
dannah5 disse...

Corrigindo pq tinha saido coisa errada:

Deixa so eu concluir pq interrompi a linha de raciocinio para acudir a Hannah com sono.
Entao, o problema do lance do sexo nao eh para os adultos pq esses na boa nao me incomodam, mas eu tenho filhas e veem esses comerciais, infelizmente pq a gente tenta evitar e vender que sexo eh nada demais nao eh legal, acho q toda mae espera que as descobertas sexuais de seus filhos sejam cheias de carinho e amor pq isso sim eh importante. Eu evito tv aberta a todo custo pra nao ter o risco de ver com elas nada inapropriado pq eh muito novinha nem explicar bem rola, mas ate nos comerciais a gente balança um pouco. Tudo bem que nao tem principe encantado, mas nao precisa achar q sair com tudo q eh sapo eh legal, esse tipo de mensagem nao ajuda! =p
Falar com crianças sobre sexo nao tem nada demais mas tudo a seu tempo. Pode parecer ate simples mas nao eh tanto, para uma criança de 3/4 anos por exemplo, ela tem uma visao meio simplista das coisas, fica dificil elaborar uma conversa mais complicada a gente tenta usar exemplos ludicos pq sao necessarios, ela imita demais repete demais, entao a gente tem q ter um certo cuidado, pq repete sem entender.
Eu nao gosto dos comerciais de brinquedos tbm, mas eh outra briga, outra historia, consumismo rende.

Quanto ao comentario da Aghata sobre violencia sexual, assim, discordo, nao traz beneficio nenhum uma criança pequena saber detalhes de sexo para se defender de violencia sexual, isso quem tem q defender sao os pais, a gente tem q tentar preservar a infancia das crianças e parte da inocencia q cabe a ela pq isso facilita um crescimento saudavel, fisicamente e emocionalmente, nao eh demagogia, levamos anos para construir nossa consciencia de adultos, nao é legal pular etapas.
A gente tem q explicar q nao se fala com estranhos, e toda aquela conversa sobre cuidados basicos, internet nao eh pra crianças sem supervisao dos pais, quem deixa marca bobeira mas vc achar que enfiar um monte de medos numa criança sobre o bicho papao ser positivo pra ela, eh complicado. Nenhuma criança q foi violentada poderia evitar isso na maioria das vezes, nao eh culpa delas e falando assim vc faz parecer q eh. Tem sempre pais omissos em casos assim, e digo isso na internet tbm.



beijocas

Ana disse...

mas quem foi esse I-D-I-O-T-A ? o que tem que sair do ar é a roubalheira e corrupçao no senado,politicos pedófilos,cenas pesadas em novelas plena 7 horas da noite etc... faz-nos rir ´so podem estar tentando nos fazer mudar de foco. alem de tudo eu nem entendi. kd a liberdade de expressão?

lee disse...

Não achei estranho terem tirado, porque passava em horário nobre *_*

Í.ta** disse...

taí, lola, concordo contigo.

te achei em blog!
que legal!
te achei foi lá no blog do eduardo :)

sempre a leio nos sábados.
e, como disse lá, gosto pra chuchu, apesar de às vezes te achar repetitiva ao extremo :P

um abraço daqui!

Lena disse...

Ótimo post, Lola! Concordo totalmente. E achei genial a forma como rebateram a censura...com a velhinha dizendo..."eu continuo pensando da mesma forma".
Acho q esse comercial tá passando na TV também, não só no Youtube.

Ah, Lola, e vc fala com um desdém do Cauã...ele além de ser um galã muito bonito, como todo galã, é um ator talentoso que tem despontado no cinema também. Vale ficar de olho.

birasblog disse...

Coisas piores vão ao ar em horário nobre!!!

Luana disse...

Gostei muito desse comercial,se a maioria dos comerciais fossem como esse, o machismo acabaria mais rápido com a propaganda publiciaria incentivando.