sexta-feira, 24 de julho de 2009

EU NÃO RESISTO: MINHA OPINIÃO SOBRE O LINGERIE DAY

Ai, ai, será que eu falo nisso, sendo que só descobri o barraco todo ontem de madrugada, e que a Marjorie escreveu um texto incrível sobre isso? Bom, seguinte, deixa eu resumir, lembrando que nenhum resumo é neutro, já que é um recortezinho, uma visão, de um acontecimento: alguns blogueiros homens organizaram um tal de Lingerie Day, pedindo pra que as tuiteiras (se você precisa que eu traduza o que é isso, tá como eu: tuiteira vem do twitter, aquele micro-blog de 140 caracteres por postagem. Eu não tô lá nem vou entrar. Sou prolixa) trocassem seu avatar (acho que é o perfil, onde colocam foto) por fotos de lingerie. Um deles até fez a piadinha de praxe: se você for gorda, pelamordedeus, não participe! Eu só fiquei sabendo disso depois que a Marj chamou a atenção pra um post da Ana Carolina (eu não conhecia). Ana se opôs ao lingerie day, disse que a proposta era machista, e que isso era bem coisa desse mundo. Bom, ela fechou o espaço pra comentários quando já havia 107, a maior parte ofensas. Ofensas do tipo: “Você só pode ser feia, gorda e mal-comida” e “precisa tirar essa areia da vagina”. Nada diferente dos clichês que a maior parte das feministas já ouviu N vezes - se reclamamos da opressão às mulheres, só pode ser porque não estamos desfrutando das milhares de vantagens da nossa condição feminina (como, ahn, poder ser desejada pelos homens e ficar em casa cuidando dos filhos, sem ter que trabalhar).
Duas blogueiras feministas, após verem o post da Ana e a repercussão ultra-machista (ou há dúvida que chamar a blogueira de mocreia frígida é machista?), decidiram participar do lingerie day e puseram uma fotinho sua de calcinha e sutiã, pra provocar e fomentar o debate. E é nesse ponto que eu fico meio com o pé atrás de falar qualquer coisa, porque as duas blogueiras em questão são a Lu e a Aline, com as quais eu me desentendi faz tempo. Com a Lu foi basicamente por eu ser anti-pornografia, e ela tem uma ideia de que a pornografia é algo extremamente benéfico pra humanidade, principalmente pras mulheres (num post recente, por exemplo, ela disse que a pornografia ajuda as mulheres a gostarem mais de suas vaginas). Com a Aline foi porque eu discordei de um post que ela escreveu, e expliquei minhas razões, suponho que educadamente. Sua reação foi ficar super ofendida com a primeira crítica que eu lhe fiz (antes disso, comentei várias vezes pra elogiá-la) e me tirar do seu blogroll. Picuinhas da blogosfera, que todo mundo já tinha me avisado que aconteciam, eu é que não conhecia. Mas, sinceramente, nada tenho contra as duas. Às vezes visito seus blogs e, embora haja um monte de coisa que elas escrevem que eu não concordo, eu não as desqualifico. Considero ambas feministas, cada uma do seu jeito. Não é a minha linha de feminismo, mas o feminismo é plural, tem mil e uma correntes, e eu não sou de achar que só a minha está correta. Outras leitoras as indicaram para o meu concurso de blogueiras, cujo tema é feminismo, e eu as incluí na enquete, na boa.
Agora que já expliquei minhas reservas pra falar sobre o assunto, será que finalmente posso falar sobre ele? Ah, opa, ainda não! Preciso contar antes como a história do lingerie day continuou: Lu e Aline foram criticadas por outras feministas como a Mary W. e a Cynthia (e o Túlio) por participarem da campanha. Lu e Aline reagiram com posts (aqui e aqui) dizendo que foram objetificadas não pela campanha, mas pelos críticos à campanha.
Considero ingênuos seus argumentos de “Quem faz o contexto sou eu, então não vou ser vista como objeto porque eu que escolhi participar da campanha”. Mas, como eu disse, a Marj já rebateu isso num post brilhante. Não acho que as duas devam ser linchadas pelo que fizeram (tampouco vejo tentativa de linchamento, pra ser franca. Só se for tentativa dos trolls em linchar a Ana Carolina). Eu achei a atitude delas tolinha e vazia, por ignorar todo um contexto machista. Agora, vinte vezes mais sério, na minha opinião, do que colocar foto de sutiã, é afirmar que a Ana Carolina mereceu os comentários trolísticos que recebeu, porque o post estava agressivo. E o que me incomoda é ver gente, homens, em sua maioria, comentando nos blogs da Lu e da Aline e chamando as feministas “radicais” (ou seja, as que não posam de lingerie) de feminazis, histéricas, gordas, feias, mal-amadas, e todos os clichês do gênero. E a Lu e a Aline agradecendo com “é isso aí, obrigada”. Ou a Lu dizer que esse tipo de feminismo “radical” só se vê na blogosfera, como se “feminismo da blogosfera” fosse uma categoria fútil, como se ela mesma, ué, não fosse uma feminista da blogosfera.
Estive pensando noutra coisa também, que até agora não vi ninguém mencionar. Isso de “I'm a liberated feminist, hear me roar!” (“Eu sou uma feminista liberada, ouçam o meu rugido!”) é tão relativo... Quer dizer, isso de que ser pró-pornografia e posar de calcinha e sutiã ou nua é ser liberada, e quem é contra é puritana e anti-sexo. Primeiro, que negócio é esse de se expor? A mídia está tão saturada de imagens de mulheres semi-nuas que isso não chega a ser exatamente uma exposição incomum, né? Além disso, que a gente tire a roupa é justamente o que se espera de nós, mulheres. Não estamos indo contra nenhum padrão ao aderir a uma campanha e posar de sutiã.
Isso de exposição, pra mim, é mais embaixo. Ou melhor, mais em cima. Vamos falar dos rostos. Lu e Aline não mostraram, que eu saiba, não mostram, seus rostos. E assinam ou com pseudônimo ou apenas com o primeiro nome. Há outras feministas na blogosfera, como eu, Marjorie Rodrigues, Cynthia Semiramis, Denise Arcoverde, e a própria Ana Carolina Moreno, que mostramos nossa cara e assinamos com o nosso nome completo. Quem se expõe mais? Não estou dizendo que todo mundo devia publicar foto de seu rosto e nome completo. Mas não faz sentido pensar que a exposição é maior pra quem posa só de lingerie - e fazendo o jogo de machistas, ainda por cima. Tipo, o que tem mais na internet? Blogs machistas ou feministas? O que vai me trazer mais amiguinhos, posar de sutiã ou criticar o lingerie day? Desde quando é ser contra o sistema fazer direitinho o que ele manda?
Agora, pô, se aliar a um sujeito como o Gravataí Merengue? Não dá, né? As duas andam chamando-o de “boss”, chefinho, em tom de grande fraternidade. Eu mal conhecia o Gravataí até pouco tempo. Ele tem blogs desde 2001, eu é que estou sempre atrasada. Bom, o Gravataí, além de um dos idealizadores do lingerie day, foi chefe de gabinete da vereadora Soninha. Quando Soninha fez sua guinada pra direita, Gravataí fez também a sua - e como! Hoje um dos seus blogs, o Imprensa Marrom, troca figurinhas com o Reinaldo Azevedo. É do tipo que chama o Lula de analfabeto e as pessoas de esquerda de petralhas e apedeutas, se você me entende. Mas Gravataí tem também outro blog, em que pode manifestar seu machismo por inteiro. O último post que vi se chamava “Como namorar uma feminista”. Noutro, ele reclamava que a “blogosfera mulêzinha tem ficado excessivamente feminista”, o que deve ser um pé no saco pra um cara divertido como ele. Gravataí perdeu o que restava da sua credibilidade quando descobriram que um blog anônimo feito apenas para atacar o Luis Nassif tinha o endereço da casa dos pais de Gravataí, onde ele mora desde que se divorciou. Fora isso, ele também é conhecido por criar outros blogs anônimos para difamar seus desafetos (vai que ele cria um só pra mim). Quer dizer, mesmo que eu não achasse o lingerie day machista, eu veria a assinatura do Gravataí e prestaria mais atenção ao que Luis Fernando Veríssimo sabiamente disse: "Antes de se juntar ao coro, é melhor saber quem vai estar cantando ao seu lado". Não é por nada não, mas se o Gravataí fizesse uma campanha pra acabar com a fome das criancinhas na África, eu não iria aderir. Por que diabos uma feminista vê o chamado selvagem pra tirar a roupa vindo de um blogueiro dessa estirpe e pensa: “Uau, que ótima ideia!”?
Pronto, falei o que queria falar. Obrigada. Agora vou estudar pro meu concursinho, que é o que eu devia fazer se fosse uma senhora séria.

65 comentários:

Gabriela (Bee) disse...

Leitora nova aqui...

Eu só queria saber COMO, mas COMO alguém pode achar que tirar uma foto de calcinha e sutiã pros caras babarem na internet é atitude faminista?

Mesmo que elas fizessem isso porque quisessem e não estivessem se vendo como objetos, todos os caras que estivessem olhando a foto as estariam vendo como objetos. Duh.

L. Archilla disse...

Gabriela, me pergunto a mesma coisa. parece adolescente, sabe? com aquelas atitudes pseudo-engajadas mas totalmente retrógradas, só pra mostrar q é "do contra".

Lola, q decepção. sabia q o Gravataí era um babaca machista, mas não sabia q era de direita, muito menos q foi assessor da SONINHA, e muitíssimo menos q a Soninha estava TÃO à direita. ainda bem q deslinkei o blog dela do meu faz tempo.

Marcio disse...

Posar de lingerie e se dizer feminista? Talvez se fosse algo no estilo Madonna dos anos 80, aquela coisa "tiro a roupa, faço sexo com quem quero, digo o que penso, vendo meus discos e loto meus shows". Mas isso tinha impacto naquele contexto, lá na era yuppie...

Estar no controle escondendo o rosto e o nome não é exatamente coerente.

Túlio disse...

O texto da Marjorie é realmente ótimo. Concordo com tudo o que ela disse. Sobre o contexto em que a mensagem será jogada, que não pode ser ignorado.

A Aline e Lu também têm textos ótimos, mas, desta vez, não concordo com elas. Me parece tão óbvio que essa foi uma ideia machista. Afinal, veio de um homem, com o objetivo de tirar a roupa (sempre propósito algum) da mulherada e que deixou claro que as gordas e/ou feias não deveriam aderir à campanha.

E pq há um #lengerieday e não um #cuecaday? Pq o homem não é visto como um objeto, claro.

Outra coisa, o machismo é tão forte que o twitter, que tem como função a comunicação através da escrita, foi desvirtuado para as mulheres. Elas não deveriam escrever, bastavam que concordassem em colocar fotos semi-nuas. Isso é tão simbólico, pra mim. Não dá pra desconsiderar que o importante no perfil delas não era o que elas escreviam, a qualidade dos seus posts, mas se tinham uma foto sexy... tanto que muitas ganharam vários seguidores depois de trocarem a foto por calcinhas/sutiãs. Esses novos seguidores querem saber o que elas estão escrevendo/pensando ou só querem ter mais um material pra se excitarem?

Outra coisa: não há motivo pra agressividade numa discussão. Se eu não concordo com vc, debato, exponho meus pontos. Não preciso ser cínico ou agressivo, mostra infantilidade e insegurança. Não sei se foi impressão minha, mas senti isso tanto no texto da Aline quanto no da Lu (que, reforço, são inteligentes e ótimas blogueiras).

carla disse...

LOLA!!!
que bom que vc escreveu tbm!
que bom que existem vc, a mary w e a marjorie.
sempre leio os blogs, mas nunca comentei. timidez internética.

mas tou passada com essa história. e, como eu disse no blog da marjorie, o pior de tudo é que, com essa atitude das que aderiram à "campanha", chauvinistas como esse gravataí se sentem ainda mais à vontade para continuar com seus preconceitos. "viu só? as mal comidas é que reclamam à toa. essas duas gostosas sacaram a brincadeira". e ainda acham que não são machistas pois têm a generosidade de admitir que elas são inteligentes e escrevem bem, além de serem gostosas.
e aí eu acho um enorme egoísmo da parte delas dizerem que não estão nem aí que os punheteiros vão ficar satisfeitos, pois eles não afetam o mundo delas e bla bla bla. não vou nem entrar no mérito de que isso de "eu faço meu próprio contexto" é uma ilusão (a marjorie já falou tudo), mas po, e TODAS as outras mulheres vítimas de objetificação? as que não são privilegiadas como as duas? as que não têm amigos descolados, maridos feministas, as que são inseguras qto a seu próprio corpo?
é indiferente tbm para estas que homens cretinos continuem desqualificando a luta feminista, com os "argumentos" batidos e preconceituosos de sempre?
como podem ignorar esse contexto?
na boa, pra mim é igual a eu dizer que sou uma feminista que não tá nem aí pra questão do aborto, pq sou estéril e nunca vou precisar fazer um.

beijos, lola! adoro seu blog.

Raquel (NY) disse...

Lola, obrigada por postar, sua opiniao certamente contribui para o debate.
Uma coisa que me surpreende e as pessoas acharem que existem no vacuo. O post da Marjorie foi perfeito, como o da Mary. Nao da para simplesmente acharmos que conseguimos individualmente significar algo que por seculos e seculos tem outro significado para a sociedade como um todo. Enfim, como disse a Marjorie, nao e uma alegria descobrir que nao somos tao livres quanto pensamos, mas e tudo o que temos e a luta que temos que lutar todos os dias.
Beijo
Raquel

Ana Luiza disse...

Eu não sou feminista e nem machista, mas NÃO vejo a atitude delas como algo FEMINISTA.

Minha opinião?

Eu acho o ligenrieday completamente fútil, sem sentido, sem conteúdo, sem nada de bom que possa trazer algum benefício para a sociedade.

Se querem mostrar o corpo? Tudo bem. O corpo é delas mesmo. Mas daí a dizer que estão tendo uma atitude feminista? Ah, faça-me o favor.

Como disse o Túlio... Porque os homens não proporam o cuecasday?

Há!

Adriana Calábria disse...

Agora a pergunta que não quer calar:
Por que ELES não tiram a roupinha e mostram o corpinho?

Fazer dos outros objeto é fácil. Mas cadê que ninguém quer se tornar um!

Putz!!!

Ana Luiza Romano disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Luiza Romano disse...

Droga de Blogger! (risos)

Voltando... (acabei de ler o post da Marjorie)

O que eu queria dizer era que eu achei o post da Marjorie excelente.

Parabéns a ela e a você, Lola, por mais este post que tbm está muito bom

Carla Mazaro disse...

Ah, Lola... ia comentar sobre o post, mas me distrai com o da marj. e esqueci o que ia falar...
Eu não gosto do machismo impregnado no universo...
Por falar nisso, já viram o comercial do Bobs, dos 40 do milk shake? Pelo menos na minha opnião de leiga vai no contramão do da ruffles...

Luiz disse...

Lola, seu humor é ótimo, já te falaram isso?
Abraços e bom fim-de.

portedoree disse...

Acho de extrema ingenuidade o que essas feministas fizeram. Psicologia barata: acho que depois de tanta pressão dizendo que as feministas são feias e gordas, elas, que devem ser bonitas, quiseram contrariar esse pensamento. So que abriram a porta para uma situação perigosa demais, onde é melhor ser uma feminista gostosa, que contraria os padrões, do que uma feminista feia, que é o que se espera delas. Sera que agora, até para sermos feministas precisamos ser bonitas? So para mostrar que temos o poder de embelezar o mundo e o recusamos? (ou às vezes não o recusamos, como no caso atual).

O texto da Marjorie esta brilhante e grudou na minha cabeça o dia inteiro ontem. Nem tive coragem de comenta-lo por la, tamanho o tapa na cara que ela me deu.

Anônimo disse...

Oi! Pergunta de quem num entende nada de Twitter: Dá pra assinar em baixo deste post? Concordo em gênero, número e grau com vc Lola. Elaine

Anônimo disse...

Lola, confesso que li seu post rápido. Confesso também que meio embriagada (estava bebendo cerveja com amigos e sem sono párei aqui. Não te falei que você era quase um jornal matinal para mim?). Mas ... também acho que está demais. A beleza do nu já não existe faz tempo. Volto depois para falar sobre machismo e etc, mas o que me chamou a atenção é que com isso cada vez mais criamos tabus. Veja só ... mostrar a cara não pode, mas mostrar o corpo pode. E cada vez mais a nudez fica vergonhosa.

Vou ler com calma o texto da Marjorie.

Tenko disse...

Sabe o que dá até vontade de fazer? Postar minha foto de lingerie no twitter, com bastante ênfase nas minhas pernas peludonas de "feminista mal-amada"...

Raiza disse...

Brilhante o texto Lola.Concordo com você.A Lu e a Aline estão debatendo como se a gente estivesse criticando a nudez,o que não é verdade.A gente está criticando a nudez NAQUELE CONTEXTO.É tão óbvio.Do jeito que elas falam parece que a gente tá criticando o próprio corpo feminino ou a auto-estima delas.

Cris disse...

Oi Lola!

Não acho que posar de lingerie seja um manifesto feminista, mas a proposta não era uma brincadeira?
Vc disse muito bem que existem linhas e linhas de feminismo.

Mas tanto a sua opinião, como a de algumas das meninas que vc cita, de atrelar a exposição do corpo, de livre e espontânea vontade, ao conceito de feminismo ou ao não feminismo...
bom, acho que tem mais a ver com o prazer da exibição do que com ser ou não feminista.

Eu sou feminista e gosto de ser admirada.Não vejo isso como uma violação do feminismo.
Por isso, no momento em que em eu optasse por mostrar meu corpitcho, não pensaria que isso fosse algo contra ou a favor do feminismo.
Nem tenho twitter, mas se tivesse, participaria na boa.

Seria algo que eu faria por mim, pq gosto da exibição, da admiração.
Entendo seu ponto de vista, já que sempre leio aqui.
E tbém o das meninas que vc cita.

Vc é muito democrática sempre.

No mais, acho fantástica a idéia da Ana Luiza.
Pq não criar um cuecasday??
Eu adoraria.;)

beijos

Cris disse...

Como meu comentário ficou prolixo, vou resumir:
Não acho que aparecer de lingerie nesse tal twitter, signifique uma ofensa ao feminismo, mas sim que a pessoa gosta de ser admirada pelo corpo, tirar uma onda,ou outros n motivos.
Eu sou feminista e participaria certamente.

E não participar não significa que a mulher é feminista, que acha que acha que a mulher está sendo vista como objeto ou outras ideias nessa linha.
Aposto que tem muita mulher, que NÃO é FEMINISTA, que não participa por outras razões, como timidez ou simplesmente não gostar desse tipo de exposição.

bjos

Night64 disse...

Apesar de não ter ainda uma opinião completamente formada sobre o assunto, resisto a idéia formulada pela Marjorie que qualquer posicionamento feminino sobre o assunto (participar/não participar) deve levar em conta o impacto do posicionamento individual sobre os interesses da coletividade. Me soa como uma homogeneização de pensamento como a que o Túlio fez com os ataques ad hominem contra o Gravata falando que ele tinha um transtorno psicológico grave, e que estava em negação. Sério, apelou=perdeu. Aliás, o final do comentário dele serve como excelente argumento contra a própria falta de argumento que ele tem contra o Gravata. Mas divago.
As idéias que não concordam com as minhas são imediatamente inválidas e não devem ser ditas é um precedente de pensamento/partido único que me dá arrepios.
É claro que não é o caso (raramente o é) de acreditar que tudo é relativo. Infanticídios não é algo relativo (na minha opinião), mas direito ao aborto pode ser (não é a minha opinião, no caso). Mas resisto a idéia de criticar a expressão em si das meninas.

Romanzeira disse...

Acho muito curioso o nível de relativização geral que algumas pessoas empregam para as vidas e suas escolhas políticas. Ser feminista é um posicionamento político, não é mera retórica, é assumir uma postura crítica em relação ao lugar da mulher na sociedade seus direitos e sua liberdade de fazer o que deseja, de ser dona de si, de seu destino sem a tutela de ninguém. O que é muito interessante é a forma como a bandeira da sexualidade e do direito ao corpo, duas das principais do movimento feminista, acabam sendo usadas para reafirmar o machismo da sociedade. Sim, as garotas tem todo o direito de posar de soutien e calcinha na net, mas qual o objetivo disso? Qual o objetivo de um concurso como esse? Quem idealizou e para quê? Uma pista: não vale qualquer corpo, não valem gordas, tem de ser “corpos bonitos”! Pela reação ao post de Ana Carolina, também temos uma idéia do nível ético do público alvo de tal concurso...
Fico muito triste quando pessoas que se dizem feministas entram nesse joguinho babaca e ainda se sentem libertárias. Estão sim é dando munição para uma sociedade conservadora e machista achincalhar o movimento.

Romanzeira disse...

Engraçado, eu sempre tive uma certa antipatia pelo Twitter. Por conta dessa idéia de acompanhar o que as pessoas fazem, escrevem, full time. Li ha algum tempo um texto da Cora Ronai em que ela dizia como era o máximo a capaciade de comunicação do Twitter. Não gosto da Cora e se ela considera o twitter uma revolução já é motivo para eu ficar com o pé atras. Entrei pra ver qual era, e não gostei da interface - me pareceu um orkut, que também é um blog, mas que tem espaço pequeno para textos, e também pode ser um msn. Já tenho orkut, já tenho blog (que gosto muito) e tenho msn onde falo apenas com meus amigos - não preciso do Twitter. Tudo que vira uma febre tende a deteriorar-se com rapidez.
Na boa, prefiro ficar entre a blogosfera mesmo.

Ariadne disse...

Puxa, eu costumo concordar com o blog da Lu em várias opiniões diferentes da maioria dos blogs feministas, mas dessa vez não deu. Eu acho, como a Mary disse, que até é possível entrar com o pé na porta, ressignificar algo machista. Mas não entendi como elas conseguiram ignorar todas as ofensas daqueles idiotas e a disparidade da situação - o cara pede para as mulheres tirarem a roupa em um espaço de expressão delas, ele não tira e elas é que vão ser avaliadas e criticadas, aderindo ou não. E eu nem tinha visto nos comentários que elas estavam amiguinhas dos caras.

Experiência Diluída disse...

Essa ideia de sair falando que "tudo bem se for com o meu consentimento..." é balela...
Se fosse assim, por exemplo, uma atriz famosa que tem o corpo padrão é super desejada para sair na playboy, os homens querem porque querem que ela saia, ai ela "consente"...por favor!!! Vc n vai deixar de ser objeto só pq consentiu!! É muita ingenuidade viu! :/ Que vergonha!

Ághata disse...

Mhauhauhauhauhauhauhauahuha...
Que coisa mais idiota!!! "Ui, vou tirar a roupa, lálá, sou muito liberada, lálálá!!!"
HUhauhauhauahuahuahuahuahuahuahuahuahuahuahuahuahuauha!!!
[Vou correndo ler o blog da Marj!!!]

Anônimo disse...

Acabei de ser apresentado ao blog por uma amiga.

Parabéns pelos textos! Certamente irei voltar!

Em tempos de idiotia acentuada, é muito bom ler textos lúcidos, claros e com argumentos.

Srta.T disse...

O Túlio caiu numa tremenda contradição quando disse que as duas estavam se objetificando, e depois me sai com uma desculpinha de que "objetificação não é algo ruim" (http://twitter.com/tuliovianna/status/2791511495)
Já tive oportunidade de TENTAR debater com ele, nesse mesmo episódio no qual, sem mais argumentos, ele disse que o Gravataí devia ser doido. Meu comentário (nada grosseiro tampouco desrespeitoso) está até hoje "aguardando moderação". Pra quem duvidar, me mande um email e eu mando o print. Isso, na minha opinião, é debate desonesto.
Eu acompanhei o rolo de perto, e tem dois erros no texto que eu quero apontar:
1- Em NENHUM momento elas disseram que a atitude delas de exibir fotos de lingerie era feminista, e sim uma atitude pessoal (http://ebompraquemgosta.wordpress.com/2009/07/23/lingerieday-o-dia-em-que-eu-virei-um-bife/#comment-8124)
2- Também não foi dito pela Aline que a Ana Carolina merecia os comentários ofensivos por conta do que escreveu. Mas não vamos distorcer: ela foi ofendida pelo que escreveu, e não por não aderir à campanha. Assim como várias pessoas ofenderam as duas pelo que fizeram, mas nem se preocuparam em saber o porquê.

Ah, vale ressaltar: o tal do Morroida vai aderir à campanha e postar uma foto de cueca no dia 29.

Patricia disse...

Arrasou, Lola.

Victor disse...

Srta. T -- mas então. É exatamente isso. Eu não acompanhei a discussão inteira pelo twitter, eu cheguei já tarde e não posso acessar os tweets da Mary W para saber em que nível o debate rolou. Mas eu acho que faltou exatamente essa declaração. De "isto não é uma atitude feminista". Em não sendo atitude feminista, se não é machista, ela é ao menos omissa. Se você me diz que está brincando sem se preocupar com a política envolvida aí, qual é o ponto de se sentir ofendida quando uma outra feminista ressalta o ponto objetificante da campanha? E veja que isso nunca foi posto em xeque, por ninguém. Que a campanha é objetificante, é. Desde o início ela é. E aí eu vejo uma separação muito clara entre os posts que começaram a participar da conversa. De um lado, tem a Lu e a Aline reclamando que foram objetificadas POR feministas. Coisa que eu realmente não acho que tenha acontecido, porque se está existindo o debate, isso quer dizer que as opiniões estão sendo ouvidas. Veja que lá a discussão não gira muito em torno da exposição do corpo da mulher mais do que em torno da exposição do corpo DELAS. E a Lu, daí, admite que não é uma atitude feminista. Coisa que não admitiu no post e só foi falar nos comentários, quando eu perguntei. O outro lado da discussão, onde se posicionam a Mary W, a Marjorie e a Lola, discute exatamente o caráter objetificante da campanha no seu aspecto geral. Que eu concordo, sim, e não dá para dizer que não é objetificante só porque você diz que não é, se esquecendo que o resto do mundo existe.

Se alguém lá na discussão do Twitter disse que elas não são feministas, aí eu ponho minhas vírgulas e digo que não é bem assim. Se alguém disse que as opiniões delas não valem (o que eu acho estranho, ou não haveria discussão), também.

Mas dizer que não foi objetificada durante a campanha, e que só foi objetificada pelas feministas, olha. É forçar demais a barra. Tem um comentário lá no blog da Lu (acho) que diz "te chupo toda". Hum. E mil outros que dizem "é isso aí! o que é bonito é para se mostrar!". Hum, de novo.

Para fechar o meu comentário giga, devo dizer que o que vejo da discussão toda é uma polêmica falsa. Porque está todo mundo concordando que a atitude de mostrar os peitos no twitter a pedido de homens não é feminista. E, portanto, é no mínimo omissa. A partir daí, é tudo ponto de vista e vontade de participar ou não. E tudo é alvo de crítica. Só não dá para se sentir ofendida quando alguém diz que você foi objetificada, frente à massa de twitters, por uma campanha que você sabe que foi objetificante, e quando alguém diz que *naquela* atitude você não foi feminista, porque você mesma admite. E se você acha válido participar, e se você sabe que pra você aquilo parte de um outro entendimento, ótimo. Só não ignore o resto do mundo, que é basicamente o que o pessoal está dizendo na posição no debate contrária a elas.

Victor disse...

Então, quer dizer. Alguns podem ter pesado a mão lá no Twitter, e podem ter ofendido. Mas aí eu acho que é caso de um pedido de desculpas, até porque o debate agora se dá em outro nível, e não de um racha dentro do movimento.

Drixz disse...

Nossa, eu li o post da Marjorie (fantástico) e li os bloggs dos machões referidos, articuladores do lingerie day e chega a ser patético. Não querendo entrar em fofocas nem nada, como alguém tem coragem de levar uns boçais desses a sério? Tá na cara a falta de intelecto e habilidade no trato com as mulheres dessas criaturas que precisam de um lingerie day pq não conseguem ver lingeries facilmente. Por favor. Uma atitude de rebeldia provar que "sou feminista, mas sãou gostosa" não tem nada a ver. Ser feminista implica tbm dizer "Eu não preciso aderir os padrões para agradas vcs (homens)" E além de tudo saber que os padrões surgiram exatamente para controlar as mulheres por isso a necessidade de fugir deles. Tem um texto da Rita Terezinha Schmidt que fala exatamente desse pensamento anti-feminista enraizado no Brasil fruto de um preconceito contra o políticamente correto dos quais o feminismo e a luta contra o racismo fazem parte. Bom, vou citar o nome e acho q tem no scielo: refutações ao feminismo. Acho que é esse o caso. Coloca-se a imagem q o feminismo é coisa de mal amada, mal humorada para descredibilizar o locutor e com isso se descarta o argumento dele mesmo quando válido. "Olha quem está reclamando? Só podia ser essa mulherzinha feia e mal amada". Argh! Acho q vou parar por aqui se não escrevo um post no seu comment...

bibi move disse...

ah lola, eu tô cagando pra essas brigas de opinião, mas me lembrei de uma vez em que participei de uma exposição coletiva, onde o tema era v'éu, e todo mundo descambou pro lado de críticar as burcas e como elas oprimem a mulher e tal. Minha reação foi propor um trabalho onde eu, tampada com uma burca vermelha ultra sexy, apenas com a boca de fora, por onde podia passar minha língua, ficava folheando revistas de pornografia, onde as mulheres estavam com seus corpos absolutamente à mostra.
afinal, qual cultura subjulga mais as mulheres?

bibi move disse...

ah, detalhe é que a curadora considerou deixar as revistas com as mulheres nuas um ato ofensivo...

Marjorie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marjorie disse...

"Não é a minha linha de feminismo, mas o feminismo é plural, tem mil e uma correntes e eu não sou de achar que a minha é melhor que as outras".

Eu achei TÃO legal que você ressaltou isso. Porque, pelo menos nos comentários do blog da Lu (não estou acompanhando os da Aline, haja tempo! E vou acompanhando calada pq acho que perdi o timing de comentar. Agora, com os ânimos em polvorosa, qualquer coisa que eu dissesse seria mexer em vespeiro) a coisa caiu nisso: "o meu feminismo versus o seu feminismo". Como se a gente tivesse tentando exclui-las. O que nunca foi feito -- a própria Mary W fala em "posições DENTRO do movimento".

E aí fica parecendo que a questão é essa, puritanismo X liberação. As feminstas anti-sexo (oi?) versus as feministas libertárias. Fica parecendo que a discussão é sobre o avatar DELAS (o micro) e não sobre a campanha, o que ela propôs e como isso se insere num mundo machista (o macro).

Enquanto isso, machistas homéricos tipo o Gravataí estão no camarote, aplaudindo a desarticulação e gritando "CATFIGHT!". Só falta a pipoca.

************************

Nossa, de novo o Victor fez um comentário que deu vontade de assinar embaixo e ainda carimbar o dedo. Não mudaria uma vírgula.

...Moço, tô quase pedindo pra casar contigo. Hahaha

Marjorie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ághata disse...

Ah, para as ingênuas com preguiça de pensar mais a fundo, gostaria de saber se vocês se sentiriam a vontade para exibir o corpinho de vocês em lingerie se fosse mais velhas, tivessem queimaduras ou cicatrizes no corpo, fossem obesas, ou tivessem algum tipo de síndrome física ou coisa do gênero ou, quem sabe, sem estarem depiladas...?

Ághata disse...

Cuecasday, puff... Soa tão erótico quanto lingerieday, né...?
Que babaquice, como se fosse a mesma coisa...

Anônimo disse...

Lola
Embora não concorde com alguns pontos, acho que coloca sua opinião de uma maneira bem mais legal, e não extremamente autoritária como a de alguns posts que eu li.

Srta T., não podia concordar mais.

Marjorie, não foi nem a Lu nem a Aline quem fizeram a polarização.

Rita

carla disse...

rita,
elas corroboram a polarização quando recebem comentários do tipo "parabéns pelo texto. essas feministas chatas que não entendem as brincadeiras são um saco mesmo. vc escreve muito bem, além de ser uma gostosona" e respondem com "obrigada. é isso aí"

pra mim, a coisa tá foda é na caixa de comentários. como disse a marjorie, os machistas estão no camarote gritando "catfight!"

e srta. t, e daí que morroida vai posar de cueca? já foi dito tantas vezes nesse debate "não é a mesma coisa uma pessoa com a camisa 100% branco e outra com a camisa 100% negro". tbm não é o mesmo uma mulher obedecer à "brincadeira" do sutian e um homem resolver colocar a cueca depois disso tudo. e vc sabe o porquê.

Marjorie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marjorie disse...

Anônimo -- Não sei onde começou a falsa polarização. Talvez no bafafá em torno do post da Ana Carolina? Não sei. Não estou dizendo que foram Aline e lu que começaram com isso. Mas que há ali um esforço para torcer o foco do debate para a polarização, ah isso há -- e, a meu ver, isso infelizmente empobrece o debate. De macro passa para lavação de roupa suja. Mas o comentário do Victor expressa isso melhor que o meu.

Mari Biddle disse...

"Eu só queria saber COMO, mas COMO alguém pode achar que tirar uma foto de calcinha e sutiã pros caras babarem na internet é atitude faminista? [2]

Li o texto mea culpa, sei la, do Morroida. Sinceramente, que nerdice 'oi, gente, tenho 7 anos e tals' como bem a Mary W pontuou.

Otimo post, Lola...acabei de entrar aqui e ja vi que vc postou mais dessa historia do lingerieday.

Paloma Peruna disse...

Oi, Lolinha! Já tinha lido os textos da Marjorie e da Mari W antes do seu (achei fantásticos). Mas foi mto necessária a sua opinião tb. Concordo em absoluto contigo. Vc pontuou mto bem a questão, de uma forma extremamente sensata. Assino embaixo. Considerei a idéia do "lingerie day" tão absurda e ridícula q sinceramente me surpreendi com a própria existência da polêmica. Pode ser limitação minha mas não consigo enxergar uma iniciativa destas de outra maneira q não cmo ridícula, infantil e desnecessária, especialmente nos moldes em que foi proposta e organizada. E mais, não conheço, nem tenho a pretensão de conhecer a intenção das meninas citadas (não conhecia nenhuma das duas) mas certamente a adesão a qualquer movimento extrapola (e mto) a esfera do indivdual. Amei o post. Bjos

Andréia Freire disse...

Vou copiar meu comentário no É Bom Pra Quem Gosta. No mais, gostei muito do comentário da Cris. Uma mulher gostar de ser admirada por homens não é uma afronta ao feminismo. Depende muito do contexto.

Na verdade, eu não me oponho ao argumento da objetificação. Sei que vocês não são objetos, nem burras, nem “ingênuas vítimas do patriarcado”. Mas a campanha teve um propósito machista SIM. O fato de um dos criadores dizer: “Gordas e feias, não participem!” comprova isso. Bonitas e gostosas se mostrem a mim, me satisfaçam. Gordas e feias se escondam, ninguém quer vê-las. Quer dizer, nós homens não queremos vê-las. Numa sociedade em que uma mulher só pode se mostrar ou reclamar de algo se for considerada bonita pelos homens, em que ela não pode falhar nesse teste de beleza senão sua opinião vai ser rebatida simplesmente com um “você é feia, gorda e mal-comida”, fim de papo, é sintomático o machismo desse ser. Se fosse um mundo em que a opinião de uma mulher fosse considerada independentemente da sua aparência física nem seria tão agressivo e machista assim, seria apenas uma preferência estética qualquer. Como disseram aí por cima, contexto é tudo. E eu não posso parar de pensar… será que esses caras teriam comentado e te apoiado se achassem você feia e gorda? Não foram os mesmos que desqualificaram (tentaram, né, pois isso não é argumento pra ninguém que tenha mais de dois neurônios) a opinião da Ana Carolina dizendo que ela devia ser gorda e feia, ao invés de debater os argumentos? Será que se você fosse gorda eles não estariam aloprando a tua foto aqui? Duvido muitíssimo que seria diferente do que coloquei aqui. Eles podem dizer que você é inteligente, esse discurso bacaninha e tal, mas não me convenço. Adoro o blog do Kid, por exemplo, acho ele realmente engraçado, mas o considero machista (pelo menos pelo o que eu pude perceber pelos posts e comentários). Resumindo: acho a campanha machista, mas não acho que vocês sejam objetos por aderirem.

Outra coisa, eu sou pró-pornografia, não concordo que pornografia sempre torna a mulher objeto, blablablá. Boa parte da pornografia tem elementos machistas, mas ela pode mudar, não pode? A pornografia não é imutável e tem melhorado nesse aspecto. Não acho que seja preciso abolir a pornografia para se atingir a causa feminista, basta transformar. Sou a favor do erotismo, acho saudável. É legal a pessoa gostar se mostrar, de ser admirada. E também não vejo nada demais alguém não gostar de nada disso, oras, questão de gosto (é bom pra quem gosta ;]). Tudo isso pra dizer que não vejo a reação como uma tentativa de censurar o gosto de vocês por se mostrar, nem como puritanismo. É apenas uma forma de protestar contra a objetificação. Considero que a reação foi feita de forma muito errada. Erraram muito feio na abordagem. Pior ainda ninguém ter vindo aqui até agora pra dialogar. Adianta? Grita ali no twitter, mas não conversa direito? Vieram até, mas pra dizer que você não é mais feminista! (???) Fala sério! Seria muito melhor eles exporem seus argumentos. Ao invés de bradar “criador da campanha = sujeito, mulher que aderiu = objeto”. Sabe, isso é mesmo ridículo. E vem de pessoas que admiro (não deixei de admirar, nem vou deixar de ler) através dos seus blogs. Enfim, ninguém é infalível, né?

Andréia Freire disse...

Concluindo, sou a favor do erotismo e da pornografia, quando eles são saudáveis, isentos de machismo. Não acho que toda manifestação erótica vindo de uma mulher a torne objeto, mas nesse caso específico e considerando o contexto a campanha é machista na sua concepção. Por isso teve esse bafafá todo ao verem duas feministas participando. Sabe, tem outros meios de manifestar erotismo sem participar de uma campanha criada por pessoas sabidamente machistas. Também sei que vocês não estão assinando um contrato concordando, nem apoiando o machismo e nem que não sejam mais feministas (e quem seria eu e quem as pessoas acham que são para fazerem esse julgamento? É como a Lola disse, somos todas feministas, mas a sua linha de feminismo é diferente da dela, apenas isso). Não critico o fato de mostrar o corpo em si (e acho sensualidade algo saudável, repetindo), mas o contexto em que foi feito.

Andréia Freire disse...

Depois coloquei direitinho a sua citação: "Não é a minha linha de feminismo, mas o feminismo é plural, tem mil e uma correntes e eu não sou de achar que a minha é melhor que as outras". Espero que não tenha te desagradado. ;]

Anônimo disse...

Não dá pra gente não se sentir estranha né? Acho a pornografia uma coisa triste. Recentemente eu vi um documentário sobre a força que isto tem no mundo. Foram entrevistados homens e mulheres em várias metrópoles da terra.Credo como as pessoas estão carentes. E quanto crime organizado envolvendo crianças. Coisas para deixar a gente em choque. Ah e esse negócio de lingeriedays é meio longe da minha cabeça. Pôxa mas mesmo não fazendo parte do grupo de pessoas tão " sabidas,lindas e gostosas" tive o melhor dos amantes e um maravilhoso parto. Agora o que me dá raiva é ver essa massa de "mulheres-bôca-peito-ânus" não estar nem aí para coisas mais importantes da vida de todos nós no planeta. Estamos na iminência do caos e alguns "gênios" criando o lingeriedays.Fatima/Laguna

Cris disse...

Lola, o comentário da Agatha me trouxe reflexões.
Mas como assim gordas feias não podem participar?
Meu conceito de feminismo abrange o direito de toda mulher, com qualquer característica física, mostrar seu corpo se assim lhe apetecer. E direito de não ser xingada por não estar dentro dos padrões estéticos vigentes.
Continuo achando que uma mulher gostar de ser admirada não a torna menos feminista.
Não acho que tenho que pautar minha conduta, ou diminuir o decote para não ser alvo de predadores e estupradores/punheteiros potenciais, até pq acredito que esses homens são a minoria.
Gosto da admiração mesmo.
Uma vez vc falou aqui sobre isso, sobre o quanto temos que pautar nossa conduta e gostos para não sermos vítimas de crimes sexuais.
Isso é verdade, e o que faço para enfrentar essas coisas?
Eu não vou deixar de usar as ropuas que gosto por causa de homens machistas.
Coloco meu decote, faço o que quero, e se algum engraçadinho achar que estou sedenta por sexo e passar dos limites, coloco ele no devido lugar, com a mesma grosseria da abordagem.
(meu namorado está ao meu lado enquanto escrevo isso, dando pitacos para que não pensem "mal de mim").

Certa vez fiz um comentário aqui, em um dos muitos posts que vc fala sobre o estereótipo da feminista feia, "mal-comida" (termo nojento) e outros.
Não recordo em qual, mas disse que acho o bom humor fundamental em qualquer movimento ou ideologia.
Acabei de ler os posts dos rapazes que estão envolvidos nessa história toda.
Todos argumentaram que as críticas não tiveram razão, que tudo não passou de uma brincadeira, etc.
Que discutir isso é coisa para desocupados.

Por que é que os homens podem levar tudo na brincadeira e nós não?
Por que é quando se inicia um debate desse, os homens dizem que é tudo besteira e nós mulheres tentamos, da forma mais educada, inteligente e culta possível, debater sobre o assunto?
Foi o que vi no seu post, e no post de todas as mulheres que se manifestaram, contra ou a favor do tal lingerie day, idéias diferentes, mas todas educadas e muito inteligentes. Todas com argumentos excelentes.

Os homens não estão a fim de discutir.

Seria bom levar do mesmo jeito que os homens, sem dar importância ao tema.
Por isso, minha maneira de findar esse assunto é essa:

Então vamos ao tal "cuecasday", mas com uma condição: homem com pau pequeno não pode participar.

Prontofalei.

(namorado dizendo que não acredita que escrevi isso)

Alessandra disse...

super concordo contigo! Se são apoiadas pelo Gravataí, então, tô fora. Eu detesto esse cara sem graça. E, assim como vc, li o seu post e agora vou estudar!! bjs e boa sorte no seu concurso!

Ollie disse...

H´m...
Li tudo e minha única conclusão é:
Puta bando de patrulheiros chatos, todos vocês.
Sorry. =\

Narcélio Filho disse...

Ótimo texto! É reconfortante saber que mesmo uma brincadeira boba de um bando de trolls misóginos pode gerar uma discussão tão interessante.

Victor disse...

Texto bacana... mas a real é só uma coisa: "o preconceito tá na cabeça dos que o sentem".

lalai disse...

"O PRECONCEITO TÁ NA CABEÇA DOS QUE O SENTEM"???????????????
quê!? o.O

(nem li todos, nem sei a discussão, mas isso é o tipo de coisa que chama a atenção, saca? rs)

Thiago Beleza disse...

Putz... Lingerie day? Tá, sou louco por mulheres e seria hipócrita dizer que eu não adoraria ver os resultados. Mas concordo om a opnião das feministas aqui presentes de que o negócio é totalmente machista. è a nossa sociedade que diz que mulher serve pra isso: Mostrar o corpo!

Mas existe um outro lado, que é o das exibicionistas. Pelo que eu entendi, umas das mocinhas das atitudes "anti-fmeinistas" não estavam tentando protestar contra nada. Só estavam tirando onda. Ou se exibind opor prazer, sei lá. Isso não deveria ser chamado de liberdade? OK, elas acabaram se rendendo a propaganda do cara que bolou todo o esquema (que é esse gravataí, machista, "conservador" e tals)... agora, fica o questionamento. As mulheres que adreriram são realmente vítimas?
Aliás, atrizes pornôs, garotas de programa, as mocinhas do Pãnico e o Zorra total (aquelas que não abrem a boca) são realmente vítimas?

Se uma mulher sente prazer em exibir o corpo (seja lá qual for o motivo) e o faz por pura diversão ou por dinheiro, é realmente vítima da sociedade machista?

Repito, concordo que a campanha do Twitter seja puramente para que os homens apreciem as mulheres e que é realmente machista, como se o único papel da mulher fosse este. Mas crucificar as mulhers que participaram? É uma questão de escolha.

Sei que a Lola não gosta de filmes pornôs e tals (eu não acho uma arte, mas confesso que eles chamam minha atenção) mas existem os feitiches mais esquisitos e isso não pode ser ignorado. Se uma mulher (ou um homem, pq não?) se predispõe a transar com um cavalo, um porco, um cachorro, uma lhama.. ou ser humilhada pra ganhar uma grana que lhe garanta uma "aposentadoria confortável"(declaração dada por Leila Lopes em entrevista ao João Gordo) é realmente vítima? Me lembro de aquelas mocinhas do Pânico terem de comer ração de cachorro em um quadro em que as comparavam com cachorros pit-bull (haviam várias provas em que as mulheres competiam com os cachorros)... Com a grana que elas ganharam, será que realmente são as vítimas?
Sei que foge um pouco do ponto central, mas o que eu quero dizer é que as pessoas são livres pra fazerem o que querem.
Eu não posaria de cuecas, nunca (sequer uso sunga na praia), mas existem os que gostam de fazer ceninhas. Por mais ridículo que isso seja (na minha opnião) liberdade pressupõe que as pessoas possa fazer aquilo que tem vontade sem serem julgadas por isso. Mesmo que essa vontade seja de se vender aos prazeres de uma sociedade que trata as mulheres como simples pedaços de carne.

Eu tenho minha opnião sobre o assunto: Acho a campanha ridícula por ofender mulheres. Assim como acho ridículo qualquer competição que priorize atributos irrelevantes como aparência física e todo o mais.
Mas, da mesma forma que algumas mulheres adoraraim ver o cueca's day, confesso que a idéia me pareceu sexxxxy. Podem me apredejar, mas seria hipócrita eu dizer que não adoraria ver mulheres de lingerie...

Não acho que a atitude das meninas foi uma tentativa de se opor a campanha, mas dizer que elas ferem o sentimento feminista por serem exibicionistas não fica legal pra quem prega a liberdade pras pessoas fazerem o que querem de suas vidas.
É como afirmar que mulheres exibicionistas, praticantes de swing, que gostam de ser dominadas na cama ou que simplesmente desejam casar, ter filhos e cuidar da casa não podem ser chamadas de mulheres pq são machistas.

Ana P Sales disse...

Olha, é a 1º vez q entro nesse blog e me interessei mt pelo post em questao. Vamos lá, vivo na espanha onde o tema feminismo, violência de gênero etc sao mt discutidos. Inclusive faço um doctorado em DH cuja diretora é uma feminista importante q dirige o Instituto de la Mujer na cidade.
A questao é complicada, todo o tema da restriçao sexual q nós sofremos, o preconceito da sociedade em geral em relacao a mulher com consciencia sexual mais liberada q o "normal" etc isso existe, e sim, é uma faceta machista nao somente presente nos homens, mas tb em mts mulheres. Outra coisa seria uma proposta de nudismo "blogista", se a ideia fosse um dia sem roupa, de forma geral, abrangendo homens, muheres, gato e cachorro a proposta nao seria tao polêmica qt restringir a sugestao de nu exclusivamente feminino, e para aquelas bonitas, as feias nao. Pode ser mt cara nem se dê conta, mas é sim uma proposta mt machista. A ideia inicial, pra alguns, pode nao aparecer machista, mas sim de zoacao, clima de sacanagem, paquera, mas guarda mt de machismo em seu interior. No fundo, no fundo, é um desprestígio para as meninas desse mundo blogista, tipo vc chama mais acessos qd está pelada do q pelos seus argumentos e ideias apresentadas na sua página. o homem nao, o blog dele é bacana mesmo ele sendo barrigudo e feio. É sempre assim, qd uma mulher bonita ocupa um bom posto em uma empresa td solta aquela velha piadinha "Pra quem será q ela deu pra estar aí?". Por isso digo, nao se deixem convencer por um argumento tao fraco como esse, nao se trata aqui de liberacao sexual, mas sim de mais um paradigma de prisao, vendam seu corpo, pois suas ideias nao valem tanto, sua qualidade é sua beleza e nao sua capacidade de pensar por si própria. Essa jogada é velha e me espanta mt pensar q feministas consideradas importantes caiam nessa cilada mais pífia. Sei nao, ou sao mt idiotas ou querem gerar discórdia entre os desafetos de blogsfera.

Éris disse...

Eu estava por fora dessas coisas, mas ninguém é doido de vir com papo machista pra cima de mim ò.ó
Enfim, excelente poste, como sempre, Lola, e é lamentável que algumas pessoas ainda confunda liberdade com libertinagem =x
Qual valor essas meninas estão agregando ao se expor desta forma?!
E onde que chamarei de chefe um cara machista assumido?!
Vergonhoso!

ro salgueiro disse...

Nossa, que sujeito idiota! Deu ÓDIO profundo no coração. Afe.

Diogo Mainardi disse...

Quanto espaço desperdiçado com falácias impróprias, não?
E ainda, escreve de graça.

Anônimo disse...

Olha o Diogo aí!
Pôxa agora sim eu iria gostar muito
do CuecasDay.Certamente esse daí é o genérico mas deve ser melhor que um de plástico né?

Tiago disse...

Eu não entendo como tantas fizeram um fuzuê pra uma campanha de zuera
O LINGERIEDAY FOI UMA ZOAÇÃO COM AS CAMPANHAS QUE SURGEM NO TWITER COMO "O FORA SARNEY" NÃO ERA PRA SER LEVADA A SÉRIO!!!
um dos autores da campanha comentou em seu blog:
"...Veja bem, porque diabos eu vou achar que realmente meio tuiter vai por foto de lingerie? Tenho mais o que fazer, né? Além de achar que ninguém ia postar porra nenhuma, mesmo que postassem eu estaria pouco me fodendo. Visto que sou um cara com uma namorada loira de 1,80m da mais alta gostosura sexual, certamente não é uma foto de 30×30 pixel que vai ficar fazendo eu bater punheta a noite.Eu postei, fui dormir, no outro dia trabalhei o dia inteiro, lidei com pressão de cliente que fica 6 meses sem pagar mas quer o projeto em dia, negociações de contratos estressantes, funcionários dos outros dando problema, etc.
Entro no tuiter a noite e 550 mil mensagens falando mal da campanha, como ela era opressiva, que era machista, que a gente ia ficar batendo punheta, que isso e aquilo..."
http://www.morroida.com.br/2009/07/23/lingerieday-porque-diabos-fomos-pensar-nisso/#comments

alenacairo disse...

Lola, estou contigo. O que o Túlio falou é lúcido. Não consigo entender que alguém ache tirar a roupa e expor lingerie como uma atitude feminista ou sinônima de liberdade sexual...
Sinto muito pela manutenção da mulher como objeto. E sinto mais ainda que haja mulheres sem perceber.
E sobre expor nome e sobrenome e rosto... você disse o que era necessário. Eu não atendo a comentários anônimos nem me importo com críticas GROSSEIRAS de paseudônimos incomodados.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.