quinta-feira, 18 de junho de 2009

A ESQUERDA MORREU, DIZ A DIREITA QUE NÃO É DIREITA

Eu acho tão, mas tão chato quando eu falo (mal) da direita e alguém aparece pra pedir “Por favor, não diga que tal pessoa/grupo/opinião/etc é de direita”. Geralmente a pessoa continua assim: “Creio estar mais à direita, mas não gosto de rótulos”. Uma das pistas que me fazem crer piamente que essa divisão entre esquerda e direita está longe de acabar é que quem insiste pra deixar essa polarização de lado é sempre alguém de direita. Sempre. Pelo menos na minha experiência, nunca ouvi alguém de esquerda dizer “Esse papo de direita e esquerda não se usa mais”. Outra pista é que quem é de esquerda geralmente é orgulhosamente de esquerda. Raramente pede “Por favor, não diga que eu sou de esquerda, ou que a esquerda é assim e assado”. Mas é bastante comum o pessoal de direita negar ser de direita. Já falei que nem o Reinaldo Azevedo se assume de direita. Mas por que essa vergonha em se admitir de direita, pelamordedeus? Tudo bem que falta aos direitistas um símbolo tão bonitinho como o nosso da camiseta do Che. Mas adotem um, pô! Que tal o Mickey Mouse?
Sobre a famosa camiseta do Che, um dos maiores símbolos ideológicos do século passado, e que continua fortíssimo hoje, eu sempre lembro de uma amiga minha, milionária. O pai dela é recordista por ter pago o maior valor de resgate na história de um sequestro na Argentina, nos anos 70. Minha amiga e eu estávamos em Búzios e ela, adolescente, viu uma camiseta com a cara do Che estampada e gritou: “Esse foi o homem que sequestrou meu pai!” (Che já havia morrido, mas comunista barbudo é tudo igual). Ela e seus pais sabem que Che é representativo da esquerda, mas não se identificam como direita. Se a gente fizer uma lista sobre os valores deles, eles são claramente de direita. Mas não gostam de rótulo (a bem da verdade, essa minha amiga não se reconhece nem como milionária. Já a vi várias vezes declarar que é classe média, apesar da família ser muito, muito rica há algumas gerações. Eu andei no iate deles).
Opa, mas perdi o rumo. Retomando: faz pouco tempo, escrevi sobre o blog de um cara de extrema direita, desses separatistas e racistas. Uma leitora reclamou que eu coloquei toda a direita (ela inclusive) no mesmo balaio. Mas eu não fiz isso. Dizer que um neonazista é de (extrema) direita não é o mesmo que dizer que toda a direita pensa igual ao extremista, porque nenhuma linha de pensamento é monolítica. Mas há pontos em comum entre a direita mais moderada e os extremistas. Ambos estão no mesmo espectro político. Quem é de direita vai encontrar muito mais pontos em comum com o extremista de direita do que eu, que sou de esquerda (imagino que não extremista). No mínimo haverá alguns detalhes tão pequenos de vocês dois, como ser contra o sistema de cotas nas universidades federais, estar ansioso por destronar o Lula, e considerar o Bolsa Família um atraso de vida.
Mas entendo perfeitamente que gente que seja menos conservadora nos costumes, e mais nos aspectos mais políticos, se assuste com a proximidade com um extremista de direita. Permita-me usar como exemplo a Greta. O blog anterior dela foi um dos primeiros que comecei a ler. Ela o fechou, e agora tem outro. Pelos comentários que ela deixa por aqui e pelo blog antigo, eu tinha certeza que ela é de direita. Eu gosto dela, visito o seu blog regularmente, e o legal é que ela escreve sobre tudo. Mais legal ainda é que, antes de entrar no blog, eu sei exatamente como ela vai se posicionar a respeito de um determinado assunto. Ela é a favor dos direitos dos homossexuais e da legalização do aborto, pelo que me lembro. Nessas questões de costumes ela não se posiciona como a direita mais tradicional. Mas nos outros? Ela nunca me decepciona: no caso do blog da Petrobrás, ela é contra (e acha que a esquerda tem paranoia contra a mídia). No caso da invasão da polícia na USP, ela é a favor. Chama a esquerda de “esquerda festiva” e “socialistas de boutique”. Ué, não tem que ser de direita pra ser tão obcecada em insultar a esquerda?
Mas Greta, e tantas pessoas de direita, acreditam que não existe mais esquerda. E, se não existe mais esquerda, tampouco existe direita. E não existe esquerda porque a direita venceu, entende? Bom, pra acreditar em tudo isso, tem que se levar essas afirmações como fatos indiscutíveis, verdades absolutas. Primeiro que é bem wishful thinking achar que a esquerda acabou com a queda do muro de Berlim. Depois que crer nisso é como dizer “game over, e nós vencemos!”. “Nós” deve ser o capitalismo, o que é uma afirmação ousada se consideramos a crise mundial que atravessamos hoje (e desta vez nem dá pra culpar os malditos comunas).
Então eu fico sem saber o quê exatamente as pessoas de direita que têm vergonha em se assumir de direita querem. Até elas devem notar que são anti-esquerda, o que é um contrasenso, sendo que pra elas não há mais esquerda. Se não há mais esquerda e direita, eu não deveria poder adivinhar como a Greta vai se posicionar sobre todo e qualquer tema, certo? E ela tampouco deveria poder adivinhar como eu me posiciono. Mas tanto eu quanto ela somos previsíveis. É estranho que sejamos tão clichês, já que aparentemente não fazemos parte de lados opostos de um espectro político que não existe mais.
Quando a gente ouve alguém chamar a Dilma de terrorista ou dizer que “Se os militares não tivessem tomado o poder em 1964, o Brasil hoje seria uma Cuba”, não precisa grande esforço intelecual pra saber se a pessoa é de esquerda ou de direita, né? Ah sim: toda vez que escrevo posts do gênero vem gente protestar que estou dizendo que a direita é ruim e a esquerda é boa. Ok, por eu ser de esquerda, eu realmente acredito que os propósitos da esquerda são mais humanistas e menos preconceituosos que os da direita (afinal, se eu acreditasse que a direita é melhor pro planeta, por que seria de esquerda? Masoquismo? Sadismo?), mas não é disso que estou falando aqui. Estou apenas reafirmando que não caio nessa que esquerda e direita não existem mais, e pedindo, encarecidamente, pra que o pessoal de direita se assuma como é, ao invés de ficar enterrando a esquerda só pra poder dizer “não me rotule!”. Saiam do armário. E viva o Mickey Mouse!

54 comentários:

Masegui disse...

Oh, oh, is there anybody here?

asnalfa disse...

Eu sou apolitizado. E os esquerdalhas são todos contraditorios. A esquerda quer ficar parecida com a direita. A esquerda sente inveja da direita. Certeza absoluta. Nenhum paíscomunista é a favor dos casamento nos gays, legalizacaodo aborto. Os comunistas querem acabar com a variedade da população. Certeza absoluta. Alem diss, o Che não passa de um criminoso, matador de gente. E a Lola sente orgulho desse tal barbudo... nao sei como alguem pode gostar de um bandidao desses.
Podem me detonar por favor seus botocudos!!

Masegui disse...

Nobody here, yet...

Júlio César disse...

Anybody commenting here?

Oliveira disse...

Mandei ontem comoo off topic, hoje reenvio corretamente:

Essa, abaixo, é a sua esquerda.

O novo (depois de eleito) Lula.

17/06/2009 - 10h49
Lula defende José Sarney e diz que denúncias não têm fim
Publicidade
da Agência Brasil, no Cazaquistão
da Folha Online

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou nesta quarta-feira (17) a sequência de denúncias no Senado e saiu em defesa do presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), que discursou ontem no plenário do Congresso Nacional.

"Não li a reportagem do presidente Sarney, mas penso que ele tem história no Brasil suficiente para que não seja tratado como se fosse uma pessoa comum", disse. "Elas [denúncias] não têm fim e depois não acontece nada."

Eu: sujeito (o Lula) desclassificado!

17 de Junho de 2009 12:23

Kenny Guilherme disse...

Vejamos, Lola:
Indo para o lado pragmático (Congresso Nacional, por exemplo). Dá pra dizer que há alguma ideologia ali? Certamente de alguns gatos pingados, mas pra maioria o que interessa são os conchavos, a emenda de agora, o repasse de verbas pra minha região, etc. Logo, é comum ver políticos de partidos ditos de direita e de esquerda se aliando para determinada votação, conforme seus interesses individuais e imediatistas. Onde fica a ideologia?
Sou mais ou menos como essa leitora que vc mencionou: no que diz respeito aos costumes, eu sou liberal, não comungo das idéias da direita, ao passo que na política as idéias já se coadunam mais com essa corrente. Posso me considerar de direita? Creio que não.
Se eu tivesse de escolher um adjetivo pros dois lados, diria que a esquerda é ingênua e a direita autoritária. Eu prefiro, sem sombra de dúvidas, ser ingênuo a ser autoritário.
Concordo que dizer que a divisão não existe não procede. Mas como vou me dizer de direita se defendo a legalização do aborto? Se acho que o Estado deve sim intervir na economia quando preciso?
Parabéns pelo blog.

L. Archilla disse...

Kenny, eu arriscaria dizer q quem não se posiciona, está na direita. Porque nós vivemos num sistema capitalista, logo, se não pensamos "contra" ele, estamos a favor. Se vivêssemos em Cuba, alguém q alegasse apolitização seria de esquerda, porque se ele não luta contra os sistema ele faz parte do sistema, entende?

Anônimo disse...

Botocudo? Olha o preconceito de quem diz que quer viver num mundo sem preconceito, para poder ser/exercer sua sexualidade e outros direitos sem sofrer represálias, tsc, tsc... tão patético...

anacris disse...

Lola!!! Urgente, eu não seu seu email então vou perguntar por aqui, espero que você me responda a tempo.
Amanhã é a defesa da sua tese e eu gostaria de assistir, então você poderia me dizer qual será o endereço (se é na ufsc, qual o bloco, sala, etc)?
Abraço!

Débora disse...

Não lembro quem foi que disse que somos um país de direita enrustido. Veja o caso aqui em SP, PSDB no governo do estado há séculos, praticamente uma dinastia, mas pergunta pra alguém se votou no Covas, Alkmin ou Serra, são raros os que declaram abertamente que votaram neles. O que é bem estranho, já que todos declaram que preferem morrer à votar na esquerda (Marta Suplicy que o diga) mas também dizem que não votaram nos candidatos vencedores da direita, então votaram em quem? Branco? Nulo? Se assim fosse a porcentagem de votos válidos seria ínfima, mas não o é. Quem então vota na direita? Devemos então desconfiar que existe fraude nas eleições?

Srta.T disse...

"Quem é de direita vai encontrar muito mais pontos em comum com o extremista de direita do que eu, que sou de esquerda (imagino que não extremista)." - Não é bem assim. Um extremista de esquerda, do tipo que defende Hezbollah e Hamas, tem mais em comum com um extremista de direita homofóbico do que alguém de uma direita moderada que defende os direitos dos homossexuais, por exemplo. Nem toda a esquerda, aliás, é humanista como você: há facções (como os extremistas que já citei) intolerantes dentro dela também.

Eu não me posiciono porque não conheço o suficiente dos dois lados pra fazê-lo, e também porque simpatizo com bandeiras de ambas as partes. Mas como disse num e-mail que troquei com a Tina, uma coisa que me incomoda é que certos defensores da esquerda (não todos, pra ficar bem claro) agem como se só a esquerda defendesse os bons "valores", como humanismo e fraternidade. Não é bem assim. Os moderados dos dois lados (e a única certeza que tenho é que sou moderada, mas não sei de qual lado) defendem basicamente os mesmo valores, e a diferença reside, creio eu, no modo de agir para alcançá-los.

Aproveitando o gancho da resposta da L. Archilla para o Kenny: a pessoa pode viver em um sistema (sendo direita ou esquerda, whatever) mas ser crítico a ele, sem querer sua substituição pelo outro, e sim sua evolução, vá lá. Mas acho meio injusto de dizer que quem é "apolítico", ou opta por não votar, tacitamente está concordando com X ou Y. Pode ser que a pessoa se abstenha de opinar por não conhecer o assunto. Entretanto, isso não a torna obrigada a aceitar as falhas e ilegalidades que eventualmente surgem em um governo ou sistema.

Na minha opinião, existe direita e esquerda sim e a divisão está longe de desaparecer; mas acho que a tendência é que suas idéias se aproximem cada vez mais.

Chris, mãe da Cecília disse...

L. Archilla não me posiciono justamente por não ter conhecimento suficiente de um ou de outro... o que não quer dizer que eu seja de direita. ;)

Lola, ótimo texto!

Beijoca,

Anônimo disse...

Oi Lola!Legal o post!
Realmente desde a queda do muro, o mundo mudou bastante. Mas será que mudou tanto?A estrutura de classes, a base capitalista mudou desde então? Relação pobreza, desigualdade econômica mudaram?
A crítica da esquerda sempre passou por essas questões estruturais, e por tanto, não vejo nenhuma mudança. Aliás só o agravamento destas questões.

Questões culturais tb fazem parte do debate. Mas não de ordem prioritária. Por isso as vezes podem estar tanto de um lado quanto de outro.Embora, como vc disse tendem a se ter algumas previsões. Ainda mais em países não progressistas, de tradições conservadoras como o Brasil.
Diria que esquerda e direita são mais um conjunto de idéias, paradigmas(com variações). Que economicamente são opostas, e no âmbito cultural pode até ter algumas convergências.
É bem verdade, que de umas duas décadas p cá, tem se a idéia de que isto são rótulos, como negativo e até superficial.
Será que isso não é esvaziar o debate? Bem cômodo para ficar tudo como está, e talvez fazer alguns ajustes que não mude nada na prática.

Vixi, ficou longo demais.
Espero que ocorra tudo bem na sua defesa!! Boa sorte!

Má disse...

o comentário anônimo de cima é meu ;)

Thiago Beleza disse...

Discordo de vc em partes lola....quando comecei a tirar a venda dos olhos, estudar a historia recente do brasil, a revolução cubana, salvador allende, guerrilha do araguaia, lamarca e marighela, fiquei fascinado. Poxa, pra enfrentar um exército somente com idéias e coragem não é pra qualquer um...

Comecei a entrar em contato com partidos, movimentos sociais... e o discurso é sempre o mesmo..LUTAMOS PELO POVO, PELA CLASSE TRABALHADORA, PELA REVOLUÇÃO....
a impressão que eu tive deste período é de que os partidos de esquerda tinham parado no tempo. Além do mais, o povo pelo qual eles dizem que lutam, nem sabe da existência deles. è fácil fazer caridade de um escritório nos jardins (bairro nobre da capital paulista)...Falar de um povo que está a dezenas de kilômetros de distância. as realidades são separadas por milhares de casas amontoadas, gente cansada de 15 horas de jornada na rua, gente batalhando pra sobreviver...Ngm sabe das nossas necessidades sem viver, sentir na pele...
Que povo é esse que ouço tanto o MR8, o PCB, PSTU, PC do B falar?

DIvidir as pessoas entre trabalhador e patrão não rola...não dá... tente movimentar uma greve hoje... quantos aderem?
Antes de defender ideologias, o POVO defende a sobrevivência...Ngm arrisca o emprego, pq por mais que esteja ruim, sem um salário de fome, estaria pior...

Falam de subverter o sistema elegendo um deputado, um vereador e um prefeito. As experiências de revoluções pacíficas que tivemos em toda a américa latina não são suficientes pra mostrar que isso não funciona?

Sou anti-capitalista e não me considero de esquerda por esses motivos. Não acredito no nosso sistema político, afinal ele foi montado pela ditadura. Os caras não foram vencidos.. eles se retiraram. Foram embora mas deixaram um sistema prontinho e a dominação saiu da mão dos militares pra mão de empresários... a eleição do Lula não acabou com os lobys, injustiça e tudo o mais. Apesar de todas as ações pra tentar diminuir, a estrutura é a mesma e continua privilegioando as mesmas pessoas.

Como o PT mede a diminuição da pobreza? Pelo aumento do consumo.. Idiotas caindo em propaganda de produtos inúteis não é medidor de sucesso (pelo menos não deveria)...

Não acredito no nosso sistema político, simplesmente pq o senado, camara de vereadores, deputados virou bancada de negócios...e no fim das contas quem ganha é quem tem a grana...
Concordo com o Kenny.
Não interesse em mudar. Se houver, ou o cara se corrompe ou morre tentando.
Deixei de acreditar na mudança de cima pra baixo.
A esquerda que se diz representante do povo, precisa entender que não precisamos de umm guia. Precisamos aprender a pensar por conta própria. A repetição de conceitos não significa mudança ideológica e sim doutrinação.

Não acho que a esquerda está morta, mas acho que os partidos que se dizem socialistas deviam voltar-se um pouco mais para a realidade brasileira e um pouco menos para teorias européias de séculos atrás.
E é por essa razão que eu não me considero de esquerda. Nunca li Marx, lenin ou qualquer outro teórico. Minahs idéias são baseadas no meu dia a dia, experiência de vida. A minha opnião sobre as necessidades do POVO (tão necessário a revolução da esquerda) vem de um contato direto e diário... e é exatamente iss que falta a nossa esquerda.

Má disse...

Thiago, entendo seu ponto de vista, a maneira como a política está sendo conduzida. Tanto em nível do PT ou no Congresso etc, como em movimentos sociais e partidos políticos.
Mas essa decepção não quer dizer que algumas idéias estão caducas. A teoria é muito importante para nos guiar, não é dogma, é conhecimento para melhor agir na prática. Infelizmente a expriência por si só não conduz a práticas políticas corretas. Participo de um grupo de leitura de Marx, o pouco q entendo ainda o acho muito atual na maioria das questões. Como disse aí em cima, a estrutura da sociedade ainda é a mesma, e nisto esta teoria me serve por ser muito contemporânea.
E ao contrário do q vc disse, já escutei bastante, de movimentos sociais considerados de esquerda hj, opiniões parecidas com a sua. De que a "experiência" q faz a prática política.
Eu já penso que só a experiência é insuficiente.
Conhecimetos teóricos são apenas ferramentas, para conhecer nossa história e o funcionamento de nossa sociedade, das idéias.
Como cantava a Elis "E o que foi feito é preciso conhecer Para melhor prosseguir"
Acho q é isso.
Abraços!

L. M. de Souza disse...

bem legal isso. a ideologia opera em níveis inconscientes. muito político escolhe o partido por interesse e não por ideais. claro, a esquerda geralmente tem essa de levantar mais bandeiras. talvez o psdb ainda seja um partido que nasceu de ideais e a velha guarda (fhc, serra), eles não são coronéis q entraram pra política porque tem a cidade no bolso. eles são sujeitos muito inteligentes, o q quer dizer q não é a toa que eles estao no poder a tanto tempo em sp. o pt só não ganha em sp porque a marta não tem carisma, o ex-marido dela até tem, mas nao é administrador, o mercadante tb parece não ser o cara (sobra quem?), sem falar do palloci, dirceu e genoino q se suicidaram politicamente. espero que a esquerda cresça em sc, o pt é forte no oeste, e a capital economica de sc ter um prefeito do pt é uma vitoria historica. vamos ver ano q vem, mas de novo parece que a briga vai ser entre as direitas, o clã amim, o clã bornhausen e o pmdb, que tá ali no meio e vai pro lado de quem oferecer mais cargos.

isadora disse...

bacana. não sei se parte da esquerda que se chamava esquerda (leia-se, os partidos) ainda pode ser considerada esquerda. mas de que a direita existe, não tenho dúvidas.

Deborah disse...

Lola,

Interessante você falar sobre isso. Hoje li uns textos do Mídia sem Máscara e do Olavo de Carvalho. Aquele homem é bizarro...
Nas comunidades de extrema direita do Orkut, há quem acredite que os próprios gays forjaram brigas na parada em um complô de auto-sabotagem pra manipular a notícia. Eles acreditam que os gays fazem um mega complô heterofóbico.

E as comunidades não elegeram o Mickey não...
Entre as imagens preferidas são o Che tomando coca-cola, o Bush e imagens de "família". Vi uma quantidade considerável de Skin Heads/nacionalistas/patriotas/pelos-valores-familiares/xenofóbicos e etc. É de dar medo. E eles disponibilizam fotos do grupo e curiosamente os tais rapazes NÂO são brancos. Estão mais para pardos. Dá pra acreditar?

Procure "Sou de direita e daí?" e navegue nas comunidades relacionadas.

Tô fazendo a Regina "Eu tenho medo".

Gostaria que visse meu último post que fala de uma notícia do marido que contratou em um classificado um estuprador pra própria esposa:
www.aqueladeborah.wordpress.com

Thiago Beleza disse...

Má, tyambem concordo contigo quando fala da questão teórica... mas como explicar karl marx ao meu pai, taxista, que so frequentou até a quarta série do fundamental?

Nesse ponto, ocorre a falah, pq não da pra fazer o cara perceber as falhas do sistema, utilizando teoria. Eu não me considero um idiota, mas não entendo a função de senadores de deputados. Aprendi na quarta série sobre poderes legislativo, executivo e judiciario. Sei que um cria a lei, o outro executa a lei, e o outro cuida pra que todos sigam a lei. Mas no fim das contas, na prática, o que eu vejo é que ngm respeita merda nenhuma. Logo, toda a teoria que aprendi, foi pro beleléu, pq fica só na teoria.

Defendo uma mudança de baixo pra cima. Um trabalho de conscientização. Criar pessoas críticas, capazes de entender a sociedade em que vivem, e a partir daí, arquitetar mudanças.

E, cara, teoria não faz isso.

Giovanni Gouveia disse...

"A esquerda que se diz representante do povo, precisa entender que não precisamos de um guia. Precisamos aprender a pensar por conta própria."


Tiago, há quase duzentos anos a Esquerda de verdade diz algo semelhante a isso:

"A Emancipação dos trabalhadores será obra dos próprios trabalhadores" (Karl Marx e Friedrich Engels)

Pra quem acha que a esquerda está morta, ou algo semelhante, recomendo a leitura do Le Monde Diplomatique. Os movimentos sociais estão cada vez mais ativos, ou seja, apesar de não ter havido muita diferenciação no Areópago, na Ágora o debate, e consequentemente o confronto, está cada vez mais intenso.
É indubitável e inegável que há distorções, e grupos cuja função latente esteja bem longe da função manifesta, seja na esquerda seja na direita, mas a essência de ambas continua a mesma.

Conceitualizando:

A essência da direita é a defesa do capitalismo, ou seja, das individualidades ("meu" dinheiro, "minha" propriedade, "meus" bens, "minha" mulher...), enquanto a essência da esquerda é anticapitalista, portanto em prol da coletividade.


P.S. Asnalfa, não é possível que "nos países comunistas" tenha havido nada disso que você falou por um simples motivo, NUNCA HOUVE país comunista, mas ditaduras burocráticas, exercendo capitalismo de estado. No Comunismo sequer existe Estado

Mariana disse...

Lola, acho que há muita coisa in between direita e esquerda. Tenho verdadeira ojeriza à extrema-direita-cristã, mas a extrema-esquerda de Coreia do Norte, apenas pra citar um exemplo, também me dá vontade de vomitar. Eu digo que sou esquerda-liberal, que é algo mais humanista que a direita neoliberal e, ao contrário da extrema-esquerda, também preza as liberdades individuais. Sobre a morte da esquerda, ela ainda está viva em pessoas que acreditam em justiça social, mas o comunismo medonho de URSS e etc praticamente morreu (ainda tem umas anacronias como a Coreia do Norte) com a queda do Muro, na minha opinião. Ainda bem, pois considero liberdade individual muito importante. Mas admito que fiquei muito feliz com o tapa na cara dos neoliberais que essa crise deu.

Mudando de assunto, li uma notícia que me deixou de cabelo em pé: uma moça foi estuprada por 4 playboys de um condomínio na Barra, aqui no Rio. O link pra notícia: http://oglobo.globo.com/rio/mat/2009/06/18/jovem-acusa-vizinhos-de-estupro-em-condominio-de-luxo-na-barra-756393351.asp. O que me deixa mais nervosa é a misoginia de alguns comentários, de gente dizendo que a menina não é santa, que não tinha que beber, como se ela merecesse ter sido estuprada por beber. Um horror. E ouvi na TV ainda há pouco que a malfadada polícia daqui tá cética justamente pq ela estava bêbada... Ou seja, pelo raciocínio deles, se vc bebe além da conta, seu corpo e integridade não te pertencem mais, viram propriedade pública (e masculina). Absurdo, absurdo...

Beyjas!

Giovanni Gouveia disse...

p.s. Provavelmente não vai haver post amanhã, porlotanto, aqi vão minhas positive vibes pra você Lola.
Força, mulé, desbanca essa banca, que amanhã à noite tu vai ser doutora...

Giovanni Gouveia disse...

Falando em Direita e Esquerda, Lola já leu a caricatura (não consigo pensar que nã seja caricatura) do blog do Professor Hariovaldo?

http://hariprado.wordpress.com/

Greta disse...

Ah, nossa, percebi que estava recebendo mais visitantes vindos daqui que o normal e passei para dar um “check”. :)

Seguinte, bela: Eu notei que alguns pontos deveriam se esclarecidos, porem optei por responder no blog, senão o comentário ficaria enorme e o pessoal dormiria antes de terminar de ler. Tá lá, a sua disposição, se você tiver paciência em ler.

beijo,

Sheryda Lopes disse...

Tem MUITA gente de esquerda que faz oposição ao Lula e ao PT. Acho que esse partido não caracteriza mais a direita pois embora eu concorde com algumas resoluções que foram colocadas no governo dele, como as cotas para negros. E vamos lembrar que as conquistas não só de partidos que conseguem chegar ao governo, mas de muita luta construída.

Asnalfa, eu sou botocuda sim, e com muito orgulho, seu racista.
E não sei se a direita curte muito a legalização do aborto e os direitos dos homossexuais. Até porque, pra eles, "eles tem direito de fazer o q quiser, mas eu não sou obrigado a ver nem meus filhos".

asnalfa disse...

Nao sou racista. Isso de me chamarem de racista é coisa que os negros inventaram...
A esquerda ta no poder e nao faz nada. Aliais... desisti de lutar pelos direitos de alguma coisa... o negocio é matar todos os brasileiros e substituirem pelos suecos (de preferencia loiros do cabelo liso e olhos azuis) pra nao ter mais preconceito e cotas;;;

Anderson disse...

Ola Lola, é a primeira vez que posto aqui, Conheci sue blog por indicação da Valeria shoujofan ja ha algum tempo, mas vinha lendo seus arquivos antes de comentar.

Sobre a questão de posicionamento politico eu costumo me classificar como de direita-libral. Acredito na democracia representativa como sistema politico, acredito nas liberdades individuias, no estado laico, no combate a preconceitos (racismo, homofobia, machismo, etc), nas manifestações como forma de reivindicação (a sociedade nunca evolui sem que exista uma pressão para tal) e em politicas publicas p/ combater a inclusão.

Mas tb defendo a propriedade privada, a meritocracia, o direto da pessoa gastar seu dinheiro como quiser (desde que não viole as leis), acredito no estado de direito e no conceito de lei e ordem.

Não aceito um estado paternalista que queira me tutelar, ou uma patrulha sobre o que vejo/leio/consumo/penso, nem o anti-americanismo (ainda tem traço?)bobo que infecta tanta gente.

Mas concordo que ignorar essa divisão é pobre e o argumento de que não existe direita e esquerda não se sustenta. Talvez ele fosse valido em termos de partidos no legislativo, ja que la são poucos os que ligam p/ ideologia.

Anderson disse...

Govanni.

Como assim não existem paises comunistas?

E Cuba, e a Coreia do Norte, e a antiga URSS??

Quer dizer que todos os meu profesores de ginasio (miletantes de esquerda) mentiram? Pq antes da queda do muro , eles afirmavam p/ os alunos que esses paises ERAM comunistas e tinham mais liberdade, mais justiça e mais prosperidade p/ seus cidadãos.

Então todo o apoio e militancia em prol desses paises eram falso? Ou as pessoas (intelctuais,artistas,politicos,etc) que os defendiam não sabiam oq tavam falando?

Giovanni Gouveia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Giovanni Gouveia disse...

Anderson, basta ler Karl Marx para saber que aqueles países não eram comunistas, muito embora tenham baseado suas ações no princípio marxista da "Ditadura do Proletariado", o que se impôs, de fato, foi simplesmente uma ditadura, não do proletariado, mas da burocracia de Estado.
Para Marx, ao superar o capitalismo seria necessário um período de transição de forma a resistir à reação das forças dominantes, esse período de transição, a ditadura do proletariado, teria que se impor pela força de forma a não mais permitir que as forças reacionárias voltassem ao poder. Mas seria um período de transição, que, ao mesmo tempo que resistia criaria as condições para o fim total de todo tipo de exploração e subordinação, portanto, não havendo mais classes sociais, nem propriedade, o Estado se faz desnecessário.
Nem estado, nem as classes sociais foram abolidas nos sistemas que você cita, muito pelo contrário, surge no seio dessas sociedades uma nova classe dominante, a burocracia, tão ou mais exploradora quanto a burguesia, muitas vezes, a exemplo da Coréia do Norte, criando uma dinastia com poderes hereditários.
Não, aquilo não pode ser considerado Comunismo.
Mas havia, sim, quem defendesse aquele regime como a quintessência de uma sociedade igualitária, como também há, dentro da direita as diversas nuances desde a direita liberal até o fascismo, mas isso é outra história..

Oliveira disse...

Anderson:

Todos os professores, ditos de esquerda, metiram pra você, pra mim e para eles mesmos. Alguns não eram mal intencionados, só ignorantes.

Luiz disse...

não acredito que a direita e a esquerda tenham acabado entre nós, brasileiros, porque essa diferença nunca existiu. E ainda hoje, o nosso Congresso é a representação de egos, um caleidoscópio de crenças particulares que se juntam e se afastam em espelhos. A minha crença, o que nos foi legado, é a possibilidade de algum trabalho. A minha revolução vai ser arranjar um emprego. E, ler os posts bacanas da Lola, é como participar de alguma batalha de nossa grande guerra diária. Que a sua revolução tb aconteça. Sorte amanhã: estaremos todos, os desiludidos de esquerda, direita, não-direita, apartidários, a-"alguma coisa", perdidos... torcendo por vc.

Priscilla disse...

Oi Lola,

Como dizem os especialistas em texto, o papel aceita tudo.

Mas a vida real é outra história.

O governo Lula tem na sua base coligação com o PP, do Paulo Maluf e do Jair Bolsonaro. Quer dizer o quê? Que tem governo e partido tirando onda da cara de quem acredita em esquerda/direita?

Ou que tá tudo mesmo muito confuso e misturado?

Ou que os Pepistas viraram esquerda desde criancinha? Ou que o Lula e seu governo são de direita?

Ou o quê?

Sei não, acho acreditar em grandes diferenças entre a direita e a esquerda, na prática, na política, é um pouco de otimismo demais, na minha opinião.
Há diferenças? Sim, mas muito pequenas.

A previsibilidade que vc vê e cita é um preconceito, ou uma vontade de abarcar a realidade com rótulos.

O interessante é que seu blog tem como mote combater o preconceito. (Sim, é um blog sobre cinema, mas a essência do blog, na minha opinião, é o seu senso de justiça (da Lola). E sim, me parece que a esquerda tradicionalmente se preocupou e se ocupou de dar justiça para os desvalidos da sociedade.)

Corresponde a pensar que negros são bons pra esporte, brancos são bons prás ciências, mulheres se dão bem em profissões de cuidadoras, etc. Preconceitos com os quais vc não concordaria.

Só que as esquerdas de hoje fazem o mesmo que as direitas. Bolsa família é bom. É de esquerda, por assim dizer? Pode ser, mas a política econômica deste governo de esquerda é de direita, então. Então, temos uma direita que sim, foi incoporada dentro da esquerda.

Minha intenção foi fazer um contraponto rápido.

E o mais importante: boa defesa de tese! um abraço e tudo de bom, e agradeço por existir este espaço de debate, que vc nos proporciona.

Greta disse...

Giovanni Gouveia escreveu:
"Para Marx, ao superar o capitalismo seria necessário um período de transição de forma a resistir à reação das forças dominantes, esse período de transição, a ditadura do proletariado, teria que se impor pela força de forma a não mais permitir que as forças reacionárias voltassem ao poder. Mas seria um período de transição, que, ao mesmo tempo que resistia criaria as condições para o fim total de todo tipo de exploração e subordinação, portanto, não havendo mais classes sociais, nem propriedade, o Estado se faz desnecessário."
-----------------
É verdade, Marx acreditava e pregava isso, porém trata-se de uma visão utópica. Nunca que as pessoas (o proletariado) deixarão de serem conduzidos, porque o ser humano é, em essência, um animal hierárquico. Antes mesmo que existissem o socialismo e o capitalismo, existiram dezenas de outros sistemas políticos e de governo, nas mais diversas sociedades e todos eles baseados na imposição hierárquica.
O motivo é que algumas pessoas não sabem (ou não querem) tomar decisões por conta própria, elas preferem ser conduzidas.
Até aí nada de errado, porém a existência de tal tipo de preferência favorece o estabelecimento de sistemas onde existem sempre aqueles que conduzem e tomam decisões (estabelecendo, logicamente, privilégios para sua classe social ou casta) e aqueles que são conduzidos e acatam (porém sempre tem um ou outro reclamando dos privilégios daqueles que dominam). É a velha pirâmide social se organizando, etc. Nos países citados (URSS, China, etc) a classe dominante anterior deixou de existir, porém criou-se uma classe dominante formada pelos integrantes do "partido", "burocratas" e, lá na base, carregando todo mundo nas costas, como sempre, o povão (Eeeeeehhh \o/ ).
:)

Clonou-se portanto o modelo anterior e mudou-se o nome com a diferença que do lado ocidental do muro de Berlim, ninguém desejava pular para o lado oriental, enquanto do lado oriental foram muitos os que morreram tentando sair. A mesma coisa parece acontecer em Cuba, tendo em vista a quantidade de pessoas que eram resgatadas derivando quase mortas em barquinhos, e os atletas que fogem e pedem asilo político em outros países, etc.
O que isso significa? Não sei. Talvez seja um indício que não importa o quanto tentem uniformizar as classes sociais, sempre existirão aqueles que estarão insatisfeitos, ou porque desejam mais, ou porque acreditam que tomaram prejuízo na hora da partilha do "bolo". E... talvez... eles estejam com a razão. Quem pode provar o contrário?

Já quanto ao sistema hierárquico, eu discordo de Marx, acho que ele sempre existirá, não importa o quanto tentem estabelecer um governo em que o povo governe a si mesmo. Na prática isso geraria o caos, porque sempre existirão aqueles desejando puxar o fogo para debaixo de seu pirão, etc.
Marx não leva em conta que cada homem é em si mesmo um universo individual e as pessoas se comportam, cada uma delas, de uma maneira que não é possível prever.
Por isso funciona (lindamente) na teoria, porém na prática é outra história.

astrocat disse...

Lola, achei divertido esse teste da Superinteressante pra "descobrir" se você é da esquerda ou da direita: http://super.abril.com.br/infograficos/info_cidade-politica.shtml
Eu também não caio nessa armadilha de que não existe direita e esquerda.

Anderson disse...

Giovanni e Oliveira.

Muito interessante seus comentarios, (embora me pareça mais uma tentativa de fugir da responsabilidade do desastre que foram esses paises) mas eles me geral algumas duvidas:

Primeiro, se não existe pais comunista, pelo menos existe pais socialista ou de esquerda? Cuba, Coreia do Norte ou algum outro se enquadra na categoria?

pq se não existe, fica dificil analisar os fatos a respeito, tudo fica no nivel da utopia.

E outra, as pessoas que hoje defendem uma sociedade de esquerda, uma sociedade comunista, sabem do que estão falando, ou como meus professores e os militantes de antigamente ele tb estão 'equivocados"?

Anônimo disse...

"Estou apenas reafirmando que não caio nessa que esquerda e direita não existem mais, e pedindo, encarecidamente, pra que o pessoal de direita se assuma como é"

Lola, isto é de um autoritarismo impressionante!

lola disse...

OI, GENTE! Que legal que os comentarios rolaram soltos e sem agressividade apesar da minha ausencia! Hoje meu dia foi um inferno, vcs nem acreditam. Tudo errado. Primeira vez que entro na internet eh agora, e por pouco tempo. Amanha tem DOIS posts. Um bem cedo, falando o local da minha defesa, e um mais tarde. Ja deixei os dois escritos antes. Desde ja agradeco os desejos de boa sorte. VOU PRECISAR!

filipe disse...

oi lola. amanhã, como eu havia comentado, irei assistir sua defesa. na verdade, só assistirei a tua apresentação. infelizmente eu tenho que ir correndo pra aula! ;/

quanto ao post:
acho que existe muita gente nessa situação de ser liberal nos costumes (esquerda) e também na economia (direita). óbvio, no meio da direita cristã tosca essa pessoa seria vista como um comunista comedor de criancinhas. e, talvez, no meio do pessoal de esquerda, como um liberal malvado.

mas, sinceramente, eu não acho que exista direita e esquerda na política brasileira (no sentido de partidos/candidatos de esquerda/direita). não que essas questões ideológicas tenham desaparecido. é que é tudo um jogo de interesses; não existe a mínima coerência. por isso que eu acho esse pessoal de direita que acredita no psdb muito inocente. haha.

enfim, por mais que eu goste de discutir política, isso me deixa um tanto quanto cansado e deprimido.

abraço.

Denise Volpato disse...

Lola querida!!
Que sua defesa seja maravilhosa, nota dez que vc tem feito por merecer!!
Nao li todos os coments pq estou ocupadíssima colocando no lugar as mil coisitas de Mickey q acabei de trazer de Orlando...hahhah!!! Beijos e boa defesa!!

Srta.T disse...

Boa sorte, Lola! Sucesso!

(pra defesa de tese também se deseja "quebre a perna"? Melhor não, né?)

Anônimo disse...

"Nenhum paíscomunista é a favor dos casamento nos gays, legalizacaodo aborto."

Bobagem GIGANTE. A União Soviética mantinha uma das maiores taxas de aborto por mulher do mundo, Cuba também tem uma quantidade alta de aborto legalizados.

Taia disse...

Oi Lolaaaa!
Só entrei agora (quase 3 da manhã, hehe) para dizer que ainda te amuuuuu e só sumi pq não conseguia escrever (explicação melhor só por email...). E no pouco que vi, dá pra notar que vc continua maravilhosaaaa e afiadaaaa. Bjsssss
Taia

Luis Henrique disse...

Lola,

Seu 'bloguinho' é um BLOGÃO em conteúdo! É um verdadeiro prazer cultural visitá-lo.

Ademais, eu sou de esquerda, e como criancinha enlatada no almoço com louvor!

Um grande abraço!

PS: Você foi muito 'cruel' com o comentário do Mickey Mouse... mas confesso que caí na gargalhada. Dizem que o (melhor) humor é inerentemente sádico, talvez seja verdade.

Patrick disse...

Lola, tenho a impressão que a confusão que a maioria das pessoas fazem nos comentários está relacionada à necessidade delas de associar o símbolo "A esquerda" com um estatuto ou CNPJ. Para mim, é um grave engano. A esquerda é um conjunto plural de idéias, que você descreveu muito bem. Não encontraremos seres humanos ou entidades jurídicas puramente de esquerda. Todos temos nossas virtudes e defeitos. Marina Silva tem ótimas idéias de esquerda no que se relaciona ao meio-ambiente. Mas tem idéias pré-concebidas sobre homossexuais, fruto da influência de um tipo de religiosidade no seu pensamento. Pode daí alguém extrapolar que "a esquerda" é homofóbica?

Giovanni Gouveia disse...

"Como o PT mede a diminuição da pobreza? Pelo aumento do consumo.. Idiotas caindo em propaganda de produtos inúteis não é medidor de sucesso (pelo menos não deveria)..."

Thiago, essa roda não foi o PT quem inventou. Renda é, para qualquer cientista social, seja economista, antropólogo ou sociólogo, o dado mais difícil de conseguir, porque as pessoas mentem/omitem a sua verdadeira renda, seja por medo, seja por vergonha, daí as técnicas de coleta de dados, além de identificar a renda têm que verificar o consumo, número de eletrodomésticos, carro, casa, etc.



"Antes mesmo que existissem o socialismo e o capitalismo, existiram dezenas de outros sistemas políticos e de governo, nas mais diversas sociedades e todos eles baseados na imposição hierárquica."

Greta, há, pelo menos, um erro histórico aí, a Democracia Ateniense não se baseava, em essência, na hierarquia, mas na divisão de tarefas, mesmo porque sa funções de Governo eram alternadas, todos os "cidadãos" TINHAM que exercer funções de governo. Conceitos como "liberdade", como hoje conhecemos, por exemplo, são completamente diferentes do mesmo conceito naquela realidade, para eles "liberdade" (positiva, como convencionou-se chamar) era liberdade PARA governar, não "liberdade" de não ter algum tipo de intervenção do Estado nas minhas escolhas pessoais.
Mas, voltando a Marx, o que ele propõe não é simplesmente a abolição imediata do Estado e da hierarquia como conhecemos hoje, como aliás prega o Anarquismo de Bacunim, Malatesta e etc, mas um conjunto de ações qualitativas (ao que Trotski chama de Revolução Permanente)que visem a superação dessa sociedade.

"Clonou-se portanto o modelo anterior e mudou-se o nome com a diferença que do lado ocidental do muro de Berlim, ninguém desejava pular para o lado oriental, enquanto do lado oriental foram muitos os que morreram tentando sair."
Greta, Conheço muitos que não só quiseram ir pra lá, como foram...

"Marx não leva em conta que cada homem é em si mesmo um universo individual e as pessoas se comportam, cada uma delas, de uma maneira que não é possível prever.
Por isso funciona (lindamente) na teoria, porém na prática é outra história."

Nem tanto ao mar, nem tanto à praia. Não é simplesmente a agência (indivíduo) que modifica/mantém a realidade social, mas também não é apenas a estrutura (sociedade) que se mantém/modifica essa mesma realidade, há que se combinar esses dois paradigmas, ou seja, não há sociedade sem indivíduo, mas também não há individuo sem sociedade. (atenção, isso não é marxismo, é uma interpretação minha das diversas teorias sociais existentes)

Em tempo: Não seria farinha para o pirão? :))))

"Primeiro, se não existe pais comunista, pelo menos existe pais socialista ou de esquerda? Cuba, Coreia do Norte ou algum outro se enquadra na categoria?
(...)
E outra, as pessoas que hoje defendem uma sociedade de esquerda, uma sociedade comunista, sabem do que estão falando, ou como meus professores e os militantes de antigamente ele tb estão 'equivocados"?"

Anderson, ser de "esquerda" ou ser "socialista" não passa, necessariamente pelos paradigmas apresentados pelo que se convencioou chamar de "socialismo real" ou "socialismo realmente existente", na história da própria esquerda houve rupturas de paradigma, uns mais libertários, outros mais conformados buscando as transformações dentro do sistema existente.
A Suécia, por exemplo obteve avanços de igualdade muito mais significativos dos que os obtidos na extinta União Soviética, apesar de ter sido governada pela linha da Social Democracia, e, ainda, manter uma realeza naquele país. Aliás os países nórdicos, de tradição social democrata, tiveram avanços significativos no que diz respeito à eliminação das desigualdades,são realidades de Esquerda, embora não sejam alinhadas com os princípios estabelecidos em Moscou...

desculpaí o tamanho...

Mila disse...

Huhauhauhauahuhauhauhauhauhauhauhauhauhauhauhauahuahuahuahuahuahuahuahuahauhauhauhuahuahuaha!!!
Muito bom, Lola!! XD

É assim mesmo, não se assume de direita nem fudendo, mas, por algum motivo misterioso, tem todo um comportamento, uma ideologia e opiniões estereotipadamente de direita!!
É hilário!!

Mila disse...

Tem gente que não faz Mesmo a Mínima Idéia do que é esquerda e direita, mas mesmo assim não para de falar coisas que demonstram cabalmente sua ignorância.

...juro que me esforço, mas não consigo ver nada de bom na direita...

Mila disse...

"Antes mesmo que existissem o socialismo e o capitalismo, existiram dezenas de outros sistemas políticos e de governo, nas mais diversas sociedades e todos eles baseados na imposição hierárquica."

Que besteira... para começo de conversa, não temos conhecimento de todas as formas de sociedade que já surgiram, e mesmo que todas elas - o que não é verdade - impusessem a hierarquia, isso prova o quê? Que a desigualdade e a hierarquia é algo 'natural'? É algo 'bom'?

Direitista disse...

Direitistas são mais pragmáticos, tendem a ver o mundo sob a estabilidade da economia e o pleno gozo das instituições. Esquerdistas são mais idealistas, apóiam políticas de inclusão para corrigir ambientes de injustiça social.

Este choque de pensamentos distintos, ora pode ser produtivo e civilizado, sob a salvaguarda de leituras e cuidado na linguagem, ora esvai para um arrazoado de maledicências, ingenuidades e grosserias as mais diversas.

As tendências da esquerda democrática são a social-democracia, os verdes e os populismos assistencialistas. Já as tendências de direita que se enquadram no aceite da democracia são os libertarianos, liberais, conservadores e nacionalistas. O marxismo e suas derivações revolucionárias fazem parte da extrema esquerda, contrária às liberdades e aos direitos de cidadania. De igual escopo, os ultranacionalistas e os fascistas, na extrema direita, excluem a democracia e o livre-pensamento.

Esquerdistas e direitistas democráticos devem horrorizar-se por igual diante dos extremismos de ambos os lados do espectro ideológico. Doutrinados não discutem, mas impõem suas idéias. Só assim este debate se configura como pleno para o refinamento do pensamento civilizacional.

A razão principal a esquerdistas e direitistas consiste em defender a democracia, mesmo tergiversando nos assuntos de economia e justiça. Ambos devem garantir o contraditório e o para o seio da sociedade, pois só assim amadurecemos. O povo escolhe qual das ideologias merece o governo em um determinado momento. E o mesmo povo, em sufrágios subseqüentes, da mesma maneira, tem o direito de continuar optando por representantes de ambos os lados do espectro democrático.

Anônimo disse...

Essa Lola Aronovich é como todos os judeus;Nazista Judaica!Os judeus são os maiores Nazistas no mundo! Israel, estado Nazista que tem 200 Bombas Atomicas!

zildo disse...

Comecemos com algumas perguntas. A manutenção dessa anacrônica e reducionista divisão das forças políticas e sociais entre esquerda e direita interessa a quem?
Sim, a quem interessa o jogo da polarização esquerda (supostamente ao lado do povo, da justiça social, dos direitos coletivos, enfim, do bem) versus direita (que seria do lado das elites, da iniqüidade social, da violação dos direitos, do mal)?
E qual o poder analítico dessa divisão?
Quem defende a universalização da cidadania e a inclusão dos chamados excluídos em uma sociedade mais justa e mais fraterna deve ser, obrigatoriamente, de esquerda?
E quem defende a liberdade do indivíduo contra o totalitarismo das alternativas igualitaristas, está condenado a ser chamado de direita?
Para ser de esquerda alguém tem que apoiar o protoditador Chávez?
Tem que defender a ditadura de Fidel?
Tem que ter feito campanha para Marie Ségolène Royal contra Nicolas Sarkozy?
Quem apóia Lula é de esquerda?
Renan, Sarney, Jader, Delfim, Maluf e Paulo Henrique Amorin são de esquerda?
E quem é contra Lula é de direita?
Roberto Freire, Raul Jungmann, Fernando Gabeira, Arnaldo Jabor e Nelson Motta são de direita?
E Lula é de esquerda?
E quem vaia Lula é de direita?
E Serra é de direita?
E quem não vota em Serra é de esquerda?

Qualquer pessoa inteligente percebe que não estamos aqui diante de uma classificação séria, mas de um embuste.
Qualquer pessoa minimamente inteligente percebe que não existem essas coisas chamadas de ‘esquerda’ e ‘direita’ a não ser: a) nas cabeças dos tolinhos que acreditam que tal classificação guarda alguma racionalidade e, assim, ainda querem se perfilar num dos pólos de uma divisão reducionista da diversidade política que acompanha a complexidade social; ou b) dos espertinhos que usam essa divisão embusteira para consolidar a sua posição ou as suas pretensões de poder.
Existe, sim, quem se declare, ou se ache, de esquerda ou de direita. Mas a idéia de que as forças políticas em uma sociedade complexa possam ser divididas sempre em dois campos, em dois pólos, além de levar inevitavelmente à autocracia, não resiste a cinco minutos de análise. Os argumentos a favor da sua manutenção são, em geral, baseados em alegações vagabundas que podem ser facilmente desmontadas pelo raciocínio mais elementar.

Ana Fernandes disse...

Nossa essa noção de que o PT representa a esquerda no brasil é estapafúrdia, assim como dizer que os regimes (PSEUDO)comunistas a representam. O PT foi um dia esquerda, hj ele é apenas uma direita maquiada de vermelho. Eu sou de esquerda e admirei o Lula a Dilma enquanto estes se mantiveram como politicos de esquerda, depois que subiram ao poder (ambos) passaram para direita. Pq esquerda ateh ganha eleição, mas não governa um pais desigual como o nosso, sem irritar (pra dizer o minimo) muita gente poderosa (além de uma massa de classe média alienada em seu falso sonho de progresso. Então se não gostam da esquerda, tudo bem, mas utilizem argumentos válidos para defender seu posicionamento (e esse negocio de apolitizado não engana ngm, pq todo "apolitico" mete o pau na esquerda.. NUNCA vi um apolitico dizer um "a" sobre a direita...)