quinta-feira, 1 de setembro de 2016

GUEST POST: DESABAFO DE UMA MÃE SOLTEIRA CANSADA DE ASSÉDIO MORAL

A F. me enviou este curto e revoltado texto:

Coragem é sonhar mesmo quando todos te depreciam e te acham uma pobre coitada. Uma mãe solteira que tem mais que trabalhar e não reclamar de nada, afinal de contas tem os filhos pra criar, não é? Devia ser grata por ter um emprego. 
Nós somos muitas e por isso tem muito empregador ou os seus capachos (gerentes, supervisores, etc) se aproveitando da situação de vulnerabilidade que vivemos pra nos assediar moralmente e exigir de nós sempre mais que dos outros.
Odeio quando ouço de um chefe que eu tenho duas filhas. Ninguém melhor que eu pra saber disso. Quer dizer, eu vou reclamar de coisas a respeito da empresa, coisas que não considero justas, e ouço: "Sei que você é uma pessoa madura porque é mãe de duas filhas". Nas entrelinhas seria: “Sei o quanto você precisa desse emprego”. Como se minha capacidade criativa, meu talento, meu trabalho nada valessem. Como se o chefe estivesse fazendo um favor por me empregar e por não me demitir.
A verdade é que sim, eu já me submeti a situações que não gostaria porque tive medo de perder o emprego. Mas uma coisa é certa: empresa nenhuma emprega alguém por caridade. Eu não estaria em nenhum emprego se eu não cumprisse meu papel. Mas, ainda assim, tem gente que pensa que minha capacidade cognitiva está comprometida porque afinal eu sou mãe solteira (seja lá o que isso queira dizer; afinal, mãe não é estado civil, certo?), e mães solteiras são tão problemáticas, não é?
Quero dizer o seguinte: se você é gestor de alguma empresa não coloque a família da sua subordinada em uma discussão de trabalho. Sabe por quê? Isso vai mostrar o quanto você é manipulador. Porque quando você alega para uma mãe que ela tem filhos pra criar, na verdade você está querendo dizer: "se submeta, você tem poucas escolhas". 
E não, não temos. 

64 comentários:

Anônimo disse...

“Eu peço que ela [Dilma], um dia, entenda, que eu fiz isso pensando, também, nos netos dela.”
Janaina Pascoal, autora do pedido de impeachment, a chorar no discurso final

Anônimo disse...

Um dos motivos de eu pensar se quero ter filhos ou não é saber que quando você tem um, fica presa a situações, empregos e lugares mesmo que sejam ruins.Quando só se tem você pra cuidar, alimentar é bem mais fácil não aceitar abusos em casa e no emprego.

James disse...

Na verdade, maes (e pais) tem menos escolha sim. Nao so no emprego, mas na vida.

Anônimo disse...

Esses mascus nem devem sair de casa. o cara começou a encher o saco 5:00 da manhã. Que vida triste você deve ter em.

Anônimo disse...

12:10

ter filho é uma merda

Anônimo disse...

Todo mundo sabe como se engravida, até se vc for de uma sociedade isolada, portanto devemos assumir nossas responsabilidades, seja homem ou mulher.

Anônimo disse...

Quem depende de homem em casa também pode ser vítima de assédio, só que doméstico. Aff, vida de mulher não é nada fácil.

Anônimo disse...

Por onde andam Raven e Jonas Klein? Os comentaristas que sempre buscavam ser o Centro das atenções

Anônimo disse...

"Todo mundo sabe como se engravida, até se vc for de uma sociedade isolada, portanto devemos assumir nossas responsabilidades, seja homem ou mulher."
E o que isso tem a ver com o texto? Pelo que eu entendi ela assume bem as responsabilidades, o que falta é os outros pararem de se aproveitar disso. Parece aquele argumento batido de "se sabe que é assim, por que fez tal coisa"?

Dan

Anônimo disse...

Voltaram pra debaixo da pedra de onde nunca deveriam ter saído :)

Anônimo disse...

Já passou da hora da Lola mandar de uma vez por todas pro buraco do qual eles nunca deveriam ter saído todos esses mascus aleatórios de estimação que ela ainda mantém nas caixas de comentários do blog ¬¬

Anônimo disse...

O que é aquela sigla M$OL ?

Anônimo disse...

O cromossomo Y é bem feio mesmo mas vamos falar sobre o assunto do post?

Anônimo disse...

M$OL quer dizer mascu solitário.
O tipo que fica o dia todo na internet falando mal de mulher.

Anônimo disse...

Mãe solteira é uma expressão muito idiota mesmo. Já ouvi falar no termo "mãe solo" para se referir às mães que criam e sustentam seus filhos sozinhas.

Anônimo disse...

Não acredito que a conversa foi parar em cromossomos!

Cesc Biavati disse...

Estão incluído aí mães divorciadas com guarda exclusiva da criança devido ao privilégio astronômico do Judiciário?

Zrs disse...

A tarefa mais difícil na nossa sociedade é ser mãe, com todos os ônus e bônus que a função carrega.
Talvez o mais difícil, para além das barreiras do cotidiano/trabalho/etc, seja mesmo dizer ao filhx como é esse mundo, como viver nesse mundo cão e qual o sentido de tudo isso aqui.

Anônimo disse...

Lola sua linda! Obrigada por publicar meu desabafo.

Anônimo disse...

Eu tava bem chateada nesse dia. Faz um tempo já que até se fico doente escuto esse negócio de : ah você não devia faltar, você é chefe de família. Ninguém diz isso pra um homem quando ele é pai. É difícil sabe ouvir isso até de outra mulher. É olha que eu tenho um muro emocional, eu não me a abato fácil não. Mas fazer o que né? Sair processando? De verdade é difícil provar. Mas sabe quando seu chefe pede pra você coisas que não pediria pros outros tipo trocar de horário etc? Por que na cabecinha dele eu preciso mais que todo mundo. Pior é que isso não é mentira.
F

Anônimo disse...

Seu desabafo, tenho certeza, é o de milhares de mulheres que sustentam sozinhas seus filhos e suas famílias no Brasil. Pq o que mais tem é filho órfão de pai vivo, aquele que não tem vergonha de pagar 100 reais na entrada da baladinha "top", mas acha que a vagabunda da ex usa o filho para explorar quando o moleque precisa de um livro, um calçado, uma consulta médica.

A gente percebe sim que quem é mãe solteira tem de ficar com as anteninhas ligadas no ambiente de trabalho. Está sujeita ao assédio sexual - já que tem muito canalha que ainda acha que toda mãe solteira ou divorciada é puta ou está louca por sexo e ao assédio moral - é melhor ficar bem caladinha, você tem filhos pra criar, eu faço o favor de te deixar ir nas consultas e reuniões escolares do seu filho.

Ah, para quem está reclamando dessas malvadas bruxas interesseiras que ficam com os filhos em guarda exclusiva, vale a pena refletir pq a Justiça ainda beneficia mulheres mais que homens. Muito veio do velho estigma de "Homem não sabe cuidar de criança", (alimentado adivinha por quem?). Não é de se surpreender, afinal o homem, na menor dificuldade já sai matando os filhos por não ter "condições financeiras". Mas quem tá realmente a fim de mudar essa imagem de pai irresponsável que não sabe olhar uma criança, vai este excelente site:
http://institutopapai.blogspot.com.br/. São pouco os homens que têm coragem de levantar a bunda da cadeira e requerer que vocês podem sim, ser pais responsáveis e amorosos e tem o dever de cumprir suas funções tanto quanto a mãe, afinal, a criança tem metade do seu DNA. Embora seja muito mais fácil chorar em blog feminista.

Anônimo disse...

(Viviane)
Este é um dos motivos pelos quais quis ser servidora pública. Aliás, é também um dos motivos por que o serviço público, em geral, tem mais mulheres do que homens: precisamos de segurança para criar nossos filhos.
1- não defendo, de modo algum, que isso seja solução para todas. Solução seria acabar o assédio moral e o machismo em qualquer emprego;
2- no serviço público também existe assédio moral, muitas vezes pesado. Não é o paraíso, mas a garantia de emprego e salário para quem cria filho sozinha da um alívio muito grande.

Anônimo disse...

Se não tem poucas escolhas, saia do emprego e arranje outro melhor e que pague mais.

Não entendo a reclamação.

Anônimo disse...

Só tenho receio pelo futuro dessas crianças, que sofrerão com o pai ausente

Anônimo disse...

Sofrerão nada. Pai não serve pra nada, na verdade, o pai causa danos irreversíveis nas crianças e só serve pra dar mal exemplo.

titia disse...

Meu apoio pra autora. Esses machos meia boca vivem falando de mulher aproveitadora e golpista mas quem mais se aproveita de pessoas (maioria mulheres) em situação de vulnerabilidade são eles.

18:26 e até lá o filho passa fome, mora debaixo da ponte e sai da escola? Porque comida, roupa, casa, remédio, água limpa, escola, nada disso é de graça. Mascu burro.

Mais uma aqui na lista de quem seria mais feliz se não tivesse tido pai.

Por que são as mulheres que tem a guarda dos filhos? Deixe as crianças sozinhas com o pai uma semana e, se elas ainda estiverem vivas, descobrirão por que. Mascu diz cada idiotice.

Anônimo disse...

"Sofrerão nada. Pai não serve pra nada, na verdade, o pai causa danos irreversíveis nas crianças e só serve pra dar mal exemplo. [2]

Coisa que mais tenho raiva é de quem diz "ah, meu pai é machista, nunca ajudou em nada, é bêbado, batia na minha mãe, é um traste mas é meu pai. Depois que morrer blá blá blá"

Todo mundo morre, criatura. Supera isso.

Outro dia uma moça contou que o pai mostrava trechos da bíblia pra mãe dela pra justificar porque ela tinha que se submeter a ele. A menina contou que disse poucas e boas pra ele e apareceu gente, inclusive mulher, pra dizer "ain, não faz isso. é teu pai. depois que morrer vc vai se arrepender de ter falado assim com ele"

Vão se fuder.

Anônimo disse...

Meu apoio pra autora. Esses machos meia boca vivem falando de mulher aproveitadora e golpista mas quem mais se aproveita de pessoas (maioria mulheres) em situação de vulnerabilidade são eles. [2]

Anônimo disse...

A Mãe deseja o melhor para suas crianças. Papai só deseja o melhor para o Papai, ou seja, paz e tranquilidade, satisfazer sua ilusão de dignidade (“respeito”), uma boa imagem de si mesmo (status) e a oportunidade para controlar e manipular os outros, o que se chamará “dar orientação” se ele for um pai “moderno”. Papai, ao contrário da Mãe, nunca cede para suas crianças, pois deve, por todos os meios, preservar a imagem de decidido, dotado de firmeza, de força e de razão contínuas. Nunca fazer o que se tem vontade leva a uma falta de confiança em si e na própria capacidade para lidar com o mundo, e a uma aceitação passiva do status quo. A Mãe ama suas crianças, ainda que às vezes se irrite com elas, mas a raiva se dissipa rapidamente e, mesmo enquanto perdura, não impede o amor nem uma aceitação profunda. Papai, emocionalmente doente, não ama suas crianças: as aprova se são “boas”, ou seja, se são agradáveis, “respeitosas”, obedientes, subservientes a sua vontade, quietinhas, e enquanto não provoquem inoportunas alterações de humor sempre tão desagradáveis e nocivas para o sistema nervoso masculino de Papai, facilmente perturbável – em outras palavras, se são tão passivas como vegetais. Se não são “boas” – e se ele é um pai “moderno”, “civilizado” (às vezes é preferível o bruto furioso delirado e antiquado, a quem se pode facilmente desprezar por ser tão ridículo) – Papai não se irrita, mas expressa sua desaprovação, atitude que, diferente da raiva, persiste e impede a aceitação profunda, deixando na criança um sentimento de inutilidade e uma obsessão por aprovação que durará por toda a sua vida; o resultado é o temor ao pensamento próprio, pois este leva a opiniões e modos de vida não convencionais, desaprovados.

Se a criança deseja a aprovação paterna, deve respeitar o Papai, e dado que Papai é um lixo, o único meio para garantir que é respeitado é mostrar-se distante, inalcançável, e agir segundo o preceito de que “a familiaridade gera o desprezo”, preceito que, com certeza, é certo, se ele é desprezível. Comportando-se de maneira distante e indiferente, ele pode permanecer como um ser desconhecido, misterioso, e, portanto, inspirar medo (“respeito”).

A desaprovação das “cenas” emocionais produz o temor por emoções fortes, o temor à própria raiva e ao ódio, e o temor a encarar a realidade, já que encarar a realidade leva inicialmente à raiva e ao ódio. Este medo, combinado à falta de confiança na própria capacidade de enfrentar o mundo e mudá-lo, ou até de afetar ainda que seja minimamente o próprio destino, conduz à crença estúpida de que o mundo e a maioria das pessoas que vivem nele são boas, e que os entretenimentos mais banais e triviais são uma grande diversão e produzem um profundo prazer.

[...]

Anônimo disse...

[...]

O efeito da paternidade nos meninos, especificamente, é transformá-los em “Homens”, ou seja, desenvolver um duro sistema de defesa contra todas suas tendências à passividade, à bichice, e aos seus desejos de serem mulheres. Todo menino quer imitar sua mãe, ser sua mãe, fundir-se com ela, mas o Papai o proíbe. Ele é a mãe, ele se funde com ela; assim, ordena ao menino, às vezes diretamente e outras indiretamente, que não seja um mariquinha, e aja como um “Homem”. O menino, que se caga nas calças com medo de seu pai, que – dizendo de outro modo – lhe “respeita”, obedece e chega a se tornar como o Papai, esse modelo de “Virilidade”, o cretino heterossexual bem-comportado.

O efeito da paternidade nas meninas é transformá-las em machos: dependentes, passivas, domésticas, bestiais, inseguras, ávidas por aprovação e segurança, covardes, humildes, “respeitosas” das autoridades e dos homens, fechadas, carentes de reações, meio mortas, triviais, estúpidas, convencionais, insípidas e completamente desprezíveis. A Menina do Papai, sempre tensa e temerosa, intranquila, sem capacidade analítica, sem objetividade, valoriza em um contexto de medo (“respeito”) o Papai e, consequentemente, os outros homens. Incapaz de descobrir o vazio por trás da fachada indiferente, aceita a definição masculina do macho como ser superior, como fêmea, e da fêmea, e de si mesma, como ser inferior, ou seja, como macho, o que, graças ao Papai ela realmente é.

A expansão da paternidade, resultado do desenvolvimento e da maior difusão da riqueza (que a paternidade necessita para prosperar), tem provocado o aumento geral da estupidez e o declínio das mulheres desde a década de 1920. A estreita associação entre riqueza e paternidade tem servido para que apenas as meninas erradas, ou seja, as meninas “privilegiadas” da classe média, consigam ter o direito de “educar-se”.

O efeito produzido pelos pais tem sido, em suma, corroer o mundo com a masculinidade. O macho possui um toque de Midas negativo: tudo o que ele toca se transforma em merda.

(V.S. - SCUM)

Anônimo disse...

Putz, com a quantidade de mãe solteira que existe no Brasil.. ou mulher tem dedo podre ou as opções são todas péssimas mesmo. Ser mulher hétero é ter que escolher entre o ruim e o péssimo.

Anônimo disse...

Sabe qual a diferença entre o chupa cabra e homem que presta?
O chupa cabra já foi visto algumas vezes.

Anônimo disse...

Anon 20:50 "Ser mulher hétero é ter que escolher entre o ruim e o péssimo" tem sido a rotina mas existe outra ótima tb, que é ficar sozinha. De vez em quando é maravilhoso, uma benção. pelos comentários aqui eu ficaria doente só de ficar perto de uma criatura similar. muito horror mesmo rs

Anônimo disse...

Acho que é mais pela falta de opções boas. O machismo sempre tentou negar a seleção sexual, em que a fêmea só escolhe os melhores, quando forçava casamentos arranjados antigamente. Agora, sofremos a consequência, tendo apenas péssimas escolhas, visto que seus ancestrais igualmente inúteis não eram capazes de casar com uma mulher sem ser pela força ou fome.

Anônimo disse...

21:07, com certeza. Mas não podemos negar que a maioria das mulheres héteros se relaciona com homens. E elas tem que fazer essa escolha entre o ruim e o péssimo. Muitas só descobrem depois que já estão enroladas, casadas, grávidas, separadas.. e o ciclo continua.


Anônimo disse...

21:10, nunca tinha pensado por esse lado. Acho que essa cultura ainda existe. Vemos essa mentalidade entre conservadores que defendem que a mulher deva ser dona de casa e mãe. Uma mulher dependente finaceiramente de homem não tem como ter uma escolha realmente livre.

Anônimo disse...

Extensão do Chrome muda o nome de Temer em todas as notícias para Temer Golpista

https://www.buzzfeed.com/davirocha/uma-extensao-do-chrome-muda-o-nome-de-temer-em-todas-as-noti

Anônimo disse...

Gostei da ideia do concurso público. Como comecei recentemente a fazer faculdade de adm vou tentar algo na área. Realmente deve ser bom ter um pouco de estabilidade
F

Anônimo disse...

Lola apaga o anónimo das 20:40. Ele claramente não leu o texto.

Anônimo disse...

A Lola com certeza não passou por aqui aqui se não não teria esquecido o troll pia de prédio das arrobas.

Anônimo disse...

Anon 21:40 sei lá se a maioria das mulheres é hétero. Nao tive que descobrir nada kkkk Eu via a encrenca de homem desde criança, via lá em casa, altas histórias kkk nunca tive filhos e nem tenho vontade de ter. Nunca tive q escolher nada tb fiz so o q eu quis, não esquentei com isso d casar. Tem esses papinhos sacais d familia e sempre sai incólume com a minha poker landscape face kkk Já tentei me enquadrar umas duas vezes mas não deu, não tenho vocação pra otaria... cara feia p mim sempre foi fome... fico na minha d boas... só saio se o dito cujo não for uma porta, maluco, chato, egolatra, babaca, obcecado ou imbecil. Pra pisar em mim nem em delirios. De resto, da pra aturar, evidentemente se for reciproco.

Anônimo disse...

Ser mulher é a coisa mais fácil do mundo!!! Já nascem com o xerecard e o mastercu, aceitos em todo o mundo!!! E ainda ficam reclamando, quando tudo que elas tem que fazer é abrir as pernas pra conseguir as coisas!

Rafael Cherem disse...

Estão incluído aí mães divorciadas com guarda exclusiva da criança devido ao privilégio astronômico do Judiciário?

Que privilégio? O sujeito paga uma pensão, dentro dos limites de sua possibilidade porque assim a lei manda, mas criança não tem despesa uma vez no mês, embora a obrigação do sujeito seja apenas uma vez no mês,isso quando não é estipulado sobre o salário-mínimo, ou seja, R$ 264,00, nem um cachorro se sustenta com esse valor.

Privilégio na guarda? Dificilmente o pai QUER a guarda, já perguntei a vários, essa hipótese só ocorre por ciúme do novo companheiro da mãe ou pura implicância. Vida real meu caro.

Privilégio trabalhista? É para o nascituro e o bebê antes de ser para a mãe.

O texto faz pensar, a mulher que escreveu pelo menos está assumindo suas responsabilidade, e é pura CANALHICE usar as característcas pessoas de alguém como chantagem.

Rodrigo Almeida disse...

Ces tão brincando q homem não sofre esse tipo de coisa, né?

Tipo, meu pai mesmo toda hora era lembrado pela minha mãe, avó e pelos outros que ele tinha uma família com dois filhos pra sustentar.

Sabe q ele fez? Se demitiu do empreguinho meia boca e abriu o próprio negocio.

Rodrigo Almeida disse...

E antes q digam "é mais q obrigação do homem fazer isso", bem, deveria ser da mulher tb, então pq reclamam?

Anônimo disse...

Estou com 38 anos anos,sou hétereo,concursada e não vou parir nem fudendo.A única prisão que eu tenho no momento é o meu trabalho,o que já me desgasta bastante.As mulheres tem que ficar "cuei" com os zomi.Acabei de ler no jornal agora que várias mulheres estavam enviando vídeos íntimos para um homem que se dizia o Neymar.Daí elas mandavam os vídeos e depois eram chantagiadas.Ahhh pelo amor a Deusa,gente.Século XXI e a mulherada com sonhos de fadinha? Aff.

titia disse...

E seu pai sustentava a casa sozinho ou a sua mãe tava lá fazendo jornada dupla pra garantir que vocês não iam passar fome, caro Rodrigo?

Anônimo disse...

Anon 10:46, essa é mentalidade machista que está na mente de muitas mulheres criadas por seculos na cultura machista... talvez por isto existam tantas mulheres machistas :/
Elas são ensinadas a acreditar no que o mascu de 9:15 falou... esse conceito machista de que vc tem entre as pernas um capital e que você deve usa-lo. Ou seja, ensina que a mulher deve se prostituir.
O que o feminismo deve e pode mostrar é que o nosso capital como mulher é sermos pessoas inteiras, com educação, cultura, independência financeira, capacidade de trabalho.
Esse exemplo que você deu das fotos faz parte também das falsas idéias sobre o que é sucesso e bem estar: Muitas mulheres precisam acreditar mais em si mesmas, que há uma vida mais digna além do que a sociedade e a midia machista de sites de fofocas alimenta por exemplo rs

Anônimo disse...

Verdade anon das 11:02.Com a internet hoje em dia,qualquer mulher pode conhecer o FEMINISMO,pesquisar e tirar suas próprias conclusões.No meu círculo de amizades,nem as consideradas bonitas tampouco as medianas como eu estão afim de falar sobre Empoderamento,FEMINISMO e tal,falam que não é dessa "forma" que vamos avançar.Preferem o sono profundo a enxergar.O FEMINISMO está aí pra quem quiser mas poucas são fortes para voar.Muitas não querem perder o título de gostosa,sedutora;essa volúpia que os homens adoram.Perder a "atenção" e o "apreço" que elas pensam possuir dos zomi pra elas é a decadência enquanto fêmea.Ser livre é para poucas,porquê ser livre gera ônus e muitas vezes solidão.

Anônimo disse...

Rodrigo, adivinha quem tem esse papo de macho provedor? Foi o feminismo? Acho que não né?

Vocês sofrem um monte com esse conceito de masculinidade tóxica que incidem sobre vocês e sobre a gente também. Só nesse mês teve um bocado de pai que matou a família por "não ter condições de criar". Isso tudo vem de um sistema patriarcal, o qual a responsabilidade de manter a família financeiramente (só o que exigem de vcs como bons pais é manter a saúde financeira da família) é masculina. O homem é socialmente construído para ser o provedor. Por isso eles relutam em aceitar que a mulher ganhe mais que eles, eles relutam no fato de um dia sentar no sofá e chorar junto com suas companheiras. Eles relutam de falar pra ela segurar as pontas por um tempo até ele arranjar um emprego. E os idiotas masculinistas então, eles acham que o dinheiro vai comprar a felicidade que eles não possuem e as mulheres que eles sabem que só querem o material. Só que são poucos os homens que querem abandonar esse modelo de masculinidade, ao contrário de nós, que estamos insatisfeitas com o modelo de feminilidade que nos é imposto.
A mulher não tem a opção de desistir quando é abandonada pelo homem junto com as suas crias. Muitas vezes ela dedicou a vida ao macho e de repente tá sozinha, isolada, sem estudo e com criança pequena pra criar. Ela vai à luta, ela vai vender pano de prato, Natura, fazer faxina. Ela se prostitui. Ela não desiste de ir à luta pq não pode se dar ao luxo da inércia. E fazendo tudo isso, ela ainda é julgada pela sociedade. Não pode se relacionar com ninguém sem ser taxada de puta ou querer "pai" pros filhos dela, o que os mascus chamam de "esperma" alheio.

Anônimo disse...

11:21 elas só vão perceber que precisam do feminismo quando vacilarem com os machos. Elas querem ser da turma dos meninos, ganhar afago cada vez que agradarem os machos. Mas um dia elas pisam fora da linha. Um dia elas ficam velhas e fora do padrão de beleza. Um dia são passadas para trás pelos homens que elas tanto adoram.

Estaremos nós aí, sempre prontas para ouvir o que elas têm a dizer.

Anônimo disse...

Sou um masculixo miserável e inútil, um babaca fracassado total, a pior escória da humanidade. Por favor, me matem!

Anônimo disse...

Anon 12:02, ninguém aqui tá afim de matar ninguém não. Perda de tempo eu hein. Liga pro CVV, é 141... tem ate o site tb...http://www.cvv.org.br/

Sugiro ajuda psicológica, ler um livro... passear na praia ou no parque ajuda também ta bom? Sorte pra vc, melhoras.

Anônimo disse...

Anons 11:21 e 11:38, pois é, "muitas preferem o sono profundo a enxergar" que o feminismo oferece outras escolhas de vida para as mulheres... Alias acho que muitas até são feministas sem saber, só não tem engajamento ou informação. Acho que nesse sentido o feminismo precisa pensar sua abrangência e como se expõe perante a sociedade, atendendo a realidade da maioria das mulheres principalmente no empoderamento econômico e como força de trabalho...

E tem a questão da solidão e do isolamento social, fato, ainda que a mulher tenha independência financeira. Mas sinceramente, nem é tanto isolamento assim. Acho que é a história de velhas crenças que dão medo de fazer escolhas diferentes.

Por exemplo, a crença que você deve ter filhos para cuidar dos genitores na velhice. Detesto essa crença, acho injusta com os pais e os filhos, gera uma obrigação que pode se tornar perversa emocionalmente... e infelizmente caráter, por mais que os pais eduquem (se educarem e pra quê ne) nem sempre é garantido. A vida dá muitas voltas e é incerta...

Na minha experiência, vejo que a maioria dos meus parceiros me respeitaram; e quando não, pude sair bem e encontrar quem o fizesse. Minha escolha é de ter bons amigos e amigas e se der, bons parceiros: se durar ok, se não, que bom que deu pra viver bem essa história. Casamento não é uma finalidade, um projeto pra mim. É muito mais uma questão de estar bem consigo mesma, negociar com respeito com o outro e de ter auto estima defendida...

Anônimo disse...

Anon 13:20, sabe que uma época eu até pensei que nascer homem era melhor?
mas depois de tempos eu posso te falar: estou satisfeita de ter nascido mulher e ter a coragem como ser humano de viver as minhas escolhas, ainda que tenha um monte de limitações só por ser mulher.
Posso não ter a mesma liberdade que você mas ainda assim eu a conquisto todos os dias, do meu jeito e em espírito. Há muitas coisas para viver além de competições vazias e joguinhos de poder. E me fortaleço assim.
Me vejo mais forte e mais íntegra como pessoa e como ser espiritual ate. Nunca tive raiva de homem, só acho a humanidade muito cruel e triste, as pessoas confundem tudo. E eu também me vejo nesse processo e quero evoluir, refletindo sempre.
Depois passei a ver como vocês sofrem com o próprio machismo que vocês alimentam, com uma série de auto cobranças absurdas e que causam muita frustração e dores emocionais.
Talvez isso que apesar de tudo, mulheres sejam capazes de encarar a vida com mais suavidade. ou numa nova versão: "hay que endurecer pero sin perder la ternura" rs
Por isso é importante refletir sobre tudo, especialmente sobre certezas e emoções negativas.
Se você prefere vir aqui destilar ódio, escolha sua, só lamento.

Anônimo disse...

"Ser mulher é a coisa mais fácil do mundo!!! Já nascem com o xerecard e o mastercu, aceitos em todo o mundo!!! E ainda ficam reclamando, quando tudo que elas tem que fazer é abrir as pernas pra conseguir as coisas!"

Isso é recalque... assume logo que você queria ter nascido mulher! Sugiro o mesmo a todos os mascus.

Anônimo disse...

Concordo demais anons 11:38 e 13:21,ser parça uma com a outra só fortalece a gente.Tem um blog que eu adoro também "Lugar de Mulher" tem um texto foda lá (A vagabunda era a outra).Vale a leitura.Dá vontade de xerocar o texto e espalhar nós espaços públicos para as manas refletirem.Minha mãe tem 68 anos,nunca leu nada a respeito de FEMINISMO mas é uma.Tem que rolar a empatia,brotar um descontentamento,desconforto dentro da gente.Acho que é por isso que muitas estão no "quarto rosa até hoje".Não rolou identificação até acontecer o que a anon das 11:38 disse.

Anônimo disse...

isso aí 13:49!

<3<3<3 tamos juntas meninas <3<3<3

Anônimo disse...

13:49, grata pela indicação do site!

Vi outro post muito pertinente lá também, trata de como a economia pode afetar mulheres e homens, em tempos de desemprego e precarização de emprego como no caso da Guest post em relação a assédio moral.

http://lugardemulher.com.br/suicidio-economia-e-masculinidade/

Anônimo disse...

Lola, da o favor de apagar o comentário das 12:32 e 12:35. Obrigada.

lola aronovich disse...

Esses comentários já foram apagados faz tempo. Não sei como vc continua vendo, mas não estão mais aqui.

Anônimo disse...

Não foram apagados não. Ainda estão aqui u_u

Anônimo disse...

"Ser livre é para poucas,porquê ser livre gera ônus e muitas vezes solidão."
Anonimo de 2 de setembro de 2016 11:21

Isso é verdade, viver fora das convenções que a sociedade quer impor pras mulheres (marido, filhos, padrão de beleza, etc) não é nada fácil. Ser fiel ao que você é muitas vezes gera um certo isolamento, mas acho melhor viver só do que viver na falsidade.

Anônimo disse...

É como diz aquele velho ditado: antes só do que mal acompanhada.