quinta-feira, 16 de julho de 2015

PRIMEIRAS IMPRESSÕES DA CHINA: SHANGHAI

Eu na estação de trem de Shanghai, pronta pra ir pra Pequim. Obrigada pela foto, Pablo querido!

Muita gente está pedindo notícias da China, então vou falar um pouquinho. Ainda tenho mais de uma semana por aqui! Estou amando.

A China realmente é uma experiência fascinante.
O duro é chegar lá. A viagem de mais de um dia cansa demais. Eu cheguei moída. É exaustivo ficar sentada na mesma posição durante horas e horas, independente dos filmes pra assistir e do xadrez e gamão pra jogar. O aeroporto de Dubai me decepcionou. Esperava mais. Claro, ficamos em apenas um pedaço do gigantesco aeroporto, mas não achei as lojas do duty free grande coisa. '

Além disso, são caras. Três chocolates de 300 gramas custam entre 15 e 20 dólares. Eu fiz os cálculos: dá mais de 60 reais por 900 gramas. Mas se eu comprar barras de chocolate em casa por 6 reais cada 150 gramas, gastarei R$ 36 pra chegar ao quase meio quilo. Lindt ou mesmo Cadbury podem ser mais gostosos que meu rotineiro chocolate Nestlé, mas não creio que valha a pena pagar tanto a mais.Hoje (início de julho) fomos a dois museus: o de história e o de planejamento urbano. 
Os dois são lindos e gigantescos e inteiramente grátis. Pros chineses o que não falta é história. Eles têm registros perfeitos (incrível como tanta coisa sobreviveu) da vida de 3 mil anos atrás. Adorei ver as centenas de moedas que eles usavam. Moeda é um modo de dizer, porque algumas pareciam facas bem pontiagudas (imagino que deve vir daí a expressão “isso é uma facada!”). E eles já usavam notas de papel 200 anos antes de Cristo!
Um travesseiro mais macio, de jade
Outra coisa que me impressionou foi um travesseiro de dois mil anos atrás, por aí. Ele é de pedra. Na verdade eu não chamaria de travesseiro (mas eles chamam), e sim de encosto pra cabeça, ou melhor, um apoio pra cabeça ficar mais alta que o resto do corpo deitado. '
Juro que é um travesseiro
Mas não deve ser nada confortável colocar o pescoço numa pedra. Pior é que o “travesseiro” é decorado com várias estatuetas pequenas de búfalos. Ou seja, não basta deitar sua cabeça numa pedra. Você ainda precisa colocar sua cabeça numa pedra com pontinhas (os chifres dos búfalos). 
Também adorei as estátuas de leões que adornam a frente do museu. Cada estátua é diferente, e tem um leão que não se parece nada com um leão (tá mais pra dragão ou tigre) em várias poses: comendo, dormindo, sorrindo. Minha preferida é a de um leão se coçando.
Shanghai é a maior cidade em termos de população da China (Shanghai também é grandinha em termos físicos -– tem 6 mil quilometros quadrados). 

Tem 25 milhões de habitantes e mais uns 5 milhões flutuantes, que não moram mas circulam por aqui. A guia chinesa com inglês perfeito falou que um dos 19 distritos de Shanghai, o mais luxuoso, era também o menor: “apenas” 800 mil pessoas moram ali. Isso é mais gente que Joinville, Londrina, Maringá e outras cidades de porte médio no Brasil.
Uma das histórias mais interessantes que a guia contou foi que, até 30 anos atrás, Shanghai tinha poucos parques. Se todas as pessoas da cidade fossem colocadas em áreas verdes, elas só conseguiriam ficar em pé. Ou seja, o espaço que cada pessoa em Shanghai tinha de área verde correspondia a um par de sapatos. Vendo que isso não representa qualidade de vida, o governo tentou melhorar a situação. 
Dez anos depois, ou seja, vinte anos atrás, cada shanghaiense tinha direito a uma folha de jornal aberta de área verde. Hoje, a área verde correspondente a cada cidadão de Shanghai já é uma cama de solteiro. Em outras palavras, antes um shanghaiense só podia ficar de pé na área verde de sua cidade, depois podia sentar, e hoje já pode se deitar.
Ainda assim, Shanghai é muito poluída. Meu nariz ficou sempre congestionado. 

Uma névoa constante ocupa o céu. Não são nuvens; é a poluição. Perguntei à guia o que eles estavam fazendo para mudar isso, e sua resposta deu uma boa visão da mentalidade chinesa: ela disse que várias indústrias estavam sendo forçadas a instalarem-se em lugares mais distantes. Nada de diminuir os poluentes ou assinar o protocolo de redução de Kyoto: o negócio é levar a sujeira para outro lugar.
Eu comi muito bem em Shanghai. Típica comida chinesa (não muito diferente da boa comida chinesa que como no Brasil e que comi regularmente nos EUA), só que ela é mais doce. Shanghaienses gostam muito de açúcar.
No museu de planejamento urbano tinha a maior maquete que já vi na vida. 
Era um piso inteiro com a maquete da cidade, com todos os prédios, incluindo aqueles em construção. O que mais me chamou a atenção é que todo um enorme setor da cidade não existia 20 e poucos anos atrás. 
Logo o distrito que hoje compõe a famosa skyline de Shanghai era um grande campo vazio em 1991. Em pouco mais de duas décadas, os chineses construíram na cidade 6 pontes, 9 canais, e dezenas de arranha-céus. No Brasil ainda tem uns metrôs sendo construídos há quinze anos que ainda não foram entregues...
Amei um cineminha dentro do museu. Você entra numa sala redonda e vê um filme em 4D que mostra o ponto de vista de um pássaro atrevido (que dá inúmeros rasantes) chegando ao aeroporto de Shanghai atravessando a cidade. Eu tive certeza que a sala estava girando, mas é só impressão. De qualquer jeito, dá pra ficar tonta. 
Tinha umas barras pra segurar, e pode acreditar que minhas mãos permaneceram nelas. Todas as cidades deveriam ter um cinema desses, e deveria ser obrigatório que todos o vissem, pra conhecer e valorizar a cidade onde moram. E assim, talvez, tratá-la melhor.
Um outro filminho no museu me ensinou um monte de coisas sobre Shanghai. Parece que em toda a China as crianças começam a estudar inglês na primeira série. O objetivo do governo é que todos falem inglês, ou pelo menos uma adaptação, o que eles chamam de “chinglish” (vai demorar muito ainda. A maior parte só se comunica em chinês, o que não os impede de dominar o mundo).
O filminho também fala do homem de Shanghai: ele apoia a emancipação das mulheres, é gentil e cavalheiro, o que se traduz numa baixa taxa de violência doméstica, e ainda gosta de cuidar dos filhos (quero dizer, do filho –- a política de uma só criança por casal foi instituída em 1979 e continua firme; as exceções são se o casal tiver um filho e ele nascer com problemas, e ou se for um segundo casamento). Por tudo isso, o shaghaiense é visto como o marido ideal. Perguntei para algumas chinesas se isso era verdade e elas confirmaram. 
Um simpático professor da federal do Rio Grande do Norte disse: Tenho vontade de postar uma foto do skyline de Shanghai e dizer 'Tão vendo, coxinhas? O comunismo deu certo'.”
Depois fiquei sabendo, em Pequim, que toda aquela iluminação que forma a famosa skyline noturna de Shanghai custava 5 milhões de yuans (ou cerca de 2,5 milhões de reais) por noite -– dez anos atrás! Imagina quanto deve estar custando hoje.
Mas talvez a imagem que fique comigo pra sempre de Shanghai (e talvez de toda a China) seja uma que vi logo no primeiro dia, quando me aventurei a dar uma volta sozinha no quarteirão. Num dos prédios (comerciais), na porta do lado de fora, quase na calçada, havia um pacote com ovos, frutas, pães e outros alimentos. O entregador havia deixado aquilo na porta do prédio. E ninguém pegava!
Por que o Brasil não pode ser só um pouquinho assim?

76 comentários:

Anônimo disse...

Visite as fabricas estatais chinesas Lola, você vai mar a experiência comunista.

Fábio disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

'Tenho vontade de postar uma foto do skyline de Shanghai e dizer 'Tão vendo, coxinhas? O comunismo deu certo'.”
-
O capitalismo de estado você quer dizer né?!e nele que se sustenta a baboseira comunista. Saiam da bolha turistica, e vão para o interior do país, ou então conversem com um tibetano, e vão ver a realidade.

Anônimo disse...

na porta do lado de fora, quase na calçada, havia um pacote com ovos, frutas, pães e outros alimentos. O entregador havia deixado aquilo na porta do prédio. E ninguém pegava!
Por que o Brasil não pode ser só um pouquinho assim?
____________
Porque lá a pena e um tiro de fuzil na nuca, sim Lola, na China a pena de morte e largamente usada.

Mila disse...

Fábio, na China não se fala só mandarim. É um país multiétnico (ao contrário do que muitos pensam). Então tem várias línguas. Mas você tem razão quando diz que não existe a língua "chinesa".

Lola, sério que vc teve essa impressão do homem de Shangai? Conheci uma doutoranda brasileira que teve uma experiência diferente. Ela dizia que rolava uma certa aversão (especialmente dos chineses mais humildes) aos ocidentais que namoravam moças chinesas pq tem todo um fator social que dificulta relacionamentos . As moças chinesas diziam que os ocidentais costumavam ter uma mente mais aberta. Então, os locais consideravam essas moças como interesseiras, pois os ocidentais, em geral, tinham mais grana. Quanto Às mulheres ocidentais, algumas relatam um estranhamento dos homens chineses mais pobres. Enfim, é normal ter relatos diferentes, prova que as coisas são menos maniqueístas que achamos (e se tratando de China, há uma visão muito binária ocidental). É bom saber que é uma realidade heterogênea e que a visão hegêmonica está mudando.

Anônimo disse...

Pesquise sobre o alto indice de suicidio e sobre as condiçõe sde trabalho nas fábricas... Vc vai ver q nem td é tão bonito assim

E lá acriminalidade é menor, pq há leis muito rígidas, inclusive há pena de morte. Algo q a esquerda brasileira impede com toda força de acontecer aqui.

Anônimo disse...

Eu creio que a China é como todos os lugares desse mundo: coisas ruins e coisas boas juntas. Nenhum lugar nesse mundo é perfeito. Boa estadia pra você Lola.

Porque, né, os chineses levaram a indústria brasileira à falência sozinhos. Não é porque o produto nacional é de má qualidade, os empresários cobram muitas vezes mais do que suas porcarias valem e quando o consumidor reclama é tratado com desrespeito e zombaria, como se ele é que estivesse errado por exigir um produto de qualidade ou um serviço decente. Pois esses empresários chorões, trapaceiros e mal educados que enfiem o preju no rabo e chorem! Ah, e não esqueçamos que o Brasil não tem contradições sociais. Não tem algumas regiões mais ricas com uma mais pobre logo ali do lado. Não temos cidades cheias de arranha céus e outras sem nem mesmo sistema elétrico. Somos coerentes de São Paulo a Sertãozinho; é tudo a mesma coisa. Ah, tenham dó! Brasil reclamar da China é o sujo falar do mal lavado.

Anônimo disse...

"Não é porque o produto nacional é de má qualidade, os empresários cobram muitas vezes mais do que suas porcarias valem e quando o consumidor reclama é tratado com desrespeito e zombaria"
_
Há, o fato de a carga tributária aqui chegar a 40% (Alguns produtos passa dos 50%, veiculos por exemplo) para sustentar um estado inchado, parasitário e ineficiente, ajuda e entender um pouco, fora os impostos abusivos sobre folha de pagamento, altas taxas de luz etc..

Anônimo disse...

Compre os chocolates caros! Aqui eles custam uma fortuna, vale a pena pagar caro assim para prová-los, aqui no brasil vcs volta pro bom e velho nestle e garoto!
ps: leio diariamente seu blog ha cinco anos, mas a primeira vez que comento é pelos chocolates... o vicio é grande!

Rê Bordosa disse...

Fico feliz que esteja aproveitando a viagem.
Bjus, Lola!

Samantha disse...

Lola querida, estou quase pedindo as contas. Brincadeirinha, você sabe que faço com o maior prazer.

Aproveite a viagem. Queremos posts gigantes depois com muitas fotos contando os detalhes.

Anônimo disse...

Gente meio off mas as meninas no futebol deram 7a1 no equador ontem NO PAN acho que a gente poderia falar delas aqui e das atletas.

bjs Lola boa sorte na china

Anônimo disse...

A China é ruim nas questões trabalhistas mas não sabia que os chineses tinham a mente aberta quer dizer que os brasileiros tão atrás até dos chineses, pena que não gosto de orientais mas quem sabe um holandês,dizem que eles também são assim.

Anônimo disse...

Lindt vale cada centavo no Duty Free, é osso morar num país com um chocolate acessível tão ruim como o Brasil.
Pelo menos ajuda a manter ele longe.

Zero disse...

criticam os EUA porque há exploração capitalista, mas há muita exploração na China também, acho que não se deve isentar a China só pelo governo ser comunista (em tese)ou critica ambos, ou isenta ambos.

a China hoje é tão capitalista quanto o Japão. o futebol chinês, por exemplo, é um dos mais ricos do mundo, alto investimento e estrutura de primeira linha.

mas que as coisas funcionam na China, isso é inegável.

PS: sei que vai irritar muito fanático, mas queria frisar isso:

tratam o futebol como fútil, mas exaltam a versão feminina. coerência zero. se futebol é tão inútil, e muitas feministas detestam futebol, porque considerar as atletas heroínas e tem o futebol feminino como uma vitória pessoal? se é algo irrelevante? entranho isso...

B. disse...

"Lindt vale cada centavo no Duty Free, é osso morar num país com um chocolate acessível tão ruim como o Brasil.
Pelo menos ajuda a manter ele longe."

Classe média sooofre.

Anônimo disse...

Gostaria que a Lola ficasse na China pra sempre e o Danilo Gentili assumisse esse blog.

Anônimo disse...

Anon das 15:55 eu gostaria que todos os machistas do mundo desaparecessem numa nuvem cor de rosa. Também gostaria que babaquice fosse tratável, e que houvesse uma vacina contra burrice. Infelizmente, você está aqui.

Anônimo disse...

"Um simpático professor da federal do Rio Grande do Norte disse: Tenho vontade de postar uma foto do skyline de Shanghai e dizer 'Tão vendo, coxinhas? O comunismo deu certo'.”

Mas que professor burro, dá zero pra ele!

Marcia Baratto disse...

Lola, faça boa viagem! Espero que em Pequim você consiga falar com as feministas do governo (e com as radicais da oposição também, mas aí é bem mais complicado), louca para saber o que as mulheres da china pensam do seu país.

Um abraço e dois beijos carinhosos.

Anônimo disse...

Verdade, 16:34, se esse é o nível dos professores universitários no Brasil estamos mal mesmo.

Anônimo disse...

Interessante que os chineses que veem morar aqui no Canada sao MUITO mal educados, nao respeitam filas, cospem o tempo todo no chao, peidam e arrotam sem a menor cerimonia, alem de serem extremamente porcos.
se vc chega num predio e o concierge (tipo zelador) eh chines, sai fora! o predio sera sujo e sem segurança.
Estranho ne?

Anônimo disse...

Anon 16:05

O Danilo Gentili fala umas merdas de vez em quando mas ele é um cara legal sim.

Anônimo disse...

A Lola teve sorte, então... por que os chineses com quem convivo, meu chapéu!!!
Há exceções obviamente, mas noções de higiene e civilidade é algo que eles simplesmente desconhecem.

Sobre o comunismo, só repito o que um alemão da antiga República Democrática da Alemanha me disse - muito fácil você ser comunista quando se tem acesso a tudo a hora que você tem vontade.

Se fosse um regime tão bom e iluminado, não teriam morrido tantos tentando fugir dele e muito mesmo seria ditatorial.

Jane Doe

Anônimo disse...

No sério, Lola, vergonha alheia quando vc fala de política e economia.
Xangai foi um grande entreposto comercial entre ocidente e oriente até +-1930, depois dos anos 1990 virou destino turístico. (Enfim, não é lá um grande exemplo do que é a China...)
A China é uma economia de mercado que coloca socialista só no nome.
Quer saber sobre a china?
Leia Cisnes Selvagens.

O que a Nestle vende é doce de cacau, não chocolate. Por isso é tão barato.
Açúcar e gordura saem mais barato pro fabricante que conta com a conivência da lei brasileira que não regulamentou o mercado (tipo nossa cerveja, que tem mais milho que cervada).
Qlq coisa com alguma porcentagem de cacau na fórmula já pode ser tachado de chocolate no Brasil.
Gostar de doce de chocolate é uma coisa, aceitar que ele seja vendido como chocolate é outra.

No mais, aproveite sua viagem. Boa estadia! ^^

Anônimo disse...

"Interessante que os chineses que veem morar aqui no Canada sao MUITO mal educados, nao respeitam filas, cospem o tempo todo no chao, peidam e arrotam sem a menor cerimonia, alem de serem extremamente porcos.
se vc chega num predio e o concierge (tipo zelador) eh chines, sai fora! o predio sera sujo e sem segurança.
Estranho ne?"

Qdo viajo, sempre vejo muitos chineses em grupos turisticos e o q aprendi após péssimas experiencias com eles é: fique o mais longe possível dos turistas chineses. São extremamente mal educados. Exatamente como foi dito pelo outro anônimo. Eles te atropelam e sequer pedem desculpas. Não respeitam filas e sequer respeitam avisos dentro dos museus para não usarem flash. Sem falar na porqueira. E não pensem q são os chineses pobres q fazem isso. Estive em Paris esse ano e as lojas de grife caríssimas estavam cheias deles e todos abarrotados d ebolsas de compras. Vi inclusive uma vendedora francesa se indispor com uma cliente por conta da falta de educação da chinesa

Portanto, na minha opinião eles não são melhor exemplo de gente civilizada, não.

Nós brasileiros podemos ter nossos problemas com criminalidade, devido a leis ineficazes e frouxas, algo q não ocorre na China. Mas somos muito mais educados!

Anônimo disse...

"Um simpático professor da federal do Rio Grande do Norte disse: Tenho vontade de postar uma foto do skyline de Shanghai e dizer 'Tão vendo, coxinhas? O comunismo deu certo'.”

Tem de ensinar pra esse professor o qé comunismo. Porq o q existe na China já deixou de ser comunismo faz tempo.

Coitados dos alunos dessa criatura

Anônimo disse...

"Interessante que os chineses que veem morar aqui no Canada sao MUITO mal educados, nao respeitam filas, cospem o tempo todo no chao, peidam e arrotam sem a menor cerimonia, alem de serem extremamente porcos.
se vc chega num predio e o concierge (tipo zelador) eh chines, sai fora! o predio sera sujo e sem segurança.
Estranho ne?"

É só olhar como são as pastelarias daqui do Brasil pra saber como são limpinhos os chineses. Aqui no rio andaram abatendo cachorros e servindo como recheio de pastel

Tem até uma piada q diz q servem pombo de rua como frango, ou melhor "Flango"

Anônimo disse...

É anon das 12:34, esses empresários chorões que agora tem de lidar com concorrencia desleal de produtos (esses sim de baixíssima qualidade) produzidos por mão de obra escrava.

Vamos todos fechar as fábricas do brasil e virar todos funcionários públicos! o único problema é quem vai pagar a conta?

Anônimo disse...

"...tratam o futebol como fútil, mas exaltam a versão feminina. coerência zero. se futebol é tão inútil, e muitas feministas detestam futebol, porque considerar as atletas heroínas e tem o futebol feminino como uma vitória pessoal? se é algo irrelevante? entranho isso..."

Eu acho qlqr esporte inútil. Útil são professores, médicos, garis, engenheiros, domésticas... Gente q trabalha de verdade é útil. Esportista não faz falta a nenhuma sociedade e pior, ganham muito mais q os profissionais de verdadeiro valor

Anônimo disse...

Duvido q o homem chinês seja essa maravilha toda. Numa cultura em q os bebês do sexo feminino já são rejeitados antes mesmo de nascerem, qse impossível q o homem não seja um porco machista. Lembro q vi ha alguns anos uma reportagem falando q bebês chineses do sexo feminino eram mortos logo ao nascer ou então abandonados, pq a política do filho unico havia criado uma super valorização do sexo masculino. Como uma sociedade desta pode não ser machista? Isso é papo pra enganar turista.

É o mesmo q dizer que o Rio de janeiro é uma cidade maravilhosa. Só funciona como propaganda turistica

Anônimo disse...

Como é fantasioso o mundo "comunista" das feministas. Na China mulher dá corno no marido, mas é um país machista sim. Inventam muita besteira para enganar turista. Não existe país perfeito, mas tem alguns bem melhores que os outros sim. Eu jamais trocaria um país como o Canadá pela China, por exemplo. Tem muita exploração inclusive de mulheres chinesas em fábricas que trabalham como escravas.

Anônimo disse...

Coleguinha das 18:10 a China faz concorrência desleal com trabalho escravo, mas no Brasil o que não falta é empresário distribuindo material de péssima qualidade, cobrando caro (1000 vezes mais do que os produtos valem), humilhando quem reclama e aproveitando brechas na lei pra não precisar nem mesmo substituir o produto defeituoso. Não é porque na China fazem coisas erradas, colega, que vou tratar empresários brasileiros safados como anjinhos. Pau que dá em chinês escravocrata dá em brasuca safado.

Não tenho nada contra empresários, só pra você saber, mas tenho tudo contra gente safada que adora apontar o dedinho sujo pros outros.

André disse...

Gente, o texto fala do homem de Shangai e não do chinês. É como confundir um novaiorquino com um redneck.

Ingrid Bezerra disse...

Oi! :)

...... ((( ....
..... (. .) ...
... (( V )) ..
----m-m-----

AMEI a postagem!!!!!

Fiquei feliz em saber que os homens Chineses são gentis e violência doméstica é bem pouca! :D

Fiquei um pouco triste com esse lance da poluição. :(

Beijos a todos. :*

..........(!)(!)...............
..........(-.-)................
..........(")(")...............

Ingrid Bezerra disse...

Ih! É mesmo André!

Homem de Shangai! Até eu havia esquecido isso. ;)

Anônimo disse...

Danilo Gentili, um cara legal...? Putz, não sei se é de dar dó, se é pra chorar ou se é pra morrer de rir.

pp disse...

Lolinha, adorei ler sobre suas impressões a respeito da cidade e ver sua foto! :) Quero ver mais!!!

Anônimo disse...

Sim, os homens chineses são tão bonzinhos, forçam as esposas a abortarem quando o sexo é feminino e agora precisam comprar mulheres vietnamitas se forem casar. Existem cidades compostas maioritariamente por homens solteiros sabiam? Se aqui no brasil os homens ficam mimimi falta de sexo mimimi ninguém gosta de mim, imagina lá?

Alessandro Bruno disse...

Recomendo a leitura do Livro "As Boas Mulheres da China" para quem acha que lá é um paraíso para as mulheres. A autora é chinese, viveu lá até a idade madura e apresentva um programa de rádio contando as histórias que as leitoras lhe enviavam, sabe do que está falando:

http://www.outrapagina.com/blog/as-boas-mulheres-da-china-xinran/

Anônimo disse...

Tipo assim, eu fiquei com vergonha de saber que o chocolate que eu tanto amo não é muito mais que açúcar e gordura... me senti meio que na caverna, sabe. Imagina o que é o chocolate Bell, rsrs.

Dan

Anônimo disse...

A interpretação de texto anda ruim mesmo. O texto fala apenas do homem de Shangai e não da China toda. Prestem atenção, gente.
Quanto ao comunismo, bem a economia é capitalista e a política é comunista. É como se a China fosse um país híbrido.
Sobre a política de filho único, isto está mudando. Já algum tempo não há mais a obrigatoriedade de ter apenas um único filho.
Sobre a preferência do sexo masculino pelo feminino, é que na cultura chinesa o filho homem é o responsável por sustentar e cuidar dos pais na velhice deles. Logo ter uma filha mulher dentro da política de filho único é ruim para os pais. Por isso os abortos e abandonos de meninas. Mas não sei se há outros motivos para não quererem mulheres.
Em relação a área dos arranha-céus se não me engano antes não era um campo vazio e sim ocupado com inúmeros moradores que foram removidos à força para que esses prédios fossem construídos.

Anônimo disse...

@Dan
Verdade nua e crua.
Ou vc acha que a falta de teor de cacau na embalagem é por acaso?
Pior é quando a propaganda resolveu que o trem tinha mais leite.
Putz! Quanto de cacau ficou?!


Ps.: quando digo cacau entenda a substância produzida derivada que faz do chocolate chocolate.
Ps2.: eu acho que para um não chocolate, o preço tá é caro, mas as vezes me permito me entupir de açúcar e gordura. <3
Só fico com raiva de me sentir roubada comprando gato por lebre.

Roxy Carmichael disse...

Essa profusão de obras em tão pouco tempo provocou uma mudança radical na subjetividade dos individuos e sua experiência temporal e espacial. O cinema chinês que é ótimo tem refletido muito essa questão das impermanencias da paisagem. Numa cena de um filme que não me lembro o nome agora tem uma cena em que um arranha céu vira um cometa e se desprende do solo em direção ao espaço, assim do nada, como algo cotidiano e não recurso de ficção científica. E isso conjugando com uma cultura milenar, me pareceu ainda mais intetessante depois de ler o seu relato, lola, espero que encontre um tempinho pra escrever mais.

Roxy Carmichael disse...

Ah sim e acho que a comparação seria entre produção baseada na escravidão chinesa e produção baseada na escravidão e (e nem tô falando dos mais de 300 anos desse sistema na época colonial e sim na escravidão moderna mesmo no campo, na industria têxtil e em outras matrizes produtivas).
Eu realmente não sei o que é pior: explorar o próprio povo ou o povo alheio. Isso só pra dizer que no Canadá eu particularmente não confio. Tem gente que sim, só não compartilho da mesma opinião.
Interessante isso do homem shangaiense hehehehe. Mas saindo do aspecto gênero, eu ouvi dizer que em geral o povo chinês é muito racista (novamente um outro ponto de contato com os brasileiros. Tô considerando os chineses nossos primos já!) você tem observado algo nesse sentido, lola?
Jane Doe: bom ver você aqui de volta. Realmente intetessante essa apreciação do alemão sobre a RDA e o socialismo. Fico me perguntando o que os gregos tão achando do capitalismo German style (e os espanhóis, portugueses e até os italianos)

Roxy Carmichael disse...

*produção baseada na escravidão chinesa e produção baseada na escravidão brasileira

Alessandro Bruno disse...

Anônimo das 01:33

Eu não creio que o homem de Shangai seja muito diferente do homem do resto a China, até porque a única experiência da Lola é um filme feito para impressionar os turistas estrangeiros. No livro citado por mim há dezenas de relatos da China inteira, e lá não fala de nenhuma provincía que seja exceção nessa cultura patriarcal hiper machista que é a China.

"Sobre a política de filho único, isto está mudando. Já algum tempo não há mais a obrigatoriedade de ter apenas um único filho."

Sério, então é outra informação errada que a Lola passou, ela tá precisando se informar melhor sobre o país que está visitando.

Anônimo disse...

Roxy,

Eu pessoalmente acho que o capitalismo é um sistema fadado a autodestruição por ser insustentável, impraticável ao longo prazo, predatório e escravagista..
Não sei a opinião dele sobre o assunto, mas certamente não é a minha, de que a Alemanha não tenha uma boa parcela de culpa com a crise que aqui está e com a ruína de países menores da EU.

Eu não vivi aquele tempo nem naquele lugar. O que eu sei é sobre o que vi nos museus e o que as pessoas de lá me contaram. O governo tinha absoluto controle sobre todos os aspectos da vida cotidiana de seus cidadãos.
Algo que me chamou a atenção durante uma visita ao museu da DDR em Berlin foi o lugar da mulher nessa sociedade. Não pense que era muito diferente do que é agora. A promessa era de que todas seriam iguais em direitos e deveres, mas isso não aconteceu na prática.

Eu sou favorável e acredito em muitos aspectos da filosofia da esquerda. Creio que uma distribuição mais justa de renda é o caminho para um mundo mais seguro em termos de economia e bem estar social.
Mas desacredito nos métodos usados pelos governos socialistas do passado e dos que ainda aqui estão.

Jane Doe

Anônimo disse...

Achei extremamente decepcionante o post...Todo mundo sabe que na China impera o machismo e o regime de trabalho é análogo ao da escravidão. Aí ela posta apenas de coisas turísticas e ainda expõe a percepção de um filme chinês que fala do homem de shangai (tipo neutralidade para que, né?).

Nathalia Faria disse...

É, deu super certo mesmo um país comunista que é o maior exportador do mundo (conseguiu essa "proeza" escravisando o povo e fo-den-do o meio ambiente).
Melhore Lola melhore

Anônimo disse...

Anonimo 19:40:

Então nós concordamos.

Marcia Baratto disse...

Alessandro, as histórias narradas no livro da Xinran aconteceram entre 1950 e 1980, majoritariamente. Muitas no interior da China. Também fiquei meio desconfiada do relato da Lola, mas viajante tem esse compromisso ético com relatar primeiro o que ouviu, o que se viveu a gente reflete mais criticamente depois. Ou você acha que se você perguntar para uma paulista, guia do Masp, sobre os homens em são paulo, ela vai dizer que eles são tão machistas quando os acusados de estupro no Piauí? Não, né.

A posição de centro, classe média, educada, funcionária do governo, tudo isso influencia no discurso ouvido. Também tem aquela questão que as feministas lutam horrores por lá por políticas de educação para igualdade de gênero faz mais de 50 anos, será que tudo falhou, e todo mundo (um universo de 1 bilhão de pessoas) é machista cretino? Sou bem desconfiada de qualquer regime autoritário, não ignoro as muitas violações de direitos humanos que acontecem na China, mas muito da nossa crítica, por ser externa, também é parcial.

Por isso acho que prefiro esperar os relatos pós-viagem, depois da conversa com as feministas, aí sim dará para ver como os problemas da China são percebidos por quem vive lá. Senão fica essa coisa, de que não há machismo pior do que dos países em desenvolvimento, e que feminismo só deu certo na europa, o que é uma grande balela também.

Zrs disse...

Bom, como tenho tido muito contato com a cultura e história tibetana nos últimos tempos, posso dizer, entre tantas outras coisas, que o comunismo na China foi um dos maiores atentados aos direitos humanos da nossa história recente.

Enfim, e de qualquer forma, aproveite a experiência Lola e nos traga bons relatos daí.

B. disse...

Tô com a Jane Doe e o amigo dela: comunismo só é lindo quando temos acesso a bens. Quero ver ser comunista sendo pobre (minha opinião).
Demonizam o dinheiro e o mercado, parece que querem que os pobres continuem pobres, acham lindo pobreza.

Anônimo disse...

Marcia, ficou um pouco feio comparar os casos do interior do Piauí com São Paulo.
Tipo SP civilização, nordeste barbárei....
Como vc msm relativizou os 1b da China, temos que lembrar que entre os 13mi de SP tem machista tão escroto quanto os do Piauí.

E... Desculpa, mas relatar primeiro o que se ouviu é uma coisa, endossar o cheque (como a Lola deu a entender no post) é outra.
Talvez o primeiro compromisso ético, pra ser realmente ético, é tentar ser imparcial ao máximo, não?!
(E claro, não há obrigação nenhuma de ser ético/imparcial em um blog pessoal. Mas, considerando que a caixa de comentários é aberta, vc fica sujeito a críticas.)

Outrossim, vale lembrar que os dados da China são muito disse-me-disse. Não há compromisso nenhum com a realidade nos documentos oficiais. Tanto que quando foram fazer o ranking dos países mais corruptos, foi difícil categorizar a China, pq os dados não são confiáveis.

Pelo o que já li, quem comparou os chineses com os brasileiros como se fossem primos acertou em cheio. Apesar da distância e da diferença lingüística, há um clímão de parentesco entre os povos.
(Se a gente lembrar que Brasil afora ainda se tem o hábito de escarrar na rua, que o homem da casa tem permissão de ser grosseiro à mesa e que segurar os gases é algo não recomendável, tamos ali com os chinas - só pra dar uma pequena ilustração)

donadio disse...

Olha, estereótipo é coisa feia e burra.

No caso da China é um pouco pior, por que é um país de um bilhão de habitantes.

Se estereotipar os luxemburgueses, que são 500 mil pessoas é uma coisa estúpida, imagina estereotipar os chineses, que são metade de um continente - e uma sexta parte da população da Terra.

Roxy Carmichael disse...

Eu concordo contigo, Jane, com respeito aos métodos. Tem um artigo na Piauí bem interessante sobre a polícia de espionagem da RDA. De como se disfarçavam e das fotos que tiravam das casas de cidadãos comuns. Esse é o aspecto pitoresco, existem outros bem mais cruéis.
Agora sobre o papel sa mulher discordo um pouco. aliás, bastante. Não sei se você viu, mas caso tenha não tenha visto recomendo muito um documentario chamado Do communists have better sex? faz uma comparação entre as duas alemanhas RDA e RFA. e claro o distinto papel da mulher nas duas como determinante na sexualidade oposta nas duas. Por exemplo como o aborto foi legalizado bem antes na parte socialista, como a sexualidade adolescente era tratada na base do dialogo, desde um ponto de vista institucional até, e não na repressão e na culpa como era no outro lado, como nudismo e poliamorismo era algo comum, como as mulheres estavam no mercado de trabalho enquanto do outro lado do muro, elas eram donas de casa no maior estilo comercial de eletro domestico nos estados unidos dos 50. Ah sim nao existia pornografia e a prostituicao era ilegal. Interessante ver nos 90 a mudança que a pornografia e a prostituição massivas provocaram (so pra esclarecer que nao sou contra prostituicao nem pornografia). Agora se a questão é ocupar posições de destaque em cargos políticos aí realmente não tenho muito conhecimento e na verdade nesse ponto tendo a concordar contigo.
quanto à grecia, eu que tenho acompanhado tudo com muito interesse e curiosidade devo dizer que discordo muito de você. Mas é só uma questão de proporção. Não acho que a Alemanha tenha uma parcela de culpa. Aqui devo citar minha escritora favorita: merkel esta concretizando o sonho de hitler. Não, nada a ver com camara de gás banindo judeus da terra. Tem mais a ver com uma estrategia imperial. E a estratégia claro é distinta daquela de simplesmente chegar com os tanques e invadir a polonia. É bem mais sutil, mas não menos devastadora.
um beijo pra você

Roxy Carmichael disse...

Team Marcia!

Roxy Carmichael disse...

Dados não confiaveis me parece que é uma política no mundo todo anonimo. Se considerarmos que a pragmatica alemanha empresta dinheiro pra grecia gastar comprando armas alemãs em transações que são tão obscuras que não se emite nem nota, se considerarmos que o governo dos eua permite que funcionários das proprias petroleiras (responsaveis por desastres ambientais de proporções estratosfericas) assinem documentos sobre impacto ambiental, atividade essa que está regulamentada pela lei e que segundo a mesma devia ser desempenhadas por tecnicos especialistas de fora das empresas, então me parece seletiva essa indignação com dados não confiaveis da china.

Roxy Carmichael disse...

Team donadio! Ainda que generalizei no lance do racismo... Hehehehe

Roxy Carmichael disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Então, Roxy, acho que me expressei mal, e como eu falei o que eu sei eu li nos museus e aprendi conversando com as pessoas.
De fato as mulheres tiveram mais acesso ao mercado de trabalho, direitos sexuais e tal. Isso lógico que é um baita avanço e em muitos aspectos houve sim retrocesso. Mas o que eu queria dizer é que o papel delas de dona de casa e mãe era enaltecido, incentivado e mantido. Elas também tinha dupla jornada de trabalho e muito raramente chegavam a postos de comando e a representação política feminina foi irrisória.
Por isso acho meio ingênuo achar que se o capitalismo morrer, vai morrer a exploração da mulher, principalmente em se tratando do trabalho não pago.

Na converso que tive com esse alemão, no contexto que estávamos debatendo é que, naquele sistema você não poderia decidir "quero uma TV nova" ou "não gostei dessa comida". Você tinha que entrar com um requerimento e o governo decidia se você poderia ter um eletrodoméstico novo ou não. E isso levava ANOS!!! Há histórias de gente que pediu para ter uma carro, o processo durou mais de 10 anos e foi negado!
Outro fato bizarro era o vestuário. O governo decidia o tipo de tecido com o qual as roupas deveriam ser confeccionada. Tinha uma foto no museu de Berlim de um grupos de jovens mulheres e homens "na balada" com exatamente a mesma roupa.
Só existia um tipo de sabonete, uma marca de café e chocolate (ambos horríveis, segundo relatos), um modelo de carro, um tipo de manteiga, leite, queijo. Tudo meticulosamente controlado pelo Estado...

Eu pessoalmente não quero viver num mundo com esse nível de controle. E de boa, nunca deixei nem família, nem vizinho, nem marido me controlar. Vou aceitar agora que o governo o faça???
E outra - o governo que dá, pode muito bem um dia tirar... então...

Jane Doe

Anônimo disse...

Roxy, vdd sobre a confiabilidade dos dados.
Sobre Grécia e Alemanha, não sei se vc chegou a ler um artigo que diz sobre estarem sendo muito mais duros com a Grécia do que com a Alemanha.
Tudo bem que @ autor@ usa uma outra acusação contra Alemanha pra tirar o foco da Grécia (falando que a indústria farmacêutica Alemanha provoca enormes danos ambientais e na saúde da pop européia com o lobby da indústria, não deixando criarem regras mais duras de fiscalização e sobre poluentes), mas faz pensar.

Roxy Carmichael disse...

Eu acho super ingenuo também essa visão de atrelar a opressão de gênero apenas ao capitalismo. Por outro só acredito num feminismo anti-capitalista e anti-racista. Mas eu embora muito não saiba concordo em gênero, numero e grau sobre a participação política, representação melhor dizendo, feminina nos países socialistas. Embora se não me engano em cuba essa representação é muito maior que nos eua. Que acho que fica atrás até do Paquistão. No final penso que nós duas temos uma visão parecida, alinhada à esquerda mas critica aoa desvarios dos governos esquerdistas. Eu tb nao gostaria de viver na Alemanha oriental naquele período. Só acho que no capitalismo nao tem só uma opção (de cafe, queijo, roupa) porque na verdade não tem opção nenhuma, pra muita, muita gente em muitos países. Enquanto pra muito poucos em igualmente poucos países tem opção.

Roxy Carmichael disse...

olha esse especificamente eu não li. Se for possivel linkar, eu super agradeço.

Anônimo disse...

"Por que o Brasil não pode ser só um pouquinho assim?"
Lá existe pena de morte...

Anônimo disse...

Esse post tá parecendo propaganda política


Anônimo disse...

Roxy,
http://www.ihu.unisinos.br/noticias/544401-damos-bem-mais-pela-prosperidade-da-alemanha-do-que-para-ajudar-a-grecia

Anônimo disse...

"Sobre a preferência do sexo masculino pelo feminino, é que na cultura chinesa o filho homem é o responsável por sustentar e cuidar dos pais na velhice deles. Logo ter uma filha mulher dentro da política de filho único é ruim para os pais. Por isso os abortos e abandonos de meninas."

......

Lêr-se: A filha mulher questionário algumas ordens idiotas ao cuidar deles, já o filho homem arranja uma escrava, quero dizer... esposa... que cuidaria dos pais do cara sem poder reclamar.
As pesquisas continuam a mostrar que mesmo num país desses quem acaba cuidado dos idosos é quase sempre mulher, ou seja, fail. (Não muito diferente da realidade de muitas)
Não entendo porque falam isso com tanta normalidade, já pesquisei sobre histórias e lendas de meninas sendo mortos após nascerem(especialmente China), assustador os métodos.

Vicky

Anônimo disse...

Na India eles também matam as garotas quando nascem pela mesma razão, de que a garota irira para a casa do marido mas os pais são "sustentados" pelo filho. Este arruma uma esposa, que é a que realmente cuidará dos sogros na pratica. E olha que na India nem existe politica de filho único.

Antonella Franzon disse...

Donadio

E algo bem natural criar a imagem de todo um pais por apenas uma cidade. Tem estrangeiro que vem pra São Paulo e estranha o fato das pessoas andarem todas cobertas kkkkkk

Anônimo disse...

Nos países ditos "comunistas" tbm falta opções para a maioria da população.

Doutrinador disse...

Eu responderia ao tal "professor da UFRN", o que fez a gracinha sobre como o comunismo deu certo.

@ Não, "professor", o senhor é que é a prova viva de que o capitalismo deu certo. Está aí, passeando na China, bancado por um grande banco multinacional, pra defender o comunismo, ainda que com gracinhas. Que graça: eu pensei que os bancos fossem malvados, um dos responsáveis pela miséria do mundo. Talvez o senhor e os outros "professores" de esquerda que estão curtindo a China tenham mudado de idéia, pelo menos quanto ao Santander.

@ Será que um regime comunista proporcionaria um bem-bom desses a um liberal? Desconfio que não. Por isso, "professor", o capitalismo deu certo.

@ Ah, foi só piadinha... Não pode fazer piada com veados, loiras, e não sei o que, mas com a memória de 150 milhões de pessoas que morreram pelo no comunismo pode??? Se a piadinha tivesse sido com gay, uma turba provavelmente iria invadir a próxima aula dele na UFRN.

Anônimo disse...

Ah, peraí, nehh...
Todo mundo que comunismo na china é só para CONSERVAR as instituições, os vvelhos poderes, o partido único permitido, e os que comandam.
Porque em economia mesmo esse país é capitalista. E só cresceu por causa disso.

Jarzembowski disse...

Comparar Lindt com Nestlé é pra acabar hem, primeiro que Nestle tem mais acucar que chocolate, portanto é um doce pra começar. É dificil achar Lindt de 100g aqui por menos de 10 reais. Qdo acho, compro. Mas nunca mais achei por 7 reais, apenas uma vez no Pao de Acucar.

Jarzembowski disse...

A China vai quebrar logo logo, anotem aí. Bem, nem é tao novidade assim. Eles tem uma bolha acionaria e imobiliaria, procurem pelas cidades fantasmas no youtube.