domingo, 12 de julho de 2015

ÉRAMOS MACHISTAS E MUDAMOS

Uma anônima fez esta provocação quando, neste post, os comentários descambaram para "existe mulher machista?":

"Se mulheres podem ser (e são) machistas, então a maioria de vocês que estão apontando o dedo para as 'mulheres machistas' estão sendo machistas aqui mesmo nesse blog? Por exemplo, quando vocês dizem que vão matar mulheres, dar um chazinho de cicuta, mas vivem passando a mão na cabecinha de machos, quando vocês dão mais atenção ou preferência a homens em detrimento de mulheres (e isso acontece direto) vocês estão sendo machistas? Pra mim isso parece ser bem machista..." (Anon)

"Eu não sou uma feminista exemplar não. 
Já falei muita idiotice, já fui muito machista, já fui homofóbica, já fui Bolsonete e tudo que vocês podem imaginar quando eu era mais nova. 
Ainda sou uma machista em desconstrução. Todos nós somos. Todos nós damos bola fora, todos nós falamos besteira, todos nós repetimos alguma piadinha ou palavra machista. Todos nós. 
A diferença é que ao invés de eu ficar me justificando quando eu falo alguma besteira, eu assumo que fiz um comentário babaca/ homofóbico/ machista/ racista, peço desculpas e tento não repetir mais. Ponto. Isso me faz ser uma pessoa melhor hoje mas com muita coisa a melhorar. 
Essa tentativa de desvirtuar o debate dizendo que não há mulher machista, mas 'reprodutora do machismo', que essas mulheres não devem ser corrigidas mas sim abraçadas, não nos leva a lugar nenhum. 
Muitos debates bons foram desvirtuados por conta disso. Muitas pautas têm ficado em segundo plano por causa disso. Eu não acho que valha a pena perder tempo com nomenclatura." (Samantha)

"Eu já fui IGUALZINHA a essas aí. Ria de piada de estupro, chamava as colegas de vagabas, me achava melhor que as outras. Eu sim era mulher de verdade! 
Só que a vida acontece, né? Eu estudei, fui atrás de informações que fizessem mais bem do que mal pra mim. 
E essas moças aí também podem. Podem mais do que eu, inclusive, já que eu não tenho acesso às informações que elas têm no curso caro que estão frequentando. Quando digo que mulher machista não merece chazinho e abraço, quero dizer que não é obrigação de feminista nenhuma dar abraço a quem está nos chamando de vagabunda. Quero dizer, se alguma delas tentasse me abraçar naquela época seria esquisito pra nós duas, não? 
Nem temos a obrigação de pegar pela mãozinha e dizer: querida, isso é um tiro no pé. Quando elas sentirem a dor e quiserem acolhimento, ok. Estaremos aqui. Enquanto elas não sentem e não querem, azar delas. A nossa luta continua, mas sem passar a mão na cabecinha de machista nenhum. Seja homem ou mulher." (Raven)

"Eu já chamei, já comparei a beleza de mulheres, como se a mais bonita merecesse mais. Já condenei por ter mais de um parceiro sexual, tudo fruto do que eu ouvia desde pequena. O blog da Lola me botou pra pensar. Eu nunca mais pensei assim, quando alguém fala esse tipo de coisa, já falo na hora pra deixar de ser machista, aprendi tanto nesse blog. Através dele, meu marido também aprendeu." (Ci)

92 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Ser feminista não te transforma num ser iluminado e te livra de todo o ranço misógino cultivado desde a vida intrauterina. É um processo diário de desconstrução que requer, acima de tudo, vontade. Mesmo assim haverá coisas que muitas de nós não vamos conseguir nos livrar totalmente. Como já disse em inúmeras ocasiões, essa questão "mulher machista" é algo que eu não consigo enxergar diferente, por mais que eu me esforce. Eu fui vítima de algumas delas, e talvez todas as marcas que elas me deixaram e todo o horror que já presenciei, obscureça o meu julgamento.

Enfim, cada um tem seus demônios e cada os exorciza como consegue...

Jane Doe

Anônimo disse...

Eu nunca me considerei muito feminista, discordo de muita coisa que a Lola posta. Mas o blog tem sido muito pra me fazer refletir sobre muitas coisas. Cito duas situações atuais que vivenciei que refletem muito o machismo e ainda são vistas por muita gente como sendo normal.

- Meu irmão tem uma empresa de engenharia e o sócio dele faz questão de dizer que não contrata mulheres, pra não ter que da licença maternidade. E de fato, a única mulher da empresa é a secretária. Cade as oportunidades iguais???

Anônimo disse...

Continuando o comentário acima

- Encontro de médicos, e uma das mulheres diz, com um certo orgulho, que o noivo dela (ambos médicos) não aceita que ela tenha parto normal, pra vagina não ficar alargada. E seguiu-se uma discussão sobre a satisfação sexual dos parceiros após o parto normal...
Fiquei quieta, não tenho intimidade com o casal, os dois pareciam estar felizes com essa decisão e se me intrometesse ainda ia sair mal na história. Mas não consigo interpretar esse comentário machista de outra forma que não: "foda-se a minha mulher, o que me importa é ter um sexo gostoso".

Katia

Rê Bordosa disse...

Gente, a discussão mal começou, nem postei nesse tópico ainda já tem gente falando da minha pessoa... Na boa, vcs batem punheta/siririca na madrugada pensando em mim, né?

Donna Nyckynha disse...

tenho amigas mulheres e tenho paciencia com elas por isso,so raras vezes q preciso dar trancas nelas e acho q elas aprendem.Elas sao maravilhosas e tem quase a mesma cabeça q eu.

Agora amigos homens...blergh quero nem de graça,tenho paciência mais nao.Mandei a maioria deles se explodirem.Amizade verdadeira com homem é dificil.Todos machistas de merda,paciencia nao.

Existe homem e existe o machista e é dificil vc encontrar um homem mesmo.

Rê Bordosa disse...

Eu também não sou feminista exemplar, como a moça disse no post, porque ninguém é. E não curto esse discurso de que "não existe mulher machista, só perpetuadoras do machismo", porque isso engessa a mulher numa situação de vítima e incapaz. Os machistas já disseram muito tempo que mulher é "fragil, coitadinha, incapaz", dizendo que precisavam nos "proteger" quando na verdade só queriam nos oprimir e trancar em casa; eu não quero perpetuar esse discurso no feminismo.
Além do mais, se eu não posso reconhecer meu machismo, se não me é permitido assumir meu machismo, eu não posso mudá-lo... Só podemos mudar os defeitos que reconhecemos/assumimos.

No mais, acho que deve haver respeito e recíproca no debate. Não é porque considero machista o discurso de fulana que vou persegui-la cobri-la de porrada, vou argumentar e questionar... Da mesma forma que não sou obrigada a aguentar ofensa e xingamento de ninguém dentro e fora do movimento só porque essa pessoa é uma mulher. Se me xingar, vou xingar de volta e nem adianta vir chorar depois dizendo "Rê Bordosa é machista porque não tem sororidade com asradical".

Donna Nyckynha disse...


eu sou outra q tbm esta em construçao,sempre,mas eu acho q raramente derrapo.Deve ser pq enxergo a violencia desde muito pequena e ja to craque nisso.Lola Aronovich me ajudou em bastante pq antes enxergava,mas era tudo muito confuso.

Jonas Klein disse...

Apesar de ser feito trechos de comentários e bem interessante este post.

Eu embora nunca tenha sido um cara machista, eu mudei consideravelmente a minha forma de pensar depois que comecei frequentar este blog.

E depois comecei aprender mais sobre questões de gênero, eu percebi que tem muita mulher machista, e também não da para dizer que todas as mulheres machistas (que eu já as apelidei de idiotas uteis, a serviço do patriarcado) apenas reproduzem o machismo, elas são machistas mesmo, por isso eu digo que para fazer os homens pararem de ser machistas, e preciso primeiro ensinar as mulheres a não serem machistas.

Anônimo disse...

Dizer que o que oprime a mulher e o machismo e não os homens, e o mesmo que dizer quem quem matou judeus foi o nazismo e não os nazistas.

Fábio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Para mim essa estória de culpar mulher por machismo é muito parecida com culpar negro pelo racismo.

Quando eu vejo essas menininhas falando bobagem pra ganhar atenção masculina eu tenho muito mais pena do que raiva. Pode parecer arrogante da minha parte, mas gente, é tão óbvio quem vai quebrar a cara com isso, quem vai sofrer as consequências emocionais (e muitas vezes físicas) desse ataque e competição com outras mulheres... Não sei se dá pra diminuir essa diferença brutal pra uma questão de mera terminologia.

Não consigo ver essas meninas, principalmente essas meninas muito jovens, como machistas, porque elas estão fazendo um esforço tão grande pra caber nessa caixinha que a sociedade impôs a elas, e gente, deve doer bastante (pela minha própria experiência, e nem cheguei nesse nível de ofender outras mulheres e tal, sei que dói tentar se encaixar nesse padrão, e sei o quanto os caras podem tirar proveito disso - por mim e pelo que observei das experiências das minhas amigas).

Penso que elas não querem ser confundidas com as vagabundas, lésbicas,fúteis, essas aí, essas que são desumanizadas o tempo todo por todo mundo... elas querem ser especiais e amadas, e não serem tratadas como elas vêem as outras sendo tratadas.

No meu modo de ver as coisas não dá pra colocar essas mulheres no mesmo patamar dos homens, que são quem de fato têm vantagem nesse sistema (têm desvantagens também, claro, mas não dá pra comparar).

Anônimo disse...

Anom. 12:38

ortodoxia feminista? natureza masculina? cara, se vc é capaz de escrever tão bem, deve ser capaz de estudar um pouco e perceber que o que vc está falando não tem o menor sentido.

acreditar que existe uma natureza masculina (ou mesmo uma "natureza humana") fixa e atemporal, não sujeita às variações do contexto social, como se os seres humanos não fossem seres basicamente sociais, como se não sofressem influência alguma do meio, é ortodoxo para caramba!

além do mais é contraditório. considerando que o assassinato de mulheres por homens é sistemático e ocorre pelos mesmos motivos (sentimento de posse, basicamente), e não se trata de casos isolados, então só se pode concluir que a natureza masculina é assassina, e nada podemos fazer quanto a isso.

dá pra ver que vc não é burro. então pare de agir como se fosse: deixe de atribuir esses absurdos que vc falou aí ao feminismo e às feministas. fale só por vc mesmo, tire da sua cabeça a ideia ridícula de que pode falar pelas mulheres e pelo feminismo só porque vc é homem.

obrigada, de nada.

Donna Nyckynha disse...

anonimo de meio dia

machismo tambem é sexismo.Tradicional ta interligado com patriarcado.

este homem esta no padrao de todos os outros,no sistema q os favorece.
Nem todos os homens vao cometer violencia mas os q tem potencial somado com um sistema louco desses tem muita probabilidade de dar em merda.

Anônimo disse...

O machismo, 12:38, é da natureza masculina? Então só posso dizer que a natureza masculina odeia mulheres e aceita a violência e estupro contra elas pelo seu proprio prazer. Que a natureza masculina quer que as mulheres sejam analfabetas e prisioneiras de seu proprio "lar". Foram sim milhões de homem que proibiram as mulheres de serem consideradas seres humanos. Sociedades inteiras. Se isso faz parte da natureza masculina, então eu tenho sim muito nojo dessa natureza dos homens.

Anônimo disse...

Não é apenas um individuo que mata as mulheres. Foram e são muitos homens estupradores no mundo.

Jonas Klein disse...

Anon 14:39

Eu quero acreditar que você não tão ingênua, aponto de acreditar no que qualquer retardado mental que não enxerga nada além do próprio umbigo, chega aqui e diz né?

Não seja babaca igual a os mascus, procure conhecer e compreender diversidade humana.

Julia disse...

Bom, o texto do 12:38 é apenas uma cópia de um texto mascu que algum mascu imbecil colou aqui, mas como a anon 14:39 observou bem ele apenas justifica a misandria então POSTA MAIS.

Não que eu precise, to falando pras outras que ainda não estão no bom caminho.

Anônimo disse...

é questão de espinhos

Anônimo disse...

O que se ganha chamando mulheres machistas de "reprodutoras do machismo" porque elas não se beneficiam nunca do machismo, não nasceram homens e mimimi?
Se a mulher(e o homem)nasceu numa sociedade machista e foi educada pata tal, é óbvio que vai ser machistas porque reproduz o pensamento machista a qual foi induzida.
Lógico que todas as mulheres são vítimas, mas não significa que muitas não vão vitimizar e prejudicar outras mulheres porque assim foram educadas, e porque acham que precisam concordar com os machos e rebaixar as demais para serem aceitas por eles.
Quantas aqui não foram ofendidas e humilhadas por outras mulheres? Essas outras têm a ilusão de que precisam tratar as mulheres como seres inferiores para ganharem biscoitinho deles. Só que elas não percebem que ao agir de forma machista com as outras, estão também agindo de forma errada contra elas mesmas. E aí acho que cabe as feministas, aquelas que têm paciência para tal, abrir os olhos das outras debatendo, refletindo, contrapondo e se precisar dando um fora ou xingando pra que se tocam, quem sabe.
Pois quantas aqui abriram os olhos lendo o blog da Lola, por exemplo? Já pensou se isso aqui não existisse?
Eu por exemplo se estou num discurso em que outras mulheres condenam a minha sexualidade ou de outras com aquelas ladainhas toscas de "tem que se dár o respeito" e etc, fico sim com vontade de mandar a merda porque isso ofende. Mas me controlo porque sei que ainda tão com as mentes presas ao machismo e responto, contraponho, digo que o respeito é nosso de direito, que ninguém deve se meter com a nossa vida sexual, que a mulher nunca é culpada e sim o homem machista e etc.
Não sei se coloco uma sementinha na cabeça dessas moças, mas no mínimo tento mostrar que eu como mulher não aceito ser discriminada por ser mulher e que nenhuma deve também ser. Defendo todas nós até não poder mais.
Mas é claro que nem toda mulher tem a cabeça aberta suficiente para ouvir ou para entender e acaba por fim te agredir ou responder com grosseria. Aí toco o foda-se porque já não tem mais jeito e paciência tem limite.

anon A. (radfem) disse...

O que eu entendo dessa questão é que quem advoga por 'mulheres que reproduzem machismo' ao invés de 'mulheres machistas' está se referindo ao fato de que quem se beneficia do machismo são homens, e de que mulheres, como grupo social, não tem poder opressor para reenforçar machismo de forma sistemática. Tem um debate parecido na comunidade negra, entre 'negros racistas' e 'negros que reproduzem racismo', com +- a mesma idéia.

Anyway, por mim esse é um debate teórico demais e não vejo como ele é útil para afetar a realidade. Não importando a nomenclatura, eu vou tratar mulheres com atitudes machistas da mesma forma (sendo grossa e cortando da minha vida, ou tentar dialogar, dependendo de qual foi o nível do machismo), e em ambos os casos elas deveriam tentar desconstruir seu machismo/atitudes machistas, por ela e pelas outras mulheres.

Anônimo disse...

Mas homens também só reproduzem aquilo que lhes foram ensinado a vida toda tal qual as "mulheres que só reproduzem o machismo".

anon A. (radfem) disse...

"Essa confusão nasce do pressuposto errôneo, conforme a ortodoxia feminista, de que homens e mulheres são essencialmente iguais, quando não são (óbvio que homens e mulheres devem ter direitos iguais, o que questiono é a idéia de que não existam diferenças comportamentais entre os sexos)."

Parei de ler o comentário nessa frase besteirol. Esse mesmo tipo de raciocínio de diferenças inerentes foi usado para negar as capacidades e direitos das mulheres há milênios. Não me admira que os comentários abaixo apontaram isso como post de mascu.

Donatien Alphonse François disse...

Misandria é como o grito do ciclope Polifemo: Irmãos... Ninguém me cegou!

Anônimo disse...

mulheres num caos social ficam nas costas dos homens... mas de onde que esses caras tiram isso?

ah, é claro, homens adultos e não mulheres e crianças é que são estuprados nos conflitos, e são os homens que, sozinhos, tem que criar os filhos e reconstruir o país numa situação de miséria e caos de uma nação dizimada pós guerra.

sem falar que, conforme um militar brasileiro afirmou (não vou procurar o vídeo agora), na tortura as mulheres morrem e não entregam o companheiro, enquanto os homens em pouco tempo estão entregando até os filhos.

Caroline Oliveira disse...

Anon A.(radfem), infelizmente, eu, mulher, já acreditei que havia diferenças inatas entre homens e mulheres. Tinha essa crença por ignorância mesmo,ou melhor, por ser "informada" de maneira errada, já que li em pesquisas científicas - hoje sei que, claramente, enviesadas - que tinha diferenças cerebrais entre machos e fêmeas. Acabei acreditando nisso. Hoje, estou procurando me informar melhor, e lamento por ter endossado, sem querer, discursos opressores.

Justamente por isso, não sei o que fazer em relação às mulheres machistas. Sei que elas são assim por causa da socialização; a fêmea é ensinada a "adorar" o macho, a competir por ele. Vejo a defesa do discurso machista por parte das mulheres como uma tentativa de atenuar sua opressão, como se elas dissessem "Eu não estou sendo oprimida, eu GOSTO de ser submissa, GOSTO de limpar a casa, de me depilar, de ser dócil etc etc...É o lance do gosto pessoal, que, na minha opinião, é bradado para que as mulheres se sintam menos piores, para que acham que são de fato senhoras do seu destino. É difícil admitir que a socialização molda os nossos gostos e vontades e que desconstruir o nosso próprio machismo dói, pois nos submete às agruras externas, à desaprovação social. O que fazer, então, com as mulheres machistas?

Será que é melhor deixá-las "adorando" o patriarcado? Mas e o machismo que elas passarão às suas irmãs, mães, filhas etc? Não sei o que fazer, pois sinto que uma mulher que se recusa a lutar contra o machismo que a imbui é uma a menos no processo de derrubada do patriarcado.
Eu ainda tenho o machismo em mim, mas luto contra ele, não me submeto. Já fui muito mais machista e por isso sei que ele pode ser descontruído. Mas esse processo de desconstrução se deu por eu não aguentar mais abusos de machos; ele começou no feminismo liberal e segue, agora, à medida que eu estudo o feminismo radical, embora não me considere uma radfem. Parece que desconstruir o machismo é um processo que se inicia com a vontade de fazer com que os abusos cessem.

Ainda acho que as mulheres machistas têm jeito. Mas não sei como as feministas podem ajudar as machistas no seu processo de desconstrução.

Anônimo disse...

Como feminista radical eu não acredito que exista mulher machista. O que existe é mulher que reproduz o machismo. Quando eu falar "mulher machista" leia-se "mulher que reproduz machismo". Algumas reproduzem de forma incrivelmente passiva e inocente. Mas no caso de feministas liberais, mulheres "privilegiadas" ou mulheres politizadas e inteligentes reproduzindo machismo eu acabo perdendo a paciência kkkkkkkk
Camille Paglia por exemplo, a mulher é inteligente, não era pra ter toda aquela misoginia internalizada. Ao que me parece, ela odeia a própria "raça" dela e está em paz com isso. Thatcher também era uma grande prova de que não existe diferença entre cérebro feminino e masculino. Porém, só uma minoria de mulheres é privilegiada. Não analiso os fatos pelas exceções, não sou individualista e como um grupo todas as mulheres são oprimidas, fato. Dizer que o homem também só reproduz é falho pq o homem se beneficia do machismo e a mulher não. Paremos de culpabilizar a vítima!

Anônimo disse...

Por que pra representar uma mulher maachista a menina da foto está usando bigode e tentando parecer um homem? Ser homem agora é sinal de ser machista? Homens de bigodes automaticamente serão jogados na fogueira do machismo?

Feminismo começando a ficar perigoso.

Caroline Oliveira disse...

Anon das 16:27, verdade, parece que o diálogo com algumas mulheres ajuda, sim. Minha mãe, por exemplo, era bastante machista e ainda é, mas percebo que ela mudou bastante, evoluiu, defende e reproduz menos discursos machistas. Ela é uma mulher fortíssima, e o machismo sempre vinha para tentar coibir essa força. Ainda bem que ela está vencendo.
Não sei se o diálogo funciona com todas as mulheres, mas sinto que funciona com algumas, e isso já é, por si só, importante. É preferível algumas a nenhuma.

Anônimo disse...

O que as meninas lobos tinham de inato daquilo que nossa cultura considera como feminino?

Donatien Alphonse François disse...

"Dizer que o homem também só reproduz é falho pq o homem se beneficia do machismo e a mulher não."

O fato de o homem se beneficiar do machismo e a mulher não, não desqualifica o argumento, somos animais sociais e como tal aprendemos a nos comportar de modo machista, por tanto somos reprodutores do machismo, tanto quanto as mulheres quando são. E sabendo disso, por uma questão de empatia, muitos homens mudaram seu comportamento de modo a dar as mulheres o mesmo respeito e dignidade que esperam receber. É justamente por causa do machismo que muitos homens fazem as coisas mais estupidas e perigosas, em detrimento de si mesmo e dos outros, mas em beneficio de alguns, o homem é o lobo do homem. Entender isso não quer dizer que o feminismo deva lutar pelos homens, que fique claro.

Anônimo disse...

Homens reproduzem o machismo por vilania e as mulheres por ingenuidade e condicionamento social, é isso?

Marcia Baratto disse...

aff... já fui machista sim, e nem era por que estava numa posição de vítima. Aliás, passei a adolescência inteira lidando com abuso moral e nem percebi que era uma questão de gênero, fui lê-la assim anos mais tarde, quando o feminismo se tornou uma questão para mim. Já reforcei muito esteriótipo babaca ao longo do percurso, e foi o diálogo franco, as tais 'pedaladas' morais que recebi de companheiras próximas que mudaram o que eu penso e o que eu sou. Nunca agredi ninguém sexualmente, mas oh: já ocupei sim o posto de megera cruel para outras mulheres. Nesse sentido, acho sim que existem mulheres machistas, mas elas ocupam posições sociais diferentes das dos homens, o que não quer dizer que não sejam cruéis, afinal, continuamos humanas. Agora isso não é a principal bandeira do feminismo, e acho que hoje entendo mais as liberais e radicais que dizem que mulheres são vítimas do sistema.

Elas estão falando da realidade da violência sexual, onde, realmente, poucas mulheres ocupam o papel de agressoras, e a generalização de que homens estupram faz todo o sentido do mundo.

Para ser bem precisa, apenas 1,2% dos agressores sexuais são mulheres no país, segundo a última pesquisa Ipea. Nota: o problema de fazer estatística com violência sexual, é que ela é raramente denunciada, os dados são sobre aquilo que foi reportado ao sistema de saúde, não sabemos ao certo como é o perfil dos agressores e vítimas no país, ainda. Mas na medida em que o movimento feminista consegue visibilidade para questão, mais informações sobre isso teremos no futuro.





Panthro disse...

Seria muito difícil uma pessoa ser criada na nossa sociedade e não absorver machismo, homofobia, transfobia, racismo... Em algum nível, todo mundo já agiu pior do que gostaria de agir. Por isso que eu acho que fogueira de inquisição também não é solução. Se acontece uma merda, você fala: "Olha, tem um feijão no seu dente". Aí a pessoa vai tirar e te agradecer. Agora é claro, tem gente que QUER ser escrota e quando você avisar que ela cagou no maiô, ainda vai ficar puta com você e dizer que ela tem o direito de ser escrota. Dessas é melhor manter distância. Só melhora quem quer melhorar.

Panthro disse...

E dizer que as mulheres reproduzem o machismo e os homens não é assumir que o machismo foi inventado há apenas uma geração. Todo mundo reproduz o machismo. Tem gente que ganha mais com ele, tem gente que ganha menos com ele, mas ninguém vivo inventou ele.

Jonas Klein disse...

Donatien

"E sabendo disso, por uma questão de empatia, muitos homens mudaram seu comportamento de modo a dar as mulheres o mesmo respeito e dignidade que esperam receber."

Em muitos casos por uma questão de inteligência também, pois quais são as obrigações de uma mulher numa sociedade machista, de forma super resumida:

1 - não fazer papel de puta.
2 - uma boa dona de casa.
3 - uma boa esposa.
4 - uma boa mãe.

E quais são as responsabilidades dos homens, tirando estas que são das mulheres, todas as que você poder imaginar, entre elas ir para as guerras tomar bala, e mesmo assim tem homem que é a ainda tem a cara de pau de defender o machismo publicamente, alegando que isso e algo natural entre outras falácias.

Anônimo disse...

Hoje mesmo me pego vendo mulheres machistas tentando agradar homens meu elas fazem um papel tão feio vem um monte dizer to com você por que ela fala o que eles querem, mas é só virar as costas que elas levam pedradas,mulheres o seu inimigo não somos nós.

Panthro disse...

Eu acho que o momento em que eu percebi o machismo pela primeira vez como uma coisa próxima (porque eu sabia que era uma coisa que existia, mas achava que era uma coisa de antigamente, que ninguém mais pensava assim) foi quando eu fui passar o Natal na casa das minhas primas. Eu queria ir brincar com elas, mas elas tinham que fazer as tarefas de casa. Até aí achei razoável, lá em casa quando a gente ficava sem empregada era a gente que ajudava a mamãe também. Então, prontamente fui ajudar elas pra elas acabarem mais rápido e a gente poder ir brincar. Aí a mãe delas brigou com elas porque tinham me deixado fazer as tarefas delas sendo que isso não é "coisa de homem".

Eu fiquei chocado em diversos níveis, mas o que eu achei mais absurdo é que esse discurso estivesse vindo da mãe delas. Falei pra minha mãe o que tinha acontecido e ela disse que era o jeito deles e que não era pra eu me meter. Mas eu não consegui não deixar de dizer que aquilo era errado. Pra elas, pelo menos, que eu tinha medo dos adultos.

Continuo tendo, aliás.

Panthro disse...

E às vezes, tudo o que você precisa pra mudar uma pessoa é colocar uma dúvida na cabeça dela. Tinha uma menina na faculdade que vivia falando que as meninas tinham que dar valor, que hoje elas davam pra qualquer um e por isso que os caras eram cafajestes, que a culpa era toda das mulheres. Aí um dia ela estava na litania dela (porque era uma coisa religiosa, todos os dias ela repetia) e eu falei: "Que bom que eu não sou mulher, porque aí nem preciso me dar valor, já nasci com ele". Ela ficou possessa comigo, me xingou um monte e eu falei: Ué, mas é você que está falando que as mulheres tem que se dar valor, nunca falou que homem tem que se dar valor, então é porque homem já tem".

Ela ficou semanas sem falar comigo, dizia que eu era machista e tudo, mas nunca mais repetiu esse discurso. Depois que ela voltou a falar comigo eu expliquei pra ela que o que eu disse era só a mesma coisa que ela tinha dito e que ela não estava se ouvindo. E que aquilo ofendia um monte de gente do mesmo jeito que o que eu tinha dito tinha ofendido ela.

Não sei se é porque ela era inteligente e só nunca tinha pensado no assunto ou se esse tipo de abordagem Watchmen, de fazer com que a humanidade se una contra um inimigo comum, sempre funciona, mas sei que de repente ela descobriu um orgulho feminino que estava em falta.

Só não sei o que eu teria feito se ela concordasse comigo. Acho que eu ia ficar chocado demais pra conseguir pensar numa resposta.

D Stoffel disse...

Entrei aqui só pra falar que li um absurdo hoje uma mulher falando que não queria que no mundo existisse mulheres, tentando bancar a garota legal que acha feminismo um saco.
E como se encaixa no post de hoje resolvi comentar.

Já pensou se um negro fala eu não queria que negros existissem, dá pra ver o quanto isso não é normal e a que ponto as mulheres chegaram por aprovação masculina ou só pra dizer que ah gosto de homem mesmo. Ela pode ter se achado porque tanto gente ali curtiu , a e obvio página era de direita mas naquele momento eu percebi o quão doentio chega a ser uma pessoa.

Elas falam das mulheres como se elas não fossem mulheres como se elas fossem seres superiores É se como se fosse , eu posso até ser mulher mas não sou igual a elas eu sou a mulher de verdade a que todos gostam as >>>>>>>>>>>>>>> outras são só as vadias e as feministas são as feminazes que odeiam homens. Triste eu só posso ter pena dela e das muitas que acham que ganham com isso.

Zero disse...

acredito que em mundo utópico "100% igualitário", todo "ismo" seria banido. porque "machismo = macho" é ruim (logo, macho é ruim), e feminismo não é sexismo?

creio que seria como chamar racismo de "branquismo" e tentar convencer que "não, não é nada contra os brancos, é igualdade". toda a forma de "proteção" a grupo visa a si próprio, isso é inegável.

mas o problema vai além, homem que é "contra" Lei Maria da Penha, alegando esta ser sexista, não o faz porque sonha com esse mundo utópico que mencionei, é porque ele não quer ser punido caso agrida uma mulher. isso é verdade, pois do contrario ele não ligaria pra essa lei, se ela não o "afetasse" de algum modo.

ser agredido não é dever nem direito, então provocar feministas dizendo que elas deveriam ser contra a lei pra serem "igualitárias" é desonestidade.

sei que "direitos iguais" e "pessoas iguais" são coisas totalmente diferentes.

outro ponto pífio é "porque feminista não luta por direito dos homens?" pra isso criaram o masculismo, mas conseguiram cagar tudo e fazer de uma ideia "exótica" uma baboseira sem fim.

todo "ismo" visa o seu lado. então "pedir" pro "ismo" alheio lutar por você é idiotice, procure o seu.

o sentido de igualdade é um cada um por si, na pratica.

Raven Deschain disse...

Anon, quando tu terminar tua bronha pensando em mim e na Rê, "explana" aí. Tou interessada.

Anônimo disse...

"Metade cúmplice, metade vitima. Como todos nós."

Frase do Sartre que a Simone colocou na introduçao do Segundo Sexo. So nao lembro se foi no volume I ou no II. Acho que resume bem essa historia toda.
Penso que o patriarcado não teria dominado o mundo se houvesse reaçao feminina desde o começo..

Barbara D.

Anônimo disse...

Daqui a pouco aparece a Death defendendo a Raven.... esperem e observem.

Donatien Alphonse François disse...

Jonas

Eu intendo que machismo é um comportamento, até que ponto é inato e/ou socialmente construído eu não sei dizer com precisão, mas acredito que são ambos e que mulheres, tanto quanto homens podem se comportar como tal. E veja bem, não estou falando de machismo apenas como sexismo e misoginia, que parece ser a unica maneira que as pessoas intendem o termo por aqui. Ao longo da História, esse termo esteve associado a atitudes positivas também, como coragem, bravura, honestidade, justiça, etc. Há evidencias de que mulheres vikings também foram desbravadoras e guerreiras, que lutaram ao lado dos homens na conquista de novos territórios, e igual para igual, o mesmo com homossexuais, que são vistos apenas como "afeminados" e por tanto fracos.

As responsabilidades que eu assumi na condição de homem foram ser honesto, trabalhar duro, desde criança, estudar; ao casar, ser um bom marido, bom pai, provedor, protetor da família, dando a minha vida se for preciso, para salvar os meus, por sorte encontrei uma mulher de personalidade forte, para compartilhar essa vida comigo, ela não é passiva e submissa, o que tornaria tudo muito mais difícil para mim, devo tudo a ela. Sempre digo que ela é minha Gorgo, minha rainha como diria Leônidas!

Anônimo disse...

Coragem bravura honestidade e justica sao qualidade so de homens entao na sua visao? sao qualidades masculinas que algumas mulheres podem ter mas se tiverem serao excessoes, pq tais qualidades nao as pertence naturalmente?

Anônimo disse...

Acho graça desses comentaristas que ficam choramingando "aiiiin, nem vou falar o que penso porque senão vão me dizer que não posso falar isso ou aquilo das pessoas". É uma diretíssima pra você, 19:42. Se questionam o que você fala é porque cabe o argumento, ó pastel. Preguiça dessa gente que xinga o Bolsonaro mas quando é com elas, reproduzem o mesmo discurso de "tão oprimindo minha liberdade de opressão".

Anônimo disse...

odeio ver mulher querendo ganhar biscoito de homem parece que só vive se tiver aprovação deles

Zero disse...

vi um comentário num post anterior que "hipergamia feminina de fato, existe".

bem, pus "hipergamia feminina" no Google, os resultados são de sites masculistas.

e também tem um vídeo de um cara com uma mascara de Homem-Aranha "esclarecendo" o assunto.

nesse caso fica difícil "analisar" qualquer coisa, sem associar a esses grupos patéticos...

e irônico, mulher é hipergâmica, mas eles morrem na punheta...

Anônimo disse...

20:28
eu não disse já começaram a advogar e nem falei nada kkk

Anônimo disse...


mas é assim mesmo pra homem as vadias são as outras menos as mulheres da família deles, pra mulher as vadias são as outras menos ela e as que ela considera não vadia.

machismo cega

Donatien Alphonse François disse...

Zero

"mas o problema vai além, homem que é "contra" Lei Maria da Penha, alegando esta ser sexista, não o faz porque sonha com esse mundo utópico que mencionei, é porque ele não quer ser punido caso agrida uma mulher. isso é verdade, pois do contrario ele não ligaria pra essa lei, se ela não o "afetasse" de algum modo."

_Discordo, essa lei é sexista sim, na medida em que enxerga a mulher tão somente como vitima, nunca como agressora e o homem apenas como agressor, se trocassem as palavras "mulher" e "homem" por agressor, independente de sexo/gênero, seria muito mais justo. Violência doméstica acontece dentro de casa, mesmo que homens sejam em números absolutos, a menor porcentagem das vitimas e que as mulheres, crianças e idosos sejam as maiores, o que deveria contar é o crime e o individuo que o pratica. Dizer que quem critica essa lei, tem medo de ser preso por agredir a esposa, não invalida o argumento, tão pouco presumir que seja apenas homem que o faça. O mesmo para o "feminicidio" que tornou o assassinato de mulheres mais grave que de homens, em que universo isso é equidade? Não é, pior é uma medida inócua, que não resolverá nada, é só para inglês ver. O enfrentamento desse problema passa pelo combate á impunidade e não pela criação de leis inúteis.

Donatien Alphonse François disse...

Anônimo 20:43

Leia novamente, não foi isso que eu disse, mas justamente o contrário, que tais qualidades independem de gênero, que em certos momentos Históricos isso era sinônimo de "machismo" por tanto, muitas mulheres machista fizeram a diferença em suas sociedades de forma positiva. Eu, na condição de homem, pois esse é o meu gênero e minha identidade de gênero, fui socializado dessa forma, que isso é um peso, mas que felizmente encontrei alguém com quem dividir. Li numa pesquisa recente, que 20 milhões de mulheres são mães solteiras, que sustentam a casa e os filhos sozinhas, no bom sentido que o termo machismo já teve, posso dizer que essas mulheres são "macho" pra caralho, mais do que muitos homens, principalmente os que as abandonaram. Fui claro dessa vez?

Jonas Klein disse...

Donatien

"Ao longo da História, esse termo esteve associado a atitudes positivas também, como coragem, bravura, honestidade, justiça, etc."

Isso ate tem um fundo de verdade, mas com que intensões, machismo foi associado a estas características positivas que você citou, será que foi só mera coincidência? ou foi já com objetivo de fazer o machismo parecer algo natural e ate saldável o que não é?

Levando-se o contesto histórico eu tenho certeza que não foi só uma coincidência não.


Quanto lei Maria da penha, o judiciário tem aplicado esta lei da mesma forma para todos, independente de quem seja a vitima, isso mostra que judiciário quando quer endireitar uma lei torna ele consegue.

Zero disse...

Donatien, o que quis dizer é que se essa lei "incomode" um homem, de alguma forma ele se vê prejudicado. no caso, ficar impune.

que é sexista é. o que quis dizer nesse texto é que é impossível cobrar "igualdade" de grupos individuais, num mundo onde a igualdade na pratica, é cada um por si, e todos querem seu "pedaço" sem se importar com o resto. nada contra, só critico a hipocrisia que todos sabem que é assim, mas fingem que não é.

PS: vão te chamar de misógino.

Anônimo disse...

Marcia Baratto disse...

Embora seja verdadeiro que uma minoria de mulheres sejam abusadora sexuais, vejo um grande número de mulheres cúmplices e coniventes com o abuso sexual.

São mulheres que sabem que seus filhxs, enteadxs etc estão sofrendo abuso sexual e fazem vista grossa, ou culpabiliza a vítima por "seduzir o agressor", e escolhem defender o abusador ao invés de proteger xs filhxs.

Marcia Baratto disse...

Anônimo, a sociedade toda é conivente com o abuso de crianças. É triste... Mas entendo o que você fala, como sexo é tabu, quem dirá o abuso, muitas famílias (inlcuindo aí os homens) preferem o silenciamento a denúncia. Já ouvi/soube que muitas mulheres de mentalidade conservadora acharam que abafar o caso e culpabilizar a vítima seria menos danoso para honra da família. Acredite, já tive que lidar com essa porcaria de discurso mais de uma vez. Mas, nesses casos, homens são igualmente coniventes e também se silenciam, quando não ameaçam fisicamente vítimas e familiares para que se calem. O círculo todo é abusivo e insano. Já viu preciosa? É um excelente filme para tratar desses assuntos.

Donatien Alphonse François disse...

Jonas

Eu não procuro intenções quando estudo História, somente os fatos, muitos povos enxergavam o machismo dessa forma, seja como atributo dos deuses e heróis, seja como algo natural e inerente a uns poucos eleitos, homens e mulheres, que por tanto inspiravam muitos outros a serem seres humanos melhores. Obvio que hoje não é mais assim e qualquer tentativa de mudar isso será infrutifero.

Zero

Eu entendi e discordei, podem me chamar do que quiser, a palavra cachorro não morde.

HATERS GONNA HATE

Anônimo disse...

Sim. Oq quero dizer é que parece estes termos foram dados aos homens para por contrapartida deixarem de pertencer as mulheres. Por exemplo: quando se fala que mulheres sao sensiveis e atenciosas dá a entender que homens sao insensiveis e desatenciosos, entendeu? Por isso ao meu ver esses paradigmas colocados em cima dos generos sao sempre com má intençao, eleva-se um para rebaixar o outro.

Anônimo disse...

Enquanto esses povos viam o machismo com essas caracteristicas para os homens, advinha as caracteristicas dadas as mulheres? Diziam que os deuses as criaram para serem servas/objetos/escravas sexuais.

Anônimo disse...

Alguem pode me explicar de onde veio essa falácia de homem provetor? Normalmente, depois de se acasalarem as fêmeas na natureza em geral cuidam dos filhotes e CAÇAM SOZINHAS, sem nenhum macho para ajudá-las. Até nas espécies em que os machos também cuidam dos filhotes, a fêmea sempre arruma SOZINHA a comida. O máximo que pode acontecer é a fêmea ser alimentada pelo macho enquanto gravida/chocando e isso só quando ele tem alguma participação na vida dos filhotes, ou seja, a excessão. Sinceramente, a regra geral da familia na natureza é a mãe solteira, principalmente em mamiferos, onde a amamentação é fundamental e não pode ser realizada por homens. E mais, se segundo o machismo a função do pai é "prover", com a emancipação feminina no mercado de trabalho, ele acabou se tornando obsoleto...

Camila D disse...

Pois é. Quantas relações entre deuses e humanas nas mitologias a gente conhece que são consensuais?
Maria, mãe de Jesus, não foi poupada nem pelo "Espírito Santo"...
O papel da mulher no patriarcado sempre foi bem claro. E ainda tem cara que diz que é graças ao patriarcado que as mulheres eram protegidas e cuidadas pelos homens, esses seres tão honrados e altruístas, rsrs.
Quanta ingratidão a nossa, né?! '-'

Anônimo disse...

Pra mim existe sim mulher machista e não costumo sentir pena delas, mas... quem disse que eu nunca fui também, ou ainda não sou? Como alguém disse aí, é difícil não ter respingos de sujeira em uma sociedade suja. Aí é que entra o limite. Quais são os limites do seu machismo? Vc se limita a chamar a amante do seu marido de vadia, ou chega a hostilizar uma mulher vítima de revenge porn? São questões muito relativas. O blog da Lola foi um marco pra minha vida. Por vezes senti ódio lendo as coisas aqui, pq meu machismo tinha sido atingido, se vc não joga água benta, o demônio não se manisfesta, e isso costuma doer. Hoje, não saio mais daqui.

Dan

Anônimo disse...

Mulher "macho"..kkkkkk
Q termo ridiculo pra elogiar uma mulher! Somos fêmeas meu caro! Trabalhar, estudar, menstruar, parir, cuidar de criança, ficar "bonita", transar mesmo nos dias que tiver sem vontade por obrigação conjugal, cuidar de macho inutil e ainda aturar desaforos vindos de homens e mulheres machistas. Vcs machinhos não aguentariam nem o primeiro puxão da cera depilatória, nem a primeira pontada de cólica! Kakakakakakakakaka
Desculpa..desabafei! :p

Camila D disse...

Cera depilatória até eu dispenso! prefiro meus pelos kkkk e se pudesse dispensava cólicas também.
Embora essa coisa de "mais macho que muito homem", pra mim, seja bobagem, não acho que uma vida onde eu só me ferro e aguento no peito seria motivo de orgulho. Não curto muito esse complexo de heroína que inventaram pra nós :p

Anônimo disse...

Acho que tirar todos os pré-conceitos de dentro de nós é realmente uma batalha diária. Se policiar mesmo até nas pequenas e ditas inofensivas ações. Antes de assumir o feminismo eu tbm era machista em muita coisa. Minhas amigas me influenciavam a ser mais ainda, falavam: essa sua roupa curta te deixa igual vagabunda, por isso vc não arruma homem que presta. E queriam me obrigar a odiar e arrumar briga com as meninas que os namorados delas davam em cima rsrs. Coisas desse tipo pra pior...
Mas ai sai fora dessa abrindo (arrombando) a mente e estudando muito pra redefinir valores, isso não foi fácil nem rápido. Mas as amigas não quiseram me acompanhar, ficaram imersas no machismo e competindo entre si pra agradar aos seus machos.
Hj exclui essas má influências da minha vida e tem dado certo. Elas ainda tão na mesma..eu só torço pra evolução das coitadas, mas de longe. Pq ajudar quem quer te dar pedradas não rola. Se a pessoa não tiver um mínimo de interesse e vontade de sair da lama não adianta nada querer puxar a força e a ignorância transforma tudo que a gente fala em grego antigo! Hahahaha
Cada um tem seu tempo pra resolver evoluir, igual acontece com os pokemons! Kkkkk
Uns infelizmente nem evoluem nesse mundo.

Anônimo disse...

Por isso falo q a gente n é macho mas sim fêmeas! rsrs
Mas esse lance de heroina é tosco mesmo mas é o padrão de mulher hj :(
Pq acumulamos mais deveres do q direitos e isso ta refletindo na atualidade. Agora é derrubar mais esse modelo. Mas q nenhum homem daria conta disso..ah...certeza! tststs

Anônimo disse...

Victor, homens com genital mutilado (circuncisão) são inclusive preferidos por mulheres nos países onde essa prática é o padrão e por alguma até no Brasil, onde não é tão comum assim.

Rê Bordosa disse...

Victor,

O machismo atinge/vitima a TODOS na nossa sociedade, em maior ou menor grau.
Analisando a história da civilização, não há como negar que a mulher é o alvo principal, que é atingida com mais violência. Homens TAMBÉM são atingidos, mas de maneiras diferentes.
Só que acho muito pouco produtivo fazer concurso de sofrência:
-Ah, como eu sofro, só eu sofro, minha dor é a mais dolorida.
-Sofre nada, eu que sofro.
-Mentirosa, misândrica!
-Mentiroso, misógino!
E nesse furdunço nada se resolve, mais animosidade é criada.
Funcionaria muito mais se cada um reconhecesse a dor do outro, as dificuldades do outro e se solidarizasse.
Uma dica: não é passando por cima da luta feminina, negando o inegável (a existência do machismo) e dizendo que homem sofre e mulher não, que você vai conseguir a solidariedade feminina. Que tal se vocês homens se organizarem para lutar, não contra as mulheres (não somos suas inimigas) e sim em prol das próprias causas, como questões saúde masculina, menor tempo de aposentadoria, etc? Tem um post recente aqui no blog falando sobre isso
http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2015/06/causa-sem-rebelde.html
Sério, vir aqui despejar raiva em cima das mulheres não vai resolver sua vida.
Se você chega aqui com treta, a galera vai te receber com treta, pq tb não são obrigadas a abaixar a cabeça e aí vira aquele furdunço.

Anônimo disse...

Rê Bordosa:

Parabéns pela paciência, viu. A choradeira do cara é típica de quem não sabe porra de nada do feminismo e vem vomitar asneira. Perguntar "o que mais as feministas querem" é muita cara de pau.

Dan

B. disse...

"Como feminista radical eu não acredito que exista mulher machista. O que existe é mulher que reproduz o machismo. "


zzzzzzzzzz RONC FIU

Mila disse...

Todos temos preconceito em maior ou menor grau. Afinal, somos seres humanos, costumamos estranhar aquilo que é diferente. O negócio é a pessoa reconhecer e sentir empatia pelo outro (por isso sou a favor de conviver com a diversidade). Outro é agir com crueldade com o outro, como se ele fosse digno de pena, motivo de chacota e não respeitar os direitos do outro.

Anônimo disse...

Tem mulher machista sim, só que muitas delas escolheram isso e é isso que muitas feministas não respeitam, falar que toda mulher machista é apenas uma "vítima reprodutora passiva do machismo" tbm é uma forma de desrespeitá-las, de ser machista com elas. ou de dizer que elas são machistas por causa da educação que receberam, outro mito. Muitas mulheres machistas conviveram e convivem com muitas idéias feministas e mesmo assim não se identificam com isso.

Outra coisa além de ser machista ou não são os casos mais graves envolvendo psicopatias e abusos sexuais praticados por mulheres. Até em casos de crimes graves como assassinatos (quando não tem nada a ver com legítima defesa), muitas feministas ainda assim classificam uma mulher psicopata/abusadora de "vítima reprodutora passiva do machismo". Tudo tem limite.

Jonas Klein disse...

Victor

Eu Acredito que você não esta usando de má fé, acho que você só tem falta de esclarecimento, e pra esclarecer que estamos aqui.


"mas o fato de que 92% das vítimas de homicídios são homens, não é motivo para considerar a sociedade misândrica. Por que isto?"

Acho que entendi a sua pergunta, quando um homem mata outro homem tem misandria por trás? acontece e que no mínimo 95% dos homens que são vitimas de assassinato são mortos por outros homens, e são mortos porque a esmagadora maioria por se envolverem em desavenças com outros criminosos, confrontos com a polícia, brigas em família, bares, transito(e quando um não quer dois não brigam), acertos de contas.

O que mais importa e circunstancia da morte, e não morte em si.


"E só quero saber o que mais que vocês querem?"

O que movimento feminista quer e que nenhuma mulher seja vitima de qualquer tipo de violência, preconceito, imposição ou discriminação que for, por ser mulher.


"Teve até um caso onde um casal trepou na praia e foi condenado por atentado ao pudor. o homem pegou quase 3 anos e a mulher pegou 3 meses."

Onde esta a prova de que isso e verdade, e mesmo que seja e preciso avaliar as circunstancias que envolveram a participação da mulher e a do homem, para depois afirmar se ouve ou não injustiça.

Anônimo disse...

Jonas, quando se aponta o racismo na alta taxa de homicídio de negros costuma-se desconsiderar que os assassinos nessas situações costumam também ser negros.

Anônimo disse...

Uma das únicas coisas que me faz questionar essa nomenclatura de "reprodutoras de machismo vs mulher machista" são os benefícios.
Nós mulheres recebemos alguma classificação de valor no sistema patriarcal. Partindo do ponto do valor "beleza", (inclui-se pele, forma e cor de cabelo, forma do corpo, características femininas etc) o patriarcado nos elenca como mais ou menos mulheres ou mais ou menos desejáveis. Também é desse sistema que sejamos competidoras entre nós. Ora, se a mulher bonita representa status e está em conformidade com o "bibelô" do mundo, as mulheres mais próximas do padrão de beleza não se beneficiam do machismo ao ter um lugar mais privilegiado que as outras (exemplo: profissões que levam em conta beleza são as poucas onde as mulheres recebem mais que os homens)? Uma mulher que usa o fato de estar próxima ao padrão de beleza não pode oprimir as demais mortais que estão fora dele? Ou aquela que julga a outra como "vadia" etc não está usando de sua posição dentro dos ideias do patriarcado para marcar sua superioridade À outra?

Thiago Borges disse...

O próprio termo machista não é bem definido, o que pode se constatar vendo os comentários aqui, cada um tem a sua definição do que é ser machista: Ser machista é se beneficiar do machismo, ser machista é quem pratica o machismo ou até mesmo como o Donatien disse, ser machista pode até ter seu lado positivo, ou seja, cada um tem sua definição e sua aplicação do termo “machista”.
Por isso concordo com o comentário da Samantha no post, não vale a pena perder tempo com nomenclatura, independente do rótulo, no final estão todos propagando o machismo e isso é que deve ser combatido.

Mila disse...

@Victor
Vc acredita que chegamos, enfim, a uma equidade de direitos entre homens e mulheres no Brasil (considere em sua análise outros determinantes: não-brancos, homossexuais, trans, religiosos e ateus; gordos e magros etc). Você acredita que chegamos a uma equidade no mundo?
É bem possível que boa parte de nós tenha uma posição privilegiada sobre as outras mulheres: acredito que a maioria das moças que comentam por aqui sejam brancas, classe média, não sofram com violência doméstica, boa escolaridade, empregos razoáveis. Mas isso não invalida que tenhamos empatia pelas outras que não possuem tanta sorte como nós.

Anon de 16h01, como já disseram o Thiago e a Samantha, acho que não faz diferença a nomenclatura. Com qualquer uma das duas haverá mulheres e homens propagando o machismo, alguns se beneficiando mais que os outros. Qnd vc diz em beleza como valor, a Naomi Wolf diz que essa imposição paranoica de não sermos bonitas e magras o suficiente é um backlash à autonomia feminina e à crescente chegada da mulher ao poder. Afinal, a busca pela beleza atinge a todas as mulheres, o que nos faz pensar em como este é um instrumento poderoso.

Thiago Borges disse...

Sobre a opinião do Donatien, ao dizer que a Lei Maria da Penha e sexista:

Eu discordo, dizer que uma lei é sexista implicaria dizer que uma norma privilegia um gênero ao rebaixar outro gênero. E eu não vejo como a Lei Maria da Penha pode rebaixar ou desproteger os homens.

A Lei Maria da Penha não foi criada com o objetivo único de coibir a violência no seu sentido amplo. Homicídio, lesão corporal, difamação, calúnia, injúria entre outras formas de violência já são condutas tipificadas como crime na nossa Legislação Penal, não teria razão criar outra lei nesse sentido.

Você esta analisando a Lei Maria da Penha apenas pelo seu caráter punitivo, entretanto a lei de modo geral tem outras naturezas, inclusive seu caráter educativo.

O texto da lei não classifica o homem como agressor, você não vai encontrar essa definição na lei. Quem classificou assim foi os fatos, o cotidiano. É como você mesmo disse, a maioria absoluta das vítimas de violência domésticas são as mulheres, crianças e idosos.

E essa lei não foi criada somente porque é nítida a diferença das vítimas da violência doméstica, mas também porque é alarmante essa situação, mulheres estão morrendo por causa do seu gênero. Ou seja, mesmo com a agressão e homicídio serem considerados crime, um número assustador de mulheres sofrem com a conduta específica da violência devido o seu gênero.

E veja que o objeto da lei não é qualquer violência contra a mulher, mas sim aquela baseada no gênero.

É aí que entra o caráter educativo da Lei Maria da Penha, a sua natureza não é apenas coibir os crimes de violência, mas também reeducar, transformar essa cultura que agride as mulheres por serem mulheres. Nesse mesmo sentido nós temos também O Estatuto da criança e do Adolescente e o Estatuto do Idoso.

Ora, se de fato não temos uma cultura de violência doméstica contra os homens, pra que criar uma lei para tal?

O seu pensamento até parte de um princípio correto, você diz que seria justo uma lei para todos, homens e mulheres.

Afinal é o que diz a Constituição Federal: “Todos somos iguais perante a Lei”, que no Direito é chamado de Princípio da Igualdade. A questão é que o Princípio da Igualdade não se esgota aí.

O tratamento igualitário previsto no artigo 5º da Constituição Federal pressupõe que não pode criar leis que privilegiam determinado grupo em detrimento de outro grupo (no caso de sexismo em se tratar de gênero ou orientação sexual), mas a lei pode e deve ser criada com a finalidade de atenuar as desigualdades existentes entre esses grupos.

“Dar tratamento isonômico às partes significa tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais, na exata medida de suas desigualdades”. (NERY JUNIOR, 1999, p. 42).

Ou seja, a Lei não está lá somente para dizer que somo todos iguais, mas também para garantir a igualdade. E acho que foi isso que o Zero explicou.

E como inclusive o Jonas explicou, a Lei não é única fonte de direito, nós temos a jurisprudência aí como exemplo. O judiciário está lá para suprir lacunas e também aplicar a analogia na lei. E é o que tem acontecido. Mesmo a lei prevendo o crime de violência doméstica contra a mulher é possível a aplicação da lei por analogia, no caso de algum homem sofrer violência doméstica devido o seu gênero.

Rê Bordosa disse...

Victor,

"O que mais você quer?"

Quero que homens e mulheres sejam tratados com igualdade e justiça, levando em conta o aquele conceito que o Thiago citou em seu comentário “dar tratamento isonômico às partes significa tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais, na exata medida de suas desigualdades”.

Exemplo: igualdade não é deixar de colocar rampa e outros tipos de equipamentos de acessibilidade para pessoas em cadeira de rodas dizendo "pessoas que podem caminhar não precisam de rampas, se vocês se consideram iguais, logo não precisam também". Igualdade é tratar as pessoas via de regra de maneira idêntica, mas fazendo exceções quando essas forem justas, humanitárias, levando em conta as particularidades e buscando o melhor cenário possível de qualidade de vida para todos.

O feminismo não busca aberrações jurídicas, onde um homem e uma mulher cometem exatamente o mesmo crime da mesma maneira, sem nenhum atenuante para algum deles e o sistema dê sentenças diferentes para cada um. O feminismo busca exatamente o oposto!
Se você luta por justiça, em seu mais profundo significado, o feminismo é pra você também.

Donatien Alphonse François disse...

Thiago Borges

Gostei da sua resposta, atacou meu argumento sem me atacar no processo, acho isso muito positivo, gostaria de ver mais discussões assim por aqui, da mesma forma que percebi que algumas pessoas não gostaram do que eu disse nos comentários anteriores, mas mantiveram a boa educação. Enfim, não estou totalmente convencido do seu argumento, mas vou ler o texto da lei e se for como disse, mudarei de opinião.

Um forte abraço!^_^

Anônimo disse...

Mas nesse sentido a Maria da Penha exclui e invisibiliza ainda mais os já estigmatizados homens vítimas de violência doméstica, considerando que a própria lei determina que eles não são vítimas desse tipo de crime esses homens ficam sem amparo social (é uma situação considerada vexatória) e institucional.

Thiago Borges disse...

É isso aí Donatien, o importante é cada um transmitir a sua opinião respeitando a opinião do outro, logo chegaremos em um consenso. Aquele abraço!

Rê Bordosa exemplificou com perfeição aquilo que rachei a cabeça para tentar explicar.

Anon 22:18 - A lei Maria da Penha não exclui os homens vítimas da violência doméstica, pelo contrário, o seu art. 44 dessa lei alterou o § 9º do art. 129 do Código Penal (Crime de Lesão Corporal), qual transcrevo abaixo:


Art. 129. Ofender a integridade corporal ou a saúde de outrem:

Pena - detenção, de três meses a um ano.

(...)

§ 9º Se a lesão for praticada contra ascendente, descendente, irmão, cônjuge ou companheiro, ou com quem conviva ou tenha convivido, ou, ainda, prevalecendo-se o agente das relações domésticas, de coabitação ou de hospitalidade: (Redação dada pela Lei nº 11.340, de 2006)

Pena - detenção, de 3 (três) meses a 3 (três) anos. (Redação dada pela Lei nº 11.340, de 2006)

Anônimo disse...

Aumentou a pena, só isso. Uma lei inteira com 40 artigos reforçando que a mulher é vitima de violência doméstica e você vem me dizer que a Maria da Penha "também" considera homens nessa situação porque altera a pena? E todos os outros dispositivos legais e de amparo destinados somente a mulher?
Piada ou cretinisse.

Anônimo disse...

Anônimo das 00:20, pq será que existem dispositivos legais somente para a mulher? Se existem, é pq há demandas, não?

Anônimo disse...

Mas por que uma demanda menor (não quantificável) quase sem ônus ao Estado deveria ser ignorada? Ditadura da maioria?

Anônimo disse...

Direitos para as mulheres não significa que vão tirar os seus direitos. Se é uma demanda menor, mas que incomoda, onde estão os incomodados que não bradam suas vozes?

Anônimo disse...

Envergonhados em casa por sofrer violência doméstica.

E a partir do momento que você cria um direito, como no cado da Maria da Penha, nenhum outro precisa ser tirado para que a situação de desigualdade jurídica se estabeleça.

Anônimo disse...

"Envergonhados em casa por sofrer violência doméstica"

Assim como as mulheres. Que tem outras para lutar por elas.
Situação que é causada por OUTROS homens. Os casos de subnotificação advém de uma cultura que é vergonhoso um homem apanhar de uma mulher. Cadê a empatia entre vocÊs? Nem todas as feministas sofrem com violência doméstica, mas lutam pelas que sofrem e não possuem voz para lutar.
Sobre desigualdade jurídica, a interpretação vem do que a Rê já falou: "dar tratamento isonômico às partes significa tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais, na exata medida de suas desigualdades”. Já há entendimento jurídico de aplicação da Lei ao homem tb.

Ana Carolina Serrao disse...

Maioria das minhas amizades é composta por mulheres e alguns homens gays. Me sinto muito bem acompanhada. As coisas simplesmente fluem.

Ana Carolina Serrao disse...

Convivo com isso diariamente. Pior que elas ficam estagnadas na vida. Ficam limitadas e muitas vezes sequer conseguem enxergar seu proprio potencial e progredir na vida.

Anônimo disse...

Falar dos caras cês falam, ajuda a "enorme" quantidade de homens sendo fisicamente abusados vocês não ajudam. Também querem que nós enviemos seus currículos e ajeitemos suas poltronas?

Vocês tem um comportamento doentio para com mulheres em situações de violência, vão arrumar a própria casa enquanto refletem sobre empatia, talvez aí a ficha caia.

Vicky