segunda-feira, 29 de junho de 2015

CAUSA SEM REBELDE

Gosto pacas do trabalho da jornalista americana Susan Faludi.
Backlash: O Contra-Ataque na Guerra Não Declarada contra as Mulheres (1991) é um clássico feminista que recomendo a todo mundo (e que pode ser lido inteirinho aqui, em português). Ela fala, de um jeito interessante e gostoso de ler, sobre a reação conservadora que os reaças lançaram no começo dos anos 1980 contra as feministas em particular e as mulheres em geral. Acho sua investigação muito importante para entender o que estamos vivendo hoje
Ainda não acabei de ler seu segundo livro, porque é longo (quase 700 páginas) e o tempo anda escasso. Chama-se Stiffed: The Betrayal of the American Man (Stiffed: A Traição do Homem Americano), foi publicado em 1999, e não foi (opa, foi sim!) traduzido pro português. Stiffed tem vários significados: roubado, traído, ignorado, esnobado, rejeitado, bêbado (sem falar que o adjetivo stiff quer dizer durão e rígido). Ou seja, um nome excelente.
Em seu livro de 2007,
Faludi trata de como o
11 de Setembro tentou
restaurar papéis de
gênero
Na sua longa reportagem, ela entrevista centenas de homens americanos em ambientes tradicionalmente masculinos -- na indústria naval, em torcidas organizadas de times de futebol americano, em algumas igrejas, no exército, em gangues de bairro -- e vê que eles estão desolados, perdidos. Com toda a prosperidade no império depois da Segunda Guerra, seus pais haviam lhe prometido um lugar especial no mundo. Um lugar de comando. Esses homens, que cresceram tendo certeza que mereciam alguma coisa que nunca foi entregue, sentem-se traídos. E, ao invés de culparem o sistema, culpam as mulheres e outros grupos historicamente oprimidos. 
Decidi traduzir um trecho de Stiffed. Peço que leiam sem a besteira de ficar ecoando "iuzomi" e "male tears", com a mesma cabeça aberta e cheia de empatia que Faludi demonstrou ao escrever seu livro:

Uma questão que tem perseguido feministas como eu é a natureza da resistência masculina à mudança feminina. Por que tantos homens ficam tão perturbados pela perspectiva da independência das mulheres? Por que tantos homens parecem recusá-la, ressenti-la, temê-la, lutar contra ela com uma paixão doentia? Essa questão lançou minha investigação. Mas, no final, para minha surpresa, não foi a questão que mais me motivou. Não é essa a questão que guia este livro. 
Porque quanto mais eu explorava o apuro dos homens pós-guerra, mais familiar me parecia. Quanto mais eu considero o que os homens perderam -– um papel útil na vida pública, uma forma de ganhar a vida decentemente, apreço no lar, tratamento respeitável pela cultura -– mais parece que homens do final do século vinte estão caindo num status estranhamente similar ao das mulheres na metade do século. 
A dona de casa dos anos 1950, despida de suas conexões com um mundo mais vasto e convidada a preencher o vazio com compras e a exposição ornamental da sua ultrafeminilidade, pode ser vista como tendo se transformado no homem dos anos 90, despido de suas conexões com o mundo mais vasto e convidado a preencher o vazio com consumo e uma exposição moldada em academias da sua ultramasculinidade. 
As compensações vazias de uma “mística feminina” estão virando compensações vazias de uma mística masculina, com o clube de charutos para cavalheiros não mais satisfatório que competições culinárias para damas, com o Nike Air Jordan não mais significativo que o Dior New Look.
Então minha pergunta mudou. Em vez de imaginar por que homens resistem a luta das mulheres por uma vida mais livre e saudável, comecei a pensar por que homens não se envolvem na sua própria luta. Por que, a despeito de crescentes birras aleatórias, eles não ofereceram uma resposta metódica e racional ao seu problema? Dada a natureza indefensável e ofensiva das exigências feitas aos homens para que eles se provem na nossa cultura, por que não se revoltam?
Como muitas mulheres, fui atraída ao feminismo pelo desejo de desafiar o silêncio do meu sexo. Mas tem me parecido que, por baixo de todas as bravatas de homens tentando abafar vozes femininas, o silêncio deles é tão retumbante quanto o nosso. Por que os homens não responderam à série de traições nas suas próprias vidas -– aos fracassos de seus pais em honrarem suas promessas -– com algo parecido a feminismo? 
Quando as fronteiras que seus pais lhes ofereceram provaram ser um deserto, […] quando as empresas que seus pais afirmaram que iriam sustentá-los os terceirizaram, quando as mulheres que seus pais disseram que precisavam ser sustentadas conseguiram seus próprios empregos, quando todo o acordo mostrou ser um embuste e ficou claro que eles foram totalmente enganados, por que os filhos não fizeram nada?
O colapso da mística feminina uma geração antes não foi apenas uma crise mas uma oportunidade histórica para mulheres. Mulheres responderam ao seu “problema sem nome” dando um nome e fundando um movimento político, iniciando um processo de se libertarem a si mesmas. Por que os homens não fizeram o mesmo? Esta parece ser para mim a verdadeira questão por baixo da “crise da masculinidade” que a sociedade americana enfrenta: não que os homens estejam lutando contra a liberação das mulheres, mas que eles se recusaram a se mobilizar para a sua própria liberação. (p. 40-1). 

Sou eu de volta. Faludi começa o trecho fazendo a mesma pergunta que a maioria das feministas da segunda onda se fazia: por que tantos homens rejeitam a igualdade das mulheres? A gente, ingênua que era, pensava que, passado o choque inicial, os homens nos dariam as mãos e viriam lutar junto com a gente por um mundo melhor, um mundo sem tantas cobranças, que também os beneficiaria. Mas não foi isso que aconteceu. Claro, alguns homens vieram. Mas muitos, ressentidos, ficaram furiosos. E, lógico, furiosos com os alvos errados.
Imagino que muita gente ao ler o trecho acima, em que Faludi se pergunta por que os homens não se rebelam e lançam o seu movimento político, pensam: ué, mas os homens lançaram seu movimento, o masculinismo. Faz-me rir. O masculinismo não é um movimento político, é só um fórum onde o choro é livre. Quando Faludi publicou Stiffed, o masculinismo já existia. Já era insignificante e ineficaz.
O masculinismo não luta por nada. Ou melhor, luta por perseguir feministas e por voltar a um tempo que não volta mais (os anos 50, ou a pré-história, dependendo da vertente). Mascus não merecem ser chamados de ativistas pelos direitos dos homens, porque eles não lutam por direitos. Lutam por uma defesa do machismo, isso sim. 
Mascus são homens de direita totalmente aliados ao capitalismo. Eles não criticam o capitalismo. Parece piada que mascus de todo o mundo tenham adotado Matrix como seu filme de cabeceira e se intitulem red pillers, tomadores da pílula vermelha, que os despertou para... para... para quê mesmo? Para odiar as mulheres, que eles já odiavam antes de serem masculinistas? 
Fantasia mascu: mulher puxa alavanca
Mascus odeiam trabalhar, sabem que são explorados, mas, em vez de combater o sistema, combatem pessoas (mulheres, negros, gays) que também são exploradas por ele. E culpam essas pessoas, e não o sistema que os explora, por sua eterna insatisfação. 
Sonham em galgar posições dentro desse sistema para que eles também possam explorar. Esta é a única saída que vislumbram: virar explorador. Não derrubar um sistema explorador e opressor que também os oprime. Evidente que, com essa mentalidade, estão fadados ao fracasso.

163 comentários:

Anônimo disse...

homens sempre querendo tomar nosso lugar. Agpra ainda tem essa campanha eles por elas. Um bando de omi fazendo omice..querem ditar até o nosso feminismo.
Li aqui uma coisa interessante sobre isso, diferente da maioria desses blogs que se dizem feministas que defendem essa palhaçada
http://naocurtiacheiofensivo.blogspot.com.br/2015/06/que-mane-elesporelas-precisamos-de.html

Jonas Klein disse...

Tirando a parte bem no final o resto do texto esta ótimo.

O fato que machistas fora de um ambiente machista, se sentem como peixes nadando nas areias do deserto, e por isso que eles fazem tanta gritaria, mas como eles querem viver como estivéssemos a 100 anos atrás hoje, se lascam mesmo.


Quanto parte que toca no capitalismo, e bom lembrar que este e apenas um sistema que visa o lucro financeiro, e todos(as) podem tirar proveito dele apenas isso. Culpar o capitalismo pela opressão ou qualquer trás coisa, e como culpar as montadoras de veículos pelos acidentes.

Atacar o capitalismo e fácil né? sim este nem como se defender a si mesmo.

D Stoffel disse...

Além deles serem criados pra odiar qualquer coisa que não seja eles,
Eles não vão lutar contra um sistema que os beneficia, olha os grandes empresários as pessoas mais ricas do mundo tudo é homem e branco. Eles sabem da capacidade que os outros tem é a mesma que a deles e que essas pessoas vão ganhar espaço quando dão a elas.

D Stoffel disse...

Outra coisa que as feministas vem comentando é do porque temos que dizer que o machismo também os afeta pra eles terem empatia por nós, será que o que acontece com nós não é o suficiente pra eles terem empatia.

Eles reclamam que não podem chorar, e o porque as mulheres podem, mas veja que chorar é visto como motivo de fraqueza e dizem que quem são fracos(histéricas,sentimentais...) somos nós.
Temos a nossa liberdade de expressar sentimentos mas pagamos um preço, nada que o machismo deu as mulheres é bom sempre tem um fundo de maldade.

Anônimo disse...

Homens= seres obsoletos, ou se humanizam ( coisa que nunca fizeram) ou serão excluidos pela seleção natural.

Anônimo disse...

"Homem Não Chora"
Sim, todo garoto já ouviu essa frase algum dia. Eu também.
E todo mundo já viu ou ouviu alguma crítica a ela.

Não é preciso ir muito longe, digite a frase no Google ou qualquer ferramenta de busca virtual famosa e o que não vai faltar serão resultados criticando a afirmação.

Chorar faz bem ao coração, a alma, a vida, a tudo, dizem eles.

Nesse sentido também cabe destacar a famosa canção do grande músico e compositor Frejat. Da qual, particularmente, gosto da seguinte passagem: “Lágrimas são água, caem do meu queixo e secam sem tocar o chão”.
Atualmente estou passando pela pior fase da minha vida. E ao escutar essa musica faço essa reflexão.
Homem chora?
Mulheres não possuem qualquer problema com isso. Choram o tempo todo por qualquer bobagem. Já nós, homens, damos valor ao choro, o que acaba por se tornar mais uma arma nas mãos delas para nos dobrar e, ironicamente, uma de nossas maiores fraquezas no campo emocional.
O choro do homem vem do fundo do coração.

Essa é a essência da frase. Não se trata apenas do ato de verter água dos olhos. Mas sim do significado que isso traz quando um homem o faz!

Homem ao chorar, não apenas derrama lagrima dos olhos, ele expõe seus mais íntimos sentimentos.
Poucos homens têm a capacidade de “fingir” o choro. Mulheres o fazem o tempo todo.
Pois bem, ocorre que nesse instante, ironicamente, depois de ouvir a citada canção de Frejat, cheguei a essa amarga conclusão:

Por mais absurda, intransigente, medieval ou machista que ela possa parecer, ela é verdadeira... Infelizmente, homem não chora, ele expõe sua alma, seu coração, seus mais íntimos medos e aflições.
Se nós, homens, chorássemos o tempo todo como fazem as mulheres, não haveria problema. Porém, por uma questão natural (fomos feitos para a caça e para a guerra), não somos assim.

E por não sermos assim, ao chorarmos, nós abaixamos nossa guarda emocional, expomos os maiores segredos da nossa alma, dizemos a amarga verdade indiretamente, mesmo sem querer. Quando a mulher vê o homem chorando, ela sabe que ele o ama e fará mundos e fundos por ela. E aí a coisa fica complicada.
Chore na frente do seu pior inimigo. Mas, JAMAIS chore na frente da sua mulher amada.

Por mais que elas neguem, mesmo inconscientemente, elas também sabem que homem não chora.
Agora vejo que meu pai, foi realmente um grande homem, pois mesmo com tão pouco tempo para me dar os conselhos certos que um pai deve dar ao seu filho, ele não se esqueceu de um dos mais importantes:
“Levanta daí! Enxuga essas lagrimas! HOMEM NÃO CHORA!”

Ao que vinha frequentemente acompanhado de: “Seja homem!”

E ao lembrar-me disto (e do fato de que nunca o vi chorando), das suas palavras, é inevitável não vir àquela sensação de olhos lacrimejantes e aperto na garganta. Mas agora eu sei pai, não irei mais chorar!

Anônimo disse...

Iozomi?
Feminismo e luta pelo emponderamento feminino, pela libertação da classe oprimida pelo patriarcado, não pelo mimimi de marmanjo.
Ter que aguentar "Iuzomismo" em espaço feminista e foda viu.
Ana Clara.

Jamile disse...

Homens reclamam tanto do machismo, mas não abrem mão de nenhum dos seus privilégios. Entranho, não?

Anônimo disse...

Por isso que frequento seu blog, LOla.
Não obstante os textos "diretamente políticos" fraquinhos, de vez em quanto tem artigos ótimos.
Esse é um exemplo. Isso sem falar na Raven...kkk
Metamorfose Ambulante

Anônimo disse...

De alguma forma essa crítica o sistem me lembrou o documentário Century of Self.
Super recomendo.

André disse...

Não achei que o texto é uzomismo, a autora apenas questiona o porquê do comportamento dos homens.

Anônimo disse...

Mas nao vão lutar contra um sistema que os beneficia mesmo, é melhor falar em ditadura feminazi gayzista que falar do patriarcado.

Anônimo disse...

Isso sem falar na Raven...kkk
a raven é engraçada? não vejo nada demais nela

Mila disse...

Também sempre me questionei sobre o pq dos homens, em vez de lutar pela própria libertação, lutam CONTRA a libertação feminina.
Pessoas, homens e mulheres, sofrem consequências do sexismo. A Naomi Wolf diz que se as mulheres tem a ditadura da beleza para oprimi-las, os homens acreditam que o status chega por meio do dinheiro (e por status leia-se mulheres, carros etc). No feminismo, questionamos se precisamos ser belas para sermos felizes. Se o masculinismo tivesse um viés revolucionário, eles questionariam o porquê de "precisar" ter dinheiro para conseguir mulheres e carros. Ou melhor, quem disse que status e dinheiro implica em felicidade? Pq colocam sempre a culpa nas mulheres e não nos homens que dizem o que eles tem que fazer? Pq não questionam isso?
Para nós seria muito melhor culparmos as nossas opressões em alguém. Culpar as meninas que correspondem ao padrão de beleza que são mais "desejáveis" que as reles mortais; culpar os homens. Mas isso não seria feminismo. Entendo que o feminismo empoderam e dão autonomia às mulheres e que elas possuem direitos e deveres também.
Já formulei muitas hipóteses a respeito dessa choração masculinista com mulheres. Seria imaturidade? Psicopatia? Medo de perder privilégios? Covardia para encarar suas próprias lutas?

Mila disse...

Ainda assim, creio que quem tem que observar os problemas é quem se sente oprimido. Não espero mais sororidade de outros movimentos. As mulheres têm que focar em suas próprias lutas.

Anônimo disse...

Seria imaturidade? Psicopatia? Medo de perder privilégios? Covardia para encarar suas próprias lutas?

Privilégios eles não perdem ninguém vai tirar o direito deles, mas será que eles tem medo da gente fazer com eles o que eles fazem com a gente?

Anônimo disse...

A lola falou em lutar contra capitalismo?
não é por aí não socialismo é bem pior

Raven Deschain disse...

Só li verdades.


Mas pera. Ali encima o cara falou que mulheres fingem o choro o tempo todo? O TEMPO TODO? Pohan. Vc precisa conhecer mais mulheres.

Anônimo disse...

a mulher quando chora não se expressa? a mulher chora o tempo todo? em que mundo você vive?
agora homem chora pouco porque quando o faz é verdadeiro? a mulher não então não temos motivos pra chorar
cala a boca vai

Anônimo disse...

12:44 Antes as mulheres choravam porque eram fracas agora é porque são dissimuladas não podemos chorar mais. que nojoooooooooo homens seres nojentossssssss

Anônimo disse...

Lola não é destruindo capitalismo que vamos acabar com machismo, olha a coreia do norte, cuba, venezuela. Pra mim esse regime comunista é horrível.

Raven Deschain disse...

Sou tão massa que nem os anônimos me esquecem.

Ághata disse...

Acho que entendo a pergunta da Faludi.

Para muitas de nós, é bastante óbvio porque homens são contrários a pauta feminista, uma vez que eles perdem privilégios a medida que ganhamos poder.

Pelo que entendi do seu post, Faludi inferiu que, após um tempo, os homens iam perceber que eles também tinham a ganhar com o fim dos papéis de gênero.
Mas não foi o que aconteceu.
Mesmo homens destituídos dos privilégios - ou que nunca teriam acesso aos privilégios - se ressentem com a conquista das mulheres.

Bom, acho que deveríamos primeiro pensar que não podemos supor que esses homens tenham os mesmos valores que nós, não é mesmo? Por mais que os homens tenham a ganhar com a liberdade feminina, eles não valorizam esses ganhos. O que eles valorizam se perde com essa liberdade.

Por exemplo...

Feministas exigem que os homens participem da criação dos filhos, dividindo direitos e deveres.
Claro que isso significa um ganho que é a paternidade, a possibilidade do homem descobrir o que isso de fato significa e ter um relacionamento sincero e verdadeiro com seus filhos.
Mas, veja bem, quem foi ensinado a valorizar isso foram as mulheres. Esses homens ressentidos tão pouco se lixando para esses relacionamentos que significam apenas mais deveres e mais uma ferida na masculinidade deles.

Feministas lutaram pelo direito ao divórcio.
Ora. Divórcio é um instrumento que pode ser utilizado para qualquer um dos sexos. Deveria ser um caso típico de ganha/ganha, certo?
Imagine só que coisa horrorosa ser obrigado a ter um casamento com alguém que se detesta.
Mas, novamente, esse é o ponto de vista feminino.
Um cara a moda antiga não vê o casamento da mesma forma que nós. O que significa para este cara o fato da esposa dele querer o divórcio, conseguir, sair de casa e se casar com outro...? Como ele concebe esta realidade sob a lente da masculinidade que lhe impuseram? Como ele encarava as mulheres antes da possibilidade delas se divorciarem e depois?

Olha, é muito fácil acreditar que a mulher é um ser dócil, submisso, naturalmente destinado a maternidade, movido por um amor desprovido de desejo carnal, com aspirações e ambições muito distintos dos homens quando há toda uma estrutura social que impede a mulher de escolher com quem e quando se casar, de se divorciar, de escolher se quer crianças e quantas serão, de estudar e de trabalhar.

Para esses homens, não é a ideia da mulher ideal que se desmorona, não. É apenas que uma ideologia, uma instituição social, uma 'modernidade' corrompe a mulher. E claro que daí tudo dá errado. Aquele capacho que é o pilar da família não está mais lá para cuidar de seu macho e de seus filhos. Ora, a respeitabilidade de um homem estava na honra de sua mulher... Se não há mulher decente o bastante para esse cara escolher, como ele fica...? Como crianças crescem direito sem uma boa mãe...?

Masculinidade é algo muito frágil - aposto que vocês já ouviram isso mil vezes - e assim já era na década de 50. Agora, imagine sustentar algo tão fraco e delicado em um mundo como hoje?
Lembrando que as expectativas sobre o que é um Homem Bem Sucedido aumentaram.
Não interessa a esses rapazes derrubar este mito. Interessa corresponder a ele e ter as recompensas prometidas.

Anônimo disse...

homem perder privilégio não
é a gente que vai ganhar mesmos direitos direitos não são privilégios aff

Carol F. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Complicado tentar entender se o machismo tambem afeta
eles nem querem saber de lutar contra isso... porque nunca lutaram contra alistamento porque não fazem nada porque querem que nos lutemos por eles.

Anônimo disse...

mas pra um homem é muito mais dificil deixar de ser machista que pra mulher.
por motivos óbvios

Anônimo disse...

Eu nem tenho muito o que acrescentar no texto da autora, basicamente tudo o que ela disse é verdade. Tô notando que tá crescendo o número de odiadoras de homens aqui ou é impressão minha? A ala do "homem nenhum presta" não era tão grande aqui há um tempo atrás... Como vocês já sabem eu me declaro abertamente machista e misógino porque infelizmente é isso que eu sou, é algo a ser combatido diariamente mas para resolver um problema primeiro deve-se reconhecê-lo, e eu digo que sinto mesmo falta de um movimento de voz para homens, de direitos dos homens (e não um movimento feito pra atacar o feminismo), pois é inegável que temos coisas a conquistar: Um tempo de aposentadoria menor, mais conscientização sobre exames importantes, fim da obrigatoriedade do alistamento e outras coisas... Só que eu noto que qualquer tentativa séria de criar um movimento desses é logo ridicularizado pelo feminismo, é como se só os problemas das mulheres importassem. Eu sou inconscientemente contra o avanço de vários direitos femininos, creio que isso vem do longo tempo que passei frequentando os sites do masculinismo que ataca o feminismo. O feminismo em si é um movimento até interessante o grande problema são as ativistas mais escrotas que pregam ódio aos homens mascarado de feminismo, que usam o nome do feminismo pra fazer a mesma coisa que os mais machistas e misóginos fazem e que são extremamente polarizadas e simplesmente bradam que homens não devem ter direito nenhum pois já tem muitos e que tudo deve ser das mulheres e pra mulheres, e que tudo é opressão de gênero, não conseguem enxergar outros fatores envolvidos em nada e criam a dicotomia homem opressor mulher oprimida pra todo e qualquer caso. Assim fica difícil pra caralho apoiar o movimento e queiram ou não vocês precisam de apoio de muitos homens pra avançar as questões do feminismo, não adianta fazer um clubinho da lulu e ter metade da sociedade sendo contra o movimento.

PS: O texto ficou prolixo, eu misturei umas 1239120309 ideias que ficaram até meio desconexas, mas acho que está legível e inteligível.

AnonLivroAberto

Anônimo disse...

Tô notando que tá crescendo o número de odiadoras de homens aqui ou é impressão minha

em seguida fala que é misógino risível.

qualquer tentativa séria de criar um movimento desses é logo ridicularizado pelo feminismo, é como se só os problemas das mulheres importassem.

tentativa de vocês quererem que nós lutemos por você que já tem espaço e voz suficiente e não fazem porra nenhuma.

usam o nome do feminismo pra fazer a mesma coisa que os mais machistas e misóginos fazem e que são extremamente polarizadas e simplesmente bradam que homens não devem ter direito nenhum pois já tem muitos

viu como é ruim querer oprimir os outros, pois é e essa nem é a nossa ideia.

Assim fica difícil pra caralho apoiar o movimento e queiram ou não vocês precisam de apoio de muitos homens pra avançar as questões do feminismo, não adianta fazer um clubinho da lulu e ter metade da sociedade sendo contra o movimento.

mas com vocês ou não vai continuar até porque vocês sempre quiseram nos embarreirar, não fazem nada de diferente

Anônimo disse...

ue pq apagaram meu comentário e não o do mascu?

lola aronovich disse...

Pessoa, eu nem sei qual o seu comentário e qual o do mascu, já que vcs são anônimos. Eu apaguei um outro anon porque repetia o que o AnonLivroAberto (que é mascu) havia falado.

Anônimo disse...

eu respondia os tópicos que ele falava

ele falou que nós aqui estamos odiando homens: mas se assume misógino

falou que toda tentativa deles lutarem pelos direitos deles as feministas ridicularizam: mas na verdade eles querem pautar o que podemos ter no feminismo ou não e ainda que lutemos por eles sendo que eles tem voz suficientes para lutar por eles mesmos.

que tem feministas que pregam ódio aos homens: agora eles sabem como é ruim ter um grupo pregando ódio, ainda que seja infimo e nao seja a maioria das feministas que fazem.

Por fim ele diz que temos que ter eles do nosso lado: mas nós vamos lutar com eles ou sem eles.

foi o que eu disse

Jonas Klein disse...

AnonLivroAberto

"Tô notando que tá crescendo o número de odiadoras de homens aqui ou é impressão minha?"

Aparentemente sim, e que as feministas de verdade como a Lola estão cansando de ler tanta merda por aqui, e batendo em retirada, tanto que numero de comentários tem diminuído, isso da para perceber fácil.


"Como vocês já sabem eu me declaro abertamente machista e misógino porque infelizmente é isso que eu sou, é algo a ser combatido diariamente mas para resolver um problema primeiro deve-se reconhecê-lo,"

Na boa cara, você esta precisando passar por um tratamento psicológico, e isso tem mais gente aqui que já viu, ate acho que sua recuperação ia ser rápida e plena pois você mesmo reconhece que tem problema.

"Assim fica difícil pra caralho apoiar o movimento e queiram ou não vocês precisam de apoio de muitos homens pra avançar as questões do feminismo,"

Pois é, a questão que não se pode misturar o feminismo com as feministas, a ala talibã e um câncer para o movimento, acho que jeito aprender conviver com as RADMASCUS apesar da dificuldade que e fazer isso.

Bizzys disse...

Podem me chamar de odiadora de homens, mas eu sinceramente dispenso esses "aliados" que:

1) Querem definir quem é feminista de verdade e quem não é
2) Querem que as mulheres lutem pelos diretos deles, senão são misândricas
3) Querem julgar mulheres (feministas ou não), mas não aceitam críticas.
4) Querem equiparar a opressão que os homens causam às mulheres a uma suposta "opressão" que as feministas causam aos homens.

Se for para o feminismo ficar desse jeito, prefiro o patriarcado.

Anônimo disse...

O ponto que mais ecoou na minha cabeça foi a dúvida a respeito de por que diabos os homens não correm atrás de seus direitos (de verdade)?

É tão mais fácil assim culpar a mulher por todos seus infortúnios do que se revoltar contra o ideal machista que os oprime? É tanto medo assim de perder a carteirinha de macho?

Anônimo disse...

Anon 16:00

Você basicamente usou um erro pra justificar outro erro, não é por eu ou qualquer outra pessoa ser misógina que isso automaticamente valida misandria, e eu me assumo misógino justamente para lidar melhor com isso e não como uma forma de orgulho ou algo positivo...

Quanto a dizer que homens querem pautar o feminismo isso não tem a mínima relação com a ridicularização das tentativas de montar um movimento sério pra homens, esse lance de ficar de vingancinha não leva ninguém pra lugar nenhum.

E sim, lutem com ou sem a gente, mas é um milhão de vezes melhor e mais fácil pra vocês terem os homens apoiando a causa do que sendo contra, quanto mais pessoas a favor das pautas feministas mais rápido elas se concretizam, quanto mais pessoas contra mais foda será a resistência às mudanças que vocês propõem, não é difícil entender isso.


Jonas

Não tenho muito a acrescentar ao que você disse, provavelmente eu precise de tratamento sim e rads eu meio que só ignoro é a melhor forma de lidar.


AnonLivroAberto

Anônimo disse...

não é por eu ou qualquer outra pessoa ser misógina que isso automaticamente valida misandria

quem disse que eu validei a misandria ela nem existe, e não me venha falar de que feministas fazem piadas porque isso não é opressão.

vingancinha? eu disse a verdade querem entrar no feminismo pra tirar o nosso foco que é a violência contra mulher.

já pensou se as feministas de antigamente ficassem esperando pelos os homens terem empatia.



Anônimo disse...

Por isso adoro os comentários aqui.

A seleção natural vai acabar com um gênero de uma espécie sexuada porque os indivíduos desse gênero são "escrotos".

Tá bão... Menas, vai.

Anônimo disse...

Esse jonas é um retardado mesmo o movimento diminui porque aqui tem misandricas?
o movimento diminui porque mulheres trabalham ,estudam tem vida diferente de misoginos que ficam num quarto falando mal de mulher o dia inteiro em blogs.

Anônimo disse...

Se as feministas não existissem os mascu não teriam nascido. As feministas debatem por igualdade e ordem das coisas, os machistas pela intolerância, possessão e obstinação. Quem defende a sobrevivência humana são as mulheres. Deus deu a força muscular aos homens mas a tolerância mental foi dada a mulher para manter o equilíbrio. O homem foi feito primeiro, mas a haste preliminar são as mulheres. Querendo ou não os masc dependem delas. O que eram os homens de um século atrás? Alguem que não cozinhava, não sabia se vestir, não lava nem o que vestia, não cuidava nem da sua própria casa, resolvia os problemas na base da agressividade tanto em casa quanto com os negócios. Por que não entra na cabeça dos masc que ser machista é ser desumano? É não reconhecer os limites. É pagar mico primeiro antes de refletir que as possibilidades unem e não separa. Aqui foi dito que as mulheres odeiam os machistas, mas na verdade as mulheres odeiam os atos geridos por eles. As mulheres amam os homens, mas odeia a ideia da falta de reflexão, a qual iriam gerar bons frutos para o bem de todos.

Anônimo disse...

16:24
Falou tudo eu só vejo homem reclamando dos comentários dizendo que odiamos eles, acho que isso tudo é vitimismo pra tentar tirar o foco. 99% dos homens que comentam aqui só comentam abobrinhas.

Anônimo disse...

Anon 16:16

Primeiro, dizer que misandria não existe só prova o que eu falei, que você acha que problemas de homens não são importantes e que só os das mulheres possuem algum valor, não estou dizendo que o feminismo devia lutar contra isso, mas sim que como você acabou de fazer é um lance que debocham. Um pequeno exemplo, pesquise no google: "radfem hub agent orange" é só um exemplo de vários que existem, mas acho que não vale a pena levar essa discussão pra frente.

AnonLivroAberto

Carol F. disse...

"E ao lembrar-me disto (e do fato de que nunca o vi chorando), das suas palavras, é inevitável não vir àquela sensação de olhos lacrimejantes e aperto na garganta. Mas agora eu sei pai, não irei mais chorar!"

Credo, que drama queen.

Anônimo disse...

16:24

Hum, sei não, acho que usar Deus como um argumento é um péssimo caminho a se tomar, quer um livro mais misândrico do que a bíblia? (Sem contar os outros trilhões de defeitos do tal livro)

Fabiano disse...

A questão é complexa. O mundo mudou muito desde o fim da 2a guerra. No passado, um curso superior era praticamente garantia de um bom emprego. Os papeis que cada indivíduo exercia na sociedade era bem mais claro (homens, mulheres, brancos, negros etc). E a imagem de homem bem sucedido era a de casado, com filhos, vivendo em sua casa própria com um bom emprego e que vai aos domingos à igreja. Mas hoje é tudo diferente. A mídia hoje vende uma imagem de sucesso bem mais exigente: tem que ter carrão, pegar várias mulheres tops, usar as marcas caras, ser hipersexualizado etc. Já não basta mais ter um casamento sólido e filhos.

Realmente, hoje parece ser bem mais difícil usar o rótulo do sucesso que no passado.

Em partes eu concordo com a Lola que a sociedade de consumo capitalista é a grande responsável por isso. Para vender carrão, tênis caro, óculos escuros de grife, relógio, smartphone etc, é preciso que as pessoas sofram lavagem cerebral e passem a acreditar que sem esses itens, são humanos de segunda categoria.

D Stoffel disse...

Um misógino preocupado com misandria, é pra rir ou pra chorar.
já que a temível misandria matou muito homem hoje e misoginia nunca matou ninguém.

Eles tem medo é que as mulheres façam com eles o que eles fazem conosco, vai ter que ter medo de racismo reverso e heterofobia.

E não aguentam 5 minutos de misândria, enquanto nós temos de aguentar misoginia há seculos, sexo frágil ¬¬



Anônimo disse...

FABIANO=

as mulheres também tem que ser bem sucedidas, não existe mais essa de esperar principe encantado, e tem que casar imagina a pressão de chegar aos 30 e não ter casado, pro homem é fácil sair por aí pegar mulher, e não venha dizer que não, O sexo é muito mais fácil que arrumar a casamento.

radscum disse...

"Homens que querem ajudar as mulheres em nossa luta por liberdade e justiça deviam compreender que não é extraordinariamente importante para nós que eles aprendam a chorar; é importante para nós que eles parem os crimes de violência contra nós." Andrea Dworkin

Anônimo disse...

radfem hub agent orange?

tah fala de um movimento que nem existe no Brasil, e quantas páginas misóginas como orgulho de ser hétero fazendo apologia a violência contra mulher explícita, e ainda continuar no ar depois de tantas denúncias.
você já viu alguma página no facebook fazer apologia a violência contra homens com várias curtidas? digo + um milhão.
não venha comparar a sua situação com a nossa, DÁ VONTADE DE TE CHAMAR DE BURRO DESCULPE MAS FALA SÉRIO!!!!!!!!!!!

radscum disse...

Faludi é da Segunda Onda, mas tem um approach meio liberal. Há livros sobre o Backlash que são melhores que esse aí. O da Marilyn French, por ex.

Anônimo disse...


Porra eu tbm fico pé da vida falar que o problema são as rads, as rads mataram homem hoje? É como se quisessem sujar o nosso movimento tem mulheres que odeiam homens tem sim, assim como tem homens que odeiam mulheres. porém há uma diferença enorme nesses ódios, não vou explicar qual já explicaram acima é uma p@#%¨& duma sacanagem querer compara-lás


miss_liz

Fabiano disse...

Anon 17:!!

Eu não estou negando que existam expectativas sociais em relação à mulher moderna ou que são menores que as dos homens.

Mas como a proposta do texto é analisar a questão dentro do contexto masculino, eu a segui.

Anônimo disse...

(...)por que os homens não se rebelam e lançam o seu movimento político(...)

A resposta é simples: Por que quem não consegue preparar seu próprio mingau e servir seu próprio todinho é incapaz de fazer qualquer tarefa que use mais de 1/3 de neurônio. Aí é bem mais fácil chorar as pitangas pras feministas e xinga-las de "feia, boba, peluda e mostrar a língua" do que tirar o rabo do lugar.

(...)Mascus odeiam trabalhar(...)
Por que né, só pra eles, os pobres coitados, que as contam não se pagam sozinhas e a comida não brota espontaneamente na geladeira. Para o resto de nós, a vida é uma eterna estadia numa praia do Caribe.


Jane Doe

Anônimo disse...

Apenas com o fim do sistema capitalista e com a construção da sociedade socialista é que será possível acabar com essa opressão. Isso porque a opressão da mulher não é algo apenas cultural, mas tem bases concretas, materiais, fundamentais ao capitalismo. Dessa maneira, apenas com a mudança dessas bases é que será possível também transformar a vida das mulheres trabalhadoras, dando condições de se tornarem livres, como classe trabalhadora e como mulheres.

Eu acho que foi isso que a lola quis dizer do capitalismo.

radscum disse...

hahahaha 17:31
Um semi mascu aí, um tal de Donatien já até falou que eu sou sexista sim e que odeio os homens e que a Lola prefere ele comentando no blog do que eu!
Como se eu precisasse mentir. Se eu odiasse os homens eu falava, ué. Tem muitas rads que dizem odiar, mas a maioria não odeia. Agora eu me pergunto, qual a diferença entre o que os reaças e os macus fazem com TODAS as feministas ao achar que todas são odiadoras de homens e o que feministas liberais fazem com radicais? ha ha Quer dizer, como um grupo inteiro, é direito das oprimidas odiarem um grupo inteiro de homens que as oprimem, mas individualmente é desnecessário dizer que NOT ALL MAN é um perigo em potencial. E o que me irrita é feministas liberais feito a Lola nos lembrando disso toda hora, como se fôssemos acéfalas e não soubéssemos ou como se isso fosse um crime, quando na verdade a maioria dos homens odeiam as mulheres. Mas homens podem tudo, né. Quando me perguntam se eu sou misândrica continuo respondendo que eu sou é misantrópica mesmo. hahahahaha

"As mulheres fazem muito pouca ideia de quanto os homens as odeiam." Germaine Greer, The Female Eunuch

Anônimo disse...

livro aberto aí é que você se engana, na islandia metade do parlamento é mulher e tem muitas feministas é um país igualitário, só precisou de mulheres no poder e mais feminismo. Não precisou de homens até porque somos maioria os homens tiveram que nos engolir.

D Stoffel disse...

Radscum eu concordo com você, há quanto tempo existe o femininismo e o feminismo radical, e até hoje não subiu o número de mortes envolvendo radfemns ou feministas contra homens,nem em países mais feministas como Suécia etc...
Tão querendo é inverter as coisas não vai funcionar mesmo.

Vivian S. disse...

Desculpe, Jonas, mas encarar o capitalismo como um mero sistema econômico-financeiro é de um reducionismo bárbaro, como se este não estivesse sustentando e tivesse sua existência histórica ancorada sobre o colonialismo que, mais uma vez, também não é só um sistema econômico, mas um sistema de produção de subjetividades na qual o homem branco é detentor das luzes e da razão e o restante da população (mulheres em geral e "índios", "negros",etc) apenas seres construídos enquanto inferiores com o objetivo de que seu papel social fosse delimitado por um mentalidade que tem como um dos seus objetivos a acumulação. Então, vai ter crítica ao capitalismo sim! E vai ter crítica ao capitalismo neo-liberal, que mascara essa realidade toda sob o manto das "oportunidades para todos" e esquece da construção histórica que promoveu ao longo de quatro séculos, como se isso fosse um mero porém. Alou queridinho.

Anônimo disse...

mas como homem foge da verdade
não levantam a bunda da cadeira pra lutar depois vem falar de nós

Anônimo disse...

Jonas Klein:

" e que as feministas de verdade como a Lola estão cansando de...", e quem é tu pra dizer que mulher é ou não é feminista? É tu que regula a carteirinha do clube? Não?!

"Pois é, a questão que não se pode misturar o feminismo com as feministas, a ala talibã e um câncer para o movimento, acho que jeito aprender conviver com as RADMASCUS apesar da dificuldade que e fazer isso." A desgraça do movimento é deixarem omi idiota fica piando dentro do feminismo, essa é que é a desgraça do movimento.

SAI DO LIXO JONAS!

Anônimo disse...

Acho que devemos agir, por em prática e fazer o diferente no dia a dia do que ficar discutindo se homem pode ou não participar, quem é que tá certa se são as libs, rads ou sei lá mais quem, se importar com homem otário que tenta dizer como devemos lutar e ignorar e fim. Sabe por quê?
Por que toda essa briga e discussão não leva nenhum lugar a lugar nenhum. Pois enquanto tamos gastando energia e tempo com esses canalhas e com mulher que usa o feminismo para seu próprio benefício em detrimento das demais, um monte de mulher tá lá fora morrendo, precisando de ajuda, apoio, orientação, alguém que as esclareça e que as ajude a enfrentar o machismo no cotidiano.

Anônimo disse...

cansada desta bosta de ter peninha dos homens....fico me perguntando se tem tanto homem assim que sentem essa empatia toda por nós...na hora de nos explorar,de nos calar,de nos violentar,os "coitadinhos" pensam na gente? porra,não está na hora de termos um feminismo focado nas mulheres e não em quem nos oprime?? o feminismo é o único movimento de minoria que se preocupa com o opressor,total niilismo.

Anônimo disse...

e continuem tacando pedra nas radicais....realmente vai ser esse feminismo prostituta,que nos quer mais vulgarizadas e sendo capacho de macho,é que vai combater toda essa opressão absurda histórica!vai ser esse feminismo prostituta,que coloca misógino no colo e dar de mamá,é que se importa com as mulheres!! continuem nessa! os homens adoram não é atoa!

Julia disse...

12:44, você copiou essa merda de qual fórum mascu?
"mulher chora por qualquer bobagem"
"mulher finge choro"

"O choro do homem vem do fundo do coração"

E quem disse que vocês tem coração?

haha chupa essa, trouxa.

Anônimo disse...

sai do lixo jonas
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Rê Bordosa disse...

O mundo está mudando, não no ritmo que gostaríamos mas está.
Estamos ficando mais feministas, menos homofóbicos, mais tolerantes... E o que a seleção natural faz com quem não se adapta? Extingue.
Muitos homens vem se adaptando, revendo alguns conceitos, abraçando novos papéis. Tenho amigos que são ótimos pais, do tipo que trocam fralda, lêem sobre psicologia infantil, levantam a noite quando os filhos choram e perceberam que esse "mundo novo" lhe tirou privilégios, mas trouxe algo de bom. Conheço homens que respeitam o movimento feminista, que acham justo que o mundo mude e não estão arrancando a cueca pela cabeça por perder uns privilégios.
E existem os mascus, os revoltadinhos, os mimizentos, que vivem infelizes pelos cantos, babando de ódio, não encontram paz no casamento, não sabem o que é ser pai em um sentido mais amplo, nunca tiveram a experiência de plenitude em um relacionamento, não amam e não permitem serem amados... Esses são tristes, mas Darwin irá varre-los da face da terra em breve, rsrsrs.

No futuro mascus serão peças de museu, assim como os racistas, os homofóbicos...

Jonas Klein disse...

Vivian S.

Talvez com você eu consiga dialogar aqui.

Antes de se julgar algo você precisa avaliar o objetivo central daquilo, o objetivo central do capitalismo e gerar lucro financeiro apenas isso, e claro que na busca do lucro podem haver alguns excessos e problemas e que devem ser corrigidos, no ambiente de trabalho ocorrem acidentes que podem levar trabalhadores ate morte, e dai você seria a favor da eliminação do trabalho por causas dos acidentes? com sexo e mesma coisa você seria a favor de acabar com sexo por causas das DSTs? não mais adequado as pessoa se cuidarem?


Anon 18:35

Você já disse quem sou eu, eu não preciso me identificar mais uma vez.

Eu estudei o feminismo, e por isso sei que o objetivo sobre o qual feminismo foi criado e buscar igualdade em termos homens e mulheres em termos de direitos, combater violência contra as mulheres e preconceitos e opressões que as mulheres sofrem sem revanchismos, e qualquer coisa que saia disso e procure um revanchismo não e feminismo, e o que vejo neste blog nos comentários e muito revanchismo, e quem faz isso foge da ideia original do feminismo, por isso eu não acho que são feministas de verdade.

Por fim eu estou conseguindo irritar as Rads aqui, o que indica que os meus comentários estão indo bem.

Anônimo disse...

"Quanto parte que toca no capitalismo, e bom lembrar que este e apenas um sistema que visa o lucro financeiro", pagar ao trabalhador menos do que a riqueza que ele gerou não é certo, e nem justo. É exploração.

" e todos(as) podem tirar proveito dele apenas isso". Não Jonas, todos nunca poderão tirar proveito dele, só uma minoria que tira e tirará proveito dele explorando a maioria das pessoas enquanto ele existir. Trabalhadores não precisam de patrões, trabalhadores podem se emancipar e produzir e prestar os seus próprios bens e serviços; sem essa lavagem cerebral que fazem nas massas, sem esse estímulo mental gigantesco ao consumismo que está destruindo o planeta.
E o feminismo interseccional deve também lutar contra a opressão à mulher trabalhadora, que se vê coagida pelo sistema à ter de aguentar um grau de exploração ainda maior que o restante dos trabalhadores. E mesmo que a exploração que se dá as mulheres no capitalismo fosse igual a opressão dos homens, ainda sim seria opressão e exploração. E toda opressão deve ser abolida!
Viva o feminismo anarquista!

Anônimo disse...

Por fim eu estou conseguindo irritar as Rads aqui, o que indica que os meus comentários estão indo bem.

mas você irrita qualquer um com sua ignorância jonas sabichão, comentários indo bem? você é quase está sempre nos piores comentários daqui. se acha hein

Ingrid Bezerra disse...

Ótimo texto. Não tenho nem o que dizer, só o que refletir, e lamentar né. Sinceramente, acho que o Feminismo vai ganhar na marra mesmo, mesmo com os esperneios dos homens contrários a causa, uma hora eles vão ceder, eu nem me preocupo tanto porque sou 100% otimista.

Um detalhezinho não tão importante mas que me deu vontade de mencionar assim mesmo: Aquela foto de um homem com as pernas para cima cruzadas... caraca, que imagem linda! Ai que pezinhos mais lindos <3 <3 <3, ai amei essa foto <3 <3 <3 babando aqui. :p

AnonLivroAberto,

Acho que ela quis dizer com "misandria não existe" exatamente porque a misandria não afeta a sociedade no mesmo nível que a misoginia. As causas da misoginia a gente vê todo dia as tristezas, e as da misandria? E também eu acho que a misandria ocorre porque os traumas que o machismo causam são extremamente pesados. Eu não teria coragem de criticar uma moça misandrica, que se tornou misandrica por tantos estupros, abusos, humilhações que sofreu. Por mais que os homens sofram com o machismo, criam raiva e traumas por causa de problemas com mulheres, creio que não seja tão traumático quanto o que nós mulheres sofremos. Só de imaginar que tem mulher que é estuprada pelo pai, irmão, primo, amigo, já fico imaginando que pode ser uma das causas da misandria. Fora o que a gente não passa, mas vemos as outras passando. Eu odeio guerras, me sobe uma revolta grande quando fico sabendo de estupros em massa que podem estar acontecendo agora em qualquer conflito pelo mundo. E mesmo assim, nunca vi misandrica agindo contra homens além de bradar na internet. Já os misóginos... O máximo que a misandrica faz no campo da vida real é evitar os homens.

As Radfems, tem muitas coisas que elas pregam que são contra a minha conduta. Eu sou hétero convicta (as vezes eu lamento por isso, mas fazer o quê, a gente não escolhe a sexualidade), já amei muitos homens e posso amar muitos outros (segundo algumas Rads, como pode amarmos os opressores!), pratico Sadomasô (já ouvi críticas sobre isso)... e elas nada podem fazer. Algumas coisa eu concordo com elas, outras never.

O cara lá de cima que diz que não chora parece uma caricatura de macho ultrapassado e infeliz. Desde quando homens foram feitos para a guerra,?! Em qual parte do nosso corpo está definido isso? Eu heim. Sentimentos são coisas maravilhosas, eu adoro tê-los, eu adoro vivê-los. Fracassados são os homens que são tão infantis que escondem seus sentimentos e não sabem lidar com eles.

Boa noite :* :* :*

Rê Bordosa disse...

E na boa, mulheres são obrigadas a lutar pelas causas que só afetam homens? Não. Ninguém é obrigado a lutar por nada, nem mesmo pelos próprios direitos... Tanto é que tem muitas mulheres por aí que se dizem "não feministas" e ninguém as está obrigando a lutar pela própria causa.
Portanto homem que aparece dizendo "vocês TEM QUE lutar por mimimimimimi" é folgado!
Mas acho que se esse mesmo sujeito resolver lutar para aposentar em menos tempo, por questões de saúde masculina (como câncer de próstata) e tudo mais que seja contra o patriarcado e a favor deles, não vejo porque uma mulher não POSSA apoiar ("pode" e "deve" são coisas bem diferentes). E não vejo porque o feminismo não possa dialogar com essas questões, já que há um inimigo em comum: o machismo.

Eu vestiria a camisa de uma campanha contra o câncer de próstata, da mesma maneira que já vi homem vestir camisa de campanha contra o câncer de mama.
Não é preciso ser negro para lutar contra racismo, não é preciso ser gay pra lutar contra homofobia, não é preciso ser mulher para lutar pelo fim do machismo e não é preciso ser homem pra lutar por causas que atinjam os homens.

Um grande problema na nossa sociedade é que a maioria das pessoas não defendem IDEAIS, defendem INTERESSES. Só entram nas causas que as beneficia diretamente.
Ex: já vi evangélico xingando muito no youtube quando tem um vídeo zoando o pastor, revoltados eles dizem "tem que respeitar a religião"... Mas quando é um vídeo zoando católico ou filho de santo eles caem na zoeira. O católico faz a mesma coisa, filho de santo também, judeu também... Não há um IDEAL que "a fé de todos seja respeitada", há um INTERESSE que "a minha fé seja respeitada... E que eu possa continuar zoando com a fé alheia".
Vemos isso nas demais ideologias.
No dia que aprendermos a respeitar e ter empatia pelo outro, no dia que deixarmos de combater ódio com mais ódio, o mundo muda pra melhor.

Fabiano disse...

Eu não sou tão otimista como a Re. Concordo que o mundo está mudando para melhor, mas não acredito que o machismo, homofobia, racismo, elitismo e tantos outros "ismos" estejam caminhando para a extinção. Nem mesmo acredito que um dia isso vai acontecer. A opressão também se adapta às mudanças da sociedade, e veste roupas adequadas aos novos tempos.


Ingrid Bezerra disse...

Detesto capitalismo porque ele gera hierarquias cruéis entre as pessoas e grupos. Não consigo conceber que uma Empregada Doméstica é menos do que uma pessoa de uma outra profissão. Porque simplesmente ainda por cima vejo o serviço Doméstico como um luxo. Sim, pra mim, quem quer alguém varrendo e limpando (algo que a própria pessoa pode fazer), está querendo solicitar um serviço de luxo. Então, de maneira alguma E. Domésticas deveriam ser tão mal pagas e tão vistas com inferioridade na sociedade.

Perto da minha casa está havendo uma pequena obra em uma casa. O Pedreiro quebrou e remontou um murinho lindinho e super bem feito e ficou lá exposto ao sol a tarde toda, aspirando pó e tudo mais. Não consigo ver o Pedreiro como alguém que deva ganhar menos que um cara que passa o dia com o cuzinho esquentando uma cadeira de frente para um computador. Fora que eu já vi gente descriminando Pedreiro, tratando mal (como no caso das Domésticas)

Ai, tem médico que diz: AIN! Eu estudei muito, muito! MUITO! por isso mereço ganhar mais quem muitos. Se todos ganhassem bem, bem mesmo (independente da profissão), não teríamos ricos, mas teríamos uma sociedade classe média talvez. E os médicos estudariam por amor, por querer curar de verdade e não apenas pela grana. Muita gente trabalha e estuda só pela grana, aí se torna um profissional de merda (conheço tantos...). Fora que esse negócio de que hierarqui iria acabar, porque todos os trabalhadores teriam a sua importância. Afinal todos são importantes mesmo.

Por isso gosto do Socialismo. Acho mais justo.

Anônimo disse...

É preciso começar a educar os meninos desde cedo a dividir responsabilidades sem distinção de gênero como as tarefas domésticas por exemplo, a ter mais liberdade de brincar com o que quiser, a não usar dinheiro ou bens materiais para querer "comprar" meninas, a não selecionar as meninas da escola apenas porque é a "patricinha loirinha peituda de cabelo liso e olhos claros", etc. Tudo isso ajuda bastante antes de entrar na adolescência e cair nas garras dos minimascus.

Anônimo disse...

No pós guerra muitos homens queriam viver o sonho dourado do "American way life", mas nesta mesma época já havia mudanças, mulheres querendo entrar na universidade por exemplo. Tanto que tem uma pag de mascu no facebook em que a foto de capa é uma mulher branca típica dos anos 50 com vestido rodado de bolinhas, colar e brinco de pérolas, cabelo cheio de laquê, batom vermelho, sapato scarpin alto. Em 1950 enquanto os homens iam trabalhar a "rainha do lar" de classe média ficava na cozinha usando as últimas maravilhas tecnológicas do pós-guerra e as mais ricas tinham a empregada negra ou latina para fazer o serviço doméstico mais pesado.
Isso parece mais uma casa de bonecas. Escondendo muitas vezes abusos psicológicos, violência física, casos extraconjugais dos maridos.
Então os mascus decidiram que isso era a vida perfeita que todas as mulheres deveriam ter e aceitar como única opção na vida delas.

Então vieram os anos 60 e os mascus entraram em desespero. Os "baby boomers" contrariados em dividir o mercado de trabalho com as mulheres.

Anônimo disse...

O socialismo é mais justo sim com certeza, mas que tipo de socialismo, o utópico que até agora ninguém conheceu ou o socialismo estilo China, Coreia do Norte?

Rê Bordosa disse...


Ingrid Bezerra,

As vezes duvido que toda feminista radical hoje tenha esse perfil de mulher estuprada, abusada... As vezes acho que a maioria se compõe de adolescentes que querem uma causa para lutar; ou talvez o mesmo perfil dos mascus: pessoas que precisam encontrar um culpado para os problemas que tem.
Movimentos de ódio e radicalismo tem essas características. Exemplo: quem é recrutado hoje pelo neonazismo? Pessoas que tem medo de negros/judeus/homossexuais porque tiveram uma experiência ruim com eles? Não. São a maioria jovens, sem rumo, sem uma bandeira para lutar, mal integrados no círculo social, que encontram um grupo carismático, que os acolhe, os trata como gente e diz "você é vítima. Tuuuuudo isso que ta errado na sua vida, é culpa dos negros/judeus/homossexuais. Você tem valor, você é especial, você é MELHOR que seus opressores".
Outro exemplo: quem é recrutado hoje pela direita radical militarista no Brasil? Jovens igualmente sem rumo, sem bandeira pra defender, sem um alvo pra mirar sua "revolta da juventude" ou homens de meia idade que não alcançaram sucesso e tem que colocar a culpa em alguém.

A base da misandria e do feminismo radical é essa. E por afinidade com o discurso anti-estupro, acabam atraindo algumas mulheres que foram de fato violentadas, as quais são usadas para "legitimar o movimento de ódio".
O movimento anti-estupro, por direitos iguais, contra a opressão é legítimo... O discurso de ódio não.
Por isso que quando aparecem "radicais" querendo cagar regra pra minha vida, dizendo que não posso gostar de BDSM, nem me depilar, nem me casar com homens, não sinto pena delas. Não vou deixar ninguém, homem ou mulher, usar fachada de coitadinhx quando por trás está o ímpeto de controle e opressão sobre mim.

Fábio disse...

"Devemos ter cuidado quando combatemos monstros, para não nos tornarmos um deles, pois quando olhamos muito tempo para o fundo do abismo, o abismo olha de volta para o fundo de nossas almas"
Frederich Nitizse

Anônimo disse...

Esses homenzinhos chorões querem se livrar dos ônus e problemas que o machismo trás pra vida deles, mas não querem perder os privilégios machistas. Parecem criacinhas.

ANon das 12:44 vá se lascar. Mimizento chorão.

Anônimo disse...

A maioria das radfems que eu conheci são de família de classe média-alta/alta,moradoras das maiores cidades do país e que viajam com frequência para o exterior, a maioria brancas e que sempre tiveram uma família bem liberal e nunca sofreram violência nem física/psicológica, estudaram nas escolas mais caras e nas faculdades mais famosas do país e até mesmo já estudaram no exterior.
Muitas delas se colocam na frente de todas as mulheres do mundo (inclusive de mulheres que vivem realidades que essas radfems desconhecem completamente) e tbm de grupos sociais que viveram coisas que elas nunca sonharam em viver nem em pesadelos, cagam regras, passam ter ódio de tudo que aparece pela frente e que não pertence a sua cartilha ideológica. Defendem mulheres psicopatas até mesmo aquelas que fizeram algum mal a outras mulheres chamando-as de "vítimas reprodutoras passivas do machismo", mas ao mesmo tempo atacam mulheres que nunca cometeram nenhum crime só porque fazem depilação (as mulheres depiladas são as "vilãs" da vez) entre outras que se atrevem a desobedecer a cartilha ideológica.
Muitas delas chamam todos os homens de mundo de estupradores, mas se o estuprador for menor de idade por exemplo elas reduzem a vítima de estupro ao segundo plano.
Muitas apesar de serem heteros parecem que forçam a barra para virarem lésbicas a qualquer custo, sendo que as mulheres realmente lésbicas não tem nada a ver com essa baixaria de sentir ódio de homens, sendo orientação sexual não tem nada a ver com sentir ódio por determinado sexo ou gênero.
Este blog é palco de toda essa baixaria. Elas competem com as mascus quem tem mais ódio e quem mais tem direito de se apropriar da vida de todas as mulheres do mundo.
Esses grupos cheios

André disse...

Jonas,

Eu não li o que você escreveu. Mas vejo que gerou alguma indignação. A Lola acha que você está bem intencionado. Por que você não experimenta ler mais e comentar menos?

Vivian S. disse...

Jonas, amigo, não é que "na busca do lucro podem haver alguns excessos", é que sem as hierarquias que foram construídas no processo histórico de conformação do capitalismo, não haveria possibilidade nem de acumulação nem de uma Europa como centro do sistema. Veja, o que estou dizendo é que o capitalismo histórico é também esse sistema hierárquico: de raça, de gênero, de sexualidade, de cosmologias, enfim, de formas de se estar no mundo. Se o argumento te interessa, procure algumas leituras de caras como Immanuel Wallerstein e Aníbal Quijano e de minas como Rita Segato e Maria Lugones. Sair da caixa é sempre bom. Abraço.

Rê Bordosa disse...

Anônimo 20:23,

Eu concordo em boa parte com o que vc falou.
Quanto ao conteúdo do blog, eu acho os textos ótimos. A Lola costuma ter uma visão bem bacana do feminismo...
O que não entendo é como a caixa de comentários do blog pode ser tão diferente dos textos. Como um discurso tão equilibrado atrai tanto comentário de ódio e radicalismo?
Tem mascu e rads que vem aqui direto xingar a Lola, a Raven e outras mulheres... Não gostam, mas não largam o osso.

Raven Deschain disse...

Pois eu me depilo, uso maquiagem e chupo pinto.

E não vai ter mascu ou rad que me tire isso. U.u

Donatien Alphonse François disse...

"Um semi mascu aí, um tal de Donatien já até falou que eu sou sexista sim e que odeio os homens e que a Lola prefere ele comentando no blog do que eu!"

Você pode provar que sou mascu? Sabe dizer se frequento paginas ou blogs masculinistas? Copie e cole aqui um comentário meu denegrindo o gênero feminino. Mais da metade das pessoas da minha família são mulheres, minha mãe, minhas irmãs, minhas sobrinhas, minhas primas, minhas tias, minha ex, minha atual esposa, minhas filhas e minha neta, pessoas por quem eu mataria ou morreria se fosse preciso, não sou um idiota que fica num quarto escuro, destilando ódio ao gênero que tanto amor me dá, cuja falta, retiraria da minha vida todo sentido, amo as mulheres no geral e em particular as que mencionei. Estou vendo com certa satisfação o crescimento das mulheres na vida e na ficção, adorei a Imperatriz furiosa, a nova Sara Connor que também é a Mãe dos Dragões, Thor a deusa do trovão, a Robin, a Arlequina, a Mulher Hulk, a Gamora e mais importante heroína de todos os tempos, a Deusa da Guerra, Rainha das amazonas a MULHER MARAVILHA que eu espero sinceramente que tenha uma estréia espetacular no cinema, que cale a boca de todo mundo que duvidou da Gal Gado. Amo a voz da Montserrat Caballé, da Floor Jansen e da Angela Gossow, da Cindy Lauper, da Madona, da Lady Gaga(e muitas outras) por mais contraditório que possa parecer. Admiro a Chimamanda Ngozi Adichie, que ao contrário de você não precisa chamar ninguém de mascu, para validar seu discurso, aceitaria a liderança dela de olhos fachados, porque não tenho medo de mulher, casei com uma bem forte, literalmente.
Nunca desrespeitei a Lola ou qualquer pessoa aqui, ao contrário de você com seu discurso de ódio, o que ela prefere ou deixa de preferir, só diz respeito a ela mesma, mas é sabido de todos e todas aqui, que ela não odeia os homens e tem pouca tolerância com pessoas como você RADTROL. De agora em diante vou ignorar seus comentários, faço questão de esquecer que pessoas como você existem, a vida é muito curta para perder tempo dando atenção á alguém da sua índole. Passe bem!

Rê Bordosa disse...

Raven e Donatien, sintam-se aplaudidos!
Comentários mara!

Anônimo disse...

O backlash, além da questão da perda dos privilégios e do controle masculino, tem a ver com a não-identificação dos homens com a posição que o feminismo os coloca. Um cara deprimido, se sentindo um fracasso, sem poder ou controle sobre nada vai apoiar um discurso que diz que na verdade ele é cheio de privilégios e manda no mundo por quê? A imagem masculina dentro do feminismo não representa ele. Todos querem ser vítimas e espiar seus problemas em algum culpado.
E sempre que surge alguma tentativa de olhar para os homens dentro de um viés feminista existe o backlash interno. Essa caixa de comentários é uma grande prova disso, assim como próprio masculinismo, que começou bem intencionado com o Warren Farrel feminista, mas o revolta feminista com a "desconstrução do poder masculino" jogou um contra o outro.

Donatien Alphonse François disse...

Rê Bordosa"

No dia que aprendermos a respeitar e ter empatia pelo outro, no dia que deixarmos de combater ódio com mais ódio, o mundo muda pra melhor."

_O mesmo para você, seus comentários fazem a leitura por aqui valer a pena! ^_^


Ingrid Bezerra

Eu aprecio a sua inocência, de verdade, (não é ironia) isso mostra que você é uma boa pessoa, que se importa com os outros, mas discordo do conteúdo de suas ideias, não em essência obviamente, mas da falta de realismo delas. Espero que não se ofenda, não é essa minha intenção!

Jonas Klein disse...

Vivian S

"Se o argumento te interessa" não, não me interessa nem um pouquinho.

As suas afirmações são falsas, nada sai tanto assim daquilo que e a sua natureza.


O capitalismo e fundamental para que posamos viver em uma sociedade moderna e organizada, por sinal capitalismo e muito justo socialmente, basta para isso haver boas oportunidades pata todos, e um bom ambiente para negócios, o que lamentavelmente existe na esmagadora maioria dos países.

Donatien Alphonse François disse...

As vezes duvido que toda feminista radical hoje tenha esse perfil de mulher estuprada, abusada... As vezes acho que a maioria se compõe de adolescentes que querem uma causa para lutar; ou talvez o mesmo perfil dos mascus: pessoas que precisam encontrar um culpado para os problemas que tem.
"Movimentos de ódio e radicalismo tem essas características. Exemplo: quem é recrutado hoje pelo neonazismo? Pessoas que tem medo de negros/judeus/homossexuais porque tiveram uma experiência ruim com eles? Não. São a maioria jovens, sem rumo, sem uma bandeira para lutar, mal integrados no círculo social, que encontram um grupo carismático, que os acolhe, os trata como gente e diz "você é vítima. Tuuuuudo isso que ta errado na sua vida, é culpa dos negros/judeus/homossexuais. Você tem valor, você é especial, você é MELHOR que seus opressores".
Outro exemplo: quem é recrutado hoje pela direita radical militarista no Brasil? Jovens igualmente sem rumo, sem bandeira pra defender, sem um alvo pra mirar sua "revolta da juventude" ou homens de meia idade que não alcançaram sucesso e tem que colocar a culpa em alguém."

Rê Bordosa

Perfeito! As vezes eu não comento porque você já diz tudo que eu penso em dizer, me sinto muito representado pelos seus comentários, ao menos a maioria deles. E isso porque dizem que sou mascu... KKKKKKK

Anônimo disse...

A partir das 20:00 só os chatos comentando zzzz

Anônimo disse...

essa tal de Raven, jonas , donatien e essa tal de rê são tão zzzs

Ana Carolina Serrao disse...

Nietzsche.

Rê Bordosa disse...

Valeu, Donatien! Também gosto muito dos seus comentários. As vezes discordamos em alguns pontos (como no ensino em casa), mas ainda assim respeito seu ponto de vista, pois vc o embasa com argumentos, ao invés de dizer "feia, chata! Não concorda comiho porque é uma cara de mamão" como fazem algumas rads e mascus aqui.
Seus argumentos, mesmo quando discordantes dos meus, me trazem reflexão, é um debate pra somar. Bjus!

Donatien Alphonse François disse...


Anônimo 22:28/22:23

Lendo seu comentário e fazendo a dancinha do Foda-se. kkkkkkkkkkkkkkkkkk


Anônimo 22:25

Não gostar da Raven é um direito que te assiste, apenas não envolva o filho dela, ele não tem nada a ver com isso, guarde a sua idiotice para você mesmo.

Donatien Alphonse François disse...

Rê Bordosa

No campo das ideias toda discordância é válida, desde que apresentada com elegância e argumentos válidos, no mais... Valeu! Um beijo no seu coração! :D

Julia disse...

Legal que se o Donatien e a Re Bordosa concordam tanto nas baboseiras que um e outro falam podiam só conversar entre si, né? Aí não precisariam poluir a caixa de comentários. Mulher que dá palco pra machista: não precisamos aqui.

Aliás, Donatien, o que você está fazendo aqui, querido? Você não era nem para estar aqui. Pelo menos serviu para eu dar algumas risadas dizendo que não é mascu porque tem mãe e filhas. Achei gracinha a SUA inocência. Que tipo de feminista você acha que cai nessa? Não nos subestime. Faça um esforço para não fazer isso pelo menos aqui no nosso espaço, ok? OK.

Ou então siga o conselho que o André deu ao Jonas mas eu vou ser mais radical feminazi misândrica e ir além. Não comentem. Tipo, nunca.

Anônimo disse...

Acho que Julia se identificou com o esteriótipo da militante rad da Rê... hihihi

Anônimo disse...

A Júlia é o típico pombo enxadrista: vem aqui, vomita umas ofensas e vai embora achando que contribuiu com alguma coisa...

Anônimo disse...

Eu vejo muita sensatez na Júlia; é agressiva, mas é sensata.
Adoro sz!

Rê Bordosa disse...

Júlia, nem citei o seu nome, mas se o chapéu lhe serviu, que pena...
Huahuahua.

Anônimo disse...

Acho bem grosseiro vir na caixa de comentário de outrem dizer quem pode e quem não pode comentar. Ou achar que uma caixa de comentários com objetivo de ser pública e democrática (de acordo com o desejo da dona dela) deva somente fazer cócegas no seu ouvidinho com opiniões que te agradam.
Tá na hora de crescer né, Julia?

Julia disse...

Que chapéu, querida? Apenas achei que alguém que não fosse anônimo precisava dizer isso pra você.
O que me irritou nem foi comparar feminista com neonazista mas essa puxação de saco entre você o machistinha. Tenho prioridades estranhas e não perco a oportunidade em dar um xingo em que merece. Algumas pessoas que se acham espertas até já notaram isso.

Alguém tem que ficar com a parte divertida, né?

Anônimo disse...

Impossível alguém ser sensata e agressiva ao mesmo tempo.

Anônimo disse...

PARA TUDO QUE JÚLIA NÃO SUPORTA VER GENTE QUE ELA NÃO GOSTA SE ELOGIANDO NA INTERNET!

Anônimo disse...

A Júlia está certa! Essa rasgação de seda entre "feminista" e machista... nada a ver. Gosto das opiniões da Julia.

Anônimo disse...

"Tenho prioridades estranhas e não perco a oportunidade em dar um xingo em que merece."

Quem merece = quem ela acha que merece, porque afinal de contas ela é a medida de todas as coisas.

Julia disse...

Gente, o que isso virou?
Parem de falar de mim. Sou tímida.

Anônimo disse...

“A luta da mulher proletária por libertação não pode ser similar à luta que as mulheres burguesas travam contra os homens de sua classe. Pelo contrário, deve ser uma luta conjunta com os homens de sua classe contra toda a classe dos capitalistas. Ela não precisa lutar contra os homens de sua classe para romper as barreiras que foram levantadas contra sua participação na livre competição do mercado de trabalho… Seu objetivo final não é a livre competição com o homem, mas a conquista do rumo político do proletariado. A mulher proletária luta punho a punho com o homem de sua classe contra a sociedade capitalista.” Clara Zetkin

Anônimo disse...

Anon 00:58

Não, não é impossível ser sensata e agressiva ao mesmo tempo. Suponho que você disse isso, pois acha que era para a sensatez domar a agressividade, o que até faz sentido, mas não é verdade. A agressividade ao falar, ou melhor, ao escrever, nesse caso, pode ser vista como um recurso que busca mostrar contudência, o que não significa que, necessariamente, a Júlia esteja bufando de raiva enquanto digita.

Rê Bordosa disse...

"O que me irritou nem foi comparar feminista com neonazista mas essa puxação de saco entre você o machistinha"

E desde quando minha interação com o Donatien te interessa? Desde quando é da sua conta com quem eu converso ou deixo de conversar?
Começou o patrulhamento pseudofeminista da vida das outras.

Rê Bordosa disse...

Donatien, não satisfeitas em caçar minha carteirinha de feminista, tão querendo te inscrever compulsoriamente na confraria dos machistas...
Já até criaram uma nova regra na cartilha feminista "proibido conversar com o Donatien".

E a dancinha do foda-se continua, kkkkkkkkkkkkkkkk

Ingrid Bezerra disse...

Rê Bordosa, a única feminista radical que eu acompanhei foi a Fabiane Lima que escrevia no finado Tumblr "Misoginia Pura", ela começou Lib e foi ficando radical com o tempo. Eu gostava muito do jeito dela desde o início, a princípio muito paciente até com os machistas que apareciam por lá. Depois ela foi caminhando mais para o meio mais Rad e a paciência foi reduzindo gradativamente. Já vi muito homem ser escurraçado de lá pelas feministas que comentavam lá e tudo. Apesar disso, eu gostei ainda mais dela porque me trouxe reflexões muito interessantes e me fez ver como a gente sem querer acaba sempre preocupada se está agradando os homens ou não em muitas coisas.

Lá também eu vi uma se declarar misândrica. Ela era uma assistente social se não me engano e disse que de tanto ver coisas horríveis que os homens faziam com as mulheres (e crianças) em seu trabalho, ficou com ódio mesmo e empatia zero com homens... Sabe qual é, eu compreendo isso. Acho que é bem difícil ser perfeito, e nós temos sentimentos. Daí por isso é que eu disse aquilo lá em cima. Dei minha opinião baseado apenas nesse tipo de experiência.

Eu não visito muitos Blogs feministas, atualmente eu só leio a Lola, os outros que eu lia já não existem mais e eu não tenho tanto gosto por internet em geral.

Eu uma vez fiz um curso em um lugar em que os donos e mentores do curso eram da militância negra (lá eu pude conhecer muito sobre a África, maravilhoso). E o líder se declarava racista, eu mesma perguntei a ele, e ele afirmou que era racista e que não gostava de brancos e ponto. Mas haviam muitos alunos brancos (eram inclusive a maioria!) e eu nunca vi ele destratando qualquer aluno que seja. Mas ele falava sim, em bom e alto som, que não gostava de brancos, que não se envolvia amorosamente com mulheres brancas, etc. Quando eu perguntei a razão, ele contou as experiências de racismo dele (muito tenebrosas) e disse que não sentia vontade de gostar de brancos e ponto. Eu achei que ele desenvolveu algum tipo de trauma, mas se ele não ficasse falando isso, ninguém, ninguém mesmo imaginaria que ele era racista, porque realmente ele tratava todos lá no curso com extrema igualdade. É isso que eu acho que as Rads fazem em sua maioria (na vida real), por isso que eu cago e ando.

Na verdade eu só vi com meus próprios olhos Rads fazendo "monstruosidades" aqui neste blog. A primeira vez eu nem acreditei, foi lá numa postagem que eu acho que se chama "Pelo meu direito de ser frívola", acho que é isso. Em que uma garota relatava sua experiência sendo uma Lolita e por isso era criticada por feministas. Daí na caixa de comentários a bizarrice rolou solta. Uma lá ficava dizendo que se vestir com lacinhos, coroa, etc estava apoiando o patriarcado... blá blá blá. Um show de insanidade.

Depois eu vi nestes posts recentes a loucura reinando com uma aí questionando a heterossexualidade feminina... affffffff.

(continua...)

Ingrid Bezerra disse...

Em uma outra postagem aqui da Lola, uma postagem que tinha uma crítica a respeito da depilação (inclusive, um dos textos mais importantes que eu li na vida, já que sou uma mulher felpuda) surgiram muitas feministas defendendo a depilação, por mim, cada um faz o que quer com o seu próprio corpo, eu não sou fiscal de nada, masssss, a maneira como elas falavam parecia até que todas que defendiam a não depilação estavam vetando o direito delas de se depilarem. Eu não vi isso naquele texto, sério. Não vi nenhuma mulher dizendo que todas deveriam parar de se raspar. Aquele texto era apenas uma reflexão do porquê da depilação ser tão requisitada na sociedade. Mas muita gente se doeu. Fiquei impressionada. Foi igualzinho uma texto recente que teve aqui sobre maternidade (se eu me lembro bem, foi uma mulher que escreveu para a Lola sobre o quanto é importante ser mãe e tal e a Lola respondeu o Guest Post e tudo... não lembro o nome do post), aí surgiu uma porção de mulher irada dizendo que o feminismo precisa discutir maternidade, etc (acho que o feminismo já faz isso, mas se for o caso de ampliar, eu super apoiaria, porque não?!), mas deu a entender que o feminismo produzir um lugar amplo no movimento para receber e ouvir mulheres que desejam jamais ter filhos, para essas feministas mães soa como uma repulsa a elas que decidiram ter filhos. Achei bizarro.

Sei lá. Acho que há excessos de todas as partes por aqui as vezes.

Eu já ouvi dizer que Radfems atacam de verdade mesmo no Facebook. Atacam mulheres, meninas, por qualquer coisa que elas decidam que está indo contra a causa. Eu nunca vi isso porque não tenho estômago para facebook, mas acredito no que ouço.

Por outro lado, a Fabiane Lima (uma feminista radical, como eu escrevi lá em cima) foi atacada na rua (saiu até em site de notícias) e teve seus dados pessoais (telefone, CPF, ID, endereço) divulgados por mascus na internet. A Lola que não é Rad sofre ameaças horríveis quase que diariamente, inclusive de morte. Sujeitos detestáveis tem a pachorra de criar páginas que incitam violência, inclusive aquela daqueles caras que foram presos, que tinha até estupro de animais e pedofilia, e muitos muitos outros casos. É por isso que não dou a mínima pro tal "ódio" das Rads, o que é o "ódio" delas perto de tudo que a gente vê muitos homens fazendo?!

Talvez eu pense assim porque eu não vivo atualmente totalmente cercada de caras legais, desejando igualdade e coisa e tal. Todos os dias eu vivo em meio a MUITAS mulheres machistas que me enxergam como rival o tempo todo e me prejudicam muito com isso, e homens igualmente machistas. As visões dependem muitos das nossas vivências também.

E as Rads podem me atacar quando chega o momento que eu retiro os meus pelos (que é raro mas acontece), ou quando eu dou o cu, ou quando eu estou toda de cor de rosa (isso é todo dia, amo Pink and Black), quando eu sou Sub na cama... em fim, nada do que elas façam pode ser pior do que o que os homens já me fizeram.

Só acho que não deveria ser tão necessário focar tanto nas Rads. Sei que o ideal seria ninguém ter ódio de homem nem nada, mas infelizmente muitas coisas que eles fazem reduzem sim a vontade de ser tão didática e amorosa com eles. Só amo os bons, os maus eu quero mais é que se fodam bem longe de mim ou qualquer pessoa de bem.

Nunca vou me esquecer do dia em que saiu na capa do Jornal "O Povo" uma mulher com um cabo de vassoura atravessado da vagina até a boca. Quando eu vi isso eu fiquei naquele momento com sentimentos misândricos sim. Eu era criança e nem conhecia feminismo, mas subiu aquele ódio...

Gente, eu tô deixando a minha opinião que é também um desabafo. E acima de tudo apesar de discordar de muita gente eu respeito as opiniões.

Ingrid Bezerra disse...

Donatien Alphonse François,

tudo bem, não fiquei ofendida com sua opinião a respeito do que eu escrevo.

O meu objetivo de vida maior é me tornar uma pessoa cada vez melhor no máximo de sentidos possível.

Fábio disse...

Vocês tem uma bitolação com esse negocio de depilação, que não sei de onde tiraram.
São as próprias mulheres, que criam estes padrões de estetica, nos anos noventa por exemplo, era normal ter um "bigodinho na danada"
E$u por exemplo, acho gostoso uma lisinha, mas se tiver uns cabelinhos, crio caso não, como assim mesmo :)

Anônimo disse...

"Lá também eu vi uma se declarar misândrica. Ela era uma assistente social se não me engano e disse que de tanto ver coisas horríveis que os homens faziam com as mulheres (e crianças) em seu trabalho, ficou com ódio mesmo e empatia zero com homens... "
-
E tu acreditou? Tu sabes que segundo a Unesco, e o ministério publico paulista, a maioria das agressões contra crianças e idosos, e cometida por mães e cuidadoras? E só pesquisar

Rê Bordosa disse...

Ingrid Bezerra,

Acho que é mesmo uma vivência pessoal, depende muito do que cada uma viveu.
É claro que o maior problema, a maior mazela é o machismo. Ja vi muita merda por aí, inclusive com pessoas próximas... Já tive amiga que foi hospitalizada por apanhar do pai, outras que sofreram abuso e estupro... Mas todas essas minhas amigas tem uma capacidade enorme de empatia com outras mulheres. Sempre que compartilhamos experiências, elas não costumam julgar as outras, ou se achar "donas da causa" porque sofreram mais. Mulheres que foram violentadas geralmente estão focadas demais em combater o machismo para patrulhar a vida das outras... Já foram julgadas demais, então ponderam ao julgar.
O julgamento e a fiscalização do "feministicamente correto" que recebo no dia a dia, tanto de desconhecidos de internet quanto de parentes e colegas vem de pessoas que 1º - Nunca passaram por nada tão drástico, apenas encontraram no feminismo mais uma ideologia para fiscalizar os outros 2º - Não tem nada a ver com minha vida.
Então em comparação a misoginia seria um câncer e a misandria uma gripe... Mas não me custa nada "tomar uma vitamina C" de vez em quando para que ela não se instale no meu corpo. Não é algo grave, mas enche o saco.

Anônimo disse...

O feminismo na pratica, esta afastando as mulheres de todos os homens da face da terra,e isto e muito bom. Depois de conhecer a fundo o neo feminismo, nenhuma mulher e mais capaz de olhar para um homem, seja qual for, de forma natural, sem enxergar ali, um predador, um inimigo.
Irreversível

Ingrid Bezerra disse...

Rê Bordosa, verdade, enche o saco sim. Odeio que cuidem da minha vida também. Realmente só não consigo sentir isso tão próximo porque eu só conheço (na verdade, apenas vejo) feministas (de todos os tipos) na internet. Na vida real eu não conheço nenhuma.

30 de junho de 2015 03:58, não estou afastada de homem algum. Continuo saindo com eles. Tem como diferenciar os bichados dos que prestam.

Panthro disse...

Quando a educação não é libertadora, o sonho do oprimido é ser o opressor - disse o Paulo Freire. E é exatamente o que aconteceu aqui.

Raven Deschain disse...

Ownn quanto amor. Falaram do meu filho é? Uau, e aquela rola, já acharam?

Só concordo com quem disse aí encima que as minas tem q parar de brigar entre si.

Ingrid, sobre isso que vc falou, da moça que era lib e lentamente foi se tornando rad, isso, pra mim pelo menos, tem sido uma tendência natural. Nunca vou ser uma radscum, que parece uma caricatura de feminista numa tirinha reaça, mas me identifico cada vez mais com os ideais rad. Merda, neh? O peixe morre pela boca.

Não entendi pq tão xingando o Donatien. O plus dele é meio zoado, mas aqui nunca vi ele desrespeitar nenhuma menina. Inclusive eu, que já peguei no pé dele um dia.

Gente, quanto a anônimo enchendo o saco... Deixem que falem. Gente que não tem peito nem de assinar um nome falso, não merece nem nosso bom dia.

Loup~garou disse...

A única coisa que atrapalha o homem hoje é a ansiedade de não ter uma família no futuro, devido à maior tolerância da sociedade com a promiscuidade feminina - e que ainda é pouco para as feministas. De um ponto de vista mais centrado na juventude, nunca foi tão bom ser homem, principalmente por causa dessa promiscuidade. Além das grandes oportunidades de trabalho, informação, viagens e educação (proporcionais à renda familiar, mas progressivamente popularizadas pela lógica de mercado), temos portas abertas para uma vida sexual que foi apenas sonhada pelos "soldados" do passado.

Mas quando o caboclo sente a ressaca, se apavora com a ideia de que a "menina fácil" do Tinder ou da calourada é o que tem pra esposa e mãe. Daí, o caminho mais fácil é culpar o lado mais fraco, "elas", quando ele é inteiramente responsável também.

No final, não vejo vítimas, mas construtores da própria situação.

Taty disse...

Quem é VC pra julgar os defeitos da Bíblia?Cada um tem a sua fé e segue e vive como quiser.
A Bíblia é imutável,VC acha que pra VC ela não serve,mas querida, ou querido VC não é ninguém VC vai morrer e ela permanecerá a mesma até o fim.
Não é porque VC quer ou acha,que a Bíblia vai mudar e a segue quem acredita nela.
Lave bem seu teclafo, ache primeiro seus defeitos que devem ser muitíssimos,antes de digitais os "defeitos" da Bíblia.

Lu disse...

Anom Livro Aberto
Eu não conheço nenhum movimento que lute pelos direitos de homens que vc mesmo listou (aposentadoria, exames periódicos, fim do alistamento obrigatório). O único movimento mesmo são os mascus e suas derivações.
E quais as pautas deles? Direito de comer uma novinha loira bombada de cu e mamilo rosa. Direito de ferrar com a vida das mulheres. Chamam mulheres de depósitos, merdalheres, etc. Possuem nojo de mães solteiras, gordas, negras, quem tem mamilo preto, nerds, feministas, tatuadas, pobres, rockeiras, funkeiras, pagodeiras, loiras miscigenadoras, esquerdistas, não-virgens, balzacas... Ameaçam de estupro e perseguem quem vai contra eles. Como a gente pode marchar junto de um movimento que não quer igualdade e quer nos oprimir? Não somos nós quem ridicularizam os mascus, eles mesmos se ridicularizam.

Anônimo disse...

Loup-garou, e aquela história de que homem nenhum sonha com casamento e filhos por que isso seria um objetivo feminino? Os mascus vivem falando que o dever da mulher é se casar e ter filhos enquanto o homem deve "pegar todas" mas eles reclamam que não existem mais mulheres para "casar", oque indica indiretamente de que os sonhos deles também seria casar e ter filhos....

Anônimo disse...

E mais, se o objetivo da mulher é ter filhos no patriarcado, porque este proprio odeia as mães solteiras? Elas não teriam realizado o objetivo por serem mães?

Amanda disse...

Lave bem o TEU teclado, ache primeiro os TEUS defeitos que devem ser muitíssimos, antes de vir julgar alguém que está exercendo seu direito de liberdade de expressão. Religião NENHUMA deve ser imune a críticas, quanto mais um LIVRO. O estado é laico e nem todo mundo concorda com a TUA religião ou com o TEU livro, aceite querida. Critico a Bíblia quando eu quiser, de acordo com a MINHA concepção de mundo isso não é pecado e o TEU choro é livre, passar bem.

Anônimo disse...

Rê Bardosa, só não é a mais chata do universo porque perde pro Donatien.
Quando vejo mulé desse jeito chega dar uma gastura.

Frases da feminista Rê:

"sou bi-sexual casada e só saio com mulheres" . Leia-se: - faço de tudo para dar prazer pro marido obviamente, mas se sair com outro macho ele me mata.

"transo até deponta cabeça em cima da estátua da liberdade".Leia-se :não sou fresca como as outras. Não sou como as outras. Sou 'um cara legal'.

"depilo tudinho e não ligo se o cara for peludo" Leia-se: viram? Além de tudo não sou feminista peluda. Sou um 'cara legal' e ainda por cima, gostosa.

Se isso não é mulher querendo biscoito de homem, não sei o que é.


Anônimo disse...

Anônima 30 de junho de 2015 11:13, tenho o mesmo sentimento, ver "feminista" mendigando aprovação sexual de omi, e de virar o estomago
Ana Clara

Anônimo disse...

Chegou a inspeção galera! Pra ser feminista tá proibido:
- Se relacionar com omi, chupar pinto é corte marcial;
- Se depilar;
- Fazer o que quiser no sexo;
- Ter planos para a maternidade, filho homem é corte marcial;
- Usar maquiagem;
- Usar salto alto;
- Não odiar ficar menstruada;

Quem não cumprir, terá a carteirinha automaticamente cassada e terá que retornar para a capacitação.

Tá lindo feminista fiscalizar e cagar regra na vida de outras mulheres, viu gente? Tá lindo ocupar espaço feminista de forma negativa. Vou contar uma novidade: os machistas já fazem isso há séculos. Continuem assim que o patriarcado tá adorando o que vcs tão aprendendo com ele.

Loup~garou disse...

Concordo. Contradição "mascu".

É aparente que um número expressivo de homens mais cedo ou mais tarde se interessa por casamento e filhos. A ilusão está em tentar separar a época de solteirisse promíscua com a época do pai de família. A segunda será construída ao lado das mulheres da primeira, e isso gera desgosto.

Loup~garou disse...

Porque a mãe solteira não pode esconder que foi promíscua, uma vez que no "patriarchy" sexo fora de um casamento duradouro e divórcio são promiscuidade.

Essa visão, mais uma vez, falha em iluminar a responsabilidade do homem (que pode não ter assumido a criança ou ser aquele que pediu o divórcio), e só quer ferrar a mulher.

E na boa, o objetivo da mulher para um "mascu" é ser dele, ponto. Filho é só um meio para assegurar isso. A única coisa que tem como objetivo puro e simples a geraçã de filhos é o ovário.

Anônimo disse...

Diva

Pra Anônima pouco esclarecida de 12:38

- Me relaciono com omi, e chupo o pinto, e ele me chupa também, claro, hehe
- Me depilo
- Faço quase tudo o que quero(MENOS anal passivo, mas, é ESCOLHA MINHA)
- Uso salto.
- Uso maquiagem, embora pouca.
- Nos primeiros dias não curto ficar menstruada.

E adivinha SOU FEMINISTA e NÃO existe carteira pra isso, kk.

Quem gosta de mulher tá ok, quem gosta de homem(meu caso) tá ok tb! A maioria das feministas são héteros, mas, as lésbicas tb fazem parte afinal não fiscalizamos "xota alheia" kk
Quem gosta de se depilar quem não gosta tá ok tb.
Quem gosta de maquiagem, quem não gosta.
Menstruação e todas essas paradas, isso é escolha de cada uma.

Anônima, só algumas feministas MAIS radicais são um pouco exageradas, mas note que a maioria das atrizes de Hollywood são feministas e super vaidosas e femininas.
Feminismo é movimento, uma forma de pensar que NÃO está ligado à roupa, estilo e opções sexuais, entendeu?


Vamos ao MACHISMO. Pra ser machista tá proibido:
- ser mulher. Mulher é validadora, só homem pode ser machista.
- chupar mulher, só homem pode receber boquete!
- Fazer o que quiser no sexo, MENOS "a fêmea"(porque é assim que eles tratam mulher), essa tem que fazer APENAS o que seu macho quer! Se ela não curte oral nem anal, não interessa, tem que chupar e dar o rabo mesmo que não queira(ps: NÃO sou contra as que curtem, sou contra a OBRIGAÇÃO)!
- NÃO ter planos pra paternidade, macho que é macho come geral! E "se" for pai só pode ter filho homem, se tiver menina, ele obriga a mulher a abortar.
- Obrigar a namorada, ficante, etc, a se depilar totalmente
- Mulher tem que ser peituda, magra, bunduda, bico rosado, cu rosado, loira, etc.
- Se a mulher reclamar de cólica, dizer que é frescura de mulher!
ETC.

Não somos NÓS que "cagamos regras" sobre a vidas mulheres! Excessos e exageros acontecem, mas, enquanto você querida quer tentar invalidar um movimento importante pela luta de igualdade entre homens e mulheres, machistas e misóginos em geral distorcem os relacionamentos, tratam mulheres como buracos pra enfiar o pau, e ditam regras podres, preconceituosas e doentias do que é SUPOSTAMENTE "ser homem" e "ser mulher".
Ficar do lado do patriarcado, não te dará benefício algum, pense nisso.

Anônimo disse...

Diva, sou a anônima que vc tpa criticando.
Acho que você não entendeu. Foi uma ironia à fiscalização e cagação de regra de outras mulheres na vida de outras mulheres. Tá rolando há tempos aqui no blog os "ain, vc se depila, vc não é feminista", "ain vc transa com homem, vc tá validando o machismo". Foi uma crítica À galera que fica aqui dizendo que pra ser feminista não pode isso e não pode aquilo. Pow, a gente já tem machista pra ficar dizendo o que a gente pode ou não pode fazer e ainda tem que aguentar essa cagação de regra vinda de outras MULHERES?
Feminismo é pra ser livre e ter equidade. Não é pra odiar homem, ou parar de fazer as coisas que vc gosta. Sacou?

Anônimo disse...

Anonima das 13h25, teve um ( UM) cmentario de alguém falando que não se deve relacionar com homens.

Até agora não achei o comentario que fala que não pode se depilar.
No blog da Lola nunca vi, eu acho, falando que não pode usar maquiagem e ser feminista. Essa historia de não poder ser mãe é tão radical e estupido que não tem nem o que falar, mas admito que ja vi esse tipo de merda aqui.

Do jeito que você fala parece que é quase toda femnista fica cagando regra.

Seu comentário é sem proposito. Entendi a ironia, mas não sei a quem você dirigiu seu comentario, visto que UMA pessoa nessa caixa de comentario falou " feminsita de verdade não faz tal coisa"

yara

Anônimo disse...

Yara, Não foi nesta caixa de comentários em específico. Acompanho os posts quase todos os dias e quase nunca comento, mas em praticamente todas há comentários de outras mulheres (ou pelo menos quem se assume como tal) condenando as outras e querendo dizer quem merece e não merece ser feminista. Não só aqui. No facebook tá um saco isso em grupos feministas uma ala atacando a outra. Foi um desabafo mesmo. Tô cansada de ver gente ditando quem pode ou não pode ser feminista em vez de estar aqui debatendo e construindo ideia junto. A Lola mesmo já disse que recebe comentários raivosos e não são dos mascus. Ou seja, tá legal a gente ouvir da nossa semelhante como devemos nos comportar? Estão distribuindo carteirinha e cassando de gente que não tem?
Em momento algum disse que é toda feminista que tá cagando regra (deveria ter colocado aspas? mas quem sou eu pra afirmar ou não que essas pessoas são feministas). Não sei se é ingenuidade minha, mas eu realmente não espero essas atitudes vindas de feministas. Espero isso vindo de homem, não de gente que diz estar ao meu lado.

Anônimo disse...

Loup-garpu, e as mães solteiras que adotaram ou fizeram inseminação artificial? Elas não são mães por prosmicuidade e mesmo assim são mal vistas pelo patriarcado por causa de uma contradição do mesmo: homem mesmo não cuidando dos filhos e sendo biologicamente dispensável (a mãe que da a luz,nutre e protege o bêbê) é o "mais importante membro da familia" e por isso qualquer tipo de relacionamento em que ele não esteja inserido é desvalorizado. Isso seria consequencia do medo inconsiente dos homens em geral de ficarem sozinhos, sem mulher? Olha os paises arabes: a mulher é totalmente odiada,submissa, vista como um ser inferior mas os homems se casam com duas,três,quatro mulheres. Porque eles se relacionariam com tantos "seres inferiores"? Se o motivo for sexo, porque se casam ao invés de pagar prostitutas?(e isso emgloba todas as culturas patriarcais e não so a arabe).

Anônimo disse...

As rads não gostam dos textos da Lola, não gostam dos comentaristas, mas batem cartão aqui. Vai tentar entender...

Loup~garou disse...

@Anônimo 14:14:

Esses casos de adoção e inseminação artificial são bem esporádicos, né? Se o masculinismo implicou com o primeiro caso não faz muito sentido, pois é muito louvável, há um sentido de caridade que encaixa com o arquétipo de Mãe. Já no segundo caso, parece que a inseminação artificial reforça o projeto feminista, transbordando para os casos comuns que acabamos de comentar. E sim, vai tudo no sentido de "deixar os homens de lado", que é uma bobeira tanto por parte das mulheres que se deixaram radicalizar por um femismo tacanho quanto para os homens paranóicos o suficiente para achar que isso vai dar pé algum dia.

Olha, não sou profundo conhecedor da cultura árabe (que é múltipla), ou do islamismo (que é múltiplo), mas não me parece que são culturas em que a mulher é "odiada" ou "inferior". Submissa sim, mas veja como é uma questão de ponto de vista: ela é limitada ao lar e ao marido por ser considerada algo "bom de mais" para se meter em assuntos públicos e comerciais. É uma forma de proteção, e muitas dessas mulheres se sentem ofendidas ao se depararem com a vida proletária das ocidentais. A cultura judaico-cristã segue uma linha parecida, como você apontou, mas sei de casos de ortodoxia em que a mulher é considerada sim um ser "problemático" - vide Eva, mas não inferior - vide Maria, objeto de profundo respeito e admiração. Deve ser por isso que os muçulmanos tão de boa em se casarem com várias e os cristãos são monogâmicos.

Sobre transar com prostitutas: arriscado para a saúde, ruim para o bolso e emocionalmente insatisfatório. Mesmo os homens mais embrutecidos já sacaram isso há alguns milênios.

Rê Bordosa disse...

Anônimo 11:13,

Mulher também gosta de sexo, sabia?
Parafraseando Boechat, vá procurar uma rôla e pare de patrulhar a minha vida.


Anônimo 12:38,

O patrulhamento ta solto aí em cima, vai desde comentário dizendo que não se deve relacionar com homem, a outra lá tentando me proibir de conversar com o Danatien (jurando que tem poder pra isso), teve comentário anônimo ali em cima julgando o fato de eu gostar de relacionamento aberto, comentário metendo o filho da Raven no meio...
Acrescenta aí uma nova regra no "livro de regras":
-Feminista não pode reclamar do patrulhamento de outras mulheres em sua vida. Ela tem que lutar contra machos lhe dizendo o que fazer, mas tem que aguentar caladinha quando outra mulher lhe diz o que fazer.

Anônimo disse...

Loup-garou, mas se nas culturas patriarcais a mulher deve ser submissa por causa de proteção,então porque que , mesmo que indiretamente, legitimam a violência e estupro contra a mesma? A mulher não é proibida de sair de casa por ser fragil e sim para ela não trair o marido. Eu tinha citado a cultura árabe apenas como um exemplo, porque em varias culturas pratriarcais um homem poderia ter varias esposas, como a chinesa, mesmo a mulher sendo vista como inferior ou ser malévolo. E mais, já vi varios mascus falando que odeiam mulher e tal mas mesmo assim querendo ser donos de haréns...

Loup~garou disse...

@Anônimo 15:18:

O fato de uma família ou comunidade professar dada religião não significa que eles serão exemplos escarrados daquela moralidade. Desvios, manipulações e hipocrisias vão acontecer. É uma pena. E bem, justamente pela punição a um estuprador ser tão violenta nesses meios, que as famílias vão buscar proteger os infratores que vierem dela.

E tem lugar melhor para se odiar uma mulher do que um harém?

Donatien Alphonse François disse...

Rê Bordosa

Vindo de quem vem nem me incomoda, talvez se eu mudar a minha foto de perfil, colocando no lugar um modelo bem bonito, com cabelos longos e corpo definido, ao invés do Zangief, ela passe a gostar de mim... então não vou trocar de foto. kkkkkkk
Se ser "machista" significa matar ou morrer defendendo as pessoas que eu amo, então sou machista até a medula, mas como o dicionario dessas pessoas é muito limitado, e significa ser um opressor, estou a anos luz de ser um, isso é a falácia da falsa dicotomia, se não é feminista logo só pode ser machista. Que pensamento estreito, você diz melancolia, a pessoa entende melancia na pia, diz maçaranduba ela entende massagear a uva . Nunca me ocorreu que o feminismo fosse o clube da luluzinha, com carteirinha e uma presidente que te barra na porta se você for homem. kkkkkkk
Da ultima vez que vi o nome do blog era Escreva Lola escreva, então somente ela pode dizer se sou bem vindo ou não, mas de qualquer forma, mesmo que diga que não sou e eu aceitaria de boa...

VAI TER HOMEM NO FEMINISMO E SE RECLAMAR VAI TER MUITO MAIS e VAI TER MULHER TRANS TAMBÉM, nos espaços exclusivos de mulher e algumas sem a transição completa, para desgosto das misândricas e transfóbicas de plantão.

(nesse caso não me refiro a Lola, pois sabemos que ela está acima desses
preconceitos)

Andressa Andrade disse...

Lola, posso considerar esse texto da autora como um 'feminismo marxista' ou pelo menos um feminismo que dialoga com o marxismo? Não conhecia a autora. Gostei muito, apoio a ideia de você sempre postar obras/escritores. :D
Obrigada, querida.

Rê Bordosa disse...

Pô, Donatien, Zangief é maneiro... Talvez a imagem dele irrite os direitistas (por ele ser URSS, esquerdinha, comunista), mas porque ele irritaria uma feminista?! Vai saber, né?! Procurar chifre em cabeça de cavalo é quase uma ciência... Tem umas que conseguem implicar até com o fato das outras gostarem de sexo.
Já o nome do marquês aí com certeza irrita aquelas que não conseguem separar literatura de vida real.
Incomodados que se incomodem, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

Donatien Alphonse François disse...

Ingrid Bezerra

Eu discordo apenas na questão capitalismo vs socialismo, no mais é como eu disse antes, você é uma boa pessoa e isso está acima de qualquer divergência de opinião.

Anônimo disse...

Loup-garou, em varios países vigorava (e ainda vigora em alguns) a lei de que a mulher precisava de no minimo 4 homens como testmunhas que provem que ela foi estuprada. Serio mesmo que é do a familia que quer proteger os estupradores? Para mim é uma sociedade inteira. O patriarcado está pouco se lichando se a mulher é maltradada ou espancada, desde que um homem não "use" a mulher do outro vale tudo. Não sei de onde você essa suposta proteção que essas possurm em relação a mulher.

Loup~garou disse...

@Anon 16:13:

De um ponto de vista ocidental, que é o meu, não vejo proteção também não. Eles veem. Pergunte a eles e elas.

O "vale tudo" se aplica a muitos grupos: pobres e indigentes, inimigos de guerra, etnias antagônicas, religiões rivais e outra sorte de párias. No caso da mulher, o diâmetro de "proteção" vai além daquela que é "posse" direta de um homem, em muitos países. Não barbarize a esse extremo os orientais. "Patriarcalismo" é uma hipótese reducionista sobre sistema social e te leva a esse tipo de erro.

Donatien Alphonse François disse...

Rê Bordosa

Eu fiz cosplay dele uma vez, desde que saiu o jogo todo mundo dizia que somos parecidos, mas só isso, nem me lembrava dessa questão politica, já o nome do Marquês de Sade, é o que eu escolhi para o meu canal, onde eu discuto ateísmo e outros assuntos, gosto dessa contradição aparente, entre nome e imagem. Antes eu usava o simbolo do Superman, quando ficar entediado mudo de novo, acho estranho alguém se incomodar com isso, como já aconteceu aqui. Depois vou colocar a foto de uma maquina de escrever com tablet...odiadores odiarão! kkkkkkkkkkkk

Ps: eu imaginei que se te elogiasse alguém "pegaria sua carteirinha de feminista"
mas fazer o que se você merece elogios? Dancinha do foda-se! kkkkkkkkk

Raven

Não entendi o plus zuado, mas ok. kkkkk
Não senti que estava pegando no meu pé, gostei de conversar com você! ^_^

Rê Bordosa disse...

Valeu, Donatien!
:D

radscum disse...

Rá! Esses machinhos asquerosos querem dizer quem é que sabe e quem não sabe ser feminista aqui. Pois eu tô muito feliz que meu feminismo não agrada mascus feito vocês. Tô só observando vocês falando mal de radicais e chamando de radicais mesmo quem não é radical e aplaudindo mascus femininos como essa Rê Bordosa. Nem perca teu tempo com ela, Julia, ela fica comparando radical com neonazista pra me alfinetar, ela sempre faz isso quando apareço no blog. Depois a Lola acha que eu é quem provoco ela. O machismo que ela reproduz é escabroso, não só eu como muita gente anônima já percebeu e chamou a atenção, mesmo não-radicais, e fiquei feliz que alguém não-anônimo como você falou isso pra ela. Não espero menos do feminismo liberal: mulheres hostilizando outras mulheres por causa de homens, ao ponto de eles dizerem que a dona do blog prefere comentários deles aqui que de "radtrols". Eles são tão feministas que ficam semeando a discórdia entre mulheres!
Até esse Jonas pró-capitalismo, pró-redução da maioridade penal já tem liberdade pra chamar qualquer feminista que discorda dele de "radmascu", sendo ele mesmo um mascuzão! Teve gente de direita ali se passando por feminista liberal pra criticar as feministas radicais e dizer que somos contra a redução da maioridade penal colocando a vítima em segundo plano. Fora que nem existe feminista liberal com essa descrição que elx faz das rads: branca, heterossexual, de cidade grande, classe média alta hahahahaha...

Raven: "Nunca vou ser uma radscum, que parece uma caricatura de feminista numa tirinha reaça."

Querida, você não tinha pedido pra eu te esquecer? Ficou com saudade, foi? hahahaha



Rê Bordosa disse...

Radscum,

Em sua homenagem: https://m.youtube.com/watch?v=HInh1zcHKNE

Beijinhos!

lola aronovich disse...

Ha ha, Rê, adoro vc! Raven, vc tb!

Rê Bordosa disse...

Lola, é recíproco!
Beijos!!!

Rê Bordosa disse...

Anônimo 23:06,

Como Vossa Sapiência considera que eu devo tratar a radscum e outras pessoas que já chegam me xingando, só porque não concordam com o que digo e cagando regra na minha vida?
Devo abaixar a cabeça e dizer "sim senhora! Não aceito macho mandar em mim e me xingar, mas você pode só porque supostamente é mulher e supostamente é rad"? Ah, vá cagar! Eu não!

E que absurdooooo a forma como tratei a radscum no comentário acima, né? Ela sempre foi grossa comigo, de graça desde os primeiros comentários que dirigiu a mim:
http://escrevalolaescreva.blogspot.com.br/2015/06/os-maiores-consumidores-da-pornografia.html?m=1
E eu... Reagi, a todo esse ódio mandando o link de uma música fofinha... Nooooossa! Como eu sou má! Como eu fui violenta! Abeçurdo!!!
Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

radscum disse...

Não esperava menos de você, Lola.

Rê Bordosa disse...

Anônimo 23:32, me acha escrota? Oh, céus, oh, vida! Vou ali cortar os pulsos...
.
.
.
Vou nada! Dancinha do foda-se pra você.
Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Anônimo disse...

Cara, a Rê, a Raven e a Lola têm muito, mas MUITO mais sororidade que a radscum e alguns outros comentaristas, já que não cassam o feminismo ou saem julgando a vida de quem não concorda 100% com elas. Tem uns e outros aqui se você colocar o dedinho do pé fora da linha de feminismo que eles acham certo, pronto, é mascu, validadora de machismo, ignorante e o caramba a quatro.

Ingrid Bezerra disse...

Raven, eu também estudo bastante do que as Radicais pregam. Uma parte do que elas dizem eu também concordo. Só não me considero Rad porque não quero carregar nas costas o peso de uma classificação, prefiro ficar livre para também me identificar com coisas dos outros feminismos e tal, mas é bem isso que anda acontecendo comigo também. Eu comecei bem light, mas agora já estou bem mais radical.

E a propósito, valeu por me defender lá naquela postagem que os mascus ficaram me ofendendo. Eu fiquei bem feliz!

Agradeço também ás anônimas que fizeram o mesmo e até ao AnonLivroAberto. Valeu valeu!

Aquelas ofensas foram dignas de 5º série, não me atingiram, mas ter pessoas me apoiando não tem preço. Obrigada mais uma vez.


Donatien Alphonse François, muito obrigada!!!

Recebam todos o Axé das minhas Pombagiras.

Até sei lá quando.
Beijos

Anônimo disse...

Sou homem. O homem não corre atrás de direitos verdadeiro porque ou não conhece, não tem idéia de que sua vida poderia ser diferente, de que pode existir "outro mundo" ou então, principalmente, por vergonha! Quando conhece a verdade ele não tem coragem de ir contra a corrente. A questão das exigências feitas ao homem é crucial. Mas pior que essas exigências são as reprimendas feitas a quem reclama: não é um "homem de verdade"! Vocês não tem, sequer, idéia do esforço que fazemos para ser o "principe encantado", o sujeito bem sucedido e respeitado na comunidade, no grupo. Poucos conseguem e resta à maioria o atoleiro da vergonha de não ter dado conta do recado, não ter correspondido.É isso!

Marcia Baratto disse...

Esse texto é ótimo! Andressa Andrade, se não estou enganada a autora dialoga muito mais com as liberais do que com as marxistas. Vale lembra que liberalismo, nos Eua, está para o centro-esquerda do espectro ideólogico partidário, diferente da contexto latino-americano, onde os liberais certamente estão no espectro partidário de centro-direita.

Anônimo das 03:47, poxa vida... maioria de agressores de crianças, adolecentes e idosos são mulheres? Não chega a 2%. Aqui o estudo que eu conheço, pode citar as fontes do seu? Tabela 4: Sexo do provável autor da agressão segundo a faixa etária da vítima
Crianças Adolescentes Adultos
Masculino (n=11366) 92,55% 96,69% 96,66%
Feminino (n=158) 1,80% 0,99% 0,70%
Ambos os sexos(n=115) 1,28% 0,86% 0,47%
Ignorado (n=378) 4,36% 1,46% 2,17%
Fonte: Sinan/Dasis/SVS/Ministério da Saúde. Dados de 2011.

Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/nota_tecnica/140327_notatecnicadiest11.pdf
Sobre o texto, acho que a resposta é complexa, vou dar pitaco dentro da minha área de curiosidade, direitos! Os movimentos sociais que começaram a mobilizar o direito lá nas décadas de 60 e 70, tornando a liguagem dos direitos humanos poderosa nas negociações com o Estado, fazem uso de uma perspectiva bem particular de vítima. Uma que o machismo, particularmente, me parece que detesta: de que ninguém vence sozinho, apenas em grupo. Daí que um suposto movimento masculinista não é capaz de despertar empatia ou solidariedade e nem reconhecer possíveis canais de negociação para suas pautas. Machistas ainda querem acreditar que podem/devem vencer sozinhos. Nisso são alvo fácil para sociedade de consumo, que continua deixando-os em 'suspensão' zumbi de vida política.

Quanto as 'supostas' radicais que comentam aqui, veja bem: acho que há aquelas que contribuem, mas para mim já tá evidente faz tempo que existem aquelas que tem um único objetivo - esvaziar esse fórum de debate, já que a Lola se nega a fazer parte do 'movimento' delas. Inclusive a um tempo atrás, antes dos post ficarem assim absurdos, houve uma radical que tentou 'converter' a lola. Imediatamente depois, os ataques começaram. Coincidência? Duvido.

E ah, antes que eu esqueça - Rê bordosa e Raven, eu amo vocês, suas lindas!



Rê Bordosa disse...

Beijos, Marcia Baratto!
:D