sexta-feira, 19 de setembro de 2014

GUEST POST: JOVEM, MULHER, TRANS, FEMINISTA. E CANDIDATA!

Eu com minha candidata à deputada estadual

Faz muito, muito tempo que peço um guest post pra Silvia, uma linda e querida estudante da UFC que foi presidente do Centro Acadêmico. Eu adorava ir às universidades de SP e dizer, toda orgulhosa, que nossa presidente era uma mulher trans. O pessoal geralmente respondia dizendo que falta superar muitos preconceitos para que eles possam chegar lá.
Nunca fui professora da Silvia (porque ela é de Letras Português), mas já tive o prazer de vê-la interromper minhas aulas várias vezes para se comunicar com as turmas. E como ela é comunicativa! Também já dividi uma mesa-redonda sobre feminismo com ela. Quando fui palestrar no congresso da União da Juventude Socialista, em dezembro do ano passado, em Brasília, ela não foi. Mas era impressionante como todo mundo a conhecia e gostava dela.
Apresento, portanto, minha candidata à deputada estadual no Ceará. Meu voto é dela. Vejam o que ela tem a dizer:

Olá, queridxs leitorxs do Escreva Lola Escreva! Sou Sílvia Cavalleire: jovem, mulher, transexual, feminista, estudante universitária e professora particular. Desde a minha infância, eu sentia que era muito mais feminina, mas não entrava em conflito com meu corpo masculino. Esse conflito surgiu na adolescência, quando eu queria ser entendida como menina e os outros achavam que eu era um menino querendo ser menina.
Fui educada em escola religiosa, o Colégio da Imaculada Conceição, no centro de Fortaleza. Lá eu aprendi valores que são muito importantes para as minhas lutas, dos quais destaco: respeito e amor a si e também ao próximo, compreender o outro para depois compreender a si próprio. Foi então que entendendo as limitações das pessoas, pude descobrir que eu era capaz de superar certos (pre)conceitos. No entanto, aos 16 anos, minha mãe conversou comigo já sabendo que eu queria ser “menina”. E determinou que enquanto eu fosse menor de idade e dependente dos meus pais, continuaria sendo “menino”.
Eu demorei bastante para me reconhecer como transexual. Eu sabia que queria crescer e ser mulher. Só não sabia que não era gay e sim, trans. Só depois de entrar na Universidade Federal do Ceará e conhecer um grupo chamado MOVELOS -– Movimento pela Livre Orientação Sexual, que aprendi sobre minha condição. Fiquei apaixonada pela luta pelos direitos humanos e por lutas de juventude, após me filiar à UJS -– União da Juventude Socialista.
Então, na virada de ano de 2010 para 2011, coloquei um vestido branco, salto, maquiagem, e nunca mais pus uma roupa de homem novamente. De certa forma, obriguei às pessoas a me reconhecerem como Sílvia. Enfrentei o preconceito da comunidade acadêmica que rejeitou o meu uso do banheiro feminino e não registrava o meu nome social nos documentos. Como liderança estudantil, fui eleita e reeleita presidente do Centro Acadêmico Patativa do Assaré dos cursos de Letras e Secretária de Direitos Humanos e Combate às Opressões do DCE da UFC. E neste ano, fui eleita presidente da UJS em Fortaleza.
Agora, estou candidata a deputada estadual para representar a juventude, as mulheres, o movimento LGBT, os negros, as pessoas com deficiência.
Quero defender na Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, projetos de lei que fortaleçam a visibilidade dos movimentos sociais, principalmente daqueles em defesa dos direitos humanos. Acredito que, mesmo a PLC 122/2006 ainda não tendo sido aprovada, o estado do Ceará pode ser o primeiro do Brasil a ter delegacias especializadas para os crimes de homofobia, com curso preparatório e qualificatório fornecido pelo estado para os profissionais que trabalharem nessas delegacias. Também, podemos ter uma lei que garanta o uso de banheiros por travestis e transexuais de acordo com suas identidades de gênero, em ambientes públicos e privados.
E para que a sociedade avance no debate contra o machismo e a lgbtfobia, é urgente uma lei que inclua discussões de gênero e orientação sexual nos currículos disciplinares das escolas estaduais. Mas é claro que os professores estejam bem formados para não aproveitarem essas discussões para disseminar mais machismo e mais lgbtfobia.
É isso, gente! Espero que por todo o Brasil surjam diversas Sílvias; todas com muita coragem pra batalhar por uma sociedade que respeite os seus indivíduos e suas liberdades; com ousadia pra vencer cada debate, cada luta diária contra o machismo, o racismo e a homofobia; e com firmeza mas sem jamais perder a ternura! Peço o seu apoio e o seu voto para o 65651! Um beijo da Sílvia. VRÁÁÁ!

34 comentários:

Anônimo disse...

Tava procurando um candidato LGBT pra estadual aqui em São Paulo e acabei achando um rapaz que está no PSB (na verdade, estaria do Rede da Marina) e defende o voto na Marina. E eu me pergunto: Como? Como ele pode defender voto na Marina se a mulher é evangélica até a raiz do cabelo e comprometida com a agenda da bancada evangélica, num projeto que, se não é claramente homofóbico, com certeza dá bananas para a população LGBT?
Pelo menos encontrei um rapaz do PV que, junto com os demais candidatos a governo, assinaram termo de compromisso com a ABGLT.
Pode ser pouco e mesmo sem efeito, mas pelo menos sinaliza uma simpatia.

Tinúviel disse...

Minha candidata a deputada estadual aqui no RS também é trans, a Luisa: http://luisa13163.com.br/

Silvio Cunha Pereira disse...

E conte com meu voto tambem. Os Silvios e Silvias juntos.

Raquel Link - BLOG ESCREVO POR COMIDA disse...

o que mais me chateia nessa eleição, é essa questão da cota das mulheres, não pela cota em si, mas pq os partidos colocam muito laranjas, mulheres que sabem q não tem chance nenhuma de nada.

isso acaba enfraquecendo porque nunca tem mulher se candidatar e quando tem, poe qualquer um, nem trabalha campanha, a mulher continuam não sendo leva a serio e os homens continuam ganhando todas.

Gle disse...

Lindoooonaaaaaaaa! Que arraso! Muito sucesso e tomara que ela receba muitos e muitos votos :D
Chega de preconceitos!!!

Raven Deschain disse...

Ai que tudo. E eu aqui em Curitiba ainda sem saber em quem votar. @.@

Maicon Vieira disse...

Raquel Link, sem falar que muitas que estão no poder são apenas uma extensão do marido ou pai.

Anônimo disse...

Para deputado estadual no meu estado SP temos a Monique Top 50878. Super Gracinha, com ótimos pontos de vista e apoia a Luciana Genro (sim a única que realmente tem políticas voltadas às mulheres e à população LGBT).
Gente fico verde com a turma que fica defendendo a Marina, não vi propostas dela voltadas à nenhum desses públicos... e o povo ainda fala de mudanças... mas que mudanças?!!! Mulher vai ser espancada e morta até quando? Trans e Gays vão ser agredidos e humilhados até quando???

Só voto em quem quer incentivar a mudança real!!!

Ainda em tempo: Nas propostas da Luciana Genro só sinto falta de propostas voltadas ao desenvolvimento da Ciencia e tecnologia e ao Empreendedorismo.

Empreendedorismo ia render um ótimo post Lola. Graças à formalização do empreendedor individual atividades tidas muitas vezes como femininas foram reconhecidas e trouxeram dignidade e apoio de órgãos públicos para sua formalização. Pense com carinho tá!!!!

Geise. disse...

Lindo de mais ler esse guest post!
Por um mundo com mais 'Silvias'!!

Raquel Link - BLOG ESCREVO POR COMIDA disse...

pois é maicon, isso que mais me entristece o fato de poucas serem independentes de fato ( alguém lembrou da krichener na argentina) a própia dilma é fruto total de lula. Enfim.

Paula disse...

Que linda e maravilhosa você, querida Silvia. Se eu votasse por aí, com certeza você seria minha candidata! Muita força pra você!

Anônimo disse...

Lola, já que você fala tanto que as igrejas têm que pagar impostos, eu proponho um acordo para você:
As igrejas devolvem todo o dinheiro que elas economizaram por não pagar impostos, mas ao mesmo tempo todas as conquistas das mulheres na sociedade que elas apoiaram e ajudaram serão desfeitas. Você toparia esse acordo?
Não sou de igreja nenhuma, mas quero que você e suas leitoras super espertas estudem a história e pensem nisso.
Não fosse a igreja católica, mulher no Brasil seria tratada igual bicho. Pense no seguinte: Por que as mulheres tem a Maria da Penha e os gays não conseguem aprovar uma lei para eles?

Anônimo disse...

17:37
A igreja católica é uma bosta, amigo. Assim como a evangélica. As mulheres conseguiram o que conseguiram porque sonharam e lutaram por isso.

Se fossemos esperar de bom grado, estaríamos até hoje lavando cueca de macho preguiçoso.

Kittsu disse...

"Lola, já que você fala tanto que as igrejas têm que pagar impostos, eu proponho um acordo para você:
As igrejas devolvem todo o dinheiro que elas economizaram por não pagar impostos, mas ao mesmo tempo todas as conquistas das mulheres na sociedade que elas apoiaram e ajudaram serão desfeitas. Você toparia esse acordo?
Não sou de igreja nenhuma, mas quero que você e suas leitoras super espertas estudem a história e pensem nisso.
Não fosse a igreja católica, mulher no Brasil seria tratada igual bicho. Pense no seguinte: Por que as mulheres tem a Maria da Penha e os gays não conseguem aprovar uma lei para eles?"


Eu proponho um acordo: quando você estiver com fome e quiser comer, ao invés disso você vomita tudo o que comeu durante a semana e em troca as criancinhas de baixa renda devolvem suas escolas, afinal, já que você pagou tanto imposto e não pode comer então as pessoas que se beneficiariam desses impostos também não devem ter o direito de usufruir disso!


("lógica" mais estupida, viu.)

Anônimo disse...

"Lola, já que você fala tanto que as igrejas têm que pagar impostos, eu proponho um acordo para você:
As igrejas devolvem todo o dinheiro que elas economizaram por não pagar impostos, mas ao mesmo tempo todas as conquistas das mulheres na sociedade que elas apoiaram e ajudaram serão desfeitas. Você toparia esse acordo?
Não sou de igreja nenhuma, mas quero que você e suas leitoras super espertas estudem a história e pensem nisso.
Não fosse a igreja católica, mulher no Brasil seria tratada igual bicho. Pense no seguinte: Por que as mulheres tem a Maria da Penha e os gays não conseguem aprovar uma lei para eles?"

esse aqui tomou peyote achando que era água benta

Anônimo disse...

"Lola, já que você fala tanto que as igrejas têm que pagar impostos, eu proponho um acordo para você:
As igrejas devolvem todo o dinheiro que elas economizaram por não pagar impostos, mas ao mesmo tempo todas as conquistas das mulheres na sociedade que elas apoiaram e ajudaram serão desfeitas. Você toparia esse acordo?
Não sou de igreja nenhuma, mas quero que você e suas leitoras super espertas estudem a história e pensem nisso.
Não fosse a igreja católica, mulher no Brasil seria tratada igual bicho."

Kkkkkkkkkkkkkkkkkk que mascu engraçado...Aonde que a igreja católica apoiou as mulheres? Ela nunca fez isso!

Maria Cecilia disse...

Raven,
Tambem aceito sugestoes, anda dificil!
Por enquanto meus votos sao da Xenia Melo (estadual) e do Goura (federal).

Jéssica disse...

Para o anon desinformado, o motivo da lei Maria da Penha ter surgido: http://www.observe.ufba.br/lei_mariadapenha
Ou em outras palavras, pressão internacional, porque o Brasil não liga a minima para suas cidadãs, e depender da Igreja ainda estariámos parindo 10 filhos e pegando DSTs, como era no Brasil rural e como é hoje em vários paises africanos, onde a igreja católica tem forte influência.

Jéssica disse...

Completando, já que a igreja tanto proibe camisinhas como não ensina a tabelinha ou ensina errado de proposito (o motivo de minha avó ter tido mais de 10 filhos, os padres diziam que a época mais segura para sexo era justamente no periodo fertil)

Anônimo disse...

nossa anon das 17:37 pfvr nos ilumine com quais conquistas a IC nos ajudou a conseguir

Anônimo disse...

Anônimo, feministas querem um estado laico. Que tal vocês continuarem com suas missas, rituais, orações, mas passarem bem longe da política?
Dê uma explicação minimamente convincente pra que igrejas (a maioria delas milionárias, bilionárias) continuem não pagando impostos, enquanto todos nós, pessoas físicas e jurídicas pagamos.
E que tal a igreja católica fazer voltar a vida todas as mulheres queimadas como bruxas, deixar de militar contra leis de descriminalização do aborto, parar de acobertar inúmeros casos de pedofilia e abusos sexuais por parte de padres, aceitar que mulheres possam ter o mesmo poder que os homens dentro da igreja, parar de falar abobrinhas a respeito do casamento gay?
A igreja apoiar uma ou outra coisa benéfica a mulher é muito pouco diante de todo o resto que já fizeram. Aliás, é o mínimo que deveriam fazer, já que são sustentados pelos impostos dos cidadãos, católicos ou não.
Por que não vivem apenas dos dízimos de seus fiéis? Seria o mais justo.

Anônimo disse...

Precisamos de mais "Silvias" com essa coragem pelo Brasil.
Precisamos de uma Silvia urgente nessas eleições em Recife.

Anônimo disse...

Quem é a padroeira do Brasil? É um danado de um homem? É um gay? Não. A maior figura do catolicismo brasileiro sempre foi uma mulher.
É graças a Igreja Católica que a mulher no Brasil tem essa imagem de guerreira, de batalhadora, de imaculada. É por isso que ninguém no Congresso ousa falar contra os direitos das mulheres. No Brasil, consolidou-se a imagem da mulher como ser intocável.

Vocês acham que também não há pressão internacional para garantia dos direitos dos homossexuais no Brasil? Há sim, e ela é imensa. E mesmo assim nós gays não conseguimos nada. Por que? Porque as mulheres antigamente tinham essa aliança maldita com a igreja católica. Hoje elas têm essa aliança maldita com o comunismo.

A pressão para aprovar a lei Maria da Penha veio da OEA. Pois bem, ano passado o Brasil assinou também na OEA a Convenção Interamericana Contra o Racismo, a Discriminação Racial e Formas Correlatas de Intolerância. A convenção prevê que os países ajustem sua legislação para proteger os homossexuais. O que aconteceu? Nada.
A vida da mulher no Brasil é muito mais fácil do que vocês imaginam.

Anônimo disse...

Veja a Rússia, que não é um país católico. A Rússia é uma país ortodoxo. Veja como a mulher é tratada por lá: https://www.youtube.com/watch?v=Lo7l8kj5zLk

Ta-chan disse...



"Quem é a padroeira do Brasil? É um danado de um homem? É um gay? Não. A maior figura do catolicismo brasileiro sempre foi uma mulher." Uma mulher passiva que em tudo dependeu da vontade dos homens.O que isso pode ter de bom?


"É graças a Igreja Católica que a mulher no Brasil tem essa imagem de guerreira, de batalhadora, de imaculada." A mulher e os pobres em geral são mostrados pelas igrejas desse jeito pra dizer que eles são os heróis de deus, então não precisam lutar por nada, pq deus prometeu o paraíso a eles depois da morte.Isso é uma das piores coisas da igreja católica, o culto à pobreza como forma de controle social.

"É por isso que ninguém no Congresso ousa falar contra os direitos das mulheres. No Brasil, consolidou-se a imagem da mulher como ser intocável." Vou nem comentar essa parte pois esse chorume fala por si só.

"Vocês acham que também não há pressão internacional para garantia dos direitos dos homossexuais no Brasil? Há sim, e ela é imensa. E mesmo assim nós gays não conseguimos nada. Por que? Porque as mulheres antigamente tinham essa aliança maldita com a igreja católica. Hoje elas têm essa aliança maldita com o comunismo." ????????????????????????????????????????????????????????????????????


"A pressão para aprovar a lei Maria da Penha veio da OEA. Pois bem, ano passado o Brasil assinou também na OEA a Convenção Interamericana Contra o Racismo, a Discriminação Racial e Formas Correlatas de Intolerância. A convenção prevê que os países ajustem sua legislação para proteger os homossexuais. O que aconteceu? Nada."É pra garantir o direito das minorias que precisamos separar a politica do estado.A lei Maria da Penha foi aprovada, mas ainda não é cumprida.As mulheres estão na luta pra que a lei seja implementada de fato.Os movimentos LGBT estão lutando para que a homofobia seja criminalizada e as feministas tbm apoiam.Da onde vc tirou que os gays estão sendo prejudicados pelo fato das mulheres terem conseguido uma lei pra protegê-las?

"A vida da mulher no Brasil é muito mais fácil do que vocês imaginam.
20 de setembro de 2014 04:29"Que comecem as olimpíadas da opressão! Se não for pra lutar pelo o que eu digo que é mais grave, não pode lutar por nada!As mulher, os negro, os defensor de animais todo mundo tem que parar tudo e lutar por mim!!!11!!!onze!

Anônimo disse...

Para deputada estadual no Paraná tem a Professora Josete também. Se diz feminista e foi uma das mais ativas entre os vereadores de Curitiba.

Anônimo disse...

Olá. Eu sempre me identifiquei como um DEUS, e acho que tenho o direito de ser idolatrado.
Devemos lutar contra a divinofobia.

lola aronovich disse...

Que bom pra vc se identificar como um deus, ô escrotossauro. Alguém está te impedindo de ser idolatrado? Fora o fato de ninguém ser maluco o suficiente pra idolatrar um transfóbico nojento como vc?
Decidi deixar esse comentário transfóbico, bem light, pra não passar a impressão de que não recebi MUITOS comentários cheios de ódio (que não aprovei). Sinceramente, quem acredita que transfobia não existe deveria dar uma olhadinha nos comentários que deletei... Um pior que o outro.

Anônimo disse...

O dever de uma candidata transfeminista seria garantir que mulheres trans pudessem ser atendidas em delegacias da mulher, e não dar mais privilégio pruzomi com delegacias gays.
Desculpa, mas, não tem meu voto.

Anônimo disse...

Adoro quando vc fica bravica com meus comentários professora :P

Anônimo disse...

É bem complicado, sabe? Por exemplo, o que vocês pensam sobre mulheres trans em presídios femininos? Qual seria o critério para colocar uma mulher trans lá, só a auto identificação? Bem, Lola... Eu sei que você tá cansada de comentários transfóbicos, mas existe a necessidade de uma discussão sobre isso sim. E a candidata trans defende as mulheres ou a população LGBT? Já que são pautas diferentes. Enfim, não sei bem o que pensar, confesso que o assunto me deixa bem confusa, como feminista...

Ana Eufrázio disse...

Pense numa raiva que tenho quando se começa uma argumentação usando a expressão "É complicado". Não seria mais interessante o uso da expressão "É necessário"? Acho que existe uma centena de questões envolvendo mulheres a comunidade LGBTT que precisam ser discutidas a exaustão. Precisamos que a sociedade não empurre para debaixo do tapete uma realidade que está dentro da nossa casa e a homossexualidade/transexualidade e outros estão entre entre eles. Não temos mais como adiar essa discussão e a inserção de pessoas que pertencem ao grupo LGBTT nos espaços político pode sim provocar e promover o debate.

donadio disse...

"no Paraná tem a Professora Josete também. Se diz feminista e foi uma das mais ativas entre os vereadores de Curitiba."

E além disso é candidata por um partido sério e comprometido com as transformações de que o Brasil precisa: o PT.

Anônimo disse...

Transfeminismo e feminismo são a mesma coisa, só muda que um trans ou uma mulher que defende? Desculpem se a pergunta for imbecil mas eu to tomando contato com esses assuntos não faz muito tempo, tenho 15 anos.